SlideShare uma empresa Scribd logo
Alexandra
Carvalho
George
Jéssica
Moreira
Nara Leão
Mário
Oliveira
Rosa Viana
Coleta
Transporte
Recebimento
Processamento
Microscopia
Culturas
Relato e Análises dos
Resultados
Interações com
Epidemiologistas
Manutenção de
Amostras e Registros
SIDRIM & ROCHA, 2004
SIDRIM & ROCHA, 2004
Uso de antifúngicos
Amostras encaminhadas
Suspensão
Ficha padrão
Unhas
Pelos , Cabelos, barba e bigode
Líquidos corpóreos ou lavados
Órgãos
Pele e mucosas
4
SIDRIM & ROCHA, 2004
ZAIZ et al., 2010; ANVISA, 2004; VERMELHO et al., 2006
Assepsia
Lâmina dermatológica/bisturi
sem fio de corte
Jarbas Porto
Debridação da lesão
ZAIZ et al., 2010
Região de alopécia
Auxílio pinça flambada
Lâmpada de Wood
Antibioticoterapia prévia
ZAIZ et al., 2010
Tesouras, limas, alicates de unhas e curetas
dermatológicas
Região de progressão e
confluência
Swabs ou pipeta Pasteur
Região mais adentro da matriz
ungueal
ZAIZ et al., 2010
Swab
Exame direto e cultura
Solução salina
Refrigerar
Boca
Ânus
Vagina
Biópsia ou raspagem
Coletar as escamas
Curetagem ou biópsia
4 swabs
SIDRIM & ROCHA, 2004
Conjuntiva
Córnea
Tecidos e Órgãos
Raspagem ou debridação
Duas regiões bem demarcadas
Solução salina
Temperatura ambiente por até 24
horas
Punção lombar
3-5ml em tubo estéril
Temperatura
ambiente
LCR
Sangue
Assepsia
Anticoagulante
MINAMI, 2003
20-30ml do jato intermediário
Frasco estéril
Punção suprapúbica
Urina
Máximo de 2 horas para análise
Fezes
Swab retal
Máximo 2 horas
Cary-Blair
MINAMI, 2003
MINAMI, 2003
Punção
Antissepsia
Refrigeração
Pus e líquidos
patológicos
Amostra expectorada
naturalmente
Saneamento bucal
Frascos estéreis
Escarro
AspiradosProcessamento
MINAMI, 2003
Consistência
Coloração
Odor
Aspectos macroscópicos
Características da amostra analisada
Aspectos microscópicos
Detecção e Identificação dos Fungos de Importância Médica. Agência de Vigilância Sanitária. Módulo VII. 2004
Exame microscópico e cultura
Pelos, cabelos, escamas de unha
e pele
Centrifugação
Líquor, secreções e fluídos
corporais
Semeado por esgotamento
Urina
Digestão com enzima
Exame microscópico e cultura
Escarro
Fragmentação → coloração/cultura
Tecidos
Centrifugação e cultura
Sangue
Princípios do diagnóstico laboratorial das micoses
Pelos, pele, unha, escarro,
exsudatos espessos e
outros materiais densos
É um reativo que clarifica e digere o material clínico
Fonte: MEDRANO, D. J. A. Perfil de sensibilidade de cepas de Coccidioides posadasii a associação de drogas antimicrobianas. Universidade
Federal do Ceará - Programa de Pós-graduação em Ciências Medicas (Tese). Fortaleza, 2010. 156 p.
Coccidioides sp.
Lactofenol Fluido de montagem
Azul de algodão Corante
Fonte: MEDRANO, Delia Jéssica Asteta. Perfil de sensibilidade de cepas de Coccidioides posadasii a associação de drogas antimicrobianas.
FORTALEZA. 2010. (Tese) Doutorado em Microbiologia Médica- Universidade Federal do Ceará. 2010.
Líquor, urina, secreções ou exsudatos
Fungos capsulados
Erro frequente:
confundir linfócitos
com células de
leveduras
Nanquim preto
Criptococccus
Criptococoma.Fonte: <http://anatpat.unicamp.br/nptcripto1c.html#esfregnanquim>.
Gram +
Discrimina elementos fúngicos de artefatos existentes em
urina, secreções e fezes
Exceção
Aspergillus flavus Cryptococcus neoformans
SIDRIM &ROCHA, 2004
Histoplasma capsulatum
Medula óssea, sangue, aspirados e secreção cutânea
O calcoflúor white (CFW) é um agente clareador – celulose e quitina
Utilizado em combinação com o KOH
DANIELLE L. H.; MARYAM Gerami-Nejad; CASSANDRA Kistler-Anderson; CHERYL A. Gale. Hyphal Guidance and Invasive Growth
in Candida albicans Require the Ras-Like GTPase Rsr1p and Its GTPase-Activating Protein Bud2p. American Society for Microbiology. 2005
Candida albicans
Tinha nigra. Disponível em:<http://anatpat.unicamp.br/lampele2a.html>.
Avaliação dos padrões de reações teciduais
Cora o tecido – ressalta a morfologia fúngica
Cromoblastomicose - Phialophora
Aspergilose. Fonte: http://anatpat.unicamp.br/biinflaspergilose1c.html
Impregnação pela prata Cortes de tecido e esfregaço
Aspergilus
Fungos que contêm cápsula
mucopolissacarídica
Diferencia o Cryptococcus de
outros fungos similares em
tamanho e forma
Núcleos – azul
Mucinas - róseo para vermelho
Outros elementos – amarelo
Criptococoma. Fonte: <http://anatpat.unicamp.br/nptcripto1b.html#muci>.
Glicogênio, mucinas neutras,
membranas basais e evidenciar a
maior parte de fungos e
parasitas em tecidos
Produz artefatos facilmente
confundíveis com Histoplasma e
Eporothrix
Glicogênio, mucina, membrana
basal, fungos - vermelho
Núcleos - azul
C. neoformans
FONTE: http://www.ijpmonline.org/viewimage.asp?img=IndianJPatholMicrobiol_2011_54_1_216_77417_u5.jpg
Evidencia a parede celular
fúngica por reagir com pigmentos
de melanina, bem como grânulos
argentafins
Núcleos – rosa
Grânulos argentafins – preto
C. neoformans
Pelos, unhas, escamas de pele Exame microscópico + KOH
Líquor
Exame microscópio + tinta
nanquim, coloração de gram,
coloração de Giemsa ou panótica
Fluidos oculares
Exame microscópico com KOH ou
com coloração de gram
Sangue ,medula óssea
ZAITS
1-Exame microscópico + KOH, 2 - Exame microscópio + tinta nanquim, 3 -Exame microscópio com coloração
de gram, 4 - Exame microscópico com coloração de Giemsa ou panótica
Detecção e Identificação dos Fungos de Importância Médica. Agência de Vigilância Sanitária. Módulo VII. 2004
Aspectos micro e
macromorfológicos
Isolamento
Manutenção
Estocagem
Enriquecimento
Estruturas de
ornamentação e
frutificação
