SlideShare uma empresa Scribd logo
Sessão Clínica do  CTI HSL Agitação psicomotora e febre em politraumatizado. Qual sua opinião?
Sessão Clínica do CTI HSL CWG, 32 anos, sem histórico patológico prévio e com histórico de etilismo, em  04/09/2010 foi vítima de acidente automobilístico (colisão frontal em alta velocidade com realto de uso de cinto de segurança) seguido de politrauma contuso, sendo admitido inicialmente em Hospital de Angra dos Reis, onde foram diagnosticadas fraturas de MMII tratadas cirurgicamente pela equipe de ortopedia do hospital.  Submetido a avaliação clínica emergencial e a exames radiológicos, incluindo TC de crânio, que descartaram lesão ou sintomatologia neurológica. Durante o período pós-operatório apresentou quadro de agitação psicomotora com necessidade do uso de sedativos e neurolépticos, com relato de periodos de confusão mental associados a mioclonias e espasmos musculares associados de alguma forma ao uso de medicações para controle da agitação psicomotora.
Sessão Clínica do CTI HSL Permaneceu 9 dias internado em Angra dos Reis, sendo transferido para o Hospital Ortopédico do Rio de Janeiro, onde foi submetido a reabordagem cirúrgica ortopédica, da qual não foram fornecidos dados médicos muito esclarecedores, e evoluiu com novo quadro de agitação psicomotora, novamente com necessidade de controle com ansiolíticos/neurolépticos, apresentando piora das mioclonias associadas a rigidez muscular progressiva. Recebeu alta hospitalar em 25/09/10, porém, em cerca de 72 horas ouve marcada piora do quadro clínico, passando-se a associar a febre e quadro convulsivo. Foi então novamente admitido em Hospital localizado na zona oeste da cidade e transferido para o CTI do HSL para tratamento clínico, com suspeita diagnóstica de síndrome neuroléptica maligna.
Sessão Clínica do CTI HSL À admissão: PA: 156x94 mmHg	FC:100	bpm	FR: 20 irpm sO2:96%(AA) Acordado, acompanhando o interlocutor com o olhar porém incapaz de comunicar-se adequadamente devido a disartria, fóbico porém coperativo, pupilas isocóricas,  fotorreagentes, déficit cognitivo aparente. Apresentando mioclonias em região perioral e em MMSS, poupando MMII. Tônus muscular aumentado / paresia-paralisiaespástica de MMII (+++ MI Esquerdo e ++++ MI direito) Ritmo cardíaco regular em 2 tempos, bulhas normofonéticas sem sopros. MVUA algo diminuído em base direita sem ruídos adventícios. Abdomen flácido, peristáltico, sem visceromegalias, massas ou dor à palpação superficial e profunda. Panturrilhas livres, MMII sem sinais de infecção em feridas operatórias.
Sessão Clínica do CTI HSL Exames complementares laboratoriais: Hg 11.3				PCR T inferior a 0.07 Hematócrito 35.6%		              CK total 70 U/l Leucócitos 4800			Mioglobina 92 ng/ml Bastões 6% Segmentados 11% Plaquetas 447 Presença de monocitose 13% Glicemia 98 mg/dl Uréia 28 Creatininta 0.5 Sódio 139 Potássio 3.1 Magnésio 1.8
Sessão Clínica do  CTI HSL Exames radiológicos: RNM de coluna cervical: Edema nas partes moles paravertebrais posteriormente. Retificação da lordose cervical. Diminutas protrusões discais póstero-mediana focal em C2-C3 e posterior de base larga em C3-C4. Redução do forame neural de C3-C4 à esquerda e irregularidade do processo transverso de C3 deste lado. RNM de coluna torácica: Contusão no istmo de D5 à direita e no processo articular inferior de D1 à esquerda. A critério clínico correlacionar com tomografia computadorizada. Protrusões discais paramediana posterior à direita em D5-D6 e posterior de base larga em D7-D8 comprimindo o saco dural e no primeiro nível endentando a medula. Lâmina de líquido nas articulações interapofisárias.
Sessão Clínica do CTI HSL RNM de coluna lombar: Edema na musculatura paravertebral posteriormente. Protrusões discais medianas-paramedianas posteriores à esquerda em L4-L5 e L5-S1. Discreto abaulamento do restante do disco de L4-L5. Lâmina de líquido nas articulações interapofisárias e discretas alterações degenerativas nas articulações interapofisárias de L3-L4 e L4-L5.
Sessão Clínica de CTI HSL RNM de crânio: Imagens mais significativas em sequência.
Sessão Clínica do CTI HSL Imagem 1 (Flair)
Sessão Clínica do CTI HSL Imagem 2 (T2)
Sessão Clínica do CTI HSL  RNM de Crânio: Lesões na ponte e nos tálamos, a correlacionar com dados clínico-laboratoriais e alterações tóxica-metabólicas prévias. Higroma. Diminuto foco hemático extra-axial frontal à esquerda.
