SlideShare uma empresa Scribd logo
PORTFÓLIO PIBID HISTÓRIA UEPB CAMPUS I/ ANO 2015
.
Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação
.
Universidade Estadual da Paraíba - Campus I, Sub - Projeto de História -
2015.
Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação.
Campina Grande - PB
Profa. Dra. Paula Castro
Coordenadora Geral do PIBID UEPB
Profa. Dra. Auricélia Lopes Pereira.
Coordenadora da subárea (PIBID História)
Prof. Raimundo Cândido Teixeira Junior
Supervisor
PIBID - Programa Institucional de Bolsa de Iniciação a Docência.
Alunos Bolsistas pela ordem da esquerda para direita.
Liliane Barbosa da Silva
Monyke do Nascimento Crispiniano
Biagio Ítalo Ribeiro Grisi Paiva
Jailson Cavalcante de Andrade
Sívyla Sauanny Araújo de Melo
PIBID - Programa Institucional de Bolsa
de Iniciação a Docência.
Este portfólio tem a finalidade de apresentar os conteúdos e atividades trabalhadas na
Escola Estadual de Aplicação na cidade de Campina Grande – PB
Este projeto é financiado pela CAPES (Programa Institucional de Bolsa de Iniciação a
Docência) em parceria com a Universidade Estadual da Paraíba.
PLANO DE AULA
Data: Dia 18 de março de 2015.
PLANO DE AULA
PIBID-Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência.
UEPB-Universidade Estadual da Paraíba.
História 2015
Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação.
Turma: 6º Ano
Duração: Duas aulas/40 minutos
Professor Supervisor: Raimundo Candido Teixeira Junior.
Alunos Bolsistas: Biagio Ítalo Ribeiro Grisi Paiva.
Sívyla Sauanny Araújo de Melo.
Monyke do Nascimento Crispiniano.
Jailson Cavalcante de Andrade.
PLANO DE AULA
1. Tema:
Cultura e tempo.
2. Objetivo geral:
Mostrar aos educandos que os termos cultura e tempo são praticamente tudo o
que ocorre em seu dia-a-dia associando os termos a comparações feitas com fatos
decorrentes da vida contemporânea.
3. Objetivos específicos:
 Identificar as multiplicidades da nossa cultura para os alunos.
Analisar as diferentes concepções sobre o termo tempo explicando-o e trabalhando
também o nosso calendário atual.
 Problematizar o tema citando exemplos de cultura e signos relacionados ao tempo.
4. Metodologia:
Os alunos serão orientados a estudarem sobre a temática através do livro
didático, e a partir disso serão questionados sobre o que é tempo, oque é uma cultura e
quais características possibilitam que ela possa variar dependendo da população que a
mantem viva, serão também levantados vários questionamentos e comparações sobre os
temas nos dias atuais, e ao termino será aplicada uma atividade de recurso pedagógico
que possibilite a fixação do tema e que também o torne interessante ao ser questionado.
5. Recursos didáticos pedagógicos:
Para atingir os objetivos pretendidos utilizaremos o livro didático ‘História sociedade &
cidadania. Edição reformulada’ de História e trabalhando o capitulo II ,a utilização do
quadro negro, utilizaremos também o texto introdutório e a apresentação de slides.
6. Avaliação:
Os alunos serão avaliados de forma contínua, observando sua participação e interação
com base na temática ‘Tempo e cultura’, observando também a participação em grupo e
o desempenho dos alunos durante a participação no jogo pedagógico de tabuleiro.
7. Referências:
BOULOS JÚNIOR, Alfredo. História sociedade & cidadania. Edição reformulada, 6º ano. 2º Edição.
São Paulo: FTD, 2012. Pag. 28-43.
Data: 25 de março de 2015
PLANO DE AULA
PLANO DE AULA - Tema: A “pré-história”
brasileira./Escola Estadual de Ensino Fundamental de
Aplicação.
PIBID-Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência.
UEPB-Universidade Estadual da Paraíba.
História 2015
Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação.
Turma: 6º Ano
Duração: Duas aulas/40 minutos
Professor Supervisor: Raimundo Candido Teixeira Junior.
Alunos Bolsistas: Biagio Ítalo Ribeiro Grisi Paiva.
Sívyla Sauanny Araújo de Melo.
Monyke do Nascimento Crispiniano.
Jailson Cavalcante de Andrade.
PLANO DE AULA
1. Tema:
A “pré-história” brasileira.
2. Objetivo geral:
Possibilitar a compreensão dos fatores que caracterizaram a formação do país,
como também mostrar quais tipos de animais e povos habitavam nossa região nos
primórdios de seu surgimento, identificando assim vários sítios arqueológicos que nos
possibilitam presenciar vestígios que há muito tempo deixaram de existir.
3. Objetivos específicos:
 Discutir como a situação dos primeiros habitantes do Brasil.
 Analisar a importância dos diversos sítios arqueológicos existentes no continente
Americano, os vestígios achados.
 Identificar os animais existentes, as espécies desaparecidas, os utensílios, a forma de
vida dos primeiros habitantes do Brasil.
4. Metodologia:
Os alunos serão orientados a estudarem sobre a temática através do livro
didático, e assim começamos diversas atividades e problematizações referentes ao inicio
do povoamento do brasil e o desaparecimento dos mesmos.
5. Recursos didáticos pedagógicos:
Para atingir os objetivos pretendidos utilizaremos o livro didático ‘História sociedade &
cidadania. Edição reformulada’ de História e trabalharemos o capitulo IV ,a utilização do
quadro negro, utilizaremos também o texto introdutório e a apresentação de slides.
6. Avaliação:
Os alunos serão avaliados de forma contínua, e será observado principalmente seu
domínio e compreensão sobre o tema abordado ‘ A Pré-história brasileira’, e também
sua interação com o jogo didático de Dominó "A Pré-história Brasileira" apresentado sobre
o tema.
7. Referências:
BOULOS JÚNIOR, Alfredo. História sociedade & cidadania. Edição reformulada, 6º ano. 2º Edição.
São Paulo: FTD, 2012. Pag. 64-84.
PLANO DE AULA
PLANO DE AULA - Capítulo V - Tema: '' Indígenas:
diferenças e semelhanças''
PIBID-Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência.
UEPB-Universidade Estadual da Paraíba.
História 2015
Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação.
Turma: 6º Ano
Duração: Duas aulas/40 minutos
Professor Supervisor: Raimundo Candido Teixeira Junior.
Alunos Bolsistas: Biagio Ítalo Ribeiro Grisi Paiva.
Sívyla Sauanny Araújo de Melo.
Monyke do Nascimento Crispiniano.
Jailson Cavalcante de Andrade.
Johnny Willian Pereira
PLANO DE AULA
1. Tema:
Indígenas: diferenças e semelhanças
2. Objetivo geral:
Desenvolver a compreensão termo indígena na América do sul, as diferenças
entre os povos que viviam na américa do sul e as principais características de cada um.
3. Objetivos específicos:
 * Analisar como os ‘colonizadores’ chagaram nas Américas.
 * Discutir em sala os termos usados para definir os indígenas
 * Identificar as variações de povos indígenas, suas diferenças e costumes.
4. Metodologia:
Os alunos estudam a temática através do livro didático, depois participam da
oficina sobre o tem, apresentação do texto introdutório e concluindo com as aplicações
dos jogos lúdicos.
5. Recursos didáticos pedagógicos:
Utilizamos o livro didático, o quadro negro, apresentação dos slides.
6. Avaliação:
Os alunos são avaliados de forma contínua, e será observado principalmente seu
domínio e compreensão sobre o tema abordado ‘ A Pré-história brasileira’, e também
sua interação com o jogo didático de Dominó "A Pré-história Brasileira"apresentado sobre
o tema.
7. Referências:
BOULOS JÚNIOR, Alfredo. História sociedade & cidadania. Edição reformulada, 6º ano. 2º Edição.
São Paulo: FTD, 2012. Pag. 64-84.
PLANO DE AULAPIBID-Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência.
UEPB-Universidade Estadual da Paraíba.
História 2015
Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação.
Turma: 6º Ano
Duração: Duas aulas/40 minutos
Professor Supervisor: Raimundo Candido Teixeira Junior.
Alunos Bolsistas: Biagio Ítalo Ribeiro Grisi Paiva.
Sívyla Sauanny Araújo de Melo.
Monyke do Nascimento Crispiniano.
Jailson Cavalcante de Andrade.
PLANO DE AULA
1. Tema:
Cap.3 Os primeiros povoadores da terra.
2. Objetivo geral:
Apresentar aos educandos características importantes da pré-história, que
possibilitará aos alunos uma noção de como foi o surgimento do mundo, quais espécies
o habitou inicialmente, características e inovações das épocas.
3. Objetivos específicos:
 Analisar cada período da pré história, possibilitando para que possam distinguir
suas principais características e diferenças em relação as habilidades evolutivas e
aspectos físicos.
 Discutir a divisão de dois períodos importantes da pré-história que foram
denominados de Paleolítico e Neolítico citando assim as principais evoluções,
como por exemplo, o domínio do fogo.
 Identificar de forma clara e objetiva as concepções de inicio de povoamento do
mundo, tentando mostrar detalhadamente como se deu cada um dos fenômenos
de grande importância.
4. Metodologia:
Os alunos serão orientados a estudarem sobre a temática através do livro
didático, e a partir disso serão questionados sobre a questão do inicio de civilização do
mundo, como se deu, como ocorreu, como os homens surgiram e quais suas
características, a partir disso será feita diversas atividades que possibilitarão a fixação
do assunto abordado e que possibilitarão o despertar da vontade de aprender dos alunos
sobre o tema abordado.
5. Recursos didáticos pedagógicos:
Para atingir os objetivos pretendidos utilizaremos o livro didático ‘História sociedade &
cidadania. Edição reformulada’ de História e trabalharemos o capitulo III ,a utilização do
quadro negro, utilizaremos também o texto introdutório e a apresentação de slides.
6. Avaliação:
Os alunos serão avaliados de forma contínua, observando sua participação domínio e
interação com o tema, a participação nos jogos lúdicos de tabuleiro "Os Períodos da Pré-
história" e "A Conquista do Fogo”, como também, o jogo da roleta Pré Histórica.
7. Referências:
BOULOS JÚNIOR, Alfredo. História sociedade & cidadania. Edição reformulada, 6º ano. 2º Edição.
São Paulo: FTD, 2012. Pag. 46-63.
Data: 08 de abril de 2015
PLANO DE AULAPIBID-Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência.
UEPB-Universidade Estadual da Paraíba.
História 2015
Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação.
Turma: 6º Ano
Duração: Duas aulas/40 minutos
Professor Supervisor: Raimundo Candido Teixeira Junior.
Alunos Bolsistas: Biagio Ítalo Ribeiro Grisi Paiva.
Sívyla Sauanny Araújo de Melo.
Monyke do Nascimento Crispiniano.
Jailson Cavalcante de Andrade.
PLANO DE AULA
1. Tema:
Cap.6 Mesopotâmia.
2. Objetivo geral:
Apresentar aos educandos características importantes da civilização
Mesopotâmica e sua influência nos dias atuais, possibilitando assim que os mesmos
consigam ter como base a noção de como surgiu alguns processos de adaptação em
sociedade como, por exemplo, o processo de evolução das técnicas de cultivo (canais de
irrigação), e também a descoberta da escrita pelos povos sumérios. Destacando que a
Mesopotâmia foi o palco de grandes acontecimentos que se assemelham com diversos
outros países antigos tanto por sua religiosidade politeísta tão quanto sua construção de
edifícios para adoração de seus Deuses, não deixando escapar seu certo apego ao rei
como algo divino e ser digno de admiração.
3. Objetivos específicos:
 Explicar a classificação do termo Mesopotâmia para os educandos apresentando
aos mesmos a origem da palavra (cuja mesma significa terra entre dois rios) e
seus principais legados para nossa civilização como o código de Hamurabi que
mantem uma forte características em nossas leis atuais.
 Possibilitar um conhecimento prévio do salto evolutivo que suas técnicas de
cultivo nos possibilitaram, gerando as mesmas em torno do Rio Tigre e Eufrdes
por principio que deram origem a toda civilização.
 Apresentar as características religiosas e politicas da civilização mesopotâmica
antiga aos educandos destacando em si o enorme comercio de trocas entre países
que já existia na época.
4. Metodologia:
Os alunos serão orientados a estudarem sobre a temática através do livro
didático como sempre pois o mesmo possui uma enorme importância como recurso
didático e logo após toda a realização de tarefas pelo professor supervisor o debate em
sala de aula sobre o tema terá inicio levantando as questões mais importantes sobre a
existência da civilização como a religiosidade, os canais de irrigação, a agricultura, o
surgimento da escrita cuneiforme e toda a evolução politica e geográfica que a região
teve durante o passar dos anos até seu auge e declínio, após toda essa bateria de testes
nos bolsistas iniciaremos com as atividades de fixação, texto introdutório, apresentação
de slides, utilização do quadro negro e o ponto mais forte, a utilização de diversos jogos
lúdicos como fonte alternativa.
5. Recursos didáticos pedagógicos:
Para atingir os objetivos utilizaremos o livro didático ‘História sociedade & cidadania.
Edição reformulada’ de História e trabalharemos o capitulo VI, tendo também a utilização
do quadro negro, utilizando o texto introdutório que traz consigo uma visão mais
moderna sobre o tema, e a apresentação de slides e jogos didáticos pedagógicos
possibilitando assim todo um processo que virá por fim a acarretar a curiosidade e o
interesse pelo tema ministrado.
6. Avaliação:
Os alunos serão avaliados de forma contínua, observando sua participação domínio e
interação com base na temática, observaremos também a participação em grupo e o
desempenho dos alunos durante a participação nos jogos lúdicos realizados.
7. Referências:
BOULOS JÚNIOR, Alfredo. História sociedade & cidadania. Edição reformulada, 6º ano. 2º Edição.
São Paulo: FTD, 2012. Pag. 105-114.
Data:
PLANO DE AULA
PIBID-Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência.
UEPB-Universidade Estadual da Paraíba.
História2015
Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação.
Turma:6º Ano
Duração: Duas aulas/40 minutos
Professor Supervisor: Raimundo Candido Teixeira Junior.
Alunos Bolsistas: Biagio Ítalo Ribeiro Grisi Paiva.
SívylaSauanny Araújo de Melo.
Monyke do Nascimento Crispiniano.
Jailson Cavalcante de Andrade.
PLANO DE AULA
1. Tema:
Cap.7 Egito.
2. Objetivo geral:
Apresentar aos educandos características importantes da civilização egípcia
levando em consideração toda sua história tanto politica quanto religiosa, com intuito
também de destacar toda a divisão administrativa desse império que permaneceu vivo
através de varias dinastias e entre séculos de grandiosas construções.
3. Objetivos específicos:
 Apresentar aos educandos fatores principais que demarcaram toda a história
politica e cultural egípcia.
 Possibilitar um conhecimento maior sobre a religião egípcia características e
diferenças das formas visuais dos Deuses cultuados pelos povos da região,
inserindo a ideia e definição da palavra politeísmo, como também todas as
funções referentes a cada Deus.
 Destacar a função do faraó na sociedade egípcia, e também todas as classes
supostamente “inferiores” subsequentes que em conjunto forma a administração
e organização do império, como por exemplo; Faraó, Sacerdotes, Escribas e
escravos.
4. Metodologia:
Os alunos estudaram pelo livro didático para possuírem o conhecimento prévio
do tema e logo após utilizaremos o quadro negro, slides, texto introdutório, e jogos
didáticos pedagógicos com eles para a fixação do tema, com toda essa serie de
atividades os mesmos serão continuamente questionados em sala de aula sobre os
pontos principais do império durante sua existência.
5. Recursos didáticos pedagógicos:
Para atingir os objetivos utilizaremos o livro didático ‘História sociedade & cidadania.
Edição reformulada’ de História e trabalharemos o capitulo VII, tendo também a utilização
do quadro negro, utilizando o texto introdutório e a apresentação de slides e jogos
lúdicos que possibilitarão assim todo um processo que virá a acarretar o despertar da
curiosidade individual pelo tema ministrado em sala de aula.
6. Avaliação:
Os alunos serão avaliados de forma contínua, observando sua participação domínio e
interação com base na temática, observaremos também a participação em grupo e o
desempenho dos alunos durante a participação nos jogos lúdicos realizados tendo todo
esse processo um ligado ao outro de forma que surja ai uma cadeia de ensino proveitosa
para todos.
7. Referências:
BOULOS JÚNIOR, Alfredo. História sociedade & cidadania. Edição reformulada, 6º ano. 2º Edição.
São Paulo: FTD, 2012. Pag. 105-114.
Data:
PLANO DE AULA
Data: 27 de agosto de 2015
PIBID-Programa Institucional de
Bolsa de Iniciação à Docência.
UEPB-Universidade Estadual da Paraíba.
História2015
Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação.
Turma:6º Ano
Duração:Duas aulas/40 minutos
Professor Supervisor: Raimundo Candido Teixeira Junior.
Alunos Bolsistas: Biagio Ítalo Ribeiro Grisi Paiva.
SívylaSauanny Araújo de Melo.
Monyke do Nascimento Crispiniano.
Jailson Cavalcante de Andrade.
Liliane Silva Barbosa
PLANO DE AULA
1. Tema:
Hebreus.
2. Objetivo geral:
Apresentar aos educandos características importantes da civilização Hebraica,
como e onde surgiu quais suas características etc, visando também sempre abordar todo
o legado que essa grande civilização nos deixou para a atualidade principalmente o de
cunho religioso.
3. Objetivos específicos:
 Destacar que a monarquia Hebraica surge aproximadamente por volta de 1.800 a.C nas
proximidades de Ur na antiga mesopotâmia vivendo basicamente da atividade de
pastoreio.
 Possibilitar o conhecimento prévio por parte dos educandos que uma das maiores fontes
para o estudo desse magnífico povo da antiga mesopotâmia é a primeira parte da Biblia
chamada pelos povos judeus(descendentes dos povos Hebreus) de Torá tendo a mesma
grande importância para a população judaica até nos dias atuais.
 Destacar toda a trajetória de lutas da população hebraica, desde que foram escravizados
pelos Egípcios ate a conquista da palestina, tendo toda uma sucessão de reis cujo
primeiro foi Saul e Davi seu sucessor, mas tendo Moises em primeiro plano como
messias de Deus receptor dos dez mandamentos.
4. Metodologia:
Os alunos estudaram pelo livro didático para conhecer toda a trajetória do povo
hebreu desde seu surgimento na antiga mesopotâmia todo esse conhecimento
supervisionado progressivamente pelo professor supervisor em sala de aula, após toda
bateria de atividades nós alunos bolsistas entraremos em ação com diversas atividades
referentes a parte do letramento, tecnologia e jogos lúdicos para fixar ainda mais o
5. Recursos didáticos pedagógicos:
Para atingir os objetivos utilizaremos o livro didático ‘História sociedade & cidadania.
Edição reformulada’ de História e trabalharemos o capitulo IX, tendo também a utilização
do quadro negro, texto introdutório apresentação de slides, jogos lúdicos e inúmeras
outras atividades que possam reforçar tudo o que foi ministrado durante o tempo em que
o assunto foi abordado.
6. Avaliação:
Os alunos serão avaliados de forma contínua, observando sua participação domínio e
interação com base na temática, observaremos também a participação em grupo e o
desempenho dos alunos durante a participação nos jogos lúdicos realizados tendo todo
esse processo um ligado ao outro de forma que surja ai uma cadeia de ensino proveitosa
para todos tanto para professor quanto aluno.
7. Referências:
BOULOS JÚNIOR, Alfredo. História sociedade & cidadania. Edição reformulada, 6º ano. 2º Edição.
São Paulo: FTD, 2012. Pag. 160-169
PLANO DE AULA
Data: 15 de setembro de 2015
PIBID-Programa Institucional de
Bolsa de Iniciação à Docência.
UEPB-Universidade Estadual da Paraíba.
História2015
Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação.
Turma:6º Ano
Duração:Duas aulas/40 minutos
Professor Supervisor: Raimundo Candido Teixeira Junior.
Alunos Bolsistas: Biagio Ítalo Ribeiro Grisi Paiva.
Sívyla Sauanny Araújo de Melo.
Monyke do Nascimento Crispiniano.
Jailson Cavalcante de Andrade.
Liliane Silva Barbosa.
PLANO DE AULA
1. Tema:
Povos Fenícios.
2. Objetivo geral:
Apresentar aos educandos as principais características dos povos fenícios
possibilitando que os mesmos possam absorver todas as informações principais como
onde surgiu, em que continente eles viviam na atualidade e todo o desenrolar do
surgimento e termino dessa civilização, não deixando também de apresentar quais eram
suas principais atividades de comercio.
3. Objetivos específicos:
 Destacar que inicialmente os fenícios viviam em uma estreita faixa de terra situada
entre as montanhas do atual Líbano e o mar mediterrâneo, característica geográfica que
os impediu naturalmente de se expandir geograficamente.
 Possibilitar que os educandos saibam que devido a carência de terras férteis os povos
Fenícios se dedicaram principalmente ao comercio marítimo e á navegação, tendo como
principais objetos de comercio aquilo que produziam como o azeite, cereais, toras de
cedro, tecidos e algodão, e também produtos de outros povos como o papiro comprado
dos egípcios e vendido aos gregos.
 Destacar que os povos Fenícios eram bons artesãos confeccionando perfumes, tecidos
entre outros produtos, tendo como organização política cidades independentes cada qual
com seu próprio governo, e ainda mais mostrar a invenção do alfabeto por parte deles
que surge para suprir as necessidades que todo o complexo sistema de comercio
introduzido por eles precisava principal legado Fenício para a atualidade.
 4. Metodologia:
5. Recursos didáticos pedagógicos:
Para atingir os objetivos utilizaremos o livro didático ‘História sociedade & cidadania.
Edição reformulada’ de História e trabalharemos o capitulo IX, tendo também a utilização
do quadro negro, texto introdutório apresentação de slides, e jogos lúdicos.
6. Avaliação:
Os alunos serão avaliados de forma contínua, observando sua participação domínio e
interação com base na temática, observaremos também a participação em grupo e o
desempenho dos mesmos durante a realização dos jogos lúdicos, tendo todo esse
processo como gerador de uma cadeia de ensino proveitosa.
7. Referências:
BOULOS JÚNIOR, Alfredo. História sociedade & cidadania. Edição reformulada, 6º ano. 2º Edição.
São Paulo: FTD, 2012. Pag. 170-173.
PLANO DE AULA
PIBID-Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência.
UEPB-Universidade Estadual da Paraíba.
História2015
Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação.
Turma:6º Ano
Duração:Duas aulas/40 minutos
Professor Supervisor: Raimundo Candido Teixeira Junior.
Alunos Bolsistas: Biagio Ítalo Ribeiro Grisi Paiva.
SívylaSauanny Araújo de Melo.
Monyke do Nascimento Crispiniano.
Jailson Cavalcante de Andrade.
Liliane Silva Barbosa
PLANO DE AULA
1. Tema:
Persas.
2. Objetivo geral:
Possibilitar que os educandos conheçam o império persa e suas principais
características visando possibilitar que os mesmos compreendam todos os fatores que
possibilitaram que o império se expandisse tanto ao longo dos países conquistados.
3. Objetivos específicos:
 Destacar que inicialmente o império persa situava-se no planalto do Irã, e que a
civilização surge com a vitoria dos povos persas sobre os povos medos com a
liderança de Ciro.
 Explicar a divisão e organização territorial criada por Dario I quando o império
se tornou grande demais apresentare-mos aos alunos sua divisão territorial.
 4. Metodologia:
Os alunos estudarão pelo livro didático com o professor supervisor, cujo mesmo
irá fazer suas avaliações para cumprimento de tarefas e logo após nós bolsistas
utilizaremos diversos recursos como textos introdutórios, slides, jogos lúdicos e o
próprio quadro nego como recurso auxiliador, a sala na maioria das vezes será dividida
em grupos para a participação nas atividades visando assim o companheirismo e a
participação de todos nas atividades requeridas.
5. Recursos didáticos pedagógicos:
Para atingir os objetivos utilizaremos o livro didático ‘História sociedade & cidadania.
Edição reformulada’ de História e trabalharemos o capitulo IX, tendo também a utilização
do quadro negro, texto introdutório apresentação de slides, e jogos lúdicos para a
melhor fixação do tema pelos alunos.
6. Avaliação:
Os alunos serão avaliados de forma contínua, observando sua participação domínio e
interação com base na temática, observaremos também a participação em grupo e o
desempenho dos mesmos durante a realização dos jogos lúdicos.
7. Referências:
BOULOS JÚNIOR, Alfredo. História sociedade & cidadania. Edição reformulada, 6º ano. 2º Edição.
São Paulo: FTD, 2012. Pag. 174-176.
Data:15 de Setembro
PLANO DE AULA
PIBID-Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência.
UEPB-Universidade Estadual da Paraíba.
História 2015
Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação.
Turma: 6º Ano
Duração: Duas aulas/40 minutos
Professor Supervisor: Raimundo Candido Teixeira Junior.
Alunos Bolsistas: Biagio ítalo Ribeiro Grisi Paiva
PLANO DE AULA
1. Tema:
Histórias de vida: Um homem chamado Jesus
2. Objetivo geral:
Apresentar a vida de um homem que buscou ensinar bons costumes, o amor e
um bom caráter.
3. Objetivos específicos:
 Esclarecer que apesar da figura religiosa ele existiu e impactou com seus ensinamentos.
4. Metodologia:
Ler com os alunos a um texto falando sobre sua história de vida e como ele
buscou passar seu conhecimento, após a leitura os alunos escreveriam/desenhariam
sobre como seria sua trajetória onde vivia.
5.Recursos didáticos: Texto introdutório, quadro e atividade de letramento.
6. Avaliação:
Os alunos serão avaliados de forma contínua, observando sua participação e interação
na atividade de Produção Escrita - Representações sobre o pensador Jesus Cristo.
DATA: 1º de Outubro
PLANO DE AULA
PIBID-Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência.
UEPB-Universidade Estadual da Paraíba.
História 2015
Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação.
Turma: 6º Ano
Duração: Duas aulas/40 minutos
Professor Supervisor: Raimundo Candido Teixeira Junior.
Alunos Bolsistas: Liliane Silva Barbosa.
PLANO DE AULA
1. Tema:
"Histórias de vida: Anne Frank"
2. Objetivo geral:
Apresentar o Holocausto -O assassinato de milhões de judeus nos campos de
extermínio criados pelos nazistas pela perspectiva de uma adolescente ,que o
testemunhou e foi vitimada por ele.
3. Objetivos específicos:
· Esclarecer que a história não é um processo mecânico, regido exclusivamente por
causas políticas e econômicas.
· Ler com os alunos a biografia de Anne Frank , com o objetivo deles conhecerem a
história da mesma e a importância do seu diário até os dias de hoje.
4. Metodologia:
Ler com os alunos a biografia de Anne Frank ,com o objetivo deles conhecerem a
história da mesma e a importância do seu diário até os dias de hoje.
5. Recursos didáticos pedagógicos:
Texto introdutório, apresentar imagens de Anne Frank ,contribuindo para aumentar a
empatia entre os alunos e a autora do diário, slides e atividade de letramento.
6. Avaliação:
Os alunos serão avaliados de forma contínua, observando sua participação e interação
na atividade de Letramento - Complete a História com Temática "Anne Frank".
DATA: 8 de Outubro
PLANO DE AULA
UEPB-Universidade Estadual da Paraíba.
História2015
Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação.
Turma:6º Ano
Duração:Duas aulas/40 minutos
Professor Supervisor: Raimundo Candido Teixeira Junior.
Alunos Bolsistas: Biagio Ítalo Ribeiro Grisi Paiva.
Sívyla Sauanny Araújo de Melo.
Monyke do Nascimento Crispiniano.
Jailson Cavalcante de Andrade.
Liliane Barbosa da Silva.
PLANO DE AULA
1. Tema:
"Histórias de vida, Albert Einstein."
2. Objetivo geral:
Apresentar aos educandos as principais características que levou esse famoso
físico alemão a tamanha importância no avanço das tecnologias e teorias de seu século,
possibilitando que os mesmos passem a conhecer sua carreira cientifica e sua trajetória
de vida.
3. Objetivos específicos:
· Destacar a importância de suas teorias para o avanço das tecnologias em sua época.
· Possibilitar que os educandos conheçam uma parte de sua trajetória cientifica e também
um pouco de sua vida.
· Destacar suas principais formulas e teorias que o levaram então a receber o premio
Nobel de 1921 e que o tornaram mundialmente famoso, sendo considerado como um
dos maiores cientistas de todos os tempos.
· 4. Metodologia:
Os alunos inicialmente receberam um texto que visa a apresentar o personagem aos
mesmos, a partir da leitura do mesmo destacaremos suas principais conquistas e teorias
levantando então em sala de aula o inicio do debate sobre a vida e conquistas do
pensador durante sua carreira acadêmica, finalizando então com mostra de slides e um
jogo didático com questionamentos levantados a partir do conteúdo apresentado.
5. Recursos didáticos pedagógicos:
Para atingir os objetivos utilizaremos texto introdutório apresentação de slides, e jogos
lúdicos e discussões em sala de aula.
6. Avaliação:
Os alunos serão avaliados a partir da observação e sua participação com base na
temática, observaremos também a participação em grupo e o desempenho dos mesmos
durante a realização das atividades.
7. Referências:
Einstein, Albert, 1879-1955. Como vejo o mundo / Albert Einstein; tradução de H. P.
de Andrade. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1981.
DATA: 5 de Novembro
PLANO DE AULA
“
PIBID-Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência.
UEPB-Universidade Estadual da Paraíba.
História2015
Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação.
Turma:6º Ano
Duração:Duas aulas/40 minutos
Professor Supervisor: Raimundo Candido Teixeira Junior.
Alunos Bolsistas: Biagio Ítalo Ribeiro Grisi Paiva.
Sívyla Sauanny Araújo de Melo.
Monyke do Nascimento Crispiniano.
Jailson Cavalcante de Andrade.
Liliane Barbosa da Silva.
PLANO DE AULA
1. Tema:
"Histórias de Vida, Lúcio Ênio Sêneca".
2. Objetivo geral:
Apresentar aos educandos as principais características da vida e obra desse
filósofo estoico latino. A sua vida exemplar dentro do campo político, e sua
contribuição para a filosofia. Mostramos o quanto Sêneca aprofundou, aprimorou e
inovou aspectos da filosofia estoica.
3. Objetivos específicos:
• Destacar os aspectos da sua contribuição no campo filosófico. E seu aprofundamento
dos conceitos tradicionais do estoicismo, a inserção da ideia de fraternidade universal;
• A sua descoberta, ainda não pensada pela filosofia grega, da vontade como uma
faculdade distinta do conhecimento, da razão.
• A sua importância da sua participação na política romana durante o governo de Nero.
4. Metodologia:
Os alunos inicialmente receberam um texto que visa a apresentar o personagem,
a partir da leitura destacaremos sua vida exemplar como político e sua importância para
a filosofia latina, levantando então em sala de aula o inicio do debate sobre a vida e
conquistas do filósofo estoico, finalizando então com mostra de slides.
5. Recursos didáticos pedagógicos:
Para atingir os objetivos utilizaremos texto introdutório, apresentação de slides, e
discussões em sala de aula.
6. Avaliação:
Os alunos serão avaliados a partir da observação e sua participação com base na
temática, observaremos também a participação em grupo e o desempenho durante as
discussões levantadas a partir da leitura do texto introdutório.
7. Referências:
FERACINE, Luiz. Coleção pensamento e vida: Sêneca: o filósofo estoico preceptor
e assessor de Nero. São Paulo: Editora Escala, 2011.
DATA: 24 Novembro
PLANO DE AULA
“
Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência.
UEPB-Universidade Estadual da Paraíba.
Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação.
Turma: 6º Ano F. Duração: Uma aula/40 minutos.
Professor Supervisor: Raimundo Candido Teixeira Junior.
Alunos Bolsistas: Biaggio Ítalo Ribeiro Grisi Paiva;
Sívyla Sauanny Araújo de Melo;
Monyke do Nascimento Crispiniano.
Jailson Cavalcante de Andrade;
Liliane Barbosa da Silva.
Plano de Aula.
Tema:
"Histórias de Vida, Patrícia Rehder Galvão."
Objetivo Geral:
Compreender os motivos que acarretaram Patrícia Rehder Galvão a torna-se lembrada
como uma mulher que fazia suas próprias escolhas. Discutindo assim, sua história de
vida e algumas de suas produções, tais como seus desenhos e poema que lhe foi
concebido.
Objetivos específicos:
-Analisar a construção e desconstrução da imagem da mulher, discutindo uma imagem
da mulher perante a sociedade que questionava o que lhe era submetido.
- Promover a discussão sobre a posição que a mulher ocupa atualmente e ocupou na
época de ‘Pagu’.
-Enfocar a presença de mulheres no meio das artes e do teatro.
DATA: 24 de Novembro
Metodologia:
De início faremos a leitura do texto introdutório e posteriormente a apresentação e
discussão do slide. Por fim, abriremos um debate para esclarecimentos dos possíveis
questionamentos providos pela turma.
Recursos didáticos pedagógicos:
A aula será direcionada com auxílio de slide, texto introdutório e produção de poemas.
Avaliação:
Os alunos serão avaliados mediante participação na leitura do texto introdutório, assim
como a produção dos poemas onde contém a mulher como temática.
Sites consultados:
<http://historiacontemporanea-mlopomo.blogspot.com.br/2011/03/patricia-galvao-
pagu.html> Acesso em 24 de Novembro de 2015.
< http://www.revistadehistoria.com.br/secao/retrato/rebelde-e-engajada> Acesso em 24
de Novembro de 2015.
<http://www.saraivaconteudo.com.br/Entrevistas/Post/10408>Acesso em 24 de
Novembro de 2015.
<http://www.pliniomarcos.com/dados/origens.htm> Acesso em 29 de Novembro de
2015.
PLANO DE AULA
PIBID-Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência.
