SlideShare uma empresa Scribd logo
UNIVERSIDADE FEDERAL DAUNIVERSIDADE FEDERAL DA
PARAÍBAPARAÍBA
Pesquisa em Contabilidade:
Dicas e Problemas Comuns
Pesquisa em Contabilidade:
Dicas e Problemas Comuns
grggggggggggggggggggg
Luiz Felipe de Araújo Pontes Girão
Professor do Departamento de Finanças e Contabilidade da UFPB
Editor Geral da Revista Evidenciação Contábil & Finanças (RECFin)
Editor Associado da Brazilian Business Review (BBR)
www.contabilidademq.com.br
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Disponibilização dos slides
• Os slides estarão disponíveis a partir das 21h30 no Blog
ContabilidadeMQ:
www.ContabilidadeMQ.com.br
2
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Uma propaganda antes de iniciar
• Conheça alguns projetos dos quais eu faço parte na UFPB:
1. Programa de Pós-Graduação em Contabilidade (Mestrado e Doutorado, com
conceito 5):
www.ccsa.ufpb.br/ppgcc
1. Revista Evidenciação Contábil & Finanças (B3 no Qualis CAPES, com prazo-
meta de resposta final aos trabalhos de 90 dias):
periodicos.ufpb.br/index.php/recfin
1. Projeto de Extensão Sala de Ações (agende visitas, palestras, cursos e
“consultorias” pelo Blog):
salaacoes.blogspot.com.br
3
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Ideia da palestra
• Palestra voltada para pessoas interessadas em pesquisa na área de
ciências sociais aplicadas.
• Trouxe aqui a minha experiência como autor, leitor, avaliador de artigos
e editor de revista científica.
• A maioria dos tópicos da palestra deram origem a um post no Blog
ContabilidadeMQ (este post específico é atualizado desde 2015, com
novos conteúdos):
contabilidademq.blogspot.com.br/2015/09/21-dicas-sobre-como-escrever-sua.h
4
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Por que pesquisar?
• Pensem por 10 segundos...
• Dois motivos fundamentais:
1. Resolver problemas práticos ou teóricos
Como chegar no valor de uma empresa ou estimar o valor goodwill ou do capital intelectual (no meu
primeiro ano de graduação eu tentei fazer isso...)
1. Criar ou testar teorias
HME  Finanças Comportamentais // Testes de análise técnica e
fundamentalista
5
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
O que fazer para ter uma boa pesquisa?
1. Ter uma ideia viável;
2. Conhecer outros trabalhos que tiveram ideias semelhantes à
sua;
3. Traçar os objetivos da pesquisa;
4. Ter uma teoria que sustente a sua ideia e seus resultados
futuros;
5. Ter uma boa metodologia da pesquisa.
6
- Encontrei um trabalho muito parecido com a minha ideia, o que fazer?- Encontrei um trabalho muito parecido com a minha ideia, o que fazer?
A LEITURA É ESSENCIAL
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Além disso...
... DISCIPLINA!!... DISCIPLINA!!
• Não faça o projeto de pesquisa com preguiça/de qualquer jeito.
• Tente encontrar um orientador desde já (falaremos mais sobre isso).
• Tenha um cronograma viável e siga-o!
7
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
A escolha do orientador
1. Veja se ele é da sua área de pesquisa (isso não é uma
condição necessária);
2. Veja o Currículo Lattes dele;
3. Veja se ele publica artigos;
4. Se os orientandos anteriores fizeram bons trabalhos;
5. Se ele é exigente;
6. Se ele tem tempo para isso (muito tempo disponível é ruim);
7. Etc.
8
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Criação e lapidação da ideia de pesquisa
9
Como identificar uma questão de
pesquisa?
http://contabilidademq.blogspot.com.
Tenho uma ideia geral para a
monografia, mas não sei como
especificar: o que fazer?
http://contabilidademq.blogspot.c
om.br/2013/09/tenho-uma-ideia-
geral-para-monografia.html
A ideia da pesquisa é a
parte mais difícil
Mas lapidá-la
não é tão fácil
LEITURA,
MUITA COISA
JÁ FEITA,
RACIOCÍNIO,
FOCO, PERSISTÊNCIA,
CONVERSA,
PENSAR, PENSAR...
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Foco e persistência: características essenciais
10
Sobre o foco no trabalho e as
qualidades do pesquisador
http://contabilidademq.blogspot.com.
Andrew Wiles deixou de participar
de eventos, continuou apenas com
suas atividades obrigatórias em
Princeton, trabalhou muito em
casa por muitos anos para resolver
o problema de Fermat.
Ele teve FOCO e PERSISTÊNCIA
para chegar onde queria.
A ideia da pesquisa é a
parte mais difícil
Mas lapidá-la
não é tão fácil
LEITURA,
MUITA COISA
JÁ FEITA,
RACIOCÍNIO,
FOCO, PERSISTÊNCIA,
CONVERSA,
PENSAR, PENSAR...
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Metodologia da pesquisa
O que é básico na seção da metodologia:
1. População e amostra;
2. Coleta e tratamento dos dados;
3. Definição das variáveis (proxies)*;
4. Definição dos modelos estatísticos*; e
5. Definição dos testes das hipóteses (em minha
opinião as hipóteses em si devem estar no
referencial teórico).
11
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Metodologia da pesquisa
• O que não é:
• 3. METODOLOGIA
Essa pesquisa é descritiva, segundo XXXX (2xxx) ela descreve uma
determinada situação, um contexto. E também porque tem por
premissa buscar a resolução de problemas melhorando as práticas por
meio da observação, análise e descrições objetivas, através de
entrevistas com peritos para a padronização de técnicas e validação de
conteúdo (THOMAS; NELSON; SILVERMAN, 2007).
12
Isso é importante estudar inicialmente,
mas a metodologia não é isso!
Apesar de dar uma “peninha”, nem tudo o que
estudamos deverá estar no trabalho final
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Tipologia da pesquisa
13
Definir ou não definir a tipologia
da pesquisa: eis a questão
http://contabilidademq.blogspot.com.
Eu não (mais) defino a tipologia da
pesquisa nos meus artigos.
Como editor, recomendo que não
definam isso, para dar espaço ao
que mais interessa: explicações
metodológicas sobre como os
resultados foram alcançados.
A tipologia não mudará a minha
interpretação dos resultados.
Mas sempre tem alguém
para pedir isso...
A ideia da pesquisa é a
parte mais difícil
Mas lapidá-la
não é tão fácil
LEITURA,
MUITA COISA
JÁ FEITA,
RACIOCÍNIO,
FOCO, PERSISTÊNCIA,
CONVERSA,
PENSAR, PENSAR...
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Não force uma metodologia, mas saia um pouco do comum
14
Em contabilidade nós costumamos
ficar muito presos à análise de
regressão, ANOVA, teste t,
distribuição normal etc...
Às vezes até forçadamente:
“vamos fazer um artigo usando
regressão quantílica?”
Às vezes devemos buscar
metodologias de outras áreas para
resolver os nossos problemas,
como a Análise de Redes Sociais
para analisar fraudes.
http://contabilidademq.blogspot.com.
-0.06-0.04-0.020.000.02
ln(COBeps)
0 .1 .2 .3 .4 .5 .6 .7 .8 .9 1
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Discuta sobre o seu artigo com o maior número de pessoas quanto for
possível!
15
Por que nós não temos muito destaque na pesquisa
internacional em contabilidade e finanças?
Eu chutaria que um dos principais motivos é a falta
de debate e a rapidez com que publicamos os artigos
em revistas.
Por que não existe debate entre os pesquisadores
no Brasil?
http://contabilidademq.blogspot.com.br/2013/05/por-que-nao
1)Os congressos aprovam muitos trabalhos, o que
