SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 22
Baixar para ler offline
1. Histórico da Obesidade Infantil


      Atualmente o mundo passa por um período de transição nutricional, onde
casos de excesso de peso corporal têm aumentado de forma surpreendente na
população mundial e, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a sua
prevalência vem crescendo de forma significativa nos últimos anos.
      A obesidade tende a repercutir de forma negativa tanto na qualidade como
na expectativa de vida dos indivíduos.        O estilo de vida com alimentação
inadequada e sedentarismo são um dos vários fatores que podem levar à
obesidade, além de propensão genética, fatores psicológicos e causas hormonais.
Estes fatores vêm favorecendo o surgimento do sobrepeso e obesidade não
somente na população adulta, como também em populações mais jovens.
      A nível mundial a OMS, considerou a prevalência de obesidade como uma
epidemia global do século XXI. Inquéritos populacionais vêm evidenciando altas e
crescentes prevalências de obesidade na idade escolar.
      A obesidade durante a infância é fator de risco para a obesidade em
adultos. Com esta tendência acredita – se que haverá sérias conseqüências para
a Saúde Pública nos anos que se aproximam, uma vez que a obesidade infantil
está associada a inúmeras comorbidades tais como: Diabetes tipo II, hipertensão
arterial, dislipidemias, resistência à insulina, complicações ortopédicas, diminuição
da auto - estima, depressão, distúrbio da auto – imagem, quadro psicológico
conturbado, entre outros.
      Em 2005, a OMS estimou que houvesse em torno de 20 milhões de
crianças menores de 05 anos com sobrepeso. Já a cidade de Campo Grande, MS
foi classificada como a 5ª capital com os maiores percentis de sobrepeso e
obesidade entre adultos (IBGE, 2004).
      A população total de Campo Grande de 0 até 12 anos é de 155.806., sendo
que segundo dados do SISVAN 2008, as crianças na faixa etária de 05 a 10 anos
10,5% apresentavam risco de sobrepeso, 1,3% sobrepeso e 26,9% de obesidade.
Sendo que a OMS recomenda que o índice de obesidade esteja abaixo dos 7%.
A obesidade não se trata somente de um acúmulo de energia excedente,
mas geralmente está associado a outros fatores biopsicossociais, daí a
necessidade do acompanhamento da terapia de uma equipe interdisciplinar, que é
capaz de tratar a patologia nas suas diversas vértices.
       A atenção familiar no tratamento da obesidade infantil é de suma
importância para o sucesso deste. A criança ainda não é responsável direto pela
escolha de sua alimentação, sofrendo assim grande influência pelo estilo vida. É
cada     vez    mais   consensual    que    o   tratamento   desta   patologia   com
acompanhamento interdisciplinar e adesão da família traz resultados mais
satisfatórios e duradouros, atingindo toda a família.
       Sendo que a obesidade atualmente se apresenta como um dos principais
problemas de saúde pública mundial, gerando, nos últimos anos, um aumento da
incidência e prevalência epidemiológicas. Levando em consideração os danos
causados por esta patologia, que podem ocorrer desde a infância e se postergar
até a idade adulta e, todas as demais informações citadas anteriormente faz – se
necessário a implantação de um programa de intervenção que priorize a atenção
de crianças com sobrepeso e obesidade, por uma equipe interdisciplinar, afim de
minimizar a médio e longo prazo a incidência desta patologia e suas
consequências.
Histórico da Desnutrição


      Nos últimos anos nota – se um declínio importante na prevalência dos
casos de desnutrição em crianças menores de cinco anos em todo o mundo,
inclusive no Brasil. E um aumento significativo nos caso de obesidade infantil.
Entretanto ainda pode – se considerar a desnutrição como importante problema de
Saúde Pública
      A desnutrição nos primeiros anos de vida é um dos maiores problemas de
saúde, principalmente em países em desenvolvimento.                Os déficits de
crescimentos,      consequência   da   desnutrição,   estão   associados   a   maior
mortalidade, aumento de doenças infecciosas, prejuízo para o desenvolvimento
psico – motor, déficits de aproveitamento escolar e menor capacidade produtiva
na idade adulta.
      Segundo dados da WORLD HEALTH ORGANIZATION (2003), cerca de
30% da população mundial de crianças menores de cinco anos apresentam baixo
peso, decorrentes da má alimentação e repetidas infecções.
      A desnutrição, por sua vez, não se caracteriza somente pela falta de
alimentos, portanto, a desnutrição infantil é uma patologia de origem multicausal e
complexa e, pode ser classificada de acordo com sua etiologia em primária,
secundária e mista.
      A desnutrição primária é consequência de uma série de fatores sociais,
psico-afetivos ou econômicos que tem com resultado a ingestão inadequada de
nutrientes.
      A desnutrição secundária é resultado de condições mórbidas, orgânicas ou
psíquicas que alteram a fisiologia normal do indivíduo, interferindo na utilização
adequada dos nutrientes ou aumentando as perdas e/ou necessidades de energia
e proteínas. A desnutrição também pode ter origem mista onde há concomitância
de fatores primários e secundários.
      Em Campo Grande, das 623 crianças menores de cinco anos assistidas do
Bolsa Família; 03 apresentavam peso muito baixo (<P1); 63 com baixo peso entre
o percentil 1 e 3; e 66 baixo peso (SISVAN, MS / 2008).
2. Objetivos:


2.1         Objetivo geral


         Prestar atendimento e acompanhamento à crianças menores de 05
         anos com baixo peso e crianças de 05 a 12 anos com sobrepeso ou
         obesidade.


2.2         Objetivos específicos.


Obesidade
         Implementar programa de atendimento de Equipe Interdisciplinar para
         Terapia na Obesidade Infantil;
         Acompanhar e tratar obesidade infantil;
         Reduzir incidência de sobrepeso / obesidade em crianças e
         adolescentes;
         Desenvolver através de grupos interdisciplinares atividades coletivas
         para a terapia da Obesidade Infantil e patologias associadas;
         Promover a prevenção de comorbidades relacionadas à obesidade;
         Promover a prevenção de obesidade em indivíduos com predisposição;
         Incluir na vida cotidiana da família hábitos alimentares mais saudáveis e
         comportamentos fisicamente mais ativos e menos sedentários;
         Orientar os pais e responsáveis quanto à alimentação da criança.


      Desnutrição
         Acompanhar e tratar a desnutrição;
         Reduzir incidência de desnutrição (baixo peso) em crianças menores de
         05 anos;
         Promover a prevenção de patologias associadas à desnutrição;
         Orientar pais e responsáveis quanto à alimentação da criança;
3. Público Alvo


          -    Crianças menores de 05 anos com diagnóstico nutricional de
               desnutrição.
          -    Crianças / adolescentes de 05 a 12 anos com diagnóstico nutricional
               de sobrepeso e obesidade;
          -    Pais / responsáveis.


   Obs:       Todos os casos identificados, atendidos e/ou encaminhados pela
Unidades Básica de Saúde, tambpem será feita uma triagem nas escolas
municipais de Campo Grande (iniciando com as escolas atendidas pelo Distrito
Norte) através da avaliação antropométrica e assim a identificação dos possíveis
casos de sobrepeso e obesidade. Após a triagem inicial a escola será responsável
por notificar os pais da necesidade de atendimento nutricional para as crianças.
Os pais então participarão de uma palestra de orientação quanto ao programa.
4. Programa Crescer Saudável


      O Crescer Saudável é um programa voltado ao atendimento interdisciplinar a
crianças menores de cinco anos com baixo peso e crianças de 05 a 12 anos com
sobrepeso / obesidade.
      O programa consiste no atendimento clínico ambulatorial por uma equipe de
profissionais, com a difusão de diversas atividades educativas relacionadas a
saúde, que envolverá não somente a criança mas também os pais ou
responsáveis.
      As atividades educativas incluem desde palestras, dinâmicas, educação
nutricional, Oficinas de Nutrição, Horta Comunitária, Grupos de Atividade Física,
API (Academia da Primeira Idade).


