SlideShare uma empresa Scribd logo
Pé diabético ,[object Object]
PÉ DIABÉTICO "Pé Diabético" é a infecção, ulceração e/ou destruição de tecidos profundos associados com anormalidades neurológicas e vários graus de doença vascular periférica no membro inferior.
PÉ DIABÉTICO Ao examinar os pés de um paciente diabético e notar: Alteração de sensibilidade da pele; Presença de hiperemia; Hipertermia; Edema; Deformidades; Calos; Ulcerações com ou sem secreção ou gangrena;
PÉ DIABÉTICO A tríade composta por: 1. Neuropatia; 2. Doença vascular periférica ; 3. Infecção. está relacionada com gangrena e amputação
PÉ DIABÉTICO ,[object Object],[object Object],[object Object]
PÉ DIABÉTICO Neuropatia A neuropatia do pé diabético é na verdade uma pan-neuropatia, uma vez que acomete nervos sensitivos e motores (neuropatia sensitivomotora) e nervos autônomos (neuropatia autonômica) e seus principais mecanismos fisiopatológicos são:
PÉ DIABÉTICO Neuropatia a)   A neuropatia sensitivo-motora acarreta perda gradual da sensibilidade dolorosa, por exemplo, o paciente diabético poderá não mais sentir o incômodo da pressão  repetitiva de um sapato apertado, a dor de um objeto pontiagudo no chão ou da ponta da tesoura durante o ato de cortar unhas, etc. Isto o torna vulnerável a traumas e é denominado de perda da sensação protetora.
PÉ DIABÉTICO Neuropatia Acarreta também a atrofia da musculatura intrínseca do pé causando desequilíbrio entre flexores e extensores, o que desencadeia deformidades ósteoarticulares  (dedos em garra, dedos em martelo, proeminências das cabeças dos metatarsos, joanetes), que alteram os pontos de pressão na região plantar com sobrecarga e  reação da pele com hiperceratose local, que com a contínua deambulação evolui para ulceração (ex. mal perfurante plantar), que se constitui em uma importante porta de entrada para o desenvolvimento de infecções.
PÉ DIABÉTICO Neuropatia b) A neuropatia autonômica através da lesão dos nervos simpáticos, leva a perda do tonus vascular, promovendo uma vasodilatação com aumento da abertura de comunicações artério-venosas e conseqüentemente passagem direta do fluxo sangüíneo da rede arterial para a venosa, causando a redução da nutrição aos tecidos. E leva também a anidrose tornando a pele ressecada e com fissuras que também servem de porta de entrada para infecções.
PÉ DIABÉTICO Fissuras em calcanhar, que servem às vezes como porta de entrada para infecção.
PÉ DIABÉTICO Neuropatia Com relação ao “pé de Charcot” (neuroósteoartropatia), acredita-se que a neuropatia autonômica com o conseqüente aumento de fluxo através das comunicações artériovenosas, promove um aumento da reabsorção óssea com conseqüente fragilidade do tecido ósseo.  Esta fragilidade óssea associada a perda da sensação dolorosa e a traumas sucessivos levam a múltiplas fraturas e deslocamentos ósseos (sub-luxações ou luxações), causando deformidades importantes (ex. desabamento do arco plantar) que podem evoluir também para calosidade e ulceração.
PÉ DIABÉTICO Homem, 54 anos. Vista de perfil mostrando o desabamento do meio do pé (área do tarso). Charcot – antes do debridamento do calo. Região plantar do Charcot com ulceração na área da proeminência óssea aonde a pressão é anômala.
PÉ DIABÉTICO Angiopatia O paciente diabético pode apresentar a macroangiopatia e a microangiopatia.
PÉ DIABÉTICO Angiopatia A macroangiopatia afeta vasos de maior calibre, é causada pela aterosclerose, que no paciente diabético tem um comportamento peculiar:  É mais comum, mais precoce e mais difusa, quando  comparada com aterosclerose nos pacientes não diabéticos.  Outra característica em diabetes é a calcificação da camada média de artérias musculares, principalmente nas extremidades inferiores.
PÉ DIABÉTICO Angiopatia A angiopatia do “pé diabético“, representada principalmente pelas lesões estenosantes da aterosclerose, reduz o fluxo sangüíneo para as partes afetadas dos membros inferiores, causando inicialmente interrupção da marcha pelo surgimento de dor no membro (claudicação intermitente).
