SlideShare uma empresa Scribd logo
UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA
INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS
DEPARTAMENTO DE GEOLOGIA
PROSPECÇÃO MINERAL
Discentes: Ezequias Guimarães
Julyane Dálet
Docente: Geólogo Pedro Antônio
Doria Santiago dos Santos
Boa Vista, RR
2018
PROSPECÇÃO DE AU ALUVIONAR EM DIQUES DE
LAMPRÓFIRO, TEPEQUÉM-RR
EZEQUIAS GUIMARÃES
JULYANE DÁLET
PROSPECÇÃO DE AU ALUVIONAR EM DIQUES DE
LAMPRÓFIRO, TEPEQUÉM-RR
Trabalho apresentado para obtenção de nota parcial na
disciplina de Prospecção Mineral, departamento do
curso de bacharelado em Geologia da Universidade
Federal de Roraima, ministrada pela Profº Pedro
Antônio Doria S. dos Santos
Boa Vista, RR
2018
1. APRESENTAÇÃO
1.1 INTRODUÇÃO
No cráton Amazônico, lamprófiros cálcio-alcalinos foram reconhecidos no
noroeste e sudoeste do Estado do Pará (Rodrigues et al 1988, Vasquez et al.
2000), sendo esta a primeira referência à presença de lamprófiros na região de
Roraima.
Este trabalho tem enfoque nos diques de Lamprófiro que ocorrem a Sul da
Serra Tepequém no Estado de Roraima. Os Lamprofiros são compostos por
Espessartitos.
Os diques apresentam direções muito variadas, de E-W a NW-SE e NE-SW, e
estão distribuídos por grande parte da folha Vila de Tepequém.
2. EXPLORAÇÃO GEOLÓGICA
 Levantamento de dados secundários: escala 1:100.000
 Auxílio de Imagens de Sensores Remotos
 Levantamento de dados geológico e geofísicos dos mapeamentos
existentes
• Geológicos (CPRM, 2010)
• Aerogeofísicos (CPRM, 2004)
• Geoquímicos (CPRM, 1999; 2004; FRAGA ,2002)
• Metalogenéticos (CPRM, 1999)
 Escolha de áreas para início da pesquisa baseado nessas informações
 Confecção de mapa das áreas de interesse
 Visitas às áreas potencias: reconhecimento geológico com amostragem não
sistemática
2.1. LOCALIZAÇÃO
Figura 1: Mapa de localização da área de estudo.
Fonte: Os autores.
Figura 2: Mapa geológico da área.
Fonte: Os autores.
2.2 PETROLOGIA
• Lamprófiros cálcio-alcalinos;
• São rochas cinza a cinza esverdeado escuras, magnéticas e, em geral,
porfiríticas, contendo fenocristais de granulação média ou grossa imersos em
matriz muito fina a afanítica;
• Nesta região, é comum a ocorrência dos diques lamprofíricos ladeando
diques de diabásio Avanavero
•Rochas de afinidade lamprofírica, na forma de diques e em corpos de
efusivas, estão relacionadas à unidade Lamprófiro Serra do Cupim.
•Fenocristais de hornblenda e, mais raramente, de augita, no meio de uma
matriz fina, formada essencialmente por plagioclásio e anfibólio.
• Fenocristais de biotita são raros e fenocristais de plagioclásio, quando
presentes, exibem forte corrosão, sugerindo que se tratem de xenocristais.
• A matriz é formada por uma trama de ripas de plagioclásio e prismas ou
agulhas de hornblenda ou actinolita.
•Quartzo e feldspato potássico podem ocorrer em interstícios.
2.2.1. Espessartito
•Magnetita titanífera e apatita estão dispersas e a pirita é rara.
•A alteração afeta quase todos os espessartitos, com
substituição dos piroxênios por anfibólio fibroso, epidoto e
clorita, e do plagioclásio da matriz por epidoto e sericita.
•Titanita e vênulas de epídoto ocorrem nos lamprófiros mais
alterados.
2.3. GEOFÍSICA DA ÁREA
Figura 4: Mapa Magnetométrico.
Fonte: CPRM, 2010.
Figura 5: Mapa gamaespectrométrico.
Fonte: CPRM, 2010.
2.4. METALOGÊNESE DA ÁREA
Figura 6: Mapa metalogenético.
Fonte: CPRM, 1999.
OURO
Área mineralizada provável para ouro, com presença de
garimpos de ouro em aluviões e veios de quartzo,
relacionados a uma fatia tectônica constituída de
metavulcânicas ácidas a intermediárias (Grupo Surumu),
além de granitóides das Suítes Intrusivas Pedra Pintada e
Saracura. Todo conjunto está intensamente deformado,
ocorrendo alteração hidrotermal nas metavulcânicas
(sericitização, epidotização e carbonatação). Nos
granitóides é intensa a incidência de veios quartzosos, onde
se verifica normalmente a mineralização de ouro.
GEOQUÍMICA
ESTAÇÕES ANÔMALAS
Em concentrado de bateia
Au19 (n de pintas )
Pb7 (n de grãos de cerussita)
Zr5-25, mz5-25 (% do peso do concentrado )
Sn<1 ( peso do concentrado)
3. PROSPECÇÃO GEOLÓGICA
 Mapeamentos de semi-detalhe
 Seleção das áreas alvo: confecção de mapa
• Área total: ≅ 0,15 Km2
• Implantação da linha base
• Piquetes espaçados em intervalos regulares (50 x 50m)
 Amostragens de rochas encaixantes e solos expostos na superfície
• Coleta sistemática de rochas do Dique de Lamprofíro e unidades
encaixantes
• Análises petrográficas e mineralógicas
 Prospecção com uso da bateia para obter os mineiras pesados presentes
em aluvião ou solo residual e sedimentos de corrente
• Elaboração de um banco de dados sobre as ocorrências minerais
encontradas
• Confecção de mapas de distribuição geoquímica e mineral;
• Definição de áreas com anomalias de diferentes ordens
3.1. SELEÇÃO DAS ÁREAS ALVO
 Concentrados de bateia:
• Montante para jusante;
• Trechos de drenagens
com concentradores
naturais;
• Parte mais profunda do
leito;
 Sedimentos de corrente:
• Trechos retilíneos de drenagens;
• Bons resultados: dispersão clástica;
• Análise multielementar de
elementos traços (ppm), menores e
maiores (%);
3.2. GEOQUÍMICA
3.2.1. Coleta sistemática de amostras
Tabela 1: Classificação e composição mineralógica aproximada de rochas da unidade
Lámprófiro Serra do Cupim quimicamente analisadas.
Fonte: CPRM, 2010.
Tabela 2: Composição química das amostras da unidade Lamprófiro Serra do Cupim.
Tabela 2: Composição química das amostras da unidade Lamprófiro Serra do Cupim.
Tabela 2: Composição química das amostras da unidade Lamprófiro Serra do Cupim.
Fonte: CPRM, 2010.
Figura 5: (a) Enxame de diques de lamprófiro cortando granitóide da Suíte Pedra Pintada.
Afloramento HG-14; (b) Detalhe do afloramento da foto anterior (HG-14) para mostrar as bordas
irregulares e ramificações exibidas pelos diques da unidade Serra do Cupim;
Fonte: CPRM, 2010.
Figura 5: (c) Fenocristais de hornblenda marron contendo inclusões de material fino da matriz no
núcleo, em espessartito de dique. Lâmina LM-69C, luz plano-polarizada; (d) Fenocristal
idiomórfico, maclado, de hornblenda (à esquerda) e xenocristal (?) fortemente corroído de
plagioclásio (à direita), em espessartito de dique. Lâmina LM-73B, luz plano-polarizada.
Fonte: CPRM, 2010.
Figura 6: (a) Comportamento das amostras da unidade Lamprófiro Serra do Cupim nos
diagramas: TAS (Le Maitre et al. 1989), com limite dos campos alcalinos e subalcalino
segundo Irvine e Baragar (1971); (b) AFM, com campos segundo Irvine e Baragar
(1971);
Figura 6: (C) SiO2 Versus
K2O (Campos de baixo-,
médio, alto-k e
shoshonítico de acordo
com Cerillo e Taylor
1976, modificado por
Rickwood 1989).
Fonte: CPRM, 2010.
Figura 7: Comportamento das amostras da unidade Lamprófiro Serra do Cupim nos diagramas:
(a) SiO2 versus TiO2; (b) SiO2 versus FeO*; (c) SiO2 versus MagO; (d) SiO2 versus Ni.
Figura 7:(c) SiO2 versus MagO; (d) SiO2 versus Ni.
Fonte: CPRM, 2010.
Figura 8: Padrão de distribuição dos ETR das amostras de diques, incluindo um espessartito
(círculo parcialmente preenchido).
Fonte: CPRM, 2010.
•Os lamprófiros cálcio-alcalinos que ocorrem como diques no sudoeste do
Estado do Pará, designados de Lamprófiros, são considerados como
manifestações finais do magmatismo granítico pós-orogênico a anorogênico;
•As idades obtidas para os lamprófiros de Roraima (1766 ± 6Ma e 1735 ±
7Ma, Pb-Pb) são, no entanto, cerca de 200Ma mais jovens do que os granitos
locais, e se aproximam da idade dos diabásios toleiíticos da unidade
Avanavero, que é de 1778 ± 12Ma.
•Este quadro sugere que o magmatismo lamprofírico em Roraima relaciona-se
com processos de extensão crustal em ambiente intracontinental.
4. CORRELAÇÃO
CPRM. (1999). Programa Levantamentos Geológicos Básicos do Brasil. Projeto Roraima Central, Folhas NA.20-X-B e NA.20-X-D (inteiras),
NA.20-X-A, NA.20-X-C, NA.21-V-A e NA.21-V-C (parciais). Escala 1:500.000. Estado do Amazonas.
PEREIRA, R.M. Fundamentos de Prospecção Mineral. Editora Interciência, Rio de Janeiro, 2003.
SILVA, M. G. et al. Metalogênese das províncias tectônicas brasileiras. Belo Horizonte: CPRM, 2014. 589 p. : il.
CPRM. Programa Levantamentos Geológicos Básicos do Brasil. Roraima Central, Folhas NA.20-X-B e NA.20-X-D
(integrais), NA.20-X-A, NA.20- X-C, NA.21-V-A e NA.21-V-C (parciais). Escala 1:500.000. Estado de Roraima.
Superintendência Regional de Manaus, 1999, 166 p.
CPRM. Projeto GIS do Brasil - Sistemas de Informações geográficas do Brasil - Carta Geológica do Brasil ao
milionésimo. Mapa geológico do Estado de Roraima Escala 1:1000.000. Brasília: CPRM, 2004.
DNPM. Economia Mineral do Brasil. 1 ed. Departamento Nacional de Produção Mineral, 2009. 764 p.
DNPM. Caracterização de depósitos minerais em distritos mineiros da Amazônia. 1 ed. Departamento Nacional de
Produção Mineral, 2005, 782 p.
CPRM – SERVIÇO GEOLÓGICO DO BRASIL. Projeto GIS do Brasil - Sistemas de Informações geográficas do Brasil - Carta Geológica do
Brasil ao milionésimo. Mapa geológico do Estado de Roraima Escala 1:1000.000. Brasília: CPRM, 2004.
28
4. REFERÊNCIAS

