SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 66
Baixar para ler offline
PORTUGAL NO SÉCULO XIII
Finalizadas as lutas contra Castela e contra
os Mouros, Portugal vivia momentos de paz.
PORTUGAL NO SÉCULO XIII
O TERRITÓRIO DE PORTUGAL
Portugal em finais do século XIII
No século XIII, o
território português
era muito semelhante
ao que é hoje.
OS RIOS
No século XIII, os rios eram um dos principais
meios de comunicação e transporte de pessoas e
mercadorias.
Abasteciam de água a população e os campos.
Eram uma fonte de energia e de recurso
alimentar.
Os Recursos Naturais
Para aproveitar os recursos naturais, o Homem
teve de desenvolver diferentes actividades
económicas.
AS ACTIVIDADES ECONÓMICAS
Actividade económica
actividade a que as pessoas se dedicam
para obter riquezas.
A principal actividade da
população portuguesa no século
XIII era a agricultura.
Mas, também se dedicavam a
outras actividades:
AS ACTIVIDADES ECONÓMICAS
A – EXPLORAÇÃO FLORESTAL
No século XIII, Portugal tinha muitas áreas de
florestas e matagais:
os terrenos bravios ou baldios
Serviam para a criação de gado e pastorícia .
A exploração destes terrenos
baldios ainda permitia obter:
madeira, lenha, cortiça, mel, cera, caça
EXPLORAÇÃO FLORESTAL
PASTORÍCIA E CRIAÇÃO DE GADO
bois, porcos, cavalos
PASTORÍCIA CRIAÇÃO DE GADO
ovelhas, cabras, vacas
AGRICULTURA
Principal actividade da população e
praticava-se nos terrenos aráveis
Os que podiam ser cultivados
Produziam-se
Cereais - (cevada, centeio, trigo,
aveia, e milho-miúdo)
Vinho
Azeite
Legumes e frutos
Linho
AGRICULTURA
VÁRIAS TAREFAS AGRÍCOLAS
PESCA
Portugal tinha (e tem) uma
extensa linha de costa, o que fez
desenvolver esta actividade e
fazer crescer povoações
costeiras.
A pesca era feita no mar e nos
rios – peixe, mariscos e moluscos.
EXTRACÇÃO DE SAL
SALICULTURA
extracção de sal
• Os camponeses, os pastores e os pescadores
eram também artesãos, na medida em que
fabricavam os objectos, o calçado e o
vestuário que necessitavam no seu
quotidiano.
• O trabalho era manual, utilizando-se
ferramentas muito simples.
ACTIVIDADE ARTESANAL
F- ACTIVIDADE ARTESANAL
Trocas comerciais entre zonas rurais,
entre o campo e a cidade, entre o
litoral e o interior do país.
O COMÉRCIO
COMÉRCIO INTERNO
Trocas comerciais dentro do país.
Os reis, com o objectivo de desenvolver o
comércio interno, criaram feiras e mercados.
FEIRAS FRANCAS
Os reis, para desenvolverem o comércio
interno, criaram as feiras francas.
Os vendedores e compradores não pagavam
impostos sobre os produtos que vendiam.
MERCADO NO SÉCULO XIII
OS ALMOCREVES
Estes homens transportavam, compravam e
vendiam mercadorias;
Percorriam o país, levando também as
encomendas, as cartas e as notícias.
OS ALMOCREVES
Trocas comerciais realizadas com outros países.
Os reis também tiveram a preocupação de
desenvolver o comércio externo.
- fazia-se, principalmente, por mar -
COMÉRCIO EXTERNO
COMÉRCIO EXTERNO
As principais rotas de comércio externo
COMÉRCIO EXTERNO
EXPORTAÇÕES IMPORTAÇÕES
produtos vendidos produtos comprados
ao estrangeiro
vinho cereais
sal armas
azeite tecidos
frutos secos metais
cortiça açúcar
mel especiarias
peles tintas
A SOCIEDADE PORTUGUESA NO SÉCULO XIII
No século XIII, a sociedade portuguesa era
constituída por três grupos sociais:
CLERO NOBREZA POVO
Cada um dos grupos sociais tinha uma
importância social diferente e exercia
funções diferentes.
A nobreza e o clero eram grupos sociais
privilegiados.
O povo era um grupo não privilegiado.
Todos os grupos deviam obediência ao rei.
A SOCIEDADE PORTUGUESA NO SÉCULO XIII
TODOS OS GRUPOS SOCIAIS
GRUPOS
PRIVILEGIADOS
GRUPOSNÃO
PRIVILEGIADOS
Rei
CleroNobreza
Povo
PIRÂMIDE SOCIAL
FUNÇÕES DOS GRUPOS SOCIAIS
CLERO
Grupo social constituído por homens
e mulheres da Igreja que se
dedicavam aos serviços religiosos.
GRUPO SOCIAL PRIVILEGIADO
 Rezavam
 Ensinavam
 Copiavam e ilustravam livros antigos
(os monges copistas)
 Prestavam auxílio aos pobres e peregrinos
 Tratavam dos doentes
 Faziam remédios
 Trabalhavam nos campos dos mosteiros
CLERO
CLERO
MONGES COPISTAS
Os livros eram escritos à mão – manuscritos -.
Os monges copiavam os livros antigos, na
biblioteca do mosteiro.
Era um trabalho muito demorado.
Também decoravam os livros com desenhos:
ILUMINURAS
OS MOSTEIROS
AS DEPENDÊNCIAS DOS
MOSTEIROS
Na enfermaria tratavam-se
os doentes.
A Igreja era a parte
principal do mosteiro.
Aqui copiavam
livros antigos e
faziam iluminuras.
Na albergaria dormiam os
peregrinos em viagem.
GRUPO SOCIAL PRIVILEGIADO
 Eram donos das terras.
 Recebiam impostos do povo.
 Não pagavam impostos ao rei.
 Defendiam e administravam o reino.
 Aplicavam a justiça às populações nas
suas terras.
NOBREZA
SENHORIOSSENHORIOS
Os reis deram grandes porções de terra aos cavaleiros nobres, como
recompensa pela ajuda nas lutas contra os Muçulmanos.
Senhorios ou terras senhoriais eram as propriedades dos senhores da nobreza.
CONSTITUIÇÃO DE UM SENHORIO
Casa do senhor
nobre
Onde se moíam
os cereais
Os camponeses
cultivavam as
terras do senhor
nobre
Casas dos
camponeses
Onde se
cozia o pão
A VIDA QUOTIDIANA DA NOBREZA
Em tempo de guerra, o
senhor nobre combatia.
Defendia o território.
Era no castelo ou
casa senhorial
que viviam os
nobres e a sua
corte.
A VIDA QUOTIDIANA DA NOBREZA
Em tempo de paz
faziam justas e
torneios.
Um senhorio:
propriedade dos
senhores da
nobreza. Em tempo de paz,
também
administravam o
senhorio e se
preparavam para a
