SlideShare uma empresa Scribd logo
U R B A N I S M O
P R O F . I S A B E L F E R R E I R A
Planejamento Urbano
Planejamento e Urbano
Introdução ao Desenho Urbano no Processo
de Planejamento ˘ Vicente del Rio
Curso de Planejamento Municipal Integrado:
Urbanismo ˘ Célson Ferrari
Desenho Urbano ˘ Anais do II SEDUR
(Seminário de Desenho Urbano no Brasil)
Lei de Parcelamento do Solo Urbano
6.766/79 alterada pela Lei 9.785/99
Planejamento e Urbano
Desenho Urbano e Projetos de Urbanização
Juan Luis Mascaró
Infra−estrutura urbana − Juan Mascaró
Rio Cidade − o urbanismo de volta às ruas
Urbanização Brasileira: Redescobertas
Leonardo Barci Castriota
Mapeamento Urbanístico: a materialidade da dimensão intangível
do patrimônio cultural urbano − Ana Cecília Rocha Veiga
Planejamento Urbano: tema amplo
Cada área do planejamento necessita de um especialista no assunto
Panorama geral dos diversos itens que compõem o Planejamento Urbano
CIDADES
BREVE
RETROSPECTIVA
Pré−História: apenas aldeias
nômades
Nascimento das cidades:
civilizações recentes, 6.000
anos atrás
Cidade de Ombos, Egito:
considerada por muitos
estudiosos a mais antiga do
mundo
CIDADES
GRECIA
 Civilização micênica (1450
a.C.): cidades muradas,
labirintos de becos, sem
drenagem e nem esgoto
canalizado. Rua com
abaulamentoinvertido,
servindo de canal de esgoto.
 Cidades cretenses: ruas em
curva de nível,estreitas e
pavimentadas, dotadas de
rede de água e esgoto.
Micenas
Atenas
Ágora (praça do mercado → espaço político)
Acrópole (castelo do rei e nobreza)
Areópago (montanha onde se reunia o concílio)
Hipódamos de Mileto – GRECIA
Um dos primeiros urbanistas conhecidos Pai do sistema xadrez, porém
não sendo o primeiro a utilizar o sistema
Já observava a orientação e dimensionamento das ruas segundo a
intensidade de uso
Planejou, com seus discípulos, várias cidades, como Pérgamo,
Alexandria, Mileto, etc.
CIDADES
MEDIEVAL
 Burgos
 Séc. V ao IX Desurbanização
• Castelos e catedrais
muradas:
No seu entorno, cresciam os
burgos ˘ pequenas cidades
comerciais
Carcassone ˘ Sul da França
CIDADES
ROMANAS
 Roma
 Fundada em aproximadamente
750 a.C.
 Século IV ˘ 1 milhão de
habitantes e...
 19 aquedutos, esgotamento e
ruas pavimentadas, prédios de
apartamentos, alguns com 8
andares, vias principais com
colunatas, arcos e
monumentos
 Praça de São Pedro ˘ Bernini,
Sec. XVII, um grande abraço
urbano da Igreja Mãe
Cidade Romana
CIDADES
DO RENASCIMENTO
AO BARROCO
CIDADE CLASSICA
 Do Renascimento ao Barroco
 Retorno ao planejamento
grego antigo
 Jardins em amplas praças
com desenhos geométricos
 Até que a indústria assume o
seu papel...
CIDADES
INDUSTRIAL
 Revolução Industrial
 1760 a 1830
 Explosão urbana
 Os problemas urbanos se
agravam (insalubridade,
peste, poluição, pouca
permeabilidade do traçado
urbano, etc.)
A Ciência da Cidade
Meados a final do século XIX, surge o urbanismo moderno como ciência
e termo
Mais do que desenho urbano, os projetos urbanísticos eram um projeto
de sociedade
Cidade Linear de Mata
Cidade Jardim de Ebenezer Howard
CIDADE JARDIM
CIDADES
LE COBURSIER
 Le Corbusier
 Cidade de três milhões de
habitantes − 1922
 Vinte e quatro arranha−céus
centrais de 60 andares dedicados
aos negócios (trabalho)
 Trabalhadores vivendo em
cidades jardins rodeando o centro
 Indústria: periferia
 Cidade separada em funções:
morar, trabalhar, circular e
descansar (CARTA DE ATENAS)
Le Corbusier
CIDADES
BRASILIA
 Brasília de Lúcio Costa
 Plano Piloto
 Superquadra: unidade de 280 x
280 metros, edifícios residenciais
em altura, áreas verdes comuns
de acesso público
 Unidade de Vizinhança:
equipamentos coletivos ˘ cinema,
clube, igreja, escola
 Principais problemas: periferias
sem planejamento, dependência
do automóvel particular, não
autonomia das unidades de
vizinhança e superquadras
Plano Piloto
Superquadra 308 e 309
CIDADES
PLANO ZERO
 O Que é o Plano Zero?
 Cidades inteiramente
planejadas em grandes áreas
vazias, inundadas por
barragens ou previamente
demolidas
 Glebas destinadas a novos
loteamentos, vazios urbanos
CIDADES
CARTA DE ANDES
 Carta dos Andes
 ˆSeminário de Técnicos e
Funcionários em Planejamento
Urbano˜
 ˆEm um sentido amplo,
planejamento é um método de
aplicação, contínuo e permanente,
destinado a resolver,
racionalmente, os problemas que
afetam uma sociedade situada em
determinado espaço, em
determinada época, através de
uma previsão ordenada capaz de
antecipar suas ulteriores
consequências˜
CIDADES
CONTRADIÇÕES
 Juca Villaschi ˘ Urbanização
Brasileira
 ˆO Planejamento territorial
urbano tem sido desenvolvido e
aplicado de forma a ordenar o
crescimento das cidades e
minimizar os problemas
decorrentes dos processos de
urbanização. E tem sido
curiosa a experiência brasileira
em planejamento urbano, já
que, geralmente, ele é
demandado e elaborado após a
desorganização espacial ter−se
tornado uma realidade.
CIDADES
PARCELAMENTO
 Desmembramento ou
loteamento?
 Desmembramento:
subdivisão de glebas(grandes
áreas) em lotes, com
aproveitamento do sistema
viário existente
 Loteamento: subdivisão de
gleba, com abertura de novas
vias de circulação ou
ampliação das existentes
Profissionais da Equipe
Arquitetos Urbanistas
Engenheiros: Civil, Florestal, Sanitário,
etc.
Economistas
Geógrafos
Sociólogos Urbanos
Antropólogos
Historiadores
Turismólogos
EQUIPE
Estudos Prévios
Mapeamento Físico e Biológico do Território
Topografia do terreno
Análise geológica do solo
Existência de mananciais, cursos (rios, córregos) e percursos (fluviais)
Ecossistema: fauna, flora
Dados meteorológicos: ventos, clima, etc.
Scanner a laser
Fotografia + Levantamento + Modelo 3D + Maquete Perfilada
Scanner a laser
CIDADES
PESQUISA PREVIA
 Mapeamento
Sócio−Econômico do
