SlideShare uma empresa Scribd logo
1
Promoção da amamentação
e alimentação complementar saudável
Projeto de
Inclusão Social e
Desenvolvimento
Comunitário
2 3
Amamentação e
alimentação saudável
para crianças pequenas
Tendo em vista a importância da Segurança Alimentar e
Nutricional, o Senac São Paulo e o Santander Universidades
disponibilizam esta cartilha que tem como objetivo apoiar
ações de promoção da amamentação e alimentação
complementar para crianças menores de dois anos.
Esta ação integra o “Projeto de Inclusão Social e
Desenvolvimento Comunitário” que oferece atividades
educacionais voltadas à melhoria da qualidade de vida das
populações e que são comprometidas com a responsabilidade
social e ambiental e a valorização da cidadania das
comunidades.
Esta cartilha foi elaborada para ajudar você a tirar as dúvidas
mais comuns e fornecer algumas dicas que podem auxiliar a
amamentação e introdução de novos alimentos.
Dessa forma, deverá contribuir com as políticas públicas
em desenvolvimento no país e estabelecer uma mobilização
nacional dirigida à redução da mortalidade infantil.
A amamentação é mais
fácil quando as mães têm
informações sobre as práticas
saudáveis para ela e para
os seus bebês, incluindo a
importância do aleitamento
exclusivo durante os primeiros
seis meses de vida.
Mesmo quando existem
obstáculos, a amamentação
pode ser mantida se as mães
receberem a compreensão
e apoio dos familiares, dos
amigos, da equipe de saúde e
no seu ambiente de trabalho.
A crescente urbanização e
as mudanças nas estruturas
familiares têm debilitado estes
mecanismos de apoio social.
A boa
alimentação
começa com a
amamentação...
Por que o leite
materno é bom?
O leite materno é forte e adequado para
o bebê, que não vai necessitar de outro
alimento até os 6 meses de idade. Depois
dessa idade o ato de amamentar deve ser
mantido e a alimentação complementar
deve ser introduzida.
4 5
Quais são as vantagens da
amamentação?
O leite materno é o alimento mais completo que existe
para o bebê até o sexto mês. Por isso não é preciso
completar com outros leites, mingaus, suquinhos, chá ou
água, fazendo economia para o orçamento familiar;
O leite materno é muito fácil de digerir e não sobrecarrega
o intestino e os rins do bebê. Isso explica porque as fezes
do bebê são aguadas (amarelas ou verdes), e que a urina
se apresente bem clarinha e abundante;
Ele protege o bebê da maioria das doenças;
É prático, não precisa ferver, misturar, coar, dissolver ou
esfriar;
Está sempre pronto, a qualquer hora ou lugar;
Transmite amor e carinho, fortalecendo os laços entre a
mãe e o bebê;
Protege a mãe da perda de sangue em grande quantidade
depois do parto;
A amamentação diminui as chances de a mãe ter câncer
de mama e de ovário.
Será que existe
leite fraco?
Não. O leite nunca é
fraco. A aparência do leite
muda conforme a fase da
amamentação: nos primeiros
dias o leite é geralmente
em pequena quantidade. É o
colostro, leite concentrado,
nutritivo e com muitos
anticorpos. É a primeira
vacina do bebê. No começo
da vida é muito importante
que ele receba o colostro
a toda hora. Além de dar
proteção, ajuda a treinar o
jeito de mamar. Com o passar
do tempo, o peito produz leite
adequado às necessidades
e à idade do bebê, mudando
de aparência conforme a
duração da mamada. No
início ele é mais aguado e
ao final da mamada é mais
gorduroso.
6 7
O que fazer
para ter
bastante
leite?
Quando o bebê começa a mamar,
quando nasce, ainda na sala de parto,
a descida e a produção do leite são
mais rápidas. Quanto mais o bebê
mama, mais leite se produz.
A produção do leite acontece quando
o bebê suga. Beba no mínimo quatro
copos de água por dia.
Para manter boa produção de leite,
a mãe deve oferecer o peito ao bebê
sempre que ele quiser e amamentar
durante a noite. Descansar também
ajuda. Para o bebê mamar mais, não dê
a ele chás, água, sucos ou outro tipo de
leite nos primeiros meses de vida.
Como
amamentar
o bebê?
A mãe deve estar confortável. Se
achar necessário poderá apoiar os
pés, os braços e as costas. O uso
de travesseiros costuma ajudar.
A posição do bebê também é
importante, ele precisa estar de
frente para o peito, bem encostado
no corpo da mãe, com o bumbum
apoiado pela mão da mamãe.
Quando o bebê abocanha uma grande parte da aréola, aquela
parte mais escura do peito em volta do bico, fica mais fácil
extrair o leite de dentro do peito para a boca. Isso mantém
uma boa produção de leite e protege o peito das rachaduras.
Uma dica para o bebê abrir bem a boca e pegar bastante
aréola: passe o bico do peito na
parte que fica entre a boca e o nariz.
Há mais aréola visível acima da
boca do que abaixo. A criança deve
esvaziar totalmente uma mama, para
então depois ou na próxima mamada
mamar da outra mama.
8 9
O que fazer para evitar
rachaduras?
Como evitar que o
leite empedre?
Para não tirar a proteção natural
da pele da aréola, não passe
cremes, sabonetes ou loções e
evite esfregar ou massagear os
mamilos. Passar o próprio leite,
depois das mamadas, limpa e
protege a aréola. Ensinar o bebê
a abrir bem a boca na hora de
abocanhar e amamentar é o mais
importante para prevenir e evitar
as rachaduras.
Para evitar o empedramento, toda
vez que o peito estiver muito cheio ou
pesado ele deve ser esvaziado. Para
retirar o leite do peito, faça massagens
suaves em todo o peito. Depois, coloque
o polegar e o indicador na linha que
divide a aréola do restante do peito e
aperte suavemente um dedo contra o
outro. O leite inicialmente sai em gotas
e logo após em pequenos jatos.
Por que não se deve
usar mamadeira ou
chupeta?
Quando o bebê experimenta outro bico
dentro da boca, ele pode ficar confuso e
começar a atrapalhar-se na hora de mamar
- às vezes isso leva-o a abandonar o peito.
Além disso, as mamadeiras e chupetas
são difíceis de limpar e esterilizar, podendo
causar infecções.
Existe alguma simpatia
que altere o leite?
Não. A maioria das simpatias ou crendices não
altera o leite. Por exemplo: o bebê arrotar no
peito, o leite pingar no chão, a menstruação,
nada disso altera a qualidade ou a quantidade
do leite. A relação sexual pode ser retomada
sem preocupações, pois não atrapalha a
amamentação. Aliás, se o bebê estiver
mamando só no peito (sem receber água, chás
ou outros alimentos), se o bebê tem menos de
6 meses e se a menstruação ainda não voltou,
a amamentação ajuda a prevenir uma nova
gravidez.
10 11
A alimentação da mãe pode
prejudicar a amamentação?
Não. A maioria dos alimentos não afeta a amamentação.
Comer um pouco mais que o habitual é suficiente para essa
fase em que o corpo está produzindo leite. Os alimentos
ácidos não “talham” o leite. Não é necessário tomar mais
leite de vaca para produzir leite. Recomenda-se que a mãe
ingira quatro copos de água por dia. Café, chá preto ou mate
e refrigerantes em grande quantidade podem provocar cólicas
no bebê. Parar temporariamente com eles vai mostrar se são
os causadores das cólicas. As bebidas alcoólicas e o cigarro
são desaconselháveis porque podem afetar a saúde do bebê.
As mães que têm anemia
podem amamentar?
Sim, mas devem procurar um
tratamento. O médico poderá
receitar a medicação adequada,
orientar dieta e a mãe continua
amamentando.
As mães podem tomar
medicamentos durante
a amamentação?
A maioria dos medicamentos é compatível
com a amamentação. A mãe só deve tomar
remédios quando orientada pelo médico
ou por um profissional habilitado.
O que mais
a mãe pode
fazer para
produzir mais
leite?
Muitas mulheres voltam
para suas atividades
normais e nem sempre
conseguem tempo para
descansar. Além de todo
o trabalho que já faziam
antes, elas também
estão produzindo leite.
Descansar, sempre que
possível, nos intervalos
das mamadas pode
ajudar.
12 13
Qual é a idade de parar
de amamentar?
A amamentação é
recomendada até 2 anos ou
mais. O leite acompanha o
crescimento do bebê e ainda
contém proteínas, vitaminas,
energia e anticorpos para a
melhor proteção da criança.
Depois de 2 anos de idade,
mãe e bebê devem decidir se
continuam ou não.
Quando a mãe
engravida novamente
pode continuar a
amamentar?
Sim. Uma nova gestação não prejudica o
leite, mesmo que mude um pouquinho o seu
gosto. O bebê às vezes estranha, mas logo
se acostuma. A amamentação não costuma
prejudicar o bebê que está se formando. O
médico ou profissional que acompanha o
pré-natal deve orientar essa nova gravidez.
Como fazer para trabalhar
e amamentar?
Durante a licença-maternidade dar só de mamar, sem qualquer
outro líquido. Depois desse período, peça para levar o bebê
consigo no trabalho, para continuar a amamentação. Se não
for possível, peça à pessoa que vai cuidar do bebê para levá-lo
ao seu trabalho para que você mesma possa amamentá-lo.
Se o seu trabalho for perto de sua casa, aproveite a “pausa
amamentação” para ir amamentar.
Caso essas medidas não sejam possíveis, a mãe pode:
Uma ou duas semanas antes de voltar ao trabalho, começar a
tirar o seu leite e a guardá-lo para fazer um estoque;
Amamentar antes de sair de casa para o trabalho e
imediatamente após regressar;
Amamentar durante a noite;
No trabalho, se possível, retirar o leite, tantas vezes quanto o
bebê mamaria se estivesse com a mãe;
Nos dias de folga, oferecer o peito à vontade;
Na ausência da mãe, o leite estocado deve ser dado em xícara
ou copinho;
Evitar mamadeiras e chupetas.
14 15
* Veja em endereços úteis o BLH mais próximo. Consulte lista na página 26.
Como fazer para conservar o
leite estocado?
No trabalho, a mãe pode, após lavar as mãos, retirar e guardar
seu leite em um frasco de vidro, com tampa plástica de rosca,