limita o tempo das discussões;
2)Os congressos, em geral, só aceitam artigos
inéditos;
3)Não há muita conversa entre pesquisadores;
4)Etc;
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Ajude-nos a te ajudar: seja objetivo!
16
Philip Low é o criador do iBrain,
cuja ideia surgiu na sua tese de
doutorado de 1 página,
reconhecida como a menor tese
da história.
Em busca da objetividade nos
trabalhos científicos
http://contabilidademq.blogspot.com.
Philip Low e Stephen Hawking
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Ajude-me a te ajudar a me ajudar: é preciso explicar o básico?
17
Alguns avaliadores de artigos nos cobram
para que expliquemos coisas que são básicas
e já são até senso comum.
Isso reduz a objetividade dos trabalhos e
pode nos levar a perder relevância (porque
as pessoas não lerão o trabalho).
Costumo dizer que James Ohlson nunca
publicaria seu artigo clássico no Brasil: ele
não explica o senso comum. De repente pula
de uma equação para a outra, porque aquilo
era básico.
http://contabilidademq.blogspot.com.br/2014/04/ohl
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Busque referências e, se puder, escreva em inglês
18
Em geral, os melhores trabalhos estão publicados em
inglês. E não é porque é “chique”, é pelo alcance.
Se você quer escrever um artigo muito bom e quer
que muitas pessoas leiam, você escreverá em inglês.
Algumas dicas para leitura em língua estrangeira:
começar, Mônica’s Gang, Twitter, MEO, não traduzir
tudo, seriados etc.
http://contabilidademq.blogspot.com.br/2013/10/algum
Dicas de escrita
http://contabilidadefinanceira.tumblr.com/post/1302920
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Como acompanhar a literatura da sua área
19
1) Cadastro de email nas principais revistas da
área;
2) Alertas no Google Acadêmico para os
principais autores da área: alerta para novos
artigos e novas citações;
3) Alertas no Google normal e no acadêmico
para o tema da pesquisa; e
4) Seguir os principais autores da área nas
redes sociais, como Facebook, ResearchGate
(RG), Linkedin etc. Eu tenho gostado muito da
RG. Recomendo que façam uma conta por lá
também.
http://contabilidademq.blogspot.com.br/201
6/07/como-acompanhar-as-publicacoes.html
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Cuidado com as referências!
20
Principalmente apuds e usar citações indiretas sem ler o trabalho original
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Não faça citações em lotes desorganizados
21
Lote desorganizado:
Existem evidências de que as IFRSs melhoraram a qualidade das
informações contábeis em diversos países como Brasil, Alemanha,
Inglaterra, porém depende, em alguns casos, do enforcement, da
qualidade do órgão regulador, dos auditores, entre outros fatores
(AUTOR 1, 2010; AUTOR 2, 2010; AUTOR 3, 2015; AUTOR 4, 2015,
AUTOR 5, 2015, AUTOR 6, 2016).
Lote organizado:
Algumas pesquisas evidenciaram que o uso das IFRSs melhorou a
qualidade das informações contábeis, a exemplo do Brasil (AUTOR 3,
2015; AUTOR 4, 2015; AUTOR 5, 2015), Alemanha (AUTOR 1, 2010) e
Inglaterra (AUTOR 2, 2010). Todavia, também existem evidências de que
o efeito das IFRSs na qualidade das informações contábeis pode variar,
de acordo com o enforcement (AUTOR 3, 2015), qualidade do órgão
regulador (AUTOR 1, 2010), qualidade dos auditores (AUTOR 2, 2010),
dentre outros fatores mais específicos (AUTOR 6, 2010).
http://contabilidademq.blogspot.com.br/2017/03/citacao-em-lote-o-
problema-e-solucao.html
Lote desorganizado
Lote organizado
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Comunicação entre os usuários
• NOSSA PRINCIPAL FALHA (em minha opinião!)!
• Nós escrevemos para quem? Para os usuários? Para nós mesmos? Para
os nossos pares?
• Sugestões:
– Devemos participar mais de eventos “técnicos”, escrevendo e apresentando com
uma linguagem que seja utilizada pelo mundo fora da Universidade.
– Escrever textos curtos e diretos sobre nossas pesquisas (e.g. USP-RP).
– Escrever blogs pessoais e divulgar seus textos de modo acessível em redes
sociais.
– Etc.
22
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Atenção às normas das Revistas
23
Na RECFin eu não vou rejeitar um artigo
porque está fora das normas (no máximo
enviarei um email solicitando o ajuste),
porém a não observância disso demonstra
descuido por parte dos autores.
“Se eles não cuidaram disso, talvez não
tenham tido cuidado com o resto.”
Tenho recebido muitas submissões fora das
normas:
1)Verifique as “diretrizes aos autores” antes
de qualquer submissão;
2)Faça mais uma revisão ortográfica e
gramatical;
3)Veja o estilo dos artigos publicados na
última edição da revista, como eles estão
escritos e formatados; e
4)Não tenha receio de conversar
com o Editor da Revista.
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Preste bem a atenção às normas das Revistas
24
Critérios da EAR (faço algo semelhante na
RECFin):
1.O artigo está dentro do escopo da revista?
2.Os conteúdos (revisão da literatura,
desenvolvimento conceitual, metodologia,
análise e conclusões) são adequados e
indicam uma potencial contribuição à
literatura?
3.O formato, sintaxe e gramática são
consistentes com as políticas e expectativas
da revista?
http://contabilidademq.blogspot.com.br/201
7/04/por-que-os-artigos-levam-desk-
rejection.html
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Ética e compromisso com o orientador
• Pesquise com ética: existem softwares para detectar plágio (UM
CONSELHO);
• Tenha ética com você mesmo: faça um trabalho com dedicação; e
• Quando aprovar a monografia/dissertação/tese submeta a algum
evento e depois a alguma revista.
25
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Finalizando…
CONSIDERAÇÕES FINAIS
Really, a conclusions section should not be necessary. (…)
(John Cochrane).
Independente do que você fizer,
sempre haverá alguém para criticar
o seu trabalho… E isso é bom!
Boa sorte com a sua pesquisa!
26
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Referências adicionais
Todo pesquisador iniciante, doutorando e mestrando deveria ler os artigos
abaixo (antes mesmo de ingressar no Programa):
•BRADBURY, Michael E. Why you don’t get published: an editor’s
view. Accounting & Finance, v. 52, n. 2, p. 343-358, 2012.
•COCHRANE, John H. Writing tips for Ph.D. students. University of Chicago,
2005.
•EVANS, John Harry et al. Points to Consider When Self-Assessing Your Empirical
Accounting Research. Contemporary Accounting Research, v. 32, n. 3, p. 1162-
1192, 2015.
27
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
it
k
k
ktk
k
kitk
j
jitjit XCustosIncAD εθθθ γ ++++= ∑∑∑ =1
,,2,,10
youtube.com/contabilidademq
@felfelipepontes
@contabilidademq
Slideshare.net/felipepontes16
/pontesfelipe Se inscreva em nosso canal e
ative as notificações para não
perder nada!
Felipe Pontes
www.contabilidademq.com.br
Para ter acesso a mais conteúdos, acesse:
– Blogs
www.ContabilidadeMQ.com.br
www.FinancasAplicadasBrasil.blogspot.com
– Facebook:
www.facebook.com/ContabilidadeMQ
– Twitter:
www.twitter.com/ContabilidadeMQ
– YouTube:
www.youtube.com/ContabilidadeMQ
29

