SlideShare uma empresa Scribd logo
Joel Jorge Murabiua
Maira Ana Malaia
Quina Rosário Aquimo
Processos Psíquicos Cognitivos – Pensamento e Imaginação
5º Grupo
(Licenciatura em ensino de Português)
Universidade Rovuma
Lichinga
2021
Joel Jorge Murabiua
Maira Ana Malaia
Quina Rosário Aquimo
Processos Psíquicos Cognitivos – Pensamento e Imaginação
Trabalho de Psicologia Geral, a
ser apresentado ao
departamento de Letras e
Ciências Sociais para fins
avaliativos, leccionado pelo:
Msc. Fernando Pinto
Universidade Rovuma
Lichinga
2021
Índice
1. Introdução......................................................................................................................... 3
2. Processos psíquicos cognitivos .......................................................................................... 4
2.1. Pensamento ................................................................................................................ 4
2.1.1.Definição ............................................................................................................... 5
2.1.2.Características........................................................................................................5
2.1.3.Latência ................................................................................................................. 6
2.1.4.Classificação..........................................................................................................6
2.1.5.Transtornos no curso do pensamento......................................................................8
2.1.5.1.Transtornos da velocidade............................................................................... 8
2.1.5.2.Transtornos da forma....................................................................................... 8
2.1.5.3.Transtornos de conteúdo de pensamento.......................................................... 9
2.1.6.Importância do Pensamento ................................................................................. 10
2.2. Imaginação............................................................................................................... 10
2.2.1.A formação das imagens mentais na psicologia cognitiva..................................... 12
2.2.2.As descobertas experimentais............................................................................... 13
2.2.3.Importância da Imaginação .................................................................................. 14
3. Conclusão........................................................................................................................ 15
4. Referências Bibliográficas............................................................................................... 16
3
1. Introdução
As investigações realizadas no âmbito da psicologia cognitiva nas áreas da
aprendizagem e memória humanas têm implicações importantes a nível escolar.
Numa perspectiva cognitiva, a aprendizagem é concebida em termos de aquisição de
novas informações e a sua integração no conjunto de conhecimentos existentes. Aprender
porém não se limita apenas à aquisição de novas informações, mas tem ainda por objectivo
corrigir, aprofundar, alargar e reorganizar a nossa base de conhecimentos existentes.
O pensamento científico se diferencia do pensamento popular em vários aspectos. Por
exemplo, é importante saber produzir conhecimentos novos a partir dos velhos, como bem
destacado nas pesquisas sobre o papel das analogias formais e materiais no desenvolvimento
de modelos científicos. O pensamento que visa apreender os fenómenos naturais precisa ser
capaz de estabelecer relações causais nas explicações. O uso da linguagem nesse processo não
pode ser menosprezado, seja na escolha da forma adequada de organizar o conhecimento, seja
no uso da matemática como estruturante do pensamento.
No quotidiano, o termo imaginar é de uso amplo, podendo ter diferentes significados,
dependendo dos contextos em que é utilizado. Pode significar um ideal, como na expressão “a
profissão que só existe na minha imaginação”. Ou ainda, uma habilidade na solução de
problemas, como na expressão “use sua imaginação e encontre um meio de sairmos daqui!”.
4
2. PROCESSOS PSÍQUICOS COGNITIVOS
Cognição é a capacidade que os seres vivos têm de processar informações a partir da
percepção (estímulos que nos chegam do mundo exterior através dos sentidos), o
conhecimento adquirido com a experiência e as nossas características subjectivas que
possuímos. Permitir integrar todas essas informações para valorizar e interpretar o mundo. A
palavra cognição vem do latim “cognoscere”, que significa conhecimento. Portanto, quando
falamos sobre o cognitivo, geralmente estamos a referir-nos a tudo que pertence ou está
relacionado ao conhecimento, isto é, o acúmulo de informações que adquirimos graças à
aprendizagem ou à experiência.
MAYER (1981, apud BOTH, 1989), “define formalmente psicologia cognitiva como:
a análise científica do processo mental humano e estruturas (construção) com o objectivo de
entender o comportamento humano.” Para MOREIRA (2006), “a psicologia cognitiva trata
do modo como as pessoas percebem, aprendem, recordam e pensam sobre a informação.”
Os psicólogos cognitivos estudam as bases biológicas da cognição, quanto as imagens
mentais, a atenção, a consciência, a percepção, a memória, linguagem, a resolução de
problemas, a criatividade, a tomada de decisões, o raciocínio, as mudanças cognitivas durante
o desenvolvimento ao longo da vida, a inteligência humana, a inteligência artificial e vários
outros aspectos do pensamento humano. Apresentaremos o Pensamento e a Imaginação.
2.1. Pensamento
É a capacidade de compreender, formar conceitos e organizá-lo. Estabelece relações
entre os conceitos por meio de elementos de outras funções mentais (como as vistas
anteriormente), além de criar novas representações, ou seja, novos pensamentos. O
pensamento possibilita a associação de dados e sua transformação em informação estando
consequentemente associado com a resolução de problemas, tomadas de decisões e
julgamentos.
Aqui estamos diante de um processo muito complexo que na psicologia é definido
como o responsável por transformar a informação para organizá-la e lhe dar sentido. O estudo
do pensamento começou com a lógica aristotélica, mas esta não se mostrou eficaz para sua
análise, porque o ser humano não raciocinava com a lógica.
O raciocínio é um processo rápido, mas em certa medida impreciso, que nos permite
agir efectivamente em nosso ambiente. A função do pensamento hoje continua sendo um tema
5
controverso. Isto ocorre, em parte, devido à confusão terminológica existente ao seu redor.
Mesmo assim, a ideia mais aceita é a de que seu objectivo é actuar como mecanismo de
controlo diante das situações que nos são apresentadas.
Pensamento e pensar são, respectivamente, uma forma de processo mental ou faculdade do
sistema mental. Pensar permite aos seres modelarem sua percepção do mundo ao redor de si, e
com isso lidar com ele de uma forma efectiva e de acordo com
suas metas, planos e desejos. Palavras que se referem a conceitos e processos similares
incluem cognição, consciência, ideia, e imaginação. O pensamento é considerado a expressão
mais “palpável” do espírito humano, pois através de imagens e ideias revelam justamente a
vontade deste. PECOTCHE & BERNARDO (2005)
O pensamento é fundamental no processo de aprendizagem (vide Piaget). O
pensamento é construtor e construtivo do conhecimento.
Conforme PECOTCHE & BERNARDO (2005), “O principal veículo do processo de
conscientização é o pensamento. A actividade de pensar confere ao homem "asas" para
mover-se no mundo e "raízes" para aprofundar-se na realidade.”
Etimologicamente, pensar significa avaliar o peso de alguma coisa. Em sentido amplo,
podemos dizer que o pensamento tem como missão tornar-se avaliador da realidade.
2.1.1.Definição
Em linguagem comum, a palavra pensar cobre numeroso e diversas actividades
psicológicas. É às vezes um sinónimo de “tender a acreditar”, especialmente se não for com
total confiança (“Eu acho que vai chover, mas não tenho certeza”). Outras vezes denota o
grau de atenção “Eu fiz isso sem pensar” ou qualquer coisa que esteja na consciência,
especialmente se isso se referir a alguma coisa fora do ambiente imediato (“Isso me fez pensar
na minha avó”).
2.1.2.Características
 O pensamento lógico se caracteriza por operar mediante conceitos e raciocínios;
 Existem padrões que possuem um começo no pensamento e criam um final, isso
acontece em milésimos de segundos, por sua vez milhares de começos e finais fazem
disso um pensamento lógico;
 O pensar sempre responde a uma motivação, que pode estar originada no ambiente
natural, social, cultural ou no sujeito pensante;
6
 O pensar é uma resolução de problemas. A necessidade exige satisfação;
 O processo de pensamento lógico sempre segue uma determinada direcção;
 O processo de pensar se representa como uma totalidade coerente e organizada, no que
diz respeito a seus diversos aspectos, modalidades, elementos e etapas;
