SlideShare uma empresa Scribd logo
CÂMARA DOS DEPUTADOS
LIDERANÇA DO PARTIDO DOS TRABALHADORES
Assessoria Técnica
MEDIDA PROVISÓRIA Nº 793 DE 2017
PARECER SOBRE O PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO
PROPOSTO PELA RELATORA
Gerson Teixeira
Brasília, 04/11/2017
Resumo
A Medida Provisória em referência criou o PRR - Programa de Regularização
Tributária Rural (PRR) junto à RFB e à PGFN, para o pagamento em 176
parcelas mensais, com níveis elevados de subvenções, das dívidas junto à
seguridade acumuladas por agricultores e adquirentes da produção rural
desde 2010 (estimativa de R$ 18 bilhões).
A MPV também reduz, a partir de 1º de janeiro de 2018, a alíquota da
contribuição para a seguridade social por parte dos produtores rurais pessoas
físicas, de 2% para 1.2% sobre a comercialização dos produtos.
O PLV proposto pela Relatora é emblemático da ousadia e irresponsabilidade
dos ruralistas na defesa dos interesses do agronegócio à revelia do interesse
público. Além de caracterizar um exercício ostensivo e sem limites de redução
das dívidas junto à seguridade a serem renegociadas no âmbito do PRR, o PLV
promove uma ‘mini reforma’ da previdência. Não na perspectiva da
sustentabilidade e da busca de parâmetros de justiça para o sistema, mas
para eximir ou reduzir as obrigações pecuniárias de agricultores e empresas
rurais; em especial, das maiores.
Como exemplo, não satisfeita com a redução de 40% nas contribuições dos
produtores pessoas físicas conforme fixado pela MPV, a Relatora propõe a
redução em 52%, a partir de 1º de janeiro de 2018, da alíquota da contribuição
devida à seguridade social pelo empregador, pessoa jurídica, que se dedique à
atividade rural. Portanto, redução maior que a prevista para o segurado
especial.
Também propõe que as empresas com dívidas até R$ 15 milhões paguem as
suas parcelas no PRR em valores equivalentes a 0.3% da média mensal da
receita bruta da comercialização. A MPV fixa os pagamentos, pelos produtores
pessoas físicas, em 0.8%; o que já foi uma imoralidade.
Recomendamos o voto contrário ao PLV sugerindo destaques. Diante das
dificuldades para selecionar as possibilidades destaques, sugerimos os
seguintes:
Art. 2º, I; Art. 3º, I e § 2º, I (ITEM E)
Art. 3º, §2º, II (ITEM I)
Art. 14 (ITEM O)
1. No dia 1º de novembro, a Relatora da MPV 793, de 2017, Deputada Tereza
Cristina, apresentou o seu Relatório incluindo proposta de Projeto de Lei de Conversão
à referida Medida Provisória cujos principais pontos que alteram o texto original da
MPV são analisados na sequência;
2. Antes, cumpre assinalar que atendendo demanda dos ruralistas, o governo
editou a MPV nº 803, que concedeu novo prazo (até 30 de novembro de 2017) para a
adesão dos produtores rurais pessoas físicas, e adquirentes da produção rural, com
dívidas junto à seguridade social, para a renegociação dessas dívidas nas condições
fixadas pelo PRR - Programa de Regularização Tributária Rural;
3. Vale também recordar que a MPV 793 foi publicada na véspera da Sessão da
Câmara que rejeitou a autorização para o STF investigar a 1ª denúncia do Procurador
da República contra o presidente Temer, foi publicada a Medida Provisória em
referência;
4. As alterações processadas pela Relatora:
A) O PRR contempla os adquirentes da produção rural. A Relatora critica a não
explicitação das cooperativas. Ora, é claro que enquanto adquirentes da produção
rural as cooperativas estariam plenamente incluídas entre os beneficiários do PRR.
Ainda assim, não haveria problema em explicitar o alcance do PRR às cooperativas.
Contudo, na redação dada para tal, no Art. 3º, caput, do PLV, deliberadamente, ou
não, a Relatora finda criando uma armadilha. Abre a possibilidade de enquadramento
no PRR de dívidas das cooperativas, junto à seguridade, por razões estranhas ao
recolhimento por ocasião da aquisição da produção rural. Observem a redação dada
ao Art. 3º: “O adquirente de produção rural ou a cooperativa que aderir ao PRR
poderá:
........................................” (grifamos).
No texto, a figura da cooperativa não está incluída na categoria de adquirente de
produção. Se a intenção fosse a de somente explicitar as cooperativas entre os
adquirentes de produção rural, a redação adequada seria: “Art. 3º: O adquirente de
produção rural, incluindo a cooperativa, que aderir ao PRR poderá....” Assim na forma
colocada a cooperativa pode aderir ao PRR tanto por dívidas nas operações de
aquisição como por razões de outra natureza. Recomendamos mudança no texto
conforme colocado;
B) O texto original da MPV permitiu a inclusão de débitos vencidos até 30 de abril
de 2017. A Relatora estendeu esse prazo até 30 de agosto de 2017. Em defesa da
mudança a Relatora alegou as “...demasiadas incertezas quanto aos efeitos da decisão
do STF no RE nº 718.874...”. O dia 30 de agosto foi último dia do mês de publicação do
acórdão naquele processo. Sugerimos posicionamento favorável. (Art. 1º §1º)
C) Nos termos originais da MPV a adesão ao parcelamento da dívida seria
até 29 de setembro de 2017. A Medida Provisória n° 803/2017 estendeu o
prazo para até 30 de novembro de 2017. A Relatora pretende nova mudança
no prazo de adesão para até 20 de dezembro de 2017. Ainda que abusiva a
nova proposta de prazo, podemos apoiá-la para endurecer contra outros
dispositivos com efeitos negativos mais substanciais; (Art. 1º, §2º)
D) De acordo com o art. 1º, § 3º, da Medida Provisória, ao aderir ao PRR, o
sujeito passivo confessa de forma irrevogável e irretratável os débitos por ele
indicados para compor o PRR. A Relatora resolveu flexibilizar os efeitos da
confissão à medida que poderá haver decisão judicial sobre a ilegitimidade de
cobrança dos débitos confessados. A justificativa utilizada para tal flexibilização
não procede posto que havendo decisão judicial em sentido contrário ao
disposto pela Lei obviamente prevalecerá a decisão judicial. Na verdade a
Relatora pretende mesmo aliviar a assunção da dívida com a adesão ao PRR.
Recomendamos contra essa alteração – supressão do §4º do Art. 1º;
E) Pelo texto original da MPV, ao aderir ao PRR o produtor rural pessoa
física ou o adquirente de produção rural deve pagar, no mínimo, 4% do valor da
dívida consolidada, em até quatro parcelas. Acolhendo proposição em massa
dos seus pares ruralistas, a Relatora considera elevada essa taxa e a reduz
para 1%. Trata-se de mudança inaceitável para quem terá, inclusive, a
redução da alíquota de contribuição para a seguridade. (Art. 2 º, I; Art. 3º, I
e § 2º, I);
F) A MPV prevê redução de 25% nas multas de mora e de ofício e dos
