SlideShare uma empresa Scribd logo
Oficina de Busca de Patente
PROSPECÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA POR MEIO
DE BANCOS DE PUBLICAÇÕES E DE PATENTES:
experiência do NIT-UFPB
Maria Gorete de Figueiredo
NIT-UFPB/IBICT
João Pessoa, 27 de outubro de 2011.
Agenda
1. O NIT-UFPB: apresentação
2. Capacitação em prospecção
3. Prospecção: abordagem conceitual
4. Prospecção em Gás Natural
5. Prospecção em Etanol à Base de Mandioca
6. Considerações Finais
NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA UFPB
NIT-UFPB
Atuação: Criado em 1981 - funcionou até 1995.
Manteve-se um vácuo até 2004
2004 foi vinculado à CGIT/PRPG funcionando até o presente.
As bases de constituição do NIT reportam-se a:
PADCT – Programa de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico
(1980). Criação de 16 NIT’s no país.
Primeiro a complementar financiamento público em C&T. Ação inovadora
na área na concepção, planejamento, execução e gestão.
LEI DE INOVAÇÃO – Nº 10.973 de 02.12.2004.
Dispõe sobre incentivos à inovação e à pesquisa científica e
tecnológica no ambiente produtivo e dá outras providências.
O NIT-UFPB integra três redes no campo da CT&I
Rede NI-PB
Rede NIT-NE
FORTEC
Capacitação do NIT-UFPB em
prospecção científica e tecnológica:
Acesso aos bancos de dados de publicações e de patentes
(fases de intermediária à avançada).
Elaboração de indicadores da produção científica e tecnológica.
Aprendizado em prospecção nas áreas temáticas de interesse da
instituição.
Equipe capacitada em indicadores de C&T, acesso a bancos de
publicações e patentes, análise da produção científica e tecnológica.
Capacitação possibilitada pelo CNPq/IBICT, INPI, Rede NIT-NE por
meio de: cursos, oficinas hands on, assistência especializada
(consultoria), literatura especializada.
Trabalhos em processo:
• Produção científica e tecnológica em Gás Natural
• Levantamento de publicações e patentes - 2003-2008
• Produção científica e tecnológica em Etanol a Partir da
Mandioca
• Levantamento de publicações e patentes -1956-2008
Experiência em prospecção científica e tecnológica
ABORDAGEM CONCEITUAL
PROSPECÇÃO
PROGNÓSTICO PREVISÃOX X
Modo de pensar o futuro baseado na
ação e na pré-determinação.
Pressupõe uma participação ativa na
conformação do futuro
Atividades de prospecção centradas em:
mudanças tecnológicas,
mudanças na capacidade funcional ou
mudanças no tempo e significado de uma inovação.
Incorpora informação ao processo de gestão tecnológica.
Busca predizer possíveis estados futuros da tecnologia ou
condições que afetam sua contribuição para as metas estabelecidas.
Coelho, 2003.
Prospecção Tecnológica
PROSPECÇÃO
Conceito adotado:
Processo que se ocupa de procurar, sistematicamente,
examinar o futuro de longo prazo da ciência, da tecnologia,
da economia e da sociedade, com o objetivo de identificar
áreas de pesquisa estratégica e as tecnologias genéricas
emergentes que tem a propensão de gerar os maiores
benefícios econômicos e sociais.
(Cuhls; Grupp, 2001; apud Coelho,2003)
Objetivos e Potenciais Benefícios
 Entender as forças que orientam o futuro.
 Antecipar e entender o percurso das mudanças.
 Subsidiar/orientar o processo de tomada de decisão em
ciência, tecnologia e inovação.
 Subsidiar decisões relativas ao estabelecimento de prioridades
em P&D, gestão de risco das inovações tecnológicas, melhoria
da competitividade tecnológica de produtos e processos.
PROSPECÇÃO
PROSPECÇÃO
Objetivos e Potenciais Benefícios
 Organizar sistemas de inovação que correspondem aos
interesses da sociedade identificar as oportunidades e
necessidades mais relevantes para a pesquisa no futuro.
 Promover de canais e linguagens comuns para a circulação
de informação e conhecimento estratégico para a inovação
PROSPECÇÃO EM GÁS NATURAL
Produção Científica em Gás Natural
Artigos e papers
Indexados em bancos de publicações internacionais que enfatizam
diferentes enfoques da tecnologia, suas aplicações e diferentes
estágios de pesquisa e desenvolvimento.
• Science Direct (SD)
• Web of Science (WS)
• Sage Jounals
• Scielo
WS e SD são os maiores bancos de
publicações do mundo.
PROSPECÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA POR MEIO DE BANCOS DE PUBLICAÇÕES E DE PATENTES: experiência do NIT-UFPB
http://thomsonreuters.com
http://www.sciencedirect.com/
METODOLOGIA:
 Revisão de literatura sobre metodologias da prospecção e sobre GN;
 Consulta a vocabulários controlados e glossários da área;
 Mapeamento semântico – compilação de conceitos da cadeia produtiva de Gás
e Petróleo;
 Busca avançada, inicialmente, em 3 bancos de dados:
Web of Science, Science Direct e Sage Journals;
 Termos e expressões buscadas em abstracts, títulos e palavras-chave dos
bancos de publicações para artigos de periódicos;
 Busca de artigos publicados em Congressos pelo Scielo;
 Acesso aos bancos de publicações pelo Portal de Periódicos da Capes;
 Seleção dos bancos mais representativos para análise dos indicadores;
 Sínteses dos resultados das buscas em tabelas e gráficos;
 Geração de indicadores;
 Análises dos indicadores e das tendências obtidos pela pesquisa;
 Publicação dos resultados na Reunião de Avaliação de Projetos da Recogás
(2008).
PRODUÇÃO CIENTÍFICA SOBRE GÁS NATURAL
Métodos e técnicas utilizados
Busca em bancos de publicações
Mapeamento semântico
Memórias de cálculos em planilhas Excel e Word.
PRODUÇÃO CIENTÍFICA SOBRE GÁS NATURAL
WS e SD indexaram no período de 2003-2009* um
total de 4.889 artigos sobre Gás Natural.
Web of Science
8.675 revistas científicas em 3 bases de dados:
Science Direct
Mais de 9 milhões de artigos em 24 áreas do conhecimento
científico.
Web of Science => 3.250 artigos
Science Direct => 1.639 artigos
SÍNTESE DOS RESULTADOS
A pesquisa foi realizada em 2008 e abrangeu o período 2003-2008, mas foram
encontrados artigos de 2009 já indexados em 2008.
PRODUÇÃO CIENTÍFICA SOBRE GÁS NATURAL
TERMOS E EXPRESSÕES PESQUISADOS MAIS RELEVANTES
Combustão
Termo que apresenta o maior número de artigos de periódicos
entre 2003/9 em ambos os bancos.
WS e SD => total de 934 artigos sobre combustão em GN.
WS => 556 artigos sobre combustão
SD => 378 artigos sobre combustão
Anos mais produtivos em artigos sobre combustão em GN:
WS => 2007 indexou 124 artigos sobre combustão
SD => 2008 – indexou 95 artigos sobre combustão
PRODUÇÃO CIENTÍFICA SOBRE GÁS NATURAL
Armazenamento, célula de combustível, gasoduto
Entre os termos e expressões pesquisados:
 armazenamento - 2ª maior freqüência
270 artigos de periódicos indexados no WS;
 célula de/a combustível - em 3º lugar
204 artigos;
 gasoduto - em 4º lugar
171 artigos.
PRODUÇÃO CIENTÍFICA SOBRE GÁS NATURAL
ARTIGOS DE PERIÓDICOS INDEXADOS NO
SCIENCE DIRECT – 2003/2009
DESCRITOR /
PALAVRA-
CHAVE
2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 TOTAL
Gás Natural 170 186 220 252 381 417 14 1.639
ARTIGOS DE PERIÓDICOS INDEXADOS NO
WEB OF SCIENCE – 2003/2009
DESCRITOR /
PALAVRA-
CHAVE
2003 2004 2005 2006 2007 2008 TOTAL
Gás Natural 576 775 702 683 968 758 3.250
PRODUÇÃO CIENTÍFICA SOBRE GÁS NATURAL
SCIENCE DIRECT – GN COMO INSUMO ENERGÉTICO
(Termos Obtidos em Abstracts, Títulos e Palavras-Chave)
2003 A 2008
PRODUÇÃO CIENTÍFICA EM GÁS NATURAL
DESCRITOR /
PALAVRA-
CHAVE GN + (...)
2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 TOTAL
Co-Geração 10 6 7 13 8 20 1 65
Geração de
energia
13 13 12 17 26 16 3 100
Geração de
eletricidade
8 6 5 11 22 10 62
Cocção 1 2 1 4 2 1 11
Fornos 9 4 7 7 13 40
Queimadores 6 11 6 11 12 16 1 63
Criogênico 5 2 5 7 6 2 27
PRODUÇÃO CIENTÍFICA SOBRE GÁS NATURAL
SCIENCE DIRECT – GN COMO MATÉRIA PRIMA
(Termos Obtidos em Abstracts, Títulos e Palavras-Chave)
2003 A 2008
DESCRITOR /
PALAVRA-
CHAVE
GN + (...)
2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 TOTAL
Valorização
química
1 1
Gás de síntese 4 2 4 11 4 8 33
Metanol 5 8 5 9 5 13 45
Hidrogênio
Uso em célula
combustível
18 21 26 32 37 29 159
PRODUÇÃO CIENTÍFICA SOBRE GÁS NATURAL
SCIENCE DIRECT – GN COMO TRANSPORTE-ESTOCAGEM
(Termos Obtidos em Abstracts, Títulos e Palavras-Chave)
2003 A 2008
DESCRITOR /
PALAVRA-
CHAVE
GN + (...)
2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 TOTAL
Comprimido 9 5 9 11 13 14 1 62
Adsortivo 2 3 3 8
Pipeline 10 8 16 12 31 31 2 110
Estocagem 8 9 15 14 44 41 1 132
DESCRITOR /
PALAVRA-
CHAVE
GN + (...)
2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 TOTAL
Associado 1 1 4 3 1 10
Não associado 1 1 2
Hidratos 12 9 10 3 27 9 70
Combustão 44 45 43 63 85 95 3 378
SCIENCE DIRECT – GN COMO PRODUÇÃO-OBTENÇÃO
(Termos Obtidos em Abstracts, Títulos e Palavras-Chave)
2003 A 2008
PRODUÇÃO CIENTÍFICA SOBRE GÁS NATURAL
SCIENCE DIRECT - GN COMO PRODUTO
(Termos Obtidos em Abstracts, Títulos e Palavras-Chave)
2003 A 2008
DESCRITOR /
PALAVRA-
CHAVE
GN + (...)
2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 TOTAL
Heat pumps 4 1 1 6 8 2 22
Software 1 1 3 4 6 9 24
PRODUÇÃO CIENTÍFICA SOBRE GÁS NATURAL
Em Andamento
Análise dos indicadores e tendências encontrados nas pesquisas.
Preparação de artigos para publicação.
PRODUÇÃO CIENTÍFICA SOBRE GÁS NATURAL
Conhecer o estado da arte e da técnica,
as inovações que estão sendo desenvolvidas e suas possibilidades
de melhorar os procedimentos e
minimizar os gargalos existentes nas já existentes.
Entender as tendências científicas e tecnológicas previstas no
processo de obtenção do etanol a partir da mandioca e no contexto
de seu uso em nível global.
PROSPECÇÃO CIENTÍFICA DO
ETANOL A PARTIR DA MANDIOCA
Objetivo
METODOLOGIA
Revisão de literatura sobre etanol obtido a partir da mandioca – o estado
da arte nos últimos 10 anos (2000-2010).
Elaboração de um mapeamento semântico e glossários, para
conhecer os principais termos, equipamentos e substâncias que permeiam
os processos de obtenção do álcool a partir da mandioca.
O estudo dos termos possibilitaram chegar às palavras-chave relevantes,
utilizadas nas pesquisas às bases de dados de artigos e de patentes,
respectivamente.
Os termos possibilitaram iniciar a prospecção científica
por meio da bases de dados de artigos científicos, como:
• Web of Science,
• Science Direct
• Scielo.
PROSPECÇÃO CIENTÍFICA DO ETANOL A PARTIR DA MANDIOCA
Nas buscas foram considerados aspectos históricos.
O 1º artigo científico do álcool a partir da mandioca - 1956
Relacionou-se o surgimento dessa tecnologia com as fases da crise do
petróleo, a influência das 5 crises nessa categoria de álcool:
• 1956-1973 = Nacionalização do Canal de Suez
• 1973-1980 = Guerra de Yom Kippur
• 1980-1991 = Guerra do Irã-Iraque
• 1991-2003 = Guerra do Golfo
• 2003-2008 = Movimentos especulativos em nível global
Foram elaborados relatórios e gráficos que tornassem os dados mais
perceptíveis para às interpretações.
METODOLOGIA
PROSPECÇÃO CIENTÍFICA DO
ETANOL A PARTIR DA MANDIOCA
Bancos de dados de patentes usados na prospecção tecnológica:
• Spacenet,
• Wipo,
• Canadian Patent Office e
• INPI.
As buscas foram antecedidas por um estudo de códigos da
CIP - Classificação Internacional de Patentes para
selecionar os códigos que serviriam, posteriormente,
de base para prospecção junto àqueles bancos de dados.
PROSPECÇÃO TECNOLÓGICA DO ETANOL A PARTIR DA MANDIOCA
METODOLOGIA
O conhecimento detalhado do processo de obtenção do álcool
– obtido na interação com o pesquisador e literatura especializada -
teve como interesse principal chegar nos termos, que
seriam posteriormente, usados na prospecção:
etanol, mandioca, enzima, amido, alfa-amilase, beta-amilase,
amiloglucosidase, gelatinização, hidrólise, fermentação, destilação,
saccharomyces, saccharomyces cerevisiae, recombinação genética,
hidrólise enzimática, dextrinas, resíduo, zymomonas mobilis.
PROSPECÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA
DO ETANOL A PARTIR DA MANDIOCA
Terminologia
Na prospecção tecnológica não foi utilizada a totalidade dos termos.
Utilizou-se a CIP.
Na busca por patentes, especialmente, usaram-se apenas as
palavras-chave mais importantes:
• etanol e mandioca, para a base da INPI e
• ethanol e cassava, nas demais internacionais, relacionadas com
determinado código da CIP.
PROSPECÇÃO CIENTÍFICA DO ETANOL A PARTIR DA MANDIOCA
Terminologia
A palavra mandioca gera 2 traduções para o inglês:
manioc e cassava.
Foi feito um levantamento prévio dos artigos científicos relacionados
aos termos manioc e cassava, originados do banco de dados
Science Direct.
A pesquisa encontrou um número de artigos relacionado à palavra
cassava superior aos relacionados à palavra manioc.
PROSPECÇÃO CIENTÍFICA DO ETANOL A PARTIR DA MANDIOCA
Terminologia
As Figuras 1 e 2 mostram a diferença entre as quantidades de artigos geradas
pela preferência de uso dos autores pela palavra cassava.
PROSPECÇÃO CIENTÍFICA DO ETANOL A PARTIR DA MANDIOCA
Discussão dos Resultados Obtidos
Figura 1 – Número de artigos encontrados relacionados ao uso da
palavra cassava.
