SlideShare uma empresa Scribd logo
Registo dos resultados de avaliação do módulo RI 1
Titulo do
Módulo
Avaliar Competências Código do
Módulo:
UC EDU056004R
Nível do QNQP 6 Créditos 4 Semestre:
Nome do estudante: Sérgio Alfeu José Tsope
Código do estudante: Turma: Manica 1-
2022
Data de ingresso: 2022
Resultado
de aprendizagem
Instrumento da
avaliação
Resultado
da
avaliação
Data
1ª Re- avaliação 2ª Re- avaliação
Resultado Data Resultado Data
Identificar os
conceitos e
princípios da
avaliação por
competências
FORMATIVA
A
14.07.
2022
Planificar e
organizar a
avaliação
FORMATIVA
A
21.07.
2022
Desenvolver
instrumentos de
avaliação
FORMATIVA
A
26.07.
2022
Realizar a
avaliação
FORMATIVA A 09.08.
2022
Realizar a
verificação interna
FORMATIVA
A
09.08.
2022
Nome da avaliadora: Arlete Ferrao
Assinatura do Avaliador:
Data da avaliação Final:
Nome do verificador interno:
Data da verificação:
Assinatura do verificador interno:
Resultado final do
módulo
Feedback/Observações
A
2
UNIVERSIDADE PEDAGOGICA DE MAPUTO
FACULDADE DE ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS
ACTIDADE Nº1 Data:18/07/2022
Código da Unidade de
Competência
relacionada
Título do
Módulo
Número de
Créditos
Número de
Horas
Normativas
UC EDU056004R
Avaliar
Competências 6 100
EC 1: Identificar os conceitos e princípios da avaliação por competências
Formadora: Prof. Doutora Arlete Ferrão
Formando: Sérgio Alfeu José Tsope
1. Tomando como base as aulas da sessão 1, responda as seguintes questões:
a. Caracteriza os diferentes tipos de avaliação da aprendizagem?
Avaliação da aprendizagem Sumativa
São:
• Informar e permitir a análise do desempenho individual de cada formando,
consolidando o aprendizado ou indicando a necessidade de um trabalho
específico de recuperação;
• Permitir o entendimento da Heterogeneidade de uma turma ao final de um
processo, indicando quais grupos se adaptaram melhor a metodologia usada e
quais precisaram de outros estímulos e abordagens;
• Aprovar e certificar os formando que cumpriram os requisitos necessários
estabelecidos para a etapa avaliada.
Avaliação da aprendizagem Formativa
São:
• Analisa o processo como um todo, não só como um ponto estático;
• Tem um modelo de feedback continua;
• Não é pontual, ou seja, não foca em algo específico, é feita de forma contínua;
• Permite uma avaliação inclusiva, considerando formandos especiais;
3
• É uma avaliação que não é taxativa no que disse respeito ao erro.
Avaliação Diagnostica
Entende-se por avaliação diagnostica uma ferramenta que traz informações sobre o quanto os
estudantes dominam, determinados conhecimentos, habilidades e competências. E possível
desta formar, mapear os pontos fortes e de dificuldade da turma e de cada aluno, em
especifico, o que funciona de facto como um diagnostico. A partir de então, guiara o
panejamento docente e a escolha por intervenções pedagógicas adequadas, como forma de
promover a recuperação dos pontos identificados como fracos além disso, permite que o
professor possa adequar suas abordagem e estratégias de ensino as necessidades de cada
aluno, estimulando o seu progresso e fazendo com que ele atinja novos patamares em suas
competências.
b. Caracteriza os conceitos, princípios e processo de avaliação por competências?
Baseando-se nos slides do CBT da Prof. Dra
Arlete Ferão (s/d) a Avaliação por
competência é um processo pelo qual se compilam evidências de desempenho e
conhecimentos de um individuo em relação a competências profissionais requeridas.
Os princípios e processos da avaliação por competência são:
• Definição de objetivos;
• Levantamento de evidências;
• Comparação das evidências com os objetivos;
• Julgamento (Alcança ou Não Alcança).
c. Avalia a coerência entre o exercício docente e as formas de avaliação (máximo
meia página?
Fazendo uma analogia da coerência entre o exercício docente e as formas de avaliação diria
que; na maioria dos docentes não seguem todas formas de avaliação, como por exemplo
avaliação diagnostica, que é feita no início de cada módulo para verificar a competência que
os formandos têm, este exercício facilita a planificação por parte do docente.
No concernente as duas formas de avaliação que é a Formativa e Sumativa, elas são
implementadas, pós nota-se que alguns formadores fazem avaliação Sumativa fora daquilo
4
que os critérios de desempenho pedem, ou seja, agrupam os critérios de desempenho não
correspondentes.
d. Escreva um texto no máximo de meia página sobre a reflexão as suas práticas de
avaliação?
Refletindo sobre as minhas práticas de avaliação diria que: antes da formação agrupava
todos os elementos de competência num único teste. Em caso do estudante não Alcançar
um dos elementos de competência formulava outras questões fazendo repetir o teste com
todos os elementos de competência. Este processo não é o recomendado, pois o normal é
avaliar por cada elemento de competência, ou pode-se agrupar desde que na reavaliação o
estudante resolva os elementos de competências que não Alcançou.
5
UNIVERSIDADE PEDAGÓGICA DE MAPUTO
FACULDADE DE ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS
Formando: Sérgio Alfeu José Tsope
Módulo: Avaliar competências
EC2: Planificar e Organizar a Avaliação
Planificação e Organização da Avaliação
a) Nome do módulo.
Participar na implantação de uma obra pública
Determinação do foco da avaliação
a) Resposta: RA 1,2,3 e 4.
Resposta: A avaliação irá decorrer na sala de aula e será somativa 1 para RA1, RA2 e RA3 e
4. O objectivo desta avaliação tem como objectivo classificar os RAs de acordo com os
critérios de aprendizagem leccionados.
Tipo de avaliação a realizar
Resposta: Avaliação Teórica
b) Identificação dos critérios para avaliação das competências.
RA1- critérios de aprendizagem: analisar com precisão o projeto, 5V
RA2- Interpretar corretamente as plantas, 5V
RA3 - Determinar exaustivamente todos os resultados esperados pela operação topográfica,
5V
RA4 - Determinar os elementos que se devem implantar, 5V.
c) Instrumentos de avaliação:
Estação Total ou Teodolito, Tripé e enunciado.
Resposta: Prova escrita ou oral juntamente com a lista de verificação para a prova oral.
d) Que materiais ou recursos precisariam para recolher evidências?
6
Cámeras para vídeos ou dispositivos para gravação das evidências, folhas de respostas
escritas.
e) Organização dos Recursos:
Resposta: os recursos estarão disponíveis na sala de praticas, ou oficinas de praticas.
f) Determinação do tempo necessário para a realização da avaliação
Resposta: No tempo estabelecido pelo horário, ex: 2 (duas) horas.
g) Identificação e documentação de formandos que necessitam de tratamento
especial
Resposta:
