SlideShare uma empresa Scribd logo
Revista Verde (Pombal - PB - Brasil), v 9. , n. 4, p. 168 - 172, out-dez, 2014.
Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável
http://www.gvaa.com.br/revista/index.php/RVADS
ARTIGO CIENTÍFICO
Produção de alface (Lactuca sativa L.), em função de diferentes concentrações e tipos
de biofertilizantes
Production oflettuce (Lactuca sativa L.), for function diferente concentrations andtypes
of biofertilizers
Thiago Pereira de Sousa1*
, Eduardo Pereira de Sousa Neto2
, Luana Raposo de Sá Silveira3
,Elias Francisco dos Santos Filho2
e Patricio Borges Maracajá4
.
RESUMO - A alface (Lactuca sativa L.) originou-se de espécies silvestres, ainda atualmente encontradas em regiões de clima
temperado, no sul da Europa e na Ásia Ocidental. Objetivou-se com este trabalho, estudar o efeito de diferentes concentrações
de urina de vaca e biofertilizante aplicados via foliar na cultura da alface em condições edafoclimáticas do município de Catolé
do Rocha-PB. O experimento foi conduzido em condições de campo na estação experimental agroecológica do Campus IV da
UEPB. O delineamento experimental utilizado foi em blocos casualisados com 12 tratamentos, no esquema fatorial 6x2, com 4
repetições. Testou-se 06 concentrações de biofertilizante: (C1= 0,0; C2= 10; C3= 20; C4= 30; C5= 40 e C6= 50 m/L planta/vez,
respectivamente) e a aplicação de biofertilizante (T1) e de urina de vaca (T2), na produção da alface. Utilizou-se sementes da
cultivar Elba (grupo crespo) e avaliou-se: número de folhas (NF), peso verde da folha (PVF) e peso verde da parte aérea
(PVPA). As concentrações de biofertilizante se comportaram de maneira semelhante dentro dos tipos de biofertilizante e vice-
versa. As plantas de alface Elba submetidas á concentração C3= 20 ml/L planta/vez, na presença de urina de vaca (T2)
proporcionaram maiores taxas de desenvolvimento foliar.
Palavras-chave: Hortaliça folhosa, adubação orgânica, urina de vaca.
ABSTRACT - Lettuce (Lactuca sativa L.) originated from wild species still found today in temperate regions in southern
Europe and western Asia. The objective of this work was to study the effect of different concentrations of cow urine applied
and foliar biofertilizer on lettuce in soil and climatic conditions of the city of Catolé do Rocha-PB. The experiment was
conducted under field conditions in agro-ecological experimental station of the Campus IV UEPB. The experimental design
was a randomized block design with 12 treatments in a factorial 6x2, with four repetitions. 06 was tested concentrations of
biofertilizer: (C1 = 0.0, C2 = 10, C3 = 20, C4 = 30, C5 = C6 = 40 and 50 m / L plant / time, respectively) and the application of
biofertilizer (T1 ) and cow urine (T2) in the production of lettuce. We used seeds of cultivar Elba (kinky group) and were
evaluated: number of leaves (NL), green leaf weight (PVF) and fresh weight of shoots (PVPA). Concentrations of biofertilizers
behaved similarly within the types of fertilizer and vice versa. The lettuce plants subjected to concentration Elba C3 = 20 ml /
L plant / time in the presence of cow urine (T2) provided the highest rate of leaf development.
Keywords: Leafy vegetable, organic manure, cow urine.
_______________________
*Autor para correspondência
Recebido em 17/08/2014 e aceito em 09/12/2014
1
Mestrando em Fitotecnia pela Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA), Mossoró-RN, Brasil, E-mail: tiagojd2009@hotmail.com
2
Graduando em Agronomia pela Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), Pombal-PB, Brasil, E-mail: gogaeduardo@hotmail.com
3
Graduanda em Ciências Agrárias pela Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), Catolé do Rocha-PB, Brasil, E-mail: luana.156@hotmail.com
4
Professor D. Sc. UFCG - Mestrado em Sistema Agroindustriais, UAGRA, Pombal-PB, Brasil, E-mail: patriciomaracaja@gmail.com
Thiago Pereira de Sousa, et al
Revista Verde (Pombal - PB - Brasil), v 9. , n. 4, p. 168 - 172, out-dez, 2014.
INTRODUÇÃO
A alface (Lactuca sativa L.) originou-se de espécies
silvestres, ainda atualmente encontradas em regiões de clima
temperado, no sul da Europa e na Ásia Ocidental
(FILGUEIRA, 2003). É a hortaliça folhosa mais difundida
atualmente, sendo cultivada em quase todos os países. Seu
cultivo é feito de maneira intensiva e geralmente praticado
pela agricultura familiar, responsável pela geração de cinco
empregos diretos por hectare (ALENCAR et al, 2012). Pode
ser considerada uma boa fonte de vitaminas e sais minerais,
destacando-se seu elevado teor de vitamina A, além de conter
vitaminas B1 e B2, vitaminas C, cálcio e ferro
(FERNANDES et al, 2002).
Um dos maiores desafios para a agricultura na
atualidade é o de desenvolver sistemas agrícolas sustentáveis
que possam produzir alimentos e fibras em quantidades e
qualidades suficientes, sem afetar os recursos do solo e do
ambiente.
Em busca de um desenvolvimento agrícola
sustentável, cada vez mais o agricultor familiar distancia-se
dos insumos sintéticos e passa a fazer uso de insumos
orgânicos, que tem demandado da pesquisa informações e
indicadores de fertilidade, controle de pragas e doenças cada
vez mais preciso (ALENCAR et al, 2012).
Existem materiais com potencial para uso como os
biofertilizantes, que figuram entre os principais insumos
utilizados em sistemas agroecológicos, porém, a falta de
testes e informações na busca de uma padronização limitam a
sua exploração (LOVATTO et al, 2011).
Segundo Lovattoet al (2011), a produção de
biofertilizante é decorrente do processo de fermentação, ou
seja, da atividade dos microorganismos na decomposição da
matéria orgânica e complexação de nutrientes, o que pode ser
obtido com a simples mistura de água e esterco fresco.
A busca por insumos menos agressivos ao ambiente
e que possibilitem o desenvolvimento de uma agricultura
menos dependente de produtos industrializados, fez com que
o uso de produtos alternativos como os biofertilizantes
crescesse no Brasil (DELEITO et al, 2000).
De acordo com Gadelha et al (2003), a urina de vaca
pode ser considerada um subproduto da atividade pecuária,
além de amplamente disponível em muitas propriedades
rurais; por ser rica em elementos minerais, considera-se que
esta forneça nutrientes e outras substâncias benéficas às
plantas a custo reduzido; além disso, seu uso não causa risco à
saúde de produtores e consumidores, estando praticamente
pronta para uso, bastando apenas acrescentar água.
