SlideShare uma empresa Scribd logo
PRONATEC – SED
Curso de Multimeios Didáticos
1
MÓDULO 1: A PSICOLOGIA COMO CIÊNCIA
Olá aluno (a)!!!
Neste primeiro módulo, você estudará sobre a Psicologia como área do conhecimento que busca compreender a
integração das estruturas físicas, psíquicas e emocionais do ser humano e sua relação direta com o comportamento. Os
objetivos propostos para este estudo são:
a. Apresentar o desenvolvimento do pensamento humano e sua relação com a formação da Psicologia como
ciência.
b. Refletir sobre o papel e a importância da Psicologia para a compreensão do ser humano.
c. Conhecer os principais teóricos da Psicologia e suas respectivas teorias.
d. Descrever como a Psicologia chegou ao Brasil e de que forma ela contribui para a educação.
Com estes objetivos a serem alcançados, você primeiramente fará um breve estudo sobre a história da formação
da Psicologia como área do conhecimento humano. Em segundo lugar, você estudará a Psicologia como ciência que
possui um objeto específico de estudo, teorias e métodos particulares para a compreensão do ser humano. Em seguida,
seus estudos o levarão a conhecer os principais pesquisadores da Psicologia e suas respectivas teorias. Por fim, você
saberá como a Psicologia chegou ao Brasil e como seus teóricos, conceitos e métodos contribuem para a educação ainda
hoje.
Sendo assim, veja que este módulo está dividido em quatro subtópicos:
1.1 INTRODUÇÃO
1.2 A Psicologia como ciência
1.3 Os teóricos e teorias da Psicologia
1.4 A presença da Psicologia na educação brasileira
PRONATEC – SED
Curso de Multimeios Didáticos
2
Esperamos que estes conteúdos possam conceder a você uma visão mais ampla sobre a influência dos fatores
psicológicos nos processos educativos.
Fique atento às várias oportunidades de aprendizagem, aprofundamento dos conteúdos, reflexões sobre os tópicos
desenvolvidos e oportunidades de avaliação do processo educativo. Os ícones abaixo sempre levarão vocês para novas
experiências no maravilhoso mundo do saber.
Bom estudo!!!
Prof. Dr. Israel Serique dos Santos
Hiperlinks de Texto
PRONATEC – SED
Curso de Multimeios Didáticos
3
1.1 INTRODUÇÃO
Olá aluno (a)!!
Penso que você algum dia já tenha dito algo como “Fulano puxou ao
pai... o temperamento dele é calmo” ou, em outra circunstância, tenha ouvido
a frase “Beltrana parece psicóloga, só vive analisando a gente!!!”.
Estas duas circunstâncias exemplares revelam que existem em nossa
cultura ideias com as quais ligamos à Psicologia. A partir do senso comum,
compreendemos que as pessoas têm temperamento, possuem uma
personalidade, são influenciadas em suas decisões por fatores emocionais,
que as experiências passadas, muitas vezes, interferem no dia a dia das
pessoas etc.
Quando você aconselha alguém a deixar a “poeira baixar” para poder resolver um problema com outrem, você está
usando os conceitos do senso comum em psicologia para mediar situações conflituosas. Quando alguém diz “tome
cuidado, ele é instável emocionalmente, trate a questão com delicadeza”, aquele que aconselha está apontando certas
características emocionais e comportamentais de um outro interlocutor. Quando alguém comenta que determinada
pessoa é “birrenta como uma criança”, mais uma vez o senso comum é acionado para a identificação predominante da
“birra” em determinada faixa etária, ou seja, a infância. Estes exemplos evidenciam o modo pelo qual nos relacionamos
com esta área do conhecimento humano e o quanto a psicologia faz parte de nosso cotidiano.
Senso comum é o conjunto de
conhecimentos que o ser humano adquire
como fruto de sua percepção, vivência e
experiência no mundo. Nele não há rigor
científico, apenas conclusão geral a
respeito de fatos humanos ou questões
ligadas à natureza.
Senso comum
https://www.youtube.com/watch?v=fnG-ubmIOIc
Ciência, senso comum e revoluções
científicas: ressonâncias e paradoxos
http://www.scielo.br/pdf/ci/v33n3/a04v33n3
PRONATEC – SED
Curso de Multimeios Didáticos
4
Além destes exemplos pitorescos, a Psicologia se faz presente em várias circunstâncias, em vários ambientes, nos
produtos comercializados e no modo como eles são apresentados nos comerciais, nos símbolos, nas estratégias de
marketing, nas produções literárias, na definição de perfis profissionais, nas entrevistas seletivas para emprego, nos
consultórios dos psicopedagogos etc.
https://i2.wp.com/www.janiltonpsicologo.com.br/wp-content/uploads/2015/08/diva.gif http://fdipublicidad.com.ec/wp-content/uploads/2014/02/neuromarketing-koka.jpg
Esta presença marcante da Psicologia em nossa sociedade é resultante de uma caminhada histórica realizada por
vários pensadores, os quais compreenderam que o ser humano era muito mais do que um organismo vivo formado por
um sistema unicamente biológico. Para esses pesquisadores e teóricos, o gênero humano possuía uma dimensão
marcada pelos sentimentos, percepções, apreensões, e modos de ser no mundo, os quais deveriam ser pesquisados e
problematizados para se melhor compreender o homem.
O registro deste novo olhar sobre o ser humano começa com a civilização grega e chega até nós como resultado de
intensas pesquisas e produção literária realizada durante séculos em busca de se entender a complexa realidade que é a
alma humana em sua multiforme expressão e interação com o mundo individual e social.
Senso comum
https://www.youtube.com/watch?v=fnG-ubmIOIc
Ciência, senso comum e revoluções
científicas: ressonâncias e paradoxos
http://www.scielo.br/pdf/ci/v33n3/a04v33n3
PRONATEC – SED
Curso de Multimeios Didáticos
5
1.2 A PSICOLOGIA COMO CIÊNCIA
Quando estudamos a questão do desenvolvimento da Psicologia como
ciência, percebemos que o mesmo só foi possível quando o ser humano
começou a refletir sobre si mesmo e sobre o mundo a partir de referenciais
não associados às narrativas mitológicas, do senso comum e da visão religiosa
que simplificava a origem e o funcionamento do mundo a partir da ideia de
que tudo era vontade dos deuses.
Estes três elementos (o mito, o senso comum e a visão religiosa) foram
durante muito tempo as lentes interpretativas do mundo. Através deles,
sociedades foram fundadas, estruturas sociais legitimadas, fenômenos físicos
explicados, a origem do homem ritualizada, técnicas e ferramentas elucidadas
sobre suas origens.
A respeito dos mitos como narrativas fundamentes da criação, Goulart
(2012) cita o exemplo da mitologia Tupi-Guarani, a qual descreve a criação
como obra de Iamandu (ou Nhanderu ou Tupã), o deus sol. Segundo a
narrativa, este deus criou todas as coisas com o auxílio da deusa Araci (lua), na
região de Aregua, Paraguai. Após a criação da natureza, este deus dedicou-se
na criação do homem e da mulher, os quais teriam sido formados a partir de
estátuas de argila, em uma cerimônia elaborada.
Quanto ao senso comum, são várias as referências ao sangue como
sinônimo de vida. Segundo o criado em muitas culturas, havia uma relação
direta entre o sangue e a continuidade da existência pessoal e até mesmo da
comunidade. O derramamento de sangue, nos sacrifícios, vinha acompanhado
Os mitos são narrativas fundantes criadas
pelas sociedades antigas com o objetivo de
dar uma explicação autoritária sobre os
fenômenos físicos (a chuva, o relâmpago, o
fogo), estruturas sociais (classes sociais,
liderança política), origem dos homens,
localização geográfica do clã etc.
Da mitologia à Filosofia
https://www.youtube.com/watch?v=QH1ByP5Ka6o
Muitos povos antigos tinham a prática
ritualista de oferecer sacrifícios humanos aos
deuses com o fim lhes aplacar a ira. O
derramamento do sangue de um membro da
sociedade era a garantia da continuidade da
vida social.
PRONATEC – SED
Curso de Multimeios Didáticos
6
pelo gradativo esvaecimento das forças e, por fim, da vida. Em muitas
culturas, esta percepção visual assegurava que, de fato, o sangue é vida.
Princípio relativamente verdadeiro quando analisamos a função do sangue
para o bom funcionamento do corpo humano.
Uma síntese da Teologia Cristã sobre a questão da origem do mundo e
do ser humano nós encontramos no famoso discurso de Paulo no Areópago
de Atenas, diante de estoicos e epicureus, registrado no texto de Atos 17, que
diz:
24 O Deus que fez o mundo e tudo o que nele existe, sendo ele Senhor do céu e da terra, não habita em
santuários feitos por mãos humanas. 25 Nem é servido por mãos humanas, como se de alguma coisa
precisasse; pois ele mesmo é quem a todos dá vida, respiração e tudo mais; 26 de um só fez toda a raça
humana para habitar sobre toda a face da terra, havendo fixado os tempos previamente estabelecidos e os
limites da sua habitação; 27 para buscarem a Deus se, porventura, tateando, o possam achar, bem que não
está longe de cada um de nós; 28 pois nele vivemos, e nos movemos, e existimos, como alguns dos vossos
poetas têm dito: Porque dele também somos geração.
Analisando o transcurso histórico do desenvolvimento do pensamento humano sobre a natureza do homem e a
influência dos aspectos emocionais em suas ações cotidianas, podemos dizer que o ponto de referência do início deste
pensar foi a civilização grega. Foram os gregos os primeiros a tentar formular um corpo racional, formal e sistemático
sobre o que é o ser humano.
HIPERLINK DE TEXTO
Epicureus
http://www.saocamilo-sp.br/pdf/bioethikos/68/10a17.pdf
O epicurismo .....
HIPERLINK DE TEXTO
Estoicos
http://brasilescola.uol.com.br/filosofia/os-estoicos.htm
O epicurismo .....
PRONATEC – SED
Curso de Multimeios Didáticos
7
De origem grega, o termo psicologia é derivado de dois outros
vocábulos, a saber: psyché, que pode significar “vida”, “alma”, “pessoa”; e
logos, cujo alcance semântico está no sentido de “palavra”, “razão”,
“discurso”. A partir destes dados, podemos dizer que, etimologicamente, a
Psicologia é o estudo da alma; um discurso racional a respeito do ser humano
e a complexa relação entre as realidades subjetivas e suas influências em
nosso cotidiano.
Entre aqueles que pensaram o ser humano a partir de categorias
psicológicas podemos citar Sócrates, Platão e Aristóteles. Segundo Sócrates, o
homem deveria ser percebido como um ser que possuía diferenças
significativas em comparação com os animais irracionais.
Para este filósofo, entre as distinções existentes estava a questão da
razão. Esta razão, segundo Bock, Furtado e Teixeira,
[...] permitia ao homem sobrepor-se aos instintos, que seriam a
base da irracionalidade. Ao definir a razão como peculiaridade
do homem ou como a essência humana, Sócrates abre um
caminho que seria muito explorado pela Psicologia. As teorias da
consciência são, em certa forma, frutos dessa primeira
sistematização da Filosofia (2003, p. 33).
Neste contexto, a razão está associada à reflexão, individualidade,
pensamento e mundo interior. O homem, ser distinto da natureza, refletindo
sobre a realidade ao seu redor, decide seu destino a partir desta relação
Deusa psyché
https://pt.wikipedia.org/wiki/Psiqu%C3%AA#/media/File:Wolf_von_Hoyer,_Psych
e.jpg
Sócrates (469-300 a.C.): Filósofo que
considerava importante o debate de
questões a partir da análise da hipótese.
Caso ela não entrasse em contradição, ela
deveria ser aceita como verdade.
Sócrates
http://filosofiaemvideo.com.br/wp-content/uploads/2016/04/Socrates-philosophy-essay.jpg
PRONATEC – SED
Curso de Multimeios Didáticos
8
consigo mesmo e com o mundo real, marcado por fortes tensões e
condicionantes históricos.
O segundo filósofo a dar contribuições significativas às primeiras
reflexões em Psicologia foi Platão. Segundo este pensador, o ser humano era
constituído de duas realidades distintas: o corpo (soma) e a alma (psyqué). O
corpo seria material e mortal, a alma seria imaterial e imortal. Em seu
pensamento, o corpo apontaria para o conceito de “como” as coisas são, e a
alma explicaria, ou chegaria ao entendimento, do que as coisas realmente são
na essência.
Enquanto Sócrates apontou para a realidade da existência da razão no
ser humano, Platão concedeu a esta faculdade um lugar, ou seja, a cabeça,
onde residiria a alma (BOCK, FURTADO; TEIXEIRA, 2003, p. 33). Em seu
sistema de pensamento, Platão considerava que a relação entre a alma e o
corpo era mediada pela medula. A alma para Platão era o centro da
racionalidade e reflexão, a fonte dos sentimentos e desejos.
Já Aristóteles, discípulo de Platão, atribuiu à alma o atributo de
princípio vital nos seres. Segundo seu pensamento, a alma e o corpo deveriam
ser compreendidos como realidades distintas, porém, não dissociáveis. Nesta
nova configuração e compreensão do mundo e do ser humano,
[...] a psyché seria o princípio ativo da vida. Tudo aquilo que
cresce, se reproduz e se alimenta possui a sua psyché ou alma.
Desta forma, os vegetais, os animais e o homem teriam alma. Os
vegetais teriam a alma vegetativa, que se define pela função de
alimentação e reprodução. Os animais teriam essa alma e a alma
sensitiva, que tem a função de percepção e movimento. E o
Platão
https://static.todamateria.com.br/upload/55/b7/55b7dedaafb4a-platonismo-filosofia-de-platao.jpg
Platão (427-347 a.C.) dava importância ao
raciocínio como meio de se alcançar a
verdade. Pare este filósofo, o raciocínio
seria uma atividade mental dirigida pela
lógica e que poderia conduzir o ser humano
à percepção das realidades universais.
Aristóteles
PRONATEC – SED
Curso de Multimeios Didáticos
9
homem teria os dois níveis anteriores e a alma racional, que tem
a função pensante (BOCK, FURTADO; TEIXEIRA, 2003, p. 33).
Analisando estas primeiras reflexões sobre o homem, podemos dizer
que estes filósofos deram significativa contribuição para a nossa atual
compreensão sobre a natureza humana. De fato, o ser humano não é apenas
um sistema fisiológico, composto por leis químicas, orgânicas, físicas etc.; ele
não é um mero ser que dirige suas ações por puro instinto, como os animais
irracionais; nem vive indiferente ao mundo ao seu redor em uma existência
vegetativa. O homem é sentimento, reflexão, razão, decisão.
Procedentes da alma, são estas realidades que explicam o que é o ser
humano, são elas que apontam para as possíveis origens subjetivas de nossas
ações, omissões, valores, repulsas, rejeições, animosidades, empatia,
aceitação etc. São elas as fontes primárias das transformações individuais e
históricas que vivenciamos diariamente na sociedade.
A partir do século quarto, depois de Cristo, dois pensadores se
destacam no debate sobre a natureza humana e seus aspectos psicológicos:
Agostinho e Tomás de Aquino. Por pertencerem à igreja, estes homens
teorizaram a respeito da alma a partir de postulados filosóficos e teológicos.
Analisando o pensamento de Agostinho, podemos dizer que seus
escritos apresentam conceitos que se assemelham ao pensamento de Platão,
como por exemplo, a ideia da imortalidade da alma. Todavia, há em seus
escritos fortes elementos de cunho religioso. Sua antropologia era
essencialmente teológica e bíblica.
Aristóteles (384-322 a.C.) procurou
estabelecer uma interpretação sistemática
sobre a natureza. Sua intensão abriu
caminhos para o iluminismo e para a ciência
moderna.
Agostinho
http://2.bp.blogspot.com/-Hf86kakIWtc/Vc6hYGP9wEI/AAAAAAAABQk/rQCsWdNJL7U/s1600/Santo%2BAgostinho.jpg
Antropologia é a ciência que busca estudar
o homem como ser no mundo que produz
cultura, estruturas políticas, valores,
costumes etc. e que está em constante
mudança.
A antropologia agostiniana era teológica,
ou seja, dirigida por pressupostos da
Teologia, os quais relacionavam o homem
como criação divina.
PRONATEC – SED
Curso de Multimeios Didáticos
10
Embora se utilizar da filosofia grega para construir um discurso racional sobre a natureza humana, Agostinho
preocupava-se por conformar suas teorias ao sistema de fé da igreja. Para ele, a alma possuía o atributo de imortalidade,
um dom divino, uma característica que o próprio Deus Criador havia concedido aos homens naquela parte imaterial
constituinte do ser humano. Sendo assim, a alma seria a sede da razão, dos pensamentos, da volição, dos sentimentos e