encargos legais, incluídos honorários advocatícios. A Relatora, de novo
acolhendo as Emendas dos ruralistas propõe a redução de 100%. Vale sempre
lembrar que os maiores beneficiários do PRR são os adquirentes da produção,
com destaque para as grandes tradings. Recomendamos o voto contra a
eliminação das multas e dos encargos legais em decorrência da dívida e pela
manutenção do texto original (Art. 2º, II, a) e (Art. 3º, § 2º, II, a);
G) A Relatora altera os Art. 2º, §3º e Art. 3º,§4º para possibilitar o
pagamento em até 60 parcelas, com os descontos antes mencionados, de
eventuais resíduos após o pagamento as 176 parcelas do PRR. Pela MPV,
nesses casos, existe a possibilidade do parcelamento, mas sem os descontos.
Mais uma benesse exigida pelos ruralistas. Recomendamos o voto contrário.
H) O texto original da MPV prevê o pagamento de parcelas mensais tanto
por produtores rurais quanto pelos adquirentes, com base na receita média
com a comercialização do ano anterior. A Relatora alega que o fluxo de caixa
no campo não observa necessariamente a periodicidade mensal. Por essa
razão propõe o adiantamento de parcelas dentro de um mesmo mês para a
amortização de parcelas subsequentes, e não das últimas parcelas do
parcelamento, como costuma ocorrer nas regulamentações de outros
parcelamentos especiais feitas pela PGFN e pela RFB. Consideramos a
proposta razoável para os agricultores. (Art. 2º, §5º). Mas não se aplica
aos adquirentes. Contra (Art. 3º, § 7º);
I) O PLV altera o Art. 3º, §2º, II, da MPV, para beneficiar os adquirentes da
produção rural com dívida total, sem reduções, igual ou inferior a R$ 15.000.000,00.
Propõe que essas empresas paguem parcelas em valores equivalentes a 0.3% da
média mensal da receita bruta da comercialização, quando a MPV determina 0.8%.
Uma redução de 62.5% para empresas, mantendo em 0.8% para os agricultores
pessoas físicas Uma imoralidade que não deve ser permitida.
J) Pelo Art. 4º da MPV dependerá da apresentação de carta de fiança ou seguro
garantia judicial, as operações quando se tratar de valor igual ou superior a quinze
milhões de reais. A Relatora altera este dispositivo para fixar que o parcelamento de
débitos tanto para produtores quanto para adquirentes não requer a apresentação de
garantia. Mais um privilégio, em especial, para as empresas adquirentes. Contra.
K) Em mais um benefício, a Relatora altera o prazo para a comprovação do
pedido de desistência ou renuncia de ações judiciais, para 30 de dezembro de 2017,
quando a MPV 803 já havia alterado o prazo de 29/09/2017 para 30/11/2017. Entre os
benefícios, este é um dos menores, portanto, aceitável, no limite. (Art. 5º, §2º);
L) De acordo com a Medida Provisória, mesmo após a apresentação de
desistência ou renúncia pelo produtor rural ou adquirente nas ações por estes
ajuizadas, serão devidos honorários advocatícios. Em tais situações a Relatora
exime o autor da ação do pagamento dos honorários advocatícios. A medida facilita a
adesão ao PRR. (Art. 5º, caput);
M) A Relatora inclui no PLV a possibilidade de os devedores com dívida total de até
quinze milhões de reais possam liquidar o saldo consolidado com a utilização de
créditos de prejuízo fiscal e de base de cálculo negativa da CSLL, apurados até 31 de
dezembro de 2015 e declarados até 29 de julho de 2016. Não se inclui entre as
maiores aberrações. (Art. 8º)
N) A MPV determina a exclusão do devedor do PRR nas situações de falta
de pagamento de três parcelas consecutivas ou seis alternadas. A Relatora
excetua a falta de pagamento, pelos produtores, decorrentes da quebra de
safra em razão de situações edafoclimáticas motivadas por situação de
emergência ou estado de calamidade pública devidamente reconhecido pelo
Poder Executivo federal.
A medida parece justa; contudo, e lembrando que estamos tratando de grandes
produtores, é impensável que os mesmos não tenham contratado o seguro
rural. Orientamos contra (Art. 9º, §1º);
O) Simplesmente a Relatora resolveu reduzir de 2.5% para 1.2% (sobre a
comercialização) a alíquota da contribuição dos produtores rurais pessoas
jurídicas. Uma redução de 52%; bem maior do que a redução para o segurado
especial que foi de 40%, e assim agregando mais um ponto escandaloso no
seu PLV (Art. 14). Contra.
P) Na sua lista de bondades, no Art. 13 do PLV a Relatora propõe modificação no
Art. 25, da Lei nº 8.212, de 1991, para fixar que não integra a base de cálculo da
contribuição para a seguridade, a produção rural destinada ao plantio ou
reflorestamento, nem sobre o produto animal destinado a reprodução ou criação
pecuária ou granjeira, e a utilização como cobaias para fins de pesquisas científicas,
quando vendido pelo próprio produtor e, quem a utilize diretamente com essas
finalidades. E, no caso de produto vegetal, por pessoa ou entidade que, registrada no
Ministério da Agricultura, do Abastecimento e da Reforma Agrária (SIC), se dedique ao
comércio de sementes e mudas no País. A Justificativa é impedir a cobrança nas
operações entre produtores. Trata-se de matéria estranha à MPV, e portanto, ao
PRR. Pela rejeição da proposta;
Q) O PLV altera o art. 22, da Lei nº 8.212, de 1991, e o art. 25 da Lei nº
8.870/1994, para estabelecer a opção de o produtor rural recolher a
contribuição sobre a folha de salários ou sobre a receita bruta. A despeito do
mérito, trata-se de matéria estranha ao PRR; portanto, opinamos
contrariamente. (Art. 13)
R) Por meio do Art. 15, incluiu Parágrafo único, com as letras ‘a’ e ‘b’ ao Art. 6º da
Lei nº 9.528, de 1997, para permitir o recolhimento da contribuição ao SENAR pelo
adquirente, consignatário ou cooperativa que ficam subrogados para essa finalidade
nas obrigações do produtor rural pessoa física e do segurado especial; e pelo próprio
produtor pessoa física e pelo segurado especial quando comercializar sua produção
com adquirente no exterior, outro produtor pessoa física ou diretamente no varejo, ao
consumidor pessoa física. De novo trata-se de matéria estranha ao REFIS RURAL
previsto pela MPV. Recomendamos o voto contrário.
Além das mudanças comentadas acima, a Relatora acrescenta outras
modificações na MPV sempre no sentido da desobrigação de
responsabilidades dos produtores e empresas para com a seguridade social, a
exemplo da aplicação de desconto sobre multas isoladas, previstas no art. 44,
II, da Lei nº 9.430, de 27 de dezembro de 1996.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aumento conta de luz Rondônia
Aumento conta de luz RondôniaAumento conta de luz Rondônia
Aumento conta de luz Rondônia
jornalobservador
 