guerra com os
torneios.
A VIDA QUOTIDIANA DA NOBREZA
A caça fazia-se nos
campos e florestas
do senhor nobre:
caçavam veados,
javalis, ursos, lobos
e raposas.
Também se
dedicavam à
falcoaria, uma
actividade favorita
do senhor; dada a
ordem, o falcão
atacava a caça.
A VIDA QUOTIDIANA DA NOBREZA
O senhor nobre podia aplicar justiça nas suas terras, sempre que necessário.
A VIDA QUOTIDIANA DA NOBREZA
Um cobrador de impostos.
Nos seus
senhorios, o
senhor nobre tinha
o direito de mandar
cobrar impostos ao
povo.
A VIDA QUOTIDIANA DA NOBREZA
Nos salões dos
castelos eram
organizados
grandes
banquetes,
acompanhados
por bobos,
trovadores e
jograis que
tocavam,
cantavam e
entretinham os
convidados.
A VIDA QUOTIDIANA DA NOBREZA
Bobos, trovadores e jograis a animar o senhor nobre.
A VIDA QUOTIDIANA DOS
CAMPONESES
As casas dos camponeses só tinham uma divisão, chão em terra batida,
tecto de colmo. Partilhavam-na com os animais, com quem dormiam, por
vezes, para se protegerem do frio.
A VIDA QUOTIDIANA DOS
CAMPONESES
Trabalhavam de sol a sol, não tinham dias de descanso.
As distracções eram as missas, as romarias e as procissões.
Também iam às feiras, faziam bailes e festas relacionadas com as
colheitas e as matanças de porco.
A VIDA QUOTIDIANA DOS
CAMPONESES
Trabalhavam
desde o
nascer do sol
ao anoitecer.
Tinham uma
vida dura e
difícil.
Trabalhavam
como servos
nas terras da
nobreza e do
clero.
A ALIMENTAÇÃO
DA NOBREZA
• Muita variedade de carne e
peixe
• Caça (perdizes, coelhos,
javalis, veados…)
• Pão
• Vinho
• Queijos
• Frutas
• Doces
DOS CAMPONESES
• Pão escuro
• Papas de aveia
• Toucinho
• Couves
• Castanhas
• Cebolas
Ovos, carne ou queijo, só em
dias de festa
Não se usavam pratos nem garfos. Colocavam os alimentos por cima de
grossas fatias de pão. Usavam facas, que limpavam às toalhas.
OS CONCELHOS
OS CONCELHOS
No século XIII, não existiam
só senhorios.
Também havia concelhos,
criados pelos reis ou pelos
senhores nobres, devido à
necessidade de chamar as
populações para aquela terra
e aí se fixarem.
Através da Carta de Foral, foram
criados ao concelhos.
Na Carta de Foral estabeleciam-se os direitos e os deveres dos
seus moradores para com o rei ou senhor daquele concelho.
 Os moradores dos concelhos chamam-se vizinhos,
tinham mais regalias e liberdade do que os de um
senhorio, já que eram donos de algumas terras.
 Eram homens livres, não dependiam de um senhor
nobre e só pagavam o que estava definido na carta
de foral.
OS CONCELHOS
• Fazia-se a eleição de uma assembleia de
homens-bons:
• eram proprietários de terras e de negócios;
• criavam leis;
• podiam aplicar a justiça (juízes);
• recolhiam os impostos (mordomos).
O pelourinho era símbolo dos concelhos.
OS CONCELHOS
• Com o desenvolvimento do comércio,
estabeleceram-se contactos com outros
povos.
• Esses contactos levaram ao crescimento das
cidades, principalmente junto à costa.
• Com o crescer do comércio externo, surgiu
um novo grupo social:
OS CONCELHOS
A BURGUESIA
CONSTRUÇÃO E CRESCIMENTO DE CIDADES
Grupo social com origem no povo, tendo
enriquecido com o comércio, o que lhes
permitiu os estudos dos filhos, em Portugal
e no estrangeiro.
A VIDA NA CORTEA VIDA NA CORTE
Lugar onde o
rei ou o
senhor nobre
habitavam,
com o grupo
de pessoas
que residia
junto dele.
Reunião das Cortes.
CORTE
Só no reinado de Afonso III, os
representantes do povo puderam
participar nas Cortes : as Cortes de Leiria.
O Rei era a autoridade máxima da nação. Só ele tinha
o poder de tomar decisões:
Declarar a guerra ou a paz
Fazer as leis
Aplicar a pena máxima da justiça – pena de morte
ou o corte de membros-
Dar títulos, terras e rendas
Mandar cunhar moedas
Comandar os exércitos
AS FUNÇÕES DO REI
A CORTE DE D. DINIS
1279-1325
Ficou conhecido como “O Lavrador”, mas foi um rei poeta. Foi
um grande apreciador da cultura e desenvolveu muito o país.
Contribuição de D. Dinis para o
desenvolvimento cultural do reino
Criou a 1ª universidade portuguesa ( ou Estudos Gerais )
em Lisboa, em 1290;
 O português passou a ser a língua oficial do Reino,
substituindo o latim;
Contribuição de D. Dinis para o
desenvolvimento económico do reino
Mandou plantar o pinhal de Leiria;
Desenvolveu a agricultura, a pesca e o comércio;
Criou muitos concelhos dando cartas de foral.
As noites eram passadas em grandes banquetes,
festas e saraus onde se cantava e dançava.
A vida na corte era muito animada por jograis,
trovadores, acrobatas e malabaristas.
A CORTE DE D. DINIS
Ai flores, ai flores do verde pino,
se sabedes novas do meu amigo!
Ai Deus, e u é?
Ai flores, ai flores do verde ramo,
se sabedes novas do meu amado!
Ai Deus, e u é?
Se sabedes novas do meu amigo,
aquel que mentiu do que pôs comigo!
Ai Deus, e u é?
Se sabedes novas do meu amado,
aquel que mentiu do que mi à jurado!
Ai Deus, e u é?
Vós me preguntades polo vosso amigo,
e eu ben vos digo que é sano e vivo:
Ai Deus, e u é
Vós me preguntades polo vosso amado,
e eu ben vos digo que é vivo e sano:
Ai Deus, e u é?
E eu bem vos digo que é sano e vivo
e seerá vosco ante o prazo saido:
Ai Deus, e u é?
E eu ben vos digo que é vivo e sano
e seerá vosco ante o prazo passado:
Ai Deus, e u é?
El-Rei D. Denis, Cancioneiro da Vaticana, 101 e Cancioneiro da Biblioteca Nacional, 568.
D. Dinis – Poeta e trovador
MÚSICA MEDIEVAL
Musique Médiévale - Danse Royale
(Manuscrit du roi)
POWERPOINT ELABORADO POR:
Prof. Ana Pereira
Imagens: www.Google.pt
PORTUGAL NO SÉCULO XIII

