SlideShare uma empresa Scribd logo
Plenitudelibertando do sofrimento
Leonardo Pereira
PlenitudePlenitudelibertando do sofrimentolibertando do sofrimento
PLENITUDE
(Joanna de Ângelis – psicografia Divaldo P. Franco)
Introdução
É apresentado, neste livro, uma análise dos vários
tipos de sofrimento, físicos e morais. Joanna de
Ângelis faz uma análise dos aspectos do sofrimento,
conforme a visão budista e a cristã, propondo a
solução espírita, convidando-nos ao
autodescobrimento, à vivência evangélica, ao
comportamento lúcido advindo do estudo e da
ação iluminativa na trilha da caridade fraternal.
Sofrimento.
“Senhor, ajuda-me a transitar da
treva para a luz, da mentira para a
verdade e da morte para a
imortalidade.” (Upanishads).
Na variada gênese do sofrimento, todo
esforço para mitigá-lo, sem a remoção das
causas, não logrará senão paliativos,
adiamentos. Mesmo quando alguma
injunção premie o enfermo com uma súbita
liberação, se a terapia não alcançou as
razões que o desencadeiam, ele transitará
de uma outra problemática sem conseguir a
saúde real .
Fugir, escamotear, anestesiar o
sofrimento são métodos ineficazes,
mecanismos de alienação que
postergam a realidade, somando-se
sempre com a sobrecarga das
complicações decorrentes do tempo
perdido.
Pelo contrário, uma atitude corajosa de
examiná-lo e enfrentá-lo representa
Valioso recurso de lucidez com efeito
terapêutico propiciador de paz.
A resignação dinâmica
A resignação dinâmica, isto é,
a aceitação do problema com
uma atitude corajosa de o
enfrentar e remover-lhe a
causa, representa avançado
passo para a solução.
Análise do sofrimento.
“ Os Fenômenos da vida pode ser
comparados a um sonho, a um
fantasma, a uma bolha, a uma
sombra, a uma orvalhada cintilante
ou a um raio luminoso, e como tal
deveriam ser contemplados.”
( Buda – O Sutra Imutável).
Sidarta Gautama
“O caminho do
meio”
Nem mais a
austeridade cruel,
nem as dissipações
comuns, mas o
equilíbrio da meditação.
As Quatro Nobres Verdades
A verdade do sofrimento.
A verdade da origem do sofrimento
A verdade da cessação do
sofrimento
A verdade do caminho que leva a
cessação do sofrimento.
A verdade do sofrimento.
Segundo Gautama:
O sofrimento do sofrimento.
O sofrimento da impermanência.
O sofrimento resultante dos
condicionamentos.
O sofrimento do sofrimento.
O sofrimento do
sofrimento é o resultado
das aflições que ele
mesmo proporciona.
A dor macera os sentimentos,
desencoraja as estruturas psicológicas
frágeis, infelicita, leva a conclusões
falsas e estimula os estados de
exaltação emocional ou depressão,
conforme a estrutura íntima de cada
vítima.
Apresenta-se sobre dois
aspectos:
Físico
Mental
A conduta moral e mental dos homens,
quando cultiva as emoções da irritabilidade,
do ódio, do ciúme, do rancor, das
dissipações, impregna o organismo, o
sistema nervoso, com vibrações deletérias
que bloqueiam áreas por onde se espraia a
energia saudável(...)
(...)abrindo campo para a instalação das
enfermidades, graças à proliferação dos
agentes viróticos degenerativos que ali se
instalam.
As tensões físicas, mentais e emocionais
são, igualmente, responsáveis pelas
doenças – sofrimento que gera sofrimento.
Plenitude libertando do sofrimento
Emoções
Sentimentos
Nascem das
Emoções
Afetos
Exprime-se
através das
emoções
As causas profundas das doenças,
portanto, estão no indivíduo
mesmo, que se deve auto
examinar, autoconhecer-se a fim
de liberar-se desse tipo de
sofrimento.
O sofrimento da Impermanência.
De imediato o prazer gera
sofrimento.
O cotidiano demonstra que a busca
insaciável do prazer constitui um
tormento que aflige sem
compensação.
Quando se tem a oportunidade de
fluí-lo, constata-se que o preço
pago foi muito alto e a sensação
conseguida não recebeu
retribuição correspondente.
Há aquisições que proporcionam
prazer em um momento para logo
se transformarem em dores
acerbas. E o responsável por esse
resultado é a ilusão.
A maioria dos sofrimentos decore
da forma incorreta por que a vida é
encarada. Na sua transitoriedade,
os valores transcendem ao aspecto
e à motivação que geram prazer.
Esse é o sofrimento da
impermanência das coisas
terrenas. Esfumam-se como palha
ao fogo, atiçado pelo vento, logo se
transformando em cinza flutuante
no ar.
Somos contrariados todo o
tempo, pelo que queremos e
pelo que conseguimos.
A maioria das coisas que
planejamos, não saem como
o planejado.
O sofrimento resultante dos
condicionamentos.
O sofrimento resultante dos
condicionamentos abarca a
educação incorreta, a convivência
social pouco saudável, que
propiciam agregados físicos e
mentais contaminados.
Escala de valores:
Imediatismo.
O vulgar.
O promiscuo.
O poder transitório.
A força.
Ao mesmo tempo, a
contaminação psíquica e física,
derivada dos condicionamentos
doentios dos grupos sociais e dos
indivíduos, promove o sofrimento
que poderiam ser evitados.
Origens do sofrimento.
Os sofrimentos produzidos por causas
anteriores são sempre, como os
decorrentes de causas atuais, uma
consequência natural da própria falta
cometida. Quer dizer que, em virtude de
uma rigorosa justiça distributiva, o homem
sofre aquilo que fez os outros sofrerem.
Allan Kardec – ESE – Cap. 5 item - 7
O budismo ainda apresenta duas condições
para a origem do sofrimento:
Interna e externa
Resultando daí outras duas ordens:
Cármicas e as emoções
perturbadoras
Determinismo
Nascimento – Morte – Reencarnação
Livre arbítrio
A opção por como e quando agir libera o espírito do
sofrimento ou agrilhoa-o nas suas tenazes.
Os sofrimentos humanos de
natureza cármica podem
apresentar-se sob dois aspectos
que se complementam:
Provação e Expiação
Provação
É a experiência requerida ou proposta pelos guias
espirituais antes do renascimento corporal.
Poder-se-á identificar essa
providencial escolha na resignação e
coragem demostradas pelo educando
e até mesmo na sua alegria diante das
ocorrências dolorosas.
Expiação
São impostas, irrecusáveis, por constituírem a
medicação eficaz, a cirurgia corretiva para o mal se
se agravou.
Cada ser vive com a consciência
que estrutura.
Enquanto as provações constituem forma
de sofrimento reparador que promove, as
expiações apenas restauram o equilíbrio
Perdido, reconduzindo o delituoso á
situação em que se encontrava antes da
queda brutal.
Causas atuais dos sofrimentos
...quando o homem o busca mediante a
irresponsabilidade, á precipitação e a prevalência
do orgulho.
Na raiz de qualquer tipo de sofrimento
sempre será encontrado como seu autor o
próprio espírito, que se conduziu
erroneamente, trocando o mecanismo do
amor pelo da dor, no processo da sua
evolução.
A dor tem o papel de
reconduzi-lo ao amor,
de onde se afastou.
Cessação do
sofrimento.
“ O homem tem que lutar com o
problema do sofrimento e não
com o sintoma. O sofrimento
precisa ser superado e o único
meio de superá-lo é suportando-
o. Aprendemos isso com Ele(o
Cristo)”. Jung (cartas,vol 1).
Saber quais são os sofrimentos.
Conhecer as origens.
Compreender o por que e para
que do sofrimento.
Interiorizar esse conhecimento.
Resignação ativa.
Caminhos para o cessar
do sofrimento.
Qual é a finalidade da
encarnação dos Espíritos?
Em . LE. 132.
Deus a impõe com o fim de levá-los à perfeição:
para uns, é uma expiação; para outros, uma
missão. Mas, para chegar a essa perfeição, eles
devem sofrer todas as vicissitudes da existência
corpórea; nisto é que está a expiação. A encarnação
tem ainda outra finalidade, que é a de pôr o
Espírito em condições de enfrentar a sua parte na
obra da Criação.
A reencarnação tem
função pedagógica e
não punitiva.
A Cessação do
sofrimento reside no
amor.
Como aprender a
amar?
“Mestre, qual o mandamento maior da
lei?” - Jesus respondeu:
“Amarás o Senhor teu Deus de todo
o teu coração, de toda tua alma e
de todo o teu espírito; este o maior
e o primeiro mandamento”.
E aqui tendes o segundo, semelhante a
esse:
Amarás o teu próximo, como a
ti mesmo.
Toda a lei e os profetas se acham contidos
nesses dois mandamentos.”
(S. MATEUS, cap. XXII, vv. 34 a 40.)
Caminhos para a
saúde e autocura
Altruísmo.
O altruísmo é a lição viva da caridade,
expressão superior do sentimento de amor
enobrecido, abre as portas à ação, sem a
qual não teria sentido sua existência.
Fazei aos homens tudo o que
queirais que eles vos façam,
pois é nisto que consistem a lei
e os profetas. (Idem, cap. VII, v. 12.)
Quem medita retamente,
crê, quer, fala, opera, vive,
esforça-se e pensa com
retidão, adquire os valores
indispensáveis à salvação.
Nesse estágio, a pessoa doa-se e já
não mais vive, sendo o “Cristo
quem vive” nela, conforme
afirmou o apostolo Paulo:...”(...);
logo, já não sou eu que vive, mas o
Cristo que vive em mim.” (Gálatas 2:20)
(...) Liberta-se, por fim
do sofrimento.
Uma linda manhã e uma
Feliz Semana!
Uma linda manhã e uma
Feliz Semana!
Plenitude libertando do sofrimento