lavado e fervido. Se houver geladeira, manter o leite sob
refrigeração. Se não houver, manter em isopor com gelo;
Conservação e validade:
Na geladeira:	leite cru - 12 horas
	 leite pasteurizado degelado - 24 horas
No freezer: 	leite cru - até 15 dias
	 leite pasteurizado - 6 meses
Fonte: RDC 171/2006 - ANVISA
O leite materno deverá ficar o menos tempo possível à
temperatura ambiente. Caso você decida doar o excesso do
seu leite a um Banco de Leite Humano (BLH)*, congele-o
imediatamente após a ordenha.
Para ser dado ao bebê, o leite deve ser descongelado e aquecido
no próprio frasco, em banho-maria. O leite materno não pode ser
descongelado em microondas e não deve ser fervido.
Evite o uso de mamadeira. Os bebês podem
tomar leite em xícara ou copinho. O leite aquecido
que não foi usado deve ser jogado fora.
Caso esse armazenamento não seja possível,
para manter a produção ela deve apenas
ordenhar seu leite e jogá-lo fora.
A família
pode ajudar na
amamentação?
Caso a mãe tenha dúvidas,
quem ela deve procurar?
Os Bancos de Leite Humano sempre tem equipes que
sabem ajudar as mães na amamentação. Informe-se
na sua comunidade se existe algum grupo de apoio à
amamentação, pois eles são muito úteis. Nascer num
“Hospital Amigo da Criança” garante um bom começo
da amamentação e eles também podem ajudar.
Sim. Todos podem ajudar
a mãe a amamentar: dando
apoio, reconhecendo que a
amamentação é importante para
a saúde de todos, ajudando nos
afazeres domésticos e entendendo
que amamentar é um momento de
muita sensibilidade.
16 17
O que são os Hospitais
Amigos da Criança?
São hospitais onde a maternidade está preparada
para incentivar e apoiar as mulheres na
amamentação. Eles obedecem aos “Dez Passos para
o Sucesso da Amamentação”. Também não permitem
que as empresas que produzem ou que comercializam
leites industrializados, mamadeiras e chupetas
façam promoções ou doações dos seus produtos ao
hospital, para seus funcionários ou para as mães,
pois prejudicam a amamentação.
Como surgiu a idéia de um
Hospital Amigo da Criança?
Um grupo de especialistas em saúde infantil do mundo todo,
preocupados com as dificuldades que enfrentavam ao incentivar a
amamentação, percebeu que as rotinas tradicionalmente usadas
nas maternidades separavam as mães dos seus bebês. A separação
levava a equipe do hospital a dar leites artificiais para os bebês
rotineiramente, em chucas ou mamadeiras. Esses leites colocavam a
saúde dos recém-nascidos em risco e os bicos artificiais ensinavam
os bebês a “mascar” antes que aprendessem a “mamar” no peito.
Quando eram levados para junto de suas mães, os bebês ficavam
dormindo e não mamavam, causando empedramento do leite, ou
sugavam errado, produzindo rachaduras nos mamilos maternos.
A amamentação se tornava dolorosa e era muito difícil continuar
amamentando. Portanto, em 1991, o UNICEF e a Organização Mundial
da Saúde lançaram a “Iniciativa Hospital Amigo da Criança”, para
estimular que os hospitais adotassem rotinas que incentivam, apóiam
e facilitam o aleitamento materno.
16 17
18 19
Quais são os “Dez Passos para o
Sucesso da Amamentação”?
1. 	 Ter uma política de aleitamento materno, escrita, que seja
rotineiramente transmitida a toda a equipe de cuidados de saúde.
2. 	 Capacitar toda a equipe de cuidados de saúde nas práticas
necessárias para implementar esta política.
3. 	 Informar todas as gestantes sobre os benefícios e o manejo do
aleitamento materno.
4. 	 Ajudar as mães a iniciar o aleitamento materno na primeira meia
hora após o nascimento.
5. 	 Mostrar às mães como amamentar e como manter a lactação,
mesmo se vierem a ser separadas dos seus filhos.
6. 	 Não oferecer a recém-nascidos bebida ou alimento que não seja o
leite materno, a não ser que haja indicação médica.
7. 	 Praticar o alojamento conjunto - permitir que mães e bebês
permaneçam juntos – 24 horas por dia.
8. 	 Incentivar o aleitamento materno sob livre demanda.
9. 	 Não oferecer bicos artificiais ou chupetas para crianças
amamentadas.
10. Promover a formação de grupos de apoio à amamentação e
encaminhar as mães a esses grupos na alta da maternidade.
O que o hospital deve fazer
para receber a placa?
Primeiro deve treinar todos os seus profissionais de saúde
para que eles entendam o valor da amamentação e para
que saibam como manejar o aleitamento, de modo que fique
fácil e prazeroso. Depois, deve implantar as novas rotinas
gradativamente. Ao final, deve pedir ao Governo do Estado uma
avaliação. Alguns profissionais treinados pelo Ministério da
Saúde (que não fazem parte do pessoal do hospital) vão visitar a
maternidade, entrevistar as mães e avaliar as rotinas. Se todas
as exigências forem cumpridas, ele ganha a placa.
Como saber se um hospital é
“Amigo da Criança”?
Os hospitais “Amigos da
Criança” recebem uma
placa do Ministério da
Saúde, com um desenho
do famoso artista Picasso,
chamado “Maternidade”,
que geralmente fica exposta
na entrada, como sinal
do reconhecimento da
comunidade por suas boas
práticas de saúde.
20 21
Todas as pessoas podem facilmente ler sobre as rotinas adotadas
pelo hospital. Elas estão escritas, visíveis e são distribuídas por todos
os setores. Na prática, o que acontece é o seguinte:
• 	As gestantes são informadas sobre as vantagens da
amamentação e sobre como amamentar.
• 	As mulheres são incentivadas a iniciar a amamentação assim
que o bebê nasce, ainda na sala de parto.
• 	As mães são ajudadas a encontrar a melhor posição para
amamentar e a como fazer para que o bebê abocanhe grande
parte de sua aréola, sem causar dor.
• 	Também são ensinadas a retirar leite com as mãos, para
manter a produção de leite, caso algum motivo faça com que se
separem do bebê.
• 	As mães são estimuladas a amamentar todas as vezes que o
bebê quiser e pelo tempo que ele quiser, sem ter que obedecer
a um tempo determinado para as mamadas.
• 	A separação entre a mãe e o bebê é evitada. A equipe do hospital
usa de soluções criativas para manter a dupla sempre junta.
• 	Os profissionais evitam prescrever outros leites, adotando
regras bastante rigorosas para as exceções.
• 	Impedem o uso de mamadeiras ou chucas dentro da
maternidade e usam xícaras ou copinhos para os recém-
nascidos que necessitam.
Resumindo, o que acontece
de diferente num “Hospital
Amigo da Criança”?
• 	Esclarecem os motivos da proibição dos bicos e chupetas,
contando às mães e familiares os malefícios do seu uso.
• 	E, no momento da alta, encaminham as mães para locais onde
sabem que a amamentação será acompanhada e apoiada até os
2 anos ou mais.
O site do Ministério da Saúde contem a lista dos Hospitais Amigos
da Criança espalhados por todo o país. Acesse o endereço eletrônico:
http://portal.saude.gov.br/portal/saude/cidadao/visualizar_
texto.cfm?idtxt=26348
22 23
Se mama no peito, além da água e leite materno à demanda:
Ao completar 6 meses – duas frutas (amassadas ou raspadas) e uma
refeição salgada (papa ou purê).
Ao completar 7 meses – duas frutas (amassadas ou raspadas) e duas
refeições salgadas (papa ou purê).
Ao completar 8 meses, a criança pode receber os alimentos preparados
para a família, desde que não tenham temperos industrializados,
pimenta, excesso de sal, alimentos gordurosos como bacon, banha,
lingüiça, entre outros.
Após completar 12 meses – duas frutas e duas refeições salgadas, além
de fruta ou cereal ou tubérculo ao acordar e no lanche da tarde.
Se não mama no peito, além da água:
Ao completar 4 meses – duas frutas (amassadas ou raspadas) e duas
refeições salgadas (papa ou purê), além de leite ao acordar e à noite.
A introdução de alimentos deve ser lenta e gradual, respeitando a
aceitação da criança.
Ao completar 8 meses, a criança pode receber os alimentos preparados
para a família, desde que não tenham temperos industrializados,
pimenta, excesso de sal, alimentos gordurosos como bacon, banha,
lingüiça, entre outros.
Após completar 12 meses – duas frutas e duas refeições salgadas, fruta
ou cereal ou tubérculo ao acordar e no lanche da tarde, além de leite
pela manhã e à noite.
A orientação sobre o leite deve ser individualizada e orientada por um
profissional de saúde.
Quando o bebê
pode comer outros
alimentos, além do
leite materno?
A partir dos 6 meses, novos alimentos devem ser
introduzidos de forma lenta e gradual, inclusive
água tratada, filtrada e fervida. A amamentação
deve ser mantida até dois anos ou mais. No
início, algumas crianças podem rejeitar alguns
alimentos, outras aceitam bem a novidade. É
importante manter a oferta e variar os alimentos.
Aos poucos eles se adaptam a essa nova fase.
Quantas vezes por dia a
criança precisa comer outros
alimentos, além do leite?
24 25
Quais alimentos devem ser
usados na comidinha do bebê?
Os mais indicados são os alimentos caseiros da época,
utilizados pela família. As refeições (almoço e jantar) devem
conter cereal ou tubérculo (arroz, batata, mandioca, cará,
inhame, milho, farinhas, batata doce), um tipo de carne (carne
vermelha, frango, peixe, miúdos) ou ovo, uma leguminosa
(feijão, lentilha, soja, grão de bico, ervilha seca), uma verdura
de folha (chicória, alface, couve, espinafre) e/ou legumes
(cenoura, abóbora, abobrinha, beterraba), variados e coloridos.
As frutas podem ser usadas para os horários de lanche. Os
alimentos devem ser amassados com o garfo.
Quais alimentos
não podem faltar?
Quanto mais variada e colorida, mais nutritiva e estimulante
se torna a alimentação da criança. Não é necessário utilizar
grande variedade de alimentos na mesma refeição. A cada
dia um alimento novo poderá compor o prato da criança.