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

4th Reunião Bienal Latinmag 2015
4th Reunião Bienal Latinmag 20154th Reunião Bienal Latinmag 2015
4th Reunião Bienal Latinmag 2015
Astrid Siachoque
 
ORIGENS E AMBIENTES TECTÔNICOS DE GRANITOS TIPO A
ORIGENS E AMBIENTES TECTÔNICOS DE GRANITOS TIPO AORIGENS E AMBIENTES TECTÔNICOS DE GRANITOS TIPO A
ORIGENS E AMBIENTES TECTÔNICOS DE GRANITOS TIPO A
Astrid Siachoque
 
14 Simpósio de Geologia da Amazônia
14 Simpósio de Geologia da Amazônia 14 Simpósio de Geologia da Amazônia
14 Simpósio de Geologia da Amazônia
Astrid Siachoque
 
RECONHECIMENTO GEOLÓGICO DE CAMPO: BACIA DO PARNAÍBA (TOCANTIS) E BACIA SAN F...
RECONHECIMENTO GEOLÓGICO DE CAMPO: BACIA DO PARNAÍBA (TOCANTIS) E BACIA SAN F...RECONHECIMENTO GEOLÓGICO DE CAMPO: BACIA DO PARNAÍBA (TOCANTIS) E BACIA SAN F...
RECONHECIMENTO GEOLÓGICO DE CAMPO: BACIA DO PARNAÍBA (TOCANTIS) E BACIA SAN F...
Diego Timoteo
 
Geo – geomorfologia do brasil 01 – 2013
Geo – geomorfologia do brasil 01 – 2013Geo – geomorfologia do brasil 01 – 2013
Geo – geomorfologia do brasil 01 – 2013
Jakson Raphael Pereira Barbosa
 