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mitos, (nem tao) verdades (assim) e aplicacoes de valuation
Mitos, (nem tao) verdades (assim) e aplicacoes de valuationMitos, (nem tao) verdades (assim) e aplicacoes de valuation
Mitos, (nem tao) verdades (assim) e aplicacoes de valuation
Felipe Pontes
 
Aplicando a técnica de Fermi para resolver problemas - Fermização
Aplicando a técnica de Fermi para resolver problemas - FermizaçãoAplicando a técnica de Fermi para resolver problemas - Fermização
Aplicando a técnica de Fermi para resolver problemas - Fermização
Felipe Pontes
 
EDUCAÇÃO FINANCEIRA E A PARTICIPAÇÃO DOS DISCENTES DA ÁREA DE NEGÓCIOS DA UFP...
EDUCAÇÃO FINANCEIRA E A PARTICIPAÇÃO DOS DISCENTES DA ÁREA DE NEGÓCIOS DA UFP...EDUCAÇÃO FINANCEIRA E A PARTICIPAÇÃO DOS DISCENTES DA ÁREA DE NEGÓCIOS DA UFP...
EDUCAÇÃO FINANCEIRA E A PARTICIPAÇÃO DOS DISCENTES DA ÁREA DE NEGÓCIOS DA UFP...
Felipe Pontes
 
Taxa livre de risco e prêmio pelo risco
Taxa livre de risco e prêmio pelo riscoTaxa livre de risco e prêmio pelo risco
Taxa livre de risco e prêmio pelo risco
Felipe Pontes
 
Introdução às finanças
Introdução às finançasIntrodução às finanças
Introdução às finanças
Felipe Pontes
 
Mitos, (nem tão) verdades (assim) e aplicações de valuation
Mitos, (nem tão) verdades (assim) e aplicações de valuationMitos, (nem tão) verdades (assim) e aplicações de valuation
Mitos, (nem tão) verdades (assim) e aplicações de valuation
Felipe Pontes
 
Modelagem financeira e demonstrações pro forma
Modelagem financeira e demonstrações pro formaModelagem financeira e demonstrações pro forma
Modelagem financeira e demonstrações pro forma
Felipe Pontes
 
Normatização contábil baseada em princípios, regras ou objetivos
Normatização contábil baseada em princípios, regras ou objetivosNormatização contábil baseada em princípios, regras ou objetivos
Normatização contábil baseada em princípios, regras ou objetivos
Felipe Pontes
 
Apresentação Finanças 2 - Valuation
Apresentação Finanças 2 - ValuationApresentação Finanças 2 - Valuation
Apresentação Finanças 2 - Valuation
Felipe Pontes
 
Mitos, (nem tão) verdades (assim) e aplicações de valuation
Mitos, (nem tão) verdades (assim) e aplicações de valuationMitos, (nem tão) verdades (assim) e aplicações de valuation
Mitos, (nem tão) verdades (assim) e aplicações de valuation
Felipe Pontes
 
Introdução e estatísticas descritivas
Introdução e estatísticas descritivasIntrodução e estatísticas descritivas
Introdução e estatísticas descritivas
Felipe Pontes
 
Modelagem financeira e balanco pro forma
Modelagem financeira e balanco pro forma  Modelagem financeira e balanco pro forma
Modelagem financeira e balanco pro forma
Felipe Pontes
 
Ciclo de vida e desempenho das empresas
Ciclo de vida e desempenho das empresasCiclo de vida e desempenho das empresas
Ciclo de vida e desempenho das empresas
Felipe Pontes
 
Onde coletar informações para analisar as empresas
Onde coletar informações para analisar as empresasOnde coletar informações para analisar as empresas
Onde coletar informações para analisar as empresas
Felipe Pontes
 
Análise crítica dos indicadores contábeis tradicionais parte 2
Análise crítica dos indicadores contábeis tradicionais parte 2Análise crítica dos indicadores contábeis tradicionais parte 2
Análise crítica dos indicadores contábeis tradicionais parte 2
Felipe Pontes
 
Mitos sobre investimentos: além da "seguranca" da poupanca e do "risco" da bolsa
Mitos sobre investimentos: além da "seguranca" da poupanca e do "risco" da bolsaMitos sobre investimentos: além da "seguranca" da poupanca e do "risco" da bolsa
Mitos sobre investimentos: além da "seguranca" da poupanca e do "risco" da bolsa
Felipe Pontes
 
APV e Custo do Capital
APV e Custo do CapitalAPV e Custo do Capital
APV e Custo do Capital
Felipe Pontes
 