elemento que ligaria o homem a Deus.
Com Tomás de Aquino, as reflexões sobre a natureza humana se
voltam para o pensamento de Aristóteles. Comprometido com a Teologia da
Igreja Católica, mas possuindo forte admiração e influência do pensamento
aristotélico, Aquino afirmou a diferença entre essência e existência. Segundo
o pensamento de Aristóteles, estes dois vocábulos serviam para explicar o ser
humano como sendo aquele que busca a perfeição através da existência
(BOCK; FURTADO; TEIXEIRA, 2003, p. 35).
Através da pena de Tomás de Aquino estas expressões serviram para
dar significado teológico à existência humana. Para ele, Deus seria o elemento
unificador daquelas realidades e o alvo por excelência de toda a existência
humana.
Durante muito tempo, o pensamento de Agostinho e Tomás de Aquino foram lentes interpretativas sobre o ser
humano. Embora tivessem familiaridade com a filosofia grega estes homens eram primeiramente teólogos
comprometidos com o sistema de fé da igreja. Geralmente, eles utilizavam a filosofia como elemento instrumental e
argumentativo a respeito dos dogmas da igreja. Por isso, foi natural que durante muito tempo os estudos sobre os
aspectos psicológicos do ser humano não tivesse grande avanço. Neste período, muitas doenças mentais, transtornos de
personalidade e questões psicológicas eram tratados como sendo de origem espiritual (possessão, bruxaria, opressão).
Tomás de Aquino
http://cultura.culturamix.com/blog/wp-content/gallery/sao-tomas/Botticelli-Santo-Tomas1.jpg
PRONATEC – SED
Curso de Multimeios Didáticos
11
Relampejos de mudanças deste sistema de coisas começaram a
acontecer especialmente a partir do final do século XIV, temos aí o início da
Renascença. Neste período o mundo estava passando por transformações
culturais, econômicas, políticas sociais e religiosas. A estrutura econômica e
social estruturada no feudalismo começa a ser questionada, e o capitalismo
começa a se desenvolver; a hegemonia papal começa a ser paulatinamente
questionada e ocorrem mudanças conceituais e práticas na igreja.
Como elemento fomentador desta nova conjuntura histórica, os
estudos na literatura do pensamento greco-romano deu grande força ao
ideário de se pensar no mundo e ver o ser humano para além das lentes
teológicas da Igreja católica de então. Esta nova postura diante da busca pelo
conhecimento revolucionou todas as esferas do fazer e existir do homem
renascentista. Para este, a igreja não detinha a verdade absoluta, existiam
outras formas de perceber, conceituar e conhecer o mundo em todos os seus
aspectos e manifestações.
A partir deste postulado, Nicolau Copérnico (1543) afirmou que o
planeta terra não era o centro do universo; Galileu Galilei (1610) fez estudos
sobre a queda dos corpos (BOCK; FURTADO; TEIXEIRA, 2003, p. 36); o
interesse pelo estudo da literatura clássica e a restauração de muitas obras
antigas fez com que os pesquisadores renascentistas criassem métodos de
análise crítica nos livros antigos etc.
Nesta conjuntura histórica, um fator que deu força às mudanças
emergentes foi a criação da imprensa, em 1455, pelo alemão Johannes
Gutemberg. A partir desta nova tecnologia, as obras clássicas puderam ser
reproduzidas em muitas unidades. E na medida em chegavam nas mãos dos
Feudalismo foi um sistema de organização
social e política presente na Idade Média, no
qual os donos de terras ofereciam proteção
e trabalho aos colonos em troca da produção
destes em suas terras. Os donos dos feudos
ficavam com parte do que era produzido.
http://3.bp.blogspot.com/-
Bw1EmZU6dpk/UdVXNDTTk8I/AAAAAAAAVTg/iAzSOllkLng/s800/feudo.jpg
PRONATEC – SED
Curso de Multimeios Didáticos
12
leitores ávidos pelos antigos escritos da literatura clássica, isto exercia
influência no modo de cada um ver o mundo a partir de tais leituras.
Além disto, a revolução da imprensa também se fez presente na medida em que os pensadores renascentistas
começaram a escrever suas próprias obras e expor seus próprios conceitos a respeito dos mais variados assuntos
relevantes à época. Isto fez com que a Teologia da Igreja Católica fosse paulatinamente questionada e rejeitada por
muitos.
Um exemplo que explicita esta situação foi a Reforma Protestante do
século XVI. Seus líderes (Lutero e Calvino) eram homens cultos, conhecedores
da literatura clássica, humanistas e possuíam pensamentos diferentes da
Igreja Católica a respeito das indulgências e da Bíblia. Estes reformadores
traduziram a Bíblia do latim para a língua do povo, produziram obras
teológicas e comentários bíblicos e os fizeram chegar ao povo comum através
da imprensa. De fato, a nova configuração religiosa, política e econômica do
século XVI em diante foi fomentada pelo Renascimento e consolidada pela
criação da imprensa.
Neste mesmo período, René descartes (1596-1659) apresenta o seu
pensamento sobre os elementos constituintes do ser humano. Segundo sua
teoria, haveria uma separação entre a mente (alma, espírito) e o corpo.
Aquela seria a parte pensante do ser humano e este apenas uma substância
material. Esta distinção aparentemente simples abriu portas para o
desenvolvimento da Medicina e da Psicologia. Segundo Bock, Furtado e
Teixeira,
Esse dualismo mente-corpo torna possível o estudo do corpo
humano morto, o que era impensável nos séculos anteriores (o
corpo era considerado sagrado pela igreja, por ser a desse da
Indulgências e da Bíblia: os protestantes
rejeitavam a ideia de que era possível
comprar o perdão de pecados através do
pagamento de indulgências; e tinham
apenas a Bíblia como perfeita revelação de
Deus aos homens.
http://www.ultracurioso.com.br/wp-content/uploads/2015/06/thumb-120651-autopsia-resized.jpg
PRONATEC – SED
Curso de Multimeios Didáticos
13
alma), e dessa forma possibilita o avanço da Anatomia e da
Fisiologia, que iria contribuir em muito para o progresso da
própria Psicologia (2003, p. 36).
Sendo assim, através desta breve descrição histórica do desenvolvimento do pensamento humano podemos
concluir que a Psicologia é uma ciência que encontrou espaço no mundo acadêmico na medida em que o ser humano foi
gradativamente refletindo sobre as motivações internas de suas ações, hábitos, sentimentos e emoções.
O reconhecimento da importância da mente para o comportamento humano gradativamente oportunizou
pesquisas e teorizações sobre as origens de nossas ações a dos processos de como aprendemos. Associada com outras
áreas do saber, a Psicologia tem aprofundado seu conhecimento sobre a natureza humana, sobre os processos cognitivos
de aprendizagem e sobre aqueles elementos que podem facilitar ou trazer obstáculos ao processo ensino-aprendizagem.
No subtópico à frente, estudaremos sobre os primeiros estudiosos que deram à Psicologia o status de ciência,
realizaram as primeiras experiências e desenvolveram as primeiras teorias psicológicas sobre o ser humano.
PRONATEC – SED
Curso de Multimeios Didáticos
14
Senso comum é o conjunto de conhecimentos que o ser humano adquire como fruto de sua percepção, vivência e experiência no mundo. Nele não há rigor científico, apenas
conclusão geral a respeito de fatos humanos ou questões ligadas à natureza.
A Psicologia se faz presente em várias circunstâncias, em vários ambientes, nos produtos comercializados e no modo como eles são apresentados nos comerciais, nos símbolos, nas
estratégias de marketing, nas produções literárias, na definição de perfis profissionais, nas entrevistas seletivas para emprego, nos consultórios dos psicopedagogos etc.
A presença marcante da Psicologia em nossa sociedade é resultante de uma caminhada histórica realizada por vários pensadores, os quais compreenderam que o ser humano era
muito mais do que um organismo vivo formado por um sistema unicamente biológico. Para esses pesquisadores e teóricos, o gênero humano possuía uma dimensão marcada pelos
sentimentos, percepções, apreensões, e modos de ser no mundo, os quais deveriam ser pesquisados e problematizados para se melhor compreender o homem.
O desenvolvimento da Psicologia como ciência só foi possível quando o ser humano começou a refletir sobre si mesmo e sobre o mundo a partir de referenciais não associados às
narrativas mitológicas, do senso comum e da visão religiosa que simplificava a origem e o funcionamento do mundo a partir da ideia de que tudo era vontade dos deuses.
Os mitos são narrativas fundantes criadas pelas sociedades antigas com o objetivo de dar uma explicação autoritativa sobre os fenômenos físicos (a chuva, o relâmpago, o fogo),
estruturas sociais (classes sociais, liderança política), origem dos homens, localização geográfica do clã etc.
Foram os gregos os primeiros a tentarem dar um corpo racional, formal e sistemático sobre o que é o ser humano.
De origem grega, o termo psicologia é derivado de dois outros vocábulos, a saber: psyché, que pode significar “vida”, “alma”, “pessoa”; e logos, cujo alcance semântico está no
sentido de “palavra”, “razão”, “discurso”. A partir destes dados, podemos dizer que, etimologicamente, a Psicologia é o estudo da alma; um discurso racional a respeito do ser humano e a
complexa relação entre as realidades subjetivas e suas influências em nosso cotidiano.
Segundo Sócrates, o homem deveria ser percebido como um ser que possuía diferenças significativas em comparação com os animais irracionais. Para este filósofo, entre as
distinções existentes estava a questão da razão.
Segundo Platão, o ser humano era constituído de duas realidades distintas: o corpo (soma) e a alma (psyqué). O corpo seria material e mortal, a alma seria imaterial e imortal. Em
seu pensamento, o corpo apontaria para o conceito de “como” as coisas são, e a alma explicaria, ou chegaria ao entendimento, do que as coisas realmente são na essência. A alma para
Platão era o centro da racionalidade e reflexão, a fonte dos sentimentos e desejos.
Para Aristóteles, a psyché seria o princípio ativo da vida. Tudo aquilo que cresce, se reproduz e se alimenta possui a sua psyché ou alma. Dessa forma, os vegetais, os animais e o
homem teriam alma. Os vegetais teriam a alma vegetativa, que se define pela função de alimentação e reprodução. Os animais teriam essa alma e a alma sensitiva, que tem a função de
percepção e movimento. E o homem teria os dois níveis anteriores e a alma racional, que tem a função pensante.
Agostinho preocupava-se por conformar suas teorias ao sistema de fé da igreja. Para ele, a alma possuía o atributo de imortalidade, um dom divino, uma característica que o
próprio Deus Criador havia concedido aos homens naquela parte imaterial constituinte do ser humano. Sendo assim, a alma seria a sede da razão, dos pensamentos, da volição, dos
sentimentos e elemento que ligaria o homem a Deus.
A revolução da imprensa também se fez presente na medida em que os pensadores renascentistas começaram a escrever suas próprias obras e expor seus próprios conceitos a
respeito dos mais variados assuntos relevantes à época. Isto fez com que a Teologia da Igreja Católica fosse paulatinamente questionada e rejeitada por muitos.
René descartes (1596-1659) apresentou o seu pensamento sobre os elementos constituintes do ser humano. Segundo sua teoria, haveria uma separação entre a mente (alma,
espírito) e o corpo. Aquela seria a parte pensante do ser humano e este apenas uma substância material. Esta distinção aparentemente simples abriu portas para o desenvolvimento da
Medicina e da Psicologia.
Psicologia é uma ciência que encontrou espaço no mundo acadêmico na medida em que o ser humano foi gradativamente refletindo sobre as motivações internas de suas ações,
hábitos, sentimentos e emoções. O reconhecimento da importância da mente para o comportamento humano gradativamente oportunizou pesquisas e teorizações sobre as origens de
nossas ações a dos processos de como aprendemos. Associada com outras áreas do saber, a Psicologia tem aprofundado seu conhecimento sobre a natureza humana, sobre os processos
cognitivos de aprendizagem e sobre aqueles elementos que podem facilitar ou trazer obstáculos ao processo ensino-aprendizagem
PRONATEC – SED
Curso de Multimeios Didáticos
15
1.3 OS TEÓRICOS E TEORIAS DA PSICOLOGIA
1.3.1 Wilhem Wundt e a Psicologia Experimental
Wilhem Wundt (1832-1920) foi um médico, filósofo e psicólogo
alemão, considerado um dos fundadores da Psicologia experimental moderna.
Entre as contribuições que o fazem merecedor desse reconhecimento
histórico, está a criação do primeiro laboratório de Psicologia no Instituto
Experimental de Psicologia da Universidade de Leipzig, na Alemanha, em
1879.
Para ele e seus seguidores (nomeadamente Edward Tichener, 1867-
1927), as operações mentais eram a organização de sensações elementares
relacionadas à estrutura do sistema nervoso (PILETTI; ROSSATO, 2012). No seu
laboratório, em Leipzig, procurou conhecer a forma como se relacionam e
associam os elementos da consciência. Nestes estudos, temos a concepção
associacionista dos comportamentos.
Ele trabalhou com o chamado método introspectivo [observação
interna], mas de modo controlado. Isto implicava que observadores treinados
deveriam, no laboratório, descrever as suas próprias experiências, resultantes
de uma situação experimental definida, em que uma equipe de psicólogos
analisaria os dados com objetividade.
PRONATEC – SED
Curso de Multimeios Didáticos
16
1.3.2 Ivan Petrovitch Pavlov e a Teoria do Condicionamento Clássico
A teoria do condicionamento clássico ou reflexológico, de autoria de
Pavlov, é de natureza fisiológica e de conexão, pois trata de estímulo e
reação; sendo que o organismo é dotado de um aparato de respostas, a partir
dos estímulos naturais e incondicionados (EI) para que produza uma resposta
(R) (CAMPOS, 1989).
Condicionamento Clássico
https://www.youtube.com/watch?v=ThrSiJNVggw
HIPERLINK DE TEXTO
Reflexo Condicionado
http://www.cerebromente.org.br/n09/mente/pavlov.htm
PRONATEC – SED
Curso de Multimeios Didáticos
17
1.3.3 John Watson e o Behaviorismo
John Watson, Psicólogo americano, fundador da corrente behaviorista
dentro da Psicologia, nasceu em 1878. Watson estudou as descobertas feitas
por Ivan Pavlov na mesma época do seu doutoramento e desenvolveu
pesquisas semelhantes em biologia, fisiologia e comportamento de animais.
A partir de seus estudos sobre o comportamento da criança, Watson
concluiu que o comportamento humano era, sob muitos aspectos,
semelhante ao comportamento animal.
Com base nesta constatação e inspirado nas descobertas de Pavlov,
Watson criou dentro da Psicologia uma nova corrente, o Behaviorismo
(1912).
Watson considera que o objetivo da Psicologia é o estudo do
comportamento de um organismo em interação com o ambiente; sendo,
portanto, possível condicionar o comportamento do indivíduo a
comportamentos desejáveis, desde que o mesmo seja exposto a estímulos
adequados (CAMPOS, 1989).
PRONATEC – SED
Curso de Multimeios Didáticos
18
1.3.4 Max Wertheimer, Kurt Koffka, Wolfgang Kohler e o Gestaltismo
Max Wertheimer (fundador da escola), Kurt Koffka e Wolfgang Kohler defendiam que o todo é diferente da soma das
partes. Não são as apresentações delas por si mesmas, mas sim as suas relações que decidem o sentido de um
pensamento (PILETTI; ROSSATO, 2012).
A Psicologia da Gestalt pode ser também vista como a Psicologia da forma. Os gestaltistas estão preocupados em
compreender quais os processos psicológicos envolvidos numa ilusão de ótica quando o estímulo físico é percebido pelo
sujeito como uma forma diferente da que ele tem na realidade.
Kohler estudou o modo como os chimpanzés lidavam com situações problemáticas, tendo chegado à conclusão que
possuíam a capacidade de organizar os diversos elementos de uma situação num todo coerente, permitindo assim
encontrar a solução para o problema. As suas experiências com estes animais (que empilhavam caixotes para alcançar o
alimento) comprovaram que estes têm condições para resolver problemas relativamente complexos.
PRONATEC – SED
Curso de Multimeios Didáticos
19
1.3.4 Jean Piaget e o Construtivismo
