SlideShare uma empresa Scribd logo
ALTERAÇÕES DAS
REPRESENTAÇÕES
1ª Parte
PSICOPATOLOGIA
PORTAL E@D
@luizhenpimentel
PORTAL E@D
@luizhenpimentel
As impressões sensoriais deixam a marca de
sua ação, o efeito mnêmico, que pode ser
revivido sob a forma de representação
(ré-apresentação = reprodução da imagem de).
Chama-se, portanto, representação o “ato de
conhecimento que consiste na reativação de
uma lembrança ou imagem mnêmica, sem a
presença real do objeto correspondente”.
PORTAL E@D
@luizhenpimentel
No ato perceptivo, o objeto se impõe por
sua presença, por seu caráter de
objetividade; na representação, ao
contrário, o objeto não se acha presente,
a imagem é projetada no “espaço
interno”, subjetivo.
As representações são constituídas pelas imagens
dos objetos e fenômenos percebidos nas
experiências anteriores e evocadas de modo
voluntário ou involuntariamente.
A REPRESENTAÇÃO é a reprodução na consciência
de percepções passadas. Do mesmo modo que a
percepção, não pode ser considerada como cópia,
fotografia ou reflexo dos objetos e fenômenos de
mundo exterior.
PORTAL E@D
@luizhenpimentel
PORTAL E@D
@luizhenpimentel
“A observação geral que podemos fazer acerca
dessas representações sensíveis” – escreve
Caio Prado Júnior – “é que elas não constituem
reproduções rigorosas; e são mesmo, em regra,
bastante afastadas do modelo sensível que as
produziu.” Acrescenta o autor citado: “A
representação mental resulta das sensações
elementares, isto é certo; mas, em seguida,
passa a ter uma existência de certo modo
independente desses elementos”.
PORTAL E@D
@luizhenpimentel
“O que se grava na memória
por efeito da percepção, a
impressão que ela deixa e que
constitui a imagem ou
representação mental do
objeto percebido, é um
processo, um movimento do
pensamento, e não uma
situação estática.”
PORTAL E@D
@luizhenpimentel
Representação e imagem são termos
empregados em psicologia com
idênticos significados. Diz-se,
comumente, que temos uma
representação quando a imagem de
um objeto anteriormente percebido
retorna à consciência.
PS!
A imagem, neste
caso, conserva
alguns elementos
sensíveis do objeto
que lhe deu origem,
porém os caracteres
de sensorialidade da
representação não
são idênticos aos da
percepção originária.
PORTAL E@D
@luizhenpimentel
PORTAL E@D
@luizhenpimentel
A DISTINÇÃO entre imagem e percepção foi
indicada desde época muito antiga, de sorte
que ficou mais ou menos estabelecido.
Em breve na 2ª Parte de ALTERAÇÕES DAS
REPRESENTAÇÕES – vamos abordar as
diferenças entre Imagem e Percepção.
Curtiu?
Compartilhe com um
Amigo ou Amiga!
ALTERAÇÕES DAS
REPRESENTAÇÕES
2ª Parte
PSICOPATOLOGIA
PORTAL E@D
@luizhenpimentel
A distinção entre imagem
e percepção foi indicada
desde época muito
antiga, de sorte que ficou
mais ou menos
estabelecido.
@luizhenpimentel
PORTAL E@D
PORTAL E@D
@luizhenpimentel
1º) Um objeto imaginado é
percebido sem auxílio da parte
periférica do órgão sensorial.
Exemplo: o sol imaginado não
ilumina nem aquece.
PORTAL E@D
@luizhenpimentel
2º) À representação falta
estabilidade, que caracteriza a
percepção.
3º) A imagem é menos intensa e
menos completa do que o objeto
que lhe deu origem.
@luizhenpimentel
4º) As sensações
cenestésicas, táteis e
cinestésicas que
acompanham o
estado primário estão
ausentes no estado
secundário.
PORTAL E@D
PORTAL E@D
@luizhenpimentel
5º) Os objetos percebidos, por causa dos
nossos movimentos, são modificados
conforme as leis mais ou menos
conhecidas por nossa própria experiência,
enquanto os objetos imaginados não
seguem essas leis.
PORTAL E@D
@luizhenpimentel
6º) Por último, as imagens têm caráter
individual, não sendo idênticas para
todas as pessoas colocadas nas
mesmas circunstâncias.
@luizhenpimentel
Estes caracteres tradicionais
permitem estabelecer a
distinção entre percepção e
imagem. Jaspers procurou
fixar as características
fenomênicas da percepção e
da representação, adotando
um critério diferencial entre as
qualidades desses dois tipos
de atos psíquicos.
PORTAL E@D
PORTAL E@D
@luizhenpimentel
De tudo o que foi enunciado se depreende que as
imagens são conteúdos representativos evocados e
guardam alguns elementos sensoriais dos objetos e
dos acontecimentos do mundo exterior. Apesar disso,
não correspondem fielmente ao objeto ou ao
acontecimento, conservando apenas alguns aspectos
figurativos da realidade. Diz-se então que a imagem só
aparece na ausência do objeto e sob a forma de
reprodução interiorizada.
PORTAL E@D
@luizhenpimentel
Segundo Lersch, nessa qualidade
característica da imagem reside a força de sua
impressão e encadeamento, o seu poder de
