SlideShare uma empresa Scribd logo
• Conceito
• Embasamento Legal
• Diferença entre Tributos a Recolher, a Recuperar e Retidos.
• Tratativas Contábeis
Regime Não Cumulativo
TRIBUTOS: PIS E COFINS
Significado e Previsão Legal
PIS/Pasep é a sigla dada à contribuição para os Programas de Integração Social e de Formação do Patrimônio do
Servidor Público, a previsão da sua Não Cumulatividade além de todas as demais tratativas regulamentares se
encontram na Lei n° 10.637/2002.
COFINS, por sua vez, é a Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social. O princípio da Não
Cumulatividade deste tributo e demais regulamentações têm previsão na Lei n° 10.833/2003.
Em quais modalidades encontramos os tributos:
2
Hipótese de Incidência ou Fato Gerador
Conforme o art 01 das Leis n° 10.637/2002 e também da Lei n° 10.833/2003, o PIS e a COFINS respectivamente
incidem sobre o total das receitas auferidas no mês pela pessoa jurídica.
Conceito de Receita: De acordo com o artigo 12 da Lei 12.973/2014, a Receita Bruta para efeito dos tributos é:
• o produto da venda de bens nas operações de conta própria;
• o preço da prestação de serviços em geral;
• o resultado auferido nas operações de conta alheia; e
• as receitas da atividade ou objeto principal da pessoa jurídica não citado anteriormente.
Lei n° 10.637/02 e Lei n° 10.833/03 – Artigo 01
TRIBUTOS A RECOLHER
HIPÓTESE DE INCIDÊNCIA
3
ALÍQUOTAS
Sobre a base de cálculo ( total das receitas auferidas pela Pessoa Jurídica), deverá ser aplicado a alíquota:
PIS: 1,65%
COFINS: 7,6%
Leis n° 10.637/02 e Lei n° 10.833/03 – artigo 02
ALÍQUOTAS
4
• Alguns valores não são inclusos na base de cálculo do PIS e da COFINS, embora aparentemente sejam
Receitas. São eles:
Saídas Isentas ou tributadas à alíquota zero;
Vendas Canceladas;
Descontos Incondicionais Concedidos;
Venda de Ativo.
Leis n° 10.637/02 e Lei n° 10.833/03 – Artigo 1, §3°
EXCLUSÕES NA BASE DE CÁLCULO
5
Os valores do PIS e da COFINS sobre as Receitas são contabilizados em conta do passivo.
Contabilizar nesta conta significa que temos um dever junto ao fisco o qual no final do mês o valor deve ser
apurado e o total recolhido aos cofres públicos.
Como contabilizar:
C – PIS a Recolher
C - COFINS a Recolher
D – Receita
CONTABILIZAÇÃO
6
No regime não cumulativo há o direito de tomada de crédito dos impostos sobre determinadas aquisições.
São exemplos:
- Bens adquiridos para revenda;
- Bens e serviços, utilizados como insumo na prestação de serviços e na produção ou fabricação de bens ou produtos
destinados à venda;
- Energia elétrica e energia térmica, inclusive sob a forma de vapor, consumidas nos estabelecimentos da pessoa jurídica;
- Aluguéis de prédios, máquinas e equipamentos, pagos a pessoa jurídica, utilizados nas atividades da empresa.
Demais hipóteses são encontradas do Inciso I a XI do artigo 3° das leis supracitadas.
Definir um insumo para tomada de crédito tem sido polêmico. o STJ através do Recurso Especial n° 1.221.170 definiu que
são permitidos créditos sobre insumos com base na essencialidade ou relevância do produto ou serviço adquirido para ser
aplicado nos bens a vender ou a revender e ao serviço a prestar.
Leis 10.833/2003 e 10.637/2002 – Artigo 3 °
TRIBUTOS A CREDITAR
7
As alíquotas consideradas no regime não cumulativo são as mesmas utilizadas na tributação das receitas.
 PIS: 1,65%
COFINS: 7,6%
ALÍQUOTAS
8
Não dá direito ao crédito:
• Valor de mão-de-obra paga a pessoa física;
• Valor da aquisição de bens ou serviços não sujeitos ao pagamento da contribuição, inclusive no caso de
isenção, esse último quando revendidos ou utilizados como insumo em produtos ou serviços sujeitos à alíquota
0 (zero), isentos ou não alcançados pela contribuição.
Leis 10.833/2003 e 10.637/2002 – Artigo 3 °, §2°
NÃO DÁ DIREITO AO CRÉDITO
9
TODA AQUISIÇÃO DE INSUMO ME DÁ DIREITO AO CRÉDITO ?
Uma vez consideradas as hipóteses que dão direito ao crédito, conforme citado anteriormente, as situações mais
delicadas e que necessitam de avaliação são:
• As aquisições de insumos, materiais intermediários, auxiliares relacionado a algo que iremos vender;
• As aquisições que estarão relacionadas a algo que iremos revender e
• As aquisições que estarão relacionadas aos serviços a prestar.
O critério para você determinar se estas aquisições lhe dão o direito ao crédito é o da essencialidade, ou seja:
esta aquisição está relacionada diretamente ao bem que irei vender ou revender ou aplicar na minha
prestação de serviço? Ele é realmente importante? Ele vai compor algo que irei faturar ao cliente e este vai ter o
dever de me pagar, gerando receita? Se a resposta for sim, pode tomar o crédito.
QUESTÃO IMPORTANTÍSSIMA
10
• Os valores tomados a crédito podem compensar ( quitar ) valores devidos dos mesmos tributos.
Ou seja, PIS a Recuperar compensa PIS a Recolher e, COFINS a Recuperar compensa COFINS a Recolher.
Contabilização ficaria:
C. PIS a Recuperar
D. PIS a Recolher
C. COFINS a Recuperar
D. COFINS a Recolher.
O efeito desta contabilização é diminuir seu saldo dos tributos a recuperar e consequentemente seu saldo do
valor a recolher também diminui.
COMO UTILIZAR OS CRÉDITOS OBTIDOS
11
Importante destacar que determinados créditos possibilitam o Pedido de Restituição, Ressarcimento ou/e de
Compensação. Deverá ser observado a regulamentação sobre o assunto para que o Pedido seja Homologado ( A
Receita Federal prova a legitimidade dos créditos e faz a aprovação do Pedido). Uma vez homologado, a
restituição será feita em dinheiro e a compensação possibilitará quitar outros impostos federais como IPI, IRRF
Sobre Folha de Pagamento, IRRF Retido, IRPJ, CSLL, PCC ( PIS, COFINS, CSLL Retidos).
