SlideShare uma empresa Scribd logo
Padrão de Criação de ObjetosSingleton 
InstitutoFederaldeEducação,CiênciaeTecnologiadaParaíba–campusCajazeiras 
Curso:AnáliseeDesenvolvimentodeSistemas 
Professor:RodrigoAraújo 
Disciplina:PadrõesdeProjeto 
Fátima Ferreira 
Sérgio Diniz
Uma definição de Singleton
Umjeitofácildeacessarumainstânciadeclasseglobal. Singleton
Exemplo de motivação
Exemplo de motivação
Padrão Singleton 
Éimportanteparaalgumasclassesteruma,eapenasuma, instância. 
Emborapossamexistirmuitasimpressorasemumsistema, deveriahaversomenteumspoolerdeimpressoras;
Padrão Singleton -Intenção 
OPadrãoSingletonéumpadrãocriacional; 
Garantirqueumaclassetenhasomenteumainstânciaefornecerumpontodeacessoglobalparaamesma; 
Qualafuncionalidadedisso? 
Objetosquetratamdepoolsdeconexão,saídasgráficas, impressão,objetosquecuidamderegistrosnãodevemserinstanciadosmaisdeumavez 
UmoutrousodopadrãoSINGLETONéquandoqueremosumaclassedeLogparatodoosistema,semprecisarmosutilizarrecursosdosistemaparainstanciarumaclassesemprequeprecisarmosgravardadosnoservidor.
Padrão Singleton -Motivação 
Algunsprogramadoresdevemestarpensandoagora: 
Masissoéfácil!Bastaeuterumavariávelglobalcomainstânciadoobjetoesempreacessarela!
Oproblemaéqueessavariávelsendoinicializadanocomeçodaexecuçãodoprojeto,essaclasseestaráconsumindorecursosmesmosemserutilizada! 
ComoSingleton,aclassesóéinstanciadaquandovocêrealmenteprecisadela! 
Padrão Singleton -Motivação
Padrão Singleton -Motivação 
Comoprevenirqueumobjetonãosejainstanciadomaisdeumavez?
Padrão Singleton -Motivação 
Criarumconstrutorprivado.Comisso,aclassesópodeserinstanciadadentrodealgumdosseusprópriosmétodos! 
Melhor maneira de tornar a classe responsável por manter o controle da sua única instância;
Padrão Singleton -Aplicabilidade 
UseopadrãoSingletonquando: 
◦Forprecisohaverapenasumainstânciadeumaclasse,eessainstânciativerquedaracessoaosclientesatravésdeumpontobemdefinido; 
◦Aúnicainstânciativerdeserextensívelatravésdesubclasses,possibilitandoaosclientesusarumainstânciaestendidasemalteraroseucódigo;
Padrão Singleton -Estrutura
Lógicadaclasse:"Seomeuatributoinstanceédiferentedenullretornoelesenãovouinstanciareleeretorná-lo.AssimapróximachamadaagetInstance()vairetornaromesmoobjeto,independentedesenachamadaanterioreleeraounãodiferentedenulletodasaspróximaschamadas, enquantodureaaplicaçãosempreretornaráomesmoobjeto." 
Padrão Singleton -Estrutura
Padrão Singleton -Participantes 
◦AclasseSingletonseráaclassecujocontroledeinstânciaúnicaseráaplicado.Elapossuicomoresponsabilidadesocontroledacriaçãodaúnicainstância,eproveropontodeacessoaessainstância. 
◦OsclientessãotodasasoutrasclassesqueirãoacessarainstânciaúnicaatravésdométodogetSingleton()daclasseSingleton.
Padrão Singleton -Colaborações 
•Nessepadrãodeprojeto,irãoocorreriteraçõesentreaclasseSingletoneosclientes.AclasseSingletonpossuiummétodoestáticogetSingleton()queforneceaosclientesaúnicainstânciadaclasse.Dessemodo,garantimosaexistênciadeumpontoúnicodeacessoaesseobjeto. 
•Paragarantirmosqueoobjetosejaúnicoduranteaexecução, devemosdesabilitaroacessoaoconstrutordaclasseporoutrasclasses.AúnicaclassequedevepossuiracessoaoconstrutoréaprópriaclasseSingleton,enenhumaoutra.Issopodeserfeitotornandooconstrutordaclasseprivado.
Padrão Singleton -Consequências 
Acessocontroladoainstânciaúnica 
◦Aprópriaclasseencapsulasuainstânciaúnicae,portanto,temestritocontrolesobrecomoequandoosclientesaacessam; 
Reduçãononamespace 
◦OSingletonéumaalternativaeficienteàsvariáveisglobais.Evitapoluironamespacecomvariáveisglobaisquearmazenaminstânciasúnicas; 
Permiteumnúmerovariáveldeinstâncias 
◦PodepermitiracriaçãodemaisdeumainstânciadoSingletonouatécontrolaronúmerodeinstânciasexistentes.Somenteaoperaçãoinstance()precisasermodificada;
•AimplementaçãodopadrãoSingletonébastantesimples. Paratal,devemosprimeiroadicionarumavariávelestáticadomesmotipodaclassenaprópriaclasse.Essavariáveldeveráserprivada,paraevitarqueoutrasclassespossammodificá-la; 
•Aseguir,devemosadicionarummétodopúblicoeestáticogetSingleton()àclasse,queiráverificarseainstânciafoicriada.Senãofoicriadaainda,essemétodoirácriarela.Porfim,essemétodoretornaainstânciaarmazenada. 
Padrão Singleton -Implementação
•Paragarantirqueainstânciasejaúnica,equenenhumclientepossacriarumanovainstanciadaclasseSingleton, devemosprotegeroconstrutordaclasse,paraqueapenasométodogetSingleton()possacriarumanovainstância. 
•QualquerclasseclienteiráfazerumachamadaaométodoestáticogetSingleton()paraobterainstânciaúnicadaclasse.Nomomentoemqueforfeitaaprimeirachamadaaométodoainstânciaserácriada.Naschamadasseguintes, amesmainstânciaseráretornada. 
Padrão Singleton -Implementação
Padrões Relacionados 
VáriospadrõespodemserimplementadosUtilizandoSingleton,emparticular: 
◦AbstractFactory; 
◦Builder; 
◦Prototype;
Padrão Singleton -Exemplos
Exemplo 01 
•Imagineaseguintesituação: 
•ImaginequetenhamosumJanela,essaserianossaclasse, chamadaJanela...
Suponhamosquetemosduasfunções(quechamamosdemétodos),seriamAbrir()eFechar(); 
Então... 
Exemplo 01 
Aquestãoéqueparapodermosacessarumaclasseeseusmétodos/atributostemosqueinstanciá-la.
 Até aí tranquilo? Mas há um problema . 
 Toda vez que tivermos que abrir ou fechar essa janela, vamos ter que 
instanciar? 
Exemplo 01
Exemplo 01 –Solução Singleton
Exemplo 02 
•“Imagineumaaplicaçãoondesefaznecessáriocriarumarquivodelogpararegistrarquandousuáriologanosistema.”
Solução
Solução
Exemplo 03 
•Imagine a seguinte situação 
•“Suponhaquevocêdevetrabalharemumprojetocomputacionalparaumadeterminadafabricadecarros,osistemacadastrarcarrosdaFordedaFiat,edevecontrolaraquantidadedecarrosfabricados,egerarumrelatórioinformandoessesdados.Contudo,nãoécabívelqueexistamaisdoqueumafábricadecarrospararealizaressecontrole.”
Atividade 
Imagine a seguinte situação: 
◦“Gostariadecriarumaclassequegerasseumaconexãocommeubancodedados.Quandoeuacessaraprimeiravezessaclasse,seráconstruídaumaconexão,masnodecorrerdaexecução,casoexistamaisacessosaobanco,gostariadeutilizaraMESMAclassecomaMESMAconexão."
Atividade
Patterns: Singleton
Patterns: Singleton
Patterns: Singleton
Patterns: Singleton
Patterns: Singleton

