SlideShare uma empresa Scribd logo
População,População,
desenvolvimentodesenvolvimento
econômico e meioeconômico e meio
ambienteambiente
Disciplina: Ciências do Ambiente
Prof.ª Ione Rocha CabralProf.ª Ione Rocha Cabral
População: alguns conceitosPopulação: alguns conceitos
• MALTHUSIANISMO: é uma teoria demográfica criada pelo
economista inglês Thomas Robert Malthus, no final do século XVIII.
De acordo com esta teoria, a população mundial cresce em
progressão geométrica, enquanto a produção de alimentos em
progressão aritmética.
• NEOMALTHUSIANISMO ocorreu após a Segunda Guerra Mundial
QUANDO houve um grande aumento nos índices de crescimento
populacional, com a diminuição das taxas de mortalidade provocada
pela revolução médico-sanitária (vacinas, distribuição de remédios
entre outros...). Segundo essa linha de pensamento, a fome, a
pobreza e a miséria se dão pela existência de uma população
numerosa e sugerindo como solução para o fim da pobreza, o
controle demográfico.
População: teoriasPopulação: teorias
• REFORMISTA  foi elaborada em resposta à teoria neomalthusiana.
Segundo a teoria, uma população jovem e numerosa, de elevadas
taxas de natalidade, não é causa, mas consequência do
subdesenvolvimento. Nos países desenvolvidos, em que o padrão de
vida da população é alto, o controle da natalidade ocorre
paralelamente à melhoria da qualidade de vida da população e
espontaneamente, de uma geração para outra.
Nos países subdesenvolvidos, uma população jovem numerosa só se
torna empecilho ao desenvolvimento de suas atividades econômicas
quando não são realizados investimentos sociais, em especial na
educação e na saúde. Tal situação gera um enorme contingente de
mão de obra desqualificada que diante do mercado de trabalho. Para
que a dinâmica demográfica entre em equilíbrio, é necessário
enfrentar em primeiro lugar as questões sociais e econômicas.
• Crescimento demográfico e ambiente físico;
• O impacto:
Esgotamento ( terras agrícolas engolidas pela mancha urbana, perda de
solos, desertificação, perda de biodiversidades, dificuldade de acesso
e escassez de minerais, reservas e petróleo em declínio);
Degradação (poluição do ar, água e solo).
População e meio ambientePopulação e meio ambiente
• A pressão demográfica: tem influências das teorias malthusianas que
priorizam uma demanda quantitativa sobre a produção que repercute em
politicas de controle social e populacional. Segundo Hogan (2001) “uma
alternativa seria perguntar que combinação de degradação ambiental e
nível de pobreza seriam aceitáveis para permitir um dado tamanho
populacional”.
• A capacidade de suporte: o nível/quantitativo de população que pode ser
suportado por um país em um dado nível de bem-estar. Entretanto, o nível
de bem-estar da população perpassa por diversas variáveis
socioambientais. Assim, entendido apenas como consumo de recursos
esse conceito pode ser reduzido e manipulado ideologicamente.
Na perspectiva do controle populacional,Na perspectiva do controle populacional,
duas questões se apresentam:duas questões se apresentam:
• Não é a população isolada como quantidade de indivíduos/ocupantes que
determina a pressão sobre recursos, ou que esgota a capacidade de suporte do
meio.
• A relação entre população e meio ambiente não é uma simples relação causal.
A escassez de recursos não se dá devido apenas ao seu consumo vital.
• População e o meio ambiente se relacionam numa dinâmica que perpassa o
assentamento, a produção de espaços distintos e diversos e os movimentos
migratórios.
• Os quantitativos populacionais sozinhos não explicam a realidade dos
problemas ambientais e sociais, porém não devem ser desconsiderados em
função de macro-processos.
Contraponto:Contraponto:
Padrões de assentamento populacionalPadrões de assentamento populacional
• Diz respeito às formas como as populações se distribuem e se fixam no território
envolvendo o manejo, adequação e conflitos ambientais.
• As ocupações de lugares ambientalmente vulneráveis;
• A inteligência consciente permite ás populações sobreviverem e prosperarem nos mais
diversos ambientes naturais.
• Porém, o controle da natureza que muitas populações julgam ter levou o homem a
desconsiderar os limites naturais ao assentamento.
• De fato, o conhecimento técnico de manejo dos reveses ambientais permitem que o meio
físico seja moldado para responder ás nossas necessidades.
• Relações harmoniosas entre homem e o meio físico dependerão fundamentalmente em
como ele exerce o seu “controle”.
Migração e ambiente físicoMigração e ambiente físico
A migração humana associada aos padrões de assentamento
constituem um desafio de longo prazo aos estudos das populações e
do meio ambiente;
As questões de recursos orientam a direção, volume e composição de
correntes. Assim as populações se assentam e se movimentam em
função dos seguintes fatores:
•Disponibilidade de recursos;
•Capacidade de suporte;
•Degradação ambiental.
• O processo de urbanização, particularmente, é contraditório nesse
contexto. Ele absorve terras rurais possivelmente em desgaste,
porém inaugura novos e intensifica problemas ambientais já
existentes.
• Os movimentos populacionais, mediados por fatores sociais, culturais
e políticos contribuíram para um dos casos de degradação ambiental
mais graves da história do país relacionado à urbanização e a
industrialização.
O caso da cidade deO caso da cidade de
Cubatão-SPCubatão-SP
O caso da cidade de Cubatão-SPO caso da cidade de Cubatão-SP
História
Durante o governo de Juscelino Kubitschek, década de 50, deu-se início
a um processo acelerado de industrialização do Brasil e Cubatão, até
então, era um paraíso verde. Cercada pela Mata Atlântica, a cidade era
rica em recursos naturais e estava estrategicamente localizada: a
apenas 40 km de São Paulo, maior berço econômico do país; e do Porto
de Santos, o maior porto da América Latina, e por onde entram e saem
grandes quantidades de mercadorias. Ou seja, um local perfeito para
dar início ao grandioso centro industrial paulista.
Na década de 1960, Cubatão contava com 18 grandes indústrias,
sendo uma refinaria, uma siderúrgica, sete de fertilizantes e nove de
produtos químicos. A construção delas aconteceu de forma indevida e
invasiva ao meio ambiente. Em 15 anos cerca de 60 Km² de Mata
Atlântica havia sofrido a degradação, formando uma clareira que podia
ser vista por quem descesse a Serra do Mar.
Contudo, os governantes da cidade, assim como os empresários, não
se preocupavam em reverter a situação, uma vez que a poluição de
Cubatão rendia bilhões ao ano, levando a cidade a ser uma das cinco
maiores arrecadadoras de impostos do estado, cerca de 76 bilhões de
cruzeiros. O município representava 2% de toda a exportação do país.
Vale da Morte
O intenso volume que as indústrias trabalhavam, eliminando
quantidades enormes de poluentes no ar e nos rios de forma
descontrolada, começou a ter consequências catastróficas visíveis e
preocupantes.
Entre outubro de 1981 e abril de 1982, cerca 1.800 crianças
nasceram na cidade, destas, 37 já nasceram mortas, outras
apresentavam graves problemas neurológicos e anencefalia. Cubatão
era líder em casos de problemas respiratórios no país.
A ONU alarmou o mundo sobre os problemas e consequências
causados pela poluição do polo industrial, usando a cidade como
exemplo a não ser seguido.
O ar de Cubatão no início dos anos 80 era denso, possuía cheiro e cor.
Segundo dados da CETESB (Companhia de Tecnologia de Saneamento
Ambiental de São Paulo), 30 mil toneladas de poluentes eram lançadas
por mês no ar da cidade, peixes e pássaros sumiram da poluição de
Cubatão, pois não havia condições naturais para sobreviverem e nem
para se reproduzirem, mas o estado só começou a intervir quando os
danos à saúde da população começaram a demonstrar números
alarmantes.
A cidade, no final dos anos 80, utilizou da Agenda 21 para recuperar a
qualidade de vida socioambiental perdida com a poluição causada pelo
polo industrial. A Agenda 21 é um método de planejamento que tem
por objetivo construir sociedades sustentáveis, nela é possível mesclar
a proteção ambiental, a justiça social e eficiência econômica. Por essa
razão, mesmo hoje, livre da poluição, Cubatão consegue manter uma
linha de produção acentuada e que gera milhões de reais todos os
anos. Em 2011 Cubatão apresentou 100% de controle de poluentes.
O caso da cidade de Cubatão-SPO caso da cidade de Cubatão-SP
Análise da dinâmica migratória de Cubatão...
•Migração pendular;
•Seletividade;
•Rotatividade;
•Segregação residêncial;
... Traz elementos que mostram quem paga o preço da poluição (doenças
respiratória, envenenamentos por benzeno, defeitos congênitos...).
Características da migração na cidade:
•A taxa de migração pendular é amais alta;
•São mais homens que mulheres;
•Mais pretos e pardos do que brancos;
•Mais nordestinos e com menos escolaridade do que os que migram para as
demais cidades do estado de São Paulo;
•Nas ultimas três décadas os migrantes ficam menos tempo na cidade antes
de migrar de novo;
•Segregação residencial pronunciada.
Fonte: Hogan (1991).
O caso da cidade de Cubatão-SPO caso da cidade de Cubatão-SP
ConclusõesConclusões
Referências:
HOGAN, Daniel Joseph. Crescimento demográfico e meio ambiente.
Revista Brasileira de Estudos Populacionais: Campinas, 1991.
DAMIANI, Amélia Luisa. População e geografia. 2ª ed. São Paulo:
Contexto, 2002.
Sobre a cidade de Cubatão: www.pensamentoverde.com.br
Google imagens.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ciências do Ambiente - Cap 1.1 - Conceitos básicos
Ciências do Ambiente - Cap 1.1 - Conceitos básicosCiências do Ambiente - Cap 1.1 - Conceitos básicos
Ciências do Ambiente - Cap 1.1 - Conceitos básicos
elonvila
 