Cor verso/reverso
Para a cultura e isolamento primário de fungos, é necessário a
utilização de dois meios de cultura
A seleção do tipo de meio é feita de acordo com a experiência
clínica do analista + dados clínicos repassados pela equipe médica
Amostra semeada na superfície dos meios de cultura
Inoculação – alça de níquel-cromo ou pipeta Pasteur
O material não deve ser colocado em profundidade no ágar
Temperatura de incubação para todas as amostras
Secreção respiratória
Líquor
Urina
Fluidos corporais
Swabs
Pele, pelos e escamas
Tecidos
Sangue
Fluidificação, centrifugação -
sedimento
Centrifugação - sedimento
Centrifugação - sedimento
Centrifugação - sedimento
Centrifugação - sedimento
Nenhum
Fragmentação-maceração-
imprint
Semeadura - esfregaço
Pus, secreções de abscesso Nenhum
Aspergillus glaucus
Cultivo primário de
fungos
Dextrose Peptona
Leveduras
Infusão de coração,
cérebro, peptona,
sais, glicose, sangue
e clorofenicol
Sporothrix schenckii
Isolamento de fungos patogênicos,
não-patogênicos e dermatófitos
Blastomyces dermatitidis
Histoplasma capsulatum
Gênero Microsporum
Estruturas de frutificação
M. Audoinii → Microsporum
Diferencia
Produção de clamidosporos
M. canis
Meio enriquecido
Estruturas de frutificação e ornamentaçãoMel de abelhas
Farinha de trigo
Solução de leite
M. canis
Estruturas de frutificação e ornamentação
Microcultivo
Candida albicans
Meio enriquecido
Seletivo
Antibióticos
Fungos inibidos clorofenicol:
Cryptococcus neomorfans,
Trichosporon beigelli, espécie de
Candida e Aspergillus
Cloranfenicol
Cicloeximida
Farinha de soja + glicose
Microsporum canis
Pigmento avermelhado
Estruturas de frutificação
Trichophyton rubrum – demais
espécies
Diferencia
Fubá de milho
dextrose
Trichophyton
Diferenciar
T. mentagrophytes T. rubrum
Hidrólise da ureia + Hidrólise da ureia -
Leveduras dos filos Ascomicotina e Basidiomicotina
Peptona, Glicose, NaCl,
Fosfato de potássio,
monobásico, Fenol
vermelho, ureia
Promove o crescimento de fungos lipofílicos
Malassezia furfur
ASD
Antibióticos
Óleo de oliva
Bili de boi
Malassezia sp
Identificação e diferenciação
Candida de interesse médico
Peptona
Mistura
cromogênica
Cloranfenicol
Princípios do diagnóstico laboratorial das micoses
Cultivo em lâmina
estudar aspectos microscópicos
característicos
Micélio vegetativo e micélio
reprodutivo ou de frutificação
SIDRIM & ROCHA, 2004
Tamanho
Bordas
Textura
Relevo
Pigmentação
SIDRIM & ROCHA, 2004
Hifa
Conidióforo
Conídeos
Clamidosporos
Outras características
Coccidioidis sp.
Algodonosa, branca ou
acinzentada, reverso creme -
amarronzado ao envelhecer
Hifa hialina, septado com artroconídios e
de parede celular espessa
Trichophyton verrucosum
Glabrosa a velutosa, relevo
rugoso, branco-amarelo ocre.
Presença de cadeias formadas por
clamidoconídios grandes.
Epidermophyton floccosum
Algodonosas, com relevo
umbilicado, pulverulenta
Macroconídeos em cacho
Paracoccidiodes brasiliensis
Endurecida,franjas nas bordas, de
centro elevado, irregular e com a
superfície de cor branca
Célula com múltiplos brotamentos
Trichophyton mentagrophytes T. rubrum
Não perfuraPerfura o pelo radialmente
T. mentagrophytes
T. rubrum
Meio vermelho
Demonstração de elementos
fúngicos em tecido
Diagnóstico de micoses
subcutâneas e sistêmicas
Auxílio diagnóstico
Tinea capitis
Pitiríase versicolor
Eritrasma
Corynebacterium minutissimum Fluorescência vermelho-coral.
Trichophyton T1
Ácido casamínico (sem vitaminas), Fosfato
monopotássico, Sulfato de magnésio,
Dextrose
T2 T1+inositol Requerimento vitamínico
T6
T3
T4
T5
T7
T1+inositol+tiamida
T1+tiamida
T1+ácido nicotínico
T. verrucosum
T. tonsuras de T. violaceum
T. equinum
Nitrato de amônio, Fosfato
monopotássico, Sulfato de
magnésio, Dextrose
Requerimento vitamínico
Trichophyton - T. megninni de T.
rubrum
T6 + sol. de histidina
Meios sem inoculação
SIDRIM & ROCHA, 2004
SIDRIM & ROCHA, 2004
SIDRIM & ROCHA, 2004
Alçada de colônia isolada
Suspensão em 5 ml de
soro ou plasma
Incubar a 37°C
Por 3h
Depositar uma gota da suspensão
sobre lâmina e cobrir com lamínula
Examinar ao microscópio
óptico A presença de tubo germinativo
Álcoois, proteínas e aminoácidos
– fontes de nitrogênio - meio
isento de nitrogênio
Levedura irá assimilar e crescer
em volta de determinadas
fontes
Pelo halo de turvação resultante
do crescimento
Princípios do diagnóstico laboratorial das micoses
Maior sensibilidade
Reações sorológicas
Reações sorológicas
Epidemiologia e monitorização – Diagnóstico?
Eficiência relacionada à: sensibilidade, especificidade e
reprodutibilidade
Antígenos – extratos brutos – conferem maior positividade
– reatividade cruzada – componentes antigênicos comuns
glicoproteína de 43 kDa- Ag imunodominante
Positivo para 1/32
Princípios do diagnóstico laboratorial das micoses
elevada sensibilidade e
especificidade variável
Boa correlação com a clínica
Reatividade cruzada –
histoplasmose, candidíase e
doença de Jorge Lobo
Identificação de fungos a nível de espécie
Diagnóstico precoce de infecções fúngicas invasivas
Especificidade e sensibilidade, rapidez
Princípios do diagnóstico laboratorial das micoses
 Detecção e Identificação dos Fungos de Importância Médica.
Agência de Vigilância Sanitária. Módulo VII. 2004
 SIDRIM, J. L. C.; ROCHA, M. F. O. Micologia Médica à luz de
autores contemporâneos. 2ª. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan,
2004
 ZAITZ, C.; MARQUES, S. A., RUIZ, L. R. B.; FRAMIL, V. M. de
S. Compendio de Micologia Médica. 2ª ed. Guanabara Koogan. 2010
 LACAZ

