SlideShare uma empresa Scribd logo
Acima da
Média, 10,015,
33%
Muito Acima
da Média,
4,712, 16%
Mediano ou
Abaixo da
Média, 14,729,
48%
Desclassificado;
713;
2%
Insatisfatório,
353, 1%
Certificação
Resultados Brasil, 2º ciclo PMAQ
FONTE: Ministério da Saúde, Departamento da Atenção Básica, 2015. Disponível em: dab.saude.gov.br
Equipes de Atenção Básica
FONTE: Ministério da Saúde, Departamento da Atenção Básica, 2015. Disponível em: dab.saude.gov.br
Acima da
Média, 5,954,
30%
Muito Acima
da Média,
2,802, 14%
Mediano ou
Abaixo da
Média, 8,757,
44%
Desclassificado,
1,745, 9%
Insatisfatório,
688, 3%
Equipes de Saúde Bucal
FONTE: Ministério da Saúde, Departamento da Atenção Básica, 2015. Disponível em: dab.saude.gov.br
Certificação
Resultados Brasil, 2º ciclo PMAQ
FONTE: Ministério da Saúde, Departamento da Atenção Básica, 2015. Disponível em: dab.saude.gov.br
Acima da Média;
604;
33%
Muito Acima da
Média; 285;
16%
Mediano ou
Abaixo da Média;
884;
49%
Desclassificado;
40;
2%
Insatisfatório, 0,
0%
Equipes NASF
FONTE: Ministério da Saúde, Departamento da Atenção Básica, 2015. Disponível em: dab.saude.gov.br
Certificação
Resultados Brasil, 2º ciclo PMAQ
FONTE: Ministério da Saúde, Departamento da Atenção Básica, 2015. Disponível em: dab.saude.gov.br
UF MUITO ACIMA DA MÉDIA UF ACIMA DA MÉDIA UF ABAIXO DA MÉDIA
RR 0 0,0% AC 11 11,2% SC 362 24,7%
RO 2 0,8% RR 10 13,0% SP 1244 36,3%
AP 1 1,0% AP 14 13,5% RN 314 36,4%
AM 8 1,8% RO 33 13,5% CE 598 36,8%
DF 3 2,7% PA 129 16,7% MG 1667 40,6%
AC 3 3,1% GO 234 20,1% PI 354 41,1%
PA 32 4,2% AM 94 21,3% PR 851 47,8%
MA 38 5,8% MT 119 23,2% BA 1265 48,2%
AL 44 6,3% RJ 434 23,2% MS 220 50,3%
PB 92 7,6% MA 164 25,0% PE 961 52,1%
TO 29 8,1% ES 139 27,0% PB 648 53,5%
RS 112 9,2% DF 30 27,3% SE 214 56,9%
ES 50 9,7% RS 356 29,1% AL 420 60,3%
GO 115 9,9% SE 111 29,5% TO 217 60,3%
MT 56 10,9% TO 114 31,7% RS 755 61,7%
RJ 206 11,0% AL 233 33,4% ES 326 63,3%
PE 231 12,5% MS 150 34,3% RJ 1229 65,8%
SE 51 13,6% PE 651 35,3% MT 339 66,0%
BA 393 15,0% PR 634 35,6% MA 454 69,2%
MS 67 15,3% BA 965 36,8% GO 814 70,0%
PR 294 16,5% PI 320 37,1% DF 77 70,0%
MG 810 19,8% RN 322 37,4% AM 340 76,9%
SP 745 21,7% PB 471 38,9% PA 610 79,1%
PI 188 21,8% CE 633 39,0% AP 89 85,6%
CE 392 24,2% SC 579 39,5% AC 84 85,7%
RN 226 26,2% MG 1624 39,6% RO 210 85,7%
SC 524 35,8% SP 1441 42,0% RR 67 87,0%
Total Geral 4712 - 10015 - 14729 -
Certificação,ResultadosBrasil2ºciclo
PMAQ,Númeroeproporçãodeequipespor
UFeporclassificação
A avaliação externa nesse ciclo abrangeu 29
mil Equipes de Atenção Básica/Saúde da
Família e aproximadamente 20 mil Equipes de
Saúde Bucal entre novembro/2013 e
junho/2014
Certificação
Resultados Brasil, 2º ciclo PMAQ
FONTE: Ministério da Saúde, Departamento da Atenção Básica, 2015. Disponível em: dab.saude.gov.br
Resultados Brasil, 2º ciclo PMAQ
Acolhimento e acesso aos serviços/infraestrutura
FONTE: Ministério da Saúde, Departamento da Atenção Básica, 2015. Disponível em: dab.saude.gov.br
96,9% equipes referem realizar acolhimento.
De todas as equipes, 76,4% referem realizar
acolhimento nos 5 dias da semana nos turnos
da manhã e tarde.
No entanto, 60% do total de equipes referem
marcar consulta todos os dias, manhã e tarde.
64,1% das equipes atendem por bloco de
horas ou a partir de filas para pegar senha.
35,9% das equipes realizam atendimentos
com hora marcada.
5% das Unidades Básicas de Saúde (UBS)
funcionam em finais de semana e 5,2%
funcionam à noite.
Resultados Brasil, 2º ciclo PMAQ
Acolhimento e acesso aos serviços/infraestrutura
FONTE: Ministério da Saúde, Departamento da Atenção Básica, 2015. Disponível em: dab.saude.gov.br
Na avaliação dos usuários, para melhor atender
suas necessidades, 50% considera que a UBS
deveria funcionar durante os finais de semana e
25% à noite.
35,9% das equipes realizam atendimentos com
hora marcada.
5% das Unidades Básicas de Saúde funcionam
em finais de semana e 5,2% funcionam à noite.
Resultados Brasil, 2º ciclo PMAQ
Acolhimento e acesso aos serviços/infraestrutura
FONTE: Ministério da Saúde, Departamento da Atenção Básica, 2015. Disponível em: dab.saude.gov.br
69,6% das UBS visitadas tem pelo menos um
computador; 50,1% das UBS visitadas tem
acesso à internet.
Resultados Brasil, 2º ciclo PMAQ
Acolhimento e acesso aos serviços/infraestrutura
FONTE: Ministério da Saúde, Departamento da Atenção Básica, 2015. Disponível em: dab.saude.gov.br
Resultados Brasil, 2º ciclo PMAQ
Abrangência das ações ofertadas
