SlideShare uma empresa Scribd logo
PROJETO DE FORMAÇÃO CONTINUADA
   DIRETRIZES CURRICULARES DA EDUCAÇÃO MUNICIPAL DE VITÓRIA




1 - INTRODUÇÃO


A Secretaria Municipal de Educação de Vitória elaborou um Planejamento para o período
compreendido entre o segundo semestre de 2010 até o final de 2012. Um de seus objetivos
foi avaliar as ações realizadas pela Secretaria Municipal de Educação – projetos, programas
e ações desenvolvidos pelas equipes e também estabeleceu metas de médio e longo prazo.


Dentre as ações previstas neste Planejamento figura a proposta de reformulação do
Documento Educação Infantil: um outro olhar (2006) e das Diretrizes Curriculares do
Ensino Fundamental (2004) e a formulação das Diretrizes Curriculares da Educação de
Jovens e Adultos.


O Sistema Municipal de Educação conta com os documentos supracitados com orientações
curriculares para essas duas etapas da Educação Básica. Contudo, no período de 2004 a
2010 ocorreram algumas mudanças na organização da Educação, entre as quais destacamos
a institucionalização do Ensino Fundamental de nove anos pelo Governo Federal, por meio
da Lei 11.274/2006, e da obrigatoriedade da Educação Básica de quatro a dezessete anos e
da Emenda Constitucional 59/2009. E em nível municipal, a implantação da modalidade de
Educação de Jovens e Adultos, a partir de 2007, o que torna necessário a elaboração das
diretrizes para esta modalidade de ensino.


Quanto à obrigatoriedade do Ensino Fundamental de nove anos, temos a considerar que, no
município de Vitória, a maioria das crianças de seis anos já eram, em 2006, atendidas nos
Centros de Educação Infantil, mas, o fato dessas crianças passarem a fazer parte do Ensino
Fundamental, exige “tratamento político, administrativo e pedagógico, uma vez que o
objetivo é assegurar a todas as crianças um tempo de maior convívio escolar e maiores
oportunidades de aprendizagem” (BRASIL, 2007, p.07).



                                                                                              1
Além destas mudanças na organização, destacamos ainda a vasta legislação produzida em
 nível nacional no período pertinente à organização curricular da escola, que dentre outras
 destacamos:



Parecer CNE/CEP nº 03/2004 e Resolução CNE/CEP nº 01/2004 - Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação
das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana;

Parecer CNE/CEB nº 02/2007 - Parecer quanto à abrangência das Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações
Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana.


Parecer CNE/CEB nº 04/2008 - Orientação sobre os três anos iniciais do Ensino Fundamental de nove anos;



Lei11.769/2008 – alterou a Lei 9394/96 tornando a Música um conteúdo obrigatório do componente curricular Arte.


Lei 10639/2003 e 11.645/2008 – altera a Lei 9394/96 incluindo o estudo da história da África e dos africanos, a luta dos negros e
dos povos indígenas no Brasil, a cultura negra e indígena brasileira e o negro e o índio na formação da sociedade nacional,
resgatando as suas contribuições nas áreas social, econômica e política, pertinentes à história do Brasil como conteúdo
programático da Educação Básica.

Parecer CNE/CEB nº 20/2009 Revisão das Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil e Resolução CNE/CEB nº
05/2009 - Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil;


Parecer CNE/CEB nº 13/2009 e Resolução CNE/CEB nº 04/2009 - Institui Diretrizes Operacionais para o Atendimento
Educacional Especializado na Educação Básica, modalidade Educação Especial.

Parecer CNE/CEB nº 07/2010 e Resolução CNE/CEB nº 04/2010 - Define Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais para a
Educação Básica;

Parecer CNE/CEB nº 11/2010 e Resolução CNE/CEB nº 07/2010 - Fixa Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino
Fundamental de 9 (nove) anos;



 Em nível municipal, destacamos:
 * Resolução 07/2008 do Conselho Municipal de Educação (COMEV) - assegura a oferta
 obrigatória da disciplina de Ensino Religioso, nas escolas municipais de Vitória.


 Além destas proposições no campo legal, também se faz necessário observar os avanços


                                                                                                                                    2
teóricos no campo da educação, do currículo e das áreas de conhecimento específicas,
oriundos da vasta produção acadêmica no referido período, e há que se ressaltar, inclusive,
que parte desta produção teórica é fruto do trabalho dos profissionais da rede municipal que
desenvolveram pesquisas em nossas escolas nos campos anteriormente citados.


Contudo, dentre todas as observações acima, há que se considerar as mudanças na
conjuntura social, política, econômica e cultural, e, principalmente as transformações na
prática educativa, no trabalho docente, ou seja, é de fundamental importância apropriar e
incorporar os fazeres e saberes consolidados na escola, pois o documento das Diretrizes
Curriculares deverão revelar e traduzir o seu cotidiano.


Considerando todas essas questões é que decidiu-se pela proposta de uma formação
continuada para o ano de 2011 com vistas à reelaboração das Diretrizes Curriculares da
Educação Infantil e do Ensino Fundamental e de elaboração das Diretrizes da Educação de
Jovens e Adultos.


2 – OBJETIVOS


–      Estabelecer princípios comuns para fundamentação da elaboração das Diretrizes
Curriculares da Educação Básica, composta pela Educação Infantil, Ensino Fundamental e
pela modalidade de Educação de Jovens e Adultos;

–      Reelaborar as Diretrizes Curriculares da Educação Infantil e do Ensino
Fundamental;

–      Elaborar as Diretrizes Curriculares da Educação de Jovens e Adultos.


3 – METODOLOGIA


3.1 – Organização dos encontros e fóruns
Conforme já assinalamos as questões mencionadas trouxeram novas exigências e
demandas, principalmente no campo conceitual, tornando necessária uma reflexão coletiva
envolvendo toda a comunidade escolar que compõe o sistema municipal de Vitória, para a


                                                                                               3
análise dos documentos existentes e o estabelecimento de conceitos e princípios comuns
que deverão fundamentar as Diretrizes Curriculares. Alguns destes princípios e conceitos
aparecem na vasta produção que apresentamos e precisarão ser debatidos por toda a
comunidade escolar. Dentre estes destacamos:

–      Educação Básica (articulação entre os diferentes etapas de ensino)

–      Educação integral

–      Gestão democrática

–      Concepção sócio-histórica (a partir da qual são definidos sujeitos, sociedade,
trabalho, cultura, ensino, aprendizagem, currículo)

–      Categorias geracionais ( infância, juventude, adultez)

–      Política de inclusão (digital, étnico-racial, necessidades especiais...)

