SlideShare uma empresa Scribd logo
Filosofia da Ciência e
Ciência da Filosofia
Osame Kinouchi
Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de
Ribeirão Preto
USP
Preâmbulo
• “Ciência da Filosofia” = absurdo
• Objetivos do colóquio
• Descrever alguns temas controversos discutidos pelos
filósofos da ciência Popper, Kuhn, Lakatos e
Feyrabend.
• Argumentar que ideias matemáticas e computacionais
podem ser úteis no entendimento do que tais filósofos
tentaram expressar, evitando algumas críticas e mal-
entendidos muito comuns.
Sobre ciência e filosofia
• Natural scientists believe that they free themselves from
philosophy by ignoring it or abusing it...[but] they cannot
make any headway without thought...[and] hence they are
no less in bondage to philosophy, but unfortunately in most
cases to the worst philosophy. — Friedrich Engels,
Dialectics of Nature (1883).
• There is no such thing as philosophy-free science; there is
only science whose philosophical baggage is taken on
board without examination. — Daniel Dennett, Darwin's
Dangerous Idea (1995).
Valem as afirmações simétricas?
• Philosophers believe that they free themselves from science by ignoring
it or abusing it...[but] they cannot make any headway without
thought...[and] hence they are no less in bondage to science, but
unfortunately in most cases to the worst science.
• There is no such thing as science-free philosophy; there is only
philosophy whose scientific baggage is taken on board without
examination.
• Talvez, na medida em que idéias científicas se difundem e permeiam
nossa linguagem, cultura e repertório conceitual (Kinouchi et al.,
Metáforas científicas no discurso jornalístico, RBEF, 2012).

Recomendado para você

Khun, pop..
Khun, pop..Khun, pop..
Khun, pop..

Thomas Kuhn apresenta uma visão descontinuista da evolução da ciência, contrariando a ideia de progresso contínuo. Ele defende que grandes avanços resultam de "revoluções", onde novos "paradigmas" substituem os antigos, como quando o modelo heliocêntrico substituiu o geocêntrico. A ciência evolui entre períodos de "ciência normal", onde se aplica o paradigma vigente, e "revoluções" onde novos paradigmas emergem.

Kuhn-11º C (2009)
Kuhn-11º C (2009)Kuhn-11º C (2009)
Kuhn-11º C (2009)

O documento discute a perspectiva de Thomas Kuhn sobre a ciência. Resume três conceitos-chave de Kuhn: 1) paradigma, que define como um conjunto de crenças compartilhadas por uma comunidade científica; 2) ciência normal, que busca resolver problemas dentro do paradigma vigente; 3) revolução científica, quando um novo paradigma substitui o antigo após períodos de crise.

Revoluções Científicas - Thomas S. Kuhn
Revoluções Científicas - Thomas S. KuhnRevoluções Científicas - Thomas S. Kuhn
Revoluções Científicas - Thomas S. Kuhn

Este documento discute as ideias de Thomas Kuhn sobre revoluções científicas. Ele explica que Kuhn argumentou que a ciência passa por períodos de ciência normal e revoluções, onde um novo paradigma substitui o antigo. O documento também descreve os estágios de pré-ciência, ciência normal, anomalias e crise que levam a uma mudança de paradigma.

Ou seja, filosofia não é estanque em
relação à ciência e vice-versa
Tempo
Phs PhDs
Breve “História” da Filosofia da Ciência
• Empirismo
• Racionalismo
• Positivismo
• Instrumentalismo
• Pragmatismo
• Neopositivismo
• Falseacionismo (Popper) e Programas de Pesquisa (Lakatos)
• Epistemologia Evolucionária
• Paradigmas Kuhnianos, Anarquismo metodológico (Feyrabend) e o
debate com Popper
• Estudos pós-Kuhnianos
• Coerentismo
• Sociologia da Ciência e Construtivismo Social
• Pós-positivismo
Roteiro
• O debate Popper-Kuhn sobre racionalidade científica.
• Relevos rugosos
• Teoria da aprendizagem
• O debate sobre a natureza das revoluções científicas.
• Dinâmica de avalanches
• O debate sobre ciência normal-ciência revolucionária
(Kuhn) versus pluralismo teórico (Feyrabend).
• Algoritmos genéticos
O Falsificacionismo de Popper:
“Conjecturas e Refutações”
• Dados empíricos não confirmam teorias mas
podem eliminá-las: “Um cisne negro elimina a
teoria de que todos os cisnes são brancos”.
• Cientistas fazem (“livremente”) conjecturas T.
• Deduz-se consequências lógicas (predições P) de
T.
• Compara-se P com experimentos E.
• Refuta-se conjecturas quando E não está de acordo
com P.

Recomendado para você

A estrutura das revoluçoes cientificas
A estrutura das revoluçoes cientificasA estrutura das revoluçoes cientificas
A estrutura das revoluçoes cientificas

O documento resume a teoria de Thomas Kuhn sobre a estrutura das revoluções científicas. Segundo Kuhn, a ciência evolui não por acumulação gradual de conhecimento, mas por mudanças revolucionárias de um paradigma para outro. Um paradigma é aceito durante a "ciência normal", mas anomalias surgem e levam a uma crise, forçando uma "ciência extraordinária" e uma revolução que estabelece um novo paradigma.

samuel thomas kuhn
Ciência natural: os pressupostos filosóficos
Ciência natural: os pressupostos filosóficosCiência natural: os pressupostos filosóficos
Ciência natural: os pressupostos filosóficos

O documento discute os pressupostos filosóficos da ciência natural, resumindo as principais correntes: 1) o positivismo lógico defendia que o conhecimento científico deve ser baseado na observação empírica; 2) Popper criticou a visão positivista e defendeu o método das conjecturas e refutações, onde teorias são testadas através de tentativas de refutá-las; 3) Kuhn argumentou que a ciência segue "paradigmas" dominantes e muda por meio de revoluções cientí

Objetividade e racionalidade na filosofia da ciência de Thomas Kuhn
Objetividade e racionalidade na filosofia da ciência de Thomas KuhnObjetividade e racionalidade na filosofia da ciência de Thomas Kuhn
Objetividade e racionalidade na filosofia da ciência de Thomas Kuhn

1. O documento é uma dissertação de mestrado que analisa as críticas à filosofia da ciência de Thomas Kuhn, especialmente sobre objetividade e racionalidade científica. 2. O trabalho identifica oito grupos de críticas feitas a Kuhn, relacionadas a ambiguidade, descritividade, dogmatismo, método científico, base empírica, existência de revoluções científicas e incomensurabilidade. 3. O autor analisa as respostas dadas por Kuhn a essas críticas, mostrando que a

science philosophy
Fraquezas do falsificacionismo ingênuo
• Dados podem estar errados (“O cisne negro não era um cisne”)
• Teorias são eliminadas sem ter tempo de maturação. “Toda teoria nova
nasce refutada”.
• Relevância e natureza dos resultados de experimentos dependem das
teorias que estão sendo testadas.
• Constitui uma lógica da justificação mas não descreve o
desenvolvimento real, histórico, da evolução das teorias científicas,
onde fatores psicológicos, sociológicos, econômicos e culturais são
importantes.
• Corresponde a um algorítmo genético (epistemologia evolucionária)
que só conserva o indivíduo com maior fitness = não funciona, pois
fica preso em mínimos locais.
Epistemologia normativa versus
descritiva: Funções custo (“energia”)
• Aspecto Normativo:
• Teorias devem minimizar erro empírico E1
• Teorias devem minimizar elementos ad-hoc E2
• Teorias devem minimizar complexidade E3
• Teorias devem minimizar incompatibilidade com outras teorias E4
• Aspecto Descritivo:
• Teorias minimizam falta de estética E5
• Teorias minimizam falta de consenso científico E6
• Teorias minimizam dissonância com ideologias dominantes E7
• Teorias minimizam frustração de interesses de pesquisadores E8
• Etc…….
• Etotal = a1E1 + a2E2 + a3 E3 +…
Relevos Rugosos
E
Paradigmas Kuhnianos e relevos rugosos:
racionalidade de curto termo e de longo termo
• Paradigmas = mínimos locais
• Progresso dentro do paradigma =
descida pelo gradiente =
racionalidade de curto termo =
ciência normal
• Transição entre paradigmas =
escape de mínimos locais =
racionalidade de longo termo
(“temperatura”, “não eliminação
de indivíduos com fitness
médio”) = ciência revolucionária

