SlideShare uma empresa Scribd logo
Acionamento das alavancas As CESTAS AÉREAS possuem Comandos Hidráulicos cuja função é direcionar o óleo hidráulico para movimentar os Cilindros dos diversos sistemas do equipamento. O acionamento dos Cilindros é feito por meio de alavancas posicionadas nos Comandos Hidráulicos, que podem atuar individualmente, nos dois sentidos, em cada função, bem como em duas ou mais funções ao mesmo tempo. O controle da velocidade de movimentação dos cilindros é dado pela movimentação das alavancas. Quanto mais afastada da posição neutra, mais rápido será o movimento . Por motivo de segurança, as alavancas do comando retomam a sua posição neutra,quando liberadas. As alavancas devem ser acionadas com movimentos lentos, evitando sempre os movimentos bruscos. PRÁTICAS OPERACIONAIS COM  CESTAS AÉREAS   www.veronezi.com.br   IMPORTANTE As CESTAS AÉREAS são equipamentos de fácil operação. Depois de algumas horas de treinamento o Operador estará habilitado entretanto, um tempo maior é necessário para educar o Operador de maneira a usá-los com a máxima eficiência e segurança nas necessidades específicas de cada trabalho.
www.veronezi.com.br   PRÁTICAS OPERACIONAIS COM  CESTAS AÉREAS   PÓS-OPERAÇÃO Ao finalizar a operação alguns procedimentos devem ser tomados. Abaixar os braços o suficiente para livrá-los da área de trabalho e de qualquer obstáculo. Girar os braços trazendo-os à posição de descanso. Abaixar os braços o suficiente para trazer a caçamba a uma posição conveniente para sair da carroceria do veículo. Desamarrar o cinto de segurança e sair da caçamba. Colocar as capas de proteção da lança e das caçambas. Colocar o EQUIPAMENTO na posição de transporte, utilizando as alavancas de comando para movimentar o Giro, o Braço, a Lanças, até que todo o conjunto de lanças esteja apoiado no Berço; Acionar as alavancas dos Pés e recolhê-los totalmente. Verificar sempre se estão totalmente recolhidos; Recolher os Estabilizadores, travando-as com os respectivos pinos; Acionar a embreagem e desengatar a Tomada de Força  (NUNCA ESQUECER ESTE PROCEDIMENTO) Recolher todo o material e ferramental utilizado na execução dos serviços e guardá-los convenientemente; Retirar os CALÇOS e CEPOS utilizados, recolher toda a sinalização de segurança e guardá-los convenientemente; Verificar para que não fique nenhum objeto deixado no local onde foi executado  o serviço.
www.veronezi.com.br   PRÁTICAS OPERACIONAIS COM  CESTAS AÉREAS   PROCEDIMENTOS  OPERACIONAIS Para se operar uma CESTA AÉREA adequadamente é preciso que o operador, e todo o pessoal da equipe de trabalho, esteja devidamente treinado e habilitado para isso, procurando observar rigorosamente as determinações do fabricante, da empresa, e as contidas na legislação de segurança vigente. Dependendo do modelo e do fabricante, o acionamento dos comandos hidráulicos de uma Cesta Aérea pode ser bastante variado, porém são de fácil operação .
www.veronezi.com.br   PRÁTICAS OPERACIONAIS COM  CESTAS AÉREAS   ATENÇÃO Durante as operações os comandos devem ser acionados suavemente, no inicio e final do movimento, evitando-se partidas ou paradas bruscas que expõem o equipamento a choques e tensões desnecessários. Nunca pressionar os comandos após atingir o fim do percurso, pois esta operação pode provocar fadiga do sistema hidráulico. Acionar apenas um comando de cada vez e somente após a parada total do equipamento. Não ultrapassar a capacidade de carga da caçamba: (Homem + material + ferramentas) Sempre que estiver em operação, o operador do solo ou supervisor de serviço deverá vigiar todos os movimentos do operador da caçamba e avisá-lo de possíveis situações perigosas. A intervenção deverá ocorrer só quando absolutamente necessária. Numa operação com CESTA AÉREA, podemos identificar três eventos básicos: Pré-Operação; Operação; Pós-Operação.
www.veronezi.com.br   PRÁTICAS OPERACIONAIS COM  CESTAS AÉREAS   PRÉ-OPERAÇÃO Antes de iniciar a operação propriamente dita da Cesta Aérea, é importante conhecer todos os seus componentes e partes, e alguns procedimentos devem ser observados. - Colocar o veículo na posição mais adequada para maior aproveitamento do equipamento/espaço disponível; - Com o veículo parado, colocar a alavanca do câmbio em "ponto morto", acionar o freio de segurança;  - Colocar CALÇOS de madeira nos pneus a fim de travá-los convenientemente; Sinalizar convenientemente toda área de trabalho, de maneira a preservá-la de interferências externas; - Acionar a embreagem e engatar a Tomada de Força;   - Verificar o funcionamento da Bomba Hidráulica; - Estender os Estabilizadores, travando-os com os seus pinos, caso a Cesta não possua extensão hidráulica. - Antes de operar o equipamento deve-se ter em conta a função e posição de cada alavanca. - Acionar as alavancas dos Pés, firmando-os ao solo, livrando o veículo de esforços resultante do trabalho; - Acionar as alavancas para movimentar o Braço, a Lança Principal, as Lanças Telescópicas, e o Giro. - Acionar a alavanca do Braço, ou da Lança Principal, para tirar o conjunto de lanças do Berço de Apoio. - Não acionar o giro, antes de retirar a lança do berço;
www.veronezi.com.br   PRÁTICAS OPERACIONAIS COM  CESTAS AÉREAS   - Efetuar todas as manobras com o EQUIPAMENTO sem carga, fazendo com que atinja as posições máximas e mínimas, permitindo que o Óleo Hidráulico se desloque totalmente pelo sistema. Após esta operação, verificar se há algum vazamento no Sistema Hidráulico. - Tomar cuidado quando atingir o mínimo e o máximo das posições. Se os comandos ficarem forçando por muito tempo, ocorrerá aquecimento excessivo no Óleo Hidráulico; - Observar qualquer ruído anormal ou folga no equipamento. Caso positivo, verificar cuidadosamente o equipamento e tomar as medidas necessárias, e até mesmo recolher o equipamento para manutenção. - Retomar a cesta à posição de embarque. - Retirar as capas de proteção da lança e caçambas. - Ao entrar na caçamba prender o cinto de segurança no olhal, e só então passar a efetuar todas as operações através dos comandos aéreos instalados junto à caçamba. - Colocar o equipamento na posição de trabalho mais adequada, observando limites de alcance e restrições. - Acionar as alavancas de comando das funções, possibilitando efetuar os mais diversos tipos de movimentação.  - Essa seqüência de movimentos serve para aquecer o Óleo Hidráulico e checar se todos os movimentos estão normais, não apresentando irregularidades que necessitem de reparo imediato;