PÉ DIABÉTICO Angiopatia A evolução da doença vascular agrava a redução do fluxo sangüíneo, surgindo uma condição na qual mesmo o paciente em repouso, a dor estará presente (dor de repouso).  E finalmente, a progressão da doença vascular pode atingir níveis tão graves de redução de fluxo, que pode ocorrer dano tissular com o aparecimento de  ulceração ou gangrena.
PÉ DIABÉTICO Exemplo de gangrena seca em doente já amputado do outro membro. Perda do membro inferior direito dois anos antes.
PÉ DIABÉTICO Exemplo de gangrena seca em doente já amputado do outro membro. Doente com isquemia gangrena seca isquêmica .
PÉ DIABÉTICO Angiopatia Este mesmo mecanismo também pode causar alteração de coloração e redução da temperatura da pele , alteração de fâneros (pêlos e unhas) e atrofia de pele, sub-cutâneo e músculos.
PÉ DIABÉTICO INFECÇÃO A infecção no paciente diabético pode variar de uma simples celulite localizada à uma celulite necrotizante, abcesso profundo ou uma gangrena e, são oriundas de traumas, úlceras e principalmente de lesões interdigitais e / ou peri -ungueais
PÉ DIABÉTICO INFECÇÃO As infecções leves em pacientes sem uso prévio de antibiótico são geralmente causadas por uma ou duas espécies de cocos gram positivos aeróbios, dos quais, o Estafilococos áureus e Estreptococos são os mais comuns. As infecções mais graves (ex. profundas, com necrose e/ou isquemia), freqüentemente, são causadas por uma flora polimicrobiana. E os germens geralmente encontrados são: Estafilococos aureus (gram positivo), Escherichi coli e Proteus sp (gram negativos) e Bacterióides sp , Peptoestreptococos, Peptococos e Clostrídio sp (anaeróbios).
PÉ DIABÉTICO Formação de abscesso. Plantar profundo com grande perda tissular.
PÉ DIABÉTICO Sinais   e  Sintomas Os sintomas e sinais relacionados com a neuropatia são divididos de acordo com o tipo de nervo que é comprometido: a) sensoriais: dores tipo queimação, pontadas, agulhadas, sensação de frieza, parestesias, hipoestesias e anestesias. Relembrando, há uma perda progressiva da sensação de proteção tornando o paciente vulnerável   ao trauma.
PÉ DIABÉTICO Sinais   e  Sintomas b) motores: atrofia da musculatura intrínseca do pé, deformidades ósteo-articulares com suas mais freqüentes apresentações como: Dedos em martelo, dedos em garra, hálux valgus, proeminências de cabeças de metatarsos. Presença de calosidades em áreas de pressões anômalas e ulcerações (Mal perfurante plantar).   c) autonômicos: diminuição da sudorese com ressecamento da pele e fissuras. Vasodilatação e coloração rosa da pele (“pé de lagosta”) oriunda da perda da auto-regulação das comunicações artériovenosa.
PÉ DIABÉTICO Sinais   e  Sintomas Lembrar que também está relacionado com a neuropatia a condição denominada como “pé de Charcot” (neuro-ósteoartropatia), que se caracteriza na sua fase aguda por sinais clássicos de inflamação (calor, rubor, edema, com ou sem dor) e na sua fase crônica por deformidades importantes, chegando a alterar a configuração normal do pé.
PÉ DIABÉTICO Sinais   e  Sintomas A redução de fluxo sangüíneo pode promover o aparecimento de claudicação  intermitente, dor de repouso, alteração de coloração  da pele como palidez ou cianose, alteração da temperatura da pele como hipotermia, alterações tróficas dos tecidos como atrofia de pele, sub-cutâneo, músculos e de fâneros como rarefação de pelos e unhas quebradiças.
PÉ DIABÉTICO Sinais   e  Sintomas A  lesão estenosante da luz do vaso pode levar também a alteração de pulsos periféricos, facilmente avaliados, traduzindo-se clinicamente por diminuição ou ausência à palpação. Deve-se, portanto, proceder-se a palpação dos pulsos femorais, poplíteos, tibiais posteriores e pediosos .
PÉ DIABÉTICO Sinais   e  Sintomas A presença de ulceração ou gangrena,  são as situações mais graves da insuficiência arterial na doença vascular periférica.  Um paciente com angiopatia e neuropatia com componente sensorial importante (hipoestesia ou anestesia), pode não apresentar um quadro típico com claudicação intermitente ou dor de repouso.  Os sintomas e sinais relacionados com a infeção dependem fundamentalmente da gravidade e profundidade do processo infeccioso. Do ponto de vista clínico é norteado pelos clássicos sintomas e sinais inflamatórios de calor, tumor, rubor e dor. Mas, vale salientar que febre e leucocitose podem estar ausentes em pacientes diabéticos.