 O pensamento é simplesmente a arte de ordenar as matemáticas e expressá-las através
do sistema linguístico;
 As pessoas possuem uma tendência ao equilíbrio, uma espécie de impulso para o
crescimento, a saúde e ao ajuste. Existem uma série de condições que impedem e
bloqueiam esta tendência.
2.1.3.Latência
O pensamento pode ser caracterizado por exigir períodos de latência, nos quais as
actividades internas são suspensas ou interrompidas. Portanto, ele é somatório de actividades
incluídas na elaboração de estudos, de processos superiores da formação de conceitos, os
chamados conceitos cognitivos, da solução de problemas, do planeamento, do raciocínio e
da imaginação.
Conforme PECOTCHE & BERNARDO (2005), “O período de convergência do
pensamento pode ser caracterizado no momento em que o indivíduo se vê frente a novas
situações, cuja complexidade pode ser variável e para as quais não encontra esquemas de
resposta pré-montados ou pré-estruturados pela aprendizagem e ainda, cuja resposta não
é instintiva e sim, construída ou elaborada”.
Pode-se definir o pensamento como a faculdade de formular conceitos, para os quais
a actividade psíquica elabora os fenómenos cognitivos, imaginativos e planificativos, cujo
grau pode ser algo distinto tanto dos sentimentos como das vontades.
2.1.4.Classificação
Pensamento autista e realista: proposto por Eugen Bleuler, tem como base a relação
com o ambiente interno e externo:
 Autista: caracteriza as actividades internas não controladas por condições externas;
 Realista: rigorosamente controlado pela realidade externa.
Pensamento de produção, reprodução e verificação: Donald Olding Hebb propôs a
separação entre pensamento de produção e de verificação segundo o grau de impregnação
7
lógica relevado pelo processo, e Norman Maier, a divisão entre pensamento produtivo e
reprodutivo:
 Pensamento produtivo: consequência da integração de experiências previamente não
relacionadas;
 Pensamento reprodutivo: aplicação de experiências previamente adquiridas que
conduzem a uma solução correta em nova situação de impasse;
 Pensamento verificativo: tem como objectivo de verificação ou comprovação do
conhecimento;
Pensamento intuitivo, analítico e sintético: proposto por Jerome S. Bruner, tem como base
a origem do pensamento:
 Intuitivo: usa a intuição do indivíduo;
 Analítico: consiste em decompor o todo, em partes mais simples, que são mais
facilmente explicadas ou solucionadas;
 Sintético: é a reunião de um todo pela conjunção de suas partes.
Pensamento dedutivo e indutivo:
 Dedutivo: vai do geral ao particular. É uma forma de raciocínio em que se atinge a
conclusão a partir de uma ou várias premissas;
 Indutivo: é o processo inverso do pensamento dedutivo, é o que vai do particular ao
geral. A base é a figuração de que se algo é certo em algumas ocasiões, o será em
outras similares, mesmo que não se possam observar.
Outros tipos de pensamento:
 Pensamento criativo: aquele que se utiliza da criação ou modificação de algo,
introduzindo novidades, ou seja, a produção de novas ideias para criar ou modificar
algo existente;
 Pensamento sistémico: é uma visão completa de múltiplos elementos com suas
diversas inter-relações. Sistémico deriva da palavra sistema, o que nos indica que
devemos ver as coisas de uma forma inter-relacionada;
 Pensamento crítico: examina a estrutura dos raciocínios, e tem uma vertente analítica
e avaliativa. Tenta superar o aspecto mecânico do estudo da lógica;
8
 Pensamento interrogativo: é um pensamento com o que se faz as perguntas,
identificando o que interessa a alguém saber sobre um determinado tema.
2.1.5.Transtornos no curso do pensamento
Segundo SKINNER (2006), “O curso do pensamento é o caminho que segue o
pensamento para raciocinar, falar, informar, etc, e inclui a fluidez do pensamento, como se
formulam, organizam, e apresentam os pensamentos de um indivíduo. Em todo raciocínio há
um fio condutor que leva um pensamento a outro. Este fio pode conter falhas, que causam os
transtornos no curso de pensamento”.
2.1.5.1. Transtornos da velocidade
Os transtornos da velocidade incluem patologias que afectam a quantidade e a
velocidade dos pensamentos. Seus principais transtornos são os seguintes:
 Taquipsiquia - aceleração do curso do pensamento;
 Fuga de ideias - caso extremo da Taquipsiquia, em que o pensamento parece saltar
subitamente de um tema a outro;
 Bradipsiquia – lentificação do curso do pensamento;
 Bloqueio de pensamento, interrupção brusca do pensamento, o qual é reiniciado logo
após retomando o curso anterior ou, o que é mais comum, um curso diferente.
2.1.5.2. Transtornos da forma
Diz SKINNER (2006), que “os transtornos da forma propriamente dita incluem
patologias de direccionalidade e a continuidade do pensamento”. Os mais significativos
incluem:
 Pensamento circunstancial: quando a informação compartilhada é excessiva,
redundante e, geralmente, não relacionada com o tema;
 Pensamento divagatório;
 Pensamento tangencial;
 Pensamento prolixo: incapacidade de extrair os conteúdos mentais essenciais para
alcançar a conclusão do pensamento: mas sem perda da ideia directriz;
 Disgregação;
 Incoerência;
9
 Perseveração de pensamento: repetição periódica e automática de palavras
relacionadas com a ideia directriz, que são intercaladas no curso do pensamento
interferindo no seu fluxo;
 Pensamento rígido: o curso é perturbado pela persistência de uma ideia que tem
preferência e resistência em ser abandonada;
 Pensamento estereotipado: repetição de palavras ou frases que são intercaladas no
curso do pensamento, não participam do tema, não desviam e não interferem com a
ideia directriz. A fluidez do curso é normal;
 Pensamento verbigerado: repetição de palavras ou frases, que não participam do
pensamento, de forma intempestiva e automática, sem sentido e sem lógica;
 Pensamento desagregado: perda da soberania da ideia directriz.
2.1.5.3. Transtornos de conteúdo de pensamento
Os principais transtornos incluem:
 Pensamento incoerente: decorre de uma alteração da consciência (diminuição da
lucidez);
 Pensamento obsessivo;
 Pensamento delirante;
Percepção delirante: é a atribuição de um significado anormal a uma
percepção normal;
Ocorrência delirante: resulta de uma crença puramente subjectiva sobre si
mesmo e seus conteúdos podem ser místicos, de perseguição, de grandeza, de
prejuízo, de ciúmes, de influência e de relação;
Reacção deliróide: é baseada em um determinado e preciso estado de ânimo, a
partir do qual se tornam compreensíveis a significação e as referências
anormais.
 Preocupações;
 Ideias falsas: geralmente reversíveis;
 Ideias fobicas;
 Pensamento mágico.
10
2.1.6.Importância do Pensamento
 Ajuda o indivíduo a superar as suas dificuldades desde as mais triviais até as mais
complexas;
 Planificação e organização lógica dos procedimentos a ter em conta na aula;
 Reflexão sobre uma tarefa para encontrar as mais adequadas soluções;
 Mudança de métodos habituais de resolução de tarefas colocadas;
 Avaliação de diversas variantes de resolução para encontrar uma resolução mais
racional;
 É um factor de ligação entre o concreto e o abstracto.
2.2. Imaginação
É o processo psíquico cognitivo, exclusivo ao homem, mediante o qual se criam
(elaboram) imagens e noções que não existiam na experiência anterior, ou seja, a habilidade
que os indivíduos possuem de formar representações, construir imagens mentais a cerca do
mundo real ou mesmo de situações não directamente vivenciadas.
A base da imaginação são noções da memória que se completam por novas
percepções, transformando-se em novas percepções e noções.
De acordo com BRANN (1991), “os nomes que utilizamos para as funções
imaginativas agrupam-se em torno de duas palavras: fantasia, que é um termo de origem
grega, e imaginação, que é uma palavra de origem latina”. “A palavra imaginação é formada
pela palavra “imagem” (imago), e significa, originalmente, a capacidade de se ter ou de se
construir e manipular imagens mentais” (THOMAS, 1999). Este termo também está
associado à palavra latina imitatio. Desse modo, fica evidente o aspecto mimético da
imaginação, com relação aos dados advindos dos sentidos, pelo menos no que concerne à
origem etimológica do termo.
Outros termos importantes relacionados com o conceito de imaginação são:
 A formação de imagens mentais (mental imagery), que são os elementos
representacionais da mente vistos do ponto de vista de suas estruturas; a definição da
característica da formação de imagens mentais é uma preocupação da psicologia
cognitiva.
11
 A imagem mental, que é o produto da imaginação, é definida como uma experiência
quase-perceptual que se assemelha à experiência perceptual, mas que ocorre na
ausência do estímulo perceptual apropriado.
 Imaginar, que é o processo de formação de uma imagem fictícia complexa ou de um
mundo imaginário.
 Imagear, que é a formação de produtos imagéticos no espaço interno e externo e que
traz à tona o problema da espacialidade mental e da semelhança representacional.
As definições do termo imaginação surgem de diversos modos. Alguns desses modos
expressam uma experiência pessoal, outros representam a tentativa de defini-la enquanto uma