Jean Piaget (1896-1980), fundador do construtivismo, define-o como a
teoria do desenvolvimento do conhecimento em resultado de uma interação
com o meio (PIAGET, 1979). Piaget procurou determinar os processos de
construção do conhecimento desde as suas formas mais elementares até aos
níveis superiores.
Para Piaget, o desenvolvimento do indivíduo é determinado pela
interação entre fatores internos (orgânicos, hereditários) e fatores externos
(meio). Nos primeiros meses de vida, o seu comportamento é determinado
por reflexos inatos, mas depois as respostas são cada vez mais complexas,
fruto de um processo de adaptação.
Este processo embora tenha algumas etapas comuns a todos os
indivíduos, não produz em todos os mesmos resultados. As mesmas coisas
não têm a mesma significação para todos. O comportamento é uma resposta
que varia em função da interação entre a personalidade do sujeito e a
situação.
A personalidade é formada através da interação com o meio. Neste processo, são decisivas as disposições biológicas
do sujeito, as diversas aprendizagens e as atividades sobre o meio. O comportamento é visto como a resposta de uma
dada personalidade numa situação concreta.
O construtivismo (ou psicologia genética) procura explicar o desenvolvimento cognitivo (inteligência) como um
processo contínuo de adaptação do organismo ao meio, marcado por várias fases (estágios): Cada uma delas representa
PRONATEC – SED
Curso de Multimeios Didáticos
20
um estágio de equilíbrio, cada vez mais estável, entre o organismo e o meio, onde ocorrem de determinados mecanismos
de interação, como a assimilação e a acomodação.
Todo o conhecimento começa por uma assimilação pelas estruturas e esquemas do sujeito dos dados que recebe do
exterior. Estas estruturas e esquemas são os meios que permitem o conhecimento. Esta assimilação implica por sua vez a
sua modificação. A acomodação consiste na modificação destas estruturas ou esquemas aos novos dados.
A inteligência surge, assim, como o conjunto das estruturas e esquemas que um organismo dispõe em cada fase do
seu desenvolvimento. A adaptação do organismo constitui a expressão do equilíbrio atingido entre a assimilação e a
adaptação.
1.3.5 Sigmund Freud e a Psicanálise
Fundador de uma nova corrente em Psicologia, a Psicanálise. Sigmund
Freud apresenta-nos a psicanálise tendo como principais instrumentos de
trabalho a hipnose, a interpretação de sonhos e a livre associação de palavras.
Freud considera que o objetivo da Psicologia é o estudo da motivação
humana, que em grande parte é inconsciente e deve ser estudada através dos
sonhos, símbolos ou associações livres (PILETTI; ROSSATO, 2012).
A personalidade, para Freud, é determinada principalmente por
processos e forças inconscientes moldadas nos primeiros anos de vida (6-8
anos).
PRONATEC – SED
Curso de Multimeios Didáticos
21
Para termos acesso ao inconsciente, ficamos limitados a processos
indiretos como a hipnose. Mas apesar de Freud utilizar a hipnose para ajudar
as pessoas a reviverem experiências traumáticas do passado, desenvolveu o
método de associação livre, onde os pacientes eram encorajados a dizer tudo
o que lhes viesse à mente, sendo também estimulados a relatar os seus
sonhos.
Pulsões ou instintos básicos:
Eros: instinto de vida / erótico, relativo ao bem-estar.
Thanatos: instinto de morte / agressividade.
Teoria da personalidade:
Modelo topográfico é dividido em consciente, pré-consciente e inconsciente.
O modelo estrutural é dividido em Id, Ego e Superego.
Freud encontra na mente uma divisão entre três dimensões:
1. Consciente (EGO) – raciocínio, operações lógicas.
2. Pré-consciente (SUPEREGO) – memórias, interiorização de proibições sociais, produzem angústias, ansiedades e castiga
o EGO quando aceita impulsos do ID.
3. Inconsciente (ID) - pulsões, desejos e medos recalcados. Não obedece à lógica nem à moral.
PRONATEC – SED
Curso de Multimeios Didáticos
22
Wilhem Wundt (1832-1920) foi um médico, filósofo e psicólogo alemão, considerado um dos fundadores da Psicologia experimental moderna. Ele criou o primeiro
laboratório de Psicologia no Instituto Experimental de Psicologia da Universidade de Leipzig, na Alemanha, em 1879.
Para Wundt, as operações mentais eram a organização de sensações elementares relacionadas à estrutura do sistema nervoso (PILETTI; ROSSATO, 2012). Ele trabalhou com
o chamado método introspectivo [observação interna], mas de modo controlado. Isto implicava que observadores treinados deveriam, no laboratório, descrever as suas próprias
experiências, resultantes de uma situação experimental definida, em que uma equipe de psicólogos analisaria os dados com objetividade.
A teoria do condicionamento clássico ou reflexológico, de autoria de Pavlov, é de natureza fisiológica e de conexão, pois trata de estímulo e reação; sendo que o organismo é
dotado de um aparato de respostas, a partir dos estímulos naturais e incondicionados (EI) para que produza uma resposta (R) (CAMPOS, 1989).
A partir de seus estudos sobre o comportamento da criança, Watson concluiu que o comportamento humano era, sob muitos aspectos, semelhante ao comportamento animal.
Com base nesta constatação e inspirado nas descobertas de Pavlov, Watson criou dentro da Psicologia uma nova corrente, o Behaviorismo (1912). Ele considera que o objetivo da
Psicologia é o estudo do comportamento de um organismo em interação com o ambiente; sendo, portanto, possível condicionar o comportamento do indivíduo a comportamentos
desejáveis, desde que o mesmo seja exposto a estímulos adequados (CAMPOS, 1989).
Max Wertheimer, Kurt Koffka e Wolfgang Kohler defendiam que o todo é diferente da soma das partes. Não são as apresentações delas por si mesmas, mas sim as suas relações
que decidem o sentido de um pensamento (PILETTI; ROSSATO, 2012).
Os gestaltistas estão preocupados em compreender quais os processos psicológicos envolvidos numa ilusão de ótica quando o estímulo físico é percebido pelo sujeito como uma
forma diferente da que ele tem na realidade.
Jean Piaget (1896-1980), fundador do construtivismo, define-o como a teoria do desenvolvimento do conhecimento em resultado de uma interação com o meio (PIAGET, 1979).
Para Piaget, o desenvolvimento do indivíduo é determinado pela interação entre fatores internos (orgânicos, hereditários) e fatores externos (meio). Nos primeiros meses de
vida, o seu comportamento é determinado por reflexos inatos, mas depois as respostas são cada vez mais complexas, fruto de um processo de adaptação.
Para Piaget, as mesmas coisas não têm a mesma significação para todos. O comportamento é uma resposta que varia em função da interação entre a personalidade do sujeito e
a situação.
O construtivismo (ou psicologia genética) procura explicar o desenvolvimento cognitivo (inteligência) como um processo contínuo de adaptação do organismo ao meio, marcado
por várias fases (estágios): Cada uma delas representa um estágio de equilíbrio, cada vez mais estável, entre o organismo e o meio, onde ocorrem de determinados mecanismos de
interação, como a assimilação e a acomodação.
A inteligência surge como o conjunto das estruturas e esquemas que um organismo dispõe em cada fase do seu desenvolvimento. A adaptação do organismo constitui a
expressão do equilíbrio atingido entre a assimilação e a adaptação.
Fundador de uma nova corrente em Psicologia, a Psicanálise. Sigmund Freud apresenta-nos a psicanálise tendo como principais instrumentos de trabalho a hipnose, a
interpretação de sonhos e a livre associação de palavras.
Apesar de Freud utilizar a hipnose para ajudar as pessoas a reviverem experiências traumáticas do passado, desenvolveu o método de associação livre, onde os pacientes eram
encorajados a dizer tudo o que lhes viesse à mente, sendo também estimulados a relatar os seus sonhos.
PRONATEC – SED
Curso de Multimeios Didáticos
23
1.4 A PRESENÇA DA PSICOLOGIA NA EDUCAÇÃO BRASILEIRA
A história da Psicologia Escolar e Educacional no Brasil pode ser
identificada desde os tempos coloniais, quando preocupações com a
educação e a pedagogia traziam em seu bojo elaborações sobre o fenômeno
psicológico. Comprometidas com os interesses dos mais afortunados, estas
elaborações evidenciavam a realidade de dominação da colônia (MASSIMI,
1986; 1990).
Com a defesa da educação feminina, a qual exigiu certa reflexão em
questões psicológicas, temas importantes aos estudos da psicologia foram
desenvolvidos e se tornaram parte dos estudos em Psicologia no século XX.
O debate sobre a educação tomou vulto com a defesa da difusão da
escolaridade para a massa da população e uma maior sistematização das
ideias pedagógicas, com crescente influência dos princípios da Escola Nova.
Assim, as escolas normais passaram a ser o principal centro de
propagação das novas ideias, com vistas à formação dos novos professores,
encarregando-se do ensino, da produção de obras e do início da preocupação
com a produção de conhecimentos por meio dos então inaugurados
laboratórios de psicologia. Estes fatores deram as bases para as reformas
estaduais de ensino promovidas nos anos 1920 e foram por estas
potencializadas.
Foi nesse quadro que ocorreu, paulatinamente, a conquista de autonomia
da psicologia como área especifica de conhecimento no Brasil, deixando de
ser produzida no interior de outras áreas do saber, sendo reconhecida como
HIPERLINK DE TEXTO
Estudos históricos acerca da psicologia brasileira
http://books.scielo.org/id/c2248/pdf/freitas-9788599662830-06.pdf
PRONATEC – SED
Curso de Multimeios Didáticos
24
ciência autônoma e dando as condições para que, por essa via, penetrassem
os conhecimentos da psicologia que vinham sendo produzidos na Europa e
nos Estados Unidos.
O período seguinte, a partir da década de 1930, caracteriza-se pela
consolidação da psicologia no Brasil e tem como base a estreita relação
estabelecida entre essa área e a educação. Os campos de atuação da
psicologia que se desenvolveram a partir dessa época, tornando-se campos
tradicionais da profissão, como a atuação clínica e a intervenção sobre a
organização do trabalho, tiveram suas raízes na educação, respectivamente
pela criação dos Serviços de Orientação Infantil, com a finalidade de atender
crianças com dificuldades escolares, e pela Orientação Profissional, dentre
outras ações educacionais, no campo do trabalho.
Ao mesmo tempo, o ensino formal de psicologia em cursos superiores
tinha estreita articulação com a educação, pois as disciplinas de psicologia
estavam vinculadas primordialmente aos cursos de filosofia e de pedagogia,
nestes últimos sob a denominação de psicologia educacional.
Muitos foram os trabalhos realizados pela psicologia no âmbito da
educação, dentre os quais: Serviço de Psicologia Aplicada do Instituto
Pedagógico da Diretoria de Ensino de São Paulo; Sociedade Pestalozzi de
Minas Gerais e, posteriormente, Sociedade Pestalozzi do Brasil; “Escola para
Anormais” em Recife; atividades realizadas no INEP, particularmente com a
utilização de testes psicológicos; a criação das Clínicas de Orientação Infantil;
a fundação do Instituto de Psicologia da PUCSP, oferecendo serviços de
medidas escolares, pedagogia terapêutica e orientação psicopedagógica; além
PRONATEC – SED
Curso de Multimeios Didáticos
25
das muitas instituições estritamente educacionais que desenvolviam
trabalhos relacionados à Psicologia.
Pode-se dizer que a educação continuou sendo a base para o
desenvolvimento da psicologia, assim como esta permaneceu como principal
fundamento para a educação, particularmente no âmbito pedagógico, como
sustentação teórica da Didática e da Metodologia de Ensino, bases para a
formação de professores.
Nesse contexto, começam a se diferenciar, ainda que de forma não
sistemática e formal, a psicologia educacional, como conjunto de saberes que
pretende explicar e subsidiar a prática pedagógica, sendo, portanto, de
domínio necessário para todos os educadores; e a psicologia escolar, como
campo de atuação de profissionais da Psicologia que atuariam no âmbito da
escola, desempenhando uma função específica, alicerçada na Psicologia e que
se caracterizou inicialmente por adotar o modelo clínico de intervenção.
Embora contradições possam ser apontadas, revelando produções teóricas e práticas afinadas com a construção de
uma escola comprometida com a aprendizagem e o desenvolvimento de seus alunos, particularmente aqueles oriundos
das camadas populares, o papel que a psicologia desempenhou na educação tornou-se objeto de crítica.
Apesar de todas as críticas feitas ao trabalho da Psicologia no campo educacional e sua relativa novidade enquanto
ciência, não se pode negar sua utilidade, eficiência e eficácia na construção de uma educação mais humanizada, levando a
um olhar educacional holístico e integral do indivíduo em desenvolvimento.
Podemos ver a importância que esta ciência tem para a educação quando lembramos que em todos os cursos de
licenciatura a Psicologia é componente curricular a ser estudado. Além disto, não são poucos os cursos de pós-graduação
lato sensu que oferecem formação em psicopedagogia e nos cursos stricto sensu (mestrado e doutorado) que possuem
linhas de pesquisa na mesma área.
PRONATEC – SED
Curso de Multimeios Didáticos
26
A história da Psicologia Escolar e Educacional no Brasil pode ser identificada desde os tempos coloniais, quando preocupações com a educação e a
pedagogia traziam em seu bojo elaborações sobre o fenômeno psicológico.
Com a defesa da educação feminina, a qual exigiu certa reflexão em questões psicológicas, temas importantes aos estudos da psicologia foram
desenvolvidos e se tornaram parte dos estudos em Psicologia no século XX.
As escolas normais foram centros de divulgação dos conceitos e teorias da psicologia.
Na década de 1920 paulatinamente a psicologia foi alcançando autonomia como área especifica de conhecimento no Brasil, deixando de ser
produzida no interior de outras áreas do saber, sendo reconhecida como ciência autônoma e dando as condições para que, por essa via, penetrassem os
conhecimentos da psicologia que vinham sendo produzidos na Europa e nos Estados Unidos.
A década de 1930 caracteriza-se pela consolidação da psicologia no Brasil e tem como base a estreita relação estabelecida entre essa área e a
educação. Os campos de atuação da psicologia: a atuação clínica e a intervenção sobre a organização do trabalho; criação dos Serviços de Orientação
Infantil, com a finalidade de atender crianças com dificuldades escolares; e a Orientação Profissional no campo do trabalho.
No Brasil, a educação foi uma das bases para o desenvolvimento da psicologia, assim como esta permaneceu como principal fundamento para a
educação, particularmente no âmbito pedagógico, como sustentação teórica da Didática e da Metodologia de Ensino, bases para a formação de
professores.
Psicologia educacional: conjunto de saberes que pretende explicar e subsidiar a prática pedagógica, sendo, portanto, de domínio necessário para
todos os educadores.
Psicologia escolar: campo de atuação de profissionais da psicologia que atuariam no âmbito da escola, desempenhando uma função específica,
alicerçada na psicologia e que se caracterizou inicialmente por adotar o modelo clínico de intervenção.
Podemos ver a importância que esta ciência tem para a educação quando lembramos que em todos os cursos de licenciatura a Psicologia é
componente curricular a ser estudado. Além disto, não são poucos os cursos de pós-graduação lato sensu que oferecem formação em psicopedagogia e
nos cursos stricto sensu (mestrado e doutorado) que possuem linhas de pesquisa na mesma área.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A invenção do espaço psi historia e epistemologia da psicologia 2014 pdf
A invenção do espaço psi historia e epistemologia da psicologia  2014 pdfA invenção do espaço psi historia e epistemologia da psicologia  2014 pdf
A invenção do espaço psi historia e epistemologia da psicologia 2014 pdf
Jonia Lacerda
 
