SlideShare uma empresa Scribd logo
Prof. José Salm Jr. salm@stela.org.brProf. José Francisco Salm Jr. Dr. - salm@stela.org.br
Plataformas e-Gov em CT&I
Experiências nacionais e internacionais
23 de maio de 2018
Capes, 22 e 23/05/2018
Roberto C. S. Pacheco
Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC
Instituto Stela
José Salm Jr.
Universidade Estadual de Santa Catarina – UDESC
Instituto Stela
Agenda
1. ORIGEM DO ESTUDO
2. NOSSA TRAJETÓRIA
Nossa visão de projeto e-Gov
Conceitos estruturantes:
Abrangência do e-Gov
e-Gov e as camadas conceituais
3. PROJETOS NACIONAIS
Plataforma Lattes
Portal Inovação
SIFAPs
Plataforma OPP-X
Plataforma OMS – PLISA
4. PROJETOS INTERNACIONAIS
Star Metrics
Plataforma VIVO
Rede de cientistas
EuroCRIS
5. CONSIDERAÇÕES FINAIS
Pilares conceituais do eGov
Requisitos de eGov bem sucedido
1. ORIGEM DO ESTUDO
Trabalho desenvolvido para a CAPES em 2015 e 2016
1. ORIGEM DO ESTUDO
Visão da
Comunidade
acadêmica
Benchmark
com sistemas
internacionais
e nacionais
Em relação a
demandas
futuras à PG
(Demais GTs)
A análise fez
parte dos
trabalhos do
GTE sobre
sistemas de
informação para
PG (2015-2016)
Análise de sistemas
e padrões afins BDTD
CERIF
Dublin Core
EduCAPES
Plataforma Aquarius
Plataforma Lattes
Plisa PAHO/WHO
Portal Inovação
SciENcv
SciVal
SIFAPs
SINAES/MEC
Starmetrics
VIVOSistemas e padrões internacionais
Sistemas nacionais
2. NOSSA TRAJETÓRIA
Abrangência do e-Gov
Fonte: Pacheco et. al, 2012 e Projeto Aquarius
E-Gov e as
Camadas Conceituais
Fonte: Pacheco et. al, 2012 e Projeto Aquarius
Arquitetura conceitual
3. PROJETOS NACIONAIS
Elementos relevantes em projetos nacionais verificados
E-Gov tem que virar Bem Público
Portal Inovação
Plataforma de Encontro
Oferta-Demanda em
Inovação
Portal Inovação
• Complexidade
• Ciclo de vida tecnológico
• Soluções alternativas
• Sustentabilidade
• Demanda estruturante (Lei de Inovação)
• Governança Multi-institucional
• Interoperabilidade
• Conceito de “Recortes”
Pontos Fortes
Ameaças
Projeto junto ao CONFAP para
definir sistemática de geração
de dados e indicadores sobre
as FAPs brasileiras.
• 17 FAPs
• +60 Programas
RH PESQUISA P&D
DIFUSÃO
DE CTI
MISSÃO DAS FAPs
Estrutura
compartilhada
Estrutura
Compartilhada
• Padronização das variáveis que
estabelecem fluxos IN-OUT
para as FAPs (conforme padrões
OCDE)
Plataforma OPP-X
FAPs
• Chamadas públicas por
tipo de Missão da FAP
• Configuração de Fluxos
• Parametrização de Dados
• Rastreabilidade de Editais
• Apoio à decisão em CTI
• Anterioridade de projetos
• Potencial de Inovação
• Perfil de Equipe x Projeto
Plataforma FAPESC
APRENDIZADOS
SOBRE FLUXOS
• Worksflows: revelam:
• Atores
• Processos
• Tarefas
• Dados
APRENDIZADOS SOBRE DADOS
• Ownership: os dados de CTI
vão do individuo às
organizações, com
relacionamentos explícitos e
implícitos, que se projetam
sobre as plataformas das
organizações de CTI.
• Mission: Dados estruturados
e não estruturados convivem
em processos de múltiplas
origens e finalidade
4. PROJETOS INTERNACIONAIS
Prof. José Salm Jr. salm@stela.org.br
Plataforma
PLISA
PAHO/WHO
Prof. José Salm Jr. salm@stela.org.brProf. José Francisco Salm Jr. Dr. - salm@stela.org.br
Plataforma
PLISA
PAHO/WHO
Prof. José Salm Jr. salm@stela.org.br
Plataforma
PLISA
PAHO/WHO
Prof. José Salm Jr. salm@stela.org.br
Guiding
Principles
Guiding
Principles
Data Governance and
Management
Access to Scientific and
Technical literature
Organizational
Learning
PLISA
Cobertura Univ
Integração
Qualidade
Dados Abertos
Documentação
Sustentabilidade
Transversalidade
Intergovernamental
Decisões Informadas
Universal Health
Integration
Quality
Open data
Documentation
Sustainability
Transversal
Intergovernmental
Informed decisions
Cobertura universal
Integración
Calidad
datos abiertos
Documentación
Sostenibilidad
transversal
Intergubernamental
Decisiones informadas
Competency
Management
Information System
Architecture
Management
Legal Normative
Instrument
Management
Strategic and Social
Networks
Health System
Organizations
Organizational
Structure
Countries Political
Organization
Data Governance
Information Technology
Infrastructure
Data Sources Capacity Building
Communication (Scientific, risk, public, social)
Relationship public
and private
Financial influence
and availability of
funds
Mandates /
International
agreements
Participation and
social control
Emergency and Disasters
Academic and
Scientific
communities
25
Programa STARMETRICS?
NSF e NIH
Science and Technology for America’s Reinvestment:
Measuring the EffecTs of Research on Innovation,
Competitiveness and Science
26 agencies
Workshop do Observatório do PEE
10/27/2012
Investimento Federal em P&D
$140 Billion USD (federal) P&D e
Investimentos de $500 Billion (combined spend for 2013)
Fonte: OSTP
1. Como tratar a Interatividade?
2. Identificador Único
3. Auto Population – Social Data
4. Data Governance
Desafios
Reunião inicial
com a
Instituição para
informar sobre
o programa
Decisão da
Instituição
em
participar
A Instituição
envia uma
amostra de
dados
A Equipe da
Star Metrics
fornece um
feedback/
relatórios
A Instituição
envia
quadrimestral
mente os
dados e a série
histórica
O Star Metrics
criar os
relatórios
quadrimestrais
Opcionalmente
ocorre uma
reunião técnica
com a equipe
de TI da
Instituição
Acordo de
participação
assinado
Discussão
interna sobre a
participação da
Instituição
Fase I – Processo na Universidades
Institution STARSTAR
Projeto Piloto
Acquisition
And Analysis
Direct
Benefit
Analysis
Intellectual
Property
Benefit
Analysis
Innovation
Analysis
Jobs,
Purchases,
Contracts
Benefit
Analysis
Detailed
Characterization
and
Summary
Institution
Agency Budget
Award
State
Funding
Personnel Vendor Contractor
HR System Procurement
System
Subcontracting
System
Endowment
Funding
Financial System
Hire Buy Engage
Disbursement
Award
Record
Start-Up
Papers
Patents
Download
State
Research
Project
Existing
Institutional
Reporting
Agency
Conceitos e definições para capturar inter-relacionamentos complexos entre
fomento, equipe de trabalho e saídas.
Questões importantes definidas no início do projeto
• Os dados terão um identificador único?
• Como são gerados esses identificadores? Quais são as premissas?
• Como os dados serão construídos/coletados? Itens unívocos podem gerar
um identificador?
• Como fazer classificação e governança dos dados?
• Será entrada individual ou por informação pós-processada?
• Há elementos similares entre domínios, crosswalk para esses dados?
Prof. José Francisco Salm Jr. Dr. - salm@stela.org.br
O QUE É O PROJETO VIVO?
É uma aplicação semântica open-source que
permite a descoberta de pesquisadores e
informações sobre bolsas entre disciplinas em
uma instituição e entre instituições
É populado com informações sobre profiles de
professores e pesquisadores. Traz informações
sobre publicações, ensino, serviços e vínculo
profissional
Possui um mecanismo de busca para localização
de pessoas e demais informações dentro e fora da
instituição
Histórico do VIVO
• Originou na Cornell University
• Teve um fomento na ordem de
$12.2 milhões do Agência de
Governo NIH para se tornar uma
Plataforma nacional
• Existem sete instituições
fundadoras do VIVO– Cornell
University, University of Florida, Weill Cornell
Medical College, Indiana University,
Washington University in St. Louis School of
Medicine, The Scripps Research Institute,
Ponce School of Medicine
Partes e fontes VIVO?
A escala do Projeto
Mantendo a coprodução/colaboração
Linhas de Comunicação
Planejamento VIVO
EuroCris (CERIF-Standard)
CERIF (Common European Research Information
Format)
172 Membros: 113 instituições, 37 pesquisadores e 22 afiliados
(são 325 delegados de 43 países).
Padrões: Família CERIF (XML e LOD).
Serviços:
(DRIS, teste de compatibilidade CERIF, tutoriais CERIF).
Orientação: desafios no domínio (conteúdo) e
desafios técnicos (e.g. “semântica” do CERIF-
CRIS).
Cooperação
Desafios de
preparação da equipe
técnica
Objetivos do EuroCRIS
Entities – CERIF
• AcademicTitle
• Contact
• Country
• CV
• ExpertiseAndSkill
• ExpertiseAndSkillDescription
• ExpertiseAndSkillName
• HonorificTitle
• Language
• OrgUnit
• OrgUnit_Contact
• OrgUnit_ExpertiseAndSkill
• OrgUnit_OrgUnit
• OrgUnitName
• Person_AcademicTitle
• Person_Contact
• Person_CV
• Person_ExpertiseAndSkill
• Person_Language
5. CONSIDERAÇÕES FINAIS
Trabalho desenvolvido para a CAPES em 2015 e 2016
TransparênciaeAbertura
(doprocessoedainformação)
Accountability
(doprocessoedainformação)
Rededecoprodução
(atoresderedeesustentabilidade)
Transparência e Abertura
(do processo e da informação)
Maturidade e Avaliação
(nos serviços e Plataforma)
Atores e tipos de projeto
(Administração Pública, administração empresarial,
sociedade)
Governança de Dados e OGD
Fonte: https://free4kwallpapers.com/uploads/originals/2016/02/24/8-pillars-of-the-solar-system-wallpaper.jpg
Pilares e desdobramentos conceituais de uma Plataforma eGov
Accountability
(do processo e da informação)
Rede de coprodução
(atores de rede e sustentabilidade)
G2G
G2B
G2C
B2B
B2G
B2C
C2G
C2C
C2B
C2G
Modelos de Integração e Interoperabilidade
(de dados, semântica e de processo)
Acessibilidade e Serviços da Rede
(de dados, semântica e de processo)
Serviços e Apps
(nos serviços e Plataforma)
Principais requisitos de
e-Gov bem sucedido
• Bem comum: Plataformas e-Gov devem ter clareza
de sua multimensionalidade e só podem ser bem
comum se interessarem a todos os protagonistas.
• Coprodução: somente a participação e
responsabilidade coletiva podem levar à coprodução
de um bem comum.
• Governança: é necessário que as instituições
partícipes tenham definido suas missões,
responsabilidades e prioridades.
https://www.sulacapnews.com.br/single-post/2018/04/22/PSICOnews-%C3%8Axito-ou-Sucesso
Prof. José Salm Jr. salm@stela.org.brProf. José Francisco Salm Jr. Dr. - salm@stela.org.br
Plataformas
e-Gov em CT&I
Experiências nacionais e internacionais
23 de maio de 2018
Capes, 22 e 23/05/2018
Roberto C. S. Pacheco
Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC
Instituto Stela
José Salm Jr.
Universidade Estadual de Santa Catarina – UDESC
Instituto Stela