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

D. joao i História
D. joao i HistóriaD. joao i História
D. joao i História
 
A Expansão marítima
A Expansão marítimaA Expansão marítima
A Expansão marítima
 
A revolução de 1383 - 1385
A revolução de 1383 - 1385A revolução de 1383 - 1385
A revolução de 1383 - 1385
 
A expansao Portuguesa
A expansao PortuguesaA expansao Portuguesa
A expansao Portuguesa
 
Concelhos e cortes
Concelhos e cortesConcelhos e cortes
Concelhos e cortes
 
Os Descobrimentos Portugueses
Os Descobrimentos PortuguesesOs Descobrimentos Portugueses
Os Descobrimentos Portugueses
 
Portugal medieval
Portugal medievalPortugal medieval
Portugal medieval
 
História de portugal
História de portugalHistória de portugal
História de portugal
 
Formação de portugal 4º ano
Formação de portugal   4º anoFormação de portugal   4º ano
Formação de portugal 4º ano
 
Economia sec. xiii e xiv
Economia sec. xiii e xivEconomia sec. xiii e xiv
Economia sec. xiii e xiv
 
A india
A indiaA india
A india
 
Condado portucalense
Condado portucalenseCondado portucalense
Condado portucalense
 
Uniao iberica
Uniao ibericaUniao iberica
Uniao iberica
 
A formação do reino de portugal
A formação do reino de portugalA formação do reino de portugal
A formação do reino de portugal
 
Os descobrimentos portugueses 1ªparte
Os descobrimentos portugueses 1ªparteOs descobrimentos portugueses 1ªparte
Os descobrimentos portugueses 1ªparte
 
Descobrimentos Portugueses
Descobrimentos PortuguesesDescobrimentos Portugueses
Descobrimentos Portugueses
 
Chegada à índia e descoberta do brasil
Chegada à índia e descoberta do brasilChegada à índia e descoberta do brasil
Chegada à índia e descoberta do brasil
 