Sessão Clínica do CTI HSL  Conduta terapêutica / Evolução no CTI e em Enfermaria: Familiar profissional da área de saúde relatou que durante o período de internação hospitalar em Angra dos Reis ouve hiponatremia corrigida por infusão venosa, cerca de 48/72 horas após admissão e à luz dos resultados da RNM crânio. Interrompido o uso de neurolépticos. Iniciado tratamento agressivo para controle da temperatura corporal e fisioterapia motora intensiva. Iniciados bromocriptina (15-20 mg/dia), amantadina (inicialmente 100 mg./dia, posteriormente 200 mg./dia), diazepam regular, baclofeno 10 mg./dia e carbamazepina 200 mg./dia, com melhora da hipertonia, mioclonias e disartria, e posteriormente sua dose aumentada conforme a resposta clínica. Em conjunto com a ortopedia iniciado tratamento com toxina botulínica para controle da espasticidade muscular de MMII com objetivo a avaliação de lesões articulares de joelhos e retração músculo tendínea, somente autorizada por sua seguradora em 28/10.
Sessão Clínica do CTI HSL  Em 19/10/2010, no seu 7º dia de internação já não apresentava evidências de síndrome neuroléptica em atividade, segundo parecer do neurologista assistente, mantendo sinais de lesão extra-piramidal, pontina e de vias cerebelares. Apresentou rash cutâneo associado ao uso de dipirona e tratado com corticoterapia, com melhora sintomática.] Progrediu com melhora progressiva da ataxia e discinesia e das mioclonias. Apresentou pronação de pé E refratária ao tratamento com toxina botulínica e fisioterapia. Em 12/11/11 recebeu alta hospitalar melhor evolutivamente sob o ponto de vista neurológico, porém ainda com graves seqüelas neurológicas e ortopédicas, para tratamento ambulatorial e cirúrgico eletivo.
Sessão Clínica do CTI HSL  MielinólisePontina e Extra-Pontina Laureno e Karpa, Vitor e Adams – 1949: Primeiro relato de caso.  Adams et Al. – 1959: Descrição de tal condição como entidade clínico patológica, a mielinólisepontina central (MPC). Com o passar do tempo, com a descrição de vários casos de MPC, observou-se que 10% deles apresentavam concomitantemente áreas de mielinóse fora da ponte, caracterizando portanto a mielinóliseextra-pontina (MEP). Em 1970 foi estabelecida uma forte correlação entre mielinólisepontina e hiponatremia. Incidência de difícil precisão. Stern et al. Relataram a presença de complicações neurológicas em 25% dos pacientes após correção de estado hiponatrêmico grave.
Sessão Clínica do CTI HSL  Associada também a transplantes hepáticos. Sintomas: Mutismo / Disartria Letargia/Mudanças afetivas Tetraparesia espástica Paralisia pseudo-bulbar  A mielinólise extra pontina manifesta-se geralmente com ataxia, movimentos coreo-atetóticos, parkinsonismo e distonia. Exames de neuroimagem são imprescindíveis. TC: áreas simétricas de hipodensidade na ponte ou extrapontinas. RNM: área de sinal hipodenso nas sequências ponderadas em T1. Nas sequências ponderadas em T2, o sinal hiperintenso adquire formatos diferentes. Exames normais nos primeiros dias não excluem o diagnóstico.
Sessão Clínica do CTI HSL  Tratamento: Não possui tratamento especifíco. Recentemente o uso de corticosteróides já foi utilizado com sucesso. Evolução é variável, desde a recuperação total sem seqüelas até o óbito, e em geral é lenta, gradativa. Inicialmente associados ao etilismo e hepatopatia, hoje também associados a insuficiência renal, uso de diuréticos e transplante hepático. Sternset al. Ressaltaram a correlação entre a rápida correção da hiponatremia e MCP/MEP, recomenda-se atualmente que a reposição de sódio não ultrapasse 10-12 mEq. em 24 horas.
Sessão Clínica do CTI HSL  Síndrome Neuroléptica Maligna Reação ao uso de substâncias relacionadas à dopamina, notadamente neurolépticos(antieméticose outros tb possuem ação sobre receptores dopaminérgicos. Seu surgimento após o uso de antipsicóticos tópicos, ou de primeira geração, varia de 0.02% a 2.46%. Cerca de 80% dos casos ocorrem dentro das 2 primeiras semanas de tratamento, ou quando ocorre um aumento da dosagem de antipsicóticos. Fatores de risco: Episódio anterior / Catatonia / Agitação, desidratação, restrição física e deficiência de ferro / Temperatura ambiente elevada / antipsicóticos de alta potência / esquemas multimedicamentosos.
Sessão Clínica do CTI HSL  Quadro clínico Rigidez muscular grave Hipertermia Dois ou mais dos seguintes sintomas: ,[object Object]
Disfagia
Tremor
Incontinência