Para melhor esclarecimento sobre o assunto, ler a Instrução normativa n° 1717/2017.
12
O Regime não cumulativo funciona como uma balança: tomar crédito e gerar débitos. Nunca Penderá para
apenas uma das extremidades.
13
Quando ocorre a retenção:
- Em pagamentos efetuados por pessoas jurídicas a outras pessoas jurídicas de direito privado, quando da
prestação dos serviços:
• limpeza, conservação, manutenção, segurança, vigilância, transporte de valores e locação de mão-de-obra,
pela prestação de serviços de assessoria creditícia, mercadológica, gestão de crédito, seleção e riscos,
administração de contas a pagar e a receber, bem como pela remuneração de serviços profissionais.
Quais impostos são retidos?
Lei n° 10.833/03 e Lei n° 10.637/02, artigo 30.
TRIBUTOS RETIDOS
14
Reter significa segurar, guardar, conter.
Partindo disso, reter é ficar temporariamente em poder da empresa tomadora os valores referente às
contribuições devidas pelo prestador ao Fisco. Então, no pagamento da nota fiscal, os valores correspondentes
são descontados do total a pagar para o prestador.
Porém este valor não ficará para a empresa tomadora usufruir. No final do mês a tomadora irá apurar todo valor
retido e irá recolher para a Receita Federal.
Este valor retido, a empresa prestadora não perde, ela contabiliza que houve a retenção e houve o recolhimento
pela tomadora.
Os valores contabilizados poderão ser usados pela prestadora para compensar o PIS e a COFINS a recolher.
Contribuições: PIS, COFINS, CSLL
O QUE SIGNIFICA RETENÇÃO DE CONTRIBUIÇÕES ?
15
A empresa X emite uma nota fiscal referente ao serviço de engenharia para empresa Y. O serviço de engenharia
está incluso no serviço profissional determinado no artigo 30 das Leis n°10.637 e da Lei n° 10.833. Portanto, é
dever da empresa X destacar no corpo da nota fiscal os valores retidos dos tributos.
Total da Nota fiscal emitida: R$ 400,00
PIS Retido 0,65%: R$ 2,60
COFINS Retida 3%: 12,00
CSLL Retida 1%: R$ 4,00
Total Retenção: 18,60
Valor total que a empresa X irá receber : ( R$ 400,00 – R$ 18,60 ( retenções)) = 381,40
Obrigação da Empresa Y ( tomadora do serviço de engenharia)
1) Contabilizar, no momento do pagamento, os valores retidos em conta do Passivo;
2) Fazer o desconto destes valores no total da nota;
3) Final do mês apurar o total de retenção e através de DARF* recolher o valor para a Receita Federal.
4) Elaborar um controle dos valores retidos, pode ser em Excel, para no início do ano seguinte fazer a entrega
da DIRF – obrigação acessória onde são informadas à Receita Federal todas as retenções efetuadas e
recolhidas.
EXEMPLO DE RETENÇÃO
16
*Código de Recolhimento do DARF
CSLL/ COFINS e PIS/PASEP retido na Fonte – 5952
Contabilização no Ato do Pagamento
D. Prestador 400,00
Contas do Passivo:
C. PIS Retido R$ 2,60
C. COFINS Retida R$ 12,00
C. CSLL Retida R$ 4,00
C. Banco R$ 381,40
Note que para a empresa Y creditou contas do passivo gerando a ela uma obrigação de recolhimento dos tributos
para a Receita Federal.
Nota
Na modalidade Retidos dos tributos em questão temos ele no Ativo e no Passivo, depende de que empresa
estamos falando se da tomadora do serviço se da prestadora.
17
Obrigação da Empresa X ( prestadora do serviço de engenharia)
1) No recebimento do valor liquido da nota fiscal emitida, contabilizar na conta do Ativo os valores que foram
retidos
2) Os valores estarão disponíveis para compensar com PIS e COFINS devidos. Lembrando que PIS compensa
PIS e, COFINS compensa COFINS. Isso falando da simples contabilização, do encontro de contas feito no
decorrer do ano. Porém o contribuinte pode fazer Pedido de Restituição e de Compensação quando não for
possível sua dedução dos valores a pagar das respectivas contribuições no mês de apuração. ( vide IN RFB
N°1717 de 2017, Seção V)
3) A empresa deve conferir se seu controle de retenção está de acordo com o informado pelas empresas
tomadoras de seus serviços quando recebido o informe de Rendimento. Este informe é enviado pelas
empresas tomadoras após a entrega da DIRF.
18
Contabilização no Recebimento da Nota Fiscal
C. Cliente R$ 400,00
Contas do Ativo:
D. PIS Retido R$ 2,60
D.COFINS Retida R$ 12,00
D.CSLL Retida R$ 4,00
D.Banco R$ 381,40
Os valores retidos geraram para a empresa prestadora um direito por isso são contabilizados em contas do ativo.
Nota
Através da DIRF a Receita Federal pode identificar se os valores retidos e recolhidos pelas tomadoras de serviços
conferem com os valores registrados pelas empresas que lhes prestaram os serviços.
19
Esta é uma visão breve e geral sobre PIS e a COFINS sob o Regime Não Cumulativo, com base na Lei n°
10.637/02 e na Lei n° 10.833/03.
O objetivo principal exposto é esclarecer a diferença entre as modalidades destes tributos na contabilidade. O PIS
e a COFINS Retidos geram confusão com o PIS e a COFINS a Recuperar, portanto esta dúvida deve ser sanada
para fazer corretamente a análise de uma nota fiscal
Note uma das diferenças entre os impostos retidos e os impostos a recuperar:
20
Para a empresa prestadora do serviço, o valor retido lhe serve como um adiantamento do tributo que ela
realmente deve aos cofres públicos. Por exemplo, a tomadora vai lhe descontar 0,65% de PIS referente à nota
fiscal e pagar isso para a Receita Federal (RFB). A Empresa prestadora por sua vez, desta mesma nota fiscal
deve para a RFB 1,65% de PIS, ou seja, o reflexo no final é que foi adiantado parte do valor devido por ela.
Recolher parte do imposto devido se torna uma obrigação acessória para a tomadora, ficando esta como
substituto tributário.
21
APRENDER É UMA CONSTÂNCIA.
Dúvidas ou sugestões : e-mail j.mendes08@hotmail.com
Obrigada!
SÃO PAULO, 15 DE NOVEMBRO DE 201822

