SlideShare uma empresa Scribd logo
1
EESSTTAADDOO DDOO CCEEAARRÁÁ
MMIINNIISSTTÉÉRRIIOO PPÚÚBBLLIICCOO
PPRROOCCUURRAADDOORRIIAA GGEERRAALL DDEE JJUUSSTTIIÇÇAA
PPRROOPPOOSSIIÇÇÕÕEESS DDOO FFIIDD//MMPPEE PPAARRAA OOSS CCAANNDDIIDDAATTOOSS ÀÀ
PPRREEFFEEIITTUURRAA DDEE FFOORRTTAALLEEZZAA GGEESSTTÃÃOO 22001133--1177 CCOOMM RREEFFEERRÊÊNNCCIIAA
AAOO SSEEGGMMEENNTTOO DDAASS PPEESSSSOOAASS CCOOMM DDEEFFIICCIIÊÊNNCCIIAA
FFEECCOOMMEERRCCIIOO// SSEESSCC//TTeeaattrroo EEmmiilliiaannoo ddee QQuueeiirroozz
FFoorrttaalleezzaa,, 1133 ddee sseetteemmbbrroo ddee 22001122
Os cidadãos e representantes dos movimentos e entidades que participam
do FID1
, na intenção de que sejam atendidas as necessidades e
prerrogativas do segmento de pessoas com deficiência pelo próximo gestor e
pela administração na Prefeitura de Fortaleza indicam uma pauta de
propostas, que segue firmada pelos candidatos que se comprometem a
priorizá-las e atendê-las de acordo com a legislação vigente, especialmente
o que apregoa a Constituição Brasileira, o Decreto Federal. 5296/20042
e a
NBR 9050/2012 da ABNT na questão da acessibilidade; a Lei Nacional da
Informação, a Convenção da ONU Sobre os Direitos das Pessoas com
Deficiências3
– nos seus 50 artigos dos quais o Brasil é signatário e nos
outros 15 artigos no seu protocolo facultativo4
, além da observância da Lei
1
Relação Entidades do FID em anexos
2
Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos
3
A Convenção sobre os Direitos da Pessoa com Deficiência e seu Protocolo Facultativo foram firmados pelo
Brasil em 30 de março de 2007, sendo aprovado pelo Congresso Nacional por meio do Dec. Legislativo n. 186 de 9
de julho de 2008 e pelo Dec. Do Poder Executivo n. 6.949 de 25 de agosto de 2009. Assim, a Convenção adquiriu
equivalência de Emenda Constitucional, conforme o rito estabelecido pelo § 3º do art. 5º da Constituição.
4
2
Orgânica do Município, do PDDU, da Lei Federal n. 9605 – conhecida como a
Lei dos Crimes Ambientais; do Código Nacional de Transito - Lei 9503/1997
(especialmente o art. 24 - competências), do Estatuto do Idoso - Lei
10.741/2003 e demais instrumentos legais que vierem a ser criados.
Premissas e Considerações
O DÉBITO SOCIAL
O poder público e a sociedade têm um pesado débito social para com o
segmento das pessoas com deficiência, que por longo tempo foram deixadas
a sua própria sorte, invisíveis e a cidade sempre pensada para as pessoas
sem deficiências e em boas condições. Segundo o senso 2010 do IBGE as
PCDs representam hoje no Brasil 23,9% da população; no nordeste 26,%;
no Ceará com 27,7% e na cidade de Fortaleza é de mais de 25% do
conjunto da população.
Mais de 80% das PCDs não tem oportunidade de trabalho; são de baixa
renda ou vivem na pobreza e estão confinadas em seus “lares”, sem
possibilidade de acesso aos equipamentos e serviços; não vêem atendidas
as suas premências de saúde, educação, cultura, esporte e lazer.
O foco para o pagamento do débito social é a busca pela melhoria da
qualidade de vida da população em um ambiente urbano saudável, o qual
gere oportunidades iguais e contemple o mais amplo espectro de pessoas e
classes sociais; para uma convivência que se aproxime de um padrão
mínimo de “urbanidade” e oportunidades, ainda não foi conquistado em
Fortaleza; uma cidade que avança para o futuro, mas que abunda em
problemas de todas as ordens.
O caminho para a solução vai no sentido dos direitos humanos e da justiça
social, o que é buscado através da “legalidade” através das ações do FID.
Considerando-se o aspecto social envolvido e a condição de Fortaleza - uma
das piores cidades na questão da distribuição de renda do planeta – segundo
o Banco Mundial (2010) - que tem perto de 80% da sua população vivendo
à margem - na pobreza ou na miséria – e da premente necessidade da
geração de renda daquela população que busca o seu sustento no comércio
informal nas ruas, criando barreiras à acessibilidade de todos, caberá ao
poder público planejar, orientar, fiscalizar e controlar o todo; mobilizar a
sociedade e apontar rumos e soluções.
É um paradoxo, o “caldeirão da acessibilidade” que precisa ser enfrentado e
solucionado.
3
A Necessidade de Adaptação da Legislação de Atenção às
PCDs
A legislação municipal da cidade de Fortaleza deverá ser adaptada a aos
avanços da legislação Federal e Estadual e dos tratados internacionais dos
quais o Brasil é signatário, em função da aproximação das suas conquistas e
melhorias; especialmente a Convenção da ONU Sobre Direitos das Pessoas
com Deficiências, o Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano, a Lei
Orgânica e Código de Posturas do município – e demais pertinentes, de
formas a aproximação da universalização dos direitos e a possibilidade do
exercício pleno da cidadania pelo conjunto da sociedade.
Nesse sentido, os candidatos ao executivo municipal, gestão 2013-2017,
assumem o compromisso com o segmento, de encaminhar ao legislativo
municipal os projetos de lei e de mobilizarem-se para as devidas adequações
no âmbito da legislação.
As Barreiras à Acessibilidade Arquitetônica e Urbanística
A acessibilidade arquitetônica e urbanística é uma condição básica para o
exercício da cidadania e para que haja a possibilidade de usufruto da cidade
e para que a cidade seja boa para todos.
Fortaleza ainda é uma cidade inacessível e não oferece as condições
mínimas para que as pessoas com mobilidade reduzida5
, especialmente as
PCDs tenham acesso aos espaços, aos equipamentos e às edificações; ao
transporte e à circulação de pessoas livre de barreiras.
No ambiente urbano das cidades, vemos nossas crianças e jovens se vêem
confinados, sem possibilidades de lazer, recreação e da pratica de esportes
ao ar livre nas cercanias das suas casas, nas praças e nos parques. Vemos
igualmente idosos e as pessoas com deficiências nas mesmas condições,
sem que o poder público assuma a si a responsabilidade de organização, de
administração e de animação destes espaços.
Considerando, ainda, que o sistema viário é orientador do desenvolvimento
e da organização urbana e, por isso, necessita ser pensado e readaptado
para o futuro em função da mobilidade e da acessibilidade – condição
exigida também para os grandes eventos que estão para acontecer no país e
em Fortaleza e, ainda, que a conquista da acessibilidade deve conjugar
todas as forças sociais – poder público, iniciativa privada, entidades de
classe, academia, habitantes e visitantes - a propensão e a ação do poder
público será de fundamental importância para catalisar o processo.
Atendendo à legislação pertinente, especialmente o Dec. 5296/2004 e a NBR
9050/2004 (revista em 2012), os candatos ao Executivo de Fortaleza
assumem com o segmento das PCDs o compromisso de desenvolver
5
Idosos, gestantes, pessoas com deficiência, obesos
4
programas para tornar a cidade acessível a todas as pessoas, liberando-a
das barreiras e utilizando-se da mais ampla gama de ferramentas técnicas,
legais, sociais e institucionais para isso6
; adequando e orientando a
população para o livre acesso e circulação; para a correta utilização das vias,
das edificações, do mobiliário e dos equipamentos urbanos – incluindo as
calçadas acessíveis a todos os cidadãos, inclusive aqueles com mobilidade
reduzida, para que estes possam usufruir da cidade.
Sobre o Fomento da Cultura de Inclusão
Considerando que a sociedade ainda não absorveu a necessidade de olhar
para uma “cultura de inclusão” das PCDs e dos idosos – de formas a que
tenham seus direitos equiparados e conquistados – o “direito universal” - e
para tornar acessível os importantes espaços de uso público e coletivo, os
quais poderiam estar sendo melhor utilizadas para as funções humanas de
habitação, trabalho, circulação, lazer e recreação, em uma cidade carente de
espaço adequados e bem cuidados para tal; se faz mister intensas e
profícuas campanhas de conscientização e de sensibilização da sociedade
como um todo.
Considerando-se ainda, que a práxis em Fortaleza não atende a legislação
vigente e ao padrão mínimo de urbanidade – de convivência harmônica que
possibilite o bom uso das vias, edificações, equipamentos e mobiliário
urbano; no mesmo sentido, campanhas deverão ser postas em prática para
a mudança do paradigma estigmatizado de que “no espaço público tudo
pode”.
A chave para a solução será a da integração de todas as forças sociais,
governamentais e institucionais para a solução dos seus próprios problemas
e para a construção da cidade que todos queremos. E, essa solução deverá
ser construída junto com as pessoas, comunidades, instituições e aparatos
técnicos; agindo no sentido de mudar o atual quadro e promover a mudança
de postura, para conseguir mudar esse padrão cultural arraigado.
Nesse sentido, algumas das ações sugeridas pelo FID dizem respeito a
programas e ações propositivas para a conscientização e direcionadas ao
amplo espectro da sociedade; com perspectiva de que sejam perenes -
“martelar no problema”, como ocorreu e ocorre com as campanhas contra a
AIDS, contra o mosquito da Dengue, contra o uso de capacete ou contra a
bebida alcoólica e direção - dentre outros.
Para tanto e no contexto de uma cidade como Fortaleza, com perto de 2,5
milhões de pessoas (senso 2010 IBGE), em que os desníveis sociais e
problemas são de toda a ordem, esses programas deverão ser direcionados
atendo-se a cada segmento: ao habitante, ao comerciante, ao estudante, ao
administrador, etc...
6
Em Cidade Acessível, em Busca dos Caminhos da Urbanidade e do Direito Universal (Zornitta, Fernando,
membro do FID)
5
Deverão ser consubstanciado com efetivas estratégias de comunicação social
para formação de alianças em função do problema.
O ideograma de quatro programas públicos, idealizados em função da