função única através da análise de várias de suas características. Essa multiplicidade de usos e
de definições da experiência imaginativa dificulta o seu entendimento. BRANN (1991), “nos
diz que a imaginação é uma palavra que designa “nada”, porque seu significado é muito
amplo”. CASEY (1979), “também afirma que a imaginação é uma palavra que surgiu para
prometer muito mais do que é capaz de cumprir”. Esses autores ressaltam o fato que existe
uma grande quantidade de definições para imaginação, o que faz com que a imaginação
abarque uma grande gama de sentidos.
De acordo com TAKAYA (2004), “dependendo da definição que se dá para o
conceito imaginação, outros termos podem ser associados com ele. Quando se define a
imaginação como a capacidade de formar imagens ou figuras mentais, pode-se associar a
imaginação com o pensamento icónico”.
Quando se define a imaginação como uma forma de pensamento diferente do
raciocínio linear, associa-se a imaginação com a intuição. Se a definirmos com ênfase
na inovação ou em algo novo, o termo se associa com a criatividade e a originalidade.
Muitas outras palavras também podem ser utilizadas com o termo imaginação, como
por exemplo, o fingimento, que vê a imaginação como a capacidade de fingir que um
objecto é outro ou que possui vida como no caso das crianças que imaginam que seus
brinquedos têm vida. TAKAYA (2004)
A definição da imaginação como fingimento (pretence) é ressaltada pelo filósofo
Gilbert Ryle (1949) que a define, basicamente, como uma capacidade de fingir, de agir como
se acreditássemos que um objecto que percebemos como tal fosse outro. Uma menina imagina
ver um sorriso na boca de sua boneca, apesar dela, de fato, não ver nenhum sorriso.
12
2.2.1.A formação das imagens mentais na psicologia cognitiva
Percebemos que a primeira acepção do termo imaginação traz à tona a questão da
formação das imagens mentais, por isso, para nós, faz-se necessário um entendimento de
como as imagens mentais se formam na mente. Compreendemos que considerar a imaginação
apenas como uma capacidade de se formar imagens mentais na ausência de estímulos
perceptuais restringe a imaginação a um âmbito pequeno.
“A imaginação se torna um objecto da ciência sob o nome de mental imagery”
(BRANN, 1991). O nome imagery implica no fato de se ter imagens mentais e não no modo
peculiar de ser das imagens nem de suas qualidades individuais. O adjectivo mental significa
que as imagens serão investigadas em termos de estruturas e processos da mente, que é vista
como uma função cerebral.
Um renovado interesse pela formação de imagens pela mente foi um componente
importante na denominada revolução cognitiva no campo da psicologia, que ocorreu
durante os anos 60 até o início dos anos 70. Este período foi marcado pelo abalo da
hegemonia behaviorista, corrente teórica de bastante sucesso na época, (que, de forma
bem sumária, privilegiava apenas o comportamento observável como fonte de dados
para o estudo psicológico) e também pela valorização do conceito de representação
mental, que ficou sendo considerado como um ponto central e vital para a teoria
psicológica (THOMAS, 2003).
A psicologia cognitiva é o campo no qual os experimentos com a formação de
imagens mentais (mental imagery) se realizam. De acordo com BRANN (1991), “a psicologia
cognitiva tem como visão unificadora o termo cognição, que nesta disciplina significa
considerar o ato de conhecer como um processamento de informação”.
A formação de imagens mentais seria uma experiência representacional. O seu próprio
nome implica em cópia e correspondência. A imagem mental é entendida pela psicologia
cognitiva como sendo uma representação, que é uma configuração espacial ou temporal de
símbolos e é considerada como tendo relação com outro elemento. Por ser algo de natureza
simbólica, uma imagem mental é, de certa forma, indefinida, pois sua definição advém através
das descrições que a determinaram ou pelas descrições que são feitas dela por aquele que as
interpreta.
13
2.2.2.As descobertas experimentais
De acordo com THOMAS (2003), “o interesse pela formação de imagens mentais
pelos pesquisadores experimentais da psicologia só começou a aumentar nos anos 60 por
conta da descoberta de que as imagens mentais teriam um grande efeito mnemónico, o que
levou o estudo da formação de imagens mentais (mental imagery) a se estabelecer como um
campo de estudos importante dentro da teoria cognitiva”.
No início dos anos 60, o psicólogo canadense Alan Paivio iniciou sua pesquisa sobre
os efeitos mnemónicos da formação de imagens mentais (mental imagery), que o levou a
propor a sua teoria dos dois códigos para a memória (dual coding). Para SADOSKI (1992), “a
principal afirmação da teoria dos dois códigos é que a cognição humana, em boa parte,
consiste na actividade de dois sistemas representacionais que seriam independentes, mas
parcialmente interconectados”.
De acordo com THOMAS (2003), “os resultados da extensa pesquisa experimental
realizada por Paivio poderiam ser resumidos, de forma bem sumária, em duas descobertas
principais”. A primeira delas foi a demonstração de que os sujeitos que seguem instruções
explícitas para utilizar técnicas mnemónicas simples, baseadas na formação de imagens
mentais para memorizar um material verbal (uma lista de palavras ou pares de palavras
dispostas aleatoriamente), lembram-se muito melhor desse material do que sujeitos que não
utilizaram estas técnicas.
A segunda contribuição de Paivio é ter demonstrado que a formação de imagens
mentais desempenha um grande papel na memória verbal, mesmo quando não são dadas
instruções explícitas para os testados e mesmo quando eles não fazem nenhum esforço para
isso. Para demonstrar isso, Paivio e seus colaboradores determinaram, inicialmente, valores
imagéticos iniciais para cada elemento de uma longa lista de nomes que estariam
relacionados, com a facilidade de se formar ou evocar uma imagem mental correspondente à
palavra.
Palavras como “gato”, por exemplo, teriam valores mais altos do que palavras mais
abstractas como “verdade”. Uma vez que estes valores foram estabelecidos, Paivio e seus
colaboradores foram capazes de demonstrar em vários experimentos que as palavras com
maiores valores foram lembradas um maior número de vezes do que as que possuíam valores
14
mais baixos, mesmo quando os sujeitos testados não faziam nenhum esforço consciente para
formar imagens mentais relevantes.
2.2.3.Importância da Imaginação
 Permite conceber o resultado do trabalho antes do início;
 Alarga os horizontes da memória e percepção;
 Permite antecipar e construir o futuro e o nível de desenvolvimento da capacidade
inventiva. É parte do processo técnico-científico, literário;
 Permite ao aluno estudar processos, fenómenos inacessíveis para a observação directa,
sua interpretação no quadro de diversas ligações e relações;
 Desenvolve nos alunos a atitude criadora através e da análise e compreensão do actual
estado da ciência.
15
3. Conclusão
Podemos dizer que a criação é um processo em que há o desenvolvimento de um
pensamento vinculado tanto aos conteúdos conceituais e teóricos, quanto aos objectivos
relacionados a construções de explicações e representações alternativas do mundo exterior.
Isso significa afirmar que o pensamento passa por etapas que visam tornar inteligíveis
objectos ou fenómenos desconhecidos. No entanto, é importante destacar que a existência
destas etapas não implica que elas sejam necessariamente contínuas e/ou puramente lógicas.
Contudo, buscou-se, com isso, caracterizar o papel da imaginação no pensamento
científico, levando-se em conta tanto os atributos psicológicos/individuais, que têm
importante participação na criação, quanto os atributos epistemológicos/colectivos, que
estabelecem a necessidade de um saber coerente e minimamente consensual com o que se
busca explicar. Contudo, o debate teórico sobre como considerar o papel da imaginação nesse
processo de criação ainda está longe de ser concluído. Ainda há pouco consenso sobre como
essa faceta do pensamento participa da actividade científica. A imaginação, para ser
“científica”, não pode ser uma actividade puramente livre. Por mais que seja um ato bastante
complexo e de grande subjectividade, por se relacionar com construção simbólica mental do
indivíduo, não pode estar desvinculada dos compromissos e dos valores da ciência.
16
4. Referências Bibliográficas
BRANN, E. T. H (1971). The World of Imagination: sum and substance, Rowman &
Littlefield Publishers
CASEY, E. S (1971). Imagination, Imagining and the Image. Pp 475- 490
Mayer, R.E,(1984). El futuro de la psicologia cognitiva. Madrid: Alianza
PECOTCHE, González & BERNARDO, Carlos (2005). Logosofia, Ciência e Método.
Editora Logosófica, 11ª edição, Lição III.
SADOSKI, M (1992). Imagination, Cognition and Persona. Pp 266 – 278
SKINNER, B. F (2006). Sobre o behaviorismo. São Paulo, Cultrix. p. 92
TAKAYA, K (2004). On the connections between Imagination and Education: Philosophical
and Pedagogical perspectives
THOMAS, N. J. T (1999).Cognitive Science. Pp 207-245