4.1      Dinâmica e Fluxograma de atendimento



                        Fluxograma de Atendimento


                                   PEDIATRA


                               NUTRICIONISTA


      PSICOLÓGO              EDUCADOR FÍSICO              FONOAUDIÓLOGO



                O paciente que vem ao programa pela primeira vez será atendido
                pelo médico pediatra, onde será avaliado pelo ponto de vista
                médico, conforme suas atribuições. Como rotina serão solicitados
                exames laboratoriais: hemograma, colesterol total e frações e
                triglicérides. Além de demais exames se forem necessários. Propõe
                – se a avaliação médica de retorno conforme necessidade.
O paciente será então encaminhado para a Nutrição onde passará
              por avaliações e receberá prescrição dietética e orientações
              individualmente. Propõe – se uma consulta nutricional conforme
              necessidade,     sendo   que   a   criança   será   vista   e   pesada
              quinzenalmente (terapia de grupo), por um dos profissionais do
              programa.
              Encaminhamento para o educador físico, onde passará por
              avaliação e receberá orientações para o seu dia a dia. Retorno
              quinzenal para terapia em grupo e realização das atividades.
              Encaminhamento para as demais especialidades (Psicólogo e
              Fonoaudiólogo) de acordo com necessidade. A terapia poderá ser
              realizada individualmente e/ou em grupo, conforme melhor indicação
              para cada situação. Fonoaudiologia: avaliação individual a cada 03
              meses.
      A criança junto com seus pais ou responsáveis após avaliação de todos os
profissionais fará parte de um programa desenvolvido para atendimento individual
e em grupo onde envolverá palestras, oficinas, dinâmicas, atividades físicas,
recreativas e educativas.
      As terapias de grupo ocorrerão semanalmente tanto no período vespertino
quanto no matutino.
      Nestes dias serão ministrados palestras, atividades recreativas educativas,
atividades físicas , oficinas e outros que serão realizados pela equipe conforme
cronograma.
      Todas as crianças após seis meses de início da terapia serão avaliadas por
todos os profissionais, onde será identificada a necessidade de alta ou a
continuidade da terapia.
      Os profissionais ainda se reunirão mensalmente para avaliar e discutir os
casos e definir estratégias.
      O centro de referência para atendimento da equipe será realizado no
Centro de Atendimento ao Escolar (CAE).
4.2    Atendimento Interdisciplinar


4.2.1 Atendimento da equipe Interdisciplinar


       A equipe interdisciplinar para Terapia e Prevenção da Obesidade Infantil e
da Desnutrição tem como propósito o acompanhamento da criança e também de
seus familiares através de atendimentos individuais e em grupos.
       Cada profissional irá trabalhar com os mais diversos aspectos e com as
mais variadas dificuldades do paciente
       O programa será contemplado pelo atendimento de uma equipe
interdisciplinar   composta   por:   Médico   Pediatra,   Nutricionista,   Psicólogo,
Fonoaudiólogo, Educador Físico, Enfermeiro, Terapeuta Ocupacional, Técnico de
enfermagem.
       A terapia conduzida pela equipe deverá incluir a dietoterapia, o suporte
psicossocial, a orientação para atividade física e o seguimento fonoaudiológico.


       Segue as atribuições de cada profissional:


Médico Pediatra
        O profissional será responsável pelo acompanhamento clínico durante o
tratamento, diagnóstico e tratamento de patologias coadjuvantes, orientação e
suporte ao paciente e seus familiares.
       O atendimento primário será realizado pelo profissional Médico Pediatra,
que avaliará a condição do usuário a fim de verificar o estado nutricional e as
condições clínicas.
       Na abordagem inicial, serão coletados dados através de anamnese para
identificação correta do diagnóstico e formulação de hipóteses diagnósticas que
expliquem a instalação e manutenção do quadro de obesidade.
       O estado nutricional será classificado de acordo IMC percentilar para
adolescentes de 10 a 12 anos e, percentil P/A para crianças menores de 10 anos).
A causa da obesidade (endógena ou exógena) será investigada através de
exames: TSH, T3 e T4. As causas de obesidade de origem endógena serão
encaminhadas para o Endócrino Pediatra e, posteriormente à Nutricionista para
avaliação e conduta de ambos. Quando a causa for de origem exógena o usuário
será encaminhado para o Nutricionista.
       Ainda na primeira consulta, o Pediatra como rotina solicitará exames para
diagnosticar outras possíveis patologias associadas à Obesidade e também para
acompanhar a evolução do tratamento. Os exames são: hemograma, glicemia,
colesterol total e frações, triglicérides.
       A avaliação clínica também determinará a possibilidade do usuário praticar
atividade física.
       A avaliação médica será realizada conforme necessidade.


Nutricionista
       Após atendimento primário com Médico Pediatra, o paciente será avaliado
pela nutricionista. O profissional será responsável pela avaliação nutricional
completa (dietética, antropométrica, bioquímica) assim como pela análise das
condições     sociais e    rotinas da família para orientar e propor mudanças ou
adequações no seus hábitos alimentares, objetivando o equilíbrio nutricional
através da educação alimentar.
       As orientações serão dirigidas não somente a criança, como também a
seus pais e/ou responsáveis, uma vez da necessidade do apoio da família no
tratamento.
       A avaliação da progressão do estado nutricional do paciente se dará
quinzenalmente, mensalmente ou conforme necessidade. Ao final de seis meses
após inicio da terapia em grupo, os usuários serão avaliados por todos os
profissionais da equipe.
       O profissional Nutricionista além do atendimento individual, será integrante
das reuniões quinzenais que envolvem todos os usuários e profissionais (de
acordo com cronograma), nos quais serão feitas as terapias em grupo através de
palestras, atividades, oficinas, etc.
Será também responsável pela Oficina de Nutrição e dará apoio ao cultivo e
e mantenimento da Horta Comunitária, além de atividades voltadas a mesma.


Psicólogo
      O profissional será responsável pela avaliação psicológica do paciente,
atuando junto ao paciente e familiares, por meio de trabalhos em gruupo
(identificação e imagem corporal), no sentido de minimizar e tratar problemas
emocionais e afetivos detectados, que possam agravar as desordens nutricionais
e relacionados aos hábitos de vida, comprometendo o estado de saúde do
paciente.
      Todas as crianças após atendimento primário conforme fluxograma de
atendimento, serão encaminhadas para uma avaliação psicológica, visando
identificar os atendimentos necessários       à criança, em se tratando do
funcionamente psíquico saudável.
      O fluxo de atendimento será:
      - Anamnese com os pais (1 – 2 sessões);
      - Encontro com a criança para avaliação, visando o levantamento da
necessidade de encaminhamento para atendimento psicológico individual ou em
grupos;
      - Realização de grupos temáticos com os usuários do programa, em
parceria com os profissionais envolvidos;
      - Encaminhamentos dos pais / responsáveis para atendimento psicológico
em outras unidades, diante da necessidade.
      A alta do paciente se dará conforme avaliação individual.


Educador físico
      O Educador Físico será responsável pela avaliação física do indíviduo, a
prescrição e o desenvolvimento de exercícios físicos regulares e adequados ao
estado nutricional de cada criança e ao seu desenvolvimento motor e fisiológicos,
além da conscientização dos benefícios decorrentes da atividade física para torná
– la um hábito de vida saudável e ativo para a criança e seus familiares.
O profissional também irá considerar o prazer, a satisfação e o aspecto
lúdico das atividades em todas as área de atuação, para que a adesão seja
estimulada e a continuidade da criança obesa ao programa.
       Durante a tratamento serão feitas avaliações periódicas a fim de verificar a
evolução durante o tratamento.
       As atividades físicas elaborados para o grupo terão frequência estipulada
conforme prescrição do Educador Físico.
       O profissional também será responsável execução de atividades na API –
Academia da Primeira Idade.


