SlideShare uma empresa Scribd logo
Atividade profissional do/a Técnico/a
Auxiliar de Saúde
Objetivos
Identificar as principais atividades do perfil profissional
do/aTécnico/aAuxiliar de Saúde.
Identificar os direitos e deveres do/a Técnico/a Auxiliar de
Saúde.
Identificar o papel do/a Técnico/a Auxiliar de Saúde nos
diferentes contextos de atuação.
Identificar quais as implicações éticas que um/a Técnico/a
Auxiliar de Saúde deve ter em conta no seu desempenho
profissional.
Identificar a legislação que enquadra o seu vínculo
contratual.
Identificar as principais linhas de orientação de um sistema
de avaliação de desempenho.
Explicar que as tarefas que se integram no âmbito de
intervenção do/a Técnico/a Auxiliar de Saúde terão de
ser sempre executadas com orientação e supervisão de
um profissional de saúde.
Identificar as tarefas que têm de ser executadas sob
supervisão direta do profissional de saúde e aquelas que
podem ser executadas sozinho.
Explicar o dever de agir em função das orientações do
Profissional de saúde e sob a sua supervisão.
Explicar a importância de respeitar os princípios de ética
no desempenho das suas funções de Técnico/a Auxiliar de
Saúde.
Explicar a importância da sua atividade para o trabalho de
equipa multidisciplinar.
Explicar a importância de assumir uma atitude pró-ativa na
melhoria contínua da qualidade, no âmbito da sua ação
profissional.
Explicar a importância de cumprir as normas de segurança,
higiene e saúde no trabalho assim como preservar a sua
apresentação pessoal.
Explicar a importância de agir de acordo com normas e/ou
procedimentos definidos no âmbito das suas atividades.
Explicar a importância de adequar a sua ação profissional a
diferentes públicos e culturas.
Explicar a importância de adequar a sua ação profissional a
diferentes contextos institucionais no âmbito dos cuidados
de saúde.
O Técnico Auxiliar de Saúde
O Técnico Auxiliar de Saúde é o profissional
qualificado apto a desempenhar tarefas sob orientação do
profissional de saúde.
O papel do/a Técnico/a Auxiliar de Saúde
perante os direitos e deveres da pessoa que
recorre aos serviços de saúde
Saber atender é uma arte onde diferentes tipos de
Saberes têm de concorrer para que o ato de atender se
transforme num ato de qualidade.
Empenhamento, Competência, Compreensão,
Correção e Rigor são os Valores e Atitudes que
mais contribuem para que esse resultado seja percebido
pelos utentes a quem o Técnico Auxiliar de Saúde
presta o serviço.
O papel do/a Técnico/a Auxiliar de Saúde
perante os direitos e deveres da pessoa que
recorre aos serviços de saúde
Duas componentes essenciais constituem o serviço ao
utente:
a componente processual e a componente pessoal:
ambas fundamentais para a Qualidade do serviço.
O papel do/a Técnico/a Auxiliar de Saúde
perante os direitos e deveres da pessoa que
recorre aos serviços de saúde
O aspeto processual consiste nos sistemas e métodos
implementados para fornecer serviços.
O aspeto pessoal é a forma de atendimento dos utentes:
atitudes, comportamento e expressão verbal.
O papel do/a Técnico/a Auxiliar de Saúde
perante os direitos e deveres da pessoa que
recorre aos serviços de saúde
O utente tem direito à prestação de serviços de boa
qualidade, com urbanidade, respeito e igualdade de
tratamento (Carta Ética da Administração Pública)
O doente tem direito a ser tratado no respeito pela
dignidade humana (doentes – direitos e deveres;
Ministério da Saúde)
O papel do/a Técnico/a Auxiliar de Saúde
perante os direitos e deveres da pessoa que
recorre aos serviços de saúde
O doente tem direito a ser informado acerca dos serviços
de saúde existentes, suas competências e níveis de cuidados
(doentes – direitos e deveres; Ministério da Saúde)
O doente tem o direito a ser informado sobre a sua
situação de saúde (doentes – direitos e deveres; Ministério da
Saúde)
O papel do/a Técnico/a Auxiliar de Saúde
perante os direitos e deveres da pessoa que
recorre aos serviços de saúde
O doente tem direito, por si ou por quem o represente, a
apresentar sugestões e reclamações (doentes – direitos e
deveres; Ministério da Saúde)
O papel do/a Técnico/a Auxiliar de Saúde
perante os direitos e deveres da pessoa que
recorre aos serviços de saúde
Embora a grande maioria dos profissionais se esforce
seriamente por prestar serviços de qualidade, atempados e
humanizados, pode haver situações em que o doente
não foi tratado como deveria ser ou em que algum dos
seus direitos foi ofendido.
O papel do/a Técnico/a Auxiliar de Saúde
perante os direitos e deveres da pessoa que
recorre aos serviços de saúde
O dever de respeitar e promover a liberdade e
privacidade do utente: criança, adolescente,
jovem, idoso, marginal ou carenciado
O doente tem direito a ser tratado no respeito pela
dignidade humana
É um direito humano fundamental, que adquire
particular importância em situação de doença.
É também indispensável que o doente seja informado
sobre a identidade e a profissão de todo o pessoal que
participa no seu tratamento.
Este direito abrange ainda as condições das instalações
e equipamentos, que têm de proporcionar o conforto e o
bem-estar exigidos pela situação de vulnerabilidade em
que o doente se encontra.
O papel do/a Técnico/a Auxiliar de Saúde
perante os direitos e deveres da pessoa que
recorre aos serviços de saúde
O doente tem direito ao respeito pelas suas
convicções culturais, filosóficas e religiosas
Cada doente é uma pessoa com as suas convicções
culturais e religiosas. As instituições e os prestadores
de cuidados de saúde têm, assim, de respeitar esses
valores e providenciar a sua satisfação.
O papel do/a Técnico/a Auxiliar de Saúde
perante os direitos e deveres da pessoa que
recorre aos serviços de saúde
O apoio de familiares e amigos deve ser facilitado e
incentivado.
Do mesmo modo, deve ser proporcionado o apoio
espiritual requerido pelo doente ou, se necessário,
por quem legitimamente o represente, de acordo com as
suas convicções.
O papel do/a Técnico/a Auxiliar de Saúde
perante os direitos e deveres da pessoa que
recorre aos serviços de saúde
O doente tem direito a receber os cuidados apropriados ao seu
estado de saúde, no âmbito dos cuidados preventivos,
curativos, de reabilitação e terminais
 Os serviços de saúde devem estar acessíveis a todos os cidadãos,
de forma a prestar, em tempo útil, os cuidados técnicos e
científicos que assegurem a melhoria da condição do doente e seu
restabelecimento, assim como o acompanhamento digno e
humano em situações terminais.
O papel do/a Técnico/a Auxiliar de Saúde perante
os direitos e deveres da pessoa que recorre aos
serviços de saúde
Em nenhuma circunstância os doentes podem ser
objeto de discriminação.
Os recursos existentes são integralmente postos ao
serviço do doente e da comunidade, até ao limite das
disponibilidades.
O papel do/a Técnico/a Auxiliar de Saúde
perante os direitos e deveres da pessoa que
recorre aos serviços de saúde
O doente tem direito à prestação de cuidados
continuados
Em situação de doença, todos os cidadãos têm o direito
de obter dos diversos níveis de prestação de cuidados
(hospitais e centros de saúde) uma resposta pronta e
eficiente, que lhes proporcione o necessário
acompanhamento até ao seu completo restabelecimento.
O papel do/a Técnico/a Auxiliar de Saúde
perante os direitos e deveres da pessoa que
recorre aos serviços de saúde
O doente e seus familiares têm direito a ser informados
das razões da transferência de um nível de cuidados para outro
e a ser esclarecidos de que a continuidade da sua prestação fica
garantida.
O papel do/a Técnico/a Auxiliar de Saúde
perante os direitos e deveres da pessoa que
recorre aos serviços de saúde
Ao doente e sua família são proporcionados os
conhecimentos e as informações que se mostrem essenciais
aos cuidados que o doente deve continuar a receber no
seu domicílio.
O papel do/a Técnico/a Auxiliar de Saúde
perante os direitos e deveres da pessoa que
recorre aos serviços de saúde
O doente tem direito a ser informado acerca dos serviços
de saúde existentes, suas competências e níveis de cuidados
Ao cidadão tem que ser fornecida informação acerca
dos serviços de saúde locais, regionais e nacionais existentes,
suas competências e níveis de cuidados, regras de organização
e funcionamento, de modo a otimizar e a tornar mais
cómoda a sua utilização.
O papel do/a Técnico/a Auxiliar de Saúde perante
os direitos e deveres da pessoa que recorre aos
serviços de saúde
Ao cidadão tem que ser fornecida informação
acerca dos serviços de saúde locais, regionais e nacionais
existentes, suas competências e níveis de cuidados, regras
de organização e funcionamento, de modo a otimizar
e a tornar mais cómoda a sua utilização.
O papel do/a Técnico/a Auxiliar de Saúde perante
os direitos e deveres da pessoa que recorre aos
serviços de saúde
Os serviços prestadores dos diversos níveis de
cuidados devem providenciar no sentido de o doente
ser sempre acompanhado dos elementos de
diagnóstico e terapêutica considerados importantes
para a continuação do tratamento.
O papel do/a Técnico/a Auxiliar de Saúde perante
os direitos e deveres da pessoa que recorre aos
serviços de saúde
O doente tem direito a ser informado sobre a sua
situação de saúde
Esta informação deve ser prestada de forma clara,
devendo ter sempre em conta a personalidade, o grau de
instrução e as condições clínicas e psíquicas do
doente.
O papel do/a Técnico/a Auxiliar de Saúde perante
os direitos e deveres da pessoa que recorre aos
serviços de saúde
Especificamente, a informação deve conter elementos
relativos ao diagnóstico (tipo de doença), ao prognóstico
(evolução da doença), tratamentos a efetuar, possíveis riscos e
eventuais tratamentos alternativos.
O doente pode desejar não ser informado do seu estado
de saúde, devendo indicar, caso o entenda, quem deve receber
a informação em seu lugar.
O papel do/a Técnico/a Auxiliar de Saúde perante
os direitos e deveres da pessoa que recorre aos
serviços de saúde
O doente tem o direito de obter uma segunda
opinião sobre a sua situação de saúde
Este direito, que se traduz na obtenção de parecer de
um outro médico, permite ao doente complementar a
informação sobre o seu estado de saúde, dando-lhe a
possibilidade de decidir, de forma mais esclarecida, acerca do
tratamento a prosseguir.
O papel do/a Técnico/a Auxiliar de Saúde perante
os direitos e deveres da pessoa que recorre aos
serviços de saúde
O doente tem direito a dar ou recusar o seu
consentimento, antes de qualquer ato médico ou
participação em investigação ou ensino clínico
O consentimento do doente é imprescindível para a
realização de qualquer ato médico, após ter sido corretamente
informado.
O papel do/a Técnico/a Auxiliar de Saúde perante
os direitos e deveres da pessoa que recorre aos
serviços de saúde
O doente pode, excetuando alguns casos particulares,
decidir, de forma livre e esclarecida, se aceita ou recusa
um tratamento ou uma intervenção, bem como alterar a sua
decisão.
Pretende-se, assim, assegurar e estimular o direito à
autodeterminação, ou seja, a capacidade e a autonomia
que os doentes têm de decidir sobre si próprios.
O papel do/a Técnico/a Auxiliar de Saúde perante
os direitos e deveres da pessoa que recorre aos
serviços de saúde
O consentimento pode ser presumido em situações de
emergência e, em caso de incapacidade, deve este direito
ser exercido pelo representante legal do doente.
O papel do/a Técnico/a Auxiliar de Saúde perante
os direitos e deveres da pessoa que recorre aos
serviços de saúde
O doente tem direito de acesso aos dados registados
no seu processo clínico
A informação clínica e os elementos identificativos de um
doente estão contidos no seu processo clínico.
O doente tem o direito de tomar conhecimento dos dados
registados no seu processo.
O papel do/a Técnico/a Auxiliar de Saúde perante
os direitos e deveres da pessoa que recorre aos
serviços de saúde
O doente tem direito, por si ou por quem o
represente, a apresentar sugestões e reclamações
O doente, por si, por quem legitimamente o substitua ou
por organizações representativas, pode avaliar a
qualidade dos cuidados prestados e apresentar sugestões
ou reclamações.
O papel do/a Técnico/a Auxiliar de Saúde perante
os direitos e deveres da pessoa que recorre aos
serviços de saúde
Os deveres para com a família do
utente
A prestação de cuidados de saúde efetua-se no
respeito rigoroso do direito do doente à
privacidade, o que significa que qualquer ato de
diagnóstico ou terapêutica só pode ser efetuado na
presença dos profissionais indispensáveis à sua execução,
salvo se o doente consentir ou pedir a presença de
outros elementos.
A família não pode ser esquecida, não só porque é
quem normalmente apoia a pessoa doente, mas porque
também ela deve ser tida em conta no planeamento
dos cuidados, não é só a pessoa o alvo dos cuidados de
enfermagem, a família sofre alterações importantes
quando um dos seus elementos adoece e precisa de
apoio para se reestruturar ou para se manter estruturada.
Os deveres para com a família do
utente
O papel do Técnico Auxiliar de
Saúde na equipa de saúde
Tarefas que, sob orientação de um profissional de
saúde, tem de executar sob sua supervisão direta
O técnico auxiliar de saúde tem com funções:
Auxiliar sob orientações do técnico auxiliar de saúde:
Na prestação de cuidados de saúde aos utentes,
Na recolha e transporte de amostras biológicas,
Na limpeza, higienização e transporte de roupas,
materiais e equipamentos
O papel do Técnico Auxiliar de
Saúde na equipa de saúde
Auxiliar na prestação de cuidados aos utentes, de
acordo com orientações do enfermeiro:
Ajudar o utente nas necessidades de eliminação e
nos cuidados de higiene e conforto de acordo, com as
orientações do enfermeiro;
O papel do Técnico Auxiliar de
Saúde na equipa de saúde
Auxiliar o enfermeiro na prestação de cuidados de
eliminação, nos cuidados de higiene e conforto ao utente
e na realização de tratamentos a feridas e úlceras;
Auxiliar o enfermeiro na prestação de cuidados ao
utente que vai fazer, ou fez, uma intervenção cirúrgica;
O papel do Técnico Auxiliar de
Saúde na equipa de saúde
Auxiliar nas tarefas de alimentação e hidratação
do utente, nomeadamente na preparação de
refeições ligeiras ou suplementos alimentares e no
acompanhamento durante as refeições;
Executar tarefas que exijam uma intervenção imediata
e simultânea ao alerta do técnico auxiliar de saúde;
O papel do Técnico Auxiliar de
Saúde na equipa de saúde
Auxiliar nos cuidados post-mortem, de acordo com
orientações do técnico auxiliar de saúde.
Assegurar a limpeza, higienização e transporte de
roupas, espaços, materiais e equipamentos, sob a
orientação de profissional de saúde:
O papel do Técnico Auxiliar de
Saúde na equipa de saúde
Assegurar a recolha, transporte, triagem e
acondicionamento de roupa da unidade do utente, de
acordo com normas e/ou procedimentos definidos;
Efetuar a limpeza e higienização das instalações/
superfícies da unidade do utente, e de outros espaços
específicos, de acordo com normas e/ou procedimentos
definidos;
O papel do Técnico Auxiliar de
Saúde na equipa de saúde
Efetuar a lavagem e desinfeção de material
hoteleiro, material clínico e material de apoio clínico em
local próprio, de acordo com normas e/ou procedimentos
definidos;
Assegurar o armazenamento e conservação adequada
de material hoteleiro, material de apoio clínico e clínico de
acordo com normas e/ou procedimentos definidos;
O papel do Técnico Auxiliar de
Saúde na equipa de saúde
Efetuar a lavagem (manual e mecânica) e desinfeção
química, em local apropriado, de equipamentos do serviço,
de acordo com normas e/ou procedimentos definidos;
Recolher, lavar e acondicionar os materiais e
equipamentos utilizados na lavagem e desinfeção, de acordo
com normas e/ou procedimentos definidos, para posterior
recolha de serviço interna ou externa;
O papel do Técnico Auxiliar de
Saúde na equipa de saúde
Assegurar a recolha, triagem, transporte e
acondicionamento de resíduos hospitalares, garantindo o
manuseamento e transporte adequado dos mesmos de
acordo com procedimentos definidos.
Auxiliar o técnico auxiliar de saúde na recolha de
amostras biológicas e transporte para o serviço adequado,
de acordo com normas e/ou procedimentos definidos
O papel do Técnico Auxiliar de
Saúde na equipa de saúde
O técnico auxiliar de saúde, para além das tarefas
anteriormente descritas, possui um conjunto de outras
que realiza sem a supervisão de um profissional de
saúde:
Tarefas que, sob orientação e supervisão de um
profissional de saúde, pode executar sozinho
Assegurar atividades de apoio ao funcionamento das
diferentes unidades e serviços de saúde:
Efetuar a manutenção preventiva e reposição de
material e equipamentos;
Efetuar o transporte de informação entre as
diferentes unidades e serviços de prestação de cuidados de
saúde;
Tarefas que, sob orientação e supervisão de um
profissional de saúde, pode executar sozinho
Encaminhar os contactos telefónicos de acordo
com normas e/ ou procedimentos definidos;
Encaminhar o utente, familiar e/ou cuidador, de
acordo com normas e/ ou procedimentos definidos
Tarefas que, sob orientação e supervisão de um
profissional de saúde, pode executar sozinho
Apresentação pessoal e
fardamento
Para uma prestação adequada e segura aos doentes, é
necessário ter em conta alguns aspetos relativos à
higiene e apresentação pessoal do técnico
auxiliar de saúde no sentido de prevenir infeções.
Aspetos a ter em conta:
Higiene pessoal diária e cuidada;
Uso de farda limpa;
Arranjo pessoal na prestação dos cuidados
Apresentação pessoal e
fardamento
Na sua apresentação pessoal, o técnico auxiliar de
saúde deve ter em conta os seguintes aspetos:
Não usar adornos como anéis, brincos compridos, fios,
etc.;
Usar o cabelo apanhado (no caso de ser comprido);
Apresentação pessoal e
fardamento
Usar unhas curtas, limpas e sem verniz;
Limpar e desinfetar golpes, protegendo-os com um
penso
Não tossir ou espirrar perto do utente;
Apresentação pessoal e
fardamento
Usar luvas e máscara mediante necessidade;
Lavar sempre as mãos e antebraços antes e após a
prestação de cuidados de higiene ao doente
Apresentação pessoal e
fardamento
A farda é um instrumento de trabalho pelo que:
Deve ser diferente de instituição para instituição.
Deve ser identificativa do cargo que o profissional de
saúde ocupa;
Dever ser pessoal e intransmissível e
Apresentação pessoal e
fardamento
Deve estar limpa.
Apresentação pessoal e
fardamento
Idealmente dever-se-ia trocar de farda diariamente
Lavagem deve ser feita a uma temperatura superior a
60ºC
Remoção da sujidade e eliminação de microrganismos
suscetíveis de infeção.
Apresentação pessoal e
fardamento
Depois de lavada e seca deve ser bem passada a ferro
O calçado deve ser Institucionalizado (estipulado
como seguro e adequado ao desempenho das suas
funções)
Apresentação pessoal e
fardamento
Em piso antiderrapante deve ser de borracha
Tal como a farda deve ser unicamente usado no local de
trabalho
Apresentação pessoal e
fardamento
Conceitos de moral ética e bioética
Moral é um conjunto de normas, prescrições e valores