Decisão 2º grau sobre cobrança pela Brasil Telecom
Decisão 2º grau sobre cobrança pela Brasil TelecomDecisão 2º grau sobre cobrança pela Brasil Telecom
Decisão 2º grau sobre cobrança pela Brasil Telecom
Ministério Público de Santa Catarina
 
Lei do arrendamento_urbano
Lei do arrendamento_urbanoLei do arrendamento_urbano
Lei do arrendamento_urbano
João Manuel Juvandes
 
Informativos
InformativosInformativos
Informativos
Reginaldo Coutinho
 
Lei18 11 altera codigo ipu
Lei18 11 altera codigo ipuLei18 11 altera codigo ipu
Lei18 11 altera codigo ipu
João Manuel Juvandes
 
Leis
LeisLeis
Palestra - Purgação da Mora na Lei de Alienação Fiduciária (27/03/2013)
Palestra - Purgação da Mora na Lei de Alienação Fiduciária (27/03/2013)Palestra - Purgação da Mora na Lei de Alienação Fiduciária (27/03/2013)
Palestra - Purgação da Mora na Lei de Alienação Fiduciária (27/03/2013)
Alberto Bezerra
 
2086 - DECLARATÓRIA - CPC Atualizado
2086 - DECLARATÓRIA - CPC Atualizado2086 - DECLARATÓRIA - CPC Atualizado
2086 - DECLARATÓRIA - CPC Atualizado
Consultor JRSantana
 
Atos oficiais 020313
Atos oficiais 020313Atos oficiais 020313
Atos oficiais 020313
Anderson Sampaio Araujo
 
Projetos de Lei Poder Executivo - 18° legislatura
Projetos de Lei Poder Executivo - 18° legislaturaProjetos de Lei Poder Executivo - 18° legislatura
Projetos de Lei Poder Executivo - 18° legislatura
Paulo Veras
 
Novo CPC e a inadimplência em condomínios
Novo CPC e a inadimplência em condomíniosNovo CPC e a inadimplência em condomínios
Novo CPC e a inadimplência em condomínios
União de Condomínios Recife - UCR
 
Memorial modulação min. luis roberto barroso
Memorial modulação   min. luis roberto barrosoMemorial modulação   min. luis roberto barroso
Memorial modulação min. luis roberto barroso
CNSP Confederação Nacional dos Servidores Públicos
 
Acao execucao de_rid
Acao execucao de_ridAcao execucao de_rid
Acao execucao de_rid
MarcioCabral29
 
Apelação fgts alhandra
Apelação fgts alhandraApelação fgts alhandra
Apelação fgts alhandra
MarcioCabral29
 
Anexo I - Contrato de prestação de serviços
Anexo I - Contrato de prestação de serviçosAnexo I - Contrato de prestação de serviços
Anexo I - Contrato de prestação de serviços
Felipe Carvalho
 
Dec lei 67 2012 - loftj - alterações
Dec lei 67 2012 - loftj - alteraçõesDec lei 67 2012 - loftj - alterações
Dec lei 67 2012 - loftj - alterações
antonio lopes
 
Acao popular paulista
Acao popular paulistaAcao popular paulista
Acao popular paulista
Jamildo Melo
 
NULIDADE DE CONTRATO DE CRÉDITO AO CONSUMO
NULIDADE DE CONTRATO DE CRÉDITO AO CONSUMONULIDADE DE CONTRATO DE CRÉDITO AO CONSUMO
NULIDADE DE CONTRATO DE CRÉDITO AO CONSUMO
António Neto
 

Mais procurados (18)

Aumento conta de luz Rondônia
Aumento conta de luz RondôniaAumento conta de luz Rondônia
Aumento conta de luz Rondônia
 
Decisão 2º grau sobre cobrança pela Brasil Telecom
Decisão 2º grau sobre cobrança pela Brasil TelecomDecisão 2º grau sobre cobrança pela Brasil Telecom
Decisão 2º grau sobre cobrança pela Brasil Telecom
 
Lei do arrendamento_urbano
Lei do arrendamento_urbanoLei do arrendamento_urbano
Lei do arrendamento_urbano
 
Informativos
InformativosInformativos
Informativos
 
Lei18 11 altera codigo ipu
Lei18 11 altera codigo ipuLei18 11 altera codigo ipu
Lei18 11 altera codigo ipu
 
Leis
LeisLeis
Leis
 
Palestra - Purgação da Mora na Lei de Alienação Fiduciária (27/03/2013)
Palestra - Purgação da Mora na Lei de Alienação Fiduciária (27/03/2013)Palestra - Purgação da Mora na Lei de Alienação Fiduciária (27/03/2013)
Palestra - Purgação da Mora na Lei de Alienação Fiduciária (27/03/2013)
 
2086 - DECLARATÓRIA - CPC Atualizado
2086 - DECLARATÓRIA - CPC Atualizado2086 - DECLARATÓRIA - CPC Atualizado
2086 - DECLARATÓRIA - CPC Atualizado
 
Atos oficiais 020313
Atos oficiais 020313Atos oficiais 020313
Atos oficiais 020313
 
Projetos de Lei Poder Executivo - 18° legislatura
Projetos de Lei Poder Executivo - 18° legislaturaProjetos de Lei Poder Executivo - 18° legislatura
Projetos de Lei Poder Executivo - 18° legislatura
 
