SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 1
Baixar para ler offline
PRIMEIRA AMOSTRA DE ECOCARDIOGRAMAS FETAIS EM SERVIÇOS
PÚBLICOS E PRIVADOS E ANÁLISE DOS FATORES DE RISCOS
GESTACIONAIS PARA AS PRINCIPAIS CARDIOPATIAS.
Autores: Letícia A. Pontes; Maria Marina L. A. Costa; Kaio C. A. N. e Silva; Hugo M. Bandeira; Tassila G. Maia; Filipe M. P. da Câmara; Gisele C. P. Leite(dragiseleleite@gmail.com).
Instituições: Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN); Hospital Universitário Onofre Lopes (HUOL); Maternidade Escola Januário Cicco (MEJC); Instituto de Cardiologia de Natal (Centerprev); Obstare Medicina Diagnóstica.
Os ecocardiogramas fetais (EF) permitem o diagnóstico intrauterino de
cardiopatias congênitas (CC), as quais são malformações fetais mais comuns e,
muitas vezes, fatais.
A partir da primeira amostra de EF de serviços públicos e privados do estado,
buscar a frequência e os principais fatores de risco maternos para o
desenvolvimento das CC.
De um total de 570, 414/570 (72,6%) exames foram realizados em instituições
privadas e 156/570 (27,4%) nas públicas. No que se refere às indicações de
exames, 240/570 (42,1%) dos laudos havia algum tipo de indicação descrita
(Tabela 01). As gestantes dos serviços públicos tiveram mais diabetes 32/156
(32%), hipertensão 17/156 (10,9%) e retardo do crescimento intrauterino (RCIU)
5/156(3,2%) comparado ao grupo das instituições privadas. Do total de exames
alterados, 31/181 (17,1%) eram do serviço público e 150/181 (92,9%) do serviço
privado e eles representaram, respectivamente, uma frequência de CC
equivalente à 31/156 (19,8%) e à 150/414 (36,2%), sendo a mais frequentes delas
a Comunicação interventricular (CIV). Dentre as alterações anatômicas valvares
encontradas (06), obteve-se: estenose aórtica (4/6), 66,7%), valva aórtica
bicúspide (1/6, 16,7%), displasia tricúspide (1/6, 16,7%).
Da análise, obtém-se uma grande frequência de CC e alta prevalência dos
seguintes fatores de risco: diabetes, hipertensão, tireoidopatias e outras
malformações, as quais se mostraram como as principais indicações para rastreio
de CC no estado. Este estudo pioneiro trás dados epidemiológicos importantes
para organização da assistência à criança cardiopata no estado.
Levantamento de 570 EF, realizados no período abril/2011 a dezembro/16, por
mesmo cardiopediatra, em quatro instituições públicas e privadas do
estado. Sobre as instituições participantes:
- como parte do complexo hospitalar de um Serviço Universitário (UFRN) de
Referência no estado, temos dois centros, ambos como referência estadual no
Sistema Único de Saúde (SUS): MEJC, onde são realizados exames fetais e
em neonatos; HUOL, com exames realizados a partir do período neonatal;
- duas são centros de caráter privado: Obstare, exclusivamente obstétrico;
Centerprev, com atendimentos em ecocardiogramas fetais e pediátricos.
¹ O total de exames públicos que apresentaram a indicação relatada foi 61/156, entretanto houve exames com mais de uma indicação para um mesmo paciente.
² O total de exames privados que apresentaram a indicação relatada foi 179/414, entretanto houve exames com mais de uma indicação para um mesmo paciente.
³ O total de exames que apresentaram a indicação relatada foi 240/570, entretanto houve exames com mais de uma indicação para um mesmo paciente.
⁴ O total de exames públicos que apresentaram a alterações foi 31/156, entretanto houve exames com mais de uma alteração para um mesmo paciente.
⁵ O total de exames privados que apresentaram a alterações foi 150/414, entretanto houve exames com mais de uma alteração para um mesmo paciente.
⁶ O total de exames que apresentaram a alterações foi 181/570, entretanto houve exames com mais de uma alteração para um mesmo paciente.
RESULTADOS
Tabela 01: Perfil clínico-epidemiológico de gestantes que realizaram ecocardiograma fetal em
instituições públicas e privadas de Natal/RN, no período de abril/11 a dezembro/16.
Variáveis analisadas Instituições públicas
N (%)
Instituições privadas
N (%)
Total
N (%)
Gestantes que apresentaram indicações para realização do EF
61¹ (25,4%) 179² (74,6%) 240³ (100,0%)
Indicações 80 (30,5%) 182 (69,5%) 262 (100,0%)
Relacionadas à mãe 57 (34,1%) 110 (65,9%) 167 (100,0%)
Diabetes 32/57 (56,2%) 52/110 (47,3%) 84/167 (50,3%)
Hipertensão 17/57 (29,8%) 15/110 (13,6%) 32/167 (19,2%)
Tireoidopatia 2/57 (3,5%) 16/110 (14,6%) 18/167 (10,8%)
Outros 6/57 (10,5%) 27/110 (24,5%) 33/167 (19,7%)
Relacionadas ao feto 23 (24,2%) 72 (75,8%) 95(100,0%)
Outra malformação congênita 9/23 (39,1%) 12/72 (16,6%) 21/95 (22,1%)
RCIU 5/23 (21,7%) 7/72 (9,7%) 12/95 (12,6%)
Aumento da translucência nucal 1/23 (4,4%) 10/72 (13,9%) 11/95 (11,6%)
Histórico familiar - 11/72 (15,3%) 11/95 (11,6%)
Outros 8/23 (34,8%) 32/72 (44,5%) 40/95 (42,1%)
Gestantes que apresentaram alterações no EF 31⁴ /156 (19,9%) 150⁵/414 (36,2%) 181⁶/570 (31,7%)
Achados cardiológicos positivos 37 (17,1%) 179 (82,9%) 216(100,0%)
CC definidas 33 (16,8%) 163 (83,1%) 196 (100,0%)
Comunicação interventricular 25/33 (75,8%) 142/163 (87,1%) 167/196 (85,2%)
Coarctação de aorta 1/33 (3,0%) 3/163 (1,9%) 4/196 (2,0%)
Dupla via de saída de ventrículo direito - 2/163 (1,2%) 2/196 (1,0%)
Anomalia de ventrículo direito - 2/163 (1,2%) 2/196 (1,0%)
Comunicação atrioventricular 3/33 (9,1%) 11/163 (6,8%) 14/196 (7,2%)
Comunicação interatrial 3/33 (9,1%) 1/163 (0,6%) 4/196 (2,0%)
Anomalia de Ebstein - 2/163 (1,2%) 2/196 (1,0%)
Atresia Tricúspide 1/33 (3,0%) - 1/196 (0,6%)
Alterações valvares anatômicas - 6 (100,0%) 6 (100,0%)
Alterações valvares funcionais 4 (28,6%) 10 (71,4%) 14 (100,%)
Insuficiência tricúspide 3/4 (75,0%) 9/10 (90,0%) 12/14 (85,7%)
Insuficiência tricúspide e mitral 1/4 (25,0%) 1/10 (10,0%) 2/14 (14,1%)
Repercussões hemodinâmicas N (%) N (%) N (%)
Sim 10/181 (5,5%) 16/181 (8,8%) 26/181 (14,4%)
INTRODUÇÃO
OBJETIVOS
MÉTODOS
RESULTADOS
CONCLUSÃO