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Novo imposto rendimento trabalho
Novo imposto rendimento trabalhoNovo imposto rendimento trabalho
Novo imposto rendimento trabalho
João Manuel Juvandes
 
Revista Opinião.Seg - Edição 2 - Dez. de 2009
Revista Opinião.Seg - Edição 2 - Dez. de 2009Revista Opinião.Seg - Edição 2 - Dez. de 2009
Revista Opinião.Seg - Edição 2 - Dez. de 2009
Editora Roncarati
 
Código do Imposto Sobre Rendimento das Pessoas Singulares (IRPS)
Código do Imposto Sobre Rendimento das Pessoas Singulares (IRPS)Código do Imposto Sobre Rendimento das Pessoas Singulares (IRPS)
Código do Imposto Sobre Rendimento das Pessoas Singulares (IRPS)
Sanches Consult.
 
E book benefícios fiscais simples nacional
E book benefícios fiscais simples nacionalE book benefícios fiscais simples nacional
E book benefícios fiscais simples nacional
maurocesarpaesalmeid
 
Pis e cofins
Pis e cofinsPis e cofins
Pis e cofins
Bruno_fbrandao
 
IRPS
IRPSIRPS
49744356 pis-e-cofins
49744356 pis-e-cofins49744356 pis-e-cofins
49744356 pis-e-cofins
Alexandra Petilo
 
Manual irc2007
Manual irc2007Manual irc2007
Manual irc2007
lumignal
 
Creditos de PIS COFINS Critérios para Aproveitamento, Cálculo e Contabilizaçã...
Creditos de PIS COFINS Critérios para Aproveitamento, Cálculo e Contabilizaçã...Creditos de PIS COFINS Critérios para Aproveitamento, Cálculo e Contabilizaçã...
Creditos de PIS COFINS Critérios para Aproveitamento, Cálculo e Contabilizaçã...
davidairesleste
 
Aula 2 o dever social das empresas
Aula 2  o dever social das empresasAula 2  o dever social das empresas
Aula 2 o dever social das empresas
Ademir Staub
 
Cartilha fraudes-titulos-rfb-pgfn-stn-mpu
Cartilha fraudes-titulos-rfb-pgfn-stn-mpuCartilha fraudes-titulos-rfb-pgfn-stn-mpu
Cartilha fraudes-titulos-rfb-pgfn-stn-mpu
Tania Gurgel
 
Código do Imposto sobre Rendimento das Pessoas Colectivas (IRPC)
Código do Imposto sobre Rendimento das Pessoas Colectivas (IRPC)Código do Imposto sobre Rendimento das Pessoas Colectivas (IRPC)
Código do Imposto sobre Rendimento das Pessoas Colectivas (IRPC)
Sanches Consult.
 
Apresentação tacio congresso uberlândia 1
Apresentação  tacio congresso   uberlândia 1Apresentação  tacio congresso   uberlândia 1
Apresentação tacio congresso uberlândia 1
luciapaoliello
 
Tania Gurgel Apresentações Sefaz_SP seminário EC 87/2015
Tania Gurgel Apresentações Sefaz_SP seminário EC 87/2015Tania Gurgel Apresentações Sefaz_SP seminário EC 87/2015
Tania Gurgel Apresentações Sefaz_SP seminário EC 87/2015
Tania Gurgel
 
Práticas Tributárias - Aulas 3 e 4
Práticas Tributárias - Aulas 3 e 4Práticas Tributárias - Aulas 3 e 4
Práticas Tributárias - Aulas 3 e 4
Wandick Rocha de Aquino
 
Contabilidade para entidades sem fins lucrativos capítulo 6
Contabilidade para entidades sem fins lucrativos   capítulo 6Contabilidade para entidades sem fins lucrativos   capítulo 6
Contabilidade para entidades sem fins lucrativos capítulo 6
Força Aérea Brasileira
 
Contribuições ibet - 2013-1
Contribuições   ibet - 2013-1Contribuições   ibet - 2013-1
Contribuições ibet - 2013-1
Fabiana Del Padre Tomé
 
Definição de Receita Bruta na Lei 12.973 e seus impactos para o PIS e a COFINS
Definição de Receita Bruta na Lei 12.973 e seus impactos para o PIS e a COFINSDefinição de Receita Bruta na Lei 12.973 e seus impactos para o PIS e a COFINS
Definição de Receita Bruta na Lei 12.973 e seus impactos para o PIS e a COFINS
Edgar Gonçalves
 

Mais procurados (18)

Novo imposto rendimento trabalho
Novo imposto rendimento trabalhoNovo imposto rendimento trabalho
Novo imposto rendimento trabalho
 
Revista Opinião.Seg - Edição 2 - Dez. de 2009
Revista Opinião.Seg - Edição 2 - Dez. de 2009Revista Opinião.Seg - Edição 2 - Dez. de 2009
Revista Opinião.Seg - Edição 2 - Dez. de 2009
 
