SlideShare uma empresa Scribd logo
Citologia Aspirativa - PAAFDiego  ChavesKalineKalistoLarissa RodriguesLeonardo Castro
Punção Aspirativa por Agulha FinaHistóricoConceitoVantagens e desvantagensDescrição geral da técnicaAplicabilidade do PAAFMétodos de Coloração
Histórico1847: Kun relatou a utilização de uma agulha para a coleta de material1920: Publicação de vários artigos provando a efetividade e aplicabilidade da técnica1950: A PAAF foi detalhadamente descrita e popularizada na Escandinávia
Punção Aspirativa por Agulha Fina	A punção aspirativa por agulha fina (PAAF), é um método auxiliar de diagnóstico que consiste no estudo citopatológico das alterações morfológicas em células isoladas obtidas através da introdução de uma agulha, onde são realizados movimentos com o intuito de descamar e aspirar células do interior da lesão.
Vantagens   X   DesvantagensDificuldade de classificação do tipo de neoplasiasPossibilidade de falsos-negativosMétodo simplesRápido Seguro Baixo custoAlta sensibilidadeAlta especificidade
PAAF – A TécnicaObtenção do material:Realizar a contenção física do paciente Promover a antissepsia Acople a agulha à seringaFixe a lesão com os dedos indicador e médioMantenha o êmbolo da seringa na posição ZEROIntroduza a agulha na lesão
PAAF – A TécnicaObtenção do material:Promover uma forte pressão negativa no interior da seringa e mantenha-aPromover com a agulha movimentos de "vai e vem" na lesão e em diversos planos diferentes, mantendo a pressão negativa;OBS: Se por acaso, a agulha sair da lesão, descarte esta agulha e recomece o procedimento escolhendo outro ponto para punção.
PAAF – A TécnicaObtenção do material:Soltar o êmbolo da seringa desfazendo a pressão negativaRetirar a seringa e agulha da lesão;
PAAF – A TécnicaConfecção do esfregaço:Desacoplar a agulha da seringaPreencher a seringa de ar e acoplar novamente a agulhaDespejar material na lâmina
PAAF – A TécnicaConfecção do esfregaço:
PAAF – A TécnicaConfecção do esfregaço:Não estender o material até o final da lâmina
Aplicabilidade da PAAF
Citopatologia das Efusões e LíquidosCavidade pleuralCavidade abdominalCavidade pericárdica
Citopatologia das Efusões e LíquidosObtenção do material: material: Centrifugação material: Deixar decantar e descartar sobrenadanteUsar anticoagulantes em líquidos ricos em fibrina (exceto em materiais suspeitos de neoplasia)Fazer quatro esfregaços em lâmina albuminizadaAderência do material
Citopatologia das Efusões e LíquidosObtenção do material: material: Centrifugação material: Deixar decantar e descartar sobrenadanteUsar anticoagulantes em líquidos ricos em fibrina (exceto em materiais suspeitos de neoplasia)Fazer quatro esfregaços em lâmina albuminizadaAderência do material
Citopatologia das Efusões e LíquidosObtenção do material: material: Centrifugação material: Deixar decantar e descartar sobrenadanteUsar anticoagulantes em líquidos ricos em fibrina (exceto em materiais suspeitos de neoplasia)Fazer quatro esfregaços em lâmina albuminizadaAderência do material
