SlideShare uma empresa Scribd logo
Alcoviteira
A Brizída Vaz representa as alcoviteiras existentes na época.  As alcoviteiras estavam inseridas no grupo social povo.  “ Seiscentos virgos postiços e  três arcas de feitiços que nom  podem mais levar. Três almários de mentir e cinco  cofres de enleos, e alguns  furtos alheos, assi em jóias de  vestir, guarda-roupa d'encobrir,  enfim – casa movediça, um  estrado de cortiça com dous  coxins d' encobrir.”
Não  podemos  esquecer, que  algumas  destas  raparigas, iam  para  esta  vida porque  precisavam  de  alimentar a família , de  sobreviver. Mas  muitas  delas iam, apenas,  para  terem  prazer.  Brízida Vaz  era  falsa, descarada, astuciosa , hipócrita, ladra, mentirosa  e meretriz .  Era  ela  que  transformava uma parte das raparigas (que  pertenciam  às  classes  sociais baixas) em “moças”, que “serviam”  os  grupos sociais  de  estatuto  baixo.  A  outra  parte  transformava-as  em “meninas”, que “serviam” os  grupos  sociais  de estatuto  alto.
O tipo de linguagem utilizado pela Alcoviteira é popular (calão) e familiar. Esta também tem um tipo de linguagem sedutor, da qual se servia para convencer e satisfazer os clientes.  Quando chegou ao caís, dirigiu-se à barca do Inferno, mas não quis entrar. Por isso foi até à barca do Anjo, na qual foi rejeitada. Foi então obrigada a embarcar na barca do Diabo.
A  Alcoviteira foi acusada de ter vivido uma má vida (prostituição), de ser falsa, de roubar, de feitiçaria e de ter má consciência religiosa. Para se defender argumentou que tinha tido uma vida mártir, que se dedicou aos outros e que arranjou muitas “meninas” para elementos do clero.
Bibliografia: http://4.bp.blogspot.com/_k6T8_us7YLQ/St2mKIK8t1I/AAAAAAAAAAU/T3efMJiIaHk/s320/alcoviteira%5B1%5D.jpg   http://anove.wikispaces.com/file/view/ALCOVITEIRA.jpg/32696638/ALCOVITEIRA.jpg http://www.esec-povoa-lanhoso.rcts.pt/ESPLv5/recursos/Port/textodramatico/Imagens/auto6.jpg http://3.bp.blogspot.com/_4qdG9wOtm7A/SRIQm1unwUI/AAAAAAAAGJU/93HRV3ZzqI8/s400/1930751.png http://www.notapositiva.com/trab_estudantes/trab_estudantes/portugues/portugues_trabalhos/autobarcainferno.htm Livro “Com Todas as Letras”, da Porto Editora
Trabalho realizado por: Maria Inês  e  Paula Neves  9ºB

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Auto da Barca do Inferno: Alcoviteira
Auto da Barca do Inferno: AlcoviteiraAuto da Barca do Inferno: Alcoviteira
Auto da Barca do Inferno: Alcoviteira
UAlg
 
Auto_Barca_Inferno_Alcoviteira
Auto_Barca_Inferno_AlcoviteiraAuto_Barca_Inferno_Alcoviteira
Auto_Barca_Inferno_Alcoviteira
sin3stesia
 
Auto da Barca do Inferno - Cena do onzeneiro
Auto da Barca do Inferno - Cena do onzeneiroAuto da Barca do Inferno - Cena do onzeneiro
Auto da Barca do Inferno - Cena do onzeneiro
Rita Galrito
 
Cena do onzeneiro
Cena do onzeneiroCena do onzeneiro
Cena do onzeneiro
José Ferreira
 
Onzeneiro
OnzeneiroOnzeneiro
Grelha de análise do auto da barca do inferno 9º
Grelha de análise do auto da barca do inferno 9ºGrelha de análise do auto da barca do inferno 9º
Grelha de análise do auto da barca do inferno 9º
Secretaria Regional de Educação da Madeira
 
Cena do Corregedor e Procurador.
Cena do Corregedor e Procurador.Cena do Corregedor e Procurador.
Cena do Corregedor e Procurador.
Lurdes Augusto
 