que regulamentam o comportamento dos indivíduos na
sociedade.
Amoral é o indivíduo que se situa à margem de
qualquer consideração no que concerne à moral.
Imoral é o indivíduo que aceita as normas estabelecidas,
porém, eventualmente as transgride.
A bioética é a ética aplicada à vida e, abrange temas
que vão desde uma simples relação interpessoal até fatores
que interferem na sobrevivência do próprio planeta.
A vida do homem contemporâneo e as questões ligadas as
relações sociais dos diversos grupos humanos fez nascer na
área de saúde a Bioética, que é simplesmente a ética
aplicada a saúde. A bioética envolve tanto a relação
médico paciente como a pesquisa em seres humanos.
Os princípios da Bioética:
O Advisory Committee on Human Radiation
Experiments (ACHRE) utilizou, para embasar sua
reflexão ética a respeito destes experimentos, três
princípios éticos básicos:
Beneficência ou princípio da não-maleficência:
toda e qualquer tecnologia deve trazer benefícios para a
sociedade e jamais causar-lhe malefícios.
Justiça distributiva: os avanços técnico-científicos
devem beneficiar a sociedade como um todo e não apenas
alguns grupos privilegiados.
As implicações éticas no desempenho das
funções do Técnico Auxiliar de Saúde
Para que haja conduta ética é preciso que exista o
agente consciente, isto é, aquele que conhece a
diferença entre bem e mal, certo e errado,
permitido e proibido, virtude e vício.
Consciência e responsabilidade são condições
indispensáveis da vida ética. A consciência moral
manifesta-se, antes de tudo, na capacidade para decidir
perante alternativas possíveis, decidindo e escolhendo
uma delas antes de se lançar na ação.
A vontade é o poder deliberativo e decisório do
agente moral. Para que se exerça tal poder sobre o
sujeito moral, a vontade deve ser livre, isto é, não pode
estar submetida à vontade de um outro nem pode estar
submetida aos instintos e às paixões, mas, ao contrário,
deve ter poder sobre eles e elas.
Condutas éticas com o paciente:
Premissas éticas importantes na relação com o
paciente:
Respeitar a vontade do paciente, conquistando
gradualmente a confiança técnica , ética e moral do mesmo.
Desta forma todo procedimento realizado deve ser
explicado, fazendo com que o mesmo se mantenha sempre
seguro.
Manter os registos, relatórios e as evoluções clínicas do
paciente sempre atualizadas.
Não divulgar, em particular ou em público, quaisquer
informações que tenham origem nas palavras dos
pacientes, mesmo que estes tenham dito que as mesmas
não eram confidenciais.
Ética profissional: Regulamento tomado como
consenso para se seguir de acordo com os conceitos
morais intrínsecos específicos de cada profissão. Vide:
Código de Ética Profissional
É dever de cada profissional admitir os limites de
intervenção técnica e ética da sua profissão,
encaminhando o paciente a um especialista de acordo
com as necessidades clinicas específicas de cada situação,
sempre explicando claramente ao paciente.
Nunca desacreditar ou menosprezar o médico ou
qualquer outro profissional de saúde, valorizando sempre o
seu trabalho.
Ter cuidado ao comentar casos de pacientes com
outros pacientes mesmo com a intenção de encorajá-los,
pois isto tanto foge da técnica quanto amedronta o
paciente.
Condutas éticas na equipe
multidisciplinar
São premissas importantes
Manter um bom relacionamento com os demais
membros da equipa multidisciplinar em saúde.
Nunca diminuir o respeito e a consideração técnica do
paciente a um outro profissional.
Nunca cercear o exercício profissional de outrem.
Respeitar as normas internas, titulações, condutas
éticas específicas e legislações, estabelecidas pela ordem,
associação ou conselho profissional das demais
profissões.
Seguir as normas legais de sua própria profissão.
Manter a humildade como uma ferramenta de
diálogo entre a equipe de saúde, facilitando assim a troca
de informações entre especialidades e disciplinas de
saúde.
Direitos humanos e humanização
na saúde
Humanização é uma atividade de dimensão humana,
gerida pelo coração, sensível às necessidades dos outros.
É o relacionamento inter-humano, afetivo e
emocional, que tem como prioridade conferir aos outros
a dignidade a que têm direito como pessoa humana.
A humanização é a missão de todos, e de cada um de
nós.
Humanização em saúde significa:
O atendimento pessoal sem obrigação ou imposição.
É dar condições de vida, com toda a dignidade.
É ter consciência de que essa área cuida de vidas, cada qual
com a sua personalidade.
Ter sempre presente os cuidados básicos: a alimentação, a
higiene pessoal e o conforto.
Minorar o sofrimento do doente e família em várias
situações.
Saber identificar medidas de apoio ao doente, família e equipa
de saúde, durante a doença, agonia e até na morte.
A alimentação
Assegurar a qualidade e quantidade nutricional
aos doentes durante o período de hospitalização,
oferecendo dieta equilibrada de fácil mastigação e
deglutição. De referir que a apresentação das
refeições é fundamental, dar-lhe um toque colorido
torna o prato mais atrativo, podendo assim estimular-lhes
o apetite, porque “os olhos também comem”.
A hora das refeições deve tornar-se num momento
agradável e ansiado pelo doente, pode ser um momento
único de socialização que proporcione uma agradável
troca de palavras e um toque pessoal e humano.
A higiene
O cuidado com a higiene pessoal, consoante as
necessidades de cada pessoa e não somente quando está
próximo o horário das visitas, para além de ser um
direito que lhe assiste (consagrado nos direitos humanos)
é fundamental para o bem-estar das mesmas.
Também a alegria no acompanhamento das
rotinas diárias, nomeadamente, no banho, respetiva
hidratação, mudas de roupa e outras, complementa esse
bem-estar pessoal.
Apoios
Acolher tanto o paciente como os seus familiares,
e se necessário, proporcionar apoio psicológico aos
familiares. Preparar a família para situações de
choque, como, a de encontrar os seus familiares
doentes, submetidos a equipamento médico tão confuso
que até receiam tocar-lhes.
Em casos de internamento prolongado, favorecer
à criança e jovens, meios educacionais e pedagógicos,
que possibilitem a continuidade da atividade
escolar, assim como aos que requerem educação especial,
respeitando sempre as suas diferenças culturais.
Clarificar com uma linguagem simples e de fácil
compreensão todos os procedimentos desenvolvidos, no
ato da consulta ou tratamentos efetuados. Como fazer no
caso dos tratamentos, tomada dos medicamentos,
assim como uma explicação cuidadosa da sua doença, sem
dramatismos indevidos.
Promover programas de reabilitação onde as
famílias dos doentes estejam incluídas. Trabalhos de
equipa multidisciplinares sendo estes “médico,
enfermeiro, padre, família” a base dessa discussão, deve ser
troca de informações entre os diversos membros, que
permitam tirar conclusões no sentido de melhorar os
serviços.
Terapia religiosa
Apoiar o doente nas suas convicções religiosas. A
fé consegue atenuar a dor física, é a resignação para o seu
sofrimento. Chegando mesmo a atribuir o sucesso da sua
cura aos seus Santos e não, ao progresso da medicina.
Processos para atingir a
humanização
Educar e sensibilizar os profissionais de saúde de
todos os níveis, inclusive os estudantes de medicina e de
enfermagem para a promoção e o respeito aos direitos dos
pacientes e dos seus familiares.
No ato da formação de técnicos de saúde, ou de
quaisquer outros serviços, mesmo os menos
remunerados, deve haver uma maior consciencialização,
para que nunca seja descurada a parte da humanização. O
serviço humanitário deve complementar o zelo
profissional.
Sensibilizar os pacientes e seus familiares, assim
como os restantes intervenientes, funcionários e
estrutura organizacional da instituição que, não estando
dispensados do seu papel no ato de humanizar,
também precisam de formação para o seu melhor
desempenho nessa tarefa tão delicada.
Proporcionar às populações, através da
comunicação social (TV, folhetos), campanhas de
formação e orientação nos cuidados de saúde, alimentação e
higiene. A televisão por exemplo: é um veio de
comunicabilidade importante na divulgação do que achamos
importante
O bom relacionamento, passa pelo respeito e
pela comunicabilidade entre as equipas hierárquicas,
para tal, é importante a confiança e interação entre as
equipas, nunca, numa tentativa de querer agradar,
desvalorizar ou menosprezar o trabalho do outro.
Acreditar no que fazemos e dizemos.
Humanização nas instituições
É de máxima importância promover uma interação
utente/família, para que a família se consciencialize como é
importante a sua presença junto deles.
Promover atividades sociais, religiosas (consoante as
suas crenças e culturas), artesanais, educativas,
relacionando-as com os seus interesses.
Humanizar os espaços
Os espaços deviam ser adaptáveis às necessidades
abrangentes de todos os possíveis utilizadores a esses
serviços, de forma a promover a sua própria
independência. Exemplo: identificados de forma a reduzir
a sensação de confusão, esquemas de orientação facilmente
identificáveis de, quartos, casas de banho, salas de convívio,
refeitório, enfermaria e outros.
A importância da construção horizontal, de rampas
em vez de escadas, com piso antiderrapante, tendo em
conta a reduzida mobilidade dos utentes, aliás, este
parágrafo é extensível a todos os serviços, inclusive os
públicos, onde as pessoas que se movem em cadeiras de
rodas, não podem aceder.
O acautelamento de objetos suscetíveis de perigo
para os institucionalizados, ou no domicílio.
Ambiente seguro, como por exemplo: não deixar objetos
espalhados pelo chão; manter pontos de luz acesos durante a
noite; oferecer camas com altura, de maneira a que o
institucionalizado possa firmar os pés, antes de se levantar;
não trancar as portas com chaves e outros.
A conservação, manutenção, arrumação e
limpeza das áreas de instalações e do
equipamento requerem uma principal preocupação,
não só por questões de higiene, como também para
favorecer o bem -estar.
Direito de trabalho
Um contrato de trabalho é aquele pelo qual uma
pessoa se obriga, mediante retribuição, a prestar a sua
atividade a outra ou outras pessoas, sob a autoridade e
direção destas. Vamos analisar a definição:
É um contrato - acordo de vontades entre duas pessoas
(singulares ou coletivas)
Pelo qual uma pessoa se obriga (trabalhador)
Mediante retribuição (salário)
A prestar a sua atividade (ex. eletricista)
Sob a autoridade e direção (é o empregador que diz ao
trabalhador o que este deve fazer dentro de limites
legais)
DIREITOS E DEVERES DAS PARTES
O empregador, por exemplo, está obrigado a:
Respeitar o trabalhador enquanto seu colaborador e a
reconhecer o seu trabalho, retribuindo-lhe um
pagamento acordado entre as duas partes e dando-lhe as
necessárias condições de trabalho.
Verificar a qualidade da execução das tarefas e
providenciar formas de aumentar a produtividade dos
empregados.
Precaver situações de risco e garantir a segurança dos
trabalhadores, bem como indemnizá-los dos prejuízos
resultantes de acidentes ou doenças causados pelo trabalho.
E tem o direito de:
Ver a sua autoridade reconhecida pelos trabalhadores,
merecendo ser tratado com lealdade e urbanidade.
Ver os seus trabalhadores cumprirem o horário de
trabalho acordado e obedecerem às suas ordens em tudo
o que diz respeito à execução das tarefas.
Impedir os trabalhadores de divulgar informações
internas relacionadas com a entidade empregadora ou de
negociarem por conta própria ou alheia em concorrência
para com esta.
Manter os seus bens em bom estado e sentir que os
trabalhadores se empenham na produtividade da
empresa,
DIREITOS, DEVERES E GARANTIAS
DOS TRABALHADORES EM GERAL
Em síntese são deveres do trabalhador:
Respeitar e tratar com urbanidade e probidade o
empregador, os superiores hierárquicos, os companheiros
de trabalho e as demais pessoas que estejam ou entrem em
relação com a empresa;
Comparecer ao serviço com assiduidade e pontualidade;
Realizar o trabalho com zelo e diligência;
Cumprir as ordens e instruções do empregador em tudo o
que respeite à execução e disciplina do trabalho, salvo na
medida em que se mostrem contrárias aos seus direitos e
garantias;
Guardar lealdade ao empregador, nomeadamente não
negociando por conta própria ou alheia em concorrência
com ele, nem divulgando informações referentes à
sua organização, métodos de produção ou negócios;
Velar pela conservação e boa utilização dos bens
relacionados com o seu trabalho que lhe forem confiados
pelo empregador;
Promover ou executar todos os atos tendentes à
melhoria da produtividade da empresa;
Cooperar, na empresa, estabelecimento ou serviço, para a
melhoria do sistema de segurança, higiene e saúde no
trabalho, nomeadamente por intermédio dos representantes
dos trabalhadores eleitos para esse fim;
Cumprir as prescrições de segurança, higiene e saúde no
trabalho estabelecidas nas disposições legais ou convencionais
aplicáveis, bem como as ordens dadas pelo empregador.
DIREITOS E DEVERES DA
ENTIDADE PATRONAL
Em síntese, podemos dizer que o empregador tem como
suas obrigações:
Respeitar e tratar com urbanidade e probidade o
trabalhador;
Pagar pontualmente a retribuição, que deve ser justa e
adequada ao trabalho;
Proporcionar boas condições de trabalho, tanto do ponto
de vista físico como moral;
Contribuir para a elevação do nível de produtividade do
trabalhador, nomeadamente, proporcionando-lhe formação
profissional;
Respeitar a autonomia técnica do trabalhador que exerça
atividades cuja regulamentação profissional a exija;
Possibilitar o exercício de cargos em organizações
representativas dos trabalhadores;
Prevenir riscos e doenças profissionais, tendo em conta
a proteção da segurança e saúde do trabalhador, devendo
indemnizá-lo dos prejuízos resultantes de acidentes de
trabalho;
Adotar, no que se refere à higiene, segurança e saúde no
trabalho, as medidas que decorram, para a empresa,
estabelecimento ou atividade, da aplicação das prescrições
legais e convencionais vigentes;
Fornecer ao trabalhador a informação e a formação
adequadas à prevenção de riscos de acidente e doença;
Manter permanentemente atualizado o registo do pessoal
em cada um dos seus estabelecimentos, com indicação dos
nomes, datas de nascimento e admissão, modalidades dos
contratos.
O sistema de avaliação de
desempenho - Modelo
Desde que os enfermeiros se constituíram como “grupo
profissional”, sempre foram avaliados com o intuito de
melhorar o seu desempenho, até que, em 1993, se instituiu
um sistema de avaliação formal, baseado num paradigma de
gestão por objetivos e assente numa filosofia de projeto: a
avaliação de desempenho (AD).
A AD está, pois, regulamentada em decreto desde 1991
(Decreto-lei n.º 437 de 8 de Novembro) e,
posteriormente, pelo Despacho nº 2/93.
De acordo com o Artº 43, do DL nº 437/91, a AD consiste
na avaliação contínua do trabalho desenvolvido
pelo enfermeiro e na atribuição periódica (o
período considerado é de três anos) de uma menção
qualitativa. Tem como objetivos:
 Contribuir para que o enfermeiro melhore o seu
desempenho, através do conhecimento das suas
potencialidades;
 Contribuir para a valorização do enfermeiro, tanto
pessoal como profissional, de modo a facilitar a sua
progressão e promoção na carreira;
 Detetar fatores que influenciam o rendimento
profissional do enfermeiro;
 Detetar necessidades de formação.
A AD consiste, então, numa apreciação sistemática do
exercício profissional do enfermeiro para
determinar se o mesmo possui os conhecimentos, as
habilidades, as atitudes e o julgamento necessários e se
os utiliza na sua prática.
É uma forma de avaliação contínua e dinâmica que
permite a autoavaliação, auto crítica e a
heteroavaliação. Na AD, intervêm apenas os
enfermeiros e, independentemente da sua categoria, todos
são avaliados.
A AD é operacionalizada do
seguinte modo:
Existe um enfermeiro avaliado e um enfermeiro
avaliador (superior hierárquico imediato). Durante o
triénio, são realizadas quer pelo enfermeiro, quer pelo
avaliado ou em conjunto, uma série de etapas (observação,
entrevistas, projeto profissional).
 A observação do desempenho constitui um método
sistemático de colheita de dados pelo avaliador, não incide
sobre a personalidade do avaliado, mas sim sobre o seu
desempenho. As entrevistas realizadas com o avaliado
são documentadas e registadas em documento
próprio.
 No final do triénio, o enfermeiro avaliado realiza o
relatório crítico de atividades. Neste relatório, deverá
descrever:
as atividades inerentes à categoria profissional que
mais contribuíram para o seu desenvolvimento pessoal,
profissional e respetiva justificação;
os fatores que influenciaram o seu rendimento
profissional;
as suas necessidades de formação e justificação; e,
ainda,
as expectativas futuras relativas ao desempenho das
suas funções.
 No final do processo, é atribuída uma menção qualitativa,
que poderá ser de Satisfaz ou Não Satisfaz. Para a
atribuição de Não Satisfaz, consideram-se as situações de
deficiente desempenho e de insuficiente ou deficiente
relacionamento com o utente / familiar, grupo ou
comunidade e restante pessoal da equipa de
trabalho.
 Este sistema de AD traz alguns benefícios para as
chefias operacionais, pois permite reduzir a
subjectividade, melhorar o desempenho e a comunicação e
promover o desenvolvimento profissional. Para
além disto, permite definir os contributos de cada um para
a instituição, identificar as necessidades de
formação e melhorar as relações interpessoais.
Convenção Coletiva de Trabalho
(CCT) para a área da Saúde
Convenção coletiva de trabalho, ou CCT, é um ato
jurídico pactuado entre sindicatos de empregadores e de
empregados para o estabelecimento de regras nas
relações de trabalho em todo o âmbito das respetivas
categorias (económica e profissional).
Uma convenção coletiva de trabalho terá a
validade máxima de dois anos, porém, o mais
comum é o prazo de um ano. Nada impede que
certas cláusulas tenham validade diversa de outras, desde
que seja respeitado o limite acima.
Porquê um Contrato Colectivo de Trabalho (CCT)
se existe o Código do Trabalho (CT)?
O Código do Trabalho (Lei 7/2009 de 12 de
Fevereiro) é uma “Lei aberta”, ou seja regula
imperativamente poucas matérias, possibilitando às partes
negociais, (Sindicatos e Empregadores ou Associações
Patronais) estabelecer nas matérias não imperativas,
condições inferiores às que ela própria estabeleceu, ou
condições mais favoráveis do que aquilo que ela
própria tinha definido.
A correlação de forças entre empregadores e
empregados ou seja entre patrões e sindicatos,
determina o resultado da negociação.
É portanto a própria Lei que “empurra” as partes (Patrões
e Sindicatos) a iniciar processos de negociação, tendo em
vista, ou a construção de Instrumentos de
Regulamentação Coletiva de Trabalho (IRCT) ou
não conseguindo negociar ou não tendo capacidade para o
fazer, deixando aos trabalhadores as escassas normas
imperativas do Código do Trabalho e o livre
arbítrio na aplicação da Lei.
MUITO OBRIGADA PELAVOSSA ATENÇÃO!! 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