PROSPECÇÃO CIENTÍFICA DO ETANOL A PARTIR DA MANDIOCA
Figura 2 – Número de artigos encontrados relacionados ao uso da
palavra manioc.
PROSPECÇÃO CIENTÍFICA DO ETANOL A PARTIR DA MANDIOCA
Discussão dos Resultados Obtidos
Manioc and Ethanol – 1956-2008
PROSPECÇÃO CIENTÍFICA DO ETANOL A PARTIR DA MANDIOCA
Discussão dos Resultados Obtidos
Cassava and Ethanol – 1956-2008
PROSPECÇÃO CIENTÍFICA DO ETANOL A PARTIR DA MANDIOCA
Discussão dos Resultados Obtidos
PROSPECÇÃO CIENTÍFICA DO ETANOL A PARTIR DA MANDIOCA
Discussão dos Resultados Obtidos
PROSPECÇÃO CIENTÍFICA DO ETANOL A PARTIR DA MANDIOCA
Discussão dos Resultados Obtidos
A prospecção tecnológica foi executada com base nos códigos da CIP.
Os códigos, com suas respectivas descrições, estão expostos na Tabela 1.
Tais códigos encontrados definiram as buscas avançadas nos bancos de
patentes, aplicando-os associados às palavras-chave ethanol and cassava.
O grupo principal selecionado foi o de química, grupo C, devido à sua
aderência com a tecnologia de obtenção do álcool.
Posteriormente, a escolha do sub-grupo C12: Bioquímica; cerveja; álcool;
vinho; vinagre; microbiologia; enzimologia; engenharia genética ou de mutação
bioquímica, cerveja.
A partir de então, várias classes e sub-classes foram sendo encontradas e
selecionadas, por se encaixarem efetivamente no estudo.
PROSPECÇÃO TECNOLÓGICA DO ETANOL A PARTIR DA MANDIOCA
Discussão dos Resultados Obtidos
CÓDIGO DESCRIÇÃO
C12F - Classe Recuperação de subprodutos de soluções fermentadas; desnaturação de, ou álcool desnaturado
C12F 3/00 Recuperação de subprodutos.
C12F 3/02 De dióxido de carbono.
C12F 3/04 Recuperação de produtos voláteis de fermentação do dióxido de carbono.
C12F 3/06 A partir de cervejas ou de vinho.
C12F 3/08 Recuperação do álcool de resíduos de prensagem ou de outras matérias residuais.
C12F 3/10 A partir de resíduos de destilarias.
C12N - Classe Micro-organismos ou enzimas; suas composições, propagação, conservação, ou manutenção de micro-organismos; engenharia genética ou de
mutações; meios de cultura.
C12N 9/28 Alfa amilase de fonte microbiana, por exemplo, amilase bacteriana.
C12N 9/30 Fonte fúngica.
C12N 9/32 Alfa amilase de origem vegetal.
C12N 9/34 Glicoamilase.
C12N 9/42 Agindo sobre ligações beta-1,4glicosídicas, por ex, celulase.
C12N 9/44 Agindo sobre ligações alfa-1,6glicosídicas, por ex, isoamilase, pululanase.
C12N 15/00 Mutação ou engenharia genética; dna ou rna concernentes à engenharia genética, vetores, por ex., plasmídeos ou seu isolamento, preparação ou purificação; uso de seus hospedeiros.
C12N15/09 Tecnologia de DNA recombinante.
C12N15/10 Processos para o isolamento, preparação ou purificação do dna ou rna.
C12P - Classe Processos de fermentação ou processos que utilizem enzimas para sintetizar uma composição ou composto químico desejado ou para separar
isômeros ópticos de uma mistura racêmica
C12P 1/00 Preparação de compostos ou composições, não incluídos nos grupos, pelo uso de micro-organismos ou enzimas; processos gerais para a preparação de compostos ou composições que utilizam micro-organismos ou
enzimas
C12P 1/02- Pelo uso de fungos
C12P 1/04 Pelo uso de bactérias
C12P 7/00 Preparação de compostos orgânicos contendo oxigênio
C12P 7/06 Etanol, i.e., não para bebida.
C12P 7/08 Produzido como sub-produto ou a partir de substrato de resíduo ou de material celulósico
C12P 7/10 Substrato contendo o substrato material celulósico
C12P 7/14 Estágios múltiplos de fermentação; utilização de fermentação com diferentes tipos de micro-organismos ou reutilização de micro-organismos
C12P 19/00 Preparação de compostos contendo radicais sacarídeos
C12P 19/02 Monossacarídeos
C12P 19/04 Polissacarídeos, i.e., compostos contendo mais de cinco radicais sacarídeos ligados uns aos outros por ligações glicosídicas
C12P 19/08 Dextrana
C12P 19/12 Dissacarídeos
C12P 19/16 Produzidos pela ação de alfa-1, 6-glicosidase, por ex., amilose, amilopectina não ramificada
C12P 19/14 Produzidos pela ação de carboidrase, por ex., por alfa-amilase
C12P 19/22 Produzidos pela ação de uma beta-amilase, por ex., maltose
C08B 30/00 Hidrólise não biológica do amido
C12R-Classe Esquema de indexação associado às subclasses
relativo a micro-organismos
C12R 1/865 Saccharomyces cerevisiae
Tabela 1 – Códigos da CIP relacionados ao álcool a partir da mandioca.
Foram usados os 33 códigos nas buscas de patentes.
Cada busca resultou em um número reduzido de patentes, o que mostra
essa tecnologia ainda em fase de crescimento e aceitação.
O processo de obtenção do álcool a partir da mandioca ainda possui
alguns gargalos, como é o caso do uso de enzimas em etapas de
hidrólise, tornando-o caro.
Porém, a patente PI 0501816-1 A propõe a recombinação genética do
microorganismo que degrada açúcares de pequena cadeia carbônica,
como a sacarose, por ex., para que estes degradem o amido, considerado
um açúcar de cadeia carbônica grande.
Dessa forma, a etapa do uso das enzimas será eliminado, proporcionado
uma grande redução nos custos do processo, o que possibilitará a
implantação dessa tecnologia em grande escala.
PROSPECÇÃO TECNOLÓGICA DO ETANOL A PARTIR DA MANDIOCA
Discussão dos Resultados Obtidos
A patente PI 0501816-1 A é o único depósito feito em toda a base de
dados do INPI e está cadastrada em três classes diferentes como mostra
a Figura 3.
Figura 3 – Única patente encontrada na base de dados INPI.
As Figuras 3,4 5 e 6 expõem o número de
publicações de patentes para os códigos
mostrados na Tabela 1.
Isso possibilita a identificação dos bancos de dados
mais propícios para buscas no assunto e daqueles
que oferecem maior número de patentes depositadas.
PROSPECÇÃO TECNOLÓGICA DO ETANOL A PARTIR DA MANDIOCA
Discussão dos Resultados Obtidos
Figura 4 - Nº de patentes encontradas no banco de dados
Canadian Patent Office.
Figura 5 - Nº de patentes encontradas no banco de dados Spacenet.
Figura 6 - Nº de patentes encontradas no banco de dados WIPO.
O banco de dados Spacenet, com 18 patentes publicadas, dispõe do maior número
de publicações relacionadas ao álcool a partir da mandioca.
Utilizar grande quantidade de códigos da CIP serviu, também, para observar em qual
classe estão concentrados os depósitos de patentes.
A classe intitulada: Processos de fermentação ou processos que utilizem
enzimas para sintetizar uma composição ou composto químico desejado ou
para separar isômeros ópticos de uma mistura racêmica, de identificação C12P,
recebeu maior número de patentes.
Os processos enzimáticos, bioquímicos e genéticos são os mais comentados para
essa tecnologia do álcool a partir da mandioca.
Isso, justifica o interesse em se chegar num processo que elimine a etapa de
hidrólise do amido, considerada a mais cara de todo o processo. As enzimas são
proteínas exigentes com relação ao meio de atuação, não admitindo alterações
bruscas no pH e na temperatura.
PROSPECÇÃO TECNOLÓGICA DO ETANOL A PARTIR DA MANDIOCA
Discussão dos Resultados Obtidos
Os resultados da prospecção também demonstram que que
as patentes relacionadas à mandioca estão sendo
bastante exploradas em países asiáticos, como:
• China e
• Coréia do Norte;
• além dos Estados Unidos e do Brasil - que já detêm tecnologias avançadas em
biocombustíveis.
A prospecção científica tomou como referência as crises do petróleo, objetivando
saber se o aparecimento desta tecnologia tem haver com as crises dos
petrocombustíveis.
A Figura 7 mostra o número de patentes encontradas ao longo das cinco crises para
as bases de dados Scielo, Web of Science e Science Direct.
PROSPECÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA DO
ETANOL A PARTIR DA MANDIOCA
Discussão dos Resultados Obtidos
Figura 7 – Nº de publicações ao longo da crises de petróleo para as três
bases de dados utilizadas.
Da Figura 7, pode-se inferir que o surgimento das pesquisas relacionadas ao
álcool a partir da mandioca não está, necessariamente, relacionado com as
crises do petróleo, pois se a relação houvesse, certamente, as publicações
apareceriam nas primeiras crises, mas isso não aconteceu.
Fica evidenciado que os estudos voltados para essa tecnologia ainda são
recentes e que a base de dados com maior número de publicações nessa área é
a Web of Science, com 38 artigos englobando todo o período das crises.
A Science Direct é a segunda colocada, com uma diferença de 6 artigos,
havendo duplicidade de artigos nas duas bases de dados.
A base de dados brasileira, Scielo, possui 5 artigos para esse período. O
primeiro deles, publicado no ano de 1999, propondo o uso de enzimas pectinases
e celulases para a hidrólise/sacarificação do farelo de mandioca para a produção
do álcool.
PROSPECÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA DO
ETANOL A PARTIR DA MANDIOCA
Discussão dos Resultados Obtidos
Em 2000, foi indexado ao Scielo a continuação do trabalho
anterior com o estudo quantitativo das concentrações das
enzimas usadas, intitulado: Avaliação da concentração de
pectinase no processo de hidrólise-sacarificação do farelo de
mandioca para obtenção de etanol.
Em meados de 2007 surgem estudos voltados para o processo
produtivo visando a análise energética da produção do álcool da
mandioca, além de outros trabalhos envolvendo o assunto de
fermentação, com o título: Fermentação alcoólica de substrato
amiláceo e hidrolisado enriquecido com melaço de cana.
PROSPECÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA DO
ETANOL A PARTIR DA MANDIOCA
Discussão dos Resultados Obtidos
O Brasil possui potencial tecnológico e geográfico para introduzir
em seus processos produtivos de biocombustíveis o álcool a
partir da mandioca.
Isso foi comprovado com a patente PI 0501816-1 A encontrada na
prospecção tecnológica desse trabalho.
Nela, os estudos genéticos irão viabilizar essa tecnologia em
escala industrial diminuindo os custos com insumos que
correspondem a 35,72% de todo o custo do processo, segundo
diz o trabalho: Análise energética de sistemas de produção de
etanol de mandioca (Manihot esculenta Crantz).
PROSPECÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA DO
ETANOL A PARTIR DA MANDIOCA
Discussão dos Resultados Obtidos
A prospecção é considerada, até o momento, uma das etapas
mais importantes no desenvolvimento da tecnologia de obtenção
de etanol a partir da mandioca.
A avaliação do estado da arte foi decisiva para perceber as
experiências exigidas no trabalho de laboratório e as etapas da
pesquisa científica, bem como para identificar seus gargalos.
Patentes e artigos científicos são documentos que direcionam o
pesquisador a caminhos promissores em sua pesquisa, e orienta
a alocação de recursos. Permitem, ainda, identificar e avaliar as
oportunidades ou ameaças sinalizadas pelo mercado. Sugerem a
formulação de novos processos e/ou produtos. E, mesmo,
ajudam a formular políticas públicas para o setor.
CONSIDERAÇÕES FINAIS
CONSIDERAÇÕES FINAIS
Do ponto de vista metodológico, constatou-se a
importância, na indexação e recuperação de informações,
do domínio de uso de sistemas, ferramentas e mecanismos
terminológicos que possibilitem a tradução, a definição e o
controle de termos semanticamente relacionados, da
linguagem expressa em documentos, dos indexadores e
dos pesquisadores.
BIBLIOGRAFIA:
BRASCHER, M. WebSemântica.2007. Disponível em <http://www.stf.jus.br/arquivo/sijed/16.pdf>
Acesso em: 27/10/2011 08:21
BRASCHER, M.; CAFÉ, L. Organização da informação ou organização do conhecimento. In:
ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO: Diversidade cultural e
políticas de informação – ENANCIB, 9., 2008, São Paulo. Anais... São Paulo: ENANCIB, 2008. 1 CD.
COELHO, Gilda Massari. Prospecção tecnológica: metodologias e experiências nacionais e
internacionais. Rio de Janeiro: INT, 2003. 105 p. (Nota Técnica, 14).
MENDES, Cristina d’Urso de Souza. Prospecção Tecnológica. Curso de Capacitação em PI para
Gestores de Tecnologia: módulo avançado. Curitiba : 2008.
PORTO, Cláudio et al. Visão de futuro do setor de O&G do Brasil: horizonte 2010; cenários exploratórios
e normativo focalizados no setor de óleo & gás. Rio de Janeiro: INT, 2002. 52 p. (Nota Técnica, 1).
GASNET: o site do gás natural. Terminologias e glossário. Disponível em:
http://www.gasnet.com.br/novo_gas_natural.asp Acesso em: 15.09.2011
FIGUEIREDO, M.G. Mapeamento semântico e conceitual do gás natural adaptado da
cadeia produtiva de petróleo e gás. João Pessoa: UFPB, 2007. 22p. Nota Técnica.
EQUIPE NIT/CGIT
Carlos Antonio Cabral dos Santos - Coordenador
Maria Gorete de Figueiredo
Cleverton Rodrigues Fernandes
João Francisco Fernandes Neto
EQUIPE DE ELABORAÇÃO DAS PROSPECÇÕES:
Maria Gorete de Figueiredo - Coordenação
Gás Natural
Maria Gorete de Figueiredo
José Carlos de Urquiza e Silva
Felipe Alves
Etanol à Base de Mandioca
Maria Gorete de Figueiredo
Rosimeri Barboza de Abreu
José Carlos de Urquiza e Silva
Obrigada!
goretef@gmail.com
Fone: 83 3216-7558