UEPB-Universidade Estadual da Paraíba.
História2015
Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação.
Turma:6º Ano
Duração:Duas aulas/40 minutos
Professor Supervisor: Raimundo Candido Teixeira Junior.
Alunos Bolsistas: Biagio Ítalo Ribeiro Grisi Paiva.
SívylaSauanny Araújo de Melo.
Monyke do Nascimento Crispiniano.
Jailson Cavalcante de Andrade.
Liliane Barbosa da Silva
PLANO DE AULA
1. Tema:
O mundo grego e a democracia.
2. Objetivo geral:
Possibilitar que os educandos conheçam o mundo Grego berço da democracia e
de uma enorme cultura mitológica, suas cidades e toda sua trajetória política, visando
também mostrar aos mesmos não só toda sua cultura existente na época como as
diferenças políticas entre Atenas e Esparta, alem de suas características Geográficas.
3. Objetivos específicos:
 Apresentar aos alunos que a civilização Grega surge com a junção de quatro
povos distintos que eram os povos Aqueus, Jônios, Eólios e Dórios.
 Distinguir as diferenças das decisões políticas entre Atenas e Esparta onde as
características de ambas eram coisas bem distintas e serias ao se falar em
politica, pois em Atenas as decisões eram tomadas pela maioria e em Esparta
ocorria o oposto.
 Explicar o processo de escravidão por dividas e as características
governamentais de cada cidade.
 4. Metodologia:
Os alunos estudarão pelo livro didático com o professor em sala de aula e logo
após, todas as tarefas cumpridas nós bolsistas entraremos com diversos outros recursos
desde textos, atividades didáticas pedagógicas, jogos lúdicos e diversas outras
atividades diferenciadas e de forma continua.
5. Recursos didáticos pedagógicos:
Para atingir os objetivos utilizaremos o livro didático ‘História sociedade & cidadania.
Edição reformulada’ de História e trabalharemos o capitulo XI, tendo também a utilização
do quadro negro, texto introdutório apresentação de slides, e jogos lúdicos para a
melhor fixação do tema pelos alunos.
6. Avaliação:
Os alunos serão avaliados de forma contínua, observando sua participação domínio e
interação com base na temática, observaremos também a participação em grupo e o
desempenho dos mesmos durante a realização dos jogos lúdicos.
7. Referências:
BOULOS JÚNIOR, Alfredo. História sociedade & cidadania. Edição reformulada, 6º ano. 2º Edição.
São Paulo: FTD, 2012. Pag. 202-213.
Data:27 de Outubro
TEXTO INTRODUTÓRIO
DATA: 26 de março de 2015
BEBENDO DAS FONTES
Ao entrar na sala de aula sabendo que a próxima aula é de História
muitos alunos falam que a disciplina é chata por só falar do passado, de
velharias. Outros falam que é inútil saber do passado e que o importante é o
futuro, mas será que a História realmente é só isso?
Poucos sabem, mas a História também estuda as permanências que
seriam aquilo que mesmo com o passar do tempo, pouco mudou, podendo ser
construções, comportamentos e até brincadeiras (como a amarelinha, que se
brinca até hoje).
Estudamos História na sala de aula por livros, mas você sabe o trabalho
que o historiador teve para obter tantas informações? O historiador é aquele
que investiga fontes históricas para poder assim escrever a história. O que
seriam essas fontes históricas? As fontes históricas tratam exatamente dos
vestígios deixados pela humanidade na sua trajetória, podendo ser ela escrita
(ex.: um jornal antigo, um pergaminho), visuais (ex.: uma foto antiga), orais
(ex.: uma música) e material (ex.: uma escultura).
Para construir a História, o historiador precisa do suporte de
profissionais de outras áreas, como o geógrafo, arqueólogo, economista. Com
a ajuda desses outros profissionais o historiador pode fazer um apanhado mais
completo de informações.
Se você se pergunta: Mas se só estudamos a história de grandes
personagens, apenas eles são importantes para História? Infelizmente no
ensino fundamental e médio brasileiro hoje em dia foca-se mais os grandes
personagens, mas, vale dizer que todos nós somos sujeitos da História, sem
exceção, pois todos nós escrevemos nossa história no decorrer da nossa vida.
Referências:
BOULOS JÚNIOR, Alfredo. História sociedade & cidadania. Edição reformulada, 6º ano. 2º
Edição. São Paulo: FTD, 2012. Pag. 10 - 25.
TEXTO INTRODUTÓRIO
DATA: 07 de Maio de 2015
AS CULTURAS ATRAVÉS DOS TEMPOS
O que é cultura? Aula passada, nós aprendemos um pouco através do jogo da
caixa, alguns exemplos de cultura. Vocês ainda lembram? Cada povo tem sua cultura,
seu jeito de se vestir, se alimentar, de construir moradias, de fazer festa, de agir e de
pensar. Nossa, já pensou se todos fossemos iguais, se todos tivéssemos os mesmos
costumes? Como é que nós iríamos encontrar o ‘‘diferente’’? Cabe a nós pensarmos que
cada cultura tem seu próprio valor e não há cultura superior à outra.
Cada cultura criou seus calendários, contando o ano e o tempo a partir do seu
ponto de vista. Mas, como compreender o tempo? Já parou pra pensar que quando
temos um bichinho de estimação, o quanto ele cresce rapidamente e o quanto sofremos
quando ele morre? Já parou pra pensar que quando estamos em redes sociais ou
viajamos, o quanto o tempo passa rapidamente? Vamos refletir um pouco, se chegarmos
para os nossos pais ou avôs, eles terão a mesma opinião sobre o tempo? Ou somos nós,
que compreendemos dessa maneira?
Dependendo do momento na qual estamos passando, as horas podem ‘‘voar’’ ou
passar lentamente, imaginem a cena: estamos naquela aula na qual é sobre uma
disciplina que não gostamos muito, percebem o quanto o tempo passa devagar? Agora,
imaginem aquela disciplina que gostamos, percebem o quanto passa rápido o tempo?
Estamos lidando com o tempo a todo momento, um exemplo disso? quando nós
acordamos mesmo que cansados com o nosso despertador. Isso é o que chamamos de
tempo cronológico, aquele que é controlado por relógio e horários.
Ao longo do tempo, os seres humanos dominaram técnicas, inventaram
ferramentas, agricultura, música, pintura, fazendo assim a História. Esse é o tempo que
denominamos como tempo histórico, a cada dia surgem novas invenções, novas ideias.
Porém, vamos pensar agora: E quanto a História, como ficaria a divisão de tempo? Se
seguirmos a divisão tradicional da História, teremos: Pré-História, Idade Antiga; Idade
Média; Idade Moderna; Idade Contemporânea. No entanto, ainda vivenciamos
permanências de cada idade da História.
TEXTO INTRODUTÓRIO
DATA: 19 de Maio de 2015
"Os Nossos Antepassados"
Os antepassados do ser humano são chamados pelos cientistas de hominídeos. Por
hominídeos, entendemos que são indivíduos com algumas características humanas. Dentre a
concepção do livro didático, podemos citar: Homo Habilis; Homo Erectus; Homo sapiens
neanderthalensis e o Homo Sapiens Sapiens. Mas para sabermos dessas características, faz-
se necessário entender um pouco do que são fósseis.
O que são fósseis? Fósseis são vestígios ou restos petrificados de seres vivos, tanto
animais como vegetais que viveram há muito tempo, como por exemplo: Um dente, um osso,
um pedaço de crânio de um indivíduo que viveu há milhares de anos podem fornecer
importantes informações sobre ele e seu grupo.
Nós podemos dividir a pré-história em dois períodos: o Paleolítico e o Neolítico. O
Paleolítico foi um período muito longo da história da humanidade, no qual os homens
sobreviveram da caça, da pesca e da coleta vegetal, ficando conhecidos como caçadores e
coletores. E como eram os homens nesse período? Eram nômades, ou seja, não tinham
moradia fixa. Os homens começaram a produzir alguns objetos desejados, batendo pedras
duras em pedras menos resistentes, chegando a produzir: lanças, machados, pedras,
cortantes, arpões e agulhas. Através dessas ferramentas eles abatiam animais, coletavam
frutos e raízes, pescavam e faziam roupas.
No final do Paleolítico, descobriu como produzir o fogo, foi a partir do domínio do fogo
que a vida dos seres humanos mudou muito. Pois tornou-se possível sobreviver em regiões
geladas, a comida a carne tornou mais saborosa. Vocês já se imaginaram nossa sobrevivência
se não tivéssemos o domínio do fogo?
No período Neolítico, começou a polir a pedra, aumentando com isso a eficiência de
suas ferramentas e armas. No início do Neolítico, houve uma maior ênfase para o
desenvolvimento da agricultura, pois as temperaturas se elevaram e os animais acostumados
com o clima frio desaparecem. A prática da agricultura revolucionou a vida humana,
favorecendo uma série de mudanças, tais como: A sedentarização; A descoberta de novos
instrumentos de trabalho; A invenção da cerâmica; O crescimento da população. Outro fator
que não podemos esquecer, é a questão do domínio da metalurgia, ou seja, a técnica de
trabalhar os metais, onde foi mais uma característica do período neolítico.
Nas aldeias neolíticas, o trabalho era dividido de acordo com o sexo e a idade. As
mulheres dedicavam-se à agricultura, ao preparo de alimentos e cuidavam dos filhos. O que
vocês acham dessa divisão atualmente? Vocês acham que esses fatores, essa subdivisão do
trabalho existe dessa mesma maneira?
Referências:
BOULOS JÚNIOR, Alfredo. História sociedade & cidadania. Edição reformulada, 6º ano. 2º
Edição. São Paulo: FTD, 2012. Pag. 46 - 57.
TEXTO INTRODUTÓRIOTexto Introdutório: A PEDRA DO INGÁ
Quem não gosta de um mistério? Dessa forma, que tal conhecermos um dos mais
misteriosos monumentos rupestres existentes no planeta? Esse monumento
arqueológico, conhecido como A Pedra do Ingá, que está localizada no município de
Ingá, Paraíba, é um dos mais significativos do mundo. É uma formação rochosa que
cobre uma área de cerca de 250 m². No seu conjunto principal, um paredão vertical de
46 metros de comprimento por 3,8 metros de altura, e nas áreas vizinhas, possue
inscrições com significados desconhecidos. Neste conjunto apresenta-se figuras
diversas, que sugerem a representação de animais, frutas, humanos e o que os estudiosos
acreditam ser constelações (grupo de estrelas em uma região delimitada do céu)
chamada de Órion.
Não se sabe como, por quem ou com que motivações foram feitas as inscrições
nas pedras que compõem o conjunto rochoso. Têm sido apontadas diversas origens, e há
muitos que defendem que a Pedra do Ingá tenha origem pelos povos fenícios. Já outros
estudiosos, defende que os sinais do Ingá foram obra de engenharia extraterrestre.
Para muitos, as insculturas ali gravadas se tratam de modelos característicos de
inscrições que são atribuídas a Sumé, o civilizador dos índios tupis - figura lendária, que
teria passado pela região que hoje reconhecemos como Brasil -, e ensinado-os muitas
coisas, como o plantio e a utilização da mandioca. Sua imagem mítica é fortemente
reconhecida pelos nativos, considerado como um grande feiticeiro branco e barbado que
teria vindo através do mar. Além disso, Sumé seria também o responsável pela abertura
de diversos caminhos pelo interior do Brasil até o Peru.
Mas, até atualmente, não é possível afirmar exatamente quem foram os autores
dos sinais e quais seriam as motivações do monumento ter sido produzido.
Pesquisadores ligados à arqueologia, como Dennis Mota e Vanderley de Brito,
acreditam que as inscrições teriam sido feitas por comunidades primitivas que
habitavam a região. Teriam sido usados cinzéis de pedra para produzir os sinais na
rocha, há cerca de 6000 anos.
Entretanto, através de processos químicos, como o uso de um elemento chamado
Carbono 14, que poderia detectar a idade das inscrições, prova-se ser inviável, pois o
conjunto de rochas fica no leito do Rio Bacamarte, o qual, em tempos de enchentes,
cobre todo o conjunto rupestre revolvendo a terra e atritando as camadas superficiais das
REPRODUÇÃO DAS INSCRIÇÕES PRESENTES NA PEDRA DO INGÁ. Disponível em: <http://www.viafanzine.jor.br/002imag/03_13/ja_fonseca16.jpg> Acesso em 02 de Junho, 2015.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
Novo Integralismo. Cidades e povos perdidos do Brasil. Disponível em: <
http://novointegralismo.blogspot.com.br/2015/02/cidades-e-povos-perdidos-do-
brasil.html> Acesso em 02 de Junho, 2015.
O Nordeste. Pedra do Ingá, Paraíba. Disponível em:
<http://www.onordeste.com/onordeste/enciclopediaNordeste/index.php?titulo=Pedra+d
o+Ing%C3%A1,+Para%C3%ADba&ltr=P&id_perso=5171> Acesso em 02 de Junho,
2015.
DATA: 02 de Junho de 2015
TEXTO INTRODUTÓRIO
"A Desconstrução da Imagem do Indígena"
Qual a imagem de índio nós geramos? Nós pensamos em qual povo indígena? Qual o
índio que queremos consumir? . Temos que parar com o discurso de passar o indígena
como aquele sujeito, que anda pela mata nu e correndo, vivendo apenas da caça e da
pesca, sem escolaridade, sem possuir um conhecimento no ramo da tecnologia e sem
deter de informações que o mundo atual proporciona. Os indígenas possuem sim
escolaridade, frequentam universidades, mas que mesmo que eles usufruem de todas
essas características que a atualidade propõe, eles não deixam de ser indígenas, pois eles
preservam sua cultura, ou seja, a cultura indígena faz parte da essência da pessoa.
Para tanto, se nos identificamos como alguns elementos diferentes dessa cultura,
também existe diferenças culturais entre eles mesmos. Como assim? Pois há existência
de grupos étnicos, onde cada grupo tem uma maneira de vestir-se, falar, diferenciam-se
de suas moradias, ressaltando a partir dai sua própria identidade. A identidade étnica
domina a maioria dos outros estatutos e define as personalidades sociais que um
indivíduo com aquela identidade pode assumir, implica uma série de restrições sobre os
tipos de papéis que o sujeito pode desempenhar.
Mas, o que é a educação indígena? Como ela ocorre? É algo que acontece na aldeia: são
as práticas educativas do cotidiano, diferentemente da Educação escolar indígena, onde
a mesma refere-se de como é trabalhada na escola a educação indígena. Para tanto, faz-
se necessário evidenciar conquistas, tal como a formulação da lei 11.645/08, como
também ressaltar pelo o que eles tanto lutam: o direito à terra. Concluímos que, os
mesmos possuem os requisitos que todos nós possuímos, porém existe a questão da
preservação da sua própria cultura. Para tanto, surge a seguinte indagação: Você acha
correto de lembrarmo-nos da cultura indígena apenas em um dia onde é posto no nosso
calendário? Ou existe no nosso cotidiano elementos que ressaltam a cultura indígena?
Referências como base:
OLIVEIRA. Maria do Socorro. O que não fazer no dia do índio. Gestão Escolar. s/d.
BARTH, Fredrik. Grupos étnicos e suas fronteiras. In: POUTIGNAT, Philippe. Teorias
da Etnicidade. São Paulo: Fundação Editora da UNESP, 1988.
História sociedade & cidadania – Edição reformulada, 6 ano/ Alfredo Boulos Júnior. –
2. Ed. – São Paulo: FTD, 2012.
Data: 11 de junho de 2015
TEXTO INTRODUTÓRIO
PERMANÊNCIAS
Através das fontes históricas destacamos os templos, no qual
conservavam documentos de caráter histórico. Onde estavam os nomes dos
reis, o seu reinado e os principais acontecimentos que haviam ocorrido.
Porém, pouco desses documentos chegaram até nós.
Os egípcios deixaram escritos em hieróglifos, onde era uma escrita
formada por desenhos e símbolos, ficaram gravados como sendo o registro
dos faraós, as suas batalhas suas crenças e religiosidade. Porém, não temos
diante mão todos os acontecimentos da História, fazendo assim que ocorra
inúmeras lacunas.
A vida do Faraó não era simples, sua obrigação era manter a ordem
dos planetas, as cheias do Nilo, as leis da natureza, possuindo toda
autoridade. Sendo representante para o povo como um deus, mas será se o
Faraó controlava absolutamente tudo? Sem o apoio de ninguém? Não, o
mesmo contava com o apoio de seus colaboradores (seus homens de
confiança).
Mas, agora nos perguntamos: O que sucinta bem sobre a
religiosidade egípcia? Que costumes nós possuímos? O que acarreta do
mundo egípcio no mundo da moda? Abordamos duas questões entre tantas
outras como fator primordial, sendo: a beleza e a religiosidade.
Primeiramente, a morte de Osíris é um dos mais importantes eventos
da mitologia egípcia. O mito de Osíris ilustra bem a religiosidade dos
egípcios, a ponto de terem-se decidido a erigir túmulos e templos em
homenagem à morte e a vida no outro mundo. Percebemos que a religião
teve papel importante, sendo na questão de justiça, de poder e no pós-
morte. No entanto, ainda possuímos essa crença com o cuidado com o
corpo, com o velório, ou seja, o culto aos mortos.
Outro fator que as mulheres utilizam bastante e teve como ponto de
origem no Egito, é maquiagem. A beleza, a moda ultrapassada perante os
séculos. O uso dos cosméticos tanto pelos faraós, ao mais simples
camponês assim como nas estátuas de seus deuses e deusas.
Data:07 de maio de 2015
TEXTO INTRODUTÓRIO
DATA: 28 de agosto de 2015
Extermínio dos Judeus na 2ª Guerra Mundial: resultado da intolerância e da falta
de respeito à cultura do outro
No século XX, ocorreu duas grandes guerras mundiais. Chama-se de Guerras
Mundiais, pois envolveram muitos países. Uma dessas, a chamada 2ª Guerra
Mundial envolveu setenta e duas nações e foi travada em todos os continentes, de
forma direta ou indiretamente. Os confrontos foram divididos entre duas grandes
uniões militares: os Aliados, liderados por Estados Unidos, Inglaterra, França e
União Soviética; e o Eixo, composto pela Itália, Alemanha e Japão. Considera-se
que a principal causa que originou a Segunda Guerra Mundial (1935-1945) foi a
ideia de Adolf Hitler, líder alemão, de expandir os domínios territoriais da
Alemanha e ampliar, desta forma, a obtenção de poder e recursos materiais
(principalmente matérias-primas).
Ao final da Primeira Guerra Mundial, a Alemanha ficou arrasada, inclusive
economicamente, pelas imposições dos países vencedores. Essas imposições
afloraram um sentimento de revanchismo no país. Os males da Alemanha
acarretados ao final do conflito, motivou a transferência de culpa ao povo Judeu.
O motivo para perseguir os judeus começou a apoiar-se em explicações biológicas,
porque, para Hitler, existiam três raças: as superiores, representadas pelos povos
germânicos (dos quais os alemães eram descendentes), as “depositárias”, pelos
povos eslavos, e as “destruidoras” ou inferiores, que tinham nos judeus,
homossexuais, ciganos, negros, Testemunhas de Jeová, comunistas, sindicalistas,
deficientes físicos, deficientes mentais, os modelos. Estes, segundo Hitler, deveriam
ser eliminados da sociedade.
Obcecado com o ideal de pureza racial, Hitler compreendeu a História como
uma permanente luta entre as diferentes raças, na qual a raça superior devia
utilizar todos os meios necessários para manter sua pureza. A essa visão histórica
foi acrescentado o mito da “conspiração judaica mundial”, fortemente difundido
em toda a Europa que, entre outras mentiras, divulgou a ideia do poder econômico
do povo judeu e do seu monopólio dos meios de comunicação. Os judeus foram
transformados nos culpados de todos os males pelos quais atravessava a
Alemanha, fazendo com que sua eliminação se tornasse necessário para o Estado e
para os cidadãos alemãs e criou muitas leis que restringiram a vida do povo judeu,
como excluí-los da vida política, intelectual e cultural da Alemanha.
Com ideal de expansão territorial de Hitler, outros países também
começaram a perseguir judeus, como a Polônia. Essa “caça” ao povo do Deus
Jeová, rendeu a violação dos Direitos Humanos. Os Judeus eram capturados e
levados em trens para os campos de concentração. Muitos deles não conseguiam
chegar com vida, pois morriam com doenças e fome, porque a viagem era muito
longa, e as condições higiênicas não eram as melhores. Mas, afinal, o que eram os
campos de concentração nesse período da História? Os campos de concentração
eram utilizados como estratégia de domínio de grupos étnicos, os discordantes
políticos e das diversas minorias indesejáveis ao Estado.
Esses campos eram usados, por exemplo, como campos de trabalho forçado,
como campos de extermínio construídos principalmente para assassinatos em
massa. Desde a ascensão de Adolf Hitler ao poder, em 1933, foram construídos
uma série de centros de detenção destinados à detenção e à eliminação dos
chamados "inimigos do estado". Ficaram em operação durante toda a Segunda
Guerra Mundial (1939 - 1945) e que não foram fechados até que as forças Aliadas
venceram a guerra e acabaram com esses locais.
Portanto, atualmente, sabe-se que milhões de seres humanos foram
submetidos à violência, às humilhações, sofrimentos por causa do racismo,
intolerância, do preconceito e discriminação. Suas cores, seus costumes, suas
crenças, suas orientações sexuais, suas deficiências foram fatores que, infelizmente,
foram levados em consideração para serem mortos. A explicação para atos cruéis
contra a humanidade, praticados pelos nazistas, era dada baseadas nessas
questões. Dessa forma, a intolerância, o desrespeito foram uma das atitudes que
levaram a Segunda Guerra Mundial, ser um dos eventos mais horrendos e
grotescos que a humanidade já vivenciou.
Referências Bibliográficas
Ehow. Como explicar o Holocausto para uma criança. Disponível em:
<http://www.ehow.com.br/explicar-holocausto-crianca-como_144579/> Acesso em 26 de agosto, 2015.
Info Escola. Campos de concentração nazistas. Disponível em:
<http://www.infoescola.com/historia/campos-de-concentracao-nazistas/> Acesso em 28 de agosto, 2015.
Lista 10. 10 filmes sobre o Holocausto. Disponível em: <http://listasde10.blogspot.com.br/2009/11/10-
filmes-sobre-o-holocausto.html> Acesso em 26 de agosto, 2015.
Slide Share. Perseguição aos Judeus. Disponível em: <http://pt.slideshare.net/turma9amarinhas/a-
perseguio-aos-judeus> Acesso em 28 de agosto, 2015.
Sua Pesquisa. Causas da Segunda Guerra Mundial. Disponível em:
<http://www.suapesquisa.com/segundaguerra/causas.htm> Acesso em 26 de agosto, 2015.
Wikipédia. Holocausto. Disponível em: <https://pt.wikipedia.org/wiki/Holocausto> Acesso em 26 de
agosto, 2015.
TEXTO INTRODUTÓRIO
DATA: 15 de setembro de 2015
A civilização fenícia constitui de grande importância para o nosso
aprendizado, principalmente por obterem destaque na agricultura, indústria,
assim como navegação e comércio.
Entre as confecções, podemos destacar os tecidos, os perfumes e
artefatos de pedra, marfim, metal e cerâmica. Dentre dessas confecções, você
identifica algo que faz parte do seu cotidiano? Vale salientar que as cidades
fenícias eram independentes de si, então seria notório que elas disputavam
pelas rotas de comércio.
O povo fenício percebeu a necessidade de se lançar ao mar e
desenvolver o comércio pelas cidades do Mediterrâneo, pois sua situação
geográfica, impusera, a seus habitantes a condição de navegantes
As atividades agrícolas e obtenção dos recursos florestais, na qual a
última fornecia madeira para fabricação de navios e para a exportação. Já a
indústria, onde sabemos que grande parte da população desempenhavam suas
atividades nos diversos ramos da indústria, fabricando os tecidos, metais,
vidros ou jóias.
De antemão, surge a seguinte indagação: Se você fosse um
comerciante fenício, em qual ramo você obteria mais desejo no meio de
produção, com o intuito de unificar o seu comércio e sua cidade?
Referências:
o História sociedade & cidadania – Edição reformulada, 6 ano/ Alfredo
Boulos Júnior. – 2. Ed. – São Paulo: FTD, 2012. p. 170-173.
o História da antiguidade oriental/ Mário Curtis Giordani. 15. Ed. -
Petrópolis, RJ: Vozes, 2012. Cap. V.
O que vamos fabricar?
TEXTO INTRODUTÓRIO
Data:27 de Outubro
Grécia “ O berço dos costumes”
Qual a primeira coisa que lhe vem na mente quando você ouve o
termo Grécia Antiga? Pergunta difícil certo, pois a Grécia foi palco
principal de muitos eventos importantes que ganharam um lugarzinho
especial na história como por exemplo os Gladiadores, os coliseus, a
enorme quantidade de filósofos que surgem lá, toda a sociedade da época
era bem dividida e organizada fator de tremenda importância para estudo
na atualidade.
Outro fator importante na Grécia era a educação, pois, mesmo com a
divisão do país em cidades estados comandadas cada uma por um
governante ou rei, toda a população praticava as mesmas ideologias
falavam as mesmas línguas e possuíam os mesmos costumes, em meio a
sociedade as crianças desde cedo eram ensinadas a questionarem os
mistérios do mundo e não só elas mas todas as classes sociais daquela
época eram apreciadoras do saber e da beleza das artes e da cultura.
A arte para os gregos era como uma forma de agradar os deuses e
cultuar seus ancestrais muitas vezes isso realizado a partir da literatura e
representação em teatro das histórias de seus grandes heróis divinos e semi-
divinos, o que gerava assim a propagação de cultura de forma que
divertiam e ao mesmo tempo educavam o povo, tendo as esculturas e
templos como forma de agradar os deuses e imortalizar os semideuses
acreditando assim que um belo corpo era a representação de uma bela alma.
E a religião Grega talvez seja o mais forte ponto social daquela época
tendo vários deuses como Zeus rei dos Deuses, Atenas deusa do amor,
Apolo Deus do sol, Poseidom deus do mar, Apolo do sol entre outros, isso
significa que cada religiosidade apresentava uma função especifica
semelhante a outras sociedades antigas.
Na função econômica cada cidade-estado grega possuía autonomia
econômica no caso eram independentes umas das outras e ao mesmo tempo
possuíam um sistema de serviços e produtos que gerava o comercio na
região e com o aumento dessa rede de comércios surge então o
desenvolvimento marítimo e o uso de moedas.
TEXTO INTRODUTÓRIO
Data:27 de Outubro
Grécia “ O berço dos costumes”
Qual a primeira coisa que lhe vem na mente quando você ouve o
termo Grécia Antiga? Pergunta difícil certo, pois a Grécia foi palco
principal de muitos eventos importantes que ganharam um lugarzinho
especial na história como por exemplo os Gladiadores, os coliseus, a
enorme quantidade de filósofos que surgem lá, toda a sociedade da época
era bem dividida e organizada fator de tremenda importância para estudo
na atualidade.
Outro fator importante na Grécia era a educação, pois, mesmo com a
divisão do país em cidades estados comandadas cada uma por um
governante ou rei, toda a população praticava as mesmas ideologias
falavam as mesmas línguas e possuíam os mesmos costumes, em meio a
sociedade as crianças desde cedo eram ensinadas a questionarem os
mistérios do mundo e não só elas mas todas as classes sociais daquela
época eram apreciadoras do saber e da beleza das artes e da cultura.
A arte para os gregos era como uma forma de agradar os deuses e
cultuar seus ancestrais muitas vezes isso realizado a partir da literatura e
representação em teatro das histórias de seus grandes heróis divinos e semi-
divinos, o que gerava assim a propagação de cultura de forma que
divertiam e ao mesmo tempo educavam o povo, tendo as esculturas e
templos como forma de agradar os deuses e imortalizar os semideuses
acreditando assim que um belo corpo era a representação de uma bela alma.
E a religião Grega talvez seja o mais forte ponto social daquela época
tendo vários deuses como Zeus rei dos Deuses, Atenas deusa do amor,
Apolo Deus do sol, Poseidom deus do mar, Apolo do sol entre outros, isso
significa que cada religiosidade apresentava uma função especifica
semelhante a outras sociedades antigas.
Na função econômica cada cidade-estado grega possuía autonomia
econômica no caso eram independentes umas das outras e ao mesmo tempo
possuíam um sistema de serviços e produtos que gerava o comercio na
região e com o aumento dessa rede de comércios surge então o
desenvolvimento marítimo e o uso de moedas.
TEXTO INTRODUTÓRIO
Texto introdutório História de vida: Anne Frank
Annelies Marie Frank , ou simplesmente Anne Frank , nasceu na
Alemanha em 1929, de descendência judia,vivia com sua família ;Era uma
menina como as outras ,brincava e ia a escola ,gostava de ler e escrever já que
biblioteca era algo que fazia parte da família Frank ,Anne tinha uma irmã mais
velha chamada Margot ,Edith sua mãe e Otto seu pai a quem Anne possuía um
grande apreço.
Com a ascensão dos nazistas em 1938 ,começaram a ocorrer
manifestações antissemitas ,fazendo a família de Anne temer o que poderia
lhes acontecer , a partir de então muitas coisas mudaram , perseguições aos
judeus e á todos aqueles que não se "enquadrassem" aos ideais alemães
liberados por Adolf Hitler .
Sabendo que a vida para os de origem judia ia ficando cada vez mais
difícil ,o senhor Frank ,decidiu esconder-se juntamente com sua esposa e filhas
e convidando mais uma família também de descendência judia, com o objetivo
de prevenir o pior , as duas famílias esconderam-se no escritório do pai de
Anne , chamado por Anne de "anexo secreto", passaram muitas dificuldades , e
o diário de Anne Frank foi o único instrumento de liberdade , onde Anne
relatava dia após dia sua rotina no anexo .
Próximo do final da guerra , o grupo foi traído misteriosamente e
transportados para campos de concentração .Anne e sua irmã ,Margot Frank
,foram levadas até o campo de Bergen-Belsen , onde morreram ,provavelmente
, de tifo epidêmico ,em fevereiro ou março de 1947.
Otto Frank foi o único sobrevivente da família ,ele ajudou na publicação do
diário de Anne Frank ,diário esse que tornou-se fonte importante até os dias de
hoje ,como forma de conhecimento e compreensão de um passado trágico e
interessante .Anne tornou-se uma das figuras mais discutíveis do século xx
após a publicação do diário de Anne Frank em 1947.
Referência:
bibliografia :Frank,Anne,1929-1945
O diário de Anne Frank :edição integral/Anne Frank ;tradução de Ivanir Alves Calado .-4
edição -Rio de Janeiro :BestBolso,2008.
Texto escrito por Liliane Barbosa.
DATA: 08 de outubro de 2015
TEXTO INTRODUTÓRIO::"Albert Einstein: Um Físico Entusiasta"
"Albert Einstein: Um Físico Entusiasta"
Albert Einstein (1879-1955) foi um dos pais da ciência moderna,
além de um entusiasta dos direitos humanos.
De família judaica, nasceu na Alemanha, mas deixou o país aos 17 anos por
não concordar com a linha militarista do governo. Viveu e estudou na
Suíça, voltou á Alemanha e se mudou para os Estados Unidos quando
Adolf Hitler (1889-1945) chegou ao poder, em 1933. Ao longo da vida,
defendeu a utilização da ciência para fins pacíficos e o controle mundial
sobre o uso da energia atômica.
Suas principais descobertas foram:
- Relatividade restrita: O cientista constatou que as medições do tempo e da
distância dependem do movimento relativo dos observadores. Na época, a
teoria não teve aplicação prática, mas hoje é fundamental para satélites,
GPS e outras tecnologias.
-Relatividade geral: A descoberta ocupou o lugar da teoria da gravidade, de
Isaac Newton
(91643-1727), vigente durante 250 anos. Na teoria de Einstein, a força da
gravidade é interpretada como um efeito da curvatura do espaço-tempo.
-Efeito fotoelétrico: Einstein constatou que a luz não era uma onda
contínua, como se pensava , mas pequenos conjuntos de fótons que
estimularam certos metais a liberar elétrons, gerando energia. O princípio
foi usado como base para as tecnologias modernas.
-Fissão nuclear: A fórmula mais famosa da física é fruto de uma das teorias
do cientista, em que ele propõe uma relação entre massa e energia. O
princípio pode ser usado tanto para gerar energia quanto para ser criar
bombas atômicas. Podemos concluir que Einstein foi um grande cientista,
onde desenvolveu suas ciências, que nos servem até os dias de hoje,
Einstein é considerado uma das figuras mais marcantes e de enorme
importância do século xx.
REFERÊNCIAS:
SITE: revistaescola.abril.com.br
/fundamental-2/ quem- foi -Albert-Einstein-ele-descobriu-694086.shtml
DATA:05 de novembro de 2015
TEXTO INTRODUTÓRIO::"Albert Einstein: Um Físico Entusiasta"
"Albert Einstein: Um Físico Entusiasta"
Albert Einstein (1879-1955) foi um dos pais da ciência moderna,
além de um entusiasta dos direitos humanos.
De família judaica, nasceu na Alemanha, mas deixou o país aos 17 anos por
não concordar com a linha militarista do governo. Viveu e estudou na
Suíça, voltou á Alemanha e se mudou para os Estados Unidos quando
Adolf Hitler (1889-1945) chegou ao poder, em 1933. Ao longo da vida,
defendeu a utilização da ciência para fins pacíficos e o controle mundial
sobre o uso da energia atômica.
Suas principais descobertas foram:
- Relatividade restrita: O cientista constatou que as medições do tempo e da
distância dependem do movimento relativo dos observadores. Na época, a
teoria não teve aplicação prática, mas hoje é fundamental para satélites,
GPS e outras tecnologias.
-Relatividade geral: A descoberta ocupou o lugar da teoria da gravidade, de
Isaac Newton
(91643-1727), vigente durante 250 anos. Na teoria de Einstein, a força da
gravidade é interpretada como um efeito da curvatura do espaço-tempo.
-Efeito fotoelétrico: Einstein constatou que a luz não era uma onda
contínua, como se pensava , mas pequenos conjuntos de fótons que
estimularam certos metais a liberar elétrons, gerando energia. O princípio
foi usado como base para as tecnologias modernas.
-Fissão nuclear: A fórmula mais famosa da física é fruto de uma das teorias
do cientista, em que ele propõe uma relação entre massa e energia. O
princípio pode ser usado tanto para gerar energia quanto para ser criar
bombas atômicas. Podemos concluir que Einstein foi um grande cientista,
onde desenvolveu suas ciências, que nos servem até os dias de hoje,