para o caso de formado que tenho necessidades educativas especiais o tempo deve ser
contado a partir da entrada deste na sala de avaliação, e a IETP deve meios de comunicação
para a locomoção destes em cadeiras de rodas, e deve se identificar na turma um pequeno
grupo de formandos solidários para ajudar o mesmo. Para a simulação pratica de utilização de
aparelhos topográficos será necessário o formador ajudar o mesmo a estacionar á uma altura
conveniente para que o mesmo consiga usar.
h) Precisariam de organizar e negociar assistência especializada e necessária para a
avaliação?
Resposta: precisaria de ajuda de um outro formador da área para ajudar na parte prática da
avaliação, e também uma ajuda para auxiliar deve ser por um grupo de estudantes
responsáveis seleccionados pelo formador e deve ser feita uma semana ou três dias antes da
sua realização dependendo da localização geográfica dos mesmos e monitorado pelo
formador desde os dias por si estabelecidos até à chegada dos formandos no centro do IEP
local 40 minutos antes do inicio da realização da avaliação de modo que facilite-se o processo
em casos de mudanças de local de realização, refiro-me de centros com condições, salas e
instalações inadequadas a este processo e que tem criado muito stress aos intervenientes.
i) Uma vez realizada a avaliação, quanto tempo precisariam para fazer o registo
dos resultados de avaliação e dar ao formando a conhecer estes resultados?
7
Resposta: o registo e divulgação dos resultados de avaliação acontecem no prazo de sete dias
após a realização dos mesmos de modo que haja possibilidade de acertos para aspectos
reavaliação dependendo do numero de turmas que realizaram a avaliação sabendo que cada
turma tem 40 estudantes. Quanto menor for o número de turmas, maior é a eficiência e
coerência do trabalho neste processo, e neste caso em concreto precisariam de pelo menos 40
Min. Para a divulgação dos resultados.
FIM
UNIVERSIDADE PEDAGOGICA DE MAPUTO
FACULDADE DE ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS
ACTIDADE Nº 03 Data:30/07/2022
Código da Unidade de
Competência relacionada
Título do Módulo
Número
de
Créditos
Número de Horas
Normativas
UC EDU056004R Avaliar competências
EC1 2: Planificar e organizar avaliação
Formador: Eng.º Arlete Ferrão
1
EC: Elemento de Competência
8
Formando: Sérgio Alfeu José Tsope
Qualificação: Certificado vocacional (5) em Construção
Civil
Créditos: Turma: Contabilidade
Titulo do Modulo: Participar na implantação de uma obra pública Código:
Nome do
estudante:
Código de estudante:
Avaliadora: Sérgio Alfeu José Tsope Data: 30/07/2022 Resultado:
Verificador:
Módulo: Participar na implantação de uma obra pública
9
10
11
12
UNIVERSIDADE PEDAGOGICA DE MAPUTO
FACULDADE DE ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS
Formandos:
Elicha Moisés Dique
Sérgio Alfeu José Tsope
Carmila Pedro J. Mateus
Tendai Vicente Meque
Roque Tole
Módulo:
EC 4: Elaboração de Projeto integrado
Nome de Qualificação Profissional: Certificado Vocacional 4 em Canalização
Numero de referencia do Projecto Integrado:
1. Objectivo do Projecto Integrado
O objectivo deste projecto integrado é de resolver um prolema de agua de uma determinada
localidade com a construção de um furo de agua para o abastecimento no distrito de
Machaze.
2. Justificativa
A razão da escolha deste tema surge como forma de responder a necessidade de carência de
agua e como medida de minimizar o impacto de carência de agua urge a necessidade de
construção de um furo de abastecimento de agua no distrito de Machaze na localidade de
Bassane no bairro Samora Machel. Pois, o distrito de Machaze tem passado enormes
dificuldades de água, não tem um rio com o curso permanente, com isso a população acaba
percorrendo longas distancias em busca deste precioso liquido. Este problema deve-se a fraca
queda de chuva, e não ter um sistema de retenção da agua para reter a pouca agua que cai.
Tendo o furo vai ajudar a população local a minimizar a carência de água, não só a encurtar a
distancia que a população percorre, razão pela qual propõe-se o tema em questão.
3. Módulos de cobertura e de conhecimento, a compreensão e o desenvolvimento de
competencias.
3.1.Genericos
13
Código do modulo Nome do modulo
MO HG044001
Produzir textos escritos e orais de
carácter utilitário e informativo
MO HG044002
Interpretar e produzir textos escritos e
orais respeitando técnicas e
convenções de escrita
3.2.Vocacionais
Código do modulo Nome do modulo
UCP CCA 0240111171 Diagnosticar anomalias no equipamento de bombagem,
tratamento e distribuição
UCP CCA 0240112171 Reparar anomalias no equipamento de bombagem,
tratamento e distribuição
UCP CCA 0240113171 Planificar e relatar operação de bombagem e tratamento
de água.
UCP CCA 0240114171 Adquirir experiência de trabalho numa estação de
tratamento de água (ETA).
4. Tecnologia de abertura do furo
Existem várias técnicas de perfuração que podem ser usadas para abrir um furo no solo. Cada
um tem suas vantagens e desvantagens, em termos da profundidade que pode perfurar, do
tipo de amostra devolvida, dos custos envolvidos e das taxas de penetração alcançadas.
Alguns tipos incluídos são corte rotativo, abrasivo rotativo, reverso rotativo, ferramentas de
cabo e perfuração sônica, neste projecto iremos falar de perfuração por trado.
5. Perfuração de trado
A perfuração do trado é feita com um parafuso helicoidal que é cravado no solo com rotação;
a terra é levantada pelo poço pela lâmina do parafuso. A perfuração de trado oco é usada para
terrenos mais macios, como pântanos onde o buraco não ficará aberto por si mesmo para
perfuração ambiental, perfuração geotécnica, engenharia de solo e trabalho de
reconhecimento geoquímico na exploração de depósitos minerais. Brocas sólidas / brocas de
caçamba são usadas na perfuração de construção de terreno mais difícil. Em alguns casos, os
poços da mina são cavados com brocas de trado.
14
Orçamento para abertura do furo
N/O Descrição QT UNIDADES P. unitário
(MT)
Total
1 Tubo de elevação da água 8 UN 6000.00 48,000.00
2 Tubo piezómetro para
medição de níveis
1 UN 3,000.00 3,000.00
Curva 90º 1 UN 500.00 500,00
Manómetro glicerina 0/25bar 1 UN 1,500.00 1,500.00
Válvula cunha fff 1 UN 600.00 600.00
Válvula retenção 1 UN 420.00 420.00
Cabo h07rn-f (fbbn) 4 g 4 metros 600.00 2,400.00
Quadro comando 1 UN 450.00 450.00
Instrumentos de medição
(sonda nível, caudalimetro)
1 UN 500.00 500.00
Total Geral 57,370.00
Cronograma das atividades para abertura do furo
Ord. Actividades
Período/Mensal
Semanas
01 02 03 04 05 07
1 Determinação do local do furo sondagem
2 sondagem
3 Escolha do método de perfuração
15
