SlideShare uma empresa Scribd logo
Clube de Protecção Civil                                 2010 / 2011


                        Prevenção contra cheias e inundações

              As situações de chuva intensa, que originam as cheias, encontram-se associadas a
condições de instabilidade atmosférica que, em Portugal continental, ocorrem geralmente do
Outono à Primavera.
       As inundações ocorrem um pouco por todo o país mas as bacias hidrográficas dos médios
e grandes rios são as mais afectadas. Os rios Tejo, o Douro e o Sado têm um longo historial de
cheias, frequentemente reportadas na comunicação social. Outros rios apresentam actualmente
maior capacidade para evitar a ocorrência de cheias. O rio Mondego, por exemplo, dispõe já de
um sistema integrado de regularização (barragens e diques) que reduz a ocorrência de cheias
frequentes.
       A acção preventiva constitui a estratégia mais eficaz no combate a este tipo de situações
extremas, dadas as suas graves consequências.
       A prevenção de secas é efectuada através de duas componentes, a previsão, que
possibilita a antecipação de acções de controlo, e a monitorização, que permite detectar e         1

conhecer em cada instante o grau de gravidade da situação.
       A previsão de secas é essencialmente climatológica. A monitorização e detecção têm uma
componente fortemente hidrológica.
       O Instituto da Água é a entidade responsável em Portugal pela previsão e detecção de
secas, através do Sistema de Prevenção e Protecção de Secas que, apoiado na monitorização
(Programa de Vigilância e Alerta de Recursos Hídricos) e numa análise de secas regionais,
permite identificar as regiões do país em crise e acompanhar a sua evolução.

                               SE VIVE NUMA ZONA DE CHEIA:

- Adquira o bom hábito de escutar os noticiários da Meteorologia do Outono à Primavera.
- Procure informar-se sobre o historial de cheias passadas.
- Identifique pontos altos onde se possa refugiar e que estejam o mais perto possível de casa ou
do emprego.
- Elabore uma pequena lista dos objectos importantes que deve levar consigo numa possível
evacuação.
- Pondere a hipótese de fazer um seguro da sua casa e do recheio.
- Arranje um anteparo de madeira ou metal para a porta da rua.
- Tenha sempre em casa uma reserva para dois ou três dias de água potável e alimentos que
não se estraguem.
- Mantenha a limpeza do seu quintal, principalmente no Outono devido à queda das folhas.
Clube de Protecção Civil                                      2010 / 2011
              JUNTE NUM ESTOJO DE EMERGÊNCIA O SEGUINTE MATERIAL:
- 1 Rádio transístor e pilhas de reserva;
- 1 Lanterna e pilhas de reserva;
- Velas e fósforos ou isqueiro;
- Medicamentos essenciais para toda a família;
- Agasalhos, reserva de roupa e objectos;
- Artigos especiais e alimentos para bebés;
- Fotocópias de um documento de identificação para cada membro da família;
- Fotocópias de outros documentos importantes.


                                  QUANDO HOUVER UMA CHEIA
- Mantenha-se atento aos noticiários da Meteorologia e às indicações da Protecção Civil
transmitidas pela rádio e televisão.
- Conserve o sangue frio. Transmita calma à sua volta.
- Acondicione num saco de plástico os objectos pessoais mais importantes e os seus documentos.
- Coloque à mão o seu estojo de emergência.                                                       2
- Transfira os alimentos e os objectos de valor para pontos mais altos da casa.
- Liberte os animais domésticos e proceda à evacuação do gado para locais seguros.
- Coloque um anteparo à entrada da casa. Retire do seu quintal objectos que possam ser
arrastados pelas cheias.
- Prepare-se para desligar a água, o gás e a electricidade, se for caso disso.