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Primeira amostra ecos

Prevalência de cc ao nascimento
Prevalência de cc ao nascimentoPrevalência de cc ao nascimento
Prevalência de cc ao nascimentogisa_legal
 
Malformações extra-cardíacas em pacientes com cardiopatias congênitas atendid...
Malformações extra-cardíacas em pacientes com cardiopatias congênitas atendid...Malformações extra-cardíacas em pacientes com cardiopatias congênitas atendid...
Malformações extra-cardíacas em pacientes com cardiopatias congênitas atendid...blogped1
 
Aplicacao do-teste-do-coracaozinho-em-servico
Aplicacao do-teste-do-coracaozinho-em-servicoAplicacao do-teste-do-coracaozinho-em-servico
Aplicacao do-teste-do-coracaozinho-em-servicogisa_legal
 
Aplicacao do teste do coracaozinho em servico universitario de referancia rel...
Aplicacao do teste do coracaozinho em servico universitario de referancia rel...Aplicacao do teste do coracaozinho em servico universitario de referancia rel...
Aplicacao do teste do coracaozinho em servico universitario de referancia rel...gisa_legal
 
Defeitos congenitos no rs
Defeitos congenitos no rsDefeitos congenitos no rs
Defeitos congenitos no rsgisa_legal
 
Defeitos congenitos no rs
Defeitos congenitos no rsDefeitos congenitos no rs
Defeitos congenitos no rsgisa_legal
 