Estrutura geologica relevo2
Estrutura geologica relevo2Estrutura geologica relevo2
Estrutura geologica relevo2
Laudo Santos
 
Classificação do relevo
Classificação do relevoClassificação do relevo
Classificação do relevo
Raquel Avila
 
formações Irati, Corumbataí, Botucatu e Marilia
formações Irati, Corumbataí, Botucatu e Mariliaformações Irati, Corumbataí, Botucatu e Marilia
formações Irati, Corumbataí, Botucatu e Marilia
Clara Souza
 
Relevo brasileiro segundo Jurandir Ross.
Relevo brasileiro segundo Jurandir Ross.Relevo brasileiro segundo Jurandir Ross.
Relevo brasileiro segundo Jurandir Ross.
FABEJA
 
Relevo de Pernambuco
Relevo de PernambucoRelevo de Pernambuco
Relevo de Pernambuco
FABEJA
 
Relevodobrasil 2006[1]
Relevodobrasil 2006[1]Relevodobrasil 2006[1]
Relevodobrasil 2006[1]
Alano Hellery Alano
 
SBGF0108_07
SBGF0108_07SBGF0108_07
SBGF0108_07
Maria Pessoa
 
Classificação do Relevo Brasileiro
Classificação do Relevo BrasileiroClassificação do Relevo Brasileiro
Classificação do Relevo Brasileiro
Fernanda Clara
 
RELATÓRIO DE ATIVIDADES DE CAMPO DA DISCIPLINA DE GEOQUÍMICA GERAL
RELATÓRIO DE ATIVIDADES DE CAMPO DA DISCIPLINA DE GEOQUÍMICA GERALRELATÓRIO DE ATIVIDADES DE CAMPO DA DISCIPLINA DE GEOQUÍMICA GERAL
RELATÓRIO DE ATIVIDADES DE CAMPO DA DISCIPLINA DE GEOQUÍMICA GERAL
Ezequias Guimaraes
 
Ifes aula 7-brasil-relevo_e_estrutura_geológica
Ifes aula 7-brasil-relevo_e_estrutura_geológicaIfes aula 7-brasil-relevo_e_estrutura_geológica
Ifes aula 7-brasil-relevo_e_estrutura_geológica
Kéliton Ferreira
 
Geoquímica dos elementos Terras Raras
Geoquímica dos elementos Terras RarasGeoquímica dos elementos Terras Raras
Geoquímica dos elementos Terras Raras
Cidinhoveronese
 
Relevo brasileiro
Relevo brasileiroRelevo brasileiro
Relevo brasileiro
dela28
 
RELATÓRIO DE ATIVIDADE DE CAMPO DA DISCIPLINA DE ESTRATIGRAFIA
RELATÓRIO DE ATIVIDADE DE CAMPO DA DISCIPLINA DE ESTRATIGRAFIARELATÓRIO DE ATIVIDADE DE CAMPO DA DISCIPLINA DE ESTRATIGRAFIA
RELATÓRIO DE ATIVIDADE DE CAMPO DA DISCIPLINA DE ESTRATIGRAFIA
Ezequias Guimaraes
 
Teste geologia 12 primeiro período 14 15 recuperação
Teste geologia 12 primeiro período 14 15 recuperaçãoTeste geologia 12 primeiro período 14 15 recuperação
Teste geologia 12 primeiro período 14 15 recuperação
Estela Costa
 
Geografia brasil relevo vvv
Geografia brasil relevo vvvGeografia brasil relevo vvv
Geografia brasil relevo vvv
Maria Cledionora Tavares Tavares
 

Mais procurados (20)

4th Reunião Bienal Latinmag 2015
4th Reunião Bienal Latinmag 20154th Reunião Bienal Latinmag 2015
4th Reunião Bienal Latinmag 2015
 
ORIGENS E AMBIENTES TECTÔNICOS DE GRANITOS TIPO A
ORIGENS E AMBIENTES TECTÔNICOS DE GRANITOS TIPO AORIGENS E AMBIENTES TECTÔNICOS DE GRANITOS TIPO A
ORIGENS E AMBIENTES TECTÔNICOS DE GRANITOS TIPO A
 
14 Simpósio de Geologia da Amazônia
14 Simpósio de Geologia da Amazônia 14 Simpósio de Geologia da Amazônia
14 Simpósio de Geologia da Amazônia
 
RECONHECIMENTO GEOLÓGICO DE CAMPO: BACIA DO PARNAÍBA (TOCANTIS) E BACIA SAN F...
RECONHECIMENTO GEOLÓGICO DE CAMPO: BACIA DO PARNAÍBA (TOCANTIS) E BACIA SAN F...RECONHECIMENTO GEOLÓGICO DE CAMPO: BACIA DO PARNAÍBA (TOCANTIS) E BACIA SAN F...
RECONHECIMENTO GEOLÓGICO DE CAMPO: BACIA DO PARNAÍBA (TOCANTIS) E BACIA SAN F...
 
Geo – geomorfologia do brasil 01 – 2013
Geo – geomorfologia do brasil 01 – 2013Geo – geomorfologia do brasil 01 – 2013
Geo – geomorfologia do brasil 01 – 2013
 
Estrutura geologica relevo2
Estrutura geologica relevo2Estrutura geologica relevo2
Estrutura geologica relevo2
 
Classificação do relevo
Classificação do relevoClassificação do relevo
Classificação do relevo
 
formações Irati, Corumbataí, Botucatu e Marilia
formações Irati, Corumbataí, Botucatu e Mariliaformações Irati, Corumbataí, Botucatu e Marilia
formações Irati, Corumbataí, Botucatu e Marilia
 
Relevo brasileiro segundo Jurandir Ross.
Relevo brasileiro segundo Jurandir Ross.Relevo brasileiro segundo Jurandir Ross.
Relevo brasileiro segundo Jurandir Ross.
 