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

103198
103198103198
103198
Rodrigo Lima
 
Caso clínico II - Estenose Aórtica
Caso clínico II - Estenose AórticaCaso clínico II - Estenose Aórtica
Caso clínico II - Estenose Aórtica
Cristiano Marta Figueiredo
 
Eletroconvulsoterapia e Estimulação Magnética Transcraniana
Eletroconvulsoterapia e Estimulação Magnética TranscranianaEletroconvulsoterapia e Estimulação Magnética Transcraniana
Eletroconvulsoterapia e Estimulação Magnética Transcraniana
Matheus Cheibub
 
Emergências oncologias
Emergências oncologiasEmergências oncologias
Emergências oncologias
ctisaolucascopacabana
 
Sessão de artigo
Sessão de artigoSessão de artigo
Sessão de artigo
janinemagalhaes
 
Tratamento síndrome do tunel do carpo diretrizes 2011
Tratamento síndrome do tunel do carpo diretrizes 2011Tratamento síndrome do tunel do carpo diretrizes 2011
Tratamento síndrome do tunel do carpo diretrizes 2011
Rosiane Pinho
 
Sessão caso
Sessão  casoSessão  caso
Sessão caso
janinemagalhaes
 
Sedation and delirium in the intensive
Sedation and delirium in the intensiveSedation and delirium in the intensive
Sedation and delirium in the intensive
Janine Magalhaes
 
Síndrome dolorosa do complexo regional I e II
Síndrome dolorosa do complexo regional  I e IISíndrome dolorosa do complexo regional  I e II
Síndrome dolorosa do complexo regional I e II
Dr. Rafael Higashi
 
1 arterite
1 arterite1 arterite
1 arterite
juniorportes
 
Índice Tornozelo-Braquial (ITB)
Índice Tornozelo-Braquial (ITB)Índice Tornozelo-Braquial (ITB)
Índice Tornozelo-Braquial (ITB)
Daniel Valente
 
Mercredi intensif 27 fevereiro 2013
Mercredi intensif 27 fevereiro 2013Mercredi intensif 27 fevereiro 2013
Mercredi intensif 27 fevereiro 2013
ctisaolucascopacabana
 
Sessão 2014.09.06 jose carlos
Sessão 2014.09.06 jose carlosSessão 2014.09.06 jose carlos
Sessão 2014.09.06 jose carlos
Janine Magalhaes
 
Cga.neurologia.neuropatias perifericas (1)
Cga.neurologia.neuropatias perifericas (1)Cga.neurologia.neuropatias perifericas (1)
Cga.neurologia.neuropatias perifericas (1)
Andreé Sigala Escamilla
 
Sessão clinica
Sessão clinicaSessão clinica
Sessão clinica
ctisaolucascopacabana
 
Aula 20 acidentes e complicações da anestesia local 21092013 [compatibility...
Aula 20   acidentes e complicações da anestesia local 21092013 [compatibility...Aula 20   acidentes e complicações da anestesia local 21092013 [compatibility...
Aula 20 acidentes e complicações da anestesia local 21092013 [compatibility...
Isabela Ribeiro
 
Tontura no idoso e doença de Ménière
Tontura no idoso e doença de MénièreTontura no idoso e doença de Ménière
Tontura no idoso e doença de Ménière
Dario Hart
 
Atuação da fisioterapia na sindrome do carpo
Atuação da fisioterapia na sindrome do carpoAtuação da fisioterapia na sindrome do carpo
Atuação da fisioterapia na sindrome do carpo
adrianomedico
 
Introdução a dor
Introdução a dorIntrodução a dor
Introdução a dor
Dr. Rafael Higashi
 
Apresentação raciocionio clínico
Apresentação raciocionio clínicoApresentação raciocionio clínico
Apresentação raciocionio clínico
janinemagalhaes
 

Mais procurados (20)

103198
103198103198
103198
 
Caso clínico II - Estenose Aórtica
Caso clínico II - Estenose AórticaCaso clínico II - Estenose Aórtica
Caso clínico II - Estenose Aórtica
 
Eletroconvulsoterapia e Estimulação Magnética Transcraniana
Eletroconvulsoterapia e Estimulação Magnética TranscranianaEletroconvulsoterapia e Estimulação Magnética Transcraniana
Eletroconvulsoterapia e Estimulação Magnética Transcraniana
 
Emergências oncologias
Emergências oncologiasEmergências oncologias
Emergências oncologias
 
Sessão de artigo
Sessão de artigoSessão de artigo
Sessão de artigo
 
Tratamento síndrome do tunel do carpo diretrizes 2011
Tratamento síndrome do tunel do carpo diretrizes 2011Tratamento síndrome do tunel do carpo diretrizes 2011
Tratamento síndrome do tunel do carpo diretrizes 2011
 
Sessão caso
Sessão  casoSessão  caso
Sessão caso
 
Sedation and delirium in the intensive
Sedation and delirium in the intensiveSedation and delirium in the intensive
Sedation and delirium in the intensive
 
Síndrome dolorosa do complexo regional I e II
Síndrome dolorosa do complexo regional  I e IISíndrome dolorosa do complexo regional  I e II
Síndrome dolorosa do complexo regional I e II
 
1 arterite
1 arterite1 arterite
1 arterite
 
Índice Tornozelo-Braquial (ITB)
Índice Tornozelo-Braquial (ITB)Índice Tornozelo-Braquial (ITB)
Índice Tornozelo-Braquial (ITB)
 
