SlideShare uma empresa Scribd logo
PROF: Doutorando Alan Rafael de
Medeiros
Universidade Federal do Paraná (UFPR)
PARFOR
 Fins do Século XVII: Música orquestral
 Distinção entre:
• Música de Câmara;
 Cada instrumento executa uma parte;
 Pequeno conjunto;
• Música orquestral
 Vários instrumentos executando uma parte;
 Conjunto maior;
• Teatros de óperas com orquestras próprias;
 Mais famoso: Teatro de Ópera de Paris;
 Fins do Século XVII: Música orquestral
 Distinção entre:
• Concerto orquestral:
 Concerto Ripieno ou Concerto a 4 (vozes)
 Destaque para o 1º violino e linha do baixo;
• Concerto Grosso:
 Conjunto grande em oposição a pequeno conjunto;
• Concerto Solista:
 Conjunto em oposição a instrumento solista;
 Século XVIII: As Luzes
 Distinção entre:
• “A música é uma dádiva de Deus para ser usada apenas
em Sua Honra” (Andreas Werckmeister, 1680);
• “A música é um luxo inocente e, em boa verdade,
desnecessária à nossa existência, embora seja
grandemente proveitosa e agradável ao sentido do
ouvido” (Charles Bourney, 1776);
• Contradição entre as duas concepções:
 Revela a influência do Iluminismo ao longo do século XVIII
 Século XVIII: As Luzes
 Iluminismo:
• Movimento complexo de ideias caracterizado por uma
revolta do espírito humano;
-CONTRA: - PRÓ
- Igreja e Religião sobrenatural - Moral prática e natural
- Metafísica - Senso comum (empirismo)
- Formalismo - Naturalidade
- Autoridade - Liberdade
- Privilégios - Igualdade direitos (Educação)
 Século XVIII: As Luzes
 Iluminismo:
• Caracterizado por atmosfera secular empírica (baseada
na prática da experiência não escrita) cética, prática,
liberal, igualitária e progressista;
 Filósofos iluministas: John Locke (1632-1704) - David Hume
(1711-1776) – Claude Montesquieu (1689-1755) – Voltaire
(1694-1778) – Jean Jacques Rousseau (1712-1778)
 Rousseau - Responsável pelo Dicionário de Música
 Natureza e instintos (sentimentos) eram a fonte de verdadeiro
conhecimento e ação justa
 Século XVIII: As Luzes
 Características:
• Crença no conhecimento experimental aplicado;
• Crença no valor dos sentimentos naturais (comuns a
todos os homens)
 Indivíduo – ponto de partida da investigação e como critério
último da ação e investigação humana;
• Religião, ciência, filosofia, artes, ordem social;
 Avaliados em função da maneira como contribuíam ou não ao
bem estar do indivíduo;
 Século XVIII: As Luzes
 Características:
• Utilitarismo;
 A maior felicidade para o maior número - fórmula ética ideal
• Perfectividade do homem
 Desenvolvimento harmonioso de capacidades inatas do
indivíduo;
• Crítica das desigualdades - indivíduos comuns X classes
privilegiadas
 Séc. XVIII – Filósofos influenciavam diretamente a vida;
 Crescente difusão da filosofia do sentimento de glorificação do
homem natural – Coincidiu com a ascensão da CLASSE MÉDIA
 Características da vida no século XVIII:
• 1 – Época “Cosmopolita”
 Diferenças nacionais – minimizadas;
 Música – tendência à internacionalização;
• 2 – Época humanitária
 Programas de reformas sociais;
 Governantes protegendo as artes e as letras;
• 3 – Popularização do Ensino e das artes
 Diminuição do mecenato e crescimento do concerto público;
 Ascensão da classe média – popularização da arte e do ensino;
 Tratados e enciclopédias – cultura ao alcance de todos;
 Edição de músicas para público amador – simplificação;
 Características da vida no século XVIII:
• 4 – Valorização da prosa
 Romances e peças teatrais – Retratando as emoções
sentimentos das pessoas comuns;
 Música – devia imitar os sons da fala - naturalidade;
 VÍDEO 9ª SINFONIA BEETHOVEN
• Beethoven compôs este texto em 1823, inspirado no poema "Ode
à Alegria", de Friedrich Schiller (1759-1805), escrito em 1785.
Expressa uma visão idealista da raça humana como irmandade,
visão esta claramente humanista no contexto iluminista do século
XVIII;
 Música no contexto iluminista
• Música – Arte de cativar através da sucessão e
combinação de sons agradáveis;
 Devia ir ao encontro do ouvinte, e não obrigá-lo a fazer um
esforço para compreender sua estrutura;
 Devia cativar e comover, mas não surpreender em demasia, e
ainda menos causar perplexidade (pelo excesso de
complexidade);
 Devia evitar as complexidades contrapontísticas que só alguns
eleitos seriam capazes de apreciar;
 Composição musical – Arte de inventar melodias e de as
acompanhar com harmonias apropriadas
 Cantar duas melodias ao mesmo tempo é como fazer dois
discursos ao mesmo tempo para ser mais convincente