Conquista de ceuta
Conquista de ceutaConquista de ceuta
Conquista de ceuta
 
Sociedade nos séculos XIII e XIV
Sociedade nos séculos XIII e XIVSociedade nos séculos XIII e XIV
Sociedade nos séculos XIII e XIV
 
A Crise De 1383 1385
A Crise De 1383 1385A Crise De 1383 1385
A Crise De 1383 1385
 

Destaque

Portugal no século XIII
Portugal no século XIIIPortugal no século XIII
Portugal no século XIII
cruchinho
 
Portugal No Século XIII
Portugal No Século XIIIPortugal No Século XIII
Portugal No Século XIII
Ana Luísa
 
A revolução de 1383 85
A revolução de 1383 85A revolução de 1383 85
A revolução de 1383 85
cruchinho
 
O rei, os grupos sociais e as
O rei, os grupos sociais e asO rei, os grupos sociais e as
O rei, os grupos sociais e as
Sonia Azevedo
 
Cultura medieval
Cultura medievalCultura medieval
Cultura medieval
cattonia
 
E1 Expansionismo Europeu XVI XVII - rotas e mapas
E1 Expansionismo Europeu XVI XVII - rotas e mapasE1 Expansionismo Europeu XVI XVII - rotas e mapas
E1 Expansionismo Europeu XVI XVII - rotas e mapas
mariana garcao
 
Vestuário na idade média
Vestuário na idade médiaVestuário na idade média
Vestuário na idade média
ricardo5023
 
Portugal no século XIII
Portugal no século XIIIPortugal no século XIII
Portugal no século XIII
lourdesingles
 
Século XIV até século XVI
Século XIV até século XVISéculo XIV até século XVI
Século XIV até século XVI
Catarina Sequeira
 
Batalha de aljubarrota
Batalha de aljubarrotaBatalha de aljubarrota
Batalha de aljubarrota
Lurdes
 
Portugal nos séculos XV e XVI
Portugal nos séculos XV e XVIPortugal nos séculos XV e XVI
Portugal nos séculos XV e XVI
cruchinho
 
Batalha de Aljubarrota
Batalha de AljubarrotaBatalha de Aljubarrota
Batalha de Aljubarrota
sin3stesia
 
A Crise do Séc. XIV
A Crise  do Séc. XIVA Crise  do Séc. XIV
A Crise do Séc. XIV
HistN
 
A Sociedade no Século XIX
A Sociedade no Século XIXA Sociedade no Século XIX
A Sociedade no Século XIX
José Ferreira
 
Cultura na idade média
Cultura na idade médiaCultura na idade média
Cultura na idade média
HCA_10I
 

Destaque (20)

Portugal no século XIII
Portugal no século XIIIPortugal no século XIII
Portugal no século XIII
 
Portugal No Século XIII
Portugal No Século XIIIPortugal No Século XIII
Portugal No Século XIII
 
A revolução de 1383 85
A revolução de 1383 85A revolução de 1383 85
A revolução de 1383 85
 
O rei, os grupos sociais e as
O rei, os grupos sociais e asO rei, os grupos sociais e as
O rei, os grupos sociais e as
 
Cultura medieval
Cultura medievalCultura medieval
Cultura medieval
 
A quarta parte do mundo
A quarta parte do mundoA quarta parte do mundo
A quarta parte do mundo
 
Aula unidade v
Aula unidade vAula unidade v
Aula unidade v
 
E1 Expansionismo Europeu XVI XVII - rotas e mapas
E1 Expansionismo Europeu XVI XVII - rotas e mapasE1 Expansionismo Europeu XVI XVII - rotas e mapas
E1 Expansionismo Europeu XVI XVII - rotas e mapas
 
Vestuário na idade média
Vestuário na idade médiaVestuário na idade média
Vestuário na idade média
 
Portugal no século XIII
Portugal no século XIIIPortugal no século XIII
Portugal no século XIII
 
Século XIV até século XVI
Século XIV até século XVISéculo XIV até século XVI
Século XIV até século XVI
 
Mudanças na religiosidade e expansão do ensino
Mudanças na religiosidade e expansão do ensinoMudanças na religiosidade e expansão do ensino
Mudanças na religiosidade e expansão do ensino
 
Crise Do SéCulo Xiv
Crise Do SéCulo XivCrise Do SéCulo Xiv
Crise Do SéCulo Xiv
 
Batalha de aljubarrota
Batalha de aljubarrotaBatalha de aljubarrota
Batalha de aljubarrota
 
A sociedade medieval
A sociedade medievalA sociedade medieval
A sociedade medieval
 
Portugal nos séculos XV e XVI
Portugal nos séculos XV e XVIPortugal nos séculos XV e XVI
Portugal nos séculos XV e XVI
 
Batalha de Aljubarrota
Batalha de AljubarrotaBatalha de Aljubarrota
Batalha de Aljubarrota
 
A Crise do Séc. XIV
A Crise  do Séc. XIVA Crise  do Séc. XIV
A Crise do Séc. XIV
 
A Sociedade no Século XIX
A Sociedade no Século XIXA Sociedade no Século XIX
A Sociedade no Século XIX
 
Cultura na idade média
Cultura na idade médiaCultura na idade média
Cultura na idade média
 