Atmosfera, tempo e fatores climáticos
Atmosfera, tempo e fatores climáticosAtmosfera, tempo e fatores climáticos
Atmosfera, tempo e fatores climáticos
Professor
 
Aula 01: Água x Recursos Hídricos
Aula 01: Água x Recursos HídricosAula 01: Água x Recursos Hídricos
Aula 01: Água x Recursos Hídricos
Lucas Soares
 
A Escolha de uma Profissão
A Escolha de uma ProfissãoA Escolha de uma Profissão
A Escolha de uma Profissão
Cassia Dias
 
Saneamento Básico e Saúde Pública
Saneamento Básico e Saúde PúblicaSaneamento Básico e Saúde Pública
Saneamento Básico e Saúde Pública
Isabela Espíndola
 
Tipos de conhecimentos aula
Tipos de conhecimentos aulaTipos de conhecimentos aula
Tipos de conhecimentos aula
maloa
 
Relação Homem-Natureza
Relação Homem-NaturezaRelação Homem-Natureza
Relação Homem-Natureza
ProfCidadania1
 
Hidrografia do brasil
Hidrografia do brasilHidrografia do brasil
Hidrografia do brasil
Prof.Paulo/geografia
 
Cultura
CulturaCultura
Cultura
Jhonatan Max
 
Formação Territorial Do Brasil
Formação Territorial Do BrasilFormação Territorial Do Brasil
Formação Territorial Do Brasil
Luciano Pessanha
 
Impactos ambientais intensivo
Impactos ambientais intensivoImpactos ambientais intensivo
Impactos ambientais intensivo
BIOLOGIA Associação Pré-FEDERAL
 
Favelização
FavelizaçãoFavelização
Favelização
Artur Lara
 
Geografia Do Brasil RegiõEs
Geografia Do Brasil   RegiõEsGeografia Do Brasil   RegiõEs
Geografia Do Brasil RegiõEs
Mateus Silva
 
Origem geografia
Origem geografiaOrigem geografia
Origem geografia
edsonluz
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
Luciano Pessanha
 
A distribuição da água no planeta
A distribuição da água no planetaA distribuição da água no planeta
A distribuição da água no planeta
Mariana Cerveira
 
O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASIL
O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASILO PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASIL
O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASIL
Anderson Silva
 
Climas do brasil
Climas do brasilClimas do brasil
Climas do brasil
Suely Takahashi
 
Sociologia e meio ambiente
Sociologia e meio ambienteSociologia e meio ambiente
Sociologia e meio ambiente
EEBMiguelCouto
 
Populaçao mundial
Populaçao mundialPopulaçao mundial
Populaçao mundial
Prof.Paulo/geografia
 

Mais procurados (20)

Ciências do Ambiente - Cap 1.1 - Conceitos básicos
Ciências do Ambiente - Cap 1.1 - Conceitos básicosCiências do Ambiente - Cap 1.1 - Conceitos básicos
Ciências do Ambiente - Cap 1.1 - Conceitos básicos
 
Atmosfera, tempo e fatores climáticos
Atmosfera, tempo e fatores climáticosAtmosfera, tempo e fatores climáticos
Atmosfera, tempo e fatores climáticos
 
Aula 01: Água x Recursos Hídricos
Aula 01: Água x Recursos HídricosAula 01: Água x Recursos Hídricos
Aula 01: Água x Recursos Hídricos
 
A Escolha de uma Profissão
A Escolha de uma ProfissãoA Escolha de uma Profissão
A Escolha de uma Profissão
 
Saneamento Básico e Saúde Pública
Saneamento Básico e Saúde PúblicaSaneamento Básico e Saúde Pública
Saneamento Básico e Saúde Pública
 
Tipos de conhecimentos aula
Tipos de conhecimentos aulaTipos de conhecimentos aula
Tipos de conhecimentos aula
 
Relação Homem-Natureza
Relação Homem-NaturezaRelação Homem-Natureza
Relação Homem-Natureza
 