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Operações unitárias
Operações unitáriasOperações unitárias
Operações unitárias
Marcela Abreu
 
Roteiro de Aula Prática de Bromatologia sobre Umidade
Roteiro de Aula Prática de Bromatologia sobre UmidadeRoteiro de Aula Prática de Bromatologia sobre Umidade
Roteiro de Aula Prática de Bromatologia sobre Umidade
Jaqueline Almeida
 
Roteiro prática 3 Cinzas
Roteiro prática 3   CinzasRoteiro prática 3   Cinzas
Roteiro prática 3 Cinzas
Júnior Santos
 
Treinamento em Análise Sensorial - Bebidas
Treinamento em Análise Sensorial - BebidasTreinamento em Análise Sensorial - Bebidas
Treinamento em Análise Sensorial - Bebidas
Abilio Martins Junior
 
Apresentação secagem
Apresentação   secagemApresentação   secagem
Apresentação secagem
Maybi Soares Meca
 
Relatório p4 sedimentação
Relatório p4   sedimentaçãoRelatório p4   sedimentação
Relatório p4 sedimentação
Angela Guerra
 
Relatório de Refratometria
Relatório de RefratometriaRelatório de Refratometria
Relatório de Refratometria
Railane Freitas
 
75755565 relatorio-8-determinacao-do-ferro-numa-agua-natural-por-espectrofoto...
75755565 relatorio-8-determinacao-do-ferro-numa-agua-natural-por-espectrofoto...75755565 relatorio-8-determinacao-do-ferro-numa-agua-natural-por-espectrofoto...
75755565 relatorio-8-determinacao-do-ferro-numa-agua-natural-por-espectrofoto...
AlaydeSimedo
 
Ervilha
ErvilhaErvilha
Ervilha
Bibiana Porto
 
Destilação
DestilaçãoDestilação
Controle de qualidade de matérias primas e produto acabado
Controle de qualidade de matérias primas e produto acabadoControle de qualidade de matérias primas e produto acabado
Controle de qualidade de matérias primas e produto acabado
Vanessa Rodrigues
 
