SlideShare uma empresa Scribd logo
PRIMEIRA PARTE
CIÊNCIA
I
CIÊNCIAS FUNDAMENTAIS
FÍSICA
Emmanuel
15 –Existem Espíritos especialmente encarregados da execução das leis físicas no planeta terrestre?
-Essa verdade é incontestável, e o homem poderá examinar e estudar constantemente,
auferindo o melhor proveito na sua rotina de esforços perseverantes; porém, todas as definições
do materialismo serão inúteis em face da realidade irrefutável dos fatores transcendentais, em todos
os grandes fenômenos físicos da Natureza.
16 –As novas revelações científicas positivadas pelos professores Thomson, Rutherford, Ramsay e
Soddy, entre outros, no campo da Física, sobre os átomos e os elétrons, são possíveis de fornecer
o exato conhecimento de todas as etapas da evolução anímica?
-A ciência, propriamente humana, poderá estabelecer bases convencionais, mas não à sabe
legítima, em sua origem divina, porquanto os átomos e os elétrons são fases de caracterização da
matéria, sem constituírem o princípio nessa escala sem-fim, que se verifica, igualmente, para o
plano dos infinitamente pequenos.
17 –Como são considerados, no plano espiritual os conhecimentos atuais da Física na Terra?
-As noções modernas da Física aproximam-se, cada vez mais, do conhecimento das leis
universais, em cujo ápice repousa a diretriz divina que governa todos os mundos.
Os sistemas antigos envelheceram. As concepções de ontem deram lugar a novas deduções.
Estudos recentes da matéria vos fazem conhecer que os seus elementos se dissociam pela análise,
que o átomo não é indivisível, que toda expressão material pode ser convertida em força e que toda
energia volta ao reservatório do éter universal. Com o tempo, as fórmulas acadêmicas se renovarão
em outros conceitos da realidade transcendente, e os físicos da Terra não poderão dispensar Deus
nas suas ilações, reintegrando a Natureza na sua posição de campo passivo, onde a inteligência
divina se manifesta.
18 –Onde o ponto imediato de observação para que a Física reconheça a existência de Deus?
-Desde o ponto inicial de suas observações, a Física é obrigada a reconhecer a existência de
Deus em seus divinos atributos. Para demonstrar o sistema do mundo, o cientista não recorreu ao
chamado “eixo imaginário”? Ilações mais altas, no domínio do transcendente.
A mecânica celeste prova a irrefutabilidade da teoria do movimento. O planeta move-se na
imensidade. A matéria vibra nas suas mais diversificadas expressões.
Quem gerou o movimento? Quem forneceu o primeiro impulso vibratório no organismo universal?
A Ciência esclarece que a energia faz o movimento, mas a força é cega e a matéria não tem
características de espontaneidade.
Só na inteligência divina encontramos a origem de toda coordenação e de toda coordenação
e de todo equilíbrio, razão pela qual, nas suas questões mais íntimas, a Física da Terra não poderá
prescindir da lógica com Deus.
19 –As noções de física conhecidas pelos homens são definições reais ou definitivas?
-Os homens possuem da matéria a conceituação possível de ser fornecida pela sua mente,
compreende-se que o aspecto real do mundo não é aquele que os olhos mortais podem abranger,
porquanto as percepções humanas estão condicionadas ao plano sensorial, sem que o homem
consiga ultrapassar o domínio de determinadas vibrações.
Mergulhadas nas vibrações pesadas dos círculos da carne, as criaturas têm notícias muito
imperfeitas do Universo, em razão da exiguidade dos seus pobres cinco sentidos.
É por isso que o homem terá sempre um limite nas suas observações da matéria, força e
movimento, não só pela deficiência de percepção sensorial, como também pela estrutura do olho,
onde a sabedoria divina delimitou as possibilidades humanas de análise, de modo a valorizar os
esforços e iniciativas da criatura.
20 –Como poderemos compreender o éter?
-Nos círculos científicos do planeta muito se tem falado do éter, sem que possa alguém
fornece uma imagem perfeita da sua realidade, nas convenções conhecidas.
E, de fato, o homem não pode imagina-lo, dentro das percepções acanhadas da sua metade.
Por nossa vez, não poderemos proporcionar a vos outros uma noção mais avançada, em vista da
ausência de termos de analogia.
Se, como desencarnados, começamos a examina-lo na sua essência profunda, para os
homens da Terra o éter é quase uma abstração. De qualquer modo, porém, busquemos entende-lo
como fluído sagrado da vida, que se encontra em todo o cosmo; fluído essencial do Universo, que,
em todas as direções, é o veículo do pensamento divino.
21 –Pode a Física oferecer-nos elementos para apreciar o plano divino da evolução?
-Também aí podereis observar a profunda beleza das leis universais. Ao sopro inteligente da
vontade divina, condensa-se a matéria cósmica no organismo do Universo.
Surgem as grandes massas das nebulosas e, em seguida, a família dos mundos, regendo-se
em seus movimentos pelas leis do equilíbrio, dentro da atração, no corpo infinito do cosmo.
O ciclo da evolução apresenta aí um dos seus aspectos mais belos. Sob a diretriz divina, a
matéria produz a força, a força gera o movimento, o movimento faz surgir o equilíbrio da atração e
a atração se transforma em amor, identificando-se todos os planos da vida na mesma lei de unidade
estabelecida no Universo pela sabedoria divina.
22 –A substância é igual em todos os mundos? Como compreender a revelação dos
espectroscópios?
-Reconhecido o axioma de que o Universo obedece a uma lei de unidade, somos obrigados
a reconhecer que o que se encontra no todo existe igualmente nas partes.
Contudo, o espectroscópio não vos poderá revelar todas as substâncias que se encontram
nos outros mundos, e não podemos esquecer que a Terra é um apartamento muito singelo dentro
do edifício universal, sem que possamos conhecer, pelos seus detalhes, a grandeza infinita da obra
do Criador.
23 –Existe uma lei de equilíbrio e uma lei de fluídos?
-As grandes leis gerais do equilíbrio têm as suas sedes sagradas em Deus, fonte perene de
toda vida; E, em se falando da lei de fluídos, cada orbe a possui de conformidade com a sua
organização planetária.
Com relação ao plano terrestre, somente Jesus e os seus mensageiros mais elevados
conhecem os seus processos, com a devida plenitude, constituindo essa lei um campo divino de
estudos, não só para a mentalidade humana, como também para os seres desencarnados que já se
redimiram dos labores mais grosseiros junto dos círculos da carne, a fim de evoluírem nas esferas
mais próximos do cenário terrestre.
24 –As leis da gravitação são análogas em todos os planetas?
-As leis da gravitação não podem ser as mesmas para todos os planetas, mesmo porque,
em face da vossa evolução científica, já compreendeis que os princípios newtonianos foram
substituídos, de algum modo, pelos conceitos de relatividade, conceitos esses que, por sua vez,
seguirão, o curso progressivo do conhecimento.
25 –O tele dinamismo é aplicado nas relações entre os planos visíveis e invisíveis?
-Sendo o tele dinamismo a ação de forças que atuam, à distância, cumpre-nos esclarecer
que, no fenômeno das comunicações, muitas vezes entram em jogo as ações teledinâmicas,
imprescindíveis a certas expressões de mediunismo.
26 –Ante os princípios da Física, como poderemos c ompreender o magnetismo e quais as suas
características no intercâmbio entre encarnados e desencarnados?
-O magnetismo é um fenômeno da vida, por constituir manifestação natural em todos os
seres.
Se a ciência do mundo já atingiu o campo de equações notáveis nas experiências relativas
ao assunto, provando a generalidade e a delicadeza dos fenômenos magnéticos, deveis
compreender que as exteriorizações dessa natureza, nas relações entre os dois mundos, são sempre
mais elevadas e sutis, em virtude de serem, aí, uma expressão de vida superior.
Da Obra “O CONSOLADOR” – Espírito: EMMANUEL – Médium: FRANCISCO CÂNDIDO XAVIER
Digitado por: Lúcia Aydir.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O Homem, Deus e o Universo Cap VI
O Homem, Deus e o Universo   Cap VIO Homem, Deus e o Universo   Cap VI
O Homem, Deus e o Universo Cap VI
André Ricardo Marcondes
 