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Centro Espírita - Farol de Luz
Centro Espírita - Farol de LuzCentro Espírita - Farol de Luz
Centro Espírita - Farol de Luz
Ricardo Azevedo
 
Os tormentos voluntários
Os tormentos voluntáriosOs tormentos voluntários
Os tormentos voluntários
balsense
 
Ajuda-te a ti mesmo que o céu te ajudará
Ajuda-te a ti mesmo que o céu te ajudaráAjuda-te a ti mesmo que o céu te ajudará
Ajuda-te a ti mesmo que o céu te ajudará
Graça Maciel
 
ReconciliaçãO Com Os AdversáRios
ReconciliaçãO Com Os AdversáRiosReconciliaçãO Com Os AdversáRios
ReconciliaçãO Com Os AdversáRios
Grupo Espírita Cristão
 
Bem-aventurados os aflitos
Bem-aventurados os aflitos Bem-aventurados os aflitos
Bem-aventurados os aflitos
Clair Bianchini
 
Meu reino não é deste mundo
Meu reino não é deste mundoMeu reino não é deste mundo
Meu reino não é deste mundo
Eduardo Ottonelli Pithan
 
O CÉU E O INFERNO "Visão Espírita"
O CÉU E O INFERNO "Visão Espírita"O CÉU E O INFERNO "Visão Espírita"
O CÉU E O INFERNO "Visão Espírita"
Jorge Luiz dos Santos
 
O Poder da Vontade
O Poder da VontadeO Poder da Vontade
O Poder da Vontade
Ricardo Azevedo
 
Datashow - Os vícios na visão espírita
Datashow  - Os vícios na visão espíritaDatashow  - Os vícios na visão espírita
Datashow - Os vícios na visão espírita
Alfredo Lopes
 