Novo CPC e a inadimplência em condomínios
Novo CPC e a inadimplência em condomíniosNovo CPC e a inadimplência em condomínios
Novo CPC e a inadimplência em condomínios
 
Memorial modulação min. luis roberto barroso
Memorial modulação   min. luis roberto barrosoMemorial modulação   min. luis roberto barroso
Memorial modulação min. luis roberto barroso
 
Acao execucao de_rid
Acao execucao de_ridAcao execucao de_rid
Acao execucao de_rid
 
Apelação fgts alhandra
Apelação fgts alhandraApelação fgts alhandra
Apelação fgts alhandra
 
Anexo I - Contrato de prestação de serviços
Anexo I - Contrato de prestação de serviçosAnexo I - Contrato de prestação de serviços
Anexo I - Contrato de prestação de serviços
 
Dec lei 67 2012 - loftj - alterações
Dec lei 67 2012 - loftj - alteraçõesDec lei 67 2012 - loftj - alterações
Dec lei 67 2012 - loftj - alterações
 
Acao popular paulista
Acao popular paulistaAcao popular paulista
Acao popular paulista
 
NULIDADE DE CONTRATO DE CRÉDITO AO CONSUMO
NULIDADE DE CONTRATO DE CRÉDITO AO CONSUMONULIDADE DE CONTRATO DE CRÉDITO AO CONSUMO
NULIDADE DE CONTRATO DE CRÉDITO AO CONSUMO
 

Semelhante a Parecer da assessoria do PT sobre a MP 793

Retenção na fonte
Retenção na fonteRetenção na fonte
Retenção na fonte
Carlos Rocha
 
Informativo STJ 603 - Informativo Estratégico
Informativo STJ 603 - Informativo EstratégicoInformativo STJ 603 - Informativo Estratégico
Informativo STJ 603 - Informativo Estratégico
Ricardo Torques
 
Ação civil publica modelo
Ação civil publica   modeloAção civil publica   modelo
Ação civil publica modelo
Carla Massáo Matayoshi
 
Leia a íntegra da MP do Contrato de Trabalho Verde e Amarelo
Leia a íntegra da MP do Contrato de Trabalho Verde e AmareloLeia a íntegra da MP do Contrato de Trabalho Verde e Amarelo
Leia a íntegra da MP do Contrato de Trabalho Verde e Amarelo
Portal NE10
 
Projeto de Lei Câmara nº 165, de 2017
Projeto de Lei Câmara nº 165, de 2017 Projeto de Lei Câmara nº 165, de 2017
Projeto de Lei Câmara nº 165, de 2017
José Florentino
 
Vigilancia
VigilanciaVigilancia
Vigilancia
celiopcst
 
Medida Provisória nº 793
Medida Provisória nº 793Medida Provisória nº 793
Medida Provisória nº 793
Luiz Valeriano
 
Abradt 2012 2.jpeg
Abradt 2012   2.jpegAbradt 2012   2.jpeg
Abradt 2012 2.jpeg
Tacio Lacerda Gama
 
PIS COFINS, monofasia e crédito
PIS COFINS, monofasia e créditoPIS COFINS, monofasia e crédito
PIS COFINS, monofasia e crédito
luciapaoliello
 
A decisão do STF
A decisão do STFA decisão do STF
A decisão do STF
Jamildo Melo
 
2004 - Emenda a Petição Inicial Anulatória
2004 - Emenda a Petição Inicial Anulatória2004 - Emenda a Petição Inicial Anulatória
2004 - Emenda a Petição Inicial Anulatória
Consultor JRSantana
 
Exposição de motivo mp 763 fgts
Exposição de motivo mp 763 fgtsExposição de motivo mp 763 fgts
Exposição de motivo mp 763 fgts
Tania Gurgel
 
Compromisso de fornecimento
Compromisso de fornecimentoCompromisso de fornecimento
Compromisso de fornecimento
Luís Carlos Nunes
 
Concor re ncia para registro de precos n
Concor re ncia para registro de precos nConcor re ncia para registro de precos n
Concor re ncia para registro de precos n
Luís Carlos Nunes
 
Circular 26-refinanciamento
Circular 26-refinanciamentoCircular 26-refinanciamento
Circular 26-refinanciamento
Transvias
 
Abradt 2012 - Substituição tributária, antecipação de fato gerador próprio ...
Abradt   2012 - Substituição tributária, antecipação de fato gerador próprio ...Abradt   2012 - Substituição tributária, antecipação de fato gerador próprio ...
Abradt 2012 - Substituição tributária, antecipação de fato gerador próprio ...
LacerdaGama
 
MP 665
MP 665MP 665
Projeto de Lei Transferências - Tadeu Alencar
Projeto de Lei Transferências - Tadeu AlencarProjeto de Lei Transferências - Tadeu Alencar
Projeto de Lei Transferências - Tadeu Alencar
Anna Tiago
 
Lei de ajuizamento
Lei de ajuizamentoLei de ajuizamento
Lei de ajuizamento
gilberto miranda
 
Texto Final 2015 Terceirização Tramitacao pl 4330-2004
Texto Final 2015  Terceirização Tramitacao pl 4330-2004 Texto Final 2015  Terceirização Tramitacao pl 4330-2004
Texto Final 2015 Terceirização Tramitacao pl 4330-2004
Daniel Reis Duarte Pousa
 

Semelhante a Parecer da assessoria do PT sobre a MP 793 (20)

Retenção na fonte
Retenção na fonteRetenção na fonte
Retenção na fonte
 
Informativo STJ 603 - Informativo Estratégico
Informativo STJ 603 - Informativo EstratégicoInformativo STJ 603 - Informativo Estratégico
Informativo STJ 603 - Informativo Estratégico
 
Ação civil publica modelo
Ação civil publica   modeloAção civil publica   modelo
Ação civil publica modelo
 
Leia a íntegra da MP do Contrato de Trabalho Verde e Amarelo
Leia a íntegra da MP do Contrato de Trabalho Verde e AmareloLeia a íntegra da MP do Contrato de Trabalho Verde e Amarelo
Leia a íntegra da MP do Contrato de Trabalho Verde e Amarelo
 
Projeto de Lei Câmara nº 165, de 2017
Projeto de Lei Câmara nº 165, de 2017 Projeto de Lei Câmara nº 165, de 2017
Projeto de Lei Câmara nº 165, de 2017
 