Fonoaudiólogo
       O    profissional   Fonoaudiólogo   terá   como   responsabilidade      avaliar,
diagnosticar e realizar terapia    em grupo com as crianças que apresentem
alterações na função de mastigação, deglutição, sucção e respiração.
       Após atendimento primário com médico e nutricionista, todos os usuários do
programa serão avaliados pelo profissional Fonoaudiólogo para identificar se o
mesmo apresenta alterações na região oromiofuncional (função de mastigação,
deglutição, sucção e respiração). Esta avaliação será feita individualmente.
       Os usuários que apresentarem alterações na região oromiofuncional farão
terapia em grupo ou individual se for o caso.
       Os mesmos serão reavaliados a cada três meses, a fim de verificar sua
evolução.
       Ao final de seis meses a avaliação será feita com toda a equipe
interdisciplinar.
       Obs: a Fonoaudiologia encaminhará o usuário ao serviço de Odontologia
caso haja a necessidade da intervenção deste profissional para sucesso do
tratamento.
       O Fonoaudiólogo além de orientar as crianças que apresentem alterações e
seus pais, participará das reuniões quinzenais que envolvem todos os usuários
participantes do programa, nas quais aplicará palestras, atividades educativas
recreativas em grupo.
Enfermeiro
      O enfermeiro será responsável por acompanhar o crescimento e
desenvolvimento da criança, avaliando peso e altura, focar na orientação       e
aconselhamento da criança e da família sobre os benefícios do tratamento.
Acompanhar a evolução e a eficácia do tratamento, as reações adversas e a
aceitação.
      Será responsável também por atividades educativas, dinâmicas, palestras
para os envolvidos no programa.


Técnico de Enfermagem: auxiliar a enfermagem e equipe em suas atividades.




4.3 Atividades Educativas


4.3.1 Palestras, dinâmicas e outros.


      A informação é uma ferramente de suma importância para o entendimento,
aceitação e adesão ao tratamento, entretanto a forma como a informação chega
ao indivíduo também faz diferença. Por se tratar de uma população de crianças,
as práticas e estratégias serão desenvolvidas através de atividades lúdicas com
brincadeiras e muita criatividade para a fixação de conhecimento.
      As atividades serão coletivas, interativas e dinâmicas e serão ministradas
pelos profissionais da equipe interdisciplinar ou convidados.
      As     atividades   ocorrerão   quinzenalmente   ou   conforme   cronograma
estipulado pela equipe.




4.3.2 Oficinas de Nutrição
A oficina de Nutrição “Espaço Alimentação Saudável” será um ambiente de
ensino prático que engloba desde o preparo de refeições práticas e saudáveis até
higiene e manipulação de alimentos, aproveitamento total dos alimentos.

      Objetivos
             Transmitir na prática os ensinamentos adquiridos durante as
             atividades ministradas nas palestras e/ou encontros,
             Incentivar o consumo de novos itens na alimentação,
             Estimular o sentimento de responsabilidade e independência;
             Proporcionar a inserção do responsável no tratamento da
             Obesidade;
             Proporcionar a maior adesão da criança/adolescente ao tratamento
             da Obesidade;
             Orientar sobre higiene e manipulação dos alimentos.
             Informar técnicas e procedimentos para o aproveitamento total dos
             alimentos.
             Desenvolver receitas adaptadas a condição de saúde e financeira
             dos usuários, em especial no caso do baixo peso.
             Desenvolver fórmula específica para crianças com baixo peso;

      O espaço físico para instalação da Oficina de Nutrição será realizada no
Centro de Atendimento ao Escolar. A área prevista para a realização da mesma
segue em anexo.



4.3.3 Grupos de atividade física e API


      O Grupo de Atividades Físicas tem com objetivo tratar uma das causas da
obesidade, o sedentarismo, e assim incentivar o indivíduo a se tornar mais ativo. A
prática de atividades físicas proporcionará além de uma maior qualidade de vida,
uma aumento no gasto calórico e assim consequente auxílio na perda de peso.
      O programa de atividades físicas pode ainda promover a melhora na
aptidão física do individuo, na capacidade aeróbica, diminuição do peso corpóreo
além da diminuição do percentual de gordura corporal.
Outros benefícios da atividade física: diminuição dos valores pressóricos,
aumento da massa magra, melhora da condição cardiovascular, na sensação de
bem estar, na capacidade da resposta psicomotora, no rendimento escolar, no
bem – estar psicológico, da taxa do metabolismo basal e no controle do apetite.
      Atividade física é toda e qualquer ação que resulte na estimulação de
contração muscular.
      Serão formados os grupos de atividades físicas ministradas pelo Educador
Físico, o profissional irá então planejar as atividades físicas levando em
consideração a faixa etária e o desenvolvimento das crianças, além do prazer e a
satisfação dos mesmos.
      As atividades físicas propostas são: caminhadas, jogos de futebol, vôlei,
capoeira, dança, natação, entre outros.
       A Academia da Primeira Idade (API) tem como objetivo estimular a
atividade motora das crianças, estimular o crescimento e o desenvolvimento físico
das crianças despertando o prazer pela atividdade física
       A API é composta 08 brinquedos semelhantes a um playground porém com
uma dinâmica diferente. A API contempla escorredor, gangorra, trepa – trepa,
gangorra, entre outros.
       O espaço físico para instalação destes equipamentos será no Centro de
Atendimento ao Escolar, conforme anexo XX.



4.3.4 Cultivo da Horta Coletiva


      O cultivo da Horta Coletiva trata – se de um processo interativo de
aprendizado entre todos as pessoas envolvidas e tem como objetivo inserir na
criança o espírito de participação no planejamento e execução de uma tarefa,
estimulando sua responsabilidade, fixando conhecimentos adquiridos durante o
tratamento e incentivando o consumo deste tipo de alimentos.
      Além disso, a horta coletiva pode estimular o incentivo ao cultivo dentro das
casa da comunidade e assim proporcionar uma grande grande variedade de
alimentos saudáveis a baixo custo.
O preparo da horta será feito sob orientação de um profissional capacitado
(Técnico agrícola) ou por uma pessoa que já tenha conhecimento prático sobre
cultivo de hortaliças.
       As crianças serão envolvidas no processo de planejamento e execução,
ficando responsáveis também pelo cuidado diário. Os diferentes grupos terão uma
escala de preparo, plantio e cultivo dos canteiros.
      A escolha das hortaliças deverá ser feita de forma diversificada e levará em
consideração a melhor época para cultivo de cada hortaliça.
CRITÉRIOS PARA REFERÊNCIA E CONTRA REFERÊNCIA


Obesidade


  a) Crianças com sobrepeso (crianças de 05 a 10 anos        com P/A > P97e
     crianças de 10 a 12 anos com IMC percentilar por idade e sexo > P85,
     associados ou não a co - morbidades (diabetes mellitus, outros) deverão
     ser referenciados ao Centro de Atendimento ao Escolar (CAE), onde
     receberão atendimento diferenciado através da equipe interdisciplinar.
     Serão avaliados os casos sem resposta ao tratamento a necessidade de
     associação do tratamento com uso de fármacos.


  b) Crianças com diagnóstico nutricional de obesidade associado à existência
     de comorbidades ou que não obtiveram respostas em todos os planos
     propostos na terapia, inclusive uso de fármacos serão referenciados para
     os serviços de alta complexidade (HOSPITAL), para avaliação da
     necessidade da cirurgia bariátrica.


Desnutrição
  a) Crianças menores de cinco anos com risco nutricional (< P10 e > P5),
     desnutrição leve (<P5 e >P3), desnutrição moderada/grave (<P3) deverão
     ser referenciados ao Centro de Atendimento ao Escolar (CAE), onde
     receberão atendimento, tratamento e acompanhamento.


  b) Crianças menores de cinco anos com desnutrição grave (abaixo do
     percentil 3) sem respostas ao tratamento deverão ser referenciados para os
     serviços de alta complexidade (HOSPITAL REGIONAL).
FLUXO DE ACESSO PARA PREVENÇÃO, TRATAMENTO E
            ACOMPANHAMENTO DA OBESIDADE E BAIXO PESO




                                •   Promoção da saúde;
   UNIDADES BÁSICA DE           •   Vigilância nutricional;
                                •   Acompanhamento do sobrepeso /
        ATENÇÃO                     obesidade; desnutrição




     Unidade de Referência      •   Promoção alimentação saudável;
CENTRO DE ATENDIMENTO AO        •   Prevenção da obesidade / desnutrição;
         ESCOLAR                •   Vigilância nutricional;
      Média complexidade
                                •   Acompanhamento interdisciplinar do usuário;
                                •   Farmacoterapia;
                                •   Avaliação para necessidade de cirurgia;
                                •   Incentivo à atividade física.