Para Oliveira et al (2010), a urina de vaca é um
biofertilizante rico em nutrientes, principalmente N e K, e
pode ser usada como adubo e defensivo natural na agricultura,
podendo ser capaz de proporcionar rendimentos satisfatórios
nas hortaliças.
Neste sentido, objetivou-se com este trabalho,
estudar o efeito de diferentes concentrações de urina de vaca e
biofertilizante aplicados via foliar na cultura da alface em
condições edafoclimáticas do município de Catolé do Rocha-
PB.
MATERIAL E MÉTODOS
O experimento foi conduzido em condições de
campo, na estação experimental agroecológica do Centro de
Ciências Humanas e Agrárias (CCHA), Campus IV da
Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), Sítio Cajueiro,
zona rural do município de Catolé do Rocha-PB; situada a 6º
20’38” de latitude S e 37º 44’48” de longitude W, a uma e
uma altitude de 275 metros acima do nível do mar.
O clima do município de acordo com a classificação
de Koppen é do tipo BSWH, ou seja, seco e muito quente do
tipo estepe, com estação chuvosa no verão e com temperatura
do mês mais frio superior a 18ºC.
O delineamento experimental utilizado foi em blocos
casualisados com 12 tratamentos, no esquema fatorial 6x2,
com 4 repetições, totalizando 48 unidades experimentais
(canteiros). Testou-se 06 concentrações de biofertilizante:
(C1= 0,0; C2= 10; C3= 20; C4= 30; C5= 40 e C6= 50 m/L
planta/vez, respectivamente) aplicado via foliar. Foi estudado
o efeito da aplicação de biofertilizante (T1) à base de (esterco
bovino enriquecido com farinha de rocha + leguminosa +
cinza de madeira) e da urina de vaca em período de lactação
(T2), na produção da alface.
Para plantio utilizou-se sementes da cultivar Elba
(grupo crespo), inicialmente foram preparadas as mudas em
bandejas de isopor com 200 células, preenchidas com
substrato composto da mistura de húmus de minhoca e solo,
na proporção 1:1; foram colocadas de 3 a 4 (três a quatro)
sementes por célula. Aos dezenove dias após a germinação foi
realizado o transplantio das mudas para os canteiros
definitivos com dimensões de 1m x 1m (1m²), dispostos no
sentido norte-sul, previamente adubados com esterco bovino,
na proporção de 5 Kg/Canteiro 10 (dez) dias antes do
recebimento das mudas, os quais receberam 9 (nove) mudas
num espaçamento de 0,3x0,3 m entre plantas.
O sistema de irrigação adotado foi o localizado por
micro-aspersão, com vazão média de 50 Lh-
¹; utilizou-se
mangueiras de 16,0mm e as irrigações foram realizadas
diariamente em dois horários (manhã e tarde) com água
proveniente de um poço amazonas localizado nas
proximidades do experimento. O controle das plantas
invasoras foi realizado manualmente a cada 8 (oito) dias com
o auxilio de enxadas. A colheita foi realizada 65 dias após o
plantio, quando as plantas apresentavam o máximo
desenvolvimento vegetativo, com cabeças comerciais bem
formadas, como podem ser observados na (Figura 1).
Produção de alface (Lactuca sativa L.), em função de diferentes concentrações e tipos de biofertilizantes
Revista Verde (Pombal - PB - Brasil), v 9. , n. 4, p. 168 - 172, out-dez, 2014.
20 20,87 21 21
22,75 22,87
0
4
8
12
16
20
24
28
32
C1 C2 C3 C4 C5 C6
NúmerodeFolhas/Planta
Concentrações de Biofertilizante
21,25 21,58
0
4
8
12
16
20
24
28
32
T1 T2
NúmerodeFolhas/Planta
Tipos de Biofertilizante
(A)
Figura 1. Vista geral da área experimental (A) e vista da colheita das plantas da alface (B), realizada 65 dias após o plantio.
Catolé do Rocha/PB, 2012.
As variáveis analisadas foram: número de folhas
(NF), peso verde da folha (PVF) e peso verde da parte aérea
(PVPA). Os dados foram analizados e interpretados apartir
das análises de variância (teste F) e pelo confronto de médias
do texte de Tukey, para o fator qualitativo (biofertilizante e
urina de vaca), já para o fator quantitativo (concentrações) foi
realizada análise de regressão, ambas com auxilio do
programa computacional estatistico SISVAR versão 5.0
(FERREIRA, 2000).
RESULTADOS E DISCUSSÃO
De acordo com os resultados das análises estatísticas
(Tabela 1), observou-se que tanto as concentrações (C) como
os tipos de biofertilizante (T) e a interação (CxT) entre os
dois fatores não exerceram influência positiva sobre a
produção de alface Elba: número de folhas por planta, peso
verde da folha por planta e peso verde da parte aérea por
planta, indicando que as concentrações de biofertilizante se
comportaram de maneira semelhante dentro dos tipos de
biofertilizante e vice-versa. Os coeficientes de variação
oscilram entre 12,60 e 23,49%, que segundo Pimentel-Gomes
(2009), são considerados medianos, em se tratando de
experimento em nível de campo.
Tabela 1: Resumo da análise de variância da produção dos
fatores envolvidos no experimento da cultura da alface Elba.
Catolé do Rocha, UEPB, 2012.
Fonte de Variação GL
QUADRADOS
MÉDIOS
NF
PV
F
PVPA
Concentração de Bio (C) 5
10,483N
S
4,170N
S 368,583NS
Tipos de Bio (T) 1 1,333 NS 0,520N
S
1160,333N
S
Interação (CxT) 5
15,983N
S
2,070N
S
3389,443N
S
Resíduo 36 2,277 3,020 2137,263
CV (%) - 12,60 18,83 23,49
OBS: NS (Não significativo pelo teste de Tukey), NF (número de
folhas por planta), PVF (peso verde da folha por planta), PVPA
(peso verde da parte aérea por planta), GL (grau de liberdade) e CV
(coeficiente de variação).
Avaliando o número de folhas por plantada alface
Elba (Figura 2), verificou-se que não ocorreu diferença
significativa entre as concentrações (C). Porém ocorreu um
comportamento crescente na medida em que se aumentaram
as concentrações de biofertilizantes,acarretando em um maior
número de folhas por planta de alface na maior dose aplicada
(C6= 50 m/Lplanta/vez), superando as demais concentrações
em 14,35%, 9,58%, 8,90%, 8,90%, e 0,52% respectivamente.
(A)
(B)
Figura 2. Variação do número de folhas por planta da alface
Elba, em função de concentrações (A) e tipos de
biofertilizante (B). Catolé do Rocha/PB, 2012.
A B
Thiago Pereira de Sousa, et al
Revista Verde (Pombal - PB - Brasil), v 9. , n. 4, p. 168 - 172, out-dez, 2014.
189,5
203,37 204,37
192,82
188,25
196,62
160
164
168
172
176
180
184
188
192
196
200
204
208
C1 C2 C3 C4 C5 C6
PesoVerdedaParteAérea/Planta
Concentrações de Biofertilizante
191,87
201,7
160
164
168
172
176
180
184
188
192
196
200
204
208
T1 T2
PesoVerdedaParteAérea/Planta
Tipos de Biofertilizante
9,37
10 10,12
8,5 8,87 8,5
0
2
4
6
8
10
12
14
C1 C2 C3 C4 C5 C6
PesoVerdedaFolha/Planta
Concentrações de Biofertilizante