Vigilancia
VigilanciaVigilancia
Vigilancia
 
Medida Provisória nº 793
Medida Provisória nº 793Medida Provisória nº 793
Medida Provisória nº 793
 
Abradt 2012 2.jpeg
Abradt 2012   2.jpegAbradt 2012   2.jpeg
Abradt 2012 2.jpeg
 
PIS COFINS, monofasia e crédito
PIS COFINS, monofasia e créditoPIS COFINS, monofasia e crédito
PIS COFINS, monofasia e crédito
 
A decisão do STF
A decisão do STFA decisão do STF
A decisão do STF
 
2004 - Emenda a Petição Inicial Anulatória
2004 - Emenda a Petição Inicial Anulatória2004 - Emenda a Petição Inicial Anulatória
2004 - Emenda a Petição Inicial Anulatória
 
Exposição de motivo mp 763 fgts
Exposição de motivo mp 763 fgtsExposição de motivo mp 763 fgts
Exposição de motivo mp 763 fgts
 
Compromisso de fornecimento
Compromisso de fornecimentoCompromisso de fornecimento
Compromisso de fornecimento
 
Concor re ncia para registro de precos n
Concor re ncia para registro de precos nConcor re ncia para registro de precos n
Concor re ncia para registro de precos n
 
Circular 26-refinanciamento
Circular 26-refinanciamentoCircular 26-refinanciamento
Circular 26-refinanciamento
 
Abradt 2012 - Substituição tributária, antecipação de fato gerador próprio ...
Abradt   2012 - Substituição tributária, antecipação de fato gerador próprio ...Abradt   2012 - Substituição tributária, antecipação de fato gerador próprio ...
Abradt 2012 - Substituição tributária, antecipação de fato gerador próprio ...
 
MP 665
MP 665MP 665
MP 665
 
Projeto de Lei Transferências - Tadeu Alencar
Projeto de Lei Transferências - Tadeu AlencarProjeto de Lei Transferências - Tadeu Alencar
Projeto de Lei Transferências - Tadeu Alencar
 
Lei de ajuizamento
Lei de ajuizamentoLei de ajuizamento
Lei de ajuizamento
 
Texto Final 2015 Terceirização Tramitacao pl 4330-2004
Texto Final 2015  Terceirização Tramitacao pl 4330-2004 Texto Final 2015  Terceirização Tramitacao pl 4330-2004
Texto Final 2015 Terceirização Tramitacao pl 4330-2004
 

Mais de Conceição Lemes

Democracy Report 2021
Democracy Report 2021Democracy Report 2021
Democracy Report 2021
Conceição Lemes
 
Depoimento de Ênio Augusto Pereira e Silva à PF
Depoimento de Ênio Augusto Pereira e Silva à PFDepoimento de Ênio Augusto Pereira e Silva à PF
Depoimento de Ênio Augusto Pereira e Silva à PF
Conceição Lemes
 
Nota técnica da PFDC/MPF sobre monitoramento de organizações sociais
Nota técnica da PFDC/MPF sobre monitoramento de organizações sociaisNota técnica da PFDC/MPF sobre monitoramento de organizações sociais
Nota técnica da PFDC/MPF sobre monitoramento de organizações sociais
Conceição Lemes
 
MPF indefere pedido para Lula ir ao velório do irmão
MPF indefere pedido para Lula ir ao velório do irmãoMPF indefere pedido para Lula ir ao velório do irmão
MPF indefere pedido para Lula ir ao velório do irmão
Conceição Lemes
 
PF nega ida de Lula ao velório de Vavá
PF nega ida de Lula ao velório de VaváPF nega ida de Lula ao velório de Vavá
PF nega ida de Lula ao velório de Vavá
Conceição Lemes
 
Pedido de Lula à Justiça para ir ao funeral do irmão Vavá
Pedido de Lula à Justiça para ir ao funeral do irmão VaváPedido de Lula à Justiça para ir ao funeral do irmão Vavá
Pedido de Lula à Justiça para ir ao funeral do irmão Vavá
Conceição Lemes
 
Justiça julga improcedente queixa de Kim Kataguiri contra Altamiro Borges
Justiça julga improcedente queixa de  Kim Kataguiri contra Altamiro BorgesJustiça julga improcedente queixa de  Kim Kataguiri contra Altamiro Borges
Justiça julga improcedente queixa de Kim Kataguiri contra Altamiro Borges
Conceição Lemes
 
Pedido de cassação da liminar na ADI 5.942
Pedido de cassação da liminar na ADI 5.942Pedido de cassação da liminar na ADI 5.942
Pedido de cassação da liminar na ADI 5.942
Conceição Lemes
 
Impugnação ao pedido da Petrobrás
Impugnação ao pedido da PetrobrásImpugnação ao pedido da Petrobrás
Impugnação ao pedido da Petrobrás
Conceição Lemes
 
Liminar do ministro Marco Aurélio
Liminar do ministro Marco AurélioLiminar do ministro Marco Aurélio
Liminar do ministro Marco Aurélio
Conceição Lemes
 
Petrobrás: Fato relevante PNG 2019-2023
Petrobrás: Fato relevante PNG 2019-2023Petrobrás: Fato relevante PNG 2019-2023
Petrobrás: Fato relevante PNG 2019-2023
Conceição Lemes
 
Rede de Resistência: Conjuntura pós-eleição 2018
Rede de Resistência: Conjuntura pós-eleição 2018Rede de Resistência: Conjuntura pós-eleição 2018
Rede de Resistência: Conjuntura pós-eleição 2018
Conceição Lemes
 
Recomendações do MPF e MPMG ao ensino básico e superior
Recomendações do MPF e MPMG ao ensino básico e superior Recomendações do MPF e MPMG ao ensino básico e superior
Recomendações do MPF e MPMG ao ensino básico e superior
Conceição Lemes
 
Bolsonaro contra entidades sindicais e UNE
Bolsonaro contra entidades sindicais e UNEBolsonaro contra entidades sindicais e UNE
Bolsonaro contra entidades sindicais e UNE
Conceição Lemes
 
Ação do PT contra propaganda do SBT
Ação do PT contra propaganda do SBTAção do PT contra propaganda do SBT
Ação do PT contra propaganda do SBT
Conceição Lemes
 
Representação de parlamentares do PT ao CNJ contra Moro
Representação de parlamentares do PT ao CNJ contra  MoroRepresentação de parlamentares do PT ao CNJ contra  Moro
Representação de parlamentares do PT ao CNJ contra Moro
Conceição Lemes
 