FONTE: Ministério da Saúde, Departamento da Atenção Básica, 2015. Disponível em: dab.saude.gov.br
95,5% das equipes referem ofertar consultas
para realização de pré-natal, 91,3%
atendimento de crianças, 93,2% cuidado de
hipertensos e 93,1% de diabéticos.
Por outro lado, 46,1% das referem realizar
ações voltadas ao cuidado da obesidade,
40,6% DPOC/Asma, 50,7% tabagismo, 55,2%
saúde mental.
Resultados Brasil, 2º ciclo PMAQ
Abrangência das ações ofertadas
FONTE: Ministério da Saúde, Departamento da Atenção Básica, 2015. Disponível em: dab.saude.gov.br
43,7% das equipes realizam coleta de sangue
na UBS.
36% das equipes não ofertam lavagem de
ouvido, 45% não fazem drenagem de
abscesso, 55% não fazem sutura de
ferimentos e 60% não realizam extração de
unha.
Resultados Brasil, 2º ciclo PMAQ
Abrangência das ações ofertadas
FONTE: Ministério da Saúde, Departamento da Atenção Básica, 2015. Disponível em: dab.saude.gov.br
80,8% das equipes referem ofertar
atendimento a crianças de até 5 anos de
idade.
8,1% realizam moldagens de próteses
dentárias e 22,7% possuem registros de casos
suspeitos/confirmados de câncer de boca.
Resultados Brasil, 2º ciclo PMAQ
Abrangência das ações ofertadas
FONTE: Ministério da Saúde, Departamento da Atenção Básica, 2015. Disponível em: dab.saude.gov.br
43,7% das equipes realizam coleta de sangue
na UBS.
36% das equipes ofertam ações referentes as
Práticas Integrativas e Complementares
(PICS). Destas, 28% realizam acupuntura.
Resultados Brasil, 2º ciclo PMAQ
Abrangência das ações ofertadas
FONTE: Ministério da Saúde, Departamento da Atenção Básica, 2015. Disponível em: dab.saude.gov.br
Resultados Brasil, 2º ciclo PMAQ
Resolutividade e Coordenação do Cuidado
FONTE: Ministério da Saúde, Departamento da Atenção Básica, 2015. Disponível em: dab.saude.gov.br
92% das equipes referem receber apoio
matricial de outros profissionais para auxiliar
na resolução de casos considerados
complexos. 57,2% referem que este apoio é
realizado pelo NASF.
86,1% das equipes não tem prontuário
eletrônico implantado.
90% dos NASF desenvolvem ações para
doenças crônicas e reabilitação; 86,7% para
pessoas com deficiência; 93,3% para
mulheres e 87,7% para crianças.
10,4% dos profissionais afirmam que sempre
recebem retorno da avaliação realizada pelos
especialistas.
Resultados Brasil, 2º ciclo PMAQ
Resolutividade e Coordenação do Cuidado
FONTE: Ministério da Saúde, Departamento da Atenção Básica, 2015. Disponível em: dab.saude.gov.br
90% dos NASF desenvolvem ações para
doenças crônicas e reabilitação; 86,7% para
pessoas com deficiência; 93,3% para
mulheres e 87,7% para crianças.
10,4% dos profissionais afirmam que sempre
recebem retorno da avaliação realizada pelos
especialistas.
Resultados Brasil, 2º ciclo PMAQ
Resolutividade e Coordenação do Cuidado
FONTE: Ministério da Saúde, Departamento da Atenção Básica, 2015. Disponível em: dab.saude.gov.br
Resultados Brasil, 2º ciclo PMAQ
Alguns achados importantes
FONTE: Ministério da Saúde, Departamento da Atenção Básica, 2015. Disponível em: dab.saude.gov.br
Apesar de acessíveis geograficamente, ainda
são poucas as UBS que atendem em horários
diferenciados, para além dos dias úteis e do
horário comercial.
A Atenção Básica no Brasil continua
atendendo em grande parte, criança,
diabéticos e hipertensos.
Quase todas as equipes referem realizar o
acolhimento a demanda específica, porém
grande parte em horários e/ou turnos
específicos.
Além disso, 35,9% realizam atendimento com
hora marcada (ou por bloco de horas ou por
meio de filas para retirar senha)
Resultados Brasil, 2º ciclo PMAQ
Alguns achados importantes
FONTE: Ministério da Saúde, Departamento da Atenção Básica, 2015. Disponível em: dab.saude.gov.br
A cobertura de NASF é em torno de 50% para
o total de equipes de Atenção Básica/Saúde
da Família, porém a maioria das equipes
referem receber apoio matricial da rede
especializada.
As ações do NASF não parecem ampliar as
ações das equipes, mas sim reforçar as já
existentes (mulher, criança e crônicos)
Resultados Brasil, 2º ciclo PMAQ
Alguns achados importantes
FONTE: Ministério da Saúde, Departamento da Atenção Básica, 2015. Disponível em: dab.saude.gov.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Por uma AB acessível, cuidadora e resolutiva - Alzira Jorge
Por uma AB acessível, cuidadora e resolutiva - Alzira JorgePor uma AB acessível, cuidadora e resolutiva - Alzira Jorge
Por uma AB acessível, cuidadora e resolutiva - Alzira Jorge
comunidadedepraticas
 