Território
 Estudos sócio−econômicos:
perfil regional ou do entorno,
hábitos de consumo e de vida,
hábitos de trabalho e lazer
 Survey Qualitativo: ler nas
entrelinhas
 Índices de Qualidade de Vida
 Inventários
Pesquisa previa
CIDADES
CIDADES
PESQUISA PREVIA
 Mapeamento Sócio−Econômico
do Território
 Estudos Econômicos: Potencial
da região, estrutura de
desenvolvimento existente
 Planejamento Regional: Como
esta nova área irá se inserir no
seu entorno, em todos os
aspectos − metropolitanos,
físicos, econômicos,
populacional, turísticos, etc.
Pesquisa Previa
CIDADES
CIDADES
PESQUISA PREVIA
 Mapeamento Histórico e
Antropológico
 Histórico: Levantamento da
história do lugar, identificação
de possíveis traços históricos a
serem preservados
(patrimônio cultural local)
 Análise antropológica: perfil
antropológico da população
local ou entorno, hábitos e
técnicas de construção aceitas
Participação Popular
AUDIÊNCIA PUBLICA
Participação Popular
Conselho Deliberativo
PARTICIPAÇÃO
POPULAR
Comissão de Trabalho
PARTICIPAÇÃO
POPULAR
CIDADES
ZONEAMENTO
 Áreas non aedificandi
 Terrenos alagadiços ou
inundáveis
 Aterramentos nocivos à saúde
 Declividade superior a 30%,
salvo exceções
 Condições geológicas precárias
 Áreas de preservação
ecológica, mananciais, etc.
CIDADES
ZONEAMENTO
 Levantamento do entorno
edificado
 Vias principais de acesso
(estradas, avenidas, etc),
características sócio−
econômicas, população e
densidade, etc.
 Continuidade das vias de
acesso, perfil da área a ser
ocupada, planejamento do
crescimento urbano, etc.
CIDADES
ZONEAMENTO
 Núcleos
 Definição de núcleo principal
e dos núcleos regionais, seus
usos e características
 Evitar crescimento
mononucleado, gerando
problemas de transporte,
centralização exagerada,
especulação imobiliária
Crescimento Doentio
Radioconcêntrico
ZONEAMENTO
Crescimento Saudável
Polinucleado
ZONEAMENTO
CIDADES
ZONEAMENTO
 Unidade de Vizinhança
 3.000 a 15.000 habitantes,
raio de aproximadamente
800 m
 Equipamentos: escolar,
cultural, religioso,
comercial, social, saúde,
espaço livre,
estacionamento, posto
policial
CIDADES
ZONEAMENTO
 Zonas de Uso do Solo
 Mistura e variedades de usos
compatíveis entre si, buscando a
mais intensa utilização possível
24 horas por dia
 Vitalidade urbana
 Segurança (evitar horários vazios)
 Vocação física, sócio−econômica e
cultural
 Grupos de Impacto
CIDADES
ZONEAMENTO
 ZPAM ˘ Zona de Preservação
Ambiental
 ZP ˘ Zona de Proteção
 ZAR ˘ Zona de Adensamento Restrito
 ZAP ˘ Zona de Adensamento
Preferencial
 ZC ˘ Zona Central
 ZA ˘ Zona Adensada
 ZE ˘ Zona de Grandes Equipamentos
 ZEIS ˘ Zona de Especial Interesse
Social
CIDADES
ZONEAMENTO
 Configuração Espacial das Zonas
 Gabarito (altura), afastamentos,
áreas máximas de construção
 Cones de visibilidade,
relacionamento entre volumes
edificados e topografia
 Relacionamento com o entorno:
vias existentes, usos, etc.
 Simulações de Conforto
Ambiental
Túnel de Ventos
ZONEAMENTO
CIDADES
ZONEAMENTO
 Outros Parâmetros
Urbanísticos
 Taxa de Permeabilização
 Coeficiente de
Aproveitamento
 Quota de terreno por
unidade habitacional
 Áreas de estacionamento
CIDADES
ZONEAMENTO
 Áreas especiais para aplicação de
instrumentos urbanos do Estatuto da
Cidade
 IPTU Progressivo no tempo
 Desapropriação
 Transferência do Direito de
Construir
 Direito de Preempsão
 Outorga onerosa do direito de
construir
 Etc.
CIDADES
PROJETO URBANO
 Projeto
 Subdivisão das quadras em lotes
 Sistema viário com hierarquia
 Dimensões lineares e angulares
das vias Perfis longitudinais e
transversais
 Memorial descritivo:
características e zoneamentos,
parâmetros urbanísticos,
indicação das áreas e
equipamentos públicos
CIDADES
PROJETO URBANO
 Áreas públicas
 Não poderá ser inferior a
35%, salvo loteamentos
industriais de grandes
dimensões ou salvo outras
determinações em legislação
urbanística
 Previsão de equipamentos
públicos de educação,
cultura, lazer e similares
CIDADES
PROJETO URBANO
 Lotes
 Área mínima de 125 m2
 Frente mínima de 5 metros
 Faixa non aedificandi de 15
metros em torno de águas
correntes, rodovias,
ferrovias
CIDADES
PROJETO URBANO
 Vias
 Articular−se com o sistema viário
local (entorno)
 Harmonizar−se com a topografia,
acompanhando curvas de nível e
promovendo quebras dágua em
descidas
 Classificação das vias segundo o
Plano Diretor e LPUOS (pedestre,
ciclovia, local, coletora, arterial,
regional)
 Quadras até 200 m (pedestres)
CIDADES
PROJETO URBANO
 Principais problemas
 Falta de hierarquização das
vias, conflito entre pedestres e
veículos, falta de
estacionamento
 Carência de espaços de lazer e
equipamentos
 Núcleos e unidades de
vizinhança mal dimensionados
 Monotonia da paisagem (lotes e
casas iguais)
CIDADES
PROJETO URBANO
 Requisitos Importantes no
Projeto
 Separação do trânsito de
passagem e do local
 Separação do pedestre e veículo
 Previsão para espaços de lazer e
contemplação
 Espaços de manobra e
estacionamento
 Previsão de circulação de veículos
de emergência
Loteamento tipo ˆcluster˜
Loteamentos
PROJETOS URBANOS
Loteamento tipo ˆcluster˜
Loteamentos
PROJETOS URBANOS
CIDADES
PROJETO URBANOS
 Detalhamento das Vias
 Tipos de cruzamento, rotatórias e
ˆcul−de− sac˜, estacionamento,
placas de sinalização
 Tempo dos sinais para veículos e
pedestres
 Áreas onde é necessário a
intervenção humana em horários
de pico (evitar engarrafamentos)
 Pistas especiais (ônibus,
emergência, inversão de sentido
de acordo com horário, etc)
Fases de uma intercessão
PROJETO URBANO
Solução que reduz as fases
PROJETO URBANO
Estudo de Semáforos
PROJETO URBANO
Estudo de Semáforos
PROJETO URBANO
Projeto Urbano
Projeto Urbano
Projeto Urbano
Projeto Urbano
Projeto Urbano
Projeto Urbano