Carta de juristas internacionais ao STF
Carta de juristas internacionais ao STFCarta de juristas internacionais ao STF
Carta de juristas internacionais ao STF
Conceição Lemes
 
CDHM aos órgãos internacionais sobre a repressão de protestos no Brasil
 CDHM aos órgãos internacionais sobre a repressão de protestos no Brasil CDHM aos órgãos internacionais sobre a repressão de protestos no Brasil
CDHM aos órgãos internacionais sobre a repressão de protestos no Brasil
Conceição Lemes
 
Arthur Chioro: O que será do Brasil e do SUS
Arthur Chioro: O que será do Brasil e do SUSArthur Chioro: O que será do Brasil e do SUS
Arthur Chioro: O que será do Brasil e do SUS
Conceição Lemes
 
Ação do MPMG contra promotor André Pinho
Ação do MPMG contra promotor André PinhoAção do MPMG contra promotor André Pinho
Ação do MPMG contra promotor André Pinho
Conceição Lemes
 

Mais de Conceição Lemes (20)

Democracy Report 2021
Democracy Report 2021Democracy Report 2021
Democracy Report 2021
 
Depoimento de Ênio Augusto Pereira e Silva à PF
Depoimento de Ênio Augusto Pereira e Silva à PFDepoimento de Ênio Augusto Pereira e Silva à PF
Depoimento de Ênio Augusto Pereira e Silva à PF
 
Nota técnica da PFDC/MPF sobre monitoramento de organizações sociais
Nota técnica da PFDC/MPF sobre monitoramento de organizações sociaisNota técnica da PFDC/MPF sobre monitoramento de organizações sociais
Nota técnica da PFDC/MPF sobre monitoramento de organizações sociais
 
MPF indefere pedido para Lula ir ao velório do irmão
MPF indefere pedido para Lula ir ao velório do irmãoMPF indefere pedido para Lula ir ao velório do irmão
MPF indefere pedido para Lula ir ao velório do irmão
 
PF nega ida de Lula ao velório de Vavá
PF nega ida de Lula ao velório de VaváPF nega ida de Lula ao velório de Vavá
PF nega ida de Lula ao velório de Vavá
 
Pedido de Lula à Justiça para ir ao funeral do irmão Vavá
Pedido de Lula à Justiça para ir ao funeral do irmão VaváPedido de Lula à Justiça para ir ao funeral do irmão Vavá
Pedido de Lula à Justiça para ir ao funeral do irmão Vavá
 
Justiça julga improcedente queixa de Kim Kataguiri contra Altamiro Borges
Justiça julga improcedente queixa de  Kim Kataguiri contra Altamiro BorgesJustiça julga improcedente queixa de  Kim Kataguiri contra Altamiro Borges
Justiça julga improcedente queixa de Kim Kataguiri contra Altamiro Borges
 
Pedido de cassação da liminar na ADI 5.942
Pedido de cassação da liminar na ADI 5.942Pedido de cassação da liminar na ADI 5.942
Pedido de cassação da liminar na ADI 5.942
 
Impugnação ao pedido da Petrobrás
Impugnação ao pedido da PetrobrásImpugnação ao pedido da Petrobrás
Impugnação ao pedido da Petrobrás
 
Liminar do ministro Marco Aurélio
Liminar do ministro Marco AurélioLiminar do ministro Marco Aurélio
Liminar do ministro Marco Aurélio
 
Petrobrás: Fato relevante PNG 2019-2023
Petrobrás: Fato relevante PNG 2019-2023Petrobrás: Fato relevante PNG 2019-2023
Petrobrás: Fato relevante PNG 2019-2023
 
Rede de Resistência: Conjuntura pós-eleição 2018
Rede de Resistência: Conjuntura pós-eleição 2018Rede de Resistência: Conjuntura pós-eleição 2018
Rede de Resistência: Conjuntura pós-eleição 2018
 
Recomendações do MPF e MPMG ao ensino básico e superior
Recomendações do MPF e MPMG ao ensino básico e superior Recomendações do MPF e MPMG ao ensino básico e superior
Recomendações do MPF e MPMG ao ensino básico e superior
 
Bolsonaro contra entidades sindicais e UNE
Bolsonaro contra entidades sindicais e UNEBolsonaro contra entidades sindicais e UNE
Bolsonaro contra entidades sindicais e UNE
 
Ação do PT contra propaganda do SBT
Ação do PT contra propaganda do SBTAção do PT contra propaganda do SBT
Ação do PT contra propaganda do SBT
 
Representação de parlamentares do PT ao CNJ contra Moro
Representação de parlamentares do PT ao CNJ contra  MoroRepresentação de parlamentares do PT ao CNJ contra  Moro
Representação de parlamentares do PT ao CNJ contra Moro
 
Carta de juristas internacionais ao STF
Carta de juristas internacionais ao STFCarta de juristas internacionais ao STF
Carta de juristas internacionais ao STF
 
CDHM aos órgãos internacionais sobre a repressão de protestos no Brasil
 CDHM aos órgãos internacionais sobre a repressão de protestos no Brasil CDHM aos órgãos internacionais sobre a repressão de protestos no Brasil
CDHM aos órgãos internacionais sobre a repressão de protestos no Brasil
 
Arthur Chioro: O que será do Brasil e do SUS
Arthur Chioro: O que será do Brasil e do SUSArthur Chioro: O que será do Brasil e do SUS
Arthur Chioro: O que será do Brasil e do SUS
 
Ação do MPMG contra promotor André Pinho
Ação do MPMG contra promotor André PinhoAção do MPMG contra promotor André Pinho
Ação do MPMG contra promotor André Pinho
 