                                •   Promoção alimentação saudável;
        HOSPITAL
                                •   Prevenção da obesidade / desnutrição;
     Alta complexidade          •   Cirurgia;
                                •   Acompanhamento pré e pós operatório;
                                •   Atendimento equipe interdisciplinar;
                                •   Incentivo à atividade física.
Protocolo sugerido para consulta em Nutrição
                                  Atendimento CAE

            Idade: 05 a 12 anos
            Sexo: ambos
            Encaminhamentos:      Sobrepeso; Obesidade GI; Obesidade GII;
            Obesidade GIII.

      Classificação de Sobrepeso e Obesidade de acordo com faixa etária.
                                           Índice e ponto de corte para
           Faixas etárias                    Obesidade e Sobrepeso
Crianças (menores de 10 anos)         Peso / Altura (P > 97)
Adolescentes (>10 anos e < 20 anos)   IMC percentilar por idade e sexo
                                      (p>85)


                       IMC percentilar por idade e sexo




            Idade: menores de 05 anos.
            Sexo: ambos.
            Encaminhamentos: Risco nutricional, desnutrição leve, desnutrição
            moderada/grave.
Anexos
– INVESTIMENTOS –

OFICINA DE NUTRIÇÃO

Material                         Quantidade Especificação
Fogão                            01 und     Com forno
Botijão de gás                   01 und
Armário                          02 und
Geladeira                        01 und
Liquidificador                   02 und
Batedeira                        01 und
Panela
Formas                           03 und
Talheres de mesa                 02 dz
Escumadeira, concha              03 und
Prato raso                       02 dz
Prato fundo                      02 dz
Copos                            02 dz
Recipiente c/ tampa grande       02 und
Recipiente c/ tampa médio        06 und
Recipiente c/ tampa pequeno      10 und

      Avental, toalha de mesa,
      Materiais necessários




                       Local para Oficina de Nutrição - CAE
Academia da Primeira Idade (API)




API
O investimento para a API é de R$ 10.600,00.




Local para implantaçao da Academia da Primeira Idade

    Material             Quantidade            Especificação
   Adipômetro             02 und        Adipômetro científico com
                                            campo de medição
                                       aproximadamente de 0 a 78
                                      mm, sendo que a precisão e de
                                       milímetros com tolerância: +/-
                                            0.5 mm em 78 mm
                                            aproximadamente.
  Fita métrica             02 und
      Bola                 04 und
  Colchonete               20 und
   Bambolê                 20 und
Aparelho de som            02 und     microsystem,com entrada USB
                                                e auxiliar
Petecas                  05 und
           Balões                  05 pct
   Balança antropométrica          01 und
           Halter                 10 pares                0.5 kg
           Halter                 10 pares                1.0 kg
            Cone                   05 und

Investimentos – Material de escritório
Atividades educativas
Material                         Quantidade   Especificação
Folha sulfite                    01 resma     Mensal
Canetinha                        04 und       c/ 12 und
Lápis de papel                   02 dz
Borracha                         06 und
Lápis de cor                     04 und       c/ 24 und
Pasta
Data show                        01 und
Notebook                         01 und




Atividades educativas: palestras, dinâmicas

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

E-book EuSaúde - Obesidade Infanto
E-book EuSaúde - Obesidade InfantoE-book EuSaúde - Obesidade Infanto
E-book EuSaúde - Obesidade InfantoEuSaúde
 
Trabalho de ciencias de lara
Trabalho de ciencias de laraTrabalho de ciencias de lara
Trabalho de ciencias de laraCarla Gomes
 
Estatística obesidade infantil
Estatística  obesidade infantilEstatística  obesidade infantil
Estatística obesidade infantilturmaquintob
 
Amamentação: a base da vida - Documento Científico - SBP
Amamentação: a base da vida - Documento Científico - SBP Amamentação: a base da vida - Documento Científico - SBP
Amamentação: a base da vida - Documento Científico - SBP Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Sono ruim e sonolência diurna excessiva na ausência de apnéia obstrutiva do s...
Sono ruim e sonolência diurna excessiva na ausência de apnéia obstrutiva do s...Sono ruim e sonolência diurna excessiva na ausência de apnéia obstrutiva do s...
Sono ruim e sonolência diurna excessiva na ausência de apnéia obstrutiva do s...Van Der Häägen Brazil
 
Causas e conseqüências da obesidade infantil e juvenil. dr. caio et dra. caio.
Causas e conseqüências da obesidade infantil e juvenil. dr. caio et dra. caio.Causas e conseqüências da obesidade infantil e juvenil. dr. caio et dra. caio.
Causas e conseqüências da obesidade infantil e juvenil. dr. caio et dra. caio.Van Der Häägen Brazil
 
Má alimentação e obesidade infantil na escola de ensino fundamental josé érit...
Má alimentação e obesidade infantil na escola de ensino fundamental josé érit...Má alimentação e obesidade infantil na escola de ensino fundamental josé érit...
Má alimentação e obesidade infantil na escola de ensino fundamental josé érit...bio_fecli
 
ApresentaçãO obesidade infantil
ApresentaçãO obesidade infantilApresentaçãO obesidade infantil
ApresentaçãO obesidade infantilped.amaro
 
Aspectos gerais da obesidade infantil
Aspectos gerais da obesidade infantilAspectos gerais da obesidade infantil
Aspectos gerais da obesidade infantilTCC_FARMACIA_FEF
 

Mais procurados (20)

Obesidade Infantil
Obesidade InfantilObesidade Infantil
Obesidade Infantil
 
Visa educação e nutrição - peso saudável
Visa   educação e nutrição - peso saudávelVisa   educação e nutrição - peso saudável
Visa educação e nutrição - peso saudável
 
E-book EuSaúde - Obesidade Infanto
E-book EuSaúde - Obesidade InfantoE-book EuSaúde - Obesidade Infanto
E-book EuSaúde - Obesidade Infanto
 
Curvas de Crescimento: orientações para Profissionais de Saúde
Curvas de Crescimento: orientações para Profissionais de SaúdeCurvas de Crescimento: orientações para Profissionais de Saúde
Curvas de Crescimento: orientações para Profissionais de Saúde
 
Trabalho obesidade esmeralda
Trabalho obesidade esmeraldaTrabalho obesidade esmeralda
Trabalho obesidade esmeralda
 
Trabalho de ciencias de lara
Trabalho de ciencias de laraTrabalho de ciencias de lara
Trabalho de ciencias de lara
 
Materia capa
Materia capaMateria capa
Materia capa
 
Obesidade infantil
Obesidade infantilObesidade infantil
Obesidade infantil
 
Obesidade infantil
Obesidade infantilObesidade infantil
Obesidade infantil
 
Obesidade infantil
Obesidade infantilObesidade infantil
Obesidade infantil
 
Estatística obesidade infantil
Estatística  obesidade infantilEstatística  obesidade infantil
Estatística obesidade infantil
 
Obesidade em pauta
Obesidade em pautaObesidade em pauta
Obesidade em pauta
 
Amamentação: a base da vida - Documento Científico - SBP
Amamentação: a base da vida - Documento Científico - SBP Amamentação: a base da vida - Documento Científico - SBP
Amamentação: a base da vida - Documento Científico - SBP
 
Sono ruim e sonolência diurna excessiva na ausência de apnéia obstrutiva do s...
Sono ruim e sonolência diurna excessiva na ausência de apnéia obstrutiva do s...Sono ruim e sonolência diurna excessiva na ausência de apnéia obstrutiva do s...
Sono ruim e sonolência diurna excessiva na ausência de apnéia obstrutiva do s...
 
Causas e conseqüências da obesidade infantil e juvenil. dr. caio et dra. caio.
Causas e conseqüências da obesidade infantil e juvenil. dr. caio et dra. caio.Causas e conseqüências da obesidade infantil e juvenil. dr. caio et dra. caio.
Causas e conseqüências da obesidade infantil e juvenil. dr. caio et dra. caio.
 