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cognição
CogniçãoCognição
Cognição
Anaí Peña
 
Gardner e as Inteligências Múltiplas
Gardner e as Inteligências MúltiplasGardner e as Inteligências Múltiplas
Gardner e as Inteligências Múltiplas
Grupo de Estudos em Aprendizagem e Cognição
 
O estudo do desenvolvimento humano
O estudo do desenvolvimento humanoO estudo do desenvolvimento humano
O estudo do desenvolvimento humano
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
Psicologia b – tema 2 percepção
Psicologia b – tema 2 percepçãoPsicologia b – tema 2 percepção
Psicologia b – tema 2 percepção
Silvia Revez
 
Tipos de aprendizagem
Tipos de aprendizagemTipos de aprendizagem
Tipos de aprendizagem
Luis De Sousa Rodrigues
 
Inteligência
InteligênciaInteligência
Inteligência
Jorge Barbosa
 
TRANSTORNOS DE APRENDIZAGEM
TRANSTORNOS DE APRENDIZAGEMTRANSTORNOS DE APRENDIZAGEM
TRANSTORNOS DE APRENDIZAGEM
Jane Quelhas
 
A Psicologia da Aprendizagem
A Psicologia da AprendizagemA Psicologia da Aprendizagem
A Psicologia da Aprendizagem
O Blog do Pedagogo
 
Vygotski
VygotskiVygotski
Palestra Semelhanças e diferenças entre Freud e Jung
Palestra Semelhanças e diferenças entre Freud e JungPalestra Semelhanças e diferenças entre Freud e Jung
Palestra Semelhanças e diferenças entre Freud e Jung
tacio111
 
Esquemas - Jean Piaget
Esquemas - Jean PiagetEsquemas - Jean Piaget
Esquemas - Jean Piaget
Gabriel De Oliveira Soares
 
Teorias da Inteligência
Teorias da InteligênciaTeorias da Inteligência
Teorias da Inteligência
Instituto Consciência GO
 
Filogénese e Ontogénese
Filogénese e OntogéneseFilogénese e Ontogénese
Filogénese e Ontogénese
Jorge Barbosa
 
Dinâmica da personalidade
Dinâmica da personalidadeDinâmica da personalidade
Dinâmica da personalidade
Jocum
 
Memória - Psicologia
Memória - PsicologiaMemória - Psicologia
Memória - Psicologia
Ana Felizardo
 
Processos Mentais 1 - A Percepção
Processos Mentais 1 - A PercepçãoProcessos Mentais 1 - A Percepção
Processos Mentais 1 - A Percepção
Jorge Barbosa
 
Howard gardner
Howard  gardnerHoward  gardner
Howard gardner
Felipe Mago
 
Apresentação percepção
Apresentação percepçãoApresentação percepção
Apresentação percepção
Mariana Rezende
 
Psicologia - A memória
Psicologia - A memóriaPsicologia - A memória
Psicologia - A memória
Olena Kolodiy
 
Processos Mentais 3 - Aprendizagem
Processos Mentais 3 - AprendizagemProcessos Mentais 3 - Aprendizagem
Processos Mentais 3 - Aprendizagem
Jorge Barbosa
 

Mais procurados (20)

Cognição
CogniçãoCognição
Cognição
 
Gardner e as Inteligências Múltiplas
Gardner e as Inteligências MúltiplasGardner e as Inteligências Múltiplas
Gardner e as Inteligências Múltiplas
 
O estudo do desenvolvimento humano
O estudo do desenvolvimento humanoO estudo do desenvolvimento humano
O estudo do desenvolvimento humano
 
Psicologia b – tema 2 percepção
Psicologia b – tema 2 percepçãoPsicologia b – tema 2 percepção
Psicologia b – tema 2 percepção
 
Tipos de aprendizagem
Tipos de aprendizagemTipos de aprendizagem
Tipos de aprendizagem
 
Inteligência
InteligênciaInteligência
Inteligência
 
TRANSTORNOS DE APRENDIZAGEM
TRANSTORNOS DE APRENDIZAGEMTRANSTORNOS DE APRENDIZAGEM
TRANSTORNOS DE APRENDIZAGEM
 
A Psicologia da Aprendizagem
A Psicologia da AprendizagemA Psicologia da Aprendizagem
A Psicologia da Aprendizagem
 
Vygotski
VygotskiVygotski
Vygotski
 
Palestra Semelhanças e diferenças entre Freud e Jung
Palestra Semelhanças e diferenças entre Freud e JungPalestra Semelhanças e diferenças entre Freud e Jung
Palestra Semelhanças e diferenças entre Freud e Jung
 
Esquemas - Jean Piaget
Esquemas - Jean PiagetEsquemas - Jean Piaget
Esquemas - Jean Piaget
 
Teorias da Inteligência
Teorias da InteligênciaTeorias da Inteligência
Teorias da Inteligência
 
Filogénese e Ontogénese
Filogénese e OntogéneseFilogénese e Ontogénese
Filogénese e Ontogénese
 
Dinâmica da personalidade
Dinâmica da personalidadeDinâmica da personalidade
Dinâmica da personalidade
 
Memória - Psicologia
Memória - PsicologiaMemória - Psicologia
Memória - Psicologia
 
Processos Mentais 1 - A Percepção
Processos Mentais 1 - A PercepçãoProcessos Mentais 1 - A Percepção
Processos Mentais 1 - A Percepção
 
Howard gardner
Howard  gardnerHoward  gardner
Howard gardner
 
Apresentação percepção
Apresentação percepçãoApresentação percepção
Apresentação percepção
 
Psicologia - A memória
Psicologia - A memóriaPsicologia - A memória
Psicologia - A memória
 
Processos Mentais 3 - Aprendizagem
Processos Mentais 3 - AprendizagemProcessos Mentais 3 - Aprendizagem
Processos Mentais 3 - Aprendizagem
 

Semelhante a Pensamento e imaginacao

Pensamento
PensamentoPensamento
Pensamento
Amone Matandaudje
 
Trabalho psicologia
Trabalho psicologiaTrabalho psicologia
Trabalho psicologia
CaitoJorgeMurabiua2
 
Redescoberta da mente
Redescoberta da menteRedescoberta da mente
Redescoberta da mente
SUPORTE EDUCACIONAL
 