Os alimentos verde- escuros (chicória, couve, brócolis,
espinafre...), amarelo-alaranjados (cenoura, mamão, laranja,
manga, abóbora...), carnes, feijões e leite materno são muito
importantes para prevenir deficiências nutricionais, como
anemia e deficiência de vitamina A. Recomenda-se que a
criança consuma fígado ou miúdos uma vez por semana. É
útil oferecer uma pequena quantidade de alimento rico em
vitamina C (limão, laranja, acerola, goiaba, tomate...) para
acompanhar o almoço e jantar, pois aumentam a absorção
do ferro dos feijões e vegetais folhosos.
26 27
Como deve ser
a consistência
da comida?
A partir dos seis meses a criança está pronta para receber alimentos
sólidos, bem cozidos, numa consistência espessa, ou seja, de purê.
Não é indicado passar os alimentos pela peneira ou mesmo triturá-
los no liquidificador para que a criança possa aprender a mastigar.
Esta habilidade é extremamente importante para o crescimento
e desenvolvimento do bebê. Assim, os alimentos devem ser
amassados ou desfiados, em pedaços bem pequenos e oferecidos
com auxílio de colher, pausadamente.
Como fazer para que
a criança aceite os
alimentos?
A variedade de sabores, consistências e formas de preparo são úteis
para estimular e ou desenvolver o interesse da criança pela comida.
É importante que ela possa pegar pequenos pedaços de alimentos,
como tirinhas de legumes, carnes ou frutas, despertando nelas a
curiosidade e o desejo de levá-los à boca. Nunca force a criança a
comer e procure criar uma atmosfera agradável. Não é necessário
estabelecer horários rígidos. É importante que a alimentação da
criança seja oferecida próxima dos horários da família, mantendo
intervalos regulares e respeitando o apetite da criança.
Quais alimentos
não são indicados?
Refrigerantes, sucos industrializados, doces
em geral, balas, chocolate, sorvetes, biscoitos
recheados, salgadinhos, enlatados, embutidos
(salsicha, lingüiça, mortadela, presunto...),
frituras, café, chá mate, chá preto ou mel não
devem ser oferecidos à criança. Estes alimentos
são ricos em gorduras, açúcar, conservantes ou
corantes e podem comprometer o crescimento e
desenvolvimento, além de aumentarem o risco de
doenças como alergias, obesidade, pressão alta
e diabetes.
Esses alimentos não devem ser oferecidos
as crianças antes de 2 anos de idade.
28 29
Existe algum
cuidado especial
no preparo das
refeições?
Lavar bem as mãos, com
água e sabão, os utensílios
domésticos e as
superfícies para
a preparação
e oferecimento
dos alimentos.
Toda verdura,
legume e fruta
deve ser lavada em água
corrente tratada, filtrada
e fervida, antes de ser
descascada. Os alimentos
devem ser bem cozidos e de
preferência preparados em
quantidade suficiente para
uma refeição, que deve
ser servida logo após o
preparo. Não oferecer sobras
de alimentos da refeição
anterior. Os alimentos devem
ser guardados em vasilhas
limpas, secas, tampadas, em
local fresco, na geladeira.
Existem leis que protegem
a amamentação?
Sim. São elas:
As trabalhadoras da cidade e do campo têm direito à licença
maternidade de 120 dias, sem prejuízo do emprego e do salário;
Dois descansos remunerados por dia, cada um de 30 minutos a
cada 4 horas trabalhadas, até o bebê completar 6 meses de idade,
além dos intervalos normais para repouso e alimentação;
Berçário, creche ou um ambiente apropriado para amamentação,
dentro ou fora do local de trabalho, sempre que a empresa tiver 30
ou mais mulheres maiores de 16 anos trabalhando;
Licença-paternidade de 5 dias a contar do dia do nascimento do bebê;
No caso de adoção ou guarda judicial de crianças com até um ano
de idade, a mãe tem licença-maternidade de 120 dias; quando a
criança adotada tiver de um a quatro anos de idade, a licença é de
60 dias; e para crianças de quatro a oito anos, a licença é de 30
dias. Para que a licença-maternidade seja concedida é preciso
apresentar o termo judicial de guarda da criança.
As trabalhadoras de empresas ou órgãos públicos que
aderiram à Lei 11.770 de 2008 têm direito de somar dois
meses aos quatro de licença maternidade. Para tanto é
preciso solicitar a prorrogação dentro do primeiro mês de
vida do bebê. Mais informações podem ser encontradas no
seguinte endereço eletrônico: www.receita.fazenda.gov.br/
Legislacao/Leis/2008/lei11770.htm.
30 31
Você pode ajudar na defesa e
promoção, conhecendo normas e leis
que protegem a amamentação!!!
A Norma Brasileira de Comercialização de alimentos para
lactentes e crianças de primeira infância, bicos, chupetas e
mamadeiras (NBCAL), transformada na Lei nº 11.265/06, é um
instrumento que regulamenta a fabricação, a comercialização
e o uso apropriado desses produtos. O objetivo é contribuir
para a adequada nutrição dos lactentes (até 12 meses de
idade) e das crianças de primeira infância (crianças de 12
meses a 3 anos de idade), protegendo e incentivando a
amamentação.
Todos podem conhecer e aplicar
a NBCAL e Lei nº 11.265/06:
Da Promoção Comercial
• É proibida qualquer promoção comercial de
fórmulas infantis, mamadeiras e chupetas
nas farmácias, supermercados, lojas de
departamentos, revistas, rádio, televisão etc.
• Qualquer promoção dos demais leites e
alimentos complementares precisam trazer
uma advertência de acordo com o tipo de
produto, para que eles não sejam utilizados
de maneira inapropriada e/ou prejudiquem a
prática da amamentação.
Da Rotulagem
• Os rótulos desses produtos não podem conter
fotos ou imagens de lactentes e/ou frases
que possam colocar a mãe em dúvida quanto
à sua capacidade de amamentar. Os rótulos
precisam trazer advertência sobre a superioridade
da amamentação, entre outras.
• As fórmulas infantis, leites fluídos, leites em
pó, leites em pó modificados, leites de diversas
espécies animais e vegetais devem ter a seguinte
advertência: “AVISO IMPORTANTE: o leite
materno evita infecções e alergias e é
recomendado até dois anos de idade ou
mais.”
• Alimentos de transição e alimentos à base de
cereais indicados para lactentes e/ou crianças
de primeira infância, bem como alimentos à base
de leite ou não devem ter a seguinte advertência:
“O Ministério da Saúde
adverte: após os seis
meses de idade, continue
amamentando seu filho e
ofereça novos alimentos”.NBCAL
32 33
Como entrar em
contato com os
Bancos de Leite
Humano?
A Rede Nacional de Bancos de Leite Humano – REDEBLH é
coordenada pelo Centro de Referência Nacional, com sede
no Instituto Fernandes Figueira da Fundação Oswaldo Cruz.
Os BLH possuem pessoal capacitado para ajudar mães na
amamentação e para processamento do leite humano que
será doado às maternidades.
O site da REDEBLH contém a relação dos bancos de leite
de todo o país. Acesse o endereço eletrônico: http://www.
fiocruz.br/redeblh
Centro de Referência Nacional
Instituto Fernandes Figueira
Banco de Leite Humano do Instituto Fernandes Figueira
Av. Rui Barbosa, 716, Térreo, Flamengo
Rio de Janeiro - CEP 22250-020
Tel.: 0800-268877 / (21) 2554-1703 - Fax: (21) 2553-9662
redeblh@fiocruz.br
Centros de Referência no Estado de São Paulo
Para a capital:
Hospital Maternidade Leonor Mendes de Barros
Banco de Leite Humano do Hospital Maternidade Leonor
Mendes de Barros
Av. Celso Garcia, 2.477, 3º andar, Belenzinho
São Paulo - CEP 03015-000
Tel.: (11) 2292-4188, Ramal: 256 – Fone/Fax: (11) 2692-4068
blhleonor@ig.com.br
Para o interior do estado:
Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de
Ribeirão Preto da USP
BLH do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de
Ribeirão Preto da USP
Av. Santa Luzia, 387, Jardim Sumaré
Ribeirão Preto - CEP 14025-090
Tel.: (16) 3610-8686 - Fax: (16) 3610-2649
bcoleite@hcrp.fmrp.usp.br ou analia_heck@uol.com.br
Preencha aqui os dados do Banco de Leite ou do Grupo de
Apoio a Mães do seu município:
34 35
Expediente
Coordenação Geral:
Senac São Paulo
Gerência de Desenvolvimento:
Área Desenvolvimento Social
Organizador:
Jorge Carlos Silveira Duarte
Textos:
Julio Gaspar
Ana Julia Colameo
Referências bibliográficas
Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção à
Saúde. Dez passos para uma alimentação saudável: guia alimentar para menores de
dois anos: um guia para o profissional da saúde na atenção básica. 2ª ed. Brasília:
Ministério da Saúde, 2010.
MINISTÉRIO DA SAÚDE (BR). Manejo e Promoção do Aleitamento Materno Curso de
18 horas para equipes de maternidades. Brasília (DF):2003.
UNICEF. Iniciativa Hospital Amigo da Criança: revista, atualizada e ampliada para o
cuidado integrado: módulo 3: promovendo e incentivando a amamentação em um
Hospital Amigo da Criança: curso de 20 horas para equipes de maternidade. UNICEF/
OMS. Brasília: Ministério da Saúde, 2009.
www.alana.org.br
www.aleitamento.com
www.amigasdoparto.org.br
www.amigasdopeito.org.br
www.anvisa.gov.br
www.crianzanatural.com
www.fiocruz.br/redeblh
www.gestamater.com.br
www.ibfan.org.br
www.isaude.sp.gov.br
www.llli.org/Brasil.html
redesocialblogs.com.br/helenaloureno/rede-social-de-
amamentacao-santos-e-regiao
Revisão e ampliação desta edição:
Ana Júlia Colameo, Jeanine Maria
Salve, Marina Ferreira Rea, Rosana De
Divitiis, Tereza Setsuko Toma
Ilustrações:
Rogério Augusto
Projeto gráfico:
ASA Assessoria e Comunicação
Senac São Paulo
Tel.: (11) 3236-7508
www.sp.senac.br/amamentacao
e-mail: amamentacao@sp.senac.br
Sites úteis:
www.mamiferas.blogspot.com
www.matrice.wordpress.com
www.mulhersaudavel.com.br
www.partodoprincipio.com.br
www.previdenciasocial.gov.br
www.rehuna.org.br
www.saude.gov.br
www.sp.senac.br/amamentacao
www.trabalho.gov.br
www.waba.org.my
36
Assessoria técnica
Realização
IBFAN - Rede Internacional em Defesa do Direito de Amamentar