6.alcoviteira sintese
6.alcoviteira sintese6.alcoviteira sintese
6.alcoviteira sintese
Catarina_marques
 
Auto da barca do inferno ppt bom
Auto da barca do inferno ppt bomAuto da barca do inferno ppt bom
Auto da barca do inferno ppt bom
paulaoliveiraoliveir2
 
Auto da-barca-do-inferno-quadro-sintese-com- rscurssos estilisticos
Auto da-barca-do-inferno-quadro-sintese-com- rscurssos estilisticosAuto da-barca-do-inferno-quadro-sintese-com- rscurssos estilisticos
Auto da-barca-do-inferno-quadro-sintese-com- rscurssos estilisticos
Ana Paula
 
D9 abi 103_c3_onzeneiro
D9 abi 103_c3_onzeneiroD9 abi 103_c3_onzeneiro
D9 abi 103_c3_onzeneiro
miguelribeiro
 
Auto da Barca do Inferno
Auto da Barca do InfernoAuto da Barca do Inferno
Auto da Barca do Inferno
Daniele dos Santos Souza Onodera
 
Auto barca ricardo
Auto barca ricardoAuto barca ricardo
Auto barca ricardo
Ana Tavares
 
Alto da barca do inferno fidalgo
Alto da barca do inferno  fidalgoAlto da barca do inferno  fidalgo
Alto da barca do inferno fidalgo
watilde
 
Cena da alcouveteira
Cena da alcouveteiraCena da alcouveteira
Cena da alcouveteira
Benvinda Céu
 
Auto da barca analise completa
Auto da barca   analise completaAuto da barca   analise completa
Auto da barca analise completa
William Ferraz
 
Tcvb2 marco gomes_gil v_icente
Tcvb2 marco gomes_gil v_icenteTcvb2 marco gomes_gil v_icente
Tcvb2 marco gomes_gil v_icente
Marco Gomes
 
Auto da-barca-do-inferno-analise-cenas
Auto da-barca-do-inferno-analise-cenasAuto da-barca-do-inferno-analise-cenas
Auto da-barca-do-inferno-analise-cenas
Claudia Lazarini
 
Trabalho de AP do 3º Período
Trabalho de AP do 3º PeríodoTrabalho de AP do 3º Período
Trabalho de AP do 3º Período
anafilipasampaiofreitas
 
Simbologia das barcas
Simbologia das barcasSimbologia das barcas
Simbologia das barcas
esomalucos
 

Mais procurados (20)

Auto da Barca do Inferno: Alcoviteira
Auto da Barca do Inferno: AlcoviteiraAuto da Barca do Inferno: Alcoviteira
Auto da Barca do Inferno: Alcoviteira
 
Auto_Barca_Inferno_Alcoviteira
Auto_Barca_Inferno_AlcoviteiraAuto_Barca_Inferno_Alcoviteira
Auto_Barca_Inferno_Alcoviteira
 
Auto da Barca do Inferno - Cena do onzeneiro
Auto da Barca do Inferno - Cena do onzeneiroAuto da Barca do Inferno - Cena do onzeneiro
Auto da Barca do Inferno - Cena do onzeneiro
 
Cena do onzeneiro
Cena do onzeneiroCena do onzeneiro
Cena do onzeneiro
 
Onzeneiro
OnzeneiroOnzeneiro
Onzeneiro
 
Grelha de análise do auto da barca do inferno 9º
Grelha de análise do auto da barca do inferno 9ºGrelha de análise do auto da barca do inferno 9º
Grelha de análise do auto da barca do inferno 9º
 
Cena do Corregedor e Procurador.
Cena do Corregedor e Procurador.Cena do Corregedor e Procurador.
Cena do Corregedor e Procurador.
 