Relevo de Pernambuco
Relevo de PernambucoRelevo de Pernambuco
Relevo de Pernambuco
 
Relevodobrasil 2006[1]
Relevodobrasil 2006[1]Relevodobrasil 2006[1]
Relevodobrasil 2006[1]
 
SBGF0108_07
SBGF0108_07SBGF0108_07
SBGF0108_07
 
Classificação do Relevo Brasileiro
Classificação do Relevo BrasileiroClassificação do Relevo Brasileiro
Classificação do Relevo Brasileiro
 
RELATÓRIO DE ATIVIDADES DE CAMPO DA DISCIPLINA DE GEOQUÍMICA GERAL
RELATÓRIO DE ATIVIDADES DE CAMPO DA DISCIPLINA DE GEOQUÍMICA GERALRELATÓRIO DE ATIVIDADES DE CAMPO DA DISCIPLINA DE GEOQUÍMICA GERAL
RELATÓRIO DE ATIVIDADES DE CAMPO DA DISCIPLINA DE GEOQUÍMICA GERAL
 
Ifes aula 7-brasil-relevo_e_estrutura_geológica
Ifes aula 7-brasil-relevo_e_estrutura_geológicaIfes aula 7-brasil-relevo_e_estrutura_geológica
Ifes aula 7-brasil-relevo_e_estrutura_geológica
 
Geoquímica dos elementos Terras Raras
Geoquímica dos elementos Terras RarasGeoquímica dos elementos Terras Raras
Geoquímica dos elementos Terras Raras
 
Relevo brasileiro
Relevo brasileiroRelevo brasileiro
Relevo brasileiro
 
RELATÓRIO DE ATIVIDADE DE CAMPO DA DISCIPLINA DE ESTRATIGRAFIA
RELATÓRIO DE ATIVIDADE DE CAMPO DA DISCIPLINA DE ESTRATIGRAFIARELATÓRIO DE ATIVIDADE DE CAMPO DA DISCIPLINA DE ESTRATIGRAFIA
RELATÓRIO DE ATIVIDADE DE CAMPO DA DISCIPLINA DE ESTRATIGRAFIA
 
Teste geologia 12 primeiro período 14 15 recuperação
Teste geologia 12 primeiro período 14 15 recuperaçãoTeste geologia 12 primeiro período 14 15 recuperação
Teste geologia 12 primeiro período 14 15 recuperação
 
Geografia brasil relevo vvv
Geografia brasil relevo vvvGeografia brasil relevo vvv
Geografia brasil relevo vvv
 

Semelhante a Prospecção de au aluvionar em diques de lamprófiro, tepequém rr

Geologia de Roraima
Geologia de RoraimaGeologia de Roraima
Geologia de Roraima
Ezequias Guimaraes
 
Diagnóstico Ambiental do Sítio Arqueológico GO-JA-02.pptx
Diagnóstico Ambiental do Sítio Arqueológico GO-JA-02.pptxDiagnóstico Ambiental do Sítio Arqueológico GO-JA-02.pptx
Diagnóstico Ambiental do Sítio Arqueológico GO-JA-02.pptx
Pedro Mateus Procedino
 
Sumario executivo
Sumario executivoSumario executivo
Sumario executivo
Sergio Rodriguez
 
O CINTURÃO GUIANA CENTRAL.pdf
O CINTURÃO GUIANA CENTRAL.pdfO CINTURÃO GUIANA CENTRAL.pdf
O CINTURÃO GUIANA CENTRAL.pdf
Ezequias Guimaraes
 
Geologia de Roraima - Bacia do Tacutu
Geologia de Roraima - Bacia do TacutuGeologia de Roraima - Bacia do Tacutu
Geologia de Roraima - Bacia do Tacutu
Ezequias Guimaraes
 
MAPEAMENTO DE AQUÍFEROS NA CIDADE DE MANAUS
MAPEAMENTO DE AQUÍFEROS NA CIDADE DE MANAUSMAPEAMENTO DE AQUÍFEROS NA CIDADE DE MANAUS
MAPEAMENTO DE AQUÍFEROS NA CIDADE DE MANAUS
Ezequias Guimaraes
 
Julia cardoso jornada pibic embrapa 2016
Julia cardoso jornada pibic embrapa 2016Julia cardoso jornada pibic embrapa 2016
Julia cardoso jornada pibic embrapa 2016
Wenceslau Teixeira
 
Datacao Absoluta das Rochas mediante o metodo (Rubidio - Estroncio)
Datacao Absoluta das Rochas mediante o metodo (Rubidio - Estroncio)Datacao Absoluta das Rochas mediante o metodo (Rubidio - Estroncio)
Datacao Absoluta das Rochas mediante o metodo (Rubidio - Estroncio)
Ernesto Alberto Guilengue
 
Gênese de solos coesos do leste maranhense: relação solo-paisagem​
Gênese de solos coesos do leste maranhense: relação solo-paisagem​Gênese de solos coesos do leste maranhense: relação solo-paisagem​
Gênese de solos coesos do leste maranhense: relação solo-paisagem​
Yasmin Sampaio
 
02_ Depósitos_Magmaticos_Parte_I_2023.pdf
02_ Depósitos_Magmaticos_Parte_I_2023.pdf02_ Depósitos_Magmaticos_Parte_I_2023.pdf
02_ Depósitos_Magmaticos_Parte_I_2023.pdf
LeandroRamos780003
 
Caracterização ambiental paracatu - scribd
Caracterização ambiental   paracatu - scribdCaracterização ambiental   paracatu - scribd
Caracterização ambiental paracatu - scribd
Projeto_SACD
 
Quimica mineral nova versão para apresentaçaõ ao 11º congresso
Quimica mineral nova versão para apresentaçaõ ao 11º congressoQuimica mineral nova versão para apresentaçaõ ao 11º congresso
Quimica mineral nova versão para apresentaçaõ ao 11º congresso
ceaduan01
 
ARCABOUÇO ESTRATIGRÁFICO DOS DEPÓSITOS PERMIANOS DA BACIA DE PARANÁ
ARCABOUÇO ESTRATIGRÁFICO DOS DEPÓSITOS PERMIANOS DA BACIA DE PARANÁARCABOUÇO ESTRATIGRÁFICO DOS DEPÓSITOS PERMIANOS DA BACIA DE PARANÁ
ARCABOUÇO ESTRATIGRÁFICO DOS DEPÓSITOS PERMIANOS DA BACIA DE PARANÁ
Diego Timoteo
 
Níquel laterítico em Niquelândia-GO
Níquel laterítico em Niquelândia-GONíquel laterítico em Niquelândia-GO
Níquel laterítico em Niquelândia-GO
Nome Sobrenome
 
Nódulos polimetálicos (Sedimentação Marinha)
Nódulos polimetálicos (Sedimentação Marinha)Nódulos polimetálicos (Sedimentação Marinha)
Nódulos polimetálicos (Sedimentação Marinha)
Thay Santos
 
Litosfera
LitosferaLitosfera
Pedogênese de Planossolos em Topossequência no Agreste Pernambucano
Pedogênese de Planossolos em Topossequência no Agreste PernambucanoPedogênese de Planossolos em Topossequência no Agreste Pernambucano
Pedogênese de Planossolos em Topossequência no Agreste Pernambucano
Phelipe Gonçalves
 