Einstein é considerado uma das figuras mais marcantes e de enorme
importância do século xx.
REFERÊNCIAS:
SITE: revistaescola.abril.com.br
/fundamental-2/ quem- foi -Albert-Einstein-ele-descobriu-694086.shtml
DATA:05 de novembro de 2015
TEXTO INTRODUTÓRIO::"Albert Einstein: Um Físico Entusiasta"
DATA:12 de novembro de 2015
"O Pequeno Príncipe": proporcionando o reencontro com a criança
adormecida
O Livro, O Pequeno Príncipe, escrito e ilustrado pelo autor francês Antoine de
Saint-Exupéry, faz qualquer um que já passou pela infância reencontrar a criança
interior. Sim! Pois, assim como diz Jéssica Viera, jornalista, criadora do site "Deixe-me
contar", "Adultos são apenas crianças que aumentaram de tamanho." Aquele que ler
esse livro, acorda a criança, muitas vezes, adormecida dentro de si. Esta obra,
proporciona-nos o reencontro com os sonhos infantis, com a sensibilidade, a imaginação
e simplicidade, que o período infantil nos oferece. Não é uma mera história para
crianças. Contudo, para qualquer ser humano, seja qual idade possua, que deseja ir de
encontro com valores humanos - atualmente esfacelados na sociedade: o amor, amizade
e o companheirismo.
Complicamos demais momentos, que poderiam ser encarados de maneira
simplória, ocupamo-nos com coisas tão supérfluas, quando na verdade, a vida poderia
ser encarada de uma maneira tão simples e delicada. Assim como fazem as crianças.
Para estas, não importa se você usa uma roupa típica, ou uma casaca... Afinal, "o
essencial é invisível aos olhos".
Como Saint-Exupéry falou, o essencial não é visível, não é palpável, nem
concreto. Nós conseguimos senti-lo! Toca nossa alma! Comparada a essa reflexão, a
obra literária aqui apresentada, traz-nos outras tão intensas e bonitas quanto! Faz-nos
perceber e reacender sentimentos, muitas vezes, esquecidos neste cotidiano tão insano,
agitado, que é capaz de nos reduzir a um trabalho, a um mundo virtual, e a esquecermos
do que realmente importa: está com quem se ama! Viver experiências, que, em alguns
momentos, classificamos como "ninharias", bobas, ou sem importância.
Repleto de simbolismo e metáforas, a história revela a memória de um pequeno
personagem, O Pequeno Príncipe, que veio de outro planeta, o B612. Planeta tão
pequeno! Mas, após passear por diversos planetas e encontrar personagens, cujas as
atitudes e falas nos permite meditar, vai parar no deserto do Saara - aqui no planeta
Terra! E encontra, o narrador da história (o qual é o próprio autor).
A partir desse encontro, conseguimos ter contato com figuras como o rei -
acreditava que todos eram seus súditos, porém, não havia ninguém por perto, para
exercer sua autoridade - o contador, este dizia-se muito sério, todavia, não tinha tempo
nem mesmo para sonhar; o geógrafo, personalidade que se dizia sábio, entretanto, não
conhecia nada da geografia do próprio país; o bêbado, que bebia para esquecer a
vergonha que sentia por beber; e seres inanimados, os quais o autor deu-lhes vida: a
raposa, esta sábia, a rosa, orgulhoso ser vivente habitante do planeta do principezinho,
que arruinou a tranqüilidade levou-o a uma longa viagem, finalmente, chegando até à
África, onde encontrou a raposa, possibilitando ao Pequeno compreender o que
realmente é imprescindível à vida; e a serpente, auxiliadora de sua volta para casa.
Referênias Bibliográficas:
Bruno R. Pádua, Resenha Critica do livro “O Pequeno Príncipe”. Disponível em:
<http://www.recantodasletras.com.br/resenhas/196309> Acesso em 10 de novembro,
2015.
Jéssica Viera, 14 frases de O Pequeno Príncipe que só os adultos entenderão.
Disponível em: <http://www.deixemecontar.com.br/cotidiano/14-frases-de-o-pequeno-
principe-que-so-os-adultos-entenderao/> Acesso em 10 de novembro, 2015.
Saint-Exepéry, Antoine de, O Pequeno Príncipe; Tradução de Dom Marcos Barbosa.
50 ed. Rio de Janeiro: Agir, 2014.
TEXTO INTRODUTÓRIO: MAQUIAVEL E A ARTE DE GOVERNAR
MAQUIAVEL E A ARTE DE GOVERNAR
Se você tivesse a oportunidade de dar dicas aos nossos governantes, sobre como
eles deveriam comandar a nação, o que você diria? Que dicas importantes você daria?
Lançando um olhar sobre a História, descobrimos que existiu um homem que se dedicou a
essa tarefa. No século XV surgiu a figura de um grande pensador chamado Nicolau Maquiavel.
Em uma época em que a Europa passava por grandes transformações,
observamos que muitos lugares onde hoje formam países que conhecemos, como por
exemplo, França e Inglaterra, passavam por um processo de unificação. De modo que diversos
territórios eram conquistados e unidos, para formar o que hoje chamamos de países.
Por outro lado, muitos governantes passavam por grandes problemas, pois não
conseguiam controlar esses territórios. Além disso, as escolhas e ações tomadas por muitos
governantes traziam insatisfação para a maioria da população. Devido à insatisfação da
população, surgiram diversas revoltas. É neste contexto que Nicolau Maquiavel escreve um
livro chamado “O Príncipe”. Antes de tudo, é importante saber como nasceu esse pensador.
Nicolau Maquiavel nasceu em 1469 na cidade de Florença, Itália. Filho de um
advogado, Maquiavel se dedicou a ler diversos livros clássicos gregos. Contudo, pouco sabem
os historiadores sobre como foi a infância desse pensador; porém, é sabido que a história da
adolescência de Maquiavel se confunde com a história da cidade onde nasceu.
Maquiavel iniciou-se na vida pública em cargos com pouco prestígio; mas com o
passar do tempo, foi indicado ao posto de Segundo Chanceler da República. Ao executar suas
atividades, ele observa uma necessidade que os governos têm em formar um exército
nacional, composto por soldados leais e que lutem pela pátria.
Durante as lutas ocorridas entre os territórios italianos e a intervenção da França,
naquelas regiões, Maquiavel percebeu que na história sempre existiram homens com as
mesmas paixões ou interesses e, que sempre existiram governantes e governados. Logo,
existindo bons e maus governados, aqueles que se revoltam, devem ser punidos.
Além do livro “O Príncipe”, Maquiavel também escreveu em 1506 o “Discurso
Sobre a Preparação Militar Florentina”. Esse discurso afirmava que os governantes e os
estados dependem de dois fatores para governar: a justiça e as armas. A justiça é
representada por boas instituições, que irão manter a ordem e a estabilidade social. Já as
armas deveriam ser entregues aos soldados para defenderem a nação.
Depois de perder suas funções públicas, Maquiavel chegou a ser preso e torturado
por ser acusado de ter uma conduta contrária ao governo vigente. Depois de passar 22 dias na
prisão, ele foi anistiado e conseguiu sua liberdade. Mesmo com a mudança de governo em
Florença, Maquiavel foi esquecido e não conseguiu retomar suas funções públicas. Maquiavel
adoeceu e terminou morrendo em 21 de junho de 1527, aos 58 anos de idade.
Maquiavel amava sua cidade e os assuntos do Estado. Ao escrever o livro “O
Príncipe” em 1513, esse pensador deixou como legado alguns conceitos importantes: o de
“Fortuna” e o de “Virtú”. A “fortuna” para Maquiavel não poderia ser controlada pelo indivíduo;
mas seria a chave para o sucesso da ação política.
A “fortuna” (oportunidade) proporcionaria a “ocasione” (ocasião) e a “virtú” (virtude).
O homem de “virtú” (atributos e qualidades que um bom governante deveria ter) é aquele que
sabe aproveitar a “ocasione” (o momento certo para agir), fazendo com que suas ações
tenham êxito. Por isso, para Maquiavel, o homem político deve estar sempre atento aos sinais
de mudança, seja do tempo ou das coisas e aproveitar a ocasião, mudando suas ações.
DATA: 19 de Novembro de 2015
TEXTO INTRODUTÓRIO: "Sêneca: Um Filósofo Humanístico"
Sêneca, um filósofo humanista.
Lúcio Ênio Sêneca nasceu em Córdoba, onde hoje é a Espanha, por volta do ano 4 a.
C. Era o segundo filho de um membro da categoria social dos cavaleiros romanos (eques) -
também exercia um cargo público -, e Élvia, uma mulher bastante inteligente, dedicada a
criação dos filhos. Devido à posição social de seu pai, foi criado em excelente situação
financeira. Em Roma, para onde a família de Sêneca mudou-se, o futuro filósofo, que ainda era
um menino, ingressa no curso de gramática com a prática precoce de exercitação na arte
oratória, com a finalidade de agradar o pai. Contudo, decepcionando as expectativas paternas,
manifesta afinidade com a filosofia.
É introduzido, por um de seus mestres, Àtalo, na filosofia moral do estoicismo. Esta
criada por Zenão de Cítio (335-264 a. C.) privilegiava a moral (Moral trata-se de um conjunto de
valores, normas e noções sobre o que é certo ou errado, proibido e permitido, dentro de uma
determinada sociedade). O sumo bem reside no esforço para atingir a virtude e esta consiste
em viver segundo princípios de honestidade. No mundo romano, o estoicismo assumiu
características peculiares como o interesse quase predominante pela ética; redução do
interesse pelos problemas físicos e lógicos; difusão de preceitos como o amor ao próximo,
fraternidade universal, igualdade de todos os homens, etc. O conceito dessa filosofia, que se
preocupava com a vida moral e ética, exigia uma rigidez de costumes, autocontrole contínuo,
atitudes comportamentais visando alcançar a perfeição.
Sêneca foi uma das figuras mais expressivas do estoicismo latino. O filósofo aprimorou,
aprofundou e inovou conceitos tradicionais dessa doutrina filosófica. Defendia que a
consciência é uma força espiritual e moral, ela é o conhecimento do bem e do mal, e também,
um aspecto adicionado pelo mesmo para a filosofia estoica, foi a ideia de fraternidade
universal, que leva a condenar a escravidão e a abominar a divisão em classes sociais,
porquanto, todos os homens são iguais. Outra descoberta, ainda não pensada pela filosofia
grega era a vontade como uma faculdade distinta do conhecimento, da razão, que acarreta o
senso de pecado e da culpa.
Aos trinta anos, ingressa na vida pública da política como membro de atuação direta no
Fórum, em Roma. Sêneca, ganha de imediato, admiradores por causa do seu talento. Contudo,
também foi alvo de repulsa por parte do Imperador Calígula, que pensou mandar matá-lo,
entretanto, alertaram a este, que o filósofo logo desapareceria devido a sua péssima saúde.
Sêneca foi acusado de adultério com Júlia Lívila, irmã de Calígula e Agripina, esta mãe do
futuro imperador Nero. Contudo, mesmo sem provas, foram condenados ao exílio. Sêneca foi
mandado para a ílha de Córseha, vivendo do ano 41 a 49. No exílio dedicou-se a produção
intelectual, produzindo obras no âmbito da correte filosófica que defendia.
Os amigos do filósofo solicitam o retorno de Sêneca, e Agripina via no retorno a
reabilitação da lembrança da irmã, que morreu de fome no exílio, e que essa decisão captaria a
tolerância popular, perdoando-a pela a morte do noivo de Otávia, que queria esta como esposa
de seu filho. Além disso, pretendia promover Sêneca como preceptor, educador de Nero.
Concordou em tornar-se educador do príncipe herdeiro. Entretanto, percebera que a vida
libertina da corte, já havia desvirtuado sua primeira fase da educação. Todavia, assume o
cargo com coragem, na função de educador de um príncipe corrupto, que com o passar do
tempo, submete-se ao controle e correções.
Com 17 anos, Nero assume o cargo de Imperador. Sêneca e outros auxiliares
assumem a função de conselheiros. Graças a essa ajuda, os primeiros sete anos do governo,
fizeram-se recordar os anos felizes dos tempos do Imperador Augusto, porque impregnou às
áreas governamentais seus princípios morais e éticos, e administrou fielmente o bem comum.
Entretanto, depois que Agripina e Nero entram em conflito, e esse manda matar a mãe, o
jovem imperador, desequilibra-se de vez. Ingressa numa vida regrada às festas e bebedeiras,
sem temor da vergonha a que expunha sua dignidade imperial. Sêneca pede afastamento,
entre os anos de 62 e 65, entregando-se aos estudos da filosofia moral.
Mesmo tido recebido riqueza de Nero, propõe devolvê-la, mas, esse não aceita a
devolução. Então, o filósofo utiliza os bens para beneficiar os amigos, e passa a viver na
simplicidade. Acolhendo a suspeita de que Sêneca estava envolvido na conspiração contra seu
governo, Nero, exige que se suicide no ano de 65.
Em meio ao fervilhar suntuoso da corrupção da corte, Sêneca enquanto preceptor do
príncipe, sempre defendeu aqueles princípios éticos que apregoava em seus livros. Na
intimidade da sua vida particular, vivenciava os princípios da moral, por exemplo, tratava os
escravos a seu serviço como seres humanos, e sempre demonstrou afeto pelos familiares e
amigos. Durante o mandato político no encargo da prefeitura, desfrutava de crédito pleno, pois
sua honestidade era incontestável. No meio da política externa, sempre atuou como árbitro da
paz e guerra. E administrou de maneira ética as finanças.
Referências Bibliográficas
FERACINE, Luiz. Coleção pensamento e vida: Sêneca: o filósofo estoico preceptor e assessor
de Nero. São Paulo: Editora Escala, 2011.
DATA: 24 de novembro de 2015
TEXTO INTRODUTÓRIO: Em poucas linhas, um pouco sobre “Pagu”.
DATA: 24 de novembro de 2015
Patrícia Rehder Galvão, nasceu no dia 9 de junho de 1910 em São João da Boa
Vista e morreu em 12 de dezembro de 1962, aos 52 anos devido ao câncer. Pagu foi a
terceira de quatro irmãos, filhos de Thiers Galvão de França, advogado e jornalista, e de
Adélia Rehder Galvão. O apelido ‘Pagu’ surgiu de um erro do poeta modernista Raul
Bopp, ao dedicar a ela, em 1928, o poema "Coco de Pagu", vale salientar que antes de
ser conhecida como Pagu, ‘Zazá’ era seu apelido no meio familiar.
Em 1925, com quinze anos, passou a colaborar no Brás Jornal, assinando Patsy.
Em 1922 tornou-se a musa dos modernistas. Aos 18 anos, pouco depois de completar o
curso na Escola Normal da Capital (São Paulo, 1928), ela integra-se ao movimento
antropofágico, a qual detinha uma forte influência através de Oswald de Andrade e
Tarsila do Amaral. Em 1930, ocorre um escândalo para a sociedade conservadora:
Oswald separa-se de Tarsila e casa-se com Pagu, obtendo além desse ‘escândalo’, o
nascimento de Rudá de Andrade, segundo filho de Oswald e primeiro de Pagu.
Pagu foi presa várias vezes, em uma dessas prisões ficou cinco anos na cadeia na
época da ditadura de Getúlio Vargas. Em 1933 publicou o romance ‘‘Parque
industrial’’, sob o pseudônimo de Mara Lobo. Em 1945, lançou novo romance, ‘‘A
Famosa Revista’’, escrito em parceria com o seu último marido, Geraldo Ferraz.
Uma mulher que causou repercussões na época em que vivia, assim como tornou-
se o símbolo de mulher que buscava viver suas paixões sem se preocupar com as
opiniões que a cercavam. Pagu era uma mulher como todas as outras, cuja característica
mais forte foi a coragem de desejar: “Eu, como mulher que posso fazer diversas
escolhas agora [...][1]’’.
Pagu era uma mulher de paixões intensas, espelhadas em tudo o que escrevia.
Mulher esta, avançada para os padrões da época, dada a algumas particularidades
concebidas, tais como: fumar na rua, usar blusas transparentes, cabelos curtos e eriçados
e dizer palavrões. Tornou-se escritora, poeta, diretora de teatro, tradutora, desenhista,
jornalista e militante política brasileira. Tal como nos diz Plínio Marcos[2], “[...] Pagu
veio ao mundo para nos inquietar[3]”.
Referências:
HIGA, L. S. R.; O feminismo solitário na obra da jovem Pagu. In: 17o COLE -
Congresso de Leitura do Brasil, 2009, Campinas. Anais do 17o COLE, 2009.
Sites consultados:
<http://historiacontemporanea-mlopomo.blogspot.com.br/2011/03/patricia-galvao-
pagu.html<>Acesso em 24 de Novembro de 2015.
< http://www.revistadehistoria.com.br/secao/retrato/rebelde-e-engajada> Acesso em 24
de Novembro de 2015.
<http://www.saraivaconteudo.com.br/Entrevistas/Post/10408> Acesso em 24 de
Novembro de 2015.
<http://www.pliniomarcos.com/dados/origens.htm> Acesso em 29 de Novembro de
2015.
[1] Lúcia Maria Teixeira Furlani concede uma entrevista exclusiva ao Saraiva Conteúdo.
Fonte:http://www.saraivaconteudo.com.br/Entrevistas/Post/10408< Acesso em 24 de Novembro
de 2015. Para ver a entrevista por completo e ler a matéria, acesse o link acima.
Autora dos seguintes livros, obtendo Pagu como fonte de pesquisa: Pagu – Patrícia Galvão:
livre na imaginação, no espaço e no tempo; Croquis de Pagu; e Viva Pagu – fotobiografia de
Patrícia Galvão.
[2] Expressão usada para definir Pagu. Para saber sobre a história de Plínio Marcos,
acesse:<http://www.pliniomarcos.com/dados/origens.htm>. Acesso em 29 de Novembro de
2015.
[3] A citação foi retirada do seguinte link:
< http://www.saraivaconteudo.com.br/Entrevistas/Post/10408> Acesso em 24 de Novembro de
2015.
OFICINAS TEMÁTICAS
OFICINA: História e Fontes Históricas.
“Turno da tarde com a turma do 6º Ano C.”
-26 de março de 2015–
Oficina com o tema: Introdução a Cultura e
tempo
“Turno da tarde com a turma do 6º Ano C.”
-07 de maio de 2015 –
OFICINA - ''Os primeiros povoadores da
terra''
“Turno da tarde com a turma do 6º Ano C.”
-19 de maio de 2015 –
OFICINA - Introdução a ‘PRÉ-HISTÓRIA’
BRASILEIRA.
“Turno da tarde com a turma do 6º Ano C.”
-02 de junho de 2015 –
Oficina Temática sobre Pinturas Rupestres.
“Turno da tarde com a turma do 6º Ano C e D.”
-11 de agosto de 2015–
Oficina de Música sobre os Povos Indígenas
com a música "Todo Dia Era Dia de Índio".
“Turno da tarde com a turma do 6º Ano E.”
-02 de julho de 2015 –
OFICINA : A Mesopotâmia
“Turno da tarde com a turma do 6º Ano C .”
-14 de julho de 2015 –
Oficina sobre o Egito Antigo
“Turno da tarde com a turma do 6º Ano E.”
-04 de agosto de 2015 –
Oficina de Música sobre o Egito Antigo
“Turno da tarde com a turma do 6º Ano C e D.”
-11 de agosto de 2015–
Oficina sobre a Igualdade Racial.
“Turno da tarde com a turma do 6º Ano D.”
-20/08/2015–
Oficina Temática sobre Povos Hebreus.
“Turno da tarde com a turma do 6º Ano D.”
-28/08/2015–
Oficina de Vídeo sobre os Hebreus utilização do
vídeo "Grandes Civilizações" com a Temática
Povos Judeus.
“Turno da tarde com a turma do 6º Ano F .”
-27/08/2015–
OFICINA de vídeo com o tema: Povos Judeus
“Turno da tarde com a turma do 6º Ano D.”
-28/08/2015–
Oficina Musical de Quadrinhos sobre os Povos
Hebreus (Música: Faraó ou Deus/Interprete:
Shirley Carvalhaes)
“Turno da tarde com a turma do 6º Ano E.”
-01/09/2015–
OFICINA: Uso de Charge com Temática
Violência.
“Turno da tarde com a turma do 6º Ano E.”
-01/09/2015–
Oficina Temática sobre os Povos Fenícios.
“Turno da tarde com a turma do 6º Ano F.”
-15/09/2015–
Oficina de Vídeo sobre os Povos da Mesopotâmia com
exibição do vídeo "Grandes Civilizações -
Mesopotâmia“.
“Turno da tarde com a turma do 6º Ano D .”
-24/09/2015–
Oficina sobre a Grécia Antiga com Leitura do Texto
Introdutório e Discussão.
“Turno da tarde com a turma do 6º Ano C .”
-27/10/2015–
Oficina de Cinema com exibição do
Filme "O Menino do Pijama Listrado“.
“Turno da tarde com a turma do 6º Ano F .”
-24/09/2015–
Oficina de Apresentação e Leitura do Livro
"O Pequeno Príncipe" do autor Antoine de
Saint-Exupéry.
“Turno da tarde com a turma do 6º Ano D .”
-12/11/2015–
Oficina de Apresentação e Leitura do Livro "O Pequeno Príncipe"
do autor Antoine de Saint-Exupéry.
“Turno da tarde com a turma do 6º Ano D .”
-12/10/2015–
Oficina - Apresentação de "Histórias de Vida" - Um
homem chamado Jesus.
“Turno da tarde com a turma do 6º Ano E .”
-01/10/2015–
Oficina - Apresentação de "Histórias de Vida" - Albert
Einstein
“Turno da tarde com a turma do 6º Ano F.”
-05/10/2015–
Oficina - Apresentação de "Histórias de Vida" - Nicolau
Maquiavel.
“Turno da tarde com a turma do 6º Ano D .”
-19/10/2015–
Oficina - Apresentação de "Histórias de Vida – Pagu”.
“Turno da tarde com a turma do 6º Ano F .”
-24/11/2015–
Oficina - Apresentação de "Histórias de Vida" - Sêneca.
“Turno da tarde com a turma do 6º Ano C .”
-24/11/2015–
OFICINA SOBRE TECNOLOGIA.
Imagem: Google Imagens
Oficina para Elaboração de Slides com os alunos.
“Turno da tarde com a turma do 6º Ano C .”
-15/10/2015–
JOGOS DIDÁTICOS
Imagens: Google imagens
Jogo de Cartas “Qual é a Fonte Histórica?”.
“Turno da tarde com a turma do 6º Ano D.”
-26 de março de 2015–
Jogo de Cartas "Personagens da História"
“Turno da tarde com a turma do 6º Ano D.”
-07 de maio de 2015–
O jogo de tabuleiro:“ Conhecendo os Meses do
Ano através do Tempo Cronológico"
“Turno da tarde com a turma do 6º Ano D.”
-14 de maio de 2015–
Jogo de tabuleiro "A conquista do Fogo".
“Turno da tarde com a turma do 6º Ano D.”
-21 de maio de 2015–
Jogo: "Os Períodos da Pré-história"
“Turno da tarde com a turma do 6º Ano D.”
-21 de maio de 2015–
JOGO: Dominó com Cartas- Tema:
"A Pré-história Brasileira".
“Turno da tarde com a turma do 6º Ano D.”
-26 de maio de 2015–
JOGO 'ROLETA PRÉ HISTÓRICA'
“Turno da tarde com a turma do 6º Ano D.”
-28 de maio de 2015–
JOGO DA VELHA - Tema: Povos Indígenas
“Turno da tarde com a turma do 6º Ano D.”
-11 de Junho de 2015–
Cruzadinha com Temática sobre
"Povos Indígenas"
“Turno da tarde com a turma do 6º Ano D.”
-02 de julho de 2015–
Jogo de Basquete com Temática sobre
"povos Assírios e Caldeus" .
“Turno da tarde com a turma do 6º Ano C .”
-07 de julho de 2015–
Jogo de Tabuleiro sobre "Povos
Sumérios".
“Turno da tarde com a turma do 6º Ano E.”
-07 de julho de 2015–
Jogo de Damas sobre as cidades da
Mesopotâmia "Ur e Uruk Eridu“.
“Turno da tarde com a turma do 6º Ano E.”
-07 de julho de 2015–
Jogo de Tabuleiro: Conhecendo os
Sumérios.
“Turno da tarde com a turma do 6º Ano D.”
-09 de julho de 2015–
Jogo de Tabuleiro: Trilha na
Mesopotâmia.
“Turno da tarde com a turma do 6º Ano C .”
-14 de julho de 2015–
Jogo de RPG “O Massacre de
Tracunhaém.”
“Turno da tarde com a turma do 6º Ano C e D.”
-14 de julho de 2015–
Jogo da Roleta com temática Mesopotâmia
sobre "Os Povos Amoritas"
“Turno da tarde com a turma do 6º Ano D.”
-16 de julho de 2015–
Jogo da Cartola Mágica "Imagens da
Mesopotâmia"
“Turno da tarde com a turma do 6º Ano D.”
-16 de julho de 2015–
Jogo de tabuleiro: O Império
Babilônico.
“Turno da tarde com a turma do 6º Ano F.”
-16 de julho de 2015–
Jogo da Trilha sobre o Egito Antigo.
“Turno da tarde com a turma do 6º Ano C e D.”
-28 de julho de 2015–
Jogo da Memória sobre os Deuses Egípcios.
“Turno da tarde com a turma do 6º Ano F.”
-28 de julho de 2015–
Jogo “Verdade ou Mentira” sobre o
Egito Antigo
“Turno da tarde com a turma do 6º Ano F.”
-04 de agosto de 2015–
Jogo “Impérios do Egito Antigo”
“Turno da tarde com a turma do 6º Ano F .”
-04 de agosto de 2015–
Jogo de “Amarelinha” sobre a
Mesopotâmia.
“Turno da tarde com a turma do 6º Ano F.”
-11 de agosto de 2015–
JOGO “Um tour pela Mesopotâmia”
“Turno da tarde com a turma do 6º Ano C .”
-07 de julho de 2015 –
Jogo da Trilha Levando Cleópatra até o
Faraó.
“Turno da tarde com a turma do 6º Ano C.”
-20/08/2015–
Jogo de Cartas Imagens do Egito Antigo.
“Turno da tarde com a turma do 6º Ano F.”
-20/08/2015–
Jogo da Roleta “Mix Cultural” sobre Diferentes
Culturas.
“Turno da tarde com a turma do 6º Ano F.”
-20/08/2015–
Jogo de Tabuleiro Futebol no Egito Antigo.
“Turno da tarde com a turma do 6º Ano D.”
-20/08/2015–
Jogo da Roleta Musical “Rock dos
Anos 80”
Diferentes Culturas
“Turno da tarde com a turma do 6º Ano D.”
-20/08/2015–
Jogo do basquete : Caindo na Cesta.
“Turno da tarde com a turma do 6º Ano F.”
-20/08/2015–
Jogo de Cartas “Conhecendo os Persas”
.
“Turno da tarde com a turma do 6º Ano D.”
-27/08/2015–
Jogo da Trilha “Levando os Hebreus
até Canaã”
“Turno da tarde com a turma do 6º Ano D.”
-27/08/2015–
Jogo Boliche na Pérsia
.
“Turno da tarde com a turma do 6º Ano E.”
-15/09/2015–
Jogo de Cartas "Encontre a Resposta"
sobre os Povos Persas .
“Turno da tarde com a turma do 6º Ano F.”
-22/09/2015–
Jogo Roda a Roda do PIBID com
Temática Os Persas.
“Turno da tarde com a turma do 6º Ano E.”
-24/09/2015–
Jogo da Memória Personagens da
Grécia Antiga.
“Turno da tarde com a turma do 6º Ano D .”
-01/10/2015–
Jogo do Labirinto “Levando Platão ao Teatro”
.
“Turno da tarde com a turma do 6º Ano D .”
-01/10/2015–
Jogo da torre com temática Grécia
Antiga.
“Turno da tarde com a turma do 6º Ano D .”
-01/10/2015–
Jogo TecHistory com temática Grécia Antiga.
“Turno da tarde com a turma do 6º Ano E.”
-15/10/2015–
Jogo "Mix Cultural" sobre os Gregos.
“Turno da tarde com a turma do 6º Ano E.”
-15/10/2015–
Jogo da Troca de Copos sobre os Hebreus,
Fenícios e Gregos.
“Turno da tarde com a turma do 6º Ano C.”
-20/10/2015–
Jogo do Quebra-cabeças conhecendo a Mitologia
Grega sobre a deusa da justiça Dikê.
“Turno da tarde com a turma do 6º Ano E.”
-20/10/2015–
Jogo Responda se puder.
“Turno da tarde com a turma do 6º Ano E.”
-20/10/2015–
Jogo “Construindo a sua Torre”
“Turno da tarde com a turma do 6º Ano D .”
-01/10/2015–
Jogo das Argolas com temática Grécia Antiga.
“Turno da tarde com a turma do 6º Ano E.”
-29/10/2015–
Jogo “Jogue e Responda”.
“Turno da tarde com a turma do 6º Ano E.”
-05/11/2015–
Jogo de Tabuleiro "Corrida Científica".
“Turno da tarde com a turma do 6º Ano F .”
-10/11/2015–
Jogo do Bingo “Aprendendo os Números Romanos”
“Turno da tarde com a turma do 6º Ano F .”
-12/11/2015–
“JOGOS TECNOLÓGICOS”
Quiz Virtual sobre a Grécia Antiga.
“Turno da tarde com a turma do 6º Ano E.”
-01/10/2015–
Jogo TecHistory.
“Turno da tarde com a turma do 6º Ano E.”
-15/10/2015–
Tecnologia - Jogo Acerte a Figura.
“Turno da tarde com a turma do 6º Ano E.”
-20/10/2015–
“PRODUÇÃO ESCRITA E LETRAMENTO”.
Cultura e Tempo - "Linha do Tempo"
“Turno da tarde com a turma do 6º Ano D.”
-28 de maio de 2015–
Atividade ''Representações dos Povos
Indígenas'' com frase e desenho.
“Turno da tarde com a turma do 6º Ano D.”
-11 de agosto de 2015–
Produção das Pinturas Rupestres com
Temática sobre água.
“Turno da tarde com a turma do 6º Ano C e D.”
-19 de junho de 2015 –
Representações dos Povos Indígenas
“Turno da tarde com a turma do 6º Ano C e D.”
-11 de agosto de 2015 –
Produção de poesias sobre os povos
indígenas.
“Turno da tarde com a turma do 6º Ano C e D.”
-02 de junho de 2015 –
Produção de Representações sobre Os
Povos da Mesopotâmia.
“Turno da tarde com a turma do 6º Ano F.”
-07 de junho de 2015 –
Produção de Histórias em Quadrinhos sobre os
Hebreus
.
“Turno da tarde com a turma do 6º Ano E.”
-01/09/2015–
Produção Textual sobre a Violência.
“Turno da tarde com a turma do 6º Ano D.”
-01/09/2015–
Produção Textual "Cartas para o Futuro“.
“Turno da tarde com a turma do 6º Ano E .”
-08/09/2015–
Letramento - Labirinto Sobre os Povos Persas
“Turno da tarde com a turma do 6º Ano D.”
-08/09/2015–
Letramento - Alfabeto Matemático dos
Persas.
“Turno da tarde com a turma do 6º Ano D.”
-15/09/2015–
Produção de HQ com Temática Povos Fenícios .
“Turno da tarde com a turma do 6º Ano F .”
-15/09/2015–
Cruzadinha sobre os Hebreus
“Turno da tarde com a turma do 6º Ano F .”
-15/09/2015–
Letramento - Complete com a Palavra
Correta.
“Turno da tarde com a turma do 6º Ano E.”
-22/09/2015–
Produção Escrita - Representações sobre
“O homem chamado Jesus”.
“Turno da tarde com a turma do 6º Ano E.”
-01/10/2015–
Portifólio Pibid História UEPB Campus I/ Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação - ANO 2015
Portifólio Pibid História UEPB Campus I/ Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação - ANO 2015
Portifólio Pibid História UEPB Campus I/ Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação - ANO 2015
Portifólio Pibid História UEPB Campus I/ Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação - ANO 2015
Portifólio Pibid História UEPB Campus I/ Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação - ANO 2015
Portifólio Pibid História UEPB Campus I/ Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação - ANO 2015
Portifólio Pibid História UEPB Campus I/ Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação - ANO 2015
Portifólio Pibid História UEPB Campus I/ Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação - ANO 2015
Portifólio Pibid História UEPB Campus I/ Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação - ANO 2015
Portifólio Pibid História UEPB Campus I/ Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação - ANO 2015
Portifólio Pibid História UEPB Campus I/ Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação - ANO 2015
Portifólio Pibid História UEPB Campus I/ Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação - ANO 2015
Portifólio Pibid História UEPB Campus I/ Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação - ANO 2015
Portifólio Pibid História UEPB Campus I/ Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação - ANO 2015
Portifólio Pibid História UEPB Campus I/ Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação - ANO 2015
Portifólio Pibid História UEPB Campus I/ Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação - ANO 2015
Portifólio Pibid História UEPB Campus I/ Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação - ANO 2015
Portifólio Pibid História UEPB Campus I/ Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação - ANO 2015
Portifólio Pibid História UEPB Campus I/ Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação - ANO 2015
Portifólio Pibid História UEPB Campus I/ Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação - ANO 2015
Portifólio Pibid História UEPB Campus I/ Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação - ANO 2015
Portifólio Pibid História UEPB Campus I/ Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação - ANO 2015
Portifólio Pibid História UEPB Campus I/ Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação - ANO 2015
Portifólio Pibid História UEPB Campus I/ Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação - ANO 2015
Portifólio Pibid História UEPB Campus I/ Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação - ANO 2015
Portifólio Pibid História UEPB Campus I/ Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação - ANO 2015
Portifólio Pibid História UEPB Campus I/ Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação - ANO 2015
Portifólio Pibid História UEPB Campus I/ Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação - ANO 2015
Portifólio Pibid História UEPB Campus I/ Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação - ANO 2015
Portifólio Pibid História UEPB Campus I/ Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação - ANO 2015
Portifólio Pibid História UEPB Campus I/ Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação - ANO 2015
Portifólio Pibid História UEPB Campus I/ Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação - ANO 2015
Portifólio Pibid História UEPB Campus I/ Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação - ANO 2015
Portifólio Pibid História UEPB Campus I/ Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação - ANO 2015
Portifólio Pibid História UEPB Campus I/ Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação - ANO 2015
Portifólio Pibid História UEPB Campus I/ Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação - ANO 2015
Portifólio Pibid História UEPB Campus I/ Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação - ANO 2015
Portifólio Pibid História UEPB Campus I/ Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação - ANO 2015
Portifólio Pibid História UEPB Campus I/ Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação - ANO 2015
Portifólio Pibid História UEPB Campus I/ Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação - ANO 2015
Portifólio Pibid História UEPB Campus I/ Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação - ANO 2015
Portifólio Pibid História UEPB Campus I/ Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação - ANO 2015
Portifólio Pibid História UEPB Campus I/ Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação - ANO 2015
Portifólio Pibid História UEPB Campus I/ Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação - ANO 2015
Portifólio Pibid História UEPB Campus I/ Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação - ANO 2015
Portifólio Pibid História UEPB Campus I/ Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação - ANO 2015
Portifólio Pibid História UEPB Campus I/ Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação - ANO 2015
Portifólio Pibid História UEPB Campus I/ Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação - ANO 2015
Portifólio Pibid História UEPB Campus I/ Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação - ANO 2015
Portifólio Pibid História UEPB Campus I/ Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação - ANO 2015
Portifólio Pibid História UEPB Campus I/ Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação - ANO 2015
Portifólio Pibid História UEPB Campus I/ Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação - ANO 2015
Portifólio Pibid História UEPB Campus I/ Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação - ANO 2015
Portifólio Pibid História UEPB Campus I/ Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação - ANO 2015
Portifólio Pibid História UEPB Campus I/ Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação - ANO 2015
Portifólio Pibid História UEPB Campus I/ Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação - ANO 2015
Portifólio Pibid História UEPB Campus I/ Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação - ANO 2015
Portifólio Pibid História UEPB Campus I/ Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação - ANO 2015