Recomendado para você

Aula O método nas Ciências Sociais
Aula O método nas Ciências SociaisAula O método nas Ciências Sociais
Aula O método nas Ciências Sociais

As Ciências Sociais enfrentam desafios em estabelecer um método científico devido à natureza complexa dos fenômenos humanos e sociais. Embora haja debates sobre a adoção de modelos das Ciências Naturais, existem critérios que podem orientar pesquisas rigorosas nas Ciências Sociais, como relevância do tema, coerência teórica e triangulação de métodos.

Ciências: dos metodo às leis
Ciências: dos metodo às leisCiências: dos metodo às leis
Ciências: dos metodo às leis

O documento discute a história da ciência, desde as culturas antigas até Galileu. Explica que o método científico envolve observação sistemática e experimentação para gerar conhecimento sobre a natureza. Também descreve como Galileu estabeleceu os fundamentos do método científico moderno ao insistir que a ciência deve "geometrizar a natureza".

Método científico
Método científicoMétodo científico
Método científico

O documento descreve o método científico, definindo-o como a ordem seguida para investigar a verdade de forma metódica. Explica que envolve antecipações mentais para racionalizar a ação e melhor alcançar os objetivos, inibindo o acaso. Detalha as etapas do método experimental, incluindo observação, hipótese, experimentação e generalização para estabelecer leis. Conclui que a ciência não tem um estado final, sendo o esforço pelo conhecimento o principal motivador da descoberta.

Mudanças de Paradigmas
Quanto maior o salto, maior a “irracionalidade” local.
Justificada pela presença de uma racionalidade de longo
prazo e global.
Existe progresso nas teorias científicas?
Progresso vertical (dentro do paradigma) mas
exploração não convergente na horizontal?
Espaço das teorias
Incomensurabilidade
• O novo paradigma afeta os próprios critérios de avaliação
do que são boas teorias científicas. Isso pode tornar
problemático a comparação do mérito das teorias.
• Possível analogia: Acoplamento do paradigma P do
sistema (variáveis rápidas = teorias) com variáveis lentas
que definem os termos Ei (função custo, critérios de
avaliação de teorias). Modulação do relevo E pela presença
no sistema de um estado P.
P
E
E
P
Racionalidade tácita versus racionalidade
explícita
• IA baseada em regras (programação):
Sistemas especialistas = racionalidade
explícita.
• IA baseada em exemplos
(aprendizagem): Redes Neurais
Artificais = ajuste de curvas (em
geral, mapeamentos) = racionalidade
implícita.

Recomendado para você

16 o método científico
16 o método científico16 o método científico
16 o método científico

O documento discute o método científico, definindo-o como um conjunto de atividades sistemáticas e racionais que permitem gerar conhecimentos válidos e verdadeiros. Apresenta as principais etapas e funções do método científico, além de discutir métodos como o indutivo, dedutivo e hipotético-dedutivo. Também aborda conceitos como paradigma científico e a evolução histórica do método ao longo do tempo.

Conhecimento Científico - Kuhn
Conhecimento Científico - KuhnConhecimento Científico - Kuhn
Conhecimento Científico - Kuhn

O documento discute a racionalidade científica e a questão da objetividade do conhecimento científico. Aborda a perspectiva de Thomas Kuhn sobre o assunto, destacando que o conhecimento científico fornece uma interpretação da realidade que depende dos métodos e instrumentos usados, não sendo a única maneira de enquadrar a realidade.

filosofia
Khun-exemplo etapa2 do TP
Khun-exemplo etapa2 do TPKhun-exemplo etapa2 do TP
Khun-exemplo etapa2 do TP

Este documento resume a perspectiva de Thomas Kuhn sobre o conhecimento científico de acordo com vários autores. Segundo Kuhn, a ciência progride através de paradigmas que são adquiridos por disciplinas e resistidos, e não de forma cumulativa ou sem falhas. Ele também apontou que cientistas são humanos com vieses como qualquer outra pessoa.

O cientista aprende tacitamente o que é “boa
ciência”, sem usar um método de demarcação
• Thomas Kuhn (in Criticism and the growth of knowledge, 1970)
“A espécie de processo [aprendizagem tácita] que tenho em mente pode
ser modelado num computador, e assim, comparado com o modo mais familiar
que recorre a critérios (…). Ambos os programas funcionarão, mas não darão
resultados idênticos. Diferem por muitas das mesmas razões que a
jurisprudência difere da lei codificada.
Nós ignoramos por muito tempo a maneira como o conhecimento da
natureza pode ser tacitamente incorporado em experiências totais sem que
intervenha a abstração de critérios ou de generalizações. Tais experiências nos
são apresentadas no correr da educação e da iniciação profissional.
Assimilando um número suficiente de exemplares, aprendemos a reconhecer e
trabalhar com o mundo com que nossos professores já estão familiarizados.
O reconhecimento da função cognitiva dos exemplares também pode
remover a eiva de irracionalidade de minhas observações anteriores (…). Em
face de exemplos do que faz uma teoria científica, não precisamos de critérios
para saber que alguma coisa saiu errada ou para fazer escolhas em caso de
conflito.”
Roteiro
• O debate Popper-Kuhn sobre racionalidade científica.
• Relevos rugosos
• Machine learning
• O debate sobre a natureza e caracterização das
revoluções científicas.
• Modelos de dinâmica de avalanches
• O debate sobre ciência normal-ciência revolucionária
(Kuhn) versus pluralismo teórico (Feyrabend).
• Algoritmos genéticos
Revoluções Científicas como terremotos
conceituais (equilíbrio puntuado)
The Earth crackles. a, Time history of radiated
energy from earthquakes throughout all of 1995.
The Earth responds to the slow strains imposed
by continental drift through a series of
earthquakes (impulsive events well separated in
space and time). This time series, when sped up,
sounds remarkably like the crackling noise of
paper, magnets and Rice Krispies (listen to it in
ref. 110). b, Histogram of number of earthquakes
in 1995 as function of their magnitude (or,
alternatively, their energy release). Earthquakes
come in a wide range of sizes, from unnoticeable
trembles to catastrophic events. The smaller
earthquakes are much more common: the number
of events of a given size forms a power law
called the Gutenberg–Richter law.
Quão grande precisa ser uma revolução
científica para merecer o nome de revolução?
Evolução temporal
Invariância de escala

Recomendado para você

A ciência normal e a extraordinária
A ciência normal e a extraordináriaA ciência normal e a extraordinária
A ciência normal e a extraordinária

O documento descreve as diferentes fases da evolução da ciência segundo Thomas Kuhn: a ciência normal, onde um paradigma guia a investigação científica de forma rotineira; a ciência extraordinária, onde surgem anomalias que levam a uma crise de paradigma; e a revolução científica, onde um novo paradigma substitui o antigo, iniciando um novo período de ciência normal.