Conhece se a árvore pelos frutos gec 03-09-2011
Conhece se a árvore pelos frutos gec 03-09-2011Conhece se a árvore pelos frutos gec 03-09-2011
Conhece se a árvore pelos frutos gec 03-09-2011
Izabel Cristina Fonseca
 
Os Inimigos Desencarnados(Ese)
Os Inimigos Desencarnados(Ese)Os Inimigos Desencarnados(Ese)
Os Inimigos Desencarnados(Ese)
Grupo Espírita Cristão
 
Da encarnação dos Espíritos
Da encarnação dos EspíritosDa encarnação dos Espíritos
Da encarnação dos Espíritos
home
 
Palestra Espírita - Suicidio e loucura
Palestra Espírita - Suicidio e loucuraPalestra Espírita - Suicidio e loucura
Palestra Espírita - Suicidio e loucura
Divulgador do Espiritismo
 
O Papel do Centro Espírita
O Papel do Centro EspíritaO Papel do Centro Espírita
O Papel do Centro Espírita
Ricardo Azevedo
 
Os sofrimentos voluntarios
Os sofrimentos voluntariosOs sofrimentos voluntarios
Os sofrimentos voluntarios
Marcos Antônio Alves
 
A ação da prece e transmissão do pensamento
A ação da prece e transmissão do pensamentoA ação da prece e transmissão do pensamento
A ação da prece e transmissão do pensamento
ceakitajai
 
Palestra reforma íntima
Palestra   reforma íntimaPalestra   reforma íntima
Palestra reforma íntima
KATIA MARIA FARAH V DA SILVA
 
Estudando André Luiz Nosso Lar cap. 24 a 33
Estudando André Luiz Nosso Lar cap. 24 a 33Estudando André Luiz Nosso Lar cap. 24 a 33
Estudando André Luiz Nosso Lar cap. 24 a 33
Jose Luiz Maio
 
Palestra Espirita - Buscai e Achareis
Palestra Espirita - Buscai e AchareisPalestra Espirita - Buscai e Achareis
Palestra Espirita - Buscai e Achareis
manumino
 
Conflitos Existenciais e Maturidade do Espírito
Conflitos Existenciais e Maturidade do EspíritoConflitos Existenciais e Maturidade do Espírito
Conflitos Existenciais e Maturidade do Espírito
igmateus
 

Mais procurados (20)

Centro Espírita - Farol de Luz
Centro Espírita - Farol de LuzCentro Espírita - Farol de Luz
Centro Espírita - Farol de Luz
 
Os tormentos voluntários
Os tormentos voluntáriosOs tormentos voluntários
Os tormentos voluntários
 
Ajuda-te a ti mesmo que o céu te ajudará
Ajuda-te a ti mesmo que o céu te ajudaráAjuda-te a ti mesmo que o céu te ajudará
Ajuda-te a ti mesmo que o céu te ajudará
 
ReconciliaçãO Com Os AdversáRios
ReconciliaçãO Com Os AdversáRiosReconciliaçãO Com Os AdversáRios
ReconciliaçãO Com Os AdversáRios
 
Bem-aventurados os aflitos
Bem-aventurados os aflitos Bem-aventurados os aflitos
Bem-aventurados os aflitos
 
Meu reino não é deste mundo
Meu reino não é deste mundoMeu reino não é deste mundo
Meu reino não é deste mundo
 
O CÉU E O INFERNO "Visão Espírita"
O CÉU E O INFERNO "Visão Espírita"O CÉU E O INFERNO "Visão Espírita"
O CÉU E O INFERNO "Visão Espírita"
 
O Poder da Vontade
O Poder da VontadeO Poder da Vontade
O Poder da Vontade
 
Datashow - Os vícios na visão espírita
Datashow  - Os vícios na visão espíritaDatashow  - Os vícios na visão espírita
Datashow - Os vícios na visão espírita
 
Conhece se a árvore pelos frutos gec 03-09-2011
Conhece se a árvore pelos frutos gec 03-09-2011Conhece se a árvore pelos frutos gec 03-09-2011
Conhece se a árvore pelos frutos gec 03-09-2011
 
Os Inimigos Desencarnados(Ese)
Os Inimigos Desencarnados(Ese)Os Inimigos Desencarnados(Ese)
Os Inimigos Desencarnados(Ese)
 
Da encarnação dos Espíritos
Da encarnação dos EspíritosDa encarnação dos Espíritos
Da encarnação dos Espíritos
 
Palestra Espírita - Suicidio e loucura
Palestra Espírita - Suicidio e loucuraPalestra Espírita - Suicidio e loucura
Palestra Espírita - Suicidio e loucura
 
O Papel do Centro Espírita
O Papel do Centro EspíritaO Papel do Centro Espírita
O Papel do Centro Espírita
 
Os sofrimentos voluntarios
Os sofrimentos voluntariosOs sofrimentos voluntarios
Os sofrimentos voluntarios
 
A ação da prece e transmissão do pensamento
A ação da prece e transmissão do pensamentoA ação da prece e transmissão do pensamento
A ação da prece e transmissão do pensamento
 
Palestra reforma íntima
Palestra   reforma íntimaPalestra   reforma íntima
Palestra reforma íntima
 
Estudando André Luiz Nosso Lar cap. 24 a 33
Estudando André Luiz Nosso Lar cap. 24 a 33Estudando André Luiz Nosso Lar cap. 24 a 33
Estudando André Luiz Nosso Lar cap. 24 a 33
 
Palestra Espirita - Buscai e Achareis
Palestra Espirita - Buscai e AchareisPalestra Espirita - Buscai e Achareis
Palestra Espirita - Buscai e Achareis
 
Conflitos Existenciais e Maturidade do Espírito
Conflitos Existenciais e Maturidade do EspíritoConflitos Existenciais e Maturidade do Espírito
Conflitos Existenciais e Maturidade do Espírito
 

