SlideShare uma empresa Scribd logo
Patologia Geral
Professor: Cleanto Santos Vieira
Capítulo 4: Disturbios circulatórios
Aula I
“Judith e Holofernes” – Caravaggio - 1599
Patologia Geral
• Distúrbios da Circulação: A circulação do
sangue e a distribuição de líquidos pelo
organismo são feitas por ação coordenada
entre o coração (bomba), vasos sanguíneos
e sistema linfático.
• As artérias levam sangue aos tecidos e na
microcirculação ocorre as trocas
metabólicas.
• As veias retornam o sangue ao coração que
o movimenta continuamente.
Capítulo 4: Disturbios circulatórios
Aula I
Patologia Geral
• Os vasos linfáticos
reabsorvem o
excesso de líquido
filtrado na
microcirculação.
Capítulo 4: Disturbios circulatórios
Aula I
Patologia Geral
• A aorta e as artérias elásticas são
vasos condutores. Suas paredes são
ricas em fibras elásticas e permitem a
conversão do fluxo pulsátil do
coração em fluxo contínuo.
• Nas artérias as hemácias e os
leucócitos caminham no centro e o
plasma flui próximo as paredes.
• O “fluxo laminar” permite que os
objetos que estão no centro do
túbulo (artérias) se movimentem
mais rápido do que os que estão na
periferia.
Capítulo 4: Disturbios circulatórios
Aula I
Patologia Geral
• A circulação sanguínea exerce três tipos de
forças ou pressão sobre os vasos:
• 1 – Compressão radial/distensão (tensão)
causada pela pressão intraluminal;
• 2 – extensão longitudinal causada pela
hiperextensão do vaso (forças longitudinais
externas);
• 3 – Cisalhamento, que atua tangencialmente na
superfície interna do vaso e tende a “raspar” as
células endoteliais.
• A alteração dessas forças provoca remodulação
estrutural dos vasos.
Capítulo 4: Disturbios circulatórios
Aula I
Patologia Geral
• O exercício físico aumenta o fluxo
sanguíneo e, consequentemente,
o cisalhamento, que por sua vez
estimula a liberação de óxido
nítrico (NO) e prostaciclina I₂ (PG₂)
pelas células endoteliais,
provocando vasodilatação.
• Ao longo do tempo, ocorre
aumento de enzimas responsáveis
pela produção dos agentes
vasodilatadores e remodelação do
vaso com aumento de seu
diâmetro.
Capítulo 4: Disturbios circulatórios
Aula I
Patologia Geral
• O fluxo sanguíneo em determinada área depende da diferença de
pressão entre artéria e veia, do diâmetro e do comprimento do vaso e
da viscosidade sanguínea.
• O fluxo é diretamente proporcional à pressão e inversamente
proporcional à resistência conforme a fórmula de Hagen-Poiseuille:
• Q= ΔPµr⁴
• 8Lƞ
• Onde Q é a demanda de sangue em determinado órgão; ΔP é a
diferença de pressão entre artéria e veia; r é o raio do vaso; L é o
comprimento do vaso; e ƞ é a viscosidade do sangue.
Capítulo 4: Disturbios circulatórios
Aula I
Patologia Geral
• O sangue passa das arteríolas
(artérias com uma ou duas
camadas de musculatura lisa) para
os capilares, que se anastomosam
amplamente entre si.
• Os capilares têm em média 1mm de
extensão.
• Na microcirculação, o sangue flui
lentamente (cerca e
1mm/segundo).
• A regulação do fluxo sanguíneo nos
capilares é feita pelas arteríolas.
Capítulo 4: Disturbios circulatórios
Aula I
Patologia Geral
• A microcirculação é
responsável pela
oxigenação, nutrição e
remoção dos produtos
do catabolismo celular.
Capítulo 4: Disturbios circulatórios
Aula I
Patologia Geral
• HIPEREMIA:
• Aumento da quantidade de sangue no
interior dos vasos de um órgão ou tecido
orgânico.
• Hiperemia ativa: dilatação arteriolar
com aumento do fluxo sanguíneo local.
• A vasodilatação é de origem simpática ou
humoral e leva a abertura de capilares
“inativos”, o que resulta em coloração rósea
intensa ou vermelha no local atingido e
aumento de temperatura.
• Ao microscópio os capilares estão repletos
de hemácias.
Capítulo 4: Disturbios circulatórios
Aula I
Patologia Geral
• A hiperemia ativa pode ser:
• 1 – fisiológica -> quando há
necessidade de maior irrigação,
como ocorre nos músculos
esqueléticos durante o exercício, na
mucosa intestinal durante a
digestão, na pele em ambientes
quentes (para aumentar a perda de
calor) ou na face frente a emoções.
Capítulo 4: Disturbios circulatórios
Aula I
Patologia Geral
• 2 – Patológica -> a qual
acompanha inúmeros processos
patológicos, principalmente
inflamações agudas.
Capítulo 4: Disturbios circulatórios
Aula I
“Rash Butterfly” – Lesão hiperêmica em asa de borboleta
evidente em portadores de Lúpus eritematoso sistêmico.
Patologia Geral
• Hiperemia Passiva:
• Também chamada de congestão,
ocorre em razão da redução da
drenagem venosa, provocando
distensão das veias distais, vênulas
e capilares.
• A região comprometida apresenta
coloração vermelho escura devido a
grande concentração de
hemoglobinas desoxigenada.
• Pode ser localizada ou sistêmica
(insuficiência cardíaca).
Capítulo 4: Disturbios circulatórios
Aula I
Patologia Geral
• A congestão pode ser causada por
obstrução extrínseca (compressão do
vaso) ou intrínseca de uma veia
(trombose), ou por redução do retorno
venoso (insuficiência cardíaca).
• Na insuficiência cardíaca esquerda,
estenose ou insuficiência mitral
(congestão pulmonar).
• Na insuficiência cardíaca direita
(congestão sistêmica).
• Na congestão aguda, os vasos estão
distendidos e o órgão é mais pesado.
• Na crônica, o órgão pode sofrer
hipotrofia e apresentar micro-
hemorragias antigas.
Capítulo 4: Disturbios circulatórios
Aula I
Congestão hepática passiva aguda: Reflete
habitualmente a descompensação cardíaca, mais
comumente a insuficiência do lado direito, de
instalação aguda
Patologia Geral
• Hiperemias agudas mais
importantes:
• 1 – Congestão pulmonar -> os
capilares alveolares estão dilatados e
os septos alargados pelo edema
intersticial.
• Ao longo prazo, os septos fibrosam e
ficam espessados.
• Devido as microrrupturas de capilares,
ocorre a passagem de hemácias para
os alvéolos e sua fagocitose pelos
macrófagos alveolares, que passam a
constituir as “células de insuficiência
cardíaca”.
Capítulo 4: Disturbios circulatórios
Aula I
Patologia Geral
• 2 – Congestão Hepática: aguda ou
crônica, provocada na maioria das
vezes por insuficiência hepatica
congestive, e menos comumente,
por obstrução das veias hepaticas
ou veia cava inferior.
• Na aguda o fígado fica
discretamente aumentado de peso
e de volume, com coloração azul-
vinhosa.
Capítulo 4: Disturbios circulatórios
Aula I
Patologia Geral
• Na crônica, o órgão tem cor
vermelho-azulada, em fase
avançada pode haver necrose e
hemorragia centro-lobulares.
• As regiões centro-lobulares são
deprimidas, circundadas por
parênquima hepático as vezes
amarelado, apresentando aspecto
de nóz moscada.
Capítulo 4: Disturbios circulatórios
Aula I
Patologia Geral
• 3 – Congestão do Baço -> aguda é
causada geralmente por
insuficiência cardíaca.
• O órgão encontra-se pouco
aumentado de volume, vermelho-
cianótico e repleto de sangue.
Capítulo 4: Disturbios circulatórios
Aula I
Patologia Geral
• A crônica é encontrada
principalmente na
hipertensão da veia porta
(cirrose hepatica,
esquistossomose, etc…).
• O baço é aumentado de
volume (podendo chegar até
700g, cerca de cinco vezes o
seu peso normal),
endurecido por fibrose e
focos hemorrágicos recentes
ou antigos.
Capítulo 4: Disturbios circulatórios
Aula I
Baço com 14 cm de comprimento, devido à lesão congestive crônica
Patologia Geral
• Viscosidade: é a resistência
intrínseca de um líquido contra o
fluxo.
• Todos os líquidos (inclusive a água
destilada) possuem viscosidade. Sua
base molecular é a fricção interna
entre suas moléculas e partículas.
• Qualquer aumento de viscosidade
diminui o fluxo líquido.
• A viscosidade do sangue é resultado
da viscosidade do plasma, dos seus
constituintes celulares e da força de
cisalhamento.
Capítulo 4: Disturbios circulatórios
Aula I
Patologia Geral
• Síndrome de hiperviscosidade: é um
distúrbio da microcirculação caracterizado
por aumento da viscosidade sanguínea,
resultando em redução do fluxo capilar
(hipoperfusão) e isquemia de órgãos. As
causas são muito variadas.
• Resumo das causas:
• Hiperviscosidade plasmática -> provocada
pela existência de proteínas anômalas ou
com alto peso molecular (Ex: mieoloma
múltiplo, doença de Waldensteron); grande
quantidade de proteínas no sangue
aumenta a agregação entre hemácias
reduzindo as forças de dispersão entre elas.
Capítulo 4: Disturbios circulatórios
Aula I
Patologia Geral
Causas de Hiperviscosidade
Sanguínea
A B
Alterações do componente
plasmático
Alterações do componente celular
Hipergamaglobulinemia:
- Mieloma múltiplo
- Macroglobulinemia (doença de
Wandestron)
Aumento do hematócrito:
Eritrocitose:
- Em recém nascidos
- Malformação cardíaca com cianose
- DPOC (doença pulmonar obstrutiva
crônica)
- Policitemia vera
Desidratação
Hiperglicemia Distúrbio de deformidade das
hemácias:
- Anemia falciforme
Leucocitose-leucostase:
- Leucemia mielóide crônica
- Leucemias agudas
Capítulo 4: Disturbios circulatórios
Aula I
Patologia Geral
• Manifestações clínicas da
hiperviscosidade plasmática: aparecem
geralmente quando a viscosidade do
sangue é pelo menos 4 vezes a da água.
• Muitas vezes o paciente tem sangramento