Mercredi intensif 27 fevereiro 2013
Mercredi intensif 27 fevereiro 2013Mercredi intensif 27 fevereiro 2013
Mercredi intensif 27 fevereiro 2013
 
Sessão 2014.09.06 jose carlos
Sessão 2014.09.06 jose carlosSessão 2014.09.06 jose carlos
Sessão 2014.09.06 jose carlos
 
Cga.neurologia.neuropatias perifericas (1)
Cga.neurologia.neuropatias perifericas (1)Cga.neurologia.neuropatias perifericas (1)
Cga.neurologia.neuropatias perifericas (1)
 
Sessão clinica
Sessão clinicaSessão clinica
Sessão clinica
 
Aula 20 acidentes e complicações da anestesia local 21092013 [compatibility...
Aula 20   acidentes e complicações da anestesia local 21092013 [compatibility...Aula 20   acidentes e complicações da anestesia local 21092013 [compatibility...
Aula 20 acidentes e complicações da anestesia local 21092013 [compatibility...
 
Tontura no idoso e doença de Ménière
Tontura no idoso e doença de MénièreTontura no idoso e doença de Ménière
Tontura no idoso e doença de Ménière
 
Atuação da fisioterapia na sindrome do carpo
Atuação da fisioterapia na sindrome do carpoAtuação da fisioterapia na sindrome do carpo
Atuação da fisioterapia na sindrome do carpo
 
Introdução a dor
Introdução a dorIntrodução a dor
Introdução a dor
 
Apresentação raciocionio clínico
Apresentação raciocionio clínicoApresentação raciocionio clínico
Apresentação raciocionio clínico
 

Semelhante a Qual é o seu diagnóstico?

Sessão clínica do cti hsl 2 06
Sessão clínica do  cti hsl   2 06Sessão clínica do  cti hsl   2 06
Sessão clínica do cti hsl 2 06
ctisaolucascopacabana
 
Palestra tce 2
Palestra tce 2Palestra tce 2
Palestra tce 2
neuroliga-nortemineira
 
Esclerose Multipla
Esclerose MultiplaEsclerose Multipla
Esclerose Multipla
PauloTrocoli2
 
Neurotoxoplasmose
NeurotoxoplasmoseNeurotoxoplasmose
Neurotoxoplasmose
ligadaneurounisc
 
Trombose Venosa cerebral
Trombose Venosa cerebralTrombose Venosa cerebral
Trombose Venosa cerebral
ctisaolucascopacabana
 
Trm
TrmTrm
Neuroimagem na prática neurológica
Neuroimagem na prática neurológicaNeuroimagem na prática neurológica
Neuroimagem na prática neurológica
Dr. Rafael Higashi
 
Manifestacoes neurologicas do VIH
Manifestacoes neurologicas do VIHManifestacoes neurologicas do VIH
Manifestacoes neurologicas do VIH
sebastiaomoises
 
Radio pronto
Radio prontoRadio pronto
Radio pronto
Norberto Werle
 
Doenas granulomatosas -_pdf
Doenas granulomatosas -_pdfDoenas granulomatosas -_pdf
Doenas granulomatosas -_pdf
Cassia Feitoza Rodrigues
 
Discussão de casos clínicos
Discussão de casos clínicosDiscussão de casos clínicos
Discussão de casos clínicos
Kate Antunes
 
Sintomas Neurológicos Alarmantes De Uma DoençA Comum
Sintomas Neurológicos Alarmantes De Uma DoençA ComumSintomas Neurológicos Alarmantes De Uma DoençA Comum
Sintomas Neurológicos Alarmantes De Uma DoençA Comum
Lázaro Inácio Araújo Rodrigues
 
Condutas médicas no paciente com distúrbios eletrolíticos agudos.curso de con...
Condutas médicas no paciente com distúrbios eletrolíticos agudos.curso de con...Condutas médicas no paciente com distúrbios eletrolíticos agudos.curso de con...
Condutas médicas no paciente com distúrbios eletrolíticos agudos.curso de con...
douglas silva
 
Pós operatório de cirurgia cardiovascular
Pós operatório de cirurgia cardiovascularPós operatório de cirurgia cardiovascular
Pós operatório de cirurgia cardiovascular
Paulo Sérgio
 
Apresentação cepeti-delirium-na-uti.pptx
Apresentação cepeti-delirium-na-uti.pptxApresentação cepeti-delirium-na-uti.pptx
Apresentação cepeti-delirium-na-uti.pptx
HelenKatharine1
 
Neuro Toxoplasmose
Neuro ToxoplasmoseNeuro Toxoplasmose
Neuro Toxoplasmose
MalenBarroso
 
AVC
AVCAVC
aula 02 - dores - sinais sintomas.pptx ahah
aula 02 - dores - sinais sintomas.pptx ahahaula 02 - dores - sinais sintomas.pptx ahah
aula 02 - dores - sinais sintomas.pptx ahah
douglas870578
 