www.veronezi.com.br   PRÁTICAS OPERACIONAIS COM  CESTAS AÉREAS   OPERAÇÃO Após efetuar TODAS as operações da Pré-Operação, e se o equipamento não apresentar qualquer anormalidade, então ele estará em ordem para o início dos trabalhos. Na operação principal os procedimentos de segurança a serem observados dependem do tipo da caçamba a ser movimentada e da operação a ser executada, porém alguns procedimentos básicos podem ser descritos abaixo: Colocar o EQUIPAMENTO na posição de receber o pessoal e as cargas a serem levantadas. Acionar o EQUIPAMENTO até a posição de serviço.  Executar todas as tarefas referentes ao serviço. Quando em operação, olhar sempre na direção do movimento da cesta.  Nunca entrar ou sair da cesta caminhando ou subindo nos braços. Manter o cinto de segurança atado durante o tempo em que estiver na cesta. Sempre permanecer em pé. Não sentar ou ficar em pé na borda da cesta. Nunca usar escadas, degraus, ou qualquer outro arranjo para trabalhar. Certifique-se que a parte metálica do braço não se encoste aos condutores energizados. Não passar da cesta para outra estrutura, quando trabalhando no alto. Nunca amarrar o cinto de segurança em poste ou estrutura adjacentes, quando trabalhando na cesta. Nunca trabalhar próximo a linhas energizadas havendo umidade ou sujeira na cesta ou braços. Manter todas as partes de fibra de vidro limpas e secas.
www.veronezi.com.br   PRÁTICAS OPERACIONAIS COM  CESTAS AÉREAS   Cuidado:  Este equipamento aéreo não protege o operador quando em contato direto ou muito próximo a um condutor aterrado, sem nenhuma proteção. A cesta não tem valor isolante quando usada sem o "Liner de Polietileno". Evitar movimentos bruscos quando operar o equipamento, principalmente próximo às linhas energizadas. Atenção:  Seja sempre cauteloso. A vida que está em risco é a sua. Por mais curta que seja a distância, nunca viaje dentro da cesta. Pense sempre em segurança. Cuidado:  Um braço molhado ou sujo pode tornar-se um bom condutor e resultar em risco de segurança. Parar completamente o equipamento antes de mudar o sentido de rotação.
www.veronezi.com.br   PRÁTICAS OPERACIONAIS COM  CESTAS AÉREAS   PÓS-OPERAÇÃO Ao finalizar a operação alguns procedimentos devem ser tomados. Abaixar os braços o suficiente para livrá-los da área de trabalho e de qualquer obstáculo. Girar os braços trazendo-os à posição de descanso. Abaixar os braços o suficiente para trazer a caçamba a uma posição conveniente para sair da carroceria do veículo. Desamarrar o cinto de segurança e sair da caçamba. Colocar as capas de proteção da lança e das caçambas. Colocar o EQUIPAMENTO na posição de transporte, utilizando as alavancas de comando para movimentar o Giro, o Braço, a Lanças, até que todo o conjunto de lanças esteja apoiado no Berço; Acionar as alavancas dos Pés e recolhê-los totalmente. Verificar sempre se estão totalmente recolhidos; Recolher os Estabilizadores, travando-as com os respectivos pinos; Acionar a embreagem e desengatar a Tomada de Força  (NUNCA ESQUECER ESTE PROCEDIMENTO) Recolher todo o material e ferramental utilizado na execução dos serviços e guardá-los convenientemente; Retirar os CALÇOS e CEPOS utilizados, recolher toda a sinalização de segurança e guardá-los convenientemente; Verificar para que não fique nenhum objeto deixado no local onde foi executado  o serviço.
www.veronezi.com.br   PRÁTICAS OPERACIONAIS COM  CESTAS AÉREAS   MANUTENÇÃO A ocorrência de qualquer falha mecânica ou hidráulica, por mais simples que seja, deverá ser logo informada para que seja reparada por pessoa devidamente autorizada. Em hipótese alguma pessoas não habilitadas devem tentar reparar o equipamento no campo, pois podem comprometer o seu funcionamento e a segurança do trabalho. Danos para o equipamento e contratempos que põem em perigo a segurança do operador podem ser evitados através da inspeção pré-operacional diária do veículo, e do equipamento. O propósito dessa inspeção é descobrir sinais de defeito ou de falha de funcionamento. FERRAMENTAS BÁSICAS Para uma manutenção eficaz e eficiente, é importante o uso das ferramentas recomendadas. CONSIDERAÇÕES GERAIS A observância das instruções de manutenção é fundamental para o perfeito funcionamento do conjunto veículo-equipamento.  A sua correta utilização torna a  operação mais eficiente e prolonga a sua vida útil.
www.veronezi.com.br   PRÁTICAS OPERACIONAIS COM  CESTAS AÉREAS   Manutenção preventiva do equipamento O usuário deve proceder toda manutenção conforme recomenda o fabricante, para manter o equipamento em perfeitas condições de funcionamento. Os componentes hidráulicos são construídos com peças de alta precisão e pequenas tolerâncias, por isso, a limpeza do equipamento antes de se efetuar a manutenção é fator de extrema importância, para se evitar danos.
www.veronezi.com.br   PRÁTICAS OPERACIONAIS COM  CESTAS AÉREAS   CUIDADOS DIÁRIOS Verificar o nível do óleo do reservatório. Se o nível estiver muito abaixo, a bomba pode vai puxar o ar, causando danos irreversíveis; - Completar o reservatório, verificando antes o estado do óleo antigo; - Não misturar óleos de tipos ou marcas diferentes; Se o nível do óleo estiver acima da marca, verificar imediatamente a causa; Verificar a existência de peças soltas; Verificar a existência de pinos mal colocados ou faltando travas; Engraxar todos os pontos de lubrificação diária (tabela); Verificar o estado geral de conservação das mangueiras; Verificar a existência de vazamentos: - nos terminais e mangueiras, - nos cilindros hidráulicos, - no comando hidráulico, - nas válvulas; Verificar o Eixo Cardan e a Tomada de Força. Inspecionar as partes de fibra de vidro da lança, cestas, liners etc., quanto a possíveis trincas ou rachaduras, e a limpeza dos mesmos. Inspecionar os comandos superiores e inferior, os contra-pinos e cabos das barras de nivelamento. Inspecionar o posicionamento correto das mangueiras na articulação dos braços superiores e inferiores.
www.veronezi.com.br   PRÁTICAS OPERACIONAIS COM  CESTAS AÉREAS   ANTES DE CADA SAÍDA PARA SERVIÇO Verificar as cintas de travamento, fixando corretamente as lanças; Verificar a fixação de todo equipamento de modo geral; Verificar a colocação das coberturas da lança e cestas, e se estão apropriadamente instaladas. CUIDADOS SEMANAIS Proceder a limpeza geral de todo o equipamento. Os braços isolados e os protetores de polietileno (Liners) deverão ser lavados com água e sabão neutro, quinzenalmente ou quando a inspeção diária indicar a necessidade. Engraxar todos os pontos de lubrificação semanal (tabela). Efetuar a limpeza do filtro de ar do reservatório hidráulico. Verificar o estado de todos os componentes mecânicos. Verificar o desgaste dos pinos de articulação. Verificar as hastes dos cilindros hidráulicos quanto a entalhes e arranhaduras. Verificar e limpar os respiros de óleo. Verificar e reapertar, os pontos de fixação do eixo Cardan. CUIDADOS MENSAIS Verificar a pressão de trabalho; Revisão geral do equipamento; Efetuar o reaperto geral dos parafusos de fixação; Verificar pinos e buchas das articulações; Engraxar todos os pontos de lubrificação mensal.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