devido a lesão capilar causada pela
hipóxia, microtrombos ou distúrbio
secundário da coagulação.
• Além de hemorragias, manifestações
neurológicas como a cefaleia, parestesias,
ataxias, nistagmo, confusão mental ou
coma (as vezes letais) são frequentes.
Capítulo 4: Disturbios circulatórios
Aula I
Células de mieoloma múltiplo em azul púrpura
Patologia Geral
• A hiperglicemia também aumenta
a viscosidade do sangue e quando
muito elevada, os portadores
apresentam sinais de
hiperviscosidade e possível
hiperosmolaridade ou
desidratação.
• Em diabéticos de longa evolução
com hiperglicemia prolongada mas
não muito alta, a hiperviscosidade
é um dos fatores do
desenvolvimento da retinopatia
diabética.
Capítulo 4: Disturbios circulatórios
Aula I
Patologia Geral
• Aumento do Hematócrito ->
Produção muito elevada de
hemácias (policitemia, poliglobulia)
ou desidratação aumentam o
hematócrito, a viscosidade do
sangue e a resistência vascular
periférica.
• A elevação do hematócrito, aumenta
muito a viscosidade (especialmente
em vênulas onde já é maior devido a
baixa velocidade do sangue), e o
baixo fluxo eleva o risco de formação
de trombos e infartos.
Capítulo 4: Disturbios circulatórios
Aula I
A policitemia vera é uma doença caracterizada por aumento
no volume global de glóbulos vermelhos, decorrente de
mieloproliferação endógena. É caracterizada por elevação
do hematócrito.
Patologia Geral
• Alterações da deformabilidade das hemácias: A
anemia falciforme (AF) é o exemplo clássico dessa
condição patológica.
• Ocorre, uma mutação do gene da hemoglobina
resulta na síntese de uma proteína defeituosa (Hb-
S).
• Em estados de hipóxia ou acidose, a Hb-S, penetra
no interior das hemácias alterando sua forma
(falcização – foice) e aumentando sua rigidez.
• Pacientes com esses defeitos genéticos apresentam
infartos em vários órgãos (baço, pulmões, ossos,
cérebro) e muitas vezes, desenvolvem úlceras na
região do tornozelo.
Capítulo 4: Disturbios circulatórios
Aula I
Patologia Geral
• Leucocitose-leucostase -> A rigidez dos
leucócitos (normalmente menor que a
das hemácias) ↑ quando eles são
ativados.
• Nas leucocitose acentuadas (leucemias
agudas ou crônicas), os leucócitos podem
determinar a leucostase (obstrução da
microcirculação por grande número de
leucócitos anômalos.
• A microcirculação do cérebro, pulmões e
pênis é a mais afetada nessa situação.
Capítulo 4: Disturbios circulatórios
Aula I
Patologia Geral
• Manifestações clínicas da
leucocitose-leucostase: sintomas
neuro/psiquiátricos (tontura, delírio e
até coma), distúrbios da visão,
insuficiência respiratória com
taquipnéia, dispneia e cianose e
eventualmente priapismo.
• Quando se consegue reduzir o
número de leucócitos no período
inicial do processo, essas
manifestações desaparecem.
Capítulo 4: Disturbios circulatórios
Aula I
Príapo, filho da ninfa chamada Vênus. Ciumenta de Vênus,
Hera se esforçou em prejudicar a Príapo, e fê-lo nascer com
uma deformidade extraordinária. Logo que veio ao mundo,
sua mãe educou-o longe dela, nas margens do Helesponto,
em Lampsaco, onde por sua libertinagem e atrevimentos,
tornou-se um objeto de terror e de repulsão.
Patologia Geral
• Hemostasia: processo fisiológico
envolvido com a fluidez do sangue e
controle de sangramento quando
ocorre lesão vascular.
• Distúrbios da hemostasia, para mais
ou para menos, são frequentes e
responsáveis por inúmeras condições
patológicas.
• A hemostasia depende de três
componentes fundamentais: parede
vascular, plaquetas e sistema de
coagulação.
Capítulo 4: Disturbios circulatórios
Aula I
Patologia Geral
• Parede vascular -> 1º componente fundamental da hemostasia.
• Componentes da parede vascular com função hemostática:
• 1 – endotélio;
• 2 – moléculas que participam da coagulação e formação do tampão
plaquetário:
• A) tromboplastina (fator tecidual), liberada pelo endotélio quando
lesado.
• B) fator do Von Willebrand, existente na região subentotelial
(estimulador da adesão plaquetária).
• C) colágeno, fibronectina, trombospodina e laminina (ativam a via
intrínseca da coagulação).
Capítulo 4: Disturbios circulatórios
Aula I
Patologia Geral
• Células endoteliais possuem
atividades antitrombótica e
trombolítica pela produção de
diversos fatores:
• 1) glicosaminoglicanos
(moléculas de carga negativa
de ação semelhante a da
heparina, que inibe
juntamente com a
antitrombina III, o processo de
coagulação).
Capítulo 4: Disturbios circulatórios
Aula I
Patologia Geral
• 2) óxido nítrico (NO) e
prostaciclina (PGI₂) (impedem a
adesão e agregação plaquetária.
• No esquema ao lado é possível
observar a ação do óxido nítrico e
prostaciclina que irão inibir a
ativação plaquetária.
Capítulo 4: Disturbios circulatórios
Aula I
Patologia Geral
• 3) A trombina formada pelo
sistema de coagulação se liga à
trombomodulina na superfície das
células endoteliais.
• O complexo formado ativa as
proteínas C e S (efeitos
anticoagulantes).
Capítulo 4: Disturbios circulatórios
Aula I
Patologia Geral
• Já o endotélio íntegro impede:
• 1) interação das plaquetas com o
fator de Von Willebrand, o qual
provoca a agregação plaquetária e
sua desgranulação;
• 2) contato do plasma com
colágeno, que ativa a cascata de
coagulação;
• 3) células endoteliais produzem
ativadores do plasminogênio (atua
na formação de plasmina – sistema
de fibrinólise).
Capítulo 4: Disturbios circulatórios
Aula I
Patologia Geral
• Plaquetas: são essenciais para a
hemostasia, além de atuarem na
regulação do tônus vascular e
cicatrização.
• A carga eletrostática negativa na
superfície impede adesão das
plaquetas entre si e delas com as
células do endotélio.
• Ao lado os três componentes da
função plaquetária (adesão,
ativação ou secreção e agregação).
Capítulo 4: Disturbios circulatórios
Aula I
Patologia Geral
• Adesão plaquetária: é a
aderência das plaquetas a
uma superfície desprovida
de endotélio, quando o
colágeno subendotelial é
exposto ao sangue.
Capítulo 4: Disturbios circulatórios
Aula I
Patologia Geral
• Secreção ou ativação plaquetária: plaquetas
ativadas liberam o conteúdo de seu grânulos,
que armazenam fatores pró-coagulantes.
• 1 – fator plaquetário 4 (atividade anti-
heparinizante);
• 2 – Serotonina (neurotransmissor,
vasoconstritor e regulador da atividade dos
músculos lisos);
• 3 – ADP (estimula a secreção e agregação
plaquetárias);
• 4 – tromboxano A₂ (TXA₂), (agregador
plaquetário e potente vasoconstritor);
• 5 - Ca⁺⁺ (essencial na cascata de coagulação);
Capítulo 4: Disturbios circulatórios
Aula I
Mudança de forma da plaqueta com
secreção dos grânulos.
Patologia Geral
• Agregação plaquetária: iniciada pela liberação de
ADP, é o processo em que as plaquetas se
aderem umas às outras, formando um agregado
e liberando seus produtos.
• A agregação plaquetária ocorre constantemente
para reparar pequenos defeitos que ocorrem nos
vasos sanguíneos por toda a vida.
• Além de formar os tampões hemostáticos, a
agregação é importante na coagulação
sanguínea, pois ocorre aumento de fosfolipídeos
de carga negativa na superfície plaquetária que
aceleram a formação da trombina.
• Essa agregação é estimulada por vários fatores,
sobretudo ADP, TXA₂ e trombina.
• NO e PGI₂ são inibidores dessa agregação.
Capítulo 4: Disturbios circulatórios
Aula I
Ligação entre plaquetas
Patologia Geral
• Sistema de coagulação:
fundamentalmente a transformação
do fibrinogênio em fibrina
polimerizada (insolúvel).
• Depende de inúmeras reações
sequenciais (em cascata) podendo ser
por via intrínseca ou extrínseca.
• A via intrínseca - > a partir do contato
de fatores coagulantes com uma
superfície
• A via extrínseca -> ativada por
liberação da tromboplastina (fator
tecidual) quando há destruição celular.
Capítulo 4: Disturbios circulatórios
Aula I
Patologia Geral
• A cascata de coagulação tem alto
poder coagulante, tornando a
existência de fatores
anticoagulantes, componentes
essenciais.
• Para termos uma noção apenas 1 ml
de plasma é capaz de coagular todo
fibrinogênio do corpo humano.
• Iniciada a coagulação, os sistemas
anticoagulantes também são
estimulados, impedindo o
crescimento descontrolado do
trombo, ao mesmo tempo em que
iniciam sua dissolução.
Capítulo 4: Disturbios circulatórios
Aula I
Patologia Geral
• Os principais elementos da fibrinólise
(anticoagulantes naturais) são:
• 1) antitrombina III (poderoso inibidor
da trombina);
• 2) proteínas C e S (inativam os fatores
Va e VIIIa) a proteína C é ativada pela
trombina e complexo trombina-
trombomodulina;
• 3) sistema fibrinolítico cujo produto
final é a formação de plasmina
(fibrinolisina) que degrada a fibrina
gerada pelo sistema de coagulação
sanguínea.
Capítulo 4: Disturbios circulatórios
Aula I
REFERÊNCIAS
• BOGLIOLO, L.; BRASILEIRO FILHO, G. Patologia. 7ªed. Rio de Janeiro:
Guanabara Koogan, 2006.
• MONTENEGRO, M. R. (ed.); FRANCO, M. (ed.). Patologia: Processos
Gerais. 4.ed São Paulo: Atheneu, 2004. 320 p.
• ROBBINS, S. L.; KUMAR, V. (ed.); ABBAS, A.K. (ed.); FAUSTO, N. (ed.).
Patologia: Bases Patlógicas das doenças. 7ª ed. Rio de Janeiro:
Elsevier, 2005.
“David e Golias” – Caravaggio - 1610