Corea sydenham
Corea sydenhamCorea sydenham
Corea sydenham
Ramon Florez Acuña
 
Insuficiência cardíaca aguda
Insuficiência cardíaca aguda Insuficiência cardíaca aguda
Insuficiência cardíaca aguda
betoivomedeiros
 

Semelhante a Qual é o seu diagnóstico? (20)

Sessão clínica do cti hsl 2 06
Sessão clínica do  cti hsl   2 06Sessão clínica do  cti hsl   2 06
Sessão clínica do cti hsl 2 06
 
Palestra tce 2
Palestra tce 2Palestra tce 2
Palestra tce 2
 
Esclerose Multipla
Esclerose MultiplaEsclerose Multipla
Esclerose Multipla
 
Neurotoxoplasmose
NeurotoxoplasmoseNeurotoxoplasmose
Neurotoxoplasmose
 
Trombose Venosa cerebral
Trombose Venosa cerebralTrombose Venosa cerebral
Trombose Venosa cerebral
 
Trm
TrmTrm
Trm
 
Neuroimagem na prática neurológica
Neuroimagem na prática neurológicaNeuroimagem na prática neurológica
Neuroimagem na prática neurológica
 
Manifestacoes neurologicas do VIH
Manifestacoes neurologicas do VIHManifestacoes neurologicas do VIH
Manifestacoes neurologicas do VIH
 
Radio pronto
Radio prontoRadio pronto
Radio pronto
 
Doenas granulomatosas -_pdf
Doenas granulomatosas -_pdfDoenas granulomatosas -_pdf
Doenas granulomatosas -_pdf
 
Discussão de casos clínicos
Discussão de casos clínicosDiscussão de casos clínicos
Discussão de casos clínicos
 
Sintomas Neurológicos Alarmantes De Uma DoençA Comum
Sintomas Neurológicos Alarmantes De Uma DoençA ComumSintomas Neurológicos Alarmantes De Uma DoençA Comum
Sintomas Neurológicos Alarmantes De Uma DoençA Comum
 
Condutas médicas no paciente com distúrbios eletrolíticos agudos.curso de con...
Condutas médicas no paciente com distúrbios eletrolíticos agudos.curso de con...Condutas médicas no paciente com distúrbios eletrolíticos agudos.curso de con...
Condutas médicas no paciente com distúrbios eletrolíticos agudos.curso de con...
 
Pós operatório de cirurgia cardiovascular
Pós operatório de cirurgia cardiovascularPós operatório de cirurgia cardiovascular
Pós operatório de cirurgia cardiovascular
 
Apresentação cepeti-delirium-na-uti.pptx
Apresentação cepeti-delirium-na-uti.pptxApresentação cepeti-delirium-na-uti.pptx
Apresentação cepeti-delirium-na-uti.pptx
 
Neuro Toxoplasmose
Neuro ToxoplasmoseNeuro Toxoplasmose
Neuro Toxoplasmose
 
AVC
AVCAVC
AVC
 
aula 02 - dores - sinais sintomas.pptx ahah
aula 02 - dores - sinais sintomas.pptx ahahaula 02 - dores - sinais sintomas.pptx ahah
aula 02 - dores - sinais sintomas.pptx ahah
 
Corea sydenham
Corea sydenhamCorea sydenham
Corea sydenham
 
Insuficiência cardíaca aguda
Insuficiência cardíaca aguda Insuficiência cardíaca aguda
Insuficiência cardíaca aguda
 

Mais de ctisaolucascopacabana

Caso clinico
Caso clinicoCaso clinico
Caso clinico
ctisaolucascopacabana
 
Qual é o seu diagnostico 2
Qual é o seu diagnostico 2Qual é o seu diagnostico 2
Qual é o seu diagnostico 2
ctisaolucascopacabana
 
Emergências oncologias
Emergências oncologiasEmergências oncologias
Emergências oncologias
ctisaolucascopacabana
 
O que temos feito para prevenir e tratar[1]
O que temos feito para prevenir e tratar[1]O que temos feito para prevenir e tratar[1]
O que temos feito para prevenir e tratar[1]
ctisaolucascopacabana
 
Scr bild
Scr bildScr bild
Monitorização neurologica
Monitorização neurologicaMonitorização neurologica
Monitorização neurologica
ctisaolucascopacabana
 
Ultrassonografia na uti
Ultrassonografia na utiUltrassonografia na uti
Ultrassonografia na uti
ctisaolucascopacabana
 
Iv curso teórico prático - monitorização neurológica avançada
Iv curso teórico prático - monitorização neurológica avançadaIv curso teórico prático - monitorização neurológica avançada
Iv curso teórico prático - monitorização neurológica avançada
ctisaolucascopacabana
 
Sessão trale
Sessão traleSessão trale
Sessão trale
ctisaolucascopacabana
 
Medicina transfusional _-_cti[1]
Medicina transfusional _-_cti[1]Medicina transfusional _-_cti[1]
Medicina transfusional _-_cti[1]
ctisaolucascopacabana
 
Ruptura de cisto hepático infectado
Ruptura de cisto hepático infectadoRuptura de cisto hepático infectado
Ruptura de cisto hepático infectado
ctisaolucascopacabana
 