Parecer da assessoria do PT sobre a MP 793

  • 1. CÂMARA DOS DEPUTADOS LIDERANÇA DO PARTIDO DOS TRABALHADORES Assessoria Técnica MEDIDA PROVISÓRIA Nº 793 DE 2017 PARECER SOBRE O PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO PROPOSTO PELA RELATORA Gerson Teixeira Brasília, 04/11/2017 Resumo A Medida Provisória em referência criou o PRR - Programa de Regularização Tributária Rural (PRR) junto à RFB e à PGFN, para o pagamento em 176 parcelas mensais, com níveis elevados de subvenções, das dívidas junto à seguridade acumuladas por agricultores e adquirentes da produção rural desde 2010 (estimativa de R$ 18 bilhões). A MPV também reduz, a partir de 1º de janeiro de 2018, a alíquota da contribuição para a seguridade social por parte dos produtores rurais pessoas físicas, de 2% para 1.2% sobre a comercialização dos produtos. O PLV proposto pela Relatora é emblemático da ousadia e irresponsabilidade dos ruralistas na defesa dos interesses do agronegócio à revelia do interesse público. Além de caracterizar um exercício ostensivo e sem limites de redução
  • 2. das dívidas junto à seguridade a serem renegociadas no âmbito do PRR, o PLV promove uma ‘mini reforma’ da previdência. Não na perspectiva da sustentabilidade e da busca de parâmetros de justiça para o sistema, mas para eximir ou reduzir as obrigações pecuniárias de agricultores e empresas rurais; em especial, das maiores. Como exemplo, não satisfeita com a redução de 40% nas contribuições dos produtores pessoas físicas conforme fixado pela MPV, a Relatora propõe a redução em 52%, a partir de 1º de janeiro de 2018, da alíquota da contribuição devida à seguridade social pelo empregador, pessoa jurídica, que se dedique à atividade rural. Portanto, redução maior que a prevista para o segurado especial. Também propõe que as empresas com dívidas até R$ 15 milhões paguem as suas parcelas no PRR em valores equivalentes a 0.3% da média mensal da receita bruta da comercialização. A MPV fixa os pagamentos, pelos produtores pessoas físicas, em 0.8%; o que já foi uma imoralidade. Recomendamos o voto contrário ao PLV sugerindo destaques. Diante das dificuldades para selecionar as possibilidades destaques, sugerimos os seguintes: Art. 2º, I; Art. 3º, I e § 2º, I (ITEM E) Art. 3º, §2º, II (ITEM I) Art. 14 (ITEM O) 1. No dia 1º de novembro, a Relatora da MPV 793, de 2017, Deputada Tereza Cristina, apresentou o seu Relatório incluindo proposta de Projeto de Lei de Conversão à referida Medida Provisória cujos principais pontos que alteram o texto original da MPV são analisados na sequência; 2. Antes, cumpre assinalar que atendendo demanda dos ruralistas, o governo editou a MPV nº 803, que concedeu novo prazo (até 30 de novembro de 2017) para a adesão dos produtores rurais pessoas físicas, e adquirentes da produção rural, com
  • 3. dívidas junto à seguridade social, para a renegociação dessas dívidas nas condições fixadas pelo PRR - Programa de Regularização Tributária Rural; 3. Vale também recordar que a MPV 793 foi publicada na véspera da Sessão da Câmara que rejeitou a autorização para o STF investigar a 1ª denúncia do Procurador da República contra o presidente Temer, foi publicada a Medida Provisória em referência; 4. As alterações processadas pela Relatora: A) O PRR contempla os adquirentes da produção rural. A Relatora critica a não explicitação das cooperativas. Ora, é claro que enquanto adquirentes da produção rural as cooperativas estariam plenamente incluídas entre os beneficiários do PRR. Ainda assim, não haveria problema em explicitar o alcance do PRR às cooperativas. Contudo, na redação dada para tal, no Art. 3º, caput, do PLV, deliberadamente, ou não, a Relatora finda criando uma armadilha. Abre a possibilidade de enquadramento no PRR de dívidas das cooperativas, junto à seguridade, por razões estranhas ao recolhimento por ocasião da aquisição da produção rural. Observem a redação dada ao Art. 3º: “O adquirente de produção rural ou a cooperativa que aderir ao PRR poderá: ........................................” (grifamos). No texto, a figura da cooperativa não está incluída na categoria de adquirente de produção. Se a intenção fosse a de somente explicitar as cooperativas entre os adquirentes de produção rural, a redação adequada seria: “Art. 3º: O adquirente de produção rural, incluindo a cooperativa, que aderir ao PRR poderá....” Assim na forma colocada a cooperativa pode aderir ao PRR tanto por dívidas nas operações de aquisição como por razões de outra natureza. Recomendamos mudança no texto conforme colocado; B) O texto original da MPV permitiu a inclusão de débitos vencidos até 30 de abril de 2017. A Relatora estendeu esse prazo até 30 de agosto de 2017. Em defesa da mudança a Relatora alegou as “...demasiadas incertezas quanto aos efeitos da decisão do STF no RE nº 718.874...”. O dia 30 de agosto foi último dia do mês de publicação do acórdão naquele processo. Sugerimos posicionamento favorável. (Art. 1º §1º)
  • 4. C) Nos termos originais da MPV a adesão ao parcelamento da dívida seria até 29 de setembro de 2017. A Medida Provisória n° 803/2017 estendeu o prazo para até 30 de novembro de 2017. A Relatora pretende nova mudança no prazo de adesão para até 20 de dezembro de 2017. Ainda que abusiva a nova proposta de prazo, podemos apoiá-la para endurecer contra outros dispositivos com efeitos negativos mais substanciais; (Art. 1º, §2º) D) De acordo com o art. 1º, § 3º, da Medida Provisória, ao aderir ao PRR, o sujeito passivo confessa de forma irrevogável e irretratável os débitos por ele indicados para compor o PRR. A Relatora resolveu flexibilizar os efeitos da confissão à medida que poderá haver decisão judicial sobre a ilegitimidade de cobrança dos débitos confessados. A justificativa utilizada para tal flexibilização não procede posto que havendo decisão judicial em sentido contrário ao disposto pela Lei obviamente prevalecerá a decisão judicial. Na verdade a Relatora pretende mesmo aliviar a assunção da dívida com a adesão ao PRR. Recomendamos contra essa alteração – supressão do §4º do Art. 1º; E) Pelo texto original da MPV, ao aderir ao PRR o produtor rural pessoa física ou o adquirente de produção rural deve pagar, no mínimo, 4% do valor da dívida consolidada, em até quatro parcelas. Acolhendo proposição em massa dos seus pares ruralistas, a Relatora considera elevada essa taxa e a reduz para 1%. Trata-se de mudança inaceitável para quem terá, inclusive, a redução da alíquota de contribuição para a seguridade. (Art. 2 º, I; Art. 3º, I e § 2º, I); F) A MPV prevê redução de 25% nas multas de mora e de ofício e dos encargos legais, incluídos honorários advocatícios. A Relatora, de novo acolhendo as Emendas dos ruralistas propõe a redução de 100%. Vale sempre lembrar que os maiores beneficiários do PRR são os adquirentes da produção, com destaque para as grandes tradings. Recomendamos o voto contra a eliminação das multas e dos encargos legais em decorrência da dívida e pela manutenção do texto original (Art. 2º, II, a) e (Art. 3º, § 2º, II, a);