 Música na segunda metade do séc. XVIII
• Conceito de música ideal:
 1 - Linguagem deve ser universal;
 Não limitada pelas barreiras nacionais;
 2 - Deve ser nobre e agradável;
 3 - Expressiva,dentro dos limites do decoro;
 4 - Natural
 Despojada de complexidade técnicas inúteis e capaz de cativar
imediatamente qualquer ouvinte de sensibilidade mediana;
 Esta fórmula – resumo dos objetivos gerais que nortearam o
espírito dos compositores e do público das últimas três décadas
do século XVIII
Novas concepções de melodia e harmonia
• 1 - Melodia
 Abandono da ideia de afeto ou emoção fundamental
 Criação de contrastes entre as várias partes do andamento ou mesmo
dentro do próprio tema
 Estruturação periódica
 Melodias articulando-se em frases distintas, regra geral de dois ou
quatro compassos, em contrapartida ao desenvolvimento melódico em
forma contínua do Barroco;
 Caracterização da melodia
 Podia consistir simplesmente de figuração acórdica, eventualmente
ornamentadas por nota de passagem, grupetos, appoggiaturas, etc.
 Coloridos obtidos por meio do modo Maior – menor;
Novas concepções de melodia e harmonia
• 2 - Harmonia
 Baseada no tratado teórico do francês J. P. Rameau (1683-1764)
 Tratado de Harmonia (1722)
 “Estabelecimento”da tríade maior
 Resultante da divisão da corda em 2, 3 e 4 ou 5 partes iguais;
 Seguindo os padrões de naturalidade vigentes do período;
 Construção de acordes, em intervalos de 3ª, dentro de uma 8ª,
alargando a tríade até a 7ª;
 Acordes de Tônica (1º Grau), Subdominante (4º Grau) e
Dominante (5º Grau)
 Pilares da TONALIDADE;
 Formulando a noção de Harmonia Funcional;
Novas concepções de melodia e harmonia
• 2 - Harmonia
 TONALIDADE
 Uma forma de sistematização da Harmonia
 Harmonia Funcional X Harmonia Triádica (G. Zarlino, 1558 Le
Institutioni Harmoniche)
 Harmonia Funcional – Função de sustentação da melodia;
 Hierarquização dos acordes,e toda a música se baseia nesta hierarquização
 Harmonia Triádica – Ideia de verticalidade das vozes;
 Intrínseca relação com o contraponto e com os modos eclesiásticos;
 Harmonia Funcional de Rameau (1722)
 Nova forma de pensar a estruturação musical, ideal para a burguesia;
 Que não conhecia música (complexidades técnicas e auditivas);
 Precisava e ambicionava por uma música mais simples
Novas concepções de melodia e harmonia
• 2 - Harmonia
 Harmonia Sequencial e Progressiva de Zarlino (1558)
 Sequencial – das células rítmico melódicas;
 Dão a sensação de melodia (por meio da progressão do movimento);
 Ideia de Pulsão (mais rico harmonicamente e mais pobre melodicamente);
 Não há eixo centralizador – sensação de contração e distensão;
 Presente em todo o Barroco (Séc. XVII)
 Tríade – Relação matemática,três notas;
 Acorde – Tríade com função hierarquizada/hierarquizante;
 Função de sustentação da melodia;
 Porque a burguesia só conseguia cantar e distinguir uma melodia;
 VÍDEO – Brandenburg Concert 3 – 1º Movimento (J. S. Bach)
Novas concepções de melodia e harmonia
• 2 - Harmonia
 Ritmo harmônico
 Mais lento que o antigo
 Harmonia mais“pesada”.
 Estruturação
 Atividade fervilhante da melodias se desenvolve sobre uma harmonia
relativamente lenta e convencional;
 Harmonia e linha do baixo reduzidos a acompanhamento
 Síntese desta prática – Música para teclas - Baixo de Alberti (Domenico
Alberti 1710-1740).
 Quebra do acorde em sucessão de arpejos das notas contidas na tríade
 Utilizado por todos os compositores clássicos (1ª Escola de Viena – Mozart,
Haydn e Beethoven)
 VÍDEO – Alberti Bass - Aula
Principais estilos de música instrumental
 1 - Sonata;
Mais importante estrutura musical do período clássico até o século XX.
Segue o princípio do material exposto pela primeira vez numa tonalidade
complementar seja reexposto na tonalidade original.
A primeira seção, EXPOSIÇÃO, divide-se em um primeiro grupo, na
tônica, e após um material de transição, um segundo grupo, em outra
tonalidade (habitualmente a dominante), normalmente com uma codeta
para concluir perfeitamente a seção.
A segunda parte da estrutura compreende as duas seções remanescentes,
o DESENVOLVIMENTO e a RECAPITULAÇÃO. O primeiro desenvolve o
material da exposição numa variedade de modos, progredindo por várias
tonalidades (ideia de instabilidade tonal, tensão rítmica e melódica). A
recapitulação reexpõe os temas da exposição, habitualmente na mesma
ordem, e o segundo grupo é ouvido agora na tônica.
 VIDEO a forma sonata – W. A. Mozart;
Principais estilos de música instrumental