solução de problemas apresentados nas audiências públicas do FID, são
sugeridos, a seguir, para servirem de base para as ações da Prefeitura de
Fortaleza na nova administração, em função de sensibilizar os munícipes,
com amplitude para iniciar-se o processo de conscientização para a
eliminação das barreiras e para fomentar o senso de urbanidade e de
inclusão:
1. PROGRAMA SOLIDARIZE-SE; 2. PROGRAMA + URBANIDADE; +
ACESSIBILIDADE, 3. PROGRAMA ACESSIBILIDADE NO AMBIENTE
URBANO – EXPLICITANDO BARREIRAS E APONTANDO SOLUÇÕES; 4.
PROGRAMA CIDADE ACESSIVEL – ACESSIBILIDADE NO AMBIENTE
URBANO & DIREITOS UNIVERSAIS; a seguir resumidamente
apresentados:
1. PROGRAMA SOLIDARIZE-SE
Programa de educação e de conscientização para mobilização
comunitária nas cidades brasileiras, para resolução dos problemas
que nela ocorrem e que o poder público e a própria sociedade
querem uma ação e necessitam de uma conjugação de esforços para
a sua solução (exemplo, mudança de um paradigma cultural, tal como da
falta de acessibilidade das pessoas com deficiências e com mobilidade
reduzida; coleta seletiva e o destino do lixo; desocupação de áreas e
espaços públicos com atividades comerciais irregulares, relocação de
moradia (das áreas de risco, lagoas – dentre outras).
Ações e instrumentos do PROGRAMA SOLIDARIZE-SE:
● CARTILHA A URBANIDADE E A CIVILIDADE – A Convivência Harmônica nas
Cidades;
● Editoração de multimídia digital O OLHAR COLETIVO NAS CIDADES E AS
RESPONSABILIDADES;
● Palestras, Seminários em Escolas, Universidades, Comunidades, Igrejas,
Entidades Representativas dos Setores Empresariais em função do Programa
● Estruturação e Organização de Campanha de Desocupação de Espaços
Públicos;
● Campanhas de adoção (praças, ruas, escolas);
● Comunicação social e divulgação – Cartilha, Folder, cartaz, out-doors;
press releases, entrevistas TV, radio e jornais;
● Outros instrumentos
6
2. Programa + URBANIDADE; + ACESSIBILIDADE
O programa se propõe a desenvolver ações integradas entre todas as
instâncias sociais para promover a acessibilidade e a eliminação de barreiras
arquitetônicas e urbanísticas nas cidades brasileiras; bem como ações de
conscientização em função das mudanças atitudinais dos seus
administradores e habitantes; atuando no mais amplo espectro da
sociedade; junto ao legislativo, ao executivo e ao judiciário; junto as
entidades dos setores produtivos, junto as instituições de ensino, junto ao
terceiro setor e as comunidades.
2.1 - URBANIDADE & CIDADE ACESSIVEL – Ação Coletiva Geral
● Publicação URBANIDADE & CIDADE ACESSIVEL
● Documentário audiovisual URBANIDADE & CIDADE ACESSIVEL
● Expo-photo AMBIENTE URBANO, REVELANDO BARREIRAS
● Palestras e seminários URBANIDADE & CIDADE ACESSIVEL;
● Comunicação social e divulgação – Cartilha, Folder, cartaz, out-doors;
press releases, entrevistas TV, radio e jornais
● Atividades artísticas
● Outras Atividades
2.2 - EIXOS & AÇÕES PRIORITÁRIAS
2.2.1 - Sistema Viário
● INVENTARIO & DIAGNÓSTICO DO SISTEMA VIÁRIO
● ADAPTACAO LEGISLACAO MUNICIPAL E ESTADUAL A LEGISLAÇÃO
FEDERAL VIGENTE E DOS TRATADOS INTERNACIONAIS;
● CAMPANHAS DE CONSCIENTIZACAO abrangentes e especificas
● Projeto DESOBSTRUINDO VIAS, LIBERANDO ESPAÇOS
● ESCRITÓRIO ACESSÍVEL
● Cartilha NOSSA RUA ACESSÍVEL
2.2.2 - SETORES PRODUTIVOS & ACESSIBILIDADE
2.2.2.1 - Indústria, Comércio & Serviços
● Diversos projetos e ações específicos a cada segmento, como por exemplo
para os dois setores abaixo exemplificados nos projetos e nas ações:
2.2.2.2 – Setor Turismo / Turismo Acessível
● Projeto “CHECKING DA ACESSIBILIDADE”
● Projeto “DESTINO TURISTICO ACESSIVEL”
● Campanha publicitária TURISMO ACESSÍVEL
● Cartilha TURISMO ACESSIVEL;
● Palestras e seminários TURISMO & HOSPEDAGEM ACESSIVEL;
7
2.2.2.3 – Setor da Construção Civil
● Programa Construindo Sem Transtornos
● Regimento de Acessibilidade em Obras Públicas
● Cartilha OBRAS PÚBLICAS & ACESSIBILIDADE
● Palestras e Seminários OBRAS PÚBLICAS & ACESSIBILIDADE
● Regimento de Acessibilidade em Obras Civis
● Palestras e Seminários OBRAS CIVIS & ACESSIBILIDADE
2.2.2.4 - SETORES ESPECIFICOS – Habitacional e Comunitário
Programa Casa Acessível
● CARTILHA DA CASA ACESSIVEL
● Escritório CASA ACESSIVEL
● Seminários e palestras CASA ACESSIVEL
● Atividades artísticas
Programa Nossa Rua Acessivel
● Cartilha NOSSA RUA ACESSIVEL
● Palestras NOSSA RUA ACESSIVEL
● Atividades artísticas
Programa Nossa Praca Acessivel
● Cartilha NOSSA PRACA ACESSIVEL
● Palestras NOSSA PRACA ACESSIVEL
● Atividades artísticas
2.3 – OBSERVATÓRIO DA ACESSIBILIDADE – Com base no programa
com o mesmo título (OBSERVATÓRIO DA ACESSIBILIDADE), já desenvolvido
pelo MOVIMENTO GREEN WAVE e apresentado em audiência pública do MPE-
CE, no Fórum do Idoso e da Pessoa com Deficiência do Ceará, estruturar
ações conjuntas de todas as forças sociais para monitorar as ações públicas,
privadas e institucionais, bem como os avanços e retrocessos na busca da
acessibilidade.
3. PROGRAMA CIDADE ACESSIVEL – ACESSIBILIDADE NO AMBIENTE
URBANO & DIREITOS UNIVERSAIS
Propõe-se a desenvolver ações para contribuir com a mudança de postura
da sociedade, a partir da conscientização das comunidades,
especialmente a estudantil e universitária das cidades brasileiras nas
diversas unidades da federação, em função dessa perspectiva, para que a
médio-prazo haja uma mudança cultural, que faça a inclusão desse
8
segmento de pessoas e para que no futuro tenhamos cidadãos conscientes e
o respeito às diferenças.
Ações e instrumentos:
● Cartilha ACESSIBILIDADE, URBANIDADE & DIREITO UNIVERSAL
● Palestras em Escolas e em Universidades – tema CIDADE ACESSÍVEL
– Acessibilidade no Ambiente Urbano e Direito das Pessoas com Deficiências;
● Reforço nas Artes - Exposição Fotográfica Itinerante AMBIENTE
URBANO,REVELANDO BARREIRAS; teatro, música, literatura sobre temas
direta e indiretamente relacionados;
● Audiências Públicas ACESSIBILIDADE, URBANIDADE & DIREITO DAS
PESSOAS COM DEFICIÊNCIAS;
● Concursos – ex. de Redação ACESSIBILIDADE e DIREITOS DA PCDs,
fotografia e outros;
● Comunicação social e divulgação – Cartilha, Folder, cartaz, out-doors;
press releases, entrevistas TV, radio e jornais.
4. PROGRAMA ACESSIBILIDADE NO AMBIENTE URBANO –
EXPLICITANDO BARREIRAS E APONTANDO SOLUÇÕES
Propõe um conjunto de audiências públicas através dos Ministérios
Públicos Estadual e Federal, com bases em inventários das situações de
acessibilidade previamente desenvolvidas para que, em conjunto com a
administração pública e entidades de classe e da sociedade, consiga-se
iniciar um processo de reversão do atual quadro da falta de acessibilidade e
da encampação dos espaços público. Parte de fazer-se o “mea culpa”,
reconhecer o problema e atuar através da reeducação da sociedade.
Ações e instrumentos:
● Inventários da acessibilidade urbana e arquitetônica nas diversas
regiões administrativas e bairros da cidade;
● Exposições fotográficas e audiovisuais sobre os inventários procedidos
● Cartilha ACESSIBILIDADE NO AMBIENTE URBANO ● Condução da Serie de
Audiências Públicas
● Comunicação social e divulgação – Cartilha, Folder, cartaz, out-doors;
press releases, entrevistas TV, radio e jornais
Com referência aos programas propostos, recomenda-se que as ações de
intervenções a serem estabelecidas sejam estruturadas de formas a, num
primeiro momento, conscientizar a sociedade em todas as suas instâncias –
poder público e habitantes – especialmente dos comerciantes e vendedores
ambulantes que ganham o seu sustento nas ruas e nos espaços públicos -
da necessidade das ações em função da legislação vigente; fomentando
através de campanhas a cultura de inclusão e dando-lhes um prazo mínimo
de 3 meses após tomarem conhecimento das iniciativas para a relocação e
para que o processo não seja traumático e lhes possibilitem a readaptação
9
com o auxílio do poder público em todas as suas instâncias, das entidades e
da sociedade.
Também, que as intervenções sejam procedidas 6 meses após o início das
campanhas de conscientização e de sensibilização para a premência das
ações propostas de eliminação de barreiras.
Quanto ao Atendimento das Propostas da I Conferência
Municipal do Direito das Pessoas com Deficiência de
Fortaleza
O conjunto do segmento das PCD de Fortaleza, recentemente reunido na I
Conferência Municipal dos Direitos das Pessoas com Deficiência, pontuou os
seus problemas no atendimento às suas reivindicações e expectativas e
apontou em quatro eixos as propostas de ações para serem atendidas; o
que será levado pelos delegados eleitos à Conferência Estadual e
posteriormente à Conferência Nacional.
Eixos das propostas apresentadas à Conferência
Educação, Trabalho, Esporte e Reabilitação Profissional
Saúde, prevenção, reabilitação, órteses e próteses
Acessibilidade transporte, comunicação e moradia
Acesso a Justiça, segurança, padrão de vida e proteção social adequados
Como estas propostas representam a vontade e necessidades do segmento,
também compõe o presente documento que é firmado pelos candidatos ao
executivo municipal, que se comprometem, dentro das suas competências, a
atendê-los e a contribuir para que sejam atendidas nas demais esferas.
Eixos e propostas conforme aprovados pela Conferência:
10
11
12
13
E por estarem de acordo e propensos a aceitação das propostas do FID,
consubstanciadas com aquelas da I Conferência Municipal dos Direitos das
Pessoas com Deficiências de Fortaleza, os candidatos, abaixo nominados,
assinam o presente documento com o compromisso de trabalhar em prol da
efetivação das propostas contidas.
Fortaleza, 13 de setembro de 2012
Luiz Eduardo dos Santos
Procurador de Justiça/Vice-Ouvidor do MPE e Coordenador do FID
Candidatos
Nome, assinatura e Partido