Ciência e conhecimento cotidiano - parte 2
Ciência e conhecimento cotidiano - parte 2Ciência e conhecimento cotidiano - parte 2
Ciência e conhecimento cotidiano - parte 2

O documento discute diferentes tipos de conhecimento como o conhecimento científico, popular, religioso e artístico. Também aborda as características da ciência e do senso comum, comparando seus métodos e como lidam com explicações. Por fim, analisa a relação entre ciência e religião, discutindo diferentes perspectivas sobre como essas esferas do conhecimento podem ou não entrar em conflito.

Filosofia 2
Filosofia 2Filosofia 2
Filosofia 2

O documento discute como a visão da objetividade científica mudou ao longo do tempo. Positivistas viam a ciência como objetiva e baseada em fatos, mas pensadores posteriores como Popper, Kuhn e Rorty argumentam que a ciência é um esforço intersubjetivo e depende do contexto cultural e dos valores dos cientistas. A racionalidade científica é agora vista como relativa e condicionada, em vez de absoluta.

filosofia
Modelo de avalanches
Fi = H(t) + ∑Jsi + hi
(Sethna et al., Nature 410, 242 - 250 (08 March
2001)
Modelos de terremotos
Roteiro
• O debate Popper-Kuhn sobre racionalidade científica.
• Relevos rugosos
• Machine learning
• O debate sobre a natureza das revoluções científicas.
• Modelos de dinâmica de avalanches
• O debate sobre ciência normal-ciência revolucionária
(Kuhn) versus pluralismo teórico (Feyrabend).
• Algoritmos genéticos
O debate normativo Kuhn-Feyrabend:
ciência normal ou pluralismo teórico?
Kuhn

Recomendado para você

Mapa conceitual - Filosofia da ciência
Mapa conceitual - Filosofia da ciênciaMapa conceitual - Filosofia da ciência
Mapa conceitual - Filosofia da ciência

O documento discute as ideias de Karl Popper e Thomas Kuhn sobre a filosofia da ciência. Popper propõe o critério da refutabilidade, enquanto Kuhn descreve a ciência normal e extraordinária e como revoluções científicas mudam os paradigmas existentes.

karl popperthomas kuhnrefutabilidade
Métodos de Pesquisa - Pós CAF - Epistemologia
Métodos de Pesquisa - Pós CAF - EpistemologiaMétodos de Pesquisa - Pós CAF - Epistemologia
Métodos de Pesquisa - Pós CAF - Epistemologia

1. O documento discute diferentes abordagens epistemológicas para o desenvolvimento do conhecimento científico, como o positivismo lógico, Popper, Kuhn e Lakatos. 2. Abordagens como o positivismo lógico enfatizam a acumulação de evidências através da indução, enquanto Popper foca na refutação de hipóteses. 3. Kuhn descreve como a ciência muda através de revoluções quando paradigmas existentes entram em crise, enquanto Lakatos fala sobre programas

A Evolução da Ciência.pdf. Resumo do tema "A evolução da Ciência" .
A Evolução da Ciência.pdf. Resumo do tema "A evolução da Ciência" .A Evolução da Ciência.pdf. Resumo do tema "A evolução da Ciência" .
A Evolução da Ciência.pdf. Resumo do tema "A evolução da Ciência" .

1. Karl Popper e Thomas Kuhn apresentam visões diferentes sobre a evolução da ciência. 2. Para Popper, a ciência avança através da tentativa e erro, com teorias sendo continuamente testadas e refutadas, aproximando-se gradualmente da verdade. 3. Já para Kuhn, a ciência muda em revoluções quando um novo paradigma substitui o antigo, com verdades dependendo do paradigma vigente.

resumo filosofia 11º ano
Sugestões para Kuhnianos
• Racionalidade implicita é defensável.
• Eficiência dos algorítimos “ciência normal” versus “pluralismo
teórico” pode ser testada em algorítmos genéticos.
• Mudanças de paradigmas são avalanches de mudanças conceituais.
Ocorrem em todas as escalas, não existe um tamanho característico
que defina uma mudança de paradigma.
• Em todo caso, poderíamos associar as “grandes revolucões científicas”
à avalanches que afetam toda a ciência e mesmo a cultura em geral =
“avalanches percolantes”.
• Existe progresso vertical no relevo E(T) mas “não-progresso”
horizontal.
Reducionismo versus Holismo
• “O Todo é maior que a soma de suas partes”
(Aristóteles)
• Princípio da superposição linear = Todo igual à
soma das partes.
• Gás ideal, teorias do tipo um gene-um caracter,
individualismo metodológico na economia e sociologia.
• Sistemas não lineares = comportamento do todo é
qualitativamente diferente do das partes.
• Fato trivial?
• f(x) = xa f(x + y) ≠ f(x) + f(y) para a ≠ 1
O Todo é qualitativamente diferente das
partes e (em grande parte) independe delas!
Often there will be fixed points that attract in all directions. These fixed points
describe phases rather than phase transitions. Most phases are rather simple,
with fluctuations that die away on long length scales. When fluctuations remain
important, they will exhibit self-similarity and power laws called generic scale
invariance.
Emergência = mudança qualitativa a partir de
pequenos incrementos quantitativos
• Transições de fase
• Bifurcações

Recomendado para você

Aula 21 filosofia da ciência
Aula 21   filosofia da ciênciaAula 21   filosofia da ciência
Aula 21 filosofia da ciência

1) O documento descreve a história da ciência desde a Antiguidade até autores contemporâneos, abordando temas como a revolução científica e o método científico. 2) Inclui também uma seção sobre racionalismo vs empirismo e sobre os filósofos Descartes, Kant, Popper e Kuhn. 3) Fornece exemplos de dedução e indução e discute a falseabilidade como critério de Popper para avaliar teorias científicas.

Filosofia e ensino de ciências: uma convergência necessária
Filosofia e ensino de ciências: uma convergência necessária Filosofia e ensino de ciências: uma convergência necessária
Filosofia e ensino de ciências: uma convergência necessária

O documento discute como a filosofia da ciência pode melhorar o ensino de ciências nas escolas. Aborda as ideias de pensadores como Popper, Kuhn, Lakatos e Feyerabend sobre a natureza dinâmica do desenvolvimento científico e como isso pode ser usado para mostrar aos alunos que a ciência não é um conjunto de fatos imutáveis. Também discute como contextualizar historicamente as teorias para evitar distorções e desmotivar os alunos.

filosofia da ciênciaensino de ciência
Contra o método resenha 3
Contra o método resenha 3Contra o método resenha 3
Contra o método resenha 3

(1) O livro critica a noção de que a ciência deve seguir regras rígidas e um método único, defendendo que a ciência se desenvolve de forma mais eficiente quando há diversidade de abordagens e ideias; (2) Argumenta que a História mostra que a ciência progrediu quando razão e não-razão conviveram, e que restrições excessivas inibem o progresso; (3) Defende que a separação entre Estado e ciência é necessária para preservar a liberdade intelectual, assim como a separação entre Estado e Igreja.