Depósito de Fe–Cu na região de Kangdian, SW
Depósito de Fe–Cu na região de Kangdian, SWDepósito de Fe–Cu na região de Kangdian, SW
Depósito de Fe–Cu na região de Kangdian, SW
Nome Sobrenome
 
Apresenta..
Apresenta..Apresenta..
Apresenta..
silva282004
 
Bacia do paraná - Aspectos gerais e geologicos
Bacia do paraná - Aspectos gerais e geologicosBacia do paraná - Aspectos gerais e geologicos
Bacia do paraná - Aspectos gerais e geologicos
Clara Souza
 

Semelhante a Prospecção de au aluvionar em diques de lamprófiro, tepequém rr (20)

Geologia de Roraima
Geologia de RoraimaGeologia de Roraima
Geologia de Roraima
 
Diagnóstico Ambiental do Sítio Arqueológico GO-JA-02.pptx
Diagnóstico Ambiental do Sítio Arqueológico GO-JA-02.pptxDiagnóstico Ambiental do Sítio Arqueológico GO-JA-02.pptx
Diagnóstico Ambiental do Sítio Arqueológico GO-JA-02.pptx
 
Sumario executivo
Sumario executivoSumario executivo
Sumario executivo
 
O CINTURÃO GUIANA CENTRAL.pdf
O CINTURÃO GUIANA CENTRAL.pdfO CINTURÃO GUIANA CENTRAL.pdf
O CINTURÃO GUIANA CENTRAL.pdf
 
Geologia de Roraima - Bacia do Tacutu
Geologia de Roraima - Bacia do TacutuGeologia de Roraima - Bacia do Tacutu
Geologia de Roraima - Bacia do Tacutu
 
MAPEAMENTO DE AQUÍFEROS NA CIDADE DE MANAUS
MAPEAMENTO DE AQUÍFEROS NA CIDADE DE MANAUSMAPEAMENTO DE AQUÍFEROS NA CIDADE DE MANAUS
MAPEAMENTO DE AQUÍFEROS NA CIDADE DE MANAUS
 
Julia cardoso jornada pibic embrapa 2016
Julia cardoso jornada pibic embrapa 2016Julia cardoso jornada pibic embrapa 2016
Julia cardoso jornada pibic embrapa 2016
 
Datacao Absoluta das Rochas mediante o metodo (Rubidio - Estroncio)
Datacao Absoluta das Rochas mediante o metodo (Rubidio - Estroncio)Datacao Absoluta das Rochas mediante o metodo (Rubidio - Estroncio)
Datacao Absoluta das Rochas mediante o metodo (Rubidio - Estroncio)
 
Gênese de solos coesos do leste maranhense: relação solo-paisagem​
Gênese de solos coesos do leste maranhense: relação solo-paisagem​Gênese de solos coesos do leste maranhense: relação solo-paisagem​
Gênese de solos coesos do leste maranhense: relação solo-paisagem​
 
02_ Depósitos_Magmaticos_Parte_I_2023.pdf
02_ Depósitos_Magmaticos_Parte_I_2023.pdf02_ Depósitos_Magmaticos_Parte_I_2023.pdf
02_ Depósitos_Magmaticos_Parte_I_2023.pdf
 
Caracterização ambiental paracatu - scribd
Caracterização ambiental   paracatu - scribdCaracterização ambiental   paracatu - scribd
Caracterização ambiental paracatu - scribd
 
Quimica mineral nova versão para apresentaçaõ ao 11º congresso
Quimica mineral nova versão para apresentaçaõ ao 11º congressoQuimica mineral nova versão para apresentaçaõ ao 11º congresso
Quimica mineral nova versão para apresentaçaõ ao 11º congresso
 
ARCABOUÇO ESTRATIGRÁFICO DOS DEPÓSITOS PERMIANOS DA BACIA DE PARANÁ
ARCABOUÇO ESTRATIGRÁFICO DOS DEPÓSITOS PERMIANOS DA BACIA DE PARANÁARCABOUÇO ESTRATIGRÁFICO DOS DEPÓSITOS PERMIANOS DA BACIA DE PARANÁ
ARCABOUÇO ESTRATIGRÁFICO DOS DEPÓSITOS PERMIANOS DA BACIA DE PARANÁ
 
Níquel laterítico em Niquelândia-GO
Níquel laterítico em Niquelândia-GONíquel laterítico em Niquelândia-GO
Níquel laterítico em Niquelândia-GO
 
Nódulos polimetálicos (Sedimentação Marinha)
Nódulos polimetálicos (Sedimentação Marinha)Nódulos polimetálicos (Sedimentação Marinha)
Nódulos polimetálicos (Sedimentação Marinha)
 
Litosfera
LitosferaLitosfera
Litosfera
 
Pedogênese de Planossolos em Topossequência no Agreste Pernambucano
Pedogênese de Planossolos em Topossequência no Agreste PernambucanoPedogênese de Planossolos em Topossequência no Agreste Pernambucano
Pedogênese de Planossolos em Topossequência no Agreste Pernambucano
 
Depósito de Fe–Cu na região de Kangdian, SW
Depósito de Fe–Cu na região de Kangdian, SWDepósito de Fe–Cu na região de Kangdian, SW
Depósito de Fe–Cu na região de Kangdian, SW
 
Apresenta..
Apresenta..Apresenta..
Apresenta..
 
Bacia do paraná - Aspectos gerais e geologicos
Bacia do paraná - Aspectos gerais e geologicosBacia do paraná - Aspectos gerais e geologicos
Bacia do paraná - Aspectos gerais e geologicos
 

Mais de Ezequias Guimaraes

VULNERABILIDADE NATURAL À CONTAMINAÇÃO DOS AQUÍFEROS DA SUB-BACIA DO RIO SIRI...
VULNERABILIDADE NATURAL À CONTAMINAÇÃO DOS AQUÍFEROS DA SUB-BACIA DO RIO SIRI...VULNERABILIDADE NATURAL À CONTAMINAÇÃO DOS AQUÍFEROS DA SUB-BACIA DO RIO SIRI...
VULNERABILIDADE NATURAL À CONTAMINAÇÃO DOS AQUÍFEROS DA SUB-BACIA DO RIO SIRI...
Ezequias Guimaraes
 
Interface homem-maquina
Interface  homem-maquinaInterface  homem-maquina
Interface homem-maquina
Ezequias Guimaraes
 
A Eletricidade e suas Aplicações - Termoelétricas
A Eletricidade e suas Aplicações - TermoelétricasA Eletricidade e suas Aplicações - Termoelétricas
A Eletricidade e suas Aplicações - Termoelétricas
Ezequias Guimaraes
 
