SlideShare uma empresa Scribd logo
POPULAÇÃO
BRASILEIRA
www.alicebarros.blogspot.com.br
 Conforme dados do Censo Demográfico
de 2010, realizado pelo Instituto Brasileiro
de Geografia e Estatística (IBGE), a
população total do Brasil é de 190.755.799
habitantes. Esse elevado contingente
populacional coloca o país entre os mais
populosos do mundo. O Brasil ocupa hoje o
quinto lugar dentre os mais populosos,
sendo superado somente pela China (1,3
bilhão), Índia (1,1 bilhão), Estados Unidos
(314 milhões) e Indonésia (229 milhões).
 A população brasileira está irregularmente distribuída
no território, pois há regiões densamente povoadas e
outras com baixa densidade demográfica. A população
brasileira se estabelece de forma concentrada na Região
Sudeste, com 80.364.410 habitantes; o Nordeste abriga
53.081.950 habitantes; e o Sul acolhe cerca de 27,3
milhões. As regiões menos povoadas são: a Região Norte,
com 15.864.454; e o Centro-Oeste com pouco mais de 14
milhões de habitantes.
 A irregularidade na distribuição da população fica evidente
quando alguns dados populacionais de regiões ou estados
são analisados. Somente o estado de São Paulo concentra
cerca de 41,2 milhões de habitantes, sendo superior ao
contingente populacional das regiões Centro-Oeste e Norte
juntas.
 O Sudeste é a região mais populosa do
país por ter ingressado primeiramente no
processo de industrialização, e hoje se
encontra desenvolvida economicamente e
industrialmente. O surgimento da indústria
no Sudeste foi primordial para a
urbanização e a concentração populacional
na região, pois ela se tornou uma área de
atração para trabalhadores de diversos
pontos do país.
 Em relação à densidade demográfica, a Região Sul
ocupa o segundo lugar. As causas dessa
concentração se devem principalmente pelo fato de
a região ser composta por apenas três estados e
pela riqueza contida neles, que proporciona um
elevado índice de urbanização.
 O Nordeste é a segunda região mais populosa, no
entanto, a densidade demográfica é baixa,
proveniente da migração ocorrida para outros
pontos do Brasil, ocasionada pelas crises
socioeconômicas comuns nessa parte do país.
 O Centro-Oeste ocupa o quarto lugar quando se
trata de população relativa. Isso é provocado pelo
tipo de atividade econômica que está vinculada à
agropecuária e que requer pouca mão de obra.
Taxa de Natalidade e de Mortalidade
 Se observarmos os dados populacionais
brasileiros, poderemos verificar que a taxa de
natalidade tem diminuído nas últimas décadas.
Isto ocorre, em função de alguns fatores. A
adoção de métodos anticoncepcionais mais
eficientes tem reduzido o número de gravidez.
 A entrada da mulher no mercado de trabalho,
também contribuiu para a diminuição no número
de filhos por casal. Enquanto nas décadas de
1950-60 uma mulher, em média, possuía de 4 a 6
filhos, hoje em dia um casal possui um ou dois
filhos, em média.
 A taxa de mortalidade também está caindo em nosso país.
Com as melhorias na área de medicina, mais informações
e melhores condições de vida, as pessoas vivem mais.
Enquanto no começo da década de 1990 a expectativa de
vida era de 66 anos, em 2005 foi para 71,88 anos (dados
do IBGE).
 A diminuição na taxa de fecundidade e aumento da expectativa
de vida tem provocado mudanças na pirâmide etária brasileira.
Há algumas décadas atrás, ela possuía uma base larga e o
topo estreito, indicando uma superioridade de crianças e
jovens.
 Atualmente ela apresenta características de equilíbrio. Alguns
estudiosos afirmam que, mantendo-se estas características,
nas próximas décadas, o Brasil possuirá mais adultos e idosos
do que crianças e jovens. Um problema que já é enfrentado por
países desenvolvidos, principalmente na Europa.
Mortalidade Infantil
 Embora ainda seja alto, o índice de mortalidade infantil
diminui a cada ano no Brasil. Em 1995, a taxa de
mortalidade infantil era de 66 por mil. Em 2005, este índice
caiu para 25,8 por mil. Já no último Censo feito pelo IBGE
em 2010, o índice verificado foi de 15,6 por mil.
 Para termos uma base de comparação, em países
desenvolvidos a taxa de mortalidade infantil é de,
aproximadamente, 5 por mil.
 Este índice tem caído no Brasil em função,
principalmente, de alguns fatores: melhorias no
atendimento à gestante, exames prévios, melhorias nas
condições de higiene (saneamento básico), uso de água
tratada, utilização de recursos médicos mais avançados,
etc.
Outros dados da População brasileira (censo 2010)
 Crescimento demográfico: 1,17% ao ano (2000 a 2010)
 Expectativa de vida: 73,4 anos
 Estados mais populosos: São Paulo (41,2 milhões), Minas Gerais (19,5 milhões), Rio
de Janeiro (15,9 milhões), Bahia (14 milhões) e Rio Grande do Sul (10,6 milhões).
 Estados menos populosos: Roraima (451,2 mil), Amapá (668,6 mil) e Acre (732,7
mil).
 Capital menos populosa do Brasil: Palmas-TO (228,2 mil).
 Cidade mais populosa: São Paulo-SP (11,2 milhões).
 Proporção dos sexos: 48,92% de homens e 51,08% de mulheres.
 Vivem na Zona Urbana: 160,8 milhões de habitantes, enquanto que na Zona Rural
vivem 29,8 milhões de brasileiros.
POPULAÇÃO BRASILEIRA, DISTRIBUIÇÃO, MIGRAÇÕES E IMIGRAÇÕES
1) Qual a posição do Brasil entre os mais populosos? Quem está à
frente?
2) Por que se diz que a população brasileira está irregularmente
distribuída no território?
3) Qual a região mais populosa do Brasil e por que? Qual a menos
populosa?
4) Em que posição se encontra nossa região e por quê?
5) Que fatores tem contribuído para o declínio das taxas de natalidade
no Brasil?
6) Por qual motivo as taxas de fecundidade tem caído no nosso país?
7) Embora ainda seja alto, o que vem contribuindo para a queda da
mortalidade infantil no Brasil?
Migrações no Brasil
O termo “migrações” corresponde à
mobilidade espacial da população, ou
seja, é o ato de trocar de país, de
região, de estado ou até de domicílio.
Esse fenômeno pode ser desencadeado
por uma série de fatores: religiosos,
psicológicos, sociais, econômicos,
políticos e ambientais.
No Brasil, os aspectos econômicos sempre
impulsionaram as migrações internas.
Durante os séculos XVII e XVIII, a intensa
busca por metais preciosos desencadeou
grandes fluxos migratórios com destino a
Goiás, Mato Grosso e, principalmente, Minas
Gerais. Em seguida, a expansão do café nas
cidades do interior paulista atraiu milhares de
migrantes, em especial mineiros e
nordestinos.
No século XX, o modelo de produção