Destaque

A Plenitude do Reino de Deus - Aula EBD - Lição 13 | 25 de setembro de 2011
A Plenitude do Reino de Deus - Aula EBD - Lição 13 | 25 de setembro de 2011A Plenitude do Reino de Deus - Aula EBD - Lição 13 | 25 de setembro de 2011
A Plenitude do Reino de Deus - Aula EBD - Lição 13 | 25 de setembro de 2011
Frederico Fonseca
 
O problema da dor (léon denis)
O problema da dor (léon denis)O problema da dor (léon denis)
O problema da dor (léon denis)
José Patrocinio
 
A missão integral da igreja [salvo automaticamente]
A missão integral da igreja [salvo automaticamente]A missão integral da igreja [salvo automaticamente]
A missão integral da igreja [salvo automaticamente]
Joziran Vieira joziran
 
A IMPORTÂNCIA DE VIVER EM GRUPO - TEMA PARA JOVENS
A IMPORTÂNCIA DE VIVER EM GRUPO - TEMA PARA JOVENSA IMPORTÂNCIA DE VIVER EM GRUPO - TEMA PARA JOVENS
A IMPORTÂNCIA DE VIVER EM GRUPO - TEMA PARA JOVENS
Emanuel Costa
 
Das ocupações e missões dos espíritos!
Das ocupações e missões dos espíritos!Das ocupações e missões dos espíritos!
Das ocupações e missões dos espíritos!
Leonardo Pereira
 
A missão de jesus cristo
A missão de jesus cristoA missão de jesus cristo
A missão de jesus cristo
Emanuel Costa
 

Destaque (6)

A Plenitude do Reino de Deus - Aula EBD - Lição 13 | 25 de setembro de 2011
A Plenitude do Reino de Deus - Aula EBD - Lição 13 | 25 de setembro de 2011A Plenitude do Reino de Deus - Aula EBD - Lição 13 | 25 de setembro de 2011
A Plenitude do Reino de Deus - Aula EBD - Lição 13 | 25 de setembro de 2011
 
O problema da dor (léon denis)
O problema da dor (léon denis)O problema da dor (léon denis)
O problema da dor (léon denis)
 
A missão integral da igreja [salvo automaticamente]
A missão integral da igreja [salvo automaticamente]A missão integral da igreja [salvo automaticamente]
A missão integral da igreja [salvo automaticamente]
 
A IMPORTÂNCIA DE VIVER EM GRUPO - TEMA PARA JOVENS
A IMPORTÂNCIA DE VIVER EM GRUPO - TEMA PARA JOVENSA IMPORTÂNCIA DE VIVER EM GRUPO - TEMA PARA JOVENS
A IMPORTÂNCIA DE VIVER EM GRUPO - TEMA PARA JOVENS
 
Das ocupações e missões dos espíritos!
Das ocupações e missões dos espíritos!Das ocupações e missões dos espíritos!
Das ocupações e missões dos espíritos!
 
A missão de jesus cristo
A missão de jesus cristoA missão de jesus cristo
A missão de jesus cristo
 

Semelhante a Plenitude libertando do sofrimento

Rastros de luz 10
Rastros de luz 10Rastros de luz 10
Rastros de luz 10
MRS
 
O perdão a indulgencia
O perdão a indulgenciaO perdão a indulgencia
O perdão a indulgencia
Henrique Vieira
 
Espiritualidade e saúde (fatima)
Espiritualidade e saúde (fatima)Espiritualidade e saúde (fatima)
Espiritualidade e saúde (fatima)
Fatima Carvalho
 
07 perispírito e doenças
07   perispírito e doenças07   perispírito e doenças
07 perispírito e doenças
jcevadro
 
Desenvolvimento da autoconsciência 7
Desenvolvimento da autoconsciência 7Desenvolvimento da autoconsciência 7
Desenvolvimento da autoconsciência 7
Fatoze
 
5 o médico jesus - você é seu remédio
5   o médico jesus - você é seu remédio5   o médico jesus - você é seu remédio
5 o médico jesus - você é seu remédio
Fatoze
 
Amor terapia
Amor terapiaAmor terapia
Amor terapia
Helio Cruz
 
Doenças da alma
Doenças da almaDoenças da alma
Doenças da alma
João Lister Pereira
 
Desenvolvimento da autoconsciência 8
Desenvolvimento da autoconsciência 8Desenvolvimento da autoconsciência 8
Desenvolvimento da autoconsciência 8
Fatoze
 
AUTOCONHECER-SE ATRAVÉS DA DOR
AUTOCONHECER-SE ATRAVÉS DA DORAUTOCONHECER-SE ATRAVÉS DA DOR
AUTOCONHECER-SE ATRAVÉS DA DOR
ARMAZÉM DE ARTES TANIA PAUPITZ
 
Conflitos existenciais e o atendimento no centro espírita(Leonardo Pereira).
Conflitos existenciais e o atendimento no centro espírita(Leonardo Pereira). Conflitos existenciais e o atendimento no centro espírita(Leonardo Pereira).
Conflitos existenciais e o atendimento no centro espírita(Leonardo Pereira).
Leonardo Pereira
 
Pelo amor ou pela dor!
Pelo amor ou pela dor!Pelo amor ou pela dor!
Pelo amor ou pela dor!
Leonardo Pereira
 
Medicina E Espiritismo
Medicina E EspiritismoMedicina E Espiritismo
Medicina E Espiritismo
Grupo Espírita Cristão
 
Momentos de saúde (psicografia divaldo pereira franco espírito joanna de ân...
Momentos de saúde (psicografia divaldo pereira franco   espírito joanna de ân...Momentos de saúde (psicografia divaldo pereira franco   espírito joanna de ân...
Momentos de saúde (psicografia divaldo pereira franco espírito joanna de ân...
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
Processos de autocura
Processos de autocuraProcessos de autocura
Processos de autocura
Levi Antonio Amancio
 