–      Diversidade cultural e educação intercultural


Aliado a estes princípios deverão ainda ser debatidas as seguintes questões: ciclo,
alimentação escolar, educação socioambiental, diferentes linguagens (educação bilíngüe,
alfabetizações, comunicação alternativa), gênero e de diversidade sexual e usos dos espaços
educativos (laboratórios, salas de recursos multifuncionais, bibliotecas escolares) por se
constituírem em temáticas presentes na escola hoje.


3.2        – Etapas do processo de Formação


Na primeira etapa do processo – que se efetivará no primeiro semestre deste ano – será
feito um estudo pelos profissionais das unidades de ensino, de um texto referência que traz
uma análise comparativa dos documentos existentes para identificar o que deve ser
mantido, o que deve ser aprimorado, o que deve ser excluído e o que deve ser incluído.


Posterior a esta análise, serão estabelecidos os princípios comuns que deverão fundamentar
o Documento final das Diretrizes Curriculares da Educação Infantil, Ensino Fundamental e
Educação de Jovens e Adultos.




                                                                                              4
Na segunda etapa, que ocorrerá a partir de agosto, pretende-se elaborar a parte do
documento que trata das áreas específicas de conhecimento que perpassam as etapas e as
modalidades de ensino.


O processo de formação continuada terá início em fevereiro com a apresentação da
proposta para todos os profissionais da rede municipal de educação. A partir de março serão
realizados, com representantes das Unidades de Ensino, encontros mensais para debate e
socialização das discussões ocorridas nas escolas e apresentação da temática seguinte e de
fóruns a cada dois meses para aprovação do texto elaborado pela equipe sistematizadora, a
partir das contribuições oriundas das escolas e dos encontros mensais.


Todas as Unidades de Ensino deverão eleger dentre os profissionais da educação, um
representante por turno (matutino, vespertino e noturno – quando houver), que se
constituirá no elo entre as Unidades e a equipe sistematizadora. A escolha de um
representante por turno é para garantir a representação dos três turnos nos encontros e
fóruns que ocorrerão pela manhã, tarde e noite. Este representante terá a responsabilidade
de elaborar a síntese das discussões ocorridas nos turnos de funcionamento da instituição,
encaminhando-a para a equipe sistematizadora, fazer a socialização nos encontros
presenciais e participar dos fóruns. No primeiro encontro presencial será escolhido o nome
dos profissionais que irão representar a Educação Infantil, Ensino Fundamental e Educação
de Jovens e Adultos na equipe sistematizadora.


Os encontros presenciais terão dois objetivos: 1) apresentar a síntese das discussões
enviadas pelas unidades de ensino, discutir e chegar a um consenso sobre pontos, nos quais
haja divergências. 2) apresentar a próxima temática para discussão.


A partir do texto e das questões, para serem discutidas no coletivo da escola deverá ser
elaborada uma síntese, a ser postada na plataforma Vixeduca, enviada por meio de correio
eletrônico, por fax, ou entregue impresso na GFDE.


Além dos encontros com representantes das UEs, serão realizados também encontros com



                                                                                              5
pais e alunos a partir da definição de um calendário específico.
3.3 - PÚBLICO ENVOLVIDO NA DISCUSSÃO DAS DIRETRIZES


3.3.1 - Nas unidades de ensino: a comunidade escolar (pais, alunos, profissionais da
educação)
Cada unidade de ensino deverá organizar tempos/espaços de formação para discussão das
diretrizes curriculares com os profissionais que nela atuam. Esta proposta de formação
deverá ser enviada a Gerência de Ensino Fundamental, no caso das EMEFs e para Gerência
de Educação Infantil, no caso dos CMEIs.


As Diretrizes Curriculares deverão ser incluídas na proposta curricular, como uma temática
a ser desenvolvida com os alunos, nas diversas áreas do conhecimento. A discussão desta
temática com os alunos tem por objetivos: a) contribuir para o entendimento do que é uma
Diretriz Curricular, Currículo e as variações deste (currículo oficial, praticado, oculto, etc) e
da importância destes para a sistematização dos processos de ensino e aprendizagem; b)
fornecer subsídios aos alunos para que a participação nos fóruns deste segmento ocorra de
forma mais qualificada; c) fazer com que os alunos e profissionais da educação produzam
trabalhos acerca da temática “As contribuições do currículo para a construção da escola
que queremos”. Estes trabalhos serão apresentados durante os encontros de formação
continuada e na Mostra Científica e Cultural das Escolas Municipais de Vitória, a ser
realizada em novembro de 2011.


3.3.2 - Encontros de pais e funcionários e do Conselho de Escola representantes da
Comunidade onde a escola está inserida: as temáticas das diretrizes curriculares serão
discutidas com estes sujeitos nas formações de conselheiros e no Congresso de Famílias.


3.3.3 - Encontros de alunos: os alunos da Educação Infantil, do Ensino Fundamental e da
Educação de Jovens e Adultos participarão da reelaboração das Diretrizes Curriculares.
Para isto será articulado um trabalho com a equipe da Mobilização Estudantil.


Os textos e materiais indicados para subsidiar a discussão e aprofundamento das Diretrizes



                                                                                                    6
Curricularesserão postadas na Plataforma VixEduca. Como já foi dito anteriormente, as
contribuições elaboradas pelas unidades de ensino poderão ser enviadas à SEME via
Plataforma.


4- COMPOSIÇÃO DA EQUIPE DE TRABALHO
    Consultor geral
    Equipe Sistematizadora: SEME e representantes das Unidades de Ensino (EI, EF,
       EJA)
    Representantes das Unidades de Ensino
    Profissionais das unidades de ensino
    Pais e alunos
    Representantes da Comunidade
    Representantes do Conselho Municipal de Educação de Vitória (COMEV)


5- CERTIFICAÇÃO DA FORMAÇÃO CONTINUADA


Todos os profissionais da educação participantes do processo de formação continuada
serão certificados de acordo com sua participação e carga horária:
a) participação nos grupos de estudo nas Unidades de Ensino;
b) representantes das Unidades de Ensino com participação nos encontros mensais e fóruns
e responsáveis pela elaboração da síntese das discussões ocorridas no seu espaço de
trabalho;
c) participação na equipe sistematizadora.


6 - CALENDÁRIO DE FORMAÇÕES


O calendário referente ao segundo semestre será elaborado posteriormente com a discussão
sobre as Diretrizes Curriculares de cada área específica do conhecimento, perpassadas pelos
princípios abordados.