TV Series to improve your English
TV Series to improve your EnglishTV Series to improve your English
TV Series to improve your English
Ezequias Guimaraes
 
Movie and Book - The Color Purple
Movie and Book - The Color PurpleMovie and Book - The Color Purple
Movie and Book - The Color Purple
Ezequias Guimaraes
 
Political system of the USA
Political system of the USAPolitical system of the USA
Political system of the USA
Ezequias Guimaraes
 
TV Series Outlander
TV Series OutlanderTV Series Outlander
TV Series Outlander
Ezequias Guimaraes
 
Proyecto para extracción de crudo
Proyecto para extracción de crudoProyecto para extracción de crudo
Proyecto para extracción de crudo
Ezequias Guimaraes
 
BOOK - THE FOUR AGREEMENTS
BOOK - THE FOUR AGREEMENTS BOOK - THE FOUR AGREEMENTS
BOOK - THE FOUR AGREEMENTS
Ezequias Guimaraes
 
PLAN DE NEGOCIO - PLATAFORMA PETROLERA
PLAN DE NEGOCIO - PLATAFORMA PETROLERAPLAN DE NEGOCIO - PLATAFORMA PETROLERA
PLAN DE NEGOCIO - PLATAFORMA PETROLERA
Ezequias Guimaraes
 
PROYECTO DE UNA PLATAFORMA PETROLERA
PROYECTO DE UNA PLATAFORMA PETROLERA PROYECTO DE UNA PLATAFORMA PETROLERA
PROYECTO DE UNA PLATAFORMA PETROLERA
Ezequias Guimaraes
 
PLAN MUNICIPAL DE DESARROLLO CELAYA 2012-2037
PLAN MUNICIPAL DE DESARROLLO CELAYA 2012-2037PLAN MUNICIPAL DE DESARROLLO CELAYA 2012-2037
PLAN MUNICIPAL DE DESARROLLO CELAYA 2012-2037
Ezequias Guimaraes
 
METODO DE REDES - IMPACTO FINAL
METODO DE REDES - IMPACTO FINALMETODO DE REDES - IMPACTO FINAL
METODO DE REDES - IMPACTO FINAL
Ezequias Guimaraes
 
CONTAMINANTES DEL SUELO - METALES PESADOS
CONTAMINANTES DEL SUELO - METALES PESADOSCONTAMINANTES DEL SUELO - METALES PESADOS
CONTAMINANTES DEL SUELO - METALES PESADOS
Ezequias Guimaraes
 
LICENCIA DE FUNCIONAMIENTO
LICENCIA DE FUNCIONAMIENTOLICENCIA DE FUNCIONAMIENTO
LICENCIA DE FUNCIONAMIENTO
Ezequias Guimaraes
 
Vertederos Trapezoidales
Vertederos TrapezoidalesVertederos Trapezoidales
Vertederos Trapezoidales
Ezequias Guimaraes
 
Fundamentos de aguas residuales - ABSORCIÓN
Fundamentos de aguas residuales - ABSORCIÓNFundamentos de aguas residuales - ABSORCIÓN
Fundamentos de aguas residuales - ABSORCIÓN
Ezequias Guimaraes
 
Fundamentos de aguas residuales - FILTRACIÓN
Fundamentos de aguas residuales - FILTRACIÓNFundamentos de aguas residuales - FILTRACIÓN
Fundamentos de aguas residuales - FILTRACIÓN
Ezequias Guimaraes
 
Remediación de Suelos
Remediación de SuelosRemediación de Suelos
Remediación de Suelos
Ezequias Guimaraes
 
Energia Renovável
Energia RenovávelEnergia Renovável
Energia Renovável
Ezequias Guimaraes
 

Mais de Ezequias Guimaraes (20)

VULNERABILIDADE NATURAL À CONTAMINAÇÃO DOS AQUÍFEROS DA SUB-BACIA DO RIO SIRI...
VULNERABILIDADE NATURAL À CONTAMINAÇÃO DOS AQUÍFEROS DA SUB-BACIA DO RIO SIRI...VULNERABILIDADE NATURAL À CONTAMINAÇÃO DOS AQUÍFEROS DA SUB-BACIA DO RIO SIRI...
VULNERABILIDADE NATURAL À CONTAMINAÇÃO DOS AQUÍFEROS DA SUB-BACIA DO RIO SIRI...
 
Interface homem-maquina
Interface  homem-maquinaInterface  homem-maquina
Interface homem-maquina
 
A Eletricidade e suas Aplicações - Termoelétricas
A Eletricidade e suas Aplicações - TermoelétricasA Eletricidade e suas Aplicações - Termoelétricas
A Eletricidade e suas Aplicações - Termoelétricas
 
TV Series to improve your English
TV Series to improve your EnglishTV Series to improve your English
TV Series to improve your English
 
Movie and Book - The Color Purple
Movie and Book - The Color PurpleMovie and Book - The Color Purple
Movie and Book - The Color Purple
 
Political system of the USA
Political system of the USAPolitical system of the USA
Political system of the USA
 
TV Series Outlander
TV Series OutlanderTV Series Outlander
TV Series Outlander
 
Proyecto para extracción de crudo
Proyecto para extracción de crudoProyecto para extracción de crudo
Proyecto para extracción de crudo
 
BOOK - THE FOUR AGREEMENTS
BOOK - THE FOUR AGREEMENTS BOOK - THE FOUR AGREEMENTS
BOOK - THE FOUR AGREEMENTS
 
PLAN DE NEGOCIO - PLATAFORMA PETROLERA
PLAN DE NEGOCIO - PLATAFORMA PETROLERAPLAN DE NEGOCIO - PLATAFORMA PETROLERA
PLAN DE NEGOCIO - PLATAFORMA PETROLERA
 
PROYECTO DE UNA PLATAFORMA PETROLERA
PROYECTO DE UNA PLATAFORMA PETROLERA PROYECTO DE UNA PLATAFORMA PETROLERA
PROYECTO DE UNA PLATAFORMA PETROLERA
 
PLAN MUNICIPAL DE DESARROLLO CELAYA 2012-2037
PLAN MUNICIPAL DE DESARROLLO CELAYA 2012-2037PLAN MUNICIPAL DE DESARROLLO CELAYA 2012-2037
PLAN MUNICIPAL DE DESARROLLO CELAYA 2012-2037
 
METODO DE REDES - IMPACTO FINAL
METODO DE REDES - IMPACTO FINALMETODO DE REDES - IMPACTO FINAL
METODO DE REDES - IMPACTO FINAL
 