Experiências com um ensino mais ativo em contabilidade e finanças
Experiências com um ensino mais ativo em contabilidade e finançasExperiências com um ensino mais ativo em contabilidade e finanças
Experiências com um ensino mais ativo em contabilidade e finanças
Felipe Pontes
 
VPL e Orçamento de Capital
VPL e Orçamento de CapitalVPL e Orçamento de Capital
VPL e Orçamento de Capital
Felipe Pontes
 
Curso de avaliação pelo fluxo de caixa descontado (Valuation)
Curso de avaliação pelo fluxo de caixa descontado (Valuation)Curso de avaliação pelo fluxo de caixa descontado (Valuation)
Curso de avaliação pelo fluxo de caixa descontado (Valuation)
Felipe Pontes
 

Mais procurados (20)

Mitos, (nem tao) verdades (assim) e aplicacoes de valuation
Mitos, (nem tao) verdades (assim) e aplicacoes de valuationMitos, (nem tao) verdades (assim) e aplicacoes de valuation
Mitos, (nem tao) verdades (assim) e aplicacoes de valuation
 
Aplicando a técnica de Fermi para resolver problemas - Fermização
Aplicando a técnica de Fermi para resolver problemas - FermizaçãoAplicando a técnica de Fermi para resolver problemas - Fermização
Aplicando a técnica de Fermi para resolver problemas - Fermização
 
EDUCAÇÃO FINANCEIRA E A PARTICIPAÇÃO DOS DISCENTES DA ÁREA DE NEGÓCIOS DA UFP...
EDUCAÇÃO FINANCEIRA E A PARTICIPAÇÃO DOS DISCENTES DA ÁREA DE NEGÓCIOS DA UFP...EDUCAÇÃO FINANCEIRA E A PARTICIPAÇÃO DOS DISCENTES DA ÁREA DE NEGÓCIOS DA UFP...
EDUCAÇÃO FINANCEIRA E A PARTICIPAÇÃO DOS DISCENTES DA ÁREA DE NEGÓCIOS DA UFP...
 
Taxa livre de risco e prêmio pelo risco
Taxa livre de risco e prêmio pelo riscoTaxa livre de risco e prêmio pelo risco
Taxa livre de risco e prêmio pelo risco
 
Introdução às finanças
Introdução às finançasIntrodução às finanças
Introdução às finanças
 
Mitos, (nem tão) verdades (assim) e aplicações de valuation
Mitos, (nem tão) verdades (assim) e aplicações de valuationMitos, (nem tão) verdades (assim) e aplicações de valuation
Mitos, (nem tão) verdades (assim) e aplicações de valuation
 
Modelagem financeira e demonstrações pro forma
Modelagem financeira e demonstrações pro formaModelagem financeira e demonstrações pro forma
Modelagem financeira e demonstrações pro forma
 
Normatização contábil baseada em princípios, regras ou objetivos
Normatização contábil baseada em princípios, regras ou objetivosNormatização contábil baseada em princípios, regras ou objetivos
Normatização contábil baseada em princípios, regras ou objetivos
 
Apresentação Finanças 2 - Valuation
Apresentação Finanças 2 - ValuationApresentação Finanças 2 - Valuation
Apresentação Finanças 2 - Valuation
 
Mitos, (nem tão) verdades (assim) e aplicações de valuation
Mitos, (nem tão) verdades (assim) e aplicações de valuationMitos, (nem tão) verdades (assim) e aplicações de valuation
Mitos, (nem tão) verdades (assim) e aplicações de valuation
 
Introdução e estatísticas descritivas
Introdução e estatísticas descritivasIntrodução e estatísticas descritivas
Introdução e estatísticas descritivas
 
Modelagem financeira e balanco pro forma
Modelagem financeira e balanco pro forma  Modelagem financeira e balanco pro forma
Modelagem financeira e balanco pro forma
 
Ciclo de vida e desempenho das empresas
Ciclo de vida e desempenho das empresasCiclo de vida e desempenho das empresas
Ciclo de vida e desempenho das empresas
 
Onde coletar informações para analisar as empresas
Onde coletar informações para analisar as empresasOnde coletar informações para analisar as empresas
Onde coletar informações para analisar as empresas
 
Análise crítica dos indicadores contábeis tradicionais parte 2
Análise crítica dos indicadores contábeis tradicionais parte 2Análise crítica dos indicadores contábeis tradicionais parte 2
Análise crítica dos indicadores contábeis tradicionais parte 2
 
Mitos sobre investimentos: além da "seguranca" da poupanca e do "risco" da bolsa
Mitos sobre investimentos: além da "seguranca" da poupanca e do "risco" da bolsaMitos sobre investimentos: além da "seguranca" da poupanca e do "risco" da bolsa
Mitos sobre investimentos: além da "seguranca" da poupanca e do "risco" da bolsa
 
APV e Custo do Capital
APV e Custo do CapitalAPV e Custo do Capital
APV e Custo do Capital
 
Experiências com um ensino mais ativo em contabilidade e finanças
Experiências com um ensino mais ativo em contabilidade e finançasExperiências com um ensino mais ativo em contabilidade e finanças
Experiências com um ensino mais ativo em contabilidade e finanças
 
VPL e Orçamento de Capital
VPL e Orçamento de CapitalVPL e Orçamento de Capital
VPL e Orçamento de Capital
 
Curso de avaliação pelo fluxo de caixa descontado (Valuation)
Curso de avaliação pelo fluxo de caixa descontado (Valuation)Curso de avaliação pelo fluxo de caixa descontado (Valuation)
Curso de avaliação pelo fluxo de caixa descontado (Valuation)
 

Semelhante a Pesquisa em contabilidade dicas e falhas comuns

Pesquisa em contabilidade: dicas e falhas comuns
Pesquisa em contabilidade: dicas e falhas comunsPesquisa em contabilidade: dicas e falhas comuns
Pesquisa em contabilidade: dicas e falhas comuns
Felipe Pontes
 
Divulgação do PPGCC e Eventos da UFPB 2015
Divulgação do PPGCC e Eventos da UFPB 2015Divulgação do PPGCC e Eventos da UFPB 2015
Divulgação do PPGCC e Eventos da UFPB 2015
Felipe Pontes
 
SEMINARIO DE PESQUISA
SEMINARIO DE PESQUISA SEMINARIO DE PESQUISA
SEMINARIO DE PESQUISA
Karlla Costa
 
TCC I
TCC ITCC I
Introdução às finanças
Introdução às finançasIntrodução às finanças
Introdução às finanças
Felipe Pontes
 
Minicurso - Pré-projeto Descomplicado
Minicurso - Pré-projeto DescomplicadoMinicurso - Pré-projeto Descomplicado
Minicurso - Pré-projeto Descomplicado
Diogo Pereira
 