Classes de Universalidade
• Sistemas classificados em “classes de universalidade” que dependem
principalmente de simetrias e dimensão espacial, mas não dependem
de detalhes finos do sistema (detalhes das interações, número de
vizinhos etc).
• Um modelo muito complexo e detalhista pode estar na mesma classe
de universalidade que um modelo simples.
• Portanto, podemos estudar o modelo simples para ganhar insight e
conhecimento qualitativo (e mesmo alguns resultados quantitativos
como expoentes críticos) sobre o sistema complexo.
• Isso não significa que “reduzimos o sistema complexo à um sistema
hipersimplificado”. A natureza da relação é outra: ambos pertencem à
mesma classe de universalidade.
• Ou seja, a existência de classes de universalidade é um argumento a
favor do holismo (emergência de fenômenos sem dependência estrita
das partes microscópicas) e não do reducionismo.
Uma última dúvida
• Não é contraditório usar resultados científicos para estudar a ciência?
• Primeira resposta: são modelos formais (conceituais, não empíricos),
valem mesmo que não se apliquem à natureza. Não se trata de
“naturalizar” a filosofia da ciência. Assim como a Lógica e a Teoria de
Probabilidades (Bayesianismo) tem sido usadas na Filosofia da
Ciência, outras ciências formais como Algoritmos Computacionais
podem ser usadas.
• Segunda resposta: Podemos fazer sociologia da Sociologia e história
da História? Se sim, então talvez possamos fazer ciência da Ciência
(metaciência), com instrumentos fornecidos pela estatística, ciência da
informação e computação e idéias (como as apresentadas aqui)
sugeridas por outras disciplinas.
• Talvez até seja possivel fazer uma filosofia da ciência baseada em
modelos computacionais, conforme sugeriu Kuhn!
Philosophy of science and science of philosophy

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

De popper à nova heterodoxia
De popper à nova heterodoxiaDe popper à nova heterodoxia
De popper à nova heterodoxia
Rodrigo Garbelotti Barsotti
 
Kuhn (11ºH2009)
Kuhn (11ºH2009)Kuhn (11ºH2009)
Kuhn (11ºH2009)
Joaquim Melro
 
A Perspetiva de T. Kuhn
A Perspetiva de T. KuhnA Perspetiva de T. Kuhn
A Perspetiva de T. Kuhn
Jorge Barbosa
 
Khun, pop..
Khun, pop..Khun, pop..
Khun, pop..
pyteroliva
 
Kuhn-11º C (2009)
Kuhn-11º C (2009)Kuhn-11º C (2009)
Kuhn-11º C (2009)
Joaquim Melro
 
Revoluções Científicas - Thomas S. Kuhn
Revoluções Científicas - Thomas S. KuhnRevoluções Científicas - Thomas S. Kuhn
Revoluções Científicas - Thomas S. Kuhn
Diogo Provete
 
A estrutura das revoluçoes cientificas
A estrutura das revoluçoes cientificasA estrutura das revoluçoes cientificas
A estrutura das revoluçoes cientificas
Boutchich Sanaa
 
Ciência natural: os pressupostos filosóficos
Ciência natural: os pressupostos filosóficosCiência natural: os pressupostos filosóficos
Ciência natural: os pressupostos filosóficos
Leonardo Kaplan
 
Objetividade e racionalidade na filosofia da ciência de Thomas Kuhn
Objetividade e racionalidade na filosofia da ciência de Thomas KuhnObjetividade e racionalidade na filosofia da ciência de Thomas Kuhn
Objetividade e racionalidade na filosofia da ciência de Thomas Kuhn
Carlos Alberto Monteiro
 
Aula O método nas Ciências Sociais
Aula O método nas Ciências SociaisAula O método nas Ciências Sociais
Aula O método nas Ciências Sociais
Leonardo Kaplan
 
Ciências: dos metodo às leis
Ciências: dos metodo às leisCiências: dos metodo às leis
Ciências: dos metodo às leis
Miguel De Lima
 
Método científico
Método científicoMétodo científico
Método científico
Francisco Chaves
 
16 o método científico
16 o método científico16 o método científico
16 o método científico
Joao Balbi
 
Conhecimento Científico - Kuhn
Conhecimento Científico - KuhnConhecimento Científico - Kuhn
Conhecimento Científico - Kuhn
Jorge Barbosa
 
Khun-exemplo etapa2 do TP
Khun-exemplo etapa2 do TPKhun-exemplo etapa2 do TP
Khun-exemplo etapa2 do TP
guest9578d1
 
A ciência normal e a extraordinária
A ciência normal e a extraordináriaA ciência normal e a extraordinária
A ciência normal e a extraordinária
Luis De Sousa Rodrigues
 
Ciência e conhecimento cotidiano - parte 2
Ciência e conhecimento cotidiano - parte 2Ciência e conhecimento cotidiano - parte 2
Ciência e conhecimento cotidiano - parte 2
Leonardo Kaplan
 
Filosofia 2
Filosofia 2Filosofia 2
Filosofia 2
Zeffy
 
Mapa conceitual - Filosofia da ciência
Mapa conceitual - Filosofia da ciênciaMapa conceitual - Filosofia da ciência
Mapa conceitual - Filosofia da ciência
Gilberto Cotrim
 

Mais procurados (19)

De popper à nova heterodoxia
De popper à nova heterodoxiaDe popper à nova heterodoxia
De popper à nova heterodoxia
 
Kuhn (11ºH2009)
Kuhn (11ºH2009)Kuhn (11ºH2009)
Kuhn (11ºH2009)
 
A Perspetiva de T. Kuhn
A Perspetiva de T. KuhnA Perspetiva de T. Kuhn
A Perspetiva de T. Kuhn
 
Khun, pop..
Khun, pop..Khun, pop..
Khun, pop..
 
Kuhn-11º C (2009)
Kuhn-11º C (2009)Kuhn-11º C (2009)
Kuhn-11º C (2009)
 
Revoluções Científicas - Thomas S. Kuhn
Revoluções Científicas - Thomas S. KuhnRevoluções Científicas - Thomas S. Kuhn
Revoluções Científicas - Thomas S. Kuhn
 
A estrutura das revoluçoes cientificas
A estrutura das revoluçoes cientificasA estrutura das revoluçoes cientificas
A estrutura das revoluçoes cientificas
 
Ciência natural: os pressupostos filosóficos
Ciência natural: os pressupostos filosóficosCiência natural: os pressupostos filosóficos
Ciência natural: os pressupostos filosóficos
 
Objetividade e racionalidade na filosofia da ciência de Thomas Kuhn
Objetividade e racionalidade na filosofia da ciência de Thomas KuhnObjetividade e racionalidade na filosofia da ciência de Thomas Kuhn
Objetividade e racionalidade na filosofia da ciência de Thomas Kuhn
 
Aula O método nas Ciências Sociais
Aula O método nas Ciências SociaisAula O método nas Ciências Sociais
Aula O método nas Ciências Sociais
 
Ciências: dos metodo às leis
Ciências: dos metodo às leisCiências: dos metodo às leis
Ciências: dos metodo às leis
 
Método científico
Método científicoMétodo científico
Método científico
 
16 o método científico
16 o método científico16 o método científico
16 o método científico
 
Conhecimento Científico - Kuhn
Conhecimento Científico - KuhnConhecimento Científico - Kuhn
Conhecimento Científico - Kuhn
 
Khun-exemplo etapa2 do TP
Khun-exemplo etapa2 do TPKhun-exemplo etapa2 do TP
Khun-exemplo etapa2 do TP
 
A ciência normal e a extraordinária
A ciência normal e a extraordináriaA ciência normal e a extraordinária
A ciência normal e a extraordinária
 
Ciência e conhecimento cotidiano - parte 2
Ciência e conhecimento cotidiano - parte 2Ciência e conhecimento cotidiano - parte 2
Ciência e conhecimento cotidiano - parte 2
 
Filosofia 2
Filosofia 2Filosofia 2
Filosofia 2
 
Mapa conceitual - Filosofia da ciência
Mapa conceitual - Filosofia da ciênciaMapa conceitual - Filosofia da ciência
Mapa conceitual - Filosofia da ciência
 

Semelhante a Philosophy of science and science of philosophy

Métodos de Pesquisa - Pós CAF - Epistemologia
Métodos de Pesquisa - Pós CAF - EpistemologiaMétodos de Pesquisa - Pós CAF - Epistemologia
Métodos de Pesquisa - Pós CAF - Epistemologia
Cassio Meira Jr.
 