CONTAMINANTES DEL SUELO - METALES PESADOS
CONTAMINANTES DEL SUELO - METALES PESADOSCONTAMINANTES DEL SUELO - METALES PESADOS
CONTAMINANTES DEL SUELO - METALES PESADOS
 
LICENCIA DE FUNCIONAMIENTO
LICENCIA DE FUNCIONAMIENTOLICENCIA DE FUNCIONAMIENTO
LICENCIA DE FUNCIONAMIENTO
 
Vertederos Trapezoidales
Vertederos TrapezoidalesVertederos Trapezoidales
Vertederos Trapezoidales
 
Fundamentos de aguas residuales - ABSORCIÓN
Fundamentos de aguas residuales - ABSORCIÓNFundamentos de aguas residuales - ABSORCIÓN
Fundamentos de aguas residuales - ABSORCIÓN
 
Fundamentos de aguas residuales - FILTRACIÓN
Fundamentos de aguas residuales - FILTRACIÓNFundamentos de aguas residuales - FILTRACIÓN
Fundamentos de aguas residuales - FILTRACIÓN
 
Remediación de Suelos
Remediación de SuelosRemediación de Suelos
Remediación de Suelos
 
Energia Renovável
Energia RenovávelEnergia Renovável
Energia Renovável
 

Prospecção de au aluvionar em diques de lamprófiro, tepequém rr

  • 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE GEOLOGIA PROSPECÇÃO MINERAL Discentes: Ezequias Guimarães Julyane Dálet Docente: Geólogo Pedro Antônio Doria Santiago dos Santos Boa Vista, RR 2018 PROSPECÇÃO DE AU ALUVIONAR EM DIQUES DE LAMPRÓFIRO, TEPEQUÉM-RR
  • 2. EZEQUIAS GUIMARÃES JULYANE DÁLET PROSPECÇÃO DE AU ALUVIONAR EM DIQUES DE LAMPRÓFIRO, TEPEQUÉM-RR Trabalho apresentado para obtenção de nota parcial na disciplina de Prospecção Mineral, departamento do curso de bacharelado em Geologia da Universidade Federal de Roraima, ministrada pela Profº Pedro Antônio Doria S. dos Santos Boa Vista, RR 2018
  • 3. 1. APRESENTAÇÃO 1.1 INTRODUÇÃO No cráton Amazônico, lamprófiros cálcio-alcalinos foram reconhecidos no noroeste e sudoeste do Estado do Pará (Rodrigues et al 1988, Vasquez et al. 2000), sendo esta a primeira referência à presença de lamprófiros na região de Roraima. Este trabalho tem enfoque nos diques de Lamprófiro que ocorrem a Sul da Serra Tepequém no Estado de Roraima. Os Lamprofiros são compostos por Espessartitos. Os diques apresentam direções muito variadas, de E-W a NW-SE e NE-SW, e estão distribuídos por grande parte da folha Vila de Tepequém.
  • 4. 2. EXPLORAÇÃO GEOLÓGICA  Levantamento de dados secundários: escala 1:100.000  Auxílio de Imagens de Sensores Remotos  Levantamento de dados geológico e geofísicos dos mapeamentos existentes • Geológicos (CPRM, 2010) • Aerogeofísicos (CPRM, 2004) • Geoquímicos (CPRM, 1999; 2004; FRAGA ,2002) • Metalogenéticos (CPRM, 1999)  Escolha de áreas para início da pesquisa baseado nessas informações  Confecção de mapa das áreas de interesse  Visitas às áreas potencias: reconhecimento geológico com amostragem não sistemática
  • 5. 2.1. LOCALIZAÇÃO Figura 1: Mapa de localização da área de estudo. Fonte: Os autores.
  • 6. Figura 2: Mapa geológico da área. Fonte: Os autores.
  • 7. 2.2 PETROLOGIA • Lamprófiros cálcio-alcalinos; • São rochas cinza a cinza esverdeado escuras, magnéticas e, em geral, porfiríticas, contendo fenocristais de granulação média ou grossa imersos em matriz muito fina a afanítica; • Nesta região, é comum a ocorrência dos diques lamprofíricos ladeando diques de diabásio Avanavero •Rochas de afinidade lamprofírica, na forma de diques e em corpos de efusivas, estão relacionadas à unidade Lamprófiro Serra do Cupim.
  • 8. •Fenocristais de hornblenda e, mais raramente, de augita, no meio de uma matriz fina, formada essencialmente por plagioclásio e anfibólio. • Fenocristais de biotita são raros e fenocristais de plagioclásio, quando presentes, exibem forte corrosão, sugerindo que se tratem de xenocristais. • A matriz é formada por uma trama de ripas de plagioclásio e prismas ou agulhas de hornblenda ou actinolita. •Quartzo e feldspato potássico podem ocorrer em interstícios. 2.2.1. Espessartito
  • 9. •Magnetita titanífera e apatita estão dispersas e a pirita é rara. •A alteração afeta quase todos os espessartitos, com substituição dos piroxênios por anfibólio fibroso, epidoto e clorita, e do plagioclásio da matriz por epidoto e sericita. •Titanita e vênulas de epídoto ocorrem nos lamprófiros mais alterados.
  • 10. 2.3. GEOFÍSICA DA ÁREA Figura 4: Mapa Magnetométrico. Fonte: CPRM, 2010.
  • 11. Figura 5: Mapa gamaespectrométrico. Fonte: CPRM, 2010.
  • 12. 2.4. METALOGÊNESE DA ÁREA Figura 6: Mapa metalogenético. Fonte: CPRM, 1999. OURO Área mineralizada provável para ouro, com presença de garimpos de ouro em aluviões e veios de quartzo, relacionados a uma fatia tectônica constituída de metavulcânicas ácidas a intermediárias (Grupo Surumu), além de granitóides das Suítes Intrusivas Pedra Pintada e Saracura. Todo conjunto está intensamente deformado, ocorrendo alteração hidrotermal nas metavulcânicas (sericitização, epidotização e carbonatação). Nos granitóides é intensa a incidência de veios quartzosos, onde se verifica normalmente a mineralização de ouro. GEOQUÍMICA ESTAÇÕES ANÔMALAS Em concentrado de bateia Au19 (n de pintas ) Pb7 (n de grãos de cerussita) Zr5-25, mz5-25 (% do peso do concentrado ) Sn<1 ( peso do concentrado)