despertar, repelir e atrair. “Cada imagem tem um
rosto, possui caráter fisionômico e se manifesta,
por isso, como viva , pois somente o vivo tem um
rosto" (Lersch). Buytendijk também afirmou que
as imagens “são aspectos subjetivos de
determinados setores da realidade, fortemente
matizados pelos sentimentos e importantes para
o estado atual de nossa vida.
ALTERAÇÕES DAS
REPRESENTAÇÕES
3ª Parte
PSICOPATOLOGIA
@luizhenpimentel
PORTAL E@D
@luizhenpimentel
PERCEPÇÃO REPRESENTAÇÃO
PORTAL E@D
@luizhenpimentel
As PERCEPÇÕES são corpóreas
(possuem caráter de objetividade).
As PERCEPÇÕES aparecem no
espaço externo.
As PERCEPÇÕES possuem desenho
determinado, se acham completamente
e com todos os detalhes diante de nós.
PORTAL E@D
PERCEPÇÃO
@luizhenpimentel
Nas PERCEPÇÕES nos diversos
elementos da sensação apresentam
todo o frescor sensorial; por
exemplo as cores brilhantes.
As PERCEPÇÕES são constantes
e podem ser facilmente retiradas do
mesmo modo.
PORTAL E@D
@luizhenpimentel
As PERCEPÇÕES são
independentes da vontade,
não podem ser evocadas nem
modificadas arbitrariamente.
São aceitas com o sentimento
de passividade.
PORTAL E@D
@luizhenpimentel
PORTAL E@D
REPRESENTAÇÃO
As REPRESENTAÇÕES têm a
natureza da imagem (possuem caráter
de subjetividade).
As REPRESENTAÇÕES aparecem no
espaço subjetivo interno.
As REPRESENTAÇÕES têm desenho
indeterminado, se acham
incompletamente e apenas em alguns
detalhes diante de nós.
@luizhenpimentel
PORTAL E@D
Nas REPRESENTAÇÕES só
ocasionalmente alguns elementos
são adequados aos elementos da
PERCEPÇÃO. Mas quanto à maioria
dos elementos, as
REPRESENTAÇÕES não são
adequadas. Muitas pessoas
representam, opticamente, tudo de
cor parda.
PORTAL E@D
@luizhenpimentel
As REPRESENTAÇÕES se
esvoaçam e esboroam e
devem ser criadas de novo.
As REPRESENTAÇÕES
dependem da vontade, podem
ser evocadas e modificadas
arbitrariamente. São
produzidas com sentimento de
atividade.
PORTAL E@D
No sentido de uma possível classificação, as
imagens podem ser simples ou complexas, de
conformidade com o conteúdo objetivo. No
primeiro caso, a imagem apresenta apenas uma
qualidade das que podem ser percebidas pelos
órgãos sensoriais (uma cor, um som). São
complexas quando se compõem de duas ou
mais qualidades diferentes. De modo geral, as
imagens próprias da imaginação criadora são
sempre complexas. Assim são, por exemplo, as
chamadas imagens genéricas, que resultam da
fusão de muitas imagens de objetos
semelhantes.
@luizhenpimentel
PORTAL E@D
@luizhenpimentel
Em breve abordaremos
alguns conceitos sobre a
IMAGEM.
Curtiu?
Compartilhe com
um
Amigo ou Amiga!
PORTAL E@D
@luizhenpimentel
IMAGEM ONÍRICA
PORTAL E@D
@luizhenpimentel
As imagens correspondem aos diferentes
campos da sensorialidade ou podem ser
classificadas de acordo com a sua
estrutura. Assim temos: imagens visuais,
auditivas, olfativas, gustativas e táteis.
As imagens que correspondem aos
domínios de outros sentidos, são as
cenestésicas e cinestésicas.
PORTAL E@D
@luizhenpimentel
IMAGEM ONÍRICA
Constituem o conteúdo dos sonhos.
Trata-se de imagens visuais ou
fantásticas que, devido ao estado de
ofuscação da vigilância, são
consideradas como correspondentes a
objetos reais.
Suas características fenomênicas são:
PORTAL E@D
@luizhenpimentel
1º) Vivacidade: apesar da falta
de nitidez sensorial, a imagem
onírica é dotada de grande
plasticidade;
2º) Mobilidade: a imagem
onírica é essencialmente
instável e movediça;
PORTAL E@D
@luizhenpimentel
3º) É projetada no espaço interno,
considerado, momentaneamente,
como espaço objetivo;
4º) Ilogismo: é inteiramente ilógica.
Não existe nenhum outro setor da
experiência humana que seja mais
irracional e desprovida de lógica do
que o dos sonhos.
De acordo com a psicanálise, as imagens
oníricas constituem um produto psíquico
individual, típico, regido por certas “leis
inconscientes” descobertas por Freud: a
condensação, o deslocamento, a
simbolização e a elaboração secundária.
PORTAL E@D
@luizhenpimentel
PORTAL E@D
@luizhenpimentel
Além dessas “leis inconscientes”,
responsáveis pela formação dos sonhos,
admitiu ele ser o “inconsciente” dotado
de uma atividade psíquica incessante
que, durante o sonho, expressa os
desejos subjacentes. As imagens
oníricas derivam de alguma vivência
específica. “Todo conhecimento intuitivo
é conhecimento experimentado”.
PORTAL E@D
@luizhenpimentel
Desse modo, pode-se admitir que as
imagens oníricas, por mais estranhas
que pareçam à consciência, representam
uma expressão da experiência (vivência)
pessoal.
@luizhenpimentel
PORTAL E@D
Curtiu?
Compartilhe com
um
Amigo ou Amiga!