capitalista criou espaços privilegiados para a
instalação de indústrias no território
brasileiro, fato que promoveu a centralização
das atividades industriais na Região
Sudeste. Como consequência desse
processo, milhares de brasileiros de todas as
regiões se deslocaram para as cidades do
Sudeste, principalmente para São Paulo.
Outra consequência do atual modelo de produção
é a migração da população rural para as cidades,
fenômeno denominado êxodo rural. Essa
modalidade de migração se intensificou nas
últimas cinco décadas, pois as políticas
econômicas favorecem os grandes latifundiários
(empréstimos bancários), além da mecanização
das atividades agrícolas em substituição da mão
de obra.
A Região Sudeste que, historicamente,
recebeu o maior número de migrantes, tem
apresentado declínio na migração,
consequência da estagnação econômica e
do aumento do desemprego na região.
Nesse sentido, ocorreu uma mudança no
cenário nacional dos fluxos migratórios, onde
a Região Centro-Oeste passou a ser o
principal destino.
 As políticas públicas de ocupação e desenvolvimento
econômico da porção oeste do território brasileiro
intensificaram a migração para o Centro-Oeste. Entre as
principais medidas para esse processo estão:
construção de Goiânia, construção de Brasília,
expansão da fronteira agrícola e investimentos em
infraestrutura. O reflexo dessa política é que 30% da
população do Centro-Oeste são oriundas de outras
regiões do Brasil, conforme dados de 2008 divulgados
pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios
(Pnad).
Outro aspecto das migrações internas no
Brasil é que os fluxos são mais comuns
dentro dos próprios estados ou regiões de
origem do migrante. Esse fato se deve à
descentralização da atividade industrial no
país, antes concentrada na Região Sudeste e
em Regiões Metropolitanas.
TIPOS DE MIGRAÇÕES INTERNAS:
Êxodo rural:
tipo de migração que se dá com a transferência de
populações rurais para o espaço urbano. As
principais causas são: a industrialização, a
expansão do setor terciário e a mecanização da
agricultura.
Migração urbano-urbano:
tipo de migração que se dá com a transferência de
populações de uma cidade para outra. Tipo de
migração muito comum nos dias atuais.
Migração sazonal:
tipo de migração que se caracteriza por estar ligada às
estações do ano. É uma migração temporária, onde o
migrante sai de um determinado local, em determinado
período do ano, e posteriormente volta, em outro período do
ano. É conhecida também de transumância. É o que
acontece, por exemplo, com os sertanejos do Nordeste
brasileiro.
Migração pendular:
tipo de migração característico de grandes cidades e
regiões metropolitanas, no qual centenas ou milhares de
trabalhadores saem todas as manhãs de sua casa (em
determinada cidade) em direção ao seu trabalho (que fica
em outro município), retornando no final do dia.
Imigração no
Brasil
A partir do segundo mandato do Governo Lula, o Brasil
iniciou um novo período de crescimento econômico e de
investimentos oriundos de todas as partes do país e do
mundo que culminou num novo ciclo de prosperidade que,
no primeiro ano de mandato da presidente Dilma, colocou
o Brasil na sexta posição entre as principais economias
do mundo.
 O Brasil passou a ser visto como grande emergente
econômico, de mercado forte e de retorno de
investimentos, fatores que fizeram o país se tornar novo
alvo para imigrantes de várias partes do mundo que
buscam trabalho e melhores condições de vida.
 Além dos esforços da diplomacia brasileira de trazer
cientistas e mão de obra especializada de países
estrangeiros, com o intuito de realizar a “drenagem de
cérebros e de conhecimento” para nossas empresas, o
Brasil teve que lidar com a investida de imigrantes menos
habilitados para o mercado de trabalho de alto nível,
sendo o país invadido por haitianos, bolivianos e asiáticos
ajudados e explorados por coiotes nas nossas fronteiras.
A chegada de haitianos pelo estado do Acre expôs a
fragilidade de nossas instituições de lidar com a imigração
ilegal. O Brasil sendo um novo foco de crescimento
econômico, com o símbolo de sede da Copa de 2014 e das
Olimpíadas de 2016, gerou esse novo movimento imigratório
para o país.
 Em relação ao Haiti, além das boas perspectivas
econômicas brasileiras, outro fator é a boa imagem que o
Brasil construiu de país pacificador e desenvolvimentista
durante a reconstrução daquele país.
 No início de 2012, já haviam mais de 1.000 haitianos no
Brasil, fato que exigiu de nossa diplomacia medidas
apropriadas, principalmente pela limitação do processo de
imigração, pois o Brasil não terá condições de sustentar
um novo êxodo internacional. Alguns críticos sugerem que
o Brasil passe a formular a exigência de proposta de
trabalho aos imigrantes, para que os mesmos não sejam
vítimas de coiotes.
 Em 2011, a França bateu o recorde de expulsões de
estrangeiros ao deportar 32.922 imigrantes de seu
território. Enquanto que os EUA e a Europa estão
expulsando novos imigrantes, o Brasil tem sido visto como
novo destino para melhores oportunidades de trabalho,
tanto para estrangeiros que possuem propostas
profissionais quanto para os que não possuem proposta e
nem visto para entrar em nosso país.
 No dia 12 de fevereiro de 2012, o governo brasileiro
começou a restringir a entrada de haitianos, cedendo
somente cem vistos por mês para eles entrarem em nosso
país. Além dos haitianos, o Brasil tornou-se o grande
sonho para imigrantes de países da Ásia Meridional e da
África. A projeção econômica do Brasil poderá gerar novos
problemas de diplomacia ao país.
POPULAÇÃO BRASILEIRA, DISTRIBUIÇÃO, MIGRAÇÕES E IMIGRAÇÕES
1) Explique o termo migrações e por que ocorrem.
2) O que impulsionaram as migrações internas no Brasil?
3) Que região brasileira mais atraiu e ainda atrai migrantes? Por que?
4) Outra consequência do atual modelo de produção é a migração da
população rural para as cidades, fenômeno denominado êxodo rural.
Explique.
5) Fale sobre a migração para o Centro-Oeste brasileiro.
6) Que fatores fizeram nosso país se tornar novo alvo para imigrantes?
7) Fale sobre a imigração haitiana no Brasil.
8) Qual sua opinião sobre a migração no país? O que resolveria este
problema?
9) Que aspectos positivos e negativos você vê na vinda de imigrantes para
nosso país?
10) Defina os tipos de migrações internas.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