Para execução do projecto e necessário de 4 (quatro semanas).
3 Deslocação do equipamento de perfuração
4 Perfuração
5 Desmontagem do equipamento de perfuração e
fecho da captação
6 Montagem de acessório
UNIVERSIDADE PEDAGOGICA DE MAPUTO
FACULDADE DE ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS
ACTIDADE Nº5 Data:10/08/ 2022
Código da Unidade de Competência relacionada Título do Módulo
Número de
Créditos
Número de Horas
Normativas
UC EDU056017
Avaliar
Competências
EC5‫׃‬ Realizar a avaliação interna
Formadora: Arlete Ferrão
Formando: Sérgio Alfeu José Tsope
17
Descrição da Tarefa
1. Classifique as frases que se seguem como verdadeiras (V) ou falsas (F), conforme o caso.
a). O formador/avaliador é responsável pela manutenção dos registos e avaliações dentro do Centro. V
b). O Formador / avaliador coordena a planificação das actividades de verificação interna para assegurar que o pessoal adequado possa actuar
devidamente (avaliadores e verificadores internos). F
c). O líder de equipa é a pessoa responsável por manter e assegurar que todo pessoal, departamentos sejam mantidos informados sobre os
regulamentos e procedimentos de avaliação. V
d). O verificador interno deve assegurar a exactidão e fiabilidade das Avaliações e dos julgamentos de Avaliação, entre os avaliadores dentro da
IEP/Centro. V
e). O líder de equipa toma a responsabilidade quotidiana em relação às novas qualificações vocacionais, tais como o estabelecimento e operação
dos procedimentos de verificação interna a nível do programa (qualificação individual). V
2. Tendo em conta os elementos abaixo indicados, elabore o plano/calendário de amostragem (VI6), conforme os critérios estabelecidos no
processo da verificação interna:
• Qualificação: CV3 A em Mecânica
• Líder de equipa: Aida Pereira
• Formandos inscritos: 40
• Módulos: UEFSPPP, CJRI, RRWM, PWM, IEF-3D, PDOPCI, IICTCIEPTE, AMBAEF
• Avaliadores: Tamele, Dulce, Rosa, Paula, Rogério, Filipe, João e Pedro.
• Verificadores internos: Dulce, Tamele, Paula, Rosa, João, Pedro, David e Aréola.
18
• Período:08/07 a 30/07/2022
NB: Cada formando deverá alocar os respectivos formandos e códigos no processo de preenchimento do VI6 e recordar que a amostra deve ser
constituída por um mínimo de 20%.
RESPOSTA‫׃‬
CALENDÁRIO DE AMOSTRA DA VERIFICAÇÃO INTERNA VI6
Nível & Título da Qualificação: CV3 A em Mecânica
Grupo da
Classe:
Líder da
Equipa:
Aida Pereira Data de
preenchimento
01/07/2022
Nome do candidato
MÓDULO E AVALIADOR
Verificador Interno
João
Dulce
Tamele
Paula
Rosa
Pedro
David
Aréola
Avaliador
Rogério
Tamele
Dulce
Rosa
Paula
Filipe
João
Pedro
Modulo
IEF-3D
UEFSPPP
CJRI
RRWM,
PWM,
PDOPCI
IICTCIEPTE
AMBAEF
Número do
candidato
1. Adelino Mateus Paulo 10350059
2. António José António 10350056
19
3. Américo Joaquim 10350055
4. Cândida José Silva 10350123 X
5. Castiano Marcos Fazenda 10350173 X
6. Chorai Manuel Bento 10350122
7. Clinton Mafoia 10350169 X
8. Edorcio Paulo 10350167
9. Eva Francisco Meque 10350048
10. Isabel Elidio Domingos 10350162
11. Ivone Neusa Ângelo Ribeiro 10350045
12. Jovete Esperança Cherene 10350111
13. Marta Domingos Januário 10350157
14. Maurício Arão David 10350055
15. Rabeca Abílio de Sousa 10350153
16. Rainha Joaquim Victorino 10350149
17. Renad José Francisco 10350103
18. Roberto Rui Roberto 10350068
19. Rute Dezanove Mberuca 10350100
20. Salvador João Gabriel 10350061
21. Samuel Luís Joaque 10350063 X
22. Simba David Lucas 10350091
23. Samuel Manuel Bonga 10350093 X
24. Stela Ermelindo Macario 10350141
25. Sofia Fernando Lampião 10350067
26. Samuene Martinho Samuane 10350067
27. Sande Ernesto Sopa 10350145
28. Taero Rafael 10350150
29. Tina Fazenda Maqui 10350107 X
30. Tomé Mateus Tome Fole 10350012
31. Tendai Escudo 10350109
32. Teresa Mário Luís 10350112 X
20
33. Teresinha MárioNiquisse 10350113
34. Tomas Jose 10350114 X
35. Trymore bonifacio 10350021
36. Ugo Joao 10350025
37. Victoria Augusto 10350028
38. Victorino Paulo 10350029
39. Wilma Gaspar 10350124
40. Zito Faustino 10350174
3. Com base nos elementos (VI6), preencha o formulário de registo da amostra e feedback (VI2)
RESPOSTA:
VERIFICAÇÃO INTERNA
REGISTO DA AMOSTRA E FEEDBACK VI2 (Página 1)
Detalhes do Módulo
Nível & Título da
Qualificação
CV3 A-2022 em Mecânica
Título do Módulo PWM Código do módulo
Data de Início do módulo 08/07/2022 Data da última reavaliação 25/07/2022
Código da Turma CV3 Mec. A-2022 Tamanho da amostra 8
Detalhes do Pessoal
Nomes dos Avaliadores Paula
Nome do Verificador Interno Rosa
Registo da Amostra (escrito, produto ou evidência de desempenho)
Nome do Candidato Resultados
da
Aprendizage
m
Comentários
(candidato ou geral)
1. Cândida José Silva 1,2 e 3
2. Castiano Marcos
Fazenda
1,2 e 3
3. Clinton Mafoia 1,2 e 3
4. Samuel Luís Joaque 1,2, e 3
5. Samuel Manuel Bonga 1,2, e 3
6. Tina Fazenda Maqui 1,2,e 3
7. Teresa Mário Luís 1,2,e 3
8. Tomas Jose 1,2,e 3
22
Relatório do Verificador Interno (Assinale no local apropriado) SIM NÃO*
i. Foram usados instrumentos de avaliação verificados ✓
ii. Todas as evidências do alcance do candidato estão disponíveis ✓
iii. Os julgamentos dos avaliadores são justos e consistentes ✓
iv. Os registos dos aproveitamentos dos candidatos são exactos ✓
Fornece feedback aos Avaliadores e à Equipa do Programa utilizando a página 2.
* Detalhe a acção se tiver escolhido a coluna NÃO
VERIFICAÇÃO INTERNA
REGISTO DE AMOSTRAS E FEEDBACK VI2 (Página 2)
Feedback ao Avaliador e à Equipa do Programa
Comentários / Conselho
As informações gerais da qualificação, do modulo e da turma devem estar pré-
impressos, de forma a evitar muitas interpretações.
23
Acção a ser realizada antes da Verificação externa
Colocar em ordem os documentos
Data em que a acção deve estar completa 30.07.2022
Assinatura do Verificador
Interno
Rosa Data 28.07.2022
Registo da Acção
Data da acção completa
Assinatura(s) do(s)
Avaliador(es)
Paula Data 30.07.2022
Assinatura do Verificador
Interno
Rosa Data 30.07.2022
24
4. A verificação interna é um elemento vital do procedimento de controlo de qualidade que deve ser aplicado para os arranjos de avaliação para
as qualificações vocacionais. Neste processo inclui as pastas de avaliador e de evidências e os centros são completamente responsáveis por sua
execução.
a) Refira-se aos elementos que constam nas pastas do formador e de evidências.
R ‫׃‬Os elementos que constam nas pastas do formador e de evidências são‫׃‬
• Modulo/UCPs
• Planos analíticos
• Plano de avaliação
• Plano de secções
• Instrumentos de avaliação (testes)
• Guia de correcção
• VI6
• VI10
• R1 (pauta Geral da turma)
• RI1 (pauta individual dos candidatos)
• Ficha individual
• Evidencia
25