A Evolução da Ciência.pdf. Resumo do tema "A evolução da Ciência" .
A Evolução da Ciência.pdf. Resumo do tema "A evolução da Ciência" .A Evolução da Ciência.pdf. Resumo do tema "A evolução da Ciência" .
A Evolução da Ciência.pdf. Resumo do tema "A evolução da Ciência" .
filipepereira406050
 
Aula 21 filosofia da ciência
Aula 21   filosofia da ciênciaAula 21   filosofia da ciência
Aula 21 filosofia da ciência
professorleo1989
 
Filosofia e ensino de ciências: uma convergência necessária
Filosofia e ensino de ciências: uma convergência necessária Filosofia e ensino de ciências: uma convergência necessária
Filosofia e ensino de ciências: uma convergência necessária
Fabiano Antunes
 
Contra o método resenha 3
Contra o método resenha 3Contra o método resenha 3
Contra o método resenha 3
CIRINEU COSTA
 
Ciência, métodos e paradigmas
Ciência, métodos e paradigmasCiência, métodos e paradigmas
Ciência, métodos e paradigmas
Nicemara Cardoso
 
Metamorfose da ciência
Metamorfose da ciência Metamorfose da ciência
Metamorfose da ciência
nextfiocruz
 
AULA 08 - 3 SÉRIE - KARL POPPER E O CRITÉRIO DE REFUTABILIDADE I.pptx
AULA 08 - 3 SÉRIE - KARL POPPER E O CRITÉRIO DE REFUTABILIDADE I.pptxAULA 08 - 3 SÉRIE - KARL POPPER E O CRITÉRIO DE REFUTABILIDADE I.pptx
AULA 08 - 3 SÉRIE - KARL POPPER E O CRITÉRIO DE REFUTABILIDADE I.pptx
FlavioCandido8
 
Metodologia de Investigação Científica
Metodologia de Investigação CientíficaMetodologia de Investigação Científica
Metodologia de Investigação Científica
Fernando Vianeke Agostinho
 
aula.pptx aula cientificismo revolução cient
aula.pptx aula cientificismo revolução cientaula.pptx aula cientificismo revolução cient
aula.pptx aula cientificismo revolução cient
PabloGabrielKdabra
 
A Ciência.pptx
A Ciência.pptxA Ciência.pptx
A Ciência.pptx
AntnioCsarBurnat
 
Epistemologia
EpistemologiaEpistemologia
Epistemologia
Cassio Meira Jr.
 
Ciência e Dialética em Aristóteles: uma discussão para a atualidade
Ciência e Dialética em Aristóteles: uma discussão para a atualidadeCiência e Dialética em Aristóteles: uma discussão para a atualidade
Ciência e Dialética em Aristóteles: uma discussão para a atualidade
Aislan Fernandes
 
Verificab..
Verificab..Verificab..
Verificab..
pyteroliva
 
CONHECIMENTO CIENTÍFICO
CONHECIMENTO CIENTÍFICOCONHECIMENTO CIENTÍFICO
CONHECIMENTO CIENTÍFICO
jackson bruno
 
CIENCIAS
CIENCIASCIENCIAS
CIENCIAS
jackson bruno
 
CONHECIMENTO CIENTÍFICO
CONHECIMENTO CIENTÍFICOCONHECIMENTO CIENTÍFICO
CONHECIMENTO CIENTÍFICO
Net Viva
 
Bel lucia resumo
Bel   lucia resumoBel   lucia resumo
Bel lucia resumo
Lúcia Maia
 
A estrutura das revoluções científicas
A estrutura das revoluções científicasA estrutura das revoluções científicas
A estrutura das revoluções científicas
Carlos Jonathan Santos
 
Sobre conjecturas e refutações
Sobre conjecturas e refutaçõesSobre conjecturas e refutações
Sobre conjecturas e refutações
Marco Batalha
 

Semelhante a Philosophy of science and science of philosophy (20)

Métodos de Pesquisa - Pós CAF - Epistemologia
Métodos de Pesquisa - Pós CAF - EpistemologiaMétodos de Pesquisa - Pós CAF - Epistemologia
Métodos de Pesquisa - Pós CAF - Epistemologia
 
A Evolução da Ciência.pdf. Resumo do tema "A evolução da Ciência" .
A Evolução da Ciência.pdf. Resumo do tema "A evolução da Ciência" .A Evolução da Ciência.pdf. Resumo do tema "A evolução da Ciência" .
A Evolução da Ciência.pdf. Resumo do tema "A evolução da Ciência" .
 
Aula 21 filosofia da ciência
Aula 21   filosofia da ciênciaAula 21   filosofia da ciência
Aula 21 filosofia da ciência
 
Filosofia e ensino de ciências: uma convergência necessária
Filosofia e ensino de ciências: uma convergência necessária Filosofia e ensino de ciências: uma convergência necessária
Filosofia e ensino de ciências: uma convergência necessária
 
Contra o método resenha 3
Contra o método resenha 3Contra o método resenha 3
Contra o método resenha 3
 
Ciência, métodos e paradigmas
Ciência, métodos e paradigmasCiência, métodos e paradigmas
Ciência, métodos e paradigmas
 
Metamorfose da ciência
Metamorfose da ciência Metamorfose da ciência
Metamorfose da ciência
 
AULA 08 - 3 SÉRIE - KARL POPPER E O CRITÉRIO DE REFUTABILIDADE I.pptx
AULA 08 - 3 SÉRIE - KARL POPPER E O CRITÉRIO DE REFUTABILIDADE I.pptxAULA 08 - 3 SÉRIE - KARL POPPER E O CRITÉRIO DE REFUTABILIDADE I.pptx
AULA 08 - 3 SÉRIE - KARL POPPER E O CRITÉRIO DE REFUTABILIDADE I.pptx
 
Metodologia de Investigação Científica
Metodologia de Investigação CientíficaMetodologia de Investigação Científica
Metodologia de Investigação Científica
 
aula.pptx aula cientificismo revolução cient
aula.pptx aula cientificismo revolução cientaula.pptx aula cientificismo revolução cient
aula.pptx aula cientificismo revolução cient
 
A Ciência.pptx
A Ciência.pptxA Ciência.pptx
A Ciência.pptx
 
Epistemologia
EpistemologiaEpistemologia
Epistemologia
 
Ciência e Dialética em Aristóteles: uma discussão para a atualidade
Ciência e Dialética em Aristóteles: uma discussão para a atualidadeCiência e Dialética em Aristóteles: uma discussão para a atualidade
Ciência e Dialética em Aristóteles: uma discussão para a atualidade
 
Verificab..
Verificab..Verificab..
Verificab..
 