Hidrografia do brasil
Hidrografia do brasilHidrografia do brasil
Hidrografia do brasil
 
Cultura
CulturaCultura
Cultura
 
Formação Territorial Do Brasil
Formação Territorial Do BrasilFormação Territorial Do Brasil
Formação Territorial Do Brasil
 
Impactos ambientais intensivo
Impactos ambientais intensivoImpactos ambientais intensivo
Impactos ambientais intensivo
 
Favelização
FavelizaçãoFavelização
Favelização
 
Geografia Do Brasil RegiõEs
Geografia Do Brasil   RegiõEsGeografia Do Brasil   RegiõEs
Geografia Do Brasil RegiõEs
 
Origem geografia
Origem geografiaOrigem geografia
Origem geografia
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
 
A distribuição da água no planeta
A distribuição da água no planetaA distribuição da água no planeta
A distribuição da água no planeta
 
O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASIL
O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASILO PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASIL
O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASIL
 
Climas do brasil
Climas do brasilClimas do brasil
Climas do brasil
 
Sociologia e meio ambiente
Sociologia e meio ambienteSociologia e meio ambiente
Sociologia e meio ambiente
 
Populaçao mundial
Populaçao mundialPopulaçao mundial
Populaçao mundial
 

Semelhante a Populacao, desenvolvimento economico e meio ambiente

Meio ambiente bases hist. capítulo 1 - marília brandão
Meio ambiente bases hist.  capítulo 1 - marília brandãoMeio ambiente bases hist.  capítulo 1 - marília brandão
Meio ambiente bases hist. capítulo 1 - marília brandão
Edmo Filho
 
População, Consumo e Meio Ambiente
População, Consumo e Meio AmbientePopulação, Consumo e Meio Ambiente
População, Consumo e Meio Ambiente
Liziane Crippa
 
Saúde Ambiental.pptx
Saúde Ambiental.pptxSaúde Ambiental.pptx
Saúde Ambiental.pptx
LucianoSoares624804
 
Cidadania e meio ambiente
Cidadania e meio ambienteCidadania e meio ambiente
Cidadania e meio ambiente
Luis Araujo
 
Aula8 meio ambiente
Aula8 meio ambienteAula8 meio ambiente
Aula8 meio ambiente
Fernando Palma
 
Introdução a gestão para sustentabilidade [2014]
Introdução a gestão para sustentabilidade [2014]Introdução a gestão para sustentabilidade [2014]
Introdução a gestão para sustentabilidade [2014]
Diretor Ecos Academia Treinamento e Desenvolvimento.
 
O que pode a antropologia no desafio pela terra na região das Missões Jesuíti...
O que pode a antropologia no desafio pela terra na região das Missões Jesuíti...O que pode a antropologia no desafio pela terra na região das Missões Jesuíti...
O que pode a antropologia no desafio pela terra na região das Missões Jesuíti...
Josep Segarra
 
Meio ambiente questoes
Meio ambiente questoesMeio ambiente questoes
Meio ambiente questoes
Atividades Diversas Cláudia
 
Meio ambiente questoes
Meio ambiente questoesMeio ambiente questoes
Meio ambiente questoes
Atividades Diversas Cláudia
 
In Sustentabilidade! Eis o "Momentum"
In Sustentabilidade! Eis o "Momentum"In Sustentabilidade! Eis o "Momentum"
In Sustentabilidade! Eis o "Momentum"
Laercio Bruno
 
W4_2ApresentaçãoFAO_AlanBojanic
W4_2ApresentaçãoFAO_AlanBojanicW4_2ApresentaçãoFAO_AlanBojanic
W4_2ApresentaçãoFAO_AlanBojanic
equipeagroplus
 
Desenvolvimento Sustentavel
Desenvolvimento SustentavelDesenvolvimento Sustentavel
Desenvolvimento Sustentavel
Universal.org.mx
 
Colapso socioambiental ou mudança de civilização [Salvo automaticamente].pptx
Colapso socioambiental ou mudança de civilização [Salvo automaticamente].pptxColapso socioambiental ou mudança de civilização [Salvo automaticamente].pptx
Colapso socioambiental ou mudança de civilização [Salvo automaticamente].pptx
ArleteRamosDosSantos1
 
Atualidades p bnb aula 06
Atualidades p bnb   aula 06Atualidades p bnb   aula 06
Atualidades p bnb aula 06
IraniceInacio
 
Geografia modulo iii
Geografia modulo iiiGeografia modulo iii
Geografia modulo iii
Rita de Cássia Freitas
 
Agenda ambiental
Agenda ambientalAgenda ambiental
Agenda ambiental
Alexandra Machado Costa
 