Relatório - determinação volumétrica de ferro(ii) em medicamento com indicado...
Relatório - determinação volumétrica de ferro(ii) em medicamento com indicado...Relatório - determinação volumétrica de ferro(ii) em medicamento com indicado...
Relatório - determinação volumétrica de ferro(ii) em medicamento com indicado...
Fernanda Borges de Souza
 
Biorreatores
BiorreatoresBiorreatores
Biorreatores
Kevyn Lotas
 
Relatório Potenciometria
Relatório PotenciometriaRelatório Potenciometria
Relatório Potenciometria
LuaneGS
 
Vida sem gluten- Receitas fáceis- ACELBRA-RJ
Vida sem gluten- Receitas fáceis- ACELBRA-RJVida sem gluten- Receitas fáceis- ACELBRA-RJ
Vida sem gluten- Receitas fáceis- ACELBRA-RJ
Rossita Figueira
 
Aula 07 processos de separação
Aula 07   processos de separaçãoAula 07   processos de separação
Aula 07 processos de separação
Anderson Pontes
 
Harris quimica analitica - química analítica - daniel c. harris
Harris   quimica analitica - química analítica - daniel c. harrisHarris   quimica analitica - química analítica - daniel c. harris
Harris quimica analitica - química analítica - daniel c. harris
Dalton Almeida
 
Coeficiente de partição
Coeficiente de partiçãoCoeficiente de partição
Coeficiente de partição
Galileu Tamy
 
Congelamento
CongelamentoCongelamento
Congelamento
Anderson Formiga
 
Roteiro prática 2 Umidade
Roteiro prática 2   UmidadeRoteiro prática 2   Umidade
Roteiro prática 2 Umidade
Júnior Santos
 

Mais procurados (20)

Operações unitárias
Operações unitáriasOperações unitárias
Operações unitárias
 
Roteiro de Aula Prática de Bromatologia sobre Umidade
Roteiro de Aula Prática de Bromatologia sobre UmidadeRoteiro de Aula Prática de Bromatologia sobre Umidade
Roteiro de Aula Prática de Bromatologia sobre Umidade
 
Roteiro prática 3 Cinzas
Roteiro prática 3   CinzasRoteiro prática 3   Cinzas
Roteiro prática 3 Cinzas
 
Treinamento em Análise Sensorial - Bebidas
Treinamento em Análise Sensorial - BebidasTreinamento em Análise Sensorial - Bebidas
Treinamento em Análise Sensorial - Bebidas
 
Apresentação secagem
Apresentação   secagemApresentação   secagem
Apresentação secagem
 
Relatório p4 sedimentação
Relatório p4   sedimentaçãoRelatório p4   sedimentação
Relatório p4 sedimentação
 
Relatório de Refratometria
Relatório de RefratometriaRelatório de Refratometria
Relatório de Refratometria
 
75755565 relatorio-8-determinacao-do-ferro-numa-agua-natural-por-espectrofoto...
75755565 relatorio-8-determinacao-do-ferro-numa-agua-natural-por-espectrofoto...75755565 relatorio-8-determinacao-do-ferro-numa-agua-natural-por-espectrofoto...
75755565 relatorio-8-determinacao-do-ferro-numa-agua-natural-por-espectrofoto...
 
Ervilha
ErvilhaErvilha
Ervilha
 
Destilação
DestilaçãoDestilação
Destilação
 
Controle de qualidade de matérias primas e produto acabado
Controle de qualidade de matérias primas e produto acabadoControle de qualidade de matérias primas e produto acabado
Controle de qualidade de matérias primas e produto acabado
 
Relatório - determinação volumétrica de ferro(ii) em medicamento com indicado...
Relatório - determinação volumétrica de ferro(ii) em medicamento com indicado...Relatório - determinação volumétrica de ferro(ii) em medicamento com indicado...
Relatório - determinação volumétrica de ferro(ii) em medicamento com indicado...
 
Biorreatores
BiorreatoresBiorreatores
Biorreatores
 
Relatório Potenciometria
Relatório PotenciometriaRelatório Potenciometria
Relatório Potenciometria
 
Vida sem gluten- Receitas fáceis- ACELBRA-RJ
Vida sem gluten- Receitas fáceis- ACELBRA-RJVida sem gluten- Receitas fáceis- ACELBRA-RJ
Vida sem gluten- Receitas fáceis- ACELBRA-RJ
 
Aula 07 processos de separação
Aula 07   processos de separaçãoAula 07   processos de separação
Aula 07 processos de separação
 
Harris quimica analitica - química analítica - daniel c. harris
Harris   quimica analitica - química analítica - daniel c. harrisHarris   quimica analitica - química analítica - daniel c. harris
Harris quimica analitica - química analítica - daniel c. harris
 
Coeficiente de partição
Coeficiente de partiçãoCoeficiente de partição
Coeficiente de partição
 
Congelamento
CongelamentoCongelamento
Congelamento
 
Roteiro prática 2 Umidade
Roteiro prática 2   UmidadeRoteiro prática 2   Umidade
Roteiro prática 2 Umidade
 

Destaque

Prospecção tecnológica
Prospecção tecnológicaProspecção tecnológica
Prospecção tecnológica
NIT Rio
 
Prospecção tecnológica para aulas
Prospecção tecnológica para aulasProspecção tecnológica para aulas
Prospecção tecnológica para aulas
Danilo Câmara
 
Apresentacao EESC
Apresentacao EESCApresentacao EESC
Apresentacao EESC
Daniel Entorno
 
Da ideia a propriedade intelectual
Da ideia a propriedade intelectualDa ideia a propriedade intelectual
Da ideia a propriedade intelectual
Claudia Beatriz Lopes Almeida
 
Mandioca gera etanol e eletricidade
Mandioca gera etanol e eletricidadeMandioca gera etanol e eletricidade
Mandioca gera etanol e eletricidade
Agricultura Sao Paulo
 
A importância da recuperação de áreas ciliares
A importância da recuperação de áreas ciliares A importância da recuperação de áreas ciliares
A importância da recuperação de áreas ciliares
Murilo Nasser Pinheiro
 
PRODUÇÃO DE ÁLCOOL DA MANDIOCA E DA CANA
PRODUÇÃO DE ÁLCOOL DA MANDIOCA E DA CANA PRODUÇÃO DE ÁLCOOL DA MANDIOCA E DA CANA
PRODUÇÃO DE ÁLCOOL DA MANDIOCA E DA CANA
Lucas Wallace Sousa Alves
 
Etanol
Etanol  Etanol
Etanol
Andressa Rita
 
Mata ciliar
Mata ciliarMata ciliar
Mata ciliar
Bruno Marchi
 
Seminario patentes INPI-FEA/UNICAMP2012
Seminario patentes INPI-FEA/UNICAMP2012Seminario patentes INPI-FEA/UNICAMP2012
Seminario patentes INPI-FEA/UNICAMP2012
Camilo Teixeira
 
Cadeia produtiva da mandioca
Cadeia produtiva da mandiocaCadeia produtiva da mandioca
Cadeia produtiva da mandioca
Dufrrj
 
A ProduçãO Florestal
A ProduçãO FlorestalA ProduçãO Florestal
A ProduçãO Florestal
Maria Adelaide
 
Projeto feira de ciencias cnpq karla
Projeto feira de ciencias cnpq karlaProjeto feira de ciencias cnpq karla
Projeto feira de ciencias cnpq karla
karlajanys
 
Área de Preservação Permanente e Reserva Legal - novembro-2009
Área de Preservação Permanente e Reserva Legal - novembro-2009Área de Preservação Permanente e Reserva Legal - novembro-2009
Área de Preservação Permanente e Reserva Legal - novembro-2009
Fabricio Soler
 
Trabalho sobre patentes slides
Trabalho sobre patentes slidesTrabalho sobre patentes slides
Trabalho sobre patentes slides
Ana Faracini
 
Florestas
FlorestasFlorestas
Florestas
FPCroca
 
mata ciliar
mata ciliarmata ciliar
mata ciliar
Claudia Pinheiro
 
Fabricação do alcool
Fabricação do alcoolFabricação do alcool
Fabricação do alcool
Rodolfo Ferreira
 
Processo de produção do Etanol-Da Matéria Prima ao produto Final
Processo de produção do Etanol-Da Matéria Prima ao produto FinalProcesso de produção do Etanol-Da Matéria Prima ao produto Final
Processo de produção do Etanol-Da Matéria Prima ao produto Final
Janielson Lima
 
Projeto Geral I Feira de Ciências e Mostra Científica na Escola
Projeto Geral I Feira de Ciências e Mostra Científica na EscolaProjeto Geral I Feira de Ciências e Mostra Científica na Escola
Projeto Geral I Feira de Ciências e Mostra Científica na Escola
Michel Eichelberger
 

Destaque (20)

Prospecção tecnológica
Prospecção tecnológicaProspecção tecnológica
Prospecção tecnológica
 
Prospecção tecnológica para aulas
Prospecção tecnológica para aulasProspecção tecnológica para aulas
Prospecção tecnológica para aulas
 
Apresentacao EESC
Apresentacao EESCApresentacao EESC
Apresentacao EESC
 
Da ideia a propriedade intelectual
Da ideia a propriedade intelectualDa ideia a propriedade intelectual
Da ideia a propriedade intelectual
 
Mandioca gera etanol e eletricidade
Mandioca gera etanol e eletricidadeMandioca gera etanol e eletricidade
Mandioca gera etanol e eletricidade
 
A importância da recuperação de áreas ciliares
A importância da recuperação de áreas ciliares A importância da recuperação de áreas ciliares
A importância da recuperação de áreas ciliares
 
PRODUÇÃO DE ÁLCOOL DA MANDIOCA E DA CANA
PRODUÇÃO DE ÁLCOOL DA MANDIOCA E DA CANA PRODUÇÃO DE ÁLCOOL DA MANDIOCA E DA CANA
PRODUÇÃO DE ÁLCOOL DA MANDIOCA E DA CANA
 
Etanol
Etanol  Etanol
Etanol
 
Mata ciliar
Mata ciliarMata ciliar
Mata ciliar
 
Seminario patentes INPI-FEA/UNICAMP2012
Seminario patentes INPI-FEA/UNICAMP2012Seminario patentes INPI-FEA/UNICAMP2012
Seminario patentes INPI-FEA/UNICAMP2012
 
Cadeia produtiva da mandioca
Cadeia produtiva da mandiocaCadeia produtiva da mandioca
Cadeia produtiva da mandioca
 
A ProduçãO Florestal
A ProduçãO FlorestalA ProduçãO Florestal
A ProduçãO Florestal
 
Projeto feira de ciencias cnpq karla
Projeto feira de ciencias cnpq karlaProjeto feira de ciencias cnpq karla
Projeto feira de ciencias cnpq karla
 