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Doença Arterial Coronariana
Doença Arterial CoronarianaDoença Arterial Coronariana
Doença Arterial Coronariana
resenfe2013
 
Figado e Vias Biliares
Figado e Vias BiliaresFigado e Vias Biliares
Figado e Vias Biliares
Samuel Cevidanes
 
Tireóide
TireóideTireóide
Tireóide
Eloi Lago
 
Fisiologia Humana 6 - Sistema Renal
Fisiologia Humana 6 - Sistema RenalFisiologia Humana 6 - Sistema Renal
Fisiologia Humana 6 - Sistema Renal
Herbert Santana
 
Sistema Cardiovascular
Sistema CardiovascularSistema Cardiovascular
Sistema Cardiovascular
Carlos Antunes
 
Distúrbios Hemodinâmicos; Alterações da circulação
Distúrbios Hemodinâmicos; Alterações da circulaçãoDistúrbios Hemodinâmicos; Alterações da circulação
Distúrbios Hemodinâmicos; Alterações da circulação
Alanna Rayssa Pinheiro
 
Hematopoiese
HematopoieseHematopoiese
Hematopoiese
Renata Souza
 
Aula 04 anatomia e fisiologia do sistema ósseo e articular..
Aula 04   anatomia e fisiologia do sistema ósseo e articular..Aula 04   anatomia e fisiologia do sistema ósseo e articular..
Aula 04 anatomia e fisiologia do sistema ósseo e articular..
Hamilton Nobrega
 
Edema
EdemaEdema
Edema
hugo
 
Avaliação Hepática
Avaliação HepáticaAvaliação Hepática
Hemácias Revisão Completa
Hemácias Revisão CompletaHemácias Revisão Completa
Hemácias Revisão Completa
Malena do Carmo
 
Inflamação
InflamaçãoInflamação
Inflamação
Safia Naser
 
Edema Agudo de Pulmão
Edema Agudo de PulmãoEdema Agudo de Pulmão
Edema Agudo de Pulmão
resenfe2013
 
Fisiologia Humana 8 - Sistema Endócrino
Fisiologia Humana 8 - Sistema EndócrinoFisiologia Humana 8 - Sistema Endócrino
Fisiologia Humana 8 - Sistema Endócrino
Herbert Santana
 
Sistema tegumentar
Sistema tegumentarSistema tegumentar
Sistema tegumentar
Nathanael Amparo
 
03 sistema articular
03   sistema articular03   sistema articular
03 sistema articular
Maxsuell Lopes
 
Antiarritmicos (1)
Antiarritmicos (1)Antiarritmicos (1)
Antiarritmicos (1)
Katia Pontes Remijo
 
SISTEMA HEMATOPOIÉTICO
 SISTEMA HEMATOPOIÉTICO SISTEMA HEMATOPOIÉTICO
SISTEMA HEMATOPOIÉTICO
Ericssondeoliveira
 
Aula de disturbios hidroeletrolíticos
Aula de disturbios hidroeletrolíticosAula de disturbios hidroeletrolíticos
Aula de disturbios hidroeletrolíticos
mariacristinasn
 