6.alcoviteira sintese
6.alcoviteira sintese6.alcoviteira sintese
6.alcoviteira sintese
 
Auto da barca do inferno ppt bom
Auto da barca do inferno ppt bomAuto da barca do inferno ppt bom
Auto da barca do inferno ppt bom
 
Auto da-barca-do-inferno-quadro-sintese-com- rscurssos estilisticos
Auto da-barca-do-inferno-quadro-sintese-com- rscurssos estilisticosAuto da-barca-do-inferno-quadro-sintese-com- rscurssos estilisticos
Auto da-barca-do-inferno-quadro-sintese-com- rscurssos estilisticos
 
D9 abi 103_c3_onzeneiro
D9 abi 103_c3_onzeneiroD9 abi 103_c3_onzeneiro
D9 abi 103_c3_onzeneiro
 
Auto da Barca do Inferno
Auto da Barca do InfernoAuto da Barca do Inferno
Auto da Barca do Inferno
 
Auto barca ricardo
Auto barca ricardoAuto barca ricardo
Auto barca ricardo
 
Alto da barca do inferno fidalgo
Alto da barca do inferno  fidalgoAlto da barca do inferno  fidalgo
Alto da barca do inferno fidalgo
 
Cena da alcouveteira
Cena da alcouveteiraCena da alcouveteira
Cena da alcouveteira
 
Auto da barca analise completa
Auto da barca   analise completaAuto da barca   analise completa
Auto da barca analise completa
 
Tcvb2 marco gomes_gil v_icente
Tcvb2 marco gomes_gil v_icenteTcvb2 marco gomes_gil v_icente
Tcvb2 marco gomes_gil v_icente
 
Auto da-barca-do-inferno-analise-cenas
Auto da-barca-do-inferno-analise-cenasAuto da-barca-do-inferno-analise-cenas
Auto da-barca-do-inferno-analise-cenas
 
Trabalho de AP do 3º Período
Trabalho de AP do 3º PeríodoTrabalho de AP do 3º Período
Trabalho de AP do 3º Período
 
Simbologia das barcas
Simbologia das barcasSimbologia das barcas
Simbologia das barcas
 

Semelhante a Paula e da Maria Inês

Auto da barca do inferno - Mini
Auto da barca do inferno - MiniAuto da barca do inferno - Mini
Auto da barca do inferno - Mini
João Loureiro
 
Gil vicente aula
Gil vicente aulaGil vicente aula
Gil vicente aula resgate
Gil vicente aula resgateGil vicente aula resgate
Gil Vicente
Gil VicenteGil Vicente
Gil Vicente
Cláudia Heloísa
 
Gil vicente aula resgate
Gil vicente aula resgateGil vicente aula resgate
Trabalho de portugues felipe 1 b
Trabalho de portugues felipe 1 bTrabalho de portugues felipe 1 b
Trabalho de portugues felipe 1 b
teresakashino
 

Semelhante a Paula e da Maria Inês (6)

Auto da barca do inferno - Mini
Auto da barca do inferno - MiniAuto da barca do inferno - Mini
Auto da barca do inferno - Mini
 
Gil vicente aula
Gil vicente aulaGil vicente aula
Gil vicente aula
 
Gil vicente aula resgate
Gil vicente aula resgateGil vicente aula resgate
Gil vicente aula resgate
 
Gil Vicente
Gil VicenteGil Vicente
Gil Vicente
 
Gil vicente aula resgate
Gil vicente aula resgateGil vicente aula resgate
Gil vicente aula resgate
 
Trabalho de portugues felipe 1 b
Trabalho de portugues felipe 1 bTrabalho de portugues felipe 1 b
Trabalho de portugues felipe 1 b
 

Mais de omniblog

Arte no Séc. XX
 Arte no Séc. XX Arte no Séc. XX
Arte no Séc. XX
omniblog
 
Crise de 1929 e new deal
Crise de 1929 e new dealCrise de 1929 e new deal
Crise de 1929 e new deal
omniblog
 
Crise De 1929 E New Deal
Crise De 1929 E New DealCrise De 1929 E New Deal
Crise De 1929 E New Deal
omniblog
 
Lista D AERF
Lista D AERFLista D AERF
Lista D AERF
omniblog
 
O enforcado do_auto_da_barca_do_inferno dinis
O enforcado do_auto_da_barca_do_inferno dinisO enforcado do_auto_da_barca_do_inferno dinis
O enforcado do_auto_da_barca_do_inferno dinis
omniblog
 
Trabalho de Bárbara Dias Diana Sofia
Trabalho de Bárbara Dias   Diana SofiaTrabalho de Bárbara Dias   Diana Sofia
Trabalho de Bárbara Dias Diana Sofia
omniblog
 