China
ChinaChina
A regionalização e as divisões regionais no brasil
A regionalização e as divisões regionais no brasilA regionalização e as divisões regionais no brasil
A regionalização e as divisões regionais no brasil
Professor
 
Agricultura, Pecuária e Sistemas Agrários
Agricultura, Pecuária e Sistemas AgráriosAgricultura, Pecuária e Sistemas Agrários
Agricultura, Pecuária e Sistemas Agrários
Marcos Mororó
 
Agricultura
AgriculturaAgricultura
Agricultura
Dell Andrade
 
Urbanização Mundial e Brasileira
Urbanização Mundial e BrasileiraUrbanização Mundial e Brasileira
Urbanização Mundial e Brasileira
Artur Lara
 
INDICADORES SOCIAIS
INDICADORES SOCIAISINDICADORES SOCIAIS
INDICADORES SOCIAIS
Conceição Fontolan
 
Industrialização e urbanização brasileira 7 ano
Industrialização e urbanização brasileira 7 anoIndustrialização e urbanização brasileira 7 ano
Industrialização e urbanização brasileira 7 ano
Eponina Alencar
 
Urbanizacao
UrbanizacaoUrbanizacao
Urbanizacao
Almir
 
Dinâmica populacional brasileira
Dinâmica populacional brasileiraDinâmica populacional brasileira
Dinâmica populacional brasileira
Pedro Neves
 
A indústria no brasil
A indústria no brasilA indústria no brasil
A indústria no brasil
Professor
 
Industrialização
IndustrializaçãoIndustrialização
Industrialização
Suely Takahashi
 
Rússia
RússiaRússia
Rússia
Jhonatan Max
 
A população da ásia
A população da ásiaA população da ásia
A população da ásia
Leidiana Oliveira
 
População do Brasil
População do BrasilPopulação do Brasil
População do Brasil
PIBID Geografia UNEAL CAMPUS I
 
Espaço agrário
Espaço agrárioEspaço agrário
Espaço agrário
Almir
 
Aula 1º anos Téc. Integrados - Localização Geográfica
Aula 1º anos Téc. Integrados - Localização GeográficaAula 1º anos Téc. Integrados - Localização Geográfica
Aula 1º anos Téc. Integrados - Localização Geográfica
Eduardo Mendes
 
Geografia da População
Geografia da PopulaçãoGeografia da População
Geografia da População
Eduardo Mendes
 
Industrialização brasileira
Industrialização brasileiraIndustrialização brasileira
Industrialização brasileira
Artur Lara
 
Conflitos na américa latina
Conflitos na américa latinaConflitos na américa latina
Conflitos na américa latina
Portal do Vestibulando
 
A formação do povo brasileiro
A formação do povo brasileiroA formação do povo brasileiro
A formação do povo brasileiro
João Marcelo
 

Mais procurados (20)

China
ChinaChina
China
 
A regionalização e as divisões regionais no brasil
A regionalização e as divisões regionais no brasilA regionalização e as divisões regionais no brasil
A regionalização e as divisões regionais no brasil
 