                                                                                              7
MÊS         DIA                                ATIVIDADE                                  HORÁRIO             LOCAL

              03                                                                           7:30 às 17:00
                                                                                                            Alice Palace Hotel
                                                                                           7:30 às 17:00
                             Apresentação da proposta de formação continuada com a
              04
                                       temática “Diretrizes Curriculares”.
                                                                                           18:00 às 22:00    Auditório PMV

                                                                                                            Área Social Clube
FEVEREIRO     07                                                                           7:30 às 17:00
                                                                                                             Álvares Cabral

                                                                                                               Plataforma
              21                 Envio do texto referência às Unidades de Ensino                *-*
                                                                                                               VixEduca


                       Recebimento da proposta de formação das Unidades de Ensino e os
              28                                                                                *-*              GFDE
                             nomes de seus respectivos representantes (por turno)

                        Devolutiva por escrito das discussões realizadas nas Unidades de                       Plataforma
             Até 18                                                                             *-*
                                                                                                               VixEduca
                                      Ensino, por meio da representação.
 MARÇO
                                 Encontro Mensal com os representantes das Ues e
            25 (Sex)                                                                       7:00 às 12:00          SEME
                          apresentação da temática a ser desenvolvida no mês de abril.

                        Devolutiva por escrito das discussões realizadas nas Unidades de                       Plataforma
             Até 15                                                                             *-*
                                                                                                               VixEduca
                                      Ensino, por meio da representação.
  ABRIL
                                 Encontro Mensal com os representantes das Ues e
            27 (Qua)                                                                       13:00 às 18:00         SEME
                          apresentação da temática a ser desenvolvida no mês de maio.


            12 (Qui)                               1 º Fórum                               18:00 às 22:00         SEME



                        Devolutiva por escrito das discussões realizadas nas Unidades de                       Plataforma
  MAIO       Até 12                                                                             *-*
                                                                                                               VixEduca
                                      Ensino, por meio da representação.

                                 Encontro Mensal com os representantes das Ues e
            30 (Seg)                                                                       7:00 às 12:00          SEME
                          apresentação da temática a ser desenvolvida no mês de junho.

                        Devolutiva por escrito das discussões realizadas nas Unidades de                       Plataforma
             Até 15                                                                             *-*
                                                                                                               VixEduca
                                      Ensino, por meio da representação.
 JUNHO
            22 (Qua)            Encontro Mensal com os representantes das Ues.             13:00 às 18:00         SEME



 JULHO      25 (Seg)                               2 º Fórum                               7:00 às 12:00          SEME




                                                                                                                                 8

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ensino+mé..2
Ensino+mé..2Ensino+mé..2
Ensino+mé..2
Emily Cloves Barreto
 
Ldb atualizada-e-comentada (1)
Ldb atualizada-e-comentada (1)Ldb atualizada-e-comentada (1)
Ldb atualizada-e-comentada (1)
Cristiane Farias
 
Edu 1030 políticas educacionais
Edu 1030 políticas educacionaisEdu 1030 políticas educacionais
Edu 1030 políticas educacionais
Valéria Cristina
 
Políticas educacionais
Políticas educacionaisPolíticas educacionais
Políticas educacionais
mkbariotto
 
Programa Nacional de Formação do Ensino Médio - PNEM caderno I 2ª etapa
Programa Nacional de Formação do Ensino Médio - PNEM caderno I 2ª etapaPrograma Nacional de Formação do Ensino Médio - PNEM caderno I 2ª etapa
Programa Nacional de Formação do Ensino Médio - PNEM caderno I 2ª etapa
Leonara Margotto Tartaglia
 
CONHEÇA AS 20 METAS DO PNE.
CONHEÇA AS 20 METAS DO PNE.CONHEÇA AS 20 METAS DO PNE.
CONHEÇA AS 20 METAS DO PNE.
Antônio Fernandes
 
Diretriz edcampo
Diretriz edcampoDiretriz edcampo
Diretriz edcampo
lucilaback
 
Artigo iii enpec_versao_final
Artigo iii enpec_versao_finalArtigo iii enpec_versao_final
Artigo iii enpec_versao_final
Wanessa de Castro
 
Resolução 2, de 30 de janeiro de 2012 cne - ensino médio
Resolução 2, de 30 de janeiro de 2012   cne - ensino médioResolução 2, de 30 de janeiro de 2012   cne - ensino médio
Resolução 2, de 30 de janeiro de 2012 cne - ensino médio
Eduarda Bonora Kern
 
Ensino médio no brasil determinações históricas
Ensino médio no brasil  determinações históricasEnsino médio no brasil  determinações históricas
Ensino médio no brasil determinações históricas
bbvanderlei
 
Legislação atual e as implicaões na prática pedagógica.
Legislação atual e as implicaões na prática pedagógica.Legislação atual e as implicaões na prática pedagógica.
Legislação atual e as implicaões na prática pedagógica.
Antonio Futuro
 
Ensino Médio
Ensino MédioEnsino Médio
Ensino Médio
Tadeu Vasconcelos
 
Diretrizes curriculares nacionais
Diretrizes curriculares nacionaisDiretrizes curriculares nacionais
Diretrizes curriculares nacionais
marcaocampos
 
Caderno1 (1)
Caderno1 (1)Caderno1 (1)
Caderno1 (1)
pibidsociais
 
MP ENSINO MÉDIO, IMPACTOS - #SaveIF
MP ENSINO MÉDIO, IMPACTOS - #SaveIFMP ENSINO MÉDIO, IMPACTOS - #SaveIF
MP ENSINO MÉDIO, IMPACTOS - #SaveIF
Matheus Pataro
 
RESUMO PARECER DCNEM Nº: 5/2011 PÁGINA 39 A 52
RESUMO PARECER DCNEM Nº: 5/2011 PÁGINA 39 A 52RESUMO PARECER DCNEM Nº: 5/2011 PÁGINA 39 A 52
RESUMO PARECER DCNEM Nº: 5/2011 PÁGINA 39 A 52
IRACI SARTORI
 
Web caderno-1
Web caderno-1Web caderno-1
Web caderno-1
luci96
 

Mais procurados (17)

Ensino+mé..2
Ensino+mé..2Ensino+mé..2
Ensino+mé..2
 
Ldb atualizada-e-comentada (1)
Ldb atualizada-e-comentada (1)Ldb atualizada-e-comentada (1)
Ldb atualizada-e-comentada (1)
 
Edu 1030 políticas educacionais
Edu 1030 políticas educacionaisEdu 1030 políticas educacionais
Edu 1030 políticas educacionais
 
Políticas educacionais
Políticas educacionaisPolíticas educacionais
Políticas educacionais
 
Programa Nacional de Formação do Ensino Médio - PNEM caderno I 2ª etapa
Programa Nacional de Formação do Ensino Médio - PNEM caderno I 2ª etapaPrograma Nacional de Formação do Ensino Médio - PNEM caderno I 2ª etapa
Programa Nacional de Formação do Ensino Médio - PNEM caderno I 2ª etapa
 
CONHEÇA AS 20 METAS DO PNE.
CONHEÇA AS 20 METAS DO PNE.CONHEÇA AS 20 METAS DO PNE.
CONHEÇA AS 20 METAS DO PNE.
 