NR-11 Ponte Rolante / Puente Grua
NR-11 Ponte Rolante / Puente GruaNR-11 Ponte Rolante / Puente Grua
NR-11 Ponte Rolante / Puente Grua
Claudio Cesar Pontes ن
 
Treinamento nr 12
Treinamento nr 12Treinamento nr 12
Treinamento nr 12
Alexandre Bastos
 
Treinamento nr 11 07052021
Treinamento nr 11  07052021Treinamento nr 11  07052021
Treinamento nr 11 07052021
Burh Empresas
 
Treinamento Caminhão Munck.pdf
Treinamento Caminhão Munck.pdfTreinamento Caminhão Munck.pdf
Treinamento Caminhão Munck.pdf
FelipeSouza493606
 
MODELO DE TREINAMENTO NR12 VOLTADO A FRENTES DE SERVIÇO EM OBRAS
MODELO DE TREINAMENTO NR12 VOLTADO A FRENTES DE SERVIÇO EM OBRASMODELO DE TREINAMENTO NR12 VOLTADO A FRENTES DE SERVIÇO EM OBRAS
MODELO DE TREINAMENTO NR12 VOLTADO A FRENTES DE SERVIÇO EM OBRAS
Mateus Borges
 
NR 11
NR 11 NR 11
NR 11
NewAge16
 
Treinamento para operador de empilhadeira
Treinamento para operador de empilhadeiraTreinamento para operador de empilhadeira
Treinamento para operador de empilhadeira
Márcio Roberto de Mattos
 
NR18
NR18NR18
Movimentação e içamento de cargas
 Movimentação e içamento de cargas Movimentação e içamento de cargas
Movimentação e içamento de cargas
Karol Oliveira
 
Ordem de-servico
Ordem de-servicoOrdem de-servico
Ordem de-servico
Wíndila Santana
 
Amarração e Movimentação de cargas.pptx
Amarração e Movimentação de cargas.pptxAmarração e Movimentação de cargas.pptx
Amarração e Movimentação de cargas.pptx
TSTGABRIELAMARTINS
 
Minigrua
MinigruaMinigrua
Acidente do trabalho com disco de corte cenas fortes
Acidente do trabalho com disco de corte   cenas fortesAcidente do trabalho com disco de corte   cenas fortes
Acidente do trabalho com disco de corte cenas fortes
Universidade Federal Fluminense
 
Nr 34
Nr 34Nr 34
Treinamento de munck
Treinamento de munckTreinamento de munck
Treinamento de munck
Jupira Silva
 
Treinamento lixadeira
Treinamento lixadeiraTreinamento lixadeira
Treinamento lixadeira
Andre Cruz
 
TreinamentoNR 11 - Transpaleteira (revisado)(1).pptx
TreinamentoNR 11 - Transpaleteira (revisado)(1).pptxTreinamentoNR 11 - Transpaleteira (revisado)(1).pptx
TreinamentoNR 11 - Transpaleteira (revisado)(1).pptx
rafaelrustiqueli
 
76181845 apostila-guindauto
76181845 apostila-guindauto76181845 apostila-guindauto
76181845 apostila-guindauto
Pamela Nakamura
 
NR34 - TRABALHO A QUENTE.pptx
NR34 - TRABALHO A QUENTE.pptxNR34 - TRABALHO A QUENTE.pptx
NR34 - TRABALHO A QUENTE.pptx
DaniloMartinsdossant2
 
Trabalho com roçadeira costal
Trabalho com roçadeira costalTrabalho com roçadeira costal
Trabalho com roçadeira costal
Paulo H Bueno
 

Mais procurados (20)

NR-11 Ponte Rolante / Puente Grua
NR-11 Ponte Rolante / Puente GruaNR-11 Ponte Rolante / Puente Grua
NR-11 Ponte Rolante / Puente Grua
 
Treinamento nr 12
Treinamento nr 12Treinamento nr 12
Treinamento nr 12
 
Treinamento nr 11 07052021
Treinamento nr 11  07052021Treinamento nr 11  07052021
Treinamento nr 11 07052021
 
Treinamento Caminhão Munck.pdf
Treinamento Caminhão Munck.pdfTreinamento Caminhão Munck.pdf
Treinamento Caminhão Munck.pdf
 
MODELO DE TREINAMENTO NR12 VOLTADO A FRENTES DE SERVIÇO EM OBRAS
MODELO DE TREINAMENTO NR12 VOLTADO A FRENTES DE SERVIÇO EM OBRASMODELO DE TREINAMENTO NR12 VOLTADO A FRENTES DE SERVIÇO EM OBRAS
MODELO DE TREINAMENTO NR12 VOLTADO A FRENTES DE SERVIÇO EM OBRAS
 
NR 11
NR 11 NR 11
NR 11
 
Treinamento para operador de empilhadeira
Treinamento para operador de empilhadeiraTreinamento para operador de empilhadeira
Treinamento para operador de empilhadeira
 
NR18
NR18NR18
NR18
 
Movimentação e içamento de cargas
 Movimentação e içamento de cargas Movimentação e içamento de cargas
Movimentação e içamento de cargas
 
Ordem de-servico
Ordem de-servicoOrdem de-servico
Ordem de-servico
 
Amarração e Movimentação de cargas.pptx
Amarração e Movimentação de cargas.pptxAmarração e Movimentação de cargas.pptx
Amarração e Movimentação de cargas.pptx
 
Minigrua
MinigruaMinigrua
Minigrua
 
Acidente do trabalho com disco de corte cenas fortes
Acidente do trabalho com disco de corte   cenas fortesAcidente do trabalho com disco de corte   cenas fortes
Acidente do trabalho com disco de corte cenas fortes
 
Nr 34
Nr 34Nr 34
Nr 34
 
Treinamento de munck
Treinamento de munckTreinamento de munck
Treinamento de munck
 
Treinamento lixadeira
Treinamento lixadeiraTreinamento lixadeira
Treinamento lixadeira
 
TreinamentoNR 11 - Transpaleteira (revisado)(1).pptx
TreinamentoNR 11 - Transpaleteira (revisado)(1).pptxTreinamentoNR 11 - Transpaleteira (revisado)(1).pptx
TreinamentoNR 11 - Transpaleteira (revisado)(1).pptx
 
76181845 apostila-guindauto
76181845 apostila-guindauto76181845 apostila-guindauto
76181845 apostila-guindauto
 
NR34 - TRABALHO A QUENTE.pptx
NR34 - TRABALHO A QUENTE.pptxNR34 - TRABALHO A QUENTE.pptx
NR34 - TRABALHO A QUENTE.pptx
 
Trabalho com roçadeira costal
Trabalho com roçadeira costalTrabalho com roçadeira costal
Trabalho com roçadeira costal
 

Destaque

SEGURANÇA NR-12 COMPARAÇÃO Maquinas e equipamentos
SEGURANÇA NR-12 COMPARAÇÃO Maquinas e equipamentosSEGURANÇA NR-12 COMPARAÇÃO Maquinas e equipamentos
SEGURANÇA NR-12 COMPARAÇÃO Maquinas e equipamentos
gelcine Angela
 
Nr 12 Maquinas e Equipamento Resumo
Nr 12 Maquinas e Equipamento ResumoNr 12 Maquinas e Equipamento Resumo
Nr 12 Maquinas e Equipamento Resumo
Mariana Lima
 
Guiton - cestos aéreos isolados
Guiton - cestos aéreos isoladosGuiton - cestos aéreos isolados
Guiton - cestos aéreos isolados
Guiton Equipamentos
 
Armando
ArmandoArmando
Procedimentos de trabalho e segurança com eletricidade
Procedimentos de trabalho e segurança com eletricidadeProcedimentos de trabalho e segurança com eletricidade
Procedimentos de trabalho e segurança com eletricidade
Giovanni Bruno
 
Apresentação ute engenharia
Apresentação ute engenhariaApresentação ute engenharia
Instalação 1
Instalação 1Instalação 1
Instalação 1
waltermoreira
 
Apresentação do artigo manutenção produtiva total
Apresentação do artigo   manutenção produtiva totalApresentação do artigo   manutenção produtiva total
Apresentação do artigo manutenção produtiva total
Íngrid Alves
 
Içamento
IçamentoIçamento
Içamento
Daniel Sbizzaro
 
Manutenção preventiva de equipamentos
Manutenção preventiva de equipamentosManutenção preventiva de equipamentos
Manutenção preventiva de equipamentos
Tiago Viegas
 
Plano de sinalização restaurante central
Plano de sinalização    restaurante centralPlano de sinalização    restaurante central
Plano de sinalização restaurante central
Sergio Nascimento
 
8aula sinalizaodeemergncia-140310101020-phpapp01
8aula sinalizaodeemergncia-140310101020-phpapp018aula sinalizaodeemergncia-140310101020-phpapp01
8aula sinalizaodeemergncia-140310101020-phpapp01
Vanderlei Oliveira
 