Atenção Especializada no Paraná
Atenção Especializada no ParanáAtenção Especializada no Paraná
Atenção Especializada no Paraná
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
Planificação da APS - A fórmula organizadora do sistema local de saúde
Planificação da APS - A fórmula organizadora do sistema local de saúdePlanificação da APS - A fórmula organizadora do sistema local de saúde
Planificação da APS - A fórmula organizadora do sistema local de saúde
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
Produzindo movimentos locais na relação com o PMAQ - Jorge Zepeda
Produzindo movimentos locais na relação com o PMAQ - Jorge ZepedaProduzindo movimentos locais na relação com o PMAQ - Jorge Zepeda
Produzindo movimentos locais na relação com o PMAQ - Jorge Zepeda
comunidadedepraticas
 
Modelo de Atenção às Condições Crônicas no Paraná
Modelo de Atenção às Condições Crônicas no ParanáModelo de Atenção às Condições Crônicas no Paraná
Modelo de Atenção às Condições Crônicas no Paraná
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
Implantação da Linha de Cuidado integral a Saúde da Pessoa em Situação e Viol...
Implantação da Linha de Cuidado integral a Saúde da Pessoa em Situação e Viol...Implantação da Linha de Cuidado integral a Saúde da Pessoa em Situação e Viol...
Implantação da Linha de Cuidado integral a Saúde da Pessoa em Situação e Viol...
Centro de Desenvolvimento, Ensino e Pesquisa em Saúde - CEDEPS
 
Maternidade Balbina Mestrinho
Maternidade Balbina MestrinhoMaternidade Balbina Mestrinho
Maternidade Balbina Mestrinho
Portal da Inovação em Saúde
 
Experiência de organização da Atenção Ambulatorial Especializada em Santo Ant...
Experiência de organização da Atenção Ambulatorial Especializada em Santo Ant...Experiência de organização da Atenção Ambulatorial Especializada em Santo Ant...
Experiência de organização da Atenção Ambulatorial Especializada em Santo Ant...
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
Pmaq apresentacao - rs
Pmaq   apresentacao - rsPmaq   apresentacao - rs
Pmaq apresentacao - rs
Saúde Hervalense
 
O papel dos Protocolos de Enfermagem no município de Jaraguá do Sul (SC) co...
O papel dos Protocolos de  Enfermagem no município de  Jaraguá do Sul (SC) co...O papel dos Protocolos de  Enfermagem no município de  Jaraguá do Sul (SC) co...
O papel dos Protocolos de Enfermagem no município de Jaraguá do Sul (SC) co...
Portal da Inovação em Saúde
 
Planejamento Regional Integrado
Planejamento Regional IntegradoPlanejamento Regional Integrado
Pmaq manual-instrutivo-[165-040412-ses-mt]
Pmaq manual-instrutivo-[165-040412-ses-mt]Pmaq manual-instrutivo-[165-040412-ses-mt]
Pmaq manual-instrutivo-[165-040412-ses-mt]
Luiz Fernandes
 
Apresentação do pmaq no conselho em junho 2015 copia enviada para todos
Apresentação do pmaq no conselho em junho 2015   copia enviada para todosApresentação do pmaq no conselho em junho 2015   copia enviada para todos
Apresentação do pmaq no conselho em junho 2015 copia enviada para todos
Alisson Paschoal Camara Torquato
 
Apresentação natal 20_03_2014
Apresentação natal 20_03_2014Apresentação natal 20_03_2014
A EXPERIÊNCIA DO LABORATÓRIO DE INOVAÇÃO EM ATENÇÃO ÀS CONDIÇÕES CRÔNICAS (LI...
A EXPERIÊNCIA DO LABORATÓRIO DE INOVAÇÃO EM ATENÇÃO ÀS CONDIÇÕES CRÔNICAS (LI...A EXPERIÊNCIA DO LABORATÓRIO DE INOVAÇÃO EM ATENÇÃO ÀS CONDIÇÕES CRÔNICAS (LI...
A EXPERIÊNCIA DO LABORATÓRIO DE INOVAÇÃO EM ATENÇÃO ÀS CONDIÇÕES CRÔNICAS (LI...
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
Apres brasil sorridente
Apres brasil sorridenteApres brasil sorridente
Apres brasil sorridente
Enilde Mendes
 
Amaq nasf (1)
Amaq nasf (1)Amaq nasf (1)
Amaq nasf (1)
ivone guedes borges
 
7ª ASSEMBLEIA – APRIMORAMENTO DA PNAB
7ª ASSEMBLEIA – APRIMORAMENTO DA PNAB7ª ASSEMBLEIA – APRIMORAMENTO DA PNAB
7ª ASSEMBLEIA – APRIMORAMENTO DA PNAB
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
Câncer avançado: O desafio da falta de dados - Nivaldo Vieira
Câncer avançado: O desafio da falta de dados - Nivaldo VieiraCâncer avançado: O desafio da falta de dados - Nivaldo Vieira
Câncer avançado: O desafio da falta de dados - Nivaldo Vieira
Oncoguia
 
Brasil Sorridente completa 10 anos com mais de 23 mil equipes atuando em 4.97...
Brasil Sorridente completa 10 anos com mais de 23 mil equipes atuando em 4.97...Brasil Sorridente completa 10 anos com mais de 23 mil equipes atuando em 4.97...
Brasil Sorridente completa 10 anos com mais de 23 mil equipes atuando em 4.97...
Ministério da Saúde
 

Mais procurados (20)

Por uma AB acessível, cuidadora e resolutiva - Alzira Jorge
Por uma AB acessível, cuidadora e resolutiva - Alzira JorgePor uma AB acessível, cuidadora e resolutiva - Alzira Jorge
Por uma AB acessível, cuidadora e resolutiva - Alzira Jorge
 
Atenção Especializada no Paraná
Atenção Especializada no ParanáAtenção Especializada no Paraná
Atenção Especializada no Paraná
 
Planificação da APS - A fórmula organizadora do sistema local de saúde
Planificação da APS - A fórmula organizadora do sistema local de saúdePlanificação da APS - A fórmula organizadora do sistema local de saúde
Planificação da APS - A fórmula organizadora do sistema local de saúde
 
Produzindo movimentos locais na relação com o PMAQ - Jorge Zepeda
Produzindo movimentos locais na relação com o PMAQ - Jorge ZepedaProduzindo movimentos locais na relação com o PMAQ - Jorge Zepeda
Produzindo movimentos locais na relação com o PMAQ - Jorge Zepeda
 
Modelo de Atenção às Condições Crônicas no Paraná
Modelo de Atenção às Condições Crônicas no ParanáModelo de Atenção às Condições Crônicas no Paraná
Modelo de Atenção às Condições Crônicas no Paraná
 
Implantação da Linha de Cuidado integral a Saúde da Pessoa em Situação e Viol...
Implantação da Linha de Cuidado integral a Saúde da Pessoa em Situação e Viol...Implantação da Linha de Cuidado integral a Saúde da Pessoa em Situação e Viol...
Implantação da Linha de Cuidado integral a Saúde da Pessoa em Situação e Viol...
 