Diretriz edcampo
Diretriz edcampoDiretriz edcampo
Diretriz edcampo
 
Artigo iii enpec_versao_final
Artigo iii enpec_versao_finalArtigo iii enpec_versao_final
Artigo iii enpec_versao_final
 
Resolução 2, de 30 de janeiro de 2012 cne - ensino médio
Resolução 2, de 30 de janeiro de 2012   cne - ensino médioResolução 2, de 30 de janeiro de 2012   cne - ensino médio
Resolução 2, de 30 de janeiro de 2012 cne - ensino médio
 
Ensino médio no brasil determinações históricas
Ensino médio no brasil  determinações históricasEnsino médio no brasil  determinações históricas
Ensino médio no brasil determinações históricas
 
Legislação atual e as implicaões na prática pedagógica.
Legislação atual e as implicaões na prática pedagógica.Legislação atual e as implicaões na prática pedagógica.
Legislação atual e as implicaões na prática pedagógica.
 
Ensino Médio
Ensino MédioEnsino Médio
Ensino Médio
 
Diretrizes curriculares nacionais
Diretrizes curriculares nacionaisDiretrizes curriculares nacionais
Diretrizes curriculares nacionais
 
Caderno1 (1)
Caderno1 (1)Caderno1 (1)
Caderno1 (1)
 
MP ENSINO MÉDIO, IMPACTOS - #SaveIF
MP ENSINO MÉDIO, IMPACTOS - #SaveIFMP ENSINO MÉDIO, IMPACTOS - #SaveIF
MP ENSINO MÉDIO, IMPACTOS - #SaveIF
 
RESUMO PARECER DCNEM Nº: 5/2011 PÁGINA 39 A 52
RESUMO PARECER DCNEM Nº: 5/2011 PÁGINA 39 A 52RESUMO PARECER DCNEM Nº: 5/2011 PÁGINA 39 A 52
RESUMO PARECER DCNEM Nº: 5/2011 PÁGINA 39 A 52
 
Web caderno-1
Web caderno-1Web caderno-1
Web caderno-1
 

Destaque

Temas grupos estudo emef odal
Temas grupos estudo emef odalTemas grupos estudo emef odal
Temas grupos estudo emef odal
EMEF ODL
 
Texto referência final
Texto referência  finalTexto referência  final
Texto referência final
EMEF ODL
 
Como baixar um vídeo do youtube sem usar programas
Como baixar um vídeo do youtube sem usar programasComo baixar um vídeo do youtube sem usar programas
Como baixar um vídeo do youtube sem usar programas
EMEF ODL
 
Roteiro de pesquisa 3ª B
Roteiro de pesquisa 3ª BRoteiro de pesquisa 3ª B
Roteiro de pesquisa 3ª B
EMEF ODL
 
Biografia Orlandina D Almeida Lucas
Biografia  Orlandina D Almeida  LucasBiografia  Orlandina D Almeida  Lucas
Biografia Orlandina D Almeida Lucas
EMEF ODL
 
Roteiro de pesquisa 4ª a
Roteiro de pesquisa 4ª aRoteiro de pesquisa 4ª a
Roteiro de pesquisa 4ª a
EMEF ODL
 
Edilim tutorial básico
Edilim  tutorial básicoEdilim  tutorial básico
Edilim tutorial básico
EMEF ODL
 

Destaque (7)

Temas grupos estudo emef odal
Temas grupos estudo emef odalTemas grupos estudo emef odal
Temas grupos estudo emef odal
 
Texto referência final
Texto referência  finalTexto referência  final
Texto referência final
 
Como baixar um vídeo do youtube sem usar programas
Como baixar um vídeo do youtube sem usar programasComo baixar um vídeo do youtube sem usar programas
Como baixar um vídeo do youtube sem usar programas
 
Roteiro de pesquisa 3ª B
Roteiro de pesquisa 3ª BRoteiro de pesquisa 3ª B
Roteiro de pesquisa 3ª B
 
Biografia Orlandina D Almeida Lucas
Biografia  Orlandina D Almeida  LucasBiografia  Orlandina D Almeida  Lucas
Biografia Orlandina D Almeida Lucas
 
Roteiro de pesquisa 4ª a
Roteiro de pesquisa 4ª aRoteiro de pesquisa 4ª a
Roteiro de pesquisa 4ª a
 
Edilim tutorial básico
Edilim  tutorial básicoEdilim  tutorial básico
Edilim tutorial básico
 

Semelhante a Projeto de formação das diretrizes curriculares

Pceb011 10 parecer ef 9 anos
Pceb011 10  parecer ef 9 anosPceb011 10  parecer ef 9 anos
Pceb011 10 parecer ef 9 anos
renata gloria cunha
 
Proposta Curricular - Educação Infantil
Proposta Curricular - Educação InfantilProposta Curricular - Educação Infantil
Proposta Curricular - Educação Infantil
RebecaRuan
 
ELEMENTOS CONCEITUAIS E METODOLÓGICOS PARA DEFINIÇÃO DOS DIREITOS DE APRENDIZ...
ELEMENTOS CONCEITUAIS E METODOLÓGICOS PARA DEFINIÇÃO DOS DIREITOS DE APRENDIZ...ELEMENTOS CONCEITUAIS E METODOLÓGICOS PARA DEFINIÇÃO DOS DIREITOS DE APRENDIZ...
ELEMENTOS CONCEITUAIS E METODOLÓGICOS PARA DEFINIÇÃO DOS DIREITOS DE APRENDIZ...
profleandrog
 
A formação de professores e a base comum nacional.pdf
A formação de professores e a base comum nacional.pdfA formação de professores e a base comum nacional.pdf
A formação de professores e a base comum nacional.pdf
LucianaAquino26
 
Parecer cne ceb nº 20 de 2009
Parecer cne ceb nº 20 de 2009Parecer cne ceb nº 20 de 2009
Parecer cne ceb nº 20 de 2009
thiffanne pereira
 
Pceb020 09[1][1]
Pceb020 09[1][1]Pceb020 09[1][1]
Pceb020 09[1][1]
proinfancia
 
Diretrizes nacionais
Diretrizes nacionaisDiretrizes nacionais
Diretrizes nacionais
Amorim Albert
 
Texto referencia consulta_publica_2013_cne
Texto referencia consulta_publica_2013_cneTexto referencia consulta_publica_2013_cne
Texto referencia consulta_publica_2013_cne
Alanna Oliveira
 