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Exame quimico da urina
Exame quimico da urinaExame quimico da urina
Exame quimico da urina
Arley Melo
 
Criptococose patogenicidade
Criptococose   patogenicidadeCriptococose   patogenicidade
Criptococose patogenicidade
UFPI - Universidade Federal do Piauí
 
urinalise
urinaliseurinalise
urinalise
Rosimeire Areias
 
Enterobactérias
EnterobactériasEnterobactérias
Enterobactérias
Renata Carvalho
 
Atlas de urinalise
Atlas de urinaliseAtlas de urinalise
Atlas de urinalise
Euripedes Barbosa
 
Urinálise 2013
Urinálise 2013Urinálise 2013
Urinálise 2013
Euripedes Barbosa
 
Aula Microbiologia Bactérias
Aula Microbiologia BactériasAula Microbiologia Bactérias
Aula Microbiologia Bactérias
Tiago da Silva
 
Aula 11 fungos
Aula   11 fungosAula   11 fungos
Aula 11 fungos
Gildo Crispim
 
Morfologia bacteriana
Morfologia bacterianaMorfologia bacteriana
Morfologia bacteriana
Barbara Oliveira
 
Meios De Cultura E ColoraçãO
Meios De Cultura E ColoraçãOMeios De Cultura E ColoraçãO
Meios De Cultura E ColoraçãO
lidypvh
 