CONHECIMENTO CIENTÍFICO
CONHECIMENTO CIENTÍFICOCONHECIMENTO CIENTÍFICO
CONHECIMENTO CIENTÍFICO
 
CIENCIAS
CIENCIASCIENCIAS
CIENCIAS
 
CONHECIMENTO CIENTÍFICO
CONHECIMENTO CIENTÍFICOCONHECIMENTO CIENTÍFICO
CONHECIMENTO CIENTÍFICO
 
Bel lucia resumo
Bel   lucia resumoBel   lucia resumo
Bel lucia resumo
 
A estrutura das revoluções científicas
A estrutura das revoluções científicasA estrutura das revoluções científicas
A estrutura das revoluções científicas
 
Sobre conjecturas e refutações
Sobre conjecturas e refutaçõesSobre conjecturas e refutações
Sobre conjecturas e refutações
 

Mais de Osame Kinouchi

Modelo de-formacao
Modelo de-formacaoModelo de-formacao
Modelo de-formacao
Osame Kinouchi
 
SOC neunoral networks
SOC neunoral networks SOC neunoral networks
SOC neunoral networks
Osame Kinouchi
 
Fermi Paradox
Fermi ParadoxFermi Paradox
Fermi Paradox
Osame Kinouchi
 
Gastronofísica
GastronofísicaGastronofísica
Gastronofísica
Osame Kinouchi
 
Homeostatic criticality
Homeostatic criticalityHomeostatic criticality
Homeostatic criticality
Osame Kinouchi
 
Criatividade
CriatividadeCriatividade
Criatividade
Osame Kinouchi
 
Homeostatic criticality in stochastic integrate- and-fire neurons
Homeostatic criticality in stochastic integrate-and-fire neuronsHomeostatic criticality in stochastic integrate-and-fire neurons
Homeostatic criticality in stochastic integrate- and-fire neurons
Osame Kinouchi
 
É possível prever o Prêmio Nobel?
É possível prever o Prêmio Nobel?É possível prever o Prêmio Nobel?
É possível prever o Prêmio Nobel?
Osame Kinouchi
 
Um modelo de colonização da Galáxia que também é um modelo de crescimento de ...
Um modelo de colonização da Galáxia que também é um modelo de crescimento de ...Um modelo de colonização da Galáxia que também é um modelo de crescimento de ...
Um modelo de colonização da Galáxia que também é um modelo de crescimento de ...
Osame Kinouchi
 
A double homeostatic mechanism to get self-organized quasi-criticality
A double homeostatic mechanism to get self-organized quasi-criticalityA double homeostatic mechanism to get self-organized quasi-criticality
A double homeostatic mechanism to get self-organized quasi-criticality
Osame Kinouchi
 
Faith, Science and Science Fiction
Faith, Science and Science FictionFaith, Science and Science Fiction
Faith, Science and Science Fiction
Osame Kinouchi
 
Self-organized criticality
Self-organized criticalitySelf-organized criticality
Self-organized criticality
Osame Kinouchi
 
Neuronal self-organized criticality (II)
Neuronal self-organized criticality (II)Neuronal self-organized criticality (II)
Neuronal self-organized criticality (II)
Osame Kinouchi
 
Neuronal self-organized criticality
Neuronal self-organized criticalityNeuronal self-organized criticality
Neuronal self-organized criticality
Osame Kinouchi
 
Neuromat seminar 13 11-2017
Neuromat seminar 13 11-2017Neuromat seminar 13 11-2017
Neuromat seminar 13 11-2017
Osame Kinouchi
 
Ciência e Técnica no Antigo Testamento
Ciência e Técnica no Antigo TestamentoCiência e Técnica no Antigo Testamento
Ciência e Técnica no Antigo Testamento
Osame Kinouchi
 
Quarta revolução industrial
Quarta revolução industrialQuarta revolução industrial
Quarta revolução industrial
Osame Kinouchi
 
Itinerância caótica como modelo de dinâmica da consciência
Itinerância caótica como modelo de dinâmica da consciênciaItinerância caótica como modelo de dinâmica da consciência
Itinerância caótica como modelo de dinâmica da consciência
Osame Kinouchi
 
The exoplanets analogy to the Multiverse
The exoplanets analogy to the MultiverseThe exoplanets analogy to the Multiverse
The exoplanets analogy to the Multiverse
Osame Kinouchi
 

Mais de Osame Kinouchi (19)

Modelo de-formacao
Modelo de-formacaoModelo de-formacao
Modelo de-formacao
 
SOC neunoral networks
SOC neunoral networks SOC neunoral networks
SOC neunoral networks
 
Fermi Paradox
Fermi ParadoxFermi Paradox
Fermi Paradox
 
Gastronofísica
GastronofísicaGastronofísica
Gastronofísica
 
Homeostatic criticality
Homeostatic criticalityHomeostatic criticality
Homeostatic criticality
 
Criatividade
CriatividadeCriatividade
Criatividade
 
Homeostatic criticality in stochastic integrate- and-fire neurons
Homeostatic criticality in stochastic integrate-and-fire neuronsHomeostatic criticality in stochastic integrate-and-fire neurons
Homeostatic criticality in stochastic integrate- and-fire neurons
 
É possível prever o Prêmio Nobel?
É possível prever o Prêmio Nobel?É possível prever o Prêmio Nobel?
É possível prever o Prêmio Nobel?
 
Um modelo de colonização da Galáxia que também é um modelo de crescimento de ...
Um modelo de colonização da Galáxia que também é um modelo de crescimento de ...Um modelo de colonização da Galáxia que também é um modelo de crescimento de ...
Um modelo de colonização da Galáxia que também é um modelo de crescimento de ...
 
A double homeostatic mechanism to get self-organized quasi-criticality
A double homeostatic mechanism to get self-organized quasi-criticalityA double homeostatic mechanism to get self-organized quasi-criticality
A double homeostatic mechanism to get self-organized quasi-criticality
 
Faith, Science and Science Fiction
Faith, Science and Science FictionFaith, Science and Science Fiction
Faith, Science and Science Fiction
 
Self-organized criticality
Self-organized criticalitySelf-organized criticality
Self-organized criticality
 
Neuronal self-organized criticality (II)
Neuronal self-organized criticality (II)Neuronal self-organized criticality (II)
Neuronal self-organized criticality (II)
 
Neuronal self-organized criticality
Neuronal self-organized criticalityNeuronal self-organized criticality
Neuronal self-organized criticality
 
Neuromat seminar 13 11-2017
Neuromat seminar 13 11-2017Neuromat seminar 13 11-2017
Neuromat seminar 13 11-2017
 
Ciência e Técnica no Antigo Testamento
Ciência e Técnica no Antigo TestamentoCiência e Técnica no Antigo Testamento
Ciência e Técnica no Antigo Testamento
 
Quarta revolução industrial
Quarta revolução industrialQuarta revolução industrial
Quarta revolução industrial
 
Itinerância caótica como modelo de dinâmica da consciência
Itinerância caótica como modelo de dinâmica da consciênciaItinerância caótica como modelo de dinâmica da consciência
Itinerância caótica como modelo de dinâmica da consciência
 
The exoplanets analogy to the Multiverse
The exoplanets analogy to the MultiverseThe exoplanets analogy to the Multiverse
The exoplanets analogy to the Multiverse
 

Último

GENÉTICA PRIMEIRA LEI DE MENDEL E SEGUNDA LEI DE MENDEL
GENÉTICA PRIMEIRA LEI DE MENDEL E SEGUNDA LEI DE MENDELGENÉTICA PRIMEIRA LEI DE MENDEL E SEGUNDA LEI DE MENDEL
GENÉTICA PRIMEIRA LEI DE MENDEL E SEGUNDA LEI DE MENDEL
danielecarvalho75
 