Código do Imposto Sobre Rendimento das Pessoas Singulares (IRPS)
Código do Imposto Sobre Rendimento das Pessoas Singulares (IRPS)Código do Imposto Sobre Rendimento das Pessoas Singulares (IRPS)
Código do Imposto Sobre Rendimento das Pessoas Singulares (IRPS)
 
E book benefícios fiscais simples nacional
E book benefícios fiscais simples nacionalE book benefícios fiscais simples nacional
E book benefícios fiscais simples nacional
 
Pis e cofins
Pis e cofinsPis e cofins
Pis e cofins
 
IRPS
IRPSIRPS
IRPS
 
49744356 pis-e-cofins
49744356 pis-e-cofins49744356 pis-e-cofins
49744356 pis-e-cofins
 
Manual irc2007
Manual irc2007Manual irc2007
Manual irc2007
 
Creditos de PIS COFINS Critérios para Aproveitamento, Cálculo e Contabilizaçã...
Creditos de PIS COFINS Critérios para Aproveitamento, Cálculo e Contabilizaçã...Creditos de PIS COFINS Critérios para Aproveitamento, Cálculo e Contabilizaçã...
Creditos de PIS COFINS Critérios para Aproveitamento, Cálculo e Contabilizaçã...
 
Aula 2 o dever social das empresas
Aula 2  o dever social das empresasAula 2  o dever social das empresas
Aula 2 o dever social das empresas
 
Cartilha fraudes-titulos-rfb-pgfn-stn-mpu
Cartilha fraudes-titulos-rfb-pgfn-stn-mpuCartilha fraudes-titulos-rfb-pgfn-stn-mpu
Cartilha fraudes-titulos-rfb-pgfn-stn-mpu
 
Código do Imposto sobre Rendimento das Pessoas Colectivas (IRPC)
Código do Imposto sobre Rendimento das Pessoas Colectivas (IRPC)Código do Imposto sobre Rendimento das Pessoas Colectivas (IRPC)
Código do Imposto sobre Rendimento das Pessoas Colectivas (IRPC)
 
Apresentação tacio congresso uberlândia 1
Apresentação  tacio congresso   uberlândia 1Apresentação  tacio congresso   uberlândia 1
Apresentação tacio congresso uberlândia 1
 
Tania Gurgel Apresentações Sefaz_SP seminário EC 87/2015
Tania Gurgel Apresentações Sefaz_SP seminário EC 87/2015Tania Gurgel Apresentações Sefaz_SP seminário EC 87/2015
Tania Gurgel Apresentações Sefaz_SP seminário EC 87/2015
 
Práticas Tributárias - Aulas 3 e 4
Práticas Tributárias - Aulas 3 e 4Práticas Tributárias - Aulas 3 e 4
Práticas Tributárias - Aulas 3 e 4
 
Contabilidade para entidades sem fins lucrativos capítulo 6
Contabilidade para entidades sem fins lucrativos   capítulo 6Contabilidade para entidades sem fins lucrativos   capítulo 6
Contabilidade para entidades sem fins lucrativos capítulo 6
 
Contribuições ibet - 2013-1
Contribuições   ibet - 2013-1Contribuições   ibet - 2013-1
Contribuições ibet - 2013-1
 
Definição de Receita Bruta na Lei 12.973 e seus impactos para o PIS e a COFINS
Definição de Receita Bruta na Lei 12.973 e seus impactos para o PIS e a COFINSDefinição de Receita Bruta na Lei 12.973 e seus impactos para o PIS e a COFINS
Definição de Receita Bruta na Lei 12.973 e seus impactos para o PIS e a COFINS
 

Semelhante a PIS E COFINS

Palestra PIS e COFINS - Receita e Créditos - ABAT
Palestra PIS e COFINS - Receita e Créditos - ABATPalestra PIS e COFINS - Receita e Créditos - ABAT
Palestra PIS e COFINS - Receita e Créditos - ABAT
Fabio Rodrigues de Oliveira
 
P i s e confins na a quisição de m ercadorias e serviços
P i s e confins na a quisição de m ercadorias e serviçosP i s e confins na a quisição de m ercadorias e serviços
P i s e confins na a quisição de m ercadorias e serviços
zeramento contabil
 
Apresentação
ApresentaçãoApresentação
Apresentação
Paulomenger
 
Apresentação III - Fórum ABAT - SPED - Pis e Cofins - Receitas e Créditos - F...
Apresentação III - Fórum ABAT - SPED - Pis e Cofins - Receitas e Créditos - F...Apresentação III - Fórum ABAT - SPED - Pis e Cofins - Receitas e Créditos - F...
Apresentação III - Fórum ABAT - SPED - Pis e Cofins - Receitas e Créditos - F...
Tania Gurgel
 
INSS - RETENÇÃO DE 11% E RECOLHIMENTO DE 20%
INSS - RETENÇÃO DE 11% E RECOLHIMENTO DE 20%INSS - RETENÇÃO DE 11% E RECOLHIMENTO DE 20%
INSS - RETENÇÃO DE 11% E RECOLHIMENTO DE 20%
MARCO AURÉLIO BICALHO DE ABREU CHAGAS
 
Crédito acumulado icms
Crédito acumulado icmsCrédito acumulado icms
Crédito acumulado icms
Jessica Santos
 
Retenções na Fonte
Retenções na FonteRetenções na Fonte
Retenções na Fonte
StyllusConsultoria
 
Módulo iv arquivo 2 - manual completo de encargos do condomínio
Módulo iv   arquivo 2 - manual completo de encargos do condomínioMódulo iv   arquivo 2 - manual completo de encargos do condomínio
Módulo iv arquivo 2 - manual completo de encargos do condomínio
sindiconet
 
Apresentaocontabilidadepblica 101111061029-phpapp01
Apresentaocontabilidadepblica 101111061029-phpapp01Apresentaocontabilidadepblica 101111061029-phpapp01
Apresentaocontabilidadepblica 101111061029-phpapp01
Artemisia Ribeiro
 