 2 - Sinfonia;
1 – Termo usado a partir do Renascimento para designar vários tipos de
peça (geralmente instrumentais). Em torno de 1700, utilizava-se o termo
sonata ou sinfonia para peças instrumentais; Durante o século XVIII passou
cada vez mais a designar a sinfonia de concerto, para distingui-la da
Ouverture italiana;
2 – Obra orquestral de grandes dimensões, geralmente em três ou quatro
movimentos (Rápido – Lento – Rápido em ritmo de dança). É
tradicionalmente considerada a principal forma de composição
orquestral.
 VIDEO Sinfonia – J. S. Bach – Cantata KV 29;
 VÍDEO Sinfonia no 1 – W. A. Mozart (1764)
Principais estilos de música instrumental
 3 – Música de Câmara;
 Relevo no final do século XVIII
 Quartetos de corda
 Firmados na época de Haydn, porém localizável em compositores antecessores
como L. Bocherinni (1743-1805) e F. X. Ricther (1709-1789)
 4 – Concerto
 Termo frequentemente aplicado no século XVII à música para conjunto
de vozes e de instrumentos; desde então costuma indicar uma obra em
que um instrumento solista (ou grupo de instrumentos solista) contrasta
com um conjunto orquestral;
 VIDEO Clarinet Concert in A Major – W. A. Mozart;
 MúsicaVocal
 Ópera, canção e música sacra:
• Na ópera, ocorreu o mesmo que a sonata e sinfonia;
 Novos gêneros que foram surgindo a partir de modelos antigos,
sendo suplantados nas primeiras décadas do século XVIII;
 França – Tragédia lírica (tragédie lyrique) (Lully) resistiu às mudanças
 Alemanha – Estilo global da ópera veneziana (levada por Schütz e
sucessores) sobreviveu;
 Itália – novos ares de mudança; fruto das mesmas forças que
remodelaram todos os gêneros da música do período – ILUMINISMO
 Nova ópera pretendia ser: Clara, simples, racional, fiel à natureza,
universalmente cativante e capaz de agradar o público sem lhe causar
fadiga mental desnecessária;
 Ópera séria italiana (metade do século XVIII):
• Fórmula literária – Poeta italiano Pietro Metastasio (1689-
1782);
 Musicalizada pela maioria dos compositores do séc. XVIII;
 Abordam um conflito das paixões humanas, baseado em relato
de autor da antiguidade grega ou latina;
 Elenco habitual:dois pares de namorados e fig. Secundárias;
 Desenrolar da ação
 Introdução variada de cenas: pastoris, guerreiras, cerimônias solenes;
 Resolução do drama: ato de heroísmo ou renúncia de uma personagem;
 Óperas divididas em 3 atos: estruturados em árias e recitativos;
 Função da orquestra:acompanhamento do canto;
 Interesse musical da ópera séria italiana – árias;
 Reforma da Ópera séria italiana
• Ópera deveria ser mais flexível na estrutura;
 Abandono da rigidez na sucessão recitativo-ária;
 Mais expressiva no conteúdo – temáticas mais próximas do
cotidiano – abandono da temática greco-romana;
 Melodias mais cantáveis – Importante que o homem comum
pudesse memorizar facilmente a melodia
 Mais variedade na utilização dos recursos musicais (orquestra e
coros)
 Resultados;
 Ária da capo modificada; maior flexibilidade entre recitativos e
árias (maior rapidez e realismo); maior importância à orquestra;
reutilização de corais;maior controle do compositor (cantores);
 Reforma da Ópera séria italiana
• Principal personalidade do mov. Reformador - Cristoph
W. Gluck (1714-1787);
 Síntese entre a ópera francesa e italiana – estilo operístico
internacional;
 Guerre des bouffons (1752) – Presença da ópera cômica;
 Discussão intelectual, uma oposição crítica e estética em relação à ópera
francesa;
 Estopim: Presença de uma companhia de ópera italiana, que interpretou
simultaneamente a obra de Gluck Iphigénie em Aulide, e uma ópera
buffa de G. B. Pergolesi (1710-1736) LA SERVA PADRONA (1733);
 Opiniões pró ópera italiana (rainha) – pró ópera francesa (rei);
 Caminho aberto para repensar a ópera: ÓPERA CÔMICA
 Ópera Cômica
• Estilo mais ligeiro que a ópera séria;
 Episódios e personagens do cotidiano;
 Adotou características específicas em diferentes países, em
revolta ao predomínio da ópera séria;
 Itália – Ópera buffa; França – Opéra Comique;
 Inglaterra – Ballad opera; Alemanha – Singspiel e o Lied;
 Libreto era escrito em língua nacional; Música acentuava as
características musicais de cada país;
 Encenada com recursos mais modestos;
 VÍDEO – La serva Padrona – Pergolesi (1733) – 40:00
 Relevância histórica:
 1 – Respondeu à exigência universal do conceito de naturalidade
 2 – Primeiro grande porta-voz do movimento do Nacionalismo
Musical,típico do período Romântico do século XIX;