Área de Preservação Permanente e Reserva Legal - novembro-2009
Área de Preservação Permanente e Reserva Legal - novembro-2009Área de Preservação Permanente e Reserva Legal - novembro-2009
Área de Preservação Permanente e Reserva Legal - novembro-2009
 
Trabalho sobre patentes slides
Trabalho sobre patentes slidesTrabalho sobre patentes slides
Trabalho sobre patentes slides
 
Florestas
FlorestasFlorestas
Florestas
 
mata ciliar
mata ciliarmata ciliar
mata ciliar
 
Fabricação do alcool
Fabricação do alcoolFabricação do alcool
Fabricação do alcool
 
Processo de produção do Etanol-Da Matéria Prima ao produto Final
Processo de produção do Etanol-Da Matéria Prima ao produto FinalProcesso de produção do Etanol-Da Matéria Prima ao produto Final
Processo de produção do Etanol-Da Matéria Prima ao produto Final
 
Projeto Geral I Feira de Ciências e Mostra Científica na Escola
Projeto Geral I Feira de Ciências e Mostra Científica na EscolaProjeto Geral I Feira de Ciências e Mostra Científica na Escola
Projeto Geral I Feira de Ciências e Mostra Científica na Escola
 

Semelhante a PROSPECÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA POR MEIO DE BANCOS DE PUBLICAÇÕES E DE PATENTES: experiência do NIT-UFPB

Inovação em Tribologia
Inovação em TribologiaInovação em Tribologia
Apresentação natal
Apresentação natalApresentação natal
Apresentação natal
abntweb
 
Projetooportunidadesaodesenvolvimento 101129130517-phpapp01
Projetooportunidadesaodesenvolvimento 101129130517-phpapp01Projetooportunidadesaodesenvolvimento 101129130517-phpapp01
Projetooportunidadesaodesenvolvimento 101129130517-phpapp01
SPTME SECTES
 
Oportunidades ao Desenvolvimento Sócio-Econômico e Desafios da Ciência, da Te...
Oportunidades ao Desenvolvimento Sócio-Econômico e Desafios da Ciência, da Te...Oportunidades ao Desenvolvimento Sócio-Econômico e Desafios da Ciência, da Te...
Oportunidades ao Desenvolvimento Sócio-Econômico e Desafios da Ciência, da Te...
SPTME SECTES
 
Contribuições da bibliometria para a seleção de materiais no desenvolvimento ...
Contribuições da bibliometria para a seleção de materiais no desenvolvimento ...Contribuições da bibliometria para a seleção de materiais no desenvolvimento ...
Contribuições da bibliometria para a seleção de materiais no desenvolvimento ...
VI EBBC - Encontro Brasileiro de Bibliometria e Cientometria
 
A Pesquisa em Engenharia de Produção na Universidade: Uma Proposta Metodológi...
A Pesquisa em Engenharia de Produção na Universidade: Uma Proposta Metodológi...A Pesquisa em Engenharia de Produção na Universidade: Uma Proposta Metodológi...
A Pesquisa em Engenharia de Produção na Universidade: Uma Proposta Metodológi...
Universidade Salgado de Oliveira
 
BIOTERA - INVENTÁRIO DE EMISSÃO DE GASES DE EFEITO ESTUFA
BIOTERA - INVENTÁRIO DE EMISSÃO DE GASES DE EFEITO ESTUFABIOTERA - INVENTÁRIO DE EMISSÃO DE GASES DE EFEITO ESTUFA
BIOTERA - INVENTÁRIO DE EMISSÃO DE GASES DE EFEITO ESTUFA
Biotera
 
Novas Tecnologias em Tubulações na Exploração do Pré – Sal Brasileiro
Novas Tecnologias em Tubulações na Exploração do Pré – Sal BrasileiroNovas Tecnologias em Tubulações na Exploração do Pré – Sal Brasileiro
Novas Tecnologias em Tubulações na Exploração do Pré – Sal Brasileiro
Junior Ozono
 
Tendências, diretrizes e desafios governamentais em pesquisa, desenvolvimento...
Tendências, diretrizes e desafios governamentais em pesquisa, desenvolvimento...Tendências, diretrizes e desafios governamentais em pesquisa, desenvolvimento...
Tendências, diretrizes e desafios governamentais em pesquisa, desenvolvimento...
senaimais
 
Compendex, ScienceDirect, Scopus e Mendeley
Compendex, ScienceDirect, Scopus e MendeleyCompendex, ScienceDirect, Scopus e Mendeley
Compendex, ScienceDirect, Scopus e Mendeley
Universidade Federal do Rio Grande do Sul
 
Cristiana Agapito - SciELO Portugal: O ontem, hoje e amanhã
Cristiana Agapito - SciELO Portugal: O ontem, hoje e amanhãCristiana Agapito - SciELO Portugal: O ontem, hoje e amanhã
Cristiana Agapito - SciELO Portugal: O ontem, hoje e amanhã
SciELO - Scientific Electronic Library Online
 
Marcilio césar 11 15
Marcilio césar 11 15Marcilio césar 11 15
Marcilio césar 11 15
forumsustentar
 
Oficina de monitoramento de patentes com exercícios INPI
Oficina de monitoramento de patentes com exercícios INPIOficina de monitoramento de patentes com exercícios INPI
Oficina de monitoramento de patentes com exercícios INPI
Ricardo Rodrigues
 
Mineração de patentes (rio do sul)
Mineração de patentes (rio do sul)Mineração de patentes (rio do sul)
Mineração de patentes (rio do sul)
Congresso Catarinense de Ciências da Computação
 
Curriculum
CurriculumCurriculum
UTILIZAÇÃO DO COCO NA PRODUÇÃO DE COSMÉTICOS UMA PROSPECÇÃO TECNOLÓGICA.pptx
UTILIZAÇÃO DO COCO NA PRODUÇÃO DE COSMÉTICOS UMA PROSPECÇÃO TECNOLÓGICA.pptxUTILIZAÇÃO DO COCO NA PRODUÇÃO DE COSMÉTICOS UMA PROSPECÇÃO TECNOLÓGICA.pptx
UTILIZAÇÃO DO COCO NA PRODUÇÃO DE COSMÉTICOS UMA PROSPECÇÃO TECNOLÓGICA.pptx
Valdir Conceição
 
V SIMINOVE - INOVAÇÃO E SUAS POSSIBILIDADES: UM CÍRCULO VIRTUOSO - Dr. Sérgio...
V SIMINOVE - INOVAÇÃO E SUAS POSSIBILIDADES: UM CÍRCULO VIRTUOSO - Dr. Sérgio...V SIMINOVE - INOVAÇÃO E SUAS POSSIBILIDADES: UM CÍRCULO VIRTUOSO - Dr. Sérgio...
V SIMINOVE - INOVAÇÃO E SUAS POSSIBILIDADES: UM CÍRCULO VIRTUOSO - Dr. Sérgio...
Sistema Mineiro de Inovação
 
Workshop Ap2 H2 Conclusoes
Workshop Ap2 H2   ConclusoesWorkshop Ap2 H2   Conclusoes
Workshop Ap2 H2 Conclusoes
h2portugal
 
#Emissões: Inventários Corporativos
#Emissões: Inventários Corporativos#Emissões: Inventários Corporativos
#Emissões: Inventários Corporativos
Fiesp Federação das Indústrias do Estado de SP
 
LATEC - UFF. Materia petrole e p&d - junho -2015
LATEC - UFF. Materia   petrole e p&d - junho -2015LATEC - UFF. Materia   petrole e p&d - junho -2015
LATEC - UFF. Materia petrole e p&d - junho -2015
LATEC - UFF
 

Semelhante a PROSPECÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA POR MEIO DE BANCOS DE PUBLICAÇÕES E DE PATENTES: experiência do NIT-UFPB (20)

Inovação em Tribologia
Inovação em TribologiaInovação em Tribologia
Inovação em Tribologia
 
Apresentação natal
Apresentação natalApresentação natal
Apresentação natal
 
Projetooportunidadesaodesenvolvimento 101129130517-phpapp01
Projetooportunidadesaodesenvolvimento 101129130517-phpapp01Projetooportunidadesaodesenvolvimento 101129130517-phpapp01
Projetooportunidadesaodesenvolvimento 101129130517-phpapp01
 
Oportunidades ao Desenvolvimento Sócio-Econômico e Desafios da Ciência, da Te...
Oportunidades ao Desenvolvimento Sócio-Econômico e Desafios da Ciência, da Te...Oportunidades ao Desenvolvimento Sócio-Econômico e Desafios da Ciência, da Te...
Oportunidades ao Desenvolvimento Sócio-Econômico e Desafios da Ciência, da Te...
 
Contribuições da bibliometria para a seleção de materiais no desenvolvimento ...
Contribuições da bibliometria para a seleção de materiais no desenvolvimento ...Contribuições da bibliometria para a seleção de materiais no desenvolvimento ...
Contribuições da bibliometria para a seleção de materiais no desenvolvimento ...
 
A Pesquisa em Engenharia de Produção na Universidade: Uma Proposta Metodológi...
A Pesquisa em Engenharia de Produção na Universidade: Uma Proposta Metodológi...A Pesquisa em Engenharia de Produção na Universidade: Uma Proposta Metodológi...
A Pesquisa em Engenharia de Produção na Universidade: Uma Proposta Metodológi...
 
BIOTERA - INVENTÁRIO DE EMISSÃO DE GASES DE EFEITO ESTUFA
BIOTERA - INVENTÁRIO DE EMISSÃO DE GASES DE EFEITO ESTUFABIOTERA - INVENTÁRIO DE EMISSÃO DE GASES DE EFEITO ESTUFA
BIOTERA - INVENTÁRIO DE EMISSÃO DE GASES DE EFEITO ESTUFA
 
Novas Tecnologias em Tubulações na Exploração do Pré – Sal Brasileiro
Novas Tecnologias em Tubulações na Exploração do Pré – Sal BrasileiroNovas Tecnologias em Tubulações na Exploração do Pré – Sal Brasileiro
Novas Tecnologias em Tubulações na Exploração do Pré – Sal Brasileiro
 
Tendências, diretrizes e desafios governamentais em pesquisa, desenvolvimento...
Tendências, diretrizes e desafios governamentais em pesquisa, desenvolvimento...Tendências, diretrizes e desafios governamentais em pesquisa, desenvolvimento...
Tendências, diretrizes e desafios governamentais em pesquisa, desenvolvimento...
 