Citopatologia das Efusões e LíquidosObtenção do material: material: Centrifugação material: Deixar decantar e descartar sobrenadanteUsar anticoagulantes em líquidos ricos em fibrina (exceto em materiais suspeitos de neoplasia)Fazer quatro esfregaços em lâmina albuminizadaAderência do material
Citopatologia das Efusões e LíquidosObtenção do material: material: Centrifugação material: Deixar decantar e descartar sobrenadanteUsar anticoagulantes em líquidos ricos em fibrina (exceto em materiais suspeitos de neoplasia)Fazer quatro esfregaços em lâmina albuminizadaAderência do material
Citopatologia das Efusões e LíquidosObtenção do material:Fixar em alcool-éter (1h)Coloração:PapanicolaouPapanicolaou-PharrExame rápido: azul de toluidina 5%
Citopatologia das Efusões e LíquidosPunção Pericárdica:Efusão pericárdica:TraumatismoInfecçãoDoença neoplásica
Citopatologia das Efusões e LíquidosPunção Peritoneal:AsciteCirrose  por alcoolismo e vírus hepatite B e CInsuficiência cardíacaMetástase hepáticaTuberculose peritoneal
Citopatologia das Efusões e LíquidosPunção PleuralDerrame Pleural:Insuficiência cardíacaSindromenefróticaDoenças inflamatórias da pleuraInfecçõesNeoplasias
Punção Pleural
Líquido cefaloraquidianoObtenção do material:CentrifugaçãoRaspar o fundo do frasco com alça de platinaEncostar a alça na lâminaMarcar com lápis o local da manchaDeixar secar ao ar
Líquido cefaloraquidianoObtenção do material:Colocar sobre a lâmina azul de toluidina 1%Após exame do material colocar a lamínula em solução fixadora álcool-ácido acético 2%Corar lâmina e lamínula pelo método Papanicolaou
Líquido cefaloraquidianoIndicações:Medição da pressãoDistúrbios neurológicosLeucemias e LinfomasImunodeficiências Infecções
Sangue Obtenção do material:
Sangue Confecção do esfregaço:
Medula ÓsseaOnde pode ser feita?EsternoTíbiaCrista ilíaca
Medula ÓsseaObtenção da amostra:Fazer anti-sepsia da peleAplicar anestésico localFazer punção com trefina de Turkel ou agulha com mandril
Medula ÓsseaObtenção da amostra:Por meio de sucção moderada obtém-se o materialFazer esfregaço em lâmina de vidroColoração:MaximowBarret
Medula ÓsseaVídeo
Métodos de Coloração
Métodos de ColoraçãoPapanicolaouPapanicolaou-PharrGiemsaLeishmanBarretAzul de toluidina-McCormackMaximow
Métodos de ColoraçãoBarret: células de medula ósseaLavar em água destiladaCorar pela hematoxilina de Carazzi (10 a 20 min)Lavar em água corrente (2 a 3 min)Lavar em álcool-ácido (5 a 10 seg)Lavar em água corrente (5 a 10 min)
Métodos de ColoraçãoBarret: células de medula ósseaCorar pela mistura de Barret forte (20 a 30 min)Lavar em água destilada (2  min)Corar pela mistura de Barret  fraca (uma noite)DesidratarMontar
Métodos de Coloração Azul de toluidina-McCormack: LCRCentrifugar 2000 rpm (10 min)Colocar o sedimento na lâminaCobrir com gotas de azul de toluidinaCobrir com laminula e examinar ao microscópio
Métodos de ColoraçãoMaximow