PÉ DIABÉTICO ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
PÉ DIABÉTICO Teste do monofilamento SW 10 g.
PÉ DIABÉTICO Exemplo do teste do monofilamento SW 10 g.
PÉ DIABÉTICO ,[object Object],[object Object],[object Object]
PÉ DIABÉTICO TESTES (Angiopatia) b)  Angiografia, a indicação de arteriografia é aceita como uma avaliação da doençaarterial para o planejamento operatório das revascularizações de membros inferiores.
PÉ DIABÉTICO TESTES (Infecção) a) cultura de amostras teciduais e hemocultura / antibiograma: a literatura revela os germens mais freqüentemente encontrados nas infecções em “pé diabético”, mas, é necessário perseguir o diagnóstico de certeza, para um uso adequado de antibióticos. Para isto, podemos utilizar a pesquisa do microorganismo através cultura de amostras de tecidos profundos comprometidos, inclusive osso, ou através do sangue. A coloração tipo Gram é também utilizada. As culturas de amostras superficiais e os aspirados por agulhas são considerados imprecisos, pois, estas feridas podem ser colonizadas maciçamente por flora hospedeira residente.
PÉ DIABÉTICO TESTES (Infecção) b) Radiografia, Cintilografia e Ressonância Nuclear Magnética: Todos aplicados mais para o diagnóstico de osteomielite, mas, com suas limitações. O raio X tem seus resultados não muito confiáveis porque os pacientes diabéticos também podem apresentar lesões ósseas de natureza degenerativa. A radiografia também revela a presença de gás, que pode ser de origem bacteriana ou por ordenha de ar para dentro dos tecidos através da ferida pela deambulação contínua. A cintilografia e a ressonância magnética tem sensibilidade superior ao raio X para osteomielite , mas, são onerosas.
PÉ DIABÉTICO Mulher, 46 anos, radiografia revelando imagem sugestiva de osteomielite – “lite” na cabeça do quinto   metatarsiano na área correspondente a úlcera.
PÉ DIABÉTICO Os sintomas e sinais oriundos da angiopatia são: a) dor / claudicação intermitente; b) dor de repouso; c) palidez; d) cianose e) hipotermia f) atrofia de pele/tela subcutânea/músculo g) alterações de fâneros (pelos e unhas) h) diminuição ou ausência de pulsos à palpação i) flictenas / bolhas j) úlcera isquêmica k) necrose seca (isquêmica) l) gangrena seca (isquêmica)
PÉ DIABÉTICO Os sintomas e sinais oriundos da panneuropatia são: a) ressecamento de pele; b) fissuras de pele; c) hiperemia / eritema; d) hipertermia; e) ectasia venosa; f) alteração de sensibilidade; g) deformidades ósteo-articulares (ex.: joanete, dedos em garra ou em martelo, “pé de charcot”, etc ); h) calosidades; i) úlcera neuropática.
PÉ DIABÉTICO Os sintomas e sinais oriundos da infecção são: a) edema; b) secreção/pus;  c) necrose infecciosa; d) gangrena úmida (infecciosa).
PÉ DIABÉTICO TRATAMENTO Neuropatia A dor neuropática não tem um tratamento definido. O uso de analgésicos habituais não controla a dor. Há recomendações do uso de  antidepressivos tricíclicos (imipramine, amitriptyline, desipramine, clomipramine), mexiletine, capsaicin e anticonvulsivantes como carbamazepine.  As deformidades, apesar de pouco divulgado em nosso meio, são tratadas em vários centros têm utilizado ósteo-artroplastias para correção cirúrgica de deformidades como dedos em martelo, dedos em garra, halux valgus (joanete), proeminência óssea em cabeças de metatarsos, "pé de Charcot", etc.
PÉ DIABÉTICO TRATAMENTO Neuropatia As calosidades tratadas com as substâncias tópicas, denominados de ceratolíticas usadas para tratamento de calos, não são recomendados para o paciente diabético, porque, a calosidade no pé do paciente diabético é um sinal fortemente sugestivo de neuropatia com perda de sensação protetora, assim, o ceratolítico pode provocar lesão da pele em torno do calo sem ser percebida pelo paciente. As calosidades devem ser desbastadas cirurgicamente, pois, aumentam a pressão local com evolução para ulceração.
PÉ DIABÉTICO Quinto pododáctilo após limpeza. Notar calosidade formada por pressão moderada e repetitiva.
PÉ DIABÉTICO Quinto pododáctilo após retirada da hiperceratose (calo)  exibindo a ulceração já formada sob o calo.  A proximidade desta  ceração com a cápsula e articulação facilitando a instalação da  osteomielite.