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aleitamento materno slide
Aleitamento materno slideAleitamento materno slide
Aleitamento materno slide
Lorrayne Ferreira
 
Aleitamento materno
Aleitamento maternoAleitamento materno
Aleitamento materno
Carlos Roberto Jr.
 
Saude da mulher
Saude da mulherSaude da mulher
Saude da mulher
Elisa Brietzke
 
Aleitamento Materno
Aleitamento Materno Aleitamento Materno
Aleitamento Materno
blogped1
 
AMAMENTAÇÃO e ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR: dicas práticas
AMAMENTAÇÃO e ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR: dicas práticasAMAMENTAÇÃO e ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR: dicas práticas
AMAMENTAÇÃO e ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR: dicas práticas
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Amamentação
AmamentaçãoAmamentação
Amamentação
Cleidenisia Daiana
 
Como promover a amamentação na gravidez e parto
Como promover a amamentação na gravidez e partoComo promover a amamentação na gravidez e parto
Como promover a amamentação na gravidez e parto
Rebeca - Doula
 
AGOSTO DOURADO.pptx
AGOSTO DOURADO.pptxAGOSTO DOURADO.pptx
AGOSTO DOURADO.pptx
DayrlaneTorres
 
A importância do leite materno !
A importância do leite materno !A importância do leite materno !
A importância do leite materno !
DAniela Fonseca
 
A IMPORTÂNCIA DA AMAMENTAÇÃO E OS CUIDADOS QUE DEVEM SER TOMADOS AO SE ADMINI...
A IMPORTÂNCIA DA AMAMENTAÇÃO E OS CUIDADOS QUE DEVEM SER TOMADOS AO SE ADMINI...A IMPORTÂNCIA DA AMAMENTAÇÃO E OS CUIDADOS QUE DEVEM SER TOMADOS AO SE ADMINI...
A IMPORTÂNCIA DA AMAMENTAÇÃO E OS CUIDADOS QUE DEVEM SER TOMADOS AO SE ADMINI...
gilcevieira
 
Nutrição- Período gestacional e lactação.
Nutrição- Período gestacional e lactação.Nutrição- Período gestacional e lactação.
Nutrição- Período gestacional e lactação.
Jaque Schons
 
Mitos, crendices e verdades sobre o aleitamento materno
Mitos, crendices e verdades sobre o aleitamento maternoMitos, crendices e verdades sobre o aleitamento materno
Mitos, crendices e verdades sobre o aleitamento materno
Silvia Marina Anaruma
 
Cuidados ao recém nascido
Cuidados ao recém nascidoCuidados ao recém nascido
Planejamento Reprodutivo: o que há de novo e além do planejamento familiar?
Planejamento Reprodutivo: o que há de novo e além do planejamento familiar?Planejamento Reprodutivo: o que há de novo e além do planejamento familiar?
Planejamento Reprodutivo: o que há de novo e além do planejamento familiar?
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Amamentação
AmamentaçãoAmamentação
Amamentação
Heloísa Ximenes
 
Amamentação, sobrevivência e qualidade de vida
Amamentação, sobrevivência e qualidade de vidaAmamentação, sobrevivência e qualidade de vida
Amamentação, sobrevivência e qualidade de vida
Rebeca - Doula
 
Dicas sobre amamentar
Dicas sobre amamentarDicas sobre amamentar
Dicas sobre amamentar
Wesley Lemos
 
Campanha-Aleitamento Eva Mendes.pptx
Campanha-Aleitamento Eva Mendes.pptxCampanha-Aleitamento Eva Mendes.pptx
Campanha-Aleitamento Eva Mendes.pptx
LarissaVasconcelos32
 
Orientações sobre aleitamento materno e período pós
Orientações sobre aleitamento materno e período pósOrientações sobre aleitamento materno e período pós
Orientações sobre aleitamento materno e período pós
Patrícia Müller
 
Saúde do Adolescente
Saúde do AdolescenteSaúde do Adolescente
Saúde do Adolescente
yolandasergia
 

Mais procurados (20)

Aleitamento materno slide
Aleitamento materno slideAleitamento materno slide
Aleitamento materno slide
 
Aleitamento materno
Aleitamento maternoAleitamento materno
Aleitamento materno
 
Saude da mulher
Saude da mulherSaude da mulher
Saude da mulher
 
Aleitamento Materno
Aleitamento Materno Aleitamento Materno
Aleitamento Materno
 
AMAMENTAÇÃO e ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR: dicas práticas
AMAMENTAÇÃO e ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR: dicas práticasAMAMENTAÇÃO e ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR: dicas práticas
AMAMENTAÇÃO e ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR: dicas práticas
 
Amamentação
AmamentaçãoAmamentação
Amamentação
 
Como promover a amamentação na gravidez e parto
Como promover a amamentação na gravidez e partoComo promover a amamentação na gravidez e parto
Como promover a amamentação na gravidez e parto
 
AGOSTO DOURADO.pptx
AGOSTO DOURADO.pptxAGOSTO DOURADO.pptx
AGOSTO DOURADO.pptx
 
A importância do leite materno !
A importância do leite materno !A importância do leite materno !
A importância do leite materno !
 
A IMPORTÂNCIA DA AMAMENTAÇÃO E OS CUIDADOS QUE DEVEM SER TOMADOS AO SE ADMINI...
A IMPORTÂNCIA DA AMAMENTAÇÃO E OS CUIDADOS QUE DEVEM SER TOMADOS AO SE ADMINI...A IMPORTÂNCIA DA AMAMENTAÇÃO E OS CUIDADOS QUE DEVEM SER TOMADOS AO SE ADMINI...
A IMPORTÂNCIA DA AMAMENTAÇÃO E OS CUIDADOS QUE DEVEM SER TOMADOS AO SE ADMINI...
 
Nutrição- Período gestacional e lactação.
Nutrição- Período gestacional e lactação.Nutrição- Período gestacional e lactação.
Nutrição- Período gestacional e lactação.
 
Mitos, crendices e verdades sobre o aleitamento materno
Mitos, crendices e verdades sobre o aleitamento maternoMitos, crendices e verdades sobre o aleitamento materno
Mitos, crendices e verdades sobre o aleitamento materno
 
Cuidados ao recém nascido
Cuidados ao recém nascidoCuidados ao recém nascido
Cuidados ao recém nascido
 
Planejamento Reprodutivo: o que há de novo e além do planejamento familiar?
Planejamento Reprodutivo: o que há de novo e além do planejamento familiar?Planejamento Reprodutivo: o que há de novo e além do planejamento familiar?
Planejamento Reprodutivo: o que há de novo e além do planejamento familiar?
 
Amamentação
AmamentaçãoAmamentação
Amamentação
 
Amamentação, sobrevivência e qualidade de vida
Amamentação, sobrevivência e qualidade de vidaAmamentação, sobrevivência e qualidade de vida
Amamentação, sobrevivência e qualidade de vida
 
Dicas sobre amamentar
Dicas sobre amamentarDicas sobre amamentar
Dicas sobre amamentar
 
Campanha-Aleitamento Eva Mendes.pptx
Campanha-Aleitamento Eva Mendes.pptxCampanha-Aleitamento Eva Mendes.pptx
Campanha-Aleitamento Eva Mendes.pptx
 
Orientações sobre aleitamento materno e período pós
Orientações sobre aleitamento materno e período pósOrientações sobre aleitamento materno e período pós
Orientações sobre aleitamento materno e período pós
 
Saúde do Adolescente
Saúde do AdolescenteSaúde do Adolescente
Saúde do Adolescente
 

Semelhante a Promoção da AMAMENTAÇÃO e ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR saudável

Cartilhasmam
CartilhasmamCartilhasmam
Cartilha Odete Valadares
Cartilha Odete ValadaresCartilha Odete Valadares
Cartilha Odete Valadares
Rebeca - Doula
 
Amamentar é um direito! Cartilha do Curso de Casais Grávidos - CAARJ
Amamentar é um direito! Cartilha do Curso de Casais Grávidos - CAARJ  Amamentar é um direito! Cartilha do Curso de Casais Grávidos - CAARJ
Amamentar é um direito! Cartilha do Curso de Casais Grávidos - CAARJ
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Aleitamento album seriado unicef
Aleitamento album seriado unicefAleitamento album seriado unicef
Aleitamento album seriado unicef
Aline Melo de Aguiar
 
Promovendo o aleitamento materno
Promovendo o aleitamento maternoPromovendo o aleitamento materno
Promovendo o aleitamento materno
gisa_legal
 
Album seriado am
Album seriado amAlbum seriado am
Album seriado am
Alinebrauna Brauna
 
Album seriado amamentação (Unicef, Min. Saúde)
Album seriado amamentação (Unicef, Min. Saúde)Album seriado amamentação (Unicef, Min. Saúde)
Album seriado amamentação (Unicef, Min. Saúde)
Dr. Benevenuto
 
album_seriado_aleitamento_materno.pdf
album_seriado_aleitamento_materno.pdfalbum_seriado_aleitamento_materno.pdf
album_seriado_aleitamento_materno.pdf
AnaCardoso680770
 
dez passo da amamentação saudável em folheto.doc
dez passo da amamentação saudável em folheto.docdez passo da amamentação saudável em folheto.doc
dez passo da amamentação saudável em folheto.doc
Dessa Reis
 
Guia Alimentar para menores de 2 anos - versão resumida 2021
Guia Alimentar para menores de 2 anos - versão resumida 2021Guia Alimentar para menores de 2 anos - versão resumida 2021
Guia Alimentar para menores de 2 anos - versão resumida 2021
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
guia_alimentar_crianca_brasileira_versao_resumida.pdf
guia_alimentar_crianca_brasileira_versao_resumida.pdfguia_alimentar_crianca_brasileira_versao_resumida.pdf
guia_alimentar_crianca_brasileira_versao_resumida.pdf
AndressaPisani
 
Saúde da mulher
Saúde da mulherSaúde da mulher
Saúde da mulher
Cms Nunes
 
Como retirar o leite materno
Como retirar o leite maternoComo retirar o leite materno
Como retirar o leite materno
Rebeca - Doula
 
Livreto aleitamento materno hospital
Livreto aleitamento materno hospitalLivreto aleitamento materno hospital
Livreto aleitamento materno hospital
Patrícia Müller
 
Baixa produção de leite
Baixa produção de leiteBaixa produção de leite
Baixa produção de leite
Rebeca - Doula
 
Saúde da mulher
Saúde da mulherSaúde da mulher
Saúde da mulher
Dessa Reis
 
Folheto amamentar o seu bebé unicef
Folheto amamentar o seu bebé   unicefFolheto amamentar o seu bebé   unicef
Folheto amamentar o seu bebé unicef
Belinha Vinagre
 
E-book EuSaúde - Crianças
E-book EuSaúde - CriançasE-book EuSaúde - Crianças
E-book EuSaúde - Crianças
EuSaúde
 
Leite materno padrão ouro da alimentação.pptx
Leite materno padrão ouro da alimentação.pptxLeite materno padrão ouro da alimentação.pptx
Leite materno padrão ouro da alimentação.pptx
BrunoMMorales
 
ALEITAMENTO MATERNO (1).pptx
ALEITAMENTO MATERNO (1).pptxALEITAMENTO MATERNO (1).pptx
ALEITAMENTO MATERNO (1).pptx
YasminBeatriz4
 