Maternidade Balbina Mestrinho
Maternidade Balbina MestrinhoMaternidade Balbina Mestrinho
Maternidade Balbina Mestrinho
 
Experiência de organização da Atenção Ambulatorial Especializada em Santo Ant...
Experiência de organização da Atenção Ambulatorial Especializada em Santo Ant...Experiência de organização da Atenção Ambulatorial Especializada em Santo Ant...
Experiência de organização da Atenção Ambulatorial Especializada em Santo Ant...
 
Pmaq apresentacao - rs
Pmaq   apresentacao - rsPmaq   apresentacao - rs
Pmaq apresentacao - rs
 
O papel dos Protocolos de Enfermagem no município de Jaraguá do Sul (SC) co...
O papel dos Protocolos de  Enfermagem no município de  Jaraguá do Sul (SC) co...O papel dos Protocolos de  Enfermagem no município de  Jaraguá do Sul (SC) co...
O papel dos Protocolos de Enfermagem no município de Jaraguá do Sul (SC) co...
 
Planejamento Regional Integrado
Planejamento Regional IntegradoPlanejamento Regional Integrado
Planejamento Regional Integrado
 
Pmaq manual-instrutivo-[165-040412-ses-mt]
Pmaq manual-instrutivo-[165-040412-ses-mt]Pmaq manual-instrutivo-[165-040412-ses-mt]
Pmaq manual-instrutivo-[165-040412-ses-mt]
 
Apresentação do pmaq no conselho em junho 2015 copia enviada para todos
Apresentação do pmaq no conselho em junho 2015   copia enviada para todosApresentação do pmaq no conselho em junho 2015   copia enviada para todos
Apresentação do pmaq no conselho em junho 2015 copia enviada para todos
 
Apresentação natal 20_03_2014
Apresentação natal 20_03_2014Apresentação natal 20_03_2014
Apresentação natal 20_03_2014
 
A EXPERIÊNCIA DO LABORATÓRIO DE INOVAÇÃO EM ATENÇÃO ÀS CONDIÇÕES CRÔNICAS (LI...
A EXPERIÊNCIA DO LABORATÓRIO DE INOVAÇÃO EM ATENÇÃO ÀS CONDIÇÕES CRÔNICAS (LI...A EXPERIÊNCIA DO LABORATÓRIO DE INOVAÇÃO EM ATENÇÃO ÀS CONDIÇÕES CRÔNICAS (LI...
A EXPERIÊNCIA DO LABORATÓRIO DE INOVAÇÃO EM ATENÇÃO ÀS CONDIÇÕES CRÔNICAS (LI...
 
Apres brasil sorridente
Apres brasil sorridenteApres brasil sorridente
Apres brasil sorridente
 
Amaq nasf (1)
Amaq nasf (1)Amaq nasf (1)
Amaq nasf (1)
 
7ª ASSEMBLEIA – APRIMORAMENTO DA PNAB
7ª ASSEMBLEIA – APRIMORAMENTO DA PNAB7ª ASSEMBLEIA – APRIMORAMENTO DA PNAB
7ª ASSEMBLEIA – APRIMORAMENTO DA PNAB
 
Câncer avançado: O desafio da falta de dados - Nivaldo Vieira
Câncer avançado: O desafio da falta de dados - Nivaldo VieiraCâncer avançado: O desafio da falta de dados - Nivaldo Vieira
Câncer avançado: O desafio da falta de dados - Nivaldo Vieira
 
Brasil Sorridente completa 10 anos com mais de 23 mil equipes atuando em 4.97...
Brasil Sorridente completa 10 anos com mais de 23 mil equipes atuando em 4.97...Brasil Sorridente completa 10 anos com mais de 23 mil equipes atuando em 4.97...
Brasil Sorridente completa 10 anos com mais de 23 mil equipes atuando em 4.97...
 

Destaque

Pmaq curso apresentação1_abertura
Pmaq curso apresentação1_aberturaPmaq curso apresentação1_abertura
Pmaq curso apresentação1_abertura
universaude
 
Pmaq curso apresentação2_perguntas
Pmaq curso apresentação2_perguntasPmaq curso apresentação2_perguntas
Pmaq curso apresentação2_perguntas
universaude
 
La prescripción en materia tributaria
La prescripción en materia tributariaLa prescripción en materia tributaria
La prescripción en materia tributaria
Francisca Gil
 
Sistema de biblioteca 2 actividad
Sistema de biblioteca 2 actividadSistema de biblioteca 2 actividad
Sistema de biblioteca 2 actividad
angela carolina urrego urrego
 
Alimentación infantil
Alimentación infantilAlimentación infantil
Alimentación infantil
Stephanie Nieves
 
121014ラブレタープレゼンのススメ
121014ラブレタープレゼンのススメ121014ラブレタープレゼンのススメ
121014ラブレタープレゼンのススメ
Yuji Maruyama
 
Vim活用術 初級編
Vim活用術 初級編Vim活用術 初級編
Vim活用術 初級編
しくみ製作所
 
Elusion y planificacion tributaria 2016 actualizado
Elusion y planificacion tributaria 2016 actualizadoElusion y planificacion tributaria 2016 actualizado
Elusion y planificacion tributaria 2016 actualizado
Francisca Gil
 
Presentació 10 ricardo (1)
Presentació 10 ricardo (1)Presentació 10 ricardo (1)
Presentació 10 ricardo (1)
Ricardo Daniel Resendiz Hernandez
 