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

PIAF FORMAÇÃO.pptx
PIAF FORMAÇÃO.pptxPIAF FORMAÇÃO.pptx
PIAF FORMAÇÃO.pptx
Márcia Moura
 
Pei slides programa de acao
Pei slides programa de acaoPei slides programa de acao
Pei slides programa de acao
E.E. Mario Martins Pereira
 
ATPC Como Espaço de Formação - Avaliação
ATPC Como Espaço de Formação - AvaliaçãoATPC Como Espaço de Formação - Avaliação
ATPC Como Espaço de Formação - Avaliação
Claudia Elisabete Silva
 
Slides semana pedagógica
Slides  semana pedagógicaSlides  semana pedagógica
Slides semana pedagógica
Walter de Carvalho Baptista
 
Submodulo 8.1
Submodulo 8.1Submodulo 8.1
Orientação para preenchimento dos diários de classe da educação básica dos ní...
Orientação para preenchimento dos diários de classe da educação básica dos ní...Orientação para preenchimento dos diários de classe da educação básica dos ní...
Orientação para preenchimento dos diários de classe da educação básica dos ní...
elannialins
 
Guia elaboracao itens_provinha_brasil
Guia elaboracao itens_provinha_brasilGuia elaboracao itens_provinha_brasil
Guia elaboracao itens_provinha_brasil
Gladyston Augusto
 
Avaliação da aprendizagem
Avaliação da aprendizagemAvaliação da aprendizagem
Avaliação da aprendizagem
Cleyton Carvalho
 
Avaliação da aprendizagem
Avaliação da aprendizagemAvaliação da aprendizagem
Avaliação da aprendizagem
ELOI DE OLIVEIRA BATISTA
 
Avaliação da aprendizagem
Avaliação da aprendizagemAvaliação da aprendizagem
Avaliação da aprendizagem
Gerdian Teixeira
 
Plano de aula ( seus elementos) e plano de avaliaçao (seus elementos).
Plano de aula ( seus elementos) e plano de avaliaçao (seus elementos).Plano de aula ( seus elementos) e plano de avaliaçao (seus elementos).
Plano de aula ( seus elementos) e plano de avaliaçao (seus elementos).
wilkerfilipel
 
Plano de aula slides
Plano de aula slidesPlano de aula slides
Plano de aula slides
MarinaGLD
 
A Aprendizagem Cooperativa na escola
A Aprendizagem Cooperativa na escolaA Aprendizagem Cooperativa na escola
A Aprendizagem Cooperativa na escola
EBS/PE da Calheta
 
Resolução SEE nº 2.554 - Colegiado
Resolução SEE nº 2.554 - ColegiadoResolução SEE nº 2.554 - Colegiado
Resolução SEE nº 2.554 - Colegiado
SinduteTO
 
Avaliacao na aprendizagem
Avaliacao na aprendizagemAvaliacao na aprendizagem
Avaliacao na aprendizagem
zetesousa
 
Observação de aulas em parceria - uma experiência de formação
Observação de aulas em parceria - uma experiência de formação Observação de aulas em parceria - uma experiência de formação
Observação de aulas em parceria - uma experiência de formação
Alexandra Carneiro
 
Definição de Objetivos - construção
Definição de Objetivos - construçãoDefinição de Objetivos - construção
Definição de Objetivos - construção
Ronaldo Otero
 
Conselho de classe
Conselho de classeConselho de classe
Conselho de classe
Luciene Vales
 
01.07.21 ATPC - Eletivas conceitos.pptx
01.07.21 ATPC - Eletivas conceitos.pptx01.07.21 ATPC - Eletivas conceitos.pptx
01.07.21 ATPC - Eletivas conceitos.pptx
MatheusMat2
 
Plano De Trabalho Docente
Plano De Trabalho Docente Plano De Trabalho Docente
Plano De Trabalho Docente
guest1c37d0
 

Mais procurados (20)

PIAF FORMAÇÃO.pptx
PIAF FORMAÇÃO.pptxPIAF FORMAÇÃO.pptx
PIAF FORMAÇÃO.pptx
 
Pei slides programa de acao
Pei slides programa de acaoPei slides programa de acao
Pei slides programa de acao
 
ATPC Como Espaço de Formação - Avaliação
ATPC Como Espaço de Formação - AvaliaçãoATPC Como Espaço de Formação - Avaliação
ATPC Como Espaço de Formação - Avaliação
 
Slides semana pedagógica
Slides  semana pedagógicaSlides  semana pedagógica
Slides semana pedagógica
 
Submodulo 8.1
Submodulo 8.1Submodulo 8.1
Submodulo 8.1
 
Orientação para preenchimento dos diários de classe da educação básica dos ní...
Orientação para preenchimento dos diários de classe da educação básica dos ní...Orientação para preenchimento dos diários de classe da educação básica dos ní...
Orientação para preenchimento dos diários de classe da educação básica dos ní...
 
Guia elaboracao itens_provinha_brasil
Guia elaboracao itens_provinha_brasilGuia elaboracao itens_provinha_brasil
Guia elaboracao itens_provinha_brasil
 
Avaliação da aprendizagem
Avaliação da aprendizagemAvaliação da aprendizagem
Avaliação da aprendizagem
 
Avaliação da aprendizagem
Avaliação da aprendizagemAvaliação da aprendizagem
Avaliação da aprendizagem
 
Avaliação da aprendizagem
Avaliação da aprendizagemAvaliação da aprendizagem
Avaliação da aprendizagem
 
Plano de aula ( seus elementos) e plano de avaliaçao (seus elementos).
Plano de aula ( seus elementos) e plano de avaliaçao (seus elementos).Plano de aula ( seus elementos) e plano de avaliaçao (seus elementos).
Plano de aula ( seus elementos) e plano de avaliaçao (seus elementos).
 
Plano de aula slides
Plano de aula slidesPlano de aula slides
Plano de aula slides
 
A Aprendizagem Cooperativa na escola
A Aprendizagem Cooperativa na escolaA Aprendizagem Cooperativa na escola
A Aprendizagem Cooperativa na escola
 
Resolução SEE nº 2.554 - Colegiado
Resolução SEE nº 2.554 - ColegiadoResolução SEE nº 2.554 - Colegiado
Resolução SEE nº 2.554 - Colegiado
 
Avaliacao na aprendizagem
Avaliacao na aprendizagemAvaliacao na aprendizagem
Avaliacao na aprendizagem
 
Observação de aulas em parceria - uma experiência de formação
Observação de aulas em parceria - uma experiência de formação Observação de aulas em parceria - uma experiência de formação
Observação de aulas em parceria - uma experiência de formação
 
Definição de Objetivos - construção
Definição de Objetivos - construçãoDefinição de Objetivos - construção
Definição de Objetivos - construção
 
Conselho de classe
Conselho de classeConselho de classe
Conselho de classe
 
01.07.21 ATPC - Eletivas conceitos.pptx
01.07.21 ATPC - Eletivas conceitos.pptx01.07.21 ATPC - Eletivas conceitos.pptx
01.07.21 ATPC - Eletivas conceitos.pptx
 
Plano De Trabalho Docente
Plano De Trabalho Docente Plano De Trabalho Docente
Plano De Trabalho Docente
 

Semelhante a Portifolio Tsope CBT2022.pdf

referencial detalhado do curso de pós-graduação gestao coordenação da formação
referencial detalhado do curso de pós-graduação gestao coordenação da formaçãoreferencial detalhado do curso de pós-graduação gestao coordenação da formação
referencial detalhado do curso de pós-graduação gestao coordenação da formação
in formação | INRH - Consultadoria em Recursos Humanos, Lda.
 