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

URB | Panorama Brasil
URB | Panorama BrasilURB | Panorama Brasil
URB | Panorama Brasil
Edison Ribeiro
 
Planejamento Urbano - Aspectos Teóricos
Planejamento Urbano - Aspectos TeóricosPlanejamento Urbano - Aspectos Teóricos
Planejamento Urbano - Aspectos Teóricos
Marcos
 
Projeto de Pesquisa: Intervenção e o Desenho Urbano no Planejamento das Cidades
Projeto de Pesquisa: Intervenção e o Desenho Urbano no Planejamento das CidadesProjeto de Pesquisa: Intervenção e o Desenho Urbano no Planejamento das Cidades
Projeto de Pesquisa: Intervenção e o Desenho Urbano no Planejamento das Cidades
UNAERP
 
Planejamento urbano
Planejamento urbanoPlanejamento urbano
Planejamento urbano
Walquiria Dutra
 
História do Urbanismo de São Paulo
História do Urbanismo de São PauloHistória do Urbanismo de São Paulo
História do Urbanismo de São Paulo
Felipe Regues
 
Um breve histórico do planejamento urbano no brasil
Um breve histórico do planejamento urbano no brasilUm breve histórico do planejamento urbano no brasil
Um breve histórico do planejamento urbano no brasil
Paulo Orlando
 
Planejamentourbano
PlanejamentourbanoPlanejamentourbano
Planejamentourbano
Gustavo Felipe
 
Plano de Belo Horizonte
Plano de Belo HorizontePlano de Belo Horizonte
Plano de Belo Horizonte
Carolina Suzuki
 
Planejamento Urbano: Alcances e Limites
Planejamento Urbano: Alcances e LimitesPlanejamento Urbano: Alcances e Limites
Planejamento Urbano: Alcances e Limites
Helena Degreas
 
A Forma Urbana
A Forma UrbanaA Forma Urbana
A Forma Urbana
Marília Amorim
 
05 planejamento e desenho urbano
05 planejamento e desenho urbano05 planejamento e desenho urbano
05 planejamento e desenho urbano
GestaoPublicaSustentavel
 
Políticas publicas e planejamento ambiental urbano geografia upe
Políticas publicas e planejamento ambiental urbano geografia upePolíticas publicas e planejamento ambiental urbano geografia upe
Políticas publicas e planejamento ambiental urbano geografia upe
Italo Alan
 
Plano diretor instrumento de planejamento urbano
Plano diretor instrumento de planejamento urbanoPlano diretor instrumento de planejamento urbano
Plano diretor instrumento de planejamento urbano
Paulo Orlando
 
Plano diretor instrumento de planejamento urbano novo
Plano diretor instrumento de planejamento urbano novoPlano diretor instrumento de planejamento urbano novo
Plano diretor instrumento de planejamento urbano novo
Paulo Orlando
 
Políticas Públicas, planos diretores, representação e participação: iniciand...
Políticas Públicas, planos diretores, representação e participação: iniciand...Políticas Públicas, planos diretores, representação e participação: iniciand...
Políticas Públicas, planos diretores, representação e participação: iniciand...
Helena Degreas
 
A circulação das idéias do urbanismo Aridson Andrade - 2011
A circulação das idéias do urbanismo   Aridson Andrade - 2011A circulação das idéias do urbanismo   Aridson Andrade - 2011
A circulação das idéias do urbanismo Aridson Andrade - 2011
Aridson Andrade
 
10. estatuto da cidade
10. estatuto da cidade10. estatuto da cidade
10. estatuto da cidade
Ana Cunha
 
Urbanismo
UrbanismoUrbanismo
Estatuto da cidade
Estatuto da cidadeEstatuto da cidade
Estatuto da cidade
Pablo Pessoa
 
Planej urb dimensoes planej
Planej urb dimensoes planejPlanej urb dimensoes planej
Planej urb dimensoes planej
Paulo Orlando
 

Mais procurados (20)

URB | Panorama Brasil
URB | Panorama BrasilURB | Panorama Brasil
URB | Panorama Brasil
 
Planejamento Urbano - Aspectos Teóricos
Planejamento Urbano - Aspectos TeóricosPlanejamento Urbano - Aspectos Teóricos
Planejamento Urbano - Aspectos Teóricos
 
Projeto de Pesquisa: Intervenção e o Desenho Urbano no Planejamento das Cidades
Projeto de Pesquisa: Intervenção e o Desenho Urbano no Planejamento das CidadesProjeto de Pesquisa: Intervenção e o Desenho Urbano no Planejamento das Cidades
Projeto de Pesquisa: Intervenção e o Desenho Urbano no Planejamento das Cidades
 
Planejamento urbano
Planejamento urbanoPlanejamento urbano
Planejamento urbano
 
História do Urbanismo de São Paulo
História do Urbanismo de São PauloHistória do Urbanismo de São Paulo
História do Urbanismo de São Paulo
 
Um breve histórico do planejamento urbano no brasil
Um breve histórico do planejamento urbano no brasilUm breve histórico do planejamento urbano no brasil
Um breve histórico do planejamento urbano no brasil
 
Planejamentourbano
PlanejamentourbanoPlanejamentourbano
Planejamentourbano
 
Plano de Belo Horizonte
Plano de Belo HorizontePlano de Belo Horizonte
Plano de Belo Horizonte
 
Planejamento Urbano: Alcances e Limites
Planejamento Urbano: Alcances e LimitesPlanejamento Urbano: Alcances e Limites
Planejamento Urbano: Alcances e Limites
 
A Forma Urbana
A Forma UrbanaA Forma Urbana
A Forma Urbana
 
05 planejamento e desenho urbano
05 planejamento e desenho urbano05 planejamento e desenho urbano
05 planejamento e desenho urbano
 
Políticas publicas e planejamento ambiental urbano geografia upe
Políticas publicas e planejamento ambiental urbano geografia upePolíticas publicas e planejamento ambiental urbano geografia upe
Políticas publicas e planejamento ambiental urbano geografia upe
 
Plano diretor instrumento de planejamento urbano
Plano diretor instrumento de planejamento urbanoPlano diretor instrumento de planejamento urbano
Plano diretor instrumento de planejamento urbano
 
Plano diretor instrumento de planejamento urbano novo
Plano diretor instrumento de planejamento urbano novoPlano diretor instrumento de planejamento urbano novo
Plano diretor instrumento de planejamento urbano novo
 
Políticas Públicas, planos diretores, representação e participação: iniciand...
Políticas Públicas, planos diretores, representação e participação: iniciand...Políticas Públicas, planos diretores, representação e participação: iniciand...
Políticas Públicas, planos diretores, representação e participação: iniciand...
 