53292193 aula-de-meios-de-cultura
53292193 aula-de-meios-de-cultura53292193 aula-de-meios-de-cultura
53292193 aula-de-meios-de-cultura
Maria Jaqueline Mesquita
 
ICSA17 - Resposta Imune a infecções PDF
ICSA17 - Resposta Imune a infecções PDFICSA17 - Resposta Imune a infecções PDF
ICSA17 - Resposta Imune a infecções PDF
Ricardo Portela
 
Meio de cultura em microorganismos
Meio de cultura em microorganismosMeio de cultura em microorganismos
Meio de cultura em microorganismos
UERGS
 
Aula de Microbiologia Clínica Sobre Micologia Microbiologia
Aula de Microbiologia Clínica Sobre Micologia MicrobiologiaAula de Microbiologia Clínica Sobre Micologia Microbiologia
Aula de Microbiologia Clínica Sobre Micologia Microbiologia
Jaqueline Almeida
 
Polissacarídeos da parede celular fúngica
Polissacarídeos da parede celular fúngicaPolissacarídeos da parede celular fúngica
Polissacarídeos da parede celular fúngica
Viviane Porto
 
Urocultura E Coprocultura
Urocultura E CoproculturaUrocultura E Coprocultura
Urocultura E Coprocultura
lidypvh
 
Citologia de líquidos biológicos
Citologia de líquidos biológicosCitologia de líquidos biológicos
Citologia de líquidos biológicos
Universidade de Brasília
 
Aula 8
Aula 8 Aula 8
Micologia 1°Parte
Micologia 1°ParteMicologia 1°Parte
Micologia 1°Parte
Safia Naser
 
Hemograma em idosos (pacientes geriátricos)
Hemograma em idosos (pacientes geriátricos)Hemograma em idosos (pacientes geriátricos)
Hemograma em idosos (pacientes geriátricos)
João Marcos
 

Mais procurados (20)

Exame quimico da urina
Exame quimico da urinaExame quimico da urina
Exame quimico da urina
 
Criptococose patogenicidade
Criptococose   patogenicidadeCriptococose   patogenicidade
Criptococose patogenicidade
 
urinalise
urinaliseurinalise
urinalise
 
Enterobactérias
EnterobactériasEnterobactérias
Enterobactérias
 
Atlas de urinalise
Atlas de urinaliseAtlas de urinalise
Atlas de urinalise
 
Urinálise 2013
Urinálise 2013Urinálise 2013
Urinálise 2013
 
Aula Microbiologia Bactérias
Aula Microbiologia BactériasAula Microbiologia Bactérias
Aula Microbiologia Bactérias
 
Aula 11 fungos
Aula   11 fungosAula   11 fungos
Aula 11 fungos
 
Morfologia bacteriana
Morfologia bacterianaMorfologia bacteriana
Morfologia bacteriana
 
Meios De Cultura E ColoraçãO
Meios De Cultura E ColoraçãOMeios De Cultura E ColoraçãO
Meios De Cultura E ColoraçãO
 
53292193 aula-de-meios-de-cultura
53292193 aula-de-meios-de-cultura53292193 aula-de-meios-de-cultura
53292193 aula-de-meios-de-cultura
 
ICSA17 - Resposta Imune a infecções PDF
ICSA17 - Resposta Imune a infecções PDFICSA17 - Resposta Imune a infecções PDF
ICSA17 - Resposta Imune a infecções PDF
 
Meio de cultura em microorganismos
Meio de cultura em microorganismosMeio de cultura em microorganismos
Meio de cultura em microorganismos
 
Aula de Microbiologia Clínica Sobre Micologia Microbiologia
Aula de Microbiologia Clínica Sobre Micologia MicrobiologiaAula de Microbiologia Clínica Sobre Micologia Microbiologia
Aula de Microbiologia Clínica Sobre Micologia Microbiologia
 
Polissacarídeos da parede celular fúngica
Polissacarídeos da parede celular fúngicaPolissacarídeos da parede celular fúngica
Polissacarídeos da parede celular fúngica
 
Urocultura E Coprocultura
Urocultura E CoproculturaUrocultura E Coprocultura
Urocultura E Coprocultura
 
Citologia de líquidos biológicos
Citologia de líquidos biológicosCitologia de líquidos biológicos
Citologia de líquidos biológicos
 
Aula 8
Aula 8 Aula 8
Aula 8
 
Micologia 1°Parte
Micologia 1°ParteMicologia 1°Parte
Micologia 1°Parte
 
Hemograma em idosos (pacientes geriátricos)
Hemograma em idosos (pacientes geriátricos)Hemograma em idosos (pacientes geriátricos)
Hemograma em idosos (pacientes geriátricos)
 

Destaque

Candidíase 1.1
Candidíase 1.1Candidíase 1.1
Candidíase 1.1
Stephani Coelho
 
Candidíase
CandidíaseCandidíase
Candidíase
Ana Noronha
 
Doenças Do Sistema Respiratório Inferior - www.veterinariodeaves.blogspot.com
Doenças Do Sistema Respiratório Inferior - www.veterinariodeaves.blogspot.comDoenças Do Sistema Respiratório Inferior - www.veterinariodeaves.blogspot.com
Doenças Do Sistema Respiratório Inferior - www.veterinariodeaves.blogspot.com
Antonio Silva
 
Luís vitorino
Luís vitorinoLuís vitorino
Luís vitorino
profspief2
 
Apostila micologia
Apostila micologiaApostila micologia
Apostila micologia
Bia' Almeida
 
Candidíase
CandidíaseCandidíase
Trabalho pronto
Trabalho prontoTrabalho pronto
Trabalho pronto
2° Ta - cotuca
 
Candidíase
CandidíaseCandidíase
Candidíase
Tomás Chagas
 
Lesão bucal
Lesão bucalLesão bucal
Lesão bucal
morilhas
 
Programa Nacional de Seguridade Aviaria - PNSA
Programa Nacional de Seguridade Aviaria - PNSAPrograma Nacional de Seguridade Aviaria - PNSA
Programa Nacional de Seguridade Aviaria - PNSA
Gislaine Serino
 
Candidíase
CandidíaseCandidíase
Candidíase
9aGrupo7
 
Doencas emergentes e reemergentes 2008-novo
Doencas emergentes e reemergentes 2008-novoDoencas emergentes e reemergentes 2008-novo
Doencas emergentes e reemergentes 2008-novo
bhbiohorrores
 
Bactérias e Vírus
Bactérias e VírusBactérias e Vírus
Bactérias e Vírus
Isabel Lopes
 

Destaque (13)

Candidíase 1.1
Candidíase 1.1Candidíase 1.1
Candidíase 1.1
 
Candidíase
CandidíaseCandidíase
Candidíase
 
Doenças Do Sistema Respiratório Inferior - www.veterinariodeaves.blogspot.com
Doenças Do Sistema Respiratório Inferior - www.veterinariodeaves.blogspot.comDoenças Do Sistema Respiratório Inferior - www.veterinariodeaves.blogspot.com
Doenças Do Sistema Respiratório Inferior - www.veterinariodeaves.blogspot.com
 
Luís vitorino
Luís vitorinoLuís vitorino
Luís vitorino
 
Apostila micologia
Apostila micologiaApostila micologia
Apostila micologia
 
Candidíase
CandidíaseCandidíase
Candidíase
 
Trabalho pronto
Trabalho prontoTrabalho pronto
Trabalho pronto
 
Candidíase
CandidíaseCandidíase
Candidíase
 
Lesão bucal
Lesão bucalLesão bucal
Lesão bucal
 
Programa Nacional de Seguridade Aviaria - PNSA
Programa Nacional de Seguridade Aviaria - PNSAPrograma Nacional de Seguridade Aviaria - PNSA
Programa Nacional de Seguridade Aviaria - PNSA
 