Compendex, ScienceDirect, Scopus e Mendeley
Compendex, ScienceDirect, Scopus e MendeleyCompendex, ScienceDirect, Scopus e Mendeley
Compendex, ScienceDirect, Scopus e Mendeley
 
Cristiana Agapito - SciELO Portugal: O ontem, hoje e amanhã
Cristiana Agapito - SciELO Portugal: O ontem, hoje e amanhãCristiana Agapito - SciELO Portugal: O ontem, hoje e amanhã
Cristiana Agapito - SciELO Portugal: O ontem, hoje e amanhã
 
Marcilio césar 11 15
Marcilio césar 11 15Marcilio césar 11 15
Marcilio césar 11 15
 
Oficina de monitoramento de patentes com exercícios INPI
Oficina de monitoramento de patentes com exercícios INPIOficina de monitoramento de patentes com exercícios INPI
Oficina de monitoramento de patentes com exercícios INPI
 
Mineração de patentes (rio do sul)
Mineração de patentes (rio do sul)Mineração de patentes (rio do sul)
Mineração de patentes (rio do sul)
 
Curriculum
CurriculumCurriculum
Curriculum
 
UTILIZAÇÃO DO COCO NA PRODUÇÃO DE COSMÉTICOS UMA PROSPECÇÃO TECNOLÓGICA.pptx
UTILIZAÇÃO DO COCO NA PRODUÇÃO DE COSMÉTICOS UMA PROSPECÇÃO TECNOLÓGICA.pptxUTILIZAÇÃO DO COCO NA PRODUÇÃO DE COSMÉTICOS UMA PROSPECÇÃO TECNOLÓGICA.pptx
UTILIZAÇÃO DO COCO NA PRODUÇÃO DE COSMÉTICOS UMA PROSPECÇÃO TECNOLÓGICA.pptx
 
V SIMINOVE - INOVAÇÃO E SUAS POSSIBILIDADES: UM CÍRCULO VIRTUOSO - Dr. Sérgio...
V SIMINOVE - INOVAÇÃO E SUAS POSSIBILIDADES: UM CÍRCULO VIRTUOSO - Dr. Sérgio...V SIMINOVE - INOVAÇÃO E SUAS POSSIBILIDADES: UM CÍRCULO VIRTUOSO - Dr. Sérgio...
V SIMINOVE - INOVAÇÃO E SUAS POSSIBILIDADES: UM CÍRCULO VIRTUOSO - Dr. Sérgio...
 
Workshop Ap2 H2 Conclusoes
Workshop Ap2 H2   ConclusoesWorkshop Ap2 H2   Conclusoes
Workshop Ap2 H2 Conclusoes
 
#Emissões: Inventários Corporativos
#Emissões: Inventários Corporativos#Emissões: Inventários Corporativos
#Emissões: Inventários Corporativos
 
LATEC - UFF. Materia petrole e p&d - junho -2015
LATEC - UFF. Materia   petrole e p&d - junho -2015LATEC - UFF. Materia   petrole e p&d - junho -2015
LATEC - UFF. Materia petrole e p&d - junho -2015
 

PROSPECÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA POR MEIO DE BANCOS DE PUBLICAÇÕES E DE PATENTES: experiência do NIT-UFPB