Aula 13 sistema urinário - anatomia e fisiologia
Aula 13   sistema urinário - anatomia e fisiologiaAula 13   sistema urinário - anatomia e fisiologia
Aula 13 sistema urinário - anatomia e fisiologia
Hamilton Nobrega
 

Mais procurados (20)

Doença Arterial Coronariana
Doença Arterial CoronarianaDoença Arterial Coronariana
Doença Arterial Coronariana
 
Figado e Vias Biliares
Figado e Vias BiliaresFigado e Vias Biliares
Figado e Vias Biliares
 
Tireóide
TireóideTireóide
Tireóide
 
Fisiologia Humana 6 - Sistema Renal
Fisiologia Humana 6 - Sistema RenalFisiologia Humana 6 - Sistema Renal
Fisiologia Humana 6 - Sistema Renal
 
Sistema Cardiovascular
Sistema CardiovascularSistema Cardiovascular
Sistema Cardiovascular
 
Distúrbios Hemodinâmicos; Alterações da circulação
Distúrbios Hemodinâmicos; Alterações da circulaçãoDistúrbios Hemodinâmicos; Alterações da circulação
Distúrbios Hemodinâmicos; Alterações da circulação
 
Hematopoiese
HematopoieseHematopoiese
Hematopoiese
 
Aula 04 anatomia e fisiologia do sistema ósseo e articular..
Aula 04   anatomia e fisiologia do sistema ósseo e articular..Aula 04   anatomia e fisiologia do sistema ósseo e articular..
Aula 04 anatomia e fisiologia do sistema ósseo e articular..
 
Edema
EdemaEdema
Edema
 
Avaliação Hepática
Avaliação HepáticaAvaliação Hepática
Avaliação Hepática
 
Hemácias Revisão Completa
Hemácias Revisão CompletaHemácias Revisão Completa
Hemácias Revisão Completa
 
Inflamação
InflamaçãoInflamação
Inflamação
 
Edema Agudo de Pulmão
Edema Agudo de PulmãoEdema Agudo de Pulmão
Edema Agudo de Pulmão
 
Fisiologia Humana 8 - Sistema Endócrino
Fisiologia Humana 8 - Sistema EndócrinoFisiologia Humana 8 - Sistema Endócrino
Fisiologia Humana 8 - Sistema Endócrino
 
Sistema tegumentar
Sistema tegumentarSistema tegumentar
Sistema tegumentar
 
03 sistema articular
03   sistema articular03   sistema articular
03 sistema articular
 
Antiarritmicos (1)
Antiarritmicos (1)Antiarritmicos (1)
Antiarritmicos (1)
 
SISTEMA HEMATOPOIÉTICO
 SISTEMA HEMATOPOIÉTICO SISTEMA HEMATOPOIÉTICO
SISTEMA HEMATOPOIÉTICO
 
Aula de disturbios hidroeletrolíticos
Aula de disturbios hidroeletrolíticosAula de disturbios hidroeletrolíticos
Aula de disturbios hidroeletrolíticos
 
Aula 13 sistema urinário - anatomia e fisiologia
Aula 13   sistema urinário - anatomia e fisiologiaAula 13   sistema urinário - anatomia e fisiologia
Aula 13 sistema urinário - anatomia e fisiologia
 

Semelhante a Patologia geral - distúrbios da circulação - capítulo 4 aula 1

Choque
ChoqueChoque
Choque
Rafael Costa
 
Aula sobre distúrbios circulatórios
Aula sobre distúrbios circulatóriosAula sobre distúrbios circulatórios
Alterações vasculares
Alterações vascularesAlterações vasculares
Alterações vasculares
Nathalia Fuga
 
Sistema circulatório
Sistema circulatórioSistema circulatório
Sistema circulatório
Cláudia Moura
 
Distúrbios Hemodinâmicos.pptx
 Distúrbios Hemodinâmicos.pptx Distúrbios Hemodinâmicos.pptx
Distúrbios Hemodinâmicos.pptx
EduardaSantana47
 
Sistema circulatorio (4) (1)
Sistema circulatorio (4) (1)Sistema circulatorio (4) (1)
Sistema circulatorio (4) (1)
Luciano Silveira
 
PHTLS 9ª Ed - Completo - Português BR (1).pdf
PHTLS 9ª Ed - Completo - Português BR (1).pdfPHTLS 9ª Ed - Completo - Português BR (1).pdf
PHTLS 9ª Ed - Completo - Português BR (1).pdf
EliasBittencourt3
 
Sistema Circulatório
Sistema CirculatórioSistema Circulatório
Sistema Circulatório
Patrícia Santos
 
Sangue
SangueSangue
Sangue
Hernane Lino
 
Patologia - Prof. Rafael Ramos.pptx
Patologia - Prof. Rafael Ramos.pptxPatologia - Prof. Rafael Ramos.pptx
Patologia - Prof. Rafael Ramos.pptx
CentrodeCapacitaoemS1
 
Patologia geral - distúrbios da circulação - capítulo 4 aula 2
Patologia geral - distúrbios da circulação - capítulo 4  aula 2Patologia geral - distúrbios da circulação - capítulo 4  aula 2
Patologia geral - distúrbios da circulação - capítulo 4 aula 2
Cleanto Santos Vieira
 
Patologia 06 distúrbios hemodinâmicos - med resumos - arlindo netto
Patologia 06   distúrbios hemodinâmicos - med resumos - arlindo nettoPatologia 06   distúrbios hemodinâmicos - med resumos - arlindo netto
Patologia 06 distúrbios hemodinâmicos - med resumos - arlindo netto
Jucie Vasconcelos
 
ANATONIA SIENF hhhhhhhhhhhhhaula 01.pptx
ANATONIA SIENF hhhhhhhhhhhhhaula 01.pptxANATONIA SIENF hhhhhhhhhhhhhaula 01.pptx
ANATONIA SIENF hhhhhhhhhhhhhaula 01.pptx
CintiaGiselle
 
Algumas patologias do Aparato cardiovascular
Algumas patologias do Aparato cardiovascularAlgumas patologias do Aparato cardiovascular
Algumas patologias do Aparato cardiovascular
NEELLITON SANTOS
 
Edema - tipos e exemplos
Edema - tipos e exemplos Edema - tipos e exemplos
Edema - tipos e exemplos
Isis Maia Castro
 
??A saúde do sistema cardiovascular??
??A saúde do sistema cardiovascular????A saúde do sistema cardiovascular??
??A saúde do sistema cardiovascular??
Igor Santos
 
cardiovascular
cardiovascular cardiovascular
cardiovascular
Drª Sandra silva
 
Sistema circulatório.pdf
Sistema circulatório.pdfSistema circulatório.pdf
Sistema circulatório.pdf
LucasViana550059
 
Fisiologia renal Veterinária
Fisiologia renal VeterináriaFisiologia renal Veterinária
Fisiologia renal Veterinária
Patrícia Oliver
 
Fisiologia renal
Fisiologia renalFisiologia renal
Fisiologia renal
Nathy Oliveira
 

Semelhante a Patologia geral - distúrbios da circulação - capítulo 4 aula 1 (20)

Choque
ChoqueChoque
Choque
 
Aula sobre distúrbios circulatórios
Aula sobre distúrbios circulatóriosAula sobre distúrbios circulatórios
Aula sobre distúrbios circulatórios
 
Alterações vasculares
Alterações vascularesAlterações vasculares
Alterações vasculares
 
Sistema circulatório
Sistema circulatórioSistema circulatório
Sistema circulatório
 
Distúrbios Hemodinâmicos.pptx
 Distúrbios Hemodinâmicos.pptx Distúrbios Hemodinâmicos.pptx
Distúrbios Hemodinâmicos.pptx
 
Sistema circulatorio (4) (1)
Sistema circulatorio (4) (1)Sistema circulatorio (4) (1)
Sistema circulatorio (4) (1)
 