Apresentação em slides Trabalho Acadêmico Simples Nacional
Apresentação em slides Trabalho Acadêmico Simples NacionalApresentação em slides Trabalho Acadêmico Simples Nacional
Apresentação em slides Trabalho Acadêmico Simples Nacional
ERICK THALIS SANTOS PINTO
 
Informativo Tributário - Abril 2019
Informativo Tributário - Abril 2019Informativo Tributário - Abril 2019
Informativo Tributário - Abril 2019
Renato Lopes da Rocha
 
Noções Fiscais para Construção Civil com foco no ICMS
Noções Fiscais para Construção Civil com foco no ICMSNoções Fiscais para Construção Civil com foco no ICMS
Noções Fiscais para Construção Civil com foco no ICMS
StyllusConsultoria
 
Betha Sistemas - A contabilidade pública hoje e suas alterações a partir de 2...
Betha Sistemas - A contabilidade pública hoje e suas alterações a partir de 2...Betha Sistemas - A contabilidade pública hoje e suas alterações a partir de 2...
Betha Sistemas - A contabilidade pública hoje e suas alterações a partir de 2...
Betha Sistemas
 
Boletim CARF - Maio e Junho de 2016
Boletim CARF - Maio e Junho de 2016Boletim CARF - Maio e Junho de 2016
Boletim CARF - Maio e Junho de 2016
Renato Lopes da Rocha
 
Viii congresso ibet palestra julia de menezes nogueira
Viii congresso ibet   palestra julia de menezes nogueiraViii congresso ibet   palestra julia de menezes nogueira
Viii congresso ibet palestra julia de menezes nogueira
Julia De Menezes Nogueira
 
Teoria da contabilidade ii exercicios passivo
Teoria da contabilidade ii exercicios passivoTeoria da contabilidade ii exercicios passivo
Teoria da contabilidade ii exercicios passivo
gabaritocontabil
 
Exercicios passivo
Exercicios passivoExercicios passivo
Exercicios passivo
zeramento contabil
 
Caderno - Planejamento Tributário
Caderno - Planejamento TributárioCaderno - Planejamento Tributário
Caderno - Planejamento Tributário
Cadernos PPT
 
WORKSHOP " Pequenas Empresas – Riscos e Cuidados Tributários, Contábeis e a R...
WORKSHOP " Pequenas Empresas – Riscos e Cuidados Tributários, Contábeis e a R...WORKSHOP " Pequenas Empresas – Riscos e Cuidados Tributários, Contábeis e a R...
WORKSHOP " Pequenas Empresas – Riscos e Cuidados Tributários, Contábeis e a R...
Maria Betania Alves
 
Fórum 2016 - Recuperação de créditos de ICMS, PIS e Cofins nas vendas interes...
Fórum 2016 - Recuperação de créditos de ICMS, PIS e Cofins nas vendas interes...Fórum 2016 - Recuperação de créditos de ICMS, PIS e Cofins nas vendas interes...
Fórum 2016 - Recuperação de créditos de ICMS, PIS e Cofins nas vendas interes...
E-Commerce Brasil
 

Semelhante a PIS E COFINS (20)

Palestra PIS e COFINS - Receita e Créditos - ABAT
Palestra PIS e COFINS - Receita e Créditos - ABATPalestra PIS e COFINS - Receita e Créditos - ABAT
Palestra PIS e COFINS - Receita e Créditos - ABAT
 
P i s e confins na a quisição de m ercadorias e serviços
P i s e confins na a quisição de m ercadorias e serviçosP i s e confins na a quisição de m ercadorias e serviços
P i s e confins na a quisição de m ercadorias e serviços
 
Apresentação
ApresentaçãoApresentação
Apresentação
 
Apresentação III - Fórum ABAT - SPED - Pis e Cofins - Receitas e Créditos - F...
Apresentação III - Fórum ABAT - SPED - Pis e Cofins - Receitas e Créditos - F...Apresentação III - Fórum ABAT - SPED - Pis e Cofins - Receitas e Créditos - F...
Apresentação III - Fórum ABAT - SPED - Pis e Cofins - Receitas e Créditos - F...
 
INSS - RETENÇÃO DE 11% E RECOLHIMENTO DE 20%
INSS - RETENÇÃO DE 11% E RECOLHIMENTO DE 20%INSS - RETENÇÃO DE 11% E RECOLHIMENTO DE 20%
INSS - RETENÇÃO DE 11% E RECOLHIMENTO DE 20%
 
Crédito acumulado icms
Crédito acumulado icmsCrédito acumulado icms
Crédito acumulado icms
 
Retenções na Fonte
Retenções na FonteRetenções na Fonte
Retenções na Fonte
 
Módulo iv arquivo 2 - manual completo de encargos do condomínio
Módulo iv   arquivo 2 - manual completo de encargos do condomínioMódulo iv   arquivo 2 - manual completo de encargos do condomínio
Módulo iv arquivo 2 - manual completo de encargos do condomínio
 
Apresentaocontabilidadepblica 101111061029-phpapp01
Apresentaocontabilidadepblica 101111061029-phpapp01Apresentaocontabilidadepblica 101111061029-phpapp01
Apresentaocontabilidadepblica 101111061029-phpapp01
 
Apresentação em slides Trabalho Acadêmico Simples Nacional
Apresentação em slides Trabalho Acadêmico Simples NacionalApresentação em slides Trabalho Acadêmico Simples Nacional
Apresentação em slides Trabalho Acadêmico Simples Nacional
 
Informativo Tributário - Abril 2019
Informativo Tributário - Abril 2019Informativo Tributário - Abril 2019
Informativo Tributário - Abril 2019
 
Noções Fiscais para Construção Civil com foco no ICMS
Noções Fiscais para Construção Civil com foco no ICMSNoções Fiscais para Construção Civil com foco no ICMS
Noções Fiscais para Construção Civil com foco no ICMS
 
Betha Sistemas - A contabilidade pública hoje e suas alterações a partir de 2...
Betha Sistemas - A contabilidade pública hoje e suas alterações a partir de 2...Betha Sistemas - A contabilidade pública hoje e suas alterações a partir de 2...
Betha Sistemas - A contabilidade pública hoje e suas alterações a partir de 2...
 