A carta magna da paz - Cap II - regiões de reequilíbrio na terra
A carta magna da paz - Cap II - regiões de reequilíbrio na terraA carta magna da paz - Cap II - regiões de reequilíbrio na terra
A carta magna da paz - Cap II - regiões de reequilíbrio na terra
Eduardo Manoel Araujo
 
Triunfo Pessoal (Por Joanna De âNgelis)
Triunfo Pessoal (Por Joanna De âNgelis)Triunfo Pessoal (Por Joanna De âNgelis)
Triunfo Pessoal (Por Joanna De âNgelis)
Grupo Espírita Cristão
 
Aspectos espirituais de saúde e doenças1
Aspectos espirituais de saúde e doenças1Aspectos espirituais de saúde e doenças1
Aspectos espirituais de saúde e doenças1
Dr. Walter Cury
 
Boletim o pae julho 2018
Boletim o pae   julho 2018Boletim o pae   julho 2018
Boletim o pae julho 2018
O PAE PAE
 
Desobsessao
DesobsessaoDesobsessao
Desobsessao
paikachambi
 

Semelhante a Plenitude libertando do sofrimento (20)

Rastros de luz 10
Rastros de luz 10Rastros de luz 10
Rastros de luz 10
 
O perdão a indulgencia
O perdão a indulgenciaO perdão a indulgencia
O perdão a indulgencia
 
Espiritualidade e saúde (fatima)
Espiritualidade e saúde (fatima)Espiritualidade e saúde (fatima)
Espiritualidade e saúde (fatima)
 
07 perispírito e doenças
07   perispírito e doenças07   perispírito e doenças
07 perispírito e doenças
 
Desenvolvimento da autoconsciência 7
Desenvolvimento da autoconsciência 7Desenvolvimento da autoconsciência 7
Desenvolvimento da autoconsciência 7
 
5 o médico jesus - você é seu remédio
5   o médico jesus - você é seu remédio5   o médico jesus - você é seu remédio
5 o médico jesus - você é seu remédio
 
Amor terapia
Amor terapiaAmor terapia
Amor terapia
 
Doenças da alma
Doenças da almaDoenças da alma
Doenças da alma
 
Desenvolvimento da autoconsciência 8
Desenvolvimento da autoconsciência 8Desenvolvimento da autoconsciência 8
Desenvolvimento da autoconsciência 8
 
AUTOCONHECER-SE ATRAVÉS DA DOR
AUTOCONHECER-SE ATRAVÉS DA DORAUTOCONHECER-SE ATRAVÉS DA DOR
AUTOCONHECER-SE ATRAVÉS DA DOR
 
Conflitos existenciais e o atendimento no centro espírita(Leonardo Pereira).
Conflitos existenciais e o atendimento no centro espírita(Leonardo Pereira). Conflitos existenciais e o atendimento no centro espírita(Leonardo Pereira).
Conflitos existenciais e o atendimento no centro espírita(Leonardo Pereira).
 
Pelo amor ou pela dor!
Pelo amor ou pela dor!Pelo amor ou pela dor!
Pelo amor ou pela dor!
 
Medicina E Espiritismo
Medicina E EspiritismoMedicina E Espiritismo
Medicina E Espiritismo
 
Momentos de saúde (psicografia divaldo pereira franco espírito joanna de ân...
Momentos de saúde (psicografia divaldo pereira franco   espírito joanna de ân...Momentos de saúde (psicografia divaldo pereira franco   espírito joanna de ân...
Momentos de saúde (psicografia divaldo pereira franco espírito joanna de ân...
 
Processos de autocura
Processos de autocuraProcessos de autocura
Processos de autocura
 
A carta magna da paz - Cap II - regiões de reequilíbrio na terra
A carta magna da paz - Cap II - regiões de reequilíbrio na terraA carta magna da paz - Cap II - regiões de reequilíbrio na terra
A carta magna da paz - Cap II - regiões de reequilíbrio na terra
 
Triunfo Pessoal (Por Joanna De âNgelis)
Triunfo Pessoal (Por Joanna De âNgelis)Triunfo Pessoal (Por Joanna De âNgelis)
Triunfo Pessoal (Por Joanna De âNgelis)
 
Aspectos espirituais de saúde e doenças1
Aspectos espirituais de saúde e doenças1Aspectos espirituais de saúde e doenças1
Aspectos espirituais de saúde e doenças1
 
Boletim o pae julho 2018
Boletim o pae   julho 2018Boletim o pae   julho 2018
Boletim o pae julho 2018
 
Desobsessao
DesobsessaoDesobsessao
Desobsessao
 

Mais de Leonardo Pereira

Jesus " psicólogo por excelência"
Jesus " psicólogo por excelência" Jesus " psicólogo por excelência"
Jesus " psicólogo por excelência"
Leonardo Pereira
 
Jesus "o Cristo de nossos dias"
Jesus "o Cristo de nossos dias"Jesus "o Cristo de nossos dias"
Jesus "o Cristo de nossos dias"
Leonardo Pereira
 
E a morte o fim da vida
E a morte o fim da vidaE a morte o fim da vida
E a morte o fim da vida
Leonardo Pereira
 
Doentes da alma ' Raiva ' melindre e magoa
Doentes da alma ' Raiva ' melindre e magoa Doentes da alma ' Raiva ' melindre e magoa
Doentes da alma ' Raiva ' melindre e magoa
Leonardo Pereira
 
Escutando sentimentos cap 10 a 12
Escutando sentimentos cap 10 a 12Escutando sentimentos cap 10 a 12
Escutando sentimentos cap 10 a 12
Leonardo Pereira
 
Escutando sentimentos cap 09e 10
Escutando sentimentos cap 09e 10Escutando sentimentos cap 09e 10
Escutando sentimentos cap 09e 10
Leonardo Pereira
 