O Homem, Deus e o Universo - Cap I
O Homem, Deus e o Universo - Cap IO Homem, Deus e o Universo - Cap I
O Homem, Deus e o Universo - Cap I
André Ricardo Marcondes
 
Roteiro 4 os reinos da natureza
Roteiro 4   os reinos da naturezaRoteiro 4   os reinos da natureza
Roteiro 4 os reinos da natureza
Bruno Cechinel Filho
 
História da Astronomia - Egito e Grécia - Parte 2 de 7
História da Astronomia - Egito e Grécia - Parte 2 de 7História da Astronomia - Egito e Grécia - Parte 2 de 7
História da Astronomia - Egito e Grécia - Parte 2 de 7
Instituto Iprodesc
 
Primeira parte i ciências fundamentais - química
Primeira parte   i ciências fundamentais - químicaPrimeira parte   i ciências fundamentais - química
Primeira parte i ciências fundamentais - química
Fatoze
 
Fluido Cósmico Universal
Fluido Cósmico UniversalFluido Cósmico Universal
Fluido Cósmico Universal
Marcos Bueno Sander
 
A Doutrina Secreta - Proêmio
A Doutrina Secreta - ProêmioA Doutrina Secreta - Proêmio
A Doutrina Secreta - Proêmio
André Ricardo Marcondes
 
Extraterrestres sua natureza diversificada e como vivem
Extraterrestres   sua natureza diversificada e como vivemExtraterrestres   sua natureza diversificada e como vivem
Extraterrestres sua natureza diversificada e como vivem
Antonio Rodrigues
 