Divulgação científica: o cientista e a mídia
Divulgação científica: o cientista e a mídiaDivulgação científica: o cientista e a mídia
Divulgação científica: o cientista e a mídia
N G
 
LILACS/OFICINA, CONHECENDO E EXPLORANDO.
LILACS/OFICINA, CONHECENDO E EXPLORANDO.LILACS/OFICINA, CONHECENDO E EXPLORANDO.
LILACS/OFICINA, CONHECENDO E EXPLORANDO.
MateusAdriel1
 
6-Ano-Vida-e-Evolução-Sistema Locomotor e interação com sistema nervso.pptx
6-Ano-Vida-e-Evolução-Sistema Locomotor e interação com sistema nervso.pptx6-Ano-Vida-e-Evolução-Sistema Locomotor e interação com sistema nervso.pptx
6-Ano-Vida-e-Evolução-Sistema Locomotor e interação com sistema nervso.pptx
GilneyCdeOliveira
 
Aula sobre As camadas internas da Terra.pdf
Aula sobre  As camadas internas da Terra.pdfAula sobre  As camadas internas da Terra.pdf
Aula sobre As camadas internas da Terra.pdf
Marcos634937
 
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
danielecarvalho75
 
Divulgação científica: o jornalista, o cientista e a mídia
Divulgação científica: o jornalista, o cientista e a mídiaDivulgação científica: o jornalista, o cientista e a mídia
Divulgação científica: o jornalista, o cientista e a mídia
N G
 

Último (7)

GENÉTICA PRIMEIRA LEI DE MENDEL E SEGUNDA LEI DE MENDEL
GENÉTICA PRIMEIRA LEI DE MENDEL E SEGUNDA LEI DE MENDELGENÉTICA PRIMEIRA LEI DE MENDEL E SEGUNDA LEI DE MENDEL
GENÉTICA PRIMEIRA LEI DE MENDEL E SEGUNDA LEI DE MENDEL
 
Divulgação científica: o cientista e a mídia
Divulgação científica: o cientista e a mídiaDivulgação científica: o cientista e a mídia
Divulgação científica: o cientista e a mídia
 
LILACS/OFICINA, CONHECENDO E EXPLORANDO.
LILACS/OFICINA, CONHECENDO E EXPLORANDO.LILACS/OFICINA, CONHECENDO E EXPLORANDO.
LILACS/OFICINA, CONHECENDO E EXPLORANDO.
 
6-Ano-Vida-e-Evolução-Sistema Locomotor e interação com sistema nervso.pptx
6-Ano-Vida-e-Evolução-Sistema Locomotor e interação com sistema nervso.pptx6-Ano-Vida-e-Evolução-Sistema Locomotor e interação com sistema nervso.pptx
6-Ano-Vida-e-Evolução-Sistema Locomotor e interação com sistema nervso.pptx
 
Aula sobre As camadas internas da Terra.pdf
Aula sobre  As camadas internas da Terra.pdfAula sobre  As camadas internas da Terra.pdf
Aula sobre As camadas internas da Terra.pdf
 
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
 
Divulgação científica: o jornalista, o cientista e a mídia
Divulgação científica: o jornalista, o cientista e a mídiaDivulgação científica: o jornalista, o cientista e a mídia
Divulgação científica: o jornalista, o cientista e a mídia
 