Texto referencia consulta_publica_2013_cne
Texto referencia consulta_publica_2013_cneTexto referencia consulta_publica_2013_cne
Texto referencia consulta_publica_2013_cne
♥Marcinhatinelli♥
 
ep-panorama-do-mdulo-papel-social-da-escola-no-sculo-xxi_-vf_17-07-2020.pptx
ep-panorama-do-mdulo-papel-social-da-escola-no-sculo-xxi_-vf_17-07-2020.pptxep-panorama-do-mdulo-papel-social-da-escola-no-sculo-xxi_-vf_17-07-2020.pptx
ep-panorama-do-mdulo-papel-social-da-escola-no-sculo-xxi_-vf_17-07-2020.pptx
AiltonEmbaixador
 
ep-panorama-do-mdulo-papel-social-da-escola-no-sculo-xxi_-vf_17-07-2020.pptx
ep-panorama-do-mdulo-papel-social-da-escola-no-sculo-xxi_-vf_17-07-2020.pptxep-panorama-do-mdulo-papel-social-da-escola-no-sculo-xxi_-vf_17-07-2020.pptx
ep-panorama-do-mdulo-papel-social-da-escola-no-sculo-xxi_-vf_17-07-2020.pptx
renatacolbeich1
 
ep-panorama-do-mdulo-papel-social-da-escola-no-sculo-xxi_-vf_17-07-2020.pptx
ep-panorama-do-mdulo-papel-social-da-escola-no-sculo-xxi_-vf_17-07-2020.pptxep-panorama-do-mdulo-papel-social-da-escola-no-sculo-xxi_-vf_17-07-2020.pptx
ep-panorama-do-mdulo-papel-social-da-escola-no-sculo-xxi_-vf_17-07-2020.pptx
Cristiana Reis
 
Parecer dcnei 2009 ppp
Parecer dcnei 2009 pppParecer dcnei 2009 ppp
Parecer dcnei 2009 ppp
Marcia Gomes
 
Elementos conceituais e metodológicos para a construção dos direitos de apren...
Elementos conceituais e metodológicos para a construção dos direitos de apren...Elementos conceituais e metodológicos para a construção dos direitos de apren...
Elementos conceituais e metodológicos para a construção dos direitos de apren...
crisdelshine
 
Dcnef 9 anos
Dcnef 9 anosDcnef 9 anos
Dcnef 9 anos
Renata Cunha
 
diversidade e currículo
 diversidade e currículo diversidade e currículo
diversidade e currículo
SUPORTE EDUCACIONAL
 
Diversidade e currículo.
Diversidade e currículo.Diversidade e currículo.
Diversidade e currículo.
Fábio Fernandes
 
texto didática.pdf
texto didática.pdftexto didática.pdf
texto didática.pdf
FabrcioFerreira32
 
Projeto especializacao
Projeto especializacaoProjeto especializacao
Projeto especializacao
EjanaDiversidade2014
 
Texto referencia consulta_publica_2013_cne (1)
Texto referencia consulta_publica_2013_cne (1)Texto referencia consulta_publica_2013_cne (1)
Texto referencia consulta_publica_2013_cne (1)
Kaos Kao
 

Semelhante a Projeto de formação das diretrizes curriculares (20)

Pceb011 10 parecer ef 9 anos
Pceb011 10  parecer ef 9 anosPceb011 10  parecer ef 9 anos
Pceb011 10 parecer ef 9 anos
 
Proposta Curricular - Educação Infantil
Proposta Curricular - Educação InfantilProposta Curricular - Educação Infantil
Proposta Curricular - Educação Infantil
 
ELEMENTOS CONCEITUAIS E METODOLÓGICOS PARA DEFINIÇÃO DOS DIREITOS DE APRENDIZ...
ELEMENTOS CONCEITUAIS E METODOLÓGICOS PARA DEFINIÇÃO DOS DIREITOS DE APRENDIZ...ELEMENTOS CONCEITUAIS E METODOLÓGICOS PARA DEFINIÇÃO DOS DIREITOS DE APRENDIZ...
ELEMENTOS CONCEITUAIS E METODOLÓGICOS PARA DEFINIÇÃO DOS DIREITOS DE APRENDIZ...
 
A formação de professores e a base comum nacional.pdf
A formação de professores e a base comum nacional.pdfA formação de professores e a base comum nacional.pdf
A formação de professores e a base comum nacional.pdf
 
Parecer cne ceb nº 20 de 2009
Parecer cne ceb nº 20 de 2009Parecer cne ceb nº 20 de 2009
Parecer cne ceb nº 20 de 2009
 
Pceb020 09[1][1]
Pceb020 09[1][1]Pceb020 09[1][1]
Pceb020 09[1][1]
 
Diretrizes nacionais
Diretrizes nacionaisDiretrizes nacionais
Diretrizes nacionais
 
Texto referencia consulta_publica_2013_cne
Texto referencia consulta_publica_2013_cneTexto referencia consulta_publica_2013_cne
Texto referencia consulta_publica_2013_cne
 
Texto referencia consulta_publica_2013_cne
Texto referencia consulta_publica_2013_cneTexto referencia consulta_publica_2013_cne
Texto referencia consulta_publica_2013_cne
 
ep-panorama-do-mdulo-papel-social-da-escola-no-sculo-xxi_-vf_17-07-2020.pptx
ep-panorama-do-mdulo-papel-social-da-escola-no-sculo-xxi_-vf_17-07-2020.pptxep-panorama-do-mdulo-papel-social-da-escola-no-sculo-xxi_-vf_17-07-2020.pptx
ep-panorama-do-mdulo-papel-social-da-escola-no-sculo-xxi_-vf_17-07-2020.pptx
 
ep-panorama-do-mdulo-papel-social-da-escola-no-sculo-xxi_-vf_17-07-2020.pptx
ep-panorama-do-mdulo-papel-social-da-escola-no-sculo-xxi_-vf_17-07-2020.pptxep-panorama-do-mdulo-papel-social-da-escola-no-sculo-xxi_-vf_17-07-2020.pptx
ep-panorama-do-mdulo-papel-social-da-escola-no-sculo-xxi_-vf_17-07-2020.pptx
 
ep-panorama-do-mdulo-papel-social-da-escola-no-sculo-xxi_-vf_17-07-2020.pptx
ep-panorama-do-mdulo-papel-social-da-escola-no-sculo-xxi_-vf_17-07-2020.pptxep-panorama-do-mdulo-papel-social-da-escola-no-sculo-xxi_-vf_17-07-2020.pptx
ep-panorama-do-mdulo-papel-social-da-escola-no-sculo-xxi_-vf_17-07-2020.pptx
 
Parecer dcnei 2009 ppp
Parecer dcnei 2009 pppParecer dcnei 2009 ppp
Parecer dcnei 2009 ppp
 
Elementos conceituais e metodológicos para a construção dos direitos de apren...
Elementos conceituais e metodológicos para a construção dos direitos de apren...Elementos conceituais e metodológicos para a construção dos direitos de apren...
Elementos conceituais e metodológicos para a construção dos direitos de apren...
 