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Carina Martins
 
Sonata
SonataSonata
Musica Medieval
Musica MedievalMusica Medieval
Musica Medieval
HOME
 
Caderno de-harmonia 1
Caderno de-harmonia 1Caderno de-harmonia 1
Caderno de-harmonia 1
Elias Vidal
 
História da música i – 10ª aula
História da música i – 10ª aulaHistória da música i – 10ª aula
História da música i – 10ª aula
Leonardo Brum
 
História da Música I - 5ª aula
História da Música I - 5ª aulaHistória da Música I - 5ª aula
História da Música I - 5ª aula
Leonardo Brum
 
Os Modos Antigos Musica
Os Modos Antigos MusicaOs Modos Antigos Musica
Os Modos Antigos Musica
HOME
 
Música Medieval - Prof.Altair Aguilar
Música Medieval -  Prof.Altair AguilarMúsica Medieval -  Prof.Altair Aguilar
Música Medieval - Prof.Altair Aguilar
Altair Moisés Aguilar
 
O Acorde Tristão
O Acorde TristãoO Acorde Tristão
O Acorde Tristão
Leonardo Brum
 
História da música i – 12ª aula
História da música i – 12ª aulaHistória da música i – 12ª aula
História da música i – 12ª aula
Leonardo Brum
 
Musica
MusicaMusica
Barroco
BarrocoBarroco
Powerpoint musica antiga - barroco i
Powerpoint   musica antiga - barroco iPowerpoint   musica antiga - barroco i
Powerpoint musica antiga - barroco i
Ricardo Catete
 
Períodos Da Música Ocidental
Períodos Da Música OcidentalPeríodos Da Música Ocidental
Períodos Da Música Ocidental
cecilianoclaro
 
História da Música I - 6ª aula
História da Música I - 6ª aulaHistória da Música I - 6ª aula
História da Música I - 6ª aula
Leonardo Brum
 
História da Música I: 4ª aula
História da Música I:   4ª aulaHistória da Música I:   4ª aula
História da Música I: 4ª aula
Leonardo Brum
 
Musica Barroca
Musica BarrocaMusica Barroca
Musica Barroca
Carlos Pinheiro
 
Romantismo musica
Romantismo musicaRomantismo musica
Romantismo musica
inessoarescm
 
Análise da Sonata para viola e piano de Radamés Gnattali: primeiro movimento
Análise da Sonata para viola e piano de Radamés Gnattali: primeiro movimentoAnálise da Sonata para viola e piano de Radamés Gnattali: primeiro movimento
Análise da Sonata para viola e piano de Radamés Gnattali: primeiro movimento
Aparecida Valiatti
 
História da Música I: aula inaugural
História da Música I:   aula inauguralHistória da Música I:   aula inaugural
História da Música I: aula inaugural
Leonardo Brum
 

Mais procurados (20)

Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Sonata
SonataSonata
Sonata
 
Musica Medieval
Musica MedievalMusica Medieval
Musica Medieval
 
Caderno de-harmonia 1
Caderno de-harmonia 1Caderno de-harmonia 1
Caderno de-harmonia 1
 
História da música i – 10ª aula
História da música i – 10ª aulaHistória da música i – 10ª aula
História da música i – 10ª aula
 
História da Música I - 5ª aula
História da Música I - 5ª aulaHistória da Música I - 5ª aula
História da Música I - 5ª aula
 
Os Modos Antigos Musica
Os Modos Antigos MusicaOs Modos Antigos Musica
Os Modos Antigos Musica
 
Música Medieval - Prof.Altair Aguilar
Música Medieval -  Prof.Altair AguilarMúsica Medieval -  Prof.Altair Aguilar
Música Medieval - Prof.Altair Aguilar
 
O Acorde Tristão
O Acorde TristãoO Acorde Tristão
O Acorde Tristão
 
História da música i – 12ª aula
História da música i – 12ª aulaHistória da música i – 12ª aula
História da música i – 12ª aula
 
Musica
MusicaMusica
Musica
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 
Powerpoint musica antiga - barroco i
Powerpoint   musica antiga - barroco iPowerpoint   musica antiga - barroco i
Powerpoint musica antiga - barroco i
 
Períodos Da Música Ocidental
Períodos Da Música OcidentalPeríodos Da Música Ocidental
Períodos Da Música Ocidental
 
História da Música I - 6ª aula
História da Música I - 6ª aulaHistória da Música I - 6ª aula
História da Música I - 6ª aula
 
História da Música I: 4ª aula
História da Música I:   4ª aulaHistória da Música I:   4ª aula
História da Música I: 4ª aula
 
Musica Barroca
Musica BarrocaMusica Barroca
Musica Barroca
 
Romantismo musica
Romantismo musicaRomantismo musica
Romantismo musica
 
Análise da Sonata para viola e piano de Radamés Gnattali: primeiro movimento
Análise da Sonata para viola e piano de Radamés Gnattali: primeiro movimentoAnálise da Sonata para viola e piano de Radamés Gnattali: primeiro movimento
Análise da Sonata para viola e piano de Radamés Gnattali: primeiro movimento
 
História da Música I: aula inaugural
História da Música I:   aula inauguralHistória da Música I:   aula inaugural
História da Música I: aula inaugural
 

Destaque

Classicismo
ClassicismoClassicismo
Van Beethoven
Van BeethovenVan Beethoven
Van Beethoven
martinsramon
 
Curso de Música
Curso de MúsicaCurso de Música
Curso de Música
mzylb
 
Neoclassicismo
NeoclassicismoNeoclassicismo
Neoclassicismo
HCA_10I
 
Historia da musica
Historia da musicaHistoria da musica
Historia da musica
diogo_lopes
 
Neoclassicismo
NeoclassicismoNeoclassicismo
Neoclassicismo
Samara Moraesbrito
 
Periodo Clássico / Classicismo
Periodo Clássico / ClassicismoPeriodo Clássico / Classicismo
Periodo Clássico / Classicismo
Carolina Sobrenome
 
24. Neoclassicismo
24. Neoclassicismo24. Neoclassicismo
24. Neoclassicismo
guest9c2383
 
História da Música
História da MúsicaHistória da Música
História da Música
joohnfer
 
Beethoven power point - pdf
Beethoven power point - pdfBeethoven power point - pdf
Beethoven power point - pdf
trinapowers
 
A Arte Neoclássica
A Arte NeoclássicaA Arte Neoclássica
A Arte Neoclássica
Carlos Pinheiro
 