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Currículo Lattes e Portal Inovação: Oportunidades para o especialista e a ins...
Currículo Lattes e Portal Inovação: Oportunidades para o especialista e a ins...Currículo Lattes e Portal Inovação: Oportunidades para o especialista e a ins...
Currículo Lattes e Portal Inovação: Oportunidades para o especialista e a ins...
Instituto Stela (Florianópolis-SC, Brasil)
 
V Conferência Estadual de CT&I de Santa Catarina - Experiência de gestão públ...
V Conferência Estadual de CT&I de Santa Catarina - Experiência de gestão públ...V Conferência Estadual de CT&I de Santa Catarina - Experiência de gestão públ...
V Conferência Estadual de CT&I de Santa Catarina - Experiência de gestão públ...
Roberto C. S. Pacheco
 
O conhecimento tecnológico e a gestão do conhecimento
O conhecimento tecnológico e a gestão do conhecimentoO conhecimento tecnológico e a gestão do conhecimento
O conhecimento tecnológico e a gestão do conhecimento
Roberto C. S. Pacheco
 
Engenharia e Gestão do Conhecimento - UFSC
Engenharia e Gestão do Conhecimento - UFSCEngenharia e Gestão do Conhecimento - UFSC
Engenharia e Gestão do Conhecimento - UFSC
Roberto C. S. Pacheco
 
PROPOSIÇÃO PARA UM PARADIGMA DE ORIENTAÇÃO A ACESSIBILIDADE
PROPOSIÇÃO PARA UM PARADIGMA DE ORIENTAÇÃO A ACESSIBILIDADEPROPOSIÇÃO PARA UM PARADIGMA DE ORIENTAÇÃO A ACESSIBILIDADE
PROPOSIÇÃO PARA UM PARADIGMA DE ORIENTAÇÃO A ACESSIBILIDADE
Os Fantasmas !
 