Alberto antonio nhatirre, turma r9, numero 01
Alberto antonio nhatirre, turma r9, numero 01Alberto antonio nhatirre, turma r9, numero 01
Alberto antonio nhatirre, turma r9, numero 01
Alberto Nhatirre
 
Evolução histórica da reflexão sobre a condição humana
Evolução histórica da reflexão sobre a condição humanaEvolução histórica da reflexão sobre a condição humana
Evolução histórica da reflexão sobre a condição humana
19121992
 
Psicologia uma nova introdução
Psicologia uma nova introduçãoPsicologia uma nova introdução
Psicologia uma nova introdução
SFerreira Miranda
 
Psicologia uma nova introducao
Psicologia uma nova introducaoPsicologia uma nova introducao
Psicologia uma nova introducao
Lu Cassita
 
Plano de curso filosofia-1ºano
Plano de curso filosofia-1ºanoPlano de curso filosofia-1ºano
Plano de curso filosofia-1ºano
Mary Alvarenga
 
Trabalho resenha
Trabalho resenhaTrabalho resenha
Trabalho resenha
psi-fca
 
Antropologia filosófica 2- homo somaticus
Antropologia filosófica 2-     homo somaticusAntropologia filosófica 2-     homo somaticus
Antropologia filosófica 2- homo somaticus
Mário Correia
 
Ser-consigo e tecnologias do eu - Foucault e Educação
Ser-consigo e tecnologias do eu - Foucault e EducaçãoSer-consigo e tecnologias do eu - Foucault e Educação
Ser-consigo e tecnologias do eu - Foucault e Educação
Karla Saraiva
 
A condição humana
A condição humanaA condição humana
A condição humana
Canício Scherer
 
O conceito de subjetividade nas teorias sócio-históricas
O conceito de subjetividade nas teorias sócio-históricasO conceito de subjetividade nas teorias sócio-históricas
O conceito de subjetividade nas teorias sócio-históricas
Juliana Soares
 
O mundo e a filosofia
O mundo e a filosofiaO mundo e a filosofia
O mundo e a filosofia
josivaldopassos
 
.7 psicanálise e cultura
.7 psicanálise e cultura.7 psicanálise e cultura
.7 psicanálise e cultura
faculdadeteologica
 
Psicologia uma-nova-introducao-figueiredo-l-c
Psicologia uma-nova-introducao-figueiredo-l-cPsicologia uma-nova-introducao-figueiredo-l-c
Psicologia uma-nova-introducao-figueiredo-l-c
mona-freitas
 
A condição humana
A condição humanaA condição humana
A condição humana
Isaquel Silva
 
Antropologia e filosofia II
Antropologia e filosofia IIAntropologia e filosofia II
Antropologia e filosofia II
Laís Maíne
 
Plano de ensino filisofia
Plano de ensino filisofiaPlano de ensino filisofia
Plano de ensino filisofia
Atividades Diversas Cláudia
 
Filosofia da educação
Filosofia da educaçãoFilosofia da educação
Filosofia da educação
PedagogiaModular
 
Epiméleia heautoû: A ética do cuidado de si
Epiméleia heautoû: A ética do cuidado de siEpiméleia heautoû: A ética do cuidado de si
Epiméleia heautoû: A ética do cuidado de si
Arlindo Picoli
 

Mais procurados (19)

A invenção do espaço psi historia e epistemologia da psicologia 2014 pdf
A invenção do espaço psi historia e epistemologia da psicologia  2014 pdfA invenção do espaço psi historia e epistemologia da psicologia  2014 pdf
A invenção do espaço psi historia e epistemologia da psicologia 2014 pdf
 
Alberto antonio nhatirre, turma r9, numero 01
Alberto antonio nhatirre, turma r9, numero 01Alberto antonio nhatirre, turma r9, numero 01
Alberto antonio nhatirre, turma r9, numero 01
 
Evolução histórica da reflexão sobre a condição humana
Evolução histórica da reflexão sobre a condição humanaEvolução histórica da reflexão sobre a condição humana
Evolução histórica da reflexão sobre a condição humana
 
Psicologia uma nova introdução
Psicologia uma nova introduçãoPsicologia uma nova introdução
Psicologia uma nova introdução
 
Psicologia uma nova introducao
Psicologia uma nova introducaoPsicologia uma nova introducao
Psicologia uma nova introducao
 
Plano de curso filosofia-1ºano
Plano de curso filosofia-1ºanoPlano de curso filosofia-1ºano
Plano de curso filosofia-1ºano
 
Trabalho resenha
Trabalho resenhaTrabalho resenha
Trabalho resenha
 
Antropologia filosófica 2- homo somaticus
Antropologia filosófica 2-     homo somaticusAntropologia filosófica 2-     homo somaticus
Antropologia filosófica 2- homo somaticus
 
Ser-consigo e tecnologias do eu - Foucault e Educação
Ser-consigo e tecnologias do eu - Foucault e EducaçãoSer-consigo e tecnologias do eu - Foucault e Educação
Ser-consigo e tecnologias do eu - Foucault e Educação
 
A condição humana
A condição humanaA condição humana
A condição humana
 
O conceito de subjetividade nas teorias sócio-históricas
O conceito de subjetividade nas teorias sócio-históricasO conceito de subjetividade nas teorias sócio-históricas
O conceito de subjetividade nas teorias sócio-históricas
 
O mundo e a filosofia
O mundo e a filosofiaO mundo e a filosofia
O mundo e a filosofia
 
.7 psicanálise e cultura
.7 psicanálise e cultura.7 psicanálise e cultura
.7 psicanálise e cultura
 
Psicologia uma-nova-introducao-figueiredo-l-c
Psicologia uma-nova-introducao-figueiredo-l-cPsicologia uma-nova-introducao-figueiredo-l-c
Psicologia uma-nova-introducao-figueiredo-l-c
 
A condição humana
A condição humanaA condição humana
A condição humana
 
Antropologia e filosofia II
Antropologia e filosofia IIAntropologia e filosofia II
Antropologia e filosofia II
 
Plano de ensino filisofia
Plano de ensino filisofiaPlano de ensino filisofia
Plano de ensino filisofia
 
Filosofia da educação
Filosofia da educaçãoFilosofia da educação
Filosofia da educação
 
Epiméleia heautoû: A ética do cuidado de si
Epiméleia heautoû: A ética do cuidado de siEpiméleia heautoû: A ética do cuidado de si
Epiméleia heautoû: A ética do cuidado de si
 

Semelhante a Psicologia da aprendizagem 1

1 psicologia
1 psicologia1 psicologia
1 psicologia
brelua
 
Biblioteca 123
Biblioteca 123Biblioteca 123
Biblioteca 123
MarcosRibeiroSelf
 
Psicologia da Educação e da Aprendizagem.pdf
Psicologia da Educação e da Aprendizagem.pdfPsicologia da Educação e da Aprendizagem.pdf
Psicologia da Educação e da Aprendizagem.pdf
zecaviana1
 
filosofia da educação r2
 filosofia da educação r2 filosofia da educação r2
filosofia da educação r2
Silvana Mara
 
Psicologia e educação interlocuções e possibilidades
Psicologia e educação  interlocuções e possibilidadesPsicologia e educação  interlocuções e possibilidades
Psicologia e educação interlocuções e possibilidades
Patrícia Éderson Dias
 
O conhecimento slides
O conhecimento   slidesO conhecimento   slides
O conhecimento slides
UFMS
 
Unidade 1
Unidade 1Unidade 1
Unidade 1
Unidade 1Unidade 1
Unidade 1
Unidade 1Unidade 1
Comportamento Humano
Comportamento HumanoComportamento Humano
Comportamento Humano
Adrianadiasbrito
 
Logoterapia bentes pdf
Logoterapia bentes pdfLogoterapia bentes pdf
Logoterapia bentes pdf
ANTÔNIO CARLOS G. BENTES
 
2º anos (Filosofia) Consciência
2º anos (Filosofia) Consciência2º anos (Filosofia) Consciência
2º anos (Filosofia) Consciência
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Apostila noções de psicologia
Apostila noções de psicologiaApostila noções de psicologia
Apostila noções de psicologia
mgmedeiros
 
Spink figueiredo brasilino_psicologia_social_e_pessoalidade
Spink figueiredo brasilino_psicologia_social_e_pessoalidadeSpink figueiredo brasilino_psicologia_social_e_pessoalidade
Spink figueiredo brasilino_psicologia_social_e_pessoalidade
Jéssica Petersen
 
Teoria de vygotyski ed. física
Teoria de vygotyski   ed. físicaTeoria de vygotyski   ed. física
Teoria de vygotyski ed. física
Silvia Marina Anaruma
 