Historia da musica
Historia da musica Historia da musica
Historia da musica
Shinnayder
 
Beethoven
BeethovenBeethoven
Beethoven
John Peter Holly
 
Neoclassicismo
NeoclassicismoNeoclassicismo
Neoclassicismo
Arte Educadora
 

Destaque (14)

Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
 
Van Beethoven
Van BeethovenVan Beethoven
Van Beethoven
 
Curso de Música
Curso de MúsicaCurso de Música
Curso de Música
 
Neoclassicismo
NeoclassicismoNeoclassicismo
Neoclassicismo
 
Historia da musica
Historia da musicaHistoria da musica
Historia da musica
 
Neoclassicismo
NeoclassicismoNeoclassicismo
Neoclassicismo
 
Periodo Clássico / Classicismo
Periodo Clássico / ClassicismoPeriodo Clássico / Classicismo
Periodo Clássico / Classicismo
 
24. Neoclassicismo
24. Neoclassicismo24. Neoclassicismo
24. Neoclassicismo
 
História da Música
História da MúsicaHistória da Música
História da Música
 
Beethoven power point - pdf
Beethoven power point - pdfBeethoven power point - pdf
Beethoven power point - pdf
 
A Arte Neoclássica
A Arte NeoclássicaA Arte Neoclássica
A Arte Neoclássica
 
Historia da musica
Historia da musica Historia da musica
Historia da musica
 
Beethoven
BeethovenBeethoven
Beethoven
 
Neoclassicismo
NeoclassicismoNeoclassicismo
Neoclassicismo
 

Semelhante a Parfor aula 7 classicismo

A música clássica (Classicismo)
A música clássica (Classicismo)A música clássica (Classicismo)
A música clássica (Classicismo)
Wesley Germano Otávio
 
A música barroca
A música barrocaA música barroca
A música barroca
Isabella Silva
 
História da Música I - 7ª e 8ª aulas (Renascimento)
História da Música I - 7ª e 8ª aulas (Renascimento)História da Música I - 7ª e 8ª aulas (Renascimento)
História da Música I - 7ª e 8ª aulas (Renascimento)
Leonardo Brum
 
O Período Barroco e a Música
O Período Barroco e a MúsicaO Período Barroco e a Música
O Período Barroco e a Música
João Costa
 
Orquestra introdução
Orquestra introduçãoOrquestra introdução
Orquestra introdução
Anaí Peña
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
protus1982
 
A Música no período de Da Vinci e o seu Desenvolvimento
A Música no período de Da Vinci e o seu DesenvolvimentoA Música no período de Da Vinci e o seu Desenvolvimento
A Música no período de Da Vinci e o seu Desenvolvimento
Jofran Lirio
 
O romantismo
O romantismoO romantismo
O romantismo
andreiapintocm
 
A música e o ruído (aula interativa)
A música e o ruído (aula interativa)A música e o ruído (aula interativa)
A música e o ruído (aula interativa)
Marcos Feitosa
 
HM II - Programa.pdf
HM II - Programa.pdfHM II - Programa.pdf
HM II - Programa.pdf
AndreiaCosta76860
 
História da música
História da músicaHistória da música
História da música
Meire Falco
 
História da música clássica
História da música clássicaHistória da música clássica
História da música clássica
Oracy Filho
 
Cifragem de Acordes.pdf
Cifragem de Acordes.pdfCifragem de Acordes.pdf
Cifragem de Acordes.pdf
RcivalAlves1
 
Os Concertos De Vivaldi
Os Concertos De VivaldiOs Concertos De Vivaldi
Os Concertos De Vivaldi
HOME
 
Breve HistóRia Da MúSica Erudita
Breve HistóRia Da MúSica EruditaBreve HistóRia Da MúSica Erudita
Breve HistóRia Da MúSica Erudita
HOME
 
A Orquestra
A OrquestraA Orquestra
A Orquestra
HOME
 
Historia da música clássica
Historia da música clássicaHistoria da música clássica
Historia da música clássica
Umberto Pacheco
 
A história da música (resumo)
A história da música (resumo)A história da música (resumo)
A história da música (resumo)
Musician
 
História da música i – 11ª aula
História da música i – 11ª aulaHistória da música i – 11ª aula
História da música i – 11ª aula
Leonardo Brum
 
Música renascentista
Música renascentistaMúsica renascentista
Música renascentista
helenavf1
 

Semelhante a Parfor aula 7 classicismo (20)

A música clássica (Classicismo)
A música clássica (Classicismo)A música clássica (Classicismo)
A música clássica (Classicismo)
 
A música barroca
A música barrocaA música barroca
A música barroca
 
História da Música I - 7ª e 8ª aulas (Renascimento)
História da Música I - 7ª e 8ª aulas (Renascimento)História da Música I - 7ª e 8ª aulas (Renascimento)
História da Música I - 7ª e 8ª aulas (Renascimento)
 
O Período Barroco e a Música
O Período Barroco e a MúsicaO Período Barroco e a Música
O Período Barroco e a Música
 
Orquestra introdução
Orquestra introduçãoOrquestra introdução
Orquestra introdução
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
A Música no período de Da Vinci e o seu Desenvolvimento
A Música no período de Da Vinci e o seu DesenvolvimentoA Música no período de Da Vinci e o seu Desenvolvimento
A Música no período de Da Vinci e o seu Desenvolvimento
 