A circulação das idéias do urbanismo Aridson Andrade - 2011
A circulação das idéias do urbanismo   Aridson Andrade - 2011A circulação das idéias do urbanismo   Aridson Andrade - 2011
A circulação das idéias do urbanismo Aridson Andrade - 2011
 
10. estatuto da cidade
10. estatuto da cidade10. estatuto da cidade
10. estatuto da cidade
 
Urbanismo
UrbanismoUrbanismo
Urbanismo
 
Estatuto da cidade
Estatuto da cidadeEstatuto da cidade
Estatuto da cidade
 
Planej urb dimensoes planej
Planej urb dimensoes planejPlanej urb dimensoes planej
Planej urb dimensoes planej
 

Destaque

do urbanismo pre-industrial ao urbanismo moderno: utopia e reflexao.
do urbanismo pre-industrial ao urbanismo moderno: utopia e reflexao.do urbanismo pre-industrial ao urbanismo moderno: utopia e reflexao.
do urbanismo pre-industrial ao urbanismo moderno: utopia e reflexao.
Otavio M Peres
 
Aula inaugural estácio 20140318
Aula inaugural estácio 20140318Aula inaugural estácio 20140318
Aula inaugural estácio 20140318
Gustavo Dore
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
Viegas Fernandes da Costa
 
T4 g5 - mudar a cidade
T4   g5 - mudar a cidadeT4   g5 - mudar a cidade
T4 g5 - mudar a cidade
Graziela Araújo
 
A concepção estrutural e a arquitetura yopanan lowres2 140228163705-phpapp02
A concepção estrutural e a arquitetura yopanan lowres2 140228163705-phpapp02A concepção estrutural e a arquitetura yopanan lowres2 140228163705-phpapp02
A concepção estrutural e a arquitetura yopanan lowres2 140228163705-phpapp02
Pamela Xavier
 
Parcelamento do solo
Parcelamento do soloParcelamento do solo
Parcelamento do solo
Flavio Meireles
 
T4 g1 - mudar a cidade
T4   g1 - mudar a cidadeT4   g1 - mudar a cidade
T4 g1 - mudar a cidade
Graziela Araújo
 
Carta de Atenas
Carta de AtenasCarta de Atenas
Carta de Atenas
Ernesto Aguirre
 
Curitiba de antigamente - atualizado
Curitiba de antigamente - atualizadoCuritiba de antigamente - atualizado
Curitiba de antigamente - atualizado
Wilmar Santin
 
Aula 2 o ambiente da revolução industrial
Aula 2   o ambiente da revolução industrialAula 2   o ambiente da revolução industrial
Aula 2 o ambiente da revolução industrial
Raphael Barbosa Rodrigues
 
Carta de atenas
Carta de atenasCarta de atenas
Carta de atenas
Alice Kaizer
 
Carta de atenas
Carta de atenasCarta de atenas
Carta de atenas
roger1801
 
C A R T A D E A T E N A S 1931
C A R T A  D E  A T E N A S 1931C A R T A  D E  A T E N A S 1931
C A R T A D E A T E N A S 1931
ANTONI
 
Parte I do livro MUDAR A CIDADE - Marcelo Lopes de Souza (Planejamento Urbano...
Parte I do livro MUDAR A CIDADE - Marcelo Lopes de Souza (Planejamento Urbano...Parte I do livro MUDAR A CIDADE - Marcelo Lopes de Souza (Planejamento Urbano...
Parte I do livro MUDAR A CIDADE - Marcelo Lopes de Souza (Planejamento Urbano...
UNICAMP/SP
 
Alvenaria estrutural
Alvenaria estruturalAlvenaria estrutural
Alvenaria estrutural
André Lira
 
Historia das cidades
Historia das cidadesHistoria das cidades
Historia das cidades
Norma de Souza Lopes
 
Carta de Atenas
Carta de AtenasCarta de Atenas
Carta de Atenas
Ane Caroline*
 
Carta de atenas exposicion
Carta de atenas exposicionCarta de atenas exposicion
Carta de atenas exposicion
daniel072
 
Carta de atenas
Carta de atenasCarta de atenas
Carta de atenas
ROSS13
 
RevoluçAo Industrial
RevoluçAo IndustrialRevoluçAo Industrial
RevoluçAo Industrial
Ana Batista
 

Destaque (20)

do urbanismo pre-industrial ao urbanismo moderno: utopia e reflexao.
do urbanismo pre-industrial ao urbanismo moderno: utopia e reflexao.do urbanismo pre-industrial ao urbanismo moderno: utopia e reflexao.
do urbanismo pre-industrial ao urbanismo moderno: utopia e reflexao.
 
Aula inaugural estácio 20140318
Aula inaugural estácio 20140318Aula inaugural estácio 20140318
Aula inaugural estácio 20140318
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
T4 g5 - mudar a cidade
T4   g5 - mudar a cidadeT4   g5 - mudar a cidade
T4 g5 - mudar a cidade
 
A concepção estrutural e a arquitetura yopanan lowres2 140228163705-phpapp02
A concepção estrutural e a arquitetura yopanan lowres2 140228163705-phpapp02A concepção estrutural e a arquitetura yopanan lowres2 140228163705-phpapp02
A concepção estrutural e a arquitetura yopanan lowres2 140228163705-phpapp02
 
Parcelamento do solo
Parcelamento do soloParcelamento do solo
Parcelamento do solo
 
T4 g1 - mudar a cidade
T4   g1 - mudar a cidadeT4   g1 - mudar a cidade
T4 g1 - mudar a cidade
 
Carta de Atenas
Carta de AtenasCarta de Atenas
Carta de Atenas
 
Curitiba de antigamente - atualizado
Curitiba de antigamente - atualizadoCuritiba de antigamente - atualizado
Curitiba de antigamente - atualizado
 
Aula 2 o ambiente da revolução industrial
Aula 2   o ambiente da revolução industrialAula 2   o ambiente da revolução industrial
Aula 2 o ambiente da revolução industrial
 
Carta de atenas
Carta de atenasCarta de atenas
Carta de atenas
 
Carta de atenas
Carta de atenasCarta de atenas
Carta de atenas
 
C A R T A D E A T E N A S 1931
C A R T A  D E  A T E N A S 1931C A R T A  D E  A T E N A S 1931
C A R T A D E A T E N A S 1931
 
Parte I do livro MUDAR A CIDADE - Marcelo Lopes de Souza (Planejamento Urbano...
Parte I do livro MUDAR A CIDADE - Marcelo Lopes de Souza (Planejamento Urbano...Parte I do livro MUDAR A CIDADE - Marcelo Lopes de Souza (Planejamento Urbano...
Parte I do livro MUDAR A CIDADE - Marcelo Lopes de Souza (Planejamento Urbano...
 
Alvenaria estrutural
Alvenaria estruturalAlvenaria estrutural
Alvenaria estrutural
 
Historia das cidades
Historia das cidadesHistoria das cidades
Historia das cidades
 
Carta de Atenas
Carta de AtenasCarta de Atenas
Carta de Atenas
 
Carta de atenas exposicion
Carta de atenas exposicionCarta de atenas exposicion
Carta de atenas exposicion
 
Carta de atenas
Carta de atenasCarta de atenas
Carta de atenas
 
RevoluçAo Industrial
RevoluçAo IndustrialRevoluçAo Industrial
RevoluçAo Industrial
 

Semelhante a Planejamento urbano isaferreira modulo ii

AULA 3 - PARTE 1 - CONCEITOS PAISAGISMO.pdf
AULA 3 - PARTE 1 - CONCEITOS PAISAGISMO.pdfAULA 3 - PARTE 1 - CONCEITOS PAISAGISMO.pdf
AULA 3 - PARTE 1 - CONCEITOS PAISAGISMO.pdf
PaulaMariaMagalhesTe
 
Bairros em Lisboa 2012 (CEACT/UAL) - Apresentação do projecto
Bairros em Lisboa 2012 (CEACT/UAL) - Apresentação do projectoBairros em Lisboa 2012 (CEACT/UAL) - Apresentação do projecto
Bairros em Lisboa 2012 (CEACT/UAL) - Apresentação do projecto
Ceact Ual
 
Apresentação Riviera Santa Maria
Apresentação Riviera Santa MariaApresentação Riviera Santa Maria
Apresentação Riviera Santa Maria
Pedro Silvano Gunther
 