Semelhante a Promoção da AMAMENTAÇÃO e ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR saudável (20)

Cartilhasmam
CartilhasmamCartilhasmam
Cartilhasmam
 
Cartilha Odete Valadares
Cartilha Odete ValadaresCartilha Odete Valadares
Cartilha Odete Valadares
 
Amamentar é um direito! Cartilha do Curso de Casais Grávidos - CAARJ
Amamentar é um direito! Cartilha do Curso de Casais Grávidos - CAARJ  Amamentar é um direito! Cartilha do Curso de Casais Grávidos - CAARJ
Amamentar é um direito! Cartilha do Curso de Casais Grávidos - CAARJ
 
Aleitamento album seriado unicef
Aleitamento album seriado unicefAleitamento album seriado unicef
Aleitamento album seriado unicef
 
Promovendo o aleitamento materno
Promovendo o aleitamento maternoPromovendo o aleitamento materno
Promovendo o aleitamento materno
 
Album seriado am
Album seriado amAlbum seriado am
Album seriado am
 
Album seriado amamentação (Unicef, Min. Saúde)
Album seriado amamentação (Unicef, Min. Saúde)Album seriado amamentação (Unicef, Min. Saúde)
Album seriado amamentação (Unicef, Min. Saúde)
 
album_seriado_aleitamento_materno.pdf
album_seriado_aleitamento_materno.pdfalbum_seriado_aleitamento_materno.pdf
album_seriado_aleitamento_materno.pdf
 
dez passo da amamentação saudável em folheto.doc
dez passo da amamentação saudável em folheto.docdez passo da amamentação saudável em folheto.doc
dez passo da amamentação saudável em folheto.doc
 
Guia Alimentar para menores de 2 anos - versão resumida 2021
Guia Alimentar para menores de 2 anos - versão resumida 2021Guia Alimentar para menores de 2 anos - versão resumida 2021
Guia Alimentar para menores de 2 anos - versão resumida 2021
 
guia_alimentar_crianca_brasileira_versao_resumida.pdf
guia_alimentar_crianca_brasileira_versao_resumida.pdfguia_alimentar_crianca_brasileira_versao_resumida.pdf
guia_alimentar_crianca_brasileira_versao_resumida.pdf
 
Saúde da mulher
Saúde da mulherSaúde da mulher
Saúde da mulher
 
Como retirar o leite materno
Como retirar o leite maternoComo retirar o leite materno
Como retirar o leite materno
 
Livreto aleitamento materno hospital
Livreto aleitamento materno hospitalLivreto aleitamento materno hospital
Livreto aleitamento materno hospital
 
Baixa produção de leite
Baixa produção de leiteBaixa produção de leite
Baixa produção de leite
 
Saúde da mulher
Saúde da mulherSaúde da mulher
Saúde da mulher
 
Folheto amamentar o seu bebé unicef
Folheto amamentar o seu bebé   unicefFolheto amamentar o seu bebé   unicef
Folheto amamentar o seu bebé unicef
 
E-book EuSaúde - Crianças
E-book EuSaúde - CriançasE-book EuSaúde - Crianças
E-book EuSaúde - Crianças
 
Leite materno padrão ouro da alimentação.pptx
Leite materno padrão ouro da alimentação.pptxLeite materno padrão ouro da alimentação.pptx
Leite materno padrão ouro da alimentação.pptx
 
ALEITAMENTO MATERNO (1).pptx
ALEITAMENTO MATERNO (1).pptxALEITAMENTO MATERNO (1).pptx
ALEITAMENTO MATERNO (1).pptx
 

Mais de Prof. Marcus Renato de Carvalho

O fortalecimento do patriarcado e a desvalorização do trabalho feminino de cu...
O fortalecimento do patriarcado e a desvalorização do trabalho feminino de cu...O fortalecimento do patriarcado e a desvalorização do trabalho feminino de cu...
O fortalecimento do patriarcado e a desvalorização do trabalho feminino de cu...
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Saúde da Mulher - diretrizes para diminuição da morbi mortalidade perinatal
Saúde da Mulher - diretrizes para diminuição da morbi mortalidade perinatalSaúde da Mulher - diretrizes para diminuição da morbi mortalidade perinatal
Saúde da Mulher - diretrizes para diminuição da morbi mortalidade perinatal
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Ministério da Saúde: Nota Técnica sobre Proteção da AM em Calamidades
Ministério da Saúde: Nota Técnica sobre Proteção da AM em CalamidadesMinistério da Saúde: Nota Técnica sobre Proteção da AM em Calamidades
Ministério da Saúde: Nota Técnica sobre Proteção da AM em Calamidades
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Amamentação e Alimentação de lactentes em desastres ambientais
Amamentação e Alimentação de lactentes em desastres ambientaisAmamentação e Alimentação de lactentes em desastres ambientais
Amamentação e Alimentação de lactentes em desastres ambientais
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Novas diretrizes da OMS para os cuidados perinatais de mais qualidade
Novas diretrizes da OMS para os cuidados perinatais de mais qualidadeNovas diretrizes da OMS para os cuidados perinatais de mais qualidade
Novas diretrizes da OMS para os cuidados perinatais de mais qualidade
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Como evitar Conflito de Interesses em iniciativas de alimentação?
Como evitar Conflito de Interesses em iniciativas de alimentação?Como evitar Conflito de Interesses em iniciativas de alimentação?
Como evitar Conflito de Interesses em iniciativas de alimentação?
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Relatório da OMS / Unicef / IBFAN sobre a situação do Código Internacional de...
Relatório da OMS / Unicef / IBFAN sobre a situação do Código Internacional de...Relatório da OMS / Unicef / IBFAN sobre a situação do Código Internacional de...
Relatório da OMS / Unicef / IBFAN sobre a situação do Código Internacional de...
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades PúblicasAlimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãosAplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Amamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCC
Amamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCCAmamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCC
Amamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCC
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
PRINCÍPIOS de YOGYAKARTA: Direitos humanos para a população LGBTQIA+
PRINCÍPIOS de YOGYAKARTA: Direitos humanos para a população LGBTQIA+PRINCÍPIOS de YOGYAKARTA: Direitos humanos para a população LGBTQIA+
PRINCÍPIOS de YOGYAKARTA: Direitos humanos para a população LGBTQIA+
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Amamentação X Indústria de fórmulas infantis no Brasil
Amamentação X Indústria de fórmulas infantis no BrasilAmamentação X Indústria de fórmulas infantis no Brasil
Amamentação X Indústria de fórmulas infantis no Brasil
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Relatório: SITUAÇÃO GLOBAL DE AMAMENTAÇÃO 2023
Relatório: SITUAÇÃO GLOBAL DE AMAMENTAÇÃO  2023Relatório: SITUAÇÃO GLOBAL DE AMAMENTAÇÃO  2023
Relatório: SITUAÇÃO GLOBAL DE AMAMENTAÇÃO 2023
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Seu local de trabalho apoia a Amamentação?
Seu local de trabalho apoia a Amamentação?Seu local de trabalho apoia a Amamentação?
Seu local de trabalho apoia a Amamentação?
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Leite Humano atua na modulação microbiana
Leite Humano atua na modulação microbianaLeite Humano atua na modulação microbiana
Leite Humano atua na modulação microbiana
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Manejo Ampliado / Livro "Amamentação - bases científicas"
Manejo Ampliado  / Livro "Amamentação - bases científicas" Manejo Ampliado  / Livro "Amamentação - bases científicas"
Manejo Ampliado / Livro "Amamentação - bases científicas"
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
OMS: Diretrizes para um controle da promoção comercial dos ditos substitutos ...
OMS: Diretrizes para um controle da promoção comercial dos ditos substitutos ...OMS: Diretrizes para um controle da promoção comercial dos ditos substitutos ...
OMS: Diretrizes para um controle da promoção comercial dos ditos substitutos ...
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
OMS: Diretrizes para a Alimentação Complementar Saudável para Lactentes
OMS: Diretrizes para a Alimentação Complementar Saudável para LactentesOMS: Diretrizes para a Alimentação Complementar Saudável para Lactentes
OMS: Diretrizes para a Alimentação Complementar Saudável para Lactentes
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 

Mais de Prof. Marcus Renato de Carvalho (20)

O fortalecimento do patriarcado e a desvalorização do trabalho feminino de cu...
O fortalecimento do patriarcado e a desvalorização do trabalho feminino de cu...O fortalecimento do patriarcado e a desvalorização do trabalho feminino de cu...
O fortalecimento do patriarcado e a desvalorização do trabalho feminino de cu...
 
Saúde da Mulher - diretrizes para diminuição da morbi mortalidade perinatal
Saúde da Mulher - diretrizes para diminuição da morbi mortalidade perinatalSaúde da Mulher - diretrizes para diminuição da morbi mortalidade perinatal
Saúde da Mulher - diretrizes para diminuição da morbi mortalidade perinatal
 
Ministério da Saúde: Nota Técnica sobre Proteção da AM em Calamidades
Ministério da Saúde: Nota Técnica sobre Proteção da AM em CalamidadesMinistério da Saúde: Nota Técnica sobre Proteção da AM em Calamidades
Ministério da Saúde: Nota Técnica sobre Proteção da AM em Calamidades
 
Amamentação e Alimentação de lactentes em desastres ambientais
Amamentação e Alimentação de lactentes em desastres ambientaisAmamentação e Alimentação de lactentes em desastres ambientais
Amamentação e Alimentação de lactentes em desastres ambientais
 
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
 
Novas diretrizes da OMS para os cuidados perinatais de mais qualidade
Novas diretrizes da OMS para os cuidados perinatais de mais qualidadeNovas diretrizes da OMS para os cuidados perinatais de mais qualidade
Novas diretrizes da OMS para os cuidados perinatais de mais qualidade
 
Como evitar Conflito de Interesses em iniciativas de alimentação?
Como evitar Conflito de Interesses em iniciativas de alimentação?Como evitar Conflito de Interesses em iniciativas de alimentação?
Como evitar Conflito de Interesses em iniciativas de alimentação?
 