PHTLS 9ª Ed - Completo - Português BR (1).pdf
PHTLS 9ª Ed - Completo - Português BR (1).pdfPHTLS 9ª Ed - Completo - Português BR (1).pdf
PHTLS 9ª Ed - Completo - Português BR (1).pdf
 
Sistema Circulatório
Sistema CirculatórioSistema Circulatório
Sistema Circulatório
 
Sangue
SangueSangue
Sangue
 
Patologia - Prof. Rafael Ramos.pptx
Patologia - Prof. Rafael Ramos.pptxPatologia - Prof. Rafael Ramos.pptx
Patologia - Prof. Rafael Ramos.pptx
 
Patologia geral - distúrbios da circulação - capítulo 4 aula 2
Patologia geral - distúrbios da circulação - capítulo 4  aula 2Patologia geral - distúrbios da circulação - capítulo 4  aula 2
Patologia geral - distúrbios da circulação - capítulo 4 aula 2
 
Patologia 06 distúrbios hemodinâmicos - med resumos - arlindo netto
Patologia 06   distúrbios hemodinâmicos - med resumos - arlindo nettoPatologia 06   distúrbios hemodinâmicos - med resumos - arlindo netto
Patologia 06 distúrbios hemodinâmicos - med resumos - arlindo netto
 
ANATONIA SIENF hhhhhhhhhhhhhaula 01.pptx
ANATONIA SIENF hhhhhhhhhhhhhaula 01.pptxANATONIA SIENF hhhhhhhhhhhhhaula 01.pptx
ANATONIA SIENF hhhhhhhhhhhhhaula 01.pptx
 
Algumas patologias do Aparato cardiovascular
Algumas patologias do Aparato cardiovascularAlgumas patologias do Aparato cardiovascular
Algumas patologias do Aparato cardiovascular
 
Edema - tipos e exemplos
Edema - tipos e exemplos Edema - tipos e exemplos
Edema - tipos e exemplos
 
??A saúde do sistema cardiovascular??
??A saúde do sistema cardiovascular????A saúde do sistema cardiovascular??
??A saúde do sistema cardiovascular??
 
cardiovascular
cardiovascular cardiovascular
cardiovascular
 
Sistema circulatório.pdf
Sistema circulatório.pdfSistema circulatório.pdf
Sistema circulatório.pdf
 
Fisiologia renal Veterinária
Fisiologia renal VeterináriaFisiologia renal Veterinária
Fisiologia renal Veterinária
 
Fisiologia renal
Fisiologia renalFisiologia renal
Fisiologia renal
 

Mais de Cleanto Santos Vieira

Hidroterapia - crio tapping - Aula 8
Hidroterapia - crio tapping - Aula 8Hidroterapia - crio tapping - Aula 8
Hidroterapia - crio tapping - Aula 8
Cleanto Santos Vieira
 
Termoterapia ondas curtas e microondas - cap 7
Termoterapia   ondas curtas e microondas - cap 7Termoterapia   ondas curtas e microondas - cap 7
Termoterapia ondas curtas e microondas - cap 7
Cleanto Santos Vieira
 
Termoterapia ultra-som - capítulo 14
Termoterapia   ultra-som - capítulo 14Termoterapia   ultra-som - capítulo 14
Termoterapia ultra-som - capítulo 14
Cleanto Santos Vieira
 
Fototerapia - ultra violeta - capitulo 16
Fototerapia - ultra violeta - capitulo 16Fototerapia - ultra violeta - capitulo 16
Fototerapia - ultra violeta - capitulo 16
Cleanto Santos Vieira
 
Fototerapia - infravermelho - cap 13
 Fototerapia - infravermelho - cap 13 Fototerapia - infravermelho - cap 13
Fototerapia - infravermelho - cap 13
Cleanto Santos Vieira
 
Fototerapia - laser - capítulo 15
 Fototerapia - laser - capítulo 15 Fototerapia - laser - capítulo 15
Fototerapia - laser - capítulo 15
Cleanto Santos Vieira
 
Hidroterapia - banhos de contraste - Aula 12
Hidroterapia - banhos de contraste - Aula 12 Hidroterapia - banhos de contraste - Aula 12
Hidroterapia - banhos de contraste - Aula 12
Cleanto Santos Vieira
 
Hidroterapia - turbilhões - Aula 11
Hidroterapia - turbilhões - Aula 11Hidroterapia - turbilhões - Aula 11
Hidroterapia - turbilhões - Aula 11
Cleanto Santos Vieira
 
Hidroterapia - crioalongamento - Aula 10
Hidroterapia - crioalongamento - Aula 10Hidroterapia - crioalongamento - Aula 10
Hidroterapia - crioalongamento - Aula 10
Cleanto Santos Vieira
 
Hidroterapia - imersão no gelo - Aula 9
Hidroterapia - imersão no gelo - Aula 9Hidroterapia - imersão no gelo - Aula 9
Hidroterapia - imersão no gelo - Aula 9
Cleanto Santos Vieira
 
Hidroterapia introdução - aula 1
Hidroterapia   introdução - aula 1Hidroterapia   introdução - aula 1
Hidroterapia introdução - aula 1
Cleanto Santos Vieira
 
Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18
Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18
Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18
Cleanto Santos Vieira
 
Eletroterapia - corrente russa - capitulo 7 aula 17
Eletroterapia - corrente russa - capitulo 7 aula 17Eletroterapia - corrente russa - capitulo 7 aula 17
Eletroterapia - corrente russa - capitulo 7 aula 17
Cleanto Santos Vieira
 
Neurofisiologia - sinapses - aula 3 capitulo 2
Neurofisiologia - sinapses - aula 3 capitulo 2 Neurofisiologia - sinapses - aula 3 capitulo 2
Neurofisiologia - sinapses - aula 3 capitulo 2
Cleanto Santos Vieira
 
Sistema Nervoso - fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...
Sistema Nervoso -  fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...Sistema Nervoso -  fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...
Sistema Nervoso - fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...
Cleanto Santos Vieira
 
Primeiros Socorros - Atendimento de emergência a politraumatizados
Primeiros Socorros - Atendimento de emergência a politraumatizadosPrimeiros Socorros - Atendimento de emergência a politraumatizados
Primeiros Socorros - Atendimento de emergência a politraumatizados
Cleanto Santos Vieira
 
Primeiros Socorros - posição restrição e movimentação no leito
Primeiros Socorros - posição restrição e movimentação no leitoPrimeiros Socorros - posição restrição e movimentação no leito
Primeiros Socorros - posição restrição e movimentação no leito
Cleanto Santos Vieira
 
Primeiros Socorros - Desmaios noções de cuidados e socorros de urgência
Primeiros Socorros - Desmaios noções de cuidados e socorros de urgênciaPrimeiros Socorros - Desmaios noções de cuidados e socorros de urgência
Primeiros Socorros - Desmaios noções de cuidados e socorros de urgência
Cleanto Santos Vieira
 
Primeiros Socorros - Respiração noções de primeiros socorros e cuidados de em...
Primeiros Socorros - Respiração noções de primeiros socorros e cuidados de em...Primeiros Socorros - Respiração noções de primeiros socorros e cuidados de em...
Primeiros Socorros - Respiração noções de primeiros socorros e cuidados de em...
Cleanto Santos Vieira
 
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos ofidismo
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos ofidismoPrimeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos ofidismo
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos ofidismo
Cleanto Santos Vieira
 

Mais de Cleanto Santos Vieira (20)

Hidroterapia - crio tapping - Aula 8
Hidroterapia - crio tapping - Aula 8Hidroterapia - crio tapping - Aula 8
Hidroterapia - crio tapping - Aula 8
 
Termoterapia ondas curtas e microondas - cap 7
Termoterapia   ondas curtas e microondas - cap 7Termoterapia   ondas curtas e microondas - cap 7
Termoterapia ondas curtas e microondas - cap 7
 
Termoterapia ultra-som - capítulo 14
Termoterapia   ultra-som - capítulo 14Termoterapia   ultra-som - capítulo 14
Termoterapia ultra-som - capítulo 14
 