Proposição para um Paradigma de Orientação a Acessibilidade
Proposição para um Paradigma de Orientação a AcessibilidadeProposição para um Paradigma de Orientação a Acessibilidade
Proposição para um Paradigma de Orientação a Acessibilidade
Ystallonne Alves
 
A Engenharia do Conhecimento e as novas possibilidades de descoberta e dissem...
A Engenharia do Conhecimento e as novas possibilidades de descoberta e dissem...A Engenharia do Conhecimento e as novas possibilidades de descoberta e dissem...
A Engenharia do Conhecimento e as novas possibilidades de descoberta e dissem...
Roberto C. S. Pacheco
 
Engenharia e Gestão do Conhecimento: Conceitos e Cases
Engenharia e Gestão do Conhecimento: Conceitos e CasesEngenharia e Gestão do Conhecimento: Conceitos e Cases
Engenharia e Gestão do Conhecimento: Conceitos e Cases
Congresso Catarinense de Ciências da Computação
 
Workshop II - A Research Data Alliance: a organização mundial e as atividades...
Workshop II - A Research Data Alliance: a organização mundial e as atividades...Workshop II - A Research Data Alliance: a organização mundial e as atividades...
Workshop II - A Research Data Alliance: a organização mundial e as atividades...
Projeto RCAAP
 

Mais procurados (9)

Currículo Lattes e Portal Inovação: Oportunidades para o especialista e a ins...
Currículo Lattes e Portal Inovação: Oportunidades para o especialista e a ins...Currículo Lattes e Portal Inovação: Oportunidades para o especialista e a ins...
Currículo Lattes e Portal Inovação: Oportunidades para o especialista e a ins...
 
V Conferência Estadual de CT&I de Santa Catarina - Experiência de gestão públ...
V Conferência Estadual de CT&I de Santa Catarina - Experiência de gestão públ...V Conferência Estadual de CT&I de Santa Catarina - Experiência de gestão públ...
V Conferência Estadual de CT&I de Santa Catarina - Experiência de gestão públ...
 
O conhecimento tecnológico e a gestão do conhecimento
O conhecimento tecnológico e a gestão do conhecimentoO conhecimento tecnológico e a gestão do conhecimento
O conhecimento tecnológico e a gestão do conhecimento
 
Engenharia e Gestão do Conhecimento - UFSC
Engenharia e Gestão do Conhecimento - UFSCEngenharia e Gestão do Conhecimento - UFSC
Engenharia e Gestão do Conhecimento - UFSC
 
PROPOSIÇÃO PARA UM PARADIGMA DE ORIENTAÇÃO A ACESSIBILIDADE
PROPOSIÇÃO PARA UM PARADIGMA DE ORIENTAÇÃO A ACESSIBILIDADEPROPOSIÇÃO PARA UM PARADIGMA DE ORIENTAÇÃO A ACESSIBILIDADE
PROPOSIÇÃO PARA UM PARADIGMA DE ORIENTAÇÃO A ACESSIBILIDADE
 
Proposição para um Paradigma de Orientação a Acessibilidade
Proposição para um Paradigma de Orientação a AcessibilidadeProposição para um Paradigma de Orientação a Acessibilidade
Proposição para um Paradigma de Orientação a Acessibilidade
 
A Engenharia do Conhecimento e as novas possibilidades de descoberta e dissem...
A Engenharia do Conhecimento e as novas possibilidades de descoberta e dissem...A Engenharia do Conhecimento e as novas possibilidades de descoberta e dissem...
A Engenharia do Conhecimento e as novas possibilidades de descoberta e dissem...
 
Engenharia e Gestão do Conhecimento: Conceitos e Cases
Engenharia e Gestão do Conhecimento: Conceitos e CasesEngenharia e Gestão do Conhecimento: Conceitos e Cases
Engenharia e Gestão do Conhecimento: Conceitos e Cases
 
Workshop II - A Research Data Alliance: a organização mundial e as atividades...
Workshop II - A Research Data Alliance: a organização mundial e as atividades...Workshop II - A Research Data Alliance: a organização mundial e as atividades...
Workshop II - A Research Data Alliance: a organização mundial e as atividades...
 

Semelhante a Plataformas eGov em CTI: experiências nacionais e internacionais

Digital Object Identifier (DOI) viabilizando a via verde
Digital Object Identifier (DOI) viabilizando a via verdeDigital Object Identifier (DOI) viabilizando a via verde
Digital Object Identifier (DOI) viabilizando a via verde
Conferência Luso-Brasileira de Ciência Aberta
 
Gestão e Engenharia do Conhecimento: Perspectivas e Resultados Empresariais
Gestão e Engenharia do Conhecimento: Perspectivas e Resultados EmpresariaisGestão e Engenharia do Conhecimento: Perspectivas e Resultados Empresariais
Gestão e Engenharia do Conhecimento: Perspectivas e Resultados Empresariais
Roberto C. S. Pacheco
 
Techmining e Expertise Location: gestão estratégica do conhecimento organizac...
Techmining e Expertise Location: gestão estratégica do conhecimento organizac...Techmining e Expertise Location: gestão estratégica do conhecimento organizac...
Techmining e Expertise Location: gestão estratégica do conhecimento organizac...
Roberto C. S. Pacheco
 
Gestão e Engenharia do Conhecimento e setor publico
Gestão e Engenharia do Conhecimento e setor publicoGestão e Engenharia do Conhecimento e setor publico
Gestão e Engenharia do Conhecimento e setor publico
Roberto C. S. Pacheco
 
Indicadores e Sistema Nacional de Inovação
Indicadores e Sistema Nacional de Inovação Indicadores e Sistema Nacional de Inovação
Indicadores e Sistema Nacional de Inovação
Roberto C. S. Pacheco
 
Engenharia e Gestão do Conhecimento em Ambientes Colaborativos
Engenharia e Gestão do Conhecimento em Ambientes ColaborativosEngenharia e Gestão do Conhecimento em Ambientes Colaborativos
Engenharia e Gestão do Conhecimento em Ambientes Colaborativos
Roberto C. S. Pacheco
 
4 Cs: Conhecimento Commons Cases e Coprodução Interdisciplinar
4 Cs: Conhecimento Commons Cases e Coprodução Interdisciplinar4 Cs: Conhecimento Commons Cases e Coprodução Interdisciplinar
4 Cs: Conhecimento Commons Cases e Coprodução Interdisciplinar
Roberto C. S. Pacheco
 