Apostila: Panificação - Nível Básico (1ª Edição)
Apostila: Panificação - Nível Básico (1ª Edição)Apostila: Panificação - Nível Básico (1ª Edição)
Apostila: Panificação - Nível Básico (1ª Edição)
Kleber de Oliveira da Silva
 
Prevencao e controle_de_riscos_em_maquinas_e_equipamentos_e_instalacoes
Prevencao e controle_de_riscos_em_maquinas_e_equipamentos_e_instalacoesPrevencao e controle_de_riscos_em_maquinas_e_equipamentos_e_instalacoes
Prevencao e controle_de_riscos_em_maquinas_e_equipamentos_e_instalacoes
Rafael Galupo
 
Apostila de manutenção preventiva
Apostila de manutenção preventivaApostila de manutenção preventiva
Apostila de manutenção preventiva
Ricardo Akerman
 
Indústria 4.0 Tecnologia e inovação
Indústria 4.0 Tecnologia e inovaçãoIndústria 4.0 Tecnologia e inovação
Indústria 4.0 Tecnologia e inovação
Franklin Arisson Rodrigues dos Santos
 
curso-de-nr-12-unochapeco
curso-de-nr-12-unochapecocurso-de-nr-12-unochapeco
curso-de-nr-12-unochapeco
João Tiago Porto Veloso Leal
 
MANUTENÇÃO PREVENTIVA
MANUTENÇÃO PREVENTIVAMANUTENÇÃO PREVENTIVA
MANUTENÇÃO PREVENTIVA
llobocm
 
O que é Munck?
O que é Munck?O que é Munck?
O que é Munck?
Munckmaq Guindastes
 
01 nr10 multiplicadores modulo 01 e 02
01  nr10 multiplicadores modulo 01 e 0201  nr10 multiplicadores modulo 01 e 02
01 nr10 multiplicadores modulo 01 e 02
Jú Loly Liza Santos
 

Destaque (20)

SEGURANÇA NR-12 COMPARAÇÃO Maquinas e equipamentos
SEGURANÇA NR-12 COMPARAÇÃO Maquinas e equipamentosSEGURANÇA NR-12 COMPARAÇÃO Maquinas e equipamentos
SEGURANÇA NR-12 COMPARAÇÃO Maquinas e equipamentos
 
Nr 12 Maquinas e Equipamento Resumo
Nr 12 Maquinas e Equipamento ResumoNr 12 Maquinas e Equipamento Resumo
Nr 12 Maquinas e Equipamento Resumo
 
Guiton - cestos aéreos isolados
Guiton - cestos aéreos isoladosGuiton - cestos aéreos isolados
Guiton - cestos aéreos isolados
 
Armando
ArmandoArmando
Armando
 
Procedimentos de trabalho e segurança com eletricidade
Procedimentos de trabalho e segurança com eletricidadeProcedimentos de trabalho e segurança com eletricidade
Procedimentos de trabalho e segurança com eletricidade
 
Apresentação ute engenharia
Apresentação ute engenhariaApresentação ute engenharia
Apresentação ute engenharia
 
Instalação 1
Instalação 1Instalação 1
Instalação 1
 
Apresentação do artigo manutenção produtiva total
Apresentação do artigo   manutenção produtiva totalApresentação do artigo   manutenção produtiva total
Apresentação do artigo manutenção produtiva total
 
Içamento
IçamentoIçamento
Içamento
 
Manutenção preventiva de equipamentos
Manutenção preventiva de equipamentosManutenção preventiva de equipamentos
Manutenção preventiva de equipamentos
 
Plano de sinalização restaurante central
Plano de sinalização    restaurante centralPlano de sinalização    restaurante central
Plano de sinalização restaurante central
 
8aula sinalizaodeemergncia-140310101020-phpapp01
8aula sinalizaodeemergncia-140310101020-phpapp018aula sinalizaodeemergncia-140310101020-phpapp01
8aula sinalizaodeemergncia-140310101020-phpapp01
 
Apostila: Panificação - Nível Básico (1ª Edição)
Apostila: Panificação - Nível Básico (1ª Edição)Apostila: Panificação - Nível Básico (1ª Edição)
Apostila: Panificação - Nível Básico (1ª Edição)
 
Prevencao e controle_de_riscos_em_maquinas_e_equipamentos_e_instalacoes
Prevencao e controle_de_riscos_em_maquinas_e_equipamentos_e_instalacoesPrevencao e controle_de_riscos_em_maquinas_e_equipamentos_e_instalacoes
Prevencao e controle_de_riscos_em_maquinas_e_equipamentos_e_instalacoes
 
Apostila de manutenção preventiva
Apostila de manutenção preventivaApostila de manutenção preventiva
Apostila de manutenção preventiva
 
Indústria 4.0 Tecnologia e inovação
Indústria 4.0 Tecnologia e inovaçãoIndústria 4.0 Tecnologia e inovação
Indústria 4.0 Tecnologia e inovação
 
curso-de-nr-12-unochapeco
curso-de-nr-12-unochapecocurso-de-nr-12-unochapeco
curso-de-nr-12-unochapeco
 
MANUTENÇÃO PREVENTIVA
MANUTENÇÃO PREVENTIVAMANUTENÇÃO PREVENTIVA
MANUTENÇÃO PREVENTIVA
 
O que é Munck?
O que é Munck?O que é Munck?
O que é Munck?
 
01 nr10 multiplicadores modulo 01 e 02
01  nr10 multiplicadores modulo 01 e 0201  nr10 multiplicadores modulo 01 e 02
01 nr10 multiplicadores modulo 01 e 02
 

Semelhante a Práticas operacionais básicas com cestos aéreos

NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdfNR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
guilhermefontenele8
 
Treinamento Comportamento Seguro Operador Empilhadeira_SEGSEMPRE.ppt
Treinamento Comportamento Seguro Operador Empilhadeira_SEGSEMPRE.pptTreinamento Comportamento Seguro Operador Empilhadeira_SEGSEMPRE.ppt
Treinamento Comportamento Seguro Operador Empilhadeira_SEGSEMPRE.ppt
JniorCirqueira
 
Docslide.com.br 3 treinamento-nr-11-pa-carregadeira
Docslide.com.br 3 treinamento-nr-11-pa-carregadeiraDocslide.com.br 3 treinamento-nr-11-pa-carregadeira
Docslide.com.br 3 treinamento-nr-11-pa-carregadeira
STT Segurança do Trabalho e Treinamentos
 
curso de paleteira nr11...................................
curso de paleteira nr11...................................curso de paleteira nr11...................................
curso de paleteira nr11...................................
LintonPeretto2
 
Operação, Manutenção e Segurança de Empilhadeira
Operação, Manutenção e Segurança de EmpilhadeiraOperação, Manutenção e Segurança de Empilhadeira
Operação, Manutenção e Segurança de Empilhadeira
Allan Almeida de Araújo
 
Segurança do Trabalho NR 11 Empilhadeira.pptx123.pptx
Segurança do Trabalho NR 11 Empilhadeira.pptx123.pptxSegurança do Trabalho NR 11 Empilhadeira.pptx123.pptx
Segurança do Trabalho NR 11 Empilhadeira.pptx123.pptx
sesmtkapazi
 
treinamentopaleteira-240315002651-ccebd9fb.pptx
treinamentopaleteira-240315002651-ccebd9fb.pptxtreinamentopaleteira-240315002651-ccebd9fb.pptx
treinamentopaleteira-240315002651-ccebd9fb.pptx
FernandoSilva26170
 
Treinamento Paleteira.pptx................
Treinamento Paleteira.pptx................Treinamento Paleteira.pptx................
Treinamento Paleteira.pptx................
AndersonChristianEuf
 
214-segurança-Operações-com-Empilhadeira.ppt
214-segurança-Operações-com-Empilhadeira.ppt214-segurança-Operações-com-Empilhadeira.ppt
214-segurança-Operações-com-Empilhadeira.ppt
BelarminoFelix
 