Dcnef 9 anos
Dcnef 9 anosDcnef 9 anos
Dcnef 9 anos
 
diversidade e currículo
 diversidade e currículo diversidade e currículo
diversidade e currículo
 
Diversidade e currículo.
Diversidade e currículo.Diversidade e currículo.
Diversidade e currículo.
 
texto didática.pdf
texto didática.pdftexto didática.pdf
texto didática.pdf
 
Projeto especializacao
Projeto especializacaoProjeto especializacao
Projeto especializacao
 
Texto referencia consulta_publica_2013_cne (1)
Texto referencia consulta_publica_2013_cne (1)Texto referencia consulta_publica_2013_cne (1)
Texto referencia consulta_publica_2013_cne (1)
 

Mais de EMEF ODL

Fce mediações no cotidiano do lab info. educativa
Fce    mediações  no cotidiano do lab info. educativaFce    mediações  no cotidiano do lab info. educativa
Fce mediações no cotidiano do lab info. educativa
EMEF ODL
 
FCE mediações no cotidiano do lab informática
FCE mediações  no cotidiano do lab informáticaFCE mediações  no cotidiano do lab informática
FCE mediações no cotidiano do lab informática
EMEF ODL
 
FC na Escola :Informática Educativa
FC na Escola :Informática EducativaFC na Escola :Informática Educativa
FC na Escola :Informática Educativa
EMEF ODL
 
Era digital
Era digitalEra digital
Era digital
EMEF ODL
 
Noções básicas de windows
Noções básicas de windowsNoções básicas de windows
Noções básicas de windows
EMEF ODL
 
Normas de uso Laboratório de Informática
Normas de uso Laboratório de Informática Normas de uso Laboratório de Informática
Normas de uso Laboratório de Informática
EMEF ODL
 
Funções do Professor Mediador
Funções do Professor MediadorFunções do Professor Mediador
Funções do Professor Mediador
EMEF ODL
 
Cartaz Oficina Pedagógica Edilim
Cartaz Oficina Pedagógica EdilimCartaz Oficina Pedagógica Edilim
Cartaz Oficina Pedagógica Edilim
EMEF ODL
 
Edilim tutorial básico
Edilim  tutorial básicoEdilim  tutorial básico
Edilim tutorial básico
EMEF ODL
 
Edilim tutorial básico
Edilim  tutorial básicoEdilim  tutorial básico
Edilim tutorial básico
EMEF ODL
 
Edilim tutorial básico
Edilim  tutorial básicoEdilim  tutorial básico
Edilim tutorial básico
EMEF ODL
 
Zoomshare tutorial básico
Zoomshare  tutorial básicoZoomshare  tutorial básico
Zoomshare tutorial básico
EMEF ODL
 
Criar Contador
Criar Contador   Criar Contador
Criar Contador
EMEF ODL
 
Edilim tutorial completo
Edilim  tutorial completoEdilim  tutorial completo
Edilim tutorial completo
EMEF ODL
 
Proposta pedagógica l informática
Proposta pedagógica l informáticaProposta pedagógica l informática
Proposta pedagógica l informática
EMEF ODL
 
2010 Proposta Pedagógica L Informática
2010 Proposta Pedagógica L Informática2010 Proposta Pedagógica L Informática
2010 Proposta Pedagógica L Informática
EMEF ODL
 
2010 proposta pedagógica l informática
2010 proposta pedagógica l informática2010 proposta pedagógica l informática
2010 proposta pedagógica l informática
EMEF ODL
 
O Belo da Ilha
O Belo da Ilha   O Belo da Ilha
O Belo da Ilha
EMEF ODL
 

Mais de EMEF ODL (18)

Fce mediações no cotidiano do lab info. educativa
Fce    mediações  no cotidiano do lab info. educativaFce    mediações  no cotidiano do lab info. educativa
Fce mediações no cotidiano do lab info. educativa
 
FCE mediações no cotidiano do lab informática
FCE mediações  no cotidiano do lab informáticaFCE mediações  no cotidiano do lab informática
FCE mediações no cotidiano do lab informática
 
FC na Escola :Informática Educativa
FC na Escola :Informática EducativaFC na Escola :Informática Educativa
FC na Escola :Informática Educativa
 
Era digital
Era digitalEra digital
Era digital
 
Noções básicas de windows
Noções básicas de windowsNoções básicas de windows
Noções básicas de windows
 
Normas de uso Laboratório de Informática
Normas de uso Laboratório de Informática Normas de uso Laboratório de Informática
Normas de uso Laboratório de Informática
 
Funções do Professor Mediador
Funções do Professor MediadorFunções do Professor Mediador
Funções do Professor Mediador
 
Cartaz Oficina Pedagógica Edilim
Cartaz Oficina Pedagógica EdilimCartaz Oficina Pedagógica Edilim
Cartaz Oficina Pedagógica Edilim
 
Edilim tutorial básico
Edilim  tutorial básicoEdilim  tutorial básico
Edilim tutorial básico
 
Edilim tutorial básico
Edilim  tutorial básicoEdilim  tutorial básico
Edilim tutorial básico
 
Edilim tutorial básico
Edilim  tutorial básicoEdilim  tutorial básico
Edilim tutorial básico
 
Zoomshare tutorial básico
Zoomshare  tutorial básicoZoomshare  tutorial básico
Zoomshare tutorial básico
 
Criar Contador
Criar Contador   Criar Contador
Criar Contador
 
Edilim tutorial completo
Edilim  tutorial completoEdilim  tutorial completo
Edilim tutorial completo
 
Proposta pedagógica l informática
Proposta pedagógica l informáticaProposta pedagógica l informática
Proposta pedagógica l informática
 
2010 Proposta Pedagógica L Informática
2010 Proposta Pedagógica L Informática2010 Proposta Pedagógica L Informática
2010 Proposta Pedagógica L Informática
 
2010 proposta pedagógica l informática
2010 proposta pedagógica l informática2010 proposta pedagógica l informática
2010 proposta pedagógica l informática
 