COSMOGÊNESE
COSMOGÊNESE COSMOGÊNESE
Astronomia geral
Astronomia geralAstronomia geral
Astronomia geral
Dalila Melo
 
Teoria dos fluidos
Teoria dos fluidosTeoria dos fluidos
Teoria dos fluidos
Carolina Bernardes
 
Em busca de Deus - a criação
Em busca de Deus - a criaçãoEm busca de Deus - a criação
Em busca de Deus - a criação
Ponte de Luz ASEC
 
( Espiritismo) # - aureo - hernani t sant'anna - universo e vida # cap 05 c...
( Espiritismo)   # - aureo - hernani t sant'anna - universo e vida # cap 05 c...( Espiritismo)   # - aureo - hernani t sant'anna - universo e vida # cap 05 c...
( Espiritismo) # - aureo - hernani t sant'anna - universo e vida # cap 05 c...
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
Geometria sagrada biblioteca freemasonry
Geometria sagrada   biblioteca freemasonry Geometria sagrada   biblioteca freemasonry
Geometria sagrada biblioteca freemasonry
Hermam Vargas
 
Materializações
MaterializaçõesMaterializações
Materializações
Deborah Oliver
 
Leucipo e Arquimedes
Leucipo e ArquimedesLeucipo e Arquimedes
Leucipo e Arquimedes
Abraão França
 
Experiencia De Quase Morte
Experiencia De Quase MorteExperiencia De Quase Morte
Experiencia De Quase Morte
ADEP Portugal
 
1o ano aula de filsofia - aristoteles382009184821
1o ano   aula de filsofia - aristoteles3820091848211o ano   aula de filsofia - aristoteles382009184821
1o ano aula de filsofia - aristoteles382009184821
Alzira Monteiro
 
Aula - Fluido Cósmico Universal - Rosana De Rosa
Aula - Fluido Cósmico Universal - Rosana De RosaAula - Fluido Cósmico Universal - Rosana De Rosa
Aula - Fluido Cósmico Universal - Rosana De Rosa
Rosana De Rosa
 
Natureza, propriedades e qualidades dos fluidos: ESDE, programa complementar,...
Natureza, propriedades e qualidades dos fluidos: ESDE, programa complementar,...Natureza, propriedades e qualidades dos fluidos: ESDE, programa complementar,...
Natureza, propriedades e qualidades dos fluidos: ESDE, programa complementar,...
Núcleo de Promoção Humana Vinha de Luz
 

Mais procurados (20)

O Homem, Deus e o Universo Cap VI
O Homem, Deus e o Universo   Cap VIO Homem, Deus e o Universo   Cap VI
O Homem, Deus e o Universo Cap VI
 
O Homem, Deus e o Universo - Cap I
O Homem, Deus e o Universo - Cap IO Homem, Deus e o Universo - Cap I
O Homem, Deus e o Universo - Cap I
 
Roteiro 4 os reinos da natureza
Roteiro 4   os reinos da naturezaRoteiro 4   os reinos da natureza
Roteiro 4 os reinos da natureza
 
História da Astronomia - Egito e Grécia - Parte 2 de 7
História da Astronomia - Egito e Grécia - Parte 2 de 7História da Astronomia - Egito e Grécia - Parte 2 de 7
História da Astronomia - Egito e Grécia - Parte 2 de 7
 
Primeira parte i ciências fundamentais - química
Primeira parte   i ciências fundamentais - químicaPrimeira parte   i ciências fundamentais - química
Primeira parte i ciências fundamentais - química
 
Fluido Cósmico Universal
Fluido Cósmico UniversalFluido Cósmico Universal
Fluido Cósmico Universal
 
A Doutrina Secreta - Proêmio
A Doutrina Secreta - ProêmioA Doutrina Secreta - Proêmio
A Doutrina Secreta - Proêmio
 
Extraterrestres sua natureza diversificada e como vivem
Extraterrestres   sua natureza diversificada e como vivemExtraterrestres   sua natureza diversificada e como vivem
Extraterrestres sua natureza diversificada e como vivem
 
COSMOGÊNESE
COSMOGÊNESE COSMOGÊNESE
COSMOGÊNESE
 
Astronomia geral
Astronomia geralAstronomia geral
Astronomia geral
 
Teoria dos fluidos
Teoria dos fluidosTeoria dos fluidos
Teoria dos fluidos
 
Em busca de Deus - a criação
Em busca de Deus - a criaçãoEm busca de Deus - a criação
Em busca de Deus - a criação
 
( Espiritismo) # - aureo - hernani t sant'anna - universo e vida # cap 05 c...
( Espiritismo)   # - aureo - hernani t sant'anna - universo e vida # cap 05 c...( Espiritismo)   # - aureo - hernani t sant'anna - universo e vida # cap 05 c...
( Espiritismo) # - aureo - hernani t sant'anna - universo e vida # cap 05 c...
 