Apostila sociologia
Apostila sociologiaApostila sociologia
Apostila sociologia
Allan Almeida de Araújo
 
Apostila sociologia (1)
Apostila sociologia (1)Apostila sociologia (1)
Apostila sociologia (1)
Allan Almeida de Araújo
 
Escolas da Psicologia 1a. Aula
Escolas da Psicologia 1a. AulaEscolas da Psicologia 1a. Aula
Escolas da Psicologia 1a. Aula
rosariasperotto
 
Introdução antropologia cultural
Introdução antropologia culturalIntrodução antropologia cultural
Introdução antropologia cultural
MNTB / Instituto Antropos
 
37280slides aula desenvolvimento humano, psicologgia da educaçao
37280slides aula desenvolvimento humano, psicologgia da educaçao37280slides aula desenvolvimento humano, psicologgia da educaçao
37280slides aula desenvolvimento humano, psicologgia da educaçao
MariaDeMatos2
 

Semelhante a Psicologia da aprendizagem 1 (20)

1 psicologia
1 psicologia1 psicologia
1 psicologia
 
Biblioteca 123
Biblioteca 123Biblioteca 123
Biblioteca 123
 
Psicologia da Educação e da Aprendizagem.pdf
Psicologia da Educação e da Aprendizagem.pdfPsicologia da Educação e da Aprendizagem.pdf
Psicologia da Educação e da Aprendizagem.pdf
 
filosofia da educação r2
 filosofia da educação r2 filosofia da educação r2
filosofia da educação r2
 
Psicologia e educação interlocuções e possibilidades
Psicologia e educação  interlocuções e possibilidadesPsicologia e educação  interlocuções e possibilidades
Psicologia e educação interlocuções e possibilidades
 
O conhecimento slides
O conhecimento   slidesO conhecimento   slides
O conhecimento slides
 
Unidade 1
Unidade 1Unidade 1
Unidade 1
 
Unidade 1
Unidade 1Unidade 1
Unidade 1
 
Unidade 1
Unidade 1Unidade 1
Unidade 1
 
Comportamento Humano
Comportamento HumanoComportamento Humano
Comportamento Humano
 
Logoterapia bentes pdf
Logoterapia bentes pdfLogoterapia bentes pdf
Logoterapia bentes pdf
 
2º anos (Filosofia) Consciência
2º anos (Filosofia) Consciência2º anos (Filosofia) Consciência
2º anos (Filosofia) Consciência
 
Apostila noções de psicologia
Apostila noções de psicologiaApostila noções de psicologia
Apostila noções de psicologia
 
Spink figueiredo brasilino_psicologia_social_e_pessoalidade
Spink figueiredo brasilino_psicologia_social_e_pessoalidadeSpink figueiredo brasilino_psicologia_social_e_pessoalidade
Spink figueiredo brasilino_psicologia_social_e_pessoalidade
 
Teoria de vygotyski ed. física
Teoria de vygotyski   ed. físicaTeoria de vygotyski   ed. física
Teoria de vygotyski ed. física
 
Apostila sociologia
Apostila sociologiaApostila sociologia
Apostila sociologia
 
Apostila sociologia (1)
Apostila sociologia (1)Apostila sociologia (1)
Apostila sociologia (1)
 
Escolas da Psicologia 1a. Aula
Escolas da Psicologia 1a. AulaEscolas da Psicologia 1a. Aula
Escolas da Psicologia 1a. Aula
 
Introdução antropologia cultural
Introdução antropologia culturalIntrodução antropologia cultural
Introdução antropologia cultural
 
37280slides aula desenvolvimento humano, psicologgia da educaçao
37280slides aula desenvolvimento humano, psicologgia da educaçao37280slides aula desenvolvimento humano, psicologgia da educaçao
37280slides aula desenvolvimento humano, psicologgia da educaçao
 

Mais de Israel serique

UA 02.pdf
UA 02.pdfUA 02.pdf
UA 02.pdf
Israel serique
 
Políticas públicas - EJA
Políticas públicas - EJAPolíticas públicas - EJA
Políticas públicas - EJA
Israel serique
 
Tendências pedagógicas
Tendências pedagógicasTendências pedagógicas
Tendências pedagógicas
Israel serique
 
Psicogênese da Língua Escrita 2
Psicogênese da Língua Escrita 2Psicogênese da Língua Escrita 2
Psicogênese da Língua Escrita 2
Israel serique
 
Psicogênese da língua escrita 1
Psicogênese da língua escrita  1Psicogênese da língua escrita  1
Psicogênese da língua escrita 1
Israel serique
 
Alfabetização e letramento 04
Alfabetização e letramento 04Alfabetização e letramento 04
Alfabetização e letramento 04
Israel serique
 
Edu básica 04
Edu básica 04Edu básica 04
Edu básica 04
Israel serique
 
Edu básica 03
Edu básica 03Edu básica 03
Edu básica 03
Israel serique
 
Edu básica 01
Edu básica 01Edu básica 01
Edu básica 01
Israel serique
 
Edu básica 02:
Edu básica 02: Edu básica 02:
Edu básica 02:
Israel serique
 
Desenv e linguagem
Desenv e linguagemDesenv e linguagem
Desenv e linguagem
Israel serique
 
Alfabetização e letramento 02
Alfabetização e letramento 02Alfabetização e letramento 02
Alfabetização e letramento 02
Israel serique
 
Alfabetização e letramento 01
Alfabetização e letramento 01Alfabetização e letramento 01
Alfabetização e letramento 01
Israel serique
 
Novas tecnologias cap 3 slide
Novas tecnologias cap 3 slideNovas tecnologias cap 3 slide
Novas tecnologias cap 3 slide
Israel serique
 
Novas tecnologias cap 2 final slide
Novas tecnologias cap 2 final slideNovas tecnologias cap 2 final slide
Novas tecnologias cap 2 final slide
Israel serique
 
Assistivos slide cap 2
Assistivos slide cap 2Assistivos slide cap 2
Assistivos slide cap 2
Israel serique
 
Novas tecnologias slide cap 1
Novas tecnologias slide cap 1Novas tecnologias slide cap 1
Novas tecnologias slide cap 1
Israel serique
 
Aula 04: equipamentos e materiais didáticos
Aula 04: equipamentos e materiais didáticosAula 04: equipamentos e materiais didáticos
Aula 04: equipamentos e materiais didáticos
Israel serique
 
tecnologias assistivas e educação
tecnologias assistivas e educaçãotecnologias assistivas e educação
tecnologias assistivas e educação
Israel serique
 
Aula 03: equipamentos didáticos
Aula 03: equipamentos didáticosAula 03: equipamentos didáticos
Aula 03: equipamentos didáticos
Israel serique
 

Mais de Israel serique (20)

UA 02.pdf
UA 02.pdfUA 02.pdf
UA 02.pdf
 
Políticas públicas - EJA
Políticas públicas - EJAPolíticas públicas - EJA
Políticas públicas - EJA
 
Tendências pedagógicas
Tendências pedagógicasTendências pedagógicas
Tendências pedagógicas
 
Psicogênese da Língua Escrita 2
Psicogênese da Língua Escrita 2Psicogênese da Língua Escrita 2
Psicogênese da Língua Escrita 2
 
Psicogênese da língua escrita 1
Psicogênese da língua escrita  1Psicogênese da língua escrita  1
Psicogênese da língua escrita 1
 
Alfabetização e letramento 04
Alfabetização e letramento 04Alfabetização e letramento 04
Alfabetização e letramento 04
 
Edu básica 04
Edu básica 04Edu básica 04
Edu básica 04
 
Edu básica 03
Edu básica 03Edu básica 03
Edu básica 03
 
Edu básica 01
Edu básica 01Edu básica 01
Edu básica 01
 
Edu básica 02:
Edu básica 02: Edu básica 02:
Edu básica 02:
 
Desenv e linguagem
Desenv e linguagemDesenv e linguagem
Desenv e linguagem
 
Alfabetização e letramento 02
Alfabetização e letramento 02Alfabetização e letramento 02
Alfabetização e letramento 02
 
Alfabetização e letramento 01
Alfabetização e letramento 01Alfabetização e letramento 01
Alfabetização e letramento 01
 
Novas tecnologias cap 3 slide
Novas tecnologias cap 3 slideNovas tecnologias cap 3 slide
Novas tecnologias cap 3 slide
 
Novas tecnologias cap 2 final slide
Novas tecnologias cap 2 final slideNovas tecnologias cap 2 final slide
Novas tecnologias cap 2 final slide
 
Assistivos slide cap 2
Assistivos slide cap 2Assistivos slide cap 2
Assistivos slide cap 2
 
Novas tecnologias slide cap 1
Novas tecnologias slide cap 1Novas tecnologias slide cap 1
Novas tecnologias slide cap 1
 
Aula 04: equipamentos e materiais didáticos
Aula 04: equipamentos e materiais didáticosAula 04: equipamentos e materiais didáticos
Aula 04: equipamentos e materiais didáticos
 
tecnologias assistivas e educação
tecnologias assistivas e educaçãotecnologias assistivas e educação
tecnologias assistivas e educação
 
Aula 03: equipamentos didáticos
Aula 03: equipamentos didáticosAula 03: equipamentos didáticos
Aula 03: equipamentos didáticos
 

Último

Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
carlaslr1
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
JulianeMelo17
 
Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023
MatildeBrites
 
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docxPROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
Escola Municipal Jesus Cristo
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
CarinaSoto12
 
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da AlemanhaUnificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
Acrópole - História & Educação
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Mary Alvarenga
 
Química orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptxQuímica orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptx
KeilianeOliveira3
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdfBiologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
Ana Da Silva Ponce
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
DanielCastro80471
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdfEJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
Escola Municipal Jesus Cristo
 
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptxLIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
WelidaFreitas1
 
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Luana Neres
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
enpfilosofiaufu
 

Último (20)

Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
 
Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023
 
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docxPROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
 
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da AlemanhaUnificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
 
Química orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptxQuímica orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptx
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdfBiologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdfEJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
 
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptxLIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
 