O Belo da Ilha
O Belo da Ilha   O Belo da Ilha
O Belo da Ilha
 

Projeto de formação das diretrizes curriculares

  • 1. PROJETO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DIRETRIZES CURRICULARES DA EDUCAÇÃO MUNICIPAL DE VITÓRIA 1 - INTRODUÇÃO A Secretaria Municipal de Educação de Vitória elaborou um Planejamento para o período compreendido entre o segundo semestre de 2010 até o final de 2012. Um de seus objetivos foi avaliar as ações realizadas pela Secretaria Municipal de Educação – projetos, programas e ações desenvolvidos pelas equipes e também estabeleceu metas de médio e longo prazo. Dentre as ações previstas neste Planejamento figura a proposta de reformulação do Documento Educação Infantil: um outro olhar (2006) e das Diretrizes Curriculares do Ensino Fundamental (2004) e a formulação das Diretrizes Curriculares da Educação de Jovens e Adultos. O Sistema Municipal de Educação conta com os documentos supracitados com orientações curriculares para essas duas etapas da Educação Básica. Contudo, no período de 2004 a 2010 ocorreram algumas mudanças na organização da Educação, entre as quais destacamos a institucionalização do Ensino Fundamental de nove anos pelo Governo Federal, por meio da Lei 11.274/2006, e da obrigatoriedade da Educação Básica de quatro a dezessete anos e da Emenda Constitucional 59/2009. E em nível municipal, a implantação da modalidade de Educação de Jovens e Adultos, a partir de 2007, o que torna necessário a elaboração das diretrizes para esta modalidade de ensino. Quanto à obrigatoriedade do Ensino Fundamental de nove anos, temos a considerar que, no município de Vitória, a maioria das crianças de seis anos já eram, em 2006, atendidas nos Centros de Educação Infantil, mas, o fato dessas crianças passarem a fazer parte do Ensino Fundamental, exige “tratamento político, administrativo e pedagógico, uma vez que o objetivo é assegurar a todas as crianças um tempo de maior convívio escolar e maiores oportunidades de aprendizagem” (BRASIL, 2007, p.07). 1
  • 2. Além destas mudanças na organização, destacamos ainda a vasta legislação produzida em nível nacional no período pertinente à organização curricular da escola, que dentre outras destacamos: Parecer CNE/CEP nº 03/2004 e Resolução CNE/CEP nº 01/2004 - Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana; Parecer CNE/CEB nº 02/2007 - Parecer quanto à abrangência das Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana. Parecer CNE/CEB nº 04/2008 - Orientação sobre os três anos iniciais do Ensino Fundamental de nove anos; Lei11.769/2008 – alterou a Lei 9394/96 tornando a Música um conteúdo obrigatório do componente curricular Arte. Lei 10639/2003 e 11.645/2008 – altera a Lei 9394/96 incluindo o estudo da história da África e dos africanos, a luta dos negros e dos povos indígenas no Brasil, a cultura negra e indígena brasileira e o negro e o índio na formação da sociedade nacional, resgatando as suas contribuições nas áreas social, econômica e política, pertinentes à história do Brasil como conteúdo programático da Educação Básica. Parecer CNE/CEB nº 20/2009 Revisão das Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil e Resolução CNE/CEB nº 05/2009 - Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil; Parecer CNE/CEB nº 13/2009 e Resolução CNE/CEB nº 04/2009 - Institui Diretrizes Operacionais para o Atendimento Educacional Especializado na Educação Básica, modalidade Educação Especial. Parecer CNE/CEB nº 07/2010 e Resolução CNE/CEB nº 04/2010 - Define Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais para a Educação Básica; Parecer CNE/CEB nº 11/2010 e Resolução CNE/CEB nº 07/2010 - Fixa Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental de 9 (nove) anos; Em nível municipal, destacamos: * Resolução 07/2008 do Conselho Municipal de Educação (COMEV) - assegura a oferta obrigatória da disciplina de Ensino Religioso, nas escolas municipais de Vitória. Além destas proposições no campo legal, também se faz necessário observar os avanços 2
  • 3. teóricos no campo da educação, do currículo e das áreas de conhecimento específicas, oriundos da vasta produção acadêmica no referido período, e há que se ressaltar, inclusive, que parte desta produção teórica é fruto do trabalho dos profissionais da rede municipal que desenvolveram pesquisas em nossas escolas nos campos anteriormente citados. Contudo, dentre todas as observações acima, há que se considerar as mudanças na conjuntura social, política, econômica e cultural, e, principalmente as transformações na prática educativa, no trabalho docente, ou seja, é de fundamental importância apropriar e incorporar os fazeres e saberes consolidados na escola, pois o documento das Diretrizes Curriculares deverão revelar e traduzir o seu cotidiano. Considerando todas essas questões é que decidiu-se pela proposta de uma formação continuada para o ano de 2011 com vistas à reelaboração das Diretrizes Curriculares da Educação Infantil e do Ensino Fundamental e de elaboração das Diretrizes da Educação de Jovens e Adultos. 2 – OBJETIVOS – Estabelecer princípios comuns para fundamentação da elaboração das Diretrizes Curriculares da Educação Básica, composta pela Educação Infantil, Ensino Fundamental e pela modalidade de Educação de Jovens e Adultos; – Reelaborar as Diretrizes Curriculares da Educação Infantil e do Ensino Fundamental; – Elaborar as Diretrizes Curriculares da Educação de Jovens e Adultos. 3 – METODOLOGIA 3.1 – Organização dos encontros e fóruns Conforme já assinalamos as questões mencionadas trouxeram novas exigências e demandas, principalmente no campo conceitual, tornando necessária uma reflexão coletiva envolvendo toda a comunidade escolar que compõe o sistema municipal de Vitória, para a 3
  • 4. análise dos documentos existentes e o estabelecimento de conceitos e princípios comuns que deverão fundamentar as Diretrizes Curriculares. Alguns destes princípios e conceitos aparecem na vasta produção que apresentamos e precisarão ser debatidos por toda a comunidade escolar. Dentre estes destacamos: – Educação Básica (articulação entre os diferentes etapas de ensino) – Educação integral – Gestão democrática – Concepção sócio-histórica (a partir da qual são definidos sujeitos, sociedade, trabalho, cultura, ensino, aprendizagem, currículo) – Categorias geracionais ( infância, juventude, adultez) – Política de inclusão (digital, étnico-racial, necessidades especiais...) – Diversidade cultural e educação intercultural Aliado a estes princípios deverão ainda ser debatidas as seguintes questões: ciclo, alimentação escolar, educação socioambiental, diferentes linguagens (educação bilíngüe, alfabetizações, comunicação alternativa), gênero e de diversidade sexual e usos dos espaços educativos (laboratórios, salas de recursos multifuncionais, bibliotecas escolares) por se constituírem em temáticas presentes na escola hoje. 3.2 – Etapas do processo de Formação Na primeira etapa do processo – que se efetivará no primeiro semestre deste ano – será feito um estudo pelos profissionais das unidades de ensino, de um texto referência que traz uma análise comparativa dos documentos existentes para identificar o que deve ser mantido, o que deve ser aprimorado, o que deve ser excluído e o que deve ser incluído. Posterior a esta análise, serão estabelecidos os princípios comuns que deverão fundamentar o Documento final das Diretrizes Curriculares da Educação Infantil, Ensino Fundamental e Educação de Jovens e Adultos. 4