PÉ DIABÉTICO TRATAMENTO Neuropatia As úlceras de origem neuropáticas podem ser tratadas de forma conservadora com diversos tipos de calçados terapêuticos e de órteses. O tratamento cirúrgico engloba uma variedade de técnicas operatória que envolve as áreas da ortopedia, cirurgia plástica e vascular, com a finalidade de corrigir deformidades ósteoarticulares com osteotomias, tenotomias e/ou utilizar enxertos de pele livre ou vascularizado para substituir áreas com perda tissulares importantes. As operações devem considerar o tratamento do fator causal e não apenas a seqüela, para evitar recidiva da úlcera e devem ser precedida da avaliação do estado vascular.
PÉ DIABÉTICO Exemplo de revascularização. Doente com ferida oriunda de infecções em ulceração ativa com componente isquêmico submetido a revascularização poplíteo-pedioso.
PÉ DIABÉTICO TRATAMENTO Angiopatia A claudicação intermitente (não incapacitante), de modo geral tem sido preferivelmente tratada de maneira conservadora. As principais recomendações são:  O uso de drogas vasodilatadoras,  Hemorreológicas e  Antiagregantes plaquetários,  Prática de exercícios programados  A eliminação ou controle de fatores de riscos como: tabagismo,  hiperlipidemia,  hipertensão arterial,  o próprio diabetes,
PÉ DIABÉTICO TRATAMENTO Angiopatia Os casos de "dor de repouso", úlcera e gangrena são situações clínicas clássicas para a indicações de tratamento cirúrgico. Estas intervenções cirúrgicas têm o objetivo de restabelecer um fluxo sangüíneo adequado para a região afetada , utilizando uma variedade de técnicas operatórias e genericamente denominadas de revascularizações de membros inferiores, também conhecidas como "pontes" e "bypass".  Além das "pontes" ou "by-pass",  tem surgido uma outra opção de tratamento menos invasivo que as revasculatizações tradicionais,  é a cirurgia endovascular.
PÉ DIABÉTICO TRATAMENTO Da infecção   O tratamento das infecções se faz basicamente com a utilização de antibióticos, drenagem, debridamento e cuidados da ferida. Não há unanimidade na escolha da antibioticoterapia em "pé diabético", mas é possível fazê-la de forma racional. Primeiro, deve ser norteado pelos princípios gerais do uso deste tipo de droga. A drenagem e o debridamento podem e devem ser realizados de uma forma racional no pé do paciente diabético, baseado na anatomia local, conhecendo principalmente todos os compartimentos do pé e praticando incisões e divulsões considerando o direcionamento mais frequente de disseminação da infecção e respeitando a nutrição vascular dos tecidos.
PÉ DIABÉTICO TRATAMENTO Da infecção   O cuidado da ferida é também muito importante, incluindo limpeza meticulosa diária com solução salina normal ou sabão isotônico, novos debridamentos sempre que necessário e o uso tópico de soluções, cremes e pomadas, etc de forma racional, conhecendo os processos fisiológicos envolvido no processo de cicatrização.
PÉ DIABÉTICO TRATAMENTO Da infecção   Às vezes se  faz necessário a indicação de uma cirurgia ablativa, as amputações.   O objetivo principal é "salvar o pé". Entretanto, mesmo se tratando de uma operação mutiladora, há que se ter racionalidade.  Deve-se ter o conhecimento da anatomia, noções de biomecânica e dos tipos de amputações de membro inferior, principalmente no pé, segmento no qual há diversos níveis de amputação.  As amputações de membro inferior devem ser o mais distal possível, pela menor dificuldade na reabilitação.
PÉ DIABÉTICO
PÉ DIABÉTICO
PÉ DIABÉTICO
PÉ DIABÉTICO TRATAMENTO Da infecção   Mas, deve ser salientado que, o esforço para salvar o pé do paciente diabético não deve ultrapassar os limites do bom senso, ou seja, nos casos em que a tentativa de salvar o pé possa ameaçar a vida do paciente a opção que resta é a amputação maior.