3Com 3C250A-TX/1
3Com 3C250A-TX/13Com 3C250A-TX/1
3Com 3C250A-TX/1
savomir
 
ビジネスプラン概要資料 New
ビジネスプラン概要資料 Newビジネスプラン概要資料 New
ビジネスプラン概要資料 New
schoowebcampus
 
How To Embed SlideShare Shows Into WordPress.com
How To Embed SlideShare Shows Into WordPress.comHow To Embed SlideShare Shows Into WordPress.com
How To Embed SlideShare Shows Into WordPress.com
Kathy Gill
 

Destaque (12)

Pmaq curso apresentação1_abertura
Pmaq curso apresentação1_aberturaPmaq curso apresentação1_abertura
Pmaq curso apresentação1_abertura
 
Pmaq curso apresentação2_perguntas
Pmaq curso apresentação2_perguntasPmaq curso apresentação2_perguntas
Pmaq curso apresentação2_perguntas
 
La prescripción en materia tributaria
La prescripción en materia tributariaLa prescripción en materia tributaria
La prescripción en materia tributaria
 
Sistema de biblioteca 2 actividad
Sistema de biblioteca 2 actividadSistema de biblioteca 2 actividad
Sistema de biblioteca 2 actividad
 
Alimentación infantil
Alimentación infantilAlimentación infantil
Alimentación infantil
 
121014ラブレタープレゼンのススメ
121014ラブレタープレゼンのススメ121014ラブレタープレゼンのススメ
121014ラブレタープレゼンのススメ
 
Vim活用術 初級編
Vim活用術 初級編Vim活用術 初級編
Vim活用術 初級編
 
Elusion y planificacion tributaria 2016 actualizado
Elusion y planificacion tributaria 2016 actualizadoElusion y planificacion tributaria 2016 actualizado
Elusion y planificacion tributaria 2016 actualizado
 
Presentació 10 ricardo (1)
Presentació 10 ricardo (1)Presentació 10 ricardo (1)
Presentació 10 ricardo (1)
 
3Com 3C250A-TX/1
3Com 3C250A-TX/13Com 3C250A-TX/1
3Com 3C250A-TX/1
 
ビジネスプラン概要資料 New
ビジネスプラン概要資料 Newビジネスプラン概要資料 New
ビジネスプラン概要資料 New
 
How To Embed SlideShare Shows Into WordPress.com
How To Embed SlideShare Shows Into WordPress.comHow To Embed SlideShare Shows Into WordPress.com
How To Embed SlideShare Shows Into WordPress.com
 

Semelhante a Pmaq curso apresentação5_cenários 2o ciclo

Estratégias de atenção à saúde para redução da mortalidade materna e na infância
Estratégias de atenção à saúde para redução da mortalidade materna e na infânciaEstratégias de atenção à saúde para redução da mortalidade materna e na infância
Estratégias de atenção à saúde para redução da mortalidade materna e na infância
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
oficina-saudebucal_09_marco_2018_fernanda_goedert.ppt
oficina-saudebucal_09_marco_2018_fernanda_goedert.pptoficina-saudebucal_09_marco_2018_fernanda_goedert.ppt
oficina-saudebucal_09_marco_2018_fernanda_goedert.ppt
sumaya Sobrenome
 
Apresentacao para triangulacao de dados
Apresentacao para triangulacao de dadosApresentacao para triangulacao de dados
Apresentacao para triangulacao de dados
Rachide Adremane
 
“A Importância dos Sistemas Logísticos e de Apoio para a Gestão Municipal”.
“A Importância dos Sistemas Logísticos e de Apoio para a Gestão Municipal”.“A Importância dos Sistemas Logísticos e de Apoio para a Gestão Municipal”.
“A Importância dos Sistemas Logísticos e de Apoio para a Gestão Municipal”.
Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG)
 
SP Carinhosa - CRS Centro-oeste
SP Carinhosa - CRS Centro-oesteSP Carinhosa - CRS Centro-oeste
A situação da Saúde Materno Infantil no Brasil e suas implicações na organiza...
A situação da Saúde Materno Infantil no Brasil e suas implicações na organiza...A situação da Saúde Materno Infantil no Brasil e suas implicações na organiza...
A situação da Saúde Materno Infantil no Brasil e suas implicações na organiza...
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
Relatório USF do Recife
Relatório USF do RecifeRelatório USF do Recife
Relatório USF do Recife
Raul Jungmann
 
Método CANGURU - Manual de seguimento compartilhado com a Atenção Básica de S...
Método CANGURU - Manual de seguimento compartilhado com a Atenção Básica de S...Método CANGURU - Manual de seguimento compartilhado com a Atenção Básica de S...
Método CANGURU - Manual de seguimento compartilhado com a Atenção Básica de S...
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
SaudedaMulher23092015.pdf
SaudedaMulher23092015.pdfSaudedaMulher23092015.pdf
SaudedaMulher23092015.pdf
MarrhySilvaSantos
 
Auditoria interna 2013 finalissimo
Auditoria interna 2013   finalissimoAuditoria interna 2013   finalissimo
Auditoria interna 2013 finalissimo
jocafinte
 
Manual técnico do pré natal e puerpério
Manual técnico do pré natal e puerpérioManual técnico do pré natal e puerpério
Manual técnico do pré natal e puerpério
Centro Universitário Ages
 
Manual Técnico do Pré-Natal e Puerpério
Manual Técnico do Pré-Natal e PuerpérioManual Técnico do Pré-Natal e Puerpério
Manual Técnico do Pré-Natal e Puerpério
Centro Universitário Ages
 
atenção a saude da mulher segundo protocolo
atenção a saude da mulher segundo protocoloatenção a saude da mulher segundo protocolo
atenção a saude da mulher segundo protocolo
gizaraposo
 
Atenção integrada às doenças prevalentes na infância
Atenção integrada às doenças prevalentes na infânciaAtenção integrada às doenças prevalentes na infância
Atenção integrada às doenças prevalentes na infância
Letícia Spina Tapia
 
Manual aidpi neonatal_3ed_2012
Manual aidpi neonatal_3ed_2012Manual aidpi neonatal_3ed_2012
Manual aidpi neonatal_3ed_2012
Roberta Alves
 