9,12 9,33
0
2
4
6
8
10
12
14
T1 T2
PesoVerdedaFolha/Planta
Tipos de Biofertilizante
Resultado semelhante foi encontrado por Oliveira
(2007), que estudando a aplicação foliar de urina de vaca na
alface Regina 2000, verificou que o número de folhas por
planta não foi influenciado pelas concentrações, todavia,
ocorreu um aumento linear com o aumento das
concentrações, variando de 30,99 a 35,97 folhas/planta-1
.
Alencar et al (2012), avaliando intervalos de
aplicação de urina de vaca bovina na produção de alface Elba;
concluíram que o número de folhas por planta (NFP) foi
maior para os tratamentos com urina de vaca submetidos a
intervalos de aplicação de 05 e 15 dias.
De acordo com os resultados das análises estatística,
observa-se que as concentrações (C) não exerceram influência
significativa sobre o peso verde da folha por planta de alface
Elba, no entanto constata-se, que a concentração C3= 20 ml/L
planta/vez promoveu melhores resultados, superando as
demais concentrações em 8%, 1,2%, 19%, 14% e 19%
respectivamente, (Figura 3).
(A)
(B)
Figura 3. Efeito de diferentes concentrações (A) e tipos de
biofertilizante (B) no peso verde da folha em plantas da alface
Elba. Catolé do Rocha/PB, 2012.
Oliveiraet al (2010), estudando o efeito da urina de
vaca no estado nutricional da alface Elisa, não encontraram
significância estatística pelo teste de Tukey a 5% de
probabilidade. Entretanto, constatataram que as plantas que
receberam solução de urina de vaca via foliar apresentaram
maior peso verde de folha.
Avaliando o peso verde da parte aérea por planta,
verifica-se que as concentrações (C) não diferiram
estatisticamente. No entanto a concentração C3= 20 ml/L
planta/vez promoveu os melhores resultados na característica
estudada, superando as demais concentrações em 7,8%, 0,5%,
6%, 8,5% e 4% respectivamente, (Figura 4).
(A)
(B)
Figura 4. Variação do peso verde da parte aérea por planta da
alface Elba em função de concentrações (A) e tipos de
biofertilizante (B). Catolé do Rocha/PB, 2012.
Comportamento semelhante foi encontrado por
Almeida (2010), utilizando urina de vaca na produção
orgânica da alface, não constatou diferença significativa entre
os tratamentos, porem obteve um maior peso verde da parte
aérea à medida que se aumentou as dozes, com variação de
131 a 300 g/cabeça.
Oliveira et al (2010), avaliando o efeito da urina de
vaca no estado nutricional da alface, verificaram que as
plantas que receberam o tratamento com aplicação de urina de
vaca responderam positivamente aumentando a massa fresca
(MF) consideravelmente em relação à testemunha, chegando
a valores próximos ao do tratamento com adubação
convencional.
De acordo com as Figuras 2, 3 e 4 (B), observa-se
que as variáveis analisadas não sofreram significância
estatística quanto a aplicação de biofertilizante e urina de
vaca. Porém os tratamentos submetidos ao biofertilizante T2 =
urina de vaca, obtiveram um melhor desempenho em relação
aos tratamentos que receberam à aplicação do biofertilizante
T1 = à base de esterco bovino enriquecido com farinha de
rocha + leguminosa + cinza de madeira em todas as variáveis
respectivamente.
Tal comportamento pode ser explicado supostamente
pelo fato da urina bovina ser mais rica em substâncias
nutricionais do que o esterco bovino, tais como o ácido
Produção de alface (Lactuca sativa L.), em função de diferentes concentrações e tipos de biofertilizantes
Revista Verde (Pombal - PB - Brasil), v 9. , n. 4, p. 168 - 172, out-dez, 2014.
indolacético (AIA), um hormônio natural de crescimento que
propicia um maior e mais rápido desenvolvimento da planta;
além da mesma atuar como repelente e defensivo natural para
plantas, quando aplicada via foliar (ANDRADE, 2002).
CONCLUSÕES
As plantas de alface Elba submetida á concentração
C3= 20 ml/L planta/vez, na presença de urina de vaca (T2)
proporcionaram maiores taxas de desenvolvimento foliar
(número de folhas por planta, peso verde da folha por planta e
peso verde da parte aérea por planta).
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
ALENCAR, T. A.; TAVARES, A. T.; CHAVES, P. P. N.;
FERREIRA, T. A.; NASCIMENTO, I. R. Efeito de
intervalos de aplicação de urina bovina na produção de
alface em cultivo protegido. Revista Verde. Mossoró, v.7,
n.3, p. 53-67, 2012.
ALMEIDA, F. H. L. Utilizando urina de vaca e efluente da
piscicultura para produção orgânica do alface.
Monografia de graduação (curso bacharelado em
agronomia), Universidade Estadual de Montes Claro,
Janaúba, MG, 2010. 43f.
ANDRADE, A. G. Urina de vaca: alternativa eficiente e
barata. PESAGRO-RIO. Niterói, RJ. Documentos, n.96.
2ºed. 12p. 2002.
DELEITO, C. S. R. et al. Sucessão microbiana durante o
processo de fabricação do biofertilizanteAgrobio. In:
FERTBIO, 2000, Santa Maria. Anais... Santa Maria: Soc.
Bras. de Ciências do Solo e da Soc. Bras. de
Microbiologia, 2000. CD-ROM.
FERNANDES, A. A.; MARTINEZ, H. E. P.; PEREIRA, P.
R. G.; FONSECA, M. C. M. Produtividade, acúmulo de
nitrato e estado nutricional de cultivares de alface em
hidropônia, em função de fontes de nutrientes.
Horticultura Brasileira, Brasília, v. 20, n. 2, p. 195-200,
2002.
FERREIRA, P. V. Estatística Experimental Aplicada a
Agronomia. 3º ed. Maceió: Universidade Federal de
Alagoas: UFAL, 604p. 2000.
FILGUEIRA, F. A. R. Novo manual de olericultura:
agrotecnologia moderna na produção e comercialização de
hortaliças. 2ª ed., UFV, 2003.
GADELHA, R. S. S, Celestino RCA &Shimoya A. Efeito da
utilização de urina de vaca na produção da alface.
Pesquisa Agropecuária & Desenvolvimento
Sustentável, 1: p.179-182, 2003.
LOVATTO, P. B.; WATTHIER, M.; SCHIEDECK, G.;
SCHWENGBER, J. E. Efeito da urina de vaca como
biofertilizante líquido na produção orgânica de mudas de
couve (Brassicaoleraceavar. acephala). In: 51º
CONGRESSO BRASILEIRO DE OLERICULTURA,
2011, Viçosa. Anais... Horticultura. Brasileira, v.29, n.2,
2011. (Suplemento - CD ROM).
OLIVEIRA, N. L. C.; PUIATTI, M.; SANTOS, R. H. S.;
CECON, P. R.; BHERING, A. S. Efeito da urina de vaca
no estado nutricional da alface. Revista Ceres, Viçosa,
v.57, n.4, p.506-515, 2010.
OLIVEIRA, N. L. C. Utilização de urina de vaca na
produção orgânica de alface. Dissertação de mestrado
(programa de pós-graduação em fitotecnia), Universidade
Federal de Viçosa, Viçosa, MG, 2007. 88f.
PIMENTEL GOMES, F. Curso de estatística experimental.
Piracicaba: FEALQ, p. 541, 2009.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