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Plano de aula slide tv escola
Plano de aula slide tv escolaPlano de aula slide tv escola
Plano de aula slide tv escola
Ana Élita Gomes dos Santos França
 
Portfólio aplicação 2015
Portfólio aplicação  2015Portfólio aplicação  2015
Portfólio aplicação 2015
pibidhistoriauepbcampus1
 
Planejamento 7º ano (1 bimestre)
Planejamento 7º ano (1 bimestre)Planejamento 7º ano (1 bimestre)
Planejamento 7º ano (1 bimestre)
manoelportofilho
 
Planejamento 5º ano
Planejamento 5º anoPlanejamento 5º ano
Planejamento pronto
Planejamento prontoPlanejamento pronto
Planejamento pronto
Carmesin
 
Plano de unidade
Plano de unidadePlano de unidade
Plano de unidade
valdy482580
 
Prefácio história e geografia competencia;habilidades cópia - cópia
Prefácio  história e geografia competencia;habilidades   cópia - cópiaPrefácio  história e geografia competencia;habilidades   cópia - cópia
Prefácio história e geografia competencia;habilidades cópia - cópia
José Vicente Dalmolin
 
Tabela – Planejamento do trabalho
Tabela  – Planejamento do trabalhoTabela  – Planejamento do trabalho
Tabela – Planejamento do trabalho
gepoteriko
 
Planejamento
PlanejamentoPlanejamento
Planejamento
joaolinksobrinho
 
Modelo plano aula
Modelo plano aulaModelo plano aula
Modelo plano aula
SEE/MG
 
Projeto BraGeo: O Brasil sob um olhar geográfico
Projeto BraGeo: O Brasil sob um olhar geográficoProjeto BraGeo: O Brasil sob um olhar geográfico
Projeto BraGeo: O Brasil sob um olhar geográfico
pibidgeo
 
Planejamento5ºano2015
Planejamento5ºano2015Planejamento5ºano2015
Planejamento5ºano2015
Emile Araujo
 
Plano de Aula
Plano de AulaPlano de Aula
Plano de Aula
Silvana Pavlak
 
Unid 3 1-olga
Unid 3 1-olgaUnid 3 1-olga
Unid 3 1-olga
olgacileia
 
BNCC - LINGUAGENS
BNCC - LINGUAGENSBNCC - LINGUAGENS
BNCC - LINGUAGENS
Sandra Lourenco
 
Estrutura plano aula_20140521204149(2)
Estrutura plano aula_20140521204149(2)Estrutura plano aula_20140521204149(2)
Estrutura plano aula_20140521204149(2)
Adriana Costa Silva
 
Cbc e documentos
Cbc e documentosCbc e documentos
Cbc e documentos
André Pereira Rocha
 
Sequencia didatica - partindo de um genero textual
Sequencia didatica - partindo de um genero textualSequencia didatica - partindo de um genero textual
Sequencia didatica - partindo de um genero textual
Secretaria Municipal de Educação de Dona Inês/PB
 
Escola estadual antônio carlos de brito pacto
Escola estadual antônio carlos de brito pactoEscola estadual antônio carlos de brito pacto
Escola estadual antônio carlos de brito pacto
Andreá Perez Leinat
 
Plano do jogo das perguntas (2)
Plano do jogo das perguntas (2)Plano do jogo das perguntas (2)
Plano do jogo das perguntas (2)
PIBIDSolondeLucena
 

Mais procurados (20)

Plano de aula slide tv escola
Plano de aula slide tv escolaPlano de aula slide tv escola
Plano de aula slide tv escola
 
Portfólio aplicação 2015
Portfólio aplicação  2015Portfólio aplicação  2015
Portfólio aplicação 2015
 
Planejamento 7º ano (1 bimestre)
Planejamento 7º ano (1 bimestre)Planejamento 7º ano (1 bimestre)
Planejamento 7º ano (1 bimestre)
 