Apresentação e discussão sobre estudos de caso
Apresentação e discussão sobre estudos de casoApresentação e discussão sobre estudos de caso
Apresentação e discussão sobre estudos de caso
Felipe Pontes
 
Reflexões sobre o terceiro ciclo dirigidas para alunos de doutoramento
Reflexões sobre o terceiro ciclo dirigidas para alunos de doutoramentoReflexões sobre o terceiro ciclo dirigidas para alunos de doutoramento
Reflexões sobre o terceiro ciclo dirigidas para alunos de doutoramento
Luis Borges Gouveia
 
Unidade 2
Unidade 2Unidade 2
Unidade 2
Daniele Moura
 
O princípio do fim
O princípio do fimO princípio do fim
O princípio do fim
Felipe Pontes
 
Monografia e tcc r$ 310,00 whatsapp (21) 97478 9561 monografiatcc99@gmail.com...
Monografia e tcc r$ 310,00 whatsapp (21) 97478 9561 monografiatcc99@gmail.com...Monografia e tcc r$ 310,00 whatsapp (21) 97478 9561 monografiatcc99@gmail.com...
Monografia e tcc r$ 310,00 whatsapp (21) 97478 9561 monografiatcc99@gmail.com...
Leandro Benevides
 
Pesquisa no Mundo Real.pdf
Pesquisa no Mundo Real.pdfPesquisa no Mundo Real.pdf
Pesquisa no Mundo Real.pdf
MichaelCorleone40
 
Manual de projeto_2011
Manual de projeto_2011Manual de projeto_2011
Manual de projeto_2011
Daniele Moura
 
Pesquisa exploratoria
Pesquisa exploratoriaPesquisa exploratoria
Pesquisa exploratoria
Solange Soares
 
A pesquisa exploratoria
A pesquisa exploratoriaA pesquisa exploratoria
A pesquisa exploratoria
Solange Soares
 
Introdução às finanças
Introdução às finançasIntrodução às finanças
Introdução às finanças
Felipe Pontes
 
Planejamento, Execução e Controle de Projetos (10/03/2015)
Planejamento, Execução e Controle de Projetos (10/03/2015)Planejamento, Execução e Controle de Projetos (10/03/2015)
Planejamento, Execução e Controle de Projetos (10/03/2015)
Alessandro Almeida
 
2 - PPT1_aula sincrona.pptx
2 - PPT1_aula sincrona.pptx2 - PPT1_aula sincrona.pptx
2 - PPT1_aula sincrona.pptx
António Godinho
 
Apostila
ApostilaApostila
Apostila
leo2422
 
Como estudar
Como estudarComo estudar

Semelhante a Pesquisa em contabilidade dicas e falhas comuns (20)

Pesquisa em contabilidade: dicas e falhas comuns
Pesquisa em contabilidade: dicas e falhas comunsPesquisa em contabilidade: dicas e falhas comuns
Pesquisa em contabilidade: dicas e falhas comuns
 
Divulgação do PPGCC e Eventos da UFPB 2015
Divulgação do PPGCC e Eventos da UFPB 2015Divulgação do PPGCC e Eventos da UFPB 2015
Divulgação do PPGCC e Eventos da UFPB 2015
 
SEMINARIO DE PESQUISA
SEMINARIO DE PESQUISA SEMINARIO DE PESQUISA
SEMINARIO DE PESQUISA
 
TCC I
TCC ITCC I
TCC I
 
Introdução às finanças
Introdução às finançasIntrodução às finanças
Introdução às finanças
 
Minicurso - Pré-projeto Descomplicado
Minicurso - Pré-projeto DescomplicadoMinicurso - Pré-projeto Descomplicado
Minicurso - Pré-projeto Descomplicado
 
Apresentação e discussão sobre estudos de caso
Apresentação e discussão sobre estudos de casoApresentação e discussão sobre estudos de caso
Apresentação e discussão sobre estudos de caso
 
Reflexões sobre o terceiro ciclo dirigidas para alunos de doutoramento
Reflexões sobre o terceiro ciclo dirigidas para alunos de doutoramentoReflexões sobre o terceiro ciclo dirigidas para alunos de doutoramento
Reflexões sobre o terceiro ciclo dirigidas para alunos de doutoramento
 
Unidade 2
Unidade 2Unidade 2
Unidade 2
 
O princípio do fim
O princípio do fimO princípio do fim
O princípio do fim
 
Monografia e tcc r$ 310,00 whatsapp (21) 97478 9561 monografiatcc99@gmail.com...
Monografia e tcc r$ 310,00 whatsapp (21) 97478 9561 monografiatcc99@gmail.com...Monografia e tcc r$ 310,00 whatsapp (21) 97478 9561 monografiatcc99@gmail.com...
Monografia e tcc r$ 310,00 whatsapp (21) 97478 9561 monografiatcc99@gmail.com...
 
Pesquisa no Mundo Real.pdf
Pesquisa no Mundo Real.pdfPesquisa no Mundo Real.pdf
Pesquisa no Mundo Real.pdf
 
Manual de projeto_2011
Manual de projeto_2011Manual de projeto_2011
Manual de projeto_2011
 
Pesquisa exploratoria
Pesquisa exploratoriaPesquisa exploratoria
Pesquisa exploratoria
 
A pesquisa exploratoria
A pesquisa exploratoriaA pesquisa exploratoria
A pesquisa exploratoria
 
Introdução às finanças
Introdução às finançasIntrodução às finanças
Introdução às finanças
 
Planejamento, Execução e Controle de Projetos (10/03/2015)
Planejamento, Execução e Controle de Projetos (10/03/2015)Planejamento, Execução e Controle de Projetos (10/03/2015)
Planejamento, Execução e Controle de Projetos (10/03/2015)
 
2 - PPT1_aula sincrona.pptx
2 - PPT1_aula sincrona.pptx2 - PPT1_aula sincrona.pptx
2 - PPT1_aula sincrona.pptx
 
Apostila
ApostilaApostila
Apostila
 
Como estudar
Como estudarComo estudar
Como estudar
 

Mais de Felipe Pontes

Fraude e gerenciamento de resultados
Fraude e gerenciamento de resultadosFraude e gerenciamento de resultados
Fraude e gerenciamento de resultados
Felipe Pontes
 
Análise de crédito e previsão de insolvência
Análise de crédito e previsão de insolvênciaAnálise de crédito e previsão de insolvência
Análise de crédito e previsão de insolvência
Felipe Pontes
 