Agricultura, Pecuária e Sistemas Agrários
Agricultura, Pecuária e Sistemas AgráriosAgricultura, Pecuária e Sistemas Agrários
Agricultura, Pecuária e Sistemas Agrários
 
Agricultura
AgriculturaAgricultura
Agricultura
 
Urbanização Mundial e Brasileira
Urbanização Mundial e BrasileiraUrbanização Mundial e Brasileira
Urbanização Mundial e Brasileira
 
INDICADORES SOCIAIS
INDICADORES SOCIAISINDICADORES SOCIAIS
INDICADORES SOCIAIS
 
Industrialização e urbanização brasileira 7 ano
Industrialização e urbanização brasileira 7 anoIndustrialização e urbanização brasileira 7 ano
Industrialização e urbanização brasileira 7 ano
 
Urbanizacao
UrbanizacaoUrbanizacao
Urbanizacao
 
Dinâmica populacional brasileira
Dinâmica populacional brasileiraDinâmica populacional brasileira
Dinâmica populacional brasileira
 
A indústria no brasil
A indústria no brasilA indústria no brasil
A indústria no brasil
 
Industrialização
IndustrializaçãoIndustrialização
Industrialização
 
Rússia
RússiaRússia
Rússia
 
A população da ásia
A população da ásiaA população da ásia
A população da ásia
 
População do Brasil
População do BrasilPopulação do Brasil
População do Brasil
 
Espaço agrário
Espaço agrárioEspaço agrário
Espaço agrário
 
Aula 1º anos Téc. Integrados - Localização Geográfica
Aula 1º anos Téc. Integrados - Localização GeográficaAula 1º anos Téc. Integrados - Localização Geográfica
Aula 1º anos Téc. Integrados - Localização Geográfica
 
Geografia da População
Geografia da PopulaçãoGeografia da População
Geografia da População
 
Industrialização brasileira
Industrialização brasileiraIndustrialização brasileira
Industrialização brasileira
 
Conflitos na américa latina
Conflitos na américa latinaConflitos na américa latina
Conflitos na américa latina
 
A formação do povo brasileiro
A formação do povo brasileiroA formação do povo brasileiro
A formação do povo brasileiro
 

Semelhante a POPULAÇÃO BRASILEIRA, DISTRIBUIÇÃO, MIGRAÇÕES E IMIGRAÇÕES

Aula 7º (cap.4)
Aula 7º (cap.4)Aula 7º (cap.4)
Aula 7º (cap.4)
Alexandre Alves
 
Demografia
DemografiaDemografia
Demografia
profleofonseca
 
Geografia - População, Demografia, Migração.
Geografia - População, Demografia, Migração.Geografia - População, Demografia, Migração.
Geografia - População, Demografia, Migração.
Carson Souza
 
Demografia
DemografiaDemografia
Demografia
profleofonseca
 
Aula1.8a
Aula1.8aAula1.8a
População brasileira
População brasileiraPopulação brasileira
População brasileira
Bruna Azevedo
 
Crescimento Populacional No Brasil e Mundo
Crescimento Populacional No Brasil e MundoCrescimento Populacional No Brasil e Mundo
Crescimento Populacional No Brasil e Mundo
Débora Sales
 
Crescimento Populacional No Mundo
Crescimento Populacional No MundoCrescimento Populacional No Mundo
Crescimento Populacional No Mundo
Débora Sales
 
Aula 08 população do brasil
Aula 08   população do brasilAula 08   população do brasil
Aula 08 população do brasil
Jonatas Carlos
 
Quem vive no brasil
Quem vive no brasilQuem vive no brasil
Quem vive no brasil
Nilberte Correia
 
Aula 3 u 10.05.11
Aula 3 u 10.05.11Aula 3 u 10.05.11
Aula 3 u 10.05.11
Raquel Avila
 
Aula 3 u 10.05.11
Aula 3 u 10.05.11Aula 3 u 10.05.11
Aula 3 u 10.05.11
Raquel Avila
 
Crescimento Populacionalnomundo
Crescimento PopulacionalnomundoCrescimento Populacionalnomundo
Crescimento Populacionalnomundo
guestbef9ff2
 
Crescimento Populacionalnomundo
Crescimento PopulacionalnomundoCrescimento Populacionalnomundo
Crescimento Populacionalnomundo
debora
 
F:\Crescimento Populacionalnomundo
F:\Crescimento PopulacionalnomundoF:\Crescimento Populacionalnomundo
F:\Crescimento Populacionalnomundo
guestbef9ff2
 
2 - certo Perfil demográfico brasileiro (1).pptx
2 - certo Perfil demográfico brasileiro (1).pptx2 - certo Perfil demográfico brasileiro (1).pptx
2 - certo Perfil demográfico brasileiro (1).pptx
MiriamCamily
 
Demografia
DemografiaDemografia
Demografia
Bruna Azevedo
 
Unidade 3 7º ano - População do Brasil
Unidade 3   7º ano - População do BrasilUnidade 3   7º ano - População do Brasil
Unidade 3 7º ano - População do Brasil
Christie Freitas
 
População Brasileira
População BrasileiraPopulação Brasileira
População Brasileira
Luciano Pessanha
 
REVISÃO DE CONTEÚDO SOBRE POPULAÇÃO
REVISÃO DE CONTEÚDO SOBRE POPULAÇÃOREVISÃO DE CONTEÚDO SOBRE POPULAÇÃO
REVISÃO DE CONTEÚDO SOBRE POPULAÇÃO
Conceição Fontolan
 

Semelhante a POPULAÇÃO BRASILEIRA, DISTRIBUIÇÃO, MIGRAÇÕES E IMIGRAÇÕES (20)

Aula 7º (cap.4)
Aula 7º (cap.4)Aula 7º (cap.4)
Aula 7º (cap.4)
 
Demografia
DemografiaDemografia
Demografia
 
Geografia - População, Demografia, Migração.
Geografia - População, Demografia, Migração.Geografia - População, Demografia, Migração.
Geografia - População, Demografia, Migração.
 