Redescoberta da mente
Redescoberta da menteRedescoberta da mente
Redescoberta da mente
SUPORTE EDUCACIONAL
 
Psicologias[1]
Psicologias[1]Psicologias[1]
Psicologias[1]
Rildo45
 
Inteligência, Memória e Percepção_Psicologia da Educação
Inteligência, Memória e Percepção_Psicologia da EducaçãoInteligência, Memória e Percepção_Psicologia da Educação
Inteligência, Memória e Percepção_Psicologia da Educação
Jemuel Araújo da Silva
 
Processos cognitivos1
Processos cognitivos1Processos cognitivos1
Processos cognitivos1
anamatos66
 
Trabalho de pares correçao
Trabalho de pares correçaoTrabalho de pares correçao
Trabalho de pares correçao
psicologiaazambuja
 
Terapia Cognitivo-Comportamental
Terapia Cognitivo-ComportamentalTerapia Cognitivo-Comportamental
Terapia Cognitivo-Comportamental
Arlei AJ
 
Alexandria.pptx
Alexandria.pptxAlexandria.pptx
Alexandria.pptx
armando jonas
 
A DIMENSÃO SOCIOCULTURAL DA MENTE
A DIMENSÃO SOCIOCULTURAL DA MENTEA DIMENSÃO SOCIOCULTURAL DA MENTE
A DIMENSÃO SOCIOCULTURAL DA MENTE
Vitor Manuel de Carvalho
 
Apostila EaD.doc
Apostila EaD.docApostila EaD.doc
Apostila EaD.doc
Edson Alves Torres
 
A Mente e o Significado - Jerome Bruner
A Mente e o Significado - Jerome BrunerA Mente e o Significado - Jerome Bruner
A Mente e o Significado - Jerome Bruner
Jorge Barbosa
 
Bruner-a-mente-e-o-significado
 Bruner-a-mente-e-o-significado Bruner-a-mente-e-o-significado
Bruner-a-mente-e-o-significado
Jessica Lopes
 
Artigo metodologia
Artigo metodologiaArtigo metodologia
Artigo metodologia
Claudenice Maria Nascimento
 
metacognição G slides.pptx
metacognição G slides.pptxmetacognição G slides.pptx
metacognição G slides.pptx
NancyNazarethGatzkeC2
 
INTRODUÇÃO À NEUROPSICOPEDAGOGIA - leitura
INTRODUÇÃO À NEUROPSICOPEDAGOGIA  - leituraINTRODUÇÃO À NEUROPSICOPEDAGOGIA  - leitura
INTRODUÇÃO À NEUROPSICOPEDAGOGIA - leitura
DouglasVasconcelosMa
 
Introdução-à-Neuropsicopedagogia-e-Neurofarmacologia.pdf
Introdução-à-Neuropsicopedagogia-e-Neurofarmacologia.pdfIntrodução-à-Neuropsicopedagogia-e-Neurofarmacologia.pdf
Introdução-à-Neuropsicopedagogia-e-Neurofarmacologia.pdf
ALFREDOGALLONETO
 
Abordagem integrativo interdisciplinar
Abordagem integrativo interdisciplinarAbordagem integrativo interdisciplinar
Abordagem integrativo interdisciplinar
Andreia Pessôa de Oliveira
 
a_gestalt_2.pdf
a_gestalt_2.pdfa_gestalt_2.pdf
a_gestalt_2.pdf
Vilciele
 

Semelhante a Pensamento e imaginacao (20)

Pensamento
PensamentoPensamento
Pensamento
 
Trabalho psicologia
Trabalho psicologiaTrabalho psicologia
Trabalho psicologia
 
Redescoberta da mente
Redescoberta da menteRedescoberta da mente
Redescoberta da mente
 
Redescoberta da mente
Redescoberta da menteRedescoberta da mente
Redescoberta da mente
 
Psicologias[1]
Psicologias[1]Psicologias[1]
Psicologias[1]
 
Inteligência, Memória e Percepção_Psicologia da Educação
Inteligência, Memória e Percepção_Psicologia da EducaçãoInteligência, Memória e Percepção_Psicologia da Educação
Inteligência, Memória e Percepção_Psicologia da Educação
 
Processos cognitivos1
Processos cognitivos1Processos cognitivos1
Processos cognitivos1
 
Trabalho de pares correçao
Trabalho de pares correçaoTrabalho de pares correçao
Trabalho de pares correçao
 
Terapia Cognitivo-Comportamental
Terapia Cognitivo-ComportamentalTerapia Cognitivo-Comportamental
Terapia Cognitivo-Comportamental
 
Alexandria.pptx
Alexandria.pptxAlexandria.pptx
Alexandria.pptx
 
A DIMENSÃO SOCIOCULTURAL DA MENTE
A DIMENSÃO SOCIOCULTURAL DA MENTEA DIMENSÃO SOCIOCULTURAL DA MENTE
A DIMENSÃO SOCIOCULTURAL DA MENTE
 
Apostila EaD.doc
Apostila EaD.docApostila EaD.doc
Apostila EaD.doc
 
A Mente e o Significado - Jerome Bruner
A Mente e o Significado - Jerome BrunerA Mente e o Significado - Jerome Bruner
A Mente e o Significado - Jerome Bruner
 
Bruner-a-mente-e-o-significado
 Bruner-a-mente-e-o-significado Bruner-a-mente-e-o-significado
Bruner-a-mente-e-o-significado
 
Artigo metodologia
Artigo metodologiaArtigo metodologia
Artigo metodologia
 
metacognição G slides.pptx
metacognição G slides.pptxmetacognição G slides.pptx
metacognição G slides.pptx
 
INTRODUÇÃO À NEUROPSICOPEDAGOGIA - leitura
INTRODUÇÃO À NEUROPSICOPEDAGOGIA  - leituraINTRODUÇÃO À NEUROPSICOPEDAGOGIA  - leitura
INTRODUÇÃO À NEUROPSICOPEDAGOGIA - leitura
 
Introdução-à-Neuropsicopedagogia-e-Neurofarmacologia.pdf
Introdução-à-Neuropsicopedagogia-e-Neurofarmacologia.pdfIntrodução-à-Neuropsicopedagogia-e-Neurofarmacologia.pdf
Introdução-à-Neuropsicopedagogia-e-Neurofarmacologia.pdf
 
Abordagem integrativo interdisciplinar
Abordagem integrativo interdisciplinarAbordagem integrativo interdisciplinar
Abordagem integrativo interdisciplinar
 
a_gestalt_2.pdf
a_gestalt_2.pdfa_gestalt_2.pdf
a_gestalt_2.pdf
 

Último

Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p..._jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
marcos oliveira
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
AngelicaCostaMeirele2
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Falcão Brasil
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 

Último (20)

Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p..._jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 