Guia de elaboracao_%20_portugues_90527
Guia de elaboracao_%20_portugues_90527Guia de elaboracao_%20_portugues_90527
Guia de elaboracao_%20_portugues_90527
elannialins
 
ICDA_4.ª sessão_2junho.pptx
ICDA_4.ª sessão_2junho.pptxICDA_4.ª sessão_2junho.pptx
ICDA_4.ª sessão_2junho.pptx
ureaSofiaCruzMedeiro
 
Técnicas e Instrumentos de Avaliação Formativa – Construir e Aplicar
Técnicas e Instrumentos de Avaliação Formativa – Construir e AplicarTécnicas e Instrumentos de Avaliação Formativa – Construir e Aplicar
Técnicas e Instrumentos de Avaliação Formativa – Construir e Aplicar
João Paulo Freire
 
Técnicas e Instrumentos de Avaliação Formativa – Construir e Aplicar.pdf
Técnicas e Instrumentos de Avaliação Formativa – Construir e Aplicar.pdfTécnicas e Instrumentos de Avaliação Formativa – Construir e Aplicar.pdf
Técnicas e Instrumentos de Avaliação Formativa – Construir e Aplicar.pdf
João Paulo Freire
 
FORMAÇÃO - Avaliacao_da_formacao.ppt
FORMAÇÃO - Avaliacao_da_formacao.pptFORMAÇÃO - Avaliacao_da_formacao.ppt
FORMAÇÃO - Avaliacao_da_formacao.ppt
PedroAlmeida86143
 
Tutoria l saerjinho mapa de resultados e banco de ítens nterj18 itaocara
Tutoria l saerjinho   mapa de resultados e banco de ítens nterj18 itaocaraTutoria l saerjinho   mapa de resultados e banco de ítens nterj18 itaocara
Tutoria l saerjinho mapa de resultados e banco de ítens nterj18 itaocara
flaviacrm
 
Guia de elaboracao_matematica_90527
Guia de elaboracao_matematica_90527Guia de elaboracao_matematica_90527
Guia de elaboracao_matematica_90527
elannialins
 
3-ENCONTRO-DE-PEDAGOGAS-2-CICLO-atual.ppt
3-ENCONTRO-DE-PEDAGOGAS-2-CICLO-atual.ppt3-ENCONTRO-DE-PEDAGOGAS-2-CICLO-atual.ppt
3-ENCONTRO-DE-PEDAGOGAS-2-CICLO-atual.ppt
AssistnciaSocialePsi
 
Submodulo 8.2
Submodulo 8.2Submodulo 8.2
Maabe tarefa 5ª sessão
Maabe  tarefa 5ª sessãoMaabe  tarefa 5ª sessão
Maabe tarefa 5ª sessão
sandraazevedo
 
Dispositivo de Avaliação
Dispositivo de AvaliaçãoDispositivo de Avaliação
Dispositivo de Avaliação
viviprof
 
Critérios gerais de avaliação 2014 2015 visto ped1
Critérios gerais de avaliação 2014 2015 visto ped1Critérios gerais de avaliação 2014 2015 visto ped1
Critérios gerais de avaliação 2014 2015 visto ped1
Cesé Bragança
 
_dia1_momento2 mão na massa!.pdf
_dia1_momento2 mão na massa!.pdf_dia1_momento2 mão na massa!.pdf
_dia1_momento2 mão na massa!.pdf
SOLANGEBOROSKISCHOCK
 
An2avaliacao das aprendizagens
An2avaliacao das aprendizagensAn2avaliacao das aprendizagens
An2avaliacao das aprendizagens
Abel Antunes
 
Avaliação Do Desempenho
Avaliação Do DesempenhoAvaliação Do Desempenho
Avaliação Do Desempenho
CoordenadorTic
 
Projeto_MAIA_Abacao_julho2021.pdf
Projeto_MAIA_Abacao_julho2021.pdfProjeto_MAIA_Abacao_julho2021.pdf
Projeto_MAIA_Abacao_julho2021.pdf
Olivia Moreira
 
Guia do participante
Guia do participanteGuia do participante
Guia do participante
Herminio Andrade
 
Formacao_sessao_357748bd7sssyuhuefuefuyferyu4.pdf
Formacao_sessao_357748bd7sssyuhuefuefuyferyu4.pdfFormacao_sessao_357748bd7sssyuhuefuefuyferyu4.pdf
Formacao_sessao_357748bd7sssyuhuefuefuyferyu4.pdf
FelizardoBonifcioJoo1
 
2ª formação AAP 2015
2ª formação   AAP 20152ª formação   AAP 2015
2ª formação AAP 2015
Elisabete Panssonatto
 

Semelhante a Portifolio Tsope CBT2022.pdf (20)

referencial detalhado do curso de pós-graduação gestao coordenação da formação
referencial detalhado do curso de pós-graduação gestao coordenação da formaçãoreferencial detalhado do curso de pós-graduação gestao coordenação da formação
referencial detalhado do curso de pós-graduação gestao coordenação da formação
 
Guia de elaboracao_%20_portugues_90527
Guia de elaboracao_%20_portugues_90527Guia de elaboracao_%20_portugues_90527
Guia de elaboracao_%20_portugues_90527
 
ICDA_4.ª sessão_2junho.pptx
ICDA_4.ª sessão_2junho.pptxICDA_4.ª sessão_2junho.pptx
ICDA_4.ª sessão_2junho.pptx
 
Técnicas e Instrumentos de Avaliação Formativa – Construir e Aplicar
Técnicas e Instrumentos de Avaliação Formativa – Construir e AplicarTécnicas e Instrumentos de Avaliação Formativa – Construir e Aplicar
Técnicas e Instrumentos de Avaliação Formativa – Construir e Aplicar
 
Técnicas e Instrumentos de Avaliação Formativa – Construir e Aplicar.pdf
Técnicas e Instrumentos de Avaliação Formativa – Construir e Aplicar.pdfTécnicas e Instrumentos de Avaliação Formativa – Construir e Aplicar.pdf
Técnicas e Instrumentos de Avaliação Formativa – Construir e Aplicar.pdf
 
FORMAÇÃO - Avaliacao_da_formacao.ppt
FORMAÇÃO - Avaliacao_da_formacao.pptFORMAÇÃO - Avaliacao_da_formacao.ppt
FORMAÇÃO - Avaliacao_da_formacao.ppt
 
Tutoria l saerjinho mapa de resultados e banco de ítens nterj18 itaocara
Tutoria l saerjinho   mapa de resultados e banco de ítens nterj18 itaocaraTutoria l saerjinho   mapa de resultados e banco de ítens nterj18 itaocara
Tutoria l saerjinho mapa de resultados e banco de ítens nterj18 itaocara
 
Guia de elaboracao_matematica_90527
Guia de elaboracao_matematica_90527Guia de elaboracao_matematica_90527
Guia de elaboracao_matematica_90527
 
3-ENCONTRO-DE-PEDAGOGAS-2-CICLO-atual.ppt
3-ENCONTRO-DE-PEDAGOGAS-2-CICLO-atual.ppt3-ENCONTRO-DE-PEDAGOGAS-2-CICLO-atual.ppt
3-ENCONTRO-DE-PEDAGOGAS-2-CICLO-atual.ppt
 
Submodulo 8.2
Submodulo 8.2Submodulo 8.2
Submodulo 8.2
 
Maabe tarefa 5ª sessão
Maabe  tarefa 5ª sessãoMaabe  tarefa 5ª sessão
Maabe tarefa 5ª sessão
 
Dispositivo de Avaliação
Dispositivo de AvaliaçãoDispositivo de Avaliação
Dispositivo de Avaliação
 
Critérios gerais de avaliação 2014 2015 visto ped1
Critérios gerais de avaliação 2014 2015 visto ped1Critérios gerais de avaliação 2014 2015 visto ped1
Critérios gerais de avaliação 2014 2015 visto ped1
 
_dia1_momento2 mão na massa!.pdf
_dia1_momento2 mão na massa!.pdf_dia1_momento2 mão na massa!.pdf
_dia1_momento2 mão na massa!.pdf
 