                                      DURANTE UMA CHEIA


                                    MANTENHA A SERENIDADE
- Procure dar apoio às crianças, aos idosos e aos deficientes.
- Continue atento aos conselhos da Protecção Civil.
- Prepare-se para a necessidade de ter de abandonar a casa.
- Desligue a água, o gás e a electricidade.
- Não ocupe as linhas telefónicas. Use o telefone só em caso de emergência.
- Não caminhe descalço nem saia de casa para visitar os locais mais atingidos.
- Não utilize o carro. Pode ser arrastado para buracos no pavimento, para caixas de esgoto
abertas, ou até para fora da estrada.
- Não entre em zonas caudalosas. Há o risco de não conseguir suportar a força da corrente, além
de que pode ocorrer uma subida inesperada do nível da água.
- A água da cheia pode estar contaminada com substâncias indesejáveis. Não a beba.
- Procure ter sempre uma atitude prática perante os acontecimentos.
Clube de Protecção Civil                                   2010 / 2011

                                          SE FOR EVACUADO
- Mantenha a calma e respeite as orientações que lhe forem transmitidas pela Protecção Civil.
- Não seja alarmista. - Não perca tempo.
- Leve consigo uma mochila com os seus pertences indispensáveis, o estojo de emergência e uma
garrafa de água e bolachas.
- Esteja atento a quem o rodeia. Podem precisar da sua ajuda.

                                          DEPOIS DA CHEIA
- Siga os conselhos da Protecção Civil.
Regresse a casa só depois de lhe ser dada essa indicação.
- Preste atenção às indicações difundidas pela comunicação social.
- Facilite o trabalho das equipas de remoção e limpeza da via pública.
- Ao entrar em casa, faça uma inspecção que lhe permita verificar se a casa ameaça ruir. Se tal
for provável, NÃO ENTRE.
- Não pise nem mexa em cabos eléctricos caídos. Não se esqueça de que a água é condutora de
electricidade.
                                                                                                  3
- Mantenha-se sempre calçado e, se possível, use luvas de protecção.
- Opte pelo seguro. Deite fora a comida (mesmo embalada) e os medicamentos que estiveram
em contacto com a água da cheia, pois podem estar contaminados.
- Verifique o estado das substâncias inflamáveis ou tóxicas que possa ter em casa.
- Comece a limpeza da casa pela dispensa e zonas mais altas.
- Beba sempre água fervida ou engarrafada.


                        Resultados possíveis de precipitação intensa
· Cheias rápidas em meio urbano, por acumulação de águas pluviais ou insuficiências dos
sistemas de drenagem;
· Inundações nas zonas historicamente mais vulneráveis;
· Danos em estruturas montadas ou suspensas;
· Deslizamentos de terras e outros fenómenos geomorfológicos causados por instabilização de
vertentes associada à saturação dos solos, pela perda da sua consistência;
· Aumento do número de acidentes de viação, devido à existência de piso escorregadio e
eventual formação de lençóis de água ou ao arrastamento de materiais sólidos para a via.


   Todos estes cenários podem ser prevenidos se, atempadamente, forem tomadas
                  medidas que anulem ou minimizem os seus efeitos.

                                      Medidas de Prevenção
Clube de Protecção Civil                                   2010 / 2011
· Às informações de meteorologia e indicações da Protecção Civil;
· À desobstrução dos sistemas de escoamento das águas pluviais e retirada de inertes que possam
ser arrastados;
· Ao não atravessamento de zonas inundadas, de modo a precaver o arrastamento de pessoas
ou viaturas;
· À condução de veículos, nomeadamente nas vias propensas à formação de lençóis de água,
aumentando o perigo de acidentes rodoviários, pelo que se aconselha velocidades baixas;
· À adequada fixação de estruturas soltas, nomeadamente, andaimes, placards e outras
estruturas suspensas;
· Evitar estacionar viaturas em zonas onde possam existir estruturas exteriores que possam cair,
nomeadamente árvores de grande porte;
· Às zonas de cheia das bacias dos rios, procurando, nomeadamente, colocar o gado e
equipamento agrícola ou outro tipo de equipamentos em zonas seguras.