Geometria sagrada biblioteca freemasonry
Geometria sagrada   biblioteca freemasonry Geometria sagrada   biblioteca freemasonry
Geometria sagrada biblioteca freemasonry
 
Materializações
MaterializaçõesMaterializações
Materializações
 
Leucipo e Arquimedes
Leucipo e ArquimedesLeucipo e Arquimedes
Leucipo e Arquimedes
 
Experiencia De Quase Morte
Experiencia De Quase MorteExperiencia De Quase Morte
Experiencia De Quase Morte
 
1o ano aula de filsofia - aristoteles382009184821
1o ano   aula de filsofia - aristoteles3820091848211o ano   aula de filsofia - aristoteles382009184821
1o ano aula de filsofia - aristoteles382009184821
 
Aula - Fluido Cósmico Universal - Rosana De Rosa
Aula - Fluido Cósmico Universal - Rosana De RosaAula - Fluido Cósmico Universal - Rosana De Rosa
Aula - Fluido Cósmico Universal - Rosana De Rosa
 
Natureza, propriedades e qualidades dos fluidos: ESDE, programa complementar,...
Natureza, propriedades e qualidades dos fluidos: ESDE, programa complementar,...Natureza, propriedades e qualidades dos fluidos: ESDE, programa complementar,...
Natureza, propriedades e qualidades dos fluidos: ESDE, programa complementar,...
 

Semelhante a Primeira parte i ciências fundamentais - física

Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo I - Fluido Cósmico - 0304...
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo I - Fluido Cósmico - 0304...Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo I - Fluido Cósmico - 0304...
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo I - Fluido Cósmico - 0304...
Cynthia Castro
 
Hawking, Stephen o-projeto-monumental
Hawking, Stephen o-projeto-monumentalHawking, Stephen o-projeto-monumental
Hawking, Stephen o-projeto-monumental
Cláudio Ferreira
 
( Espiritismo) # - astolfo o o filho - o grande enigma
( Espiritismo)   # - astolfo o o filho - o grande enigma( Espiritismo)   # - astolfo o o filho - o grande enigma
( Espiritismo) # - astolfo o o filho - o grande enigma
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
Capitulo II Elementos gerais do Universo
Capitulo II Elementos gerais do UniversoCapitulo II Elementos gerais do Universo
Capitulo II Elementos gerais do Universo
Marta Gomes
 
O grande enigma
O grande enigmaO grande enigma
O grande enigma
Norberto Tomasini Jr
 
O grande enigma
O grande enigmaO grande enigma
O grande enigma
Norberto Tomasini Jr
 
apresentacao (1).ppt
apresentacao (1).pptapresentacao (1).ppt
apresentacao (1).ppt
Juliana Felisberto Cardoso Silva
 
Luzes
LuzesLuzes
Capitulo II - Elementos Gerais do Universo.docx
Capitulo II - Elementos Gerais do Universo.docxCapitulo II - Elementos Gerais do Universo.docx
Capitulo II - Elementos Gerais do Universo.docx
Marta Gomes
 
Primeira parte iii ciências especializadas
Primeira parte   iii ciências especializadasPrimeira parte   iii ciências especializadas
Primeira parte iii ciências especializadas
Fatoze
 
PrefáCio 1
PrefáCio 1PrefáCio 1
PrefáCio 1
jmeirelles
 
Prefácio Final
Prefácio FinalPrefácio Final
Prefácio Final
jmeirelles
 
PrefáCio Final
PrefáCio FinalPrefáCio Final
PrefáCio Final
jmeirelles
 
PrefáCio Final
PrefáCio FinalPrefáCio Final
PrefáCio Final
jmeirelles
 
PrefáCio Final
PrefáCio FinalPrefáCio Final
PrefáCio Final
jmeirelles
 
A estrutura da matéria segundo os espíritos ii
A estrutura da matéria segundo os espíritos iiA estrutura da matéria segundo os espíritos ii
A estrutura da matéria segundo os espíritos ii
Manoel Barrionuevo
 
O grande enigma leon denis
O grande enigma   leon denisO grande enigma   leon denis
O grande enigma leon denis
Helio Cruz
 
Escola de Aprendiz do Evangelho - A CRIAÇÃO.pptx
Escola de Aprendiz do Evangelho -  A CRIAÇÃO.pptxEscola de Aprendiz do Evangelho -  A CRIAÇÃO.pptx
Escola de Aprendiz do Evangelho - A CRIAÇÃO.pptx
Jatabairu nunes
 
Nos dominios da mediunidade
Nos dominios da mediunidadeNos dominios da mediunidade
Nos dominios da mediunidade
Antonio SSantos
 
Consciência Cósmica
Consciência CósmicaConsciência Cósmica
Consciência Cósmica
Targon Darshan
 

Semelhante a Primeira parte i ciências fundamentais - física (20)

Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo I - Fluido Cósmico - 0304...
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo I - Fluido Cósmico - 0304...Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo I - Fluido Cósmico - 0304...
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo I - Fluido Cósmico - 0304...
 