An2avaliacao das aprendizagens
An2avaliacao das aprendizagensAn2avaliacao das aprendizagens
An2avaliacao das aprendizagens
 
Avaliação Do Desempenho
Avaliação Do DesempenhoAvaliação Do Desempenho
Avaliação Do Desempenho
 
Projeto_MAIA_Abacao_julho2021.pdf
Projeto_MAIA_Abacao_julho2021.pdfProjeto_MAIA_Abacao_julho2021.pdf
Projeto_MAIA_Abacao_julho2021.pdf
 
Guia do participante
Guia do participanteGuia do participante
Guia do participante
 
Formacao_sessao_357748bd7sssyuhuefuefuyferyu4.pdf
Formacao_sessao_357748bd7sssyuhuefuefuyferyu4.pdfFormacao_sessao_357748bd7sssyuhuefuefuyferyu4.pdf
Formacao_sessao_357748bd7sssyuhuefuefuyferyu4.pdf
 
2ª formação AAP 2015
2ª formação   AAP 20152ª formação   AAP 2015
2ª formação AAP 2015
 

Último

05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
Suzy De Abreu Santana
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 

Último (20)

05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 

Portifolio Tsope CBT2022.pdf

  • 1. Registo dos resultados de avaliação do módulo RI 1 Titulo do Módulo Avaliar Competências Código do Módulo: UC EDU056004R Nível do QNQP 6 Créditos 4 Semestre: Nome do estudante: Sérgio Alfeu José Tsope Código do estudante: Turma: Manica 1- 2022 Data de ingresso: 2022 Resultado de aprendizagem Instrumento da avaliação Resultado da avaliação Data 1ª Re- avaliação 2ª Re- avaliação Resultado Data Resultado Data Identificar os conceitos e princípios da avaliação por competências FORMATIVA A 14.07. 2022 Planificar e organizar a avaliação FORMATIVA A 21.07. 2022 Desenvolver instrumentos de avaliação FORMATIVA A 26.07. 2022 Realizar a avaliação FORMATIVA A 09.08. 2022 Realizar a verificação interna FORMATIVA A 09.08. 2022 Nome da avaliadora: Arlete Ferrao Assinatura do Avaliador: Data da avaliação Final: Nome do verificador interno: Data da verificação: Assinatura do verificador interno: Resultado final do módulo Feedback/Observações A
  • 2. 2 UNIVERSIDADE PEDAGOGICA DE MAPUTO FACULDADE DE ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS ACTIDADE Nº1 Data:18/07/2022 Código da Unidade de Competência relacionada Título do Módulo Número de Créditos Número de Horas Normativas UC EDU056004R Avaliar Competências 6 100 EC 1: Identificar os conceitos e princípios da avaliação por competências Formadora: Prof. Doutora Arlete Ferrão Formando: Sérgio Alfeu José Tsope 1. Tomando como base as aulas da sessão 1, responda as seguintes questões: a. Caracteriza os diferentes tipos de avaliação da aprendizagem? Avaliação da aprendizagem Sumativa São: • Informar e permitir a análise do desempenho individual de cada formando, consolidando o aprendizado ou indicando a necessidade de um trabalho específico de recuperação; • Permitir o entendimento da Heterogeneidade de uma turma ao final de um processo, indicando quais grupos se adaptaram melhor a metodologia usada e quais precisaram de outros estímulos e abordagens; • Aprovar e certificar os formando que cumpriram os requisitos necessários estabelecidos para a etapa avaliada. Avaliação da aprendizagem Formativa São: • Analisa o processo como um todo, não só como um ponto estático; • Tem um modelo de feedback continua; • Não é pontual, ou seja, não foca em algo específico, é feita de forma contínua; • Permite uma avaliação inclusiva, considerando formandos especiais;
  • 3. 3 • É uma avaliação que não é taxativa no que disse respeito ao erro. Avaliação Diagnostica Entende-se por avaliação diagnostica uma ferramenta que traz informações sobre o quanto os estudantes dominam, determinados conhecimentos, habilidades e competências. E possível desta formar, mapear os pontos fortes e de dificuldade da turma e de cada aluno, em especifico, o que funciona de facto como um diagnostico. A partir de então, guiara o panejamento docente e a escolha por intervenções pedagógicas adequadas, como forma de promover a recuperação dos pontos identificados como fracos além disso, permite que o professor possa adequar suas abordagem e estratégias de ensino as necessidades de cada aluno, estimulando o seu progresso e fazendo com que ele atinja novos patamares em suas competências. b. Caracteriza os conceitos, princípios e processo de avaliação por competências? Baseando-se nos slides do CBT da Prof. Dra Arlete Ferão (s/d) a Avaliação por competência é um processo pelo qual se compilam evidências de desempenho e conhecimentos de um individuo em relação a competências profissionais requeridas. Os princípios e processos da avaliação por competência são: • Definição de objetivos; • Levantamento de evidências; • Comparação das evidências com os objetivos; • Julgamento (Alcança ou Não Alcança). c. Avalia a coerência entre o exercício docente e as formas de avaliação (máximo meia página? Fazendo uma analogia da coerência entre o exercício docente e as formas de avaliação diria que; na maioria dos docentes não seguem todas formas de avaliação, como por exemplo avaliação diagnostica, que é feita no início de cada módulo para verificar a competência que os formandos têm, este exercício facilita a planificação por parte do docente. No concernente as duas formas de avaliação que é a Formativa e Sumativa, elas são implementadas, pós nota-se que alguns formadores fazem avaliação Sumativa fora daquilo
  • 4. 4 que os critérios de desempenho pedem, ou seja, agrupam os critérios de desempenho não correspondentes. d. Escreva um texto no máximo de meia página sobre a reflexão as suas práticas de avaliação? Refletindo sobre as minhas práticas de avaliação diria que: antes da formação agrupava todos os elementos de competência num único teste. Em caso do estudante não Alcançar um dos elementos de competência formulava outras questões fazendo repetir o teste com todos os elementos de competência. Este processo não é o recomendado, pois o normal é avaliar por cada elemento de competência, ou pode-se agrupar desde que na reavaliação o estudante resolva os elementos de competências que não Alcançou.
  • 5. 5 UNIVERSIDADE PEDAGÓGICA DE MAPUTO FACULDADE DE ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS Formando: Sérgio Alfeu José Tsope Módulo: Avaliar competências EC2: Planificar e Organizar a Avaliação Planificação e Organização da Avaliação a) Nome do módulo. Participar na implantação de uma obra pública Determinação do foco da avaliação a) Resposta: RA 1,2,3 e 4. Resposta: A avaliação irá decorrer na sala de aula e será somativa 1 para RA1, RA2 e RA3 e 4. O objectivo desta avaliação tem como objectivo classificar os RAs de acordo com os critérios de aprendizagem leccionados. Tipo de avaliação a realizar Resposta: Avaliação Teórica b) Identificação dos critérios para avaliação das competências. RA1- critérios de aprendizagem: analisar com precisão o projeto, 5V RA2- Interpretar corretamente as plantas, 5V RA3 - Determinar exaustivamente todos os resultados esperados pela operação topográfica, 5V RA4 - Determinar os elementos que se devem implantar, 5V. c) Instrumentos de avaliação: Estação Total ou Teodolito, Tripé e enunciado. Resposta: Prova escrita ou oral juntamente com a lista de verificação para a prova oral. d) Que materiais ou recursos precisariam para recolher evidências?