Candidíase
CandidíaseCandidíase
Candidíase
 
Doencas emergentes e reemergentes 2008-novo
Doencas emergentes e reemergentes 2008-novoDoencas emergentes e reemergentes 2008-novo
Doencas emergentes e reemergentes 2008-novo
 
Bactérias e Vírus
Bactérias e VírusBactérias e Vírus
Bactérias e Vírus
 

Semelhante a Princípios do diagnóstico laboratorial das micoses

Caso Clínico Veterinário: Poliencefalomalácia em Bovino
Caso Clínico Veterinário: Poliencefalomalácia em BovinoCaso Clínico Veterinário: Poliencefalomalácia em Bovino
Caso Clínico Veterinário: Poliencefalomalácia em Bovino
Natália Borges
 
Isolamento ambiental, identificação bioquímica e drogas antifúngicas suscetí...
Isolamento ambiental, identificação bioquímica e drogas antifúngicas suscetí...Isolamento ambiental, identificação bioquímica e drogas antifúngicas suscetí...
Isolamento ambiental, identificação bioquímica e drogas antifúngicas suscetí...
mauriciocoelhomicrobio
 
ISC V - ITPAC PORTO
ISC V - ITPAC PORTOISC V - ITPAC PORTO
ISC V - ITPAC PORTO
ITPAC PORTO
 
Procariontes e eucariontes
Procariontes e eucariontesProcariontes e eucariontes
Procariontes e eucariontes
Rodrigo
 
Fito2 aula - cana [modo de compatibilidade]
Fito2   aula - cana [modo de compatibilidade]Fito2   aula - cana [modo de compatibilidade]
Fito2 aula - cana [modo de compatibilidade]
hauster
 
Aula de coccídios
Aula de coccídiosAula de coccídios
Aula de coccídios
danillosouza2010
 
Aula Prática - Células eucariontes e procariontes e coloracao de gram (1).pptx
Aula Prática - Células eucariontes e procariontes e coloracao de gram (1).pptxAula Prática - Células eucariontes e procariontes e coloracao de gram (1).pptx
Aula Prática - Células eucariontes e procariontes e coloracao de gram (1).pptx
SimoneRamos55
 
Aula 2 métodos de estudo da célula
Aula 2   métodos de estudo da célulaAula 2   métodos de estudo da célula
Aula 2 métodos de estudo da célula
Lytelton Felix
 
Criação de bezerras de leite
Criação de bezerras de leiteCriação de bezerras de leite
Criação de bezerras de leite
Marília Gomes
 
microbiologia e parasitologia voltada para a enfermagem
microbiologia e parasitologia voltada para a enfermagemmicrobiologia e parasitologia voltada para a enfermagem
microbiologia e parasitologia voltada para a enfermagem
ssuser5cab6e
 
Camundongos
Camundongos Camundongos
Camundongos
Adila Trubat
 
Marcadores Moleculares para Características Físicas
Marcadores Moleculares para Características FísicasMarcadores Moleculares para Características Físicas
Marcadores Moleculares para Características Físicas
Rinaldo Pereira
 
Monografia
MonografiaMonografia
Monografia
marcio akio OOTANI
 
Biologia 2 2
Biologia 2 2Biologia 2 2
Biologia 2 2
Thiago Dutra
 
Memorex Biologia 2.2
Memorex Biologia 2.2Memorex Biologia 2.2
Memorex Biologia 2.2
Alice MLK
 
Seminário de Microbiologia - Candidíase
Seminário de Microbiologia - CandidíaseSeminário de Microbiologia - Candidíase
Seminário de Microbiologia - Candidíase
Carla Bernardo Chagas
 
Métodos de estudo em histologia
Métodos de estudo em histologiaMétodos de estudo em histologia
Métodos de estudo em histologia
Caio Maximino
 
Conceitos Basicos de Microgiologia
Conceitos Basicos de MicrogiologiaConceitos Basicos de Microgiologia
Conceitos Basicos de Microgiologia
Ivson Cassiano
 
Nematoides_2012.pdf
Nematoides_2012.pdfNematoides_2012.pdf
Nematoides_2012.pdf
KAYKFF1
 
Aulademicrobiologia ppt-131220065223-phpapp02
Aulademicrobiologia ppt-131220065223-phpapp02Aulademicrobiologia ppt-131220065223-phpapp02
Aulademicrobiologia ppt-131220065223-phpapp02
Glaucione Garcia
 

Semelhante a Princípios do diagnóstico laboratorial das micoses (20)

Caso Clínico Veterinário: Poliencefalomalácia em Bovino
Caso Clínico Veterinário: Poliencefalomalácia em BovinoCaso Clínico Veterinário: Poliencefalomalácia em Bovino
Caso Clínico Veterinário: Poliencefalomalácia em Bovino
 
Isolamento ambiental, identificação bioquímica e drogas antifúngicas suscetí...
Isolamento ambiental, identificação bioquímica e drogas antifúngicas suscetí...Isolamento ambiental, identificação bioquímica e drogas antifúngicas suscetí...
Isolamento ambiental, identificação bioquímica e drogas antifúngicas suscetí...
 
ISC V - ITPAC PORTO
ISC V - ITPAC PORTOISC V - ITPAC PORTO
ISC V - ITPAC PORTO
 
Procariontes e eucariontes
Procariontes e eucariontesProcariontes e eucariontes
Procariontes e eucariontes
 
Fito2 aula - cana [modo de compatibilidade]
Fito2   aula - cana [modo de compatibilidade]Fito2   aula - cana [modo de compatibilidade]
Fito2 aula - cana [modo de compatibilidade]
 
Aula de coccídios
Aula de coccídiosAula de coccídios
Aula de coccídios
 
Aula Prática - Células eucariontes e procariontes e coloracao de gram (1).pptx
Aula Prática - Células eucariontes e procariontes e coloracao de gram (1).pptxAula Prática - Células eucariontes e procariontes e coloracao de gram (1).pptx
Aula Prática - Células eucariontes e procariontes e coloracao de gram (1).pptx
 
Aula 2 métodos de estudo da célula
Aula 2   métodos de estudo da célulaAula 2   métodos de estudo da célula
Aula 2 métodos de estudo da célula
 
Criação de bezerras de leite
Criação de bezerras de leiteCriação de bezerras de leite
Criação de bezerras de leite
 
microbiologia e parasitologia voltada para a enfermagem
microbiologia e parasitologia voltada para a enfermagemmicrobiologia e parasitologia voltada para a enfermagem
microbiologia e parasitologia voltada para a enfermagem
 
Camundongos
Camundongos Camundongos
Camundongos
 
Marcadores Moleculares para Características Físicas
Marcadores Moleculares para Características FísicasMarcadores Moleculares para Características Físicas
Marcadores Moleculares para Características Físicas
 
Monografia
MonografiaMonografia
Monografia
 
Biologia 2 2
Biologia 2 2Biologia 2 2
Biologia 2 2
 
Memorex Biologia 2.2
Memorex Biologia 2.2Memorex Biologia 2.2
Memorex Biologia 2.2
 
Seminário de Microbiologia - Candidíase
Seminário de Microbiologia - CandidíaseSeminário de Microbiologia - Candidíase
Seminário de Microbiologia - Candidíase
 