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
 

Psicologia da aprendizagem 1

  • 1. PRONATEC – SED Curso de Multimeios Didáticos 1 MÓDULO 1: A PSICOLOGIA COMO CIÊNCIA Olá aluno (a)!!! Neste primeiro módulo, você estudará sobre a Psicologia como área do conhecimento que busca compreender a integração das estruturas físicas, psíquicas e emocionais do ser humano e sua relação direta com o comportamento. Os objetivos propostos para este estudo são: a. Apresentar o desenvolvimento do pensamento humano e sua relação com a formação da Psicologia como ciência. b. Refletir sobre o papel e a importância da Psicologia para a compreensão do ser humano. c. Conhecer os principais teóricos da Psicologia e suas respectivas teorias. d. Descrever como a Psicologia chegou ao Brasil e de que forma ela contribui para a educação. Com estes objetivos a serem alcançados, você primeiramente fará um breve estudo sobre a história da formação da Psicologia como área do conhecimento humano. Em segundo lugar, você estudará a Psicologia como ciência que possui um objeto específico de estudo, teorias e métodos particulares para a compreensão do ser humano. Em seguida, seus estudos o levarão a conhecer os principais pesquisadores da Psicologia e suas respectivas teorias. Por fim, você saberá como a Psicologia chegou ao Brasil e como seus teóricos, conceitos e métodos contribuem para a educação ainda hoje. Sendo assim, veja que este módulo está dividido em quatro subtópicos: 1.1 INTRODUÇÃO 1.2 A Psicologia como ciência 1.3 Os teóricos e teorias da Psicologia 1.4 A presença da Psicologia na educação brasileira
  • 2. PRONATEC – SED Curso de Multimeios Didáticos 2 Esperamos que estes conteúdos possam conceder a você uma visão mais ampla sobre a influência dos fatores psicológicos nos processos educativos. Fique atento às várias oportunidades de aprendizagem, aprofundamento dos conteúdos, reflexões sobre os tópicos desenvolvidos e oportunidades de avaliação do processo educativo. Os ícones abaixo sempre levarão vocês para novas experiências no maravilhoso mundo do saber. Bom estudo!!! Prof. Dr. Israel Serique dos Santos Hiperlinks de Texto
  • 3. PRONATEC – SED Curso de Multimeios Didáticos 3 1.1 INTRODUÇÃO Olá aluno (a)!! Penso que você algum dia já tenha dito algo como “Fulano puxou ao pai... o temperamento dele é calmo” ou, em outra circunstância, tenha ouvido a frase “Beltrana parece psicóloga, só vive analisando a gente!!!”. Estas duas circunstâncias exemplares revelam que existem em nossa cultura ideias com as quais ligamos à Psicologia. A partir do senso comum, compreendemos que as pessoas têm temperamento, possuem uma personalidade, são influenciadas em suas decisões por fatores emocionais, que as experiências passadas, muitas vezes, interferem no dia a dia das pessoas etc. Quando você aconselha alguém a deixar a “poeira baixar” para poder resolver um problema com outrem, você está usando os conceitos do senso comum em psicologia para mediar situações conflituosas. Quando alguém diz “tome cuidado, ele é instável emocionalmente, trate a questão com delicadeza”, aquele que aconselha está apontando certas características emocionais e comportamentais de um outro interlocutor. Quando alguém comenta que determinada pessoa é “birrenta como uma criança”, mais uma vez o senso comum é acionado para a identificação predominante da “birra” em determinada faixa etária, ou seja, a infância. Estes exemplos evidenciam o modo pelo qual nos relacionamos com esta área do conhecimento humano e o quanto a psicologia faz parte de nosso cotidiano. Senso comum é o conjunto de conhecimentos que o ser humano adquire como fruto de sua percepção, vivência e experiência no mundo. Nele não há rigor científico, apenas conclusão geral a respeito de fatos humanos ou questões ligadas à natureza. Senso comum https://www.youtube.com/watch?v=fnG-ubmIOIc Ciência, senso comum e revoluções científicas: ressonâncias e paradoxos http://www.scielo.br/pdf/ci/v33n3/a04v33n3
  • 4. PRONATEC – SED Curso de Multimeios Didáticos 4 Além destes exemplos pitorescos, a Psicologia se faz presente em várias circunstâncias, em vários ambientes, nos produtos comercializados e no modo como eles são apresentados nos comerciais, nos símbolos, nas estratégias de marketing, nas produções literárias, na definição de perfis profissionais, nas entrevistas seletivas para emprego, nos consultórios dos psicopedagogos etc. https://i2.wp.com/www.janiltonpsicologo.com.br/wp-content/uploads/2015/08/diva.gif http://fdipublicidad.com.ec/wp-content/uploads/2014/02/neuromarketing-koka.jpg Esta presença marcante da Psicologia em nossa sociedade é resultante de uma caminhada histórica realizada por vários pensadores, os quais compreenderam que o ser humano era muito mais do que um organismo vivo formado por um sistema unicamente biológico. Para esses pesquisadores e teóricos, o gênero humano possuía uma dimensão marcada pelos sentimentos, percepções, apreensões, e modos de ser no mundo, os quais deveriam ser pesquisados e problematizados para se melhor compreender o homem. O registro deste novo olhar sobre o ser humano começa com a civilização grega e chega até nós como resultado de intensas pesquisas e produção literária realizada durante séculos em busca de se entender a complexa realidade que é a alma humana em sua multiforme expressão e interação com o mundo individual e social. Senso comum https://www.youtube.com/watch?v=fnG-ubmIOIc Ciência, senso comum e revoluções científicas: ressonâncias e paradoxos http://www.scielo.br/pdf/ci/v33n3/a04v33n3
  • 5. PRONATEC – SED Curso de Multimeios Didáticos 5 1.2 A PSICOLOGIA COMO CIÊNCIA Quando estudamos a questão do desenvolvimento da Psicologia como ciência, percebemos que o mesmo só foi possível quando o ser humano começou a refletir sobre si mesmo e sobre o mundo a partir de referenciais não associados às narrativas mitológicas, do senso comum e da visão religiosa que simplificava a origem e o funcionamento do mundo a partir da ideia de que tudo era vontade dos deuses. Estes três elementos (o mito, o senso comum e a visão religiosa) foram durante muito tempo as lentes interpretativas do mundo. Através deles, sociedades foram fundadas, estruturas sociais legitimadas, fenômenos físicos explicados, a origem do homem ritualizada, técnicas e ferramentas elucidadas sobre suas origens. A respeito dos mitos como narrativas fundamentes da criação, Goulart (2012) cita o exemplo da mitologia Tupi-Guarani, a qual descreve a criação como obra de Iamandu (ou Nhanderu ou Tupã), o deus sol. Segundo a narrativa, este deus criou todas as coisas com o auxílio da deusa Araci (lua), na região de Aregua, Paraguai. Após a criação da natureza, este deus dedicou-se na criação do homem e da mulher, os quais teriam sido formados a partir de estátuas de argila, em uma cerimônia elaborada. Quanto ao senso comum, são várias as referências ao sangue como sinônimo de vida. Segundo o criado em muitas culturas, havia uma relação direta entre o sangue e a continuidade da existência pessoal e até mesmo da comunidade. O derramamento de sangue, nos sacrifícios, vinha acompanhado Os mitos são narrativas fundantes criadas pelas sociedades antigas com o objetivo de dar uma explicação autoritária sobre os fenômenos físicos (a chuva, o relâmpago, o fogo), estruturas sociais (classes sociais, liderança política), origem dos homens, localização geográfica do clã etc. Da mitologia à Filosofia https://www.youtube.com/watch?v=QH1ByP5Ka6o Muitos povos antigos tinham a prática ritualista de oferecer sacrifícios humanos aos deuses com o fim lhes aplacar a ira. O derramamento do sangue de um membro da sociedade era a garantia da continuidade da vida social.
  • 6. PRONATEC – SED Curso de Multimeios Didáticos 6 pelo gradativo esvaecimento das forças e, por fim, da vida. Em muitas culturas, esta percepção visual assegurava que, de fato, o sangue é vida. Princípio relativamente verdadeiro quando analisamos a função do sangue para o bom funcionamento do corpo humano. Uma síntese da Teologia Cristã sobre a questão da origem do mundo e do ser humano nós encontramos no famoso discurso de Paulo no Areópago de Atenas, diante de estoicos e epicureus, registrado no texto de Atos 17, que diz: 24 O Deus que fez o mundo e tudo o que nele existe, sendo ele Senhor do céu e da terra, não habita em santuários feitos por mãos humanas. 25 Nem é servido por mãos humanas, como se de alguma coisa precisasse; pois ele mesmo é quem a todos dá vida, respiração e tudo mais; 26 de um só fez toda a raça humana para habitar sobre toda a face da terra, havendo fixado os tempos previamente estabelecidos e os limites da sua habitação; 27 para buscarem a Deus se, porventura, tateando, o possam achar, bem que não está longe de cada um de nós; 28 pois nele vivemos, e nos movemos, e existimos, como alguns dos vossos poetas têm dito: Porque dele também somos geração. Analisando o transcurso histórico do desenvolvimento do pensamento humano sobre a natureza do homem e a influência dos aspectos emocionais em suas ações cotidianas, podemos dizer que o ponto de referência do início deste pensar foi a civilização grega. Foram os gregos os primeiros a tentar formular um corpo racional, formal e sistemático sobre o que é o ser humano. HIPERLINK DE TEXTO Epicureus http://www.saocamilo-sp.br/pdf/bioethikos/68/10a17.pdf O epicurismo ..... HIPERLINK DE TEXTO Estoicos http://brasilescola.uol.com.br/filosofia/os-estoicos.htm O epicurismo .....
  • 7. PRONATEC – SED Curso de Multimeios Didáticos 7 De origem grega, o termo psicologia é derivado de dois outros vocábulos, a saber: psyché, que pode significar “vida”, “alma”, “pessoa”; e logos, cujo alcance semântico está no sentido de “palavra”, “razão”, “discurso”. A partir destes dados, podemos dizer que, etimologicamente, a Psicologia é o estudo da alma; um discurso racional a respeito do ser humano e a complexa relação entre as realidades subjetivas e suas influências em nosso cotidiano. Entre aqueles que pensaram o ser humano a partir de categorias psicológicas podemos citar Sócrates, Platão e Aristóteles. Segundo Sócrates, o homem deveria ser percebido como um ser que possuía diferenças significativas em comparação com os animais irracionais. Para este filósofo, entre as distinções existentes estava a questão da razão. Esta razão, segundo Bock, Furtado e Teixeira, [...] permitia ao homem sobrepor-se aos instintos, que seriam a base da irracionalidade. Ao definir a razão como peculiaridade do homem ou como a essência humana, Sócrates abre um caminho que seria muito explorado pela Psicologia. As teorias da consciência são, em certa forma, frutos dessa primeira sistematização da Filosofia (2003, p. 33). Neste contexto, a razão está associada à reflexão, individualidade, pensamento e mundo interior. O homem, ser distinto da natureza, refletindo sobre a realidade ao seu redor, decide seu destino a partir desta relação Deusa psyché https://pt.wikipedia.org/wiki/Psiqu%C3%AA#/media/File:Wolf_von_Hoyer,_Psych e.jpg Sócrates (469-300 a.C.): Filósofo que considerava importante o debate de questões a partir da análise da hipótese. Caso ela não entrasse em contradição, ela deveria ser aceita como verdade. Sócrates http://filosofiaemvideo.com.br/wp-content/uploads/2016/04/Socrates-philosophy-essay.jpg
  • 8. PRONATEC – SED Curso de Multimeios Didáticos 8 consigo mesmo e com o mundo real, marcado por fortes tensões e condicionantes históricos. O segundo filósofo a dar contribuições significativas às primeiras reflexões em Psicologia foi Platão. Segundo este pensador, o ser humano era constituído de duas realidades distintas: o corpo (soma) e a alma (psyqué). O corpo seria material e mortal, a alma seria imaterial e imortal. Em seu pensamento, o corpo apontaria para o conceito de “como” as coisas são, e a alma explicaria, ou chegaria ao entendimento, do que as coisas realmente são na essência. Enquanto Sócrates apontou para a realidade da existência da razão no ser humano, Platão concedeu a esta faculdade um lugar, ou seja, a cabeça, onde residiria a alma (BOCK, FURTADO; TEIXEIRA, 2003, p. 33). Em seu sistema de pensamento, Platão considerava que a relação entre a alma e o corpo era mediada pela medula. A alma para Platão era o centro da racionalidade e reflexão, a fonte dos sentimentos e desejos. Já Aristóteles, discípulo de Platão, atribuiu à alma o atributo de princípio vital nos seres. Segundo seu pensamento, a alma e o corpo deveriam ser compreendidos como realidades distintas, porém, não dissociáveis. Nesta nova configuração e compreensão do mundo e do ser humano, [...] a psyché seria o princípio ativo da vida. Tudo aquilo que cresce, se reproduz e se alimenta possui a sua psyché ou alma. Desta forma, os vegetais, os animais e o homem teriam alma. Os vegetais teriam a alma vegetativa, que se define pela função de alimentação e reprodução. Os animais teriam essa alma e a alma sensitiva, que tem a função de percepção e movimento. E o Platão https://static.todamateria.com.br/upload/55/b7/55b7dedaafb4a-platonismo-filosofia-de-platao.jpg Platão (427-347 a.C.) dava importância ao raciocínio como meio de se alcançar a verdade. Pare este filósofo, o raciocínio seria uma atividade mental dirigida pela lógica e que poderia conduzir o ser humano à percepção das realidades universais. Aristóteles
  • 9. PRONATEC – SED Curso de Multimeios Didáticos 9 homem teria os dois níveis anteriores e a alma racional, que tem a função pensante (BOCK, FURTADO; TEIXEIRA, 2003, p. 33). Analisando estas primeiras reflexões sobre o homem, podemos dizer que estes filósofos deram significativa contribuição para a nossa atual compreensão sobre a natureza humana. De fato, o ser humano não é apenas um sistema fisiológico, composto por leis químicas, orgânicas, físicas etc.; ele não é um mero ser que dirige suas ações por puro instinto, como os animais irracionais; nem vive indiferente ao mundo ao seu redor em uma existência vegetativa. O homem é sentimento, reflexão, razão, decisão. Procedentes da alma, são estas realidades que explicam o que é o ser humano, são elas que apontam para as possíveis origens subjetivas de nossas ações, omissões, valores, repulsas, rejeições, animosidades, empatia, aceitação etc. São elas as fontes primárias das transformações individuais e históricas que vivenciamos diariamente na sociedade. A partir do século quarto, depois de Cristo, dois pensadores se destacam no debate sobre a natureza humana e seus aspectos psicológicos: Agostinho e Tomás de Aquino. Por pertencerem à igreja, estes homens teorizaram a respeito da alma a partir de postulados filosóficos e teológicos. Analisando o pensamento de Agostinho, podemos dizer que seus escritos apresentam conceitos que se assemelham ao pensamento de Platão, como por exemplo, a ideia da imortalidade da alma. Todavia, há em seus escritos fortes elementos de cunho religioso. Sua antropologia era essencialmente teológica e bíblica. Aristóteles (384-322 a.C.) procurou estabelecer uma interpretação sistemática sobre a natureza. Sua intensão abriu caminhos para o iluminismo e para a ciência moderna. Agostinho http://2.bp.blogspot.com/-Hf86kakIWtc/Vc6hYGP9wEI/AAAAAAAABQk/rQCsWdNJL7U/s1600/Santo%2BAgostinho.jpg Antropologia é a ciência que busca estudar o homem como ser no mundo que produz cultura, estruturas políticas, valores, costumes etc. e que está em constante mudança. A antropologia agostiniana era teológica, ou seja, dirigida por pressupostos da Teologia, os quais relacionavam o homem como criação divina.