MICROCEFALIA protocolo clínico e epidemiológico - Pernambuco
MICROCEFALIA protocolo clínico e epidemiológico - PernambucoMICROCEFALIA protocolo clínico e epidemiológico - Pernambuco
MICROCEFALIA protocolo clínico e epidemiológico - PernambucoProf. Marcus Renato de Carvalho
 
Cc em um serviço de referência 2010
Cc em um serviço de referência   2010Cc em um serviço de referência   2010
Cc em um serviço de referência 2010gisa_legal
 
Mortes Maternas em Hospitais Tercearios do Rio Grande
Mortes Maternas em Hospitais Tercearios do Rio GrandeMortes Maternas em Hospitais Tercearios do Rio Grande
Mortes Maternas em Hospitais Tercearios do Rio GrandeCássimo Saide
 
Onco hematologia
Onco hematologiaOnco hematologia
Onco hematologiagisa_legal
 
447 tese ccd-souza_pinto_v_2005
447 tese ccd-souza_pinto_v_2005447 tese ccd-souza_pinto_v_2005
447 tese ccd-souza_pinto_v_2005ssuser75f44f
 
Como usamos as evidências no TelessaúdeRS.
Como usamos as evidências no TelessaúdeRS.Como usamos as evidências no TelessaúdeRS.
Como usamos as evidências no TelessaúdeRS.Eno Filho
 
2006 associação do diagnóstico etiológico com o perfil tromboelastográfico pr...
2006 associação do diagnóstico etiológico com o perfil tromboelastográfico pr...2006 associação do diagnóstico etiológico com o perfil tromboelastográfico pr...
2006 associação do diagnóstico etiológico com o perfil tromboelastográfico pr...Nádia Elizabeth Barbosa Villas Bôas
 
Pôster semana da Ciência do Hospital de Clínicas de Porto Alegre
Pôster semana da Ciência do Hospital de Clínicas de Porto AlegrePôster semana da Ciência do Hospital de Clínicas de Porto Alegre
Pôster semana da Ciência do Hospital de Clínicas de Porto AlegreAishameriane Schmidt
 
Cc no RN: do pediatra à avaliação do cardiologista
Cc no RN: do pediatra à avaliação do cardiologistaCc no RN: do pediatra à avaliação do cardiologista
Cc no RN: do pediatra à avaliação do cardiologistagisa_legal
 

Semelhante a Primeira amostra ecos (20)

Prevalência de cc ao nascimento
Prevalência de cc ao nascimentoPrevalência de cc ao nascimento
Prevalência de cc ao nascimento
 
Malformações extra-cardíacas em pacientes com cardiopatias congênitas atendid...
Malformações extra-cardíacas em pacientes com cardiopatias congênitas atendid...Malformações extra-cardíacas em pacientes com cardiopatias congênitas atendid...
Malformações extra-cardíacas em pacientes com cardiopatias congênitas atendid...
 
Aplicacao do-teste-do-coracaozinho-em-servico
Aplicacao do-teste-do-coracaozinho-em-servicoAplicacao do-teste-do-coracaozinho-em-servico
Aplicacao do-teste-do-coracaozinho-em-servico
 
Aplicacao do teste do coracaozinho em servico universitario de referancia rel...
Aplicacao do teste do coracaozinho em servico universitario de referancia rel...Aplicacao do teste do coracaozinho em servico universitario de referancia rel...
Aplicacao do teste do coracaozinho em servico universitario de referancia rel...
 
Defeitos congenitos no rs
Defeitos congenitos no rsDefeitos congenitos no rs
Defeitos congenitos no rs
 
Defeitos congenitos no rs
Defeitos congenitos no rsDefeitos congenitos no rs
Defeitos congenitos no rs
 
MICROCEFALIA protocolo clínico e epidemiológico - Pernambuco
MICROCEFALIA protocolo clínico e epidemiológico - PernambucoMICROCEFALIA protocolo clínico e epidemiológico - Pernambuco
MICROCEFALIA protocolo clínico e epidemiológico - Pernambuco
 
Cc em um serviço de referência 2010
Cc em um serviço de referência   2010Cc em um serviço de referência   2010
Cc em um serviço de referência 2010
 
Mortes Maternas em Hospitais Tercearios do Rio Grande
Mortes Maternas em Hospitais Tercearios do Rio GrandeMortes Maternas em Hospitais Tercearios do Rio Grande
Mortes Maternas em Hospitais Tercearios do Rio Grande
 
2012
20122012
2012
 
Estudo soroprevalencia das hepatites a b c
Estudo soroprevalencia das hepatites a b cEstudo soroprevalencia das hepatites a b c
Estudo soroprevalencia das hepatites a b c
 
Onco hematologia
Onco hematologiaOnco hematologia
Onco hematologia
 
447 tese ccd-souza_pinto_v_2005
447 tese ccd-souza_pinto_v_2005447 tese ccd-souza_pinto_v_2005
447 tese ccd-souza_pinto_v_2005
 
Como usamos as evidências no TelessaúdeRS.
Como usamos as evidências no TelessaúdeRS.Como usamos as evidências no TelessaúdeRS.
Como usamos as evidências no TelessaúdeRS.
 