abc23
abc23abc23
abc24
abc24abc24
Capim limão orgânico
Capim limão orgânicoCapim limão orgânico
Capim limão orgânico
Fabio Morais
 
Cultura sem solo morango
Cultura sem solo   morangoCultura sem solo   morango
Cultura sem solo morango
Armindo Rosa
 
Preparado homeopático de calcário de conchas no manejo de tripes em cebola.
Preparado homeopático de calcário de conchas no manejo de tripes em cebola.Preparado homeopático de calcário de conchas no manejo de tripes em cebola.
Preparado homeopático de calcário de conchas no manejo de tripes em cebola.
Paulo Antonio de Souza Gonçalves
 
Pragas graos armazenados
Pragas graos armazenadosPragas graos armazenados
Pragas graos armazenados
mvezzone
 
Utilização de substratos orgânicos na produção de pimentão, sob
Utilização de substratos orgânicos na produção de pimentão, sobUtilização de substratos orgânicos na produção de pimentão, sob
Utilização de substratos orgânicos na produção de pimentão, sob
Jose Carvalho
 
DIFERENTES SUBSTRATOS NA PRODUÇÃO DE MUDAS DE PIMENTÃO
DIFERENTES SUBSTRATOS NA PRODUÇÃO DE MUDAS DE PIMENTÃODIFERENTES SUBSTRATOS NA PRODUÇÃO DE MUDAS DE PIMENTÃO
DIFERENTES SUBSTRATOS NA PRODUÇÃO DE MUDAS DE PIMENTÃO
Ana Aguiar
 
Altas diluições de Natrum muriaticum e cálcio, e cloreto de sódio sobre o des...
Altas diluições de Natrum muriaticum e cálcio, e cloreto de sódio sobre o des...Altas diluições de Natrum muriaticum e cálcio, e cloreto de sódio sobre o des...
Altas diluições de Natrum muriaticum e cálcio, e cloreto de sódio sobre o des...
Paulo Antonio de Souza Gonçalves
 
Alface hidroponica
Alface hidroponicaAlface hidroponica
Alface hidroponica
claudiowolph
 
Efeito da adubação verde sobre o crescimento de kalanchoe pinnata (LAM.) PERS.
Efeito da adubação verde sobre o crescimento de kalanchoe pinnata (LAM.) PERS.Efeito da adubação verde sobre o crescimento de kalanchoe pinnata (LAM.) PERS.
Efeito da adubação verde sobre o crescimento de kalanchoe pinnata (LAM.) PERS.
Jose Carvalho
 
Germinação de Apuleia leiocarpa.
Germinação de Apuleia leiocarpa.Germinação de Apuleia leiocarpa.
Germinação de Apuleia leiocarpa.
Gracieli Henicka
 
Projeto - Produção de cebola
Projeto - Produção de cebolaProjeto - Produção de cebola
Projeto - Produção de cebola
Cleuzenir Da Silva Delorto
 
Altas diluições dinamizadas de ferro e fosfato natural na incidência de tripe...
Altas diluições dinamizadas de ferro e fosfato natural na incidência de tripe...Altas diluições dinamizadas de ferro e fosfato natural na incidência de tripe...
Altas diluições dinamizadas de ferro e fosfato natural na incidência de tripe...
Paulo Antonio de Souza Gonçalves
 
Calagem e Adubação da Cebola
Calagem e Adubação da CebolaCalagem e Adubação da Cebola
Calagem e Adubação da Cebola
Rural Pecuária
 
Artigo bioterra v21_n2_04
Artigo bioterra v21_n2_04Artigo bioterra v21_n2_04
Artigo bioterra v21_n2_04
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
25596903 o-uso-da-manipueira-como-adubo-foliar
25596903 o-uso-da-manipueira-como-adubo-foliar25596903 o-uso-da-manipueira-como-adubo-foliar
25596903 o-uso-da-manipueira-como-adubo-foliar
Andre Moraes Costa
 
Hidroponia coentro
Hidroponia coentroHidroponia coentro
Hidroponia coentro
pw8cf
 
Cartilha
CartilhaCartilha
Cartilha
Gabriel Volpi
 
INOCULAÇÃO
INOCULAÇÃOINOCULAÇÃO
INOCULAÇÃO
nayara moraes
 

Mais procurados (20)

abc23
abc23abc23
abc23
 
abc24
abc24abc24
abc24
 
Capim limão orgânico
Capim limão orgânicoCapim limão orgânico
Capim limão orgânico
 
Cultura sem solo morango
Cultura sem solo   morangoCultura sem solo   morango
Cultura sem solo morango
 
Preparado homeopático de calcário de conchas no manejo de tripes em cebola.
Preparado homeopático de calcário de conchas no manejo de tripes em cebola.Preparado homeopático de calcário de conchas no manejo de tripes em cebola.
Preparado homeopático de calcário de conchas no manejo de tripes em cebola.
 
Pragas graos armazenados
Pragas graos armazenadosPragas graos armazenados
Pragas graos armazenados
 
Utilização de substratos orgânicos na produção de pimentão, sob
Utilização de substratos orgânicos na produção de pimentão, sobUtilização de substratos orgânicos na produção de pimentão, sob
Utilização de substratos orgânicos na produção de pimentão, sob
 
DIFERENTES SUBSTRATOS NA PRODUÇÃO DE MUDAS DE PIMENTÃO
DIFERENTES SUBSTRATOS NA PRODUÇÃO DE MUDAS DE PIMENTÃODIFERENTES SUBSTRATOS NA PRODUÇÃO DE MUDAS DE PIMENTÃO
DIFERENTES SUBSTRATOS NA PRODUÇÃO DE MUDAS DE PIMENTÃO
 
Altas diluições de Natrum muriaticum e cálcio, e cloreto de sódio sobre o des...
Altas diluições de Natrum muriaticum e cálcio, e cloreto de sódio sobre o des...Altas diluições de Natrum muriaticum e cálcio, e cloreto de sódio sobre o des...
Altas diluições de Natrum muriaticum e cálcio, e cloreto de sódio sobre o des...
 
Alface hidroponica
Alface hidroponicaAlface hidroponica
Alface hidroponica
 
Efeito da adubação verde sobre o crescimento de kalanchoe pinnata (LAM.) PERS.
Efeito da adubação verde sobre o crescimento de kalanchoe pinnata (LAM.) PERS.Efeito da adubação verde sobre o crescimento de kalanchoe pinnata (LAM.) PERS.
Efeito da adubação verde sobre o crescimento de kalanchoe pinnata (LAM.) PERS.
 
Germinação de Apuleia leiocarpa.
Germinação de Apuleia leiocarpa.Germinação de Apuleia leiocarpa.
Germinação de Apuleia leiocarpa.
 
Projeto - Produção de cebola
Projeto - Produção de cebolaProjeto - Produção de cebola
Projeto - Produção de cebola
 
Altas diluições dinamizadas de ferro e fosfato natural na incidência de tripe...
Altas diluições dinamizadas de ferro e fosfato natural na incidência de tripe...Altas diluições dinamizadas de ferro e fosfato natural na incidência de tripe...
Altas diluições dinamizadas de ferro e fosfato natural na incidência de tripe...
 