UFCD - 6574- Cuidados na Higiene, Conforto e Eliminação
UFCD - 6574-  Cuidados na Higiene, Conforto e EliminaçãoUFCD - 6574-  Cuidados na Higiene, Conforto e Eliminação
UFCD - 6574- Cuidados na Higiene, Conforto e Eliminação
Nome Sobrenome
 
UFCD - 6578 - Cuidados na Saúde Materna
UFCD - 6578 - Cuidados na Saúde MaternaUFCD - 6578 - Cuidados na Saúde Materna
UFCD - 6578 - Cuidados na Saúde Materna
Manualis
 
Ufcd 6558 atividade profissional do técnico auxiliar de saúde_índice
Ufcd 6558 atividade profissional do técnico auxiliar de saúde_índiceUfcd 6558 atividade profissional do técnico auxiliar de saúde_índice
Ufcd 6558 atividade profissional do técnico auxiliar de saúde_índice
Manuais Formação
 
UFCD6585 Namual TAS 3.pptx
UFCD6585 Namual TAS 3.pptxUFCD6585 Namual TAS 3.pptx
UFCD6585 Namual TAS 3.pptx
Nome Sobrenome
 
UFCD - 6585 - CUIDADOS E TRANSPORTE NAS UNIDADES E SERVIÇOS DA REDE NACIONAL ...
UFCD - 6585 - CUIDADOS E TRANSPORTE NAS UNIDADES E SERVIÇOS DA REDE NACIONAL ...UFCD - 6585 - CUIDADOS E TRANSPORTE NAS UNIDADES E SERVIÇOS DA REDE NACIONAL ...
UFCD - 6585 - CUIDADOS E TRANSPORTE NAS UNIDADES E SERVIÇOS DA REDE NACIONAL ...
Manualis
 