Ruptura de cisto hepático infectado
Ruptura de cisto hepático infectadoRuptura de cisto hepático infectado
Ruptura de cisto hepático infectado
ctisaolucascopacabana
 
Ruptura de cisto hepático infectado para congresso
Ruptura de cisto hepático infectado para congressoRuptura de cisto hepático infectado para congresso
Ruptura de cisto hepático infectado para congresso
ctisaolucascopacabana
 
Sedação e analgesia e delirio
Sedação e analgesia e delirioSedação e analgesia e delirio
Sedação e analgesia e delirio
ctisaolucascopacabana
 
Ruptura de cisto hepático infectado
Ruptura de cisto hepático infectadoRuptura de cisto hepático infectado
Ruptura de cisto hepático infectado
ctisaolucascopacabana
 
Sedação e analgesia e delirio
Sedação e analgesia e delirioSedação e analgesia e delirio
Sedação e analgesia e delirio
ctisaolucascopacabana
 
Iv curso teórico prático - aula hidroeletrol
Iv curso teórico prático - aula hidroeletrolIv curso teórico prático - aula hidroeletrol
Iv curso teórico prático - aula hidroeletrol
ctisaolucascopacabana
 
Iv curso teórico prático - aula ac bas
Iv curso teórico prático - aula ac basIv curso teórico prático - aula ac bas
Iv curso teórico prático - aula ac bas
ctisaolucascopacabana
 
Iv curso de medicina intensiva i renal a
Iv curso de medicina intensiva i renal aIv curso de medicina intensiva i renal a
Iv curso de medicina intensiva i renal a
ctisaolucascopacabana
 
Aula 1
Aula 1Aula 1

Mais de ctisaolucascopacabana (20)

Caso clinico
Caso clinicoCaso clinico
Caso clinico
 
Qual é o seu diagnostico 2
Qual é o seu diagnostico 2Qual é o seu diagnostico 2
Qual é o seu diagnostico 2
 
Emergências oncologias
Emergências oncologiasEmergências oncologias
Emergências oncologias
 
O que temos feito para prevenir e tratar[1]
O que temos feito para prevenir e tratar[1]O que temos feito para prevenir e tratar[1]
O que temos feito para prevenir e tratar[1]
 
Scr bild
Scr bildScr bild
Scr bild
 
Monitorização neurologica
Monitorização neurologicaMonitorização neurologica
Monitorização neurologica
 
Ultrassonografia na uti
Ultrassonografia na utiUltrassonografia na uti
Ultrassonografia na uti
 
Iv curso teórico prático - monitorização neurológica avançada
Iv curso teórico prático - monitorização neurológica avançadaIv curso teórico prático - monitorização neurológica avançada
Iv curso teórico prático - monitorização neurológica avançada
 
Sessão trale
Sessão traleSessão trale
Sessão trale
 
Medicina transfusional _-_cti[1]
Medicina transfusional _-_cti[1]Medicina transfusional _-_cti[1]
Medicina transfusional _-_cti[1]
 
Ruptura de cisto hepático infectado
Ruptura de cisto hepático infectadoRuptura de cisto hepático infectado
Ruptura de cisto hepático infectado
 
Ruptura de cisto hepático infectado
Ruptura de cisto hepático infectadoRuptura de cisto hepático infectado
Ruptura de cisto hepático infectado
 
Ruptura de cisto hepático infectado para congresso
Ruptura de cisto hepático infectado para congressoRuptura de cisto hepático infectado para congresso
Ruptura de cisto hepático infectado para congresso
 
Sedação e analgesia e delirio
Sedação e analgesia e delirioSedação e analgesia e delirio
Sedação e analgesia e delirio
 
Ruptura de cisto hepático infectado
Ruptura de cisto hepático infectadoRuptura de cisto hepático infectado
Ruptura de cisto hepático infectado
 
Sedação e analgesia e delirio
Sedação e analgesia e delirioSedação e analgesia e delirio
Sedação e analgesia e delirio
 
Iv curso teórico prático - aula hidroeletrol
Iv curso teórico prático - aula hidroeletrolIv curso teórico prático - aula hidroeletrol
Iv curso teórico prático - aula hidroeletrol
 
Iv curso teórico prático - aula ac bas
Iv curso teórico prático - aula ac basIv curso teórico prático - aula ac bas
Iv curso teórico prático - aula ac bas
 
Iv curso de medicina intensiva i renal a
Iv curso de medicina intensiva i renal aIv curso de medicina intensiva i renal a
Iv curso de medicina intensiva i renal a
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
 

Qual é o seu diagnóstico?