Métodos de estudo em histologia
Métodos de estudo em histologiaMétodos de estudo em histologia
Métodos de estudo em histologia
 
Conceitos Basicos de Microgiologia
Conceitos Basicos de MicrogiologiaConceitos Basicos de Microgiologia
Conceitos Basicos de Microgiologia
 
Nematoides_2012.pdf
Nematoides_2012.pdfNematoides_2012.pdf
Nematoides_2012.pdf
 
Aulademicrobiologia ppt-131220065223-phpapp02
Aulademicrobiologia ppt-131220065223-phpapp02Aulademicrobiologia ppt-131220065223-phpapp02
Aulademicrobiologia ppt-131220065223-phpapp02
 

Mais de Universidade de Brasília

Biomedicina
BiomedicinaBiomedicina
Controle acidobásico - Fisiologia renal
Controle acidobásico - Fisiologia renalControle acidobásico - Fisiologia renal
Controle acidobásico - Fisiologia renal
Universidade de Brasília
 
Plano de negócio
Plano de negócioPlano de negócio
Plano de negócio
Universidade de Brasília
 
Parainfluênza e Vírus Respiratório Sincicial
Parainfluênza e Vírus Respiratório SincicialParainfluênza e Vírus Respiratório Sincicial
Parainfluênza e Vírus Respiratório Sincicial
Universidade de Brasília
 
Exames realizados na área de Genética Médica
Exames realizados na área de Genética MédicaExames realizados na área de Genética Médica
Exames realizados na área de Genética Médica
Universidade de Brasília
 
Bacteriologia seminário Treponema e Leptospira
Bacteriologia   seminário Treponema e LeptospiraBacteriologia   seminário Treponema e Leptospira
Bacteriologia seminário Treponema e Leptospira
Universidade de Brasília
 
Hipóxia, anóxia, radicais livres - Patologia
Hipóxia, anóxia, radicais livres - PatologiaHipóxia, anóxia, radicais livres - Patologia
Hipóxia, anóxia, radicais livres - Patologia
Universidade de Brasília
 
Bioética - Transfusão sanguínea e transplantes de órgãos
Bioética - Transfusão sanguínea e transplantes de órgãos Bioética - Transfusão sanguínea e transplantes de órgãos
Bioética - Transfusão sanguínea e transplantes de órgãos
Universidade de Brasília
 
Automação em imunoensaios Parâmetros e controle da qualidade de imunoensaios
Automação em imunoensaios  Parâmetros e controle da qualidade de imunoensaios Automação em imunoensaios  Parâmetros e controle da qualidade de imunoensaios
Automação em imunoensaios Parâmetros e controle da qualidade de imunoensaios
Universidade de Brasília
 
Genética humana e médica
Genética humana e médicaGenética humana e médica
Genética humana e médica
Universidade de Brasília
 

Mais de Universidade de Brasília (10)

Biomedicina
BiomedicinaBiomedicina
Biomedicina
 
Controle acidobásico - Fisiologia renal
Controle acidobásico - Fisiologia renalControle acidobásico - Fisiologia renal
Controle acidobásico - Fisiologia renal
 
Plano de negócio
Plano de negócioPlano de negócio
Plano de negócio
 
Parainfluênza e Vírus Respiratório Sincicial
Parainfluênza e Vírus Respiratório SincicialParainfluênza e Vírus Respiratório Sincicial
Parainfluênza e Vírus Respiratório Sincicial
 
Exames realizados na área de Genética Médica
Exames realizados na área de Genética MédicaExames realizados na área de Genética Médica
Exames realizados na área de Genética Médica
 
Bacteriologia seminário Treponema e Leptospira
Bacteriologia   seminário Treponema e LeptospiraBacteriologia   seminário Treponema e Leptospira
Bacteriologia seminário Treponema e Leptospira
 
Hipóxia, anóxia, radicais livres - Patologia
Hipóxia, anóxia, radicais livres - PatologiaHipóxia, anóxia, radicais livres - Patologia
Hipóxia, anóxia, radicais livres - Patologia
 
Bioética - Transfusão sanguínea e transplantes de órgãos
Bioética - Transfusão sanguínea e transplantes de órgãos Bioética - Transfusão sanguínea e transplantes de órgãos
Bioética - Transfusão sanguínea e transplantes de órgãos
 
Automação em imunoensaios Parâmetros e controle da qualidade de imunoensaios
Automação em imunoensaios  Parâmetros e controle da qualidade de imunoensaios Automação em imunoensaios  Parâmetros e controle da qualidade de imunoensaios
Automação em imunoensaios Parâmetros e controle da qualidade de imunoensaios
 
Genética humana e médica
Genética humana e médicaGenética humana e médica
Genética humana e médica
 