Mais de omniblog (6)

Arte no Séc. XX
 Arte no Séc. XX Arte no Séc. XX
Arte no Séc. XX
 
Crise de 1929 e new deal
Crise de 1929 e new dealCrise de 1929 e new deal
Crise de 1929 e new deal
 
Crise De 1929 E New Deal
Crise De 1929 E New DealCrise De 1929 E New Deal
Crise De 1929 E New Deal
 
Lista D AERF
Lista D AERFLista D AERF
Lista D AERF
 
O enforcado do_auto_da_barca_do_inferno dinis
O enforcado do_auto_da_barca_do_inferno dinisO enforcado do_auto_da_barca_do_inferno dinis
O enforcado do_auto_da_barca_do_inferno dinis
 
Trabalho de Bárbara Dias Diana Sofia
Trabalho de Bárbara Dias   Diana SofiaTrabalho de Bárbara Dias   Diana Sofia
Trabalho de Bárbara Dias Diana Sofia
 

Último

Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdfRelatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Falcão Brasil
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
ProfessoraSilmaraArg
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Luzia Gabriele
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
Falcão Brasil
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Falcão Brasil
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
Falcão Brasil
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Falcão Brasil
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdfRelatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
 
VIAGEM AO PASSADO -
VIAGEM AO PASSADO                        -VIAGEM AO PASSADO                        -
VIAGEM AO PASSADO -
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 

Paula e da Maria Inês

  • 2. A Brizída Vaz representa as alcoviteiras existentes na época. As alcoviteiras estavam inseridas no grupo social povo. “ Seiscentos virgos postiços e três arcas de feitiços que nom podem mais levar. Três almários de mentir e cinco cofres de enleos, e alguns furtos alheos, assi em jóias de vestir, guarda-roupa d'encobrir, enfim – casa movediça, um estrado de cortiça com dous coxins d' encobrir.”
  • 3. Não podemos esquecer, que algumas destas raparigas, iam para esta vida porque precisavam de alimentar a família , de sobreviver. Mas muitas delas iam, apenas, para terem prazer. Brízida Vaz era falsa, descarada, astuciosa , hipócrita, ladra, mentirosa e meretriz . Era ela que transformava uma parte das raparigas (que pertenciam às classes sociais baixas) em “moças”, que “serviam” os grupos sociais de estatuto baixo. A outra parte transformava-as em “meninas”, que “serviam” os grupos sociais de estatuto alto.
  • 4. O tipo de linguagem utilizado pela Alcoviteira é popular (calão) e familiar. Esta também tem um tipo de linguagem sedutor, da qual se servia para convencer e satisfazer os clientes. Quando chegou ao caís, dirigiu-se à barca do Inferno, mas não quis entrar. Por isso foi até à barca do Anjo, na qual foi rejeitada. Foi então obrigada a embarcar na barca do Diabo.
  • 5. A Alcoviteira foi acusada de ter vivido uma má vida (prostituição), de ser falsa, de roubar, de feitiçaria e de ter má consciência religiosa. Para se defender argumentou que tinha tido uma vida mártir, que se dedicou aos outros e que arranjou muitas “meninas” para elementos do clero.
  • 6. Bibliografia: http://4.bp.blogspot.com/_k6T8_us7YLQ/St2mKIK8t1I/AAAAAAAAAAU/T3efMJiIaHk/s320/alcoviteira%5B1%5D.jpg http://anove.wikispaces.com/file/view/ALCOVITEIRA.jpg/32696638/ALCOVITEIRA.jpg http://www.esec-povoa-lanhoso.rcts.pt/ESPLv5/recursos/Port/textodramatico/Imagens/auto6.jpg http://3.bp.blogspot.com/_4qdG9wOtm7A/SRIQm1unwUI/AAAAAAAAGJU/93HRV3ZzqI8/s400/1930751.png http://www.notapositiva.com/trab_estudantes/trab_estudantes/portugues/portugues_trabalhos/autobarcainferno.htm Livro “Com Todas as Letras”, da Porto Editora
  • 7. Trabalho realizado por: Maria Inês e Paula Neves 9ºB