                                                                                                   4

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Prevenção contra cheias e inundações

Plano de Prevenção
Plano de PrevençãoPlano de Prevenção
Plano de Prevenção
marleneves
 
Como agir-em-inundacoes
Como agir-em-inundacoesComo agir-em-inundacoes
Como agir-em-inundacoes
Hudson777
 
Sismos
SismosSismos
Sismos
Carmo Silva
 
Dsrm Gabseg Sismos
Dsrm Gabseg SismosDsrm Gabseg Sismos
Dsrm Gabseg Sismos
omundonumsolugar
 
Ciclones
CiclonesCiclones
Ciclones
miguelpim
 
14147.ppttreinamento de bombeiro de 2 classe
14147.ppttreinamento de bombeiro de 2 classe14147.ppttreinamento de bombeiro de 2 classe
14147.ppttreinamento de bombeiro de 2 classe
FabioNicola2
 
TEMA DESASTRES NATURAIS, INUNDAÇÕES NO BRASIL.pdf
TEMA DESASTRES NATURAIS, INUNDAÇÕES NO BRASIL.pdfTEMA DESASTRES NATURAIS, INUNDAÇÕES NO BRASIL.pdf
TEMA DESASTRES NATURAIS, INUNDAÇÕES NO BRASIL.pdf
KarenSousa41
 
Catástrofes naturais
Catástrofes naturaisCatástrofes naturais
Catástrofes naturais
Escola E.B.2,3 de Jovim Gondomar
 
Sismos - Serviço Nacional de Bombeiros e Proteção Civil
Sismos - Serviço Nacional de Bombeiros e Proteção CivilSismos - Serviço Nacional de Bombeiros e Proteção Civil
Sismos - Serviço Nacional de Bombeiros e Proteção Civil
marmfig
 
O que fazer em caso de sismo 2014 09_24 _ atualizado
O que fazer em caso de sismo 2014 09_24  _ atualizadoO que fazer em caso de sismo 2014 09_24  _ atualizado
O que fazer em caso de sismo 2014 09_24 _ atualizado
Licínia Simões
 
Tempestades
TempestadesTempestades
Tempestades
joanaloff
 
Tempestades
TempestadesTempestades
Tempestades
joanaloff
 
Dsrm gabseg sismos
Dsrm gabseg sismosDsrm gabseg sismos
biossegurança saida de campo
biossegurança saida de campobiossegurança saida de campo
biossegurança saida de campo
Adila Trubat
 
2 SUSTENTABILIDADE NA GESTÃO DE INUNDAÇÕES.pdf
2 SUSTENTABILIDADE NA GESTÃO DE INUNDAÇÕES.pdf2 SUSTENTABILIDADE NA GESTÃO DE INUNDAÇÕES.pdf
2 SUSTENTABILIDADE NA GESTÃO DE INUNDAÇÕES.pdf
Faga1939
 
Desastres naturais
Desastres naturaisDesastres naturais
Desastres naturais
Leonardo Medeiros
 
S.b.v. (afogamento) slides
S.b.v. (afogamento)   slidesS.b.v. (afogamento)   slides
S.b.v. (afogamento) slides
Denisson Passos
 
Aterratreme folheto
Aterratreme folhetoAterratreme folheto
Aterratreme folheto
Graça Matos
 
Cheias e inundações (GUIÃO DE APRESENTAÇÃO ORAL)
Cheias e inundações (GUIÃO DE APRESENTAÇÃO ORAL)Cheias e inundações (GUIÃO DE APRESENTAÇÃO ORAL)
Cheias e inundações (GUIÃO DE APRESENTAÇÃO ORAL)
JMCDINIS
 
Sismos 1
Sismos 1Sismos 1
Sismos 1
nenhuma
 

Semelhante a Prevenção contra cheias e inundações (20)

Plano de Prevenção
Plano de PrevençãoPlano de Prevenção
Plano de Prevenção
 
Como agir-em-inundacoes
Como agir-em-inundacoesComo agir-em-inundacoes
Como agir-em-inundacoes
 
Sismos
SismosSismos
Sismos
 
Dsrm Gabseg Sismos
Dsrm Gabseg SismosDsrm Gabseg Sismos
Dsrm Gabseg Sismos
 
Ciclones
CiclonesCiclones
Ciclones
 
14147.ppttreinamento de bombeiro de 2 classe
14147.ppttreinamento de bombeiro de 2 classe14147.ppttreinamento de bombeiro de 2 classe
14147.ppttreinamento de bombeiro de 2 classe
 