Hawking, Stephen o-projeto-monumental
Hawking, Stephen o-projeto-monumentalHawking, Stephen o-projeto-monumental
Hawking, Stephen o-projeto-monumental
 
( Espiritismo) # - astolfo o o filho - o grande enigma
( Espiritismo)   # - astolfo o o filho - o grande enigma( Espiritismo)   # - astolfo o o filho - o grande enigma
( Espiritismo) # - astolfo o o filho - o grande enigma
 
Capitulo II Elementos gerais do Universo
Capitulo II Elementos gerais do UniversoCapitulo II Elementos gerais do Universo
Capitulo II Elementos gerais do Universo
 
O grande enigma
O grande enigmaO grande enigma
O grande enigma
 
O grande enigma
O grande enigmaO grande enigma
O grande enigma
 
apresentacao (1).ppt
apresentacao (1).pptapresentacao (1).ppt
apresentacao (1).ppt
 
Luzes
LuzesLuzes
Luzes
 
Capitulo II - Elementos Gerais do Universo.docx
Capitulo II - Elementos Gerais do Universo.docxCapitulo II - Elementos Gerais do Universo.docx
Capitulo II - Elementos Gerais do Universo.docx
 
Primeira parte iii ciências especializadas
Primeira parte   iii ciências especializadasPrimeira parte   iii ciências especializadas
Primeira parte iii ciências especializadas
 
PrefáCio 1
PrefáCio 1PrefáCio 1
PrefáCio 1
 
Prefácio Final
Prefácio FinalPrefácio Final
Prefácio Final
 
PrefáCio Final
PrefáCio FinalPrefáCio Final
PrefáCio Final
 
PrefáCio Final
PrefáCio FinalPrefáCio Final
PrefáCio Final
 
PrefáCio Final
PrefáCio FinalPrefáCio Final
PrefáCio Final
 
A estrutura da matéria segundo os espíritos ii
A estrutura da matéria segundo os espíritos iiA estrutura da matéria segundo os espíritos ii
A estrutura da matéria segundo os espíritos ii
 
O grande enigma leon denis
O grande enigma   leon denisO grande enigma   leon denis
O grande enigma leon denis
 
Escola de Aprendiz do Evangelho - A CRIAÇÃO.pptx
Escola de Aprendiz do Evangelho -  A CRIAÇÃO.pptxEscola de Aprendiz do Evangelho -  A CRIAÇÃO.pptx
Escola de Aprendiz do Evangelho - A CRIAÇÃO.pptx
 
Nos dominios da mediunidade
Nos dominios da mediunidadeNos dominios da mediunidade
Nos dominios da mediunidade
 
Consciência Cósmica
Consciência CósmicaConsciência Cósmica
Consciência Cósmica
 

Mais de Fatoze

Evangelho animais 95
Evangelho animais 95Evangelho animais 95
Evangelho animais 95
Fatoze
 
Evangelho animais 94
Evangelho animais 94Evangelho animais 94
Evangelho animais 94
Fatoze
 
Evangelho animais 93
Evangelho animais 93Evangelho animais 93
Evangelho animais 93
Fatoze
 
Evangelho animais 92
Evangelho animais 92Evangelho animais 92
Evangelho animais 92
Fatoze
 
Evangelho animais 91
Evangelho animais 91Evangelho animais 91
Evangelho animais 91
Fatoze
 
Evangelho no lar com crianças (69)
Evangelho no lar com crianças (69)Evangelho no lar com crianças (69)
Evangelho no lar com crianças (69)
Fatoze
 
Evangelho no lar com crianças (68)
Evangelho no lar com crianças (68)Evangelho no lar com crianças (68)
Evangelho no lar com crianças (68)
Fatoze
 
Evangelho no lar com crianças (67)
Evangelho no lar com crianças (67)Evangelho no lar com crianças (67)
Evangelho no lar com crianças (67)
Fatoze
 
Evangelho no lar com crianças (66)
Evangelho no lar com crianças (66)Evangelho no lar com crianças (66)
Evangelho no lar com crianças (66)
Fatoze
 
68 oitava categoria - caso 14
68   oitava categoria - caso 1468   oitava categoria - caso 14
68 oitava categoria - caso 14
Fatoze
 
67 oitava categoria - caso 12 e caso 13
67   oitava categoria - caso 12 e caso 1367   oitava categoria - caso 12 e caso 13
67 oitava categoria - caso 12 e caso 13
Fatoze
 
66 oitava categoria - caso 10 e caso 11
66   oitava categoria - caso 10 e caso 1166   oitava categoria - caso 10 e caso 11
66 oitava categoria - caso 10 e caso 11
Fatoze
 
65 oitava categoria - caso 08 e caso 09
65   oitava categoria - caso 08 e caso 0965   oitava categoria - caso 08 e caso 09
65 oitava categoria - caso 08 e caso 09
Fatoze
 