Planejamento 5º ano
Planejamento 5º anoPlanejamento 5º ano
Planejamento 5º ano
 
Planejamento pronto
Planejamento prontoPlanejamento pronto
Planejamento pronto
 
Plano de unidade
Plano de unidadePlano de unidade
Plano de unidade
 
Prefácio história e geografia competencia;habilidades cópia - cópia
Prefácio  história e geografia competencia;habilidades   cópia - cópiaPrefácio  história e geografia competencia;habilidades   cópia - cópia
Prefácio história e geografia competencia;habilidades cópia - cópia
 
Tabela – Planejamento do trabalho
Tabela  – Planejamento do trabalhoTabela  – Planejamento do trabalho
Tabela – Planejamento do trabalho
 
Planejamento
PlanejamentoPlanejamento
Planejamento
 
Modelo plano aula
Modelo plano aulaModelo plano aula
Modelo plano aula
 
Projeto BraGeo: O Brasil sob um olhar geográfico
Projeto BraGeo: O Brasil sob um olhar geográficoProjeto BraGeo: O Brasil sob um olhar geográfico
Projeto BraGeo: O Brasil sob um olhar geográfico
 
Planejamento5ºano2015
Planejamento5ºano2015Planejamento5ºano2015
Planejamento5ºano2015
 
Plano de Aula
Plano de AulaPlano de Aula
Plano de Aula
 
Unid 3 1-olga
Unid 3 1-olgaUnid 3 1-olga
Unid 3 1-olga
 
BNCC - LINGUAGENS
BNCC - LINGUAGENSBNCC - LINGUAGENS
BNCC - LINGUAGENS
 
Estrutura plano aula_20140521204149(2)
Estrutura plano aula_20140521204149(2)Estrutura plano aula_20140521204149(2)
Estrutura plano aula_20140521204149(2)
 
Cbc e documentos
Cbc e documentosCbc e documentos
Cbc e documentos
 
Sequencia didatica - partindo de um genero textual
Sequencia didatica - partindo de um genero textualSequencia didatica - partindo de um genero textual
Sequencia didatica - partindo de um genero textual
 
Escola estadual antônio carlos de brito pacto
Escola estadual antônio carlos de brito pactoEscola estadual antônio carlos de brito pacto
Escola estadual antônio carlos de brito pacto
 
Plano do jogo das perguntas (2)
Plano do jogo das perguntas (2)Plano do jogo das perguntas (2)
Plano do jogo das perguntas (2)
 

Semelhante a Portifólio Pibid História UEPB Campus I/ Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação - ANO 2015

Plano de desenvolvimento
Plano de desenvolvimentoPlano de desenvolvimento
Plano de desenvolvimento
Alexandra Becchi
 
Plano de aula o escravo negro no brasil colonia - tráfico e cotidiano
Plano de aula   o escravo negro no brasil colonia - tráfico e cotidianoPlano de aula   o escravo negro no brasil colonia - tráfico e cotidiano
Plano de aula o escravo negro no brasil colonia - tráfico e cotidiano
PIBID - Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência
 
Apresentação projeto
Apresentação projetoApresentação projeto
Apresentação projeto
shviana
 
Apresentaçao do Projeto Da Belle Époque à Era Rádio
Apresentaçao do Projeto Da Belle Époque à Era RádioApresentaçao do Projeto Da Belle Époque à Era Rádio
Apresentaçao do Projeto Da Belle Époque à Era Rádio
shviana
 
Plano de curso 2020 6ano primeiro .docx
Plano de curso 2020  6ano primeiro .docxPlano de curso 2020  6ano primeiro .docx
Plano de curso 2020 6ano primeiro .docx
AnaCarolinaNassif1
 
Projetoídolos ebias
Projetoídolos ebiasProjetoídolos ebias
Projetoídolos ebias
Ana Kelly Brustolin
 
Apresentaçao do Projeto Da Belle Époque à Era Rádio
Apresentaçao do Projeto Da Belle Époque à Era RádioApresentaçao do Projeto Da Belle Époque à Era Rádio
Apresentaçao do Projeto Da Belle Époque à Era Rádio
shviana
 
Projetostesourossonia
ProjetostesourossoniaProjetostesourossonia
Projetostesourossonia
Patrícia Hassato
 
Projeto folclorescebias
Projeto folclorescebiasProjeto folclorescebias
Projeto folclorescebias
Ana Kelly Brustolin
 
Projeto folclorescebias
Projeto folclorescebiasProjeto folclorescebias
Projeto folclorescebias
AnaKelly
 
PLANO DE AULA I - ENSINO FUNDAMENTAL II - A Segunda Guerra Mundial e a bipola...
PLANO DE AULA I - ENSINO FUNDAMENTAL II - A Segunda Guerra Mundial e a bipola...PLANO DE AULA I - ENSINO FUNDAMENTAL II - A Segunda Guerra Mundial e a bipola...
PLANO DE AULA I - ENSINO FUNDAMENTAL II - A Segunda Guerra Mundial e a bipola...
Raphael Andrade
 
3º ano - História - Primeira quinzena.pdf
3º ano - História - Primeira quinzena.pdf3º ano - História - Primeira quinzena.pdf
3º ano - História - Primeira quinzena.pdf
ROSIMEIRE VIEIRA
 
Atividade de avaliação
Atividade de avaliaçãoAtividade de avaliação
Atividade de avaliação
Markelina
 
Projeto de língua inglesa 3ºbim.
Projeto de língua inglesa 3ºbim.Projeto de língua inglesa 3ºbim.
Projeto de língua inglesa 3ºbim.
Paola Barbosa Dias
 
Plano geral oficina 2c ( corrigido) 19, 04
Plano geral oficina  2c  ( corrigido) 19, 04Plano geral oficina  2c  ( corrigido) 19, 04
Plano geral oficina 2c ( corrigido) 19, 04
PIBIDSolondeLucena
 
Plano geral oficina 2c ( corrigido) 19, 04
Plano geral oficina  2c  ( corrigido) 19, 04Plano geral oficina  2c  ( corrigido) 19, 04
Plano geral oficina 2c ( corrigido) 19, 04
PIBIDSolondeLucena
 
Plano geral-oficina-2c-corrigido-19-04
Plano geral-oficina-2c-corrigido-19-04Plano geral-oficina-2c-corrigido-19-04
Plano geral-oficina-2c-corrigido-19-04
PIBIDSolondeLucena
 
427 historia do_brasil_2013-01-16_200122
427 historia do_brasil_2013-01-16_200122427 historia do_brasil_2013-01-16_200122
427 historia do_brasil_2013-01-16_200122
Dany Pereira
 
Unidade3 ativ2 neila
Unidade3 ativ2 neilaUnidade3 ativ2 neila
Unidade3 ativ2 neila
neilinha
 
Plano geral 2 d 26.05
Plano geral 2 d 26.05Plano geral 2 d 26.05
Plano geral 2 d 26.05
PIBIDSolondeLucena
 

Semelhante a Portifólio Pibid História UEPB Campus I/ Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação - ANO 2015 (20)

Plano de desenvolvimento
Plano de desenvolvimentoPlano de desenvolvimento
Plano de desenvolvimento
 
Plano de aula o escravo negro no brasil colonia - tráfico e cotidiano
Plano de aula   o escravo negro no brasil colonia - tráfico e cotidianoPlano de aula   o escravo negro no brasil colonia - tráfico e cotidiano
Plano de aula o escravo negro no brasil colonia - tráfico e cotidiano
 
Apresentação projeto
Apresentação projetoApresentação projeto
Apresentação projeto
 
Apresentaçao do Projeto Da Belle Époque à Era Rádio
Apresentaçao do Projeto Da Belle Époque à Era RádioApresentaçao do Projeto Da Belle Époque à Era Rádio
Apresentaçao do Projeto Da Belle Époque à Era Rádio
 
Plano de curso 2020 6ano primeiro .docx
Plano de curso 2020  6ano primeiro .docxPlano de curso 2020  6ano primeiro .docx
Plano de curso 2020 6ano primeiro .docx
 
Projetoídolos ebias
Projetoídolos ebiasProjetoídolos ebias
Projetoídolos ebias
 
Apresentaçao do Projeto Da Belle Époque à Era Rádio
Apresentaçao do Projeto Da Belle Époque à Era RádioApresentaçao do Projeto Da Belle Époque à Era Rádio
Apresentaçao do Projeto Da Belle Époque à Era Rádio
 
Projetostesourossonia
ProjetostesourossoniaProjetostesourossonia
Projetostesourossonia
 
Projeto folclorescebias
Projeto folclorescebiasProjeto folclorescebias
Projeto folclorescebias
 
Projeto folclorescebias
Projeto folclorescebiasProjeto folclorescebias
Projeto folclorescebias
 
PLANO DE AULA I - ENSINO FUNDAMENTAL II - A Segunda Guerra Mundial e a bipola...
PLANO DE AULA I - ENSINO FUNDAMENTAL II - A Segunda Guerra Mundial e a bipola...PLANO DE AULA I - ENSINO FUNDAMENTAL II - A Segunda Guerra Mundial e a bipola...
PLANO DE AULA I - ENSINO FUNDAMENTAL II - A Segunda Guerra Mundial e a bipola...
 
3º ano - História - Primeira quinzena.pdf
3º ano - História - Primeira quinzena.pdf3º ano - História - Primeira quinzena.pdf
3º ano - História - Primeira quinzena.pdf
 
Atividade de avaliação
Atividade de avaliaçãoAtividade de avaliação
Atividade de avaliação
 
Projeto de língua inglesa 3ºbim.
Projeto de língua inglesa 3ºbim.Projeto de língua inglesa 3ºbim.
Projeto de língua inglesa 3ºbim.
 
Plano geral oficina 2c ( corrigido) 19, 04
Plano geral oficina  2c  ( corrigido) 19, 04Plano geral oficina  2c  ( corrigido) 19, 04
Plano geral oficina 2c ( corrigido) 19, 04
 
Plano geral oficina 2c ( corrigido) 19, 04
Plano geral oficina  2c  ( corrigido) 19, 04Plano geral oficina  2c  ( corrigido) 19, 04
Plano geral oficina 2c ( corrigido) 19, 04
 
Plano geral-oficina-2c-corrigido-19-04
Plano geral-oficina-2c-corrigido-19-04Plano geral-oficina-2c-corrigido-19-04
Plano geral-oficina-2c-corrigido-19-04
 
427 historia do_brasil_2013-01-16_200122
427 historia do_brasil_2013-01-16_200122427 historia do_brasil_2013-01-16_200122
427 historia do_brasil_2013-01-16_200122
 
Unidade3 ativ2 neila
Unidade3 ativ2 neilaUnidade3 ativ2 neila
Unidade3 ativ2 neila
 
Plano geral 2 d 26.05
Plano geral 2 d 26.05Plano geral 2 d 26.05
Plano geral 2 d 26.05
 

Último

REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
vinibolado86
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
karinenobre2033
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 

Último (20)

REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 

Portifólio Pibid História UEPB Campus I/ Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação - ANO 2015