  • 5. Na segunda etapa, que ocorrerá a partir de agosto, pretende-se elaborar a parte do documento que trata das áreas específicas de conhecimento que perpassam as etapas e as modalidades de ensino. O processo de formação continuada terá início em fevereiro com a apresentação da proposta para todos os profissionais da rede municipal de educação. A partir de março serão realizados, com representantes das Unidades de Ensino, encontros mensais para debate e socialização das discussões ocorridas nas escolas e apresentação da temática seguinte e de fóruns a cada dois meses para aprovação do texto elaborado pela equipe sistematizadora, a partir das contribuições oriundas das escolas e dos encontros mensais. Todas as Unidades de Ensino deverão eleger dentre os profissionais da educação, um representante por turno (matutino, vespertino e noturno – quando houver), que se constituirá no elo entre as Unidades e a equipe sistematizadora. A escolha de um representante por turno é para garantir a representação dos três turnos nos encontros e fóruns que ocorrerão pela manhã, tarde e noite. Este representante terá a responsabilidade de elaborar a síntese das discussões ocorridas nos turnos de funcionamento da instituição, encaminhando-a para a equipe sistematizadora, fazer a socialização nos encontros presenciais e participar dos fóruns. No primeiro encontro presencial será escolhido o nome dos profissionais que irão representar a Educação Infantil, Ensino Fundamental e Educação de Jovens e Adultos na equipe sistematizadora. Os encontros presenciais terão dois objetivos: 1) apresentar a síntese das discussões enviadas pelas unidades de ensino, discutir e chegar a um consenso sobre pontos, nos quais haja divergências. 2) apresentar a próxima temática para discussão. A partir do texto e das questões, para serem discutidas no coletivo da escola deverá ser elaborada uma síntese, a ser postada na plataforma Vixeduca, enviada por meio de correio eletrônico, por fax, ou entregue impresso na GFDE. Além dos encontros com representantes das UEs, serão realizados também encontros com 5
  • 6. pais e alunos a partir da definição de um calendário específico. 3.3 - PÚBLICO ENVOLVIDO NA DISCUSSÃO DAS DIRETRIZES 3.3.1 - Nas unidades de ensino: a comunidade escolar (pais, alunos, profissionais da educação) Cada unidade de ensino deverá organizar tempos/espaços de formação para discussão das diretrizes curriculares com os profissionais que nela atuam. Esta proposta de formação deverá ser enviada a Gerência de Ensino Fundamental, no caso das EMEFs e para Gerência de Educação Infantil, no caso dos CMEIs. As Diretrizes Curriculares deverão ser incluídas na proposta curricular, como uma temática a ser desenvolvida com os alunos, nas diversas áreas do conhecimento. A discussão desta temática com os alunos tem por objetivos: a) contribuir para o entendimento do que é uma Diretriz Curricular, Currículo e as variações deste (currículo oficial, praticado, oculto, etc) e da importância destes para a sistematização dos processos de ensino e aprendizagem; b) fornecer subsídios aos alunos para que a participação nos fóruns deste segmento ocorra de forma mais qualificada; c) fazer com que os alunos e profissionais da educação produzam trabalhos acerca da temática “As contribuições do currículo para a construção da escola que queremos”. Estes trabalhos serão apresentados durante os encontros de formação continuada e na Mostra Científica e Cultural das Escolas Municipais de Vitória, a ser realizada em novembro de 2011. 3.3.2 - Encontros de pais e funcionários e do Conselho de Escola representantes da Comunidade onde a escola está inserida: as temáticas das diretrizes curriculares serão discutidas com estes sujeitos nas formações de conselheiros e no Congresso de Famílias. 3.3.3 - Encontros de alunos: os alunos da Educação Infantil, do Ensino Fundamental e da Educação de Jovens e Adultos participarão da reelaboração das Diretrizes Curriculares. Para isto será articulado um trabalho com a equipe da Mobilização Estudantil. Os textos e materiais indicados para subsidiar a discussão e aprofundamento das Diretrizes 6
  • 7. Curricularesserão postadas na Plataforma VixEduca. Como já foi dito anteriormente, as contribuições elaboradas pelas unidades de ensino poderão ser enviadas à SEME via Plataforma. 4- COMPOSIÇÃO DA EQUIPE DE TRABALHO  Consultor geral  Equipe Sistematizadora: SEME e representantes das Unidades de Ensino (EI, EF, EJA)  Representantes das Unidades de Ensino  Profissionais das unidades de ensino  Pais e alunos  Representantes da Comunidade  Representantes do Conselho Municipal de Educação de Vitória (COMEV) 5- CERTIFICAÇÃO DA FORMAÇÃO CONTINUADA Todos os profissionais da educação participantes do processo de formação continuada serão certificados de acordo com sua participação e carga horária: a) participação nos grupos de estudo nas Unidades de Ensino; b) representantes das Unidades de Ensino com participação nos encontros mensais e fóruns e responsáveis pela elaboração da síntese das discussões ocorridas no seu espaço de trabalho; c) participação na equipe sistematizadora. 6 - CALENDÁRIO DE FORMAÇÕES O calendário referente ao segundo semestre será elaborado posteriormente com a discussão sobre as Diretrizes Curriculares de cada área específica do conhecimento, perpassadas pelos princípios abordados. 7
  • 8. MÊS DIA ATIVIDADE HORÁRIO LOCAL 03 7:30 às 17:00 Alice Palace Hotel 7:30 às 17:00 Apresentação da proposta de formação continuada com a 04 temática “Diretrizes Curriculares”. 18:00 às 22:00 Auditório PMV Área Social Clube FEVEREIRO 07 7:30 às 17:00 Álvares Cabral Plataforma 21 Envio do texto referência às Unidades de Ensino *-* VixEduca Recebimento da proposta de formação das Unidades de Ensino e os 28 *-* GFDE nomes de seus respectivos representantes (por turno) Devolutiva por escrito das discussões realizadas nas Unidades de Plataforma Até 18 *-* VixEduca Ensino, por meio da representação. MARÇO Encontro Mensal com os representantes das Ues e 25 (Sex) 7:00 às 12:00 SEME apresentação da temática a ser desenvolvida no mês de abril. Devolutiva por escrito das discussões realizadas nas Unidades de Plataforma Até 15 *-* VixEduca Ensino, por meio da representação. ABRIL Encontro Mensal com os representantes das Ues e 27 (Qua) 13:00 às 18:00 SEME apresentação da temática a ser desenvolvida no mês de maio. 12 (Qui) 1 º Fórum 18:00 às 22:00 SEME Devolutiva por escrito das discussões realizadas nas Unidades de Plataforma MAIO Até 12 *-* VixEduca Ensino, por meio da representação. Encontro Mensal com os representantes das Ues e 30 (Seg) 7:00 às 12:00 SEME apresentação da temática a ser desenvolvida no mês de junho. Devolutiva por escrito das discussões realizadas nas Unidades de Plataforma Até 15 *-* VixEduca Ensino, por meio da representação. JUNHO 22 (Qua) Encontro Mensal com os representantes das Ues. 13:00 às 18:00 SEME JULHO 25 (Seg) 2 º Fórum 7:00 às 12:00 SEME 8