RECÉM-NASCIDO: Cuidados com o pré termo. Vol. 4. Ministério da Saúde
RECÉM-NASCIDO: Cuidados com o pré termo. Vol. 4. Ministério da SaúdeRECÉM-NASCIDO: Cuidados com o pré termo. Vol. 4. Ministério da Saúde
RECÉM-NASCIDO: Cuidados com o pré termo. Vol. 4. Ministério da Saúde
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Atenção a saúde do Recém-Nascido - Volume 4
Atenção a saúde do Recém-Nascido - Volume 4Atenção a saúde do Recém-Nascido - Volume 4
Atenção a saúde do Recém-Nascido - Volume 4
Letícia Spina Tapia
 
Manual 4 rnpt
Manual 4 rnptManual 4 rnpt
Manual 4 rnpt
Luzia Alves
 
Implantação de um programa de pré-natal odontológico na ESF Veneza no municíp...
Implantação de um programa de pré-natal odontológico na ESF Veneza no municíp...Implantação de um programa de pré-natal odontológico na ESF Veneza no municíp...
Implantação de um programa de pré-natal odontológico na ESF Veneza no municíp...
Mariana Cademartori
 
A ORGANIZAÇÃO DA ATENÇÃO PRIMÁRIA A SAÚDE: A EXPERIÊNCIA DE FORTALEZA
A ORGANIZAÇÃO  DA  ATENÇÃO PRIMÁRIA A SAÚDE:  A EXPERIÊNCIA DE FORTALEZAA ORGANIZAÇÃO  DA  ATENÇÃO PRIMÁRIA A SAÚDE:  A EXPERIÊNCIA DE FORTALEZA
A ORGANIZAÇÃO DA ATENÇÃO PRIMÁRIA A SAÚDE: A EXPERIÊNCIA DE FORTALEZA
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 

Semelhante a Pmaq curso apresentação5_cenários 2o ciclo (20)

Estratégias de atenção à saúde para redução da mortalidade materna e na infância
Estratégias de atenção à saúde para redução da mortalidade materna e na infânciaEstratégias de atenção à saúde para redução da mortalidade materna e na infância
Estratégias de atenção à saúde para redução da mortalidade materna e na infância
 
oficina-saudebucal_09_marco_2018_fernanda_goedert.ppt
oficina-saudebucal_09_marco_2018_fernanda_goedert.pptoficina-saudebucal_09_marco_2018_fernanda_goedert.ppt
oficina-saudebucal_09_marco_2018_fernanda_goedert.ppt
 
Apresentacao para triangulacao de dados
Apresentacao para triangulacao de dadosApresentacao para triangulacao de dados
Apresentacao para triangulacao de dados
 
“A Importância dos Sistemas Logísticos e de Apoio para a Gestão Municipal”.
“A Importância dos Sistemas Logísticos e de Apoio para a Gestão Municipal”.“A Importância dos Sistemas Logísticos e de Apoio para a Gestão Municipal”.
“A Importância dos Sistemas Logísticos e de Apoio para a Gestão Municipal”.
 
SP Carinhosa - CRS Centro-oeste
SP Carinhosa - CRS Centro-oesteSP Carinhosa - CRS Centro-oeste
SP Carinhosa - CRS Centro-oeste
 
A situação da Saúde Materno Infantil no Brasil e suas implicações na organiza...
A situação da Saúde Materno Infantil no Brasil e suas implicações na organiza...A situação da Saúde Materno Infantil no Brasil e suas implicações na organiza...
A situação da Saúde Materno Infantil no Brasil e suas implicações na organiza...
 
Relatório USF do Recife
Relatório USF do RecifeRelatório USF do Recife
Relatório USF do Recife
 
Método CANGURU - Manual de seguimento compartilhado com a Atenção Básica de S...
Método CANGURU - Manual de seguimento compartilhado com a Atenção Básica de S...Método CANGURU - Manual de seguimento compartilhado com a Atenção Básica de S...
Método CANGURU - Manual de seguimento compartilhado com a Atenção Básica de S...
 
SaudedaMulher23092015.pdf
SaudedaMulher23092015.pdfSaudedaMulher23092015.pdf
SaudedaMulher23092015.pdf
 
Auditoria interna 2013 finalissimo
Auditoria interna 2013   finalissimoAuditoria interna 2013   finalissimo
Auditoria interna 2013 finalissimo
 
Manual técnico do pré natal e puerpério
Manual técnico do pré natal e puerpérioManual técnico do pré natal e puerpério
Manual técnico do pré natal e puerpério
 
Manual Técnico do Pré-Natal e Puerpério
Manual Técnico do Pré-Natal e PuerpérioManual Técnico do Pré-Natal e Puerpério
Manual Técnico do Pré-Natal e Puerpério
 
atenção a saude da mulher segundo protocolo
atenção a saude da mulher segundo protocoloatenção a saude da mulher segundo protocolo
atenção a saude da mulher segundo protocolo
 
Atenção integrada às doenças prevalentes na infância
Atenção integrada às doenças prevalentes na infânciaAtenção integrada às doenças prevalentes na infância
Atenção integrada às doenças prevalentes na infância
 
Manual aidpi neonatal_3ed_2012
Manual aidpi neonatal_3ed_2012Manual aidpi neonatal_3ed_2012
Manual aidpi neonatal_3ed_2012
 
RECÉM-NASCIDO: Cuidados com o pré termo. Vol. 4. Ministério da Saúde
RECÉM-NASCIDO: Cuidados com o pré termo. Vol. 4. Ministério da SaúdeRECÉM-NASCIDO: Cuidados com o pré termo. Vol. 4. Ministério da Saúde
RECÉM-NASCIDO: Cuidados com o pré termo. Vol. 4. Ministério da Saúde
 
Atenção a saúde do Recém-Nascido - Volume 4
Atenção a saúde do Recém-Nascido - Volume 4Atenção a saúde do Recém-Nascido - Volume 4
Atenção a saúde do Recém-Nascido - Volume 4
 
Manual 4 rnpt
Manual 4 rnptManual 4 rnpt
Manual 4 rnpt
 
Implantação de um programa de pré-natal odontológico na ESF Veneza no municíp...
Implantação de um programa de pré-natal odontológico na ESF Veneza no municíp...Implantação de um programa de pré-natal odontológico na ESF Veneza no municíp...
Implantação de um programa de pré-natal odontológico na ESF Veneza no municíp...
 