Gov mun ufmg_ana_mourao
Gov mun ufmg_ana_mouraoGov mun ufmg_ana_mourao
Gov mun ufmg_ana_mourao
hfjunior
 
Paisagens_Pos_Urbanas
Paisagens_Pos_UrbanasPaisagens_Pos_Urbanas
Paisagens_Pos_Urbanas
guestc28188
 
Expansão urbana-cidades e áreas urbanasIII.pptx.pdf
Expansão urbana-cidades e áreas urbanasIII.pptx.pdfExpansão urbana-cidades e áreas urbanasIII.pptx.pdf
Expansão urbana-cidades e áreas urbanasIII.pptx.pdf
Victria62
 
Problemas urbanos, soluções
Problemas urbanos, soluçõesProblemas urbanos, soluções
Problemas urbanos, soluções
Idalina Leite
 
Problemas urbanos, soluções (2)
Problemas urbanos, soluções (2)Problemas urbanos, soluções (2)
Problemas urbanos, soluções (2)
Idalina Leite
 
Apresentação NEPHU-UFF e IAB-NLM sobre OUC Centro Niterói 29.08.13
Apresentação NEPHU-UFF e IAB-NLM sobre OUC Centro Niterói 29.08.13Apresentação NEPHU-UFF e IAB-NLM sobre OUC Centro Niterói 29.08.13
Apresentação NEPHU-UFF e IAB-NLM sobre OUC Centro Niterói 29.08.13
MandatoPEG
 
Planurb 3 - Operação Urbana - Lapa/Brás
Planurb 3 - Operação Urbana - Lapa/BrásPlanurb 3 - Operação Urbana - Lapa/Brás
Planurb 3 - Operação Urbana - Lapa/Brás
Carlos Elson Cunha
 
20150728 Workshop: Os Desafios da Expansão da Cidade - António Pereiera
20150728 Workshop: Os Desafios da Expansão da Cidade - António Pereiera20150728 Workshop: Os Desafios da Expansão da Cidade - António Pereiera
20150728 Workshop: Os Desafios da Expansão da Cidade - António Pereiera
Development Workshop Angola
 
Artigo:Espaço de Convívio para fomento da Cultura e Lazer no Bairro Jardim Ae...
Artigo:Espaço de Convívio para fomento da Cultura e Lazer no Bairro Jardim Ae...Artigo:Espaço de Convívio para fomento da Cultura e Lazer no Bairro Jardim Ae...
Artigo:Espaço de Convívio para fomento da Cultura e Lazer no Bairro Jardim Ae...
Diane Oliveira
 
COLAPSO URBANO
COLAPSO URBANOCOLAPSO URBANO
COLAPSO URBANO
Marcelo Dores
 
Mov. Defenda São Paulo_A revisão do Plano Diretor Estratégico
Mov. Defenda São Paulo_A revisão do Plano Diretor EstratégicoMov. Defenda São Paulo_A revisão do Plano Diretor Estratégico
Mov. Defenda São Paulo_A revisão do Plano Diretor Estratégico
pelacidadeviva
 
Aula 1_Fundamentos do Planejamento Urbano.pptx
Aula 1_Fundamentos do Planejamento Urbano.pptxAula 1_Fundamentos do Planejamento Urbano.pptx
Aula 1_Fundamentos do Planejamento Urbano.pptx
MarcosTarlombani1
 
Materiais de Construção e a Projecção Arquitectónica - A Realidade Angolana
Materiais de Construção e a Projecção Arquitectónica - A Realidade AngolanaMateriais de Construção e a Projecção Arquitectónica - A Realidade Angolana
Materiais de Construção e a Projecção Arquitectónica - A Realidade Angolana
Ministério de Obras Públicas
 
Aspectos Ambientais e Sociais na Construção da Cidade
Aspectos Ambientais e Sociais na Construção da CidadeAspectos Ambientais e Sociais na Construção da Cidade
Aspectos Ambientais e Sociais na Construção da Cidade
UNAERP
 
Agenda recife do futuro
Agenda recife do futuro Agenda recife do futuro
Agenda recife do futuro
Jamildo Melo
 
Agenda Recife do Futuro
Agenda Recife do FuturoAgenda Recife do Futuro
Agenda Recife do Futuro
Deputado Paulo Rubem - PDT
 
Cais jose-estelita-diretrizes-urbanísticas
Cais jose-estelita-diretrizes-urbanísticasCais jose-estelita-diretrizes-urbanísticas
Cais jose-estelita-diretrizes-urbanísticas
Jornal do Commercio
 

Semelhante a Planejamento urbano isaferreira modulo ii (20)

AULA 3 - PARTE 1 - CONCEITOS PAISAGISMO.pdf
AULA 3 - PARTE 1 - CONCEITOS PAISAGISMO.pdfAULA 3 - PARTE 1 - CONCEITOS PAISAGISMO.pdf
AULA 3 - PARTE 1 - CONCEITOS PAISAGISMO.pdf
 
Bairros em Lisboa 2012 (CEACT/UAL) - Apresentação do projecto
Bairros em Lisboa 2012 (CEACT/UAL) - Apresentação do projectoBairros em Lisboa 2012 (CEACT/UAL) - Apresentação do projecto
Bairros em Lisboa 2012 (CEACT/UAL) - Apresentação do projecto
 
Apresentação Riviera Santa Maria
Apresentação Riviera Santa MariaApresentação Riviera Santa Maria
Apresentação Riviera Santa Maria
 
Gov mun ufmg_ana_mourao
Gov mun ufmg_ana_mouraoGov mun ufmg_ana_mourao
Gov mun ufmg_ana_mourao
 
Paisagens_Pos_Urbanas
Paisagens_Pos_UrbanasPaisagens_Pos_Urbanas
Paisagens_Pos_Urbanas
 
Expansão urbana-cidades e áreas urbanasIII.pptx.pdf
Expansão urbana-cidades e áreas urbanasIII.pptx.pdfExpansão urbana-cidades e áreas urbanasIII.pptx.pdf
Expansão urbana-cidades e áreas urbanasIII.pptx.pdf
 
Problemas urbanos, soluções
Problemas urbanos, soluçõesProblemas urbanos, soluções
Problemas urbanos, soluções
 
Problemas urbanos, soluções (2)
Problemas urbanos, soluções (2)Problemas urbanos, soluções (2)
Problemas urbanos, soluções (2)
 
Apresentação NEPHU-UFF e IAB-NLM sobre OUC Centro Niterói 29.08.13
Apresentação NEPHU-UFF e IAB-NLM sobre OUC Centro Niterói 29.08.13Apresentação NEPHU-UFF e IAB-NLM sobre OUC Centro Niterói 29.08.13
Apresentação NEPHU-UFF e IAB-NLM sobre OUC Centro Niterói 29.08.13
 
Planurb 3 - Operação Urbana - Lapa/Brás
Planurb 3 - Operação Urbana - Lapa/BrásPlanurb 3 - Operação Urbana - Lapa/Brás
Planurb 3 - Operação Urbana - Lapa/Brás
 
20150728 Workshop: Os Desafios da Expansão da Cidade - António Pereiera
20150728 Workshop: Os Desafios da Expansão da Cidade - António Pereiera20150728 Workshop: Os Desafios da Expansão da Cidade - António Pereiera
20150728 Workshop: Os Desafios da Expansão da Cidade - António Pereiera
 
Artigo:Espaço de Convívio para fomento da Cultura e Lazer no Bairro Jardim Ae...
Artigo:Espaço de Convívio para fomento da Cultura e Lazer no Bairro Jardim Ae...Artigo:Espaço de Convívio para fomento da Cultura e Lazer no Bairro Jardim Ae...
Artigo:Espaço de Convívio para fomento da Cultura e Lazer no Bairro Jardim Ae...
 