Calagem e Adubação da Cebola
Calagem e Adubação da CebolaCalagem e Adubação da Cebola
Calagem e Adubação da Cebola
 
Artigo bioterra v21_n2_04
Artigo bioterra v21_n2_04Artigo bioterra v21_n2_04
Artigo bioterra v21_n2_04
 
25596903 o-uso-da-manipueira-como-adubo-foliar
25596903 o-uso-da-manipueira-como-adubo-foliar25596903 o-uso-da-manipueira-como-adubo-foliar
25596903 o-uso-da-manipueira-como-adubo-foliar
 
Hidroponia coentro
Hidroponia coentroHidroponia coentro
Hidroponia coentro
 
Cartilha
CartilhaCartilha
Cartilha
 
INOCULAÇÃO
INOCULAÇÃOINOCULAÇÃO
INOCULAÇÃO
 

Semelhante a Produção de alface (Lactuca sativa L.), em função de diferentes concentrações e tipos de biofertilizantes

Calculo da c n
Calculo da c nCalculo da c n
Calculo da c n
ClaireJuliana1
 
Artigo bioterra v19_n2_06
Artigo bioterra v19_n2_06Artigo bioterra v19_n2_06
Artigo bioterra v19_n2_06
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
Manual de procedimentos para herbários
Manual de procedimentos para herbáriosManual de procedimentos para herbários
Manual de procedimentos para herbários
Nyelson Da Silva Nonato
 
Itapua bromelias reginatto
Itapua bromelias reginattoItapua bromelias reginatto
Itapua bromelias reginatto
avisaassociacao
 
Seminário agricultura orgânica
Seminário agricultura orgânicaSeminário agricultura orgânica
Seminário agricultura orgânica
Michel Santos
 
contagem
contagemcontagem
Manejo de plantas de cobertura e adubação para abacaxizeiro orgânico
Manejo de plantas de cobertura e adubação para abacaxizeiro orgânicoManejo de plantas de cobertura e adubação para abacaxizeiro orgânico
Manejo de plantas de cobertura e adubação para abacaxizeiro orgânico
Mário Bittencourt
 
Manua Cultivo de Plantas Medicinais
Manua Cultivo de Plantas MedicinaisManua Cultivo de Plantas Medicinais
Manua Cultivo de Plantas Medicinais
mnmaill
 
Artigo bioterra v18_n2_08
Artigo bioterra v18_n2_08Artigo bioterra v18_n2_08
Artigo bioterra v18_n2_08
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
Itapua bromelias microbiologia_landell_dissertação
Itapua bromelias microbiologia_landell_dissertaçãoItapua bromelias microbiologia_landell_dissertação
Itapua bromelias microbiologia_landell_dissertação
avisaassociacao
 
Curso de Agricultura Orgânica 2013 - Jairo Restrepo Rivera
Curso de Agricultura Orgânica 2013 - Jairo Restrepo RiveraCurso de Agricultura Orgânica 2013 - Jairo Restrepo Rivera
Curso de Agricultura Orgânica 2013 - Jairo Restrepo Rivera
Dalva Sofia Schuch
 
01 defensivos alternativos
01 defensivos alternativos01 defensivos alternativos
01 defensivos alternativos
Andre Moraes Costa
 
Index seminum jbr
Index seminum jbrIndex seminum jbr
Index seminum jbr
JBR2015
 
Esempenho agronômico a campo de híbridos de milho inoculados com azospirillum
Esempenho agronômico a campo de híbridos de milho inoculados com azospirillumEsempenho agronômico a campo de híbridos de milho inoculados com azospirillum
Esempenho agronômico a campo de híbridos de milho inoculados com azospirillum
Leandro Almeida
 
Publication e-book
Publication e-bookPublication e-book
Publication e-book
CarlosHenrique1687
 
PROJETO DE PESQUISA DE MESTRADO
PROJETO DE PESQUISA DE MESTRADOPROJETO DE PESQUISA DE MESTRADO
1234 5109-1-pb (1)
1234 5109-1-pb (1)1234 5109-1-pb (1)
1234 5109-1-pb (1)
Lucas Ferreira
 
Index seminum jbr
Index seminum jbrIndex seminum jbr
Index seminum jbr
Projeto Golfinho Rotador
 
Cartilha agricultura ecologica
Cartilha agricultura ecologicaCartilha agricultura ecologica
Cartilha agricultura ecologica
João Siqueira da Mata
 
Cartilha agricultura ecologica
Cartilha agricultura ecologicaCartilha agricultura ecologica
Cartilha agricultura ecologica
Lenildo Araujo
 

Semelhante a Produção de alface (Lactuca sativa L.), em função de diferentes concentrações e tipos de biofertilizantes (20)

Calculo da c n
Calculo da c nCalculo da c n
Calculo da c n
 
Artigo bioterra v19_n2_06
Artigo bioterra v19_n2_06Artigo bioterra v19_n2_06
Artigo bioterra v19_n2_06
 
Manual de procedimentos para herbários
Manual de procedimentos para herbáriosManual de procedimentos para herbários
Manual de procedimentos para herbários
 
Itapua bromelias reginatto
Itapua bromelias reginattoItapua bromelias reginatto
Itapua bromelias reginatto
 
Seminário agricultura orgânica
Seminário agricultura orgânicaSeminário agricultura orgânica
Seminário agricultura orgânica
 
contagem
contagemcontagem
contagem
 
Manejo de plantas de cobertura e adubação para abacaxizeiro orgânico
Manejo de plantas de cobertura e adubação para abacaxizeiro orgânicoManejo de plantas de cobertura e adubação para abacaxizeiro orgânico
Manejo de plantas de cobertura e adubação para abacaxizeiro orgânico
 
Manua Cultivo de Plantas Medicinais
Manua Cultivo de Plantas MedicinaisManua Cultivo de Plantas Medicinais
Manua Cultivo de Plantas Medicinais
 
Artigo bioterra v18_n2_08
Artigo bioterra v18_n2_08Artigo bioterra v18_n2_08
Artigo bioterra v18_n2_08
 
Itapua bromelias microbiologia_landell_dissertação
Itapua bromelias microbiologia_landell_dissertaçãoItapua bromelias microbiologia_landell_dissertação
Itapua bromelias microbiologia_landell_dissertação
 
Curso de Agricultura Orgânica 2013 - Jairo Restrepo Rivera
Curso de Agricultura Orgânica 2013 - Jairo Restrepo RiveraCurso de Agricultura Orgânica 2013 - Jairo Restrepo Rivera
Curso de Agricultura Orgânica 2013 - Jairo Restrepo Rivera
 
01 defensivos alternativos
01 defensivos alternativos01 defensivos alternativos
01 defensivos alternativos
 
Index seminum jbr
Index seminum jbrIndex seminum jbr
Index seminum jbr
 
Esempenho agronômico a campo de híbridos de milho inoculados com azospirillum
Esempenho agronômico a campo de híbridos de milho inoculados com azospirillumEsempenho agronômico a campo de híbridos de milho inoculados com azospirillum
Esempenho agronômico a campo de híbridos de milho inoculados com azospirillum
 
Publication e-book
Publication e-bookPublication e-book
Publication e-book
 
PROJETO DE PESQUISA DE MESTRADO
PROJETO DE PESQUISA DE MESTRADOPROJETO DE PESQUISA DE MESTRADO
PROJETO DE PESQUISA DE MESTRADO
 