PÉ DIABÉTICO TRATAMENTO MEDIDAS PREVENTIVAS O "pé diabético" não se restringe aos casos que comumente chegam às unidades de urgência com gangrenas e/ou infecção severa e com freqüência culminam com algum tipo de amputação. É importante que todos se conscientizem que antes de alcançar estas situações, houve outros estágios de menor risco e gravidade, nos quais caberiam oportunamente a adoção de medidas que poderiam prevenir danos para o paciente. O avanço no conhecimento do "pé diabético" permitiu a identificação de fatores de riscos para amputação, e tornou possível a elaboração de medidas capazes de controlar ou de eliminar estes fatores.
PÉ DIABÉTICO
PÉ DIABÉTICO TRATAMENTO MEDIDAS PREVENTIVAS Diversos estudos têm demonstrado que programas de cuidados do pé incluindo educação, exame regular do pé e categorização do risco pode reduzir a ocorrência de lesões de pé em mais que 50% dos pacientes.  Há cinco pedras angulares para a prevenção:   1) Inspeção e exame regular dos pés e calçados: todos os pacientes diabéticos devem ter seus pés examinados pelo menos uma vez por ano. Os pacientes de risco devem ser examinados mais frequentemente.
PÉ DIABÉTICO TRATAMENTO MEDIDAS PREVENTIVAS 2) Identificação do paciente de alto risco. Os fatores de risco que podem ser detectados usando história e exame físico:  a) Úlcera ou amputação prévia b) Carência de contacto social c) Carência de educação d) Alteração da sensação de proteção (monofilamento) e) Alteração da percepção da vibração (diapasão ) f) Ausência do reflexo do tendão de Aquiles g) Calos h) Deformidades do pé i) Calçados inadequados j) Ausência dos pulsos podais
PÉ DIABÉTICO
PÉ DIABÉTICO TRATAMENTO MEDIDAS PREVENTIVAS 3) Educação do paciente, família e provedores de saúde. A educação é muito importante para a prevenção. O objetivo é aumentar a motivação e a habilidade de lidar com o problema. Deve-se ensinar o paciente como  reconhecer os problemas dos pés e quais ações devem ser adotadas. A educação deve ser simples, relevante, consistente e repetida. Os médicos e outros profissionais de saúde devem receber educação periódica para melhorar o cuidado aos pacientes de alto risco.
PÉ DIABÉTICO TRATAMENTO MEDIDAS PREVENTIVAS 4) Calçados apropriados. São calçados utilizados principalmente para os portadores de neuropatia com deformidades uma vez que os calçados inadequados são considerados a principal causa de ulceração.
PÉ DIABÉTICO
PÉ DIABÉTICO TRATAMENTO MEDIDAS PREVENTIVAS 5) Tratamento da patologia não ulcerativa. Em pacientes de alto risco, os calos, as alterações patológicas de unhas e pele devem ser tratadas regularmente e preferivelmente por profissionais treinados em cuidados dos pés. Se possível as deformidades dos pés devem ser tratadas com medidas não cirúrgicas.
PÉ DIABÉTICO
PÉ DIABÉTICO TRATAMENTO MEDIDAS PREVENTIVAS Uma vez identificados os pacientes de alto risco a seguinte instrução deve ser dada : (1) Inspeção diária dos pés, incluindo áreas entre os dedos. (2) Se o paciente não pode inspecionar os pés, alguém deve fazer. (3) Lavar regularmente os pés , secando-os cuidadosamente, especialmente entre os dedos. Usar água com temperatura sempre menos que 37o C. (4) Evitar caminhar descalço dentro ou fora de casa e calçar sapatos com meias. (5) Agentes químicos ou emplastro para remover calos não devem ser usados (6) Inspeção diária e palpação do interior dos sapatos
PÉ DIABÉTICO
PÉ DIABÉTICO TRATAMENTO MEDIDAS PREVENTIVAS (7) Se a visão está prejudicada, o paciente não deve tratar o pé (ex. cortar unhas) (8) Óleos e cremes lubrificantes devem ser usados para pele seca, exceto entre os dedos. (9) Diariamente trocar de meias (10)Usar meias sem costuras (11) Cortar as unhas retas (12)Calos não devem ser cortados por pacientes e sim por provedores de cuidados de saúde
PÉ DIABÉTICO TRATAMENTO MEDIDAS PREVENTIVAS (13)Os pacientes devem se assegurar que os pés sejam examinados regularmente por conhecedores de cuidados de saúde. O paciente deve notificar imediatamente se uma bolha, corte, arranhão ou ferida tem desenvolvido.  A complicação em pé é uma das mais sérias e onerosa complicação do diabetes mellitus. A amputação em membro inferior é usualmente precedida de úlcera em 85% dos casos. A estratégia que inclui prevenção, educação do pacientes e profissionais, tratamento multidisciplinar da úlcera do pé e monitorização, pode reduzir a taxa de amputação de 49 a 85 %.
PÉ DIABÉTICO
PÉ DIABÉTICO
PÉ DIABÉTICO
PÉ DIABÉTICO
PÉ DIABÉTICO
PÉ DIABÉTICO
[object Object]