  • 13. 3. PROSPECÇÃO GEOLÓGICA  Mapeamentos de semi-detalhe  Seleção das áreas alvo: confecção de mapa • Área total: ≅ 0,15 Km2 • Implantação da linha base • Piquetes espaçados em intervalos regulares (50 x 50m)  Amostragens de rochas encaixantes e solos expostos na superfície • Coleta sistemática de rochas do Dique de Lamprofíro e unidades encaixantes • Análises petrográficas e mineralógicas  Prospecção com uso da bateia para obter os mineiras pesados presentes em aluvião ou solo residual e sedimentos de corrente • Elaboração de um banco de dados sobre as ocorrências minerais encontradas • Confecção de mapas de distribuição geoquímica e mineral; • Definição de áreas com anomalias de diferentes ordens
  • 14. 3.1. SELEÇÃO DAS ÁREAS ALVO
  • 15.  Concentrados de bateia: • Montante para jusante; • Trechos de drenagens com concentradores naturais; • Parte mais profunda do leito;  Sedimentos de corrente: • Trechos retilíneos de drenagens; • Bons resultados: dispersão clástica; • Análise multielementar de elementos traços (ppm), menores e maiores (%); 3.2. GEOQUÍMICA 3.2.1. Coleta sistemática de amostras
  • 16. Tabela 1: Classificação e composição mineralógica aproximada de rochas da unidade Lámprófiro Serra do Cupim quimicamente analisadas. Fonte: CPRM, 2010.
  • 17. Tabela 2: Composição química das amostras da unidade Lamprófiro Serra do Cupim.
  • 18. Tabela 2: Composição química das amostras da unidade Lamprófiro Serra do Cupim.
  • 19. Tabela 2: Composição química das amostras da unidade Lamprófiro Serra do Cupim. Fonte: CPRM, 2010.
  • 20. Figura 5: (a) Enxame de diques de lamprófiro cortando granitóide da Suíte Pedra Pintada. Afloramento HG-14; (b) Detalhe do afloramento da foto anterior (HG-14) para mostrar as bordas irregulares e ramificações exibidas pelos diques da unidade Serra do Cupim; Fonte: CPRM, 2010.
  • 21. Figura 5: (c) Fenocristais de hornblenda marron contendo inclusões de material fino da matriz no núcleo, em espessartito de dique. Lâmina LM-69C, luz plano-polarizada; (d) Fenocristal idiomórfico, maclado, de hornblenda (à esquerda) e xenocristal (?) fortemente corroído de plagioclásio (à direita), em espessartito de dique. Lâmina LM-73B, luz plano-polarizada. Fonte: CPRM, 2010.
  • 22. Figura 6: (a) Comportamento das amostras da unidade Lamprófiro Serra do Cupim nos diagramas: TAS (Le Maitre et al. 1989), com limite dos campos alcalinos e subalcalino segundo Irvine e Baragar (1971); (b) AFM, com campos segundo Irvine e Baragar (1971);
  • 23. Figura 6: (C) SiO2 Versus K2O (Campos de baixo-, médio, alto-k e shoshonítico de acordo com Cerillo e Taylor 1976, modificado por Rickwood 1989). Fonte: CPRM, 2010.
  • 24. Figura 7: Comportamento das amostras da unidade Lamprófiro Serra do Cupim nos diagramas: (a) SiO2 versus TiO2; (b) SiO2 versus FeO*; (c) SiO2 versus MagO; (d) SiO2 versus Ni.
  • 25. Figura 7:(c) SiO2 versus MagO; (d) SiO2 versus Ni. Fonte: CPRM, 2010.
  • 26. Figura 8: Padrão de distribuição dos ETR das amostras de diques, incluindo um espessartito (círculo parcialmente preenchido). Fonte: CPRM, 2010.
  • 27. •Os lamprófiros cálcio-alcalinos que ocorrem como diques no sudoeste do Estado do Pará, designados de Lamprófiros, são considerados como manifestações finais do magmatismo granítico pós-orogênico a anorogênico; •As idades obtidas para os lamprófiros de Roraima (1766 ± 6Ma e 1735 ± 7Ma, Pb-Pb) são, no entanto, cerca de 200Ma mais jovens do que os granitos locais, e se aproximam da idade dos diabásios toleiíticos da unidade Avanavero, que é de 1778 ± 12Ma. •Este quadro sugere que o magmatismo lamprofírico em Roraima relaciona-se com processos de extensão crustal em ambiente intracontinental. 4. CORRELAÇÃO
  • 28. CPRM. (1999). Programa Levantamentos Geológicos Básicos do Brasil. Projeto Roraima Central, Folhas NA.20-X-B e NA.20-X-D (inteiras), NA.20-X-A, NA.20-X-C, NA.21-V-A e NA.21-V-C (parciais). Escala 1:500.000. Estado do Amazonas. PEREIRA, R.M. Fundamentos de Prospecção Mineral. Editora Interciência, Rio de Janeiro, 2003. SILVA, M. G. et al. Metalogênese das províncias tectônicas brasileiras. Belo Horizonte: CPRM, 2014. 589 p. : il. CPRM. Programa Levantamentos Geológicos Básicos do Brasil. Roraima Central, Folhas NA.20-X-B e NA.20-X-D (integrais), NA.20-X-A, NA.20- X-C, NA.21-V-A e NA.21-V-C (parciais). Escala 1:500.000. Estado de Roraima. Superintendência Regional de Manaus, 1999, 166 p. CPRM. Projeto GIS do Brasil - Sistemas de Informações geográficas do Brasil - Carta Geológica do Brasil ao milionésimo. Mapa geológico do Estado de Roraima Escala 1:1000.000. Brasília: CPRM, 2004. DNPM. Economia Mineral do Brasil. 1 ed. Departamento Nacional de Produção Mineral, 2009. 764 p. DNPM. Caracterização de depósitos minerais em distritos mineiros da Amazônia. 1 ed. Departamento Nacional de Produção Mineral, 2005, 782 p. CPRM – SERVIÇO GEOLÓGICO DO BRASIL. Projeto GIS do Brasil - Sistemas de Informações geográficas do Brasil - Carta Geológica do Brasil ao milionésimo. Mapa geológico do Estado de Roraima Escala 1:1000.000. Brasília: CPRM, 2004. 28 4. REFERÊNCIAS

Notas do Editor

  1. Ju
  2. Ju
  3. Ju
  4. Kio
  5. Kio
  6. Kio
  7. Ju
  8. JU
  9. Ju
  10. Kio
  11. Ju
  12. Kio
  13. Kio
  14. Ju
  15. Ju
  16. Kio
  17. Kio
  18. Kio
  19. Kio
  20. Ju
  21. Ju
  22. Ju
  23. Ju
  24. Kio
  25. Kio
  26. Kio
  27. Ju
  28. Ju