O romantismo
O romantismoO romantismo
O romantismo
 
A música e o ruído (aula interativa)
A música e o ruído (aula interativa)A música e o ruído (aula interativa)
A música e o ruído (aula interativa)
 
HM II - Programa.pdf
HM II - Programa.pdfHM II - Programa.pdf
HM II - Programa.pdf
 
História da música
História da músicaHistória da música
História da música
 
História da música clássica
História da música clássicaHistória da música clássica
História da música clássica
 
Cifragem de Acordes.pdf
Cifragem de Acordes.pdfCifragem de Acordes.pdf
Cifragem de Acordes.pdf
 
Os Concertos De Vivaldi
Os Concertos De VivaldiOs Concertos De Vivaldi
Os Concertos De Vivaldi
 
Breve HistóRia Da MúSica Erudita
Breve HistóRia Da MúSica EruditaBreve HistóRia Da MúSica Erudita
Breve HistóRia Da MúSica Erudita
 
A Orquestra
A OrquestraA Orquestra
A Orquestra
 
Historia da música clássica
Historia da música clássicaHistoria da música clássica
Historia da música clássica
 
A história da música (resumo)
A história da música (resumo)A história da música (resumo)
A história da música (resumo)
 
História da música i – 11ª aula
História da música i – 11ª aulaHistória da música i – 11ª aula
História da música i – 11ª aula
 
Música renascentista
Música renascentistaMúsica renascentista
Música renascentista
 

Último

497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
SthafaniHussin1
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 

Último (20)