Boletim CARF - Maio e Junho de 2016
Boletim CARF - Maio e Junho de 2016Boletim CARF - Maio e Junho de 2016
Boletim CARF - Maio e Junho de 2016
 
Viii congresso ibet palestra julia de menezes nogueira
Viii congresso ibet   palestra julia de menezes nogueiraViii congresso ibet   palestra julia de menezes nogueira
Viii congresso ibet palestra julia de menezes nogueira
 
Teoria da contabilidade ii exercicios passivo
Teoria da contabilidade ii exercicios passivoTeoria da contabilidade ii exercicios passivo
Teoria da contabilidade ii exercicios passivo
 
Exercicios passivo
Exercicios passivoExercicios passivo
Exercicios passivo
 
Caderno - Planejamento Tributário
Caderno - Planejamento TributárioCaderno - Planejamento Tributário
Caderno - Planejamento Tributário
 
WORKSHOP " Pequenas Empresas – Riscos e Cuidados Tributários, Contábeis e a R...
WORKSHOP " Pequenas Empresas – Riscos e Cuidados Tributários, Contábeis e a R...WORKSHOP " Pequenas Empresas – Riscos e Cuidados Tributários, Contábeis e a R...
WORKSHOP " Pequenas Empresas – Riscos e Cuidados Tributários, Contábeis e a R...
 
Fórum 2016 - Recuperação de créditos de ICMS, PIS e Cofins nas vendas interes...
Fórum 2016 - Recuperação de créditos de ICMS, PIS e Cofins nas vendas interes...Fórum 2016 - Recuperação de créditos de ICMS, PIS e Cofins nas vendas interes...
Fórum 2016 - Recuperação de créditos de ICMS, PIS e Cofins nas vendas interes...
 

Último

GUIA DE EMPRESA PEDAGOGICA PARA ALUNOS.pdf
GUIA DE EMPRESA PEDAGOGICA PARA ALUNOS.pdfGUIA DE EMPRESA PEDAGOGICA PARA ALUNOS.pdf
GUIA DE EMPRESA PEDAGOGICA PARA ALUNOS.pdf
AlfeuBuriti1
 
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCCEstudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Paulo Emerson Pereira
 
Apostila GOOGLE MEU NEGÓCIO-Passo a passo detalhado para criar um novo perfil
Apostila GOOGLE MEU NEGÓCIO-Passo a passo detalhado para criar um novo perfilApostila GOOGLE MEU NEGÓCIO-Passo a passo detalhado para criar um novo perfil
Apostila GOOGLE MEU NEGÓCIO-Passo a passo detalhado para criar um novo perfil
Carlos Eduardo Coan Junior
 
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
Paulo Emerson Pereira
 
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMETRESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
rihabkorbi24
 
7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf
7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf
7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf
InsttLcioEvangelista
 
Revolução da inclusão financeira: Benefícios da criptomoeda
Revolução da inclusão financeira: Benefícios da criptomoedaRevolução da inclusão financeira: Benefícios da criptomoeda
Revolução da inclusão financeira: Benefícios da criptomoeda
Renan Batista Bitcoin
 
Veronica Daniel Dantas Opportunity Recebe 5 Premios Ademi.pdf
Veronica Daniel Dantas Opportunity Recebe 5 Premios Ademi.pdfVeronica Daniel Dantas Opportunity Recebe 5 Premios Ademi.pdf
Veronica Daniel Dantas Opportunity Recebe 5 Premios Ademi.pdf
Veronica Dantas
 

Último (8)

GUIA DE EMPRESA PEDAGOGICA PARA ALUNOS.pdf
GUIA DE EMPRESA PEDAGOGICA PARA ALUNOS.pdfGUIA DE EMPRESA PEDAGOGICA PARA ALUNOS.pdf
GUIA DE EMPRESA PEDAGOGICA PARA ALUNOS.pdf
 
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCCEstudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
 
Apostila GOOGLE MEU NEGÓCIO-Passo a passo detalhado para criar um novo perfil
Apostila GOOGLE MEU NEGÓCIO-Passo a passo detalhado para criar um novo perfilApostila GOOGLE MEU NEGÓCIO-Passo a passo detalhado para criar um novo perfil
Apostila GOOGLE MEU NEGÓCIO-Passo a passo detalhado para criar um novo perfil
 
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
 
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMETRESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
 
7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf
7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf
7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf
 
Revolução da inclusão financeira: Benefícios da criptomoeda
Revolução da inclusão financeira: Benefícios da criptomoedaRevolução da inclusão financeira: Benefícios da criptomoeda
Revolução da inclusão financeira: Benefícios da criptomoeda
 
Veronica Daniel Dantas Opportunity Recebe 5 Premios Ademi.pdf
Veronica Daniel Dantas Opportunity Recebe 5 Premios Ademi.pdfVeronica Daniel Dantas Opportunity Recebe 5 Premios Ademi.pdf
Veronica Daniel Dantas Opportunity Recebe 5 Premios Ademi.pdf
 