  • 1. PORTFÓLIO PIBID HISTÓRIA UEPB CAMPUS I/ ANO 2015 .
  • 2. Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação .
  • 3. Universidade Estadual da Paraíba - Campus I, Sub - Projeto de História - 2015. Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação. Campina Grande - PB Profa. Dra. Paula Castro Coordenadora Geral do PIBID UEPB Profa. Dra. Auricélia Lopes Pereira. Coordenadora da subárea (PIBID História) Prof. Raimundo Cândido Teixeira Junior Supervisor
  • 4. PIBID - Programa Institucional de Bolsa de Iniciação a Docência. Alunos Bolsistas pela ordem da esquerda para direita. Liliane Barbosa da Silva Monyke do Nascimento Crispiniano Biagio Ítalo Ribeiro Grisi Paiva Jailson Cavalcante de Andrade Sívyla Sauanny Araújo de Melo
  • 5. PIBID - Programa Institucional de Bolsa de Iniciação a Docência. Este portfólio tem a finalidade de apresentar os conteúdos e atividades trabalhadas na Escola Estadual de Aplicação na cidade de Campina Grande – PB Este projeto é financiado pela CAPES (Programa Institucional de Bolsa de Iniciação a Docência) em parceria com a Universidade Estadual da Paraíba.
  • 6. PLANO DE AULA Data: Dia 18 de março de 2015.
  • 7. PLANO DE AULA PIBID-Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência. UEPB-Universidade Estadual da Paraíba. História 2015 Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação. Turma: 6º Ano Duração: Duas aulas/40 minutos Professor Supervisor: Raimundo Candido Teixeira Junior. Alunos Bolsistas: Biagio Ítalo Ribeiro Grisi Paiva. Sívyla Sauanny Araújo de Melo. Monyke do Nascimento Crispiniano. Jailson Cavalcante de Andrade. PLANO DE AULA 1. Tema: Cultura e tempo. 2. Objetivo geral: Mostrar aos educandos que os termos cultura e tempo são praticamente tudo o que ocorre em seu dia-a-dia associando os termos a comparações feitas com fatos decorrentes da vida contemporânea. 3. Objetivos específicos:  Identificar as multiplicidades da nossa cultura para os alunos. Analisar as diferentes concepções sobre o termo tempo explicando-o e trabalhando também o nosso calendário atual.  Problematizar o tema citando exemplos de cultura e signos relacionados ao tempo. 4. Metodologia: Os alunos serão orientados a estudarem sobre a temática através do livro didático, e a partir disso serão questionados sobre o que é tempo, oque é uma cultura e quais características possibilitam que ela possa variar dependendo da população que a mantem viva, serão também levantados vários questionamentos e comparações sobre os temas nos dias atuais, e ao termino será aplicada uma atividade de recurso pedagógico que possibilite a fixação do tema e que também o torne interessante ao ser questionado. 5. Recursos didáticos pedagógicos: Para atingir os objetivos pretendidos utilizaremos o livro didático ‘História sociedade & cidadania. Edição reformulada’ de História e trabalhando o capitulo II ,a utilização do quadro negro, utilizaremos também o texto introdutório e a apresentação de slides. 6. Avaliação: Os alunos serão avaliados de forma contínua, observando sua participação e interação com base na temática ‘Tempo e cultura’, observando também a participação em grupo e o desempenho dos alunos durante a participação no jogo pedagógico de tabuleiro. 7. Referências: BOULOS JÚNIOR, Alfredo. História sociedade & cidadania. Edição reformulada, 6º ano. 2º Edição. São Paulo: FTD, 2012. Pag. 28-43. Data: 25 de março de 2015
  • 8. PLANO DE AULA PLANO DE AULA - Tema: A “pré-história” brasileira./Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação. PIBID-Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência. UEPB-Universidade Estadual da Paraíba. História 2015 Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação. Turma: 6º Ano Duração: Duas aulas/40 minutos Professor Supervisor: Raimundo Candido Teixeira Junior. Alunos Bolsistas: Biagio Ítalo Ribeiro Grisi Paiva. Sívyla Sauanny Araújo de Melo. Monyke do Nascimento Crispiniano. Jailson Cavalcante de Andrade. PLANO DE AULA 1. Tema: A “pré-história” brasileira. 2. Objetivo geral: Possibilitar a compreensão dos fatores que caracterizaram a formação do país, como também mostrar quais tipos de animais e povos habitavam nossa região nos primórdios de seu surgimento, identificando assim vários sítios arqueológicos que nos possibilitam presenciar vestígios que há muito tempo deixaram de existir. 3. Objetivos específicos:  Discutir como a situação dos primeiros habitantes do Brasil.  Analisar a importância dos diversos sítios arqueológicos existentes no continente Americano, os vestígios achados.  Identificar os animais existentes, as espécies desaparecidas, os utensílios, a forma de vida dos primeiros habitantes do Brasil. 4. Metodologia: Os alunos serão orientados a estudarem sobre a temática através do livro didático, e assim começamos diversas atividades e problematizações referentes ao inicio do povoamento do brasil e o desaparecimento dos mesmos. 5. Recursos didáticos pedagógicos: Para atingir os objetivos pretendidos utilizaremos o livro didático ‘História sociedade & cidadania. Edição reformulada’ de História e trabalharemos o capitulo IV ,a utilização do quadro negro, utilizaremos também o texto introdutório e a apresentação de slides. 6. Avaliação: Os alunos serão avaliados de forma contínua, e será observado principalmente seu domínio e compreensão sobre o tema abordado ‘ A Pré-história brasileira’, e também sua interação com o jogo didático de Dominó "A Pré-história Brasileira" apresentado sobre o tema. 7. Referências: BOULOS JÚNIOR, Alfredo. História sociedade & cidadania. Edição reformulada, 6º ano. 2º Edição. São Paulo: FTD, 2012. Pag. 64-84.
  • 9. PLANO DE AULA PLANO DE AULA - Capítulo V - Tema: '' Indígenas: diferenças e semelhanças'' PIBID-Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência. UEPB-Universidade Estadual da Paraíba. História 2015 Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação. Turma: 6º Ano Duração: Duas aulas/40 minutos Professor Supervisor: Raimundo Candido Teixeira Junior. Alunos Bolsistas: Biagio Ítalo Ribeiro Grisi Paiva. Sívyla Sauanny Araújo de Melo. Monyke do Nascimento Crispiniano. Jailson Cavalcante de Andrade. Johnny Willian Pereira PLANO DE AULA 1. Tema: Indígenas: diferenças e semelhanças 2. Objetivo geral: Desenvolver a compreensão termo indígena na América do sul, as diferenças entre os povos que viviam na américa do sul e as principais características de cada um. 3. Objetivos específicos:  * Analisar como os ‘colonizadores’ chagaram nas Américas.  * Discutir em sala os termos usados para definir os indígenas  * Identificar as variações de povos indígenas, suas diferenças e costumes. 4. Metodologia: Os alunos estudam a temática através do livro didático, depois participam da oficina sobre o tem, apresentação do texto introdutório e concluindo com as aplicações dos jogos lúdicos. 5. Recursos didáticos pedagógicos: Utilizamos o livro didático, o quadro negro, apresentação dos slides. 6. Avaliação: Os alunos são avaliados de forma contínua, e será observado principalmente seu domínio e compreensão sobre o tema abordado ‘ A Pré-história brasileira’, e também sua interação com o jogo didático de Dominó "A Pré-história Brasileira"apresentado sobre o tema. 7. Referências: BOULOS JÚNIOR, Alfredo. História sociedade & cidadania. Edição reformulada, 6º ano. 2º Edição. São Paulo: FTD, 2012. Pag. 64-84.
  • 10. PLANO DE AULAPIBID-Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência. UEPB-Universidade Estadual da Paraíba. História 2015 Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação. Turma: 6º Ano Duração: Duas aulas/40 minutos Professor Supervisor: Raimundo Candido Teixeira Junior. Alunos Bolsistas: Biagio Ítalo Ribeiro Grisi Paiva. Sívyla Sauanny Araújo de Melo. Monyke do Nascimento Crispiniano. Jailson Cavalcante de Andrade. PLANO DE AULA 1. Tema: Cap.3 Os primeiros povoadores da terra. 2. Objetivo geral: Apresentar aos educandos características importantes da pré-história, que possibilitará aos alunos uma noção de como foi o surgimento do mundo, quais espécies o habitou inicialmente, características e inovações das épocas. 3. Objetivos específicos:  Analisar cada período da pré história, possibilitando para que possam distinguir suas principais características e diferenças em relação as habilidades evolutivas e aspectos físicos.  Discutir a divisão de dois períodos importantes da pré-história que foram denominados de Paleolítico e Neolítico citando assim as principais evoluções, como por exemplo, o domínio do fogo.  Identificar de forma clara e objetiva as concepções de inicio de povoamento do mundo, tentando mostrar detalhadamente como se deu cada um dos fenômenos de grande importância. 4. Metodologia: Os alunos serão orientados a estudarem sobre a temática através do livro didático, e a partir disso serão questionados sobre a questão do inicio de civilização do mundo, como se deu, como ocorreu, como os homens surgiram e quais suas características, a partir disso será feita diversas atividades que possibilitarão a fixação do assunto abordado e que possibilitarão o despertar da vontade de aprender dos alunos sobre o tema abordado. 5. Recursos didáticos pedagógicos: Para atingir os objetivos pretendidos utilizaremos o livro didático ‘História sociedade & cidadania. Edição reformulada’ de História e trabalharemos o capitulo III ,a utilização do quadro negro, utilizaremos também o texto introdutório e a apresentação de slides. 6. Avaliação: Os alunos serão avaliados de forma contínua, observando sua participação domínio e interação com o tema, a participação nos jogos lúdicos de tabuleiro "Os Períodos da Pré- história" e "A Conquista do Fogo”, como também, o jogo da roleta Pré Histórica. 7. Referências: BOULOS JÚNIOR, Alfredo. História sociedade & cidadania. Edição reformulada, 6º ano. 2º Edição. São Paulo: FTD, 2012. Pag. 46-63. Data: 08 de abril de 2015
  • 11. PLANO DE AULAPIBID-Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência. UEPB-Universidade Estadual da Paraíba. História 2015 Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação. Turma: 6º Ano Duração: Duas aulas/40 minutos Professor Supervisor: Raimundo Candido Teixeira Junior. Alunos Bolsistas: Biagio Ítalo Ribeiro Grisi Paiva. Sívyla Sauanny Araújo de Melo. Monyke do Nascimento Crispiniano. Jailson Cavalcante de Andrade. PLANO DE AULA 1. Tema: Cap.6 Mesopotâmia. 2. Objetivo geral: Apresentar aos educandos características importantes da civilização Mesopotâmica e sua influência nos dias atuais, possibilitando assim que os mesmos consigam ter como base a noção de como surgiu alguns processos de adaptação em sociedade como, por exemplo, o processo de evolução das técnicas de cultivo (canais de irrigação), e também a descoberta da escrita pelos povos sumérios. Destacando que a Mesopotâmia foi o palco de grandes acontecimentos que se assemelham com diversos outros países antigos tanto por sua religiosidade politeísta tão quanto sua construção de edifícios para adoração de seus Deuses, não deixando escapar seu certo apego ao rei como algo divino e ser digno de admiração. 3. Objetivos específicos:  Explicar a classificação do termo Mesopotâmia para os educandos apresentando aos mesmos a origem da palavra (cuja mesma significa terra entre dois rios) e seus principais legados para nossa civilização como o código de Hamurabi que mantem uma forte características em nossas leis atuais.  Possibilitar um conhecimento prévio do salto evolutivo que suas técnicas de cultivo nos possibilitaram, gerando as mesmas em torno do Rio Tigre e Eufrdes por principio que deram origem a toda civilização.  Apresentar as características religiosas e politicas da civilização mesopotâmica antiga aos educandos destacando em si o enorme comercio de trocas entre países que já existia na época. 4. Metodologia: Os alunos serão orientados a estudarem sobre a temática através do livro didático como sempre pois o mesmo possui uma enorme importância como recurso didático e logo após toda a realização de tarefas pelo professor supervisor o debate em sala de aula sobre o tema terá inicio levantando as questões mais importantes sobre a existência da civilização como a religiosidade, os canais de irrigação, a agricultura, o surgimento da escrita cuneiforme e toda a evolução politica e geográfica que a região teve durante o passar dos anos até seu auge e declínio, após toda essa bateria de testes nos bolsistas iniciaremos com as atividades de fixação, texto introdutório, apresentação de slides, utilização do quadro negro e o ponto mais forte, a utilização de diversos jogos lúdicos como fonte alternativa. 5. Recursos didáticos pedagógicos: Para atingir os objetivos utilizaremos o livro didático ‘História sociedade & cidadania. Edição reformulada’ de História e trabalharemos o capitulo VI, tendo também a utilização do quadro negro, utilizando o texto introdutório que traz consigo uma visão mais moderna sobre o tema, e a apresentação de slides e jogos didáticos pedagógicos possibilitando assim todo um processo que virá por fim a acarretar a curiosidade e o interesse pelo tema ministrado. 6. Avaliação: Os alunos serão avaliados de forma contínua, observando sua participação domínio e interação com base na temática, observaremos também a participação em grupo e o desempenho dos alunos durante a participação nos jogos lúdicos realizados. 7. Referências: BOULOS JÚNIOR, Alfredo. História sociedade & cidadania. Edição reformulada, 6º ano. 2º Edição. São Paulo: FTD, 2012. Pag. 105-114. Data:
  • 12. PLANO DE AULA PIBID-Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência. UEPB-Universidade Estadual da Paraíba. História2015 Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação. Turma:6º Ano Duração: Duas aulas/40 minutos Professor Supervisor: Raimundo Candido Teixeira Junior. Alunos Bolsistas: Biagio Ítalo Ribeiro Grisi Paiva. SívylaSauanny Araújo de Melo. Monyke do Nascimento Crispiniano. Jailson Cavalcante de Andrade. PLANO DE AULA 1. Tema: Cap.7 Egito. 2. Objetivo geral: Apresentar aos educandos características importantes da civilização egípcia levando em consideração toda sua história tanto politica quanto religiosa, com intuito também de destacar toda a divisão administrativa desse império que permaneceu vivo através de varias dinastias e entre séculos de grandiosas construções. 3. Objetivos específicos:  Apresentar aos educandos fatores principais que demarcaram toda a história politica e cultural egípcia.  Possibilitar um conhecimento maior sobre a religião egípcia características e diferenças das formas visuais dos Deuses cultuados pelos povos da região, inserindo a ideia e definição da palavra politeísmo, como também todas as funções referentes a cada Deus.  Destacar a função do faraó na sociedade egípcia, e também todas as classes supostamente “inferiores” subsequentes que em conjunto forma a administração e organização do império, como por exemplo; Faraó, Sacerdotes, Escribas e escravos. 4. Metodologia: Os alunos estudaram pelo livro didático para possuírem o conhecimento prévio do tema e logo após utilizaremos o quadro negro, slides, texto introdutório, e jogos didáticos pedagógicos com eles para a fixação do tema, com toda essa serie de atividades os mesmos serão continuamente questionados em sala de aula sobre os pontos principais do império durante sua existência. 5. Recursos didáticos pedagógicos: Para atingir os objetivos utilizaremos o livro didático ‘História sociedade & cidadania. Edição reformulada’ de História e trabalharemos o capitulo VII, tendo também a utilização do quadro negro, utilizando o texto introdutório e a apresentação de slides e jogos lúdicos que possibilitarão assim todo um processo que virá a acarretar o despertar da curiosidade individual pelo tema ministrado em sala de aula. 6. Avaliação: Os alunos serão avaliados de forma contínua, observando sua participação domínio e interação com base na temática, observaremos também a participação em grupo e o desempenho dos alunos durante a participação nos jogos lúdicos realizados tendo todo esse processo um ligado ao outro de forma que surja ai uma cadeia de ensino proveitosa para todos. 7. Referências: BOULOS JÚNIOR, Alfredo. História sociedade & cidadania. Edição reformulada, 6º ano. 2º Edição. São Paulo: FTD, 2012. Pag. 105-114. Data:
  • 13. PLANO DE AULA Data: 27 de agosto de 2015 PIBID-Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência. UEPB-Universidade Estadual da Paraíba. História2015 Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação. Turma:6º Ano Duração:Duas aulas/40 minutos Professor Supervisor: Raimundo Candido Teixeira Junior. Alunos Bolsistas: Biagio Ítalo Ribeiro Grisi Paiva. SívylaSauanny Araújo de Melo. Monyke do Nascimento Crispiniano. Jailson Cavalcante de Andrade. Liliane Silva Barbosa PLANO DE AULA 1. Tema: Hebreus. 2. Objetivo geral: Apresentar aos educandos características importantes da civilização Hebraica, como e onde surgiu quais suas características etc, visando também sempre abordar todo o legado que essa grande civilização nos deixou para a atualidade principalmente o de cunho religioso. 3. Objetivos específicos:  Destacar que a monarquia Hebraica surge aproximadamente por volta de 1.800 a.C nas proximidades de Ur na antiga mesopotâmia vivendo basicamente da atividade de pastoreio.  Possibilitar o conhecimento prévio por parte dos educandos que uma das maiores fontes para o estudo desse magnífico povo da antiga mesopotâmia é a primeira parte da Biblia chamada pelos povos judeus(descendentes dos povos Hebreus) de Torá tendo a mesma grande importância para a população judaica até nos dias atuais.  Destacar toda a trajetória de lutas da população hebraica, desde que foram escravizados pelos Egípcios ate a conquista da palestina, tendo toda uma sucessão de reis cujo primeiro foi Saul e Davi seu sucessor, mas tendo Moises em primeiro plano como messias de Deus receptor dos dez mandamentos. 4. Metodologia: Os alunos estudaram pelo livro didático para conhecer toda a trajetória do povo hebreu desde seu surgimento na antiga mesopotâmia todo esse conhecimento supervisionado progressivamente pelo professor supervisor em sala de aula, após toda bateria de atividades nós alunos bolsistas entraremos em ação com diversas atividades referentes a parte do letramento, tecnologia e jogos lúdicos para fixar ainda mais o 5. Recursos didáticos pedagógicos: Para atingir os objetivos utilizaremos o livro didático ‘História sociedade & cidadania. Edição reformulada’ de História e trabalharemos o capitulo IX, tendo também a utilização do quadro negro, texto introdutório apresentação de slides, jogos lúdicos e inúmeras outras atividades que possam reforçar tudo o que foi ministrado durante o tempo em que o assunto foi abordado. 6. Avaliação: Os alunos serão avaliados de forma contínua, observando sua participação domínio e interação com base na temática, observaremos também a participação em grupo e o desempenho dos alunos durante a participação nos jogos lúdicos realizados tendo todo esse processo um ligado ao outro de forma que surja ai uma cadeia de ensino proveitosa para todos tanto para professor quanto aluno. 7. Referências: BOULOS JÚNIOR, Alfredo. História sociedade & cidadania. Edição reformulada, 6º ano. 2º Edição. São Paulo: FTD, 2012. Pag. 160-169
  • 14. PLANO DE AULA Data: 15 de setembro de 2015 PIBID-Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência. UEPB-Universidade Estadual da Paraíba. História2015 Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação. Turma:6º Ano Duração:Duas aulas/40 minutos Professor Supervisor: Raimundo Candido Teixeira Junior. Alunos Bolsistas: Biagio Ítalo Ribeiro Grisi Paiva. Sívyla Sauanny Araújo de Melo. Monyke do Nascimento Crispiniano. Jailson Cavalcante de Andrade. Liliane Silva Barbosa. PLANO DE AULA 1. Tema: Povos Fenícios. 2. Objetivo geral: Apresentar aos educandos as principais características dos povos fenícios possibilitando que os mesmos possam absorver todas as informações principais como onde surgiu, em que continente eles viviam na atualidade e todo o desenrolar do surgimento e termino dessa civilização, não deixando também de apresentar quais eram suas principais atividades de comercio. 3. Objetivos específicos:  Destacar que inicialmente os fenícios viviam em uma estreita faixa de terra situada entre as montanhas do atual Líbano e o mar mediterrâneo, característica geográfica que os impediu naturalmente de se expandir geograficamente.  Possibilitar que os educandos saibam que devido a carência de terras férteis os povos Fenícios se dedicaram principalmente ao comercio marítimo e á navegação, tendo como principais objetos de comercio aquilo que produziam como o azeite, cereais, toras de cedro, tecidos e algodão, e também produtos de outros povos como o papiro comprado dos egípcios e vendido aos gregos.  Destacar que os povos Fenícios eram bons artesãos confeccionando perfumes, tecidos entre outros produtos, tendo como organização política cidades independentes cada qual com seu próprio governo, e ainda mais mostrar a invenção do alfabeto por parte deles que surge para suprir as necessidades que todo o complexo sistema de comercio introduzido por eles precisava principal legado Fenício para a atualidade.  4. Metodologia: 5. Recursos didáticos pedagógicos: Para atingir os objetivos utilizaremos o livro didático ‘História sociedade & cidadania. Edição reformulada’ de História e trabalharemos o capitulo IX, tendo também a utilização do quadro negro, texto introdutório apresentação de slides, e jogos lúdicos. 6. Avaliação: Os alunos serão avaliados de forma contínua, observando sua participação domínio e interação com base na temática, observaremos também a participação em grupo e o desempenho dos mesmos durante a realização dos jogos lúdicos, tendo todo esse processo como gerador de uma cadeia de ensino proveitosa. 7. Referências: BOULOS JÚNIOR, Alfredo. História sociedade & cidadania. Edição reformulada, 6º ano. 2º Edição. São Paulo: FTD, 2012. Pag. 170-173.
  • 15. PLANO DE AULA PIBID-Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência. UEPB-Universidade Estadual da Paraíba. História2015 Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação. Turma:6º Ano Duração:Duas aulas/40 minutos Professor Supervisor: Raimundo Candido Teixeira Junior. Alunos Bolsistas: Biagio Ítalo Ribeiro Grisi Paiva. SívylaSauanny Araújo de Melo. Monyke do Nascimento Crispiniano. Jailson Cavalcante de Andrade. Liliane Silva Barbosa PLANO DE AULA 1. Tema: Persas. 2. Objetivo geral: Possibilitar que os educandos conheçam o império persa e suas principais características visando possibilitar que os mesmos compreendam todos os fatores que possibilitaram que o império se expandisse tanto ao longo dos países conquistados. 3. Objetivos específicos:  Destacar que inicialmente o império persa situava-se no planalto do Irã, e que a civilização surge com a vitoria dos povos persas sobre os povos medos com a liderança de Ciro.  Explicar a divisão e organização territorial criada por Dario I quando o império se tornou grande demais apresentare-mos aos alunos sua divisão territorial.  4. Metodologia: Os alunos estudarão pelo livro didático com o professor supervisor, cujo mesmo irá fazer suas avaliações para cumprimento de tarefas e logo após nós bolsistas utilizaremos diversos recursos como textos introdutórios, slides, jogos lúdicos e o próprio quadro nego como recurso auxiliador, a sala na maioria das vezes será dividida em grupos para a participação nas atividades visando assim o companheirismo e a participação de todos nas atividades requeridas. 5. Recursos didáticos pedagógicos: Para atingir os objetivos utilizaremos o livro didático ‘História sociedade & cidadania. Edição reformulada’ de História e trabalharemos o capitulo IX, tendo também a utilização do quadro negro, texto introdutório apresentação de slides, e jogos lúdicos para a melhor fixação do tema pelos alunos. 6. Avaliação: Os alunos serão avaliados de forma contínua, observando sua participação domínio e interação com base na temática, observaremos também a participação em grupo e o desempenho dos mesmos durante a realização dos jogos lúdicos. 7. Referências: BOULOS JÚNIOR, Alfredo. História sociedade & cidadania. Edição reformulada, 6º ano. 2º Edição. São Paulo: FTD, 2012. Pag. 174-176. Data:15 de Setembro
  • 16. PLANO DE AULA PIBID-Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência. UEPB-Universidade Estadual da Paraíba. História 2015 Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação. Turma: 6º Ano Duração: Duas aulas/40 minutos Professor Supervisor: Raimundo Candido Teixeira Junior. Alunos Bolsistas: Biagio ítalo Ribeiro Grisi Paiva PLANO DE AULA 1. Tema: Histórias de vida: Um homem chamado Jesus 2. Objetivo geral: Apresentar a vida de um homem que buscou ensinar bons costumes, o amor e um bom caráter. 3. Objetivos específicos:  Esclarecer que apesar da figura religiosa ele existiu e impactou com seus ensinamentos. 4. Metodologia: Ler com os alunos a um texto falando sobre sua história de vida e como ele buscou passar seu conhecimento, após a leitura os alunos escreveriam/desenhariam sobre como seria sua trajetória onde vivia. 5.Recursos didáticos: Texto introdutório, quadro e atividade de letramento. 6. Avaliação: Os alunos serão avaliados de forma contínua, observando sua participação e interação na atividade de Produção Escrita - Representações sobre o pensador Jesus Cristo. DATA: 1º de Outubro
  • 17. PLANO DE AULA PIBID-Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência. UEPB-Universidade Estadual da Paraíba. História 2015 Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação. Turma: 6º Ano Duração: Duas aulas/40 minutos Professor Supervisor: Raimundo Candido Teixeira Junior. Alunos Bolsistas: Liliane Silva Barbosa. PLANO DE AULA 1. Tema: "Histórias de vida: Anne Frank" 2. Objetivo geral: Apresentar o Holocausto -O assassinato de milhões de judeus nos campos de extermínio criados pelos nazistas pela perspectiva de uma adolescente ,que o testemunhou e foi vitimada por ele. 3. Objetivos específicos: · Esclarecer que a história não é um processo mecânico, regido exclusivamente por causas políticas e econômicas. · Ler com os alunos a biografia de Anne Frank , com o objetivo deles conhecerem a história da mesma e a importância do seu diário até os dias de hoje. 4. Metodologia: Ler com os alunos a biografia de Anne Frank ,com o objetivo deles conhecerem a história da mesma e a importância do seu diário até os dias de hoje. 5. Recursos didáticos pedagógicos: Texto introdutório, apresentar imagens de Anne Frank ,contribuindo para aumentar a empatia entre os alunos e a autora do diário, slides e atividade de letramento. 6. Avaliação: Os alunos serão avaliados de forma contínua, observando sua participação e interação na atividade de Letramento - Complete a História com Temática "Anne Frank". DATA: 8 de Outubro
  • 18. PLANO DE AULA UEPB-Universidade Estadual da Paraíba. História2015 Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação. Turma:6º Ano Duração:Duas aulas/40 minutos Professor Supervisor: Raimundo Candido Teixeira Junior. Alunos Bolsistas: Biagio Ítalo Ribeiro Grisi Paiva. Sívyla Sauanny Araújo de Melo. Monyke do Nascimento Crispiniano. Jailson Cavalcante de Andrade. Liliane Barbosa da Silva. PLANO DE AULA 1. Tema: "Histórias de vida, Albert Einstein." 2. Objetivo geral: Apresentar aos educandos as principais características que levou esse famoso físico alemão a tamanha importância no avanço das tecnologias e teorias de seu século, possibilitando que os mesmos passem a conhecer sua carreira cientifica e sua trajetória de vida. 3. Objetivos específicos: · Destacar a importância de suas teorias para o avanço das tecnologias em sua época. · Possibilitar que os educandos conheçam uma parte de sua trajetória cientifica e também um pouco de sua vida. · Destacar suas principais formulas e teorias que o levaram então a receber o premio Nobel de 1921 e que o tornaram mundialmente famoso, sendo considerado como um dos maiores cientistas de todos os tempos. · 4. Metodologia: Os alunos inicialmente receberam um texto que visa a apresentar o personagem aos mesmos, a partir da leitura do mesmo destacaremos suas principais conquistas e teorias levantando então em sala de aula o inicio do debate sobre a vida e conquistas do pensador durante sua carreira acadêmica, finalizando então com mostra de slides e um jogo didático com questionamentos levantados a partir do conteúdo apresentado. 5. Recursos didáticos pedagógicos: Para atingir os objetivos utilizaremos texto introdutório apresentação de slides, e jogos lúdicos e discussões em sala de aula. 6. Avaliação: Os alunos serão avaliados a partir da observação e sua participação com base na temática, observaremos também a participação em grupo e o desempenho dos mesmos durante a realização das atividades. 7. Referências: Einstein, Albert, 1879-1955. Como vejo o mundo / Albert Einstein; tradução de H. P. de Andrade. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1981. DATA: 5 de Novembro
  • 19. PLANO DE AULA “ PIBID-Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência. UEPB-Universidade Estadual da Paraíba. História2015 Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação. Turma:6º Ano Duração:Duas aulas/40 minutos Professor Supervisor: Raimundo Candido Teixeira Junior. Alunos Bolsistas: Biagio Ítalo Ribeiro Grisi Paiva. Sívyla Sauanny Araújo de Melo. Monyke do Nascimento Crispiniano. Jailson Cavalcante de Andrade. Liliane Barbosa da Silva. PLANO DE AULA 1. Tema: "Histórias de Vida, Lúcio Ênio Sêneca". 2. Objetivo geral: Apresentar aos educandos as principais características da vida e obra desse filósofo estoico latino. A sua vida exemplar dentro do campo político, e sua contribuição para a filosofia. Mostramos o quanto Sêneca aprofundou, aprimorou e inovou aspectos da filosofia estoica. 3. Objetivos específicos: • Destacar os aspectos da sua contribuição no campo filosófico. E seu aprofundamento dos conceitos tradicionais do estoicismo, a inserção da ideia de fraternidade universal; • A sua descoberta, ainda não pensada pela filosofia grega, da vontade como uma faculdade distinta do conhecimento, da razão. • A sua importância da sua participação na política romana durante o governo de Nero. 4. Metodologia: Os alunos inicialmente receberam um texto que visa a apresentar o personagem, a partir da leitura destacaremos sua vida exemplar como político e sua importância para a filosofia latina, levantando então em sala de aula o inicio do debate sobre a vida e conquistas do filósofo estoico, finalizando então com mostra de slides. 5. Recursos didáticos pedagógicos: Para atingir os objetivos utilizaremos texto introdutório, apresentação de slides, e discussões em sala de aula. 6. Avaliação: Os alunos serão avaliados a partir da observação e sua participação com base na temática, observaremos também a participação em grupo e o desempenho durante as discussões levantadas a partir da leitura do texto introdutório. 7. Referências: FERACINE, Luiz. Coleção pensamento e vida: Sêneca: o filósofo estoico preceptor e assessor de Nero. São Paulo: Editora Escala, 2011. DATA: 24 Novembro