497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 

Parfor aula 7 classicismo

  • 1. PROF: Doutorando Alan Rafael de Medeiros Universidade Federal do Paraná (UFPR) PARFOR
  • 2.  Fins do Século XVII: Música orquestral  Distinção entre: • Música de Câmara;  Cada instrumento executa uma parte;  Pequeno conjunto; • Música orquestral  Vários instrumentos executando uma parte;  Conjunto maior; • Teatros de óperas com orquestras próprias;  Mais famoso: Teatro de Ópera de Paris;
  • 3.  Fins do Século XVII: Música orquestral  Distinção entre: • Concerto orquestral:  Concerto Ripieno ou Concerto a 4 (vozes)  Destaque para o 1º violino e linha do baixo; • Concerto Grosso:  Conjunto grande em oposição a pequeno conjunto; • Concerto Solista:  Conjunto em oposição a instrumento solista;
  • 4.  Século XVIII: As Luzes  Distinção entre: • “A música é uma dádiva de Deus para ser usada apenas em Sua Honra” (Andreas Werckmeister, 1680); • “A música é um luxo inocente e, em boa verdade, desnecessária à nossa existência, embora seja grandemente proveitosa e agradável ao sentido do ouvido” (Charles Bourney, 1776); • Contradição entre as duas concepções:  Revela a influência do Iluminismo ao longo do século XVIII
  • 5.  Século XVIII: As Luzes  Iluminismo: • Movimento complexo de ideias caracterizado por uma revolta do espírito humano; -CONTRA: - PRÓ - Igreja e Religião sobrenatural - Moral prática e natural - Metafísica - Senso comum (empirismo) - Formalismo - Naturalidade - Autoridade - Liberdade - Privilégios - Igualdade direitos (Educação)
  • 6.  Século XVIII: As Luzes  Iluminismo: • Caracterizado por atmosfera secular empírica (baseada na prática da experiência não escrita) cética, prática, liberal, igualitária e progressista;  Filósofos iluministas: John Locke (1632-1704) - David Hume (1711-1776) – Claude Montesquieu (1689-1755) – Voltaire (1694-1778) – Jean Jacques Rousseau (1712-1778)  Rousseau - Responsável pelo Dicionário de Música  Natureza e instintos (sentimentos) eram a fonte de verdadeiro conhecimento e ação justa
  • 7.  Século XVIII: As Luzes  Características: • Crença no conhecimento experimental aplicado; • Crença no valor dos sentimentos naturais (comuns a todos os homens)  Indivíduo – ponto de partida da investigação e como critério último da ação e investigação humana; • Religião, ciência, filosofia, artes, ordem social;  Avaliados em função da maneira como contribuíam ou não ao bem estar do indivíduo;
  • 8.  Século XVIII: As Luzes  Características: • Utilitarismo;  A maior felicidade para o maior número - fórmula ética ideal • Perfectividade do homem  Desenvolvimento harmonioso de capacidades inatas do indivíduo; • Crítica das desigualdades - indivíduos comuns X classes privilegiadas  Séc. XVIII – Filósofos influenciavam diretamente a vida;  Crescente difusão da filosofia do sentimento de glorificação do homem natural – Coincidiu com a ascensão da CLASSE MÉDIA
  • 9.  Características da vida no século XVIII: • 1 – Época “Cosmopolita”  Diferenças nacionais – minimizadas;  Música – tendência à internacionalização; • 2 – Época humanitária  Programas de reformas sociais;  Governantes protegendo as artes e as letras; • 3 – Popularização do Ensino e das artes  Diminuição do mecenato e crescimento do concerto público;  Ascensão da classe média – popularização da arte e do ensino;  Tratados e enciclopédias – cultura ao alcance de todos;  Edição de músicas para público amador – simplificação;
  • 10.  Características da vida no século XVIII: • 4 – Valorização da prosa  Romances e peças teatrais – Retratando as emoções sentimentos das pessoas comuns;  Música – devia imitar os sons da fala - naturalidade;  VÍDEO 9ª SINFONIA BEETHOVEN • Beethoven compôs este texto em 1823, inspirado no poema "Ode à Alegria", de Friedrich Schiller (1759-1805), escrito em 1785. Expressa uma visão idealista da raça humana como irmandade, visão esta claramente humanista no contexto iluminista do século XVIII;
  • 11.  Música no contexto iluminista • Música – Arte de cativar através da sucessão e combinação de sons agradáveis;  Devia ir ao encontro do ouvinte, e não obrigá-lo a fazer um esforço para compreender sua estrutura;  Devia cativar e comover, mas não surpreender em demasia, e ainda menos causar perplexidade (pelo excesso de complexidade);  Devia evitar as complexidades contrapontísticas que só alguns eleitos seriam capazes de apreciar;  Composição musical – Arte de inventar melodias e de as acompanhar com harmonias apropriadas  Cantar duas melodias ao mesmo tempo é como fazer dois discursos ao mesmo tempo para ser mais convincente
  • 12.  Música na segunda metade do séc. XVIII • Conceito de música ideal:  1 - Linguagem deve ser universal;  Não limitada pelas barreiras nacionais;  2 - Deve ser nobre e agradável;  3 - Expressiva,dentro dos limites do decoro;  4 - Natural  Despojada de complexidade técnicas inúteis e capaz de cativar imediatamente qualquer ouvinte de sensibilidade mediana;  Esta fórmula – resumo dos objetivos gerais que nortearam o espírito dos compositores e do público das últimas três décadas do século XVIII
  • 13. Novas concepções de melodia e harmonia • 1 - Melodia  Abandono da ideia de afeto ou emoção fundamental  Criação de contrastes entre as várias partes do andamento ou mesmo dentro do próprio tema  Estruturação periódica  Melodias articulando-se em frases distintas, regra geral de dois ou quatro compassos, em contrapartida ao desenvolvimento melódico em forma contínua do Barroco;  Caracterização da melodia  Podia consistir simplesmente de figuração acórdica, eventualmente ornamentadas por nota de passagem, grupetos, appoggiaturas, etc.  Coloridos obtidos por meio do modo Maior – menor;
  • 14. Novas concepções de melodia e harmonia • 2 - Harmonia  Baseada no tratado teórico do francês J. P. Rameau (1683-1764)  Tratado de Harmonia (1722)  “Estabelecimento”da tríade maior  Resultante da divisão da corda em 2, 3 e 4 ou 5 partes iguais;  Seguindo os padrões de naturalidade vigentes do período;  Construção de acordes, em intervalos de 3ª, dentro de uma 8ª, alargando a tríade até a 7ª;  Acordes de Tônica (1º Grau), Subdominante (4º Grau) e Dominante (5º Grau)  Pilares da TONALIDADE;  Formulando a noção de Harmonia Funcional;
  • 15. Novas concepções de melodia e harmonia • 2 - Harmonia  TONALIDADE  Uma forma de sistematização da Harmonia  Harmonia Funcional X Harmonia Triádica (G. Zarlino, 1558 Le Institutioni Harmoniche)  Harmonia Funcional – Função de sustentação da melodia;  Hierarquização dos acordes,e toda a música se baseia nesta hierarquização  Harmonia Triádica – Ideia de verticalidade das vozes;  Intrínseca relação com o contraponto e com os modos eclesiásticos;  Harmonia Funcional de Rameau (1722)  Nova forma de pensar a estruturação musical, ideal para a burguesia;  Que não conhecia música (complexidades técnicas e auditivas);  Precisava e ambicionava por uma música mais simples