COLAPSO URBANO
COLAPSO URBANOCOLAPSO URBANO
COLAPSO URBANO
 
Mov. Defenda São Paulo_A revisão do Plano Diretor Estratégico
Mov. Defenda São Paulo_A revisão do Plano Diretor EstratégicoMov. Defenda São Paulo_A revisão do Plano Diretor Estratégico
Mov. Defenda São Paulo_A revisão do Plano Diretor Estratégico
 
Aula 1_Fundamentos do Planejamento Urbano.pptx
Aula 1_Fundamentos do Planejamento Urbano.pptxAula 1_Fundamentos do Planejamento Urbano.pptx
Aula 1_Fundamentos do Planejamento Urbano.pptx
 
Materiais de Construção e a Projecção Arquitectónica - A Realidade Angolana
Materiais de Construção e a Projecção Arquitectónica - A Realidade AngolanaMateriais de Construção e a Projecção Arquitectónica - A Realidade Angolana
Materiais de Construção e a Projecção Arquitectónica - A Realidade Angolana
 
Aspectos Ambientais e Sociais na Construção da Cidade
Aspectos Ambientais e Sociais na Construção da CidadeAspectos Ambientais e Sociais na Construção da Cidade
Aspectos Ambientais e Sociais na Construção da Cidade
 
Agenda recife do futuro
Agenda recife do futuro Agenda recife do futuro
Agenda recife do futuro
 
Agenda Recife do Futuro
Agenda Recife do FuturoAgenda Recife do Futuro
Agenda Recife do Futuro
 
Cais jose-estelita-diretrizes-urbanísticas
Cais jose-estelita-diretrizes-urbanísticasCais jose-estelita-diretrizes-urbanísticas
Cais jose-estelita-diretrizes-urbanísticas
 

Mais de Isa Guerreiro

Acessibilidade
AcessibilidadeAcessibilidade
Acessibilidade
Isa Guerreiro
 
11411694
1141169411411694
11411694
Isa Guerreiro
 
Guia pratico fiscalizacao
Guia pratico fiscalizacaoGuia pratico fiscalizacao
Guia pratico fiscalizacao
Isa Guerreiro
 
Consumo de material
Consumo de materialConsumo de material
Consumo de material
Isa Guerreiro
 
Cobertura
CoberturaCobertura
Cobertura
Isa Guerreiro
 
Como calcular a quantidade de material para alvenaria
Como calcular a quantidade de material para alvenariaComo calcular a quantidade de material para alvenaria
Como calcular a quantidade de material para alvenaria
Isa Guerreiro
 
Art
ArtArt
149[1]
149[1]149[1]
86138340 aula-desenho-para-engenharia-aspectos-gerais-do-desenho-tecnico
86138340 aula-desenho-para-engenharia-aspectos-gerais-do-desenho-tecnico86138340 aula-desenho-para-engenharia-aspectos-gerais-do-desenho-tecnico
86138340 aula-desenho-para-engenharia-aspectos-gerais-do-desenho-tecnico
Isa Guerreiro
 
Aula desenho de projeto de edificações
Aula desenho de projeto de edificaçõesAula desenho de projeto de edificações
Aula desenho de projeto de edificações
Isa Guerreiro
 
Uva selo
Uva seloUva selo
Uva selo
Isa Guerreiro
 
Manual de especificação do espaço escolar
Manual de especificação do espaço escolarManual de especificação do espaço escolar
Manual de especificação do espaço escolar
Isa Guerreiro
 
Manual de especificação do espaço escolar
Manual de especificação do espaço escolarManual de especificação do espaço escolar
Manual de especificação do espaço escolar
Isa Guerreiro
 
Manual conservando escolas
Manual conservando escolas Manual conservando escolas
Manual conservando escolas
Isa Guerreiro
 
Engenharia urbana modulo ii avaliação
Engenharia urbana modulo ii avaliaçãoEngenharia urbana modulo ii avaliação
Engenharia urbana modulo ii avaliação
Isa Guerreiro
 
Apresentaçãoescolas1
Apresentaçãoescolas1Apresentaçãoescolas1
Apresentaçãoescolas1
Isa Guerreiro
 
Aula 3 introducao urbanismo no brasil
Aula 3 introducao urbanismo no brasilAula 3 introducao urbanismo no brasil
Aula 3 introducao urbanismo no brasil
Isa Guerreiro
 
Apresentaçãourbano souza marques
Apresentaçãourbano souza marquesApresentaçãourbano souza marques
Apresentaçãourbano souza marques
Isa Guerreiro
 

Mais de Isa Guerreiro (18)

Acessibilidade
AcessibilidadeAcessibilidade
Acessibilidade
 
11411694
1141169411411694
11411694
 
Guia pratico fiscalizacao
Guia pratico fiscalizacaoGuia pratico fiscalizacao
Guia pratico fiscalizacao
 
Consumo de material
Consumo de materialConsumo de material
Consumo de material
 
Cobertura
CoberturaCobertura
Cobertura
 
Como calcular a quantidade de material para alvenaria
Como calcular a quantidade de material para alvenariaComo calcular a quantidade de material para alvenaria
Como calcular a quantidade de material para alvenaria
 
Art
ArtArt
Art
 
149[1]
149[1]149[1]
149[1]
 
86138340 aula-desenho-para-engenharia-aspectos-gerais-do-desenho-tecnico
86138340 aula-desenho-para-engenharia-aspectos-gerais-do-desenho-tecnico86138340 aula-desenho-para-engenharia-aspectos-gerais-do-desenho-tecnico
86138340 aula-desenho-para-engenharia-aspectos-gerais-do-desenho-tecnico
 
Aula desenho de projeto de edificações
Aula desenho de projeto de edificaçõesAula desenho de projeto de edificações
Aula desenho de projeto de edificações
 
Uva selo
Uva seloUva selo
Uva selo
 
Manual de especificação do espaço escolar
Manual de especificação do espaço escolarManual de especificação do espaço escolar
Manual de especificação do espaço escolar
 
Manual de especificação do espaço escolar
Manual de especificação do espaço escolarManual de especificação do espaço escolar
Manual de especificação do espaço escolar
 
Manual conservando escolas
Manual conservando escolas Manual conservando escolas
Manual conservando escolas
 
Engenharia urbana modulo ii avaliação
Engenharia urbana modulo ii avaliaçãoEngenharia urbana modulo ii avaliação
Engenharia urbana modulo ii avaliação
 
Apresentaçãoescolas1
Apresentaçãoescolas1Apresentaçãoescolas1
Apresentaçãoescolas1
 
Aula 3 introducao urbanismo no brasil
Aula 3 introducao urbanismo no brasilAula 3 introducao urbanismo no brasil
Aula 3 introducao urbanismo no brasil
 