Análise por Indicadores Tradicionais - Parte 1
Análise por Indicadores Tradicionais - Parte 1Análise por Indicadores Tradicionais - Parte 1
Análise por Indicadores Tradicionais - Parte 1
Felipe Pontes
 
Caso Abdul - Revisão dos Princípios Básicos da Contabilidade
Caso Abdul - Revisão dos Princípios Básicos da ContabilidadeCaso Abdul - Revisão dos Princípios Básicos da Contabilidade
Caso Abdul - Revisão dos Princípios Básicos da Contabilidade
Felipe Pontes
 
Análise do negócio da empresa
Análise do negócio da empresaAnálise do negócio da empresa
Análise do negócio da empresa
Felipe Pontes
 
Análise prévia da contabilidade
Análise prévia da contabilidadeAnálise prévia da contabilidade
Análise prévia da contabilidade
Felipe Pontes
 
Análise do Relatório de Auditoria Antes da Análise das Demonstrações
Análise do Relatório de Auditoria Antes da Análise das DemonstraçõesAnálise do Relatório de Auditoria Antes da Análise das Demonstrações
Análise do Relatório de Auditoria Antes da Análise das Demonstrações
Felipe Pontes
 
Política de Dividendos e Modelo de Desconto de Dividendos
Política de Dividendos e Modelo de Desconto de DividendosPolítica de Dividendos e Modelo de Desconto de Dividendos
Política de Dividendos e Modelo de Desconto de Dividendos
Felipe Pontes
 
Orçamento de Capital e VPL
Orçamento de Capital e VPLOrçamento de Capital e VPL
Orçamento de Capital e VPL
Felipe Pontes
 
Fundos de Investimento Smart Beta
Fundos de Investimento Smart BetaFundos de Investimento Smart Beta
Fundos de Investimento Smart Beta
Felipe Pontes
 
Fundos de Investimento Imobiliário
Fundos de Investimento ImobiliárioFundos de Investimento Imobiliário
Fundos de Investimento Imobiliário
Felipe Pontes
 
Fundos de Investimento Long Biased, Long & Short e Long Only
Fundos de Investimento Long Biased, Long & Short e Long OnlyFundos de Investimento Long Biased, Long & Short e Long Only
Fundos de Investimento Long Biased, Long & Short e Long Only
Felipe Pontes
 
Fundos Multimercado
Fundos MultimercadoFundos Multimercado
Fundos Multimercado
Felipe Pontes
 

Mais de Felipe Pontes (13)

Fraude e gerenciamento de resultados
Fraude e gerenciamento de resultadosFraude e gerenciamento de resultados
Fraude e gerenciamento de resultados
 
Análise de crédito e previsão de insolvência
Análise de crédito e previsão de insolvênciaAnálise de crédito e previsão de insolvência
Análise de crédito e previsão de insolvência
 
Análise por Indicadores Tradicionais - Parte 1
Análise por Indicadores Tradicionais - Parte 1Análise por Indicadores Tradicionais - Parte 1
Análise por Indicadores Tradicionais - Parte 1
 
Caso Abdul - Revisão dos Princípios Básicos da Contabilidade
Caso Abdul - Revisão dos Princípios Básicos da ContabilidadeCaso Abdul - Revisão dos Princípios Básicos da Contabilidade
Caso Abdul - Revisão dos Princípios Básicos da Contabilidade
 
Análise do negócio da empresa
Análise do negócio da empresaAnálise do negócio da empresa
Análise do negócio da empresa
 
Análise prévia da contabilidade
Análise prévia da contabilidadeAnálise prévia da contabilidade
Análise prévia da contabilidade
 
Análise do Relatório de Auditoria Antes da Análise das Demonstrações
Análise do Relatório de Auditoria Antes da Análise das DemonstraçõesAnálise do Relatório de Auditoria Antes da Análise das Demonstrações
Análise do Relatório de Auditoria Antes da Análise das Demonstrações
 
Política de Dividendos e Modelo de Desconto de Dividendos
Política de Dividendos e Modelo de Desconto de DividendosPolítica de Dividendos e Modelo de Desconto de Dividendos
Política de Dividendos e Modelo de Desconto de Dividendos
 
Orçamento de Capital e VPL
Orçamento de Capital e VPLOrçamento de Capital e VPL
Orçamento de Capital e VPL
 
Fundos de Investimento Smart Beta
Fundos de Investimento Smart BetaFundos de Investimento Smart Beta
Fundos de Investimento Smart Beta
 
Fundos de Investimento Imobiliário
Fundos de Investimento ImobiliárioFundos de Investimento Imobiliário
Fundos de Investimento Imobiliário
 
Fundos de Investimento Long Biased, Long & Short e Long Only
Fundos de Investimento Long Biased, Long & Short e Long OnlyFundos de Investimento Long Biased, Long & Short e Long Only
Fundos de Investimento Long Biased, Long & Short e Long Only
 
Fundos Multimercado
Fundos MultimercadoFundos Multimercado
Fundos Multimercado
 

Último

Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
marcos oliveira
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
AntHropológicas Visual PPGA-UFPE
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 