Má alimentação e obesidade infantil na escola de ensino fundamental josé érit...
Má alimentação e obesidade infantil na escola de ensino fundamental josé érit...Má alimentação e obesidade infantil na escola de ensino fundamental josé érit...
Má alimentação e obesidade infantil na escola de ensino fundamental josé érit...
 
WebQuest Português Farmácia Nova Faculdade
WebQuest Português Farmácia Nova FaculdadeWebQuest Português Farmácia Nova Faculdade
WebQuest Português Farmácia Nova Faculdade
 
Atividade física regular
Atividade física regularAtividade física regular
Atividade física regular
 
ApresentaçãO obesidade infantil
ApresentaçãO obesidade infantilApresentaçãO obesidade infantil
ApresentaçãO obesidade infantil
 
Aspectos gerais da obesidade infantil
Aspectos gerais da obesidade infantilAspectos gerais da obesidade infantil
Aspectos gerais da obesidade infantil
 

Destaque

Encaminhamento para outras areas de saúde.
Encaminhamento para outras areas de saúde.Encaminhamento para outras areas de saúde.
Encaminhamento para outras areas de saúde.Leonardo Alves
 
A Alimentação da Criança
A Alimentação da CriançaA Alimentação da Criança
A Alimentação da CriançaAna Lagos
 
IMC, Estética e Obesidade
IMC, Estética e ObesidadeIMC, Estética e Obesidade
IMC, Estética e ObesidadeKelly Ruas
 
Educação Alimentar a Crianças
Educação Alimentar a CriançasEducação Alimentar a Crianças
Educação Alimentar a CriançasJoao Costa
 
Ferramentas de educação nutricional para adultos e crianças
Ferramentas de educação nutricional para adultos e criançasFerramentas de educação nutricional para adultos e crianças
Ferramentas de educação nutricional para adultos e criançasPriscila Moreira
 
Palestra Alimentação Saudável -2009
Palestra Alimentação Saudável -2009Palestra Alimentação Saudável -2009
Palestra Alimentação Saudável -2009guest764b902
 

Destaque (13)

Projeto cálculo do imc
Projeto cálculo do imcProjeto cálculo do imc
Projeto cálculo do imc
 
Imc
ImcImc
Imc
 
Encaminhamento para outras areas de saúde.
Encaminhamento para outras areas de saúde.Encaminhamento para outras areas de saúde.
Encaminhamento para outras areas de saúde.
 
Encaminhamento
EncaminhamentoEncaminhamento
Encaminhamento
 
Oficina imc
Oficina imcOficina imc
Oficina imc
 
A Alimentação da Criança
A Alimentação da CriançaA Alimentação da Criança
A Alimentação da Criança
 
IMC, Estética e Obesidade
IMC, Estética e ObesidadeIMC, Estética e Obesidade
IMC, Estética e Obesidade
 
Projetos - Justificativa
Projetos - JustificativaProjetos - Justificativa
Projetos - Justificativa
 
Educação Alimentar a Crianças
Educação Alimentar a CriançasEducação Alimentar a Crianças
Educação Alimentar a Crianças
 
Slides lúdico
Slides lúdicoSlides lúdico
Slides lúdico
 
Ferramentas de educação nutricional para adultos e crianças
Ferramentas de educação nutricional para adultos e criançasFerramentas de educação nutricional para adultos e crianças
Ferramentas de educação nutricional para adultos e crianças
 
Palestra Alimentação Saudável -2009
Palestra Alimentação Saudável -2009Palestra Alimentação Saudável -2009
Palestra Alimentação Saudável -2009
 
Alimentação Saudável
Alimentação SaudávelAlimentação Saudável
Alimentação Saudável
 

Semelhante a Projeto crescer saudável

Bicastiradentes saudei obesidadeinfantil
Bicastiradentes saudei obesidadeinfantilBicastiradentes saudei obesidadeinfantil
Bicastiradentes saudei obesidadeinfantiltemastransversais
 
SCE- Noções de Puericultura.pdf
SCE- Noções de Puericultura.pdfSCE- Noções de Puericultura.pdf
SCE- Noções de Puericultura.pdfPolitesmoAnimista
 
NUTRIÇÃO_ QUESTÕES DE APRENDIZAGEM (1).pdf
NUTRIÇÃO_ QUESTÕES DE APRENDIZAGEM  (1).pdfNUTRIÇÃO_ QUESTÕES DE APRENDIZAGEM  (1).pdf
NUTRIÇÃO_ QUESTÕES DE APRENDIZAGEM (1).pdfaldeiza1
 
Alimentação complementar no 1o ano dv
Alimentação complementar no 1o ano dvAlimentação complementar no 1o ano dv
Alimentação complementar no 1o ano dvgisa_legal
 

Semelhante a Projeto crescer saudável (10)

Obesidade
ObesidadeObesidade
Obesidade
 
Obesidadecerto (1)
Obesidadecerto (1)Obesidadecerto (1)
Obesidadecerto (1)
 
Bicastiradentes saudei obesidadeinfantil
Bicastiradentes saudei obesidadeinfantilBicastiradentes saudei obesidadeinfantil
Bicastiradentes saudei obesidadeinfantil
 
SCE- Noções de Puericultura.pdf
SCE- Noções de Puericultura.pdfSCE- Noções de Puericultura.pdf
SCE- Noções de Puericultura.pdf
 
saude da criança (1).pptx
saude da criança (1).pptxsaude da criança (1).pptx
saude da criança (1).pptx
 
Posicionamento inca-sobrepeso-obesidade-2017
Posicionamento inca-sobrepeso-obesidade-2017Posicionamento inca-sobrepeso-obesidade-2017
Posicionamento inca-sobrepeso-obesidade-2017
 
NUTRIÇÃO_ QUESTÕES DE APRENDIZAGEM (1).pdf
NUTRIÇÃO_ QUESTÕES DE APRENDIZAGEM  (1).pdfNUTRIÇÃO_ QUESTÕES DE APRENDIZAGEM  (1).pdf
NUTRIÇÃO_ QUESTÕES DE APRENDIZAGEM (1).pdf
 
Trabalho nutrição
Trabalho nutriçãoTrabalho nutrição
Trabalho nutrição
 
AULA1E2_20220221174625.pdf
AULA1E2_20220221174625.pdfAULA1E2_20220221174625.pdf
AULA1E2_20220221174625.pdf
 
Alimentação complementar no 1o ano dv
Alimentação complementar no 1o ano dvAlimentação complementar no 1o ano dv
Alimentação complementar no 1o ano dv
 