Escutando sentimentos cap 07e 08
Escutando sentimentos cap 07e 08Escutando sentimentos cap 07e 08
Escutando sentimentos cap 07e 08
Leonardo Pereira
 
Escutando sentimentos cap 06
Escutando sentimentos cap 06Escutando sentimentos cap 06
Escutando sentimentos cap 06
Leonardo Pereira
 
Escutando sentimentos cap 04
Escutando sentimentos cap 04Escutando sentimentos cap 04
Escutando sentimentos cap 04
Leonardo Pereira
 
Escutando sentimentos cap 03
Escutando sentimentos cap 03Escutando sentimentos cap 03
Escutando sentimentos cap 03
Leonardo Pereira
 
Escutando sentimentos cap 02
Escutando sentimentos cap 02Escutando sentimentos cap 02
Escutando sentimentos cap 02
Leonardo Pereira
 
Escutando sentimentos cap 1
Escutando sentimentos  cap 1Escutando sentimentos  cap 1
Escutando sentimentos cap 1
Leonardo Pereira
 
O apego e suas consequencias para o espirito imortal
O apego e suas consequencias para o espirito imortalO apego e suas consequencias para o espirito imortal
O apego e suas consequencias para o espirito imortal
Leonardo Pereira
 
Consciência e evolução
Consciência e evolução Consciência e evolução
Consciência e evolução
Leonardo Pereira
 
Prisões mentais
Prisões mentaisPrisões mentais
Prisões mentais
Leonardo Pereira
 
Seminário Médiuns obsediados
Seminário Médiuns obsediadosSeminário Médiuns obsediados
Seminário Médiuns obsediados
Leonardo Pereira
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Leonardo Pereira
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Leonardo Pereira
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Leonardo Pereira
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Leonardo Pereira
 

Mais de Leonardo Pereira (20)

Jesus " psicólogo por excelência"
Jesus " psicólogo por excelência" Jesus " psicólogo por excelência"
Jesus " psicólogo por excelência"
 
Jesus "o Cristo de nossos dias"
Jesus "o Cristo de nossos dias"Jesus "o Cristo de nossos dias"
Jesus "o Cristo de nossos dias"
 
E a morte o fim da vida
E a morte o fim da vidaE a morte o fim da vida
E a morte o fim da vida
 
Doentes da alma ' Raiva ' melindre e magoa
Doentes da alma ' Raiva ' melindre e magoa Doentes da alma ' Raiva ' melindre e magoa
Doentes da alma ' Raiva ' melindre e magoa
 
Escutando sentimentos cap 10 a 12
Escutando sentimentos cap 10 a 12Escutando sentimentos cap 10 a 12
Escutando sentimentos cap 10 a 12
 
Escutando sentimentos cap 09e 10
Escutando sentimentos cap 09e 10Escutando sentimentos cap 09e 10
Escutando sentimentos cap 09e 10
 
Escutando sentimentos cap 07e 08
Escutando sentimentos cap 07e 08Escutando sentimentos cap 07e 08
Escutando sentimentos cap 07e 08
 
Escutando sentimentos cap 06
Escutando sentimentos cap 06Escutando sentimentos cap 06
Escutando sentimentos cap 06
 
Escutando sentimentos cap 04
Escutando sentimentos cap 04Escutando sentimentos cap 04
Escutando sentimentos cap 04
 
Escutando sentimentos cap 03
Escutando sentimentos cap 03Escutando sentimentos cap 03
Escutando sentimentos cap 03
 
Escutando sentimentos cap 02
Escutando sentimentos cap 02Escutando sentimentos cap 02
Escutando sentimentos cap 02
 
Escutando sentimentos cap 1
Escutando sentimentos  cap 1Escutando sentimentos  cap 1
Escutando sentimentos cap 1
 
O apego e suas consequencias para o espirito imortal
O apego e suas consequencias para o espirito imortalO apego e suas consequencias para o espirito imortal
O apego e suas consequencias para o espirito imortal
 
Consciência e evolução
Consciência e evolução Consciência e evolução
Consciência e evolução
 
Prisões mentais
Prisões mentaisPrisões mentais
Prisões mentais
 
Seminário Médiuns obsediados
Seminário Médiuns obsediadosSeminário Médiuns obsediados
Seminário Médiuns obsediados
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
 

Último

Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - RevidesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Ricardo Azevedo
 
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
PIB Penha
 
auxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdf
auxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdfauxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdf
auxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdf
EzeirAlvesdaSilva
 
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
PIB Penha
 
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptxBatismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
nadeclarice
 
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita RafaelA Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
DavidBertelli3
 
grabovoi apostila.pdf FORMA CORRETA DE UTILIZAÇÃO
grabovoi apostila.pdf  FORMA CORRETA DE UTILIZAÇÃOgrabovoi apostila.pdf  FORMA CORRETA DE UTILIZAÇÃO
grabovoi apostila.pdf FORMA CORRETA DE UTILIZAÇÃO
luartfelt
 
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
PIB Penha
 
3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia
3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia
3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia
OBrasilParaCristoRad
 
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyugcontrole-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
AntonioMugiba
 
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.pptEncontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
SanturioTacararu
 
Especialidade Arqueologia Bíblica.pptx
Especialidade  Arqueologia  Bíblica.pptxEspecialidade  Arqueologia  Bíblica.pptx
Especialidade Arqueologia Bíblica.pptx
AlexandreJr7
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
AndreyCamarini
 
PALESTRA SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO 09-09-2017 slides.ppt
PALESTRA SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO 09-09-2017 slides.pptPALESTRA SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO 09-09-2017 slides.ppt
PALESTRA SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO 09-09-2017 slides.ppt
FranciscoAudisio2
 
7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA
7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA
7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA
OBrasilParaCristoRad
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Celso Napoleon
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
Rogério Augusto Ayres de Araujo
 
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
PIB Penha
 
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.128 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
PIB Penha
 
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
Nilson Almeida
 

Último (20)

Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - RevidesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
 
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
 
auxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdf
auxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdfauxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdf
auxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdf
 
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
 
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptxBatismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
 
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita RafaelA Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
 
grabovoi apostila.pdf FORMA CORRETA DE UTILIZAÇÃO
grabovoi apostila.pdf  FORMA CORRETA DE UTILIZAÇÃOgrabovoi apostila.pdf  FORMA CORRETA DE UTILIZAÇÃO
grabovoi apostila.pdf FORMA CORRETA DE UTILIZAÇÃO
 
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
 
3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia
3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia
3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia
 
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyugcontrole-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
 
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.pptEncontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
 
Especialidade Arqueologia Bíblica.pptx
Especialidade  Arqueologia  Bíblica.pptxEspecialidade  Arqueologia  Bíblica.pptx
Especialidade Arqueologia Bíblica.pptx
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
 
PALESTRA SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO 09-09-2017 slides.ppt
PALESTRA SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO 09-09-2017 slides.pptPALESTRA SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO 09-09-2017 slides.ppt
PALESTRA SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO 09-09-2017 slides.ppt
 
7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA
7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA
7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
 
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
 
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.128 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
 
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
 

Plenitude libertando do sofrimento

  • 1. Plenitudelibertando do sofrimento Leonardo Pereira PlenitudePlenitudelibertando do sofrimentolibertando do sofrimento
  • 2. PLENITUDE (Joanna de Ângelis – psicografia Divaldo P. Franco)
  • 3. Introdução É apresentado, neste livro, uma análise dos vários tipos de sofrimento, físicos e morais. Joanna de Ângelis faz uma análise dos aspectos do sofrimento, conforme a visão budista e a cristã, propondo a solução espírita, convidando-nos ao autodescobrimento, à vivência evangélica, ao comportamento lúcido advindo do estudo e da ação iluminativa na trilha da caridade fraternal.
  • 4. Sofrimento. “Senhor, ajuda-me a transitar da treva para a luz, da mentira para a verdade e da morte para a imortalidade.” (Upanishads).
  • 5. Na variada gênese do sofrimento, todo esforço para mitigá-lo, sem a remoção das causas, não logrará senão paliativos, adiamentos. Mesmo quando alguma injunção premie o enfermo com uma súbita liberação, se a terapia não alcançou as razões que o desencadeiam, ele transitará de uma outra problemática sem conseguir a saúde real .
  • 6. Fugir, escamotear, anestesiar o sofrimento são métodos ineficazes, mecanismos de alienação que postergam a realidade, somando-se sempre com a sobrecarga das complicações decorrentes do tempo perdido.
  • 7. Pelo contrário, uma atitude corajosa de examiná-lo e enfrentá-lo representa Valioso recurso de lucidez com efeito terapêutico propiciador de paz. A resignação dinâmica
  • 8. A resignação dinâmica, isto é, a aceitação do problema com uma atitude corajosa de o enfrentar e remover-lhe a causa, representa avançado passo para a solução.
  • 10. “ Os Fenômenos da vida pode ser comparados a um sonho, a um fantasma, a uma bolha, a uma sombra, a uma orvalhada cintilante ou a um raio luminoso, e como tal deveriam ser contemplados.” ( Buda – O Sutra Imutável).
  • 12. “O caminho do meio” Nem mais a austeridade cruel, nem as dissipações comuns, mas o equilíbrio da meditação.
  • 13. As Quatro Nobres Verdades
  • 14. A verdade do sofrimento. A verdade da origem do sofrimento A verdade da cessação do sofrimento A verdade do caminho que leva a cessação do sofrimento.
  • 15. A verdade do sofrimento.
  • 16. Segundo Gautama: O sofrimento do sofrimento. O sofrimento da impermanência. O sofrimento resultante dos condicionamentos.
  • 17. O sofrimento do sofrimento.
  • 18. O sofrimento do sofrimento é o resultado das aflições que ele mesmo proporciona.
  • 19. A dor macera os sentimentos, desencoraja as estruturas psicológicas frágeis, infelicita, leva a conclusões falsas e estimula os estados de exaltação emocional ou depressão, conforme a estrutura íntima de cada vítima.
  • 21. A conduta moral e mental dos homens, quando cultiva as emoções da irritabilidade, do ódio, do ciúme, do rancor, das dissipações, impregna o organismo, o sistema nervoso, com vibrações deletérias que bloqueiam áreas por onde se espraia a energia saudável(...)
  • 22. (...)abrindo campo para a instalação das enfermidades, graças à proliferação dos agentes viróticos degenerativos que ali se instalam.
  • 23. As tensões físicas, mentais e emocionais são, igualmente, responsáveis pelas doenças – sofrimento que gera sofrimento.
  • 26. As causas profundas das doenças, portanto, estão no indivíduo mesmo, que se deve auto examinar, autoconhecer-se a fim de liberar-se desse tipo de sofrimento.
  • 27. O sofrimento da Impermanência.
  • 28. De imediato o prazer gera sofrimento. O cotidiano demonstra que a busca insaciável do prazer constitui um tormento que aflige sem compensação.
  • 29. Quando se tem a oportunidade de fluí-lo, constata-se que o preço pago foi muito alto e a sensação conseguida não recebeu retribuição correspondente.