1234 5109-1-pb (1)
1234 5109-1-pb (1)1234 5109-1-pb (1)
1234 5109-1-pb (1)
 
Index seminum jbr
Index seminum jbrIndex seminum jbr
Index seminum jbr
 
Cartilha agricultura ecologica
Cartilha agricultura ecologicaCartilha agricultura ecologica
Cartilha agricultura ecologica
 
Cartilha agricultura ecologica
Cartilha agricultura ecologicaCartilha agricultura ecologica
Cartilha agricultura ecologica
 

Último

Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
edivirgesribeiro1
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AntonioVieira539017
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 

Último (20)

Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 

Produção de alface (Lactuca sativa L.), em função de diferentes concentrações e tipos de biofertilizantes

  • 1. Revista Verde (Pombal - PB - Brasil), v 9. , n. 4, p. 168 - 172, out-dez, 2014. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável http://www.gvaa.com.br/revista/index.php/RVADS ARTIGO CIENTÍFICO Produção de alface (Lactuca sativa L.), em função de diferentes concentrações e tipos de biofertilizantes Production oflettuce (Lactuca sativa L.), for function diferente concentrations andtypes of biofertilizers Thiago Pereira de Sousa1* , Eduardo Pereira de Sousa Neto2 , Luana Raposo de Sá Silveira3 ,Elias Francisco dos Santos Filho2 e Patricio Borges Maracajá4 . RESUMO - A alface (Lactuca sativa L.) originou-se de espécies silvestres, ainda atualmente encontradas em regiões de clima temperado, no sul da Europa e na Ásia Ocidental. Objetivou-se com este trabalho, estudar o efeito de diferentes concentrações de urina de vaca e biofertilizante aplicados via foliar na cultura da alface em condições edafoclimáticas do município de Catolé do Rocha-PB. O experimento foi conduzido em condições de campo na estação experimental agroecológica do Campus IV da UEPB. O delineamento experimental utilizado foi em blocos casualisados com 12 tratamentos, no esquema fatorial 6x2, com 4 repetições. Testou-se 06 concentrações de biofertilizante: (C1= 0,0; C2= 10; C3= 20; C4= 30; C5= 40 e C6= 50 m/L planta/vez, respectivamente) e a aplicação de biofertilizante (T1) e de urina de vaca (T2), na produção da alface. Utilizou-se sementes da cultivar Elba (grupo crespo) e avaliou-se: número de folhas (NF), peso verde da folha (PVF) e peso verde da parte aérea (PVPA). As concentrações de biofertilizante se comportaram de maneira semelhante dentro dos tipos de biofertilizante e vice- versa. As plantas de alface Elba submetidas á concentração C3= 20 ml/L planta/vez, na presença de urina de vaca (T2) proporcionaram maiores taxas de desenvolvimento foliar. Palavras-chave: Hortaliça folhosa, adubação orgânica, urina de vaca. ABSTRACT - Lettuce (Lactuca sativa L.) originated from wild species still found today in temperate regions in southern Europe and western Asia. The objective of this work was to study the effect of different concentrations of cow urine applied and foliar biofertilizer on lettuce in soil and climatic conditions of the city of Catolé do Rocha-PB. The experiment was conducted under field conditions in agro-ecological experimental station of the Campus IV UEPB. The experimental design was a randomized block design with 12 treatments in a factorial 6x2, with four repetitions. 06 was tested concentrations of biofertilizer: (C1 = 0.0, C2 = 10, C3 = 20, C4 = 30, C5 = C6 = 40 and 50 m / L plant / time, respectively) and the application of biofertilizer (T1 ) and cow urine (T2) in the production of lettuce. We used seeds of cultivar Elba (kinky group) and were evaluated: number of leaves (NL), green leaf weight (PVF) and fresh weight of shoots (PVPA). Concentrations of biofertilizers behaved similarly within the types of fertilizer and vice versa. The lettuce plants subjected to concentration Elba C3 = 20 ml / L plant / time in the presence of cow urine (T2) provided the highest rate of leaf development. Keywords: Leafy vegetable, organic manure, cow urine. _______________________ *Autor para correspondência Recebido em 17/08/2014 e aceito em 09/12/2014 1 Mestrando em Fitotecnia pela Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA), Mossoró-RN, Brasil, E-mail: tiagojd2009@hotmail.com 2 Graduando em Agronomia pela Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), Pombal-PB, Brasil, E-mail: gogaeduardo@hotmail.com 3 Graduanda em Ciências Agrárias pela Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), Catolé do Rocha-PB, Brasil, E-mail: luana.156@hotmail.com 4 Professor D. Sc. UFCG - Mestrado em Sistema Agroindustriais, UAGRA, Pombal-PB, Brasil, E-mail: patriciomaracaja@gmail.com
  • 2. Thiago Pereira de Sousa, et al Revista Verde (Pombal - PB - Brasil), v 9. , n. 4, p. 168 - 172, out-dez, 2014. INTRODUÇÃO A alface (Lactuca sativa L.) originou-se de espécies silvestres, ainda atualmente encontradas em regiões de clima temperado, no sul da Europa e na Ásia Ocidental (FILGUEIRA, 2003). É a hortaliça folhosa mais difundida atualmente, sendo cultivada em quase todos os países. Seu cultivo é feito de maneira intensiva e geralmente praticado pela agricultura familiar, responsável pela geração de cinco empregos diretos por hectare (ALENCAR et al, 2012). Pode ser considerada uma boa fonte de vitaminas e sais minerais, destacando-se seu elevado teor de vitamina A, além de conter vitaminas B1 e B2, vitaminas C, cálcio e ferro (FERNANDES et al, 2002). Um dos maiores desafios para a agricultura na atualidade é o de desenvolver sistemas agrícolas sustentáveis que possam produzir alimentos e fibras em quantidades e qualidades suficientes, sem afetar os recursos do solo e do ambiente. Em busca de um desenvolvimento agrícola sustentável, cada vez mais o agricultor familiar distancia-se dos insumos sintéticos e passa a fazer uso de insumos orgânicos, que tem demandado da pesquisa informações e indicadores de fertilidade, controle de pragas e doenças cada vez mais preciso (ALENCAR et al, 2012). Existem materiais com potencial para uso como os biofertilizantes, que figuram entre os principais insumos utilizados em sistemas agroecológicos, porém, a falta de testes e informações na busca de uma padronização limitam a sua exploração (LOVATTO et al, 2011). Segundo Lovattoet al (2011), a produção de biofertilizante é decorrente do processo de fermentação, ou seja, da atividade dos microorganismos na decomposição da matéria orgânica e complexação de nutrientes, o que pode ser obtido com a simples mistura de água e esterco fresco. A busca por insumos menos agressivos ao ambiente e que possibilitem o desenvolvimento de uma agricultura menos dependente de produtos industrializados, fez com que o uso de produtos