TEMA DESASTRES NATURAIS, INUNDAÇÕES NO BRASIL.pdf
TEMA DESASTRES NATURAIS, INUNDAÇÕES NO BRASIL.pdfTEMA DESASTRES NATURAIS, INUNDAÇÕES NO BRASIL.pdf
TEMA DESASTRES NATURAIS, INUNDAÇÕES NO BRASIL.pdf
 
Catástrofes naturais
Catástrofes naturaisCatástrofes naturais
Catástrofes naturais
 
Sismos - Serviço Nacional de Bombeiros e Proteção Civil
Sismos - Serviço Nacional de Bombeiros e Proteção CivilSismos - Serviço Nacional de Bombeiros e Proteção Civil
Sismos - Serviço Nacional de Bombeiros e Proteção Civil
 
O que fazer em caso de sismo 2014 09_24 _ atualizado
O que fazer em caso de sismo 2014 09_24  _ atualizadoO que fazer em caso de sismo 2014 09_24  _ atualizado
O que fazer em caso de sismo 2014 09_24 _ atualizado
 
Tempestades
TempestadesTempestades
Tempestades
 
Tempestades
TempestadesTempestades
Tempestades
 
Dsrm gabseg sismos
Dsrm gabseg sismosDsrm gabseg sismos
Dsrm gabseg sismos
 
biossegurança saida de campo
biossegurança saida de campobiossegurança saida de campo
biossegurança saida de campo
 
2 SUSTENTABILIDADE NA GESTÃO DE INUNDAÇÕES.pdf
2 SUSTENTABILIDADE NA GESTÃO DE INUNDAÇÕES.pdf2 SUSTENTABILIDADE NA GESTÃO DE INUNDAÇÕES.pdf
2 SUSTENTABILIDADE NA GESTÃO DE INUNDAÇÕES.pdf
 
Desastres naturais
Desastres naturaisDesastres naturais
Desastres naturais
 
S.b.v. (afogamento) slides
S.b.v. (afogamento)   slidesS.b.v. (afogamento)   slides
S.b.v. (afogamento) slides
 
Aterratreme folheto
Aterratreme folhetoAterratreme folheto
Aterratreme folheto
 
Cheias e inundações (GUIÃO DE APRESENTAÇÃO ORAL)
Cheias e inundações (GUIÃO DE APRESENTAÇÃO ORAL)Cheias e inundações (GUIÃO DE APRESENTAÇÃO ORAL)
Cheias e inundações (GUIÃO DE APRESENTAÇÃO ORAL)
 
Sismos 1
Sismos 1Sismos 1
Sismos 1
 

Mais de António Fernandes

Castanheiro da princesa
Castanheiro da princesaCastanheiro da princesa
Castanheiro da princesa
António Fernandes
 
O menino no parque
O menino no parqueO menino no parque
O menino no parque
António Fernandes
 
Os Maias - Capítulo XVIII
Os Maias - Capítulo XVIIIOs Maias - Capítulo XVIII
Os Maias - Capítulo XVIII
António Fernandes
 
Os Maias - Capítulo XVII
Os Maias - Capítulo XVIIOs Maias - Capítulo XVII
Os Maias - Capítulo XVII
António Fernandes
 
Os Maias - Capítulo XVI
Os Maias - Capítulo XVIOs Maias - Capítulo XVI
Os Maias - Capítulo XVI
António Fernandes
 
Os Maias - Capítulo XV
Os Maias - Capítulo XVOs Maias - Capítulo XV
Os Maias - Capítulo XV
António Fernandes
 
Os Maias - Capítulo XIV
Os Maias - Capítulo XIVOs Maias - Capítulo XIV
Os Maias - Capítulo XIV
António Fernandes
 
Os Maias - Capítulo XIII
Os Maias - Capítulo XIIIOs Maias - Capítulo XIII
Os Maias - Capítulo XIII
António Fernandes
 