  • 30. Há aquisições que proporcionam prazer em um momento para logo se transformarem em dores acerbas. E o responsável por esse resultado é a ilusão.
  • 31. A maioria dos sofrimentos decore da forma incorreta por que a vida é encarada. Na sua transitoriedade, os valores transcendem ao aspecto e à motivação que geram prazer.
  • 32. Esse é o sofrimento da impermanência das coisas terrenas. Esfumam-se como palha ao fogo, atiçado pelo vento, logo se transformando em cinza flutuante no ar.
  • 33. Somos contrariados todo o tempo, pelo que queremos e pelo que conseguimos. A maioria das coisas que planejamos, não saem como o planejado.
  • 34. O sofrimento resultante dos condicionamentos.
  • 35. O sofrimento resultante dos condicionamentos abarca a educação incorreta, a convivência social pouco saudável, que propiciam agregados físicos e mentais contaminados.
  • 36. Escala de valores: Imediatismo. O vulgar. O promiscuo. O poder transitório. A força.
  • 37. Ao mesmo tempo, a contaminação psíquica e física, derivada dos condicionamentos doentios dos grupos sociais e dos indivíduos, promove o sofrimento que poderiam ser evitados.
  • 39. Os sofrimentos produzidos por causas anteriores são sempre, como os decorrentes de causas atuais, uma consequência natural da própria falta cometida. Quer dizer que, em virtude de uma rigorosa justiça distributiva, o homem sofre aquilo que fez os outros sofrerem. Allan Kardec – ESE – Cap. 5 item - 7
  • 40. O budismo ainda apresenta duas condições para a origem do sofrimento: Interna e externa Resultando daí outras duas ordens: Cármicas e as emoções perturbadoras
  • 41. Determinismo Nascimento – Morte – Reencarnação
  • 42. Livre arbítrio A opção por como e quando agir libera o espírito do sofrimento ou agrilhoa-o nas suas tenazes.
  • 43. Os sofrimentos humanos de natureza cármica podem apresentar-se sob dois aspectos que se complementam: Provação e Expiação
  • 44. Provação É a experiência requerida ou proposta pelos guias espirituais antes do renascimento corporal.
  • 45. Poder-se-á identificar essa providencial escolha na resignação e coragem demostradas pelo educando e até mesmo na sua alegria diante das ocorrências dolorosas.
  • 46. Expiação São impostas, irrecusáveis, por constituírem a medicação eficaz, a cirurgia corretiva para o mal se se agravou.
  • 47. Cada ser vive com a consciência que estrutura.
  • 48. Enquanto as provações constituem forma de sofrimento reparador que promove, as expiações apenas restauram o equilíbrio Perdido, reconduzindo o delituoso á situação em que se encontrava antes da queda brutal.
  • 49. Causas atuais dos sofrimentos ...quando o homem o busca mediante a irresponsabilidade, á precipitação e a prevalência do orgulho.
  • 50. Na raiz de qualquer tipo de sofrimento sempre será encontrado como seu autor o próprio espírito, que se conduziu erroneamente, trocando o mecanismo do amor pelo da dor, no processo da sua evolução.
  • 51. A dor tem o papel de reconduzi-lo ao amor, de onde se afastou.
  • 53. “ O homem tem que lutar com o problema do sofrimento e não com o sintoma. O sofrimento precisa ser superado e o único meio de superá-lo é suportando- o. Aprendemos isso com Ele(o Cristo)”. Jung (cartas,vol 1).
  • 54. Saber quais são os sofrimentos. Conhecer as origens. Compreender o por que e para que do sofrimento. Interiorizar esse conhecimento. Resignação ativa.
  • 55. Caminhos para o cessar do sofrimento.
  • 56. Qual é a finalidade da encarnação dos Espíritos? Em . LE. 132.
  • 57. Deus a impõe com o fim de levá-los à perfeição: para uns, é uma expiação; para outros, uma missão. Mas, para chegar a essa perfeição, eles devem sofrer todas as vicissitudes da existência corpórea; nisto é que está a expiação. A encarnação tem ainda outra finalidade, que é a de pôr o Espírito em condições de enfrentar a sua parte na obra da Criação.
  • 58. A reencarnação tem função pedagógica e não punitiva.
  • 59. A Cessação do sofrimento reside no amor.
  • 61. “Mestre, qual o mandamento maior da lei?” - Jesus respondeu: “Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda tua alma e de todo o teu espírito; este o maior e o primeiro mandamento”.
  • 62. E aqui tendes o segundo, semelhante a esse: Amarás o teu próximo, como a ti mesmo. Toda a lei e os profetas se acham contidos nesses dois mandamentos.” (S. MATEUS, cap. XXII, vv. 34 a 40.)
  • 64. Altruísmo. O altruísmo é a lição viva da caridade, expressão superior do sentimento de amor enobrecido, abre as portas à ação, sem a qual não teria sentido sua existência.
  • 65. Fazei aos homens tudo o que queirais que eles vos façam, pois é nisto que consistem a lei e os profetas. (Idem, cap. VII, v. 12.)
  • 66. Quem medita retamente, crê, quer, fala, opera, vive, esforça-se e pensa com retidão, adquire os valores indispensáveis à salvação.
  • 67. Nesse estágio, a pessoa doa-se e já não mais vive, sendo o “Cristo quem vive” nela, conforme afirmou o apostolo Paulo:...”(...); logo, já não sou eu que vive, mas o Cristo que vive em mim.” (Gálatas 2:20)
  • 68. (...) Liberta-se, por fim do sofrimento.
  • 69. Uma linda manhã e uma Feliz Semana! Uma linda manhã e uma Feliz Semana!

Notas do Editor

  1. Em uma de suas conferências apresentada no livro O Mundo do Budismo Tibetano2 Tenzin Gyatso, o Décimo Quarto Dalai Lama, expôs que: ”..., acho a lição sobre as Quatro Nobres Verdades muito profunda. Esse ensinamento estabelece o traçado de todo o corpo do pensamento e da prática budistas, fundamentando, assim, a estrutura básica de um caminho individual rumo à iluminação.” A doutrina das Quatro Nobres Verdades estabelece o princípio da causalidade, uma vez que a felicidade e sofrimento não surgem do nada, são conseqüências de causas e condições. Com isso o pensamento e prática budistas podem ser sintetizados em dois princípios: 1) adotar uma visão de mundo que perceba a natureza interdependente dos fenômenos; e 2) baseando-se nisso, adotar um estilo de vida não violento e não prejudicial2.