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a PunçãO

Exame Parasitológico de Fezes - 2010
Exame Parasitológico de Fezes - 2010Exame Parasitológico de Fezes - 2010
Exame Parasitológico de Fezes - 2010
rdgomlk
 
Tcc irc
Tcc   ircTcc   irc
Tcc irc
duducarlos
 
Tcc irc
Tcc   ircTcc   irc
Tcc irc
Tcc   ircTcc   irc
Caso Clínico Veterinário: Poliencefalomalácia em Bovino
Caso Clínico Veterinário: Poliencefalomalácia em BovinoCaso Clínico Veterinário: Poliencefalomalácia em Bovino
Caso Clínico Veterinário: Poliencefalomalácia em Bovino
Natália Borges
 
Tcc irc
Tcc   ircTcc   irc
Tcc irc
duducarlos
 
Tcc irc
Tcc   ircTcc   irc
Tcc irc
duducarlos
 
Via aérea dificil
Via aérea dificilVia aérea dificil
Via aérea dificil
Anestesiador
 
Disturbios Respirátorio_VI e VNI
 Disturbios Respirátorio_VI e VNI Disturbios Respirátorio_VI e VNI
Disturbios Respirátorio_VI e VNI
EduardoMachado777773
 
Tcc irc
Tcc   ircTcc   irc
Tcc irc
Tcc   ircTcc   irc
Anat pat
Anat patAnat pat
Monitoria Patologias Pulmonares na Radiografia Simples de Tórax
Monitoria Patologias Pulmonares na Radiografia Simples de TóraxMonitoria Patologias Pulmonares na Radiografia Simples de Tórax
Monitoria Patologias Pulmonares na Radiografia Simples de Tórax
Lucas Samuel
 
Monitoria Radiografia de Tórax - Manifestações Patológicas Pulmonares
Monitoria Radiografia de Tórax - Manifestações Patológicas PulmonaresMonitoria Radiografia de Tórax - Manifestações Patológicas Pulmonares
Monitoria Radiografia de Tórax - Manifestações Patológicas Pulmonares
Hercules Antonio Kozorosky Junior
 
1. sondagens
1. sondagens1. sondagens
1. sondagens
Conceição Quirino
 
Cateterismo vesical de_demora_masculino
Cateterismo vesical de_demora_masculinoCateterismo vesical de_demora_masculino
Cateterismo vesical de_demora_masculino
Agneldo Ferreira
 
Puncao venosa tecnicos
Puncao venosa tecnicosPuncao venosa tecnicos
Puncao venosa tecnicos
shara cedraz
 
Cuidados de enfemagem
Cuidados de enfemagemCuidados de enfemagem
Cuidados de enfemagem
Gabriela Rodrigues Cavalheiro
 
Doenças do sistema respiratório
Doenças do sistema respiratórioDoenças do sistema respiratório
Doenças do sistema respiratório
Aroldo Gavioli
 
Exames radiológicos II
Exames radiológicos IIExames radiológicos II
Exames radiológicos II
resenfe2013
 

Semelhante a PunçãO (20)

Exame Parasitológico de Fezes - 2010
Exame Parasitológico de Fezes - 2010Exame Parasitológico de Fezes - 2010
Exame Parasitológico de Fezes - 2010
 
Tcc irc
Tcc   ircTcc   irc
Tcc irc
 
Tcc irc
Tcc   ircTcc   irc
Tcc irc
 
Tcc irc
Tcc   ircTcc   irc
Tcc irc
 
Caso Clínico Veterinário: Poliencefalomalácia em Bovino
Caso Clínico Veterinário: Poliencefalomalácia em BovinoCaso Clínico Veterinário: Poliencefalomalácia em Bovino
Caso Clínico Veterinário: Poliencefalomalácia em Bovino
 
Tcc irc
Tcc   ircTcc   irc
Tcc irc
 
Tcc irc
Tcc   ircTcc   irc
Tcc irc
 
Via aérea dificil
Via aérea dificilVia aérea dificil
Via aérea dificil
 
Disturbios Respirátorio_VI e VNI
 Disturbios Respirátorio_VI e VNI Disturbios Respirátorio_VI e VNI
Disturbios Respirátorio_VI e VNI
 
Tcc irc
Tcc   ircTcc   irc
Tcc irc
 
Tcc irc
Tcc   ircTcc   irc
Tcc irc
 
Anat pat
Anat patAnat pat
Anat pat
 
Monitoria Patologias Pulmonares na Radiografia Simples de Tórax
Monitoria Patologias Pulmonares na Radiografia Simples de TóraxMonitoria Patologias Pulmonares na Radiografia Simples de Tórax
Monitoria Patologias Pulmonares na Radiografia Simples de Tórax
 