  • 1. Sessão Clínica do CTI HSL Agitação psicomotora e febre em politraumatizado. Qual sua opinião?
  • 2. Sessão Clínica do CTI HSL CWG, 32 anos, sem histórico patológico prévio e com histórico de etilismo, em 04/09/2010 foi vítima de acidente automobilístico (colisão frontal em alta velocidade com realto de uso de cinto de segurança) seguido de politrauma contuso, sendo admitido inicialmente em Hospital de Angra dos Reis, onde foram diagnosticadas fraturas de MMII tratadas cirurgicamente pela equipe de ortopedia do hospital. Submetido a avaliação clínica emergencial e a exames radiológicos, incluindo TC de crânio, que descartaram lesão ou sintomatologia neurológica. Durante o período pós-operatório apresentou quadro de agitação psicomotora com necessidade do uso de sedativos e neurolépticos, com relato de periodos de confusão mental associados a mioclonias e espasmos musculares associados de alguma forma ao uso de medicações para controle da agitação psicomotora.
  • 3. Sessão Clínica do CTI HSL Permaneceu 9 dias internado em Angra dos Reis, sendo transferido para o Hospital Ortopédico do Rio de Janeiro, onde foi submetido a reabordagem cirúrgica ortopédica, da qual não foram fornecidos dados médicos muito esclarecedores, e evoluiu com novo quadro de agitação psicomotora, novamente com necessidade de controle com ansiolíticos/neurolépticos, apresentando piora das mioclonias associadas a rigidez muscular progressiva. Recebeu alta hospitalar em 25/09/10, porém, em cerca de 72 horas ouve marcada piora do quadro clínico, passando-se a associar a febre e quadro convulsivo. Foi então novamente admitido em Hospital localizado na zona oeste da cidade e transferido para o CTI do HSL para tratamento clínico, com suspeita diagnóstica de síndrome neuroléptica maligna.
  • 4. Sessão Clínica do CTI HSL À admissão: PA: 156x94 mmHg FC:100 bpm FR: 20 irpm sO2:96%(AA) Acordado, acompanhando o interlocutor com o olhar porém incapaz de comunicar-se adequadamente devido a disartria, fóbico porém coperativo, pupilas isocóricas, fotorreagentes, déficit cognitivo aparente. Apresentando mioclonias em região perioral e em MMSS, poupando MMII. Tônus muscular aumentado / paresia-paralisiaespástica de MMII (+++ MI Esquerdo e ++++ MI direito) Ritmo cardíaco regular em 2 tempos, bulhas normofonéticas sem sopros. MVUA algo diminuído em base direita sem ruídos adventícios. Abdomen flácido, peristáltico, sem visceromegalias, massas ou dor à palpação superficial e profunda. Panturrilhas livres, MMII sem sinais de infecção em feridas operatórias.
  • 5. Sessão Clínica do CTI HSL Exames complementares laboratoriais: Hg 11.3 PCR T inferior a 0.07 Hematócrito 35.6% CK total 70 U/l Leucócitos 4800 Mioglobina 92 ng/ml Bastões 6% Segmentados 11% Plaquetas 447 Presença de monocitose 13% Glicemia 98 mg/dl Uréia 28 Creatininta 0.5 Sódio 139 Potássio 3.1 Magnésio 1.8
  • 6. Sessão Clínica do CTI HSL Exames radiológicos: RNM de coluna cervical: Edema nas partes moles paravertebrais posteriormente. Retificação da lordose cervical. Diminutas protrusões discais póstero-mediana focal em C2-C3 e posterior de base larga em C3-C4. Redução do forame neural de C3-C4 à esquerda e irregularidade do processo transverso de C3 deste lado. RNM de coluna torácica: Contusão no istmo de D5 à direita e no processo articular inferior de D1 à esquerda. A critério clínico correlacionar com tomografia computadorizada. Protrusões discais paramediana posterior à direita em D5-D6 e posterior de base larga em D7-D8 comprimindo o saco dural e no primeiro nível endentando a medula. Lâmina de líquido nas articulações interapofisárias.
  • 7. Sessão Clínica do CTI HSL RNM de coluna lombar: Edema na musculatura paravertebral posteriormente. Protrusões discais medianas-paramedianas posteriores à esquerda em L4-L5 e L5-S1. Discreto abaulamento do restante do disco de L4-L5. Lâmina de líquido nas articulações interapofisárias e discretas alterações degenerativas nas articulações interapofisárias de L3-L4 e L4-L5.
  • 8. Sessão Clínica de CTI HSL RNM de crânio: Imagens mais significativas em sequência.
  • 9. Sessão Clínica do CTI HSL Imagem 1 (Flair)
  • 10. Sessão Clínica do CTI HSL Imagem 2 (T2)
  • 11. Sessão Clínica do CTI HSL RNM de Crânio: Lesões na ponte e nos tálamos, a correlacionar com dados clínico-laboratoriais e alterações tóxica-metabólicas prévias. Higroma. Diminuto foco hemático extra-axial frontal à esquerda.