Evangelho no lar com crianças (65)
Evangelho no lar com crianças (65)Evangelho no lar com crianças (65)
Evangelho no lar com crianças (65)
Fatoze
 
Evangelho no lar com crianças (64)
Evangelho no lar com crianças (64)Evangelho no lar com crianças (64)
Evangelho no lar com crianças (64)
Fatoze
 
Evangelho no lar com crianças (63)
Evangelho no lar com crianças (63)Evangelho no lar com crianças (63)
Evangelho no lar com crianças (63)
Fatoze
 
Evangelho animais 90
Evangelho animais 90Evangelho animais 90
Evangelho animais 90
Fatoze
 
Evangelho animais 89
Evangelho animais 89Evangelho animais 89
Evangelho animais 89
Fatoze
 
Evangelho animais 88
Evangelho animais 88Evangelho animais 88
Evangelho animais 88
Fatoze
 
Aula 15 irmaos
Aula 15   irmaosAula 15   irmaos
Aula 15 irmaos
Fatoze
 

Mais de Fatoze (20)

Evangelho animais 95
Evangelho animais 95Evangelho animais 95
Evangelho animais 95
 
Evangelho animais 94
Evangelho animais 94Evangelho animais 94
Evangelho animais 94
 
Evangelho animais 93
Evangelho animais 93Evangelho animais 93
Evangelho animais 93
 
Evangelho animais 92
Evangelho animais 92Evangelho animais 92
Evangelho animais 92
 
Evangelho animais 91
Evangelho animais 91Evangelho animais 91
Evangelho animais 91
 
Evangelho no lar com crianças (69)
Evangelho no lar com crianças (69)Evangelho no lar com crianças (69)
Evangelho no lar com crianças (69)
 
Evangelho no lar com crianças (68)
Evangelho no lar com crianças (68)Evangelho no lar com crianças (68)
Evangelho no lar com crianças (68)
 
Evangelho no lar com crianças (67)
Evangelho no lar com crianças (67)Evangelho no lar com crianças (67)
Evangelho no lar com crianças (67)
 
Evangelho no lar com crianças (66)
Evangelho no lar com crianças (66)Evangelho no lar com crianças (66)
Evangelho no lar com crianças (66)
 
68 oitava categoria - caso 14
68   oitava categoria - caso 1468   oitava categoria - caso 14
68 oitava categoria - caso 14
 
67 oitava categoria - caso 12 e caso 13
67   oitava categoria - caso 12 e caso 1367   oitava categoria - caso 12 e caso 13
67 oitava categoria - caso 12 e caso 13
 
66 oitava categoria - caso 10 e caso 11
66   oitava categoria - caso 10 e caso 1166   oitava categoria - caso 10 e caso 11
66 oitava categoria - caso 10 e caso 11
 
65 oitava categoria - caso 08 e caso 09
65   oitava categoria - caso 08 e caso 0965   oitava categoria - caso 08 e caso 09
65 oitava categoria - caso 08 e caso 09
 
Evangelho no lar com crianças (65)
Evangelho no lar com crianças (65)Evangelho no lar com crianças (65)
Evangelho no lar com crianças (65)
 
Evangelho no lar com crianças (64)
Evangelho no lar com crianças (64)Evangelho no lar com crianças (64)
Evangelho no lar com crianças (64)
 
Evangelho no lar com crianças (63)
Evangelho no lar com crianças (63)Evangelho no lar com crianças (63)
Evangelho no lar com crianças (63)
 
Evangelho animais 90
Evangelho animais 90Evangelho animais 90
Evangelho animais 90
 
Evangelho animais 89
Evangelho animais 89Evangelho animais 89
Evangelho animais 89
 
Evangelho animais 88
Evangelho animais 88Evangelho animais 88
Evangelho animais 88
 
Aula 15 irmaos
Aula 15   irmaosAula 15   irmaos
Aula 15 irmaos
 

Último

4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
PIB Penha
 
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
Nilson Almeida
 
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptxApresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
AlexandreCarvalho858758
 
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
EdimarEdigesso
 
7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA
7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA
7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA
OBrasilParaCristoRad
 
Angelologia - Estudo sobre a Doutrina dos Anjos.ppt
Angelologia - Estudo sobre a Doutrina dos Anjos.pptAngelologia - Estudo sobre a Doutrina dos Anjos.ppt
Angelologia - Estudo sobre a Doutrina dos Anjos.ppt
mfixa3824
 
PALESTRA SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO 09-09-2017 slides.ppt
PALESTRA SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO 09-09-2017 slides.pptPALESTRA SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO 09-09-2017 slides.ppt
PALESTRA SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO 09-09-2017 slides.ppt
FranciscoAudisio2
 
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptxO MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
valneirocha
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Celso Napoleon
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - RevidesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Ricardo Azevedo
 