Princípios do diagnóstico laboratorial das micoses

  • 2. Coleta Transporte Recebimento Processamento Microscopia Culturas Relato e Análises dos Resultados Interações com Epidemiologistas Manutenção de Amostras e Registros SIDRIM & ROCHA, 2004
  • 3. SIDRIM & ROCHA, 2004 Uso de antifúngicos Amostras encaminhadas Suspensão Ficha padrão
  • 4. Unhas Pelos , Cabelos, barba e bigode Líquidos corpóreos ou lavados Órgãos Pele e mucosas 4 SIDRIM & ROCHA, 2004
  • 5. ZAIZ et al., 2010; ANVISA, 2004; VERMELHO et al., 2006 Assepsia Lâmina dermatológica/bisturi sem fio de corte Jarbas Porto Debridação da lesão
  • 6. ZAIZ et al., 2010 Região de alopécia Auxílio pinça flambada Lâmpada de Wood Antibioticoterapia prévia
  • 7. ZAIZ et al., 2010 Tesouras, limas, alicates de unhas e curetas dermatológicas Região de progressão e confluência Swabs ou pipeta Pasteur Região mais adentro da matriz ungueal
  • 8. ZAIZ et al., 2010 Swab Exame direto e cultura Solução salina Refrigerar Boca Ânus Vagina Biópsia ou raspagem Coletar as escamas Curetagem ou biópsia 4 swabs
  • 9. SIDRIM & ROCHA, 2004 Conjuntiva Córnea Tecidos e Órgãos Raspagem ou debridação Duas regiões bem demarcadas Solução salina Temperatura ambiente por até 24 horas
  • 10. Punção lombar 3-5ml em tubo estéril Temperatura ambiente LCR Sangue Assepsia Anticoagulante MINAMI, 2003
  • 11. 20-30ml do jato intermediário Frasco estéril Punção suprapúbica Urina Máximo de 2 horas para análise Fezes Swab retal Máximo 2 horas Cary-Blair MINAMI, 2003
  • 12. MINAMI, 2003 Punção Antissepsia Refrigeração Pus e líquidos patológicos Amostra expectorada naturalmente Saneamento bucal Frascos estéreis Escarro AspiradosProcessamento
  • 14. Detecção e Identificação dos Fungos de Importância Médica. Agência de Vigilância Sanitária. Módulo VII. 2004 Exame microscópico e cultura Pelos, cabelos, escamas de unha e pele Centrifugação Líquor, secreções e fluídos corporais Semeado por esgotamento Urina
  • 15. Digestão com enzima Exame microscópico e cultura Escarro Fragmentação → coloração/cultura Tecidos Centrifugação e cultura Sangue
  • 17. Pelos, pele, unha, escarro, exsudatos espessos e outros materiais densos É um reativo que clarifica e digere o material clínico Fonte: MEDRANO, D. J. A. Perfil de sensibilidade de cepas de Coccidioides posadasii a associação de drogas antimicrobianas. Universidade Federal do Ceará - Programa de Pós-graduação em Ciências Medicas (Tese). Fortaleza, 2010. 156 p. Coccidioides sp.
  • 18. Lactofenol Fluido de montagem Azul de algodão Corante Fonte: MEDRANO, Delia Jéssica Asteta. Perfil de sensibilidade de cepas de Coccidioides posadasii a associação de drogas antimicrobianas. FORTALEZA. 2010. (Tese) Doutorado em Microbiologia Médica- Universidade Federal do Ceará. 2010.
  • 19. Líquor, urina, secreções ou exsudatos Fungos capsulados Erro frequente: confundir linfócitos com células de leveduras Nanquim preto Criptococccus Criptococoma.Fonte: <http://anatpat.unicamp.br/nptcripto1c.html#esfregnanquim>.
  • 20. Gram + Discrimina elementos fúngicos de artefatos existentes em urina, secreções e fezes Exceção Aspergillus flavus Cryptococcus neoformans SIDRIM &ROCHA, 2004
  • 21. Histoplasma capsulatum Medula óssea, sangue, aspirados e secreção cutânea
  • 22. O calcoflúor white (CFW) é um agente clareador – celulose e quitina Utilizado em combinação com o KOH DANIELLE L. H.; MARYAM Gerami-Nejad; CASSANDRA Kistler-Anderson; CHERYL A. Gale. Hyphal Guidance and Invasive Growth in Candida albicans Require the Ras-Like GTPase Rsr1p and Its GTPase-Activating Protein Bud2p. American Society for Microbiology. 2005 Candida albicans
  • 23. Tinha nigra. Disponível em:<http://anatpat.unicamp.br/lampele2a.html>. Avaliação dos padrões de reações teciduais Cora o tecido – ressalta a morfologia fúngica Cromoblastomicose - Phialophora
  • 25. Fungos que contêm cápsula mucopolissacarídica Diferencia o Cryptococcus de outros fungos similares em tamanho e forma Núcleos – azul Mucinas - róseo para vermelho Outros elementos – amarelo Criptococoma. Fonte: <http://anatpat.unicamp.br/nptcripto1b.html#muci>.
  • 26. Glicogênio, mucinas neutras, membranas basais e evidenciar a maior parte de fungos e parasitas em tecidos Produz artefatos facilmente confundíveis com Histoplasma e Eporothrix Glicogênio, mucina, membrana basal, fungos - vermelho Núcleos - azul C. neoformans
  • 27. FONTE: http://www.ijpmonline.org/viewimage.asp?img=IndianJPatholMicrobiol_2011_54_1_216_77417_u5.jpg Evidencia a parede celular fúngica por reagir com pigmentos de melanina, bem como grânulos argentafins Núcleos – rosa Grânulos argentafins – preto C. neoformans
  • 28. Pelos, unhas, escamas de pele Exame microscópico + KOH Líquor Exame microscópio + tinta nanquim, coloração de gram, coloração de Giemsa ou panótica Fluidos oculares Exame microscópico com KOH ou com coloração de gram Sangue ,medula óssea ZAITS
  • 29. 1-Exame microscópico + KOH, 2 - Exame microscópio + tinta nanquim, 3 -Exame microscópio com coloração de gram, 4 - Exame microscópico com coloração de Giemsa ou panótica Detecção e Identificação dos Fungos de Importância Médica. Agência de Vigilância Sanitária. Módulo VII. 2004
  • 31. Para a cultura e isolamento primário de fungos, é necessário a utilização de dois meios de cultura A seleção do tipo de meio é feita de acordo com a experiência clínica do analista + dados clínicos repassados pela equipe médica
  • 32. Amostra semeada na superfície dos meios de cultura Inoculação – alça de níquel-cromo ou pipeta Pasteur O material não deve ser colocado em profundidade no ágar Temperatura de incubação para todas as amostras
  • 33. Secreção respiratória Líquor Urina Fluidos corporais Swabs Pele, pelos e escamas Tecidos Sangue Fluidificação, centrifugação - sedimento Centrifugação - sedimento Centrifugação - sedimento Centrifugação - sedimento Centrifugação - sedimento Nenhum Fragmentação-maceração- imprint Semeadura - esfregaço Pus, secreções de abscesso Nenhum
  • 34. Aspergillus glaucus Cultivo primário de fungos Dextrose Peptona Leveduras
  • 35. Infusão de coração, cérebro, peptona, sais, glicose, sangue e clorofenicol Sporothrix schenckii Isolamento de fungos patogênicos, não-patogênicos e dermatófitos Blastomyces dermatitidis Histoplasma capsulatum
  • 36. Gênero Microsporum Estruturas de frutificação M. Audoinii → Microsporum Diferencia Produção de clamidosporos M. canis
  • 37. Meio enriquecido Estruturas de frutificação e ornamentaçãoMel de abelhas Farinha de trigo Solução de leite M. canis
  • 38. Estruturas de frutificação e ornamentação Microcultivo Candida albicans Meio enriquecido
  • 39. Seletivo Antibióticos Fungos inibidos clorofenicol: Cryptococcus neomorfans, Trichosporon beigelli, espécie de Candida e Aspergillus Cloranfenicol Cicloeximida Farinha de soja + glicose Microsporum canis
  • 40. Pigmento avermelhado Estruturas de frutificação Trichophyton rubrum – demais espécies Diferencia Fubá de milho dextrose
  • 41. Trichophyton Diferenciar T. mentagrophytes T. rubrum Hidrólise da ureia + Hidrólise da ureia - Leveduras dos filos Ascomicotina e Basidiomicotina Peptona, Glicose, NaCl, Fosfato de potássio, monobásico, Fenol vermelho, ureia
  • 42. Promove o crescimento de fungos lipofílicos Malassezia furfur ASD Antibióticos Óleo de oliva Bili de boi Malassezia sp
  • 43. Identificação e diferenciação Candida de interesse médico Peptona Mistura cromogênica Cloranfenicol
  • 45. Cultivo em lâmina estudar aspectos microscópicos característicos Micélio vegetativo e micélio reprodutivo ou de frutificação
  • 46. SIDRIM & ROCHA, 2004 Tamanho Bordas Textura Relevo Pigmentação
  • 47. SIDRIM & ROCHA, 2004 Hifa Conidióforo Conídeos Clamidosporos Outras características
  • 48. Coccidioidis sp. Algodonosa, branca ou acinzentada, reverso creme - amarronzado ao envelhecer Hifa hialina, septado com artroconídios e de parede celular espessa
  • 49. Trichophyton verrucosum Glabrosa a velutosa, relevo rugoso, branco-amarelo ocre. Presença de cadeias formadas por clamidoconídios grandes.
  • 50. Epidermophyton floccosum Algodonosas, com relevo umbilicado, pulverulenta Macroconídeos em cacho
  • 51. Paracoccidiodes brasiliensis Endurecida,franjas nas bordas, de centro elevado, irregular e com a superfície de cor branca Célula com múltiplos brotamentos
  • 52. Trichophyton mentagrophytes T. rubrum Não perfuraPerfura o pelo radialmente
  • 54. Demonstração de elementos fúngicos em tecido Diagnóstico de micoses subcutâneas e sistêmicas
  • 55. Auxílio diagnóstico Tinea capitis Pitiríase versicolor Eritrasma Corynebacterium minutissimum Fluorescência vermelho-coral.
  • 56. Trichophyton T1 Ácido casamínico (sem vitaminas), Fosfato monopotássico, Sulfato de magnésio, Dextrose T2 T1+inositol Requerimento vitamínico T6 T3 T4 T5 T7 T1+inositol+tiamida T1+tiamida T1+ácido nicotínico T. verrucosum T. tonsuras de T. violaceum T. equinum Nitrato de amônio, Fosfato monopotássico, Sulfato de magnésio, Dextrose Requerimento vitamínico Trichophyton - T. megninni de T. rubrum T6 + sol. de histidina
  • 60. SIDRIM & ROCHA, 2004 Alçada de colônia isolada Suspensão em 5 ml de soro ou plasma Incubar a 37°C Por 3h Depositar uma gota da suspensão sobre lâmina e cobrir com lamínula Examinar ao microscópio óptico A presença de tubo germinativo
  • 61. Álcoois, proteínas e aminoácidos – fontes de nitrogênio - meio isento de nitrogênio Levedura irá assimilar e crescer em volta de determinadas fontes Pelo halo de turvação resultante do crescimento
  • 63. Maior sensibilidade Reações sorológicas Reações sorológicas Epidemiologia e monitorização – Diagnóstico? Eficiência relacionada à: sensibilidade, especificidade e reprodutibilidade Antígenos – extratos brutos – conferem maior positividade – reatividade cruzada – componentes antigênicos comuns
  • 64. glicoproteína de 43 kDa- Ag imunodominante Positivo para 1/32
  • 66. elevada sensibilidade e especificidade variável Boa correlação com a clínica Reatividade cruzada – histoplasmose, candidíase e doença de Jorge Lobo
  • 67. Identificação de fungos a nível de espécie Diagnóstico precoce de infecções fúngicas invasivas Especificidade e sensibilidade, rapidez
  • 69.  Detecção e Identificação dos Fungos de Importância Médica. Agência de Vigilância Sanitária. Módulo VII. 2004  SIDRIM, J. L. C.; ROCHA, M. F. O. Micologia Médica à luz de autores contemporâneos. 2ª. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2004  ZAITZ, C.; MARQUES, S. A., RUIZ, L. R. B.; FRAMIL, V. M. de S. Compendio de Micologia Médica. 2ª ed. Guanabara Koogan. 2010  LACAZ