PIS E COFINS

  • 1. • Conceito • Embasamento Legal • Diferença entre Tributos a Recolher, a Recuperar e Retidos. • Tratativas Contábeis Regime Não Cumulativo TRIBUTOS: PIS E COFINS
  • 2. Significado e Previsão Legal PIS/Pasep é a sigla dada à contribuição para os Programas de Integração Social e de Formação do Patrimônio do Servidor Público, a previsão da sua Não Cumulatividade além de todas as demais tratativas regulamentares se encontram na Lei n° 10.637/2002. COFINS, por sua vez, é a Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social. O princípio da Não Cumulatividade deste tributo e demais regulamentações têm previsão na Lei n° 10.833/2003. Em quais modalidades encontramos os tributos: 2
  • 3. Hipótese de Incidência ou Fato Gerador Conforme o art 01 das Leis n° 10.637/2002 e também da Lei n° 10.833/2003, o PIS e a COFINS respectivamente incidem sobre o total das receitas auferidas no mês pela pessoa jurídica. Conceito de Receita: De acordo com o artigo 12 da Lei 12.973/2014, a Receita Bruta para efeito dos tributos é: • o produto da venda de bens nas operações de conta própria; • o preço da prestação de serviços em geral; • o resultado auferido nas operações de conta alheia; e • as receitas da atividade ou objeto principal da pessoa jurídica não citado anteriormente. Lei n° 10.637/02 e Lei n° 10.833/03 – Artigo 01 TRIBUTOS A RECOLHER HIPÓTESE DE INCIDÊNCIA 3
  • 4. ALÍQUOTAS Sobre a base de cálculo ( total das receitas auferidas pela Pessoa Jurídica), deverá ser aplicado a alíquota: PIS: 1,65% COFINS: 7,6% Leis n° 10.637/02 e Lei n° 10.833/03 – artigo 02 ALÍQUOTAS 4
  • 5. • Alguns valores não são inclusos na base de cálculo do PIS e da COFINS, embora aparentemente sejam Receitas. São eles: Saídas Isentas ou tributadas à alíquota zero; Vendas Canceladas; Descontos Incondicionais Concedidos; Venda de Ativo. Leis n° 10.637/02 e Lei n° 10.833/03 – Artigo 1, §3° EXCLUSÕES NA BASE DE CÁLCULO 5
  • 6. Os valores do PIS e da COFINS sobre as Receitas são contabilizados em conta do passivo. Contabilizar nesta conta significa que temos um dever junto ao fisco o qual no final do mês o valor deve ser apurado e o total recolhido aos cofres públicos. Como contabilizar: C – PIS a Recolher C - COFINS a Recolher D – Receita CONTABILIZAÇÃO 6
  • 7. No regime não cumulativo há o direito de tomada de crédito dos impostos sobre determinadas aquisições. São exemplos: - Bens adquiridos para revenda; - Bens e serviços, utilizados como insumo na prestação de serviços e na produção ou fabricação de bens ou produtos destinados à venda; - Energia elétrica e energia térmica, inclusive sob a forma de vapor, consumidas nos estabelecimentos da pessoa jurídica; - Aluguéis de prédios, máquinas e equipamentos, pagos a pessoa jurídica, utilizados nas atividades da empresa. Demais hipóteses são encontradas do Inciso I a XI do artigo 3° das leis supracitadas. Definir um insumo para tomada de crédito tem sido polêmico. o STJ através do Recurso Especial n° 1.221.170 definiu que são permitidos créditos sobre insumos com base na essencialidade ou relevância do produto ou serviço adquirido para ser aplicado nos bens a vender ou a revender e ao serviço a prestar. Leis 10.833/2003 e 10.637/2002 – Artigo 3 ° TRIBUTOS A CREDITAR 7
  • 8. As alíquotas consideradas no regime não cumulativo são as mesmas utilizadas na tributação das receitas.  PIS: 1,65% COFINS: 7,6% ALÍQUOTAS 8
  • 9. Não dá direito ao crédito: • Valor de mão-de-obra paga a pessoa física; • Valor da aquisição de bens ou serviços não sujeitos ao pagamento da contribuição, inclusive no caso de isenção, esse último quando revendidos ou utilizados como insumo em produtos ou serviços sujeitos à alíquota 0 (zero), isentos ou não alcançados pela contribuição. Leis 10.833/2003 e 10.637/2002 – Artigo 3 °, §2° NÃO DÁ DIREITO AO CRÉDITO 9
  • 10. TODA AQUISIÇÃO DE INSUMO ME DÁ DIREITO AO CRÉDITO ? Uma vez consideradas as hipóteses que dão direito ao crédito, conforme citado anteriormente, as situações mais delicadas e que necessitam de avaliação são: • As aquisições de insumos, materiais intermediários, auxiliares relacionado a algo que iremos vender; • As aquisições que estarão relacionadas a algo que iremos revender e • As aquisições que estarão relacionadas aos serviços a prestar. O critério para você determinar se estas aquisições lhe dão o direito ao crédito é o da essencialidade, ou seja: esta aquisição está relacionada diretamente ao bem que irei vender ou revender ou aplicar na minha prestação de serviço? Ele é realmente importante? Ele vai compor algo que irei faturar ao cliente e este vai ter o dever de me pagar, gerando receita? Se a resposta for sim, pode tomar o crédito. QUESTÃO IMPORTANTÍSSIMA 10
  • 11. • Os valores tomados a crédito podem compensar ( quitar ) valores devidos dos mesmos tributos. Ou seja, PIS a Recuperar compensa PIS a Recolher e, COFINS a Recuperar compensa COFINS a Recolher. Contabilização ficaria: C. PIS a Recuperar D. PIS a Recolher C. COFINS a Recuperar D. COFINS a Recolher. O efeito desta contabilização é diminuir seu saldo dos tributos a recuperar e consequentemente seu saldo do valor a recolher também diminui. COMO UTILIZAR OS CRÉDITOS OBTIDOS 11
  • 12. Importante destacar que determinados créditos possibilitam o Pedido de Restituição, Ressarcimento ou/e de Compensação. Deverá ser observado a regulamentação sobre o assunto para que o Pedido seja Homologado ( A Receita Federal prova a legitimidade dos créditos e faz a aprovação do Pedido). Uma vez homologado, a restituição será feita em dinheiro e a compensação possibilitará quitar outros impostos federais como IPI, IRRF Sobre Folha de Pagamento, IRRF Retido, IRPJ, CSLL, PCC ( PIS, COFINS, CSLL Retidos). Para melhor esclarecimento sobre o assunto, ler a Instrução normativa n° 1717/2017. 12