Fototerapia - ultra violeta - capitulo 16
Fototerapia - ultra violeta - capitulo 16Fototerapia - ultra violeta - capitulo 16
Fototerapia - ultra violeta - capitulo 16
 
Fototerapia - infravermelho - cap 13
 Fototerapia - infravermelho - cap 13 Fototerapia - infravermelho - cap 13
Fototerapia - infravermelho - cap 13
 
Fototerapia - laser - capítulo 15
 Fototerapia - laser - capítulo 15 Fototerapia - laser - capítulo 15
Fototerapia - laser - capítulo 15
 
Hidroterapia - banhos de contraste - Aula 12
Hidroterapia - banhos de contraste - Aula 12 Hidroterapia - banhos de contraste - Aula 12
Hidroterapia - banhos de contraste - Aula 12
 
Hidroterapia - turbilhões - Aula 11
Hidroterapia - turbilhões - Aula 11Hidroterapia - turbilhões - Aula 11
Hidroterapia - turbilhões - Aula 11
 
Hidroterapia - crioalongamento - Aula 10
Hidroterapia - crioalongamento - Aula 10Hidroterapia - crioalongamento - Aula 10
Hidroterapia - crioalongamento - Aula 10
 
Hidroterapia - imersão no gelo - Aula 9
Hidroterapia - imersão no gelo - Aula 9Hidroterapia - imersão no gelo - Aula 9
Hidroterapia - imersão no gelo - Aula 9
 
Hidroterapia introdução - aula 1
Hidroterapia   introdução - aula 1Hidroterapia   introdução - aula 1
Hidroterapia introdução - aula 1
 
Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18
Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18
Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18
 
Eletroterapia - corrente russa - capitulo 7 aula 17
Eletroterapia - corrente russa - capitulo 7 aula 17Eletroterapia - corrente russa - capitulo 7 aula 17
Eletroterapia - corrente russa - capitulo 7 aula 17
 
Neurofisiologia - sinapses - aula 3 capitulo 2
Neurofisiologia - sinapses - aula 3 capitulo 2 Neurofisiologia - sinapses - aula 3 capitulo 2
Neurofisiologia - sinapses - aula 3 capitulo 2
 
Sistema Nervoso - fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...
Sistema Nervoso -  fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...Sistema Nervoso -  fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...
Sistema Nervoso - fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...
 
Primeiros Socorros - Atendimento de emergência a politraumatizados
Primeiros Socorros - Atendimento de emergência a politraumatizadosPrimeiros Socorros - Atendimento de emergência a politraumatizados
Primeiros Socorros - Atendimento de emergência a politraumatizados
 
Primeiros Socorros - posição restrição e movimentação no leito
Primeiros Socorros - posição restrição e movimentação no leitoPrimeiros Socorros - posição restrição e movimentação no leito
Primeiros Socorros - posição restrição e movimentação no leito
 
Primeiros Socorros - Desmaios noções de cuidados e socorros de urgência
Primeiros Socorros - Desmaios noções de cuidados e socorros de urgênciaPrimeiros Socorros - Desmaios noções de cuidados e socorros de urgência
Primeiros Socorros - Desmaios noções de cuidados e socorros de urgência
 
Primeiros Socorros - Respiração noções de primeiros socorros e cuidados de em...
Primeiros Socorros - Respiração noções de primeiros socorros e cuidados de em...Primeiros Socorros - Respiração noções de primeiros socorros e cuidados de em...
Primeiros Socorros - Respiração noções de primeiros socorros e cuidados de em...
 
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos ofidismo
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos ofidismoPrimeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos ofidismo
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos ofidismo
 

Último

Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
sula31
 
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdfVacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
rickriordan
 
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptxSíndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
marjoguedes1
 
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
AmaroAlmeidaChimbala
 
Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de suturaTipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
DelcioVumbuca
 
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do TrabalhoApostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
CatieleAlmeida1
 

Último (7)

Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
 
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdfVacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
 
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptxSíndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
 
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
 
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
 
Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de suturaTipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
 
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do TrabalhoApostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
 