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cartilha pintando direitos
Cartilha pintando direitosCartilha pintando direitos
Cartilha pintando direitos
Laisy Quesado
 
Cartilha Faders
Cartilha FadersCartilha Faders
Revista CEPAM - Fortalecendo Municípios - Novembro de 2009
Revista CEPAM - Fortalecendo Municípios - Novembro de 2009Revista CEPAM - Fortalecendo Municípios - Novembro de 2009
Revista CEPAM - Fortalecendo Municípios - Novembro de 2009
Peabirus
 
Guia de acessibilidade de Brasília
Guia de acessibilidade de BrasíliaGuia de acessibilidade de Brasília
Guia de acessibilidade de Brasília
Fábio Grando
 
Normas nacionais e internacionais da produção dos direitos
Normas nacionais e internacionais da produção dos direitosNormas nacionais e internacionais da produção dos direitos
Normas nacionais e internacionais da produção dos direitos
Lucas Santos
 
Cartilha COMDICA e FUNDO
Cartilha COMDICA e FUNDOCartilha COMDICA e FUNDO
Cartilha COMDICA e FUNDO
Impactto Cursos
 
OS NOVOS RUMOS DA FILANTROPIA E OS IDOSOS DEPENDENTES - 2º ENCONTRO DE FAMILI...
OS NOVOS RUMOS DA FILANTROPIA E OS IDOSOS DEPENDENTES - 2º ENCONTRO DE FAMILI...OS NOVOS RUMOS DA FILANTROPIA E OS IDOSOS DEPENDENTES - 2º ENCONTRO DE FAMILI...
OS NOVOS RUMOS DA FILANTROPIA E OS IDOSOS DEPENDENTES - 2º ENCONTRO DE FAMILI...
Márcio Borges
 
Convite audiência fid de 5 de junho de 2014
Convite audiência fid de 5 de junho de 2014Convite audiência fid de 5 de junho de 2014
Convite audiência fid de 5 de junho de 2014
Fernando Zornitta
 
Panorama da deficiência em portugal
Panorama da deficiência em portugalPanorama da deficiência em portugal
Panorama da deficiência em portugal
Mafalda Santos
 
O caldeirão da acessibilidade v.5 2013 d
O caldeirão da acessibilidade v.5 2013 dO caldeirão da acessibilidade v.5 2013 d
O caldeirão da acessibilidade v.5 2013 d
Fernando Zornitta
 
A Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência
A Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com DeficiênciaA Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência
A Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência
Brasscom
 
ISD SEMAS
ISD SEMASISD SEMAS
Prot. 1199 14 pl cria no município de vila velha o passe esportivo e dá out...
Prot. 1199 14   pl cria no município de vila velha o passe esportivo e dá out...Prot. 1199 14   pl cria no município de vila velha o passe esportivo e dá out...
Prot. 1199 14 pl cria no município de vila velha o passe esportivo e dá out...
ramonpeyroton
 
inclusão social das pessoas com deficiência
inclusão social das pessoas com deficiência inclusão social das pessoas com deficiência
inclusão social das pessoas com deficiência
RenataKelly25
 
Trab. geografiaaa
Trab. geografiaaaTrab. geografiaaa
Trab. geografiaaa
Isabel Cabral
 
Programa de governo pronto
Programa de governo prontoPrograma de governo pronto
Programa de governo pronto
NivaldoPrefeito
 
Programa de governo pronto
Programa de governo prontoPrograma de governo pronto
Programa de governo pronto
NivaldoPrefeito
 

Mais procurados (17)

Cartilha pintando direitos
Cartilha pintando direitosCartilha pintando direitos
Cartilha pintando direitos
 
Cartilha Faders
Cartilha FadersCartilha Faders
Cartilha Faders
 
Revista CEPAM - Fortalecendo Municípios - Novembro de 2009
Revista CEPAM - Fortalecendo Municípios - Novembro de 2009Revista CEPAM - Fortalecendo Municípios - Novembro de 2009
Revista CEPAM - Fortalecendo Municípios - Novembro de 2009
 
Guia de acessibilidade de Brasília
Guia de acessibilidade de BrasíliaGuia de acessibilidade de Brasília
Guia de acessibilidade de Brasília
 
Normas nacionais e internacionais da produção dos direitos
Normas nacionais e internacionais da produção dos direitosNormas nacionais e internacionais da produção dos direitos
Normas nacionais e internacionais da produção dos direitos
 
Cartilha COMDICA e FUNDO
Cartilha COMDICA e FUNDOCartilha COMDICA e FUNDO
Cartilha COMDICA e FUNDO
 
OS NOVOS RUMOS DA FILANTROPIA E OS IDOSOS DEPENDENTES - 2º ENCONTRO DE FAMILI...
OS NOVOS RUMOS DA FILANTROPIA E OS IDOSOS DEPENDENTES - 2º ENCONTRO DE FAMILI...OS NOVOS RUMOS DA FILANTROPIA E OS IDOSOS DEPENDENTES - 2º ENCONTRO DE FAMILI...
OS NOVOS RUMOS DA FILANTROPIA E OS IDOSOS DEPENDENTES - 2º ENCONTRO DE FAMILI...
 