Os Maias - Capítulo XII
Os Maias - Capítulo XIIOs Maias - Capítulo XII
Os Maias - Capítulo XII
António Fernandes
 
Os Maias - Capítulo XI
Os Maias - Capítulo XIOs Maias - Capítulo XI
Os Maias - Capítulo XI
António Fernandes
 
Os Maias - Capítulo X
Os Maias - Capítulo XOs Maias - Capítulo X
Os Maias - Capítulo X
António Fernandes
 
Os Maias - Capítulo IX
Os Maias - Capítulo IXOs Maias - Capítulo IX
Os Maias - Capítulo IX
António Fernandes
 
Os Maias - Capítulo VIII
Os Maias - Capítulo VIIIOs Maias - Capítulo VIII
Os Maias - Capítulo VIII
António Fernandes
 
Os Maias - Capítulo VII
Os Maias - Capítulo VIIOs Maias - Capítulo VII
Os Maias - Capítulo VII
António Fernandes
 
Os Maias - Capítulo VI
Os Maias - Capítulo VIOs Maias - Capítulo VI
Os Maias - Capítulo VI
António Fernandes
 
Os Maias - Capítulo V
Os Maias - Capítulo VOs Maias - Capítulo V
Os Maias - Capítulo V
António Fernandes
 
Os Maias - Capítulo IV
Os Maias - Capítulo IVOs Maias - Capítulo IV
Os Maias - Capítulo IV
António Fernandes
 
Os Maias - Capítulo III
Os Maias - Capítulo IIIOs Maias - Capítulo III
Os Maias - Capítulo III
António Fernandes
 
Os Maias - Capítulo II
Os Maias - Capítulo IIOs Maias - Capítulo II
Os Maias - Capítulo II
António Fernandes
 
Os Maias - Capítulo I
Os Maias - Capítulo IOs Maias - Capítulo I
Os Maias - Capítulo I
António Fernandes
 

Mais de António Fernandes (20)

Castanheiro da princesa
Castanheiro da princesaCastanheiro da princesa
Castanheiro da princesa
 
O menino no parque
O menino no parqueO menino no parque
O menino no parque
 
Os Maias - Capítulo XVIII
Os Maias - Capítulo XVIIIOs Maias - Capítulo XVIII
Os Maias - Capítulo XVIII
 
Os Maias - Capítulo XVII
Os Maias - Capítulo XVIIOs Maias - Capítulo XVII
Os Maias - Capítulo XVII
 
Os Maias - Capítulo XVI
Os Maias - Capítulo XVIOs Maias - Capítulo XVI
Os Maias - Capítulo XVI
 
Os Maias - Capítulo XV
Os Maias - Capítulo XVOs Maias - Capítulo XV
Os Maias - Capítulo XV
 
Os Maias - Capítulo XIV
Os Maias - Capítulo XIVOs Maias - Capítulo XIV
Os Maias - Capítulo XIV
 
Os Maias - Capítulo XIII
Os Maias - Capítulo XIIIOs Maias - Capítulo XIII
Os Maias - Capítulo XIII
 
Os Maias - Capítulo XII
Os Maias - Capítulo XIIOs Maias - Capítulo XII
Os Maias - Capítulo XII
 
Os Maias - Capítulo XI
Os Maias - Capítulo XIOs Maias - Capítulo XI
Os Maias - Capítulo XI
 
Os Maias - Capítulo X
Os Maias - Capítulo XOs Maias - Capítulo X
Os Maias - Capítulo X
 
Os Maias - Capítulo IX
Os Maias - Capítulo IXOs Maias - Capítulo IX
Os Maias - Capítulo IX
 
Os Maias - Capítulo VIII
Os Maias - Capítulo VIIIOs Maias - Capítulo VIII
Os Maias - Capítulo VIII
 
Os Maias - Capítulo VII
Os Maias - Capítulo VIIOs Maias - Capítulo VII
Os Maias - Capítulo VII
 
Os Maias - Capítulo VI
Os Maias - Capítulo VIOs Maias - Capítulo VI
Os Maias - Capítulo VI
 