Coprodução e o Sistema Catarinense de Inovação
Coprodução e o Sistema Catarinense de InovaçãoCoprodução e o Sistema Catarinense de Inovação
Coprodução e o Sistema Catarinense de Inovação
Roberto C. S. Pacheco
 
PT-CRIS: Sistema integrado de gestão de ciência e tecnologia
PT-CRIS: Sistema integrado de gestão de ciência e tecnologiaPT-CRIS: Sistema integrado de gestão de ciência e tecnologia
PT-CRIS: Sistema integrado de gestão de ciência e tecnologia
João Mendes Moreira
 
Construindo Chatbots com Design Thinking e framework i*: um método estruturado
Construindo Chatbots com Design Thinking e framework i*: um método estruturadoConstruindo Chatbots com Design Thinking e framework i*: um método estruturado
Construindo Chatbots com Design Thinking e framework i*: um método estruturado
Meire Helen Batista Dias
 
TDC2018SP | Trilha ChatBots - Construindo Chatbots com Design Thinking e fram...
TDC2018SP | Trilha ChatBots - Construindo Chatbots com Design Thinking e fram...TDC2018SP | Trilha ChatBots - Construindo Chatbots com Design Thinking e fram...
TDC2018SP | Trilha ChatBots - Construindo Chatbots com Design Thinking e fram...
tdc-globalcode
 
Jornadas 2015: PTCRIS: Parte I
Jornadas 2015: PTCRIS: Parte IJornadas 2015: PTCRIS: Parte I
Jornadas 2015: PTCRIS: Parte I
João Mendes Moreira
 
Gestão estratégica do Conhecimento na Rede Nacional de Pesquisa (RNP)
Gestão estratégica do Conhecimento na Rede Nacional de Pesquisa (RNP)Gestão estratégica do Conhecimento na Rede Nacional de Pesquisa (RNP)
Gestão estratégica do Conhecimento na Rede Nacional de Pesquisa (RNP)
Roberto C. S. Pacheco
 
P&D: Universidade-Empresa
P&D: Universidade-EmpresaP&D: Universidade-Empresa
Usabilidade aula-03. Processos: Arquitetura de informação
Usabilidade aula-03. Processos: Arquitetura de informaçãoUsabilidade aula-03. Processos: Arquitetura de informação
Usabilidade aula-03. Processos: Arquitetura de informação
Alan Vasconcelos
 
Ensiso day talks
Ensiso day   talksEnsiso day   talks
Ensiso day talks
César França
 
Talita Moreira de Oliveira - ORCID – Adoção em nível nacional: O caso do Brasil
Talita Moreira de Oliveira - ORCID – Adoção em nível nacional: O caso do BrasilTalita Moreira de Oliveira - ORCID – Adoção em nível nacional: O caso do Brasil
Talita Moreira de Oliveira - ORCID – Adoção em nível nacional: O caso do Brasil
SciELO - Scientific Electronic Library Online
 
Estágio I aula 1
Estágio I aula 1Estágio I aula 1
Estágio I aula 1
rodrigopinto77
 
Rites Edital FIEMG Lab
Rites  Edital FIEMG LabRites  Edital FIEMG Lab
ANPEI - Promovendo a Interação ICTs-Empresas - Gilson Manfio - Open Innovatio...
ANPEI - Promovendo a Interação ICTs-Empresas - Gilson Manfio - Open Innovatio...ANPEI - Promovendo a Interação ICTs-Empresas - Gilson Manfio - Open Innovatio...
ANPEI - Promovendo a Interação ICTs-Empresas - Gilson Manfio - Open Innovatio...
Allagi Open Innovation Services
 

Semelhante a Plataformas eGov em CTI: experiências nacionais e internacionais (20)

Digital Object Identifier (DOI) viabilizando a via verde
Digital Object Identifier (DOI) viabilizando a via verdeDigital Object Identifier (DOI) viabilizando a via verde
Digital Object Identifier (DOI) viabilizando a via verde
 
Gestão e Engenharia do Conhecimento: Perspectivas e Resultados Empresariais
Gestão e Engenharia do Conhecimento: Perspectivas e Resultados EmpresariaisGestão e Engenharia do Conhecimento: Perspectivas e Resultados Empresariais
Gestão e Engenharia do Conhecimento: Perspectivas e Resultados Empresariais
 
Techmining e Expertise Location: gestão estratégica do conhecimento organizac...
Techmining e Expertise Location: gestão estratégica do conhecimento organizac...Techmining e Expertise Location: gestão estratégica do conhecimento organizac...
Techmining e Expertise Location: gestão estratégica do conhecimento organizac...
 
Gestão e Engenharia do Conhecimento e setor publico
Gestão e Engenharia do Conhecimento e setor publicoGestão e Engenharia do Conhecimento e setor publico
Gestão e Engenharia do Conhecimento e setor publico
 
Indicadores e Sistema Nacional de Inovação
Indicadores e Sistema Nacional de Inovação Indicadores e Sistema Nacional de Inovação
Indicadores e Sistema Nacional de Inovação
 
Engenharia e Gestão do Conhecimento em Ambientes Colaborativos
Engenharia e Gestão do Conhecimento em Ambientes ColaborativosEngenharia e Gestão do Conhecimento em Ambientes Colaborativos
Engenharia e Gestão do Conhecimento em Ambientes Colaborativos
 
4 Cs: Conhecimento Commons Cases e Coprodução Interdisciplinar
4 Cs: Conhecimento Commons Cases e Coprodução Interdisciplinar4 Cs: Conhecimento Commons Cases e Coprodução Interdisciplinar
4 Cs: Conhecimento Commons Cases e Coprodução Interdisciplinar
 
Coprodução e o Sistema Catarinense de Inovação
Coprodução e o Sistema Catarinense de InovaçãoCoprodução e o Sistema Catarinense de Inovação
Coprodução e o Sistema Catarinense de Inovação
 
PT-CRIS: Sistema integrado de gestão de ciência e tecnologia
PT-CRIS: Sistema integrado de gestão de ciência e tecnologiaPT-CRIS: Sistema integrado de gestão de ciência e tecnologia
PT-CRIS: Sistema integrado de gestão de ciência e tecnologia
 
Construindo Chatbots com Design Thinking e framework i*: um método estruturado
Construindo Chatbots com Design Thinking e framework i*: um método estruturadoConstruindo Chatbots com Design Thinking e framework i*: um método estruturado
Construindo Chatbots com Design Thinking e framework i*: um método estruturado
 
TDC2018SP | Trilha ChatBots - Construindo Chatbots com Design Thinking e fram...
TDC2018SP | Trilha ChatBots - Construindo Chatbots com Design Thinking e fram...TDC2018SP | Trilha ChatBots - Construindo Chatbots com Design Thinking e fram...
TDC2018SP | Trilha ChatBots - Construindo Chatbots com Design Thinking e fram...
 