Mais conteúdo relacionado

Mais de Fatinha de Sousa

Segurança Na Internet
Segurança Na InternetSegurança Na Internet
Segurança Na Internet
Fatinha de Sousa
 
Segurança em redes
Segurança em redesSegurança em redes
Segurança em redes
Fatinha de Sousa
 
Banco de Dados Multimidia
 Banco de Dados Multimidia Banco de Dados Multimidia
Banco de Dados Multimidia
Fatinha de Sousa
 
Gerenciamento de Pessoas
Gerenciamento de PessoasGerenciamento de Pessoas
Gerenciamento de Pessoas
Fatinha de Sousa
 
Estudo de Caso Windows
Estudo de Caso WindowsEstudo de Caso Windows
Estudo de Caso Windows
Fatinha de Sousa
 
Patterns: Factory Method
Patterns: Factory MethodPatterns: Factory Method
Patterns: Factory Method
Fatinha de Sousa
 

Mais de Fatinha de Sousa (6)

Segurança Na Internet
Segurança Na InternetSegurança Na Internet
Segurança Na Internet
 
Segurança em redes
Segurança em redesSegurança em redes
Segurança em redes
 
Banco de Dados Multimidia
 Banco de Dados Multimidia Banco de Dados Multimidia
Banco de Dados Multimidia
 
Gerenciamento de Pessoas
Gerenciamento de PessoasGerenciamento de Pessoas
Gerenciamento de Pessoas
 
Estudo de Caso Windows
Estudo de Caso WindowsEstudo de Caso Windows
Estudo de Caso Windows
 
Patterns: Factory Method
Patterns: Factory MethodPatterns: Factory Method
Patterns: Factory Method
 

Último

347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert EinsteinA Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
WelberMerlinCardoso
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
LEANDROSPANHOL1
 

Último (20)

347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert EinsteinA Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
 

Patterns: Singleton