alternativos como os biofertilizantes crescesse no Brasil (DELEITO et al, 2000). De acordo com Gadelha et al (2003), a urina de vaca pode ser considerada um subproduto da atividade pecuária, além de amplamente disponível em muitas propriedades rurais; por ser rica em elementos minerais, considera-se que esta forneça nutrientes e outras substâncias benéficas às plantas a custo reduzido; além disso, seu uso não causa risco à saúde de produtores e consumidores, estando praticamente pronta para uso, bastando apenas acrescentar água. Para Oliveira et al (2010), a urina de vaca é um biofertilizante rico em nutrientes, principalmente N e K, e pode ser usada como adubo e defensivo natural na agricultura, podendo ser capaz de proporcionar rendimentos satisfatórios nas hortaliças. Neste sentido, objetivou-se com este trabalho, estudar o efeito de diferentes concentrações de urina de vaca e biofertilizante aplicados via foliar na cultura da alface em condições edafoclimáticas do município de Catolé do Rocha- PB. MATERIAL E MÉTODOS O experimento foi conduzido em condições de campo, na estação experimental agroecológica do Centro de Ciências Humanas e Agrárias (CCHA), Campus IV da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), Sítio Cajueiro, zona rural do município de Catolé do Rocha-PB; situada a 6º 20’38” de latitude S e 37º 44’48” de longitude W, a uma e uma altitude de 275 metros acima do nível do mar. O clima do município de acordo com a classificação de Koppen é do tipo BSWH, ou seja, seco e muito quente do tipo estepe, com estação chuvosa no verão e com temperatura do mês mais frio superior a 18ºC. O delineamento experimental utilizado foi em blocos casualisados com 12 tratamentos, no esquema fatorial 6x2, com 4 repetições, totalizando 48 unidades experimentais (canteiros). Testou-se 06 concentrações de biofertilizante: (C1= 0,0; C2= 10; C3= 20; C4= 30; C5= 40 e C6= 50 m/L planta/vez, respectivamente) aplicado via foliar. Foi estudado o efeito da aplicação de biofertilizante (T1) à base de (esterco bovino enriquecido com farinha de rocha + leguminosa + cinza de madeira) e da urina de vaca em período de lactação (T2), na produção da alface. Para plantio utilizou-se sementes da cultivar Elba (grupo crespo), inicialmente foram preparadas as mudas em bandejas de isopor com 200 células, preenchidas com substrato composto da mistura de húmus de minhoca e solo, na proporção 1:1; foram colocadas de 3 a 4 (três a quatro) sementes por célula. Aos dezenove dias após a germinação foi realizado o transplantio das mudas para os canteiros definitivos com dimensões de 1m x 1m (1m²), dispostos no sentido norte-sul, previamente adubados com esterco bovino, na proporção de 5 Kg/Canteiro 10 (dez) dias antes do recebimento das mudas, os quais receberam 9 (nove) mudas num espaçamento de 0,3x0,3 m entre plantas. O sistema de irrigação adotado foi o localizado por micro-aspersão, com vazão média de 50 Lh- ¹; utilizou-se mangueiras de 16,0mm e as irrigações foram realizadas diariamente em dois horários (manhã e tarde) com água proveniente de um poço amazonas localizado nas proximidades do experimento. O controle das plantas invasoras foi realizado manualmente a cada 8 (oito) dias com o auxilio de enxadas. A colheita foi realizada 65 dias após o plantio, quando as plantas apresentavam o máximo desenvolvimento vegetativo, com cabeças comerciais bem formadas, como podem ser observados na (Figura 1).
  • 3. Produção de alface (Lactuca sativa L.), em função de diferentes concentrações e tipos de biofertilizantes Revista Verde (Pombal - PB - Brasil), v 9. , n. 4, p. 168 - 172, out-dez, 2014. 20 20,87 21 21 22,75 22,87 0 4 8 12 16 20 24 28 32 C1 C2 C3 C4 C5 C6 NúmerodeFolhas/Planta Concentrações de Biofertilizante 21,25 21,58 0 4 8 12 16 20 24 28 32 T1 T2 NúmerodeFolhas/Planta Tipos de Biofertilizante (A) Figura 1. Vista geral da área experimental (A) e vista da colheita das plantas da alface (B), realizada 65 dias após o plantio. Catolé do Rocha/PB, 2012. As variáveis analisadas foram: número de folhas (NF), peso verde da folha (PVF) e peso verde da parte aérea (PVPA). Os dados foram analizados e interpretados apartir das análises de variância (teste F) e pelo confronto de médias do texte de Tukey, para o fator qualitativo (biofertilizante e urina de vaca), já para o fator quantitativo (concentrações) foi realizada análise de regressão, ambas com auxilio do programa computacional estatistico SISVAR versão 5.0 (FERREIRA, 2000). RESULTADOS E DISCUSSÃO De acordo com os resultados das análises estatísticas (Tabela 1), observou-se que tanto as concentrações (C) como os tipos de biofertilizante (T) e a interação (CxT) entre os dois fatores não exerceram influência positiva sobre a produção de alface Elba: número de folhas por planta, peso verde da folha por planta e peso verde da parte aérea por planta, indicando que as concentrações de biofertilizante se comportaram de maneira semelhante dentro dos tipos de biofertilizante e vice-versa. Os coeficientes de variação oscilram entre 12,60 e 23,49%, que segundo Pimentel-Gomes (2009), são considerados medianos, em se tratando de experimento em nível de campo. Tabela 1: Resumo da análise de variância da produção dos fatores envolvidos no experimento da cultura da alface Elba. Catolé do Rocha, UEPB, 2012. Fonte de Variação GL QUADRADOS MÉDIOS NF PV F PVPA Concentração de Bio (C) 5 10,483N S 4,170N S 368,583NS Tipos de Bio (T) 1 1,333 NS 0,520N S 1160,333N S Interação (CxT) 5 15,983N S 2,070N S 3389,443N S Resíduo 36 2,277 3,020 2137,263 CV (%) - 12,60 18,83 23,49 OBS: NS (Não significativo pelo teste de Tukey), NF (número de folhas por planta), PVF (peso verde da folha por planta), PVPA (peso verde da parte aérea por planta), GL (grau de liberdade) e CV (coeficiente de variação). Avaliando o número de folhas por plantada alface Elba (Figura 2), verificou-se que não ocorreu diferença significativa entre as concentrações (C). Porém ocorreu um comportamento crescente na medida em que se aumentaram as concentrações de biofertilizantes,acarretando em um maior número de folhas por planta de alface na maior dose aplicada (C6= 50 m/Lplanta/vez), superando as demais concentrações em 14,35%, 9,58%, 8,90%, 8,90%, e 0,52% respectivamente. (A) (B) Figura 2. Variação do número de folhas por planta da alface Elba, em função de concentrações (A) e tipos de biofertilizante (B). Catolé do Rocha/PB, 2012. A B