Semelhante a Portugal no século xiii ambiente natural e os grupos sociais - muito completo

Portugal no século xIII reformulado acordo ortográfico
Portugal no século xIII reformulado acordo ortográficoPortugal no século xIII reformulado acordo ortográfico
Portugal no século xIII reformulado acordo ortográfico
Ana Pereira
 
5 portugalnoséculo xiii
5 portugalnoséculo xiii5 portugalnoséculo xiii
5 portugalnoséculo xiii
R C
 
Portugal no séc. XIII 5ºA Amadeo
Portugal no séc. XIII 5ºA AmadeoPortugal no séc. XIII 5ºA Amadeo
Portugal no séc. XIII 5ºA Amadeo
grupo JFD
 
1261614439 portugal no_seculo_xiii
1261614439 portugal no_seculo_xiii1261614439 portugal no_seculo_xiii
1261614439 portugal no_seculo_xiii
Pelo Siro
 
Quotidiano na idade média
Quotidiano na idade médiaQuotidiano na idade média
Quotidiano na idade média
Anabela Sobral
 
6 portugalsecx ii-igrupossociais
6 portugalsecx ii-igrupossociais6 portugalsecx ii-igrupossociais
6 portugalsecx ii-igrupossociais
R C
 
Recursos naturais
Recursos naturaisRecursos naturais
Recursos naturais
dafgpt
 
Portugal entre o séclo xvi e o século xx
Portugal entre o séclo xvi e o século xxPortugal entre o séclo xvi e o século xx
Portugal entre o séclo xvi e o século xx
pipoquinhalove
 
A sociedade europeia nos séculos IX a XII
A sociedade europeia nos séculos IX a XIIA sociedade europeia nos séculos IX a XII
A sociedade europeia nos séculos IX a XII
Carla Freitas
 
7º ano - HISTÓRIA 1 - Slides. smileleiva
7º ano - HISTÓRIA 1 - Slides. smileleiva7º ano - HISTÓRIA 1 - Slides. smileleiva
7º ano - HISTÓRIA 1 - Slides. smileleiva
Edna Calderaro
 
A vida no séc. 19
A vida no séc. 19A vida no séc. 19
A vida no séc. 19
Alex Faria
 

Semelhante a Portugal no século xiii ambiente natural e os grupos sociais - muito completo (20)

Portugal no século xIII reformulado acordo ortográfico
Portugal no século xIII reformulado acordo ortográficoPortugal no século xIII reformulado acordo ortográfico
Portugal no século xIII reformulado acordo ortográfico
 
Ae nvt5 aula_revisoes6
Ae nvt5 aula_revisoes6Ae nvt5 aula_revisoes6
Ae nvt5 aula_revisoes6
 
5 portugalnoséculo xiii
5 portugalnoséculo xiii5 portugalnoséculo xiii
5 portugalnoséculo xiii
 
Sociedade Portuguesa dos séculos XIII e XIV
Sociedade Portuguesa dos séculos XIII e XIVSociedade Portuguesa dos séculos XIII e XIV
Sociedade Portuguesa dos séculos XIII e XIV
 
Medieval
MedievalMedieval
Medieval
 
Portugal no séc. XIII 5ºA Amadeo
Portugal no séc. XIII 5ºA AmadeoPortugal no séc. XIII 5ºA Amadeo
Portugal no séc. XIII 5ºA Amadeo
 
Portugal no contexto europeu do Século XII a XIV
Portugal no contexto europeu do Século XII a XIVPortugal no contexto europeu do Século XII a XIV
Portugal no contexto europeu do Século XII a XIV
 
1261614439 portugal no_seculo_xiii
1261614439 portugal no_seculo_xiii1261614439 portugal no_seculo_xiii
1261614439 portugal no_seculo_xiii
 
História sociedade sec xiii
História sociedade sec xiiiHistória sociedade sec xiii
História sociedade sec xiii
 
Séc. xii a xiv
Séc. xii a xivSéc. xii a xiv
Séc. xii a xiv
 
Portugal no contexto europeu do Século XII a XIV
Portugal no contexto europeu do Século XII a XIVPortugal no contexto europeu do Século XII a XIV
Portugal no contexto europeu do Século XII a XIV
 
Quotidiano na idade média
Quotidiano na idade médiaQuotidiano na idade média
Quotidiano na idade média
 
6 portugalsecx ii-igrupossociais
6 portugalsecx ii-igrupossociais6 portugalsecx ii-igrupossociais
6 portugalsecx ii-igrupossociais
 
Recursos naturais
Recursos naturaisRecursos naturais
Recursos naturais
 
Portugal no contexto europeu do Século XII a XIV
Portugal no contexto europeu do Século XII a XIVPortugal no contexto europeu do Século XII a XIV
Portugal no contexto europeu do Século XII a XIV
 
Portugal entre o séclo xvi e o século xx
Portugal entre o séclo xvi e o século xxPortugal entre o séclo xvi e o século xx
Portugal entre o séclo xvi e o século xx
 
A sociedade europeia nos séculos IX a XII
A sociedade europeia nos séculos IX a XIIA sociedade europeia nos séculos IX a XII
A sociedade europeia nos séculos IX a XII
 
Um Pouco de História de Portugal
Um Pouco de História de PortugalUm Pouco de História de Portugal
Um Pouco de História de Portugal
 