214-segurança-Operações-com-Empilhadeira.ppt
214-segurança-Operações-com-Empilhadeira.ppt214-segurança-Operações-com-Empilhadeira.ppt
214-segurança-Operações-com-Empilhadeira.ppt
joseleandrocustodio
 
214-segurança-Operações-com-Empilhadeira.ppt
214-segurança-Operações-com-Empilhadeira.ppt214-segurança-Operações-com-Empilhadeira.ppt
214-segurança-Operações-com-Empilhadeira.ppt
Andre Lavor Lavor
 
214-segurança-Operações-com-Empilhadeira.ppt
214-segurança-Operações-com-Empilhadeira.ppt214-segurança-Operações-com-Empilhadeira.ppt
214-segurança-Operações-com-Empilhadeira.ppt
IsabellaElias2
 
214-segurança-Operações-com-Empilhadeira.ppt
214-segurança-Operações-com-Empilhadeira.ppt214-segurança-Operações-com-Empilhadeira.ppt
214-segurança-Operações-com-Empilhadeira.ppt
RenanVasconcelos14
 
Apresentação - Programa Risco Zero.pptx [Salvo automaticamente].pptx
Apresentação - Programa Risco Zero.pptx [Salvo automaticamente].pptxApresentação - Programa Risco Zero.pptx [Salvo automaticamente].pptx
Apresentação - Programa Risco Zero.pptx [Salvo automaticamente].pptx
HudsonOliveira50
 
0002
00020002
0002
00020002
treinamento-paleteira elétrica.ppt
treinamento-paleteira elétrica.ppttreinamento-paleteira elétrica.ppt
treinamento-paleteira elétrica.ppt
JOSERUCKSTADTER1
 
Segurança com empilhadeira 1.pdfihihihihhiuh
Segurança com empilhadeira 1.pdfihihihihhiuhSegurança com empilhadeira 1.pdfihihihihhiuh
Segurança com empilhadeira 1.pdfihihihihhiuh
ArenioSoares
 
NR-11-GUINDAUTO-MUNCK-ATUALIZADO-TREINAMENTO.ppt
NR-11-GUINDAUTO-MUNCK-ATUALIZADO-TREINAMENTO.pptNR-11-GUINDAUTO-MUNCK-ATUALIZADO-TREINAMENTO.ppt
NR-11-GUINDAUTO-MUNCK-ATUALIZADO-TREINAMENTO.ppt
IADBrasil
 
Operação Pá Carregadeira.phjklfghjklghptg
Operação Pá Carregadeira.phjklfghjklghptgOperação Pá Carregadeira.phjklfghjklghptg
Operação Pá Carregadeira.phjklfghjklghptg
GutembergRodrigues7
 

Semelhante a Práticas operacionais básicas com cestos aéreos (20)

NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdfNR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
 
Treinamento Comportamento Seguro Operador Empilhadeira_SEGSEMPRE.ppt
Treinamento Comportamento Seguro Operador Empilhadeira_SEGSEMPRE.pptTreinamento Comportamento Seguro Operador Empilhadeira_SEGSEMPRE.ppt
Treinamento Comportamento Seguro Operador Empilhadeira_SEGSEMPRE.ppt
 
Docslide.com.br 3 treinamento-nr-11-pa-carregadeira
Docslide.com.br 3 treinamento-nr-11-pa-carregadeiraDocslide.com.br 3 treinamento-nr-11-pa-carregadeira
Docslide.com.br 3 treinamento-nr-11-pa-carregadeira
 
curso de paleteira nr11...................................
curso de paleteira nr11...................................curso de paleteira nr11...................................
curso de paleteira nr11...................................
 
Operação, Manutenção e Segurança de Empilhadeira
Operação, Manutenção e Segurança de EmpilhadeiraOperação, Manutenção e Segurança de Empilhadeira
Operação, Manutenção e Segurança de Empilhadeira
 
Segurança do Trabalho NR 11 Empilhadeira.pptx123.pptx
Segurança do Trabalho NR 11 Empilhadeira.pptx123.pptxSegurança do Trabalho NR 11 Empilhadeira.pptx123.pptx
Segurança do Trabalho NR 11 Empilhadeira.pptx123.pptx
 
treinamentopaleteira-240315002651-ccebd9fb.pptx
treinamentopaleteira-240315002651-ccebd9fb.pptxtreinamentopaleteira-240315002651-ccebd9fb.pptx
treinamentopaleteira-240315002651-ccebd9fb.pptx
 
Treinamento Paleteira.pptx................
Treinamento Paleteira.pptx................Treinamento Paleteira.pptx................
Treinamento Paleteira.pptx................
 
214-segurança-Operações-com-Empilhadeira.ppt
214-segurança-Operações-com-Empilhadeira.ppt214-segurança-Operações-com-Empilhadeira.ppt
214-segurança-Operações-com-Empilhadeira.ppt
 
214-segurança-Operações-com-Empilhadeira.ppt
214-segurança-Operações-com-Empilhadeira.ppt214-segurança-Operações-com-Empilhadeira.ppt
214-segurança-Operações-com-Empilhadeira.ppt
 
214-segurança-Operações-com-Empilhadeira.ppt
214-segurança-Operações-com-Empilhadeira.ppt214-segurança-Operações-com-Empilhadeira.ppt
214-segurança-Operações-com-Empilhadeira.ppt
 
214-segurança-Operações-com-Empilhadeira.ppt
214-segurança-Operações-com-Empilhadeira.ppt214-segurança-Operações-com-Empilhadeira.ppt
214-segurança-Operações-com-Empilhadeira.ppt
 
214-segurança-Operações-com-Empilhadeira.ppt
214-segurança-Operações-com-Empilhadeira.ppt214-segurança-Operações-com-Empilhadeira.ppt
214-segurança-Operações-com-Empilhadeira.ppt
 
Apresentação - Programa Risco Zero.pptx [Salvo automaticamente].pptx
Apresentação - Programa Risco Zero.pptx [Salvo automaticamente].pptxApresentação - Programa Risco Zero.pptx [Salvo automaticamente].pptx
Apresentação - Programa Risco Zero.pptx [Salvo automaticamente].pptx
 
0002
00020002
0002
 
0002
00020002
0002
 
treinamento-paleteira elétrica.ppt
treinamento-paleteira elétrica.ppttreinamento-paleteira elétrica.ppt
treinamento-paleteira elétrica.ppt
 
Segurança com empilhadeira 1.pdfihihihihhiuh
Segurança com empilhadeira 1.pdfihihihihhiuhSegurança com empilhadeira 1.pdfihihihihhiuh
Segurança com empilhadeira 1.pdfihihihihhiuh
 
NR-11-GUINDAUTO-MUNCK-ATUALIZADO-TREINAMENTO.ppt
NR-11-GUINDAUTO-MUNCK-ATUALIZADO-TREINAMENTO.pptNR-11-GUINDAUTO-MUNCK-ATUALIZADO-TREINAMENTO.ppt
NR-11-GUINDAUTO-MUNCK-ATUALIZADO-TREINAMENTO.ppt
 
Operação Pá Carregadeira.phjklfghjklghptg
Operação Pá Carregadeira.phjklfghjklghptgOperação Pá Carregadeira.phjklfghjklghptg
Operação Pá Carregadeira.phjklfghjklghptg
 

Mais de Veronezi Guindastes

Guindastes veronezi componentes do guindaste
Guindastes veronezi   componentes do guindasteGuindastes veronezi   componentes do guindaste
Guindastes veronezi componentes do guindaste
Veronezi Guindastes
 
Guindastes veronezi guindauto - definição dos termos
Guindastes veronezi   guindauto - definição dos termosGuindastes veronezi   guindauto - definição dos termos
Guindastes veronezi guindauto - definição dos termos
Veronezi Guindastes
 