Patologia geral - distúrbios da circulação - capítulo 4 aula 1

  • 1. Patologia Geral Professor: Cleanto Santos Vieira Capítulo 4: Disturbios circulatórios Aula I “Judith e Holofernes” – Caravaggio - 1599
  • 2. Patologia Geral • Distúrbios da Circulação: A circulação do sangue e a distribuição de líquidos pelo organismo são feitas por ação coordenada entre o coração (bomba), vasos sanguíneos e sistema linfático. • As artérias levam sangue aos tecidos e na microcirculação ocorre as trocas metabólicas. • As veias retornam o sangue ao coração que o movimenta continuamente. Capítulo 4: Disturbios circulatórios Aula I
  • 3. Patologia Geral • Os vasos linfáticos reabsorvem o excesso de líquido filtrado na microcirculação. Capítulo 4: Disturbios circulatórios Aula I
  • 4. Patologia Geral • A aorta e as artérias elásticas são vasos condutores. Suas paredes são ricas em fibras elásticas e permitem a conversão do fluxo pulsátil do coração em fluxo contínuo. • Nas artérias as hemácias e os leucócitos caminham no centro e o plasma flui próximo as paredes. • O “fluxo laminar” permite que os objetos que estão no centro do túbulo (artérias) se movimentem mais rápido do que os que estão na periferia. Capítulo 4: Disturbios circulatórios Aula I
  • 5. Patologia Geral • A circulação sanguínea exerce três tipos de forças ou pressão sobre os vasos: • 1 – Compressão radial/distensão (tensão) causada pela pressão intraluminal; • 2 – extensão longitudinal causada pela hiperextensão do vaso (forças longitudinais externas); • 3 – Cisalhamento, que atua tangencialmente na superfície interna do vaso e tende a “raspar” as células endoteliais. • A alteração dessas forças provoca remodulação estrutural dos vasos. Capítulo 4: Disturbios circulatórios Aula I
  • 6. Patologia Geral • O exercício físico aumenta o fluxo sanguíneo e, consequentemente, o cisalhamento, que por sua vez estimula a liberação de óxido nítrico (NO) e prostaciclina I₂ (PG₂) pelas células endoteliais, provocando vasodilatação. • Ao longo do tempo, ocorre aumento de enzimas responsáveis pela produção dos agentes vasodilatadores e remodelação do vaso com aumento de seu diâmetro. Capítulo 4: Disturbios circulatórios Aula I
  • 7. Patologia Geral • O fluxo sanguíneo em determinada área depende da diferença de pressão entre artéria e veia, do diâmetro e do comprimento do vaso e da viscosidade sanguínea. • O fluxo é diretamente proporcional à pressão e inversamente proporcional à resistência conforme a fórmula de Hagen-Poiseuille: • Q= ΔPµr⁴ • 8Lƞ • Onde Q é a demanda de sangue em determinado órgão; ΔP é a diferença de pressão entre artéria e veia; r é o raio do vaso; L é o comprimento do vaso; e ƞ é a viscosidade do sangue. Capítulo 4: Disturbios circulatórios Aula I
  • 8. Patologia Geral • O sangue passa das arteríolas (artérias com uma ou duas camadas de musculatura lisa) para os capilares, que se anastomosam amplamente entre si. • Os capilares têm em média 1mm de extensão. • Na microcirculação, o sangue flui lentamente (cerca e 1mm/segundo). • A regulação do fluxo sanguíneo nos capilares é feita pelas arteríolas. Capítulo 4: Disturbios circulatórios Aula I
  • 9. Patologia Geral • A microcirculação é responsável pela oxigenação, nutrição e remoção dos produtos do catabolismo celular. Capítulo 4: Disturbios circulatórios Aula I
  • 10. Patologia Geral • HIPEREMIA: • Aumento da quantidade de sangue no interior dos vasos de um órgão ou tecido orgânico. • Hiperemia ativa: dilatação arteriolar com aumento do fluxo sanguíneo local. • A vasodilatação é de origem simpática ou humoral e leva a abertura de capilares “inativos”, o que resulta em coloração rósea intensa ou vermelha no local atingido e aumento de temperatura. • Ao microscópio os capilares estão repletos de hemácias. Capítulo 4: Disturbios circulatórios Aula I
  • 11. Patologia Geral • A hiperemia ativa pode ser: • 1 – fisiológica -> quando há necessidade de maior irrigação, como ocorre nos músculos esqueléticos durante o exercício, na mucosa intestinal durante a digestão, na pele em ambientes quentes (para aumentar a perda de calor) ou na face frente a emoções. Capítulo 4: Disturbios circulatórios Aula I
  • 12. Patologia Geral • 2 – Patológica -> a qual acompanha inúmeros processos patológicos, principalmente inflamações agudas. Capítulo 4: Disturbios circulatórios Aula I “Rash Butterfly” – Lesão hiperêmica em asa de borboleta evidente em portadores de Lúpus eritematoso sistêmico.
  • 13. Patologia Geral • Hiperemia Passiva: • Também chamada de congestão, ocorre em razão da redução da drenagem venosa, provocando distensão das veias distais, vênulas e capilares. • A região comprometida apresenta coloração vermelho escura devido a grande concentração de hemoglobinas desoxigenada. • Pode ser localizada ou sistêmica (insuficiência cardíaca). Capítulo 4: Disturbios circulatórios Aula I
  • 14. Patologia Geral • A congestão pode ser causada por obstrução extrínseca (compressão do vaso) ou intrínseca de uma veia (trombose), ou por redução do retorno venoso (insuficiência cardíaca). • Na insuficiência cardíaca esquerda, estenose ou insuficiência mitral (congestão pulmonar). • Na insuficiência cardíaca direita (congestão sistêmica). • Na congestão aguda, os vasos estão distendidos e o órgão é mais pesado. • Na crônica, o órgão pode sofrer hipotrofia e apresentar micro- hemorragias antigas. Capítulo 4: Disturbios circulatórios Aula I Congestão hepática passiva aguda: Reflete habitualmente a descompensação cardíaca, mais comumente a insuficiência do lado direito, de instalação aguda
  • 15. Patologia Geral • Hiperemias agudas mais importantes: • 1 – Congestão pulmonar -> os capilares alveolares estão dilatados e os septos alargados pelo edema intersticial. • Ao longo prazo, os septos fibrosam e ficam espessados. • Devido as microrrupturas de capilares, ocorre a passagem de hemácias para os alvéolos e sua fagocitose pelos macrófagos alveolares, que passam a constituir as “células de insuficiência cardíaca”. Capítulo 4: Disturbios circulatórios Aula I
  • 16. Patologia Geral • 2 – Congestão Hepática: aguda ou crônica, provocada na maioria das vezes por insuficiência hepatica congestive, e menos comumente, por obstrução das veias hepaticas ou veia cava inferior. • Na aguda o fígado fica discretamente aumentado de peso e de volume, com coloração azul- vinhosa. Capítulo 4: Disturbios circulatórios Aula I
  • 17. Patologia Geral • Na crônica, o órgão tem cor vermelho-azulada, em fase avançada pode haver necrose e hemorragia centro-lobulares. • As regiões centro-lobulares são deprimidas, circundadas por parênquima hepático as vezes amarelado, apresentando aspecto de nóz moscada. Capítulo 4: Disturbios circulatórios Aula I
  • 18. Patologia Geral • 3 – Congestão do Baço -> aguda é causada geralmente por insuficiência cardíaca. • O órgão encontra-se pouco aumentado de volume, vermelho- cianótico e repleto de sangue. Capítulo 4: Disturbios circulatórios Aula I
  • 19. Patologia Geral • A crônica é encontrada principalmente na hipertensão da veia porta (cirrose hepatica, esquistossomose, etc…). • O baço é aumentado de volume (podendo chegar até 700g, cerca de cinco vezes o seu peso normal), endurecido por fibrose e focos hemorrágicos recentes ou antigos. Capítulo 4: Disturbios circulatórios Aula I Baço com 14 cm de comprimento, devido à lesão congestive crônica
  • 20. Patologia Geral • Viscosidade: é a resistência intrínseca de um líquido contra o fluxo. • Todos os líquidos (inclusive a água destilada) possuem viscosidade. Sua base molecular é a fricção interna entre suas moléculas e partículas. • Qualquer aumento de viscosidade diminui o fluxo líquido. • A viscosidade do sangue é resultado da viscosidade do plasma, dos seus constituintes celulares e da força de cisalhamento. Capítulo 4: Disturbios circulatórios Aula I
  • 21. Patologia Geral • Síndrome de hiperviscosidade: é um distúrbio da microcirculação caracterizado por aumento da viscosidade sanguínea, resultando em redução do fluxo capilar (hipoperfusão) e isquemia de órgãos. As causas são muito variadas. • Resumo das causas: • Hiperviscosidade plasmática -> provocada pela existência de proteínas anômalas ou com alto peso molecular (Ex: mieoloma múltiplo, doença de Waldensteron); grande quantidade de proteínas no sangue aumenta a agregação entre hemácias reduzindo as forças de dispersão entre elas. Capítulo 4: Disturbios circulatórios Aula I
  • 22. Patologia Geral Causas de Hiperviscosidade Sanguínea A B Alterações do componente plasmático Alterações do componente celular Hipergamaglobulinemia: - Mieloma múltiplo - Macroglobulinemia (doença de Wandestron) Aumento do hematócrito: Eritrocitose: - Em recém nascidos - Malformação cardíaca com cianose - DPOC (doença pulmonar obstrutiva crônica) - Policitemia vera Desidratação Hiperglicemia Distúrbio de deformidade das hemácias: - Anemia falciforme Leucocitose-leucostase: - Leucemia mielóide crônica - Leucemias agudas Capítulo 4: Disturbios circulatórios Aula I