  • 6. 6 Cámeras para vídeos ou dispositivos para gravação das evidências, folhas de respostas escritas. e) Organização dos Recursos: Resposta: os recursos estarão disponíveis na sala de praticas, ou oficinas de praticas. f) Determinação do tempo necessário para a realização da avaliação Resposta: No tempo estabelecido pelo horário, ex: 2 (duas) horas. g) Identificação e documentação de formandos que necessitam de tratamento especial Resposta: para o caso de formado que tenho necessidades educativas especiais o tempo deve ser contado a partir da entrada deste na sala de avaliação, e a IETP deve meios de comunicação para a locomoção destes em cadeiras de rodas, e deve se identificar na turma um pequeno grupo de formandos solidários para ajudar o mesmo. Para a simulação pratica de utilização de aparelhos topográficos será necessário o formador ajudar o mesmo a estacionar á uma altura conveniente para que o mesmo consiga usar. h) Precisariam de organizar e negociar assistência especializada e necessária para a avaliação? Resposta: precisaria de ajuda de um outro formador da área para ajudar na parte prática da avaliação, e também uma ajuda para auxiliar deve ser por um grupo de estudantes responsáveis seleccionados pelo formador e deve ser feita uma semana ou três dias antes da sua realização dependendo da localização geográfica dos mesmos e monitorado pelo formador desde os dias por si estabelecidos até à chegada dos formandos no centro do IEP local 40 minutos antes do inicio da realização da avaliação de modo que facilite-se o processo em casos de mudanças de local de realização, refiro-me de centros com condições, salas e instalações inadequadas a este processo e que tem criado muito stress aos intervenientes. i) Uma vez realizada a avaliação, quanto tempo precisariam para fazer o registo dos resultados de avaliação e dar ao formando a conhecer estes resultados?
  • 7. 7 Resposta: o registo e divulgação dos resultados de avaliação acontecem no prazo de sete dias após a realização dos mesmos de modo que haja possibilidade de acertos para aspectos reavaliação dependendo do numero de turmas que realizaram a avaliação sabendo que cada turma tem 40 estudantes. Quanto menor for o número de turmas, maior é a eficiência e coerência do trabalho neste processo, e neste caso em concreto precisariam de pelo menos 40 Min. Para a divulgação dos resultados. FIM UNIVERSIDADE PEDAGOGICA DE MAPUTO FACULDADE DE ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS ACTIDADE Nº 03 Data:30/07/2022 Código da Unidade de Competência relacionada Título do Módulo Número de Créditos Número de Horas Normativas UC EDU056004R Avaliar competências EC1 2: Planificar e organizar avaliação Formador: Eng.º Arlete Ferrão 1 EC: Elemento de Competência
  • 8. 8 Formando: Sérgio Alfeu José Tsope Qualificação: Certificado vocacional (5) em Construção Civil Créditos: Turma: Contabilidade Titulo do Modulo: Participar na implantação de uma obra pública Código: Nome do estudante: Código de estudante: Avaliadora: Sérgio Alfeu José Tsope Data: 30/07/2022 Resultado: Verificador: Módulo: Participar na implantação de uma obra pública
  • 9. 9
  • 10. 10
  • 11. 11
  • 12. 12 UNIVERSIDADE PEDAGOGICA DE MAPUTO FACULDADE DE ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS Formandos: Elicha Moisés Dique Sérgio Alfeu José Tsope Carmila Pedro J. Mateus Tendai Vicente Meque Roque Tole Módulo: EC 4: Elaboração de Projeto integrado Nome de Qualificação Profissional: Certificado Vocacional 4 em Canalização Numero de referencia do Projecto Integrado: 1. Objectivo do Projecto Integrado O objectivo deste projecto integrado é de resolver um prolema de agua de uma determinada localidade com a construção de um furo de agua para o abastecimento no distrito de Machaze. 2. Justificativa A razão da escolha deste tema surge como forma de responder a necessidade de carência de agua e como medida de minimizar o impacto de carência de agua urge a necessidade de construção de um furo de abastecimento de agua no distrito de Machaze na localidade de Bassane no bairro Samora Machel. Pois, o distrito de Machaze tem passado enormes dificuldades de água, não tem um rio com o curso permanente, com isso a população acaba percorrendo longas distancias em busca deste precioso liquido. Este problema deve-se a fraca queda de chuva, e não ter um sistema de retenção da agua para reter a pouca agua que cai. Tendo o furo vai ajudar a população local a minimizar a carência de água, não só a encurtar a distancia que a população percorre, razão pela qual propõe-se o tema em questão. 3. Módulos de cobertura e de conhecimento, a compreensão e o desenvolvimento de competencias. 3.1.Genericos
  • 13. 13 Código do modulo Nome do modulo MO HG044001 Produzir textos escritos e orais de carácter utilitário e informativo MO HG044002 Interpretar e produzir textos escritos e orais respeitando técnicas e convenções de escrita 3.2.Vocacionais Código do modulo Nome do modulo UCP CCA 0240111171 Diagnosticar anomalias no equipamento de bombagem, tratamento e distribuição UCP CCA 0240112171 Reparar anomalias no equipamento de bombagem, tratamento e distribuição UCP CCA 0240113171 Planificar e relatar operação de bombagem e tratamento de água. UCP CCA 0240114171 Adquirir experiência de trabalho numa estação de tratamento de água (ETA). 4. Tecnologia de abertura do furo Existem várias técnicas de perfuração que podem ser usadas para abrir um furo no solo. Cada um tem suas vantagens e desvantagens, em termos da profundidade que pode perfurar, do tipo de amostra devolvida, dos custos envolvidos e das taxas de penetração alcançadas. Alguns tipos incluídos são corte rotativo, abrasivo rotativo, reverso rotativo, ferramentas de cabo e perfuração sônica, neste projecto iremos falar de perfuração por trado. 5. Perfuração de trado A perfuração do trado é feita com um parafuso helicoidal que é cravado no solo com rotação; a terra é levantada pelo poço pela lâmina do parafuso. A perfuração de trado oco é usada para terrenos mais macios, como pântanos onde o buraco não ficará aberto por si mesmo para perfuração ambiental, perfuração geotécnica, engenharia de solo e trabalho de reconhecimento geoquímico na exploração de depósitos minerais. Brocas sólidas / brocas de caçamba são usadas na perfuração de construção de terreno mais difícil. Em alguns casos, os poços da mina são cavados com brocas de trado.
  • 14. 14 Orçamento para abertura do furo N/O Descrição QT UNIDADES P. unitário (MT) Total 1 Tubo de elevação da água 8 UN 6000.00 48,000.00 2 Tubo piezómetro para medição de níveis 1 UN 3,000.00 3,000.00 Curva 90º 1 UN 500.00 500,00 Manómetro glicerina 0/25bar 1 UN 1,500.00 1,500.00 Válvula cunha fff 1 UN 600.00 600.00 Válvula retenção 1 UN 420.00 420.00 Cabo h07rn-f (fbbn) 4 g 4 metros 600.00 2,400.00 Quadro comando 1 UN 450.00 450.00 Instrumentos de medição (sonda nível, caudalimetro) 1 UN 500.00 500.00 Total Geral 57,370.00 Cronograma das atividades para abertura do furo Ord. Actividades Período/Mensal Semanas 01 02 03 04 05 07 1 Determinação do local do furo sondagem 2 sondagem 3 Escolha do método de perfuração