A ORGANIZAÇÃO DA ATENÇÃO PRIMÁRIA A SAÚDE: A EXPERIÊNCIA DE FORTALEZA
A ORGANIZAÇÃO  DA  ATENÇÃO PRIMÁRIA A SAÚDE:  A EXPERIÊNCIA DE FORTALEZAA ORGANIZAÇÃO  DA  ATENÇÃO PRIMÁRIA A SAÚDE:  A EXPERIÊNCIA DE FORTALEZA
A ORGANIZAÇÃO DA ATENÇÃO PRIMÁRIA A SAÚDE: A EXPERIÊNCIA DE FORTALEZA
 

Último

Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptxQUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
AntonioVieira539017
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptxapresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
JuliaMachado73
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
DanielCastro80471
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
AdrianoMontagna1
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
edivirgesribeiro1
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
DeuzinhaAzevedo
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
Giovana Gomes da Silva
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
analuisasesso
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 

Último (20)

Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptxQUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptxapresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 

Pmaq curso apresentação5_cenários 2o ciclo

  • 1. Acima da Média, 10,015, 33% Muito Acima da Média, 4,712, 16% Mediano ou Abaixo da Média, 14,729, 48% Desclassificado; 713; 2% Insatisfatório, 353, 1% Certificação Resultados Brasil, 2º ciclo PMAQ FONTE: Ministério da Saúde, Departamento da Atenção Básica, 2015. Disponível em: dab.saude.gov.br Equipes de Atenção Básica FONTE: Ministério da Saúde, Departamento da Atenção Básica, 2015. Disponível em: dab.saude.gov.br
  • 2. Acima da Média, 5,954, 30% Muito Acima da Média, 2,802, 14% Mediano ou Abaixo da Média, 8,757, 44% Desclassificado, 1,745, 9% Insatisfatório, 688, 3% Equipes de Saúde Bucal FONTE: Ministério da Saúde, Departamento da Atenção Básica, 2015. Disponível em: dab.saude.gov.br Certificação Resultados Brasil, 2º ciclo PMAQ FONTE: Ministério da Saúde, Departamento da Atenção Básica, 2015. Disponível em: dab.saude.gov.br
  • 3. Acima da Média; 604; 33% Muito Acima da Média; 285; 16% Mediano ou Abaixo da Média; 884; 49% Desclassificado; 40; 2% Insatisfatório, 0, 0% Equipes NASF FONTE: Ministério da Saúde, Departamento da Atenção Básica, 2015. Disponível em: dab.saude.gov.br Certificação Resultados Brasil, 2º ciclo PMAQ FONTE: Ministério da Saúde, Departamento da Atenção Básica, 2015. Disponível em: dab.saude.gov.br
  • 4. UF MUITO ACIMA DA MÉDIA UF ACIMA DA MÉDIA UF ABAIXO DA MÉDIA RR 0 0,0% AC 11 11,2% SC 362 24,7% RO 2 0,8% RR 10 13,0% SP 1244 36,3% AP 1 1,0% AP 14 13,5% RN 314 36,4% AM 8 1,8% RO 33 13,5% CE 598 36,8% DF 3 2,7% PA 129 16,7% MG 1667 40,6% AC 3 3,1% GO 234 20,1% PI 354 41,1% PA 32 4,2% AM 94 21,3% PR 851 47,8% MA 38 5,8% MT 119 23,2% BA 1265 48,2% AL 44 6,3% RJ 434 23,2% MS 220 50,3% PB 92 7,6% MA 164 25,0% PE 961 52,1% TO 29 8,1% ES 139 27,0% PB 648 53,5% RS 112 9,2% DF 30 27,3% SE 214 56,9% ES 50 9,7% RS 356 29,1% AL 420 60,3% GO 115 9,9% SE 111 29,5% TO 217 60,3% MT 56 10,9% TO 114 31,7% RS 755 61,7% RJ 206 11,0% AL 233 33,4% ES 326 63,3% PE 231 12,5% MS 150 34,3% RJ 1229 65,8% SE 51 13,6% PE 651 35,3% MT 339 66,0% BA 393 15,0% PR 634 35,6% MA 454 69,2% MS 67 15,3% BA 965 36,8% GO 814 70,0% PR 294 16,5% PI 320 37,1% DF 77 70,0% MG 810 19,8% RN 322 37,4% AM 340 76,9% SP 745 21,7% PB 471 38,9% PA 610 79,1% PI 188 21,8% CE 633 39,0% AP 89 85,6% CE 392 24,2% SC 579 39,5% AC 84 85,7% RN 226 26,2% MG 1624 39,6% RO 210 85,7% SC 524 35,8% SP 1441 42,0% RR 67 87,0% Total Geral 4712 - 10015 - 14729 - Certificação,ResultadosBrasil2ºciclo PMAQ,Númeroeproporçãodeequipespor UFeporclassificação
  • 5. A avaliação externa nesse ciclo abrangeu 29 mil Equipes de Atenção Básica/Saúde da Família e aproximadamente 20 mil Equipes de Saúde Bucal entre novembro/2013 e junho/2014 Certificação Resultados Brasil, 2º ciclo PMAQ FONTE: Ministério da Saúde, Departamento da Atenção Básica, 2015. Disponível em: dab.saude.gov.br
  • 6. Resultados Brasil, 2º ciclo PMAQ Acolhimento e acesso aos serviços/infraestrutura FONTE: Ministério da Saúde, Departamento da Atenção Básica, 2015. Disponível em: dab.saude.gov.br 96,9% equipes referem realizar acolhimento. De todas as equipes, 76,4% referem realizar acolhimento nos 5 dias da semana nos turnos da manhã e tarde. No entanto, 60% do total de equipes referem marcar consulta todos os dias, manhã e tarde.
  • 7. 64,1% das equipes atendem por bloco de horas ou a partir de filas para pegar senha. 35,9% das equipes realizam atendimentos com hora marcada. 5% das Unidades Básicas de Saúde (UBS) funcionam em finais de semana e 5,2% funcionam à noite. Resultados Brasil, 2º ciclo PMAQ Acolhimento e acesso aos serviços/infraestrutura FONTE: Ministério da Saúde, Departamento da Atenção Básica, 2015. Disponível em: dab.saude.gov.br