2006 associação do diagnóstico etiológico com o perfil tromboelastográfico pr...
2006 associação do diagnóstico etiológico com o perfil tromboelastográfico pr...2006 associação do diagnóstico etiológico com o perfil tromboelastográfico pr...
2006 associação do diagnóstico etiológico com o perfil tromboelastográfico pr...
 
Pôster semana da Ciência do Hospital de Clínicas de Porto Alegre
Pôster semana da Ciência do Hospital de Clínicas de Porto AlegrePôster semana da Ciência do Hospital de Clínicas de Porto Alegre
Pôster semana da Ciência do Hospital de Clínicas de Porto Alegre
 
D1103032328
D1103032328D1103032328
D1103032328
 
Hipertensão
HipertensãoHipertensão
Hipertensão
 
Cc no RN: do pediatra à avaliação do cardiologista
Cc no RN: do pediatra à avaliação do cardiologistaCc no RN: do pediatra à avaliação do cardiologista
Cc no RN: do pediatra à avaliação do cardiologista
 
Txt 690106550
Txt 690106550Txt 690106550
Txt 690106550
 

Primeira amostra ecos

  • 1. PRIMEIRA AMOSTRA DE ECOCARDIOGRAMAS FETAIS EM SERVIÇOS PÚBLICOS E PRIVADOS E ANÁLISE DOS FATORES DE RISCOS GESTACIONAIS PARA AS PRINCIPAIS CARDIOPATIAS. Autores: Letícia A. Pontes; Maria Marina L. A. Costa; Kaio C. A. N. e Silva; Hugo M. Bandeira; Tassila G. Maia; Filipe M. P. da Câmara; Gisele C. P. Leite(dragiseleleite@gmail.com). Instituições: Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN); Hospital Universitário Onofre Lopes (HUOL); Maternidade Escola Januário Cicco (MEJC); Instituto de Cardiologia de Natal (Centerprev); Obstare Medicina Diagnóstica. Os ecocardiogramas fetais (EF) permitem o diagnóstico intrauterino de cardiopatias congênitas (CC), as quais são malformações fetais mais comuns e, muitas vezes, fatais. A partir da primeira amostra de EF de serviços públicos e privados do estado, buscar a frequência e os principais fatores de risco maternos para o desenvolvimento das CC. De um total de 570, 414/570 (72,6%) exames foram realizados em instituições privadas e 156/570 (27,4%) nas públicas. No que se refere às indicações de exames, 240/570 (42,1%) dos laudos havia algum tipo de indicação descrita (Tabela 01). As gestantes dos serviços públicos tiveram mais diabetes 32/156 (32%), hipertensão 17/156 (10,9%) e retardo do crescimento intrauterino (RCIU) 5/156(3,2%) comparado ao grupo das instituições privadas. Do total de exames alterados, 31/181 (17,1%) eram do serviço público e 150/181 (92,9%) do serviço privado e eles representaram, respectivamente, uma frequência de CC equivalente à 31/156 (19,8%) e à 150/414 (36,2%), sendo a mais frequentes delas a Comunicação interventricular (CIV). Dentre as alterações anatômicas valvares encontradas (06), obteve-se: estenose aórtica (4/6), 66,7%), valva aórtica bicúspide (1/6, 16,7%), displasia tricúspide (1/6, 16,7%). Da análise, obtém-se uma grande frequência de CC e alta prevalência dos seguintes fatores de risco: diabetes, hipertensão, tireoidopatias e outras malformações, as quais se mostraram como as principais indicações para rastreio de CC no estado. Este estudo pioneiro trás dados epidemiológicos importantes para organização da assistência à criança cardiopata no estado. Levantamento de 570 EF, realizados no período abril/2011 a dezembro/16, por mesmo cardiopediatra, em quatro instituições públicas e privadas do estado. Sobre as instituições participantes: - como parte do complexo hospitalar de um Serviço