Philosophy of science and science of philosophy

  • 1. Filosofia da Ciência e Ciência da Filosofia Osame Kinouchi Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto USP
  • 2. Preâmbulo • “Ciência da Filosofia” = absurdo • Objetivos do colóquio • Descrever alguns temas controversos discutidos pelos filósofos da ciência Popper, Kuhn, Lakatos e Feyrabend. • Argumentar que ideias matemáticas e computacionais podem ser úteis no entendimento do que tais filósofos tentaram expressar, evitando algumas críticas e mal- entendidos muito comuns.
  • 3. Sobre ciência e filosofia • Natural scientists believe that they free themselves from philosophy by ignoring it or abusing it...[but] they cannot make any headway without thought...[and] hence they are no less in bondage to philosophy, but unfortunately in most cases to the worst philosophy. — Friedrich Engels, Dialectics of Nature (1883). • There is no such thing as philosophy-free science; there is only science whose philosophical baggage is taken on board without examination. — Daniel Dennett, Darwin's Dangerous Idea (1995).
  • 4. Valem as afirmações simétricas? • Philosophers believe that they free themselves from science by ignoring it or abusing it...[but] they cannot make any headway without thought...[and] hence they are no less in bondage to science, but unfortunately in most cases to the worst science. • There is no such thing as science-free philosophy; there is only philosophy whose scientific baggage is taken on board without examination. • Talvez, na medida em que idéias científicas se difundem e permeiam nossa linguagem, cultura e repertório conceitual (Kinouchi et al., Metáforas científicas no discurso jornalístico, RBEF, 2012).
  • 5. Ou seja, filosofia não é estanque em relação à ciência e vice-versa Tempo Phs PhDs
  • 6. Breve “História” da Filosofia da Ciência • Empirismo • Racionalismo • Positivismo • Instrumentalismo • Pragmatismo • Neopositivismo • Falseacionismo (Popper) e Programas de Pesquisa (Lakatos) • Epistemologia Evolucionária • Paradigmas Kuhnianos, Anarquismo metodológico (Feyrabend) e o debate com Popper • Estudos pós-Kuhnianos • Coerentismo • Sociologia da Ciência e Construtivismo Social • Pós-positivismo
  • 7. Roteiro • O debate Popper-Kuhn sobre racionalidade científica. • Relevos rugosos • Teoria da aprendizagem • O debate sobre a natureza das revoluções científicas. • Dinâmica de avalanches • O debate sobre ciência normal-ciência revolucionária (Kuhn) versus pluralismo teórico (Feyrabend). • Algoritmos genéticos
  • 8. O Falsificacionismo de Popper: “Conjecturas e Refutações” • Dados empíricos não confirmam teorias mas podem eliminá-las: “Um cisne negro elimina a teoria de que todos os cisnes são brancos”. • Cientistas fazem (“livremente”) conjecturas T. • Deduz-se consequências lógicas (predições P) de T. • Compara-se P com experimentos E. • Refuta-se conjecturas quando E não está de acordo com P.
  • 9. Fraquezas do falsificacionismo ingênuo • Dados podem estar errados (“O cisne negro não era um cisne”) • Teorias são eliminadas sem ter tempo de maturação. “Toda teoria nova nasce refutada”. • Relevância e natureza dos resultados de experimentos dependem das teorias que estão sendo testadas. • Constitui uma lógica da justificação mas não descreve o desenvolvimento real, histórico, da evolução das teorias científicas, onde fatores psicológicos, sociológicos, econômicos e culturais são importantes. • Corresponde a um algorítmo genético (epistemologia evolucionária) que só conserva o indivíduo com maior fitness = não funciona, pois fica preso em mínimos locais.
  • 10. Epistemologia normativa versus descritiva: Funções custo (“energia”) • Aspecto Normativo: • Teorias devem minimizar erro empírico E1 • Teorias devem minimizar elementos ad-hoc E2 • Teorias devem minimizar complexidade E3 • Teorias devem minimizar incompatibilidade com outras teorias E4 • Aspecto Descritivo: • Teorias minimizam falta de estética E5 • Teorias minimizam falta de consenso científico E6 • Teorias minimizam dissonância com ideologias dominantes E7 • Teorias minimizam frustração de interesses de pesquisadores E8 • Etc……. • Etotal = a1E1 + a2E2 + a3 E3 +…
  • 12. Paradigmas Kuhnianos e relevos rugosos: racionalidade de curto termo e de longo termo • Paradigmas = mínimos locais • Progresso dentro do paradigma = descida pelo gradiente = racionalidade de curto termo = ciência normal • Transição entre paradigmas = escape de mínimos locais = racionalidade de longo termo (“temperatura”, “não eliminação de indivíduos com fitness médio”) = ciência revolucionária
  • 13. Mudanças de Paradigmas Quanto maior o salto, maior a “irracionalidade” local. Justificada pela presença de uma racionalidade de longo prazo e global.
  • 14. Existe progresso nas teorias científicas? Progresso vertical (dentro do paradigma) mas exploração não convergente na horizontal? Espaço das teorias
  • 15. Incomensurabilidade • O novo paradigma afeta os próprios critérios de avaliação do que são boas teorias científicas. Isso pode tornar problemático a comparação do mérito das teorias. • Possível analogia: Acoplamento do paradigma P do sistema (variáveis rápidas = teorias) com variáveis lentas que definem os termos Ei (função custo, critérios de avaliação de teorias). Modulação do relevo E pela presença no sistema de um estado P. P E E P
  • 16. Racionalidade tácita versus racionalidade explícita • IA baseada em regras (programação): Sistemas especialistas = racionalidade explícita. • IA baseada em exemplos (aprendizagem): Redes Neurais Artificais = ajuste de curvas (em geral, mapeamentos) = racionalidade implícita.
  • 17. O cientista aprende tacitamente o que é “boa ciência”, sem usar um método de demarcação • Thomas Kuhn (in Criticism and the growth of knowledge, 1970) “A espécie de processo [aprendizagem tácita] que tenho em mente pode ser modelado num computador, e assim, comparado com o modo mais familiar que recorre a critérios (…). Ambos os programas funcionarão, mas não darão resultados idênticos. Diferem por muitas das mesmas razões que a jurisprudência difere da lei codificada. Nós ignoramos por muito tempo a maneira como o conhecimento da natureza pode ser tacitamente incorporado em experiências totais sem que intervenha a abstração de critérios ou de generalizações. Tais experiências nos são apresentadas no correr da educação e da iniciação profissional. Assimilando um número suficiente de exemplares, aprendemos a reconhecer e trabalhar com o mundo com que nossos professores já estão familiarizados. O reconhecimento da função cognitiva dos exemplares também pode remover a eiva de irracionalidade de minhas observações anteriores (…). Em face de exemplos do que faz uma teoria científica, não precisamos de critérios para saber que alguma coisa saiu errada ou para fazer escolhas em caso de conflito.”
  • 18. Roteiro • O debate Popper-Kuhn sobre racionalidade científica. • Relevos rugosos • Machine learning • O debate sobre a natureza e caracterização das revoluções científicas. • Modelos de dinâmica de avalanches • O debate sobre ciência normal-ciência revolucionária (Kuhn) versus pluralismo teórico (Feyrabend). • Algoritmos genéticos
  • 19. Revoluções Científicas como terremotos conceituais (equilíbrio puntuado) The Earth crackles. a, Time history of radiated energy from earthquakes throughout all of 1995. The Earth responds to the slow strains imposed by continental drift through a series of earthquakes (impulsive events well separated in space and time). This time series, when sped up, sounds remarkably like the crackling noise of paper, magnets and Rice Krispies (listen to it in ref. 110). b, Histogram of number of earthquakes in 1995 as function of their magnitude (or, alternatively, their energy release). Earthquakes come in a wide range of sizes, from unnoticeable trembles to catastrophic events. The smaller earthquakes are much more common: the number of events of a given size forms a power law called the Gutenberg–Richter law.
  • 20. Quão grande precisa ser uma revolução científica para merecer o nome de revolução? Evolução temporal Invariância de escala
  • 21. Modelo de avalanches Fi = H(t) + ∑Jsi + hi (Sethna et al., Nature 410, 242 - 250 (08 March 2001)
  • 23. Roteiro • O debate Popper-Kuhn sobre racionalidade científica. • Relevos rugosos • Machine learning • O debate sobre a natureza das revoluções científicas. • Modelos de dinâmica de avalanches • O debate sobre ciência normal-ciência revolucionária (Kuhn) versus pluralismo teórico (Feyrabend). • Algoritmos genéticos
  • 24. O debate normativo Kuhn-Feyrabend: ciência normal ou pluralismo teórico? Kuhn
  • 25. Sugestões para Kuhnianos • Racionalidade implicita é defensável. • Eficiência dos algorítimos “ciência normal” versus “pluralismo teórico” pode ser testada em algorítmos genéticos. • Mudanças de paradigmas são avalanches de mudanças conceituais. Ocorrem em todas as escalas, não existe um tamanho característico que defina uma mudança de paradigma. • Em todo caso, poderíamos associar as “grandes revolucões científicas” à avalanches que afetam toda a ciência e mesmo a cultura em geral = “avalanches percolantes”. • Existe progresso vertical no relevo E(T) mas “não-progresso” horizontal.
  • 26. Reducionismo versus Holismo • “O Todo é maior que a soma de suas partes” (Aristóteles) • Princípio da superposição linear = Todo igual à soma das partes. • Gás ideal, teorias do tipo um gene-um caracter, individualismo metodológico na economia e sociologia. • Sistemas não lineares = comportamento do todo é qualitativamente diferente do das partes. • Fato trivial? • f(x) = xa f(x + y) ≠ f(x) + f(y) para a ≠ 1
  • 27. O Todo é qualitativamente diferente das partes e (em grande parte) independe delas! Often there will be fixed points that attract in all directions. These fixed points describe phases rather than phase transitions. Most phases are rather simple, with fluctuations that die away on long length scales. When fluctuations remain important, they will exhibit self-similarity and power laws called generic scale invariance.
  • 28. Emergência = mudança qualitativa a partir de pequenos incrementos quantitativos • Transições de fase • Bifurcações
  • 29. Classes de Universalidade • Sistemas classificados em “classes de universalidade” que dependem principalmente de simetrias e dimensão espacial, mas não dependem de detalhes finos do sistema (detalhes das interações, número de vizinhos etc). • Um modelo muito complexo e detalhista pode estar na mesma classe de universalidade que um modelo simples. • Portanto, podemos estudar o modelo simples para ganhar insight e conhecimento qualitativo (e mesmo alguns resultados quantitativos como expoentes críticos) sobre o sistema complexo. • Isso não significa que “reduzimos o sistema complexo à um sistema hipersimplificado”. A natureza da relação é outra: ambos pertencem à mesma classe de universalidade. • Ou seja, a existência de classes de universalidade é um argumento a favor do holismo (emergência de fenômenos sem dependência estrita das partes microscópicas) e não do reducionismo.
  • 30. Uma última dúvida • Não é contraditório usar resultados científicos para estudar a ciência? • Primeira resposta: são modelos formais (conceituais, não empíricos), valem mesmo que não se apliquem à natureza. Não se trata de “naturalizar” a filosofia da ciência. Assim como a Lógica e a Teoria de Probabilidades (Bayesianismo) tem sido usadas na Filosofia da Ciência, outras ciências formais como Algoritmos Computacionais podem ser usadas. • Segunda resposta: Podemos fazer sociologia da Sociologia e história da História? Se sim, então talvez possamos fazer ciência da Ciência (metaciência), com instrumentos fornecidos pela estatística, ciência da informação e computação e idéias (como as apresentadas aqui) sugeridas por outras disciplinas. • Talvez até seja possivel fazer uma filosofia da ciência baseada em modelos computacionais, conforme sugeriu Kuhn!