Convite audiência fid de 5 de junho de 2014
Convite audiência fid de 5 de junho de 2014Convite audiência fid de 5 de junho de 2014
Convite audiência fid de 5 de junho de 2014
 
Panorama da deficiência em portugal
Panorama da deficiência em portugalPanorama da deficiência em portugal
Panorama da deficiência em portugal
 
O caldeirão da acessibilidade v.5 2013 d
O caldeirão da acessibilidade v.5 2013 dO caldeirão da acessibilidade v.5 2013 d
O caldeirão da acessibilidade v.5 2013 d
 
A Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência
A Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com DeficiênciaA Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência
A Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência
 
ISD SEMAS
ISD SEMASISD SEMAS
ISD SEMAS
 
Prot. 1199 14 pl cria no município de vila velha o passe esportivo e dá out...
Prot. 1199 14   pl cria no município de vila velha o passe esportivo e dá out...Prot. 1199 14   pl cria no município de vila velha o passe esportivo e dá out...
Prot. 1199 14 pl cria no município de vila velha o passe esportivo e dá out...
 
inclusão social das pessoas com deficiência
inclusão social das pessoas com deficiência inclusão social das pessoas com deficiência
inclusão social das pessoas com deficiência
 
Trab. geografiaaa
Trab. geografiaaaTrab. geografiaaa
Trab. geografiaaa
 
Programa de governo pronto
Programa de governo prontoPrograma de governo pronto
Programa de governo pronto
 
Programa de governo pronto
Programa de governo prontoPrograma de governo pronto
Programa de governo pronto
 

Destaque

Cesgranrio 2013-bndes-arquivologista-prova
Cesgranrio 2013-bndes-arquivologista-provaCesgranrio 2013-bndes-arquivologista-prova
Cesgranrio 2013-bndes-arquivologista-prova
Juliana Cavalcanti
 
Aula gestão empresarial e previdencia
Aula gestão empresarial e previdenciaAula gestão empresarial e previdencia
Aula gestão empresarial e previdencia
Emerson Oliveira
 
Wind 7 passo a passo
Wind 7 passo a passoWind 7 passo a passo
Wind 7 passo a passo
fernandesabza
 
Bate-Papo Favela - Meu Mundo no Planeta (Núcleo ICA)
Bate-Papo Favela - Meu Mundo no Planeta (Núcleo ICA)Bate-Papo Favela - Meu Mundo no Planeta (Núcleo ICA)
Bate-Papo Favela - Meu Mundo no Planeta (Núcleo ICA)
Núcleo ICA - Informação, Conhecimento e Atitude
 
Munson mecanica dos fluidos livro 4th
Munson mecanica dos fluidos livro 4thMunson mecanica dos fluidos livro 4th
Munson mecanica dos fluidos livro 4th
Anna Karoline Maciel
 
Ficha de trabalho 2
Ficha de trabalho 2Ficha de trabalho 2
Ficha de trabalho 2
Kikas Worlwide
 
100 receitas de bacalhau
100 receitas de bacalhau100 receitas de bacalhau
100 receitas de bacalhau
Tamires Ramos
 
Normal mayo 2012
Normal mayo 2012Normal mayo 2012
Normal mayo 2012
gaalvarezg
 
Além da cortina
Além da cortinaAlém da cortina
Além da cortina
Marcos Ribeiro
 
O lugar de adoração provido por deus-0425
 O lugar de adoração provido por deus-0425 O lugar de adoração provido por deus-0425
O lugar de adoração provido por deus-0425
Marcos Ribeiro
 
El Medio Ambiente y las ONGs relacionadas
El Medio Ambiente y las ONGs relacionadasEl Medio Ambiente y las ONGs relacionadas
El Medio Ambiente y las ONGs relacionadas
nazaretmedina
 
Representação do negro nas artes plásticas
Representação do negro nas artes plásticasRepresentação do negro nas artes plásticas
Representação do negro nas artes plásticas
CEF16
 
Tecnologia das edificações 2
Tecnologia das edificações 2Tecnologia das edificações 2
Tecnologia das edificações 2
Angelino Quissonde
 
Semana do trânsito -Gincana da convivência- ética
Semana do trânsito -Gincana da convivência-   éticaSemana do trânsito -Gincana da convivência-   ética
Semana do trânsito -Gincana da convivência- ética
Josiane Amaral
 
Varandas do Parque
Varandas do ParqueVarandas do Parque
Varandas do Parque
eduardorosasdf
 
Radiologia libro
Radiologia libroRadiologia libro
Radiologia libro
Cat Lunac
 
Europe2020stocktaking annex pt estratégias des 2020
Europe2020stocktaking annex pt estratégias des 2020Europe2020stocktaking annex pt estratégias des 2020
Europe2020stocktaking annex pt estratégias des 2020
Fernando Zornitta
 
Manual instalacion max7.5
Manual instalacion max7.5Manual instalacion max7.5
Manual instalacion max7.5
emichario sntos
 
Candidatos poltica-2.0-jóvenes-y-lucha-contra-la-corrupción
Candidatos poltica-2.0-jóvenes-y-lucha-contra-la-corrupciónCandidatos poltica-2.0-jóvenes-y-lucha-contra-la-corrupción
Candidatos poltica-2.0-jóvenes-y-lucha-contra-la-corrupción
Corporación Ocasa
 
Muralismo mexicano
Muralismo mexicanoMuralismo mexicano
Muralismo mexicano
CEF16
 

Destaque (20)

Cesgranrio 2013-bndes-arquivologista-prova
Cesgranrio 2013-bndes-arquivologista-provaCesgranrio 2013-bndes-arquivologista-prova
Cesgranrio 2013-bndes-arquivologista-prova
 
Aula gestão empresarial e previdencia
Aula gestão empresarial e previdenciaAula gestão empresarial e previdencia
Aula gestão empresarial e previdencia
 
Wind 7 passo a passo
Wind 7 passo a passoWind 7 passo a passo
Wind 7 passo a passo
 
Bate-Papo Favela - Meu Mundo no Planeta (Núcleo ICA)
Bate-Papo Favela - Meu Mundo no Planeta (Núcleo ICA)Bate-Papo Favela - Meu Mundo no Planeta (Núcleo ICA)
Bate-Papo Favela - Meu Mundo no Planeta (Núcleo ICA)
 
Munson mecanica dos fluidos livro 4th
Munson mecanica dos fluidos livro 4thMunson mecanica dos fluidos livro 4th
Munson mecanica dos fluidos livro 4th
 
Ficha de trabalho 2
Ficha de trabalho 2Ficha de trabalho 2
Ficha de trabalho 2
 
100 receitas de bacalhau
100 receitas de bacalhau100 receitas de bacalhau
100 receitas de bacalhau
 
Normal mayo 2012
Normal mayo 2012Normal mayo 2012
Normal mayo 2012
 
Além da cortina
Além da cortinaAlém da cortina
Além da cortina
 
O lugar de adoração provido por deus-0425
 O lugar de adoração provido por deus-0425 O lugar de adoração provido por deus-0425
O lugar de adoração provido por deus-0425
 
El Medio Ambiente y las ONGs relacionadas
El Medio Ambiente y las ONGs relacionadasEl Medio Ambiente y las ONGs relacionadas
El Medio Ambiente y las ONGs relacionadas
 
Representação do negro nas artes plásticas
Representação do negro nas artes plásticasRepresentação do negro nas artes plásticas
Representação do negro nas artes plásticas
 
Tecnologia das edificações 2
Tecnologia das edificações 2Tecnologia das edificações 2
Tecnologia das edificações 2
 
Semana do trânsito -Gincana da convivência- ética
Semana do trânsito -Gincana da convivência-   éticaSemana do trânsito -Gincana da convivência-   ética
Semana do trânsito -Gincana da convivência- ética
 
Varandas do Parque
Varandas do ParqueVarandas do Parque
Varandas do Parque
 
Radiologia libro
Radiologia libroRadiologia libro
Radiologia libro
 
Europe2020stocktaking annex pt estratégias des 2020
Europe2020stocktaking annex pt estratégias des 2020Europe2020stocktaking annex pt estratégias des 2020
Europe2020stocktaking annex pt estratégias des 2020
 
Manual instalacion max7.5
Manual instalacion max7.5Manual instalacion max7.5
Manual instalacion max7.5
 
Candidatos poltica-2.0-jóvenes-y-lucha-contra-la-corrupción
Candidatos poltica-2.0-jóvenes-y-lucha-contra-la-corrupciónCandidatos poltica-2.0-jóvenes-y-lucha-contra-la-corrupción
Candidatos poltica-2.0-jóvenes-y-lucha-contra-la-corrupción
 
Muralismo mexicano
Muralismo mexicanoMuralismo mexicano
Muralismo mexicano
 

Semelhante a Propostas fid aos candidatos

+ DIREITOS, + DIGNIDADE, + URBANIDADE, + ACESSIBILIDADE: CALÇADAS ACESSIVEIS
+ DIREITOS, + DIGNIDADE, + URBANIDADE, + ACESSIBILIDADE:  CALÇADAS ACESSIVEIS+ DIREITOS, + DIGNIDADE, + URBANIDADE, + ACESSIBILIDADE:  CALÇADAS ACESSIVEIS
+ DIREITOS, + DIGNIDADE, + URBANIDADE, + ACESSIBILIDADE: CALÇADAS ACESSIVEIS
Fernando Zornitta
 
Cidade acessível fernando zornitta
Cidade acessível   fernando zornittaCidade acessível   fernando zornitta
Cidade acessível fernando zornitta
Fernando Zornitta
 
Políticas de inclusão social na Prefeitura de São Paulo
Políticas de inclusão social na Prefeitura de São PauloPolíticas de inclusão social na Prefeitura de São Paulo
Políticas de inclusão social na Prefeitura de São Paulo
Cassia Buchalla
 
Convite audiência fid de 5 de junho de 2014
Convite audiência fid de 5 de junho de 2014Convite audiência fid de 5 de junho de 2014
Convite audiência fid de 5 de junho de 2014
Fernando Zornitta
 
Mais Cidadania, Melhor Sociedade
Mais Cidadania, Melhor SociedadeMais Cidadania, Melhor Sociedade
Mais Cidadania, Melhor Sociedade
JSD Distrital de Lisboa
 