Pesquisa em contabilidade dicas e falhas comuns

  • 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DAUNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBAPARAÍBA Pesquisa em Contabilidade: Dicas e Problemas Comuns Pesquisa em Contabilidade: Dicas e Problemas Comuns grggggggggggggggggggg Luiz Felipe de Araújo Pontes Girão Professor do Departamento de Finanças e Contabilidade da UFPB Editor Geral da Revista Evidenciação Contábil & Finanças (RECFin) Editor Associado da Brazilian Business Review (BBR) www.contabilidademq.com.br
  • 2. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Disponibilização dos slides • Os slides estarão disponíveis a partir das 21h30 no Blog ContabilidadeMQ: www.ContabilidadeMQ.com.br 2
  • 3. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Uma propaganda antes de iniciar • Conheça alguns projetos dos quais eu faço parte na UFPB: 1. Programa de Pós-Graduação em Contabilidade (Mestrado e Doutorado, com conceito 5): www.ccsa.ufpb.br/ppgcc 1. Revista Evidenciação Contábil & Finanças (B3 no Qualis CAPES, com prazo- meta de resposta final aos trabalhos de 90 dias): periodicos.ufpb.br/index.php/recfin 1. Projeto de Extensão Sala de Ações (agende visitas, palestras, cursos e “consultorias” pelo Blog): salaacoes.blogspot.com.br 3
  • 4. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Ideia da palestra • Palestra voltada para pessoas interessadas em pesquisa na área de ciências sociais aplicadas. • Trouxe aqui a minha experiência como autor, leitor, avaliador de artigos e editor de revista científica. • A maioria dos tópicos da palestra deram origem a um post no Blog ContabilidadeMQ (este post específico é atualizado desde 2015, com novos conteúdos): contabilidademq.blogspot.com.br/2015/09/21-dicas-sobre-como-escrever-sua.h 4
  • 5. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Por que pesquisar? • Pensem por 10 segundos... • Dois motivos fundamentais: 1. Resolver problemas práticos ou teóricos Como chegar no valor de uma empresa ou estimar o valor goodwill ou do capital intelectual (no meu primeiro ano de graduação eu tentei fazer isso...) 1. Criar ou testar teorias HME  Finanças Comportamentais // Testes de análise técnica e fundamentalista 5
  • 6. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br O que fazer para ter uma boa pesquisa? 1. Ter uma ideia viável; 2. Conhecer outros trabalhos que tiveram ideias semelhantes à sua; 3. Traçar os objetivos da pesquisa; 4. Ter uma teoria que sustente a sua ideia e seus resultados futuros; 5. Ter uma boa metodologia da pesquisa. 6 - Encontrei um trabalho muito parecido com a minha ideia, o que fazer?- Encontrei um trabalho muito parecido com a minha ideia, o que fazer? A LEITURA É ESSENCIAL
  • 7. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Além disso... ... DISCIPLINA!!... DISCIPLINA!! • Não faça o projeto de pesquisa com preguiça/de qualquer jeito. • Tente encontrar um orientador desde já (falaremos mais sobre isso). • Tenha um cronograma viável e siga-o! 7
  • 8. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br A escolha do orientador 1. Veja se ele é da sua área de pesquisa (isso não é uma condição necessária); 2. Veja o Currículo Lattes dele; 3. Veja se ele publica artigos; 4. Se os orientandos anteriores fizeram bons trabalhos; 5. Se ele é exigente; 6. Se ele tem tempo para isso (muito tempo disponível é ruim); 7. Etc. 8
  • 9. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Criação e lapidação da ideia de pesquisa 9 Como identificar uma questão de pesquisa? http://contabilidademq.blogspot.com. Tenho uma ideia geral para a monografia, mas não sei como especificar: o que fazer? http://contabilidademq.blogspot.c om.br/2013/09/tenho-uma-ideia- geral-para-monografia.html A ideia da pesquisa é a parte mais difícil Mas lapidá-la não é tão fácil LEITURA, MUITA COISA JÁ FEITA, RACIOCÍNIO, FOCO, PERSISTÊNCIA, CONVERSA, PENSAR, PENSAR...
  • 10. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Foco e persistência: características essenciais 10 Sobre o foco no trabalho e as qualidades do pesquisador http://contabilidademq.blogspot.com. Andrew Wiles deixou de participar de eventos, continuou apenas com suas atividades obrigatórias em Princeton, trabalhou muito em casa por muitos anos para resolver o problema de Fermat. Ele teve FOCO e PERSISTÊNCIA para chegar onde queria. A ideia da pesquisa é a parte mais difícil Mas lapidá-la não é tão fácil LEITURA, MUITA COISA JÁ FEITA, RACIOCÍNIO, FOCO, PERSISTÊNCIA, CONVERSA, PENSAR, PENSAR...
  • 11. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Metodologia da pesquisa O que é básico na seção da metodologia: 1. População e amostra; 2. Coleta e tratamento dos dados; 3. Definição das variáveis (proxies)*; 4. Definição dos modelos estatísticos*; e 5. Definição dos testes das hipóteses (em minha opinião as hipóteses em si devem estar no referencial teórico). 11
  • 12. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Metodologia da pesquisa • O que não é: • 3. METODOLOGIA Essa pesquisa é descritiva, segundo XXXX (2xxx) ela descreve uma determinada situação, um contexto. E também porque tem por premissa buscar a resolução de problemas melhorando as práticas por meio da observação, análise e descrições objetivas, através de entrevistas com peritos para a padronização de técnicas e validação de conteúdo (THOMAS; NELSON; SILVERMAN, 2007). 12 Isso é importante estudar inicialmente, mas a metodologia não é isso! Apesar de dar uma “peninha”, nem tudo o que estudamos deverá estar no trabalho final
  • 13. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Tipologia da pesquisa 13 Definir ou não definir a tipologia da pesquisa: eis a questão http://contabilidademq.blogspot.com. Eu não (mais) defino a tipologia da pesquisa nos meus artigos. Como editor, recomendo que não definam isso, para dar espaço ao que mais interessa: explicações metodológicas sobre como os resultados foram alcançados. A tipologia não mudará a minha interpretação dos resultados. Mas sempre tem alguém para pedir isso... A ideia da pesquisa é a parte mais difícil Mas lapidá-la não é tão fácil LEITURA, MUITA COISA JÁ FEITA, RACIOCÍNIO, FOCO, PERSISTÊNCIA, CONVERSA, PENSAR, PENSAR...
  • 14. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Não force uma metodologia, mas saia um pouco do comum 14 Em contabilidade nós costumamos ficar muito presos à análise de regressão, ANOVA, teste t, distribuição normal etc... Às vezes até forçadamente: “vamos fazer um artigo usando regressão quantílica?” Às vezes devemos buscar metodologias de outras áreas para resolver os nossos problemas, como a Análise de Redes Sociais para analisar fraudes. http://contabilidademq.blogspot.com. -0.06-0.04-0.020.000.02 ln(COBeps) 0 .1 .2 .3 .4 .5 .6 .7 .8 .9 1
  • 15. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Discuta sobre o seu artigo com o maior número de pessoas quanto for possível! 15 Por que nós não temos muito destaque na pesquisa internacional em contabilidade e finanças? Eu chutaria que um dos principais motivos é a falta de debate e a rapidez com que publicamos os artigos em revistas. Por que não existe debate entre os pesquisadores no Brasil? http://contabilidademq.blogspot.com.br/2013/05/por-que-nao 1)Os congressos aprovam muitos trabalhos, o que limita o tempo das discussões; 2)Os congressos, em geral, só aceitam artigos inéditos; 3)Não há muita conversa entre pesquisadores; 4)Etc;