  • 15. 15 Para execução do projecto e necessário de 4 (quatro semanas). 3 Deslocação do equipamento de perfuração 4 Perfuração 5 Desmontagem do equipamento de perfuração e fecho da captação 6 Montagem de acessório
  • 16. UNIVERSIDADE PEDAGOGICA DE MAPUTO FACULDADE DE ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS ACTIDADE Nº5 Data:10/08/ 2022 Código da Unidade de Competência relacionada Título do Módulo Número de Créditos Número de Horas Normativas UC EDU056017 Avaliar Competências EC5‫׃‬ Realizar a avaliação interna Formadora: Arlete Ferrão Formando: Sérgio Alfeu José Tsope
  • 17. 17 Descrição da Tarefa 1. Classifique as frases que se seguem como verdadeiras (V) ou falsas (F), conforme o caso. a). O formador/avaliador é responsável pela manutenção dos registos e avaliações dentro do Centro. V b). O Formador / avaliador coordena a planificação das actividades de verificação interna para assegurar que o pessoal adequado possa actuar devidamente (avaliadores e verificadores internos). F c). O líder de equipa é a pessoa responsável por manter e assegurar que todo pessoal, departamentos sejam mantidos informados sobre os regulamentos e procedimentos de avaliação. V d). O verificador interno deve assegurar a exactidão e fiabilidade das Avaliações e dos julgamentos de Avaliação, entre os avaliadores dentro da IEP/Centro. V e). O líder de equipa toma a responsabilidade quotidiana em relação às novas qualificações vocacionais, tais como o estabelecimento e operação dos procedimentos de verificação interna a nível do programa (qualificação individual). V 2. Tendo em conta os elementos abaixo indicados, elabore o plano/calendário de amostragem (VI6), conforme os critérios estabelecidos no processo da verificação interna: • Qualificação: CV3 A em Mecânica • Líder de equipa: Aida Pereira • Formandos inscritos: 40 • Módulos: UEFSPPP, CJRI, RRWM, PWM, IEF-3D, PDOPCI, IICTCIEPTE, AMBAEF • Avaliadores: Tamele, Dulce, Rosa, Paula, Rogério, Filipe, João e Pedro. • Verificadores internos: Dulce, Tamele, Paula, Rosa, João, Pedro, David e Aréola.
  • 18. 18 • Período:08/07 a 30/07/2022 NB: Cada formando deverá alocar os respectivos formandos e códigos no processo de preenchimento do VI6 e recordar que a amostra deve ser constituída por um mínimo de 20%. RESPOSTA‫׃‬ CALENDÁRIO DE AMOSTRA DA VERIFICAÇÃO INTERNA VI6 Nível & Título da Qualificação: CV3 A em Mecânica Grupo da Classe: Líder da Equipa: Aida Pereira Data de preenchimento 01/07/2022 Nome do candidato MÓDULO E AVALIADOR Verificador Interno João Dulce Tamele Paula Rosa Pedro David Aréola Avaliador Rogério Tamele Dulce Rosa Paula Filipe João Pedro Modulo IEF-3D UEFSPPP CJRI RRWM, PWM, PDOPCI IICTCIEPTE AMBAEF Número do candidato 1. Adelino Mateus Paulo 10350059 2. António José António 10350056
  • 19. 19 3. Américo Joaquim 10350055 4. Cândida José Silva 10350123 X 5. Castiano Marcos Fazenda 10350173 X 6. Chorai Manuel Bento 10350122 7. Clinton Mafoia 10350169 X 8. Edorcio Paulo 10350167 9. Eva Francisco Meque 10350048 10. Isabel Elidio Domingos 10350162 11. Ivone Neusa Ângelo Ribeiro 10350045 12. Jovete Esperança Cherene 10350111 13. Marta Domingos Januário 10350157 14. Maurício Arão David 10350055 15. Rabeca Abílio de Sousa 10350153 16. Rainha Joaquim Victorino 10350149 17. Renad José Francisco 10350103 18. Roberto Rui Roberto 10350068 19. Rute Dezanove Mberuca 10350100 20. Salvador João Gabriel 10350061 21. Samuel Luís Joaque 10350063 X 22. Simba David Lucas 10350091 23. Samuel Manuel Bonga 10350093 X 24. Stela Ermelindo Macario 10350141 25. Sofia Fernando Lampião 10350067 26. Samuene Martinho Samuane 10350067 27. Sande Ernesto Sopa 10350145 28. Taero Rafael 10350150 29. Tina Fazenda Maqui 10350107 X 30. Tomé Mateus Tome Fole 10350012 31. Tendai Escudo 10350109 32. Teresa Mário Luís 10350112 X
  • 20. 20 33. Teresinha MárioNiquisse 10350113 34. Tomas Jose 10350114 X 35. Trymore bonifacio 10350021 36. Ugo Joao 10350025 37. Victoria Augusto 10350028 38. Victorino Paulo 10350029 39. Wilma Gaspar 10350124 40. Zito Faustino 10350174
  • 21. 3. Com base nos elementos (VI6), preencha o formulário de registo da amostra e feedback (VI2) RESPOSTA: VERIFICAÇÃO INTERNA REGISTO DA AMOSTRA E FEEDBACK VI2 (Página 1) Detalhes do Módulo Nível & Título da Qualificação CV3 A-2022 em Mecânica Título do Módulo PWM Código do módulo Data de Início do módulo 08/07/2022 Data da última reavaliação 25/07/2022 Código da Turma CV3 Mec. A-2022 Tamanho da amostra 8 Detalhes do Pessoal Nomes dos Avaliadores Paula Nome do Verificador Interno Rosa Registo da Amostra (escrito, produto ou evidência de desempenho) Nome do Candidato Resultados da Aprendizage m Comentários (candidato ou geral) 1. Cândida José Silva 1,2 e 3 2. Castiano Marcos Fazenda 1,2 e 3 3. Clinton Mafoia 1,2 e 3 4. Samuel Luís Joaque 1,2, e 3 5. Samuel Manuel Bonga 1,2, e 3 6. Tina Fazenda Maqui 1,2,e 3 7. Teresa Mário Luís 1,2,e 3 8. Tomas Jose 1,2,e 3
  • 22. 22 Relatório do Verificador Interno (Assinale no local apropriado) SIM NÃO* i. Foram usados instrumentos de avaliação verificados ✓ ii. Todas as evidências do alcance do candidato estão disponíveis ✓ iii. Os julgamentos dos avaliadores são justos e consistentes ✓ iv. Os registos dos aproveitamentos dos candidatos são exactos ✓ Fornece feedback aos Avaliadores e à Equipa do Programa utilizando a página 2. * Detalhe a acção se tiver escolhido a coluna NÃO VERIFICAÇÃO INTERNA REGISTO DE AMOSTRAS E FEEDBACK VI2 (Página 2) Feedback ao Avaliador e à Equipa do Programa Comentários / Conselho As informações gerais da qualificação, do modulo e da turma devem estar pré- impressos, de forma a evitar muitas interpretações.
  • 23. 23 Acção a ser realizada antes da Verificação externa Colocar em ordem os documentos Data em que a acção deve estar completa 30.07.2022 Assinatura do Verificador Interno Rosa Data 28.07.2022 Registo da Acção Data da acção completa Assinatura(s) do(s) Avaliador(es) Paula Data 30.07.2022 Assinatura do Verificador Interno Rosa Data 30.07.2022
  • 24. 24 4. A verificação interna é um elemento vital do procedimento de controlo de qualidade que deve ser aplicado para os arranjos de avaliação para as qualificações vocacionais. Neste processo inclui as pastas de avaliador e de evidências e os centros são completamente responsáveis por sua execução. a) Refira-se aos elementos que constam nas pastas do formador e de evidências. R ‫׃‬Os elementos que constam nas pastas do formador e de evidências são‫׃‬ • Modulo/UCPs • Planos analíticos • Plano de avaliação • Plano de secções • Instrumentos de avaliação (testes) • Guia de correcção • VI6 • VI10 • R1 (pauta Geral da turma) • RI1 (pauta individual dos candidatos) • Ficha individual • Evidencia
  • 25. 25