  • 13. O Regime não cumulativo funciona como uma balança: tomar crédito e gerar débitos. Nunca Penderá para apenas uma das extremidades. 13
  • 14. Quando ocorre a retenção: - Em pagamentos efetuados por pessoas jurídicas a outras pessoas jurídicas de direito privado, quando da prestação dos serviços: • limpeza, conservação, manutenção, segurança, vigilância, transporte de valores e locação de mão-de-obra, pela prestação de serviços de assessoria creditícia, mercadológica, gestão de crédito, seleção e riscos, administração de contas a pagar e a receber, bem como pela remuneração de serviços profissionais. Quais impostos são retidos? Lei n° 10.833/03 e Lei n° 10.637/02, artigo 30. TRIBUTOS RETIDOS 14
  • 15. Reter significa segurar, guardar, conter. Partindo disso, reter é ficar temporariamente em poder da empresa tomadora os valores referente às contribuições devidas pelo prestador ao Fisco. Então, no pagamento da nota fiscal, os valores correspondentes são descontados do total a pagar para o prestador. Porém este valor não ficará para a empresa tomadora usufruir. No final do mês a tomadora irá apurar todo valor retido e irá recolher para a Receita Federal. Este valor retido, a empresa prestadora não perde, ela contabiliza que houve a retenção e houve o recolhimento pela tomadora. Os valores contabilizados poderão ser usados pela prestadora para compensar o PIS e a COFINS a recolher. Contribuições: PIS, COFINS, CSLL O QUE SIGNIFICA RETENÇÃO DE CONTRIBUIÇÕES ? 15
  • 16. A empresa X emite uma nota fiscal referente ao serviço de engenharia para empresa Y. O serviço de engenharia está incluso no serviço profissional determinado no artigo 30 das Leis n°10.637 e da Lei n° 10.833. Portanto, é dever da empresa X destacar no corpo da nota fiscal os valores retidos dos tributos. Total da Nota fiscal emitida: R$ 400,00 PIS Retido 0,65%: R$ 2,60 COFINS Retida 3%: 12,00 CSLL Retida 1%: R$ 4,00 Total Retenção: 18,60 Valor total que a empresa X irá receber : ( R$ 400,00 – R$ 18,60 ( retenções)) = 381,40 Obrigação da Empresa Y ( tomadora do serviço de engenharia) 1) Contabilizar, no momento do pagamento, os valores retidos em conta do Passivo; 2) Fazer o desconto destes valores no total da nota; 3) Final do mês apurar o total de retenção e através de DARF* recolher o valor para a Receita Federal. 4) Elaborar um controle dos valores retidos, pode ser em Excel, para no início do ano seguinte fazer a entrega da DIRF – obrigação acessória onde são informadas à Receita Federal todas as retenções efetuadas e recolhidas. EXEMPLO DE RETENÇÃO 16
  • 17. *Código de Recolhimento do DARF CSLL/ COFINS e PIS/PASEP retido na Fonte – 5952 Contabilização no Ato do Pagamento D. Prestador 400,00 Contas do Passivo: C. PIS Retido R$ 2,60 C. COFINS Retida R$ 12,00 C. CSLL Retida R$ 4,00 C. Banco R$ 381,40 Note que para a empresa Y creditou contas do passivo gerando a ela uma obrigação de recolhimento dos tributos para a Receita Federal. Nota Na modalidade Retidos dos tributos em questão temos ele no Ativo e no Passivo, depende de que empresa estamos falando se da tomadora do serviço se da prestadora. 17
  • 18. Obrigação da Empresa X ( prestadora do serviço de engenharia) 1) No recebimento do valor liquido da nota fiscal emitida, contabilizar na conta do Ativo os valores que foram retidos 2) Os valores estarão disponíveis para compensar com PIS e COFINS devidos. Lembrando que PIS compensa PIS e, COFINS compensa COFINS. Isso falando da simples contabilização, do encontro de contas feito no decorrer do ano. Porém o contribuinte pode fazer Pedido de Restituição e de Compensação quando não for possível sua dedução dos valores a pagar das respectivas contribuições no mês de apuração. ( vide IN RFB N°1717 de 2017, Seção V) 3) A empresa deve conferir se seu controle de retenção está de acordo com o informado pelas empresas tomadoras de seus serviços quando recebido o informe de Rendimento. Este informe é enviado pelas empresas tomadoras após a entrega da DIRF. 18
  • 19. Contabilização no Recebimento da Nota Fiscal C. Cliente R$ 400,00 Contas do Ativo: D. PIS Retido R$ 2,60 D.COFINS Retida R$ 12,00 D.CSLL Retida R$ 4,00 D.Banco R$ 381,40 Os valores retidos geraram para a empresa prestadora um direito por isso são contabilizados em contas do ativo. Nota Através da DIRF a Receita Federal pode identificar se os valores retidos e recolhidos pelas tomadoras de serviços conferem com os valores registrados pelas empresas que lhes prestaram os serviços. 19
  • 20. Esta é uma visão breve e geral sobre PIS e a COFINS sob o Regime Não Cumulativo, com base na Lei n° 10.637/02 e na Lei n° 10.833/03. O objetivo principal exposto é esclarecer a diferença entre as modalidades destes tributos na contabilidade. O PIS e a COFINS Retidos geram confusão com o PIS e a COFINS a Recuperar, portanto esta dúvida deve ser sanada para fazer corretamente a análise de uma nota fiscal Note uma das diferenças entre os impostos retidos e os impostos a recuperar: 20
  • 21. Para a empresa prestadora do serviço, o valor retido lhe serve como um adiantamento do tributo que ela realmente deve aos cofres públicos. Por exemplo, a tomadora vai lhe descontar 0,65% de PIS referente à nota fiscal e pagar isso para a Receita Federal (RFB). A Empresa prestadora por sua vez, desta mesma nota fiscal deve para a RFB 1,65% de PIS, ou seja, o reflexo no final é que foi adiantado parte do valor devido por ela. Recolher parte do imposto devido se torna uma obrigação acessória para a tomadora, ficando esta como substituto tributário. 21
  • 22. APRENDER É UMA CONSTÂNCIA. Dúvidas ou sugestões : e-mail j.mendes08@hotmail.com Obrigada! SÃO PAULO, 15 DE NOVEMBRO DE 201822