UFCD - 6560 - Comunicação na Interação com o Utente, Cuidador e/ou Família
UFCD - 6560 -  Comunicação na Interação com o Utente, Cuidador e/ou FamíliaUFCD - 6560 -  Comunicação na Interação com o Utente, Cuidador e/ou Família
UFCD - 6560 - Comunicação na Interação com o Utente, Cuidador e/ou Família
Manualis
 
UFCD - 6563 - Prevenção e Controlo da Infeção na Higienização de Roupas, Espa...
UFCD - 6563 - Prevenção e Controlo da Infeção na Higienização de Roupas, Espa...UFCD - 6563 - Prevenção e Controlo da Infeção na Higienização de Roupas, Espa...
UFCD - 6563 - Prevenção e Controlo da Infeção na Higienização de Roupas, Espa...
Manualis
 
UFCD - 6578 - Cuidados na Saúde Materna
UFCD - 6578 - Cuidados na Saúde MaternaUFCD - 6578 - Cuidados na Saúde Materna
UFCD - 6578 - Cuidados na Saúde Materna
sarapratas
 
A comunicação na interação com indivíduos em situações de vulnerabilidade
A comunicação na interação com indivíduos em situações de vulnerabilidadeA comunicação na interação com indivíduos em situações de vulnerabilidade
A comunicação na interação com indivíduos em situações de vulnerabilidade
Lurdes Martins
 
UFCD_6577_Cuidados na saúde infantil_índice
UFCD_6577_Cuidados na saúde infantil_índiceUFCD_6577_Cuidados na saúde infantil_índice
UFCD_6577_Cuidados na saúde infantil_índice
Manuais Formação
 
UFCD 6575 - Cuidados na Alimentação e Hidratação
UFCD 6575 - Cuidados na Alimentação e HidrataçãoUFCD 6575 - Cuidados na Alimentação e Hidratação
UFCD 6575 - Cuidados na Alimentação e Hidratação
Manualis
 
Tarefas do tas higiene seguranca e saude
Tarefas do tas higiene seguranca e saudeTarefas do tas higiene seguranca e saude
Tarefas do tas higiene seguranca e saude
Lurdesmartins17
 
6564
65646564
UFCD_6575_Cuidados na alimentação e hidratação
UFCD_6575_Cuidados na alimentação e hidrataçãoUFCD_6575_Cuidados na alimentação e hidratação
UFCD_6575_Cuidados na alimentação e hidratação
Manuais Formação
 
UFCD - 6581 - GESTÃO DO STRESS DO PROFISSIONAL EM SAÚDE
UFCD - 6581 - GESTÃO DO STRESS DO PROFISSIONAL EM SAÚDEUFCD - 6581 - GESTÃO DO STRESS DO PROFISSIONAL EM SAÚDE
UFCD - 6581 - GESTÃO DO STRESS DO PROFISSIONAL EM SAÚDE
Manualis
 
UFCD - 6569: NOÇÕES GERAIS SOBRE A PELE E SUA INTEGRIDADE
UFCD - 6569: NOÇÕES GERAIS SOBRE A PELE E SUA INTEGRIDADEUFCD - 6569: NOÇÕES GERAIS SOBRE A PELE E SUA INTEGRIDADE
UFCD - 6569: NOÇÕES GERAIS SOBRE A PELE E SUA INTEGRIDADE
Manualis
 
UfCD - 6582 -Cuidados de saúde Pos- Morten- .pptx
UfCD - 6582 -Cuidados de saúde Pos- Morten- .pptxUfCD - 6582 -Cuidados de saúde Pos- Morten- .pptx
UfCD - 6582 -Cuidados de saúde Pos- Morten- .pptx
Nome Sobrenome
 
Saúde do Idoso
Saúde do IdosoSaúde do Idoso
Saúde do Idoso
Ana Hollanders
 
Ufcd 6580 cuidados na saúde a populações mais vulneráveis
Ufcd 6580 cuidados na saúde a populações mais vulneráveisUfcd 6580 cuidados na saúde a populações mais vulneráveis
Ufcd 6580 cuidados na saúde a populações mais vulneráveis
Manuais Formação
 
12 graus-de_dependencia
12  graus-de_dependencia12  graus-de_dependencia
12 graus-de_dependencia
Johnny Martins
 

Mais procurados (20)

UFCD - 6574- Cuidados na Higiene, Conforto e Eliminação
UFCD - 6574-  Cuidados na Higiene, Conforto e EliminaçãoUFCD - 6574-  Cuidados na Higiene, Conforto e Eliminação
UFCD - 6574- Cuidados na Higiene, Conforto e Eliminação
 
UFCD - 6578 - Cuidados na Saúde Materna
UFCD - 6578 - Cuidados na Saúde MaternaUFCD - 6578 - Cuidados na Saúde Materna
UFCD - 6578 - Cuidados na Saúde Materna
 
Ufcd 6558 atividade profissional do técnico auxiliar de saúde_índice
Ufcd 6558 atividade profissional do técnico auxiliar de saúde_índiceUfcd 6558 atividade profissional do técnico auxiliar de saúde_índice
Ufcd 6558 atividade profissional do técnico auxiliar de saúde_índice
 
UFCD6585 Namual TAS 3.pptx
UFCD6585 Namual TAS 3.pptxUFCD6585 Namual TAS 3.pptx
UFCD6585 Namual TAS 3.pptx
 
UFCD - 6585 - CUIDADOS E TRANSPORTE NAS UNIDADES E SERVIÇOS DA REDE NACIONAL ...
UFCD - 6585 - CUIDADOS E TRANSPORTE NAS UNIDADES E SERVIÇOS DA REDE NACIONAL ...UFCD - 6585 - CUIDADOS E TRANSPORTE NAS UNIDADES E SERVIÇOS DA REDE NACIONAL ...
UFCD - 6585 - CUIDADOS E TRANSPORTE NAS UNIDADES E SERVIÇOS DA REDE NACIONAL ...
 
UFCD - 6560 - Comunicação na Interação com o Utente, Cuidador e/ou Família
UFCD - 6560 -  Comunicação na Interação com o Utente, Cuidador e/ou FamíliaUFCD - 6560 -  Comunicação na Interação com o Utente, Cuidador e/ou Família
UFCD - 6560 - Comunicação na Interação com o Utente, Cuidador e/ou Família
 
UFCD - 6563 - Prevenção e Controlo da Infeção na Higienização de Roupas, Espa...
UFCD - 6563 - Prevenção e Controlo da Infeção na Higienização de Roupas, Espa...UFCD - 6563 - Prevenção e Controlo da Infeção na Higienização de Roupas, Espa...
UFCD - 6563 - Prevenção e Controlo da Infeção na Higienização de Roupas, Espa...
 
UFCD - 6578 - Cuidados na Saúde Materna
UFCD - 6578 - Cuidados na Saúde MaternaUFCD - 6578 - Cuidados na Saúde Materna
UFCD - 6578 - Cuidados na Saúde Materna
 
A comunicação na interação com indivíduos em situações de vulnerabilidade
A comunicação na interação com indivíduos em situações de vulnerabilidadeA comunicação na interação com indivíduos em situações de vulnerabilidade
A comunicação na interação com indivíduos em situações de vulnerabilidade
 
UFCD_6577_Cuidados na saúde infantil_índice
UFCD_6577_Cuidados na saúde infantil_índiceUFCD_6577_Cuidados na saúde infantil_índice
UFCD_6577_Cuidados na saúde infantil_índice
 
UFCD 6575 - Cuidados na Alimentação e Hidratação
UFCD 6575 - Cuidados na Alimentação e HidrataçãoUFCD 6575 - Cuidados na Alimentação e Hidratação
UFCD 6575 - Cuidados na Alimentação e Hidratação
 
Tarefas do tas higiene seguranca e saude
Tarefas do tas higiene seguranca e saudeTarefas do tas higiene seguranca e saude
Tarefas do tas higiene seguranca e saude
 
6564
65646564
6564
 
UFCD_6575_Cuidados na alimentação e hidratação
UFCD_6575_Cuidados na alimentação e hidrataçãoUFCD_6575_Cuidados na alimentação e hidratação
UFCD_6575_Cuidados na alimentação e hidratação
 
UFCD - 6581 - GESTÃO DO STRESS DO PROFISSIONAL EM SAÚDE
UFCD - 6581 - GESTÃO DO STRESS DO PROFISSIONAL EM SAÚDEUFCD - 6581 - GESTÃO DO STRESS DO PROFISSIONAL EM SAÚDE
UFCD - 6581 - GESTÃO DO STRESS DO PROFISSIONAL EM SAÚDE
 
UFCD - 6569: NOÇÕES GERAIS SOBRE A PELE E SUA INTEGRIDADE
UFCD - 6569: NOÇÕES GERAIS SOBRE A PELE E SUA INTEGRIDADEUFCD - 6569: NOÇÕES GERAIS SOBRE A PELE E SUA INTEGRIDADE
UFCD - 6569: NOÇÕES GERAIS SOBRE A PELE E SUA INTEGRIDADE
 
UfCD - 6582 -Cuidados de saúde Pos- Morten- .pptx
UfCD - 6582 -Cuidados de saúde Pos- Morten- .pptxUfCD - 6582 -Cuidados de saúde Pos- Morten- .pptx
UfCD - 6582 -Cuidados de saúde Pos- Morten- .pptx
 
Saúde do Idoso
Saúde do IdosoSaúde do Idoso
Saúde do Idoso
 
Ufcd 6580 cuidados na saúde a populações mais vulneráveis
Ufcd 6580 cuidados na saúde a populações mais vulneráveisUfcd 6580 cuidados na saúde a populações mais vulneráveis
Ufcd 6580 cuidados na saúde a populações mais vulneráveis
 
12 graus-de_dependencia
12  graus-de_dependencia12  graus-de_dependencia
12 graus-de_dependencia
 

Destaque

Minerais
MineraisMinerais
Ocupação antrópica
Ocupação antrópicaOcupação antrópica
Ocupação antrópica
Isabel Henriques
 
Rochas metamórficas viii
Rochas metamórficas  viiiRochas metamórficas  viii
Rochas metamórficas viii
Isabel Henriques
 
Comemorações do dia mundial da saúde dados estatísticos
Comemorações do dia mundial da saúde dados estatísticosComemorações do dia mundial da saúde dados estatísticos
Comemorações do dia mundial da saúde dados estatísticos
Isabel Henriques
 
Tema II - História Geológica de uma Região/Trabalhos Correcção
Tema II - História Geológica de uma Região/Trabalhos CorrecçãoTema II - História Geológica de uma Região/Trabalhos Correcção
Tema II - História Geológica de uma Região/Trabalhos Correcção
Isabel Henriques
 
Biologia e geologia apresentação
Biologia e geologia apresentaçãoBiologia e geologia apresentação
Biologia e geologia apresentação
Isabel Henriques
 

Destaque (6)

Minerais
MineraisMinerais
Minerais
 
Ocupação antrópica
Ocupação antrópicaOcupação antrópica
Ocupação antrópica
 
Rochas metamórficas viii
Rochas metamórficas  viiiRochas metamórficas  viii
Rochas metamórficas viii
 
Comemorações do dia mundial da saúde dados estatísticos
Comemorações do dia mundial da saúde dados estatísticosComemorações do dia mundial da saúde dados estatísticos
Comemorações do dia mundial da saúde dados estatísticos
 
Tema II - História Geológica de uma Região/Trabalhos Correcção
Tema II - História Geológica de uma Região/Trabalhos CorrecçãoTema II - História Geológica de uma Região/Trabalhos Correcção
Tema II - História Geológica de uma Região/Trabalhos Correcção
 
Biologia e geologia apresentação
Biologia e geologia apresentaçãoBiologia e geologia apresentação
Biologia e geologia apresentação
 

Semelhante a Ppt ufcd 6558_atividade profissional do técnico auxiliar de saúde

Carta Direitos e Deveres do Doente.pdf
Carta Direitos e Deveres do Doente.pdfCarta Direitos e Deveres do Doente.pdf
Carta Direitos e Deveres do Doente.pdf
FilipeMartins484225
 
U. 1 - Direitos e Deveres do Utente do Serviço Nacional de Saúde
U. 1 - Direitos e Deveres do Utente do Serviço Nacional de SaúdeU. 1 - Direitos e Deveres do Utente do Serviço Nacional de Saúde
U. 1 - Direitos e Deveres do Utente do Serviço Nacional de Saúde
I.Braz Slideshares
 
381295974-atendimento-presencial-em-servicos-de-saude-pdf.pdf
381295974-atendimento-presencial-em-servicos-de-saude-pdf.pdf381295974-atendimento-presencial-em-servicos-de-saude-pdf.pdf
381295974-atendimento-presencial-em-servicos-de-saude-pdf.pdf
susanachaves13
 
Carta direito usuarios_2ed2007
Carta direito usuarios_2ed2007Carta direito usuarios_2ed2007
Carta direito usuarios_2ed2007
Cínthia Lima
 
Organização, estrutura e funcionamento hospitalar
Organização, estrutura e funcionamento hospitalarOrganização, estrutura e funcionamento hospitalar
Organização, estrutura e funcionamento hospitalar
NEELLITON SANTOS
 
Cartilha integra direitos_2006
Cartilha integra direitos_2006Cartilha integra direitos_2006
Cartilha integra direitos_2006
Iranildo Ribeiro
 
Carta direito usuarios_2ed2007
Carta direito usuarios_2ed2007Carta direito usuarios_2ed2007
Carta direito usuarios_2ed2007
Eduardo Gomes
 