Pensamento e imaginacao

  • 1. Joel Jorge Murabiua Maira Ana Malaia Quina Rosário Aquimo Processos Psíquicos Cognitivos – Pensamento e Imaginação 5º Grupo (Licenciatura em ensino de Português) Universidade Rovuma Lichinga 2021
  • 2. Joel Jorge Murabiua Maira Ana Malaia Quina Rosário Aquimo Processos Psíquicos Cognitivos – Pensamento e Imaginação Trabalho de Psicologia Geral, a ser apresentado ao departamento de Letras e Ciências Sociais para fins avaliativos, leccionado pelo: Msc. Fernando Pinto Universidade Rovuma Lichinga 2021
  • 3. Índice 1. Introdução......................................................................................................................... 3 2. Processos psíquicos cognitivos .......................................................................................... 4 2.1. Pensamento ................................................................................................................ 4 2.1.1.Definição ............................................................................................................... 5 2.1.2.Características........................................................................................................5 2.1.3.Latência ................................................................................................................. 6 2.1.4.Classificação..........................................................................................................6 2.1.5.Transtornos no curso do pensamento......................................................................8 2.1.5.1.Transtornos da velocidade............................................................................... 8 2.1.5.2.Transtornos da forma....................................................................................... 8 2.1.5.3.Transtornos de conteúdo de pensamento.......................................................... 9 2.1.6.Importância do Pensamento ................................................................................. 10 2.2. Imaginação............................................................................................................... 10 2.2.1.A formação das imagens mentais na psicologia cognitiva..................................... 12 2.2.2.As descobertas experimentais............................................................................... 13 2.2.3.Importância da Imaginação .................................................................................. 14 3. Conclusão........................................................................................................................ 15 4. Referências Bibliográficas............................................................................................... 16
  • 4. 3 1. Introdução As investigações realizadas no âmbito da psicologia cognitiva nas áreas da aprendizagem e memória humanas têm implicações importantes a nível escolar. Numa perspectiva cognitiva, a aprendizagem é concebida em termos de aquisição de novas informações e a sua integração no conjunto de conhecimentos existentes. Aprender porém não se limita apenas à aquisição de novas informações, mas tem ainda por objectivo corrigir, aprofundar, alargar e reorganizar a nossa base de conhecimentos existentes. O pensamento científico se diferencia do pensamento popular em vários aspectos. Por exemplo, é importante saber produzir conhecimentos novos a partir dos velhos, como bem destacado nas pesquisas sobre o papel das analogias formais e materiais no desenvolvimento de modelos científicos. O pensamento que visa apreender os fenómenos naturais precisa ser capaz de estabelecer relações causais nas explicações. O uso da linguagem nesse processo não pode ser menosprezado, seja na escolha da forma adequada de organizar o conhecimento, seja no uso da matemática como estruturante do pensamento. No quotidiano, o termo imaginar é de uso amplo, podendo ter diferentes significados, dependendo dos contextos em que é utilizado. Pode significar um ideal, como na expressão “a profissão que só existe na minha imaginação”. Ou ainda, uma habilidade na solução de problemas, como na expressão “use sua imaginação e encontre um meio de sairmos daqui!”.
  • 5. 4 2. PROCESSOS PSÍQUICOS COGNITIVOS Cognição é a capacidade que os seres vivos têm de processar informações a partir da percepção (estímulos que nos chegam do mundo exterior através dos sentidos), o conhecimento adquirido com a experiência e as nossas características subjectivas que possuímos. Permitir integrar todas essas informações para valorizar e interpretar o mundo. A palavra cognição vem do latim “cognoscere”, que significa conhecimento. Portanto, quando falamos sobre o cognitivo, geralmente estamos a referir-nos a tudo que pertence ou está relacionado ao conhecimento, isto é, o acúmulo de informações que adquirimos graças à aprendizagem ou à experiência. MAYER (1981, apud BOTH, 1989), “define formalmente psicologia cognitiva como: a análise científica do processo mental humano e estruturas (construção) com o objectivo de entender o comportamento humano.” Para MOREIRA (2006), “a psicologia cognitiva trata do modo como as pessoas percebem, aprendem, recordam e pensam sobre a informação.” Os psicólogos cognitivos estudam as bases biológicas da cognição, quanto as imagens mentais, a atenção, a consciência, a percepção, a memória, linguagem, a resolução de problemas, a criatividade, a tomada de decisões, o raciocínio, as mudanças cognitivas durante o desenvolvimento ao longo da vida, a inteligência humana, a inteligência artificial e vários outros aspectos do pensamento humano. Apresentaremos o Pensamento e a Imaginação. 2.1. Pensamento É a capacidade de compreender, formar conceitos e organizá-lo. Estabelece relações entre os conceitos por meio de elementos de outras funções mentais (como as vistas anteriormente), além de criar novas representações, ou seja, novos pensamentos. O pensamento possibilita a associação de dados e sua transformação em informação estando consequentemente associado com a resolução de problemas, tomadas de decisões e julgamentos. Aqui estamos diante de um processo muito complexo que na psicologia é definido como o responsável por transformar a informação para organizá-la e lhe dar sentido. O estudo do pensamento começou com a lógica aristotélica, mas esta não se mostrou eficaz para sua análise, porque o ser humano não raciocinava com a lógica. O raciocínio é um processo rápido, mas em certa medida impreciso, que nos permite agir efectivamente em nosso ambiente. A função do pensamento hoje continua sendo um tema
  • 6. 5 controverso. Isto ocorre, em parte, devido à confusão terminológica existente ao seu redor. Mesmo assim, a ideia mais aceita é a de que seu objectivo é actuar como mecanismo de controlo diante das situações que nos são apresentadas. Pensamento e pensar são, respectivamente, uma forma de processo mental ou faculdade do sistema mental. Pensar permite aos seres modelarem sua percepção do mundo ao redor de si, e com isso lidar com ele de uma forma efectiva e de acordo com suas metas, planos e desejos. Palavras que se referem a conceitos e processos similares incluem cognição, consciência, ideia, e imaginação. O pensamento é considerado a expressão mais “palpável” do espírito humano, pois através de imagens e ideias revelam justamente a vontade deste. PECOTCHE & BERNARDO (2005) O pensamento é fundamental no processo de aprendizagem (vide Piaget). O pensamento é construtor e construtivo do conhecimento. Conforme PECOTCHE & BERNARDO (2005), “O principal veículo do processo de conscientização é o pensamento. A actividade de pensar confere ao homem "asas" para mover-se no mundo e "raízes" para aprofundar-se na realidade.” Etimologicamente, pensar significa avaliar o peso de alguma coisa. Em sentido amplo, podemos dizer que o pensamento tem como missão tornar-se avaliador da realidade. 2.1.1.Definição Em linguagem comum, a palavra pensar cobre numeroso e diversas actividades psicológicas. É às vezes um sinónimo de “tender a acreditar”, especialmente se não for com total confiança (“Eu acho que vai chover, mas não tenho certeza”). Outras vezes denota o grau de atenção “Eu fiz isso sem pensar” ou qualquer coisa que esteja na consciência, especialmente se isso se referir a alguma coisa fora do ambiente imediato (“Isso me fez pensar na minha avó”). 2.1.2.Características  O pensamento lógico se caracteriza por operar mediante conceitos e raciocínios;  Existem padrões que possuem um começo no pensamento e criam um final, isso acontece em milésimos de segundos, por sua vez milhares de começos e finais fazem disso um pensamento lógico;  O pensar sempre responde a uma motivação, que pode estar originada no ambiente natural, social, cultural ou no sujeito pensante;