Demografia
DemografiaDemografia
Demografia
 
Aula1.8a
Aula1.8aAula1.8a
Aula1.8a
 
População brasileira
População brasileiraPopulação brasileira
População brasileira
 
Crescimento Populacional No Brasil e Mundo
Crescimento Populacional No Brasil e MundoCrescimento Populacional No Brasil e Mundo
Crescimento Populacional No Brasil e Mundo
 
Crescimento Populacional No Mundo
Crescimento Populacional No MundoCrescimento Populacional No Mundo
Crescimento Populacional No Mundo
 
Aula 08 população do brasil
Aula 08   população do brasilAula 08   população do brasil
Aula 08 população do brasil
 
Quem vive no brasil
Quem vive no brasilQuem vive no brasil
Quem vive no brasil
 
Aula 3 u 10.05.11
Aula 3 u 10.05.11Aula 3 u 10.05.11
Aula 3 u 10.05.11
 
Aula 3 u 10.05.11
Aula 3 u 10.05.11Aula 3 u 10.05.11
Aula 3 u 10.05.11
 
Crescimento Populacionalnomundo
Crescimento PopulacionalnomundoCrescimento Populacionalnomundo
Crescimento Populacionalnomundo
 
Crescimento Populacionalnomundo
Crescimento PopulacionalnomundoCrescimento Populacionalnomundo
Crescimento Populacionalnomundo
 
F:\Crescimento Populacionalnomundo
F:\Crescimento PopulacionalnomundoF:\Crescimento Populacionalnomundo
F:\Crescimento Populacionalnomundo
 
2 - certo Perfil demográfico brasileiro (1).pptx
2 - certo Perfil demográfico brasileiro (1).pptx2 - certo Perfil demográfico brasileiro (1).pptx
2 - certo Perfil demográfico brasileiro (1).pptx
 
Demografia
DemografiaDemografia
Demografia
 
Unidade 3 7º ano - População do Brasil
Unidade 3   7º ano - População do BrasilUnidade 3   7º ano - População do Brasil
Unidade 3 7º ano - População do Brasil
 
População Brasileira
População BrasileiraPopulação Brasileira
População Brasileira
 
REVISÃO DE CONTEÚDO SOBRE POPULAÇÃO
REVISÃO DE CONTEÚDO SOBRE POPULAÇÃOREVISÃO DE CONTEÚDO SOBRE POPULAÇÃO
REVISÃO DE CONTEÚDO SOBRE POPULAÇÃO
 

Mais de Alice Barros

Domínio Morfoclimático da Caatinga - 31C
Domínio Morfoclimático da Caatinga - 31CDomínio Morfoclimático da Caatinga - 31C
Domínio Morfoclimático da Caatinga - 31C
Alice Barros
 
31 c amazonia
31 c   amazonia31 c   amazonia
31 c amazonia
Alice Barros
 
Domínio Morfoclimático do Cerrado - 31C
Domínio Morfoclimático do Cerrado - 31CDomínio Morfoclimático do Cerrado - 31C
Domínio Morfoclimático do Cerrado - 31C
Alice Barros
 
Regionalização Brasileira
Regionalização BrasileiraRegionalização Brasileira
Regionalização Brasileira
Alice Barros
 
A desintegração da URSS
A desintegração da URSSA desintegração da URSS
A desintegração da URSS
Alice Barros
 
O Espaço Geográfico
O Espaço GeográficoO Espaço Geográfico
O Espaço Geográfico
Alice Barros
 
SLIDE DA BIPOLARIZAÇÃO À MULTIPOLARIZAÇÃO
SLIDE DA BIPOLARIZAÇÃO À MULTIPOLARIZAÇÃOSLIDE DA BIPOLARIZAÇÃO À MULTIPOLARIZAÇÃO
SLIDE DA BIPOLARIZAÇÃO À MULTIPOLARIZAÇÃO
Alice Barros
 
Ética na escola Aldair
Ética na escola AldairÉtica na escola Aldair
Ética na escola Aldair
Alice Barros
 
Ética na escola Daniela
Ética na escola DanielaÉtica na escola Daniela
Ética na escola Daniela
Alice Barros
 
Ética na escola Daniela
Ética na escola DanielaÉtica na escola Daniela
Ética na escola Daniela
Alice Barros
 
Éica na escola Tiago Mendes
Éica na escola Tiago MendesÉica na escola Tiago Mendes
Éica na escola Tiago Mendes
Alice Barros
 
Etica na escola aldair
Etica na escola aldairEtica na escola aldair
Etica na escola aldair
Alice Barros
 
Etica na escola Sara Mendes
Etica na escola Sara MendesEtica na escola Sara Mendes
Etica na escola Sara Mendes
Alice Barros
 
Etica e moral: paródia do Daniel
Etica e moral: paródia do DanielEtica e moral: paródia do Daniel
Etica e moral: paródia do Daniel
Alice Barros
 