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a PSICOPATOLOGIA _ ALTERAÇÕES DAS REPRESENTAÇÕES.pdf

Funções psíquicas
Funções psíquicas Funções psíquicas
Funções psíquicas
thaissamaia
 
PSICOLOGIA JUNGUIANA.pptx
PSICOLOGIA JUNGUIANA.pptxPSICOLOGIA JUNGUIANA.pptx
PSICOLOGIA JUNGUIANA.pptx
Marcel A. M. Ferraz
 
Psicopatologia I- Aula 7: Alterações da Percepção
Psicopatologia I- Aula 7: Alterações da PercepçãoPsicopatologia I- Aula 7: Alterações da Percepção
Psicopatologia I- Aula 7: Alterações da Percepção
Alexandre Simoes
 
Ensaio do filme, psicologia
Ensaio do filme, psicologiaEnsaio do filme, psicologia
Ensaio do filme, psicologia
Universidade Católica Portuguesa
 
Ensaio "Inception"
Ensaio "Inception"Ensaio "Inception"
4 elementos basicos_da_psicomotricidade
4 elementos basicos_da_psicomotricidade4 elementos basicos_da_psicomotricidade
4 elementos basicos_da_psicomotricidade
Joao Paulo Carvalho
 
ApresentaçãO Módulo 2 CGA
ApresentaçãO Módulo 2 CGAApresentaçãO Módulo 2 CGA
ApresentaçãO Módulo 2 CGA
Elisabete Silva
 
PERCEPÇÃO VISUAL
PERCEPÇÃO VISUALPERCEPÇÃO VISUAL
PERCEPÇÃO VISUAL
Andrea Dalforno
 
Gestalt
GestaltGestalt
Gestalt
Misterios10
 
Fundamentos de psicopatologia
Fundamentos de psicopatologiaFundamentos de psicopatologia
Fundamentos de psicopatologia
UNICEP
 
Linhas de composicao - intuição
Linhas de composicao -  intuiçãoLinhas de composicao -  intuição
Linhas de composicao - intuição
Andréia de Alcantara
 
Analise Semiotica
Analise SemioticaAnalise Semiotica
Analise Semiotica
Stella Santana
 
Leitura de Imagens - Maria de Lourdes Riobom
Leitura de Imagens - Maria de Lourdes RiobomLeitura de Imagens - Maria de Lourdes Riobom
Leitura de Imagens - Maria de Lourdes Riobom
João Lima
 
Seminário percepção
Seminário   percepçãoSeminário   percepção
Seminário percepção
Itala Daniella
 
desenvolvimento cognitivo PIAGET final (SEM FOTOS) (1).pptx
desenvolvimento cognitivo PIAGET final (SEM FOTOS) (1).pptxdesenvolvimento cognitivo PIAGET final (SEM FOTOS) (1).pptx
desenvolvimento cognitivo PIAGET final (SEM FOTOS) (1).pptx
tamyris24
 
Apostila
ApostilaApostila
A PERCEPÇÃO NA CIÊNCIA SOBRE O CASO “A MULHER DESENCARNADA” E O FILME “À PRIM...
A PERCEPÇÃO NA CIÊNCIA SOBRE O CASO “A MULHER DESENCARNADA” E O FILME “À PRIM...A PERCEPÇÃO NA CIÊNCIA SOBRE O CASO “A MULHER DESENCARNADA” E O FILME “À PRIM...
A PERCEPÇÃO NA CIÊNCIA SOBRE O CASO “A MULHER DESENCARNADA” E O FILME “À PRIM...
Yasmin Behrmann
 
Sensopercepção vanessinha
Sensopercepção vanessinhaSensopercepção vanessinha
Sensopercepção vanessinha
Vanessa Boeira
 
sodapdf-converted.pptx
sodapdf-converted.pptxsodapdf-converted.pptx
sodapdf-converted.pptx
AdrianaMeiado2
 
Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Psicologia Jurídica - 03
Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Psicologia Jurídica - 03Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Psicologia Jurídica - 03
Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Psicologia Jurídica - 03
Jordano Santos Cerqueira
 

Semelhante a PSICOPATOLOGIA _ ALTERAÇÕES DAS REPRESENTAÇÕES.pdf (20)

Funções psíquicas
Funções psíquicas Funções psíquicas
Funções psíquicas
 
PSICOLOGIA JUNGUIANA.pptx
PSICOLOGIA JUNGUIANA.pptxPSICOLOGIA JUNGUIANA.pptx
PSICOLOGIA JUNGUIANA.pptx
 
Psicopatologia I- Aula 7: Alterações da Percepção
Psicopatologia I- Aula 7: Alterações da PercepçãoPsicopatologia I- Aula 7: Alterações da Percepção
Psicopatologia I- Aula 7: Alterações da Percepção
 
Ensaio do filme, psicologia
Ensaio do filme, psicologiaEnsaio do filme, psicologia
Ensaio do filme, psicologia
 
Ensaio "Inception"
Ensaio "Inception"Ensaio "Inception"
Ensaio "Inception"
 
4 elementos basicos_da_psicomotricidade
4 elementos basicos_da_psicomotricidade4 elementos basicos_da_psicomotricidade
4 elementos basicos_da_psicomotricidade
 
ApresentaçãO Módulo 2 CGA
ApresentaçãO Módulo 2 CGAApresentaçãO Módulo 2 CGA
ApresentaçãO Módulo 2 CGA
 
PERCEPÇÃO VISUAL
PERCEPÇÃO VISUALPERCEPÇÃO VISUAL
PERCEPÇÃO VISUAL
 
Gestalt
GestaltGestalt
Gestalt
 
Fundamentos de psicopatologia
Fundamentos de psicopatologiaFundamentos de psicopatologia
Fundamentos de psicopatologia
 
Linhas de composicao - intuição
Linhas de composicao -  intuiçãoLinhas de composicao -  intuição
Linhas de composicao - intuição
 
Analise Semiotica
Analise SemioticaAnalise Semiotica
Analise Semiotica
 
Leitura de Imagens - Maria de Lourdes Riobom
Leitura de Imagens - Maria de Lourdes RiobomLeitura de Imagens - Maria de Lourdes Riobom
Leitura de Imagens - Maria de Lourdes Riobom
 
Seminário percepção
Seminário   percepçãoSeminário   percepção
Seminário percepção
 
desenvolvimento cognitivo PIAGET final (SEM FOTOS) (1).pptx
desenvolvimento cognitivo PIAGET final (SEM FOTOS) (1).pptxdesenvolvimento cognitivo PIAGET final (SEM FOTOS) (1).pptx
desenvolvimento cognitivo PIAGET final (SEM FOTOS) (1).pptx
 
Apostila
ApostilaApostila
Apostila
 
A PERCEPÇÃO NA CIÊNCIA SOBRE O CASO “A MULHER DESENCARNADA” E O FILME “À PRIM...
A PERCEPÇÃO NA CIÊNCIA SOBRE O CASO “A MULHER DESENCARNADA” E O FILME “À PRIM...A PERCEPÇÃO NA CIÊNCIA SOBRE O CASO “A MULHER DESENCARNADA” E O FILME “À PRIM...
A PERCEPÇÃO NA CIÊNCIA SOBRE O CASO “A MULHER DESENCARNADA” E O FILME “À PRIM...
 
Sensopercepção vanessinha
Sensopercepção vanessinhaSensopercepção vanessinha
Sensopercepção vanessinha
 
sodapdf-converted.pptx
sodapdf-converted.pptxsodapdf-converted.pptx
sodapdf-converted.pptx
 
Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Psicologia Jurídica - 03
Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Psicologia Jurídica - 03Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Psicologia Jurídica - 03
Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Psicologia Jurídica - 03
 

Mais de Luiz Henrique Pimentel Novais Silva

A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
Luiz Henrique Pimentel Novais Silva
 
SURTO PSICÓTICO, DEPRESSÃO, DISTIMIA E TRANSTORNO BIPOLAR.pdf
SURTO PSICÓTICO, DEPRESSÃO, DISTIMIA E TRANSTORNO BIPOLAR.pdfSURTO PSICÓTICO, DEPRESSÃO, DISTIMIA E TRANSTORNO BIPOLAR.pdf
SURTO PSICÓTICO, DEPRESSÃO, DISTIMIA E TRANSTORNO BIPOLAR.pdf
Luiz Henrique Pimentel Novais Silva
 