  • 7. 6  O pensar é uma resolução de problemas. A necessidade exige satisfação;  O processo de pensamento lógico sempre segue uma determinada direcção;  O processo de pensar se representa como uma totalidade coerente e organizada, no que diz respeito a seus diversos aspectos, modalidades, elementos e etapas;  O pensamento é simplesmente a arte de ordenar as matemáticas e expressá-las através do sistema linguístico;  As pessoas possuem uma tendência ao equilíbrio, uma espécie de impulso para o crescimento, a saúde e ao ajuste. Existem uma série de condições que impedem e bloqueiam esta tendência. 2.1.3.Latência O pensamento pode ser caracterizado por exigir períodos de latência, nos quais as actividades internas são suspensas ou interrompidas. Portanto, ele é somatório de actividades incluídas na elaboração de estudos, de processos superiores da formação de conceitos, os chamados conceitos cognitivos, da solução de problemas, do planeamento, do raciocínio e da imaginação. Conforme PECOTCHE & BERNARDO (2005), “O período de convergência do pensamento pode ser caracterizado no momento em que o indivíduo se vê frente a novas situações, cuja complexidade pode ser variável e para as quais não encontra esquemas de resposta pré-montados ou pré-estruturados pela aprendizagem e ainda, cuja resposta não é instintiva e sim, construída ou elaborada”. Pode-se definir o pensamento como a faculdade de formular conceitos, para os quais a actividade psíquica elabora os fenómenos cognitivos, imaginativos e planificativos, cujo grau pode ser algo distinto tanto dos sentimentos como das vontades. 2.1.4.Classificação Pensamento autista e realista: proposto por Eugen Bleuler, tem como base a relação com o ambiente interno e externo:  Autista: caracteriza as actividades internas não controladas por condições externas;  Realista: rigorosamente controlado pela realidade externa. Pensamento de produção, reprodução e verificação: Donald Olding Hebb propôs a separação entre pensamento de produção e de verificação segundo o grau de impregnação
  • 8. 7 lógica relevado pelo processo, e Norman Maier, a divisão entre pensamento produtivo e reprodutivo:  Pensamento produtivo: consequência da integração de experiências previamente não relacionadas;  Pensamento reprodutivo: aplicação de experiências previamente adquiridas que conduzem a uma solução correta em nova situação de impasse;  Pensamento verificativo: tem como objectivo de verificação ou comprovação do conhecimento; Pensamento intuitivo, analítico e sintético: proposto por Jerome S. Bruner, tem como base a origem do pensamento:  Intuitivo: usa a intuição do indivíduo;  Analítico: consiste em decompor o todo, em partes mais simples, que são mais facilmente explicadas ou solucionadas;  Sintético: é a reunião de um todo pela conjunção de suas partes. Pensamento dedutivo e indutivo:  Dedutivo: vai do geral ao particular. É uma forma de raciocínio em que se atinge a conclusão a partir de uma ou várias premissas;  Indutivo: é o processo inverso do pensamento dedutivo, é o que vai do particular ao geral. A base é a figuração de que se algo é certo em algumas ocasiões, o será em outras similares, mesmo que não se possam observar. Outros tipos de pensamento:  Pensamento criativo: aquele que se utiliza da criação ou modificação de algo, introduzindo novidades, ou seja, a produção de novas ideias para criar ou modificar algo existente;  Pensamento sistémico: é uma visão completa de múltiplos elementos com suas diversas inter-relações. Sistémico deriva da palavra sistema, o que nos indica que devemos ver as coisas de uma forma inter-relacionada;  Pensamento crítico: examina a estrutura dos raciocínios, e tem uma vertente analítica e avaliativa. Tenta superar o aspecto mecânico do estudo da lógica;
  • 9. 8  Pensamento interrogativo: é um pensamento com o que se faz as perguntas, identificando o que interessa a alguém saber sobre um determinado tema. 2.1.5.Transtornos no curso do pensamento Segundo SKINNER (2006), “O curso do pensamento é o caminho que segue o pensamento para raciocinar, falar, informar, etc, e inclui a fluidez do pensamento, como se formulam, organizam, e apresentam os pensamentos de um indivíduo. Em todo raciocínio há um fio condutor que leva um pensamento a outro. Este fio pode conter falhas, que causam os transtornos no curso de pensamento”. 2.1.5.1. Transtornos da velocidade Os transtornos da velocidade incluem patologias que afectam a quantidade e a velocidade dos pensamentos. Seus principais transtornos são os seguintes:  Taquipsiquia - aceleração do curso do pensamento;  Fuga de ideias - caso extremo da Taquipsiquia, em que o pensamento parece saltar subitamente de um tema a outro;  Bradipsiquia – lentificação do curso do pensamento;  Bloqueio de pensamento, interrupção brusca do pensamento, o qual é reiniciado logo após retomando o curso anterior ou, o que é mais comum, um curso diferente. 2.1.5.2. Transtornos da forma Diz SKINNER (2006), que “os transtornos da forma propriamente dita incluem patologias de direccionalidade e a continuidade do pensamento”. Os mais significativos incluem:  Pensamento circunstancial: quando a informação compartilhada é excessiva, redundante e, geralmente, não relacionada com o tema;  Pensamento divagatório;  Pensamento tangencial;  Pensamento prolixo: incapacidade de extrair os conteúdos mentais essenciais para alcançar a conclusão do pensamento: mas sem perda da ideia directriz;  Disgregação;  Incoerência;
  • 10. 9  Perseveração de pensamento: repetição periódica e automática de palavras relacionadas com a ideia directriz, que são intercaladas no curso do pensamento interferindo no seu fluxo;  Pensamento rígido: o curso é perturbado pela persistência de uma ideia que tem preferência e resistência em ser abandonada;  Pensamento estereotipado: repetição de palavras ou frases que são intercaladas no curso do pensamento, não participam do tema, não desviam e não interferem com a ideia directriz. A fluidez do curso é normal;  Pensamento verbigerado: repetição de palavras ou frases, que não participam do pensamento, de forma intempestiva e automática, sem sentido e sem lógica;  Pensamento desagregado: perda da soberania da ideia directriz. 2.1.5.3. Transtornos de conteúdo de pensamento Os principais transtornos incluem:  Pensamento incoerente: decorre de uma alteração da consciência (diminuição da lucidez);  Pensamento obsessivo;  Pensamento delirante; Percepção delirante: é a atribuição de um significado anormal a uma percepção normal; Ocorrência delirante: resulta de uma crença puramente subjectiva sobre si mesmo e seus conteúdos podem ser místicos, de perseguição, de grandeza, de prejuízo, de ciúmes, de influência e de relação; Reacção deliróide: é baseada em um determinado e preciso estado de ânimo, a partir do qual se tornam compreensíveis a significação e as referências anormais.  Preocupações;  Ideias falsas: geralmente reversíveis;  Ideias fobicas;  Pensamento mágico.
  • 11. 10 2.1.6.Importância do Pensamento  Ajuda o indivíduo a superar as suas dificuldades desde as mais triviais até as mais complexas;  Planificação e organização lógica dos procedimentos a ter em conta na aula;  Reflexão sobre uma tarefa para encontrar as mais adequadas soluções;  Mudança de métodos habituais de resolução de tarefas colocadas;  Avaliação de diversas variantes de resolução para encontrar uma resolução mais racional;  É um factor de ligação entre o concreto e o abstracto. 2.2. Imaginação É o processo psíquico cognitivo, exclusivo ao homem, mediante o qual se criam (elaboram) imagens e noções que não existiam na experiência anterior, ou seja, a habilidade que os indivíduos possuem de formar representações, construir imagens mentais a cerca do mundo real ou mesmo de situações não directamente vivenciadas. A base da imaginação são noções da memória que se completam por novas percepções, transformando-se em novas percepções e noções. De acordo com BRANN (1991), “os nomes que utilizamos para as funções imaginativas agrupam-se em torno de duas palavras: fantasia, que é um termo de origem grega, e imaginação, que é uma palavra de origem latina”. “A palavra imaginação é formada pela palavra “imagem” (imago), e significa, originalmente, a capacidade de se ter ou de se construir e manipular imagens mentais” (THOMAS, 1999). Este termo também está associado à palavra latina imitatio. Desse modo, fica evidente o aspecto mimético da imaginação, com relação aos dados advindos dos sentidos, pelo menos no que concerne à origem etimológica do termo. Outros termos importantes relacionados com o conceito de imaginação são:  A formação de imagens mentais (mental imagery), que são os elementos representacionais da mente vistos do ponto de vista de suas estruturas; a definição da característica da formação de imagens mentais é uma preocupação da psicologia cognitiva.