Não só pão; nem só circo ! by fernando zornitta
  Não só pão; nem só circo !  by fernando zornitta  Não só pão; nem só circo !  by fernando zornitta
Não só pão; nem só circo ! by fernando zornitta
Fernando Zornitta
 
Apresentação 2 Jornada de Negócios Inclusivos
Apresentação 2 Jornada de Negócios InclusivosApresentação 2 Jornada de Negócios Inclusivos
Apresentação 2 Jornada de Negócios Inclusivos
ecosol
 
CLÁUDIA FAVARO - Contribuições UFRGS
CLÁUDIA FAVARO - Contribuições UFRGSCLÁUDIA FAVARO - Contribuições UFRGS
CLÁUDIA FAVARO - Contribuições UFRGS
Rafael Barros
 
A copa do mundo de futebol, o turismo e os problemas para as pc ds
A copa do mundo de futebol, o turismo e os problemas para as pc dsA copa do mundo de futebol, o turismo e os problemas para as pc ds
A copa do mundo de futebol, o turismo e os problemas para as pc ds
Fernando Zornitta
 
A copa do mundo de futebol, o turismo e os problemas para as pc ds
A copa do mundo de futebol, o turismo e os problemas para as pc dsA copa do mundo de futebol, o turismo e os problemas para as pc ds
A copa do mundo de futebol, o turismo e os problemas para as pc ds
Fernando Zornitta
 
TECNOLOGIAS ASSISTIVAS, NECESSIDADES E NOVAS PERSPECTIVAS: UMA ANALOGIA COM A...
TECNOLOGIAS ASSISTIVAS, NECESSIDADES E NOVAS PERSPECTIVAS: UMA ANALOGIA COM A...TECNOLOGIAS ASSISTIVAS, NECESSIDADES E NOVAS PERSPECTIVAS: UMA ANALOGIA COM A...
TECNOLOGIAS ASSISTIVAS, NECESSIDADES E NOVAS PERSPECTIVAS: UMA ANALOGIA COM A...
Fernando Zornitta
 
A rede de proteção e de cuidados para idosos dependentes
A rede de proteção e de cuidados para idosos dependentesA rede de proteção e de cuidados para idosos dependentes
A rede de proteção e de cuidados para idosos dependentes
Cuidar de Idosos
 
Proposta de governo 23
Proposta de governo 23Proposta de governo 23
Proposta de governo 23
Charles Leão
 
Convencao onu
Convencao onuConvencao onu
Convencao onu
lisodilo
 
Panorama da deficiência em portugal
Panorama da deficiência em portugalPanorama da deficiência em portugal
Panorama da deficiência em portugal
Mafalda Santos
 
Panorama da deficiência em portugal
Panorama da deficiência em portugalPanorama da deficiência em portugal
Panorama da deficiência em portugal
Mafalda Santos
 
Apresentação projeto sinaleira
Apresentação projeto sinaleiraApresentação projeto sinaleira
Apresentação projeto sinaleira
Projeto Sinaleira O mundo em suas mãos
 
Inclusao Social
Inclusao SocialInclusao Social
Inclusao Social
Andrea Gonzalez
 
O assistente social e a garantia de protecao social ao idoso
O assistente social e a garantia de protecao social ao idosoO assistente social e a garantia de protecao social ao idoso
O assistente social e a garantia de protecao social ao idoso
marcia geane correia de andrade
 
Plano de ação para o enfrentamento da violencia contra o idoso
Plano de ação para o enfrentamento da violencia contra o idosoPlano de ação para o enfrentamento da violencia contra o idoso
Plano de ação para o enfrentamento da violencia contra o idoso
ivone guedes borges
 

Semelhante a Propostas fid aos candidatos (20)

+ DIREITOS, + DIGNIDADE, + URBANIDADE, + ACESSIBILIDADE: CALÇADAS ACESSIVEIS
+ DIREITOS, + DIGNIDADE, + URBANIDADE, + ACESSIBILIDADE:  CALÇADAS ACESSIVEIS+ DIREITOS, + DIGNIDADE, + URBANIDADE, + ACESSIBILIDADE:  CALÇADAS ACESSIVEIS
+ DIREITOS, + DIGNIDADE, + URBANIDADE, + ACESSIBILIDADE: CALÇADAS ACESSIVEIS
 
Cidade acessível fernando zornitta
Cidade acessível   fernando zornittaCidade acessível   fernando zornitta
Cidade acessível fernando zornitta
 
Políticas de inclusão social na Prefeitura de São Paulo
Políticas de inclusão social na Prefeitura de São PauloPolíticas de inclusão social na Prefeitura de São Paulo
Políticas de inclusão social na Prefeitura de São Paulo
 
Convite audiência fid de 5 de junho de 2014
Convite audiência fid de 5 de junho de 2014Convite audiência fid de 5 de junho de 2014
Convite audiência fid de 5 de junho de 2014
 
Mais Cidadania, Melhor Sociedade
Mais Cidadania, Melhor SociedadeMais Cidadania, Melhor Sociedade
Mais Cidadania, Melhor Sociedade
 
Não só pão; nem só circo ! by fernando zornitta
  Não só pão; nem só circo !  by fernando zornitta  Não só pão; nem só circo !  by fernando zornitta
Não só pão; nem só circo ! by fernando zornitta
 
Apresentação 2 Jornada de Negócios Inclusivos
Apresentação 2 Jornada de Negócios InclusivosApresentação 2 Jornada de Negócios Inclusivos
Apresentação 2 Jornada de Negócios Inclusivos
 
CLÁUDIA FAVARO - Contribuições UFRGS
CLÁUDIA FAVARO - Contribuições UFRGSCLÁUDIA FAVARO - Contribuições UFRGS
CLÁUDIA FAVARO - Contribuições UFRGS
 
A copa do mundo de futebol, o turismo e os problemas para as pc ds
A copa do mundo de futebol, o turismo e os problemas para as pc dsA copa do mundo de futebol, o turismo e os problemas para as pc ds
A copa do mundo de futebol, o turismo e os problemas para as pc ds
 
A copa do mundo de futebol, o turismo e os problemas para as pc ds
A copa do mundo de futebol, o turismo e os problemas para as pc dsA copa do mundo de futebol, o turismo e os problemas para as pc ds
A copa do mundo de futebol, o turismo e os problemas para as pc ds
 
TECNOLOGIAS ASSISTIVAS, NECESSIDADES E NOVAS PERSPECTIVAS: UMA ANALOGIA COM A...
TECNOLOGIAS ASSISTIVAS, NECESSIDADES E NOVAS PERSPECTIVAS: UMA ANALOGIA COM A...TECNOLOGIAS ASSISTIVAS, NECESSIDADES E NOVAS PERSPECTIVAS: UMA ANALOGIA COM A...
TECNOLOGIAS ASSISTIVAS, NECESSIDADES E NOVAS PERSPECTIVAS: UMA ANALOGIA COM A...
 
A rede de proteção e de cuidados para idosos dependentes
A rede de proteção e de cuidados para idosos dependentesA rede de proteção e de cuidados para idosos dependentes
A rede de proteção e de cuidados para idosos dependentes
 
Proposta de governo 23
Proposta de governo 23Proposta de governo 23
Proposta de governo 23
 
Convencao onu
Convencao onuConvencao onu
Convencao onu
 
Panorama da deficiência em portugal
Panorama da deficiência em portugalPanorama da deficiência em portugal
Panorama da deficiência em portugal
 
Panorama da deficiência em portugal
Panorama da deficiência em portugalPanorama da deficiência em portugal
Panorama da deficiência em portugal
 
Apresentação projeto sinaleira
Apresentação projeto sinaleiraApresentação projeto sinaleira
Apresentação projeto sinaleira
 
Inclusao Social
Inclusao SocialInclusao Social
Inclusao Social
 
O assistente social e a garantia de protecao social ao idoso
O assistente social e a garantia de protecao social ao idosoO assistente social e a garantia de protecao social ao idoso
O assistente social e a garantia de protecao social ao idoso
 
Plano de ação para o enfrentamento da violencia contra o idoso
Plano de ação para o enfrentamento da violencia contra o idosoPlano de ação para o enfrentamento da violencia contra o idoso
Plano de ação para o enfrentamento da violencia contra o idoso
 

Mais de Fernando Zornitta

Teoria de las isas de ego 1.2
Teoria de las isas de ego 1.2Teoria de las isas de ego 1.2
Teoria de las isas de ego 1.2
Fernando Zornitta
 
Teoria de las isas de ego 1.0
Teoria de las isas de ego 1.0Teoria de las isas de ego 1.0
Teoria de las isas de ego 1.0
Fernando Zornitta
 
The ego islands theory 1.0
The ego islands theory 1.0The ego islands theory 1.0
The ego islands theory 1.0
Fernando Zornitta
 
Teoria das ilhas de ego 1.0
Teoria das ilhas de ego 1.0Teoria das ilhas de ego 1.0
Teoria das ilhas de ego 1.0
Fernando Zornitta
 
O lixo urbano 1.1
O lixo urbano 1.1O lixo urbano 1.1
O lixo urbano 1.1
Fernando Zornitta
 
Artigo livro digital_multimidia
Artigo livro digital_multimidiaArtigo livro digital_multimidia
Artigo livro digital_multimidia
Fernando Zornitta
 