Sigmund_FREUD .pdf
Sigmund_FREUD .pdfSigmund_FREUD .pdf
PRINCÍPIO DE REALIDADE, Além do princípio do prazer NEUROSE OBSESSIVA .pdf
PRINCÍPIO DE REALIDADE, Além do princípio do prazer NEUROSE OBSESSIVA  .pdfPRINCÍPIO DE REALIDADE, Além do princípio do prazer NEUROSE OBSESSIVA  .pdf
PRINCÍPIO DE REALIDADE, Além do princípio do prazer NEUROSE OBSESSIVA .pdf
Luiz Henrique Pimentel Novais Silva
 
INTRODUÇÃO À PSICANÁLISE.pdf
INTRODUÇÃO À PSICANÁLISE.pdfINTRODUÇÃO À PSICANÁLISE.pdf
INTRODUÇÃO À PSICANÁLISE.pdf
Luiz Henrique Pimentel Novais Silva
 
Freud Além da Alma.pdf
Freud Além da Alma.pdfFreud Além da Alma.pdf
Freud Além da Alma.pdf
Luiz Henrique Pimentel Novais Silva
 
Em Busca da Ciência da Psique.pdf
Em Busca da Ciência da Psique.pdfEm Busca da Ciência da Psique.pdf
Em Busca da Ciência da Psique.pdf
Luiz Henrique Pimentel Novais Silva
 
ATIVIDADES do PSICANALISTA.pdf
ATIVIDADES do PSICANALISTA.pdfATIVIDADES do PSICANALISTA.pdf
ATIVIDADES do PSICANALISTA.pdf
Luiz Henrique Pimentel Novais Silva
 
TOC - TRANSTORNO OBSESSIVO COMPULSIVO.pdf
TOC - TRANSTORNO OBSESSIVO COMPULSIVO.pdfTOC - TRANSTORNO OBSESSIVO COMPULSIVO.pdf
TOC - TRANSTORNO OBSESSIVO COMPULSIVO.pdf
Luiz Henrique Pimentel Novais Silva
 
O PEQUENO HANS.pdf
O PEQUENO HANS.pdfO PEQUENO HANS.pdf
A NATUREZA DO PSÍQUICO.pdf
A NATUREZA DO PSÍQUICO.pdfA NATUREZA DO PSÍQUICO.pdf
A NATUREZA DO PSÍQUICO.pdf
Luiz Henrique Pimentel Novais Silva
 
NEUROSE, PSICOSE & PERVERSÃO.pdf
NEUROSE, PSICOSE & PERVERSÃO.pdfNEUROSE, PSICOSE & PERVERSÃO.pdf
NEUROSE, PSICOSE & PERVERSÃO.pdf
Luiz Henrique Pimentel Novais Silva
 
VIOLÊNCIA E IMPULSIVIDADE NO PSICOPATA.pdf
VIOLÊNCIA E IMPULSIVIDADE NO PSICOPATA.pdfVIOLÊNCIA E IMPULSIVIDADE NO PSICOPATA.pdf
VIOLÊNCIA E IMPULSIVIDADE NO PSICOPATA.pdf
Luiz Henrique Pimentel Novais Silva
 
NEUROSE & PSICOSE.pdf
NEUROSE & PSICOSE.pdfNEUROSE & PSICOSE.pdf
Caso Dora.pdf
Caso Dora.pdfCaso Dora.pdf
TRANSTORNO DELIRANTE.pdf
TRANSTORNO DELIRANTE.pdfTRANSTORNO DELIRANTE.pdf
TRANSTORNO DELIRANTE.pdf
Luiz Henrique Pimentel Novais Silva
 
Sigmund Freud e a Psicanálise .pdf
Sigmund Freud e a Psicanálise .pdfSigmund Freud e a Psicanálise .pdf
Sigmund Freud e a Psicanálise .pdf
Luiz Henrique Pimentel Novais Silva
 
7 DICAS PRÁTICAS QUE VÃO AJUDAR NA INTERPRETAÇÃO DOS SONHOS.pdf
7 DICAS PRÁTICAS QUE VÃO AJUDAR NA INTERPRETAÇÃO DOS SONHOS.pdf7 DICAS PRÁTICAS QUE VÃO AJUDAR NA INTERPRETAÇÃO DOS SONHOS.pdf
7 DICAS PRÁTICAS QUE VÃO AJUDAR NA INTERPRETAÇÃO DOS SONHOS.pdf
Luiz Henrique Pimentel Novais Silva
 
LIBIDO.pdf
LIBIDO.pdfLIBIDO.pdf
Ética e Moral _ Da Filosofia a Psicanálise.pdf
Ética e Moral _ Da Filosofia a Psicanálise.pdfÉtica e Moral _ Da Filosofia a Psicanálise.pdf
Ética e Moral _ Da Filosofia a Psicanálise.pdf
Luiz Henrique Pimentel Novais Silva
 

Mais de Luiz Henrique Pimentel Novais Silva (20)