Apresentaçãourbano souza marques
Apresentaçãourbano souza marquesApresentaçãourbano souza marques
Apresentaçãourbano souza marques
 

Último

Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.pptElementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
Wagner Moraes
 
Segurança nos trabalhos em altura, normas SST
Segurança nos trabalhos em altura, normas SSTSegurança nos trabalhos em altura, normas SST
Segurança nos trabalhos em altura, normas SST
ClaudioArez
 
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docxSFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
bentosst
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
Consultoria Acadêmica
 
Incêndios em correia transportadora.pptx
Incêndios em correia transportadora.pptxIncêndios em correia transportadora.pptx
Incêndios em correia transportadora.pptx
RafaelDantas32562
 
Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123
GabrielGarcia356832
 
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de SementesAula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
WeltonAgostinhoDias1
 
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdfÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
RoemirPeres
 
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
pereiramarcossantos0
 
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdfDimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
RodrigoQuintilianode1
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
Consultoria Acadêmica
 
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e depósitos
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e  depósitosApostila SAP.PM para PCM, para indústria e  depósitos
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e depósitos
Sandro Marques Solidario
 
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdfAULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
MaxwellBentodeOlivei1
 

Último (13)

Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.pptElementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
 
Segurança nos trabalhos em altura, normas SST
Segurança nos trabalhos em altura, normas SSTSegurança nos trabalhos em altura, normas SST
Segurança nos trabalhos em altura, normas SST
 
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docxSFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
 
Incêndios em correia transportadora.pptx
Incêndios em correia transportadora.pptxIncêndios em correia transportadora.pptx
Incêndios em correia transportadora.pptx
 
Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123
 
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de SementesAula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
 
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdfÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
 
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
 
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdfDimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
 
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e depósitos
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e  depósitosApostila SAP.PM para PCM, para indústria e  depósitos
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e depósitos
 
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdfAULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
 