Relatório da OMS / Unicef / IBFAN sobre a situação do Código Internacional de...
Relatório da OMS / Unicef / IBFAN sobre a situação do Código Internacional de...Relatório da OMS / Unicef / IBFAN sobre a situação do Código Internacional de...
Relatório da OMS / Unicef / IBFAN sobre a situação do Código Internacional de...
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades PúblicasAlimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
 
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãosAplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
 
Amamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCC
Amamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCCAmamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCC
Amamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCC
 
PRINCÍPIOS de YOGYAKARTA: Direitos humanos para a população LGBTQIA+
PRINCÍPIOS de YOGYAKARTA: Direitos humanos para a população LGBTQIA+PRINCÍPIOS de YOGYAKARTA: Direitos humanos para a população LGBTQIA+
PRINCÍPIOS de YOGYAKARTA: Direitos humanos para a população LGBTQIA+
 
Amamentação X Indústria de fórmulas infantis no Brasil
Amamentação X Indústria de fórmulas infantis no BrasilAmamentação X Indústria de fórmulas infantis no Brasil
Amamentação X Indústria de fórmulas infantis no Brasil
 
Relatório: SITUAÇÃO GLOBAL DE AMAMENTAÇÃO 2023
Relatório: SITUAÇÃO GLOBAL DE AMAMENTAÇÃO  2023Relatório: SITUAÇÃO GLOBAL DE AMAMENTAÇÃO  2023
Relatório: SITUAÇÃO GLOBAL DE AMAMENTAÇÃO 2023
 
Seu local de trabalho apoia a Amamentação?
Seu local de trabalho apoia a Amamentação?Seu local de trabalho apoia a Amamentação?
Seu local de trabalho apoia a Amamentação?
 
Leite Humano atua na modulação microbiana
Leite Humano atua na modulação microbianaLeite Humano atua na modulação microbiana
Leite Humano atua na modulação microbiana
 
Manejo Ampliado / Livro "Amamentação - bases científicas"
Manejo Ampliado  / Livro "Amamentação - bases científicas" Manejo Ampliado  / Livro "Amamentação - bases científicas"
Manejo Ampliado / Livro "Amamentação - bases científicas"
 
OMS: Diretrizes para um controle da promoção comercial dos ditos substitutos ...
OMS: Diretrizes para um controle da promoção comercial dos ditos substitutos ...OMS: Diretrizes para um controle da promoção comercial dos ditos substitutos ...
OMS: Diretrizes para um controle da promoção comercial dos ditos substitutos ...
 
OMS: Diretrizes para a Alimentação Complementar Saudável para Lactentes
OMS: Diretrizes para a Alimentação Complementar Saudável para LactentesOMS: Diretrizes para a Alimentação Complementar Saudável para Lactentes
OMS: Diretrizes para a Alimentação Complementar Saudável para Lactentes
 

Promoção da AMAMENTAÇÃO e ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR saudável