  • 5. G) A Relatora altera os Art. 2º, §3º e Art. 3º,§4º para possibilitar o pagamento em até 60 parcelas, com os descontos antes mencionados, de eventuais resíduos após o pagamento as 176 parcelas do PRR. Pela MPV, nesses casos, existe a possibilidade do parcelamento, mas sem os descontos. Mais uma benesse exigida pelos ruralistas. Recomendamos o voto contrário. H) O texto original da MPV prevê o pagamento de parcelas mensais tanto por produtores rurais quanto pelos adquirentes, com base na receita média com a comercialização do ano anterior. A Relatora alega que o fluxo de caixa no campo não observa necessariamente a periodicidade mensal. Por essa razão propõe o adiantamento de parcelas dentro de um mesmo mês para a amortização de parcelas subsequentes, e não das últimas parcelas do parcelamento, como costuma ocorrer nas regulamentações de outros parcelamentos especiais feitas pela PGFN e pela RFB. Consideramos a proposta razoável para os agricultores. (Art. 2º, §5º). Mas não se aplica aos adquirentes. Contra (Art. 3º, § 7º); I) O PLV altera o Art. 3º, §2º, II, da MPV, para beneficiar os adquirentes da produção rural com dívida total, sem reduções, igual ou inferior a R$ 15.000.000,00. Propõe que essas empresas paguem parcelas em valores equivalentes a 0.3% da média mensal da receita bruta da comercialização, quando a MPV determina 0.8%. Uma redução de 62.5% para empresas, mantendo em 0.8% para os agricultores pessoas físicas Uma imoralidade que não deve ser permitida. J) Pelo Art. 4º da MPV dependerá da apresentação de carta de fiança ou seguro garantia judicial, as operações quando se tratar de valor igual ou superior a quinze milhões de reais. A Relatora altera este dispositivo para fixar que o parcelamento de débitos tanto para produtores quanto para adquirentes não requer a apresentação de garantia. Mais um privilégio, em especial, para as empresas adquirentes. Contra. K) Em mais um benefício, a Relatora altera o prazo para a comprovação do pedido de desistência ou renuncia de ações judiciais, para 30 de dezembro de 2017, quando a MPV 803 já havia alterado o prazo de 29/09/2017 para 30/11/2017. Entre os benefícios, este é um dos menores, portanto, aceitável, no limite. (Art. 5º, §2º);
  • 6. L) De acordo com a Medida Provisória, mesmo após a apresentação de desistência ou renúncia pelo produtor rural ou adquirente nas ações por estes ajuizadas, serão devidos honorários advocatícios. Em tais situações a Relatora exime o autor da ação do pagamento dos honorários advocatícios. A medida facilita a adesão ao PRR. (Art. 5º, caput); M) A Relatora inclui no PLV a possibilidade de os devedores com dívida total de até quinze milhões de reais possam liquidar o saldo consolidado com a utilização de créditos de prejuízo fiscal e de base de cálculo negativa da CSLL, apurados até 31 de dezembro de 2015 e declarados até 29 de julho de 2016. Não se inclui entre as maiores aberrações. (Art. 8º) N) A MPV determina a exclusão do devedor do PRR nas situações de falta de pagamento de três parcelas consecutivas ou seis alternadas. A Relatora excetua a falta de pagamento, pelos produtores, decorrentes da quebra de safra em razão de situações edafoclimáticas motivadas por situação de emergência ou estado de calamidade pública devidamente reconhecido pelo Poder Executivo federal. A medida parece justa; contudo, e lembrando que estamos tratando de grandes produtores, é impensável que os mesmos não tenham contratado o seguro rural. Orientamos contra (Art. 9º, §1º); O) Simplesmente a Relatora resolveu reduzir de 2.5% para 1.2% (sobre a comercialização) a alíquota da contribuição dos produtores rurais pessoas jurídicas. Uma redução de 52%; bem maior do que a redução para o segurado especial que foi de 40%, e assim agregando mais um ponto escandaloso no seu PLV (Art. 14). Contra. P) Na sua lista de bondades, no Art. 13 do PLV a Relatora propõe modificação no Art. 25, da Lei nº 8.212, de 1991, para fixar que não integra a base de cálculo da contribuição para a seguridade, a produção rural destinada ao plantio ou reflorestamento, nem sobre o produto animal destinado a reprodução ou criação pecuária ou granjeira, e a utilização como cobaias para fins de pesquisas científicas,
  • 7. quando vendido pelo próprio produtor e, quem a utilize diretamente com essas finalidades. E, no caso de produto vegetal, por pessoa ou entidade que, registrada no Ministério da Agricultura, do Abastecimento e da Reforma Agrária (SIC), se dedique ao comércio de sementes e mudas no País. A Justificativa é impedir a cobrança nas operações entre produtores. Trata-se de matéria estranha à MPV, e portanto, ao PRR. Pela rejeição da proposta; Q) O PLV altera o art. 22, da Lei nº 8.212, de 1991, e o art. 25 da Lei nº 8.870/1994, para estabelecer a opção de o produtor rural recolher a contribuição sobre a folha de salários ou sobre a receita bruta. A despeito do mérito, trata-se de matéria estranha ao PRR; portanto, opinamos contrariamente. (Art. 13) R) Por meio do Art. 15, incluiu Parágrafo único, com as letras ‘a’ e ‘b’ ao Art. 6º da Lei nº 9.528, de 1997, para permitir o recolhimento da contribuição ao SENAR pelo adquirente, consignatário ou cooperativa que ficam subrogados para essa finalidade nas obrigações do produtor rural pessoa física e do segurado especial; e pelo próprio produtor pessoa física e pelo segurado especial quando comercializar sua produção com adquirente no exterior, outro produtor pessoa física ou diretamente no varejo, ao consumidor pessoa física. De novo trata-se de matéria estranha ao REFIS RURAL previsto pela MPV. Recomendamos o voto contrário. Além das mudanças comentadas acima, a Relatora acrescenta outras modificações na MPV sempre no sentido da desobrigação de responsabilidades dos produtores e empresas para com a seguridade social, a exemplo da aplicação de desconto sobre multas isoladas, previstas no art. 44, II, da Lei nº 9.430, de 27 de dezembro de 1996.