Monitoria Radiografia de Tórax - Manifestações Patológicas Pulmonares
Monitoria Radiografia de Tórax - Manifestações Patológicas PulmonaresMonitoria Radiografia de Tórax - Manifestações Patológicas Pulmonares
Monitoria Radiografia de Tórax - Manifestações Patológicas Pulmonares
 
1. sondagens
1. sondagens1. sondagens
1. sondagens
 
Cateterismo vesical de_demora_masculino
Cateterismo vesical de_demora_masculinoCateterismo vesical de_demora_masculino
Cateterismo vesical de_demora_masculino
 
Puncao venosa tecnicos
Puncao venosa tecnicosPuncao venosa tecnicos
Puncao venosa tecnicos
 
Cuidados de enfemagem
Cuidados de enfemagemCuidados de enfemagem
Cuidados de enfemagem
 
Doenças do sistema respiratório
Doenças do sistema respiratórioDoenças do sistema respiratório
Doenças do sistema respiratório
 
Exames radiológicos II
Exames radiológicos IIExames radiológicos II
Exames radiológicos II
 

PunçãO

  • 1. Citologia Aspirativa - PAAFDiego ChavesKalineKalistoLarissa RodriguesLeonardo Castro
  • 2. Punção Aspirativa por Agulha FinaHistóricoConceitoVantagens e desvantagensDescrição geral da técnicaAplicabilidade do PAAFMétodos de Coloração
  • 3. Histórico1847: Kun relatou a utilização de uma agulha para a coleta de material1920: Publicação de vários artigos provando a efetividade e aplicabilidade da técnica1950: A PAAF foi detalhadamente descrita e popularizada na Escandinávia
  • 4. Punção Aspirativa por Agulha Fina A punção aspirativa por agulha fina (PAAF), é um método auxiliar de diagnóstico que consiste no estudo citopatológico das alterações morfológicas em células isoladas obtidas através da introdução de uma agulha, onde são realizados movimentos com o intuito de descamar e aspirar células do interior da lesão.
  • 5. Vantagens X DesvantagensDificuldade de classificação do tipo de neoplasiasPossibilidade de falsos-negativosMétodo simplesRápido Seguro Baixo custoAlta sensibilidadeAlta especificidade
  • 6. PAAF – A TécnicaObtenção do material:Realizar a contenção física do paciente Promover a antissepsia Acople a agulha à seringaFixe a lesão com os dedos indicador e médioMantenha o êmbolo da seringa na posição ZEROIntroduza a agulha na lesão
  • 7. PAAF – A TécnicaObtenção do material:Promover uma forte pressão negativa no interior da seringa e mantenha-aPromover com a agulha movimentos de "vai e vem" na lesão e em diversos planos diferentes, mantendo a pressão negativa;OBS: Se por acaso, a agulha sair da lesão, descarte esta agulha e recomece o procedimento escolhendo outro ponto para punção.
  • 8. PAAF – A TécnicaObtenção do material:Soltar o êmbolo da seringa desfazendo a pressão negativaRetirar a seringa e agulha da lesão;
  • 9. PAAF – A TécnicaConfecção do esfregaço:Desacoplar a agulha da seringaPreencher a seringa de ar e acoplar novamente a agulhaDespejar material na lâmina
  • 10. PAAF – A TécnicaConfecção do esfregaço:
  • 11. PAAF – A TécnicaConfecção do esfregaço:Não estender o material até o final da lâmina
  • 13. Citopatologia das Efusões e LíquidosCavidade pleuralCavidade abdominalCavidade pericárdica
  • 14. Citopatologia das Efusões e LíquidosObtenção do material: material: Centrifugação material: Deixar decantar e descartar sobrenadanteUsar anticoagulantes em líquidos ricos em fibrina (exceto em materiais suspeitos de neoplasia)Fazer quatro esfregaços em lâmina albuminizadaAderência do material