  • 16. Novas concepções de melodia e harmonia • 2 - Harmonia  Harmonia Sequencial e Progressiva de Zarlino (1558)  Sequencial – das células rítmico melódicas;  Dão a sensação de melodia (por meio da progressão do movimento);  Ideia de Pulsão (mais rico harmonicamente e mais pobre melodicamente);  Não há eixo centralizador – sensação de contração e distensão;  Presente em todo o Barroco (Séc. XVII)  Tríade – Relação matemática,três notas;  Acorde – Tríade com função hierarquizada/hierarquizante;  Função de sustentação da melodia;  Porque a burguesia só conseguia cantar e distinguir uma melodia;  VÍDEO – Brandenburg Concert 3 – 1º Movimento (J. S. Bach)
  • 17. Novas concepções de melodia e harmonia • 2 - Harmonia  Ritmo harmônico  Mais lento que o antigo  Harmonia mais“pesada”.  Estruturação  Atividade fervilhante da melodias se desenvolve sobre uma harmonia relativamente lenta e convencional;  Harmonia e linha do baixo reduzidos a acompanhamento  Síntese desta prática – Música para teclas - Baixo de Alberti (Domenico Alberti 1710-1740).  Quebra do acorde em sucessão de arpejos das notas contidas na tríade  Utilizado por todos os compositores clássicos (1ª Escola de Viena – Mozart, Haydn e Beethoven)  VÍDEO – Alberti Bass - Aula
  • 18. Principais estilos de música instrumental  1 - Sonata; Mais importante estrutura musical do período clássico até o século XX. Segue o princípio do material exposto pela primeira vez numa tonalidade complementar seja reexposto na tonalidade original. A primeira seção, EXPOSIÇÃO, divide-se em um primeiro grupo, na tônica, e após um material de transição, um segundo grupo, em outra tonalidade (habitualmente a dominante), normalmente com uma codeta para concluir perfeitamente a seção. A segunda parte da estrutura compreende as duas seções remanescentes, o DESENVOLVIMENTO e a RECAPITULAÇÃO. O primeiro desenvolve o material da exposição numa variedade de modos, progredindo por várias tonalidades (ideia de instabilidade tonal, tensão rítmica e melódica). A recapitulação reexpõe os temas da exposição, habitualmente na mesma ordem, e o segundo grupo é ouvido agora na tônica.  VIDEO a forma sonata – W. A. Mozart;
  • 19. Principais estilos de música instrumental  2 - Sinfonia; 1 – Termo usado a partir do Renascimento para designar vários tipos de peça (geralmente instrumentais). Em torno de 1700, utilizava-se o termo sonata ou sinfonia para peças instrumentais; Durante o século XVIII passou cada vez mais a designar a sinfonia de concerto, para distingui-la da Ouverture italiana; 2 – Obra orquestral de grandes dimensões, geralmente em três ou quatro movimentos (Rápido – Lento – Rápido em ritmo de dança). É tradicionalmente considerada a principal forma de composição orquestral.  VIDEO Sinfonia – J. S. Bach – Cantata KV 29;  VÍDEO Sinfonia no 1 – W. A. Mozart (1764)
  • 20. Principais estilos de música instrumental  3 – Música de Câmara;  Relevo no final do século XVIII  Quartetos de corda  Firmados na época de Haydn, porém localizável em compositores antecessores como L. Bocherinni (1743-1805) e F. X. Ricther (1709-1789)  4 – Concerto  Termo frequentemente aplicado no século XVII à música para conjunto de vozes e de instrumentos; desde então costuma indicar uma obra em que um instrumento solista (ou grupo de instrumentos solista) contrasta com um conjunto orquestral;  VIDEO Clarinet Concert in A Major – W. A. Mozart;
  • 21.  MúsicaVocal  Ópera, canção e música sacra: • Na ópera, ocorreu o mesmo que a sonata e sinfonia;  Novos gêneros que foram surgindo a partir de modelos antigos, sendo suplantados nas primeiras décadas do século XVIII;  França – Tragédia lírica (tragédie lyrique) (Lully) resistiu às mudanças  Alemanha – Estilo global da ópera veneziana (levada por Schütz e sucessores) sobreviveu;  Itália – novos ares de mudança; fruto das mesmas forças que remodelaram todos os gêneros da música do período – ILUMINISMO  Nova ópera pretendia ser: Clara, simples, racional, fiel à natureza, universalmente cativante e capaz de agradar o público sem lhe causar fadiga mental desnecessária;
  • 22.  Ópera séria italiana (metade do século XVIII): • Fórmula literária – Poeta italiano Pietro Metastasio (1689- 1782);  Musicalizada pela maioria dos compositores do séc. XVIII;  Abordam um conflito das paixões humanas, baseado em relato de autor da antiguidade grega ou latina;  Elenco habitual:dois pares de namorados e fig. Secundárias;  Desenrolar da ação  Introdução variada de cenas: pastoris, guerreiras, cerimônias solenes;  Resolução do drama: ato de heroísmo ou renúncia de uma personagem;  Óperas divididas em 3 atos: estruturados em árias e recitativos;  Função da orquestra:acompanhamento do canto;  Interesse musical da ópera séria italiana – árias;
  • 23.  Reforma da Ópera séria italiana • Ópera deveria ser mais flexível na estrutura;  Abandono da rigidez na sucessão recitativo-ária;  Mais expressiva no conteúdo – temáticas mais próximas do cotidiano – abandono da temática greco-romana;  Melodias mais cantáveis – Importante que o homem comum pudesse memorizar facilmente a melodia  Mais variedade na utilização dos recursos musicais (orquestra e coros)  Resultados;  Ária da capo modificada; maior flexibilidade entre recitativos e árias (maior rapidez e realismo); maior importância à orquestra; reutilização de corais;maior controle do compositor (cantores);
  • 24.  Reforma da Ópera séria italiana • Principal personalidade do mov. Reformador - Cristoph W. Gluck (1714-1787);  Síntese entre a ópera francesa e italiana – estilo operístico internacional;  Guerre des bouffons (1752) – Presença da ópera cômica;  Discussão intelectual, uma oposição crítica e estética em relação à ópera francesa;  Estopim: Presença de uma companhia de ópera italiana, que interpretou simultaneamente a obra de Gluck Iphigénie em Aulide, e uma ópera buffa de G. B. Pergolesi (1710-1736) LA SERVA PADRONA (1733);  Opiniões pró ópera italiana (rainha) – pró ópera francesa (rei);  Caminho aberto para repensar a ópera: ÓPERA CÔMICA
  • 25.  Ópera Cômica • Estilo mais ligeiro que a ópera séria;  Episódios e personagens do cotidiano;  Adotou características específicas em diferentes países, em revolta ao predomínio da ópera séria;  Itália – Ópera buffa; França – Opéra Comique;  Inglaterra – Ballad opera; Alemanha – Singspiel e o Lied;  Libreto era escrito em língua nacional; Música acentuava as características musicais de cada país;  Encenada com recursos mais modestos;  VÍDEO – La serva Padrona – Pergolesi (1733) – 40:00  Relevância histórica:  1 – Respondeu à exigência universal do conceito de naturalidade  2 – Primeiro grande porta-voz do movimento do Nacionalismo Musical,típico do período Romântico do século XIX;