  • 16. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Ajude-nos a te ajudar: seja objetivo! 16 Philip Low é o criador do iBrain, cuja ideia surgiu na sua tese de doutorado de 1 página, reconhecida como a menor tese da história. Em busca da objetividade nos trabalhos científicos http://contabilidademq.blogspot.com. Philip Low e Stephen Hawking
  • 17. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Ajude-me a te ajudar a me ajudar: é preciso explicar o básico? 17 Alguns avaliadores de artigos nos cobram para que expliquemos coisas que são básicas e já são até senso comum. Isso reduz a objetividade dos trabalhos e pode nos levar a perder relevância (porque as pessoas não lerão o trabalho). Costumo dizer que James Ohlson nunca publicaria seu artigo clássico no Brasil: ele não explica o senso comum. De repente pula de uma equação para a outra, porque aquilo era básico. http://contabilidademq.blogspot.com.br/2014/04/ohl
  • 18. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Busque referências e, se puder, escreva em inglês 18 Em geral, os melhores trabalhos estão publicados em inglês. E não é porque é “chique”, é pelo alcance. Se você quer escrever um artigo muito bom e quer que muitas pessoas leiam, você escreverá em inglês. Algumas dicas para leitura em língua estrangeira: começar, Mônica’s Gang, Twitter, MEO, não traduzir tudo, seriados etc. http://contabilidademq.blogspot.com.br/2013/10/algum Dicas de escrita http://contabilidadefinanceira.tumblr.com/post/1302920
  • 19. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Como acompanhar a literatura da sua área 19 1) Cadastro de email nas principais revistas da área; 2) Alertas no Google Acadêmico para os principais autores da área: alerta para novos artigos e novas citações; 3) Alertas no Google normal e no acadêmico para o tema da pesquisa; e 4) Seguir os principais autores da área nas redes sociais, como Facebook, ResearchGate (RG), Linkedin etc. Eu tenho gostado muito da RG. Recomendo que façam uma conta por lá também. http://contabilidademq.blogspot.com.br/201 6/07/como-acompanhar-as-publicacoes.html
  • 20. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Cuidado com as referências! 20 Principalmente apuds e usar citações indiretas sem ler o trabalho original
  • 21. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Não faça citações em lotes desorganizados 21 Lote desorganizado: Existem evidências de que as IFRSs melhoraram a qualidade das informações contábeis em diversos países como Brasil, Alemanha, Inglaterra, porém depende, em alguns casos, do enforcement, da qualidade do órgão regulador, dos auditores, entre outros fatores (AUTOR 1, 2010; AUTOR 2, 2010; AUTOR 3, 2015; AUTOR 4, 2015, AUTOR 5, 2015, AUTOR 6, 2016). Lote organizado: Algumas pesquisas evidenciaram que o uso das IFRSs melhorou a qualidade das informações contábeis, a exemplo do Brasil (AUTOR 3, 2015; AUTOR 4, 2015; AUTOR 5, 2015), Alemanha (AUTOR 1, 2010) e Inglaterra (AUTOR 2, 2010). Todavia, também existem evidências de que o efeito das IFRSs na qualidade das informações contábeis pode variar, de acordo com o enforcement (AUTOR 3, 2015), qualidade do órgão regulador (AUTOR 1, 2010), qualidade dos auditores (AUTOR 2, 2010), dentre outros fatores mais específicos (AUTOR 6, 2010). http://contabilidademq.blogspot.com.br/2017/03/citacao-em-lote-o- problema-e-solucao.html Lote desorganizado Lote organizado
  • 22. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Comunicação entre os usuários • NOSSA PRINCIPAL FALHA (em minha opinião!)! • Nós escrevemos para quem? Para os usuários? Para nós mesmos? Para os nossos pares? • Sugestões: – Devemos participar mais de eventos “técnicos”, escrevendo e apresentando com uma linguagem que seja utilizada pelo mundo fora da Universidade. – Escrever textos curtos e diretos sobre nossas pesquisas (e.g. USP-RP). – Escrever blogs pessoais e divulgar seus textos de modo acessível em redes sociais. – Etc. 22
  • 23. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Atenção às normas das Revistas 23 Na RECFin eu não vou rejeitar um artigo porque está fora das normas (no máximo enviarei um email solicitando o ajuste), porém a não observância disso demonstra descuido por parte dos autores. “Se eles não cuidaram disso, talvez não tenham tido cuidado com o resto.” Tenho recebido muitas submissões fora das normas: 1)Verifique as “diretrizes aos autores” antes de qualquer submissão; 2)Faça mais uma revisão ortográfica e gramatical; 3)Veja o estilo dos artigos publicados na última edição da revista, como eles estão escritos e formatados; e 4)Não tenha receio de conversar com o Editor da Revista.
  • 24. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Preste bem a atenção às normas das Revistas 24 Critérios da EAR (faço algo semelhante na RECFin): 1.O artigo está dentro do escopo da revista? 2.Os conteúdos (revisão da literatura, desenvolvimento conceitual, metodologia, análise e conclusões) são adequados e indicam uma potencial contribuição à literatura? 3.O formato, sintaxe e gramática são consistentes com as políticas e expectativas da revista? http://contabilidademq.blogspot.com.br/201 7/04/por-que-os-artigos-levam-desk- rejection.html
  • 25. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Ética e compromisso com o orientador • Pesquise com ética: existem softwares para detectar plágio (UM CONSELHO); • Tenha ética com você mesmo: faça um trabalho com dedicação; e • Quando aprovar a monografia/dissertação/tese submeta a algum evento e depois a alguma revista. 25
  • 26. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Finalizando… CONSIDERAÇÕES FINAIS Really, a conclusions section should not be necessary. (…) (John Cochrane). Independente do que você fizer, sempre haverá alguém para criticar o seu trabalho… E isso é bom! Boa sorte com a sua pesquisa! 26
  • 27. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Referências adicionais Todo pesquisador iniciante, doutorando e mestrando deveria ler os artigos abaixo (antes mesmo de ingressar no Programa): •BRADBURY, Michael E. Why you don’t get published: an editor’s view. Accounting & Finance, v. 52, n. 2, p. 343-358, 2012. •COCHRANE, John H. Writing tips for Ph.D. students. University of Chicago, 2005. •EVANS, John Harry et al. Points to Consider When Self-Assessing Your Empirical Accounting Research. Contemporary Accounting Research, v. 32, n. 3, p. 1162- 1192, 2015. 27
  • 28. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br it k k ktk k kitk j jitjit XCustosIncAD εθθθ γ ++++= ∑∑∑ =1 ,,2,,10 youtube.com/contabilidademq @felfelipepontes @contabilidademq Slideshare.net/felipepontes16 /pontesfelipe Se inscreva em nosso canal e ative as notificações para não perder nada!
  • 29. Felipe Pontes www.contabilidademq.com.br Para ter acesso a mais conteúdos, acesse: – Blogs www.ContabilidadeMQ.com.br www.FinancasAplicadasBrasil.blogspot.com – Facebook: www.facebook.com/ContabilidadeMQ – Twitter: www.twitter.com/ContabilidadeMQ – YouTube: www.youtube.com/ContabilidadeMQ 29