Guindastes Veronezi - Inspeção pré operacional
Guindastes Veronezi - Inspeção pré operacionalGuindastes Veronezi - Inspeção pré operacional
Guindastes Veronezi - Inspeção pré operacional
Veronezi Guindastes
 
Guindastes Veronezi - Responsabilidades do operador
Guindastes Veronezi - Responsabilidades do operadorGuindastes Veronezi - Responsabilidades do operador
Guindastes Veronezi - Responsabilidades do operador
Veronezi Guindastes
 
Guindastes veronezi tipos de guindaste
Guindastes veronezi   tipos de guindasteGuindastes veronezi   tipos de guindaste
Guindastes veronezi tipos de guindaste
Veronezi Guindastes
 
Cabo de aço
Cabo de açoCabo de aço
Cabo de aço
Veronezi Guindastes
 
História do cabo de aço
História do cabo de açoHistória do cabo de aço
História do cabo de aço
Veronezi Guindastes
 
Uma breve história do guindaste
Uma breve história do guindasteUma breve história do guindaste
Uma breve história do guindaste
Veronezi Guindastes
 
Inspeção pré operacional
Inspeção pré operacionalInspeção pré operacional
Inspeção pré operacional
Veronezi Guindastes
 
Inspeção pré operacional
Inspeção pré operacionalInspeção pré operacional
Inspeção pré operacional
Veronezi Guindastes
 
Cabo de aço
Cabo de açoCabo de aço
Cabo de aço
Veronezi Guindastes
 
Cabo de aço
Cabo de açoCabo de aço
Cabo de aço
Veronezi Guindastes
 
Guindastes Veronezi - Responsabilidades do operador
Guindastes Veronezi - Responsabilidades do operadorGuindastes Veronezi - Responsabilidades do operador
Guindastes Veronezi - Responsabilidades do operador
Veronezi Guindastes
 
Guindastes Veronezi - Responsabilidades do operador
Guindastes Veronezi - Responsabilidades do operadorGuindastes Veronezi - Responsabilidades do operador
Guindastes Veronezi - Responsabilidades do operador
Veronezi Guindastes
 
Guindastes veronezi guindauto - definição dos termos
Guindastes veronezi   guindauto - definição dos termosGuindastes veronezi   guindauto - definição dos termos
Guindastes veronezi guindauto - definição dos termos
Veronezi Guindastes
 
Guindastes veronezi guindauto - definição dos termos
Guindastes veronezi   guindauto - definição dos termosGuindastes veronezi   guindauto - definição dos termos
Guindastes veronezi guindauto - definição dos termos
Veronezi Guindastes
 
Guindastes Veronezi Tipos de Guindaste
Guindastes Veronezi   Tipos de GuindasteGuindastes Veronezi   Tipos de Guindaste
Guindastes Veronezi Tipos de Guindaste
Veronezi Guindastes
 
Guindastes Veronezi - Componentes do Guindaste
Guindastes Veronezi -  Componentes do GuindasteGuindastes Veronezi -  Componentes do Guindaste
Guindastes Veronezi - Componentes do Guindaste
Veronezi Guindastes
 
Uma breve história do cabo de aço
Uma breve história do cabo de açoUma breve história do cabo de aço
Uma breve história do cabo de aço
Veronezi Guindastes
 
Uma breve história do guindaste
Uma breve história do guindasteUma breve história do guindaste
Uma breve história do guindaste
Veronezi Guindastes
 

Mais de Veronezi Guindastes (20)

Guindastes veronezi componentes do guindaste
Guindastes veronezi   componentes do guindasteGuindastes veronezi   componentes do guindaste
Guindastes veronezi componentes do guindaste
 
Guindastes veronezi guindauto - definição dos termos
Guindastes veronezi   guindauto - definição dos termosGuindastes veronezi   guindauto - definição dos termos
Guindastes veronezi guindauto - definição dos termos
 
Guindastes Veronezi - Inspeção pré operacional
Guindastes Veronezi - Inspeção pré operacionalGuindastes Veronezi - Inspeção pré operacional
Guindastes Veronezi - Inspeção pré operacional
 
Guindastes Veronezi - Responsabilidades do operador
Guindastes Veronezi - Responsabilidades do operadorGuindastes Veronezi - Responsabilidades do operador
Guindastes Veronezi - Responsabilidades do operador
 
Guindastes veronezi tipos de guindaste
Guindastes veronezi   tipos de guindasteGuindastes veronezi   tipos de guindaste
Guindastes veronezi tipos de guindaste
 
Cabo de aço
Cabo de açoCabo de aço
Cabo de aço
 
História do cabo de aço
História do cabo de açoHistória do cabo de aço
História do cabo de aço
 
Uma breve história do guindaste
Uma breve história do guindasteUma breve história do guindaste
Uma breve história do guindaste
 
Inspeção pré operacional
Inspeção pré operacionalInspeção pré operacional
Inspeção pré operacional
 
Inspeção pré operacional
Inspeção pré operacionalInspeção pré operacional
Inspeção pré operacional
 
Cabo de aço
Cabo de açoCabo de aço
Cabo de aço
 
Cabo de aço
Cabo de açoCabo de aço
Cabo de aço
 
Guindastes Veronezi - Responsabilidades do operador
Guindastes Veronezi - Responsabilidades do operadorGuindastes Veronezi - Responsabilidades do operador
Guindastes Veronezi - Responsabilidades do operador
 
Guindastes Veronezi - Responsabilidades do operador
Guindastes Veronezi - Responsabilidades do operadorGuindastes Veronezi - Responsabilidades do operador
Guindastes Veronezi - Responsabilidades do operador
 
Guindastes veronezi guindauto - definição dos termos
Guindastes veronezi   guindauto - definição dos termosGuindastes veronezi   guindauto - definição dos termos
Guindastes veronezi guindauto - definição dos termos
 
Guindastes veronezi guindauto - definição dos termos
Guindastes veronezi   guindauto - definição dos termosGuindastes veronezi   guindauto - definição dos termos
Guindastes veronezi guindauto - definição dos termos
 
Guindastes Veronezi Tipos de Guindaste
Guindastes Veronezi   Tipos de GuindasteGuindastes Veronezi   Tipos de Guindaste
Guindastes Veronezi Tipos de Guindaste
 
Guindastes Veronezi - Componentes do Guindaste
Guindastes Veronezi -  Componentes do GuindasteGuindastes Veronezi -  Componentes do Guindaste
Guindastes Veronezi - Componentes do Guindaste
 
Uma breve história do cabo de aço
Uma breve história do cabo de açoUma breve história do cabo de aço
Uma breve história do cabo de aço
 
Uma breve história do guindaste
Uma breve história do guindasteUma breve história do guindaste
Uma breve história do guindaste
 

Último

Apostila GOOGLE MEU NEGÓCIO-Passo a passo detalhado para criar um novo perfil
Apostila GOOGLE MEU NEGÓCIO-Passo a passo detalhado para criar um novo perfilApostila GOOGLE MEU NEGÓCIO-Passo a passo detalhado para criar um novo perfil
Apostila GOOGLE MEU NEGÓCIO-Passo a passo detalhado para criar um novo perfil
Carlos Eduardo Coan Junior
 
O legado democrático de Portugal no Brasil, enfatizando sua contribuição para...
O legado democrático de Portugal no Brasil, enfatizando sua contribuição para...O legado democrático de Portugal no Brasil, enfatizando sua contribuição para...
O legado democrático de Portugal no Brasil, enfatizando sua contribuição para...
Paulo Dalla Nora Macedo
 
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
Paulo Emerson Pereira
 
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMETRESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
rihabkorbi24
 
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCCEstudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Paulo Emerson Pereira
 
Informativo Agronômico n11 v1.0 - Seringueira (ppt).pdf
Informativo Agronômico n11 v1.0 - Seringueira (ppt).pdfInformativo Agronômico n11 v1.0 - Seringueira (ppt).pdf
Informativo Agronômico n11 v1.0 - Seringueira (ppt).pdf
edsonfrancojunior99
 

Último (6)

Apostila GOOGLE MEU NEGÓCIO-Passo a passo detalhado para criar um novo perfil
Apostila GOOGLE MEU NEGÓCIO-Passo a passo detalhado para criar um novo perfilApostila GOOGLE MEU NEGÓCIO-Passo a passo detalhado para criar um novo perfil
Apostila GOOGLE MEU NEGÓCIO-Passo a passo detalhado para criar um novo perfil
 
O legado democrático de Portugal no Brasil, enfatizando sua contribuição para...
O legado democrático de Portugal no Brasil, enfatizando sua contribuição para...O legado democrático de Portugal no Brasil, enfatizando sua contribuição para...
O legado democrático de Portugal no Brasil, enfatizando sua contribuição para...
 