Ética e moral
Ética e moralÉtica e moral
Ética e moral
Alice Barros
 
Ética e moral
Ética e moralÉtica e moral
Ética e moral
Alice Barros
 
Apresentaçao do Tyago
Apresentaçao do TyagoApresentaçao do Tyago
Apresentaçao do Tyago
Alice Barros
 
Apresentação da Darlenne
Apresentação da DarlenneApresentação da Darlenne
Apresentação da Darlenne
Alice Barros
 
Apresentação da elcione
Apresentação da elcioneApresentação da elcione
Apresentação da elcione
Alice Barros
 
Apresentação do Aldair
Apresentação do AldairApresentação do Aldair
Apresentação do Aldair
Alice Barros
 

Mais de Alice Barros (20)

Domínio Morfoclimático da Caatinga - 31C
Domínio Morfoclimático da Caatinga - 31CDomínio Morfoclimático da Caatinga - 31C
Domínio Morfoclimático da Caatinga - 31C
 
31 c amazonia
31 c   amazonia31 c   amazonia
31 c amazonia
 
Domínio Morfoclimático do Cerrado - 31C
Domínio Morfoclimático do Cerrado - 31CDomínio Morfoclimático do Cerrado - 31C
Domínio Morfoclimático do Cerrado - 31C
 
Regionalização Brasileira
Regionalização BrasileiraRegionalização Brasileira
Regionalização Brasileira
 
A desintegração da URSS
A desintegração da URSSA desintegração da URSS
A desintegração da URSS
 
O Espaço Geográfico
O Espaço GeográficoO Espaço Geográfico
O Espaço Geográfico
 
SLIDE DA BIPOLARIZAÇÃO À MULTIPOLARIZAÇÃO
SLIDE DA BIPOLARIZAÇÃO À MULTIPOLARIZAÇÃOSLIDE DA BIPOLARIZAÇÃO À MULTIPOLARIZAÇÃO
SLIDE DA BIPOLARIZAÇÃO À MULTIPOLARIZAÇÃO
 
Ética na escola Aldair
Ética na escola AldairÉtica na escola Aldair
Ética na escola Aldair
 
Ética na escola Daniela
Ética na escola DanielaÉtica na escola Daniela
Ética na escola Daniela
 
Ética na escola Daniela
Ética na escola DanielaÉtica na escola Daniela
Ética na escola Daniela
 
Éica na escola Tiago Mendes
Éica na escola Tiago MendesÉica na escola Tiago Mendes
Éica na escola Tiago Mendes
 
Etica na escola aldair
Etica na escola aldairEtica na escola aldair
Etica na escola aldair
 
Etica na escola Sara Mendes
Etica na escola Sara MendesEtica na escola Sara Mendes
Etica na escola Sara Mendes
 
Etica e moral: paródia do Daniel
Etica e moral: paródia do DanielEtica e moral: paródia do Daniel
Etica e moral: paródia do Daniel
 
Ética e moral
Ética e moralÉtica e moral
Ética e moral
 
Ética e moral
Ética e moralÉtica e moral
Ética e moral
 
Apresentaçao do Tyago
Apresentaçao do TyagoApresentaçao do Tyago
Apresentaçao do Tyago
 
Apresentação da Darlenne
Apresentação da DarlenneApresentação da Darlenne
Apresentação da Darlenne
 
Apresentação da elcione
Apresentação da elcioneApresentação da elcione
Apresentação da elcione
 
Apresentação do Aldair
Apresentação do AldairApresentação do Aldair
Apresentação do Aldair
 

Último

Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
JocelynNavarroBonta
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
edusegtrab
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 

Último (20)

Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 

POPULAÇÃO BRASILEIRA, DISTRIBUIÇÃO, MIGRAÇÕES E IMIGRAÇÕES

  • 2.  Conforme dados do Censo Demográfico de 2010, realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a população total do Brasil é de 190.755.799 habitantes. Esse elevado contingente populacional coloca o país entre os mais populosos do mundo. O Brasil ocupa hoje o quinto lugar dentre os mais populosos, sendo superado somente pela China (1,3 bilhão), Índia (1,1 bilhão), Estados Unidos (314 milhões) e Indonésia (229 milhões).
  • 3.  A população brasileira está irregularmente distribuída no território, pois há regiões densamente povoadas e outras com baixa densidade demográfica. A população brasileira se estabelece de forma concentrada na Região Sudeste, com 80.364.410 habitantes; o Nordeste abriga 53.081.950 habitantes; e o Sul acolhe cerca de 27,3 milhões. As regiões menos povoadas são: a Região Norte, com 15.864.454; e o Centro-Oeste com pouco mais de 14 milhões de habitantes.
  • 4.  A irregularidade na distribuição da população fica evidente quando alguns dados populacionais de regiões ou estados são analisados. Somente o estado de São Paulo concentra cerca de 41,2 milhões de habitantes, sendo superior ao contingente populacional das regiões Centro-Oeste e Norte juntas.
  • 5.  O Sudeste é a região mais populosa do país por ter ingressado primeiramente no processo de industrialização, e hoje se encontra desenvolvida economicamente e industrialmente. O surgimento da indústria no Sudeste foi primordial para a urbanização e a concentração populacional na região, pois ela se tornou uma área de atração para trabalhadores de diversos pontos do país.
  • 6.  Em relação à densidade demográfica, a Região Sul ocupa o segundo lugar. As causas dessa concentração se devem principalmente pelo fato de a região ser composta por apenas três estados e pela riqueza contida neles, que proporciona um elevado índice de urbanização.  O Nordeste é a segunda região mais populosa, no entanto, a densidade demográfica é baixa, proveniente da migração ocorrida para outros pontos do Brasil, ocasionada pelas crises socioeconômicas comuns nessa parte do país.
  • 7.  O Centro-Oeste ocupa o quarto lugar quando se trata de população relativa. Isso é provocado pelo tipo de atividade econômica que está vinculada à agropecuária e que requer pouca mão de obra.
  • 8. Taxa de Natalidade e de Mortalidade  Se observarmos os dados populacionais brasileiros, poderemos verificar que a taxa de natalidade tem diminuído nas últimas décadas. Isto ocorre, em função de alguns fatores. A adoção de métodos anticoncepcionais mais eficientes tem reduzido o número de gravidez.  A entrada da mulher no mercado de trabalho, também contribuiu para a diminuição no número de filhos por casal. Enquanto nas décadas de 1950-60 uma mulher, em média, possuía de 4 a 6 filhos, hoje em dia um casal possui um ou dois filhos, em média.
  • 9.  A taxa de mortalidade também está caindo em nosso país. Com as melhorias na área de medicina, mais informações e melhores condições de vida, as pessoas vivem mais. Enquanto no começo da década de 1990 a expectativa de vida era de 66 anos, em 2005 foi para 71,88 anos (dados do IBGE).
  • 10.  A diminuição na taxa de fecundidade e aumento da expectativa de vida tem provocado mudanças na pirâmide etária brasileira. Há algumas décadas atrás, ela possuía uma base larga e o topo estreito, indicando uma superioridade de crianças e jovens.  Atualmente ela apresenta características de equilíbrio. Alguns estudiosos afirmam que, mantendo-se estas características, nas próximas décadas, o Brasil possuirá mais adultos e idosos do que crianças e jovens. Um problema que já é enfrentado por países desenvolvidos, principalmente na Europa.
  • 11. Mortalidade Infantil  Embora ainda seja alto, o índice de mortalidade infantil diminui a cada ano no Brasil. Em 1995, a taxa de mortalidade infantil era de 66 por mil. Em 2005, este índice caiu para 25,8 por mil. Já no último Censo feito pelo IBGE em 2010, o índice verificado foi de 15,6 por mil.  Para termos uma base de comparação, em países desenvolvidos a taxa de mortalidade infantil é de, aproximadamente, 5 por mil.  Este índice tem caído no Brasil em função, principalmente, de alguns fatores: melhorias no atendimento à gestante, exames prévios, melhorias nas condições de higiene (saneamento básico), uso de água tratada, utilização de recursos médicos mais avançados, etc.
  • 12. Outros dados da População brasileira (censo 2010)  Crescimento demográfico: 1,17% ao ano (2000 a 2010)  Expectativa de vida: 73,4 anos  Estados mais populosos: São Paulo (41,2 milhões), Minas Gerais (19,5 milhões), Rio de Janeiro (15,9 milhões), Bahia (14 milhões) e Rio Grande do Sul (10,6 milhões).  Estados menos populosos: Roraima (451,2 mil), Amapá (668,6 mil) e Acre (732,7 mil).  Capital menos populosa do Brasil: Palmas-TO (228,2 mil).  Cidade mais populosa: São Paulo-SP (11,2 milhões).  Proporção dos sexos: 48,92% de homens e 51,08% de mulheres.  Vivem na Zona Urbana: 160,8 milhões de habitantes, enquanto que na Zona Rural vivem 29,8 milhões de brasileiros.
  • 14. 1) Qual a posição do Brasil entre os mais populosos? Quem está à frente? 2) Por que se diz que a população brasileira está irregularmente distribuída no território? 3) Qual a região mais populosa do Brasil e por que? Qual a menos populosa? 4) Em que posição se encontra nossa região e por quê? 5) Que fatores tem contribuído para o declínio das taxas de natalidade no Brasil? 6) Por qual motivo as taxas de fecundidade tem caído no nosso país? 7) Embora ainda seja alto, o que vem contribuindo para a queda da mortalidade infantil no Brasil?
  • 16. O termo “migrações” corresponde à mobilidade espacial da população, ou seja, é o ato de trocar de país, de região, de estado ou até de domicílio. Esse fenômeno pode ser desencadeado por uma série de fatores: religiosos, psicológicos, sociais, econômicos, políticos e ambientais.
  • 17. No Brasil, os aspectos econômicos sempre impulsionaram as migrações internas. Durante os séculos XVII e XVIII, a intensa busca por metais preciosos desencadeou grandes fluxos migratórios com destino a Goiás, Mato Grosso e, principalmente, Minas Gerais. Em seguida, a expansão do café nas cidades do interior paulista atraiu milhares de migrantes, em especial mineiros e nordestinos.