  • 1. 1 Promoção da amamentação e alimentação complementar saudável Projeto de Inclusão Social e Desenvolvimento Comunitário
  • 2. 2 3 Amamentação e alimentação saudável para crianças pequenas Tendo em vista a importância da Segurança Alimentar e Nutricional, o Senac São Paulo e o Santander Universidades disponibilizam esta cartilha que tem como objetivo apoiar ações de promoção da amamentação e alimentação complementar para crianças menores de dois anos. Esta ação integra o “Projeto de Inclusão Social e Desenvolvimento Comunitário” que oferece atividades educacionais voltadas à melhoria da qualidade de vida das populações e que são comprometidas com a responsabilidade social e ambiental e a valorização da cidadania das comunidades. Esta cartilha foi elaborada para ajudar você a tirar as dúvidas mais comuns e fornecer algumas dicas que podem auxiliar a amamentação e introdução de novos alimentos. Dessa forma, deverá contribuir com as políticas públicas em desenvolvimento no país e estabelecer uma mobilização nacional dirigida à redução da mortalidade infantil. A amamentação é mais fácil quando as mães têm informações sobre as práticas saudáveis para ela e para os seus bebês, incluindo a importância do aleitamento exclusivo durante os primeiros seis meses de vida. Mesmo quando existem obstáculos, a amamentação pode ser mantida se as mães receberem a compreensão e apoio dos familiares, dos amigos, da equipe de saúde e no seu ambiente de trabalho. A crescente urbanização e as mudanças nas estruturas familiares têm debilitado estes mecanismos de apoio social. A boa alimentação começa com a amamentação... Por que o leite materno é bom? O leite materno é forte e adequado para o bebê, que não vai necessitar de outro alimento até os 6 meses de idade. Depois dessa idade o ato de amamentar deve ser mantido e a alimentação complementar deve ser introduzida.
  • 3. 4 5 Quais são as vantagens da amamentação? O leite materno é o alimento mais completo que existe para o bebê até o sexto mês. Por isso não é preciso completar com outros leites, mingaus, suquinhos, chá ou água, fazendo economia para o orçamento familiar; O leite materno é muito fácil de digerir e não sobrecarrega o intestino e os rins do bebê. Isso explica porque as fezes do bebê são aguadas (amarelas ou verdes), e que a urina se apresente bem clarinha e abundante; Ele protege o bebê da maioria das doenças; É prático, não precisa ferver, misturar, coar, dissolver ou esfriar; Está sempre pronto, a qualquer hora ou lugar; Transmite amor e carinho, fortalecendo os laços entre a mãe e o bebê; Protege a mãe da perda de sangue em grande quantidade depois do parto; A amamentação diminui as chances de a mãe ter câncer de mama e de ovário. Será que existe leite fraco? Não. O leite nunca é fraco. A aparência do leite muda conforme a fase da amamentação: nos primeiros dias o leite é geralmente em pequena quantidade. É o colostro, leite concentrado, nutritivo e com muitos anticorpos. É a primeira vacina do bebê. No começo da vida é muito importante que ele receba o colostro a toda hora. Além de dar proteção, ajuda a treinar o jeito de mamar. Com o passar do tempo, o peito produz leite adequado às necessidades e à idade do bebê, mudando de aparência conforme a duração da mamada. No início ele é mais aguado e ao final da mamada é mais gorduroso.
  • 4. 6 7 O que fazer para ter bastante leite? Quando o bebê começa a mamar, quando nasce, ainda na sala de parto, a descida e a produção do leite são mais rápidas. Quanto mais o bebê mama, mais leite se produz. A produção do leite acontece quando o bebê suga. Beba no mínimo quatro copos de água por dia. Para manter boa produção de leite, a mãe deve oferecer o peito ao bebê sempre que ele quiser e amamentar durante a noite. Descansar também ajuda. Para o bebê mamar mais, não dê a ele chás, água, sucos ou outro tipo de leite nos primeiros meses de vida. Como amamentar o bebê? A mãe deve estar confortável. Se achar necessário poderá apoiar os pés, os braços e as costas. O uso de travesseiros costuma ajudar. A posição do bebê também é importante, ele precisa estar de frente para o peito, bem encostado no corpo da mãe, com o bumbum apoiado pela mão da mamãe. Quando o bebê abocanha uma grande parte da aréola, aquela parte mais escura do peito em volta do bico, fica mais fácil extrair o leite de dentro do peito para a boca. Isso mantém uma boa produção de leite e protege o peito das rachaduras. Uma dica para o bebê abrir bem a boca e pegar bastante aréola: passe o bico do peito na parte que fica entre a boca e o nariz. Há mais aréola visível acima da boca do que abaixo. A criança deve esvaziar totalmente uma mama, para então depois ou na próxima mamada mamar da outra mama.
  • 5. 8 9 O que fazer para evitar rachaduras? Como evitar que o leite empedre? Para não tirar a proteção natural da pele da aréola, não passe cremes, sabonetes ou loções e evite esfregar ou massagear os mamilos. Passar o próprio leite, depois das mamadas, limpa e protege a aréola. Ensinar o bebê a abrir bem a boca na hora de abocanhar e amamentar é o mais importante para prevenir e evitar as rachaduras. Para evitar o empedramento, toda vez que o peito estiver muito cheio ou pesado ele deve ser esvaziado. Para retirar o leite do peito, faça massagens suaves em todo o peito. Depois, coloque o polegar e o indicador na linha que divide a aréola do restante do peito e aperte suavemente um dedo contra o outro. O leite inicialmente sai em gotas e logo após em pequenos jatos. Por que não se deve usar mamadeira ou chupeta? Quando o bebê experimenta outro bico dentro da boca, ele pode ficar confuso e começar a atrapalhar-se na hora de mamar - às vezes isso leva-o a abandonar o peito. Além disso, as mamadeiras e chupetas são difíceis de limpar e esterilizar, podendo causar infecções. Existe alguma simpatia que altere o leite? Não. A maioria das simpatias ou crendices não altera o leite. Por exemplo: o bebê arrotar no peito, o leite pingar no chão, a menstruação, nada disso altera a qualidade ou a quantidade do leite. A relação sexual pode ser retomada sem preocupações, pois não atrapalha a amamentação. Aliás, se o bebê estiver mamando só no peito (sem receber água, chás ou outros alimentos), se o bebê tem menos de 6 meses e se a menstruação ainda não voltou, a amamentação ajuda a prevenir uma nova gravidez.
  • 6. 10 11 A alimentação da mãe pode prejudicar a amamentação? Não. A maioria dos alimentos não afeta a amamentação. Comer um pouco mais que o habitual é suficiente para essa fase em que o corpo está produzindo leite. Os alimentos ácidos não “talham” o leite. Não é necessário tomar mais leite de vaca para produzir leite. Recomenda-se que a mãe ingira quatro copos de água por dia. Café, chá preto ou mate e refrigerantes em grande quantidade podem provocar cólicas no bebê. Parar temporariamente com eles vai mostrar se são os causadores das cólicas. As bebidas alcoólicas e o cigarro são desaconselháveis porque podem afetar a saúde do bebê. As mães que têm anemia podem amamentar? Sim, mas devem procurar um tratamento. O médico poderá receitar a medicação adequada, orientar dieta e a mãe continua amamentando. As mães podem tomar medicamentos durante a amamentação? A maioria dos medicamentos é compatível com a amamentação. A mãe só deve tomar remédios quando orientada pelo médico ou por um profissional habilitado. O que mais a mãe pode fazer para produzir mais leite? Muitas mulheres voltam para suas atividades normais e nem sempre conseguem tempo para descansar. Além de todo o trabalho que já faziam antes, elas também estão produzindo leite. Descansar, sempre que possível, nos intervalos das mamadas pode ajudar.
  • 7. 12 13 Qual é a idade de parar de amamentar? A amamentação é recomendada até 2 anos ou mais. O leite acompanha o crescimento do bebê e ainda contém proteínas, vitaminas, energia e anticorpos para a melhor proteção da criança. Depois de 2 anos de idade, mãe e bebê devem decidir se continuam ou não. Quando a mãe engravida novamente pode continuar a amamentar? Sim. Uma nova gestação não prejudica o leite, mesmo que mude um pouquinho o seu gosto. O bebê às vezes estranha, mas logo se acostuma. A amamentação não costuma prejudicar o bebê que está se formando. O médico ou profissional que acompanha o pré-natal deve orientar essa nova gravidez. Como fazer para trabalhar e amamentar? Durante a licença-maternidade dar só de mamar, sem qualquer outro líquido. Depois desse período, peça para levar o bebê consigo no trabalho, para continuar a amamentação. Se não for possível, peça à pessoa que vai cuidar do bebê para levá-lo ao seu trabalho para que você mesma possa amamentá-lo. Se o seu trabalho for perto de sua casa, aproveite a “pausa amamentação” para ir amamentar. Caso essas medidas não sejam possíveis, a mãe pode: Uma ou duas semanas antes de voltar ao trabalho, começar a tirar o seu leite e a guardá-lo para fazer um estoque; Amamentar antes de sair de casa para o trabalho e imediatamente após regressar; Amamentar durante a noite; No trabalho, se possível, retirar o leite, tantas vezes quanto o bebê mamaria se estivesse com a mãe; Nos dias de folga, oferecer o peito à vontade; Na ausência da mãe, o leite estocado deve ser dado em xícara ou copinho; Evitar mamadeiras e chupetas.
  • 8. 14 15 * Veja em endereços úteis o BLH mais próximo. Consulte lista na página 26. Como fazer para conservar o leite estocado? No trabalho, a mãe pode, após lavar as mãos, retirar e guardar seu leite em um frasco de vidro, com tampa plástica de rosca, lavado e fervido. Se houver geladeira, manter o leite sob refrigeração. Se não houver, manter em isopor com gelo; Conservação e validade: Na geladeira: leite cru - 12 horas leite pasteurizado degelado - 24 horas No freezer: leite cru - até 15 dias leite pasteurizado - 6 meses Fonte: RDC 171/2006 - ANVISA O leite materno deverá ficar o menos tempo possível à temperatura ambiente. Caso você decida doar o excesso do seu leite a um Banco de Leite Humano (BLH)*, congele-o imediatamente após a ordenha. Para ser dado ao bebê, o leite deve ser descongelado e aquecido no próprio frasco, em banho-maria. O leite materno não pode ser descongelado em microondas e não deve ser fervido. Evite o uso de mamadeira. Os bebês podem tomar leite em xícara ou copinho. O leite aquecido que não foi usado deve ser jogado fora. Caso esse armazenamento não seja possível, para manter a produção ela deve apenas ordenhar seu leite e jogá-lo fora. A família pode ajudar na amamentação? Caso a mãe tenha dúvidas, quem ela deve procurar? Os Bancos de Leite Humano sempre tem equipes que sabem ajudar as mães na amamentação. Informe-se na sua comunidade se existe algum grupo de apoio à amamentação, pois eles são muito úteis. Nascer num “Hospital Amigo da Criança” garante um bom começo da amamentação e eles também podem ajudar. Sim. Todos podem ajudar a mãe a amamentar: dando apoio, reconhecendo que a amamentação é importante para a saúde de todos, ajudando nos afazeres domésticos e entendendo que amamentar é um momento de muita sensibilidade.
  • 9. 16 17 O que são os Hospitais Amigos da Criança? São hospitais onde a maternidade está preparada para incentivar e apoiar as mulheres na amamentação. Eles obedecem aos “Dez Passos para o Sucesso da Amamentação”. Também não permitem que as empresas que produzem ou que comercializam leites industrializados, mamadeiras e chupetas façam promoções ou doações dos seus produtos ao hospital, para seus funcionários ou para as mães, pois prejudicam a amamentação. Como surgiu a idéia de um Hospital Amigo da Criança? Um grupo de especialistas em saúde infantil do mundo todo, preocupados com as dificuldades que enfrentavam ao incentivar a amamentação, percebeu que as rotinas tradicionalmente usadas nas maternidades separavam as mães dos seus bebês. A separação levava a equipe do hospital a dar leites artificiais para os bebês rotineiramente, em chucas ou mamadeiras. Esses leites colocavam a saúde dos recém-nascidos em risco e os bicos artificiais ensinavam os bebês a “mascar” antes que aprendessem a “mamar” no peito. Quando eram levados para junto de suas mães, os bebês ficavam dormindo e não mamavam, causando empedramento do leite, ou sugavam errado, produzindo rachaduras nos mamilos maternos. A amamentação se tornava dolorosa e era muito difícil continuar amamentando. Portanto, em 1991, o UNICEF e a Organização Mundial da Saúde lançaram a “Iniciativa Hospital Amigo da Criança”, para estimular que os hospitais adotassem rotinas que incentivam, apóiam e facilitam o aleitamento materno. 16 17
  • 10. 18 19 Quais são os “Dez Passos para o Sucesso da Amamentação”? 1. Ter uma política de aleitamento materno, escrita, que seja rotineiramente transmitida a toda a equipe de cuidados de saúde. 2. Capacitar toda a equipe de cuidados de saúde nas práticas necessárias para implementar esta política. 3. Informar todas as gestantes sobre os benefícios e o manejo do aleitamento materno. 4. Ajudar as mães a iniciar o aleitamento materno na primeira meia hora após o nascimento. 5. Mostrar às mães como amamentar e como manter a lactação, mesmo se vierem a ser separadas dos seus filhos. 6. Não oferecer a recém-nascidos bebida ou alimento que não seja o leite materno, a não ser que haja indicação médica. 7. Praticar o alojamento conjunto - permitir que mães e bebês permaneçam juntos – 24 horas por dia. 8. Incentivar o aleitamento materno sob livre demanda. 9. Não oferecer bicos artificiais ou chupetas para crianças amamentadas. 10. Promover a formação de grupos de apoio à amamentação e encaminhar as mães a esses grupos na alta da maternidade. O que o hospital deve fazer para receber a placa? Primeiro deve treinar todos os seus profissionais de saúde para que eles entendam o valor da amamentação e para que saibam como manejar o aleitamento, de modo que fique fácil e prazeroso. Depois, deve implantar as novas rotinas gradativamente. Ao final, deve pedir ao Governo do Estado uma avaliação. Alguns profissionais treinados pelo Ministério da Saúde (que não fazem parte do pessoal do hospital) vão visitar a maternidade, entrevistar as mães e avaliar as rotinas. Se todas as exigências forem cumpridas, ele ganha a placa. Como saber se um hospital é “Amigo da Criança”? Os hospitais “Amigos da Criança” recebem uma placa do Ministério da Saúde, com um desenho do famoso artista Picasso, chamado “Maternidade”, que geralmente fica exposta na entrada, como sinal do reconhecimento da comunidade por suas boas práticas de saúde.