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
 
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMETRESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
 
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCCEstudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
 
Informativo Agronômico n11 v1.0 - Seringueira (ppt).pdf
Informativo Agronômico n11 v1.0 - Seringueira (ppt).pdfInformativo Agronômico n11 v1.0 - Seringueira (ppt).pdf
Informativo Agronômico n11 v1.0 - Seringueira (ppt).pdf
 

Práticas operacionais básicas com cestos aéreos

  • 1. Acionamento das alavancas As CESTAS AÉREAS possuem Comandos Hidráulicos cuja função é direcionar o óleo hidráulico para movimentar os Cilindros dos diversos sistemas do equipamento. O acionamento dos Cilindros é feito por meio de alavancas posicionadas nos Comandos Hidráulicos, que podem atuar individualmente, nos dois sentidos, em cada função, bem como em duas ou mais funções ao mesmo tempo. O controle da velocidade de movimentação dos cilindros é dado pela movimentação das alavancas. Quanto mais afastada da posição neutra, mais rápido será o movimento . Por motivo de segurança, as alavancas do comando retomam a sua posição neutra,quando liberadas. As alavancas devem ser acionadas com movimentos lentos, evitando sempre os movimentos bruscos. PRÁTICAS OPERACIONAIS COM CESTAS AÉREAS www.veronezi.com.br IMPORTANTE As CESTAS AÉREAS são equipamentos de fácil operação. Depois de algumas horas de treinamento o Operador estará habilitado entretanto, um tempo maior é necessário para educar o Operador de maneira a usá-los com a máxima eficiência e segurança nas necessidades específicas de cada trabalho.
  • 2. www.veronezi.com.br PRÁTICAS OPERACIONAIS COM CESTAS AÉREAS PÓS-OPERAÇÃO Ao finalizar a operação alguns procedimentos devem ser tomados. Abaixar os braços o suficiente para livrá-los da área de trabalho e de qualquer obstáculo. Girar os braços trazendo-os à posição de descanso. Abaixar os braços o suficiente para trazer a caçamba a uma posição conveniente para sair da carroceria do veículo. Desamarrar o cinto de segurança e sair da caçamba. Colocar as capas de proteção da lança e das caçambas. Colocar o EQUIPAMENTO na posição de transporte, utilizando as alavancas de comando para movimentar o Giro, o Braço, a Lanças, até que todo o conjunto de lanças esteja apoiado no Berço; Acionar as alavancas dos Pés e recolhê-los totalmente. Verificar sempre se estão totalmente recolhidos; Recolher os Estabilizadores, travando-as com os respectivos pinos; Acionar a embreagem e desengatar a Tomada de Força (NUNCA ESQUECER ESTE PROCEDIMENTO) Recolher todo o material e ferramental utilizado na execução dos serviços e guardá-los convenientemente; Retirar os CALÇOS e CEPOS utilizados, recolher toda a sinalização de segurança e guardá-los convenientemente; Verificar para que não fique nenhum objeto deixado no local onde foi executado o serviço.
  • 3. www.veronezi.com.br PRÁTICAS OPERACIONAIS COM CESTAS AÉREAS PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS Para se operar uma CESTA AÉREA adequadamente é preciso que o operador, e todo o pessoal da equipe de trabalho, esteja devidamente treinado e habilitado para isso, procurando observar rigorosamente as determinações do fabricante, da empresa, e as contidas na legislação de segurança vigente. Dependendo do modelo e do fabricante, o acionamento dos comandos hidráulicos de uma Cesta Aérea pode ser bastante variado, porém são de fácil operação .
  • 4. www.veronezi.com.br PRÁTICAS OPERACIONAIS COM CESTAS AÉREAS ATENÇÃO Durante as operações os comandos devem ser acionados suavemente, no inicio e final do movimento, evitando-se partidas ou paradas bruscas que expõem o equipamento a choques e tensões desnecessários. Nunca pressionar os comandos após atingir o fim do percurso, pois esta operação pode provocar fadiga do sistema hidráulico. Acionar apenas um comando de cada vez e somente após a parada total do equipamento. Não ultrapassar a capacidade de carga da caçamba: (Homem + material + ferramentas) Sempre que estiver em operação, o operador do solo ou supervisor de serviço deverá vigiar todos os movimentos do operador da caçamba e avisá-lo de possíveis situações perigosas. A intervenção deverá ocorrer só quando absolutamente necessária. Numa operação com CESTA AÉREA, podemos identificar três eventos básicos: Pré-Operação; Operação; Pós-Operação.
  • 5. www.veronezi.com.br PRÁTICAS OPERACIONAIS COM CESTAS AÉREAS PRÉ-OPERAÇÃO Antes de iniciar a operação propriamente dita da Cesta Aérea, é importante conhecer todos os seus componentes e partes, e alguns procedimentos devem ser observados. - Colocar o veículo na posição mais adequada para maior aproveitamento do equipamento/espaço disponível; - Com o veículo parado, colocar a alavanca do câmbio em "ponto morto", acionar o freio de segurança; - Colocar CALÇOS de madeira nos pneus a fim de travá-los convenientemente; Sinalizar convenientemente toda área de trabalho, de maneira a preservá-la de interferências externas; - Acionar a embreagem e engatar a Tomada de Força; - Verificar o funcionamento da Bomba Hidráulica; - Estender os Estabilizadores, travando-os com os seus pinos, caso a Cesta não possua extensão hidráulica. - Antes de operar o equipamento deve-se ter em conta a função e posição de cada alavanca. - Acionar as alavancas dos Pés, firmando-os ao solo, livrando o veículo de esforços resultante do trabalho; - Acionar as alavancas para movimentar o Braço, a Lança Principal, as Lanças Telescópicas, e o Giro. - Acionar a alavanca do Braço, ou da Lança Principal, para tirar o conjunto de lanças do Berço de Apoio. - Não acionar o giro, antes de retirar a lança do berço;
  • 6. www.veronezi.com.br PRÁTICAS OPERACIONAIS COM CESTAS AÉREAS - Efetuar todas as manobras com o EQUIPAMENTO sem carga, fazendo com que atinja as posições máximas e mínimas, permitindo que o Óleo Hidráulico se desloque totalmente pelo sistema. Após esta operação, verificar se há algum vazamento no Sistema Hidráulico. - Tomar cuidado quando atingir o mínimo e o máximo das posições. Se os comandos ficarem forçando por muito tempo, ocorrerá aquecimento excessivo no Óleo Hidráulico; - Observar qualquer ruído anormal ou folga no equipamento. Caso positivo, verificar cuidadosamente o equipamento e tomar as medidas necessárias, e até mesmo recolher o equipamento para manutenção. - Retomar a cesta à posição de embarque. - Retirar as capas de proteção da lança e caçambas. - Ao entrar na caçamba prender o cinto de segurança no olhal, e só então passar a efetuar todas as operações através dos comandos aéreos instalados junto à caçamba. - Colocar o equipamento na posição de trabalho mais adequada, observando limites de alcance e restrições. - Acionar as alavancas de comando das funções, possibilitando efetuar os mais diversos tipos de movimentação. - Essa seqüência de movimentos serve para aquecer o Óleo Hidráulico e checar se todos os movimentos estão normais, não apresentando irregularidades que necessitem de reparo imediato;