  • 23. Patologia Geral • Manifestações clínicas da hiperviscosidade plasmática: aparecem geralmente quando a viscosidade do sangue é pelo menos 4 vezes a da água. • Muitas vezes o paciente tem sangramento devido a lesão capilar causada pela hipóxia, microtrombos ou distúrbio secundário da coagulação. • Além de hemorragias, manifestações neurológicas como a cefaleia, parestesias, ataxias, nistagmo, confusão mental ou coma (as vezes letais) são frequentes. Capítulo 4: Disturbios circulatórios Aula I Células de mieoloma múltiplo em azul púrpura
  • 24. Patologia Geral • A hiperglicemia também aumenta a viscosidade do sangue e quando muito elevada, os portadores apresentam sinais de hiperviscosidade e possível hiperosmolaridade ou desidratação. • Em diabéticos de longa evolução com hiperglicemia prolongada mas não muito alta, a hiperviscosidade é um dos fatores do desenvolvimento da retinopatia diabética. Capítulo 4: Disturbios circulatórios Aula I
  • 25. Patologia Geral • Aumento do Hematócrito -> Produção muito elevada de hemácias (policitemia, poliglobulia) ou desidratação aumentam o hematócrito, a viscosidade do sangue e a resistência vascular periférica. • A elevação do hematócrito, aumenta muito a viscosidade (especialmente em vênulas onde já é maior devido a baixa velocidade do sangue), e o baixo fluxo eleva o risco de formação de trombos e infartos. Capítulo 4: Disturbios circulatórios Aula I A policitemia vera é uma doença caracterizada por aumento no volume global de glóbulos vermelhos, decorrente de mieloproliferação endógena. É caracterizada por elevação do hematócrito.
  • 26. Patologia Geral • Alterações da deformabilidade das hemácias: A anemia falciforme (AF) é o exemplo clássico dessa condição patológica. • Ocorre, uma mutação do gene da hemoglobina resulta na síntese de uma proteína defeituosa (Hb- S). • Em estados de hipóxia ou acidose, a Hb-S, penetra no interior das hemácias alterando sua forma (falcização – foice) e aumentando sua rigidez. • Pacientes com esses defeitos genéticos apresentam infartos em vários órgãos (baço, pulmões, ossos, cérebro) e muitas vezes, desenvolvem úlceras na região do tornozelo. Capítulo 4: Disturbios circulatórios Aula I
  • 27. Patologia Geral • Leucocitose-leucostase -> A rigidez dos leucócitos (normalmente menor que a das hemácias) ↑ quando eles são ativados. • Nas leucocitose acentuadas (leucemias agudas ou crônicas), os leucócitos podem determinar a leucostase (obstrução da microcirculação por grande número de leucócitos anômalos. • A microcirculação do cérebro, pulmões e pênis é a mais afetada nessa situação. Capítulo 4: Disturbios circulatórios Aula I
  • 28. Patologia Geral • Manifestações clínicas da leucocitose-leucostase: sintomas neuro/psiquiátricos (tontura, delírio e até coma), distúrbios da visão, insuficiência respiratória com taquipnéia, dispneia e cianose e eventualmente priapismo. • Quando se consegue reduzir o número de leucócitos no período inicial do processo, essas manifestações desaparecem. Capítulo 4: Disturbios circulatórios Aula I Príapo, filho da ninfa chamada Vênus. Ciumenta de Vênus, Hera se esforçou em prejudicar a Príapo, e fê-lo nascer com uma deformidade extraordinária. Logo que veio ao mundo, sua mãe educou-o longe dela, nas margens do Helesponto, em Lampsaco, onde por sua libertinagem e atrevimentos, tornou-se um objeto de terror e de repulsão.
  • 29. Patologia Geral • Hemostasia: processo fisiológico envolvido com a fluidez do sangue e controle de sangramento quando ocorre lesão vascular. • Distúrbios da hemostasia, para mais ou para menos, são frequentes e responsáveis por inúmeras condições patológicas. • A hemostasia depende de três componentes fundamentais: parede vascular, plaquetas e sistema de coagulação. Capítulo 4: Disturbios circulatórios Aula I
  • 30. Patologia Geral • Parede vascular -> 1º componente fundamental da hemostasia. • Componentes da parede vascular com função hemostática: • 1 – endotélio; • 2 – moléculas que participam da coagulação e formação do tampão plaquetário: • A) tromboplastina (fator tecidual), liberada pelo endotélio quando lesado. • B) fator do Von Willebrand, existente na região subentotelial (estimulador da adesão plaquetária). • C) colágeno, fibronectina, trombospodina e laminina (ativam a via intrínseca da coagulação). Capítulo 4: Disturbios circulatórios Aula I
  • 31. Patologia Geral • Células endoteliais possuem atividades antitrombótica e trombolítica pela produção de diversos fatores: • 1) glicosaminoglicanos (moléculas de carga negativa de ação semelhante a da heparina, que inibe juntamente com a antitrombina III, o processo de coagulação). Capítulo 4: Disturbios circulatórios Aula I
  • 32. Patologia Geral • 2) óxido nítrico (NO) e prostaciclina (PGI₂) (impedem a adesão e agregação plaquetária. • No esquema ao lado é possível observar a ação do óxido nítrico e prostaciclina que irão inibir a ativação plaquetária. Capítulo 4: Disturbios circulatórios Aula I
  • 33. Patologia Geral • 3) A trombina formada pelo sistema de coagulação se liga à trombomodulina na superfície das células endoteliais. • O complexo formado ativa as proteínas C e S (efeitos anticoagulantes). Capítulo 4: Disturbios circulatórios Aula I
  • 34. Patologia Geral • Já o endotélio íntegro impede: • 1) interação das plaquetas com o fator de Von Willebrand, o qual provoca a agregação plaquetária e sua desgranulação; • 2) contato do plasma com colágeno, que ativa a cascata de coagulação; • 3) células endoteliais produzem ativadores do plasminogênio (atua na formação de plasmina – sistema de fibrinólise). Capítulo 4: Disturbios circulatórios Aula I
  • 35. Patologia Geral • Plaquetas: são essenciais para a hemostasia, além de atuarem na regulação do tônus vascular e cicatrização. • A carga eletrostática negativa na superfície impede adesão das plaquetas entre si e delas com as células do endotélio. • Ao lado os três componentes da função plaquetária (adesão, ativação ou secreção e agregação). Capítulo 4: Disturbios circulatórios Aula I
  • 36. Patologia Geral • Adesão plaquetária: é a aderência das plaquetas a uma superfície desprovida de endotélio, quando o colágeno subendotelial é exposto ao sangue. Capítulo 4: Disturbios circulatórios Aula I
  • 37. Patologia Geral • Secreção ou ativação plaquetária: plaquetas ativadas liberam o conteúdo de seu grânulos, que armazenam fatores pró-coagulantes. • 1 – fator plaquetário 4 (atividade anti- heparinizante); • 2 – Serotonina (neurotransmissor, vasoconstritor e regulador da atividade dos músculos lisos); • 3 – ADP (estimula a secreção e agregação plaquetárias); • 4 – tromboxano A₂ (TXA₂), (agregador plaquetário e potente vasoconstritor); • 5 - Ca⁺⁺ (essencial na cascata de coagulação); Capítulo 4: Disturbios circulatórios Aula I Mudança de forma da plaqueta com secreção dos grânulos.
  • 38. Patologia Geral • Agregação plaquetária: iniciada pela liberação de ADP, é o processo em que as plaquetas se aderem umas às outras, formando um agregado e liberando seus produtos. • A agregação plaquetária ocorre constantemente para reparar pequenos defeitos que ocorrem nos vasos sanguíneos por toda a vida. • Além de formar os tampões hemostáticos, a agregação é importante na coagulação sanguínea, pois ocorre aumento de fosfolipídeos de carga negativa na superfície plaquetária que aceleram a formação da trombina. • Essa agregação é estimulada por vários fatores, sobretudo ADP, TXA₂ e trombina. • NO e PGI₂ são inibidores dessa agregação. Capítulo 4: Disturbios circulatórios Aula I Ligação entre plaquetas
  • 39. Patologia Geral • Sistema de coagulação: fundamentalmente a transformação do fibrinogênio em fibrina polimerizada (insolúvel). • Depende de inúmeras reações sequenciais (em cascata) podendo ser por via intrínseca ou extrínseca. • A via intrínseca - > a partir do contato de fatores coagulantes com uma superfície • A via extrínseca -> ativada por liberação da tromboplastina (fator tecidual) quando há destruição celular. Capítulo 4: Disturbios circulatórios Aula I
  • 40. Patologia Geral • A cascata de coagulação tem alto poder coagulante, tornando a existência de fatores anticoagulantes, componentes essenciais. • Para termos uma noção apenas 1 ml de plasma é capaz de coagular todo fibrinogênio do corpo humano. • Iniciada a coagulação, os sistemas anticoagulantes também são estimulados, impedindo o crescimento descontrolado do trombo, ao mesmo tempo em que iniciam sua dissolução. Capítulo 4: Disturbios circulatórios Aula I
  • 41. Patologia Geral • Os principais elementos da fibrinólise (anticoagulantes naturais) são: • 1) antitrombina III (poderoso inibidor da trombina); • 2) proteínas C e S (inativam os fatores Va e VIIIa) a proteína C é ativada pela trombina e complexo trombina- trombomodulina; • 3) sistema fibrinolítico cujo produto final é a formação de plasmina (fibrinolisina) que degrada a fibrina gerada pelo sistema de coagulação sanguínea. Capítulo 4: Disturbios circulatórios Aula I
  • 42. REFERÊNCIAS • BOGLIOLO, L.; BRASILEIRO FILHO, G. Patologia. 7ªed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2006. • MONTENEGRO, M. R. (ed.); FRANCO, M. (ed.). Patologia: Processos Gerais. 4.ed São Paulo: Atheneu, 2004. 320 p. • ROBBINS, S. L.; KUMAR, V. (ed.); ABBAS, A.K. (ed.); FAUSTO, N. (ed.). Patologia: Bases Patlógicas das doenças. 7ª ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2005. “David e Golias” – Caravaggio - 1610