  • 11. 20 21 Todas as pessoas podem facilmente ler sobre as rotinas adotadas pelo hospital. Elas estão escritas, visíveis e são distribuídas por todos os setores. Na prática, o que acontece é o seguinte: • As gestantes são informadas sobre as vantagens da amamentação e sobre como amamentar. • As mulheres são incentivadas a iniciar a amamentação assim que o bebê nasce, ainda na sala de parto. • As mães são ajudadas a encontrar a melhor posição para amamentar e a como fazer para que o bebê abocanhe grande parte de sua aréola, sem causar dor. • Também são ensinadas a retirar leite com as mãos, para manter a produção de leite, caso algum motivo faça com que se separem do bebê. • As mães são estimuladas a amamentar todas as vezes que o bebê quiser e pelo tempo que ele quiser, sem ter que obedecer a um tempo determinado para as mamadas. • A separação entre a mãe e o bebê é evitada. A equipe do hospital usa de soluções criativas para manter a dupla sempre junta. • Os profissionais evitam prescrever outros leites, adotando regras bastante rigorosas para as exceções. • Impedem o uso de mamadeiras ou chucas dentro da maternidade e usam xícaras ou copinhos para os recém- nascidos que necessitam. Resumindo, o que acontece de diferente num “Hospital Amigo da Criança”? • Esclarecem os motivos da proibição dos bicos e chupetas, contando às mães e familiares os malefícios do seu uso. • E, no momento da alta, encaminham as mães para locais onde sabem que a amamentação será acompanhada e apoiada até os 2 anos ou mais. O site do Ministério da Saúde contem a lista dos Hospitais Amigos da Criança espalhados por todo o país. Acesse o endereço eletrônico: http://portal.saude.gov.br/portal/saude/cidadao/visualizar_ texto.cfm?idtxt=26348
  • 12. 22 23 Se mama no peito, além da água e leite materno à demanda: Ao completar 6 meses – duas frutas (amassadas ou raspadas) e uma refeição salgada (papa ou purê). Ao completar 7 meses – duas frutas (amassadas ou raspadas) e duas refeições salgadas (papa ou purê). Ao completar 8 meses, a criança pode receber os alimentos preparados para a família, desde que não tenham temperos industrializados, pimenta, excesso de sal, alimentos gordurosos como bacon, banha, lingüiça, entre outros. Após completar 12 meses – duas frutas e duas refeições salgadas, além de fruta ou cereal ou tubérculo ao acordar e no lanche da tarde. Se não mama no peito, além da água: Ao completar 4 meses – duas frutas (amassadas ou raspadas) e duas refeições salgadas (papa ou purê), além de leite ao acordar e à noite. A introdução de alimentos deve ser lenta e gradual, respeitando a aceitação da criança. Ao completar 8 meses, a criança pode receber os alimentos preparados para a família, desde que não tenham temperos industrializados, pimenta, excesso de sal, alimentos gordurosos como bacon, banha, lingüiça, entre outros. Após completar 12 meses – duas frutas e duas refeições salgadas, fruta ou cereal ou tubérculo ao acordar e no lanche da tarde, além de leite pela manhã e à noite. A orientação sobre o leite deve ser individualizada e orientada por um profissional de saúde. Quando o bebê pode comer outros alimentos, além do leite materno? A partir dos 6 meses, novos alimentos devem ser introduzidos de forma lenta e gradual, inclusive água tratada, filtrada e fervida. A amamentação deve ser mantida até dois anos ou mais. No início, algumas crianças podem rejeitar alguns alimentos, outras aceitam bem a novidade. É importante manter a oferta e variar os alimentos. Aos poucos eles se adaptam a essa nova fase. Quantas vezes por dia a criança precisa comer outros alimentos, além do leite?
  • 13. 24 25 Quais alimentos devem ser usados na comidinha do bebê? Os mais indicados são os alimentos caseiros da época, utilizados pela família. As refeições (almoço e jantar) devem conter cereal ou tubérculo (arroz, batata, mandioca, cará, inhame, milho, farinhas, batata doce), um tipo de carne (carne vermelha, frango, peixe, miúdos) ou ovo, uma leguminosa (feijão, lentilha, soja, grão de bico, ervilha seca), uma verdura de folha (chicória, alface, couve, espinafre) e/ou legumes (cenoura, abóbora, abobrinha, beterraba), variados e coloridos. As frutas podem ser usadas para os horários de lanche. Os alimentos devem ser amassados com o garfo. Quais alimentos não podem faltar? Quanto mais variada e colorida, mais nutritiva e estimulante se torna a alimentação da criança. Não é necessário utilizar grande variedade de alimentos na mesma refeição. A cada dia um alimento novo poderá compor o prato da criança. Os alimentos verde- escuros (chicória, couve, brócolis, espinafre...), amarelo-alaranjados (cenoura, mamão, laranja, manga, abóbora...), carnes, feijões e leite materno são muito importantes para prevenir deficiências nutricionais, como anemia e deficiência de vitamina A. Recomenda-se que a criança consuma fígado ou miúdos uma vez por semana. É útil oferecer uma pequena quantidade de alimento rico em vitamina C (limão, laranja, acerola, goiaba, tomate...) para acompanhar o almoço e jantar, pois aumentam a absorção do ferro dos feijões e vegetais folhosos.
  • 14. 26 27 Como deve ser a consistência da comida? A partir dos seis meses a criança está pronta para receber alimentos sólidos, bem cozidos, numa consistência espessa, ou seja, de purê. Não é indicado passar os alimentos pela peneira ou mesmo triturá- los no liquidificador para que a criança possa aprender a mastigar. Esta habilidade é extremamente importante para o crescimento e desenvolvimento do bebê. Assim, os alimentos devem ser amassados ou desfiados, em pedaços bem pequenos e oferecidos com auxílio de colher, pausadamente. Como fazer para que a criança aceite os alimentos? A variedade de sabores, consistências e formas de preparo são úteis para estimular e ou desenvolver o interesse da criança pela comida. É importante que ela possa pegar pequenos pedaços de alimentos, como tirinhas de legumes, carnes ou frutas, despertando nelas a curiosidade e o desejo de levá-los à boca. Nunca force a criança a comer e procure criar uma atmosfera agradável. Não é necessário estabelecer horários rígidos. É importante que a alimentação da criança seja oferecida próxima dos horários da família, mantendo intervalos regulares e respeitando o apetite da criança. Quais alimentos não são indicados? Refrigerantes, sucos industrializados, doces em geral, balas, chocolate, sorvetes, biscoitos recheados, salgadinhos, enlatados, embutidos (salsicha, lingüiça, mortadela, presunto...), frituras, café, chá mate, chá preto ou mel não devem ser oferecidos à criança. Estes alimentos são ricos em gorduras, açúcar, conservantes ou corantes e podem comprometer o crescimento e desenvolvimento, além de aumentarem o risco de doenças como alergias, obesidade, pressão alta e diabetes. Esses alimentos não devem ser oferecidos as crianças antes de 2 anos de idade.
  • 15. 28 29 Existe algum cuidado especial no preparo das refeições? Lavar bem as mãos, com água e sabão, os utensílios domésticos e as superfícies para a preparação e oferecimento dos alimentos. Toda verdura, legume e fruta deve ser lavada em água corrente tratada, filtrada e fervida, antes de ser descascada. Os alimentos devem ser bem cozidos e de preferência preparados em quantidade suficiente para uma refeição, que deve ser servida logo após o preparo. Não oferecer sobras de alimentos da refeição anterior. Os alimentos devem ser guardados em vasilhas limpas, secas, tampadas, em local fresco, na geladeira. Existem leis que protegem a amamentação? Sim. São elas: As trabalhadoras da cidade e do campo têm direito à licença maternidade de 120 dias, sem prejuízo do emprego e do salário; Dois descansos remunerados por dia, cada um de 30 minutos a cada 4 horas trabalhadas, até o bebê completar 6 meses de idade, além dos intervalos normais para repouso e alimentação; Berçário, creche ou um ambiente apropriado para amamentação, dentro ou fora do local de trabalho, sempre que a empresa tiver 30 ou mais mulheres maiores de 16 anos trabalhando; Licença-paternidade de 5 dias a contar do dia do nascimento do bebê; No caso de adoção ou guarda judicial de crianças com até um ano de idade, a mãe tem licença-maternidade de 120 dias; quando a criança adotada tiver de um a quatro anos de idade, a licença é de 60 dias; e para crianças de quatro a oito anos, a licença é de 30 dias. Para que a licença-maternidade seja concedida é preciso apresentar o termo judicial de guarda da criança. As trabalhadoras de empresas ou órgãos públicos que aderiram à Lei 11.770 de 2008 têm direito de somar dois meses aos quatro de licença maternidade. Para tanto é preciso solicitar a prorrogação dentro do primeiro mês de vida do bebê. Mais informações podem ser encontradas no seguinte endereço eletrônico: www.receita.fazenda.gov.br/ Legislacao/Leis/2008/lei11770.htm.
  • 16. 30 31 Você pode ajudar na defesa e promoção, conhecendo normas e leis que protegem a amamentação!!! A Norma Brasileira de Comercialização de alimentos para lactentes e crianças de primeira infância, bicos, chupetas e mamadeiras (NBCAL), transformada na Lei nº 11.265/06, é um instrumento que regulamenta a fabricação, a comercialização e o uso apropriado desses produtos. O objetivo é contribuir para a adequada nutrição dos lactentes (até 12 meses de idade) e das crianças de primeira infância (crianças de 12 meses a 3 anos de idade), protegendo e incentivando a amamentação. Todos podem conhecer e aplicar a NBCAL e Lei nº 11.265/06: Da Promoção Comercial • É proibida qualquer promoção comercial de fórmulas infantis, mamadeiras e chupetas nas farmácias, supermercados, lojas de departamentos, revistas, rádio, televisão etc. • Qualquer promoção dos demais leites e alimentos complementares precisam trazer uma advertência de acordo com o tipo de produto, para que eles não sejam utilizados de maneira inapropriada e/ou prejudiquem a prática da amamentação. Da Rotulagem • Os rótulos desses produtos não podem conter fotos ou imagens de lactentes e/ou frases que possam colocar a mãe em dúvida quanto à sua capacidade de amamentar. Os rótulos precisam trazer advertência sobre a superioridade da amamentação, entre outras. • As fórmulas infantis, leites fluídos, leites em pó, leites em pó modificados, leites de diversas espécies animais e vegetais devem ter a seguinte advertência: “AVISO IMPORTANTE: o leite materno evita infecções e alergias e é recomendado até dois anos de idade ou mais.” • Alimentos de transição e alimentos à base de cereais indicados para lactentes e/ou crianças de primeira infância, bem como alimentos à base de leite ou não devem ter a seguinte advertência: “O Ministério da Saúde adverte: após os seis meses de idade, continue amamentando seu filho e ofereça novos alimentos”.NBCAL
  • 17. 32 33 Como entrar em contato com os Bancos de Leite Humano? A Rede Nacional de Bancos de Leite Humano – REDEBLH é coordenada pelo Centro de Referência Nacional, com sede no Instituto Fernandes Figueira da Fundação Oswaldo Cruz. Os BLH possuem pessoal capacitado para ajudar mães na amamentação e para processamento do leite humano que será doado às maternidades. O site da REDEBLH contém a relação dos bancos de leite de todo o país. Acesse o endereço eletrônico: http://www. fiocruz.br/redeblh Centro de Referência Nacional Instituto Fernandes Figueira Banco de Leite Humano do Instituto Fernandes Figueira Av. Rui Barbosa, 716, Térreo, Flamengo Rio de Janeiro - CEP 22250-020 Tel.: 0800-268877 / (21) 2554-1703 - Fax: (21) 2553-9662 redeblh@fiocruz.br Centros de Referência no Estado de São Paulo Para a capital: Hospital Maternidade Leonor Mendes de Barros Banco de Leite Humano do Hospital Maternidade Leonor Mendes de Barros Av. Celso Garcia, 2.477, 3º andar, Belenzinho São Paulo - CEP 03015-000 Tel.: (11) 2292-4188, Ramal: 256 – Fone/Fax: (11) 2692-4068 blhleonor@ig.com.br Para o interior do estado: Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da USP BLH do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da USP Av. Santa Luzia, 387, Jardim Sumaré Ribeirão Preto - CEP 14025-090 Tel.: (16) 3610-8686 - Fax: (16) 3610-2649 bcoleite@hcrp.fmrp.usp.br ou analia_heck@uol.com.br Preencha aqui os dados do Banco de Leite ou do Grupo de Apoio a Mães do seu município:
  • 18. 34 35 Expediente Coordenação Geral: Senac São Paulo Gerência de Desenvolvimento: Área Desenvolvimento Social Organizador: Jorge Carlos Silveira Duarte Textos: Julio Gaspar Ana Julia Colameo Referências bibliográficas Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção à Saúde. Dez passos para uma alimentação saudável: guia alimentar para menores de dois anos: um guia para o profissional da saúde na atenção básica. 2ª ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2010. MINISTÉRIO DA SAÚDE (BR). Manejo e Promoção do Aleitamento Materno Curso de 18 horas para equipes de maternidades. Brasília (DF):2003. UNICEF. Iniciativa Hospital Amigo da Criança: revista, atualizada e ampliada para o cuidado integrado: módulo 3: promovendo e incentivando a amamentação em um Hospital Amigo da Criança: curso de 20 horas para equipes de maternidade. UNICEF/ OMS. Brasília: Ministério da Saúde, 2009. www.alana.org.br www.aleitamento.com www.amigasdoparto.org.br www.amigasdopeito.org.br www.anvisa.gov.br www.crianzanatural.com www.fiocruz.br/redeblh www.gestamater.com.br www.ibfan.org.br www.isaude.sp.gov.br www.llli.org/Brasil.html redesocialblogs.com.br/helenaloureno/rede-social-de- amamentacao-santos-e-regiao Revisão e ampliação desta edição: Ana Júlia Colameo, Jeanine Maria Salve, Marina Ferreira Rea, Rosana De Divitiis, Tereza Setsuko Toma Ilustrações: Rogério Augusto Projeto gráfico: ASA Assessoria e Comunicação Senac São Paulo Tel.: (11) 3236-7508 www.sp.senac.br/amamentacao e-mail: amamentacao@sp.senac.br Sites úteis: www.mamiferas.blogspot.com www.matrice.wordpress.com www.mulhersaudavel.com.br www.partodoprincipio.com.br www.previdenciasocial.gov.br www.rehuna.org.br www.saude.gov.br www.sp.senac.br/amamentacao www.trabalho.gov.br www.waba.org.my
  • 19. 36 Assessoria técnica Realização IBFAN - Rede Internacional em Defesa do Direito de Amamentar