Ocupação dos solos e riscos ambientais
Ocupação dos solos e riscos ambientaisOcupação dos solos e riscos ambientais
Ocupação dos solos e riscos ambientais
Rodrigo Duarte
 
Nada a comemorar no dia da terra
Nada a comemorar no dia da terraNada a comemorar no dia da terra
Nada a comemorar no dia da terra
Fernando Alcoforado
 
Apresentação do trabalho de biologia e geologia
Apresentação do trabalho de biologia e geologiaApresentação do trabalho de biologia e geologia
Apresentação do trabalho de biologia e geologia
alcobaca
 
Teorias do crescimento demográfico
Teorias do crescimento demográficoTeorias do crescimento demográfico
Teorias do crescimento demográfico
Pedro Neves
 

Semelhante a Populacao, desenvolvimento economico e meio ambiente (20)

Meio ambiente bases hist. capítulo 1 - marília brandão
Meio ambiente bases hist.  capítulo 1 - marília brandãoMeio ambiente bases hist.  capítulo 1 - marília brandão
Meio ambiente bases hist. capítulo 1 - marília brandão
 
População, Consumo e Meio Ambiente
População, Consumo e Meio AmbientePopulação, Consumo e Meio Ambiente
População, Consumo e Meio Ambiente
 
Saúde Ambiental.pptx
Saúde Ambiental.pptxSaúde Ambiental.pptx
Saúde Ambiental.pptx
 
Cidadania e meio ambiente
Cidadania e meio ambienteCidadania e meio ambiente
Cidadania e meio ambiente
 
Aula8 meio ambiente
Aula8 meio ambienteAula8 meio ambiente
Aula8 meio ambiente
 
Introdução a gestão para sustentabilidade [2014]
Introdução a gestão para sustentabilidade [2014]Introdução a gestão para sustentabilidade [2014]
Introdução a gestão para sustentabilidade [2014]
 
O que pode a antropologia no desafio pela terra na região das Missões Jesuíti...
O que pode a antropologia no desafio pela terra na região das Missões Jesuíti...O que pode a antropologia no desafio pela terra na região das Missões Jesuíti...
O que pode a antropologia no desafio pela terra na região das Missões Jesuíti...
 
Meio ambiente questoes
Meio ambiente questoesMeio ambiente questoes
Meio ambiente questoes
 
Meio ambiente questoes
Meio ambiente questoesMeio ambiente questoes
Meio ambiente questoes
 
In Sustentabilidade! Eis o "Momentum"
In Sustentabilidade! Eis o "Momentum"In Sustentabilidade! Eis o "Momentum"
In Sustentabilidade! Eis o "Momentum"
 
W4_2ApresentaçãoFAO_AlanBojanic
W4_2ApresentaçãoFAO_AlanBojanicW4_2ApresentaçãoFAO_AlanBojanic
W4_2ApresentaçãoFAO_AlanBojanic
 
Desenvolvimento Sustentavel
Desenvolvimento SustentavelDesenvolvimento Sustentavel
Desenvolvimento Sustentavel
 
Colapso socioambiental ou mudança de civilização [Salvo automaticamente].pptx
Colapso socioambiental ou mudança de civilização [Salvo automaticamente].pptxColapso socioambiental ou mudança de civilização [Salvo automaticamente].pptx
Colapso socioambiental ou mudança de civilização [Salvo automaticamente].pptx
 
Atualidades p bnb aula 06
Atualidades p bnb   aula 06Atualidades p bnb   aula 06
Atualidades p bnb aula 06
 
Geografia modulo iii
Geografia modulo iiiGeografia modulo iii
Geografia modulo iii
 
Agenda ambiental
Agenda ambientalAgenda ambiental
Agenda ambiental
 
Ocupação dos solos e riscos ambientais
Ocupação dos solos e riscos ambientaisOcupação dos solos e riscos ambientais
Ocupação dos solos e riscos ambientais
 
Nada a comemorar no dia da terra
Nada a comemorar no dia da terraNada a comemorar no dia da terra
Nada a comemorar no dia da terra
 
Apresentação do trabalho de biologia e geologia
Apresentação do trabalho de biologia e geologiaApresentação do trabalho de biologia e geologia
Apresentação do trabalho de biologia e geologia
 
Teorias do crescimento demográfico
Teorias do crescimento demográficoTeorias do crescimento demográfico
Teorias do crescimento demográfico
 

Mais de Ione Rocha

Revisao de geografia
Revisao de geografiaRevisao de geografia
Revisao de geografia
Ione Rocha
 
Dicas de estudo
Dicas de estudoDicas de estudo
Dicas de estudo
Ione Rocha
 
Atmosfera e clima
Atmosfera e climaAtmosfera e clima
Atmosfera e clima
Ione Rocha
 