  • 12. 11  A imagem mental, que é o produto da imaginação, é definida como uma experiência quase-perceptual que se assemelha à experiência perceptual, mas que ocorre na ausência do estímulo perceptual apropriado.  Imaginar, que é o processo de formação de uma imagem fictícia complexa ou de um mundo imaginário.  Imagear, que é a formação de produtos imagéticos no espaço interno e externo e que traz à tona o problema da espacialidade mental e da semelhança representacional. As definições do termo imaginação surgem de diversos modos. Alguns desses modos expressam uma experiência pessoal, outros representam a tentativa de defini-la enquanto uma função única através da análise de várias de suas características. Essa multiplicidade de usos e de definições da experiência imaginativa dificulta o seu entendimento. BRANN (1991), “nos diz que a imaginação é uma palavra que designa “nada”, porque seu significado é muito amplo”. CASEY (1979), “também afirma que a imaginação é uma palavra que surgiu para prometer muito mais do que é capaz de cumprir”. Esses autores ressaltam o fato que existe uma grande quantidade de definições para imaginação, o que faz com que a imaginação abarque uma grande gama de sentidos. De acordo com TAKAYA (2004), “dependendo da definição que se dá para o conceito imaginação, outros termos podem ser associados com ele. Quando se define a imaginação como a capacidade de formar imagens ou figuras mentais, pode-se associar a imaginação com o pensamento icónico”. Quando se define a imaginação como uma forma de pensamento diferente do raciocínio linear, associa-se a imaginação com a intuição. Se a definirmos com ênfase na inovação ou em algo novo, o termo se associa com a criatividade e a originalidade. Muitas outras palavras também podem ser utilizadas com o termo imaginação, como por exemplo, o fingimento, que vê a imaginação como a capacidade de fingir que um objecto é outro ou que possui vida como no caso das crianças que imaginam que seus brinquedos têm vida. TAKAYA (2004) A definição da imaginação como fingimento (pretence) é ressaltada pelo filósofo Gilbert Ryle (1949) que a define, basicamente, como uma capacidade de fingir, de agir como se acreditássemos que um objecto que percebemos como tal fosse outro. Uma menina imagina ver um sorriso na boca de sua boneca, apesar dela, de fato, não ver nenhum sorriso.
  • 13. 12 2.2.1.A formação das imagens mentais na psicologia cognitiva Percebemos que a primeira acepção do termo imaginação traz à tona a questão da formação das imagens mentais, por isso, para nós, faz-se necessário um entendimento de como as imagens mentais se formam na mente. Compreendemos que considerar a imaginação apenas como uma capacidade de se formar imagens mentais na ausência de estímulos perceptuais restringe a imaginação a um âmbito pequeno. “A imaginação se torna um objecto da ciência sob o nome de mental imagery” (BRANN, 1991). O nome imagery implica no fato de se ter imagens mentais e não no modo peculiar de ser das imagens nem de suas qualidades individuais. O adjectivo mental significa que as imagens serão investigadas em termos de estruturas e processos da mente, que é vista como uma função cerebral. Um renovado interesse pela formação de imagens pela mente foi um componente importante na denominada revolução cognitiva no campo da psicologia, que ocorreu durante os anos 60 até o início dos anos 70. Este período foi marcado pelo abalo da hegemonia behaviorista, corrente teórica de bastante sucesso na época, (que, de forma bem sumária, privilegiava apenas o comportamento observável como fonte de dados para o estudo psicológico) e também pela valorização do conceito de representação mental, que ficou sendo considerado como um ponto central e vital para a teoria psicológica (THOMAS, 2003). A psicologia cognitiva é o campo no qual os experimentos com a formação de imagens mentais (mental imagery) se realizam. De acordo com BRANN (1991), “a psicologia cognitiva tem como visão unificadora o termo cognição, que nesta disciplina significa considerar o ato de conhecer como um processamento de informação”. A formação de imagens mentais seria uma experiência representacional. O seu próprio nome implica em cópia e correspondência. A imagem mental é entendida pela psicologia cognitiva como sendo uma representação, que é uma configuração espacial ou temporal de símbolos e é considerada como tendo relação com outro elemento. Por ser algo de natureza simbólica, uma imagem mental é, de certa forma, indefinida, pois sua definição advém através das descrições que a determinaram ou pelas descrições que são feitas dela por aquele que as interpreta.
  • 14. 13 2.2.2.As descobertas experimentais De acordo com THOMAS (2003), “o interesse pela formação de imagens mentais pelos pesquisadores experimentais da psicologia só começou a aumentar nos anos 60 por conta da descoberta de que as imagens mentais teriam um grande efeito mnemónico, o que levou o estudo da formação de imagens mentais (mental imagery) a se estabelecer como um campo de estudos importante dentro da teoria cognitiva”. No início dos anos 60, o psicólogo canadense Alan Paivio iniciou sua pesquisa sobre os efeitos mnemónicos da formação de imagens mentais (mental imagery), que o levou a propor a sua teoria dos dois códigos para a memória (dual coding). Para SADOSKI (1992), “a principal afirmação da teoria dos dois códigos é que a cognição humana, em boa parte, consiste na actividade de dois sistemas representacionais que seriam independentes, mas parcialmente interconectados”. De acordo com THOMAS (2003), “os resultados da extensa pesquisa experimental realizada por Paivio poderiam ser resumidos, de forma bem sumária, em duas descobertas principais”. A primeira delas foi a demonstração de que os sujeitos que seguem instruções explícitas para utilizar técnicas mnemónicas simples, baseadas na formação de imagens mentais para memorizar um material verbal (uma lista de palavras ou pares de palavras dispostas aleatoriamente), lembram-se muito melhor desse material do que sujeitos que não utilizaram estas técnicas. A segunda contribuição de Paivio é ter demonstrado que a formação de imagens mentais desempenha um grande papel na memória verbal, mesmo quando não são dadas instruções explícitas para os testados e mesmo quando eles não fazem nenhum esforço para isso. Para demonstrar isso, Paivio e seus colaboradores determinaram, inicialmente, valores imagéticos iniciais para cada elemento de uma longa lista de nomes que estariam relacionados, com a facilidade de se formar ou evocar uma imagem mental correspondente à palavra. Palavras como “gato”, por exemplo, teriam valores mais altos do que palavras mais abstractas como “verdade”. Uma vez que estes valores foram estabelecidos, Paivio e seus colaboradores foram capazes de demonstrar em vários experimentos que as palavras com maiores valores foram lembradas um maior número de vezes do que as que possuíam valores
  • 15. 14 mais baixos, mesmo quando os sujeitos testados não faziam nenhum esforço consciente para formar imagens mentais relevantes. 2.2.3.Importância da Imaginação  Permite conceber o resultado do trabalho antes do início;  Alarga os horizontes da memória e percepção;  Permite antecipar e construir o futuro e o nível de desenvolvimento da capacidade inventiva. É parte do processo técnico-científico, literário;  Permite ao aluno estudar processos, fenómenos inacessíveis para a observação directa, sua interpretação no quadro de diversas ligações e relações;  Desenvolve nos alunos a atitude criadora através e da análise e compreensão do actual estado da ciência.
  • 16. 15 3. Conclusão Podemos dizer que a criação é um processo em que há o desenvolvimento de um pensamento vinculado tanto aos conteúdos conceituais e teóricos, quanto aos objectivos relacionados a construções de explicações e representações alternativas do mundo exterior. Isso significa afirmar que o pensamento passa por etapas que visam tornar inteligíveis objectos ou fenómenos desconhecidos. No entanto, é importante destacar que a existência destas etapas não implica que elas sejam necessariamente contínuas e/ou puramente lógicas. Contudo, buscou-se, com isso, caracterizar o papel da imaginação no pensamento científico, levando-se em conta tanto os atributos psicológicos/individuais, que têm importante participação na criação, quanto os atributos epistemológicos/colectivos, que estabelecem a necessidade de um saber coerente e minimamente consensual com o que se busca explicar. Contudo, o debate teórico sobre como considerar o papel da imaginação nesse processo de criação ainda está longe de ser concluído. Ainda há pouco consenso sobre como essa faceta do pensamento participa da actividade científica. A imaginação, para ser “científica”, não pode ser uma actividade puramente livre. Por mais que seja um ato bastante complexo e de grande subjectividade, por se relacionar com construção simbólica mental do indivíduo, não pode estar desvinculada dos compromissos e dos valores da ciência.
  • 17. 16 4. Referências Bibliográficas BRANN, E. T. H (1971). The World of Imagination: sum and substance, Rowman & Littlefield Publishers CASEY, E. S (1971). Imagination, Imagining and the Image. Pp 475- 490 Mayer, R.E,(1984). El futuro de la psicologia cognitiva. Madrid: Alianza PECOTCHE, González & BERNARDO, Carlos (2005). Logosofia, Ciência e Método. Editora Logosófica, 11ª edição, Lição III. SADOSKI, M (1992). Imagination, Cognition and Persona. Pp 266 – 278 SKINNER, B. F (2006). Sobre o behaviorismo. São Paulo, Cultrix. p. 92 TAKAYA, K (2004). On the connections between Imagination and Education: Philosophical and Pedagogical perspectives THOMAS, N. J. T (1999).Cognitive Science. Pp 207-245