Os Maias - Capítulo V
Os Maias - Capítulo VOs Maias - Capítulo V
Os Maias - Capítulo V
 
Os Maias - Capítulo IV
Os Maias - Capítulo IVOs Maias - Capítulo IV
Os Maias - Capítulo IV
 
Os Maias - Capítulo III
Os Maias - Capítulo IIIOs Maias - Capítulo III
Os Maias - Capítulo III
 
Os Maias - Capítulo II
Os Maias - Capítulo IIOs Maias - Capítulo II
Os Maias - Capítulo II
 
Os Maias - Capítulo I
Os Maias - Capítulo IOs Maias - Capítulo I
Os Maias - Capítulo I
 

Prevenção contra cheias e inundações

  • 1. Clube de Protecção Civil 2010 / 2011 Prevenção contra cheias e inundações As situações de chuva intensa, que originam as cheias, encontram-se associadas a condições de instabilidade atmosférica que, em Portugal continental, ocorrem geralmente do Outono à Primavera. As inundações ocorrem um pouco por todo o país mas as bacias hidrográficas dos médios e grandes rios são as mais afectadas. Os rios Tejo, o Douro e o Sado têm um longo historial de cheias, frequentemente reportadas na comunicação social. Outros rios apresentam actualmente maior capacidade para evitar a ocorrência de cheias. O rio Mondego, por exemplo, dispõe já de um sistema integrado de regularização (barragens e diques) que reduz a ocorrência de cheias frequentes. A acção preventiva constitui a estratégia mais eficaz no combate a este tipo de situações extremas, dadas as suas graves consequências. A prevenção de secas é efectuada através de duas componentes, a previsão, que possibilita a antecipação de acções de controlo, e a monitorização, que permite detectar e 1 conhecer em cada instante o grau de gravidade da situação. A previsão de secas é essencialmente climatológica. A monitorização e detecção têm uma componente fortemente hidrológica. O Instituto da Água é a entidade responsável em Portugal pela previsão e detecção de secas, através do Sistema de Prevenção e Protecção de Secas que, apoiado na monitorização (Programa de Vigilância e Alerta de Recursos Hídricos) e numa análise de secas regionais, permite identificar as regiões do país em crise e acompanhar a sua evolução. SE VIVE NUMA ZONA DE CHEIA: - Adquira o bom hábito de escutar os noticiários da Meteorologia do Outono à Primavera. - Procure informar-se sobre o historial de cheias passadas. - Identifique pontos altos onde se possa refugiar e que estejam o mais perto possível de casa ou do emprego. - Elabore uma pequena lista dos objectos importantes que deve levar consigo numa possível evacuação. - Pondere a hipótese de fazer um seguro da sua casa e do recheio. - Arranje um anteparo de madeira ou metal para a porta da rua. - Tenha sempre em casa uma reserva para dois ou três dias de água potável e alimentos que não se estraguem. - Mantenha a limpeza do seu quintal, principalmente no Outono devido à queda das folhas.
  • 2. Clube de Protecção Civil 2010 / 2011 JUNTE NUM ESTOJO DE EMERGÊNCIA O SEGUINTE MATERIAL: - 1 Rádio transístor e pilhas de reserva; - 1 Lanterna e pilhas de reserva; - Velas e fósforos ou isqueiro; - Medicamentos essenciais para toda a família; - Agasalhos, reserva de roupa e objectos; - Artigos especiais e alimentos para bebés; - Fotocópias de um documento de identificação para cada membro da família; - Fotocópias de outros documentos importantes. QUANDO HOUVER UMA CHEIA - Mantenha-se atento aos noticiários da Meteorologia e às indicações da Protecção Civil transmitidas pela rádio e televisão. - Conserve o sangue frio. Transmita calma à sua volta. - Acondicione num saco de plástico os objectos pessoais mais importantes e os seus documentos. - Coloque à mão o seu estojo de emergência. 