REINO DESUNIDO
REINO DESUNIDOREINO DESUNIDO
REINO DESUNIDO
Fernando Zornitta
 
Desunited kindon
Desunited kindonDesunited kindon
Desunited kindon
Fernando Zornitta
 
Fernando Zornitta Curriculum
Fernando Zornitta CurriculumFernando Zornitta Curriculum
Fernando Zornitta Curriculum
Fernando Zornitta
 
O BRASIL E A ENGENHARIA REVERSA DO CAOS
O BRASIL E A ENGENHARIA REVERSA DO CAOSO BRASIL E A ENGENHARIA REVERSA DO CAOS
O BRASIL E A ENGENHARIA REVERSA DO CAOS
Fernando Zornitta
 
Obama in Hiroshima - A first step to pace building
Obama in Hiroshima - A first step to pace buildingObama in Hiroshima - A first step to pace building
Obama in Hiroshima - A first step to pace building
Fernando Zornitta
 
REINVENTANDO O BRASIL
REINVENTANDO O BRASILREINVENTANDO O BRASIL
REINVENTANDO O BRASIL
Fernando Zornitta
 
FIDELIDADE AO PODER LEGISLATIVO
FIDELIDADE AO PODER LEGISLATIVOFIDELIDADE AO PODER LEGISLATIVO
FIDELIDADE AO PODER LEGISLATIVO
Fernando Zornitta
 
TODOS PELO PLANETA, TODOS PELA PAZ
TODOS PELO PLANETA, TODOS PELA PAZ TODOS PELO PLANETA, TODOS PELA PAZ
TODOS PELO PLANETA, TODOS PELA PAZ
Fernando Zornitta
 
BRASIL: O PARLAMENTARISMO PODE SER UM NOVO CAMINHO ?
BRASIL: O PARLAMENTARISMO PODE SER UM NOVO CAMINHO ?BRASIL: O PARLAMENTARISMO PODE SER UM NOVO CAMINHO ?
BRASIL: O PARLAMENTARISMO PODE SER UM NOVO CAMINHO ?
Fernando Zornitta
 
SOS refugees
SOS refugeesSOS refugees
SOS refugees
Fernando Zornitta
 
Principles of the new millennium goals 2015 30
Principles of the new millennium goals 2015 30Principles of the new millennium goals 2015 30
Principles of the new millennium goals 2015 30
Fernando Zornitta
 
ALL FOR THE PLANET, ALL FOR THE PEACE.pt
ALL FOR THE PLANET, ALL FOR THE PEACE.ptALL FOR THE PLANET, ALL FOR THE PEACE.pt
ALL FOR THE PLANET, ALL FOR THE PEACE.pt
Fernando Zornitta
 
That flower (at someone's house)
That flower (at someone's house)That flower (at someone's house)
That flower (at someone's house)
Fernando Zornitta
 
Aquela flor (na casa de alguém)
Aquela flor (na casa de alguém)Aquela flor (na casa de alguém)
Aquela flor (na casa de alguém)
Fernando Zornitta
 

Mais de Fernando Zornitta (20)

Teoria de las isas de ego 1.2
Teoria de las isas de ego 1.2Teoria de las isas de ego 1.2
Teoria de las isas de ego 1.2
 
Teoria de las isas de ego 1.0
Teoria de las isas de ego 1.0Teoria de las isas de ego 1.0
Teoria de las isas de ego 1.0
 
The ego islands theory 1.0
The ego islands theory 1.0The ego islands theory 1.0
The ego islands theory 1.0
 
Teoria das ilhas de ego 1.0
Teoria das ilhas de ego 1.0Teoria das ilhas de ego 1.0
Teoria das ilhas de ego 1.0
 
O lixo urbano 1.1
O lixo urbano 1.1O lixo urbano 1.1
O lixo urbano 1.1
 
Artigo livro digital_multimidia
Artigo livro digital_multimidiaArtigo livro digital_multimidia
Artigo livro digital_multimidia
 
REINO DESUNIDO
REINO DESUNIDOREINO DESUNIDO
REINO DESUNIDO
 
Desunited kindon
Desunited kindonDesunited kindon
Desunited kindon
 
Fernando Zornitta Curriculum
Fernando Zornitta CurriculumFernando Zornitta Curriculum
Fernando Zornitta Curriculum
 
O BRASIL E A ENGENHARIA REVERSA DO CAOS
O BRASIL E A ENGENHARIA REVERSA DO CAOSO BRASIL E A ENGENHARIA REVERSA DO CAOS
O BRASIL E A ENGENHARIA REVERSA DO CAOS
 
Obama in Hiroshima - A first step to pace building
Obama in Hiroshima - A first step to pace buildingObama in Hiroshima - A first step to pace building
Obama in Hiroshima - A first step to pace building
 
REINVENTANDO O BRASIL
REINVENTANDO O BRASILREINVENTANDO O BRASIL
REINVENTANDO O BRASIL
 
FIDELIDADE AO PODER LEGISLATIVO
FIDELIDADE AO PODER LEGISLATIVOFIDELIDADE AO PODER LEGISLATIVO
FIDELIDADE AO PODER LEGISLATIVO
 
TODOS PELO PLANETA, TODOS PELA PAZ
TODOS PELO PLANETA, TODOS PELA PAZ TODOS PELO PLANETA, TODOS PELA PAZ
TODOS PELO PLANETA, TODOS PELA PAZ
 
BRASIL: O PARLAMENTARISMO PODE SER UM NOVO CAMINHO ?
BRASIL: O PARLAMENTARISMO PODE SER UM NOVO CAMINHO ?BRASIL: O PARLAMENTARISMO PODE SER UM NOVO CAMINHO ?
BRASIL: O PARLAMENTARISMO PODE SER UM NOVO CAMINHO ?
 
SOS refugees
SOS refugeesSOS refugees
SOS refugees
 
Principles of the new millennium goals 2015 30
Principles of the new millennium goals 2015 30Principles of the new millennium goals 2015 30
Principles of the new millennium goals 2015 30
 
ALL FOR THE PLANET, ALL FOR THE PEACE.pt
ALL FOR THE PLANET, ALL FOR THE PEACE.ptALL FOR THE PLANET, ALL FOR THE PEACE.pt
ALL FOR THE PLANET, ALL FOR THE PEACE.pt
 
That flower (at someone's house)
That flower (at someone's house)That flower (at someone's house)
That flower (at someone's house)
 
Aquela flor (na casa de alguém)
Aquela flor (na casa de alguém)Aquela flor (na casa de alguém)
Aquela flor (na casa de alguém)
 