Projeto crescer saudável

  • 1. 1. Histórico da Obesidade Infantil Atualmente o mundo passa por um período de transição nutricional, onde casos de excesso de peso corporal têm aumentado de forma surpreendente na população mundial e, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a sua prevalência vem crescendo de forma significativa nos últimos anos. A obesidade tende a repercutir de forma negativa tanto na qualidade como na expectativa de vida dos indivíduos. O estilo de vida com alimentação inadequada e sedentarismo são um dos vários fatores que podem levar à obesidade, além de propensão genética, fatores psicológicos e causas hormonais. Estes fatores vêm favorecendo o surgimento do sobrepeso e obesidade não somente na população adulta, como também em populações mais jovens. A nível mundial a OMS, considerou a prevalência de obesidade como uma epidemia global do século XXI. Inquéritos populacionais vêm evidenciando altas e crescentes prevalências de obesidade na idade escolar. A obesidade durante a infância é fator de risco para a obesidade em adultos. Com esta tendência acredita – se que haverá sérias conseqüências para a Saúde Pública nos anos que se aproximam, uma vez que a obesidade infantil está associada a inúmeras comorbidades tais como: Diabetes tipo II, hipertensão arterial, dislipidemias, resistência à insulina, complicações ortopédicas, diminuição da auto - estima, depressão, distúrbio da auto – imagem, quadro psicológico conturbado, entre outros. Em 2005, a OMS estimou que houvesse em torno de 20 milhões de crianças menores de 05 anos com sobrepeso. Já a cidade de Campo Grande, MS foi classificada como a 5ª capital com os maiores percentis de sobrepeso e obesidade entre adultos (IBGE, 2004). A população total de Campo Grande de 0 até 12 anos é de 155.806., sendo que segundo dados do SISVAN 2008, as crianças na faixa etária de 05 a 10 anos 10,5% apresentavam risco de sobrepeso, 1,3% sobrepeso e 26,9% de obesidade. Sendo que a OMS recomenda que o índice de obesidade esteja abaixo dos 7%.
  • 2. A obesidade não se trata somente de um acúmulo de energia excedente, mas geralmente está associado a outros fatores biopsicossociais, daí a necessidade do acompanhamento da terapia de uma equipe interdisciplinar, que é capaz de tratar a patologia nas suas diversas vértices. A atenção familiar no tratamento da obesidade infantil é de suma importância para o sucesso deste. A criança ainda não é responsável direto pela escolha de sua alimentação, sofrendo assim grande influência pelo estilo vida. É cada vez mais consensual que o tratamento desta patologia com acompanhamento interdisciplinar e adesão da família traz resultados mais satisfatórios e duradouros, atingindo toda a família. Sendo que a obesidade atualmente se apresenta como um dos principais problemas de saúde pública mundial, gerando, nos últimos anos, um aumento da incidência e prevalência epidemiológicas. Levando em consideração os danos causados por esta patologia, que podem ocorrer desde a infância e se postergar até a idade adulta e, todas as demais informações citadas anteriormente faz – se necessário a implantação de um programa de intervenção que priorize a atenção de crianças com sobrepeso e obesidade, por uma equipe interdisciplinar, afim de minimizar a médio e longo prazo a incidência desta patologia e suas consequências.
  • 3. Histórico da Desnutrição Nos últimos anos nota – se um declínio importante na prevalência dos casos de desnutrição em crianças menores de cinco anos em todo o mundo, inclusive no Brasil. E um aumento significativo nos caso de obesidade infantil. Entretanto ainda pode – se considerar a desnutrição como importante problema de Saúde Pública A desnutrição nos primeiros anos de vida é um dos maiores problemas de saúde, principalmente em países em desenvolvimento. Os déficits de crescimentos, consequência da desnutrição, estão associados a maior mortalidade, aumento de doenças infecciosas, prejuízo para o desenvolvimento psico – motor, déficits de aproveitamento escolar e menor capacidade produtiva na idade adulta. Segundo dados da WORLD HEALTH ORGANIZATION (2003), cerca de 30% da população mundial de crianças menores de cinco anos apresentam baixo peso, decorrentes da má alimentação e repetidas infecções. A desnutrição, por sua vez, não se caracteriza somente pela falta de alimentos, portanto, a desnutrição infantil é uma patologia de origem multicausal e complexa e, pode ser classificada de acordo com sua etiologia em primária, secundária e mista. A desnutrição primária é consequência de uma série de fatores sociais, psico-afetivos ou econômicos que tem com resultado a ingestão inadequada de nutrientes. A desnutrição secundária é resultado de condições mórbidas, orgânicas ou psíquicas que alteram a fisiologia normal do indivíduo, interferindo na utilização adequada dos nutrientes ou aumentando as perdas e/ou necessidades de energia e proteínas. A desnutrição também pode ter origem mista onde há concomitância de fatores primários e secundários. Em Campo Grande, das 623 crianças menores de cinco anos assistidas do Bolsa Família; 03 apresentavam peso muito baixo (<P1); 63 com baixo peso entre o percentil 1 e 3; e 66 baixo peso (SISVAN, MS / 2008).
  • 4. 2. Objetivos: 2.1 Objetivo geral Prestar atendimento e acompanhamento à crianças menores de 05 anos com baixo peso e crianças de 05 a 12 anos com sobrepeso ou obesidade. 2.2 Objetivos específicos. Obesidade Implementar programa de atendimento de Equipe Interdisciplinar para Terapia na Obesidade Infantil; Acompanhar e tratar obesidade infantil; Reduzir incidência de sobrepeso / obesidade em crianças e adolescentes; Desenvolver através de grupos interdisciplinares atividades coletivas para a terapia da Obesidade Infantil e patologias associadas; Promover a prevenção de comorbidades relacionadas à obesidade; Promover a prevenção de obesidade em indivíduos com predisposição; Incluir na vida cotidiana da família hábitos alimentares mais saudáveis e comportamentos fisicamente mais ativos e menos sedentários; Orientar os pais e responsáveis quanto à alimentação da criança. Desnutrição Acompanhar e tratar a desnutrição; Reduzir incidência de desnutrição (baixo peso) em crianças menores de 05 anos; Promover a prevenção de patologias associadas à desnutrição; Orientar pais e responsáveis quanto à alimentação da criança;
  • 5. 3. Público Alvo - Crianças menores de 05 anos com diagnóstico nutricional de desnutrição. - Crianças / adolescentes de 05 a 12 anos com diagnóstico nutricional de sobrepeso e obesidade; - Pais / responsáveis. Obs: Todos os casos identificados, atendidos e/ou encaminhados pela Unidades Básica de Saúde, tambpem será feita uma triagem nas escolas municipais de Campo Grande (iniciando com as escolas atendidas pelo Distrito Norte) através da avaliação antropométrica e assim a identificação dos possíveis casos de sobrepeso e obesidade. Após a triagem inicial a escola será responsável por notificar os pais da necesidade de atendimento nutricional para as crianças. Os pais então participarão de uma palestra de orientação quanto ao programa.
  • 6. 4. Programa Crescer Saudável O Crescer Saudável é um programa voltado ao atendimento interdisciplinar a crianças menores de cinco anos com baixo peso e crianças de 05 a 12 anos com sobrepeso / obesidade. O programa consiste no atendimento clínico ambulatorial por uma equipe de profissionais, com a difusão de diversas atividades educativas relacionadas a saúde, que envolverá não somente a criança mas também os pais ou responsáveis. As atividades educativas incluem desde palestras, dinâmicas, educação nutricional, Oficinas de Nutrição, Horta Comunitária, Grupos de Atividade Física, API (Academia da Primeira Idade). 4.1 Dinâmica e Fluxograma de atendimento Fluxograma de Atendimento PEDIATRA NUTRICIONISTA PSICOLÓGO EDUCADOR FÍSICO FONOAUDIÓLOGO O paciente que vem ao programa pela primeira vez será atendido pelo médico pediatra, onde será avaliado pelo ponto de vista médico, conforme suas atribuições. Como rotina serão solicitados exames laboratoriais: hemograma, colesterol total e frações e triglicérides. Além de demais exames se forem necessários. Propõe – se a avaliação médica de retorno conforme necessidade.