A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
 
SURTO PSICÓTICO, DEPRESSÃO, DISTIMIA E TRANSTORNO BIPOLAR.pdf
SURTO PSICÓTICO, DEPRESSÃO, DISTIMIA E TRANSTORNO BIPOLAR.pdfSURTO PSICÓTICO, DEPRESSÃO, DISTIMIA E TRANSTORNO BIPOLAR.pdf
SURTO PSICÓTICO, DEPRESSÃO, DISTIMIA E TRANSTORNO BIPOLAR.pdf
 
Sigmund_FREUD .pdf
Sigmund_FREUD .pdfSigmund_FREUD .pdf
Sigmund_FREUD .pdf
 
PRINCÍPIO DE REALIDADE, Além do princípio do prazer NEUROSE OBSESSIVA .pdf
PRINCÍPIO DE REALIDADE, Além do princípio do prazer NEUROSE OBSESSIVA  .pdfPRINCÍPIO DE REALIDADE, Além do princípio do prazer NEUROSE OBSESSIVA  .pdf
PRINCÍPIO DE REALIDADE, Além do princípio do prazer NEUROSE OBSESSIVA .pdf
 
INTRODUÇÃO À PSICANÁLISE.pdf
INTRODUÇÃO À PSICANÁLISE.pdfINTRODUÇÃO À PSICANÁLISE.pdf
INTRODUÇÃO À PSICANÁLISE.pdf
 
Freud Além da Alma.pdf
Freud Além da Alma.pdfFreud Além da Alma.pdf
Freud Além da Alma.pdf
 
Em Busca da Ciência da Psique.pdf
Em Busca da Ciência da Psique.pdfEm Busca da Ciência da Psique.pdf
Em Busca da Ciência da Psique.pdf
 
ATIVIDADES do PSICANALISTA.pdf
ATIVIDADES do PSICANALISTA.pdfATIVIDADES do PSICANALISTA.pdf
ATIVIDADES do PSICANALISTA.pdf
 
TOC - TRANSTORNO OBSESSIVO COMPULSIVO.pdf
TOC - TRANSTORNO OBSESSIVO COMPULSIVO.pdfTOC - TRANSTORNO OBSESSIVO COMPULSIVO.pdf
TOC - TRANSTORNO OBSESSIVO COMPULSIVO.pdf
 
O PEQUENO HANS.pdf
O PEQUENO HANS.pdfO PEQUENO HANS.pdf
O PEQUENO HANS.pdf
 
A NATUREZA DO PSÍQUICO.pdf
A NATUREZA DO PSÍQUICO.pdfA NATUREZA DO PSÍQUICO.pdf
A NATUREZA DO PSÍQUICO.pdf
 
NEUROSE, PSICOSE & PERVERSÃO.pdf
NEUROSE, PSICOSE & PERVERSÃO.pdfNEUROSE, PSICOSE & PERVERSÃO.pdf
NEUROSE, PSICOSE & PERVERSÃO.pdf
 
VIOLÊNCIA E IMPULSIVIDADE NO PSICOPATA.pdf
VIOLÊNCIA E IMPULSIVIDADE NO PSICOPATA.pdfVIOLÊNCIA E IMPULSIVIDADE NO PSICOPATA.pdf
VIOLÊNCIA E IMPULSIVIDADE NO PSICOPATA.pdf
 
NEUROSE & PSICOSE.pdf
NEUROSE & PSICOSE.pdfNEUROSE & PSICOSE.pdf
NEUROSE & PSICOSE.pdf
 
Caso Dora.pdf
Caso Dora.pdfCaso Dora.pdf
Caso Dora.pdf
 
TRANSTORNO DELIRANTE.pdf
TRANSTORNO DELIRANTE.pdfTRANSTORNO DELIRANTE.pdf
TRANSTORNO DELIRANTE.pdf
 
Sigmund Freud e a Psicanálise .pdf
Sigmund Freud e a Psicanálise .pdfSigmund Freud e a Psicanálise .pdf
Sigmund Freud e a Psicanálise .pdf
 
7 DICAS PRÁTICAS QUE VÃO AJUDAR NA INTERPRETAÇÃO DOS SONHOS.pdf
7 DICAS PRÁTICAS QUE VÃO AJUDAR NA INTERPRETAÇÃO DOS SONHOS.pdf7 DICAS PRÁTICAS QUE VÃO AJUDAR NA INTERPRETAÇÃO DOS SONHOS.pdf
7 DICAS PRÁTICAS QUE VÃO AJUDAR NA INTERPRETAÇÃO DOS SONHOS.pdf
 
LIBIDO.pdf
LIBIDO.pdfLIBIDO.pdf
LIBIDO.pdf
 
Ética e Moral _ Da Filosofia a Psicanálise.pdf
Ética e Moral _ Da Filosofia a Psicanálise.pdfÉtica e Moral _ Da Filosofia a Psicanálise.pdf
Ética e Moral _ Da Filosofia a Psicanálise.pdf
 