Jornadas 2015: PTCRIS: Parte I
Jornadas 2015: PTCRIS: Parte IJornadas 2015: PTCRIS: Parte I
Jornadas 2015: PTCRIS: Parte I
 
Gestão estratégica do Conhecimento na Rede Nacional de Pesquisa (RNP)
Gestão estratégica do Conhecimento na Rede Nacional de Pesquisa (RNP)Gestão estratégica do Conhecimento na Rede Nacional de Pesquisa (RNP)
Gestão estratégica do Conhecimento na Rede Nacional de Pesquisa (RNP)
 
P&D: Universidade-Empresa
P&D: Universidade-EmpresaP&D: Universidade-Empresa
P&D: Universidade-Empresa
 
Usabilidade aula-03. Processos: Arquitetura de informação
Usabilidade aula-03. Processos: Arquitetura de informaçãoUsabilidade aula-03. Processos: Arquitetura de informação
Usabilidade aula-03. Processos: Arquitetura de informação
 
Ensiso day talks
Ensiso day   talksEnsiso day   talks
Ensiso day talks
 
Talita Moreira de Oliveira - ORCID – Adoção em nível nacional: O caso do Brasil
Talita Moreira de Oliveira - ORCID – Adoção em nível nacional: O caso do BrasilTalita Moreira de Oliveira - ORCID – Adoção em nível nacional: O caso do Brasil
Talita Moreira de Oliveira - ORCID – Adoção em nível nacional: O caso do Brasil
 
Estágio I aula 1
Estágio I aula 1Estágio I aula 1
Estágio I aula 1
 
Rites Edital FIEMG Lab
Rites  Edital FIEMG LabRites  Edital FIEMG Lab
Rites Edital FIEMG Lab
 
ANPEI - Promovendo a Interação ICTs-Empresas - Gilson Manfio - Open Innovatio...
ANPEI - Promovendo a Interação ICTs-Empresas - Gilson Manfio - Open Innovatio...ANPEI - Promovendo a Interação ICTs-Empresas - Gilson Manfio - Open Innovatio...
ANPEI - Promovendo a Interação ICTs-Empresas - Gilson Manfio - Open Innovatio...
 

Mais de Roberto C. S. Pacheco

Capacitação e Coprodução
Capacitação e CoproduçãoCapacitação e Coprodução
Capacitação e Coprodução
Roberto C. S. Pacheco
 
Plataforma Intelitengia: solução integrada para o fomento estadual em CTI bas...
Plataforma Intelitengia: solução integrada para o fomento estadual em CTI bas...Plataforma Intelitengia: solução integrada para o fomento estadual em CTI bas...
Plataforma Intelitengia: solução integrada para o fomento estadual em CTI bas...
Roberto C. S. Pacheco
 
Educação Digital e Desafios Contemporâneos
Educação Digital e Desafios ContemporâneosEducação Digital e Desafios Contemporâneos
Educação Digital e Desafios Contemporâneos
Roberto C. S. Pacheco
 
Plataforma Lattes : presente e futuro
Plataforma Lattes : presente e futuroPlataforma Lattes : presente e futuro
Plataforma Lattes : presente e futuro
Roberto C. S. Pacheco
 
Futuro (da Universidade) e (Programa) Future-se
Futuro (da Universidade) e (Programa) Future-seFuturo (da Universidade) e (Programa) Future-se
Futuro (da Universidade) e (Programa) Future-se
Roberto C. S. Pacheco
 
Commons e Commons digitais como Ativos Intangíveis Coletivos
Commons e Commons digitais como Ativos Intangíveis ColetivosCommons e Commons digitais como Ativos Intangíveis Coletivos
Commons e Commons digitais como Ativos Intangíveis Coletivos
Roberto C. S. Pacheco
 
Interdisciplinaridade e Sustentabilidade: a contribuição dos Commons
Interdisciplinaridade e Sustentabilidade: a contribuição dos CommonsInterdisciplinaridade e Sustentabilidade: a contribuição dos Commons
Interdisciplinaridade e Sustentabilidade: a contribuição dos Commons
Roberto C. S. Pacheco
 
Empreendedorismo e Inovação na Educação Superior
Empreendedorismo e Inovação na Educação SuperiorEmpreendedorismo e Inovação na Educação Superior
Empreendedorismo e Inovação na Educação Superior
Roberto C. S. Pacheco
 
CONFAP CRIS: Plataforma CRIS de Fundações Estaduais de Amparo a Pesquisa
CONFAP CRIS: Plataforma CRIS de Fundações Estaduais de Amparo a PesquisaCONFAP CRIS: Plataforma CRIS de Fundações Estaduais de Amparo a Pesquisa
CONFAP CRIS: Plataforma CRIS de Fundações Estaduais de Amparo a Pesquisa
Roberto C. S. Pacheco
 
Public Management and ST&I Governance Based on Intellectual Capital and Socia...
Public Management and ST&I Governance Based on Intellectual Capital and Socia...Public Management and ST&I Governance Based on Intellectual Capital and Socia...
Public Management and ST&I Governance Based on Intellectual Capital and Socia...
Roberto C. S. Pacheco
 
Doutorados profissionais: oportunidades e desafios
Doutorados profissionais: oportunidades e desafiosDoutorados profissionais: oportunidades e desafios
Doutorados profissionais: oportunidades e desafios
Roberto C. S. Pacheco
 
Universidades Empreendedoras
Universidades Empreendedoras Universidades Empreendedoras
Universidades Empreendedoras
Roberto C. S. Pacheco
 
Mapeando e construindo indicadores para avaliar a pós-graduação
Mapeando e construindo indicadores para avaliar a pós-graduação Mapeando e construindo indicadores para avaliar a pós-graduação
Mapeando e construindo indicadores para avaliar a pós-graduação
Roberto C. S. Pacheco
 
Produção Científica na Região Sul (SC) e contexto no País e no Exterior
Produção Científica na Região Sul (SC) e contexto no País e no ExteriorProdução Científica na Região Sul (SC) e contexto no País e no Exterior
Produção Científica na Região Sul (SC) e contexto no País e no Exterior
Roberto C. S. Pacheco
 
Internacionalização na Graduação: reflexões no Fórum Sul de Pró-Reitores de G...
Internacionalização na Graduação: reflexões no Fórum Sul de Pró-Reitores de G...Internacionalização na Graduação: reflexões no Fórum Sul de Pró-Reitores de G...
Internacionalização na Graduação: reflexões no Fórum Sul de Pró-Reitores de G...
Roberto C. S. Pacheco
 