Universitário (UFRN) de Referência no estado, temos dois centros, ambos como referência estadual no Sistema Único de Saúde (SUS): MEJC, onde são realizados exames fetais e em neonatos; HUOL, com exames realizados a partir do período neonatal; - duas são centros de caráter privado: Obstare, exclusivamente obstétrico; Centerprev, com atendimentos em ecocardiogramas fetais e pediátricos. ¹ O total de exames públicos que apresentaram a indicação relatada foi 61/156, entretanto houve exames com mais de uma indicação para um mesmo paciente. ² O total de exames privados que apresentaram a indicação relatada foi 179/414, entretanto houve exames com mais de uma indicação para um mesmo paciente. ³ O total de exames que apresentaram a indicação relatada foi 240/570, entretanto houve exames com mais de uma indicação para um mesmo paciente. ⁴ O total de exames públicos que apresentaram a alterações foi 31/156, entretanto houve exames com mais de uma alteração para um mesmo paciente. ⁵ O total de exames privados que apresentaram a alterações foi 150/414, entretanto houve exames com mais de uma alteração para um mesmo paciente. ⁶ O total de exames que apresentaram a alterações foi 181/570, entretanto houve exames com mais de uma alteração para um mesmo paciente. RESULTADOS Tabela 01: Perfil clínico-epidemiológico de gestantes que realizaram ecocardiograma fetal em instituições públicas e privadas de Natal/RN, no período de abril/11 a dezembro/16. Variáveis analisadas Instituições públicas N (%) Instituições privadas N (%) Total N (%) Gestantes que apresentaram indicações para realização do EF 61¹ (25,4%) 179² (74,6%) 240³ (100,0%) Indicações 80 (30,5%) 182 (69,5%) 262 (100,0%) Relacionadas à mãe 57 (34,1%) 110 (65,9%) 167 (100,0%) Diabetes 32/57 (56,2%) 52/110 (47,3%) 84/167 (50,3%) Hipertensão 17/57 (29,8%) 15/110 (13,6%) 32/167 (19,2%) Tireoidopatia 2/57 (3,5%) 16/110 (14,6%) 18/167 (10,8%) Outros 6/57 (10,5%) 27/110 (24,5%) 33/167 (19,7%) Relacionadas ao feto 23 (24,2%) 72 (75,8%) 95(100,0%) Outra malformação congênita 9/23 (39,1%) 12/72 (16,6%) 21/95 (22,1%) RCIU 5/23 (21,7%) 7/72 (9,7%) 12/95 (12,6%) Aumento da translucência nucal 1/23 (4,4%) 10/72 (13,9%) 11/95 (11,6%) Histórico familiar - 11/72 (15,3%) 11/95 (11,6%) Outros 8/23 (34,8%) 32/72 (44,5%) 40/95 (42,1%) Gestantes que apresentaram alterações no EF 31⁴ /156 (19,9%) 150⁵/414 (36,2%) 181⁶/570 (31,7%) Achados cardiológicos positivos 37 (17,1%) 179 (82,9%) 216(100,0%) CC definidas 33 (16,8%) 163 (83,1%) 196 (100,0%) Comunicação interventricular 25/33 (75,8%) 142/163 (87,1%) 167/196 (85,2%) Coarctação de aorta 1/33 (3,0%) 3/163 (1,9%) 4/196 (2,0%) Dupla via de saída de ventrículo direito - 2/163 (1,2%) 2/196 (1,0%) Anomalia de ventrículo direito - 2/163 (1,2%) 2/196 (1,0%) Comunicação atrioventricular 3/33 (9,1%) 11/163 (6,8%) 14/196 (7,2%) Comunicação interatrial 3/33 (9,1%) 1/163 (0,6%) 4/196 (2,0%) Anomalia de Ebstein - 2/163 (1,2%) 2/196 (1,0%) Atresia Tricúspide 1/33 (3,0%) - 1/196 (0,6%) Alterações valvares anatômicas - 6 (100,0%) 6 (100,0%) Alterações valvares funcionais 4 (28,6%) 10 (71,4%) 14 (100,%) Insuficiência tricúspide 3/4 (75,0%) 9/10 (90,0%) 12/14 (85,7%) Insuficiência tricúspide e mitral 1/4 (25,0%) 1/10 (10,0%) 2/14 (14,1%) Repercussões hemodinâmicas N (%) N (%) N (%) Sim 10/181 (5,5%) 16/181 (8,8%) 26/181 (14,4%) INTRODUÇÃO OBJETIVOS MÉTODOS RESULTADOS CONCLUSÃO