7º ano - HISTÓRIA 1 - Slides. smileleiva
7º ano - HISTÓRIA 1 - Slides. smileleiva7º ano - HISTÓRIA 1 - Slides. smileleiva
7º ano - HISTÓRIA 1 - Slides. smileleiva
 
A vida no séc. 19
A vida no séc. 19A vida no séc. 19
A vida no séc. 19
 

Mais de capell18 (20)

Nelson Evora (ainda não completo)
Nelson Evora (ainda não completo)Nelson Evora (ainda não completo)
Nelson Evora (ainda não completo)
 
cuidados pele e urina
cuidados pele e urinacuidados pele e urina
cuidados pele e urina
 
Borboleta metamorfoses
Borboleta metamorfosesBorboleta metamorfoses
Borboleta metamorfoses
 
Animais
Animais Animais
Animais
 
Ambiente vida
Ambiente vidaAmbiente vida
Ambiente vida
 
Animais em enxtincao
Animais em enxtincaoAnimais em enxtincao
Animais em enxtincao
 
Metodo cientistico 2
Metodo cientistico 2Metodo cientistico 2
Metodo cientistico 2
 
Metodo cientifico
Metodo cientifico Metodo cientifico
Metodo cientifico
 
Plantas com flor
Plantas com flor Plantas com flor
Plantas com flor
 
Raizes
Raizes Raizes
Raizes
 
reprodução nos animais
reprodução nos animaisreprodução nos animais
reprodução nos animais
 
Holocausto
Holocausto Holocausto
Holocausto
 
historia comunidades
historia comunidadeshistoria comunidades
historia comunidades
 
final fantasy 10 completo
final fantasy 10 completofinal fantasy 10 completo
final fantasy 10 completo
 
plantas frutos...
plantas frutos...plantas frutos...
plantas frutos...
 
Primeiros povos
Primeiros povosPrimeiros povos
Primeiros povos
 
ambientes naturais
ambientes naturaisambientes naturais
ambientes naturais
 
A península ibérica na europa e em todo o mundo
A península ibérica na europa e em todo o mundoA península ibérica na europa e em todo o mundo
A península ibérica na europa e em todo o mundo
 
flores 2
flores 2flores 2
flores 2
 
Flores
FloresFlores
Flores
 

Último

O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
VALMIRARIBEIRO1
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
andreaLisboa7
 

Último (20)

bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persaConteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxSismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptx
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptxMovimento Negro Unificado , slide completo.pptx
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptx
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 