Conhecimento e Coprodução em Energia
Conhecimento e Coprodução em EnergiaConhecimento e Coprodução em Energia
Conhecimento e Coprodução em Energia
Roberto C. S. Pacheco
 
Convergência, Interdisciplinaridade e Inovação na Pós-Graduação
Convergência, Interdisciplinaridade e Inovação na Pós-GraduaçãoConvergência, Interdisciplinaridade e Inovação na Pós-Graduação
Convergência, Interdisciplinaridade e Inovação na Pós-Graduação
Roberto C. S. Pacheco
 
Inovação e Desenvolvimento Científico e Tecnológico
Inovação e Desenvolvimento Científico e TecnológicoInovação e Desenvolvimento Científico e Tecnológico
Inovação e Desenvolvimento Científico e Tecnológico
Roberto C. S. Pacheco
 
Avaliação de Produção Técnica Tecnológica em CTI
Avaliação de Produção Técnica Tecnológica em CTIAvaliação de Produção Técnica Tecnológica em CTI
Avaliação de Produção Técnica Tecnológica em CTI
Roberto C. S. Pacheco
 
Sistemas de avaliação e sistemas de informação
Sistemas de avaliação e sistemas de informaçãoSistemas de avaliação e sistemas de informação
Sistemas de avaliação e sistemas de informação
Roberto C. S. Pacheco
 

Mais de Roberto C. S. Pacheco (20)

Capacitação e Coprodução
Capacitação e CoproduçãoCapacitação e Coprodução
Capacitação e Coprodução
 
Plataforma Intelitengia: solução integrada para o fomento estadual em CTI bas...
Plataforma Intelitengia: solução integrada para o fomento estadual em CTI bas...Plataforma Intelitengia: solução integrada para o fomento estadual em CTI bas...
Plataforma Intelitengia: solução integrada para o fomento estadual em CTI bas...
 
Educação Digital e Desafios Contemporâneos
Educação Digital e Desafios ContemporâneosEducação Digital e Desafios Contemporâneos
Educação Digital e Desafios Contemporâneos
 
Plataforma Lattes : presente e futuro
Plataforma Lattes : presente e futuroPlataforma Lattes : presente e futuro
Plataforma Lattes : presente e futuro
 
Futuro (da Universidade) e (Programa) Future-se
Futuro (da Universidade) e (Programa) Future-seFuturo (da Universidade) e (Programa) Future-se
Futuro (da Universidade) e (Programa) Future-se
 
Commons e Commons digitais como Ativos Intangíveis Coletivos
Commons e Commons digitais como Ativos Intangíveis ColetivosCommons e Commons digitais como Ativos Intangíveis Coletivos
Commons e Commons digitais como Ativos Intangíveis Coletivos
 
Interdisciplinaridade e Sustentabilidade: a contribuição dos Commons
Interdisciplinaridade e Sustentabilidade: a contribuição dos CommonsInterdisciplinaridade e Sustentabilidade: a contribuição dos Commons
Interdisciplinaridade e Sustentabilidade: a contribuição dos Commons
 
Empreendedorismo e Inovação na Educação Superior
Empreendedorismo e Inovação na Educação SuperiorEmpreendedorismo e Inovação na Educação Superior
Empreendedorismo e Inovação na Educação Superior
 
CONFAP CRIS: Plataforma CRIS de Fundações Estaduais de Amparo a Pesquisa
CONFAP CRIS: Plataforma CRIS de Fundações Estaduais de Amparo a PesquisaCONFAP CRIS: Plataforma CRIS de Fundações Estaduais de Amparo a Pesquisa
CONFAP CRIS: Plataforma CRIS de Fundações Estaduais de Amparo a Pesquisa
 
Public Management and ST&I Governance Based on Intellectual Capital and Socia...
Public Management and ST&I Governance Based on Intellectual Capital and Socia...Public Management and ST&I Governance Based on Intellectual Capital and Socia...
Public Management and ST&I Governance Based on Intellectual Capital and Socia...
 
Doutorados profissionais: oportunidades e desafios
Doutorados profissionais: oportunidades e desafiosDoutorados profissionais: oportunidades e desafios
Doutorados profissionais: oportunidades e desafios
 
Universidades Empreendedoras
Universidades Empreendedoras Universidades Empreendedoras
Universidades Empreendedoras
 
Mapeando e construindo indicadores para avaliar a pós-graduação
Mapeando e construindo indicadores para avaliar a pós-graduação Mapeando e construindo indicadores para avaliar a pós-graduação
Mapeando e construindo indicadores para avaliar a pós-graduação
 
Produção Científica na Região Sul (SC) e contexto no País e no Exterior
Produção Científica na Região Sul (SC) e contexto no País e no ExteriorProdução Científica na Região Sul (SC) e contexto no País e no Exterior
Produção Científica na Região Sul (SC) e contexto no País e no Exterior
 
Internacionalização na Graduação: reflexões no Fórum Sul de Pró-Reitores de G...
Internacionalização na Graduação: reflexões no Fórum Sul de Pró-Reitores de G...Internacionalização na Graduação: reflexões no Fórum Sul de Pró-Reitores de G...
Internacionalização na Graduação: reflexões no Fórum Sul de Pró-Reitores de G...
 
Conhecimento e Coprodução em Energia
Conhecimento e Coprodução em EnergiaConhecimento e Coprodução em Energia
Conhecimento e Coprodução em Energia
 
Convergência, Interdisciplinaridade e Inovação na Pós-Graduação
Convergência, Interdisciplinaridade e Inovação na Pós-GraduaçãoConvergência, Interdisciplinaridade e Inovação na Pós-Graduação
Convergência, Interdisciplinaridade e Inovação na Pós-Graduação
 
Inovação e Desenvolvimento Científico e Tecnológico
Inovação e Desenvolvimento Científico e TecnológicoInovação e Desenvolvimento Científico e Tecnológico
Inovação e Desenvolvimento Científico e Tecnológico
 
Avaliação de Produção Técnica Tecnológica em CTI
Avaliação de Produção Técnica Tecnológica em CTIAvaliação de Produção Técnica Tecnológica em CTI
Avaliação de Produção Técnica Tecnológica em CTI
 
Sistemas de avaliação e sistemas de informação
Sistemas de avaliação e sistemas de informaçãoSistemas de avaliação e sistemas de informação
Sistemas de avaliação e sistemas de informação
 

Último

anatomia e fisiologia de peixes CRMVCP.
anatomia e fisiologia de peixes  CRMVCP.anatomia e fisiologia de peixes  CRMVCP.
anatomia e fisiologia de peixes CRMVCP.
FERNANDACAROLINEPONT
 
Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...
Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...
Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...
jenneferbarbosa21
 
EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...
EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...
EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...
jenneferbarbosa21
 
Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...
Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...
Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...
jenneferbarbosa21
 
10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - ONDAS ELETROMAGNÉTICAS - APLICAÇÕES TECNOLÓGICAS.pdf
10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - ONDAS ELETROMAGNÉTICAS - APLICAÇÕES TECNOLÓGICAS.pdf10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - ONDAS ELETROMAGNÉTICAS - APLICAÇÕES TECNOLÓGICAS.pdf
10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - ONDAS ELETROMAGNÉTICAS - APLICAÇÕES TECNOLÓGICAS.pdf
FlorAzaleia1
 
2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf
2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf
2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf
FlorAzaleia1
 
MÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptx
MÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptxMÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptx
MÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptx
MnicaPereira739219
 
Aula 1. Introdução ao estudo da célula.ppt
Aula 1. Introdução ao estudo da célula.pptAula 1. Introdução ao estudo da célula.ppt
Aula 1. Introdução ao estudo da célula.ppt
cleidianevieira7
 

Último (8)

anatomia e fisiologia de peixes CRMVCP.
anatomia e fisiologia de peixes  CRMVCP.anatomia e fisiologia de peixes  CRMVCP.
anatomia e fisiologia de peixes CRMVCP.
 
Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...
Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...
Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...
 
EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...
EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...
EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...
 
Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...
Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...
Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...
 
10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - ONDAS ELETROMAGNÉTICAS - APLICAÇÕES TECNOLÓGICAS.pdf
10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - ONDAS ELETROMAGNÉTICAS - APLICAÇÕES TECNOLÓGICAS.pdf10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - ONDAS ELETROMAGNÉTICAS - APLICAÇÕES TECNOLÓGICAS.pdf
10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - ONDAS ELETROMAGNÉTICAS - APLICAÇÕES TECNOLÓGICAS.pdf
 
2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf
2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf
2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf
 
MÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptx
MÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptxMÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptx
MÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptx
 
Aula 1. Introdução ao estudo da célula.ppt
Aula 1. Introdução ao estudo da célula.pptAula 1. Introdução ao estudo da célula.ppt
Aula 1. Introdução ao estudo da célula.ppt
 