  • 12. Sessão Clínica do CTI HSL Conduta terapêutica / Evolução no CTI e em Enfermaria: Familiar profissional da área de saúde relatou que durante o período de internação hospitalar em Angra dos Reis ouve hiponatremia corrigida por infusão venosa, cerca de 48/72 horas após admissão e à luz dos resultados da RNM crânio. Interrompido o uso de neurolépticos. Iniciado tratamento agressivo para controle da temperatura corporal e fisioterapia motora intensiva. Iniciados bromocriptina (15-20 mg/dia), amantadina (inicialmente 100 mg./dia, posteriormente 200 mg./dia), diazepam regular, baclofeno 10 mg./dia e carbamazepina 200 mg./dia, com melhora da hipertonia, mioclonias e disartria, e posteriormente sua dose aumentada conforme a resposta clínica. Em conjunto com a ortopedia iniciado tratamento com toxina botulínica para controle da espasticidade muscular de MMII com objetivo a avaliação de lesões articulares de joelhos e retração músculo tendínea, somente autorizada por sua seguradora em 28/10.
  • 13. Sessão Clínica do CTI HSL Em 19/10/2010, no seu 7º dia de internação já não apresentava evidências de síndrome neuroléptica em atividade, segundo parecer do neurologista assistente, mantendo sinais de lesão extra-piramidal, pontina e de vias cerebelares. Apresentou rash cutâneo associado ao uso de dipirona e tratado com corticoterapia, com melhora sintomática.] Progrediu com melhora progressiva da ataxia e discinesia e das mioclonias. Apresentou pronação de pé E refratária ao tratamento com toxina botulínica e fisioterapia. Em 12/11/11 recebeu alta hospitalar melhor evolutivamente sob o ponto de vista neurológico, porém ainda com graves seqüelas neurológicas e ortopédicas, para tratamento ambulatorial e cirúrgico eletivo.
  • 14. Sessão Clínica do CTI HSL MielinólisePontina e Extra-Pontina Laureno e Karpa, Vitor e Adams – 1949: Primeiro relato de caso. Adams et Al. – 1959: Descrição de tal condição como entidade clínico patológica, a mielinólisepontina central (MPC). Com o passar do tempo, com a descrição de vários casos de MPC, observou-se que 10% deles apresentavam concomitantemente áreas de mielinóse fora da ponte, caracterizando portanto a mielinóliseextra-pontina (MEP). Em 1970 foi estabelecida uma forte correlação entre mielinólisepontina e hiponatremia. Incidência de difícil precisão. Stern et al. Relataram a presença de complicações neurológicas em 25% dos pacientes após correção de estado hiponatrêmico grave.
  • 15. Sessão Clínica do CTI HSL Associada também a transplantes hepáticos. Sintomas: Mutismo / Disartria Letargia/Mudanças afetivas Tetraparesia espástica Paralisia pseudo-bulbar A mielinólise extra pontina manifesta-se geralmente com ataxia, movimentos coreo-atetóticos, parkinsonismo e distonia. Exames de neuroimagem são imprescindíveis. TC: áreas simétricas de hipodensidade na ponte ou extrapontinas. RNM: área de sinal hipodenso nas sequências ponderadas em T1. Nas sequências ponderadas em T2, o sinal hiperintenso adquire formatos diferentes. Exames normais nos primeiros dias não excluem o diagnóstico.
  • 16. Sessão Clínica do CTI HSL Tratamento: Não possui tratamento especifíco. Recentemente o uso de corticosteróides já foi utilizado com sucesso. Evolução é variável, desde a recuperação total sem seqüelas até o óbito, e em geral é lenta, gradativa. Inicialmente associados ao etilismo e hepatopatia, hoje também associados a insuficiência renal, uso de diuréticos e transplante hepático. Sternset al. Ressaltaram a correlação entre a rápida correção da hiponatremia e MCP/MEP, recomenda-se atualmente que a reposição de sódio não ultrapasse 10-12 mEq. em 24 horas.
  • 17. Sessão Clínica do CTI HSL Síndrome Neuroléptica Maligna Reação ao uso de substâncias relacionadas à dopamina, notadamente neurolépticos(antieméticose outros tb possuem ação sobre receptores dopaminérgicos. Seu surgimento após o uso de antipsicóticos tópicos, ou de primeira geração, varia de 0.02% a 2.46%. Cerca de 80% dos casos ocorrem dentro das 2 primeiras semanas de tratamento, ou quando ocorre um aumento da dosagem de antipsicóticos. Fatores de risco: Episódio anterior / Catatonia / Agitação, desidratação, restrição física e deficiência de ferro / Temperatura ambiente elevada / antipsicóticos de alta potência / esquemas multimedicamentosos.
  • 18.
  • 22. Alteração do nível de consciência
  • 27.
  • 28. Sessão Clínica do CTI HSL Tratamento: Suspensão imediata do neuroléptico Monitorização e vigilância neurointensiva Suporte ventilatório e desobstrução de vias aéreas Controle agressivo da hipertermia Controle da rigidez muscular: anticolinérgicos (amantadina / biperideno); benzodiazepínicos e relaxantes musculares; agonistas dopaminérgicos (bromocriptina, levodopa), relaxantes musculares mais potentes (dantrolene) Reposição hidroeletrolítica Avaliar prevenção de tromboembolismo venoso. Monitorização laboratorial (leucograma / PCR / eletrólitos / CPK / uréia e creatinina)
  • 29. Sessão Clínica do CTI HSL Casos diagnosticados precocemente e tem o neuroléptico suspenso imediatamente e recebem tratamento específico tem prognóstico bastante favorável. Ainda assim a mortalidade é de 15-20% dos casos