Carta direito usuarios_2ed2007
Carta direito usuarios_2ed2007Carta direito usuarios_2ed2007
Carta direito usuarios_2ed2007
Cms Carangola
 
Carta dos direitos dos usuarios da saude ministerio da saude - 2006-7
Carta dos direitos dos usuarios da saude   ministerio da saude - 2006-7Carta dos direitos dos usuarios da saude   ministerio da saude - 2006-7
Carta dos direitos dos usuarios da saude ministerio da saude - 2006-7
Unidade Temática T3 - blog
 
U. 1 - Direitos e Deveres do Utente do Serviço Nacional de Saúde
U. 1 - Direitos e Deveres do Utente do Serviço Nacional de SaúdeU. 1 - Direitos e Deveres do Utente do Serviço Nacional de Saúde
U. 1 - Direitos e Deveres do Utente do Serviço Nacional de Saúde
I.Braz Slideshares
 
Cuidado centrado na pessoa
Cuidado centrado na pessoaCuidado centrado na pessoa
Cuidado centrado na pessoa
Centro Universitário Ages
 
Acolhimentoehumanizao 111011082936-phpapp01
Acolhimentoehumanizao 111011082936-phpapp01Acolhimentoehumanizao 111011082936-phpapp01
Acolhimentoehumanizao 111011082936-phpapp01
rosiclermalta
 
AULA 4 - HUMANIZAÇÃO DO SUS .ppt
AULA 4 - HUMANIZAÇÃO DO SUS .pptAULA 4 - HUMANIZAÇÃO DO SUS .ppt
AULA 4 - HUMANIZAÇÃO DO SUS .ppt
FLAVIAAMELIACOSTAFAR
 
Lei de Bases na Saúde
Lei de Bases na SaúdeLei de Bases na Saúde
Lei de Bases na Saúde
Fábio Simões
 
Etica_Bioetica.pptx
 Etica_Bioetica.pptx Etica_Bioetica.pptx
Etica_Bioetica.pptx
Karina Delgado
 
Curso-Profissional-729281_Tcnicoa-Auxiliar-de-Sade_Referencial.pdf
Curso-Profissional-729281_Tcnicoa-Auxiliar-de-Sade_Referencial.pdfCurso-Profissional-729281_Tcnicoa-Auxiliar-de-Sade_Referencial.pdf
Curso-Profissional-729281_Tcnicoa-Auxiliar-de-Sade_Referencial.pdf
AnaCruz222982
 
Formação Profissional do Fisioterapeuta aula 4.pdf
Formação Profissional do Fisioterapeuta aula 4.pdfFormação Profissional do Fisioterapeuta aula 4.pdf
Formação Profissional do Fisioterapeuta aula 4.pdf
AndreyLima16
 
Apostila sus para concursos
Apostila   sus para concursosApostila   sus para concursos
Apostila sus para concursos
Barbara Duarte
 
Panfleto direitos dos usuários do sus[1]
Panfleto direitos dos usuários do sus[1]Panfleto direitos dos usuários do sus[1]
Panfleto direitos dos usuários do sus[1]
Paula Oliveira
 
aula sistema único de saúde SUS(2).....pdf
aula sistema único de saúde SUS(2).....pdfaula sistema único de saúde SUS(2).....pdf
aula sistema único de saúde SUS(2).....pdf
jhordana1
 

Semelhante a Ppt ufcd 6558_atividade profissional do técnico auxiliar de saúde (20)

Carta Direitos e Deveres do Doente.pdf
Carta Direitos e Deveres do Doente.pdfCarta Direitos e Deveres do Doente.pdf
Carta Direitos e Deveres do Doente.pdf
 
U. 1 - Direitos e Deveres do Utente do Serviço Nacional de Saúde
U. 1 - Direitos e Deveres do Utente do Serviço Nacional de SaúdeU. 1 - Direitos e Deveres do Utente do Serviço Nacional de Saúde
U. 1 - Direitos e Deveres do Utente do Serviço Nacional de Saúde
 
381295974-atendimento-presencial-em-servicos-de-saude-pdf.pdf
381295974-atendimento-presencial-em-servicos-de-saude-pdf.pdf381295974-atendimento-presencial-em-servicos-de-saude-pdf.pdf
381295974-atendimento-presencial-em-servicos-de-saude-pdf.pdf
 
Carta direito usuarios_2ed2007
Carta direito usuarios_2ed2007Carta direito usuarios_2ed2007
Carta direito usuarios_2ed2007
 
Organização, estrutura e funcionamento hospitalar
Organização, estrutura e funcionamento hospitalarOrganização, estrutura e funcionamento hospitalar
Organização, estrutura e funcionamento hospitalar
 
Cartilha integra direitos_2006
Cartilha integra direitos_2006Cartilha integra direitos_2006
Cartilha integra direitos_2006
 
Carta direito usuarios_2ed2007
Carta direito usuarios_2ed2007Carta direito usuarios_2ed2007
Carta direito usuarios_2ed2007
 
Carta direito usuarios_2ed2007
Carta direito usuarios_2ed2007Carta direito usuarios_2ed2007
Carta direito usuarios_2ed2007
 
Carta dos direitos dos usuarios da saude ministerio da saude - 2006-7
Carta dos direitos dos usuarios da saude   ministerio da saude - 2006-7Carta dos direitos dos usuarios da saude   ministerio da saude - 2006-7
Carta dos direitos dos usuarios da saude ministerio da saude - 2006-7
 
U. 1 - Direitos e Deveres do Utente do Serviço Nacional de Saúde
U. 1 - Direitos e Deveres do Utente do Serviço Nacional de SaúdeU. 1 - Direitos e Deveres do Utente do Serviço Nacional de Saúde
U. 1 - Direitos e Deveres do Utente do Serviço Nacional de Saúde
 
Cuidado centrado na pessoa
Cuidado centrado na pessoaCuidado centrado na pessoa
Cuidado centrado na pessoa
 
Acolhimentoehumanizao 111011082936-phpapp01
Acolhimentoehumanizao 111011082936-phpapp01Acolhimentoehumanizao 111011082936-phpapp01
Acolhimentoehumanizao 111011082936-phpapp01
 
AULA 4 - HUMANIZAÇÃO DO SUS .ppt
AULA 4 - HUMANIZAÇÃO DO SUS .pptAULA 4 - HUMANIZAÇÃO DO SUS .ppt
AULA 4 - HUMANIZAÇÃO DO SUS .ppt
 
Lei de Bases na Saúde
Lei de Bases na SaúdeLei de Bases na Saúde
Lei de Bases na Saúde
 
Etica_Bioetica.pptx
 Etica_Bioetica.pptx Etica_Bioetica.pptx
Etica_Bioetica.pptx
 
Curso-Profissional-729281_Tcnicoa-Auxiliar-de-Sade_Referencial.pdf
Curso-Profissional-729281_Tcnicoa-Auxiliar-de-Sade_Referencial.pdfCurso-Profissional-729281_Tcnicoa-Auxiliar-de-Sade_Referencial.pdf
Curso-Profissional-729281_Tcnicoa-Auxiliar-de-Sade_Referencial.pdf
 
Formação Profissional do Fisioterapeuta aula 4.pdf
Formação Profissional do Fisioterapeuta aula 4.pdfFormação Profissional do Fisioterapeuta aula 4.pdf
Formação Profissional do Fisioterapeuta aula 4.pdf
 
Apostila sus para concursos
Apostila   sus para concursosApostila   sus para concursos
Apostila sus para concursos
 
Panfleto direitos dos usuários do sus[1]
Panfleto direitos dos usuários do sus[1]Panfleto direitos dos usuários do sus[1]
Panfleto direitos dos usuários do sus[1]
 
aula sistema único de saúde SUS(2).....pdf
aula sistema único de saúde SUS(2).....pdfaula sistema único de saúde SUS(2).....pdf
aula sistema único de saúde SUS(2).....pdf
 

Mais de Isabel Henriques

Ficha trabalho sistema gastrointestinal
Ficha trabalho sistema gastrointestinalFicha trabalho sistema gastrointestinal
Ficha trabalho sistema gastrointestinal
Isabel Henriques
 
Ciclo celular
Ciclo celularCiclo celular
Ciclo celular
Isabel Henriques
 
Apresentação multimédia de transporte dos animais
Apresentação multimédia de transporte dos animaisApresentação multimédia de transporte dos animais
Apresentação multimédia de transporte dos animais
Isabel Henriques
 
PPT Transporte dos animais
PPT Transporte dos animaisPPT Transporte dos animais
PPT Transporte dos animais
Isabel Henriques
 
Anatofisiologia dos aparelhos reprodutores
Anatofisiologia dos aparelhos reprodutoresAnatofisiologia dos aparelhos reprodutores
Anatofisiologia dos aparelhos reprodutores
Isabel Henriques
 
PPT Dia do Não Fumador
PPT Dia do Não FumadorPPT Dia do Não Fumador
PPT Dia do Não Fumador
Isabel Henriques
 
Ppt Dia do Não Fumador
Ppt Dia do Não FumadorPpt Dia do Não Fumador
Ppt Dia do Não Fumador
Isabel Henriques
 
Ppt Dia Não Fumador
Ppt Dia Não FumadorPpt Dia Não Fumador
Ppt Dia Não Fumador
Isabel Henriques
 
Tema II - O tempo Geologico Tabela Croentratigráficas
Tema II - O tempo Geologico Tabela CroentratigráficasTema II - O tempo Geologico Tabela Croentratigráficas
Tema II - O tempo Geologico Tabela Croentratigráficas
Isabel Henriques
 
Tema III o homem como agente de mudanças ambientais
Tema III  o homem como agente de mudanças ambientaisTema III  o homem como agente de mudanças ambientais
Tema III o homem como agente de mudanças ambientais
Isabel Henriques
 
Tema III - Mudanças ambientais na história da terra e evolução do homem
Tema III - Mudanças ambientais na história da terra e evolução do homemTema III - Mudanças ambientais na história da terra e evolução do homem
Tema III - Mudanças ambientais na história da terra e evolução do homem
Isabel Henriques
 
Tema II - História Geológica de uma Região Cartografia
Tema II - História Geológica de uma Região  CartografiaTema II - História Geológica de uma Região  Cartografia
Tema II - História Geológica de uma Região Cartografia
Isabel Henriques
 
Tema II - Geo História da Terra
Tema II - Geo História da TerraTema II - Geo História da Terra
Tema II - Geo História da Terra
Isabel Henriques
 
Tema III - A Terra Antes do Aparecimento do Homem paleoclimas
Tema III - A Terra Antes do Aparecimento do Homem paleoclimasTema III - A Terra Antes do Aparecimento do Homem paleoclimas
Tema III - A Terra Antes do Aparecimento do Homem paleoclimas
Isabel Henriques
 
Tema II - O Tempo Geológico e Métodos de Datação
Tema II -  O Tempo Geológico e Métodos de DataçãoTema II -  O Tempo Geológico e Métodos de Datação
Tema II - O Tempo Geológico e Métodos de Datação
Isabel Henriques
 
Tema I - Teoria Deriva Continental 1ª parte
Tema I - Teoria Deriva Continental  1ª parteTema I - Teoria Deriva Continental  1ª parte
Tema I - Teoria Deriva Continental 1ª parte
Isabel Henriques
 
Tema I - Teoria Tectónica de Placas 2ª parte
Tema I - Teoria Tectónica de Placas  2ª parteTema I - Teoria Tectónica de Placas  2ª parte
Tema I - Teoria Tectónica de Placas 2ª parte
Isabel Henriques
 

Mais de Isabel Henriques (17)

Ficha trabalho sistema gastrointestinal
Ficha trabalho sistema gastrointestinalFicha trabalho sistema gastrointestinal
Ficha trabalho sistema gastrointestinal
 
Ciclo celular
Ciclo celularCiclo celular
Ciclo celular
 
Apresentação multimédia de transporte dos animais
Apresentação multimédia de transporte dos animaisApresentação multimédia de transporte dos animais
Apresentação multimédia de transporte dos animais
 
PPT Transporte dos animais
PPT Transporte dos animaisPPT Transporte dos animais
PPT Transporte dos animais
 
Anatofisiologia dos aparelhos reprodutores
Anatofisiologia dos aparelhos reprodutoresAnatofisiologia dos aparelhos reprodutores
Anatofisiologia dos aparelhos reprodutores
 
PPT Dia do Não Fumador
PPT Dia do Não FumadorPPT Dia do Não Fumador
PPT Dia do Não Fumador
 
Ppt Dia do Não Fumador
Ppt Dia do Não FumadorPpt Dia do Não Fumador
Ppt Dia do Não Fumador
 
Ppt Dia Não Fumador
Ppt Dia Não FumadorPpt Dia Não Fumador
Ppt Dia Não Fumador
 
Tema II - O tempo Geologico Tabela Croentratigráficas
Tema II - O tempo Geologico Tabela CroentratigráficasTema II - O tempo Geologico Tabela Croentratigráficas
Tema II - O tempo Geologico Tabela Croentratigráficas
 
Tema III o homem como agente de mudanças ambientais
Tema III  o homem como agente de mudanças ambientaisTema III  o homem como agente de mudanças ambientais
Tema III o homem como agente de mudanças ambientais
 
Tema III - Mudanças ambientais na história da terra e evolução do homem
Tema III - Mudanças ambientais na história da terra e evolução do homemTema III - Mudanças ambientais na história da terra e evolução do homem
Tema III - Mudanças ambientais na história da terra e evolução do homem
 