PSICOPATOLOGIA _ ALTERAÇÕES DAS REPRESENTAÇÕES.pdf

  • 2. PORTAL E@D @luizhenpimentel As impressões sensoriais deixam a marca de sua ação, o efeito mnêmico, que pode ser revivido sob a forma de representação (ré-apresentação = reprodução da imagem de). Chama-se, portanto, representação o “ato de conhecimento que consiste na reativação de uma lembrança ou imagem mnêmica, sem a presença real do objeto correspondente”.
  • 3. PORTAL E@D @luizhenpimentel No ato perceptivo, o objeto se impõe por sua presença, por seu caráter de objetividade; na representação, ao contrário, o objeto não se acha presente, a imagem é projetada no “espaço interno”, subjetivo.
  • 4. As representações são constituídas pelas imagens dos objetos e fenômenos percebidos nas experiências anteriores e evocadas de modo voluntário ou involuntariamente. A REPRESENTAÇÃO é a reprodução na consciência de percepções passadas. Do mesmo modo que a percepção, não pode ser considerada como cópia, fotografia ou reflexo dos objetos e fenômenos de mundo exterior. PORTAL E@D @luizhenpimentel
  • 5. PORTAL E@D @luizhenpimentel “A observação geral que podemos fazer acerca dessas representações sensíveis” – escreve Caio Prado Júnior – “é que elas não constituem reproduções rigorosas; e são mesmo, em regra, bastante afastadas do modelo sensível que as produziu.” Acrescenta o autor citado: “A representação mental resulta das sensações elementares, isto é certo; mas, em seguida, passa a ter uma existência de certo modo independente desses elementos”.
  • 6. PORTAL E@D @luizhenpimentel “O que se grava na memória por efeito da percepção, a impressão que ela deixa e que constitui a imagem ou representação mental do objeto percebido, é um processo, um movimento do pensamento, e não uma situação estática.”
  • 7. PORTAL E@D @luizhenpimentel Representação e imagem são termos empregados em psicologia com idênticos significados. Diz-se, comumente, que temos uma representação quando a imagem de um objeto anteriormente percebido retorna à consciência. PS!
  • 8. A imagem, neste caso, conserva alguns elementos sensíveis do objeto que lhe deu origem, porém os caracteres de sensorialidade da representação não são idênticos aos da percepção originária. PORTAL E@D @luizhenpimentel
  • 9. PORTAL E@D @luizhenpimentel A DISTINÇÃO entre imagem e percepção foi indicada desde época muito antiga, de sorte que ficou mais ou menos estabelecido. Em breve na 2ª Parte de ALTERAÇÕES DAS REPRESENTAÇÕES – vamos abordar as diferenças entre Imagem e Percepção. Curtiu? Compartilhe com um Amigo ou Amiga!
  • 11. A distinção entre imagem e percepção foi indicada desde época muito antiga, de sorte que ficou mais ou menos estabelecido. @luizhenpimentel PORTAL E@D
  • 12. PORTAL E@D @luizhenpimentel 1º) Um objeto imaginado é percebido sem auxílio da parte periférica do órgão sensorial. Exemplo: o sol imaginado não ilumina nem aquece.
  • 13. PORTAL E@D @luizhenpimentel 2º) À representação falta estabilidade, que caracteriza a percepção. 3º) A imagem é menos intensa e menos completa do que o objeto que lhe deu origem.
  • 14. @luizhenpimentel 4º) As sensações cenestésicas, táteis e cinestésicas que acompanham o estado primário estão ausentes no estado secundário. PORTAL E@D
  • 15. PORTAL E@D @luizhenpimentel 5º) Os objetos percebidos, por causa dos nossos movimentos, são modificados conforme as leis mais ou menos conhecidas por nossa própria experiência, enquanto os objetos imaginados não seguem essas leis.
  • 16. PORTAL E@D @luizhenpimentel 6º) Por último, as imagens têm caráter individual, não sendo idênticas para todas as pessoas colocadas nas mesmas circunstâncias.
  • 17. @luizhenpimentel Estes caracteres tradicionais permitem estabelecer a distinção entre percepção e imagem. Jaspers procurou fixar as características fenomênicas da percepção e da representação, adotando um critério diferencial entre as qualidades desses dois tipos de atos psíquicos. PORTAL E@D
  • 18. PORTAL E@D @luizhenpimentel De tudo o que foi enunciado se depreende que as imagens são conteúdos representativos evocados e guardam alguns elementos sensoriais dos objetos e dos acontecimentos do mundo exterior. Apesar disso, não correspondem fielmente ao objeto ou ao acontecimento, conservando apenas alguns aspectos figurativos da realidade. Diz-se então que a imagem só aparece na ausência do objeto e sob a forma de reprodução interiorizada.