A atmosfera terrestre
A atmosfera terrestreA atmosfera terrestre
A atmosfera terrestre
Ione Rocha
 
Dinamica ecossistemica
Dinamica ecossistemicaDinamica ecossistemica
Dinamica ecossistemica
Ione Rocha
 
Ciclos biogeoquimicos
Ciclos biogeoquimicosCiclos biogeoquimicos
Ciclos biogeoquimicos
Ione Rocha
 
Biosfera
Biosfera Biosfera
Biosfera
Ione Rocha
 
A biosfera
A biosferaA biosfera
A biosfera
Ione Rocha
 
Solos
SolosSolos
Solos
Ione Rocha
 
Globalização, ambiente e sustentabilidade do desenvolvimento
Globalização, ambiente e sustentabilidade do desenvolvimentoGlobalização, ambiente e sustentabilidade do desenvolvimento
Globalização, ambiente e sustentabilidade do desenvolvimento
Ione Rocha
 
Revisão ii geografia
Revisão ii   geografiaRevisão ii   geografia
Revisão ii geografia
Ione Rocha
 
Estrutura, forma e classificação do relevo
Estrutura, forma e classificação do relevoEstrutura, forma e classificação do relevo
Estrutura, forma e classificação do relevo
Ione Rocha
 
Estrutura geológica da terra e do brasil
Estrutura geológica da terra e do brasilEstrutura geológica da terra e do brasil
Estrutura geológica da terra e do brasil
Ione Rocha
 
Climatologia - sistema climático
Climatologia  -  sistema climáticoClimatologia  -  sistema climático
Climatologia - sistema climático
Ione Rocha
 
A formação do mundo capitalista
A formação do mundo capitalistaA formação do mundo capitalista
A formação do mundo capitalista
Ione Rocha
 
A inserção do brasil na economia mundo
A inserção do brasil na economia mundo A inserção do brasil na economia mundo
A inserção do brasil na economia mundo
Ione Rocha
 
Introdução à climatologia
Introdução à climatologiaIntrodução à climatologia
Introdução à climatologia
Ione Rocha
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
Ione Rocha
 
A primavera árabe
A primavera árabeA primavera árabe
A primavera árabe
Ione Rocha
 
Modelo de painel
Modelo de painelModelo de painel
Modelo de painel
Ione Rocha
 

Mais de Ione Rocha (20)

Revisao de geografia
Revisao de geografiaRevisao de geografia
Revisao de geografia
 
Dicas de estudo
Dicas de estudoDicas de estudo
Dicas de estudo
 
Atmosfera e clima
Atmosfera e climaAtmosfera e clima
Atmosfera e clima
 
A atmosfera terrestre
A atmosfera terrestreA atmosfera terrestre
A atmosfera terrestre
 
Dinamica ecossistemica
Dinamica ecossistemicaDinamica ecossistemica
Dinamica ecossistemica
 
Ciclos biogeoquimicos
Ciclos biogeoquimicosCiclos biogeoquimicos
Ciclos biogeoquimicos
 
Biosfera
Biosfera Biosfera
Biosfera
 
A biosfera
A biosferaA biosfera
A biosfera
 
Solos
SolosSolos
Solos
 
Globalização, ambiente e sustentabilidade do desenvolvimento
Globalização, ambiente e sustentabilidade do desenvolvimentoGlobalização, ambiente e sustentabilidade do desenvolvimento
Globalização, ambiente e sustentabilidade do desenvolvimento
 
Revisão ii geografia
Revisão ii   geografiaRevisão ii   geografia
Revisão ii geografia
 
Estrutura, forma e classificação do relevo
Estrutura, forma e classificação do relevoEstrutura, forma e classificação do relevo
Estrutura, forma e classificação do relevo
 
Estrutura geológica da terra e do brasil
Estrutura geológica da terra e do brasilEstrutura geológica da terra e do brasil
Estrutura geológica da terra e do brasil
 
Climatologia - sistema climático
Climatologia  -  sistema climáticoClimatologia  -  sistema climático
Climatologia - sistema climático
 
A formação do mundo capitalista
A formação do mundo capitalistaA formação do mundo capitalista
A formação do mundo capitalista
 
A inserção do brasil na economia mundo
A inserção do brasil na economia mundo A inserção do brasil na economia mundo
A inserção do brasil na economia mundo
 
Introdução à climatologia
Introdução à climatologiaIntrodução à climatologia
Introdução à climatologia
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
 