  • 10. PRONATEC – SED Curso de Multimeios Didáticos 10 Embora se utilizar da filosofia grega para construir um discurso racional sobre a natureza humana, Agostinho preocupava-se por conformar suas teorias ao sistema de fé da igreja. Para ele, a alma possuía o atributo de imortalidade, um dom divino, uma característica que o próprio Deus Criador havia concedido aos homens naquela parte imaterial constituinte do ser humano. Sendo assim, a alma seria a sede da razão, dos pensamentos, da volição, dos sentimentos e elemento que ligaria o homem a Deus. Com Tomás de Aquino, as reflexões sobre a natureza humana se voltam para o pensamento de Aristóteles. Comprometido com a Teologia da Igreja Católica, mas possuindo forte admiração e influência do pensamento aristotélico, Aquino afirmou a diferença entre essência e existência. Segundo o pensamento de Aristóteles, estes dois vocábulos serviam para explicar o ser humano como sendo aquele que busca a perfeição através da existência (BOCK; FURTADO; TEIXEIRA, 2003, p. 35). Através da pena de Tomás de Aquino estas expressões serviram para dar significado teológico à existência humana. Para ele, Deus seria o elemento unificador daquelas realidades e o alvo por excelência de toda a existência humana. Durante muito tempo, o pensamento de Agostinho e Tomás de Aquino foram lentes interpretativas sobre o ser humano. Embora tivessem familiaridade com a filosofia grega estes homens eram primeiramente teólogos comprometidos com o sistema de fé da igreja. Geralmente, eles utilizavam a filosofia como elemento instrumental e argumentativo a respeito dos dogmas da igreja. Por isso, foi natural que durante muito tempo os estudos sobre os aspectos psicológicos do ser humano não tivesse grande avanço. Neste período, muitas doenças mentais, transtornos de personalidade e questões psicológicas eram tratados como sendo de origem espiritual (possessão, bruxaria, opressão). Tomás de Aquino http://cultura.culturamix.com/blog/wp-content/gallery/sao-tomas/Botticelli-Santo-Tomas1.jpg
  • 11. PRONATEC – SED Curso de Multimeios Didáticos 11 Relampejos de mudanças deste sistema de coisas começaram a acontecer especialmente a partir do final do século XIV, temos aí o início da Renascença. Neste período o mundo estava passando por transformações culturais, econômicas, políticas sociais e religiosas. A estrutura econômica e social estruturada no feudalismo começa a ser questionada, e o capitalismo começa a se desenvolver; a hegemonia papal começa a ser paulatinamente questionada e ocorrem mudanças conceituais e práticas na igreja. Como elemento fomentador desta nova conjuntura histórica, os estudos na literatura do pensamento greco-romano deu grande força ao ideário de se pensar no mundo e ver o ser humano para além das lentes teológicas da Igreja católica de então. Esta nova postura diante da busca pelo conhecimento revolucionou todas as esferas do fazer e existir do homem renascentista. Para este, a igreja não detinha a verdade absoluta, existiam outras formas de perceber, conceituar e conhecer o mundo em todos os seus aspectos e manifestações. A partir deste postulado, Nicolau Copérnico (1543) afirmou que o planeta terra não era o centro do universo; Galileu Galilei (1610) fez estudos sobre a queda dos corpos (BOCK; FURTADO; TEIXEIRA, 2003, p. 36); o interesse pelo estudo da literatura clássica e a restauração de muitas obras antigas fez com que os pesquisadores renascentistas criassem métodos de análise crítica nos livros antigos etc. Nesta conjuntura histórica, um fator que deu força às mudanças emergentes foi a criação da imprensa, em 1455, pelo alemão Johannes Gutemberg. A partir desta nova tecnologia, as obras clássicas puderam ser reproduzidas em muitas unidades. E na medida em chegavam nas mãos dos Feudalismo foi um sistema de organização social e política presente na Idade Média, no qual os donos de terras ofereciam proteção e trabalho aos colonos em troca da produção destes em suas terras. Os donos dos feudos ficavam com parte do que era produzido. http://3.bp.blogspot.com/- Bw1EmZU6dpk/UdVXNDTTk8I/AAAAAAAAVTg/iAzSOllkLng/s800/feudo.jpg
  • 12. PRONATEC – SED Curso de Multimeios Didáticos 12 leitores ávidos pelos antigos escritos da literatura clássica, isto exercia influência no modo de cada um ver o mundo a partir de tais leituras. Além disto, a revolução da imprensa também se fez presente na medida em que os pensadores renascentistas começaram a escrever suas próprias obras e expor seus próprios conceitos a respeito dos mais variados assuntos relevantes à época. Isto fez com que a Teologia da Igreja Católica fosse paulatinamente questionada e rejeitada por muitos. Um exemplo que explicita esta situação foi a Reforma Protestante do século XVI. Seus líderes (Lutero e Calvino) eram homens cultos, conhecedores da literatura clássica, humanistas e possuíam pensamentos diferentes da Igreja Católica a respeito das indulgências e da Bíblia. Estes reformadores traduziram a Bíblia do latim para a língua do povo, produziram obras teológicas e comentários bíblicos e os fizeram chegar ao povo comum através da imprensa. De fato, a nova configuração religiosa, política e econômica do século XVI em diante foi fomentada pelo Renascimento e consolidada pela criação da imprensa. Neste mesmo período, René descartes (1596-1659) apresenta o seu pensamento sobre os elementos constituintes do ser humano. Segundo sua teoria, haveria uma separação entre a mente (alma, espírito) e o corpo. Aquela seria a parte pensante do ser humano e este apenas uma substância material. Esta distinção aparentemente simples abriu portas para o desenvolvimento da Medicina e da Psicologia. Segundo Bock, Furtado e Teixeira, Esse dualismo mente-corpo torna possível o estudo do corpo humano morto, o que era impensável nos séculos anteriores (o corpo era considerado sagrado pela igreja, por ser a desse da Indulgências e da Bíblia: os protestantes rejeitavam a ideia de que era possível comprar o perdão de pecados através do pagamento de indulgências; e tinham apenas a Bíblia como perfeita revelação de Deus aos homens. http://www.ultracurioso.com.br/wp-content/uploads/2015/06/thumb-120651-autopsia-resized.jpg
  • 13. PRONATEC – SED Curso de Multimeios Didáticos 13 alma), e dessa forma possibilita o avanço da Anatomia e da Fisiologia, que iria contribuir em muito para o progresso da própria Psicologia (2003, p. 36). Sendo assim, através desta breve descrição histórica do desenvolvimento do pensamento humano podemos concluir que a Psicologia é uma ciência que encontrou espaço no mundo acadêmico na medida em que o ser humano foi gradativamente refletindo sobre as motivações internas de suas ações, hábitos, sentimentos e emoções. O reconhecimento da importância da mente para o comportamento humano gradativamente oportunizou pesquisas e teorizações sobre as origens de nossas ações a dos processos de como aprendemos. Associada com outras áreas do saber, a Psicologia tem aprofundado seu conhecimento sobre a natureza humana, sobre os processos cognitivos de aprendizagem e sobre aqueles elementos que podem facilitar ou trazer obstáculos ao processo ensino-aprendizagem. No subtópico à frente, estudaremos sobre os primeiros estudiosos que deram à Psicologia o status de ciência, realizaram as primeiras experiências e desenvolveram as primeiras teorias psicológicas sobre o ser humano.
  • 14. PRONATEC – SED Curso de Multimeios Didáticos 14 Senso comum é o conjunto de conhecimentos que o ser humano adquire como fruto de sua percepção, vivência e experiência no mundo. Nele não há rigor científico, apenas conclusão geral a respeito de fatos humanos ou questões ligadas à natureza. A Psicologia se faz presente em várias circunstâncias, em vários ambientes, nos produtos comercializados e no modo como eles são apresentados nos comerciais, nos símbolos, nas estratégias de marketing, nas produções literárias, na definição de perfis profissionais, nas entrevistas seletivas para emprego, nos consultórios dos psicopedagogos etc. A presença marcante da Psicologia em nossa sociedade é resultante de uma caminhada histórica realizada por vários pensadores, os quais compreenderam que o ser humano era muito mais do que um organismo vivo formado por um sistema unicamente biológico. Para esses pesquisadores e teóricos, o gênero humano possuía uma dimensão marcada pelos sentimentos, percepções, apreensões, e modos de ser no mundo, os quais deveriam ser pesquisados e problematizados para se melhor compreender o homem. O desenvolvimento da Psicologia como ciência só foi possível quando o ser humano começou a refletir sobre si mesmo e sobre o mundo a partir de referenciais não associados às narrativas mitológicas, do senso comum e da visão religiosa que simplificava a origem e o funcionamento do mundo a partir da ideia de que tudo era vontade dos deuses. Os mitos são narrativas fundantes criadas pelas sociedades antigas com o objetivo de dar uma explicação autoritativa sobre os fenômenos físicos (a chuva, o relâmpago, o fogo), estruturas sociais (classes sociais, liderança política), origem dos homens, localização geográfica do clã etc. Foram os gregos os primeiros a tentarem dar um corpo racional, formal e sistemático sobre o que é o ser humano. De origem grega, o termo psicologia é derivado de dois outros vocábulos, a saber: psyché, que pode significar “vida”, “alma”, “pessoa”; e logos, cujo alcance semântico está no sentido de “palavra”, “razão”, “discurso”. A partir destes dados, podemos dizer que, etimologicamente, a Psicologia é o estudo da alma; um discurso racional a respeito do ser humano e a complexa relação entre as realidades subjetivas e suas influências em nosso cotidiano. Segundo Sócrates, o homem deveria ser percebido como um ser que possuía diferenças significativas em comparação com os animais irracionais. Para este filósofo, entre as distinções existentes estava a questão da razão. Segundo Platão, o ser humano era constituído de duas realidades distintas: o corpo (soma) e a alma (psyqué). O corpo seria material e mortal, a alma seria imaterial e imortal. Em seu pensamento, o corpo apontaria para o conceito de “como” as coisas são, e a alma explicaria, ou chegaria ao entendimento, do que as coisas realmente são na essência. A alma para Platão era o centro da racionalidade e reflexão, a fonte dos sentimentos e desejos. Para Aristóteles, a psyché seria o princípio ativo da vida. Tudo aquilo que cresce, se reproduz e se alimenta possui a sua psyché ou alma. Dessa forma, os vegetais, os animais e o homem teriam alma. Os vegetais teriam a alma vegetativa, que se define pela função de alimentação e reprodução. Os animais teriam essa alma e a alma sensitiva, que tem a função de percepção e movimento. E o homem teria os dois níveis anteriores e a alma racional, que tem a função pensante. Agostinho preocupava-se por conformar suas teorias ao sistema de fé da igreja. Para ele, a alma possuía o atributo de imortalidade, um dom divino, uma característica que o próprio Deus Criador havia concedido aos homens naquela parte imaterial constituinte do ser humano. Sendo assim, a alma seria a sede da razão, dos pensamentos, da volição, dos sentimentos e elemento que ligaria o homem a Deus. A revolução da imprensa também se fez presente na medida em que os pensadores renascentistas começaram a escrever suas próprias obras e expor seus próprios conceitos a respeito dos mais variados assuntos relevantes à época. Isto fez com que a Teologia da Igreja Católica fosse paulatinamente questionada e rejeitada por muitos. René descartes (1596-1659) apresentou o seu pensamento sobre os elementos constituintes do ser humano. Segundo sua teoria, haveria uma separação entre a mente (alma, espírito) e o corpo. Aquela seria a parte pensante do ser humano e este apenas uma substância material. Esta distinção aparentemente simples abriu portas para o desenvolvimento da Medicina e da Psicologia. Psicologia é uma ciência que encontrou espaço no mundo acadêmico na medida em que o ser humano foi gradativamente refletindo sobre as motivações internas de suas ações, hábitos, sentimentos e emoções. O reconhecimento da importância da mente para o comportamento humano gradativamente oportunizou pesquisas e teorizações sobre as origens de nossas ações a dos processos de como aprendemos. Associada com outras áreas do saber, a Psicologia tem aprofundado seu conhecimento sobre a natureza humana, sobre os processos cognitivos de aprendizagem e sobre aqueles elementos que podem facilitar ou trazer obstáculos ao processo ensino-aprendizagem
  • 15. PRONATEC – SED Curso de Multimeios Didáticos 15 1.3 OS TEÓRICOS E TEORIAS DA PSICOLOGIA 1.3.1 Wilhem Wundt e a Psicologia Experimental Wilhem Wundt (1832-1920) foi um médico, filósofo e psicólogo alemão, considerado um dos fundadores da Psicologia experimental moderna. Entre as contribuições que o fazem merecedor desse reconhecimento histórico, está a criação do primeiro laboratório de Psicologia no Instituto Experimental de Psicologia da Universidade de Leipzig, na Alemanha, em 1879. Para ele e seus seguidores (nomeadamente Edward Tichener, 1867- 1927), as operações mentais eram a organização de sensações elementares relacionadas à estrutura do sistema nervoso (PILETTI; ROSSATO, 2012). No seu laboratório, em Leipzig, procurou conhecer a forma como se relacionam e associam os elementos da consciência. Nestes estudos, temos a concepção associacionista dos comportamentos. Ele trabalhou com o chamado método introspectivo [observação interna], mas de modo controlado. Isto implicava que observadores treinados deveriam, no laboratório, descrever as suas próprias experiências, resultantes de uma situação experimental definida, em que uma equipe de psicólogos analisaria os dados com objetividade.
  • 16. PRONATEC – SED Curso de Multimeios Didáticos 16 1.3.2 Ivan Petrovitch Pavlov e a Teoria do Condicionamento Clássico A teoria do condicionamento clássico ou reflexológico, de autoria de Pavlov, é de natureza fisiológica e de conexão, pois trata de estímulo e reação; sendo que o organismo é dotado de um aparato de respostas, a partir dos estímulos naturais e incondicionados (EI) para que produza uma resposta (R) (CAMPOS, 1989). Condicionamento Clássico https://www.youtube.com/watch?v=ThrSiJNVggw HIPERLINK DE TEXTO Reflexo Condicionado http://www.cerebromente.org.br/n09/mente/pavlov.htm
  • 17. PRONATEC – SED Curso de Multimeios Didáticos 17 1.3.3 John Watson e o Behaviorismo John Watson, Psicólogo americano, fundador da corrente behaviorista dentro da Psicologia, nasceu em 1878. Watson estudou as descobertas feitas por Ivan Pavlov na mesma época do seu doutoramento e desenvolveu pesquisas semelhantes em biologia, fisiologia e comportamento de animais. A partir de seus estudos sobre o comportamento da criança, Watson concluiu que o comportamento humano era, sob muitos aspectos, semelhante ao comportamento animal. Com base nesta constatação e inspirado nas descobertas de Pavlov, Watson criou dentro da Psicologia uma nova corrente, o Behaviorismo (1912). Watson considera que o objetivo da Psicologia é o estudo do comportamento de um organismo em interação com o ambiente; sendo, portanto, possível condicionar o comportamento do indivíduo a comportamentos desejáveis, desde que o mesmo seja exposto a estímulos adequados (CAMPOS, 1989).
  • 18. PRONATEC – SED Curso de Multimeios Didáticos 18 1.3.4 Max Wertheimer, Kurt Koffka, Wolfgang Kohler e o Gestaltismo Max Wertheimer (fundador da escola), Kurt Koffka e Wolfgang Kohler defendiam que o todo é diferente da soma das partes. Não são as apresentações delas por si mesmas, mas sim as suas relações que decidem o sentido de um pensamento (PILETTI; ROSSATO, 2012). A Psicologia da Gestalt pode ser também vista como a Psicologia da forma. Os gestaltistas estão preocupados em compreender quais os processos psicológicos envolvidos numa ilusão de ótica quando o estímulo físico é percebido pelo sujeito como uma forma diferente da que ele tem na realidade. Kohler estudou o modo como os chimpanzés lidavam com situações problemáticas, tendo chegado à conclusão que possuíam a capacidade de organizar os diversos elementos de uma situação num todo coerente, permitindo assim encontrar a solução para o problema. As suas experiências com estes animais (que empilhavam caixotes para alcançar o alimento) comprovaram que estes têm condições para resolver problemas relativamente complexos.