  • 19. PORTAL E@D @luizhenpimentel Segundo Lersch, nessa qualidade característica da imagem reside a força de sua impressão e encadeamento, o seu poder de despertar, repelir e atrair. “Cada imagem tem um rosto, possui caráter fisionômico e se manifesta, por isso, como viva , pois somente o vivo tem um rosto" (Lersch). Buytendijk também afirmou que as imagens “são aspectos subjetivos de determinados setores da realidade, fortemente matizados pelos sentimentos e importantes para o estado atual de nossa vida.
  • 22. @luizhenpimentel As PERCEPÇÕES são corpóreas (possuem caráter de objetividade). As PERCEPÇÕES aparecem no espaço externo. As PERCEPÇÕES possuem desenho determinado, se acham completamente e com todos os detalhes diante de nós. PORTAL E@D PERCEPÇÃO
  • 23. @luizhenpimentel Nas PERCEPÇÕES nos diversos elementos da sensação apresentam todo o frescor sensorial; por exemplo as cores brilhantes. As PERCEPÇÕES são constantes e podem ser facilmente retiradas do mesmo modo. PORTAL E@D
  • 24. @luizhenpimentel As PERCEPÇÕES são independentes da vontade, não podem ser evocadas nem modificadas arbitrariamente. São aceitas com o sentimento de passividade. PORTAL E@D
  • 25. @luizhenpimentel PORTAL E@D REPRESENTAÇÃO As REPRESENTAÇÕES têm a natureza da imagem (possuem caráter de subjetividade). As REPRESENTAÇÕES aparecem no espaço subjetivo interno. As REPRESENTAÇÕES têm desenho indeterminado, se acham incompletamente e apenas em alguns detalhes diante de nós.
  • 26. @luizhenpimentel PORTAL E@D Nas REPRESENTAÇÕES só ocasionalmente alguns elementos são adequados aos elementos da PERCEPÇÃO. Mas quanto à maioria dos elementos, as REPRESENTAÇÕES não são adequadas. Muitas pessoas representam, opticamente, tudo de cor parda.
  • 27. PORTAL E@D @luizhenpimentel As REPRESENTAÇÕES se esvoaçam e esboroam e devem ser criadas de novo. As REPRESENTAÇÕES dependem da vontade, podem ser evocadas e modificadas arbitrariamente. São produzidas com sentimento de atividade.
  • 28. PORTAL E@D No sentido de uma possível classificação, as imagens podem ser simples ou complexas, de conformidade com o conteúdo objetivo. No primeiro caso, a imagem apresenta apenas uma qualidade das que podem ser percebidas pelos órgãos sensoriais (uma cor, um som). São complexas quando se compõem de duas ou mais qualidades diferentes. De modo geral, as imagens próprias da imaginação criadora são sempre complexas. Assim são, por exemplo, as chamadas imagens genéricas, que resultam da fusão de muitas imagens de objetos semelhantes. @luizhenpimentel
  • 29. PORTAL E@D @luizhenpimentel Em breve abordaremos alguns conceitos sobre a IMAGEM. Curtiu? Compartilhe com um Amigo ou Amiga!
  • 31. PORTAL E@D @luizhenpimentel As imagens correspondem aos diferentes campos da sensorialidade ou podem ser classificadas de acordo com a sua estrutura. Assim temos: imagens visuais, auditivas, olfativas, gustativas e táteis. As imagens que correspondem aos domínios de outros sentidos, são as cenestésicas e cinestésicas.
  • 32. PORTAL E@D @luizhenpimentel IMAGEM ONÍRICA Constituem o conteúdo dos sonhos. Trata-se de imagens visuais ou fantásticas que, devido ao estado de ofuscação da vigilância, são consideradas como correspondentes a objetos reais. Suas características fenomênicas são:
  • 33. PORTAL E@D @luizhenpimentel 1º) Vivacidade: apesar da falta de nitidez sensorial, a imagem onírica é dotada de grande plasticidade; 2º) Mobilidade: a imagem onírica é essencialmente instável e movediça;
  • 34. PORTAL E@D @luizhenpimentel 3º) É projetada no espaço interno, considerado, momentaneamente, como espaço objetivo; 4º) Ilogismo: é inteiramente ilógica. Não existe nenhum outro setor da experiência humana que seja mais irracional e desprovida de lógica do que o dos sonhos.
  • 35. De acordo com a psicanálise, as imagens oníricas constituem um produto psíquico individual, típico, regido por certas “leis inconscientes” descobertas por Freud: a condensação, o deslocamento, a simbolização e a elaboração secundária. PORTAL E@D @luizhenpimentel
  • 36. PORTAL E@D @luizhenpimentel Além dessas “leis inconscientes”, responsáveis pela formação dos sonhos, admitiu ele ser o “inconsciente” dotado de uma atividade psíquica incessante que, durante o sonho, expressa os desejos subjacentes. As imagens oníricas derivam de alguma vivência específica. “Todo conhecimento intuitivo é conhecimento experimentado”.
  • 37. PORTAL E@D @luizhenpimentel Desse modo, pode-se admitir que as imagens oníricas, por mais estranhas que pareçam à consciência, representam uma expressão da experiência (vivência) pessoal.