  • 20. PLANO DE AULA “ Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência. UEPB-Universidade Estadual da Paraíba. Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação. Turma: 6º Ano F. Duração: Uma aula/40 minutos. Professor Supervisor: Raimundo Candido Teixeira Junior. Alunos Bolsistas: Biaggio Ítalo Ribeiro Grisi Paiva; Sívyla Sauanny Araújo de Melo; Monyke do Nascimento Crispiniano. Jailson Cavalcante de Andrade; Liliane Barbosa da Silva. Plano de Aula. Tema: "Histórias de Vida, Patrícia Rehder Galvão." Objetivo Geral: Compreender os motivos que acarretaram Patrícia Rehder Galvão a torna-se lembrada como uma mulher que fazia suas próprias escolhas. Discutindo assim, sua história de vida e algumas de suas produções, tais como seus desenhos e poema que lhe foi concebido. Objetivos específicos: -Analisar a construção e desconstrução da imagem da mulher, discutindo uma imagem da mulher perante a sociedade que questionava o que lhe era submetido. - Promover a discussão sobre a posição que a mulher ocupa atualmente e ocupou na época de ‘Pagu’. -Enfocar a presença de mulheres no meio das artes e do teatro. DATA: 24 de Novembro Metodologia: De início faremos a leitura do texto introdutório e posteriormente a apresentação e discussão do slide. Por fim, abriremos um debate para esclarecimentos dos possíveis questionamentos providos pela turma. Recursos didáticos pedagógicos: A aula será direcionada com auxílio de slide, texto introdutório e produção de poemas. Avaliação: Os alunos serão avaliados mediante participação na leitura do texto introdutório, assim como a produção dos poemas onde contém a mulher como temática. Sites consultados: <http://historiacontemporanea-mlopomo.blogspot.com.br/2011/03/patricia-galvao- pagu.html> Acesso em 24 de Novembro de 2015. < http://www.revistadehistoria.com.br/secao/retrato/rebelde-e-engajada> Acesso em 24 de Novembro de 2015. <http://www.saraivaconteudo.com.br/Entrevistas/Post/10408>Acesso em 24 de Novembro de 2015. <http://www.pliniomarcos.com/dados/origens.htm> Acesso em 29 de Novembro de 2015.
  • 21. PLANO DE AULA PIBID-Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência. UEPB-Universidade Estadual da Paraíba. História2015 Escola Estadual de Ensino Fundamental de Aplicação. Turma:6º Ano Duração:Duas aulas/40 minutos Professor Supervisor: Raimundo Candido Teixeira Junior. Alunos Bolsistas: Biagio Ítalo Ribeiro Grisi Paiva. SívylaSauanny Araújo de Melo. Monyke do Nascimento Crispiniano. Jailson Cavalcante de Andrade. Liliane Barbosa da Silva PLANO DE AULA 1. Tema: O mundo grego e a democracia. 2. Objetivo geral: Possibilitar que os educandos conheçam o mundo Grego berço da democracia e de uma enorme cultura mitológica, suas cidades e toda sua trajetória política, visando também mostrar aos mesmos não só toda sua cultura existente na época como as diferenças políticas entre Atenas e Esparta, alem de suas características Geográficas. 3. Objetivos específicos:  Apresentar aos alunos que a civilização Grega surge com a junção de quatro povos distintos que eram os povos Aqueus, Jônios, Eólios e Dórios.  Distinguir as diferenças das decisões políticas entre Atenas e Esparta onde as características de ambas eram coisas bem distintas e serias ao se falar em politica, pois em Atenas as decisões eram tomadas pela maioria e em Esparta ocorria o oposto.  Explicar o processo de escravidão por dividas e as características governamentais de cada cidade.  4. Metodologia: Os alunos estudarão pelo livro didático com o professor em sala de aula e logo após, todas as tarefas cumpridas nós bolsistas entraremos com diversos outros recursos desde textos, atividades didáticas pedagógicas, jogos lúdicos e diversas outras atividades diferenciadas e de forma continua. 5. Recursos didáticos pedagógicos: Para atingir os objetivos utilizaremos o livro didático ‘História sociedade & cidadania. Edição reformulada’ de História e trabalharemos o capitulo XI, tendo também a utilização do quadro negro, texto introdutório apresentação de slides, e jogos lúdicos para a melhor fixação do tema pelos alunos. 6. Avaliação: Os alunos serão avaliados de forma contínua, observando sua participação domínio e interação com base na temática, observaremos também a participação em grupo e o desempenho dos mesmos durante a realização dos jogos lúdicos. 7. Referências: BOULOS JÚNIOR, Alfredo. História sociedade & cidadania. Edição reformulada, 6º ano. 2º Edição. São Paulo: FTD, 2012. Pag. 202-213. Data:27 de Outubro
  • 22. TEXTO INTRODUTÓRIO DATA: 26 de março de 2015 BEBENDO DAS FONTES Ao entrar na sala de aula sabendo que a próxima aula é de História muitos alunos falam que a disciplina é chata por só falar do passado, de velharias. Outros falam que é inútil saber do passado e que o importante é o futuro, mas será que a História realmente é só isso? Poucos sabem, mas a História também estuda as permanências que seriam aquilo que mesmo com o passar do tempo, pouco mudou, podendo ser construções, comportamentos e até brincadeiras (como a amarelinha, que se brinca até hoje). Estudamos História na sala de aula por livros, mas você sabe o trabalho que o historiador teve para obter tantas informações? O historiador é aquele que investiga fontes históricas para poder assim escrever a história. O que seriam essas fontes históricas? As fontes históricas tratam exatamente dos vestígios deixados pela humanidade na sua trajetória, podendo ser ela escrita (ex.: um jornal antigo, um pergaminho), visuais (ex.: uma foto antiga), orais (ex.: uma música) e material (ex.: uma escultura). Para construir a História, o historiador precisa do suporte de profissionais de outras áreas, como o geógrafo, arqueólogo, economista. Com a ajuda desses outros profissionais o historiador pode fazer um apanhado mais completo de informações. Se você se pergunta: Mas se só estudamos a história de grandes personagens, apenas eles são importantes para História? Infelizmente no ensino fundamental e médio brasileiro hoje em dia foca-se mais os grandes personagens, mas, vale dizer que todos nós somos sujeitos da História, sem exceção, pois todos nós escrevemos nossa história no decorrer da nossa vida. Referências: BOULOS JÚNIOR, Alfredo. História sociedade & cidadania. Edição reformulada, 6º ano. 2º Edição. São Paulo: FTD, 2012. Pag. 10 - 25.
  • 23. TEXTO INTRODUTÓRIO DATA: 07 de Maio de 2015 AS CULTURAS ATRAVÉS DOS TEMPOS O que é cultura? Aula passada, nós aprendemos um pouco através do jogo da caixa, alguns exemplos de cultura. Vocês ainda lembram? Cada povo tem sua cultura, seu jeito de se vestir, se alimentar, de construir moradias, de fazer festa, de agir e de pensar. Nossa, já pensou se todos fossemos iguais, se todos tivéssemos os mesmos costumes? Como é que nós iríamos encontrar o ‘‘diferente’’? Cabe a nós pensarmos que cada cultura tem seu próprio valor e não há cultura superior à outra. Cada cultura criou seus calendários, contando o ano e o tempo a partir do seu ponto de vista. Mas, como compreender o tempo? Já parou pra pensar que quando temos um bichinho de estimação, o quanto ele cresce rapidamente e o quanto sofremos quando ele morre? Já parou pra pensar que quando estamos em redes sociais ou viajamos, o quanto o tempo passa rapidamente? Vamos refletir um pouco, se chegarmos para os nossos pais ou avôs, eles terão a mesma opinião sobre o tempo? Ou somos nós, que compreendemos dessa maneira? Dependendo do momento na qual estamos passando, as horas podem ‘‘voar’’ ou passar lentamente, imaginem a cena: estamos naquela aula na qual é sobre uma disciplina que não gostamos muito, percebem o quanto o tempo passa devagar? Agora, imaginem aquela disciplina que gostamos, percebem o quanto passa rápido o tempo? Estamos lidando com o tempo a todo momento, um exemplo disso? quando nós acordamos mesmo que cansados com o nosso despertador. Isso é o que chamamos de tempo cronológico, aquele que é controlado por relógio e horários. Ao longo do tempo, os seres humanos dominaram técnicas, inventaram ferramentas, agricultura, música, pintura, fazendo assim a História. Esse é o tempo que denominamos como tempo histórico, a cada dia surgem novas invenções, novas ideias. Porém, vamos pensar agora: E quanto a História, como ficaria a divisão de tempo? Se seguirmos a divisão tradicional da História, teremos: Pré-História, Idade Antiga; Idade Média; Idade Moderna; Idade Contemporânea. No entanto, ainda vivenciamos permanências de cada idade da História.
  • 24. TEXTO INTRODUTÓRIO DATA: 19 de Maio de 2015 "Os Nossos Antepassados" Os antepassados do ser humano são chamados pelos cientistas de hominídeos. Por hominídeos, entendemos que são indivíduos com algumas características humanas. Dentre a concepção do livro didático, podemos citar: Homo Habilis; Homo Erectus; Homo sapiens neanderthalensis e o Homo Sapiens Sapiens. Mas para sabermos dessas características, faz- se necessário entender um pouco do que são fósseis. O que são fósseis? Fósseis são vestígios ou restos petrificados de seres vivos, tanto animais como vegetais que viveram há muito tempo, como por exemplo: Um dente, um osso, um pedaço de crânio de um indivíduo que viveu há milhares de anos podem fornecer importantes informações sobre ele e seu grupo. Nós podemos dividir a pré-história em dois períodos: o Paleolítico e o Neolítico. O Paleolítico foi um período muito longo da história da humanidade, no qual os homens sobreviveram da caça, da pesca e da coleta vegetal, ficando conhecidos como caçadores e coletores. E como eram os homens nesse período? Eram nômades, ou seja, não tinham moradia fixa. Os homens começaram a produzir alguns objetos desejados, batendo pedras duras em pedras menos resistentes, chegando a produzir: lanças, machados, pedras, cortantes, arpões e agulhas. Através dessas ferramentas eles abatiam animais, coletavam frutos e raízes, pescavam e faziam roupas. No final do Paleolítico, descobriu como produzir o fogo, foi a partir do domínio do fogo que a vida dos seres humanos mudou muito. Pois tornou-se possível sobreviver em regiões geladas, a comida a carne tornou mais saborosa. Vocês já se imaginaram nossa sobrevivência se não tivéssemos o domínio do fogo? No período Neolítico, começou a polir a pedra, aumentando com isso a eficiência de suas ferramentas e armas. No início do Neolítico, houve uma maior ênfase para o desenvolvimento da agricultura, pois as temperaturas se elevaram e os animais acostumados com o clima frio desaparecem. A prática da agricultura revolucionou a vida humana, favorecendo uma série de mudanças, tais como: A sedentarização; A descoberta de novos instrumentos de trabalho; A invenção da cerâmica; O crescimento da população. Outro fator que não podemos esquecer, é a questão do domínio da metalurgia, ou seja, a técnica de trabalhar os metais, onde foi mais uma característica do período neolítico. Nas aldeias neolíticas, o trabalho era dividido de acordo com o sexo e a idade. As mulheres dedicavam-se à agricultura, ao preparo de alimentos e cuidavam dos filhos. O que vocês acham dessa divisão atualmente? Vocês acham que esses fatores, essa subdivisão do trabalho existe dessa mesma maneira? Referências: BOULOS JÚNIOR, Alfredo. História sociedade & cidadania. Edição reformulada, 6º ano. 2º Edição. São Paulo: FTD, 2012. Pag. 46 - 57.
  • 25. TEXTO INTRODUTÓRIOTexto Introdutório: A PEDRA DO INGÁ Quem não gosta de um mistério? Dessa forma, que tal conhecermos um dos mais misteriosos monumentos rupestres existentes no planeta? Esse monumento arqueológico, conhecido como A Pedra do Ingá, que está localizada no município de Ingá, Paraíba, é um dos mais significativos do mundo. É uma formação rochosa que cobre uma área de cerca de 250 m². No seu conjunto principal, um paredão vertical de 46 metros de comprimento por 3,8 metros de altura, e nas áreas vizinhas, possue inscrições com significados desconhecidos. Neste conjunto apresenta-se figuras diversas, que sugerem a representação de animais, frutas, humanos e o que os estudiosos acreditam ser constelações (grupo de estrelas em uma região delimitada do céu) chamada de Órion. Não se sabe como, por quem ou com que motivações foram feitas as inscrições nas pedras que compõem o conjunto rochoso. Têm sido apontadas diversas origens, e há muitos que defendem que a Pedra do Ingá tenha origem pelos povos fenícios. Já outros estudiosos, defende que os sinais do Ingá foram obra de engenharia extraterrestre. Para muitos, as insculturas ali gravadas se tratam de modelos característicos de inscrições que são atribuídas a Sumé, o civilizador dos índios tupis - figura lendária, que teria passado pela região que hoje reconhecemos como Brasil -, e ensinado-os muitas coisas, como o plantio e a utilização da mandioca. Sua imagem mítica é fortemente reconhecida pelos nativos, considerado como um grande feiticeiro branco e barbado que teria vindo através do mar. Além disso, Sumé seria também o responsável pela abertura de diversos caminhos pelo interior do Brasil até o Peru. Mas, até atualmente, não é possível afirmar exatamente quem foram os autores dos sinais e quais seriam as motivações do monumento ter sido produzido. Pesquisadores ligados à arqueologia, como Dennis Mota e Vanderley de Brito, acreditam que as inscrições teriam sido feitas por comunidades primitivas que habitavam a região. Teriam sido usados cinzéis de pedra para produzir os sinais na rocha, há cerca de 6000 anos. Entretanto, através de processos químicos, como o uso de um elemento chamado Carbono 14, que poderia detectar a idade das inscrições, prova-se ser inviável, pois o conjunto de rochas fica no leito do Rio Bacamarte, o qual, em tempos de enchentes, cobre todo o conjunto rupestre revolvendo a terra e atritando as camadas superficiais das REPRODUÇÃO DAS INSCRIÇÕES PRESENTES NA PEDRA DO INGÁ. Disponível em: <http://www.viafanzine.jor.br/002imag/03_13/ja_fonseca16.jpg> Acesso em 02 de Junho, 2015. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Novo Integralismo. Cidades e povos perdidos do Brasil. Disponível em: < http://novointegralismo.blogspot.com.br/2015/02/cidades-e-povos-perdidos-do- brasil.html> Acesso em 02 de Junho, 2015. O Nordeste. Pedra do Ingá, Paraíba. Disponível em: <http://www.onordeste.com/onordeste/enciclopediaNordeste/index.php?titulo=Pedra+d o+Ing%C3%A1,+Para%C3%ADba&ltr=P&id_perso=5171> Acesso em 02 de Junho, 2015. DATA: 02 de Junho de 2015
  • 26. TEXTO INTRODUTÓRIO "A Desconstrução da Imagem do Indígena" Qual a imagem de índio nós geramos? Nós pensamos em qual povo indígena? Qual o índio que queremos consumir? . Temos que parar com o discurso de passar o indígena como aquele sujeito, que anda pela mata nu e correndo, vivendo apenas da caça e da pesca, sem escolaridade, sem possuir um conhecimento no ramo da tecnologia e sem deter de informações que o mundo atual proporciona. Os indígenas possuem sim escolaridade, frequentam universidades, mas que mesmo que eles usufruem de todas essas características que a atualidade propõe, eles não deixam de ser indígenas, pois eles preservam sua cultura, ou seja, a cultura indígena faz parte da essência da pessoa. Para tanto, se nos identificamos como alguns elementos diferentes dessa cultura, também existe diferenças culturais entre eles mesmos. Como assim? Pois há existência de grupos étnicos, onde cada grupo tem uma maneira de vestir-se, falar, diferenciam-se de suas moradias, ressaltando a partir dai sua própria identidade. A identidade étnica domina a maioria dos outros estatutos e define as personalidades sociais que um indivíduo com aquela identidade pode assumir, implica uma série de restrições sobre os tipos de papéis que o sujeito pode desempenhar. Mas, o que é a educação indígena? Como ela ocorre? É algo que acontece na aldeia: são as práticas educativas do cotidiano, diferentemente da Educação escolar indígena, onde a mesma refere-se de como é trabalhada na escola a educação indígena. Para tanto, faz- se necessário evidenciar conquistas, tal como a formulação da lei 11.645/08, como também ressaltar pelo o que eles tanto lutam: o direito à terra. Concluímos que, os mesmos possuem os requisitos que todos nós possuímos, porém existe a questão da preservação da sua própria cultura. Para tanto, surge a seguinte indagação: Você acha correto de lembrarmo-nos da cultura indígena apenas em um dia onde é posto no nosso calendário? Ou existe no nosso cotidiano elementos que ressaltam a cultura indígena? Referências como base: OLIVEIRA. Maria do Socorro. O que não fazer no dia do índio. Gestão Escolar. s/d. BARTH, Fredrik. Grupos étnicos e suas fronteiras. In: POUTIGNAT, Philippe. Teorias da Etnicidade. São Paulo: Fundação Editora da UNESP, 1988. História sociedade & cidadania – Edição reformulada, 6 ano/ Alfredo Boulos Júnior. – 2. Ed. – São Paulo: FTD, 2012. Data: 11 de junho de 2015
  • 27. TEXTO INTRODUTÓRIO PERMANÊNCIAS Através das fontes históricas destacamos os templos, no qual conservavam documentos de caráter histórico. Onde estavam os nomes dos reis, o seu reinado e os principais acontecimentos que haviam ocorrido. Porém, pouco desses documentos chegaram até nós. Os egípcios deixaram escritos em hieróglifos, onde era uma escrita formada por desenhos e símbolos, ficaram gravados como sendo o registro dos faraós, as suas batalhas suas crenças e religiosidade. Porém, não temos diante mão todos os acontecimentos da História, fazendo assim que ocorra inúmeras lacunas. A vida do Faraó não era simples, sua obrigação era manter a ordem dos planetas, as cheias do Nilo, as leis da natureza, possuindo toda autoridade. Sendo representante para o povo como um deus, mas será se o Faraó controlava absolutamente tudo? Sem o apoio de ninguém? Não, o mesmo contava com o apoio de seus colaboradores (seus homens de confiança). Mas, agora nos perguntamos: O que sucinta bem sobre a religiosidade egípcia? Que costumes nós possuímos? O que acarreta do mundo egípcio no mundo da moda? Abordamos duas questões entre tantas outras como fator primordial, sendo: a beleza e a religiosidade. Primeiramente, a morte de Osíris é um dos mais importantes eventos da mitologia egípcia. O mito de Osíris ilustra bem a religiosidade dos egípcios, a ponto de terem-se decidido a erigir túmulos e templos em homenagem à morte e a vida no outro mundo. Percebemos que a religião teve papel importante, sendo na questão de justiça, de poder e no pós- morte. No entanto, ainda possuímos essa crença com o cuidado com o corpo, com o velório, ou seja, o culto aos mortos. Outro fator que as mulheres utilizam bastante e teve como ponto de origem no Egito, é maquiagem. A beleza, a moda ultrapassada perante os séculos. O uso dos cosméticos tanto pelos faraós, ao mais simples camponês assim como nas estátuas de seus deuses e deusas. Data:07 de maio de 2015
  • 28. TEXTO INTRODUTÓRIO DATA: 28 de agosto de 2015 Extermínio dos Judeus na 2ª Guerra Mundial: resultado da intolerância e da falta de respeito à cultura do outro No século XX, ocorreu duas grandes guerras mundiais. Chama-se de Guerras Mundiais, pois envolveram muitos países. Uma dessas, a chamada 2ª Guerra Mundial envolveu setenta e duas nações e foi travada em todos os continentes, de forma direta ou indiretamente. Os confrontos foram divididos entre duas grandes uniões militares: os Aliados, liderados por Estados Unidos, Inglaterra, França e União Soviética; e o Eixo, composto pela Itália, Alemanha e Japão. Considera-se que a principal causa que originou a Segunda Guerra Mundial (1935-1945) foi a ideia de Adolf Hitler, líder alemão, de expandir os domínios territoriais da Alemanha e ampliar, desta forma, a obtenção de poder e recursos materiais (principalmente matérias-primas). Ao final da Primeira Guerra Mundial, a Alemanha ficou arrasada, inclusive economicamente, pelas imposições dos países vencedores. Essas imposições afloraram um sentimento de revanchismo no país. Os males da Alemanha acarretados ao final do conflito, motivou a transferência de culpa ao povo Judeu. O motivo para perseguir os judeus começou a apoiar-se em explicações biológicas, porque, para Hitler, existiam três raças: as superiores, representadas pelos povos germânicos (dos quais os alemães eram descendentes), as “depositárias”, pelos povos eslavos, e as “destruidoras” ou inferiores, que tinham nos judeus, homossexuais, ciganos, negros, Testemunhas de Jeová, comunistas, sindicalistas, deficientes físicos, deficientes mentais, os modelos. Estes, segundo Hitler, deveriam ser eliminados da sociedade. Obcecado com o ideal de pureza racial, Hitler compreendeu a História como uma permanente luta entre as diferentes raças, na qual a raça superior devia utilizar todos os meios necessários para manter sua pureza. A essa visão histórica foi acrescentado o mito da “conspiração judaica mundial”, fortemente difundido em toda a Europa que, entre outras mentiras, divulgou a ideia do poder econômico do povo judeu e do seu monopólio dos meios de comunicação. Os judeus foram transformados nos culpados de todos os males pelos quais atravessava a Alemanha, fazendo com que sua eliminação se tornasse necessário para o Estado e para os cidadãos alemãs e criou muitas leis que restringiram a vida do povo judeu, como excluí-los da vida política, intelectual e cultural da Alemanha. Com ideal de expansão territorial de Hitler, outros países também começaram a perseguir judeus, como a Polônia. Essa “caça” ao povo do Deus Jeová, rendeu a violação dos Direitos Humanos. Os Judeus eram capturados e levados em trens para os campos de concentração. Muitos deles não conseguiam chegar com vida, pois morriam com doenças e fome, porque a viagem era muito longa, e as condições higiênicas não eram as melhores. Mas, afinal, o que eram os campos de concentração nesse período da História? Os campos de concentração eram utilizados como estratégia de domínio de grupos étnicos, os discordantes políticos e das diversas minorias indesejáveis ao Estado. Esses campos eram usados, por exemplo, como campos de trabalho forçado, como campos de extermínio construídos principalmente para assassinatos em massa. Desde a ascensão de Adolf Hitler ao poder, em 1933, foram construídos uma série de centros de detenção destinados à detenção e à eliminação dos chamados "inimigos do estado". Ficaram em operação durante toda a Segunda Guerra Mundial (1939 - 1945) e que não foram fechados até que as forças Aliadas venceram a guerra e acabaram com esses locais. Portanto, atualmente, sabe-se que milhões de seres humanos foram submetidos à violência, às humilhações, sofrimentos por causa do racismo, intolerância, do preconceito e discriminação. Suas cores, seus costumes, suas crenças, suas orientações sexuais, suas deficiências foram fatores que, infelizmente, foram levados em consideração para serem mortos. A explicação para atos cruéis contra a humanidade, praticados pelos nazistas, era dada baseadas nessas questões. Dessa forma, a intolerância, o desrespeito foram uma das atitudes que levaram a Segunda Guerra Mundial, ser um dos eventos mais horrendos e grotescos que a humanidade já vivenciou. Referências Bibliográficas Ehow. Como explicar o Holocausto para uma criança. Disponível em: <http://www.ehow.com.br/explicar-holocausto-crianca-como_144579/> Acesso em 26 de agosto, 2015. Info Escola. Campos de concentração nazistas. Disponível em: <http://www.infoescola.com/historia/campos-de-concentracao-nazistas/> Acesso em 28 de agosto, 2015. Lista 10. 10 filmes sobre o Holocausto. Disponível em: <http://listasde10.blogspot.com.br/2009/11/10- filmes-sobre-o-holocausto.html> Acesso em 26 de agosto, 2015. Slide Share. Perseguição aos Judeus. Disponível em: <http://pt.slideshare.net/turma9amarinhas/a- perseguio-aos-judeus> Acesso em 28 de agosto, 2015. Sua Pesquisa. Causas da Segunda Guerra Mundial. Disponível em: <http://www.suapesquisa.com/segundaguerra/causas.htm> Acesso em 26 de agosto, 2015. Wikipédia. Holocausto. Disponível em: <https://pt.wikipedia.org/wiki/Holocausto> Acesso em 26 de agosto, 2015.
  • 29. TEXTO INTRODUTÓRIO DATA: 15 de setembro de 2015 A civilização fenícia constitui de grande importância para o nosso aprendizado, principalmente por obterem destaque na agricultura, indústria, assim como navegação e comércio. Entre as confecções, podemos destacar os tecidos, os perfumes e artefatos de pedra, marfim, metal e cerâmica. Dentre dessas confecções, você identifica algo que faz parte do seu cotidiano? Vale salientar que as cidades fenícias eram independentes de si, então seria notório que elas disputavam pelas rotas de comércio. O povo fenício percebeu a necessidade de se lançar ao mar e desenvolver o comércio pelas cidades do Mediterrâneo, pois sua situação geográfica, impusera, a seus habitantes a condição de navegantes As atividades agrícolas e obtenção dos recursos florestais, na qual a última fornecia madeira para fabricação de navios e para a exportação. Já a indústria, onde sabemos que grande parte da população desempenhavam suas atividades nos diversos ramos da indústria, fabricando os tecidos, metais, vidros ou jóias. De antemão, surge a seguinte indagação: Se você fosse um comerciante fenício, em qual ramo você obteria mais desejo no meio de produção, com o intuito de unificar o seu comércio e sua cidade? Referências: o História sociedade & cidadania – Edição reformulada, 6 ano/ Alfredo Boulos Júnior. – 2. Ed. – São Paulo: FTD, 2012. p. 170-173. o História da antiguidade oriental/ Mário Curtis Giordani. 15. Ed. - Petrópolis, RJ: Vozes, 2012. Cap. V. O que vamos fabricar?
  • 30. TEXTO INTRODUTÓRIO Data:27 de Outubro Grécia “ O berço dos costumes” Qual a primeira coisa que lhe vem na mente quando você ouve o termo Grécia Antiga? Pergunta difícil certo, pois a Grécia foi palco principal de muitos eventos importantes que ganharam um lugarzinho especial na história como por exemplo os Gladiadores, os coliseus, a enorme quantidade de filósofos que surgem lá, toda a sociedade da época era bem dividida e organizada fator de tremenda importância para estudo na atualidade. Outro fator importante na Grécia era a educação, pois, mesmo com a divisão do país em cidades estados comandadas cada uma por um governante ou rei, toda a população praticava as mesmas ideologias falavam as mesmas línguas e possuíam os mesmos costumes, em meio a sociedade as crianças desde cedo eram ensinadas a questionarem os mistérios do mundo e não só elas mas todas as classes sociais daquela época eram apreciadoras do saber e da beleza das artes e da cultura. A arte para os gregos era como uma forma de agradar os deuses e cultuar seus ancestrais muitas vezes isso realizado a partir da literatura e representação em teatro das histórias de seus grandes heróis divinos e semi- divinos, o que gerava assim a propagação de cultura de forma que divertiam e ao mesmo tempo educavam o povo, tendo as esculturas e templos como forma de agradar os deuses e imortalizar os semideuses acreditando assim que um belo corpo era a representação de uma bela alma. E a religião Grega talvez seja o mais forte ponto social daquela época tendo vários deuses como Zeus rei dos Deuses, Atenas deusa do amor, Apolo Deus do sol, Poseidom deus do mar, Apolo do sol entre outros, isso significa que cada religiosidade apresentava uma função especifica semelhante a outras sociedades antigas. Na função econômica cada cidade-estado grega possuía autonomia econômica no caso eram independentes umas das outras e ao mesmo tempo possuíam um sistema de serviços e produtos que gerava o comercio na região e com o aumento dessa rede de comércios surge então o desenvolvimento marítimo e o uso de moedas.
  • 31. TEXTO INTRODUTÓRIO Data:27 de Outubro Grécia “ O berço dos costumes” Qual a primeira coisa que lhe vem na mente quando você ouve o termo Grécia Antiga? Pergunta difícil certo, pois a Grécia foi palco principal de muitos eventos importantes que ganharam um lugarzinho especial na história como por exemplo os Gladiadores, os coliseus, a enorme quantidade de filósofos que surgem lá, toda a sociedade da época era bem dividida e organizada fator de tremenda importância para estudo na atualidade. Outro fator importante na Grécia era a educação, pois, mesmo com a divisão do país em cidades estados comandadas cada uma por um governante ou rei, toda a população praticava as mesmas ideologias falavam as mesmas línguas e possuíam os mesmos costumes, em meio a sociedade as crianças desde cedo eram ensinadas a questionarem os mistérios do mundo e não só elas mas todas as classes sociais daquela época eram apreciadoras do saber e da beleza das artes e da cultura. A arte para os gregos era como uma forma de agradar os deuses e cultuar seus ancestrais muitas vezes isso realizado a partir da literatura e representação em teatro das histórias de seus grandes heróis divinos e semi- divinos, o que gerava assim a propagação de cultura de forma que divertiam e ao mesmo tempo educavam o povo, tendo as esculturas e templos como forma de agradar os deuses e imortalizar os semideuses acreditando assim que um belo corpo era a representação de uma bela alma. E a religião Grega talvez seja o mais forte ponto social daquela época tendo vários deuses como Zeus rei dos Deuses, Atenas deusa do amor, Apolo Deus do sol, Poseidom deus do mar, Apolo do sol entre outros, isso significa que cada religiosidade apresentava uma função especifica semelhante a outras sociedades antigas. Na função econômica cada cidade-estado grega possuía autonomia econômica no caso eram independentes umas das outras e ao mesmo tempo possuíam um sistema de serviços e produtos que gerava o comercio na região e com o aumento dessa rede de comércios surge então o desenvolvimento marítimo e o uso de moedas.
  • 32. TEXTO INTRODUTÓRIO Texto introdutório História de vida: Anne Frank Annelies Marie Frank , ou simplesmente Anne Frank , nasceu na Alemanha em 1929, de descendência judia,vivia com sua família ;Era uma menina como as outras ,brincava e ia a escola ,gostava de ler e escrever já que biblioteca era algo que fazia parte da família Frank ,Anne tinha uma irmã mais velha chamada Margot ,Edith sua mãe e Otto seu pai a quem Anne possuía um grande apreço. Com a ascensão dos nazistas em 1938 ,começaram a ocorrer manifestações antissemitas ,fazendo a família de Anne temer o que poderia lhes acontecer , a partir de então muitas coisas mudaram , perseguições aos judeus e á todos aqueles que não se "enquadrassem" aos ideais alemães liberados por Adolf Hitler . Sabendo que a vida para os de origem judia ia ficando cada vez mais difícil ,o senhor Frank ,decidiu esconder-se juntamente com sua esposa e filhas e convidando mais uma família também de descendência judia, com o objetivo de prevenir o pior , as duas famílias esconderam-se no escritório do pai de Anne , chamado por Anne de "anexo secreto", passaram muitas dificuldades , e o diário de Anne Frank foi o único instrumento de liberdade , onde Anne relatava dia após dia sua rotina no anexo . Próximo do final da guerra , o grupo foi traído misteriosamente e transportados para campos de concentração .Anne e sua irmã ,Margot Frank ,foram levadas até o campo de Bergen-Belsen , onde morreram ,provavelmente , de tifo epidêmico ,em fevereiro ou março de 1947. Otto Frank foi o único sobrevivente da família ,ele ajudou na publicação do diário de Anne Frank ,diário esse que tornou-se fonte importante até os dias de hoje ,como forma de conhecimento e compreensão de um passado trágico e interessante .Anne tornou-se uma das figuras mais discutíveis do século xx após a publicação do diário de Anne Frank em 1947. Referência: bibliografia :Frank,Anne,1929-1945 O diário de Anne Frank :edição integral/Anne Frank ;tradução de Ivanir Alves Calado .-4 edição -Rio de Janeiro :BestBolso,2008. Texto escrito por Liliane Barbosa. DATA: 08 de outubro de 2015