Portugal no século xiii ambiente natural e os grupos sociais - muito completo

  • 1. PORTUGAL NO SÉCULO XIII Finalizadas as lutas contra Castela e contra os Mouros, Portugal vivia momentos de paz.
  • 3. O TERRITÓRIO DE PORTUGAL Portugal em finais do século XIII No século XIII, o território português era muito semelhante ao que é hoje.
  • 4. OS RIOS No século XIII, os rios eram um dos principais meios de comunicação e transporte de pessoas e mercadorias. Abasteciam de água a população e os campos. Eram uma fonte de energia e de recurso alimentar.
  • 5. Os Recursos Naturais Para aproveitar os recursos naturais, o Homem teve de desenvolver diferentes actividades económicas.
  • 6. AS ACTIVIDADES ECONÓMICAS Actividade económica actividade a que as pessoas se dedicam para obter riquezas.
  • 7. A principal actividade da população portuguesa no século XIII era a agricultura. Mas, também se dedicavam a outras actividades: AS ACTIVIDADES ECONÓMICAS
  • 8.
  • 9.
  • 10. A – EXPLORAÇÃO FLORESTAL No século XIII, Portugal tinha muitas áreas de florestas e matagais: os terrenos bravios ou baldios Serviam para a criação de gado e pastorícia .
  • 11. A exploração destes terrenos baldios ainda permitia obter: madeira, lenha, cortiça, mel, cera, caça EXPLORAÇÃO FLORESTAL
  • 12. PASTORÍCIA E CRIAÇÃO DE GADO bois, porcos, cavalos PASTORÍCIA CRIAÇÃO DE GADO ovelhas, cabras, vacas
  • 13. AGRICULTURA Principal actividade da população e praticava-se nos terrenos aráveis Os que podiam ser cultivados
  • 14. Produziam-se Cereais - (cevada, centeio, trigo, aveia, e milho-miúdo) Vinho Azeite Legumes e frutos Linho AGRICULTURA
  • 16. PESCA Portugal tinha (e tem) uma extensa linha de costa, o que fez desenvolver esta actividade e fazer crescer povoações costeiras. A pesca era feita no mar e nos rios – peixe, mariscos e moluscos.
  • 18. • Os camponeses, os pastores e os pescadores eram também artesãos, na medida em que fabricavam os objectos, o calçado e o vestuário que necessitavam no seu quotidiano. • O trabalho era manual, utilizando-se ferramentas muito simples. ACTIVIDADE ARTESANAL
  • 20. Trocas comerciais entre zonas rurais, entre o campo e a cidade, entre o litoral e o interior do país. O COMÉRCIO
  • 21. COMÉRCIO INTERNO Trocas comerciais dentro do país. Os reis, com o objectivo de desenvolver o comércio interno, criaram feiras e mercados.
  • 22. FEIRAS FRANCAS Os reis, para desenvolverem o comércio interno, criaram as feiras francas. Os vendedores e compradores não pagavam impostos sobre os produtos que vendiam.
  • 25. Estes homens transportavam, compravam e vendiam mercadorias; Percorriam o país, levando também as encomendas, as cartas e as notícias. OS ALMOCREVES
  • 26. Trocas comerciais realizadas com outros países. Os reis também tiveram a preocupação de desenvolver o comércio externo. - fazia-se, principalmente, por mar - COMÉRCIO EXTERNO
  • 27. COMÉRCIO EXTERNO As principais rotas de comércio externo
  • 28. COMÉRCIO EXTERNO EXPORTAÇÕES IMPORTAÇÕES produtos vendidos produtos comprados ao estrangeiro vinho cereais sal armas azeite tecidos frutos secos metais cortiça açúcar mel especiarias peles tintas
  • 29. A SOCIEDADE PORTUGUESA NO SÉCULO XIII No século XIII, a sociedade portuguesa era constituída por três grupos sociais: CLERO NOBREZA POVO Cada um dos grupos sociais tinha uma importância social diferente e exercia funções diferentes.
  • 30. A nobreza e o clero eram grupos sociais privilegiados. O povo era um grupo não privilegiado. Todos os grupos deviam obediência ao rei. A SOCIEDADE PORTUGUESA NO SÉCULO XIII
  • 31. TODOS OS GRUPOS SOCIAIS GRUPOS PRIVILEGIADOS GRUPOSNÃO PRIVILEGIADOS
  • 33. FUNÇÕES DOS GRUPOS SOCIAIS CLERO Grupo social constituído por homens e mulheres da Igreja que se dedicavam aos serviços religiosos.
  • 34. GRUPO SOCIAL PRIVILEGIADO  Rezavam  Ensinavam  Copiavam e ilustravam livros antigos (os monges copistas)  Prestavam auxílio aos pobres e peregrinos  Tratavam dos doentes  Faziam remédios  Trabalhavam nos campos dos mosteiros CLERO
  • 35. CLERO
  • 36. MONGES COPISTAS Os livros eram escritos à mão – manuscritos -. Os monges copiavam os livros antigos, na biblioteca do mosteiro. Era um trabalho muito demorado. Também decoravam os livros com desenhos: ILUMINURAS
  • 38. AS DEPENDÊNCIAS DOS MOSTEIROS Na enfermaria tratavam-se os doentes. A Igreja era a parte principal do mosteiro. Aqui copiavam livros antigos e faziam iluminuras. Na albergaria dormiam os peregrinos em viagem.
  • 39. GRUPO SOCIAL PRIVILEGIADO  Eram donos das terras.  Recebiam impostos do povo.  Não pagavam impostos ao rei.  Defendiam e administravam o reino.  Aplicavam a justiça às populações nas suas terras. NOBREZA
  • 40. SENHORIOSSENHORIOS Os reis deram grandes porções de terra aos cavaleiros nobres, como recompensa pela ajuda nas lutas contra os Muçulmanos. Senhorios ou terras senhoriais eram as propriedades dos senhores da nobreza.
  • 41. CONSTITUIÇÃO DE UM SENHORIO Casa do senhor nobre Onde se moíam os cereais Os camponeses cultivavam as terras do senhor nobre Casas dos camponeses Onde se cozia o pão
  • 42. A VIDA QUOTIDIANA DA NOBREZA
  • 43. Em tempo de guerra, o senhor nobre combatia. Defendia o território. Era no castelo ou casa senhorial que viviam os nobres e a sua corte.
  • 44. A VIDA QUOTIDIANA DA NOBREZA Em tempo de paz faziam justas e torneios. Um senhorio: propriedade dos senhores da nobreza. Em tempo de paz, também administravam o senhorio e se preparavam para a guerra com os torneios.