  • 4. Thiago Pereira de Sousa, et al Revista Verde (Pombal - PB - Brasil), v 9. , n. 4, p. 168 - 172, out-dez, 2014. 189,5 203,37 204,37 192,82 188,25 196,62 160 164 168 172 176 180 184 188 192 196 200 204 208 C1 C2 C3 C4 C5 C6 PesoVerdedaParteAérea/Planta Concentrações de Biofertilizante 191,87 201,7 160 164 168 172 176 180 184 188 192 196 200 204 208 T1 T2 PesoVerdedaParteAérea/Planta Tipos de Biofertilizante 9,37 10 10,12 8,5 8,87 8,5 0 2 4 6 8 10 12 14 C1 C2 C3 C4 C5 C6 PesoVerdedaFolha/Planta Concentrações de Biofertilizante 9,12 9,33 0 2 4 6 8 10 12 14 T1 T2 PesoVerdedaFolha/Planta Tipos de Biofertilizante Resultado semelhante foi encontrado por Oliveira (2007), que estudando a aplicação foliar de urina de vaca na alface Regina 2000, verificou que o número de folhas por planta não foi influenciado pelas concentrações, todavia, ocorreu um aumento linear com o aumento das concentrações, variando de 30,99 a 35,97 folhas/planta-1 . Alencar et al (2012), avaliando intervalos de aplicação de urina de vaca bovina na produção de alface Elba; concluíram que o número de folhas por planta (NFP) foi maior para os tratamentos com urina de vaca submetidos a intervalos de aplicação de 05 e 15 dias. De acordo com os resultados das análises estatística, observa-se que as concentrações (C) não exerceram influência significativa sobre o peso verde da folha por planta de alface Elba, no entanto constata-se, que a concentração C3= 20 ml/L planta/vez promoveu melhores resultados, superando as demais concentrações em 8%, 1,2%, 19%, 14% e 19% respectivamente, (Figura 3). (A) (B) Figura 3. Efeito de diferentes concentrações (A) e tipos de biofertilizante (B) no peso verde da folha em plantas da alface Elba. Catolé do Rocha/PB, 2012. Oliveiraet al (2010), estudando o efeito da urina de vaca no estado nutricional da alface Elisa, não encontraram significância estatística pelo teste de Tukey a 5% de probabilidade. Entretanto, constatataram que as plantas que receberam solução de urina de vaca via foliar apresentaram maior peso verde de folha. Avaliando o peso verde da parte aérea por planta, verifica-se que as concentrações (C) não diferiram estatisticamente. No entanto a concentração C3= 20 ml/L planta/vez promoveu os melhores resultados na característica estudada, superando as demais concentrações em 7,8%, 0,5%, 6%, 8,5% e 4% respectivamente, (Figura 4). (A) (B) Figura 4. Variação do peso verde da parte aérea por planta da alface Elba em função de concentrações (A) e tipos de biofertilizante (B). Catolé do Rocha/PB, 2012. Comportamento semelhante foi encontrado por Almeida (2010), utilizando urina de vaca na produção orgânica da alface, não constatou diferença significativa entre os tratamentos, porem obteve um maior peso verde da parte aérea à medida que se aumentou as dozes, com variação de 131 a 300 g/cabeça. Oliveira et al (2010), avaliando o efeito da urina de vaca no estado nutricional da alface, verificaram que as plantas que receberam o tratamento com aplicação de urina de vaca responderam positivamente aumentando a massa fresca (MF) consideravelmente em relação à testemunha, chegando a valores próximos ao do tratamento com adubação convencional. De acordo com as Figuras 2, 3 e 4 (B), observa-se que as variáveis analisadas não sofreram significância estatística quanto a aplicação de biofertilizante e urina de vaca. Porém os tratamentos submetidos ao biofertilizante T2 = urina de vaca, obtiveram um melhor desempenho em relação aos tratamentos que receberam à aplicação do biofertilizante T1 = à base de esterco bovino enriquecido com farinha de rocha + leguminosa + cinza de madeira em todas as variáveis respectivamente. Tal comportamento pode ser explicado supostamente pelo fato da urina bovina ser mais rica em substâncias nutricionais do que o esterco bovino, tais como o ácido
  • 5. Produção de alface (Lactuca sativa L.), em função de diferentes concentrações e tipos de biofertilizantes Revista Verde (Pombal - PB - Brasil), v 9. , n. 4, p. 168 - 172, out-dez, 2014. indolacético (AIA), um hormônio natural de crescimento que propicia um maior e mais rápido desenvolvimento da planta; além da mesma atuar como repelente e defensivo natural para plantas, quando aplicada via foliar (ANDRADE, 2002). CONCLUSÕES As plantas de alface Elba submetida á concentração C3= 20 ml/L planta/vez, na presença de urina de vaca (T2) proporcionaram maiores taxas de desenvolvimento foliar (número de folhas por planta, peso verde da folha por planta e peso verde da parte aérea por planta). REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ALENCAR, T. A.; TAVARES, A. T.; CHAVES, P. P. N.; FERREIRA, T. A.; NASCIMENTO, I. R. Efeito de intervalos de aplicação de urina bovina na produção de alface em cultivo protegido. Revista Verde. Mossoró, v.7, n.3, p. 53-67, 2012. ALMEIDA, F. H. L. Utilizando urina de vaca e efluente da piscicultura para produção orgânica do alface. Monografia de graduação (curso bacharelado em agronomia), Universidade Estadual de Montes Claro, Janaúba, MG, 2010. 43f. ANDRADE, A. G. Urina de vaca: alternativa eficiente e barata. PESAGRO-RIO. Niterói, RJ. Documentos, n.96. 2ºed. 12p. 2002. DELEITO, C. S. R. et al. Sucessão microbiana durante o processo de fabricação do biofertilizanteAgrobio. In: FERTBIO, 2000, Santa Maria. Anais... Santa Maria: Soc. Bras. de Ciências do Solo e da Soc. Bras. de Microbiologia, 2000. CD-ROM. FERNANDES, A. A.; MARTINEZ, H. E. P.; PEREIRA, P. R. G.; FONSECA, M. C. M. Produtividade, acúmulo de nitrato e estado nutricional de cultivares de alface em hidropônia, em função de fontes de nutrientes. Horticultura Brasileira, Brasília, v. 20, n. 2, p. 195-200, 2002. FERREIRA, P. V. Estatística Experimental Aplicada a Agronomia. 3º ed. Maceió: Universidade Federal de Alagoas: UFAL, 604p. 2000. FILGUEIRA, F. A. R. Novo manual de olericultura: agrotecnologia moderna na produção e comercialização de hortaliças. 2ª ed., UFV, 2003. GADELHA, R. S. S, Celestino RCA &Shimoya A. Efeito da utilização de urina de vaca na produção da alface. Pesquisa Agropecuária & Desenvolvimento Sustentável, 1: p.179-182, 2003. LOVATTO, P. B.; WATTHIER, M.; SCHIEDECK, G.; SCHWENGBER, J. E. Efeito da urina de vaca como biofertilizante líquido na produção orgânica de mudas de couve (Brassicaoleraceavar. acephala). In: 51º CONGRESSO BRASILEIRO DE OLERICULTURA, 2011, Viçosa. Anais... Horticultura. Brasileira, v.29, n.2, 2011. (Suplemento - CD ROM). OLIVEIRA, N. L. C.; PUIATTI, M.; SANTOS, R. H. S.; CECON, P. R.; BHERING, A. S. Efeito da urina de vaca no estado nutricional da alface. Revista Ceres, Viçosa, v.57, n.4, p.506-515, 2010. OLIVEIRA, N. L. C. Utilização de urina de vaca na produção orgânica de alface. Dissertação de mestrado (programa de pós-graduação em fitotecnia), Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, MG, 2007. 88f. PIMENTEL GOMES, F. Curso de estatística experimental. Piracicaba: FEALQ, p. 541, 2009.