A primavera árabe
A primavera árabeA primavera árabe
A primavera árabe
 
Modelo de painel
Modelo de painelModelo de painel
Modelo de painel
 

Populacao, desenvolvimento economico e meio ambiente

  • 1. População,População, desenvolvimentodesenvolvimento econômico e meioeconômico e meio ambienteambiente Disciplina: Ciências do Ambiente Prof.ª Ione Rocha CabralProf.ª Ione Rocha Cabral
  • 3.
  • 4. • MALTHUSIANISMO: é uma teoria demográfica criada pelo economista inglês Thomas Robert Malthus, no final do século XVIII. De acordo com esta teoria, a população mundial cresce em progressão geométrica, enquanto a produção de alimentos em progressão aritmética. • NEOMALTHUSIANISMO ocorreu após a Segunda Guerra Mundial QUANDO houve um grande aumento nos índices de crescimento populacional, com a diminuição das taxas de mortalidade provocada pela revolução médico-sanitária (vacinas, distribuição de remédios entre outros...). Segundo essa linha de pensamento, a fome, a pobreza e a miséria se dão pela existência de uma população numerosa e sugerindo como solução para o fim da pobreza, o controle demográfico. População: teoriasPopulação: teorias
  • 5.
  • 6. • REFORMISTA  foi elaborada em resposta à teoria neomalthusiana. Segundo a teoria, uma população jovem e numerosa, de elevadas taxas de natalidade, não é causa, mas consequência do subdesenvolvimento. Nos países desenvolvidos, em que o padrão de vida da população é alto, o controle da natalidade ocorre paralelamente à melhoria da qualidade de vida da população e espontaneamente, de uma geração para outra. Nos países subdesenvolvidos, uma população jovem numerosa só se torna empecilho ao desenvolvimento de suas atividades econômicas quando não são realizados investimentos sociais, em especial na educação e na saúde. Tal situação gera um enorme contingente de mão de obra desqualificada que diante do mercado de trabalho. Para que a dinâmica demográfica entre em equilíbrio, é necessário enfrentar em primeiro lugar as questões sociais e econômicas.
  • 7.
  • 8. • Crescimento demográfico e ambiente físico; • O impacto: Esgotamento ( terras agrícolas engolidas pela mancha urbana, perda de solos, desertificação, perda de biodiversidades, dificuldade de acesso e escassez de minerais, reservas e petróleo em declínio); Degradação (poluição do ar, água e solo). População e meio ambientePopulação e meio ambiente
  • 9. • A pressão demográfica: tem influências das teorias malthusianas que priorizam uma demanda quantitativa sobre a produção que repercute em politicas de controle social e populacional. Segundo Hogan (2001) “uma alternativa seria perguntar que combinação de degradação ambiental e nível de pobreza seriam aceitáveis para permitir um dado tamanho populacional”. • A capacidade de suporte: o nível/quantitativo de população que pode ser suportado por um país em um dado nível de bem-estar. Entretanto, o nível de bem-estar da população perpassa por diversas variáveis socioambientais. Assim, entendido apenas como consumo de recursos esse conceito pode ser reduzido e manipulado ideologicamente. Na perspectiva do controle populacional,Na perspectiva do controle populacional, duas questões se apresentam:duas questões se apresentam:
  • 10. • Não é a população isolada como quantidade de indivíduos/ocupantes que determina a pressão sobre recursos, ou que esgota a capacidade de suporte do meio. • A relação entre população e meio ambiente não é uma simples relação causal. A escassez de recursos não se dá devido apenas ao seu consumo vital. • População e o meio ambiente se relacionam numa dinâmica que perpassa o assentamento, a produção de espaços distintos e diversos e os movimentos migratórios. • Os quantitativos populacionais sozinhos não explicam a realidade dos problemas ambientais e sociais, porém não devem ser desconsiderados em função de macro-processos. Contraponto:Contraponto:
  • 11. Padrões de assentamento populacionalPadrões de assentamento populacional • Diz respeito às formas como as populações se distribuem e se fixam no território envolvendo o manejo, adequação e conflitos ambientais. • As ocupações de lugares ambientalmente vulneráveis; • A inteligência consciente permite ás populações sobreviverem e prosperarem nos mais diversos ambientes naturais. • Porém, o controle da natureza que muitas populações julgam ter levou o homem a desconsiderar os limites naturais ao assentamento. • De fato, o conhecimento técnico de manejo dos reveses ambientais permitem que o meio físico seja moldado para responder ás nossas necessidades. • Relações harmoniosas entre homem e o meio físico dependerão fundamentalmente em como ele exerce o seu “controle”.