Notas do Editor

  1. Mudar imagens
  2. COLOCAR UMA IMAGEM
  3. Procurar imagem de micose ocular
  4. Procurar imagem de micose ocular
  5. Procurar imagem de micose ocular
  6. Mudar imagens
  7. FAZER UM ESQUEMA!!!
  8. Compêndio de micologia médica
  9. O lactofenol azul de algodão é composto de lactofenol, que atua como fluido de montagem, e de azul de algodão, um corante. Os organismos suspensos no fluido de montagem são rapidamente mortos pela presença do fenol que age como citotóxico, precipitando proteínas celulares e inativando sistemas enzimáticos essenciais. O ácido lático preserva as estruturas fúngicas. A visualização e preservação de fungos através deste sistema são excelentes, uma vez que não ocorre plasmólise (retração do volume das células por perda de água) ao matar os organismos. O azul de algodão é incorporado à fórmula como corante diferencial para quitina e celulose, elementos da parede celular dos fungos.
  10. Nanquim preto. Estes preparados examinados sem coloração adicional destacam os fungos contra o fundo negro dado pela tinta Nanquim, variando a altura do condensador e a abertura do diafragma, é possível visualizar detalhes da estrutura interna dos fungos, melhor que com qualquer dos métodos precedentes.
  11. Cryptococcus neoformans – leveduras encapsuladas com brotamentos e de tamanho variável, mostrando um padrão puntiformes devido à retenção irregular da coloração. Aspergillus – esta amostra não retém a coloração do violeta cristal e cora-se com Gram negativa
  12. CORA AS CÉLULAS EVIDENCIANDO O FUNGO FAGOCITADO.
  13. LÂMINHA – TINHA NIGRA - Paciente masculino, 37 anos, branco, transplantado renal há 2 meses. Apresenta lesões eritêmato-descamativas difusas na pele.  Tinha (do latim tinea).  São um grupo de micoses superficiais, limitadas às camadas queratinizadas ou semiqueratinizadas da pele (epiderme, pelos e unhas).  Os fungos (dermatófitos) utilizam a queratina como alimento.  Os principais gêneros são: Microsporum, Tricophyton e Epidermophyton.  As tinhas são denominadas conforme a área acometida: tinha do couro cabeludo, da barba, do pé e da mão, tinha corporal,  crural (períneo, regiões glúteas e parede abdominal), e das unhas (onicomicose). A epiderme está recoberta por hiperortoceratose lamelar. De permeio ao estrato córneo, e nos infundíbulos foliculares, notam-se estruturas fúngicas, na forma de hifas e esporos.
  14. A técnica de Grocott é simples, feita em cortes de parafina, e permite demonstração dos fungos com grande elegância.  Baseia-se numa oxidação inicial dos cortes em ácido crômico, seguida pela impregnação na solução de metenamina prata na estufa a 60ºC. É fundamental o acompanhamento da reação sob microscópio já após os primeiros 10 minutos, para interromper no ponto ótimo. Isto é feito colocando a lâmina em tiossulfato de sódio.  Impregnação excessiva leva ao escurecimento de outras estruturas, principalmente fibras colágenas, e o preparado perde em especificidade e qualidade.  Resultado - fundos marrom a negro, tecido claro. Pode-se recorrer a contracoloração com hematoxilina (não realizada no material demonstrado abaixo) para visualização do tecido. IMAGEM - Fungos invadindo vasos.  Os fungos do gênero Aspergillus exibem grande predileção por vasos. Com  facilidade, invadem paredes vasculares, causando vasculite necrosante e trombose, o que promove as lesões vistas na macroscopia:  estas podem ser  isquêmicas e/ou hemorrágicas, com predomínio de abscessos.
  15. A reação histoquímica do ácido periódico e reativo de Schiff para grupos açúcar (para procedimento técnico, clique) demonstra o corpo celular do fungo em cor magenta forte e a cápsula polissacarídica em róseo. Realça os parasitas contra o tecido de fundo e dá detalhes dos limites entre cápsulas de fungos vizinhos nos aglomerados. Células em reprodução são também elegantemente demonstradas. 
  16. Masson-Fontana mancha marrom mostrando a formas de leveduras negras da C. neoformans (Masson-Fontana, × 1000)
  17. Exame microscópico + KOH Exame microscópio + tinta nanquim Exame microscópio com coloração de gram Exame microscópico com coloração de Giemsa ou panótica
  18. Rosa começa aqui
  19. Para a cultura e isolamento primário de fungos é necessário a utilização de 2 meios de cultura: Meios seletivos e não-seletivos. Os meios seletivos são aqueles que contém algumas substâncias inibitórias que acabam que inibido o crescimento de alguns fungos e favorecendo o crescimento de outros. Enquanto que os meios não seletivos são aqueles que não apresentam inibidores, desse modo permite o crescimento de uma variedade de microrganismos. A seleção dos meios é feito de acordo com as informações clínicas fornecidas ao laboratório. Ex: O tipo de amostra (raspado de pele, unhas, sangue, LCR) pois cada amostra requer um processamento específico. O local de onde essa amostra foi coletada no caso das unhas (onicomicose) limbo as infecções estão mais relacionadas a dermatófitos, enquanto no leito mais relacionado a leveduras-Candidas como foi falado pelo professor. E claro que a experiência do analista também não poderia ficar de fora.
  20. As amostras clínicas devem ser inoculada na superfície do ágar com movimento de zig-zag para separar eventuais contaminantes da amostra, podendo ser utilizado para essa finalidade a alça de níquel ou a pipeta paster quando se refere a amostra líquida. O material não deve ser inoculado em profundidade do ágar, mas sim na superfície para não interferir no crescimento fúngico. Levando em consideração a temperatura de incubação de cada fungo, pois assim como na bacteriologia, os fungos também apresentam uma temperatura de incubação ótima. A temperatura de incubação para todas as amostras é recomendado uma temperatura de 30ºC devido a possibilidade do agente etiológico ser oportunista.
  21. NENHUM – significa que a amostra não precisa passar por nenhum tratamento prévio Tendo em vistas a diversidade das amostras que chegam no laboratório, temos de saber quais procedimentos tomar para poder fazer a inoculação no meio de cultura. Em amostras muito liquefeita recomenda-se a centrifugação para a concentração da amostra e só depois a inoculação. Ex:. Secreções respiratórias fluidificadas como: líquor, urina (principalmente), fluidos corporais (pleura, ascítico, sinovial, pericárdio, gástrico, brôquico). Amostras obidas com Swabs (mucosa oral, nasal, olhos e conduto auditivo) deve ser embebido com salina e depois centrifugado. Para tecidos recomenda a fragmentação ou maceração da amostra e logo após fazer o imprint em lâmina. Esse procedimento tem como objetivo melhor expo microrganismo ligado ao tecido. A preparação do esfregaço a partir da amostra clínica não é recomendado devido a baixa sensibilidade, desse modo, recomenda-se que a amostra seja semeada em meio de cultura, e só depois se preparar a cultura em lâmina. Para pus, abscesso, pele, pelos e escamas não necessita de nenhuma preparação.
  22. O meio de cultura Ágar Sabouraud dextrose é um meio utilizado em larga escala para o cultivo primário de uma variedade de fungos (filamentosos, leveduriformes, e alguns dimórficos). São utilizados em especial para o cultivo de dermatófitos uma vez que as característica macro e microscópica são descritas a partir da sua caracterização nesse meio. Em alguns casos esse ágar é acrescido antibióticos para impedir o crescimento de bactérias que possam vir prejudicar o isolamento de fungos. E para o isolamento de fungos ditos patogênicos na maioria das vezes utilizam-se Ágar mycosel que possui tanto antifúngico como antibiótico, que na maioria das vezes é cicloeximida e clorofenicol
  23. Ágar sabouraud-infusão de cérebro e coração. É um meio enriquecido, uma variação do ágar sabouraud dextrose. Utilizado para o isolamento de fungos patogênicos, não-patogênicos e dermatófitos.
  24. Facilita o aparecimento de estruturas de frutificação, especialmente dos macroconídios do gênero microsporum . Utilizado para diferenciar o Microsporum audoinii das demais espécie de Microsporum, uma vez que esse que essa espécie não se desenvolve nesse meio de composição pobre.
  25. É um meio que permite o aparecimento de várias estruturas fúngicas de ornamentação e de frutificação, facilitando a identificação das estruturas fúngicas das espécie em geral.
  26. Utilizado para a realização de microcultivo de fungos filamentosos e estoque de cepas fúgicas. Esse meio estimula a produção de macro e microconídios em microcultivo em lâmina. Pode ser encontrada na forma desidratada com a denominação de: Ágar batata (DIFCO), potato dextrose agar (OXOID), Ágar pomme-de- terre
  27. Colônia plana, cotonosa, branca, radiada em fundo, em fundo amarelo ouro-micélio vegetativo É um meio seletivo utilizado para o isolamento de fungos patogênicos a partir de amostras contaminadas. O ágar consiste em digerido de farinha de soja suplementado de glicose, cicloeximida e clorofenicol. Fungos sensiveis como Cryptococcus neomorfans, Trichosporon beigelli, espécie de candida e aspergillus e alguns fungos saprófitos e oportunitas também não crescem nesse meio.
  28. Usado para diferenciação de Trichophyton rubrum das demais espécie de Trichophyton com base na produção de pigmento avermelhado desse fungo.
  29. Promove o crescimento de fungos lipídicos, especialmente leveduras do gênero Malassezia.
  30. Diferencia as espécie de Candida, baseado-se nas diferentes coloração adquirida pelas colônias. Sendo muito útil nos casos de infecções mistas, facilitando a diferenciação das espécie envolvidas. Candidas albicans – são verdes, C. krusei- coloração rósa, C. tropicalis- coloração púrpura, C. glabrata- coloração azul metálica
  31. Candidas albicans – são verdes, C. krusei- coloração rósa, C. tropicalis- coloração púrpura, C. glabrata- coloração azul metálica
  32. Cultivo em lâmina também chamado de microcultivo, é uma técnica utilizada para estudo dos aspectos microscópicos característico de micélio vegetatativo ou de frutificação. A técnica consiste em uma câmera úmida contendo uma lâmina de vidro colocada sobre um bastão de vidro colocado sobre um bastão de vidro em forma de U. Onde um pequeno quadrado de ágar batata é semeado com fungo a ser estudado. Uma lamínula é colocada sobre o bloco de ágar, e após o crescimento satisfatório a lamínula é retirada e colocada em uma lâmina corada com lactofenol azul de algodão e depois submetida a estudo microscópico do fungo.
  33. Alexandra começa aqui
  34. Tinea capitis: pelos infectados com alguns dermatófitos emitem fluorescência de cores variadas, como: Microsporum canis ou M. audouini – verde-azulada; Trichophyton schoenleini – verde-palha. Pitiríase versicolor: escamas infectadas com Malassezia spp. emitem fluorescência em tom prateado. Eritrasma: escamas infectadas com Corynebacterium minutissimum – fluorescência vermelho-coral.
  35. Extensão filamentosa de uma célula leveduriforme que tem cerca da metade da largura e três a quatro vezes o comprimento da célula-mãe.
  36. O teste de ID é o principal método diagnóstico de Pb, e utiliza antígenos de leveduras concentrados e/ou soro de referência. É um teste bastante simples e que não requer equipamentos de alto custo o que consequentemente estimula sua utilização. Apresenta sensibilidade superior a 80% e especificidade superior a 90%, variando de acordo com o antígeno utilizado . É um teste baseado na formação de imunocomplexos que precipitam de acordo com seu peso molecular. O que se observa no teste é de uma a três bandas de precipitina, sendo o número de bandas relacionado com os títulos de FC, informando que baixos títulos indicam infecção localizada e altos títulos, infecção disseminada. O teste de imunodifusão baseia-se no princípio de reação entre anticorpos circulantes contra epítopos do fungo no organismo do paciente e um preparado antigênico que irá reagir formando um imunocomplexo, visualizado a olho nu pela formação de uma linha de precipitação em lâmina. Alguns trabalhos relatam a glicoproteína de 43 kDa, denominada p43, como o antígeno imunodominante em P. brasiliensis. Esta glicoproteína exerce papel importante frente à adesão a laminina, o que favorece a infecção e disseminação do fungo para os tecidos (VICENTINI et al., 1994; BLOTTA et al., 1993). Este antígeno está presente em grandes concentrações em pacientes acometidos com a forma aguda da PCM, consequentemente estes pacientes apresentam elevadas concentrações de anticorpos antigp43, apresentando bons resultados frente ao teste de imunodifusão (MENDES-GIANNINI et al., 1990; BLOTTA et al., 1993).
  37. REVER SLIDES