  • 18. No século XX, o modelo de produção capitalista criou espaços privilegiados para a instalação de indústrias no território brasileiro, fato que promoveu a centralização das atividades industriais na Região Sudeste. Como consequência desse processo, milhares de brasileiros de todas as regiões se deslocaram para as cidades do Sudeste, principalmente para São Paulo.
  • 19. Outra consequência do atual modelo de produção é a migração da população rural para as cidades, fenômeno denominado êxodo rural. Essa modalidade de migração se intensificou nas últimas cinco décadas, pois as políticas econômicas favorecem os grandes latifundiários (empréstimos bancários), além da mecanização das atividades agrícolas em substituição da mão de obra.
  • 20. A Região Sudeste que, historicamente, recebeu o maior número de migrantes, tem apresentado declínio na migração, consequência da estagnação econômica e do aumento do desemprego na região. Nesse sentido, ocorreu uma mudança no cenário nacional dos fluxos migratórios, onde a Região Centro-Oeste passou a ser o principal destino.
  • 21.  As políticas públicas de ocupação e desenvolvimento econômico da porção oeste do território brasileiro intensificaram a migração para o Centro-Oeste. Entre as principais medidas para esse processo estão: construção de Goiânia, construção de Brasília, expansão da fronteira agrícola e investimentos em infraestrutura. O reflexo dessa política é que 30% da população do Centro-Oeste são oriundas de outras regiões do Brasil, conforme dados de 2008 divulgados pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad).
  • 22. Outro aspecto das migrações internas no Brasil é que os fluxos são mais comuns dentro dos próprios estados ou regiões de origem do migrante. Esse fato se deve à descentralização da atividade industrial no país, antes concentrada na Região Sudeste e em Regiões Metropolitanas.
  • 23. TIPOS DE MIGRAÇÕES INTERNAS: Êxodo rural: tipo de migração que se dá com a transferência de populações rurais para o espaço urbano. As principais causas são: a industrialização, a expansão do setor terciário e a mecanização da agricultura. Migração urbano-urbano: tipo de migração que se dá com a transferência de populações de uma cidade para outra. Tipo de migração muito comum nos dias atuais.
  • 24. Migração sazonal: tipo de migração que se caracteriza por estar ligada às estações do ano. É uma migração temporária, onde o migrante sai de um determinado local, em determinado período do ano, e posteriormente volta, em outro período do ano. É conhecida também de transumância. É o que acontece, por exemplo, com os sertanejos do Nordeste brasileiro. Migração pendular: tipo de migração característico de grandes cidades e regiões metropolitanas, no qual centenas ou milhares de trabalhadores saem todas as manhãs de sua casa (em determinada cidade) em direção ao seu trabalho (que fica em outro município), retornando no final do dia.
  • 26. A partir do segundo mandato do Governo Lula, o Brasil iniciou um novo período de crescimento econômico e de investimentos oriundos de todas as partes do país e do mundo que culminou num novo ciclo de prosperidade que, no primeiro ano de mandato da presidente Dilma, colocou o Brasil na sexta posição entre as principais economias do mundo.
  • 27.  O Brasil passou a ser visto como grande emergente econômico, de mercado forte e de retorno de investimentos, fatores que fizeram o país se tornar novo alvo para imigrantes de várias partes do mundo que buscam trabalho e melhores condições de vida.  Além dos esforços da diplomacia brasileira de trazer cientistas e mão de obra especializada de países estrangeiros, com o intuito de realizar a “drenagem de cérebros e de conhecimento” para nossas empresas, o Brasil teve que lidar com a investida de imigrantes menos habilitados para o mercado de trabalho de alto nível, sendo o país invadido por haitianos, bolivianos e asiáticos ajudados e explorados por coiotes nas nossas fronteiras.
  • 28. A chegada de haitianos pelo estado do Acre expôs a fragilidade de nossas instituições de lidar com a imigração ilegal. O Brasil sendo um novo foco de crescimento econômico, com o símbolo de sede da Copa de 2014 e das Olimpíadas de 2016, gerou esse novo movimento imigratório para o país.
  • 29.  Em relação ao Haiti, além das boas perspectivas econômicas brasileiras, outro fator é a boa imagem que o Brasil construiu de país pacificador e desenvolvimentista durante a reconstrução daquele país.  No início de 2012, já haviam mais de 1.000 haitianos no Brasil, fato que exigiu de nossa diplomacia medidas apropriadas, principalmente pela limitação do processo de imigração, pois o Brasil não terá condições de sustentar um novo êxodo internacional. Alguns críticos sugerem que o Brasil passe a formular a exigência de proposta de trabalho aos imigrantes, para que os mesmos não sejam vítimas de coiotes.
  • 30.  Em 2011, a França bateu o recorde de expulsões de estrangeiros ao deportar 32.922 imigrantes de seu território. Enquanto que os EUA e a Europa estão expulsando novos imigrantes, o Brasil tem sido visto como novo destino para melhores oportunidades de trabalho, tanto para estrangeiros que possuem propostas profissionais quanto para os que não possuem proposta e nem visto para entrar em nosso país.  No dia 12 de fevereiro de 2012, o governo brasileiro começou a restringir a entrada de haitianos, cedendo somente cem vistos por mês para eles entrarem em nosso país. Além dos haitianos, o Brasil tornou-se o grande sonho para imigrantes de países da Ásia Meridional e da África. A projeção econômica do Brasil poderá gerar novos problemas de diplomacia ao país.
  • 32. 1) Explique o termo migrações e por que ocorrem. 2) O que impulsionaram as migrações internas no Brasil? 3) Que região brasileira mais atraiu e ainda atrai migrantes? Por que? 4) Outra consequência do atual modelo de produção é a migração da população rural para as cidades, fenômeno denominado êxodo rural. Explique. 5) Fale sobre a migração para o Centro-Oeste brasileiro. 6) Que fatores fizeram nosso país se tornar novo alvo para imigrantes? 7) Fale sobre a imigração haitiana no Brasil. 8) Qual sua opinião sobre a migração no país? O que resolveria este problema? 9) Que aspectos positivos e negativos você vê na vinda de imigrantes para nosso país? 10) Defina os tipos de migrações internas.