Propostas fid aos candidatos

  • 1. 1 EESSTTAADDOO DDOO CCEEAARRÁÁ MMIINNIISSTTÉÉRRIIOO PPÚÚBBLLIICCOO PPRROOCCUURRAADDOORRIIAA GGEERRAALL DDEE JJUUSSTTIIÇÇAA PPRROOPPOOSSIIÇÇÕÕEESS DDOO FFIIDD//MMPPEE PPAARRAA OOSS CCAANNDDIIDDAATTOOSS ÀÀ PPRREEFFEEIITTUURRAA DDEE FFOORRTTAALLEEZZAA GGEESSTTÃÃOO 22001133--1177 CCOOMM RREEFFEERRÊÊNNCCIIAA AAOO SSEEGGMMEENNTTOO DDAASS PPEESSSSOOAASS CCOOMM DDEEFFIICCIIÊÊNNCCIIAA FFEECCOOMMEERRCCIIOO// SSEESSCC//TTeeaattrroo EEmmiilliiaannoo ddee QQuueeiirroozz FFoorrttaalleezzaa,, 1133 ddee sseetteemmbbrroo ddee 22001122 Os cidadãos e representantes dos movimentos e entidades que participam do FID1 , na intenção de que sejam atendidas as necessidades e prerrogativas do segmento de pessoas com deficiência pelo próximo gestor e pela administração na Prefeitura de Fortaleza indicam uma pauta de propostas, que segue firmada pelos candidatos que se comprometem a priorizá-las e atendê-las de acordo com a legislação vigente, especialmente o que apregoa a Constituição Brasileira, o Decreto Federal. 5296/20042 e a NBR 9050/2012 da ABNT na questão da acessibilidade; a Lei Nacional da Informação, a Convenção da ONU Sobre os Direitos das Pessoas com Deficiências3 – nos seus 50 artigos dos quais o Brasil é signatário e nos outros 15 artigos no seu protocolo facultativo4 , além da observância da Lei 1 Relação Entidades do FID em anexos 2 Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos 3 A Convenção sobre os Direitos da Pessoa com Deficiência e seu Protocolo Facultativo foram firmados pelo Brasil em 30 de março de 2007, sendo aprovado pelo Congresso Nacional por meio do Dec. Legislativo n. 186 de 9 de julho de 2008 e pelo Dec. Do Poder Executivo n. 6.949 de 25 de agosto de 2009. Assim, a Convenção adquiriu equivalência de Emenda Constitucional, conforme o rito estabelecido pelo § 3º do art. 5º da Constituição. 4
  • 2. 2 Orgânica do Município, do PDDU, da Lei Federal n. 9605 – conhecida como a Lei dos Crimes Ambientais; do Código Nacional de Transito - Lei 9503/1997 (especialmente o art. 24 - competências), do Estatuto do Idoso - Lei 10.741/2003 e demais instrumentos legais que vierem a ser criados. Premissas e Considerações O DÉBITO SOCIAL O poder público e a sociedade têm um pesado débito social para com o segmento das pessoas com deficiência, que por longo tempo foram deixadas a sua própria sorte, invisíveis e a cidade sempre pensada para as pessoas sem deficiências e em boas condições. Segundo o senso 2010 do IBGE as PCDs representam hoje no Brasil 23,9% da população; no nordeste 26,%; no Ceará com 27,7% e na cidade de Fortaleza é de mais de 25% do conjunto da população. Mais de 80% das PCDs não tem oportunidade de trabalho; são de baixa renda ou vivem na pobreza e estão confinadas em seus “lares”, sem possibilidade de acesso aos equipamentos e serviços; não vêem atendidas as suas premências de saúde, educação, cultura, esporte e lazer. O foco para o pagamento do débito social é a busca pela melhoria da qualidade de vida da população em um ambiente urbano saudável, o qual gere oportunidades iguais e contemple o mais amplo espectro de pessoas e classes sociais; para uma convivência que se aproxime de um padrão mínimo de “urbanidade” e oportunidades, ainda não foi conquistado em Fortaleza; uma cidade que avança para o futuro, mas que abunda em problemas de todas as ordens. O caminho para a solução vai no sentido dos direitos humanos e da justiça social, o que é buscado através da “legalidade” através das ações do FID. Considerando-se o aspecto social envolvido e a condição de Fortaleza - uma das piores cidades na questão da distribuição de renda do planeta – segundo o Banco Mundial (2010) - que tem perto de 80% da sua população vivendo à margem - na pobreza ou na miséria – e da premente necessidade da geração de renda daquela população que busca o seu sustento no comércio informal nas ruas, criando barreiras à acessibilidade de todos, caberá ao poder público planejar, orientar, fiscalizar e controlar o todo; mobilizar a sociedade e apontar rumos e soluções. É um paradoxo, o “caldeirão da acessibilidade” que precisa ser enfrentado e solucionado.
  • 3. 3 A Necessidade de Adaptação da Legislação de Atenção às PCDs A legislação municipal da cidade de Fortaleza deverá ser adaptada a aos avanços da legislação Federal e Estadual e dos tratados internacionais dos quais o Brasil é signatário, em função da aproximação das suas conquistas e melhorias; especialmente a Convenção da ONU Sobre Direitos das Pessoas com Deficiências, o Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano, a Lei Orgânica e Código de Posturas do município – e demais pertinentes, de formas a aproximação da universalização dos direitos e a possibilidade do exercício pleno da cidadania pelo conjunto da sociedade. Nesse sentido, os candidatos ao executivo municipal, gestão 2013-2017, assumem o compromisso com o segmento, de encaminhar ao legislativo municipal os projetos de lei e de mobilizarem-se para as devidas adequações no âmbito da legislação. As Barreiras à Acessibilidade Arquitetônica e Urbanística A acessibilidade arquitetônica e urbanística é uma condição básica para o exercício da cidadania e para que haja a possibilidade de usufruto da cidade e para que a cidade seja boa para todos. Fortaleza ainda é uma cidade inacessível e não oferece as condições mínimas para que as pessoas com mobilidade reduzida5 , especialmente as PCDs tenham acesso aos espaços, aos equipamentos e às edificações; ao transporte e à circulação de pessoas livre de barreiras. No ambiente urbano das cidades, vemos nossas crianças e jovens se vêem confinados, sem possibilidades de lazer, recreação e da pratica de esportes ao ar livre nas cercanias das suas casas, nas praças e nos parques. Vemos igualmente idosos e as pessoas com deficiências nas mesmas condições, sem que o poder público assuma a si a responsabilidade de organização, de administração e de animação destes espaços. Considerando, ainda, que o sistema viário é orientador do desenvolvimento e da organização urbana e, por isso, necessita ser pensado e readaptado para o futuro em função da mobilidade e da acessibilidade – condição exigida também para os grandes eventos que estão para acontecer no país e em Fortaleza e, ainda, que a conquista da acessibilidade deve conjugar todas as forças sociais – poder público, iniciativa privada, entidades de classe, academia, habitantes e visitantes - a propensão e a ação do poder público será de fundamental importância para catalisar o processo. Atendendo à legislação pertinente, especialmente o Dec. 5296/2004 e a NBR 9050/2004 (revista em 2012), os candatos ao Executivo de Fortaleza assumem com o segmento das PCDs o compromisso de desenvolver 5 Idosos, gestantes, pessoas com deficiência, obesos
  • 4. 4 programas para tornar a cidade acessível a todas as pessoas, liberando-a das barreiras e utilizando-se da mais ampla gama de ferramentas técnicas, legais, sociais e institucionais para isso6 ; adequando e orientando a população para o livre acesso e circulação; para a correta utilização das vias, das edificações, do mobiliário e dos equipamentos urbanos – incluindo as calçadas acessíveis a todos os cidadãos, inclusive aqueles com mobilidade reduzida, para que estes possam usufruir da cidade. Sobre o Fomento da Cultura de Inclusão Considerando que a sociedade ainda não absorveu a necessidade de olhar para uma “cultura de inclusão” das PCDs e dos idosos – de formas a que tenham seus direitos equiparados e conquistados – o “direito universal” - e para tornar acessível os importantes espaços de uso público e coletivo, os quais poderiam estar sendo melhor utilizadas para as funções humanas de habitação, trabalho, circulação, lazer e recreação, em uma cidade carente de espaço adequados e bem cuidados para tal; se faz mister intensas e profícuas campanhas de conscientização e de sensibilização da sociedade como um todo. Considerando-se ainda, que a práxis em Fortaleza não atende a legislação vigente e ao padrão mínimo de urbanidade – de convivência harmônica que possibilite o bom uso das vias, edificações, equipamentos e mobiliário urbano; no mesmo sentido, campanhas deverão ser postas em prática para a mudança do paradigma estigmatizado de que “no espaço público tudo pode”. A chave para a solução será a da integração de todas as forças sociais, governamentais e institucionais para a solução dos seus próprios problemas e para a construção da cidade que todos queremos. E, essa solução deverá ser construída junto com as pessoas, comunidades, instituições e aparatos técnicos; agindo no sentido de mudar o atual quadro e promover a mudança de postura, para conseguir mudar esse padrão cultural arraigado. Nesse sentido, algumas das ações sugeridas pelo FID dizem respeito a programas e ações propositivas para a conscientização e direcionadas ao amplo espectro da sociedade; com perspectiva de que sejam perenes - “martelar no problema”, como ocorreu e ocorre com as campanhas contra a AIDS, contra o mosquito da Dengue, contra o uso de capacete ou contra a bebida alcoólica e direção - dentre outros. Para tanto e no contexto de uma cidade como Fortaleza, com perto de 2,5 milhões de pessoas (senso 2010 IBGE), em que os desníveis sociais e problemas são de toda a ordem, esses programas deverão ser direcionados atendo-se a cada segmento: ao habitante, ao comerciante, ao estudante, ao administrador, etc... 6 Em Cidade Acessível, em Busca dos Caminhos da Urbanidade e do Direito Universal (Zornitta, Fernando, membro do FID)