  • 8. Na avaliação dos usuários, para melhor atender suas necessidades, 50% considera que a UBS deveria funcionar durante os finais de semana e 25% à noite. 35,9% das equipes realizam atendimentos com hora marcada. 5% das Unidades Básicas de Saúde funcionam em finais de semana e 5,2% funcionam à noite. Resultados Brasil, 2º ciclo PMAQ Acolhimento e acesso aos serviços/infraestrutura FONTE: Ministério da Saúde, Departamento da Atenção Básica, 2015. Disponível em: dab.saude.gov.br
  • 9. 69,6% das UBS visitadas tem pelo menos um computador; 50,1% das UBS visitadas tem acesso à internet. Resultados Brasil, 2º ciclo PMAQ Acolhimento e acesso aos serviços/infraestrutura FONTE: Ministério da Saúde, Departamento da Atenção Básica, 2015. Disponível em: dab.saude.gov.br
  • 10. Resultados Brasil, 2º ciclo PMAQ Abrangência das ações ofertadas FONTE: Ministério da Saúde, Departamento da Atenção Básica, 2015. Disponível em: dab.saude.gov.br 95,5% das equipes referem ofertar consultas para realização de pré-natal, 91,3% atendimento de crianças, 93,2% cuidado de hipertensos e 93,1% de diabéticos.
  • 11. Por outro lado, 46,1% das referem realizar ações voltadas ao cuidado da obesidade, 40,6% DPOC/Asma, 50,7% tabagismo, 55,2% saúde mental. Resultados Brasil, 2º ciclo PMAQ Abrangência das ações ofertadas FONTE: Ministério da Saúde, Departamento da Atenção Básica, 2015. Disponível em: dab.saude.gov.br
  • 12. 43,7% das equipes realizam coleta de sangue na UBS. 36% das equipes não ofertam lavagem de ouvido, 45% não fazem drenagem de abscesso, 55% não fazem sutura de ferimentos e 60% não realizam extração de unha. Resultados Brasil, 2º ciclo PMAQ Abrangência das ações ofertadas FONTE: Ministério da Saúde, Departamento da Atenção Básica, 2015. Disponível em: dab.saude.gov.br
  • 13. 80,8% das equipes referem ofertar atendimento a crianças de até 5 anos de idade. 8,1% realizam moldagens de próteses dentárias e 22,7% possuem registros de casos suspeitos/confirmados de câncer de boca. Resultados Brasil, 2º ciclo PMAQ Abrangência das ações ofertadas FONTE: Ministério da Saúde, Departamento da Atenção Básica, 2015. Disponível em: dab.saude.gov.br
  • 14. 43,7% das equipes realizam coleta de sangue na UBS. 36% das equipes ofertam ações referentes as Práticas Integrativas e Complementares (PICS). Destas, 28% realizam acupuntura. Resultados Brasil, 2º ciclo PMAQ Abrangência das ações ofertadas FONTE: Ministério da Saúde, Departamento da Atenção Básica, 2015. Disponível em: dab.saude.gov.br
  • 15. Resultados Brasil, 2º ciclo PMAQ Resolutividade e Coordenação do Cuidado FONTE: Ministério da Saúde, Departamento da Atenção Básica, 2015. Disponível em: dab.saude.gov.br 92% das equipes referem receber apoio matricial de outros profissionais para auxiliar na resolução de casos considerados complexos. 57,2% referem que este apoio é realizado pelo NASF. 86,1% das equipes não tem prontuário eletrônico implantado.
  • 16. 90% dos NASF desenvolvem ações para doenças crônicas e reabilitação; 86,7% para pessoas com deficiência; 93,3% para mulheres e 87,7% para crianças. 10,4% dos profissionais afirmam que sempre recebem retorno da avaliação realizada pelos especialistas. Resultados Brasil, 2º ciclo PMAQ Resolutividade e Coordenação do Cuidado FONTE: Ministério da Saúde, Departamento da Atenção Básica, 2015. Disponível em: dab.saude.gov.br
  • 17. 90% dos NASF desenvolvem ações para doenças crônicas e reabilitação; 86,7% para pessoas com deficiência; 93,3% para mulheres e 87,7% para crianças. 10,4% dos profissionais afirmam que sempre recebem retorno da avaliação realizada pelos especialistas. Resultados Brasil, 2º ciclo PMAQ Resolutividade e Coordenação do Cuidado FONTE: Ministério da Saúde, Departamento da Atenção Básica, 2015. Disponível em: dab.saude.gov.br
  • 18. Resultados Brasil, 2º ciclo PMAQ Alguns achados importantes FONTE: Ministério da Saúde, Departamento da Atenção Básica, 2015. Disponível em: dab.saude.gov.br Apesar de acessíveis geograficamente, ainda são poucas as UBS que atendem em horários diferenciados, para além dos dias úteis e do horário comercial. A Atenção Básica no Brasil continua atendendo em grande parte, criança, diabéticos e hipertensos.
  • 19. Quase todas as equipes referem realizar o acolhimento a demanda específica, porém grande parte em horários e/ou turnos específicos. Além disso, 35,9% realizam atendimento com hora marcada (ou por bloco de horas ou por meio de filas para retirar senha) Resultados Brasil, 2º ciclo PMAQ Alguns achados importantes FONTE: Ministério da Saúde, Departamento da Atenção Básica, 2015. Disponível em: dab.saude.gov.br
  • 20. A cobertura de NASF é em torno de 50% para o total de equipes de Atenção Básica/Saúde da Família, porém a maioria das equipes referem receber apoio matricial da rede especializada. As ações do NASF não parecem ampliar as ações das equipes, mas sim reforçar as já existentes (mulher, criança e crônicos) Resultados Brasil, 2º ciclo PMAQ Alguns achados importantes FONTE: Ministério da Saúde, Departamento da Atenção Básica, 2015. Disponível em: dab.saude.gov.br