  • 7. O paciente será então encaminhado para a Nutrição onde passará por avaliações e receberá prescrição dietética e orientações individualmente. Propõe – se uma consulta nutricional conforme necessidade, sendo que a criança será vista e pesada quinzenalmente (terapia de grupo), por um dos profissionais do programa. Encaminhamento para o educador físico, onde passará por avaliação e receberá orientações para o seu dia a dia. Retorno quinzenal para terapia em grupo e realização das atividades. Encaminhamento para as demais especialidades (Psicólogo e Fonoaudiólogo) de acordo com necessidade. A terapia poderá ser realizada individualmente e/ou em grupo, conforme melhor indicação para cada situação. Fonoaudiologia: avaliação individual a cada 03 meses. A criança junto com seus pais ou responsáveis após avaliação de todos os profissionais fará parte de um programa desenvolvido para atendimento individual e em grupo onde envolverá palestras, oficinas, dinâmicas, atividades físicas, recreativas e educativas. As terapias de grupo ocorrerão semanalmente tanto no período vespertino quanto no matutino. Nestes dias serão ministrados palestras, atividades recreativas educativas, atividades físicas , oficinas e outros que serão realizados pela equipe conforme cronograma. Todas as crianças após seis meses de início da terapia serão avaliadas por todos os profissionais, onde será identificada a necessidade de alta ou a continuidade da terapia. Os profissionais ainda se reunirão mensalmente para avaliar e discutir os casos e definir estratégias. O centro de referência para atendimento da equipe será realizado no Centro de Atendimento ao Escolar (CAE).
  • 8. 4.2 Atendimento Interdisciplinar 4.2.1 Atendimento da equipe Interdisciplinar A equipe interdisciplinar para Terapia e Prevenção da Obesidade Infantil e da Desnutrição tem como propósito o acompanhamento da criança e também de seus familiares através de atendimentos individuais e em grupos. Cada profissional irá trabalhar com os mais diversos aspectos e com as mais variadas dificuldades do paciente O programa será contemplado pelo atendimento de uma equipe interdisciplinar composta por: Médico Pediatra, Nutricionista, Psicólogo, Fonoaudiólogo, Educador Físico, Enfermeiro, Terapeuta Ocupacional, Técnico de enfermagem. A terapia conduzida pela equipe deverá incluir a dietoterapia, o suporte psicossocial, a orientação para atividade física e o seguimento fonoaudiológico. Segue as atribuições de cada profissional: Médico Pediatra O profissional será responsável pelo acompanhamento clínico durante o tratamento, diagnóstico e tratamento de patologias coadjuvantes, orientação e suporte ao paciente e seus familiares. O atendimento primário será realizado pelo profissional Médico Pediatra, que avaliará a condição do usuário a fim de verificar o estado nutricional e as condições clínicas. Na abordagem inicial, serão coletados dados através de anamnese para identificação correta do diagnóstico e formulação de hipóteses diagnósticas que expliquem a instalação e manutenção do quadro de obesidade. O estado nutricional será classificado de acordo IMC percentilar para adolescentes de 10 a 12 anos e, percentil P/A para crianças menores de 10 anos).
  • 9. A causa da obesidade (endógena ou exógena) será investigada através de exames: TSH, T3 e T4. As causas de obesidade de origem endógena serão encaminhadas para o Endócrino Pediatra e, posteriormente à Nutricionista para avaliação e conduta de ambos. Quando a causa for de origem exógena o usuário será encaminhado para o Nutricionista. Ainda na primeira consulta, o Pediatra como rotina solicitará exames para diagnosticar outras possíveis patologias associadas à Obesidade e também para acompanhar a evolução do tratamento. Os exames são: hemograma, glicemia, colesterol total e frações, triglicérides. A avaliação clínica também determinará a possibilidade do usuário praticar atividade física. A avaliação médica será realizada conforme necessidade. Nutricionista Após atendimento primário com Médico Pediatra, o paciente será avaliado pela nutricionista. O profissional será responsável pela avaliação nutricional completa (dietética, antropométrica, bioquímica) assim como pela análise das condições sociais e rotinas da família para orientar e propor mudanças ou adequações no seus hábitos alimentares, objetivando o equilíbrio nutricional através da educação alimentar. As orientações serão dirigidas não somente a criança, como também a seus pais e/ou responsáveis, uma vez da necessidade do apoio da família no tratamento. A avaliação da progressão do estado nutricional do paciente se dará quinzenalmente, mensalmente ou conforme necessidade. Ao final de seis meses após inicio da terapia em grupo, os usuários serão avaliados por todos os profissionais da equipe. O profissional Nutricionista além do atendimento individual, será integrante das reuniões quinzenais que envolvem todos os usuários e profissionais (de acordo com cronograma), nos quais serão feitas as terapias em grupo através de palestras, atividades, oficinas, etc.
  • 10. Será também responsável pela Oficina de Nutrição e dará apoio ao cultivo e e mantenimento da Horta Comunitária, além de atividades voltadas a mesma. Psicólogo O profissional será responsável pela avaliação psicológica do paciente, atuando junto ao paciente e familiares, por meio de trabalhos em gruupo (identificação e imagem corporal), no sentido de minimizar e tratar problemas emocionais e afetivos detectados, que possam agravar as desordens nutricionais e relacionados aos hábitos de vida, comprometendo o estado de saúde do paciente. Todas as crianças após atendimento primário conforme fluxograma de atendimento, serão encaminhadas para uma avaliação psicológica, visando identificar os atendimentos necessários à criança, em se tratando do funcionamente psíquico saudável. O fluxo de atendimento será: - Anamnese com os pais (1 – 2 sessões); - Encontro com a criança para avaliação, visando o levantamento da necessidade de encaminhamento para atendimento psicológico individual ou em grupos; - Realização de grupos temáticos com os usuários do programa, em parceria com os profissionais envolvidos; - Encaminhamentos dos pais / responsáveis para atendimento psicológico em outras unidades, diante da necessidade. A alta do paciente se dará conforme avaliação individual. Educador físico O Educador Físico será responsável pela avaliação física do indíviduo, a prescrição e o desenvolvimento de exercícios físicos regulares e adequados ao estado nutricional de cada criança e ao seu desenvolvimento motor e fisiológicos, além da conscientização dos benefícios decorrentes da atividade física para torná – la um hábito de vida saudável e ativo para a criança e seus familiares.
  • 11. O profissional também irá considerar o prazer, a satisfação e o aspecto lúdico das atividades em todas as área de atuação, para que a adesão seja estimulada e a continuidade da criança obesa ao programa. Durante a tratamento serão feitas avaliações periódicas a fim de verificar a evolução durante o tratamento. As atividades físicas elaborados para o grupo terão frequência estipulada conforme prescrição do Educador Físico. O profissional também será responsável execução de atividades na API – Academia da Primeira Idade. Fonoaudiólogo O profissional Fonoaudiólogo terá como responsabilidade avaliar, diagnosticar e realizar terapia em grupo com as crianças que apresentem alterações na função de mastigação, deglutição, sucção e respiração. Após atendimento primário com médico e nutricionista, todos os usuários do programa serão avaliados pelo profissional Fonoaudiólogo para identificar se o mesmo apresenta alterações na região oromiofuncional (função de mastigação, deglutição, sucção e respiração). Esta avaliação será feita individualmente. Os usuários que apresentarem alterações na região oromiofuncional farão terapia em grupo ou individual se for o caso. Os mesmos serão reavaliados a cada três meses, a fim de verificar sua evolução. Ao final de seis meses a avaliação será feita com toda a equipe interdisciplinar. Obs: a Fonoaudiologia encaminhará o usuário ao serviço de Odontologia caso haja a necessidade da intervenção deste profissional para sucesso do tratamento. O Fonoaudiólogo além de orientar as crianças que apresentem alterações e seus pais, participará das reuniões quinzenais que envolvem todos os usuários participantes do programa, nas quais aplicará palestras, atividades educativas recreativas em grupo.