  • 15. Citopatologia das Efusões e LíquidosObtenção do material: material: Centrifugação material: Deixar decantar e descartar sobrenadanteUsar anticoagulantes em líquidos ricos em fibrina (exceto em materiais suspeitos de neoplasia)Fazer quatro esfregaços em lâmina albuminizadaAderência do material
  • 16. Citopatologia das Efusões e LíquidosObtenção do material: material: Centrifugação material: Deixar decantar e descartar sobrenadanteUsar anticoagulantes em líquidos ricos em fibrina (exceto em materiais suspeitos de neoplasia)Fazer quatro esfregaços em lâmina albuminizadaAderência do material
  • 17. Citopatologia das Efusões e LíquidosObtenção do material: material: Centrifugação material: Deixar decantar e descartar sobrenadanteUsar anticoagulantes em líquidos ricos em fibrina (exceto em materiais suspeitos de neoplasia)Fazer quatro esfregaços em lâmina albuminizadaAderência do material
  • 18. Citopatologia das Efusões e LíquidosObtenção do material: material: Centrifugação material: Deixar decantar e descartar sobrenadanteUsar anticoagulantes em líquidos ricos em fibrina (exceto em materiais suspeitos de neoplasia)Fazer quatro esfregaços em lâmina albuminizadaAderência do material
  • 19. Citopatologia das Efusões e LíquidosObtenção do material:Fixar em alcool-éter (1h)Coloração:PapanicolaouPapanicolaou-PharrExame rápido: azul de toluidina 5%
  • 20. Citopatologia das Efusões e LíquidosPunção Pericárdica:Efusão pericárdica:TraumatismoInfecçãoDoença neoplásica
  • 21. Citopatologia das Efusões e LíquidosPunção Peritoneal:AsciteCirrose por alcoolismo e vírus hepatite B e CInsuficiência cardíacaMetástase hepáticaTuberculose peritoneal
  • 22. Citopatologia das Efusões e LíquidosPunção PleuralDerrame Pleural:Insuficiência cardíacaSindromenefróticaDoenças inflamatórias da pleuraInfecçõesNeoplasias
  • 24. Líquido cefaloraquidianoObtenção do material:CentrifugaçãoRaspar o fundo do frasco com alça de platinaEncostar a alça na lâminaMarcar com lápis o local da manchaDeixar secar ao ar
  • 25. Líquido cefaloraquidianoObtenção do material:Colocar sobre a lâmina azul de toluidina 1%Após exame do material colocar a lamínula em solução fixadora álcool-ácido acético 2%Corar lâmina e lamínula pelo método Papanicolaou
  • 26. Líquido cefaloraquidianoIndicações:Medição da pressãoDistúrbios neurológicosLeucemias e LinfomasImunodeficiências Infecções
  • 28. Sangue Confecção do esfregaço:
  • 29. Medula ÓsseaOnde pode ser feita?EsternoTíbiaCrista ilíaca
  • 30. Medula ÓsseaObtenção da amostra:Fazer anti-sepsia da peleAplicar anestésico localFazer punção com trefina de Turkel ou agulha com mandril
  • 31. Medula ÓsseaObtenção da amostra:Por meio de sucção moderada obtém-se o materialFazer esfregaço em lâmina de vidroColoração:MaximowBarret
  • 35. Métodos de ColoraçãoBarret: células de medula ósseaLavar em água destiladaCorar pela hematoxilina de Carazzi (10 a 20 min)Lavar em água corrente (2 a 3 min)Lavar em álcool-ácido (5 a 10 seg)Lavar em água corrente (5 a 10 min)
  • 36. Métodos de ColoraçãoBarret: células de medula ósseaCorar pela mistura de Barret forte (20 a 30 min)Lavar em água destilada (2 min)Corar pela mistura de Barret fraca (uma noite)DesidratarMontar
  • 37. Métodos de Coloração Azul de toluidina-McCormack: LCRCentrifugar 2000 rpm (10 min)Colocar o sedimento na lâminaCobrir com gotas de azul de toluidinaCobrir com laminula e examinar ao microscópio