  • 7. www.veronezi.com.br PRÁTICAS OPERACIONAIS COM CESTAS AÉREAS OPERAÇÃO Após efetuar TODAS as operações da Pré-Operação, e se o equipamento não apresentar qualquer anormalidade, então ele estará em ordem para o início dos trabalhos. Na operação principal os procedimentos de segurança a serem observados dependem do tipo da caçamba a ser movimentada e da operação a ser executada, porém alguns procedimentos básicos podem ser descritos abaixo: Colocar o EQUIPAMENTO na posição de receber o pessoal e as cargas a serem levantadas. Acionar o EQUIPAMENTO até a posição de serviço. Executar todas as tarefas referentes ao serviço. Quando em operação, olhar sempre na direção do movimento da cesta. Nunca entrar ou sair da cesta caminhando ou subindo nos braços. Manter o cinto de segurança atado durante o tempo em que estiver na cesta. Sempre permanecer em pé. Não sentar ou ficar em pé na borda da cesta. Nunca usar escadas, degraus, ou qualquer outro arranjo para trabalhar. Certifique-se que a parte metálica do braço não se encoste aos condutores energizados. Não passar da cesta para outra estrutura, quando trabalhando no alto. Nunca amarrar o cinto de segurança em poste ou estrutura adjacentes, quando trabalhando na cesta. Nunca trabalhar próximo a linhas energizadas havendo umidade ou sujeira na cesta ou braços. Manter todas as partes de fibra de vidro limpas e secas.
  • 8. www.veronezi.com.br PRÁTICAS OPERACIONAIS COM CESTAS AÉREAS Cuidado: Este equipamento aéreo não protege o operador quando em contato direto ou muito próximo a um condutor aterrado, sem nenhuma proteção. A cesta não tem valor isolante quando usada sem o "Liner de Polietileno". Evitar movimentos bruscos quando operar o equipamento, principalmente próximo às linhas energizadas. Atenção: Seja sempre cauteloso. A vida que está em risco é a sua. Por mais curta que seja a distância, nunca viaje dentro da cesta. Pense sempre em segurança. Cuidado: Um braço molhado ou sujo pode tornar-se um bom condutor e resultar em risco de segurança. Parar completamente o equipamento antes de mudar o sentido de rotação.
  • 9. www.veronezi.com.br PRÁTICAS OPERACIONAIS COM CESTAS AÉREAS PÓS-OPERAÇÃO Ao finalizar a operação alguns procedimentos devem ser tomados. Abaixar os braços o suficiente para livrá-los da área de trabalho e de qualquer obstáculo. Girar os braços trazendo-os à posição de descanso. Abaixar os braços o suficiente para trazer a caçamba a uma posição conveniente para sair da carroceria do veículo. Desamarrar o cinto de segurança e sair da caçamba. Colocar as capas de proteção da lança e das caçambas. Colocar o EQUIPAMENTO na posição de transporte, utilizando as alavancas de comando para movimentar o Giro, o Braço, a Lanças, até que todo o conjunto de lanças esteja apoiado no Berço; Acionar as alavancas dos Pés e recolhê-los totalmente. Verificar sempre se estão totalmente recolhidos; Recolher os Estabilizadores, travando-as com os respectivos pinos; Acionar a embreagem e desengatar a Tomada de Força (NUNCA ESQUECER ESTE PROCEDIMENTO) Recolher todo o material e ferramental utilizado na execução dos serviços e guardá-los convenientemente; Retirar os CALÇOS e CEPOS utilizados, recolher toda a sinalização de segurança e guardá-los convenientemente; Verificar para que não fique nenhum objeto deixado no local onde foi executado o serviço.
  • 10. www.veronezi.com.br PRÁTICAS OPERACIONAIS COM CESTAS AÉREAS MANUTENÇÃO A ocorrência de qualquer falha mecânica ou hidráulica, por mais simples que seja, deverá ser logo informada para que seja reparada por pessoa devidamente autorizada. Em hipótese alguma pessoas não habilitadas devem tentar reparar o equipamento no campo, pois podem comprometer o seu funcionamento e a segurança do trabalho. Danos para o equipamento e contratempos que põem em perigo a segurança do operador podem ser evitados através da inspeção pré-operacional diária do veículo, e do equipamento. O propósito dessa inspeção é descobrir sinais de defeito ou de falha de funcionamento. FERRAMENTAS BÁSICAS Para uma manutenção eficaz e eficiente, é importante o uso das ferramentas recomendadas. CONSIDERAÇÕES GERAIS A observância das instruções de manutenção é fundamental para o perfeito funcionamento do conjunto veículo-equipamento. A sua correta utilização torna a operação mais eficiente e prolonga a sua vida útil.
  • 11. www.veronezi.com.br PRÁTICAS OPERACIONAIS COM CESTAS AÉREAS Manutenção preventiva do equipamento O usuário deve proceder toda manutenção conforme recomenda o fabricante, para manter o equipamento em perfeitas condições de funcionamento. Os componentes hidráulicos são construídos com peças de alta precisão e pequenas tolerâncias, por isso, a limpeza do equipamento antes de se efetuar a manutenção é fator de extrema importância, para se evitar danos.
  • 12. www.veronezi.com.br PRÁTICAS OPERACIONAIS COM CESTAS AÉREAS CUIDADOS DIÁRIOS Verificar o nível do óleo do reservatório. Se o nível estiver muito abaixo, a bomba pode vai puxar o ar, causando danos irreversíveis; - Completar o reservatório, verificando antes o estado do óleo antigo; - Não misturar óleos de tipos ou marcas diferentes; Se o nível do óleo estiver acima da marca, verificar imediatamente a causa; Verificar a existência de peças soltas; Verificar a existência de pinos mal colocados ou faltando travas; Engraxar todos os pontos de lubrificação diária (tabela); Verificar o estado geral de conservação das mangueiras; Verificar a existência de vazamentos: - nos terminais e mangueiras, - nos cilindros hidráulicos, - no comando hidráulico, - nas válvulas; Verificar o Eixo Cardan e a Tomada de Força. Inspecionar as partes de fibra de vidro da lança, cestas, liners etc., quanto a possíveis trincas ou rachaduras, e a limpeza dos mesmos. Inspecionar os comandos superiores e inferior, os contra-pinos e cabos das barras de nivelamento. Inspecionar o posicionamento correto das mangueiras na articulação dos braços superiores e inferiores.
  • 13. www.veronezi.com.br PRÁTICAS OPERACIONAIS COM CESTAS AÉREAS ANTES DE CADA SAÍDA PARA SERVIÇO Verificar as cintas de travamento, fixando corretamente as lanças; Verificar a fixação de todo equipamento de modo geral; Verificar a colocação das coberturas da lança e cestas, e se estão apropriadamente instaladas. CUIDADOS SEMANAIS Proceder a limpeza geral de todo o equipamento. Os braços isolados e os protetores de polietileno (Liners) deverão ser lavados com água e sabão neutro, quinzenalmente ou quando a inspeção diária indicar a necessidade. Engraxar todos os pontos de lubrificação semanal (tabela). Efetuar a limpeza do filtro de ar do reservatório hidráulico. Verificar o estado de todos os componentes mecânicos. Verificar o desgaste dos pinos de articulação. Verificar as hastes dos cilindros hidráulicos quanto a entalhes e arranhaduras. Verificar e limpar os respiros de óleo. Verificar e reapertar, os pontos de fixação do eixo Cardan. CUIDADOS MENSAIS Verificar a pressão de trabalho; Revisão geral do equipamento; Efetuar o reaperto geral dos parafusos de fixação; Verificar pinos e buchas das articulações; Engraxar todos os pontos de lubrificação mensal.