  • 45. A VIDA QUOTIDIANA DA NOBREZA A caça fazia-se nos campos e florestas do senhor nobre: caçavam veados, javalis, ursos, lobos e raposas. Também se dedicavam à falcoaria, uma actividade favorita do senhor; dada a ordem, o falcão atacava a caça.
  • 46. A VIDA QUOTIDIANA DA NOBREZA O senhor nobre podia aplicar justiça nas suas terras, sempre que necessário.
  • 47. A VIDA QUOTIDIANA DA NOBREZA Um cobrador de impostos. Nos seus senhorios, o senhor nobre tinha o direito de mandar cobrar impostos ao povo.
  • 48. A VIDA QUOTIDIANA DA NOBREZA Nos salões dos castelos eram organizados grandes banquetes, acompanhados por bobos, trovadores e jograis que tocavam, cantavam e entretinham os convidados.
  • 49. A VIDA QUOTIDIANA DA NOBREZA Bobos, trovadores e jograis a animar o senhor nobre.
  • 50. A VIDA QUOTIDIANA DOS CAMPONESES As casas dos camponeses só tinham uma divisão, chão em terra batida, tecto de colmo. Partilhavam-na com os animais, com quem dormiam, por vezes, para se protegerem do frio.
  • 51. A VIDA QUOTIDIANA DOS CAMPONESES Trabalhavam de sol a sol, não tinham dias de descanso. As distracções eram as missas, as romarias e as procissões. Também iam às feiras, faziam bailes e festas relacionadas com as colheitas e as matanças de porco.
  • 52. A VIDA QUOTIDIANA DOS CAMPONESES Trabalhavam desde o nascer do sol ao anoitecer. Tinham uma vida dura e difícil. Trabalhavam como servos nas terras da nobreza e do clero.
  • 53. A ALIMENTAÇÃO DA NOBREZA • Muita variedade de carne e peixe • Caça (perdizes, coelhos, javalis, veados…) • Pão • Vinho • Queijos • Frutas • Doces DOS CAMPONESES • Pão escuro • Papas de aveia • Toucinho • Couves • Castanhas • Cebolas Ovos, carne ou queijo, só em dias de festa Não se usavam pratos nem garfos. Colocavam os alimentos por cima de grossas fatias de pão. Usavam facas, que limpavam às toalhas.
  • 55. OS CONCELHOS No século XIII, não existiam só senhorios. Também havia concelhos, criados pelos reis ou pelos senhores nobres, devido à necessidade de chamar as populações para aquela terra e aí se fixarem. Através da Carta de Foral, foram criados ao concelhos. Na Carta de Foral estabeleciam-se os direitos e os deveres dos seus moradores para com o rei ou senhor daquele concelho.
  • 56.  Os moradores dos concelhos chamam-se vizinhos, tinham mais regalias e liberdade do que os de um senhorio, já que eram donos de algumas terras.  Eram homens livres, não dependiam de um senhor nobre e só pagavam o que estava definido na carta de foral. OS CONCELHOS
  • 57. • Fazia-se a eleição de uma assembleia de homens-bons: • eram proprietários de terras e de negócios; • criavam leis; • podiam aplicar a justiça (juízes); • recolhiam os impostos (mordomos). O pelourinho era símbolo dos concelhos. OS CONCELHOS
  • 58. • Com o desenvolvimento do comércio, estabeleceram-se contactos com outros povos. • Esses contactos levaram ao crescimento das cidades, principalmente junto à costa. • Com o crescer do comércio externo, surgiu um novo grupo social: OS CONCELHOS
  • 59. A BURGUESIA CONSTRUÇÃO E CRESCIMENTO DE CIDADES Grupo social com origem no povo, tendo enriquecido com o comércio, o que lhes permitiu os estudos dos filhos, em Portugal e no estrangeiro.
  • 60. A VIDA NA CORTEA VIDA NA CORTE Lugar onde o rei ou o senhor nobre habitavam, com o grupo de pessoas que residia junto dele. Reunião das Cortes. CORTE Só no reinado de Afonso III, os representantes do povo puderam participar nas Cortes : as Cortes de Leiria.
  • 61. O Rei era a autoridade máxima da nação. Só ele tinha o poder de tomar decisões: Declarar a guerra ou a paz Fazer as leis Aplicar a pena máxima da justiça – pena de morte ou o corte de membros- Dar títulos, terras e rendas Mandar cunhar moedas Comandar os exércitos AS FUNÇÕES DO REI
  • 62. A CORTE DE D. DINIS 1279-1325 Ficou conhecido como “O Lavrador”, mas foi um rei poeta. Foi um grande apreciador da cultura e desenvolveu muito o país. Contribuição de D. Dinis para o desenvolvimento cultural do reino Criou a 1ª universidade portuguesa ( ou Estudos Gerais ) em Lisboa, em 1290;  O português passou a ser a língua oficial do Reino, substituindo o latim; Contribuição de D. Dinis para o desenvolvimento económico do reino Mandou plantar o pinhal de Leiria; Desenvolveu a agricultura, a pesca e o comércio; Criou muitos concelhos dando cartas de foral.
  • 63. As noites eram passadas em grandes banquetes, festas e saraus onde se cantava e dançava. A vida na corte era muito animada por jograis, trovadores, acrobatas e malabaristas. A CORTE DE D. DINIS
  • 64. Ai flores, ai flores do verde pino, se sabedes novas do meu amigo! Ai Deus, e u é? Ai flores, ai flores do verde ramo, se sabedes novas do meu amado! Ai Deus, e u é? Se sabedes novas do meu amigo, aquel que mentiu do que pôs comigo! Ai Deus, e u é? Se sabedes novas do meu amado, aquel que mentiu do que mi à jurado! Ai Deus, e u é? Vós me preguntades polo vosso amigo, e eu ben vos digo que é sano e vivo: Ai Deus, e u é Vós me preguntades polo vosso amado, e eu ben vos digo que é vivo e sano: Ai Deus, e u é? E eu bem vos digo que é sano e vivo e seerá vosco ante o prazo saido: Ai Deus, e u é? E eu ben vos digo que é vivo e sano e seerá vosco ante o prazo passado: Ai Deus, e u é? El-Rei D. Denis, Cancioneiro da Vaticana, 101 e Cancioneiro da Biblioteca Nacional, 568. D. Dinis – Poeta e trovador
  • 65. MÚSICA MEDIEVAL Musique Médiévale - Danse Royale (Manuscrit du roi)
  • 66. POWERPOINT ELABORADO POR: Prof. Ana Pereira Imagens: www.Google.pt PORTUGAL NO SÉCULO XIII