5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...
5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...
5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...
PIB Penha
 
grabovoi apostila.pdf FORMA CORRETA DE UTILIZAÇÃO
grabovoi apostila.pdf  FORMA CORRETA DE UTILIZAÇÃOgrabovoi apostila.pdf  FORMA CORRETA DE UTILIZAÇÃO
grabovoi apostila.pdf FORMA CORRETA DE UTILIZAÇÃO
luartfelt
 
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
PIB Penha
 
auxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdf
auxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdfauxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdf
auxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdf
EzeirAlvesdaSilva
 
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyugcontrole-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
AntonioMugiba
 
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.128 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
PIB Penha
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
Rogério Augusto Ayres de Araujo
 
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
PIB Penha
 
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
PIB Penha
 
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptxBatismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
nadeclarice
 

Último (20)

4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
 
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
 
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptxApresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
 
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
 
7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA
7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA
7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA
 
Angelologia - Estudo sobre a Doutrina dos Anjos.ppt
Angelologia - Estudo sobre a Doutrina dos Anjos.pptAngelologia - Estudo sobre a Doutrina dos Anjos.ppt
Angelologia - Estudo sobre a Doutrina dos Anjos.ppt
 
PALESTRA SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO 09-09-2017 slides.ppt
PALESTRA SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO 09-09-2017 slides.pptPALESTRA SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO 09-09-2017 slides.ppt
PALESTRA SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO 09-09-2017 slides.ppt
 
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptxO MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - RevidesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
 
5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...
5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...
5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...
 
grabovoi apostila.pdf FORMA CORRETA DE UTILIZAÇÃO
grabovoi apostila.pdf  FORMA CORRETA DE UTILIZAÇÃOgrabovoi apostila.pdf  FORMA CORRETA DE UTILIZAÇÃO
grabovoi apostila.pdf FORMA CORRETA DE UTILIZAÇÃO
 
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
 
auxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdf
auxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdfauxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdf
auxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdf
 
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyugcontrole-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
 
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.128 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
 
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
 
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
 
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptxBatismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
 