Tema II - História Geológica de uma Região Cartografia
Tema II - História Geológica de uma Região  CartografiaTema II - História Geológica de uma Região  Cartografia
Tema II - História Geológica de uma Região Cartografia
 
Tema II - Geo História da Terra
Tema II - Geo História da TerraTema II - Geo História da Terra
Tema II - Geo História da Terra
 
Tema III - A Terra Antes do Aparecimento do Homem paleoclimas
Tema III - A Terra Antes do Aparecimento do Homem paleoclimasTema III - A Terra Antes do Aparecimento do Homem paleoclimas
Tema III - A Terra Antes do Aparecimento do Homem paleoclimas
 
Tema II - O Tempo Geológico e Métodos de Datação
Tema II -  O Tempo Geológico e Métodos de DataçãoTema II -  O Tempo Geológico e Métodos de Datação
Tema II - O Tempo Geológico e Métodos de Datação
 
Tema I - Teoria Deriva Continental 1ª parte
Tema I - Teoria Deriva Continental  1ª parteTema I - Teoria Deriva Continental  1ª parte
Tema I - Teoria Deriva Continental 1ª parte
 
Tema I - Teoria Tectónica de Placas 2ª parte
Tema I - Teoria Tectónica de Placas  2ª parteTema I - Teoria Tectónica de Placas  2ª parte
Tema I - Teoria Tectónica de Placas 2ª parte
 

Último

A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
sjcelsorocha
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
IACEMCASA
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Pedro Luis Moraes
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
AntonioLobosco3
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
Trabalho de Geografia industrialização.pdf
Trabalho de Geografia industrialização.pdfTrabalho de Geografia industrialização.pdf
Trabalho de Geografia industrialização.pdf
erico paulo rocha guedes
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 

Último (20)

A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
Trabalho de Geografia industrialização.pdf
Trabalho de Geografia industrialização.pdfTrabalho de Geografia industrialização.pdf
Trabalho de Geografia industrialização.pdf
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 