  • 33. TEXTO INTRODUTÓRIO::"Albert Einstein: Um Físico Entusiasta" "Albert Einstein: Um Físico Entusiasta" Albert Einstein (1879-1955) foi um dos pais da ciência moderna, além de um entusiasta dos direitos humanos. De família judaica, nasceu na Alemanha, mas deixou o país aos 17 anos por não concordar com a linha militarista do governo. Viveu e estudou na Suíça, voltou á Alemanha e se mudou para os Estados Unidos quando Adolf Hitler (1889-1945) chegou ao poder, em 1933. Ao longo da vida, defendeu a utilização da ciência para fins pacíficos e o controle mundial sobre o uso da energia atômica. Suas principais descobertas foram: - Relatividade restrita: O cientista constatou que as medições do tempo e da distância dependem do movimento relativo dos observadores. Na época, a teoria não teve aplicação prática, mas hoje é fundamental para satélites, GPS e outras tecnologias. -Relatividade geral: A descoberta ocupou o lugar da teoria da gravidade, de Isaac Newton (91643-1727), vigente durante 250 anos. Na teoria de Einstein, a força da gravidade é interpretada como um efeito da curvatura do espaço-tempo. -Efeito fotoelétrico: Einstein constatou que a luz não era uma onda contínua, como se pensava , mas pequenos conjuntos de fótons que estimularam certos metais a liberar elétrons, gerando energia. O princípio foi usado como base para as tecnologias modernas. -Fissão nuclear: A fórmula mais famosa da física é fruto de uma das teorias do cientista, em que ele propõe uma relação entre massa e energia. O princípio pode ser usado tanto para gerar energia quanto para ser criar bombas atômicas. Podemos concluir que Einstein foi um grande cientista, onde desenvolveu suas ciências, que nos servem até os dias de hoje, Einstein é considerado uma das figuras mais marcantes e de enorme importância do século xx. REFERÊNCIAS: SITE: revistaescola.abril.com.br /fundamental-2/ quem- foi -Albert-Einstein-ele-descobriu-694086.shtml DATA:05 de novembro de 2015
  • 34. TEXTO INTRODUTÓRIO::"Albert Einstein: Um Físico Entusiasta" "Albert Einstein: Um Físico Entusiasta" Albert Einstein (1879-1955) foi um dos pais da ciência moderna, além de um entusiasta dos direitos humanos. De família judaica, nasceu na Alemanha, mas deixou o país aos 17 anos por não concordar com a linha militarista do governo. Viveu e estudou na Suíça, voltou á Alemanha e se mudou para os Estados Unidos quando Adolf Hitler (1889-1945) chegou ao poder, em 1933. Ao longo da vida, defendeu a utilização da ciência para fins pacíficos e o controle mundial sobre o uso da energia atômica. Suas principais descobertas foram: - Relatividade restrita: O cientista constatou que as medições do tempo e da distância dependem do movimento relativo dos observadores. Na época, a teoria não teve aplicação prática, mas hoje é fundamental para satélites, GPS e outras tecnologias. -Relatividade geral: A descoberta ocupou o lugar da teoria da gravidade, de Isaac Newton (91643-1727), vigente durante 250 anos. Na teoria de Einstein, a força da gravidade é interpretada como um efeito da curvatura do espaço-tempo. -Efeito fotoelétrico: Einstein constatou que a luz não era uma onda contínua, como se pensava , mas pequenos conjuntos de fótons que estimularam certos metais a liberar elétrons, gerando energia. O princípio foi usado como base para as tecnologias modernas. -Fissão nuclear: A fórmula mais famosa da física é fruto de uma das teorias do cientista, em que ele propõe uma relação entre massa e energia. O princípio pode ser usado tanto para gerar energia quanto para ser criar bombas atômicas. Podemos concluir que Einstein foi um grande cientista, onde desenvolveu suas ciências, que nos servem até os dias de hoje, Einstein é considerado uma das figuras mais marcantes e de enorme importância do século xx. REFERÊNCIAS: SITE: revistaescola.abril.com.br /fundamental-2/ quem- foi -Albert-Einstein-ele-descobriu-694086.shtml DATA:05 de novembro de 2015
  • 35. TEXTO INTRODUTÓRIO::"Albert Einstein: Um Físico Entusiasta" DATA:12 de novembro de 2015 "O Pequeno Príncipe": proporcionando o reencontro com a criança adormecida O Livro, O Pequeno Príncipe, escrito e ilustrado pelo autor francês Antoine de Saint-Exupéry, faz qualquer um que já passou pela infância reencontrar a criança interior. Sim! Pois, assim como diz Jéssica Viera, jornalista, criadora do site "Deixe-me contar", "Adultos são apenas crianças que aumentaram de tamanho." Aquele que ler esse livro, acorda a criança, muitas vezes, adormecida dentro de si. Esta obra, proporciona-nos o reencontro com os sonhos infantis, com a sensibilidade, a imaginação e simplicidade, que o período infantil nos oferece. Não é uma mera história para crianças. Contudo, para qualquer ser humano, seja qual idade possua, que deseja ir de encontro com valores humanos - atualmente esfacelados na sociedade: o amor, amizade e o companheirismo. Complicamos demais momentos, que poderiam ser encarados de maneira simplória, ocupamo-nos com coisas tão supérfluas, quando na verdade, a vida poderia ser encarada de uma maneira tão simples e delicada. Assim como fazem as crianças. Para estas, não importa se você usa uma roupa típica, ou uma casaca... Afinal, "o essencial é invisível aos olhos". Como Saint-Exupéry falou, o essencial não é visível, não é palpável, nem concreto. Nós conseguimos senti-lo! Toca nossa alma! Comparada a essa reflexão, a obra literária aqui apresentada, traz-nos outras tão intensas e bonitas quanto! Faz-nos perceber e reacender sentimentos, muitas vezes, esquecidos neste cotidiano tão insano, agitado, que é capaz de nos reduzir a um trabalho, a um mundo virtual, e a esquecermos do que realmente importa: está com quem se ama! Viver experiências, que, em alguns momentos, classificamos como "ninharias", bobas, ou sem importância. Repleto de simbolismo e metáforas, a história revela a memória de um pequeno personagem, O Pequeno Príncipe, que veio de outro planeta, o B612. Planeta tão pequeno! Mas, após passear por diversos planetas e encontrar personagens, cujas as atitudes e falas nos permite meditar, vai parar no deserto do Saara - aqui no planeta Terra! E encontra, o narrador da história (o qual é o próprio autor). A partir desse encontro, conseguimos ter contato com figuras como o rei - acreditava que todos eram seus súditos, porém, não havia ninguém por perto, para exercer sua autoridade - o contador, este dizia-se muito sério, todavia, não tinha tempo nem mesmo para sonhar; o geógrafo, personalidade que se dizia sábio, entretanto, não conhecia nada da geografia do próprio país; o bêbado, que bebia para esquecer a vergonha que sentia por beber; e seres inanimados, os quais o autor deu-lhes vida: a raposa, esta sábia, a rosa, orgulhoso ser vivente habitante do planeta do principezinho, que arruinou a tranqüilidade levou-o a uma longa viagem, finalmente, chegando até à África, onde encontrou a raposa, possibilitando ao Pequeno compreender o que realmente é imprescindível à vida; e a serpente, auxiliadora de sua volta para casa. Referênias Bibliográficas: Bruno R. Pádua, Resenha Critica do livro “O Pequeno Príncipe”. Disponível em: <http://www.recantodasletras.com.br/resenhas/196309> Acesso em 10 de novembro, 2015. Jéssica Viera, 14 frases de O Pequeno Príncipe que só os adultos entenderão. Disponível em: <http://www.deixemecontar.com.br/cotidiano/14-frases-de-o-pequeno- principe-que-so-os-adultos-entenderao/> Acesso em 10 de novembro, 2015. Saint-Exepéry, Antoine de, O Pequeno Príncipe; Tradução de Dom Marcos Barbosa. 50 ed. Rio de Janeiro: Agir, 2014.
  • 36. TEXTO INTRODUTÓRIO: MAQUIAVEL E A ARTE DE GOVERNAR MAQUIAVEL E A ARTE DE GOVERNAR Se você tivesse a oportunidade de dar dicas aos nossos governantes, sobre como eles deveriam comandar a nação, o que você diria? Que dicas importantes você daria? Lançando um olhar sobre a História, descobrimos que existiu um homem que se dedicou a essa tarefa. No século XV surgiu a figura de um grande pensador chamado Nicolau Maquiavel. Em uma época em que a Europa passava por grandes transformações, observamos que muitos lugares onde hoje formam países que conhecemos, como por exemplo, França e Inglaterra, passavam por um processo de unificação. De modo que diversos territórios eram conquistados e unidos, para formar o que hoje chamamos de países. Por outro lado, muitos governantes passavam por grandes problemas, pois não conseguiam controlar esses territórios. Além disso, as escolhas e ações tomadas por muitos governantes traziam insatisfação para a maioria da população. Devido à insatisfação da população, surgiram diversas revoltas. É neste contexto que Nicolau Maquiavel escreve um livro chamado “O Príncipe”. Antes de tudo, é importante saber como nasceu esse pensador. Nicolau Maquiavel nasceu em 1469 na cidade de Florença, Itália. Filho de um advogado, Maquiavel se dedicou a ler diversos livros clássicos gregos. Contudo, pouco sabem os historiadores sobre como foi a infância desse pensador; porém, é sabido que a história da adolescência de Maquiavel se confunde com a história da cidade onde nasceu. Maquiavel iniciou-se na vida pública em cargos com pouco prestígio; mas com o passar do tempo, foi indicado ao posto de Segundo Chanceler da República. Ao executar suas atividades, ele observa uma necessidade que os governos têm em formar um exército nacional, composto por soldados leais e que lutem pela pátria. Durante as lutas ocorridas entre os territórios italianos e a intervenção da França, naquelas regiões, Maquiavel percebeu que na história sempre existiram homens com as mesmas paixões ou interesses e, que sempre existiram governantes e governados. Logo, existindo bons e maus governados, aqueles que se revoltam, devem ser punidos. Além do livro “O Príncipe”, Maquiavel também escreveu em 1506 o “Discurso Sobre a Preparação Militar Florentina”. Esse discurso afirmava que os governantes e os estados dependem de dois fatores para governar: a justiça e as armas. A justiça é representada por boas instituições, que irão manter a ordem e a estabilidade social. Já as armas deveriam ser entregues aos soldados para defenderem a nação. Depois de perder suas funções públicas, Maquiavel chegou a ser preso e torturado por ser acusado de ter uma conduta contrária ao governo vigente. Depois de passar 22 dias na prisão, ele foi anistiado e conseguiu sua liberdade. Mesmo com a mudança de governo em Florença, Maquiavel foi esquecido e não conseguiu retomar suas funções públicas. Maquiavel adoeceu e terminou morrendo em 21 de junho de 1527, aos 58 anos de idade. Maquiavel amava sua cidade e os assuntos do Estado. Ao escrever o livro “O Príncipe” em 1513, esse pensador deixou como legado alguns conceitos importantes: o de “Fortuna” e o de “Virtú”. A “fortuna” para Maquiavel não poderia ser controlada pelo indivíduo; mas seria a chave para o sucesso da ação política. A “fortuna” (oportunidade) proporcionaria a “ocasione” (ocasião) e a “virtú” (virtude). O homem de “virtú” (atributos e qualidades que um bom governante deveria ter) é aquele que sabe aproveitar a “ocasione” (o momento certo para agir), fazendo com que suas ações tenham êxito. Por isso, para Maquiavel, o homem político deve estar sempre atento aos sinais de mudança, seja do tempo ou das coisas e aproveitar a ocasião, mudando suas ações. DATA: 19 de Novembro de 2015
  • 37. TEXTO INTRODUTÓRIO: "Sêneca: Um Filósofo Humanístico" Sêneca, um filósofo humanista. Lúcio Ênio Sêneca nasceu em Córdoba, onde hoje é a Espanha, por volta do ano 4 a. C. Era o segundo filho de um membro da categoria social dos cavaleiros romanos (eques) - também exercia um cargo público -, e Élvia, uma mulher bastante inteligente, dedicada a criação dos filhos. Devido à posição social de seu pai, foi criado em excelente situação financeira. Em Roma, para onde a família de Sêneca mudou-se, o futuro filósofo, que ainda era um menino, ingressa no curso de gramática com a prática precoce de exercitação na arte oratória, com a finalidade de agradar o pai. Contudo, decepcionando as expectativas paternas, manifesta afinidade com a filosofia. É introduzido, por um de seus mestres, Àtalo, na filosofia moral do estoicismo. Esta criada por Zenão de Cítio (335-264 a. C.) privilegiava a moral (Moral trata-se de um conjunto de valores, normas e noções sobre o que é certo ou errado, proibido e permitido, dentro de uma determinada sociedade). O sumo bem reside no esforço para atingir a virtude e esta consiste em viver segundo princípios de honestidade. No mundo romano, o estoicismo assumiu características peculiares como o interesse quase predominante pela ética; redução do interesse pelos problemas físicos e lógicos; difusão de preceitos como o amor ao próximo, fraternidade universal, igualdade de todos os homens, etc. O conceito dessa filosofia, que se preocupava com a vida moral e ética, exigia uma rigidez de costumes, autocontrole contínuo, atitudes comportamentais visando alcançar a perfeição. Sêneca foi uma das figuras mais expressivas do estoicismo latino. O filósofo aprimorou, aprofundou e inovou conceitos tradicionais dessa doutrina filosófica. Defendia que a consciência é uma força espiritual e moral, ela é o conhecimento do bem e do mal, e também, um aspecto adicionado pelo mesmo para a filosofia estoica, foi a ideia de fraternidade universal, que leva a condenar a escravidão e a abominar a divisão em classes sociais, porquanto, todos os homens são iguais. Outra descoberta, ainda não pensada pela filosofia grega era a vontade como uma faculdade distinta do conhecimento, da razão, que acarreta o senso de pecado e da culpa. Aos trinta anos, ingressa na vida pública da política como membro de atuação direta no Fórum, em Roma. Sêneca, ganha de imediato, admiradores por causa do seu talento. Contudo, também foi alvo de repulsa por parte do Imperador Calígula, que pensou mandar matá-lo, entretanto, alertaram a este, que o filósofo logo desapareceria devido a sua péssima saúde. Sêneca foi acusado de adultério com Júlia Lívila, irmã de Calígula e Agripina, esta mãe do futuro imperador Nero. Contudo, mesmo sem provas, foram condenados ao exílio. Sêneca foi mandado para a ílha de Córseha, vivendo do ano 41 a 49. No exílio dedicou-se a produção intelectual, produzindo obras no âmbito da correte filosófica que defendia. Os amigos do filósofo solicitam o retorno de Sêneca, e Agripina via no retorno a reabilitação da lembrança da irmã, que morreu de fome no exílio, e que essa decisão captaria a tolerância popular, perdoando-a pela a morte do noivo de Otávia, que queria esta como esposa de seu filho. Além disso, pretendia promover Sêneca como preceptor, educador de Nero. Concordou em tornar-se educador do príncipe herdeiro. Entretanto, percebera que a vida libertina da corte, já havia desvirtuado sua primeira fase da educação. Todavia, assume o cargo com coragem, na função de educador de um príncipe corrupto, que com o passar do tempo, submete-se ao controle e correções. Com 17 anos, Nero assume o cargo de Imperador. Sêneca e outros auxiliares assumem a função de conselheiros. Graças a essa ajuda, os primeiros sete anos do governo, fizeram-se recordar os anos felizes dos tempos do Imperador Augusto, porque impregnou às áreas governamentais seus princípios morais e éticos, e administrou fielmente o bem comum. Entretanto, depois que Agripina e Nero entram em conflito, e esse manda matar a mãe, o jovem imperador, desequilibra-se de vez. Ingressa numa vida regrada às festas e bebedeiras, sem temor da vergonha a que expunha sua dignidade imperial. Sêneca pede afastamento, entre os anos de 62 e 65, entregando-se aos estudos da filosofia moral. Mesmo tido recebido riqueza de Nero, propõe devolvê-la, mas, esse não aceita a devolução. Então, o filósofo utiliza os bens para beneficiar os amigos, e passa a viver na simplicidade. Acolhendo a suspeita de que Sêneca estava envolvido na conspiração contra seu governo, Nero, exige que se suicide no ano de 65. Em meio ao fervilhar suntuoso da corrupção da corte, Sêneca enquanto preceptor do príncipe, sempre defendeu aqueles princípios éticos que apregoava em seus livros. Na intimidade da sua vida particular, vivenciava os princípios da moral, por exemplo, tratava os escravos a seu serviço como seres humanos, e sempre demonstrou afeto pelos familiares e amigos. Durante o mandato político no encargo da prefeitura, desfrutava de crédito pleno, pois sua honestidade era incontestável. No meio da política externa, sempre atuou como árbitro da paz e guerra. E administrou de maneira ética as finanças. Referências Bibliográficas FERACINE, Luiz. Coleção pensamento e vida: Sêneca: o filósofo estoico preceptor e assessor de Nero. São Paulo: Editora Escala, 2011. DATA: 24 de novembro de 2015
  • 38. TEXTO INTRODUTÓRIO: Em poucas linhas, um pouco sobre “Pagu”. DATA: 24 de novembro de 2015 Patrícia Rehder Galvão, nasceu no dia 9 de junho de 1910 em São João da Boa Vista e morreu em 12 de dezembro de 1962, aos 52 anos devido ao câncer. Pagu foi a terceira de quatro irmãos, filhos de Thiers Galvão de França, advogado e jornalista, e de Adélia Rehder Galvão. O apelido ‘Pagu’ surgiu de um erro do poeta modernista Raul Bopp, ao dedicar a ela, em 1928, o poema "Coco de Pagu", vale salientar que antes de ser conhecida como Pagu, ‘Zazá’ era seu apelido no meio familiar. Em 1925, com quinze anos, passou a colaborar no Brás Jornal, assinando Patsy. Em 1922 tornou-se a musa dos modernistas. Aos 18 anos, pouco depois de completar o curso na Escola Normal da Capital (São Paulo, 1928), ela integra-se ao movimento antropofágico, a qual detinha uma forte influência através de Oswald de Andrade e Tarsila do Amaral. Em 1930, ocorre um escândalo para a sociedade conservadora: Oswald separa-se de Tarsila e casa-se com Pagu, obtendo além desse ‘escândalo’, o nascimento de Rudá de Andrade, segundo filho de Oswald e primeiro de Pagu. Pagu foi presa várias vezes, em uma dessas prisões ficou cinco anos na cadeia na época da ditadura de Getúlio Vargas. Em 1933 publicou o romance ‘‘Parque industrial’’, sob o pseudônimo de Mara Lobo. Em 1945, lançou novo romance, ‘‘A Famosa Revista’’, escrito em parceria com o seu último marido, Geraldo Ferraz. Uma mulher que causou repercussões na época em que vivia, assim como tornou- se o símbolo de mulher que buscava viver suas paixões sem se preocupar com as opiniões que a cercavam. Pagu era uma mulher como todas as outras, cuja característica mais forte foi a coragem de desejar: “Eu, como mulher que posso fazer diversas escolhas agora [...][1]’’. Pagu era uma mulher de paixões intensas, espelhadas em tudo o que escrevia. Mulher esta, avançada para os padrões da época, dada a algumas particularidades concebidas, tais como: fumar na rua, usar blusas transparentes, cabelos curtos e eriçados e dizer palavrões. Tornou-se escritora, poeta, diretora de teatro, tradutora, desenhista, jornalista e militante política brasileira. Tal como nos diz Plínio Marcos[2], “[...] Pagu veio ao mundo para nos inquietar[3]”. Referências: HIGA, L. S. R.; O feminismo solitário na obra da jovem Pagu. In: 17o COLE - Congresso de Leitura do Brasil, 2009, Campinas. Anais do 17o COLE, 2009. Sites consultados: <http://historiacontemporanea-mlopomo.blogspot.com.br/2011/03/patricia-galvao- pagu.html<>Acesso em 24 de Novembro de 2015. < http://www.revistadehistoria.com.br/secao/retrato/rebelde-e-engajada> Acesso em 24 de Novembro de 2015. <http://www.saraivaconteudo.com.br/Entrevistas/Post/10408> Acesso em 24 de Novembro de 2015. <http://www.pliniomarcos.com/dados/origens.htm> Acesso em 29 de Novembro de 2015. [1] Lúcia Maria Teixeira Furlani concede uma entrevista exclusiva ao Saraiva Conteúdo. Fonte:http://www.saraivaconteudo.com.br/Entrevistas/Post/10408< Acesso em 24 de Novembro de 2015. Para ver a entrevista por completo e ler a matéria, acesse o link acima. Autora dos seguintes livros, obtendo Pagu como fonte de pesquisa: Pagu – Patrícia Galvão: livre na imaginação, no espaço e no tempo; Croquis de Pagu; e Viva Pagu – fotobiografia de Patrícia Galvão. [2] Expressão usada para definir Pagu. Para saber sobre a história de Plínio Marcos, acesse:<http://www.pliniomarcos.com/dados/origens.htm>. Acesso em 29 de Novembro de 2015. [3] A citação foi retirada do seguinte link: < http://www.saraivaconteudo.com.br/Entrevistas/Post/10408> Acesso em 24 de Novembro de 2015.
  • 40. OFICINA: História e Fontes Históricas. “Turno da tarde com a turma do 6º Ano C.” -26 de março de 2015–
  • 41. Oficina com o tema: Introdução a Cultura e tempo “Turno da tarde com a turma do 6º Ano C.” -07 de maio de 2015 –
  • 42. OFICINA - ''Os primeiros povoadores da terra'' “Turno da tarde com a turma do 6º Ano C.” -19 de maio de 2015 –
  • 43. OFICINA - Introdução a ‘PRÉ-HISTÓRIA’ BRASILEIRA. “Turno da tarde com a turma do 6º Ano C.” -02 de junho de 2015 –
  • 44. Oficina Temática sobre Pinturas Rupestres. “Turno da tarde com a turma do 6º Ano C e D.” -11 de agosto de 2015–
  • 45. Oficina de Música sobre os Povos Indígenas com a música "Todo Dia Era Dia de Índio". “Turno da tarde com a turma do 6º Ano E.” -02 de julho de 2015 –
  • 46. OFICINA : A Mesopotâmia “Turno da tarde com a turma do 6º Ano C .” -14 de julho de 2015 –
  • 47. Oficina sobre o Egito Antigo “Turno da tarde com a turma do 6º Ano E.” -04 de agosto de 2015 –
  • 48. Oficina de Música sobre o Egito Antigo “Turno da tarde com a turma do 6º Ano C e D.” -11 de agosto de 2015–
  • 49. Oficina sobre a Igualdade Racial. “Turno da tarde com a turma do 6º Ano D.” -20/08/2015–
  • 50. Oficina Temática sobre Povos Hebreus. “Turno da tarde com a turma do 6º Ano D.” -28/08/2015–
  • 51. Oficina de Vídeo sobre os Hebreus utilização do vídeo "Grandes Civilizações" com a Temática Povos Judeus. “Turno da tarde com a turma do 6º Ano F .” -27/08/2015–
  • 52. OFICINA de vídeo com o tema: Povos Judeus “Turno da tarde com a turma do 6º Ano D.” -28/08/2015–
  • 53. Oficina Musical de Quadrinhos sobre os Povos Hebreus (Música: Faraó ou Deus/Interprete: Shirley Carvalhaes) “Turno da tarde com a turma do 6º Ano E.” -01/09/2015–
  • 54. OFICINA: Uso de Charge com Temática Violência. “Turno da tarde com a turma do 6º Ano E.” -01/09/2015–
  • 55. Oficina Temática sobre os Povos Fenícios. “Turno da tarde com a turma do 6º Ano F.” -15/09/2015–
  • 56. Oficina de Vídeo sobre os Povos da Mesopotâmia com exibição do vídeo "Grandes Civilizações - Mesopotâmia“. “Turno da tarde com a turma do 6º Ano D .” -24/09/2015–
  • 57. Oficina sobre a Grécia Antiga com Leitura do Texto Introdutório e Discussão. “Turno da tarde com a turma do 6º Ano C .” -27/10/2015–
  • 58. Oficina de Cinema com exibição do Filme "O Menino do Pijama Listrado“. “Turno da tarde com a turma do 6º Ano F .” -24/09/2015–
  • 59. Oficina de Apresentação e Leitura do Livro "O Pequeno Príncipe" do autor Antoine de Saint-Exupéry. “Turno da tarde com a turma do 6º Ano D .” -12/11/2015–
  • 60. Oficina de Apresentação e Leitura do Livro "O Pequeno Príncipe" do autor Antoine de Saint-Exupéry. “Turno da tarde com a turma do 6º Ano D .” -12/10/2015–
  • 61. Oficina - Apresentação de "Histórias de Vida" - Um homem chamado Jesus. “Turno da tarde com a turma do 6º Ano E .” -01/10/2015–
  • 62. Oficina - Apresentação de "Histórias de Vida" - Albert Einstein “Turno da tarde com a turma do 6º Ano F.” -05/10/2015–
  • 63. Oficina - Apresentação de "Histórias de Vida" - Nicolau Maquiavel. “Turno da tarde com a turma do 6º Ano D .” -19/10/2015–
  • 64. Oficina - Apresentação de "Histórias de Vida – Pagu”. “Turno da tarde com a turma do 6º Ano F .” -24/11/2015–
  • 65. Oficina - Apresentação de "Histórias de Vida" - Sêneca. “Turno da tarde com a turma do 6º Ano C .” -24/11/2015–
  • 67. Oficina para Elaboração de Slides com os alunos. “Turno da tarde com a turma do 6º Ano C .” -15/10/2015–
  • 69. Jogo de Cartas “Qual é a Fonte Histórica?”. “Turno da tarde com a turma do 6º Ano D.” -26 de março de 2015–
  • 70. Jogo de Cartas "Personagens da História" “Turno da tarde com a turma do 6º Ano D.” -07 de maio de 2015–
  • 71. O jogo de tabuleiro:“ Conhecendo os Meses do Ano através do Tempo Cronológico" “Turno da tarde com a turma do 6º Ano D.” -14 de maio de 2015–
  • 72. Jogo de tabuleiro "A conquista do Fogo". “Turno da tarde com a turma do 6º Ano D.” -21 de maio de 2015–
  • 73. Jogo: "Os Períodos da Pré-história" “Turno da tarde com a turma do 6º Ano D.” -21 de maio de 2015–
  • 74. JOGO: Dominó com Cartas- Tema: "A Pré-história Brasileira". “Turno da tarde com a turma do 6º Ano D.” -26 de maio de 2015–
  • 75. JOGO 'ROLETA PRÉ HISTÓRICA' “Turno da tarde com a turma do 6º Ano D.” -28 de maio de 2015–
  • 76. JOGO DA VELHA - Tema: Povos Indígenas “Turno da tarde com a turma do 6º Ano D.” -11 de Junho de 2015–
  • 77. Cruzadinha com Temática sobre "Povos Indígenas" “Turno da tarde com a turma do 6º Ano D.” -02 de julho de 2015–
  • 78. Jogo de Basquete com Temática sobre "povos Assírios e Caldeus" . “Turno da tarde com a turma do 6º Ano C .” -07 de julho de 2015–
  • 79. Jogo de Tabuleiro sobre "Povos Sumérios". “Turno da tarde com a turma do 6º Ano E.” -07 de julho de 2015–
  • 80. Jogo de Damas sobre as cidades da Mesopotâmia "Ur e Uruk Eridu“. “Turno da tarde com a turma do 6º Ano E.” -07 de julho de 2015–
  • 81. Jogo de Tabuleiro: Conhecendo os Sumérios. “Turno da tarde com a turma do 6º Ano D.” -09 de julho de 2015–
  • 82. Jogo de Tabuleiro: Trilha na Mesopotâmia. “Turno da tarde com a turma do 6º Ano C .” -14 de julho de 2015–
  • 83. Jogo de RPG “O Massacre de Tracunhaém.” “Turno da tarde com a turma do 6º Ano C e D.” -14 de julho de 2015–
  • 84. Jogo da Roleta com temática Mesopotâmia sobre "Os Povos Amoritas" “Turno da tarde com a turma do 6º Ano D.” -16 de julho de 2015–
  • 85. Jogo da Cartola Mágica "Imagens da Mesopotâmia" “Turno da tarde com a turma do 6º Ano D.” -16 de julho de 2015–
  • 86. Jogo de tabuleiro: O Império Babilônico. “Turno da tarde com a turma do 6º Ano F.” -16 de julho de 2015–
  • 87. Jogo da Trilha sobre o Egito Antigo. “Turno da tarde com a turma do 6º Ano C e D.” -28 de julho de 2015–
  • 88. Jogo da Memória sobre os Deuses Egípcios. “Turno da tarde com a turma do 6º Ano F.” -28 de julho de 2015–
  • 89. Jogo “Verdade ou Mentira” sobre o Egito Antigo “Turno da tarde com a turma do 6º Ano F.” -04 de agosto de 2015–
  • 90. Jogo “Impérios do Egito Antigo” “Turno da tarde com a turma do 6º Ano F .” -04 de agosto de 2015–
  • 91. Jogo de “Amarelinha” sobre a Mesopotâmia. “Turno da tarde com a turma do 6º Ano F.” -11 de agosto de 2015–
  • 92. JOGO “Um tour pela Mesopotâmia” “Turno da tarde com a turma do 6º Ano C .” -07 de julho de 2015 –
  • 93. Jogo da Trilha Levando Cleópatra até o Faraó. “Turno da tarde com a turma do 6º Ano C.” -20/08/2015–
  • 94. Jogo de Cartas Imagens do Egito Antigo. “Turno da tarde com a turma do 6º Ano F.” -20/08/2015–
  • 95. Jogo da Roleta “Mix Cultural” sobre Diferentes Culturas. “Turno da tarde com a turma do 6º Ano F.” -20/08/2015–
  • 96. Jogo de Tabuleiro Futebol no Egito Antigo. “Turno da tarde com a turma do 6º Ano D.” -20/08/2015–
  • 97. Jogo da Roleta Musical “Rock dos Anos 80” Diferentes Culturas “Turno da tarde com a turma do 6º Ano D.” -20/08/2015–
  • 98. Jogo do basquete : Caindo na Cesta. “Turno da tarde com a turma do 6º Ano F.” -20/08/2015–
  • 99. Jogo de Cartas “Conhecendo os Persas” . “Turno da tarde com a turma do 6º Ano D.” -27/08/2015–
  • 100. Jogo da Trilha “Levando os Hebreus até Canaã” “Turno da tarde com a turma do 6º Ano D.” -27/08/2015–
  • 101. Jogo Boliche na Pérsia . “Turno da tarde com a turma do 6º Ano E.” -15/09/2015–
  • 102. Jogo de Cartas "Encontre a Resposta" sobre os Povos Persas . “Turno da tarde com a turma do 6º Ano F.” -22/09/2015–
  • 103. Jogo Roda a Roda do PIBID com Temática Os Persas. “Turno da tarde com a turma do 6º Ano E.” -24/09/2015–
  • 104. Jogo da Memória Personagens da Grécia Antiga. “Turno da tarde com a turma do 6º Ano D .” -01/10/2015–
  • 105. Jogo do Labirinto “Levando Platão ao Teatro” . “Turno da tarde com a turma do 6º Ano D .” -01/10/2015–
  • 106. Jogo da torre com temática Grécia Antiga. “Turno da tarde com a turma do 6º Ano D .” -01/10/2015–
  • 107. Jogo TecHistory com temática Grécia Antiga. “Turno da tarde com a turma do 6º Ano E.” -15/10/2015–
  • 108. Jogo "Mix Cultural" sobre os Gregos. “Turno da tarde com a turma do 6º Ano E.” -15/10/2015–
  • 109. Jogo da Troca de Copos sobre os Hebreus, Fenícios e Gregos. “Turno da tarde com a turma do 6º Ano C.” -20/10/2015–
  • 110. Jogo do Quebra-cabeças conhecendo a Mitologia Grega sobre a deusa da justiça Dikê. “Turno da tarde com a turma do 6º Ano E.” -20/10/2015–
  • 111. Jogo Responda se puder. “Turno da tarde com a turma do 6º Ano E.” -20/10/2015–
  • 112. Jogo “Construindo a sua Torre” “Turno da tarde com a turma do 6º Ano D .” -01/10/2015–
  • 113. Jogo das Argolas com temática Grécia Antiga. “Turno da tarde com a turma do 6º Ano E.” -29/10/2015–
  • 114. Jogo “Jogue e Responda”. “Turno da tarde com a turma do 6º Ano E.” -05/11/2015–
  • 115. Jogo de Tabuleiro "Corrida Científica". “Turno da tarde com a turma do 6º Ano F .” -10/11/2015–
  • 116. Jogo do Bingo “Aprendendo os Números Romanos” “Turno da tarde com a turma do 6º Ano F .” -12/11/2015–
  • 118. Quiz Virtual sobre a Grécia Antiga. “Turno da tarde com a turma do 6º Ano E.” -01/10/2015–
  • 119. Jogo TecHistory. “Turno da tarde com a turma do 6º Ano E.” -15/10/2015–
  • 120. Tecnologia - Jogo Acerte a Figura. “Turno da tarde com a turma do 6º Ano E.” -20/10/2015–
  • 121. “PRODUÇÃO ESCRITA E LETRAMENTO”.
  • 122. Cultura e Tempo - "Linha do Tempo" “Turno da tarde com a turma do 6º Ano D.” -28 de maio de 2015–
  • 123. Atividade ''Representações dos Povos Indígenas'' com frase e desenho. “Turno da tarde com a turma do 6º Ano D.” -11 de agosto de 2015–
  • 124. Produção das Pinturas Rupestres com Temática sobre água. “Turno da tarde com a turma do 6º Ano C e D.” -19 de junho de 2015 –
  • 125. Representações dos Povos Indígenas “Turno da tarde com a turma do 6º Ano C e D.” -11 de agosto de 2015 –
  • 126. Produção de poesias sobre os povos indígenas. “Turno da tarde com a turma do 6º Ano C e D.” -02 de junho de 2015 –
  • 127. Produção de Representações sobre Os Povos da Mesopotâmia. “Turno da tarde com a turma do 6º Ano F.” -07 de junho de 2015 –
  • 128. Produção de Histórias em Quadrinhos sobre os Hebreus . “Turno da tarde com a turma do 6º Ano E.” -01/09/2015–
  • 129. Produção Textual sobre a Violência. “Turno da tarde com a turma do 6º Ano D.” -01/09/2015–
  • 130. Produção Textual "Cartas para o Futuro“. “Turno da tarde com a turma do 6º Ano E .” -08/09/2015–
  • 131. Letramento - Labirinto Sobre os Povos Persas “Turno da tarde com a turma do 6º Ano D.” -08/09/2015–
  • 132. Letramento - Alfabeto Matemático dos Persas. “Turno da tarde com a turma do 6º Ano D.” -15/09/2015–
  • 133. Produção de HQ com Temática Povos Fenícios . “Turno da tarde com a turma do 6º Ano F .” -15/09/2015–
  • 134. Cruzadinha sobre os Hebreus “Turno da tarde com a turma do 6º Ano F .” -15/09/2015–
  • 135. Letramento - Complete com a Palavra Correta. “Turno da tarde com a turma do 6º Ano E.” -22/09/2015–
  • 136. Produção Escrita - Representações sobre “O homem chamado Jesus”. “Turno da tarde com a turma do 6º Ano E.” -01/10/2015–