Planejamento urbano isaferreira modulo ii

  • 1. U R B A N I S M O P R O F . I S A B E L F E R R E I R A Planejamento Urbano
  • 2. Planejamento e Urbano Introdução ao Desenho Urbano no Processo de Planejamento ˘ Vicente del Rio Curso de Planejamento Municipal Integrado: Urbanismo ˘ Célson Ferrari Desenho Urbano ˘ Anais do II SEDUR (Seminário de Desenho Urbano no Brasil) Lei de Parcelamento do Solo Urbano 6.766/79 alterada pela Lei 9.785/99
  • 3. Planejamento e Urbano Desenho Urbano e Projetos de Urbanização Juan Luis Mascaró Infra−estrutura urbana − Juan Mascaró Rio Cidade − o urbanismo de volta às ruas Urbanização Brasileira: Redescobertas Leonardo Barci Castriota Mapeamento Urbanístico: a materialidade da dimensão intangível do patrimônio cultural urbano − Ana Cecília Rocha Veiga
  • 4. Planejamento Urbano: tema amplo Cada área do planejamento necessita de um especialista no assunto Panorama geral dos diversos itens que compõem o Planejamento Urbano
  • 5. CIDADES BREVE RETROSPECTIVA Pré−História: apenas aldeias nômades Nascimento das cidades: civilizações recentes, 6.000 anos atrás Cidade de Ombos, Egito: considerada por muitos estudiosos a mais antiga do mundo
  • 6. CIDADES GRECIA  Civilização micênica (1450 a.C.): cidades muradas, labirintos de becos, sem drenagem e nem esgoto canalizado. Rua com abaulamentoinvertido, servindo de canal de esgoto.  Cidades cretenses: ruas em curva de nível,estreitas e pavimentadas, dotadas de rede de água e esgoto.
  • 8. Atenas Ágora (praça do mercado → espaço político) Acrópole (castelo do rei e nobreza) Areópago (montanha onde se reunia o concílio)
  • 9.
  • 10.
  • 11.
  • 12. Hipódamos de Mileto – GRECIA Um dos primeiros urbanistas conhecidos Pai do sistema xadrez, porém não sendo o primeiro a utilizar o sistema Já observava a orientação e dimensionamento das ruas segundo a intensidade de uso Planejou, com seus discípulos, várias cidades, como Pérgamo, Alexandria, Mileto, etc.
  • 13. CIDADES MEDIEVAL  Burgos  Séc. V ao IX Desurbanização • Castelos e catedrais muradas: No seu entorno, cresciam os burgos ˘ pequenas cidades comerciais
  • 14. Carcassone ˘ Sul da França
  • 15. CIDADES ROMANAS  Roma  Fundada em aproximadamente 750 a.C.  Século IV ˘ 1 milhão de habitantes e...  19 aquedutos, esgotamento e ruas pavimentadas, prédios de apartamentos, alguns com 8 andares, vias principais com colunatas, arcos e monumentos  Praça de São Pedro ˘ Bernini, Sec. XVII, um grande abraço urbano da Igreja Mãe
  • 17. CIDADES DO RENASCIMENTO AO BARROCO CIDADE CLASSICA  Do Renascimento ao Barroco  Retorno ao planejamento grego antigo  Jardins em amplas praças com desenhos geométricos  Até que a indústria assume o seu papel...
  • 18. CIDADES INDUSTRIAL  Revolução Industrial  1760 a 1830  Explosão urbana  Os problemas urbanos se agravam (insalubridade, peste, poluição, pouca permeabilidade do traçado urbano, etc.)
  • 19. A Ciência da Cidade Meados a final do século XIX, surge o urbanismo moderno como ciência e termo Mais do que desenho urbano, os projetos urbanísticos eram um projeto de sociedade Cidade Linear de Mata
  • 20. Cidade Jardim de Ebenezer Howard CIDADE JARDIM
  • 21.
  • 22. CIDADES LE COBURSIER  Le Corbusier  Cidade de três milhões de habitantes − 1922  Vinte e quatro arranha−céus centrais de 60 andares dedicados aos negócios (trabalho)  Trabalhadores vivendo em cidades jardins rodeando o centro  Indústria: periferia  Cidade separada em funções: morar, trabalhar, circular e descansar (CARTA DE ATENAS)
  • 24. CIDADES BRASILIA  Brasília de Lúcio Costa  Plano Piloto  Superquadra: unidade de 280 x 280 metros, edifícios residenciais em altura, áreas verdes comuns de acesso público  Unidade de Vizinhança: equipamentos coletivos ˘ cinema, clube, igreja, escola  Principais problemas: periferias sem planejamento, dependência do automóvel particular, não autonomia das unidades de vizinhança e superquadras
  • 27. CIDADES PLANO ZERO  O Que é o Plano Zero?  Cidades inteiramente planejadas em grandes áreas vazias, inundadas por barragens ou previamente demolidas  Glebas destinadas a novos loteamentos, vazios urbanos
  • 28. CIDADES CARTA DE ANDES  Carta dos Andes  ˆSeminário de Técnicos e Funcionários em Planejamento Urbano˜  ˆEm um sentido amplo, planejamento é um método de aplicação, contínuo e permanente, destinado a resolver, racionalmente, os problemas que afetam uma sociedade situada em determinado espaço, em determinada época, através de uma previsão ordenada capaz de antecipar suas ulteriores consequências˜
  • 29. CIDADES CONTRADIÇÕES  Juca Villaschi ˘ Urbanização Brasileira  ˆO Planejamento territorial urbano tem sido desenvolvido e aplicado de forma a ordenar o crescimento das cidades e minimizar os problemas decorrentes dos processos de urbanização. E tem sido curiosa a experiência brasileira em planejamento urbano, já que, geralmente, ele é demandado e elaborado após a desorganização espacial ter−se tornado uma realidade.
  • 30. CIDADES PARCELAMENTO  Desmembramento ou loteamento?  Desmembramento: subdivisão de glebas(grandes áreas) em lotes, com aproveitamento do sistema viário existente  Loteamento: subdivisão de gleba, com abertura de novas vias de circulação ou ampliação das existentes
  • 31. Profissionais da Equipe Arquitetos Urbanistas Engenheiros: Civil, Florestal, Sanitário, etc. Economistas Geógrafos Sociólogos Urbanos Antropólogos Historiadores Turismólogos EQUIPE
  • 32. Estudos Prévios Mapeamento Físico e Biológico do Território Topografia do terreno Análise geológica do solo Existência de mananciais, cursos (rios, córregos) e percursos (fluviais) Ecossistema: fauna, flora Dados meteorológicos: ventos, clima, etc. Scanner a laser
  • 33. Fotografia + Levantamento + Modelo 3D + Maquete Perfilada
  • 35.
  • 36. CIDADES PESQUISA PREVIA  Mapeamento Sócio−Econômico do Território  Estudos sócio−econômicos: perfil regional ou do entorno, hábitos de consumo e de vida, hábitos de trabalho e lazer  Survey Qualitativo: ler nas entrelinhas  Índices de Qualidade de Vida  Inventários
  • 38. CIDADES PESQUISA PREVIA  Mapeamento Sócio−Econômico do Território  Estudos Econômicos: Potencial da região, estrutura de desenvolvimento existente  Planejamento Regional: Como esta nova área irá se inserir no seu entorno, em todos os aspectos − metropolitanos, físicos, econômicos, populacional, turísticos, etc.
  • 40. CIDADES PESQUISA PREVIA  Mapeamento Histórico e Antropológico  Histórico: Levantamento da história do lugar, identificação de possíveis traços históricos a serem preservados (patrimônio cultural local)  Análise antropológica: perfil antropológico da população local ou entorno, hábitos e técnicas de construção aceitas
  • 45.
  • 46. CIDADES ZONEAMENTO  Áreas non aedificandi  Terrenos alagadiços ou inundáveis  Aterramentos nocivos à saúde  Declividade superior a 30%, salvo exceções  Condições geológicas precárias  Áreas de preservação ecológica, mananciais, etc.
  • 47.
  • 48. CIDADES ZONEAMENTO  Levantamento do entorno edificado  Vias principais de acesso (estradas, avenidas, etc), características sócio− econômicas, população e densidade, etc.  Continuidade das vias de acesso, perfil da área a ser ocupada, planejamento do crescimento urbano, etc.
  • 49. CIDADES ZONEAMENTO  Núcleos  Definição de núcleo principal e dos núcleos regionais, seus usos e características  Evitar crescimento mononucleado, gerando problemas de transporte, centralização exagerada, especulação imobiliária
  • 52. CIDADES ZONEAMENTO  Unidade de Vizinhança  3.000 a 15.000 habitantes, raio de aproximadamente 800 m  Equipamentos: escolar, cultural, religioso, comercial, social, saúde, espaço livre, estacionamento, posto policial
  • 53. CIDADES ZONEAMENTO  Zonas de Uso do Solo  Mistura e variedades de usos compatíveis entre si, buscando a mais intensa utilização possível 24 horas por dia  Vitalidade urbana  Segurança (evitar horários vazios)  Vocação física, sócio−econômica e cultural  Grupos de Impacto
  • 54. CIDADES ZONEAMENTO  ZPAM ˘ Zona de Preservação Ambiental  ZP ˘ Zona de Proteção  ZAR ˘ Zona de Adensamento Restrito  ZAP ˘ Zona de Adensamento Preferencial  ZC ˘ Zona Central  ZA ˘ Zona Adensada  ZE ˘ Zona de Grandes Equipamentos  ZEIS ˘ Zona de Especial Interesse Social
  • 55. CIDADES ZONEAMENTO  Configuração Espacial das Zonas  Gabarito (altura), afastamentos, áreas máximas de construção  Cones de visibilidade, relacionamento entre volumes edificados e topografia  Relacionamento com o entorno: vias existentes, usos, etc.  Simulações de Conforto Ambiental
  • 57. CIDADES ZONEAMENTO  Outros Parâmetros Urbanísticos  Taxa de Permeabilização  Coeficiente de Aproveitamento  Quota de terreno por unidade habitacional  Áreas de estacionamento
  • 58. CIDADES ZONEAMENTO  Áreas especiais para aplicação de instrumentos urbanos do Estatuto da Cidade  IPTU Progressivo no tempo  Desapropriação  Transferência do Direito de Construir  Direito de Preempsão  Outorga onerosa do direito de construir  Etc.
  • 59. CIDADES PROJETO URBANO  Projeto  Subdivisão das quadras em lotes  Sistema viário com hierarquia  Dimensões lineares e angulares das vias Perfis longitudinais e transversais  Memorial descritivo: características e zoneamentos, parâmetros urbanísticos, indicação das áreas e equipamentos públicos
  • 60. CIDADES PROJETO URBANO  Áreas públicas  Não poderá ser inferior a 35%, salvo loteamentos industriais de grandes dimensões ou salvo outras determinações em legislação urbanística  Previsão de equipamentos públicos de educação, cultura, lazer e similares
  • 61. CIDADES PROJETO URBANO  Lotes  Área mínima de 125 m2  Frente mínima de 5 metros  Faixa non aedificandi de 15 metros em torno de águas correntes, rodovias, ferrovias
  • 62. CIDADES PROJETO URBANO  Vias  Articular−se com o sistema viário local (entorno)  Harmonizar−se com a topografia, acompanhando curvas de nível e promovendo quebras dágua em descidas  Classificação das vias segundo o Plano Diretor e LPUOS (pedestre, ciclovia, local, coletora, arterial, regional)  Quadras até 200 m (pedestres)
  • 63. CIDADES PROJETO URBANO  Principais problemas  Falta de hierarquização das vias, conflito entre pedestres e veículos, falta de estacionamento  Carência de espaços de lazer e equipamentos  Núcleos e unidades de vizinhança mal dimensionados  Monotonia da paisagem (lotes e casas iguais)
  • 64. CIDADES PROJETO URBANO  Requisitos Importantes no Projeto  Separação do trânsito de passagem e do local  Separação do pedestre e veículo  Previsão para espaços de lazer e contemplação  Espaços de manobra e estacionamento  Previsão de circulação de veículos de emergência
  • 67. CIDADES PROJETO URBANOS  Detalhamento das Vias  Tipos de cruzamento, rotatórias e ˆcul−de− sac˜, estacionamento, placas de sinalização  Tempo dos sinais para veículos e pedestres  Áreas onde é necessário a intervenção humana em horários de pico (evitar engarrafamentos)  Pistas especiais (ônibus, emergência, inversão de sentido de acordo com horário, etc)
  • 68. Fases de uma intercessão PROJETO URBANO
  • 69. Solução que reduz as fases PROJETO URBANO