Ppt ufcd 6558_atividade profissional do técnico auxiliar de saúde

  • 1. Atividade profissional do/a Técnico/a Auxiliar de Saúde
  • 2. Objetivos Identificar as principais atividades do perfil profissional do/aTécnico/aAuxiliar de Saúde. Identificar os direitos e deveres do/a Técnico/a Auxiliar de Saúde. Identificar o papel do/a Técnico/a Auxiliar de Saúde nos diferentes contextos de atuação.
  • 3. Identificar quais as implicações éticas que um/a Técnico/a Auxiliar de Saúde deve ter em conta no seu desempenho profissional. Identificar a legislação que enquadra o seu vínculo contratual. Identificar as principais linhas de orientação de um sistema de avaliação de desempenho.
  • 4. Explicar que as tarefas que se integram no âmbito de intervenção do/a Técnico/a Auxiliar de Saúde terão de ser sempre executadas com orientação e supervisão de um profissional de saúde. Identificar as tarefas que têm de ser executadas sob supervisão direta do profissional de saúde e aquelas que podem ser executadas sozinho.
  • 5. Explicar o dever de agir em função das orientações do Profissional de saúde e sob a sua supervisão. Explicar a importância de respeitar os princípios de ética no desempenho das suas funções de Técnico/a Auxiliar de Saúde. Explicar a importância da sua atividade para o trabalho de equipa multidisciplinar.
  • 6. Explicar a importância de assumir uma atitude pró-ativa na melhoria contínua da qualidade, no âmbito da sua ação profissional. Explicar a importância de cumprir as normas de segurança, higiene e saúde no trabalho assim como preservar a sua apresentação pessoal.
  • 7. Explicar a importância de agir de acordo com normas e/ou procedimentos definidos no âmbito das suas atividades. Explicar a importância de adequar a sua ação profissional a diferentes públicos e culturas. Explicar a importância de adequar a sua ação profissional a diferentes contextos institucionais no âmbito dos cuidados de saúde.
  • 8. O Técnico Auxiliar de Saúde O Técnico Auxiliar de Saúde é o profissional qualificado apto a desempenhar tarefas sob orientação do profissional de saúde.
  • 9. O papel do/a Técnico/a Auxiliar de Saúde perante os direitos e deveres da pessoa que recorre aos serviços de saúde Saber atender é uma arte onde diferentes tipos de Saberes têm de concorrer para que o ato de atender se transforme num ato de qualidade.
  • 10. Empenhamento, Competência, Compreensão, Correção e Rigor são os Valores e Atitudes que mais contribuem para que esse resultado seja percebido pelos utentes a quem o Técnico Auxiliar de Saúde presta o serviço. O papel do/a Técnico/a Auxiliar de Saúde perante os direitos e deveres da pessoa que recorre aos serviços de saúde
  • 11. Duas componentes essenciais constituem o serviço ao utente: a componente processual e a componente pessoal: ambas fundamentais para a Qualidade do serviço. O papel do/a Técnico/a Auxiliar de Saúde perante os direitos e deveres da pessoa que recorre aos serviços de saúde
  • 12. O aspeto processual consiste nos sistemas e métodos implementados para fornecer serviços. O aspeto pessoal é a forma de atendimento dos utentes: atitudes, comportamento e expressão verbal. O papel do/a Técnico/a Auxiliar de Saúde perante os direitos e deveres da pessoa que recorre aos serviços de saúde
  • 13. O utente tem direito à prestação de serviços de boa qualidade, com urbanidade, respeito e igualdade de tratamento (Carta Ética da Administração Pública) O doente tem direito a ser tratado no respeito pela dignidade humana (doentes – direitos e deveres; Ministério da Saúde) O papel do/a Técnico/a Auxiliar de Saúde perante os direitos e deveres da pessoa que recorre aos serviços de saúde
  • 14. O doente tem direito a ser informado acerca dos serviços de saúde existentes, suas competências e níveis de cuidados (doentes – direitos e deveres; Ministério da Saúde) O doente tem o direito a ser informado sobre a sua situação de saúde (doentes – direitos e deveres; Ministério da Saúde) O papel do/a Técnico/a Auxiliar de Saúde perante os direitos e deveres da pessoa que recorre aos serviços de saúde
  • 15. O doente tem direito, por si ou por quem o represente, a apresentar sugestões e reclamações (doentes – direitos e deveres; Ministério da Saúde) O papel do/a Técnico/a Auxiliar de Saúde perante os direitos e deveres da pessoa que recorre aos serviços de saúde
  • 16. Embora a grande maioria dos profissionais se esforce seriamente por prestar serviços de qualidade, atempados e humanizados, pode haver situações em que o doente não foi tratado como deveria ser ou em que algum dos seus direitos foi ofendido. O papel do/a Técnico/a Auxiliar de Saúde perante os direitos e deveres da pessoa que recorre aos serviços de saúde
  • 17. O dever de respeitar e promover a liberdade e privacidade do utente: criança, adolescente, jovem, idoso, marginal ou carenciado O doente tem direito a ser tratado no respeito pela dignidade humana É um direito humano fundamental, que adquire particular importância em situação de doença.
  • 18. É também indispensável que o doente seja informado sobre a identidade e a profissão de todo o pessoal que participa no seu tratamento. Este direito abrange ainda as condições das instalações e equipamentos, que têm de proporcionar o conforto e o bem-estar exigidos pela situação de vulnerabilidade em que o doente se encontra. O papel do/a Técnico/a Auxiliar de Saúde perante os direitos e deveres da pessoa que recorre aos serviços de saúde
  • 19. O doente tem direito ao respeito pelas suas convicções culturais, filosóficas e religiosas Cada doente é uma pessoa com as suas convicções culturais e religiosas. As instituições e os prestadores de cuidados de saúde têm, assim, de respeitar esses valores e providenciar a sua satisfação. O papel do/a Técnico/a Auxiliar de Saúde perante os direitos e deveres da pessoa que recorre aos serviços de saúde
  • 20. O apoio de familiares e amigos deve ser facilitado e incentivado. Do mesmo modo, deve ser proporcionado o apoio espiritual requerido pelo doente ou, se necessário, por quem legitimamente o represente, de acordo com as suas convicções. O papel do/a Técnico/a Auxiliar de Saúde perante os direitos e deveres da pessoa que recorre aos serviços de saúde
  • 21. O doente tem direito a receber os cuidados apropriados ao seu estado de saúde, no âmbito dos cuidados preventivos, curativos, de reabilitação e terminais  Os serviços de saúde devem estar acessíveis a todos os cidadãos, de forma a prestar, em tempo útil, os cuidados técnicos e científicos que assegurem a melhoria da condição do doente e seu restabelecimento, assim como o acompanhamento digno e humano em situações terminais. O papel do/a Técnico/a Auxiliar de Saúde perante os direitos e deveres da pessoa que recorre aos serviços de saúde
  • 22. Em nenhuma circunstância os doentes podem ser objeto de discriminação. Os recursos existentes são integralmente postos ao serviço do doente e da comunidade, até ao limite das disponibilidades. O papel do/a Técnico/a Auxiliar de Saúde perante os direitos e deveres da pessoa que recorre aos serviços de saúde
  • 23. O doente tem direito à prestação de cuidados continuados Em situação de doença, todos os cidadãos têm o direito de obter dos diversos níveis de prestação de cuidados (hospitais e centros de saúde) uma resposta pronta e eficiente, que lhes proporcione o necessário acompanhamento até ao seu completo restabelecimento. O papel do/a Técnico/a Auxiliar de Saúde perante os direitos e deveres da pessoa que recorre aos serviços de saúde
  • 24. O doente e seus familiares têm direito a ser informados das razões da transferência de um nível de cuidados para outro e a ser esclarecidos de que a continuidade da sua prestação fica garantida. O papel do/a Técnico/a Auxiliar de Saúde perante os direitos e deveres da pessoa que recorre aos serviços de saúde
  • 25. Ao doente e sua família são proporcionados os conhecimentos e as informações que se mostrem essenciais aos cuidados que o doente deve continuar a receber no seu domicílio. O papel do/a Técnico/a Auxiliar de Saúde perante os direitos e deveres da pessoa que recorre aos serviços de saúde
  • 26. O doente tem direito a ser informado acerca dos serviços de saúde existentes, suas competências e níveis de cuidados Ao cidadão tem que ser fornecida informação acerca dos serviços de saúde locais, regionais e nacionais existentes, suas competências e níveis de cuidados, regras de organização e funcionamento, de modo a otimizar e a tornar mais cómoda a sua utilização. O papel do/a Técnico/a Auxiliar de Saúde perante os direitos e deveres da pessoa que recorre aos serviços de saúde
  • 27. Ao cidadão tem que ser fornecida informação acerca dos serviços de saúde locais, regionais e nacionais existentes, suas competências e níveis de cuidados, regras de organização e funcionamento, de modo a otimizar e a tornar mais cómoda a sua utilização. O papel do/a Técnico/a Auxiliar de Saúde perante os direitos e deveres da pessoa que recorre aos serviços de saúde
  • 28. Os serviços prestadores dos diversos níveis de cuidados devem providenciar no sentido de o doente ser sempre acompanhado dos elementos de diagnóstico e terapêutica considerados importantes para a continuação do tratamento. O papel do/a Técnico/a Auxiliar de Saúde perante os direitos e deveres da pessoa que recorre aos serviços de saúde
  • 29. O doente tem direito a ser informado sobre a sua situação de saúde Esta informação deve ser prestada de forma clara, devendo ter sempre em conta a personalidade, o grau de instrução e as condições clínicas e psíquicas do doente. O papel do/a Técnico/a Auxiliar de Saúde perante os direitos e deveres da pessoa que recorre aos serviços de saúde
  • 30. Especificamente, a informação deve conter elementos relativos ao diagnóstico (tipo de doença), ao prognóstico (evolução da doença), tratamentos a efetuar, possíveis riscos e eventuais tratamentos alternativos. O doente pode desejar não ser informado do seu estado de saúde, devendo indicar, caso o entenda, quem deve receber a informação em seu lugar. O papel do/a Técnico/a Auxiliar de Saúde perante os direitos e deveres da pessoa que recorre aos serviços de saúde
  • 31. O doente tem o direito de obter uma segunda opinião sobre a sua situação de saúde Este direito, que se traduz na obtenção de parecer de um outro médico, permite ao doente complementar a informação sobre o seu estado de saúde, dando-lhe a possibilidade de decidir, de forma mais esclarecida, acerca do tratamento a prosseguir. O papel do/a Técnico/a Auxiliar de Saúde perante os direitos e deveres da pessoa que recorre aos serviços de saúde
  • 32. O doente tem direito a dar ou recusar o seu consentimento, antes de qualquer ato médico ou participação em investigação ou ensino clínico O consentimento do doente é imprescindível para a realização de qualquer ato médico, após ter sido corretamente informado. O papel do/a Técnico/a Auxiliar de Saúde perante os direitos e deveres da pessoa que recorre aos serviços de saúde
  • 33. O doente pode, excetuando alguns casos particulares, decidir, de forma livre e esclarecida, se aceita ou recusa um tratamento ou uma intervenção, bem como alterar a sua decisão. Pretende-se, assim, assegurar e estimular o direito à autodeterminação, ou seja, a capacidade e a autonomia que os doentes têm de decidir sobre si próprios. O papel do/a Técnico/a Auxiliar de Saúde perante os direitos e deveres da pessoa que recorre aos serviços de saúde
  • 34. O consentimento pode ser presumido em situações de emergência e, em caso de incapacidade, deve este direito ser exercido pelo representante legal do doente. O papel do/a Técnico/a Auxiliar de Saúde perante os direitos e deveres da pessoa que recorre aos serviços de saúde
  • 35. O doente tem direito de acesso aos dados registados no seu processo clínico A informação clínica e os elementos identificativos de um doente estão contidos no seu processo clínico. O doente tem o direito de tomar conhecimento dos dados registados no seu processo. O papel do/a Técnico/a Auxiliar de Saúde perante os direitos e deveres da pessoa que recorre aos serviços de saúde
  • 36. O doente tem direito, por si ou por quem o represente, a apresentar sugestões e reclamações O doente, por si, por quem legitimamente o substitua ou por organizações representativas, pode avaliar a qualidade dos cuidados prestados e apresentar sugestões ou reclamações. O papel do/a Técnico/a Auxiliar de Saúde perante os direitos e deveres da pessoa que recorre aos serviços de saúde
  • 37. Os deveres para com a família do utente A prestação de cuidados de saúde efetua-se no respeito rigoroso do direito do doente à privacidade, o que significa que qualquer ato de diagnóstico ou terapêutica só pode ser efetuado na presença dos profissionais indispensáveis à sua execução, salvo se o doente consentir ou pedir a presença de outros elementos.
  • 38. A família não pode ser esquecida, não só porque é quem normalmente apoia a pessoa doente, mas porque também ela deve ser tida em conta no planeamento dos cuidados, não é só a pessoa o alvo dos cuidados de enfermagem, a família sofre alterações importantes quando um dos seus elementos adoece e precisa de apoio para se reestruturar ou para se manter estruturada. Os deveres para com a família do utente
  • 39. O papel do Técnico Auxiliar de Saúde na equipa de saúde Tarefas que, sob orientação de um profissional de saúde, tem de executar sob sua supervisão direta O técnico auxiliar de saúde tem com funções: Auxiliar sob orientações do técnico auxiliar de saúde:
  • 40. Na prestação de cuidados de saúde aos utentes, Na recolha e transporte de amostras biológicas, Na limpeza, higienização e transporte de roupas, materiais e equipamentos O papel do Técnico Auxiliar de Saúde na equipa de saúde
  • 41. Auxiliar na prestação de cuidados aos utentes, de acordo com orientações do enfermeiro: Ajudar o utente nas necessidades de eliminação e nos cuidados de higiene e conforto de acordo, com as orientações do enfermeiro; O papel do Técnico Auxiliar de Saúde na equipa de saúde
  • 42. Auxiliar o enfermeiro na prestação de cuidados de eliminação, nos cuidados de higiene e conforto ao utente e na realização de tratamentos a feridas e úlceras; Auxiliar o enfermeiro na prestação de cuidados ao utente que vai fazer, ou fez, uma intervenção cirúrgica; O papel do Técnico Auxiliar de Saúde na equipa de saúde
  • 43. Auxiliar nas tarefas de alimentação e hidratação do utente, nomeadamente na preparação de refeições ligeiras ou suplementos alimentares e no acompanhamento durante as refeições; Executar tarefas que exijam uma intervenção imediata e simultânea ao alerta do técnico auxiliar de saúde; O papel do Técnico Auxiliar de Saúde na equipa de saúde
  • 44. Auxiliar nos cuidados post-mortem, de acordo com orientações do técnico auxiliar de saúde. Assegurar a limpeza, higienização e transporte de roupas, espaços, materiais e equipamentos, sob a orientação de profissional de saúde: O papel do Técnico Auxiliar de Saúde na equipa de saúde
  • 45. Assegurar a recolha, transporte, triagem e acondicionamento de roupa da unidade do utente, de acordo com normas e/ou procedimentos definidos; Efetuar a limpeza e higienização das instalações/ superfícies da unidade do utente, e de outros espaços específicos, de acordo com normas e/ou procedimentos definidos; O papel do Técnico Auxiliar de Saúde na equipa de saúde
  • 46. Efetuar a lavagem e desinfeção de material hoteleiro, material clínico e material de apoio clínico em local próprio, de acordo com normas e/ou procedimentos definidos; Assegurar o armazenamento e conservação adequada de material hoteleiro, material de apoio clínico e clínico de acordo com normas e/ou procedimentos definidos; O papel do Técnico Auxiliar de Saúde na equipa de saúde
  • 47. Efetuar a lavagem (manual e mecânica) e desinfeção química, em local apropriado, de equipamentos do serviço, de acordo com normas e/ou procedimentos definidos; Recolher, lavar e acondicionar os materiais e equipamentos utilizados na lavagem e desinfeção, de acordo com normas e/ou procedimentos definidos, para posterior recolha de serviço interna ou externa; O papel do Técnico Auxiliar de Saúde na equipa de saúde
  • 48. Assegurar a recolha, triagem, transporte e acondicionamento de resíduos hospitalares, garantindo o manuseamento e transporte adequado dos mesmos de acordo com procedimentos definidos. Auxiliar o técnico auxiliar de saúde na recolha de amostras biológicas e transporte para o serviço adequado, de acordo com normas e/ou procedimentos definidos O papel do Técnico Auxiliar de Saúde na equipa de saúde
  • 49. O técnico auxiliar de saúde, para além das tarefas anteriormente descritas, possui um conjunto de outras que realiza sem a supervisão de um profissional de saúde: Tarefas que, sob orientação e supervisão de um profissional de saúde, pode executar sozinho
  • 50. Assegurar atividades de apoio ao funcionamento das diferentes unidades e serviços de saúde: Efetuar a manutenção preventiva e reposição de material e equipamentos; Efetuar o transporte de informação entre as diferentes unidades e serviços de prestação de cuidados de saúde; Tarefas que, sob orientação e supervisão de um profissional de saúde, pode executar sozinho
  • 51. Encaminhar os contactos telefónicos de acordo com normas e/ ou procedimentos definidos; Encaminhar o utente, familiar e/ou cuidador, de acordo com normas e/ ou procedimentos definidos Tarefas que, sob orientação e supervisão de um profissional de saúde, pode executar sozinho
  • 52. Apresentação pessoal e fardamento Para uma prestação adequada e segura aos doentes, é necessário ter em conta alguns aspetos relativos à higiene e apresentação pessoal do técnico auxiliar de saúde no sentido de prevenir infeções.
  • 53. Aspetos a ter em conta: Higiene pessoal diária e cuidada; Uso de farda limpa; Arranjo pessoal na prestação dos cuidados Apresentação pessoal e fardamento
  • 54. Na sua apresentação pessoal, o técnico auxiliar de saúde deve ter em conta os seguintes aspetos: Não usar adornos como anéis, brincos compridos, fios, etc.; Usar o cabelo apanhado (no caso de ser comprido); Apresentação pessoal e fardamento
  • 55. Usar unhas curtas, limpas e sem verniz; Limpar e desinfetar golpes, protegendo-os com um penso Não tossir ou espirrar perto do utente; Apresentação pessoal e fardamento
  • 56. Usar luvas e máscara mediante necessidade; Lavar sempre as mãos e antebraços antes e após a prestação de cuidados de higiene ao doente Apresentação pessoal e fardamento
  • 57. A farda é um instrumento de trabalho pelo que: Deve ser diferente de instituição para instituição. Deve ser identificativa do cargo que o profissional de saúde ocupa; Dever ser pessoal e intransmissível e Apresentação pessoal e fardamento
  • 58. Deve estar limpa. Apresentação pessoal e fardamento
  • 59. Idealmente dever-se-ia trocar de farda diariamente Lavagem deve ser feita a uma temperatura superior a 60ºC Remoção da sujidade e eliminação de microrganismos suscetíveis de infeção. Apresentação pessoal e fardamento
  • 60. Depois de lavada e seca deve ser bem passada a ferro O calçado deve ser Institucionalizado (estipulado como seguro e adequado ao desempenho das suas funções) Apresentação pessoal e fardamento
  • 61. Em piso antiderrapante deve ser de borracha Tal como a farda deve ser unicamente usado no local de trabalho Apresentação pessoal e fardamento
  • 62.
  • 63. Conceitos de moral ética e bioética Moral é um conjunto de normas, prescrições e valores que regulamentam o comportamento dos indivíduos na sociedade. Amoral é o indivíduo que se situa à margem de qualquer consideração no que concerne à moral.