  • 1. Oficina de Busca de Patente PROSPECÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA POR MEIO DE BANCOS DE PUBLICAÇÕES E DE PATENTES: experiência do NIT-UFPB Maria Gorete de Figueiredo NIT-UFPB/IBICT João Pessoa, 27 de outubro de 2011.
  • 2. Agenda 1. O NIT-UFPB: apresentação 2. Capacitação em prospecção 3. Prospecção: abordagem conceitual 4. Prospecção em Gás Natural 5. Prospecção em Etanol à Base de Mandioca 6. Considerações Finais
  • 3. NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA UFPB NIT-UFPB Atuação: Criado em 1981 - funcionou até 1995. Manteve-se um vácuo até 2004 2004 foi vinculado à CGIT/PRPG funcionando até o presente. As bases de constituição do NIT reportam-se a: PADCT – Programa de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico (1980). Criação de 16 NIT’s no país. Primeiro a complementar financiamento público em C&T. Ação inovadora na área na concepção, planejamento, execução e gestão. LEI DE INOVAÇÃO – Nº 10.973 de 02.12.2004. Dispõe sobre incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo e dá outras providências.
  • 4. O NIT-UFPB integra três redes no campo da CT&I Rede NI-PB Rede NIT-NE FORTEC
  • 5. Capacitação do NIT-UFPB em prospecção científica e tecnológica: Acesso aos bancos de dados de publicações e de patentes (fases de intermediária à avançada). Elaboração de indicadores da produção científica e tecnológica. Aprendizado em prospecção nas áreas temáticas de interesse da instituição. Equipe capacitada em indicadores de C&T, acesso a bancos de publicações e patentes, análise da produção científica e tecnológica. Capacitação possibilitada pelo CNPq/IBICT, INPI, Rede NIT-NE por meio de: cursos, oficinas hands on, assistência especializada (consultoria), literatura especializada.
  • 6. Trabalhos em processo: • Produção científica e tecnológica em Gás Natural • Levantamento de publicações e patentes - 2003-2008 • Produção científica e tecnológica em Etanol a Partir da Mandioca • Levantamento de publicações e patentes -1956-2008 Experiência em prospecção científica e tecnológica
  • 7. ABORDAGEM CONCEITUAL PROSPECÇÃO PROGNÓSTICO PREVISÃOX X Modo de pensar o futuro baseado na ação e na pré-determinação. Pressupõe uma participação ativa na conformação do futuro
  • 8. Atividades de prospecção centradas em: mudanças tecnológicas, mudanças na capacidade funcional ou mudanças no tempo e significado de uma inovação. Incorpora informação ao processo de gestão tecnológica. Busca predizer possíveis estados futuros da tecnologia ou condições que afetam sua contribuição para as metas estabelecidas. Coelho, 2003. Prospecção Tecnológica
  • 9. PROSPECÇÃO Conceito adotado: Processo que se ocupa de procurar, sistematicamente, examinar o futuro de longo prazo da ciência, da tecnologia, da economia e da sociedade, com o objetivo de identificar áreas de pesquisa estratégica e as tecnologias genéricas emergentes que tem a propensão de gerar os maiores benefícios econômicos e sociais. (Cuhls; Grupp, 2001; apud Coelho,2003)
  • 10. Objetivos e Potenciais Benefícios  Entender as forças que orientam o futuro.  Antecipar e entender o percurso das mudanças.  Subsidiar/orientar o processo de tomada de decisão em ciência, tecnologia e inovação.  Subsidiar decisões relativas ao estabelecimento de prioridades em P&D, gestão de risco das inovações tecnológicas, melhoria da competitividade tecnológica de produtos e processos. PROSPECÇÃO
  • 11. PROSPECÇÃO Objetivos e Potenciais Benefícios  Organizar sistemas de inovação que correspondem aos interesses da sociedade identificar as oportunidades e necessidades mais relevantes para a pesquisa no futuro.  Promover de canais e linguagens comuns para a circulação de informação e conhecimento estratégico para a inovação
  • 12. PROSPECÇÃO EM GÁS NATURAL Produção Científica em Gás Natural Artigos e papers Indexados em bancos de publicações internacionais que enfatizam diferentes enfoques da tecnologia, suas aplicações e diferentes estágios de pesquisa e desenvolvimento. • Science Direct (SD) • Web of Science (WS) • Sage Jounals • Scielo WS e SD são os maiores bancos de publicações do mundo.
  • 16. METODOLOGIA:  Revisão de literatura sobre metodologias da prospecção e sobre GN;  Consulta a vocabulários controlados e glossários da área;  Mapeamento semântico – compilação de conceitos da cadeia produtiva de Gás e Petróleo;  Busca avançada, inicialmente, em 3 bancos de dados: Web of Science, Science Direct e Sage Journals;  Termos e expressões buscadas em abstracts, títulos e palavras-chave dos bancos de publicações para artigos de periódicos;  Busca de artigos publicados em Congressos pelo Scielo;  Acesso aos bancos de publicações pelo Portal de Periódicos da Capes;  Seleção dos bancos mais representativos para análise dos indicadores;  Sínteses dos resultados das buscas em tabelas e gráficos;  Geração de indicadores;  Análises dos indicadores e das tendências obtidos pela pesquisa;  Publicação dos resultados na Reunião de Avaliação de Projetos da Recogás (2008). PRODUÇÃO CIENTÍFICA SOBRE GÁS NATURAL
  • 17. Métodos e técnicas utilizados Busca em bancos de publicações Mapeamento semântico Memórias de cálculos em planilhas Excel e Word. PRODUÇÃO CIENTÍFICA SOBRE GÁS NATURAL
  • 18. WS e SD indexaram no período de 2003-2009* um total de 4.889 artigos sobre Gás Natural. Web of Science 8.675 revistas científicas em 3 bases de dados: Science Direct Mais de 9 milhões de artigos em 24 áreas do conhecimento científico. Web of Science => 3.250 artigos Science Direct => 1.639 artigos SÍNTESE DOS RESULTADOS A pesquisa foi realizada em 2008 e abrangeu o período 2003-2008, mas foram encontrados artigos de 2009 já indexados em 2008. PRODUÇÃO CIENTÍFICA SOBRE GÁS NATURAL
  • 19. TERMOS E EXPRESSÕES PESQUISADOS MAIS RELEVANTES Combustão Termo que apresenta o maior número de artigos de periódicos entre 2003/9 em ambos os bancos. WS e SD => total de 934 artigos sobre combustão em GN. WS => 556 artigos sobre combustão SD => 378 artigos sobre combustão Anos mais produtivos em artigos sobre combustão em GN: WS => 2007 indexou 124 artigos sobre combustão SD => 2008 – indexou 95 artigos sobre combustão PRODUÇÃO CIENTÍFICA SOBRE GÁS NATURAL
  • 20. Armazenamento, célula de combustível, gasoduto Entre os termos e expressões pesquisados:  armazenamento - 2ª maior freqüência 270 artigos de periódicos indexados no WS;  célula de/a combustível - em 3º lugar 204 artigos;  gasoduto - em 4º lugar 171 artigos. PRODUÇÃO CIENTÍFICA SOBRE GÁS NATURAL
  • 21. ARTIGOS DE PERIÓDICOS INDEXADOS NO SCIENCE DIRECT – 2003/2009 DESCRITOR / PALAVRA- CHAVE 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 TOTAL Gás Natural 170 186 220 252 381 417 14 1.639 ARTIGOS DE PERIÓDICOS INDEXADOS NO WEB OF SCIENCE – 2003/2009 DESCRITOR / PALAVRA- CHAVE 2003 2004 2005 2006 2007 2008 TOTAL Gás Natural 576 775 702 683 968 758 3.250 PRODUÇÃO CIENTÍFICA SOBRE GÁS NATURAL
  • 22. SCIENCE DIRECT – GN COMO INSUMO ENERGÉTICO (Termos Obtidos em Abstracts, Títulos e Palavras-Chave) 2003 A 2008 PRODUÇÃO CIENTÍFICA EM GÁS NATURAL DESCRITOR / PALAVRA- CHAVE GN + (...) 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 TOTAL Co-Geração 10 6 7 13 8 20 1 65 Geração de energia 13 13 12 17 26 16 3 100 Geração de eletricidade 8 6 5 11 22 10 62 Cocção 1 2 1 4 2 1 11 Fornos 9 4 7 7 13 40 Queimadores 6 11 6 11 12 16 1 63 Criogênico 5 2 5 7 6 2 27
  • 23. PRODUÇÃO CIENTÍFICA SOBRE GÁS NATURAL SCIENCE DIRECT – GN COMO MATÉRIA PRIMA (Termos Obtidos em Abstracts, Títulos e Palavras-Chave) 2003 A 2008 DESCRITOR / PALAVRA- CHAVE GN + (...) 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 TOTAL Valorização química 1 1 Gás de síntese 4 2 4 11 4 8 33 Metanol 5 8 5 9 5 13 45 Hidrogênio Uso em célula combustível 18 21 26 32 37 29 159
  • 24. PRODUÇÃO CIENTÍFICA SOBRE GÁS NATURAL SCIENCE DIRECT – GN COMO TRANSPORTE-ESTOCAGEM (Termos Obtidos em Abstracts, Títulos e Palavras-Chave) 2003 A 2008 DESCRITOR / PALAVRA- CHAVE GN + (...) 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 TOTAL Comprimido 9 5 9 11 13 14 1 62 Adsortivo 2 3 3 8 Pipeline 10 8 16 12 31 31 2 110 Estocagem 8 9 15 14 44 41 1 132
  • 25. DESCRITOR / PALAVRA- CHAVE GN + (...) 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 TOTAL Associado 1 1 4 3 1 10 Não associado 1 1 2 Hidratos 12 9 10 3 27 9 70 Combustão 44 45 43 63 85 95 3 378 SCIENCE DIRECT – GN COMO PRODUÇÃO-OBTENÇÃO (Termos Obtidos em Abstracts, Títulos e Palavras-Chave) 2003 A 2008 PRODUÇÃO CIENTÍFICA SOBRE GÁS NATURAL
  • 26. SCIENCE DIRECT - GN COMO PRODUTO (Termos Obtidos em Abstracts, Títulos e Palavras-Chave) 2003 A 2008 DESCRITOR / PALAVRA- CHAVE GN + (...) 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 TOTAL Heat pumps 4 1 1 6 8 2 22 Software 1 1 3 4 6 9 24 PRODUÇÃO CIENTÍFICA SOBRE GÁS NATURAL
  • 27. Em Andamento Análise dos indicadores e tendências encontrados nas pesquisas. Preparação de artigos para publicação. PRODUÇÃO CIENTÍFICA SOBRE GÁS NATURAL
  • 28. Conhecer o estado da arte e da técnica, as inovações que estão sendo desenvolvidas e suas possibilidades de melhorar os procedimentos e minimizar os gargalos existentes nas já existentes. Entender as tendências científicas e tecnológicas previstas no processo de obtenção do etanol a partir da mandioca e no contexto de seu uso em nível global. PROSPECÇÃO CIENTÍFICA DO ETANOL A PARTIR DA MANDIOCA Objetivo
  • 29. METODOLOGIA Revisão de literatura sobre etanol obtido a partir da mandioca – o estado da arte nos últimos 10 anos (2000-2010). Elaboração de um mapeamento semântico e glossários, para conhecer os principais termos, equipamentos e substâncias que permeiam os processos de obtenção do álcool a partir da mandioca. O estudo dos termos possibilitaram chegar às palavras-chave relevantes, utilizadas nas pesquisas às bases de dados de artigos e de patentes, respectivamente. Os termos possibilitaram iniciar a prospecção científica por meio da bases de dados de artigos científicos, como: • Web of Science, • Science Direct • Scielo. PROSPECÇÃO CIENTÍFICA DO ETANOL A PARTIR DA MANDIOCA
  • 30. Nas buscas foram considerados aspectos históricos. O 1º artigo científico do álcool a partir da mandioca - 1956 Relacionou-se o surgimento dessa tecnologia com as fases da crise do petróleo, a influência das 5 crises nessa categoria de álcool: • 1956-1973 = Nacionalização do Canal de Suez • 1973-1980 = Guerra de Yom Kippur • 1980-1991 = Guerra do Irã-Iraque • 1991-2003 = Guerra do Golfo • 2003-2008 = Movimentos especulativos em nível global Foram elaborados relatórios e gráficos que tornassem os dados mais perceptíveis para às interpretações. METODOLOGIA PROSPECÇÃO CIENTÍFICA DO ETANOL A PARTIR DA MANDIOCA
  • 31. Bancos de dados de patentes usados na prospecção tecnológica: • Spacenet, • Wipo, • Canadian Patent Office e • INPI. As buscas foram antecedidas por um estudo de códigos da CIP - Classificação Internacional de Patentes para selecionar os códigos que serviriam, posteriormente, de base para prospecção junto àqueles bancos de dados. PROSPECÇÃO TECNOLÓGICA DO ETANOL A PARTIR DA MANDIOCA METODOLOGIA
  • 32. O conhecimento detalhado do processo de obtenção do álcool – obtido na interação com o pesquisador e literatura especializada - teve como interesse principal chegar nos termos, que seriam posteriormente, usados na prospecção: etanol, mandioca, enzima, amido, alfa-amilase, beta-amilase, amiloglucosidase, gelatinização, hidrólise, fermentação, destilação, saccharomyces, saccharomyces cerevisiae, recombinação genética, hidrólise enzimática, dextrinas, resíduo, zymomonas mobilis. PROSPECÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA DO ETANOL A PARTIR DA MANDIOCA Terminologia
  • 33. Na prospecção tecnológica não foi utilizada a totalidade dos termos. Utilizou-se a CIP. Na busca por patentes, especialmente, usaram-se apenas as palavras-chave mais importantes: • etanol e mandioca, para a base da INPI e • ethanol e cassava, nas demais internacionais, relacionadas com determinado código da CIP. PROSPECÇÃO CIENTÍFICA DO ETANOL A PARTIR DA MANDIOCA Terminologia
  • 34. A palavra mandioca gera 2 traduções para o inglês: manioc e cassava. Foi feito um levantamento prévio dos artigos científicos relacionados aos termos manioc e cassava, originados do banco de dados Science Direct. A pesquisa encontrou um número de artigos relacionado à palavra cassava superior aos relacionados à palavra manioc. PROSPECÇÃO CIENTÍFICA DO ETANOL A PARTIR DA MANDIOCA Terminologia
  • 35. As Figuras 1 e 2 mostram a diferença entre as quantidades de artigos geradas pela preferência de uso dos autores pela palavra cassava. PROSPECÇÃO CIENTÍFICA DO ETANOL A PARTIR DA MANDIOCA Discussão dos Resultados Obtidos Figura 1 – Número de artigos encontrados relacionados ao uso da palavra cassava.