Primeira parte i ciências fundamentais - física

  • 1. PRIMEIRA PARTE CIÊNCIA I CIÊNCIAS FUNDAMENTAIS FÍSICA Emmanuel 15 –Existem Espíritos especialmente encarregados da execução das leis físicas no planeta terrestre? -Essa verdade é incontestável, e o homem poderá examinar e estudar constantemente, auferindo o melhor proveito na sua rotina de esforços perseverantes; porém, todas as definições do materialismo serão inúteis em face da realidade irrefutável dos fatores transcendentais, em todos os grandes fenômenos físicos da Natureza. 16 –As novas revelações científicas positivadas pelos professores Thomson, Rutherford, Ramsay e Soddy, entre outros, no campo da Física, sobre os átomos e os elétrons, são possíveis de fornecer o exato conhecimento de todas as etapas da evolução anímica? -A ciência, propriamente humana, poderá estabelecer bases convencionais, mas não à sabe legítima, em sua origem divina, porquanto os átomos e os elétrons são fases de caracterização da matéria, sem constituírem o princípio nessa escala sem-fim, que se verifica, igualmente, para o plano dos infinitamente pequenos. 17 –Como são considerados, no plano espiritual os conhecimentos atuais da Física na Terra? -As noções modernas da Física aproximam-se, cada vez mais, do conhecimento das leis universais, em cujo ápice repousa a diretriz divina que governa todos os mundos. Os sistemas antigos envelheceram. As concepções de ontem deram lugar a novas deduções. Estudos recentes da matéria vos fazem conhecer que os seus elementos se dissociam pela análise, que o átomo não é indivisível, que toda expressão material pode ser convertida em força e que toda energia volta ao reservatório do éter universal. Com o tempo, as fórmulas acadêmicas se renovarão em outros conceitos da realidade transcendente, e os físicos da Terra não poderão dispensar Deus nas suas ilações, reintegrando a Natureza na sua posição de campo passivo, onde a inteligência divina se manifesta.
  • 2. 18 –Onde o ponto imediato de observação para que a Física reconheça a existência de Deus? -Desde o ponto inicial de suas observações, a Física é obrigada a reconhecer a existência de Deus em seus divinos atributos. Para demonstrar o sistema do mundo, o cientista não recorreu ao chamado “eixo imaginário”? Ilações mais altas, no domínio do transcendente. A mecânica celeste prova a irrefutabilidade da teoria do movimento. O planeta move-se na imensidade. A matéria vibra nas suas mais diversificadas expressões. Quem gerou o movimento? Quem forneceu o primeiro impulso vibratório no organismo universal? A Ciência esclarece que a energia faz o movimento, mas a força é cega e a matéria não tem características de espontaneidade. Só na inteligência divina encontramos a origem de toda coordenação e de toda coordenação e de todo equilíbrio, razão pela qual, nas suas questões mais íntimas, a Física da Terra não poderá prescindir da lógica com Deus. 19 –As noções de física conhecidas pelos homens são definições reais ou definitivas? -Os homens possuem da matéria a conceituação possível de ser fornecida pela sua mente, compreende-se que o aspecto real do mundo não é aquele que os olhos mortais podem abranger, porquanto as percepções humanas estão condicionadas ao plano sensorial, sem que o homem consiga ultrapassar o domínio de determinadas vibrações. Mergulhadas nas vibrações pesadas dos círculos da carne, as criaturas têm notícias muito imperfeitas do Universo, em razão da exiguidade dos seus pobres cinco sentidos. É por isso que o homem terá sempre um limite nas suas observações da matéria, força e movimento, não só pela deficiência de percepção sensorial, como também pela estrutura do olho, onde a sabedoria divina delimitou as possibilidades humanas de análise, de modo a valorizar os esforços e iniciativas da criatura. 20 –Como poderemos compreender o éter? -Nos círculos científicos do planeta muito se tem falado do éter, sem que possa alguém fornece uma imagem perfeita da sua realidade, nas convenções conhecidas. E, de fato, o homem não pode imagina-lo, dentro das percepções acanhadas da sua metade. Por nossa vez, não poderemos proporcionar a vos outros uma noção mais avançada, em vista da ausência de termos de analogia. Se, como desencarnados, começamos a examina-lo na sua essência profunda, para os homens da Terra o éter é quase uma abstração. De qualquer modo, porém, busquemos entende-lo como fluído sagrado da vida, que se encontra em todo o cosmo; fluído essencial do Universo, que, em todas as direções, é o veículo do pensamento divino. 21 –Pode a Física oferecer-nos elementos para apreciar o plano divino da evolução? -Também aí podereis observar a profunda beleza das leis universais. Ao sopro inteligente da vontade divina, condensa-se a matéria cósmica no organismo do Universo. Surgem as grandes massas das nebulosas e, em seguida, a família dos mundos, regendo-se em seus movimentos pelas leis do equilíbrio, dentro da atração, no corpo infinito do cosmo. O ciclo da evolução apresenta aí um dos seus aspectos mais belos. Sob a diretriz divina, a matéria produz a força, a força gera o movimento, o movimento faz surgir o equilíbrio da atração e a atração se transforma em amor, identificando-se todos os planos da vida na mesma lei de unidade estabelecida no Universo pela sabedoria divina.
  • 3. 22 –A substância é igual em todos os mundos? Como compreender a revelação dos espectroscópios? -Reconhecido o axioma de que o Universo obedece a uma lei de unidade, somos obrigados a reconhecer que o que se encontra no todo existe igualmente nas partes. Contudo, o espectroscópio não vos poderá revelar todas as substâncias que se encontram nos outros mundos, e não podemos esquecer que a Terra é um apartamento muito singelo dentro do edifício universal, sem que possamos conhecer, pelos seus detalhes, a grandeza infinita da obra do Criador. 23 –Existe uma lei de equilíbrio e uma lei de fluídos? -As grandes leis gerais do equilíbrio têm as suas sedes sagradas em Deus, fonte perene de toda vida; E, em se falando da lei de fluídos, cada orbe a possui de conformidade com a sua organização planetária. Com relação ao plano terrestre, somente Jesus e os seus mensageiros mais elevados conhecem os seus processos, com a devida plenitude, constituindo essa lei um campo divino de estudos, não só para a mentalidade humana, como também para os seres desencarnados que já se redimiram dos labores mais grosseiros junto dos círculos da carne, a fim de evoluírem nas esferas mais próximos do cenário terrestre. 24 –As leis da gravitação são análogas em todos os planetas? -As leis da gravitação não podem ser as mesmas para todos os planetas, mesmo porque, em face da vossa evolução científica, já compreendeis que os princípios newtonianos foram substituídos, de algum modo, pelos conceitos de relatividade, conceitos esses que, por sua vez, seguirão, o curso progressivo do conhecimento. 25 –O tele dinamismo é aplicado nas relações entre os planos visíveis e invisíveis? -Sendo o tele dinamismo a ação de forças que atuam, à distância, cumpre-nos esclarecer que, no fenômeno das comunicações, muitas vezes entram em jogo as ações teledinâmicas, imprescindíveis a certas expressões de mediunismo. 26 –Ante os princípios da Física, como poderemos c ompreender o magnetismo e quais as suas características no intercâmbio entre encarnados e desencarnados? -O magnetismo é um fenômeno da vida, por constituir manifestação natural em todos os seres. Se a ciência do mundo já atingiu o campo de equações notáveis nas experiências relativas ao assunto, provando a generalidade e a delicadeza dos fenômenos magnéticos, deveis compreender que as exteriorizações dessa natureza, nas relações entre os dois mundos, são sempre mais elevadas e sutis, em virtude de serem, aí, uma expressão de vida superior. Da Obra “O CONSOLADOR” – Espírito: EMMANUEL – Médium: FRANCISCO CÂNDIDO XAVIER Digitado por: Lúcia Aydir.