  • 5. 5 Deverão ser consubstanciado com efetivas estratégias de comunicação social para formação de alianças em função do problema. O ideograma de quatro programas públicos, idealizados em função da solução de problemas apresentados nas audiências públicas do FID, são sugeridos, a seguir, para servirem de base para as ações da Prefeitura de Fortaleza na nova administração, em função de sensibilizar os munícipes, com amplitude para iniciar-se o processo de conscientização para a eliminação das barreiras e para fomentar o senso de urbanidade e de inclusão: 1. PROGRAMA SOLIDARIZE-SE; 2. PROGRAMA + URBANIDADE; + ACESSIBILIDADE, 3. PROGRAMA ACESSIBILIDADE NO AMBIENTE URBANO – EXPLICITANDO BARREIRAS E APONTANDO SOLUÇÕES; 4. PROGRAMA CIDADE ACESSIVEL – ACESSIBILIDADE NO AMBIENTE URBANO & DIREITOS UNIVERSAIS; a seguir resumidamente apresentados: 1. PROGRAMA SOLIDARIZE-SE Programa de educação e de conscientização para mobilização comunitária nas cidades brasileiras, para resolução dos problemas que nela ocorrem e que o poder público e a própria sociedade querem uma ação e necessitam de uma conjugação de esforços para a sua solução (exemplo, mudança de um paradigma cultural, tal como da falta de acessibilidade das pessoas com deficiências e com mobilidade reduzida; coleta seletiva e o destino do lixo; desocupação de áreas e espaços públicos com atividades comerciais irregulares, relocação de moradia (das áreas de risco, lagoas – dentre outras). Ações e instrumentos do PROGRAMA SOLIDARIZE-SE: ● CARTILHA A URBANIDADE E A CIVILIDADE – A Convivência Harmônica nas Cidades; ● Editoração de multimídia digital O OLHAR COLETIVO NAS CIDADES E AS RESPONSABILIDADES; ● Palestras, Seminários em Escolas, Universidades, Comunidades, Igrejas, Entidades Representativas dos Setores Empresariais em função do Programa ● Estruturação e Organização de Campanha de Desocupação de Espaços Públicos; ● Campanhas de adoção (praças, ruas, escolas); ● Comunicação social e divulgação – Cartilha, Folder, cartaz, out-doors; press releases, entrevistas TV, radio e jornais; ● Outros instrumentos
  • 6. 6 2. Programa + URBANIDADE; + ACESSIBILIDADE O programa se propõe a desenvolver ações integradas entre todas as instâncias sociais para promover a acessibilidade e a eliminação de barreiras arquitetônicas e urbanísticas nas cidades brasileiras; bem como ações de conscientização em função das mudanças atitudinais dos seus administradores e habitantes; atuando no mais amplo espectro da sociedade; junto ao legislativo, ao executivo e ao judiciário; junto as entidades dos setores produtivos, junto as instituições de ensino, junto ao terceiro setor e as comunidades. 2.1 - URBANIDADE & CIDADE ACESSIVEL – Ação Coletiva Geral ● Publicação URBANIDADE & CIDADE ACESSIVEL ● Documentário audiovisual URBANIDADE & CIDADE ACESSIVEL ● Expo-photo AMBIENTE URBANO, REVELANDO BARREIRAS ● Palestras e seminários URBANIDADE & CIDADE ACESSIVEL; ● Comunicação social e divulgação – Cartilha, Folder, cartaz, out-doors; press releases, entrevistas TV, radio e jornais ● Atividades artísticas ● Outras Atividades 2.2 - EIXOS & AÇÕES PRIORITÁRIAS 2.2.1 - Sistema Viário ● INVENTARIO & DIAGNÓSTICO DO SISTEMA VIÁRIO ● ADAPTACAO LEGISLACAO MUNICIPAL E ESTADUAL A LEGISLAÇÃO FEDERAL VIGENTE E DOS TRATADOS INTERNACIONAIS; ● CAMPANHAS DE CONSCIENTIZACAO abrangentes e especificas ● Projeto DESOBSTRUINDO VIAS, LIBERANDO ESPAÇOS ● ESCRITÓRIO ACESSÍVEL ● Cartilha NOSSA RUA ACESSÍVEL 2.2.2 - SETORES PRODUTIVOS & ACESSIBILIDADE 2.2.2.1 - Indústria, Comércio & Serviços ● Diversos projetos e ações específicos a cada segmento, como por exemplo para os dois setores abaixo exemplificados nos projetos e nas ações: 2.2.2.2 – Setor Turismo / Turismo Acessível ● Projeto “CHECKING DA ACESSIBILIDADE” ● Projeto “DESTINO TURISTICO ACESSIVEL” ● Campanha publicitária TURISMO ACESSÍVEL ● Cartilha TURISMO ACESSIVEL; ● Palestras e seminários TURISMO & HOSPEDAGEM ACESSIVEL;
  • 7. 7 2.2.2.3 – Setor da Construção Civil ● Programa Construindo Sem Transtornos ● Regimento de Acessibilidade em Obras Públicas ● Cartilha OBRAS PÚBLICAS & ACESSIBILIDADE ● Palestras e Seminários OBRAS PÚBLICAS & ACESSIBILIDADE ● Regimento de Acessibilidade em Obras Civis ● Palestras e Seminários OBRAS CIVIS & ACESSIBILIDADE 2.2.2.4 - SETORES ESPECIFICOS – Habitacional e Comunitário Programa Casa Acessível ● CARTILHA DA CASA ACESSIVEL ● Escritório CASA ACESSIVEL ● Seminários e palestras CASA ACESSIVEL ● Atividades artísticas Programa Nossa Rua Acessivel ● Cartilha NOSSA RUA ACESSIVEL ● Palestras NOSSA RUA ACESSIVEL ● Atividades artísticas Programa Nossa Praca Acessivel ● Cartilha NOSSA PRACA ACESSIVEL ● Palestras NOSSA PRACA ACESSIVEL ● Atividades artísticas 2.3 – OBSERVATÓRIO DA ACESSIBILIDADE – Com base no programa com o mesmo título (OBSERVATÓRIO DA ACESSIBILIDADE), já desenvolvido pelo MOVIMENTO GREEN WAVE e apresentado em audiência pública do MPE- CE, no Fórum do Idoso e da Pessoa com Deficiência do Ceará, estruturar ações conjuntas de todas as forças sociais para monitorar as ações públicas, privadas e institucionais, bem como os avanços e retrocessos na busca da acessibilidade. 3. PROGRAMA CIDADE ACESSIVEL – ACESSIBILIDADE NO AMBIENTE URBANO & DIREITOS UNIVERSAIS Propõe-se a desenvolver ações para contribuir com a mudança de postura da sociedade, a partir da conscientização das comunidades, especialmente a estudantil e universitária das cidades brasileiras nas diversas unidades da federação, em função dessa perspectiva, para que a médio-prazo haja uma mudança cultural, que faça a inclusão desse
  • 8. 8 segmento de pessoas e para que no futuro tenhamos cidadãos conscientes e o respeito às diferenças. Ações e instrumentos: ● Cartilha ACESSIBILIDADE, URBANIDADE & DIREITO UNIVERSAL ● Palestras em Escolas e em Universidades – tema CIDADE ACESSÍVEL – Acessibilidade no Ambiente Urbano e Direito das Pessoas com Deficiências; ● Reforço nas Artes - Exposição Fotográfica Itinerante AMBIENTE URBANO,REVELANDO BARREIRAS; teatro, música, literatura sobre temas direta e indiretamente relacionados; ● Audiências Públicas ACESSIBILIDADE, URBANIDADE & DIREITO DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIAS; ● Concursos – ex. de Redação ACESSIBILIDADE e DIREITOS DA PCDs, fotografia e outros; ● Comunicação social e divulgação – Cartilha, Folder, cartaz, out-doors; press releases, entrevistas TV, radio e jornais. 4. PROGRAMA ACESSIBILIDADE NO AMBIENTE URBANO – EXPLICITANDO BARREIRAS E APONTANDO SOLUÇÕES Propõe um conjunto de audiências públicas através dos Ministérios Públicos Estadual e Federal, com bases em inventários das situações de acessibilidade previamente desenvolvidas para que, em conjunto com a administração pública e entidades de classe e da sociedade, consiga-se iniciar um processo de reversão do atual quadro da falta de acessibilidade e da encampação dos espaços público. Parte de fazer-se o “mea culpa”, reconhecer o problema e atuar através da reeducação da sociedade. Ações e instrumentos: ● Inventários da acessibilidade urbana e arquitetônica nas diversas regiões administrativas e bairros da cidade; ● Exposições fotográficas e audiovisuais sobre os inventários procedidos ● Cartilha ACESSIBILIDADE NO AMBIENTE URBANO ● Condução da Serie de Audiências Públicas ● Comunicação social e divulgação – Cartilha, Folder, cartaz, out-doors; press releases, entrevistas TV, radio e jornais Com referência aos programas propostos, recomenda-se que as ações de intervenções a serem estabelecidas sejam estruturadas de formas a, num primeiro momento, conscientizar a sociedade em todas as suas instâncias – poder público e habitantes – especialmente dos comerciantes e vendedores ambulantes que ganham o seu sustento nas ruas e nos espaços públicos - da necessidade das ações em função da legislação vigente; fomentando através de campanhas a cultura de inclusão e dando-lhes um prazo mínimo de 3 meses após tomarem conhecimento das iniciativas para a relocação e para que o processo não seja traumático e lhes possibilitem a readaptação
  • 9. 9 com o auxílio do poder público em todas as suas instâncias, das entidades e da sociedade. Também, que as intervenções sejam procedidas 6 meses após o início das campanhas de conscientização e de sensibilização para a premência das ações propostas de eliminação de barreiras. Quanto ao Atendimento das Propostas da I Conferência Municipal do Direito das Pessoas com Deficiência de Fortaleza O conjunto do segmento das PCD de Fortaleza, recentemente reunido na I Conferência Municipal dos Direitos das Pessoas com Deficiência, pontuou os seus problemas no atendimento às suas reivindicações e expectativas e apontou em quatro eixos as propostas de ações para serem atendidas; o que será levado pelos delegados eleitos à Conferência Estadual e posteriormente à Conferência Nacional. Eixos das propostas apresentadas à Conferência Educação, Trabalho, Esporte e Reabilitação Profissional Saúde, prevenção, reabilitação, órteses e próteses Acessibilidade transporte, comunicação e moradia Acesso a Justiça, segurança, padrão de vida e proteção social adequados Como estas propostas representam a vontade e necessidades do segmento, também compõe o presente documento que é firmado pelos candidatos ao executivo municipal, que se comprometem, dentro das suas competências, a atendê-los e a contribuir para que sejam atendidas nas demais esferas. Eixos e propostas conforme aprovados pela Conferência:
  • 10. 10
  • 11. 11
  • 12. 12
  • 13. 13 E por estarem de acordo e propensos a aceitação das propostas do FID, consubstanciadas com aquelas da I Conferência Municipal dos Direitos das Pessoas com Deficiências de Fortaleza, os candidatos, abaixo nominados, assinam o presente documento com o compromisso de trabalhar em prol da efetivação das propostas contidas. Fortaleza, 13 de setembro de 2012 Luiz Eduardo dos Santos Procurador de Justiça/Vice-Ouvidor do MPE e Coordenador do FID Candidatos Nome, assinatura e Partido