2 - Transfira os alimentos e os objectos de valor para pontos mais altos da casa. - Liberte os animais domésticos e proceda à evacuação do gado para locais seguros. - Coloque um anteparo à entrada da casa. Retire do seu quintal objectos que possam ser arrastados pelas cheias. - Prepare-se para desligar a água, o gás e a electricidade, se for caso disso. DURANTE UMA CHEIA MANTENHA A SERENIDADE - Procure dar apoio às crianças, aos idosos e aos deficientes. - Continue atento aos conselhos da Protecção Civil. - Prepare-se para a necessidade de ter de abandonar a casa. - Desligue a água, o gás e a electricidade. - Não ocupe as linhas telefónicas. Use o telefone só em caso de emergência. - Não caminhe descalço nem saia de casa para visitar os locais mais atingidos. - Não utilize o carro. Pode ser arrastado para buracos no pavimento, para caixas de esgoto abertas, ou até para fora da estrada. - Não entre em zonas caudalosas. Há o risco de não conseguir suportar a força da corrente, além de que pode ocorrer uma subida inesperada do nível da água. - A água da cheia pode estar contaminada com substâncias indesejáveis. Não a beba. - Procure ter sempre uma atitude prática perante os acontecimentos.
  • 3. Clube de Protecção Civil 2010 / 2011 SE FOR EVACUADO - Mantenha a calma e respeite as orientações que lhe forem transmitidas pela Protecção Civil. - Não seja alarmista. - Não perca tempo. - Leve consigo uma mochila com os seus pertences indispensáveis, o estojo de emergência e uma garrafa de água e bolachas. - Esteja atento a quem o rodeia. Podem precisar da sua ajuda. DEPOIS DA CHEIA - Siga os conselhos da Protecção Civil. Regresse a casa só depois de lhe ser dada essa indicação. - Preste atenção às indicações difundidas pela comunicação social. - Facilite o trabalho das equipas de remoção e limpeza da via pública. - Ao entrar em casa, faça uma inspecção que lhe permita verificar se a casa ameaça ruir. Se tal for provável, NÃO ENTRE. - Não pise nem mexa em cabos eléctricos caídos. Não se esqueça de que a água é condutora de electricidade. 3 - Mantenha-se sempre calçado e, se possível, use luvas de protecção. - Opte pelo seguro. Deite fora a comida (mesmo embalada) e os medicamentos que estiveram em contacto com a água da cheia, pois podem estar contaminados. - Verifique o estado das substâncias inflamáveis ou tóxicas que possa ter em casa. - Comece a limpeza da casa pela dispensa e zonas mais altas. - Beba sempre água fervida ou engarrafada. Resultados possíveis de precipitação intensa · Cheias rápidas em meio urbano, por acumulação de águas pluviais ou insuficiências dos sistemas de drenagem; · Inundações nas zonas historicamente mais vulneráveis; · Danos em estruturas montadas ou suspensas; · Deslizamentos de terras e outros fenómenos geomorfológicos causados por instabilização de vertentes associada à saturação dos solos, pela perda da sua consistência; · Aumento do número de acidentes de viação, devido à existência de piso escorregadio e eventual formação de lençóis de água ou ao arrastamento de materiais sólidos para a via. Todos estes cenários podem ser prevenidos se, atempadamente, forem tomadas medidas que anulem ou minimizem os seus efeitos. Medidas de Prevenção
  • 4. Clube de Protecção Civil 2010 / 2011 · Às informações de meteorologia e indicações da Protecção Civil; · À desobstrução dos sistemas de escoamento das águas pluviais e retirada de inertes que possam ser arrastados; · Ao não atravessamento de zonas inundadas, de modo a precaver o arrastamento de pessoas ou viaturas; · À condução de veículos, nomeadamente nas vias propensas à formação de lençóis de água, aumentando o perigo de acidentes rodoviários, pelo que se aconselha velocidades baixas; · À adequada fixação de estruturas soltas, nomeadamente, andaimes, placards e outras estruturas suspensas; · Evitar estacionar viaturas em zonas onde possam existir estruturas exteriores que possam cair, nomeadamente árvores de grande porte; · Às zonas de cheia das bacias dos rios, procurando, nomeadamente, colocar o gado e equipamento agrícola ou outro tipo de equipamentos em zonas seguras. 4