  • 12. Migração e ambiente físicoMigração e ambiente físico A migração humana associada aos padrões de assentamento constituem um desafio de longo prazo aos estudos das populações e do meio ambiente; As questões de recursos orientam a direção, volume e composição de correntes. Assim as populações se assentam e se movimentam em função dos seguintes fatores: •Disponibilidade de recursos; •Capacidade de suporte; •Degradação ambiental.
  • 13. • O processo de urbanização, particularmente, é contraditório nesse contexto. Ele absorve terras rurais possivelmente em desgaste, porém inaugura novos e intensifica problemas ambientais já existentes. • Os movimentos populacionais, mediados por fatores sociais, culturais e políticos contribuíram para um dos casos de degradação ambiental mais graves da história do país relacionado à urbanização e a industrialização.
  • 14. O caso da cidade deO caso da cidade de Cubatão-SPCubatão-SP
  • 15. O caso da cidade de Cubatão-SPO caso da cidade de Cubatão-SP História Durante o governo de Juscelino Kubitschek, década de 50, deu-se início a um processo acelerado de industrialização do Brasil e Cubatão, até então, era um paraíso verde. Cercada pela Mata Atlântica, a cidade era rica em recursos naturais e estava estrategicamente localizada: a apenas 40 km de São Paulo, maior berço econômico do país; e do Porto de Santos, o maior porto da América Latina, e por onde entram e saem grandes quantidades de mercadorias. Ou seja, um local perfeito para dar início ao grandioso centro industrial paulista.
  • 16. Na década de 1960, Cubatão contava com 18 grandes indústrias, sendo uma refinaria, uma siderúrgica, sete de fertilizantes e nove de produtos químicos. A construção delas aconteceu de forma indevida e invasiva ao meio ambiente. Em 15 anos cerca de 60 Km² de Mata Atlântica havia sofrido a degradação, formando uma clareira que podia ser vista por quem descesse a Serra do Mar. Contudo, os governantes da cidade, assim como os empresários, não se preocupavam em reverter a situação, uma vez que a poluição de Cubatão rendia bilhões ao ano, levando a cidade a ser uma das cinco maiores arrecadadoras de impostos do estado, cerca de 76 bilhões de cruzeiros. O município representava 2% de toda a exportação do país.
  • 17. Vale da Morte O intenso volume que as indústrias trabalhavam, eliminando quantidades enormes de poluentes no ar e nos rios de forma descontrolada, começou a ter consequências catastróficas visíveis e preocupantes. Entre outubro de 1981 e abril de 1982, cerca 1.800 crianças nasceram na cidade, destas, 37 já nasceram mortas, outras apresentavam graves problemas neurológicos e anencefalia. Cubatão era líder em casos de problemas respiratórios no país. A ONU alarmou o mundo sobre os problemas e consequências causados pela poluição do polo industrial, usando a cidade como exemplo a não ser seguido.
  • 18. O ar de Cubatão no início dos anos 80 era denso, possuía cheiro e cor. Segundo dados da CETESB (Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental de São Paulo), 30 mil toneladas de poluentes eram lançadas por mês no ar da cidade, peixes e pássaros sumiram da poluição de Cubatão, pois não havia condições naturais para sobreviverem e nem para se reproduzirem, mas o estado só começou a intervir quando os danos à saúde da população começaram a demonstrar números alarmantes. A cidade, no final dos anos 80, utilizou da Agenda 21 para recuperar a qualidade de vida socioambiental perdida com a poluição causada pelo polo industrial. A Agenda 21 é um método de planejamento que tem por objetivo construir sociedades sustentáveis, nela é possível mesclar a proteção ambiental, a justiça social e eficiência econômica. Por essa razão, mesmo hoje, livre da poluição, Cubatão consegue manter uma linha de produção acentuada e que gera milhões de reais todos os anos. Em 2011 Cubatão apresentou 100% de controle de poluentes.
  • 19. O caso da cidade de Cubatão-SPO caso da cidade de Cubatão-SP Análise da dinâmica migratória de Cubatão... •Migração pendular; •Seletividade; •Rotatividade; •Segregação residêncial; ... Traz elementos que mostram quem paga o preço da poluição (doenças respiratória, envenenamentos por benzeno, defeitos congênitos...).
  • 20. Características da migração na cidade: •A taxa de migração pendular é amais alta; •São mais homens que mulheres; •Mais pretos e pardos do que brancos; •Mais nordestinos e com menos escolaridade do que os que migram para as demais cidades do estado de São Paulo; •Nas ultimas três décadas os migrantes ficam menos tempo na cidade antes de migrar de novo; •Segregação residencial pronunciada. Fonte: Hogan (1991). O caso da cidade de Cubatão-SPO caso da cidade de Cubatão-SP
  • 22. Referências: HOGAN, Daniel Joseph. Crescimento demográfico e meio ambiente. Revista Brasileira de Estudos Populacionais: Campinas, 1991. DAMIANI, Amélia Luisa. População e geografia. 2ª ed. São Paulo: Contexto, 2002. Sobre a cidade de Cubatão: www.pensamentoverde.com.br Google imagens.