  • 12. Enfermeiro O enfermeiro será responsável por acompanhar o crescimento e desenvolvimento da criança, avaliando peso e altura, focar na orientação e aconselhamento da criança e da família sobre os benefícios do tratamento. Acompanhar a evolução e a eficácia do tratamento, as reações adversas e a aceitação. Será responsável também por atividades educativas, dinâmicas, palestras para os envolvidos no programa. Técnico de Enfermagem: auxiliar a enfermagem e equipe em suas atividades. 4.3 Atividades Educativas 4.3.1 Palestras, dinâmicas e outros. A informação é uma ferramente de suma importância para o entendimento, aceitação e adesão ao tratamento, entretanto a forma como a informação chega ao indivíduo também faz diferença. Por se tratar de uma população de crianças, as práticas e estratégias serão desenvolvidas através de atividades lúdicas com brincadeiras e muita criatividade para a fixação de conhecimento. As atividades serão coletivas, interativas e dinâmicas e serão ministradas pelos profissionais da equipe interdisciplinar ou convidados. As atividades ocorrerão quinzenalmente ou conforme cronograma estipulado pela equipe. 4.3.2 Oficinas de Nutrição
  • 13. A oficina de Nutrição “Espaço Alimentação Saudável” será um ambiente de ensino prático que engloba desde o preparo de refeições práticas e saudáveis até higiene e manipulação de alimentos, aproveitamento total dos alimentos. Objetivos Transmitir na prática os ensinamentos adquiridos durante as atividades ministradas nas palestras e/ou encontros, Incentivar o consumo de novos itens na alimentação, Estimular o sentimento de responsabilidade e independência; Proporcionar a inserção do responsável no tratamento da Obesidade; Proporcionar a maior adesão da criança/adolescente ao tratamento da Obesidade; Orientar sobre higiene e manipulação dos alimentos. Informar técnicas e procedimentos para o aproveitamento total dos alimentos. Desenvolver receitas adaptadas a condição de saúde e financeira dos usuários, em especial no caso do baixo peso. Desenvolver fórmula específica para crianças com baixo peso; O espaço físico para instalação da Oficina de Nutrição será realizada no Centro de Atendimento ao Escolar. A área prevista para a realização da mesma segue em anexo. 4.3.3 Grupos de atividade física e API O Grupo de Atividades Físicas tem com objetivo tratar uma das causas da obesidade, o sedentarismo, e assim incentivar o indivíduo a se tornar mais ativo. A prática de atividades físicas proporcionará além de uma maior qualidade de vida, uma aumento no gasto calórico e assim consequente auxílio na perda de peso. O programa de atividades físicas pode ainda promover a melhora na aptidão física do individuo, na capacidade aeróbica, diminuição do peso corpóreo além da diminuição do percentual de gordura corporal.
  • 14. Outros benefícios da atividade física: diminuição dos valores pressóricos, aumento da massa magra, melhora da condição cardiovascular, na sensação de bem estar, na capacidade da resposta psicomotora, no rendimento escolar, no bem – estar psicológico, da taxa do metabolismo basal e no controle do apetite. Atividade física é toda e qualquer ação que resulte na estimulação de contração muscular. Serão formados os grupos de atividades físicas ministradas pelo Educador Físico, o profissional irá então planejar as atividades físicas levando em consideração a faixa etária e o desenvolvimento das crianças, além do prazer e a satisfação dos mesmos. As atividades físicas propostas são: caminhadas, jogos de futebol, vôlei, capoeira, dança, natação, entre outros. A Academia da Primeira Idade (API) tem como objetivo estimular a atividade motora das crianças, estimular o crescimento e o desenvolvimento físico das crianças despertando o prazer pela atividdade física A API é composta 08 brinquedos semelhantes a um playground porém com uma dinâmica diferente. A API contempla escorredor, gangorra, trepa – trepa, gangorra, entre outros. O espaço físico para instalação destes equipamentos será no Centro de Atendimento ao Escolar, conforme anexo XX. 4.3.4 Cultivo da Horta Coletiva O cultivo da Horta Coletiva trata – se de um processo interativo de aprendizado entre todos as pessoas envolvidas e tem como objetivo inserir na criança o espírito de participação no planejamento e execução de uma tarefa, estimulando sua responsabilidade, fixando conhecimentos adquiridos durante o tratamento e incentivando o consumo deste tipo de alimentos. Além disso, a horta coletiva pode estimular o incentivo ao cultivo dentro das casa da comunidade e assim proporcionar uma grande grande variedade de alimentos saudáveis a baixo custo.
  • 15. O preparo da horta será feito sob orientação de um profissional capacitado (Técnico agrícola) ou por uma pessoa que já tenha conhecimento prático sobre cultivo de hortaliças. As crianças serão envolvidas no processo de planejamento e execução, ficando responsáveis também pelo cuidado diário. Os diferentes grupos terão uma escala de preparo, plantio e cultivo dos canteiros. A escolha das hortaliças deverá ser feita de forma diversificada e levará em consideração a melhor época para cultivo de cada hortaliça.
  • 16. CRITÉRIOS PARA REFERÊNCIA E CONTRA REFERÊNCIA Obesidade a) Crianças com sobrepeso (crianças de 05 a 10 anos com P/A > P97e crianças de 10 a 12 anos com IMC percentilar por idade e sexo > P85, associados ou não a co - morbidades (diabetes mellitus, outros) deverão ser referenciados ao Centro de Atendimento ao Escolar (CAE), onde receberão atendimento diferenciado através da equipe interdisciplinar. Serão avaliados os casos sem resposta ao tratamento a necessidade de associação do tratamento com uso de fármacos. b) Crianças com diagnóstico nutricional de obesidade associado à existência de comorbidades ou que não obtiveram respostas em todos os planos propostos na terapia, inclusive uso de fármacos serão referenciados para os serviços de alta complexidade (HOSPITAL), para avaliação da necessidade da cirurgia bariátrica. Desnutrição a) Crianças menores de cinco anos com risco nutricional (< P10 e > P5), desnutrição leve (<P5 e >P3), desnutrição moderada/grave (<P3) deverão ser referenciados ao Centro de Atendimento ao Escolar (CAE), onde receberão atendimento, tratamento e acompanhamento. b) Crianças menores de cinco anos com desnutrição grave (abaixo do percentil 3) sem respostas ao tratamento deverão ser referenciados para os serviços de alta complexidade (HOSPITAL REGIONAL).
  • 17. FLUXO DE ACESSO PARA PREVENÇÃO, TRATAMENTO E ACOMPANHAMENTO DA OBESIDADE E BAIXO PESO • Promoção da saúde; UNIDADES BÁSICA DE • Vigilância nutricional; • Acompanhamento do sobrepeso / ATENÇÃO obesidade; desnutrição Unidade de Referência • Promoção alimentação saudável; CENTRO DE ATENDIMENTO AO • Prevenção da obesidade / desnutrição; ESCOLAR • Vigilância nutricional; Média complexidade • Acompanhamento interdisciplinar do usuário; • Farmacoterapia; • Avaliação para necessidade de cirurgia; • Incentivo à atividade física. • Promoção alimentação saudável; HOSPITAL • Prevenção da obesidade / desnutrição; Alta complexidade • Cirurgia; • Acompanhamento pré e pós operatório; • Atendimento equipe interdisciplinar; • Incentivo à atividade física.
  • 18. Protocolo sugerido para consulta em Nutrição Atendimento CAE Idade: 05 a 12 anos Sexo: ambos Encaminhamentos: Sobrepeso; Obesidade GI; Obesidade GII; Obesidade GIII. Classificação de Sobrepeso e Obesidade de acordo com faixa etária. Índice e ponto de corte para Faixas etárias Obesidade e Sobrepeso Crianças (menores de 10 anos) Peso / Altura (P > 97) Adolescentes (>10 anos e < 20 anos) IMC percentilar por idade e sexo (p>85) IMC percentilar por idade e sexo Idade: menores de 05 anos. Sexo: ambos. Encaminhamentos: Risco nutricional, desnutrição leve, desnutrição moderada/grave.
  • 20. – INVESTIMENTOS – OFICINA DE NUTRIÇÃO Material Quantidade Especificação Fogão 01 und Com forno Botijão de gás 01 und Armário 02 und Geladeira 01 und Liquidificador 02 und Batedeira 01 und Panela Formas 03 und Talheres de mesa 02 dz Escumadeira, concha 03 und Prato raso 02 dz Prato fundo 02 dz Copos 02 dz Recipiente c/ tampa grande 02 und Recipiente c/ tampa médio 06 und Recipiente c/ tampa pequeno 10 und Avental, toalha de mesa, Materiais necessários Local para Oficina de Nutrição - CAE
  • 21. Academia da Primeira Idade (API) API O investimento para a API é de R$ 10.600,00. Local para implantaçao da Academia da Primeira Idade Material Quantidade Especificação Adipômetro 02 und Adipômetro científico com campo de medição aproximadamente de 0 a 78 mm, sendo que a precisão e de milímetros com tolerância: +/- 0.5 mm em 78 mm aproximadamente. Fita métrica 02 und Bola 04 und Colchonete 20 und Bambolê 20 und Aparelho de som 02 und microsystem,com entrada USB e auxiliar
  • 22. Petecas 05 und Balões 05 pct Balança antropométrica 01 und Halter 10 pares 0.5 kg Halter 10 pares 1.0 kg Cone 05 und Investimentos – Material de escritório Atividades educativas Material Quantidade Especificação Folha sulfite 01 resma Mensal Canetinha 04 und c/ 12 und Lápis de papel 02 dz Borracha 06 und Lápis de cor 04 und c/ 24 und Pasta Data show 01 und Notebook 01 und Atividades educativas: palestras, dinâmicas