  • 64. Imoral é o indivíduo que aceita as normas estabelecidas, porém, eventualmente as transgride. A bioética é a ética aplicada à vida e, abrange temas que vão desde uma simples relação interpessoal até fatores que interferem na sobrevivência do próprio planeta.
  • 65. A vida do homem contemporâneo e as questões ligadas as relações sociais dos diversos grupos humanos fez nascer na área de saúde a Bioética, que é simplesmente a ética aplicada a saúde. A bioética envolve tanto a relação médico paciente como a pesquisa em seres humanos.
  • 66. Os princípios da Bioética: O Advisory Committee on Human Radiation Experiments (ACHRE) utilizou, para embasar sua reflexão ética a respeito destes experimentos, três princípios éticos básicos:
  • 67. Beneficência ou princípio da não-maleficência: toda e qualquer tecnologia deve trazer benefícios para a sociedade e jamais causar-lhe malefícios. Justiça distributiva: os avanços técnico-científicos devem beneficiar a sociedade como um todo e não apenas alguns grupos privilegiados.
  • 68. As implicações éticas no desempenho das funções do Técnico Auxiliar de Saúde Para que haja conduta ética é preciso que exista o agente consciente, isto é, aquele que conhece a diferença entre bem e mal, certo e errado, permitido e proibido, virtude e vício.
  • 69. Consciência e responsabilidade são condições indispensáveis da vida ética. A consciência moral manifesta-se, antes de tudo, na capacidade para decidir perante alternativas possíveis, decidindo e escolhendo uma delas antes de se lançar na ação.
  • 70. A vontade é o poder deliberativo e decisório do agente moral. Para que se exerça tal poder sobre o sujeito moral, a vontade deve ser livre, isto é, não pode estar submetida à vontade de um outro nem pode estar submetida aos instintos e às paixões, mas, ao contrário, deve ter poder sobre eles e elas.
  • 71. Condutas éticas com o paciente: Premissas éticas importantes na relação com o paciente: Respeitar a vontade do paciente, conquistando gradualmente a confiança técnica , ética e moral do mesmo. Desta forma todo procedimento realizado deve ser explicado, fazendo com que o mesmo se mantenha sempre seguro.
  • 72. Manter os registos, relatórios e as evoluções clínicas do paciente sempre atualizadas.
  • 73. Não divulgar, em particular ou em público, quaisquer informações que tenham origem nas palavras dos pacientes, mesmo que estes tenham dito que as mesmas não eram confidenciais. Ética profissional: Regulamento tomado como consenso para se seguir de acordo com os conceitos morais intrínsecos específicos de cada profissão. Vide: Código de Ética Profissional
  • 74. É dever de cada profissional admitir os limites de intervenção técnica e ética da sua profissão, encaminhando o paciente a um especialista de acordo com as necessidades clinicas específicas de cada situação, sempre explicando claramente ao paciente.
  • 75. Nunca desacreditar ou menosprezar o médico ou qualquer outro profissional de saúde, valorizando sempre o seu trabalho. Ter cuidado ao comentar casos de pacientes com outros pacientes mesmo com a intenção de encorajá-los, pois isto tanto foge da técnica quanto amedronta o paciente.
  • 76. Condutas éticas na equipe multidisciplinar São premissas importantes Manter um bom relacionamento com os demais membros da equipa multidisciplinar em saúde. Nunca diminuir o respeito e a consideração técnica do paciente a um outro profissional.
  • 77. Nunca cercear o exercício profissional de outrem. Respeitar as normas internas, titulações, condutas éticas específicas e legislações, estabelecidas pela ordem, associação ou conselho profissional das demais profissões.
  • 78. Seguir as normas legais de sua própria profissão. Manter a humildade como uma ferramenta de diálogo entre a equipe de saúde, facilitando assim a troca de informações entre especialidades e disciplinas de saúde.
  • 79. Direitos humanos e humanização na saúde Humanização é uma atividade de dimensão humana, gerida pelo coração, sensível às necessidades dos outros. É o relacionamento inter-humano, afetivo e emocional, que tem como prioridade conferir aos outros a dignidade a que têm direito como pessoa humana.
  • 80. A humanização é a missão de todos, e de cada um de nós.
  • 81. Humanização em saúde significa: O atendimento pessoal sem obrigação ou imposição. É dar condições de vida, com toda a dignidade. É ter consciência de que essa área cuida de vidas, cada qual com a sua personalidade.
  • 82. Ter sempre presente os cuidados básicos: a alimentação, a higiene pessoal e o conforto. Minorar o sofrimento do doente e família em várias situações. Saber identificar medidas de apoio ao doente, família e equipa de saúde, durante a doença, agonia e até na morte.
  • 83. A alimentação Assegurar a qualidade e quantidade nutricional aos doentes durante o período de hospitalização, oferecendo dieta equilibrada de fácil mastigação e deglutição. De referir que a apresentação das refeições é fundamental, dar-lhe um toque colorido torna o prato mais atrativo, podendo assim estimular-lhes o apetite, porque “os olhos também comem”.
  • 84. A hora das refeições deve tornar-se num momento agradável e ansiado pelo doente, pode ser um momento único de socialização que proporcione uma agradável troca de palavras e um toque pessoal e humano.
  • 85. A higiene O cuidado com a higiene pessoal, consoante as necessidades de cada pessoa e não somente quando está próximo o horário das visitas, para além de ser um direito que lhe assiste (consagrado nos direitos humanos) é fundamental para o bem-estar das mesmas.
  • 86. Também a alegria no acompanhamento das rotinas diárias, nomeadamente, no banho, respetiva hidratação, mudas de roupa e outras, complementa esse bem-estar pessoal.
  • 87. Apoios Acolher tanto o paciente como os seus familiares, e se necessário, proporcionar apoio psicológico aos familiares. Preparar a família para situações de choque, como, a de encontrar os seus familiares doentes, submetidos a equipamento médico tão confuso que até receiam tocar-lhes.
  • 88. Em casos de internamento prolongado, favorecer à criança e jovens, meios educacionais e pedagógicos, que possibilitem a continuidade da atividade escolar, assim como aos que requerem educação especial, respeitando sempre as suas diferenças culturais.
  • 89. Clarificar com uma linguagem simples e de fácil compreensão todos os procedimentos desenvolvidos, no ato da consulta ou tratamentos efetuados. Como fazer no caso dos tratamentos, tomada dos medicamentos, assim como uma explicação cuidadosa da sua doença, sem dramatismos indevidos.
  • 90. Promover programas de reabilitação onde as famílias dos doentes estejam incluídas. Trabalhos de equipa multidisciplinares sendo estes “médico, enfermeiro, padre, família” a base dessa discussão, deve ser troca de informações entre os diversos membros, que permitam tirar conclusões no sentido de melhorar os serviços.
  • 91. Terapia religiosa Apoiar o doente nas suas convicções religiosas. A fé consegue atenuar a dor física, é a resignação para o seu sofrimento. Chegando mesmo a atribuir o sucesso da sua cura aos seus Santos e não, ao progresso da medicina.
  • 92. Processos para atingir a humanização Educar e sensibilizar os profissionais de saúde de todos os níveis, inclusive os estudantes de medicina e de enfermagem para a promoção e o respeito aos direitos dos pacientes e dos seus familiares.
  • 93. No ato da formação de técnicos de saúde, ou de quaisquer outros serviços, mesmo os menos remunerados, deve haver uma maior consciencialização, para que nunca seja descurada a parte da humanização. O serviço humanitário deve complementar o zelo profissional.
  • 94. Sensibilizar os pacientes e seus familiares, assim como os restantes intervenientes, funcionários e estrutura organizacional da instituição que, não estando dispensados do seu papel no ato de humanizar, também precisam de formação para o seu melhor desempenho nessa tarefa tão delicada.
  • 95. Proporcionar às populações, através da comunicação social (TV, folhetos), campanhas de formação e orientação nos cuidados de saúde, alimentação e higiene. A televisão por exemplo: é um veio de comunicabilidade importante na divulgação do que achamos importante
  • 96. O bom relacionamento, passa pelo respeito e pela comunicabilidade entre as equipas hierárquicas, para tal, é importante a confiança e interação entre as equipas, nunca, numa tentativa de querer agradar, desvalorizar ou menosprezar o trabalho do outro. Acreditar no que fazemos e dizemos.
  • 97. Humanização nas instituições É de máxima importância promover uma interação utente/família, para que a família se consciencialize como é importante a sua presença junto deles. Promover atividades sociais, religiosas (consoante as suas crenças e culturas), artesanais, educativas, relacionando-as com os seus interesses.
  • 98. Humanizar os espaços Os espaços deviam ser adaptáveis às necessidades abrangentes de todos os possíveis utilizadores a esses serviços, de forma a promover a sua própria independência. Exemplo: identificados de forma a reduzir a sensação de confusão, esquemas de orientação facilmente identificáveis de, quartos, casas de banho, salas de convívio, refeitório, enfermaria e outros.
  • 99. A importância da construção horizontal, de rampas em vez de escadas, com piso antiderrapante, tendo em conta a reduzida mobilidade dos utentes, aliás, este parágrafo é extensível a todos os serviços, inclusive os públicos, onde as pessoas que se movem em cadeiras de rodas, não podem aceder.
  • 100. O acautelamento de objetos suscetíveis de perigo para os institucionalizados, ou no domicílio. Ambiente seguro, como por exemplo: não deixar objetos espalhados pelo chão; manter pontos de luz acesos durante a noite; oferecer camas com altura, de maneira a que o institucionalizado possa firmar os pés, antes de se levantar; não trancar as portas com chaves e outros.
  • 101. A conservação, manutenção, arrumação e limpeza das áreas de instalações e do equipamento requerem uma principal preocupação, não só por questões de higiene, como também para favorecer o bem -estar.
  • 102. Direito de trabalho Um contrato de trabalho é aquele pelo qual uma pessoa se obriga, mediante retribuição, a prestar a sua atividade a outra ou outras pessoas, sob a autoridade e direção destas. Vamos analisar a definição:
  • 103. É um contrato - acordo de vontades entre duas pessoas (singulares ou coletivas) Pelo qual uma pessoa se obriga (trabalhador) Mediante retribuição (salário)
  • 104. A prestar a sua atividade (ex. eletricista) Sob a autoridade e direção (é o empregador que diz ao trabalhador o que este deve fazer dentro de limites legais)
  • 105. DIREITOS E DEVERES DAS PARTES O empregador, por exemplo, está obrigado a: Respeitar o trabalhador enquanto seu colaborador e a reconhecer o seu trabalho, retribuindo-lhe um pagamento acordado entre as duas partes e dando-lhe as necessárias condições de trabalho.
  • 106. Verificar a qualidade da execução das tarefas e providenciar formas de aumentar a produtividade dos empregados. Precaver situações de risco e garantir a segurança dos trabalhadores, bem como indemnizá-los dos prejuízos resultantes de acidentes ou doenças causados pelo trabalho.
  • 107. E tem o direito de: Ver a sua autoridade reconhecida pelos trabalhadores, merecendo ser tratado com lealdade e urbanidade. Ver os seus trabalhadores cumprirem o horário de trabalho acordado e obedecerem às suas ordens em tudo o que diz respeito à execução das tarefas.
  • 108. Impedir os trabalhadores de divulgar informações internas relacionadas com a entidade empregadora ou de negociarem por conta própria ou alheia em concorrência para com esta. Manter os seus bens em bom estado e sentir que os trabalhadores se empenham na produtividade da empresa,
  • 109. DIREITOS, DEVERES E GARANTIAS DOS TRABALHADORES EM GERAL Em síntese são deveres do trabalhador: Respeitar e tratar com urbanidade e probidade o empregador, os superiores hierárquicos, os companheiros de trabalho e as demais pessoas que estejam ou entrem em relação com a empresa;
  • 110. Comparecer ao serviço com assiduidade e pontualidade; Realizar o trabalho com zelo e diligência; Cumprir as ordens e instruções do empregador em tudo o que respeite à execução e disciplina do trabalho, salvo na medida em que se mostrem contrárias aos seus direitos e garantias;
  • 111. Guardar lealdade ao empregador, nomeadamente não negociando por conta própria ou alheia em concorrência com ele, nem divulgando informações referentes à sua organização, métodos de produção ou negócios;
  • 112. Velar pela conservação e boa utilização dos bens relacionados com o seu trabalho que lhe forem confiados pelo empregador; Promover ou executar todos os atos tendentes à melhoria da produtividade da empresa;
  • 113. Cooperar, na empresa, estabelecimento ou serviço, para a melhoria do sistema de segurança, higiene e saúde no trabalho, nomeadamente por intermédio dos representantes dos trabalhadores eleitos para esse fim; Cumprir as prescrições de segurança, higiene e saúde no trabalho estabelecidas nas disposições legais ou convencionais aplicáveis, bem como as ordens dadas pelo empregador.
  • 114. DIREITOS E DEVERES DA ENTIDADE PATRONAL Em síntese, podemos dizer que o empregador tem como suas obrigações: Respeitar e tratar com urbanidade e probidade o trabalhador; Pagar pontualmente a retribuição, que deve ser justa e adequada ao trabalho;
  • 115. Proporcionar boas condições de trabalho, tanto do ponto de vista físico como moral; Contribuir para a elevação do nível de produtividade do trabalhador, nomeadamente, proporcionando-lhe formação profissional; Respeitar a autonomia técnica do trabalhador que exerça atividades cuja regulamentação profissional a exija;
  • 116. Possibilitar o exercício de cargos em organizações representativas dos trabalhadores; Prevenir riscos e doenças profissionais, tendo em conta a proteção da segurança e saúde do trabalhador, devendo indemnizá-lo dos prejuízos resultantes de acidentes de trabalho;
  • 117. Adotar, no que se refere à higiene, segurança e saúde no trabalho, as medidas que decorram, para a empresa, estabelecimento ou atividade, da aplicação das prescrições legais e convencionais vigentes;
  • 118. Fornecer ao trabalhador a informação e a formação adequadas à prevenção de riscos de acidente e doença; Manter permanentemente atualizado o registo do pessoal em cada um dos seus estabelecimentos, com indicação dos nomes, datas de nascimento e admissão, modalidades dos contratos.
  • 119. O sistema de avaliação de desempenho - Modelo Desde que os enfermeiros se constituíram como “grupo profissional”, sempre foram avaliados com o intuito de melhorar o seu desempenho, até que, em 1993, se instituiu um sistema de avaliação formal, baseado num paradigma de gestão por objetivos e assente numa filosofia de projeto: a avaliação de desempenho (AD).
  • 120. A AD está, pois, regulamentada em decreto desde 1991 (Decreto-lei n.º 437 de 8 de Novembro) e, posteriormente, pelo Despacho nº 2/93. De acordo com o Artº 43, do DL nº 437/91, a AD consiste na avaliação contínua do trabalho desenvolvido pelo enfermeiro e na atribuição periódica (o período considerado é de três anos) de uma menção qualitativa. Tem como objetivos:
  • 121.  Contribuir para que o enfermeiro melhore o seu desempenho, através do conhecimento das suas potencialidades;  Contribuir para a valorização do enfermeiro, tanto pessoal como profissional, de modo a facilitar a sua progressão e promoção na carreira;
  • 122.  Detetar fatores que influenciam o rendimento profissional do enfermeiro;  Detetar necessidades de formação.
  • 123. A AD consiste, então, numa apreciação sistemática do exercício profissional do enfermeiro para determinar se o mesmo possui os conhecimentos, as habilidades, as atitudes e o julgamento necessários e se os utiliza na sua prática.
  • 124. É uma forma de avaliação contínua e dinâmica que permite a autoavaliação, auto crítica e a heteroavaliação. Na AD, intervêm apenas os enfermeiros e, independentemente da sua categoria, todos são avaliados.
  • 125. A AD é operacionalizada do seguinte modo: Existe um enfermeiro avaliado e um enfermeiro avaliador (superior hierárquico imediato). Durante o triénio, são realizadas quer pelo enfermeiro, quer pelo avaliado ou em conjunto, uma série de etapas (observação, entrevistas, projeto profissional).
  • 126.  A observação do desempenho constitui um método sistemático de colheita de dados pelo avaliador, não incide sobre a personalidade do avaliado, mas sim sobre o seu desempenho. As entrevistas realizadas com o avaliado são documentadas e registadas em documento próprio.
  • 127.  No final do triénio, o enfermeiro avaliado realiza o relatório crítico de atividades. Neste relatório, deverá descrever: as atividades inerentes à categoria profissional que mais contribuíram para o seu desenvolvimento pessoal, profissional e respetiva justificação; os fatores que influenciaram o seu rendimento profissional;
  • 128. as suas necessidades de formação e justificação; e, ainda, as expectativas futuras relativas ao desempenho das suas funções.
  • 129.  No final do processo, é atribuída uma menção qualitativa, que poderá ser de Satisfaz ou Não Satisfaz. Para a atribuição de Não Satisfaz, consideram-se as situações de deficiente desempenho e de insuficiente ou deficiente relacionamento com o utente / familiar, grupo ou comunidade e restante pessoal da equipa de trabalho.
  • 130.  Este sistema de AD traz alguns benefícios para as chefias operacionais, pois permite reduzir a subjectividade, melhorar o desempenho e a comunicação e promover o desenvolvimento profissional. Para além disto, permite definir os contributos de cada um para a instituição, identificar as necessidades de formação e melhorar as relações interpessoais.
  • 131. Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) para a área da Saúde Convenção coletiva de trabalho, ou CCT, é um ato jurídico pactuado entre sindicatos de empregadores e de empregados para o estabelecimento de regras nas relações de trabalho em todo o âmbito das respetivas categorias (económica e profissional).
  • 132. Uma convenção coletiva de trabalho terá a validade máxima de dois anos, porém, o mais comum é o prazo de um ano. Nada impede que certas cláusulas tenham validade diversa de outras, desde que seja respeitado o limite acima.
  • 133. Porquê um Contrato Colectivo de Trabalho (CCT) se existe o Código do Trabalho (CT)? O Código do Trabalho (Lei 7/2009 de 12 de Fevereiro) é uma “Lei aberta”, ou seja regula imperativamente poucas matérias, possibilitando às partes negociais, (Sindicatos e Empregadores ou Associações Patronais) estabelecer nas matérias não imperativas, condições inferiores às que ela própria estabeleceu, ou condições mais favoráveis do que aquilo que ela própria tinha definido.
  • 134. A correlação de forças entre empregadores e empregados ou seja entre patrões e sindicatos, determina o resultado da negociação.
  • 135. É portanto a própria Lei que “empurra” as partes (Patrões e Sindicatos) a iniciar processos de negociação, tendo em vista, ou a construção de Instrumentos de Regulamentação Coletiva de Trabalho (IRCT) ou não conseguindo negociar ou não tendo capacidade para o fazer, deixando aos trabalhadores as escassas normas imperativas do Código do Trabalho e o livre arbítrio na aplicação da Lei.
  • 136. MUITO OBRIGADA PELAVOSSA ATENÇÃO!! 