  • 19. PRONATEC – SED Curso de Multimeios Didáticos 19 1.3.4 Jean Piaget e o Construtivismo Jean Piaget (1896-1980), fundador do construtivismo, define-o como a teoria do desenvolvimento do conhecimento em resultado de uma interação com o meio (PIAGET, 1979). Piaget procurou determinar os processos de construção do conhecimento desde as suas formas mais elementares até aos níveis superiores. Para Piaget, o desenvolvimento do indivíduo é determinado pela interação entre fatores internos (orgânicos, hereditários) e fatores externos (meio). Nos primeiros meses de vida, o seu comportamento é determinado por reflexos inatos, mas depois as respostas são cada vez mais complexas, fruto de um processo de adaptação. Este processo embora tenha algumas etapas comuns a todos os indivíduos, não produz em todos os mesmos resultados. As mesmas coisas não têm a mesma significação para todos. O comportamento é uma resposta que varia em função da interação entre a personalidade do sujeito e a situação. A personalidade é formada através da interação com o meio. Neste processo, são decisivas as disposições biológicas do sujeito, as diversas aprendizagens e as atividades sobre o meio. O comportamento é visto como a resposta de uma dada personalidade numa situação concreta. O construtivismo (ou psicologia genética) procura explicar o desenvolvimento cognitivo (inteligência) como um processo contínuo de adaptação do organismo ao meio, marcado por várias fases (estágios): Cada uma delas representa
  • 20. PRONATEC – SED Curso de Multimeios Didáticos 20 um estágio de equilíbrio, cada vez mais estável, entre o organismo e o meio, onde ocorrem de determinados mecanismos de interação, como a assimilação e a acomodação. Todo o conhecimento começa por uma assimilação pelas estruturas e esquemas do sujeito dos dados que recebe do exterior. Estas estruturas e esquemas são os meios que permitem o conhecimento. Esta assimilação implica por sua vez a sua modificação. A acomodação consiste na modificação destas estruturas ou esquemas aos novos dados. A inteligência surge, assim, como o conjunto das estruturas e esquemas que um organismo dispõe em cada fase do seu desenvolvimento. A adaptação do organismo constitui a expressão do equilíbrio atingido entre a assimilação e a adaptação. 1.3.5 Sigmund Freud e a Psicanálise Fundador de uma nova corrente em Psicologia, a Psicanálise. Sigmund Freud apresenta-nos a psicanálise tendo como principais instrumentos de trabalho a hipnose, a interpretação de sonhos e a livre associação de palavras. Freud considera que o objetivo da Psicologia é o estudo da motivação humana, que em grande parte é inconsciente e deve ser estudada através dos sonhos, símbolos ou associações livres (PILETTI; ROSSATO, 2012). A personalidade, para Freud, é determinada principalmente por processos e forças inconscientes moldadas nos primeiros anos de vida (6-8 anos).
  • 21. PRONATEC – SED Curso de Multimeios Didáticos 21 Para termos acesso ao inconsciente, ficamos limitados a processos indiretos como a hipnose. Mas apesar de Freud utilizar a hipnose para ajudar as pessoas a reviverem experiências traumáticas do passado, desenvolveu o método de associação livre, onde os pacientes eram encorajados a dizer tudo o que lhes viesse à mente, sendo também estimulados a relatar os seus sonhos. Pulsões ou instintos básicos: Eros: instinto de vida / erótico, relativo ao bem-estar. Thanatos: instinto de morte / agressividade. Teoria da personalidade: Modelo topográfico é dividido em consciente, pré-consciente e inconsciente. O modelo estrutural é dividido em Id, Ego e Superego. Freud encontra na mente uma divisão entre três dimensões: 1. Consciente (EGO) – raciocínio, operações lógicas. 2. Pré-consciente (SUPEREGO) – memórias, interiorização de proibições sociais, produzem angústias, ansiedades e castiga o EGO quando aceita impulsos do ID. 3. Inconsciente (ID) - pulsões, desejos e medos recalcados. Não obedece à lógica nem à moral.
  • 22. PRONATEC – SED Curso de Multimeios Didáticos 22 Wilhem Wundt (1832-1920) foi um médico, filósofo e psicólogo alemão, considerado um dos fundadores da Psicologia experimental moderna. Ele criou o primeiro laboratório de Psicologia no Instituto Experimental de Psicologia da Universidade de Leipzig, na Alemanha, em 1879. Para Wundt, as operações mentais eram a organização de sensações elementares relacionadas à estrutura do sistema nervoso (PILETTI; ROSSATO, 2012). Ele trabalhou com o chamado método introspectivo [observação interna], mas de modo controlado. Isto implicava que observadores treinados deveriam, no laboratório, descrever as suas próprias experiências, resultantes de uma situação experimental definida, em que uma equipe de psicólogos analisaria os dados com objetividade. A teoria do condicionamento clássico ou reflexológico, de autoria de Pavlov, é de natureza fisiológica e de conexão, pois trata de estímulo e reação; sendo que o organismo é dotado de um aparato de respostas, a partir dos estímulos naturais e incondicionados (EI) para que produza uma resposta (R) (CAMPOS, 1989). A partir de seus estudos sobre o comportamento da criança, Watson concluiu que o comportamento humano era, sob muitos aspectos, semelhante ao comportamento animal. Com base nesta constatação e inspirado nas descobertas de Pavlov, Watson criou dentro da Psicologia uma nova corrente, o Behaviorismo (1912). Ele considera que o objetivo da Psicologia é o estudo do comportamento de um organismo em interação com o ambiente; sendo, portanto, possível condicionar o comportamento do indivíduo a comportamentos desejáveis, desde que o mesmo seja exposto a estímulos adequados (CAMPOS, 1989). Max Wertheimer, Kurt Koffka e Wolfgang Kohler defendiam que o todo é diferente da soma das partes. Não são as apresentações delas por si mesmas, mas sim as suas relações que decidem o sentido de um pensamento (PILETTI; ROSSATO, 2012). Os gestaltistas estão preocupados em compreender quais os processos psicológicos envolvidos numa ilusão de ótica quando o estímulo físico é percebido pelo sujeito como uma forma diferente da que ele tem na realidade. Jean Piaget (1896-1980), fundador do construtivismo, define-o como a teoria do desenvolvimento do conhecimento em resultado de uma interação com o meio (PIAGET, 1979). Para Piaget, o desenvolvimento do indivíduo é determinado pela interação entre fatores internos (orgânicos, hereditários) e fatores externos (meio). Nos primeiros meses de vida, o seu comportamento é determinado por reflexos inatos, mas depois as respostas são cada vez mais complexas, fruto de um processo de adaptação. Para Piaget, as mesmas coisas não têm a mesma significação para todos. O comportamento é uma resposta que varia em função da interação entre a personalidade do sujeito e a situação. O construtivismo (ou psicologia genética) procura explicar o desenvolvimento cognitivo (inteligência) como um processo contínuo de adaptação do organismo ao meio, marcado por várias fases (estágios): Cada uma delas representa um estágio de equilíbrio, cada vez mais estável, entre o organismo e o meio, onde ocorrem de determinados mecanismos de interação, como a assimilação e a acomodação. A inteligência surge como o conjunto das estruturas e esquemas que um organismo dispõe em cada fase do seu desenvolvimento. A adaptação do organismo constitui a expressão do equilíbrio atingido entre a assimilação e a adaptação. Fundador de uma nova corrente em Psicologia, a Psicanálise. Sigmund Freud apresenta-nos a psicanálise tendo como principais instrumentos de trabalho a hipnose, a interpretação de sonhos e a livre associação de palavras. Apesar de Freud utilizar a hipnose para ajudar as pessoas a reviverem experiências traumáticas do passado, desenvolveu o método de associação livre, onde os pacientes eram encorajados a dizer tudo o que lhes viesse à mente, sendo também estimulados a relatar os seus sonhos.
  • 23. PRONATEC – SED Curso de Multimeios Didáticos 23 1.4 A PRESENÇA DA PSICOLOGIA NA EDUCAÇÃO BRASILEIRA A história da Psicologia Escolar e Educacional no Brasil pode ser identificada desde os tempos coloniais, quando preocupações com a educação e a pedagogia traziam em seu bojo elaborações sobre o fenômeno psicológico. Comprometidas com os interesses dos mais afortunados, estas elaborações evidenciavam a realidade de dominação da colônia (MASSIMI, 1986; 1990). Com a defesa da educação feminina, a qual exigiu certa reflexão em questões psicológicas, temas importantes aos estudos da psicologia foram desenvolvidos e se tornaram parte dos estudos em Psicologia no século XX. O debate sobre a educação tomou vulto com a defesa da difusão da escolaridade para a massa da população e uma maior sistematização das ideias pedagógicas, com crescente influência dos princípios da Escola Nova. Assim, as escolas normais passaram a ser o principal centro de propagação das novas ideias, com vistas à formação dos novos professores, encarregando-se do ensino, da produção de obras e do início da preocupação com a produção de conhecimentos por meio dos então inaugurados laboratórios de psicologia. Estes fatores deram as bases para as reformas estaduais de ensino promovidas nos anos 1920 e foram por estas potencializadas. Foi nesse quadro que ocorreu, paulatinamente, a conquista de autonomia da psicologia como área especifica de conhecimento no Brasil, deixando de ser produzida no interior de outras áreas do saber, sendo reconhecida como HIPERLINK DE TEXTO Estudos históricos acerca da psicologia brasileira http://books.scielo.org/id/c2248/pdf/freitas-9788599662830-06.pdf
  • 24. PRONATEC – SED Curso de Multimeios Didáticos 24 ciência autônoma e dando as condições para que, por essa via, penetrassem os conhecimentos da psicologia que vinham sendo produzidos na Europa e nos Estados Unidos. O período seguinte, a partir da década de 1930, caracteriza-se pela consolidação da psicologia no Brasil e tem como base a estreita relação estabelecida entre essa área e a educação. Os campos de atuação da psicologia que se desenvolveram a partir dessa época, tornando-se campos tradicionais da profissão, como a atuação clínica e a intervenção sobre a organização do trabalho, tiveram suas raízes na educação, respectivamente pela criação dos Serviços de Orientação Infantil, com a finalidade de atender crianças com dificuldades escolares, e pela Orientação Profissional, dentre outras ações educacionais, no campo do trabalho. Ao mesmo tempo, o ensino formal de psicologia em cursos superiores tinha estreita articulação com a educação, pois as disciplinas de psicologia estavam vinculadas primordialmente aos cursos de filosofia e de pedagogia, nestes últimos sob a denominação de psicologia educacional. Muitos foram os trabalhos realizados pela psicologia no âmbito da educação, dentre os quais: Serviço de Psicologia Aplicada do Instituto Pedagógico da Diretoria de Ensino de São Paulo; Sociedade Pestalozzi de Minas Gerais e, posteriormente, Sociedade Pestalozzi do Brasil; “Escola para Anormais” em Recife; atividades realizadas no INEP, particularmente com a utilização de testes psicológicos; a criação das Clínicas de Orientação Infantil; a fundação do Instituto de Psicologia da PUCSP, oferecendo serviços de medidas escolares, pedagogia terapêutica e orientação psicopedagógica; além
  • 25. PRONATEC – SED Curso de Multimeios Didáticos 25 das muitas instituições estritamente educacionais que desenvolviam trabalhos relacionados à Psicologia. Pode-se dizer que a educação continuou sendo a base para o desenvolvimento da psicologia, assim como esta permaneceu como principal fundamento para a educação, particularmente no âmbito pedagógico, como sustentação teórica da Didática e da Metodologia de Ensino, bases para a formação de professores. Nesse contexto, começam a se diferenciar, ainda que de forma não sistemática e formal, a psicologia educacional, como conjunto de saberes que pretende explicar e subsidiar a prática pedagógica, sendo, portanto, de domínio necessário para todos os educadores; e a psicologia escolar, como campo de atuação de profissionais da Psicologia que atuariam no âmbito da escola, desempenhando uma função específica, alicerçada na Psicologia e que se caracterizou inicialmente por adotar o modelo clínico de intervenção. Embora contradições possam ser apontadas, revelando produções teóricas e práticas afinadas com a construção de uma escola comprometida com a aprendizagem e o desenvolvimento de seus alunos, particularmente aqueles oriundos das camadas populares, o papel que a psicologia desempenhou na educação tornou-se objeto de crítica. Apesar de todas as críticas feitas ao trabalho da Psicologia no campo educacional e sua relativa novidade enquanto ciência, não se pode negar sua utilidade, eficiência e eficácia na construção de uma educação mais humanizada, levando a um olhar educacional holístico e integral do indivíduo em desenvolvimento. Podemos ver a importância que esta ciência tem para a educação quando lembramos que em todos os cursos de licenciatura a Psicologia é componente curricular a ser estudado. Além disto, não são poucos os cursos de pós-graduação lato sensu que oferecem formação em psicopedagogia e nos cursos stricto sensu (mestrado e doutorado) que possuem linhas de pesquisa na mesma área.
  • 26. PRONATEC – SED Curso de Multimeios Didáticos 26 A história da Psicologia Escolar e Educacional no Brasil pode ser identificada desde os tempos coloniais, quando preocupações com a educação e a pedagogia traziam em seu bojo elaborações sobre o fenômeno psicológico. Com a defesa da educação feminina, a qual exigiu certa reflexão em questões psicológicas, temas importantes aos estudos da psicologia foram desenvolvidos e se tornaram parte dos estudos em Psicologia no século XX. As escolas normais foram centros de divulgação dos conceitos e teorias da psicologia. Na década de 1920 paulatinamente a psicologia foi alcançando autonomia como área especifica de conhecimento no Brasil, deixando de ser produzida no interior de outras áreas do saber, sendo reconhecida como ciência autônoma e dando as condições para que, por essa via, penetrassem os conhecimentos da psicologia que vinham sendo produzidos na Europa e nos Estados Unidos. A década de 1930 caracteriza-se pela consolidação da psicologia no Brasil e tem como base a estreita relação estabelecida entre essa área e a educação. Os campos de atuação da psicologia: a atuação clínica e a intervenção sobre a organização do trabalho; criação dos Serviços de Orientação Infantil, com a finalidade de atender crianças com dificuldades escolares; e a Orientação Profissional no campo do trabalho. No Brasil, a educação foi uma das bases para o desenvolvimento da psicologia, assim como esta permaneceu como principal fundamento para a educação, particularmente no âmbito pedagógico, como sustentação teórica da Didática e da Metodologia de Ensino, bases para a formação de professores. Psicologia educacional: conjunto de saberes que pretende explicar e subsidiar a prática pedagógica, sendo, portanto, de domínio necessário para todos os educadores. Psicologia escolar: campo de atuação de profissionais da psicologia que atuariam no âmbito da escola, desempenhando uma função específica, alicerçada na psicologia e que se caracterizou inicialmente por adotar o modelo clínico de intervenção. Podemos ver a importância que esta ciência tem para a educação quando lembramos que em todos os cursos de licenciatura a Psicologia é componente curricular a ser estudado. Além disto, não são poucos os cursos de pós-graduação lato sensu que oferecem formação em psicopedagogia e nos cursos stricto sensu (mestrado e doutorado) que possuem linhas de pesquisa na mesma área.