  • 36. PROSPECÇÃO CIENTÍFICA DO ETANOL A PARTIR DA MANDIOCA Figura 2 – Número de artigos encontrados relacionados ao uso da palavra manioc. PROSPECÇÃO CIENTÍFICA DO ETANOL A PARTIR DA MANDIOCA Discussão dos Resultados Obtidos
  • 37. Manioc and Ethanol – 1956-2008 PROSPECÇÃO CIENTÍFICA DO ETANOL A PARTIR DA MANDIOCA Discussão dos Resultados Obtidos
  • 38. Cassava and Ethanol – 1956-2008 PROSPECÇÃO CIENTÍFICA DO ETANOL A PARTIR DA MANDIOCA Discussão dos Resultados Obtidos
  • 39. PROSPECÇÃO CIENTÍFICA DO ETANOL A PARTIR DA MANDIOCA Discussão dos Resultados Obtidos
  • 40. PROSPECÇÃO CIENTÍFICA DO ETANOL A PARTIR DA MANDIOCA Discussão dos Resultados Obtidos
  • 41. A prospecção tecnológica foi executada com base nos códigos da CIP. Os códigos, com suas respectivas descrições, estão expostos na Tabela 1. Tais códigos encontrados definiram as buscas avançadas nos bancos de patentes, aplicando-os associados às palavras-chave ethanol and cassava. O grupo principal selecionado foi o de química, grupo C, devido à sua aderência com a tecnologia de obtenção do álcool. Posteriormente, a escolha do sub-grupo C12: Bioquímica; cerveja; álcool; vinho; vinagre; microbiologia; enzimologia; engenharia genética ou de mutação bioquímica, cerveja. A partir de então, várias classes e sub-classes foram sendo encontradas e selecionadas, por se encaixarem efetivamente no estudo. PROSPECÇÃO TECNOLÓGICA DO ETANOL A PARTIR DA MANDIOCA Discussão dos Resultados Obtidos
  • 42. CÓDIGO DESCRIÇÃO C12F - Classe Recuperação de subprodutos de soluções fermentadas; desnaturação de, ou álcool desnaturado C12F 3/00 Recuperação de subprodutos. C12F 3/02 De dióxido de carbono. C12F 3/04 Recuperação de produtos voláteis de fermentação do dióxido de carbono. C12F 3/06 A partir de cervejas ou de vinho. C12F 3/08 Recuperação do álcool de resíduos de prensagem ou de outras matérias residuais. C12F 3/10 A partir de resíduos de destilarias. C12N - Classe Micro-organismos ou enzimas; suas composições, propagação, conservação, ou manutenção de micro-organismos; engenharia genética ou de mutações; meios de cultura. C12N 9/28 Alfa amilase de fonte microbiana, por exemplo, amilase bacteriana. C12N 9/30 Fonte fúngica. C12N 9/32 Alfa amilase de origem vegetal. C12N 9/34 Glicoamilase. C12N 9/42 Agindo sobre ligações beta-1,4glicosídicas, por ex, celulase. C12N 9/44 Agindo sobre ligações alfa-1,6glicosídicas, por ex, isoamilase, pululanase. C12N 15/00 Mutação ou engenharia genética; dna ou rna concernentes à engenharia genética, vetores, por ex., plasmídeos ou seu isolamento, preparação ou purificação; uso de seus hospedeiros. C12N15/09 Tecnologia de DNA recombinante. C12N15/10 Processos para o isolamento, preparação ou purificação do dna ou rna. C12P - Classe Processos de fermentação ou processos que utilizem enzimas para sintetizar uma composição ou composto químico desejado ou para separar isômeros ópticos de uma mistura racêmica C12P 1/00 Preparação de compostos ou composições, não incluídos nos grupos, pelo uso de micro-organismos ou enzimas; processos gerais para a preparação de compostos ou composições que utilizam micro-organismos ou enzimas C12P 1/02- Pelo uso de fungos C12P 1/04 Pelo uso de bactérias C12P 7/00 Preparação de compostos orgânicos contendo oxigênio C12P 7/06 Etanol, i.e., não para bebida. C12P 7/08 Produzido como sub-produto ou a partir de substrato de resíduo ou de material celulósico C12P 7/10 Substrato contendo o substrato material celulósico C12P 7/14 Estágios múltiplos de fermentação; utilização de fermentação com diferentes tipos de micro-organismos ou reutilização de micro-organismos C12P 19/00 Preparação de compostos contendo radicais sacarídeos C12P 19/02 Monossacarídeos C12P 19/04 Polissacarídeos, i.e., compostos contendo mais de cinco radicais sacarídeos ligados uns aos outros por ligações glicosídicas C12P 19/08 Dextrana C12P 19/12 Dissacarídeos C12P 19/16 Produzidos pela ação de alfa-1, 6-glicosidase, por ex., amilose, amilopectina não ramificada C12P 19/14 Produzidos pela ação de carboidrase, por ex., por alfa-amilase C12P 19/22 Produzidos pela ação de uma beta-amilase, por ex., maltose C08B 30/00 Hidrólise não biológica do amido C12R-Classe Esquema de indexação associado às subclasses relativo a micro-organismos C12R 1/865 Saccharomyces cerevisiae Tabela 1 – Códigos da CIP relacionados ao álcool a partir da mandioca.
  • 43. Foram usados os 33 códigos nas buscas de patentes. Cada busca resultou em um número reduzido de patentes, o que mostra essa tecnologia ainda em fase de crescimento e aceitação. O processo de obtenção do álcool a partir da mandioca ainda possui alguns gargalos, como é o caso do uso de enzimas em etapas de hidrólise, tornando-o caro. Porém, a patente PI 0501816-1 A propõe a recombinação genética do microorganismo que degrada açúcares de pequena cadeia carbônica, como a sacarose, por ex., para que estes degradem o amido, considerado um açúcar de cadeia carbônica grande. Dessa forma, a etapa do uso das enzimas será eliminado, proporcionado uma grande redução nos custos do processo, o que possibilitará a implantação dessa tecnologia em grande escala. PROSPECÇÃO TECNOLÓGICA DO ETANOL A PARTIR DA MANDIOCA Discussão dos Resultados Obtidos
  • 44. A patente PI 0501816-1 A é o único depósito feito em toda a base de dados do INPI e está cadastrada em três classes diferentes como mostra a Figura 3. Figura 3 – Única patente encontrada na base de dados INPI.
  • 45. As Figuras 3,4 5 e 6 expõem o número de publicações de patentes para os códigos mostrados na Tabela 1. Isso possibilita a identificação dos bancos de dados mais propícios para buscas no assunto e daqueles que oferecem maior número de patentes depositadas. PROSPECÇÃO TECNOLÓGICA DO ETANOL A PARTIR DA MANDIOCA Discussão dos Resultados Obtidos
  • 46. Figura 4 - Nº de patentes encontradas no banco de dados Canadian Patent Office.
  • 47. Figura 5 - Nº de patentes encontradas no banco de dados Spacenet.
  • 48. Figura 6 - Nº de patentes encontradas no banco de dados WIPO.
  • 49. O banco de dados Spacenet, com 18 patentes publicadas, dispõe do maior número de publicações relacionadas ao álcool a partir da mandioca. Utilizar grande quantidade de códigos da CIP serviu, também, para observar em qual classe estão concentrados os depósitos de patentes. A classe intitulada: Processos de fermentação ou processos que utilizem enzimas para sintetizar uma composição ou composto químico desejado ou para separar isômeros ópticos de uma mistura racêmica, de identificação C12P, recebeu maior número de patentes. Os processos enzimáticos, bioquímicos e genéticos são os mais comentados para essa tecnologia do álcool a partir da mandioca. Isso, justifica o interesse em se chegar num processo que elimine a etapa de hidrólise do amido, considerada a mais cara de todo o processo. As enzimas são proteínas exigentes com relação ao meio de atuação, não admitindo alterações bruscas no pH e na temperatura. PROSPECÇÃO TECNOLÓGICA DO ETANOL A PARTIR DA MANDIOCA Discussão dos Resultados Obtidos
  • 50. Os resultados da prospecção também demonstram que que as patentes relacionadas à mandioca estão sendo bastante exploradas em países asiáticos, como: • China e • Coréia do Norte; • além dos Estados Unidos e do Brasil - que já detêm tecnologias avançadas em biocombustíveis. A prospecção científica tomou como referência as crises do petróleo, objetivando saber se o aparecimento desta tecnologia tem haver com as crises dos petrocombustíveis. A Figura 7 mostra o número de patentes encontradas ao longo das cinco crises para as bases de dados Scielo, Web of Science e Science Direct. PROSPECÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA DO ETANOL A PARTIR DA MANDIOCA Discussão dos Resultados Obtidos
  • 51. Figura 7 – Nº de publicações ao longo da crises de petróleo para as três bases de dados utilizadas.
  • 52. Da Figura 7, pode-se inferir que o surgimento das pesquisas relacionadas ao álcool a partir da mandioca não está, necessariamente, relacionado com as crises do petróleo, pois se a relação houvesse, certamente, as publicações apareceriam nas primeiras crises, mas isso não aconteceu. Fica evidenciado que os estudos voltados para essa tecnologia ainda são recentes e que a base de dados com maior número de publicações nessa área é a Web of Science, com 38 artigos englobando todo o período das crises. A Science Direct é a segunda colocada, com uma diferença de 6 artigos, havendo duplicidade de artigos nas duas bases de dados. A base de dados brasileira, Scielo, possui 5 artigos para esse período. O primeiro deles, publicado no ano de 1999, propondo o uso de enzimas pectinases e celulases para a hidrólise/sacarificação do farelo de mandioca para a produção do álcool. PROSPECÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA DO ETANOL A PARTIR DA MANDIOCA Discussão dos Resultados Obtidos
  • 53. Em 2000, foi indexado ao Scielo a continuação do trabalho anterior com o estudo quantitativo das concentrações das enzimas usadas, intitulado: Avaliação da concentração de pectinase no processo de hidrólise-sacarificação do farelo de mandioca para obtenção de etanol. Em meados de 2007 surgem estudos voltados para o processo produtivo visando a análise energética da produção do álcool da mandioca, além de outros trabalhos envolvendo o assunto de fermentação, com o título: Fermentação alcoólica de substrato amiláceo e hidrolisado enriquecido com melaço de cana. PROSPECÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA DO ETANOL A PARTIR DA MANDIOCA Discussão dos Resultados Obtidos
  • 54. O Brasil possui potencial tecnológico e geográfico para introduzir em seus processos produtivos de biocombustíveis o álcool a partir da mandioca. Isso foi comprovado com a patente PI 0501816-1 A encontrada na prospecção tecnológica desse trabalho. Nela, os estudos genéticos irão viabilizar essa tecnologia em escala industrial diminuindo os custos com insumos que correspondem a 35,72% de todo o custo do processo, segundo diz o trabalho: Análise energética de sistemas de produção de etanol de mandioca (Manihot esculenta Crantz). PROSPECÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA DO ETANOL A PARTIR DA MANDIOCA Discussão dos Resultados Obtidos
  • 55. A prospecção é considerada, até o momento, uma das etapas mais importantes no desenvolvimento da tecnologia de obtenção de etanol a partir da mandioca. A avaliação do estado da arte foi decisiva para perceber as experiências exigidas no trabalho de laboratório e as etapas da pesquisa científica, bem como para identificar seus gargalos. Patentes e artigos científicos são documentos que direcionam o pesquisador a caminhos promissores em sua pesquisa, e orienta a alocação de recursos. Permitem, ainda, identificar e avaliar as oportunidades ou ameaças sinalizadas pelo mercado. Sugerem a formulação de novos processos e/ou produtos. E, mesmo, ajudam a formular políticas públicas para o setor. CONSIDERAÇÕES FINAIS
  • 56. CONSIDERAÇÕES FINAIS Do ponto de vista metodológico, constatou-se a importância, na indexação e recuperação de informações, do domínio de uso de sistemas, ferramentas e mecanismos terminológicos que possibilitem a tradução, a definição e o controle de termos semanticamente relacionados, da linguagem expressa em documentos, dos indexadores e dos pesquisadores.
  • 57. BIBLIOGRAFIA: BRASCHER, M. WebSemântica.2007. Disponível em <http://www.stf.jus.br/arquivo/sijed/16.pdf> Acesso em: 27/10/2011 08:21 BRASCHER, M.; CAFÉ, L. Organização da informação ou organização do conhecimento. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO: Diversidade cultural e políticas de informação – ENANCIB, 9., 2008, São Paulo. Anais... São Paulo: ENANCIB, 2008. 1 CD. COELHO, Gilda Massari. Prospecção tecnológica: metodologias e experiências nacionais e internacionais. Rio de Janeiro: INT, 2003. 105 p. (Nota Técnica, 14). MENDES, Cristina d’Urso de Souza. Prospecção Tecnológica. Curso de Capacitação em PI para Gestores de Tecnologia: módulo avançado. Curitiba : 2008. PORTO, Cláudio et al. Visão de futuro do setor de O&G do Brasil: horizonte 2010; cenários exploratórios e normativo focalizados no setor de óleo & gás. Rio de Janeiro: INT, 2002. 52 p. (Nota Técnica, 1). GASNET: o site do gás natural. Terminologias e glossário. Disponível em: http://www.gasnet.com.br/novo_gas_natural.asp Acesso em: 15.09.2011 FIGUEIREDO, M.G. Mapeamento semântico e conceitual do gás natural adaptado da cadeia produtiva de petróleo e gás. João Pessoa: UFPB, 2007. 22p. Nota Técnica.
  • 58. EQUIPE NIT/CGIT Carlos Antonio Cabral dos Santos - Coordenador Maria Gorete de Figueiredo Cleverton Rodrigues Fernandes João Francisco Fernandes Neto EQUIPE DE ELABORAÇÃO DAS PROSPECÇÕES: Maria Gorete de Figueiredo - Coordenação Gás Natural Maria Gorete de Figueiredo José Carlos de Urquiza e Silva Felipe Alves Etanol à Base de Mandioca Maria Gorete de Figueiredo Rosimeri Barboza de Abreu José Carlos de Urquiza e Silva