Plataformas eGov em CTI: experiências nacionais e internacionais

  • 1. Prof. José Salm Jr. salm@stela.org.brProf. José Francisco Salm Jr. Dr. - salm@stela.org.br Plataformas e-Gov em CT&I Experiências nacionais e internacionais 23 de maio de 2018 Capes, 22 e 23/05/2018 Roberto C. S. Pacheco Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC Instituto Stela José Salm Jr. Universidade Estadual de Santa Catarina – UDESC Instituto Stela
  • 2. Agenda 1. ORIGEM DO ESTUDO 2. NOSSA TRAJETÓRIA Nossa visão de projeto e-Gov Conceitos estruturantes: Abrangência do e-Gov e-Gov e as camadas conceituais 3. PROJETOS NACIONAIS Plataforma Lattes Portal Inovação SIFAPs Plataforma OPP-X Plataforma OMS – PLISA 4. PROJETOS INTERNACIONAIS Star Metrics Plataforma VIVO Rede de cientistas EuroCRIS 5. CONSIDERAÇÕES FINAIS Pilares conceituais do eGov Requisitos de eGov bem sucedido
  • 3. 1. ORIGEM DO ESTUDO Trabalho desenvolvido para a CAPES em 2015 e 2016
  • 4. 1. ORIGEM DO ESTUDO Visão da Comunidade acadêmica Benchmark com sistemas internacionais e nacionais Em relação a demandas futuras à PG (Demais GTs) A análise fez parte dos trabalhos do GTE sobre sistemas de informação para PG (2015-2016)
  • 5. Análise de sistemas e padrões afins BDTD CERIF Dublin Core EduCAPES Plataforma Aquarius Plataforma Lattes Plisa PAHO/WHO Portal Inovação SciENcv SciVal SIFAPs SINAES/MEC Starmetrics VIVOSistemas e padrões internacionais Sistemas nacionais
  • 7. Abrangência do e-Gov Fonte: Pacheco et. al, 2012 e Projeto Aquarius
  • 8. E-Gov e as Camadas Conceituais Fonte: Pacheco et. al, 2012 e Projeto Aquarius Arquitetura conceitual
  • 9. 3. PROJETOS NACIONAIS Elementos relevantes em projetos nacionais verificados
  • 10. E-Gov tem que virar Bem Público
  • 11. Portal Inovação Plataforma de Encontro Oferta-Demanda em Inovação
  • 12. Portal Inovação • Complexidade • Ciclo de vida tecnológico • Soluções alternativas • Sustentabilidade • Demanda estruturante (Lei de Inovação) • Governança Multi-institucional • Interoperabilidade • Conceito de “Recortes” Pontos Fortes Ameaças
  • 13. Projeto junto ao CONFAP para definir sistemática de geração de dados e indicadores sobre as FAPs brasileiras. • 17 FAPs • +60 Programas
  • 14. RH PESQUISA P&D DIFUSÃO DE CTI MISSÃO DAS FAPs
  • 16. Estrutura Compartilhada • Padronização das variáveis que estabelecem fluxos IN-OUT para as FAPs (conforme padrões OCDE)
  • 17. Plataforma OPP-X FAPs • Chamadas públicas por tipo de Missão da FAP • Configuração de Fluxos • Parametrização de Dados • Rastreabilidade de Editais • Apoio à decisão em CTI • Anterioridade de projetos • Potencial de Inovação • Perfil de Equipe x Projeto Plataforma FAPESC
  • 18. APRENDIZADOS SOBRE FLUXOS • Worksflows: revelam: • Atores • Processos • Tarefas • Dados
  • 19. APRENDIZADOS SOBRE DADOS • Ownership: os dados de CTI vão do individuo às organizações, com relacionamentos explícitos e implícitos, que se projetam sobre as plataformas das organizações de CTI. • Mission: Dados estruturados e não estruturados convivem em processos de múltiplas origens e finalidade
  • 21. Prof. José Salm Jr. salm@stela.org.br Plataforma PLISA PAHO/WHO
  • 22. Prof. José Salm Jr. salm@stela.org.brProf. José Francisco Salm Jr. Dr. - salm@stela.org.br Plataforma PLISA PAHO/WHO
  • 23. Prof. José Salm Jr. salm@stela.org.br Plataforma PLISA PAHO/WHO
  • 24. Prof. José Salm Jr. salm@stela.org.br Guiding Principles Guiding Principles Data Governance and Management Access to Scientific and Technical literature Organizational Learning PLISA Cobertura Univ Integração Qualidade Dados Abertos Documentação Sustentabilidade Transversalidade Intergovernamental Decisões Informadas Universal Health Integration Quality Open data Documentation Sustainability Transversal Intergovernmental Informed decisions Cobertura universal Integración Calidad datos abiertos Documentación Sostenibilidad transversal Intergubernamental Decisiones informadas Competency Management Information System Architecture Management Legal Normative Instrument Management Strategic and Social Networks Health System Organizations Organizational Structure Countries Political Organization Data Governance Information Technology Infrastructure Data Sources Capacity Building Communication (Scientific, risk, public, social) Relationship public and private Financial influence and availability of funds Mandates / International agreements Participation and social control Emergency and Disasters Academic and Scientific communities
  • 25. 25 Programa STARMETRICS? NSF e NIH Science and Technology for America’s Reinvestment: Measuring the EffecTs of Research on Innovation, Competitiveness and Science
  • 28. 10/27/2012 Investimento Federal em P&D $140 Billion USD (federal) P&D e Investimentos de $500 Billion (combined spend for 2013) Fonte: OSTP
  • 29. 1. Como tratar a Interatividade? 2. Identificador Único 3. Auto Population – Social Data 4. Data Governance Desafios
  • 30. Reunião inicial com a Instituição para informar sobre o programa Decisão da Instituição em participar A Instituição envia uma amostra de dados A Equipe da Star Metrics fornece um feedback/ relatórios A Instituição envia quadrimestral mente os dados e a série histórica O Star Metrics criar os relatórios quadrimestrais Opcionalmente ocorre uma reunião técnica com a equipe de TI da Instituição Acordo de participação assinado Discussão interna sobre a participação da Instituição Fase I – Processo na Universidades
  • 31. Institution STARSTAR Projeto Piloto Acquisition And Analysis Direct Benefit Analysis Intellectual Property Benefit Analysis Innovation Analysis Jobs, Purchases, Contracts Benefit Analysis Detailed Characterization and Summary Institution Agency Budget Award State Funding Personnel Vendor Contractor HR System Procurement System Subcontracting System Endowment Funding Financial System Hire Buy Engage Disbursement Award Record Start-Up Papers Patents Download State Research Project Existing Institutional Reporting Agency
  • 32.
  • 33. Conceitos e definições para capturar inter-relacionamentos complexos entre fomento, equipe de trabalho e saídas.
  • 34. Questões importantes definidas no início do projeto • Os dados terão um identificador único? • Como são gerados esses identificadores? Quais são as premissas? • Como os dados serão construídos/coletados? Itens unívocos podem gerar um identificador? • Como fazer classificação e governança dos dados? • Será entrada individual ou por informação pós-processada? • Há elementos similares entre domínios, crosswalk para esses dados?
  • 35. Prof. José Francisco Salm Jr. Dr. - salm@stela.org.br
  • 36. O QUE É O PROJETO VIVO? É uma aplicação semântica open-source que permite a descoberta de pesquisadores e informações sobre bolsas entre disciplinas em uma instituição e entre instituições É populado com informações sobre profiles de professores e pesquisadores. Traz informações sobre publicações, ensino, serviços e vínculo profissional Possui um mecanismo de busca para localização de pessoas e demais informações dentro e fora da instituição
  • 37. Histórico do VIVO • Originou na Cornell University • Teve um fomento na ordem de $12.2 milhões do Agência de Governo NIH para se tornar uma Plataforma nacional • Existem sete instituições fundadoras do VIVO– Cornell University, University of Florida, Weill Cornell Medical College, Indiana University, Washington University in St. Louis School of Medicine, The Scripps Research Institute, Ponce School of Medicine
  • 38.
  • 40. A escala do Projeto
  • 43.
  • 44. EuroCris (CERIF-Standard) CERIF (Common European Research Information Format)
  • 45. 172 Membros: 113 instituições, 37 pesquisadores e 22 afiliados (são 325 delegados de 43 países).
  • 46. Padrões: Família CERIF (XML e LOD). Serviços: (DRIS, teste de compatibilidade CERIF, tutoriais CERIF). Orientação: desafios no domínio (conteúdo) e desafios técnicos (e.g. “semântica” do CERIF- CRIS). Cooperação Desafios de preparação da equipe técnica Objetivos do EuroCRIS
  • 47. Entities – CERIF • AcademicTitle • Contact • Country • CV • ExpertiseAndSkill • ExpertiseAndSkillDescription • ExpertiseAndSkillName • HonorificTitle • Language • OrgUnit • OrgUnit_Contact • OrgUnit_ExpertiseAndSkill • OrgUnit_OrgUnit • OrgUnitName • Person_AcademicTitle • Person_Contact • Person_CV • Person_ExpertiseAndSkill • Person_Language
  • 48. 5. CONSIDERAÇÕES FINAIS Trabalho desenvolvido para a CAPES em 2015 e 2016
  • 50. Transparência e Abertura (do processo e da informação) Maturidade e Avaliação (nos serviços e Plataforma) Atores e tipos de projeto (Administração Pública, administração empresarial, sociedade) Governança de Dados e OGD Fonte: https://free4kwallpapers.com/uploads/originals/2016/02/24/8-pillars-of-the-solar-system-wallpaper.jpg Pilares e desdobramentos conceituais de uma Plataforma eGov Accountability (do processo e da informação) Rede de coprodução (atores de rede e sustentabilidade) G2G G2B G2C B2B B2G B2C C2G C2C C2B C2G Modelos de Integração e Interoperabilidade (de dados, semântica e de processo) Acessibilidade e Serviços da Rede (de dados, semântica e de processo) Serviços e Apps (nos serviços e Plataforma)
  • 51. Principais requisitos de e-Gov bem sucedido • Bem comum: Plataformas e-Gov devem ter clareza de sua multimensionalidade e só podem ser bem comum se interessarem a todos os protagonistas. • Coprodução: somente a participação e responsabilidade coletiva podem levar à coprodução de um bem comum. • Governança: é necessário que as instituições partícipes tenham definido suas missões, responsabilidades e prioridades. https://www.sulacapnews.com.br/single-post/2018/04/22/PSICOnews-%C3%8Axito-ou-Sucesso
  • 52. Prof. José Salm Jr. salm@stela.org.brProf. José Francisco Salm Jr. Dr. - salm@stela.org.br Plataformas e-Gov em CT&I Experiências nacionais e internacionais 23 de maio de 2018 Capes, 22 e 23/05/2018 Roberto C. S. Pacheco Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC Instituto Stela José Salm Jr. Universidade Estadual de Santa Catarina – UDESC Instituto Stela