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula fraturas
Aula  fraturasAula  fraturas
Aula fraturas
Marcelo Costa
 
Cuidados com feridas
Cuidados com feridasCuidados com feridas
Cuidados com feridas
Rodrigo Abreu
 
Distúrbios hidroeletrolíticos
Distúrbios hidroeletrolíticosDistúrbios hidroeletrolíticos
Distúrbios hidroeletrolíticos
resenfe2013
 
Úlceras Vasculogênicas
Úlceras VasculogênicasÚlceras Vasculogênicas
Úlceras Vasculogênicas
Janaína Lassala
 
ARTRITE REUMATÓIDE
ARTRITE REUMATÓIDEARTRITE REUMATÓIDE
ARTRITE REUMATÓIDE
pauloalambert
 
Pé Diabético
Pé DiabéticoPé Diabético
Pé Diabético
Liga de Diabetes UFG
 
Aula de feridas e curativos - Completa
Aula de feridas e curativos -  CompletaAula de feridas e curativos -  Completa
Aula de feridas e curativos - Completa
SMS - Petrópolis
 
Slides trauma raquimedular
Slides trauma raquimedularSlides trauma raquimedular
Slides trauma raquimedular
Ágatha Mayara
 
Choque
ChoqueChoque
Choque
dapab
 
Aula residência ave avc
Aula residência ave avcAula residência ave avc
Aula residência ave avc
Inaiara Bragante
 
História da Cirurgia
História da CirurgiaHistória da Cirurgia
História da Cirurgia
Rilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Ascite
AsciteAscite
Curativos
CurativosCurativos
Curativos
Rodrigo Abreu
 
Sinais Vitais
Sinais VitaisSinais Vitais
Sinais Vitais
Tamyres Magalhães
 
Prevenção no Pé Diabético: Educação
Prevenção no Pé Diabético: EducaçãoPrevenção no Pé Diabético: Educação
Prevenção no Pé Diabético: Educação
Elcos&Ulcus - Sociedade Feridas
 
Semiologia da dor
Semiologia da dorSemiologia da dor
Semiologia da dor
pauloalambert
 
Distúrbios circulatórios - Dr. José Alexandre Pires de Almeida
Distúrbios circulatórios - Dr. José Alexandre Pires de AlmeidaDistúrbios circulatórios - Dr. José Alexandre Pires de Almeida
Distúrbios circulatórios - Dr. José Alexandre Pires de Almeida
José Alexandre Pires de Almeida
 
Código de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagemCódigo de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagem
Centro Universitário Ages
 
Infarto agudo do miocárdio
Infarto agudo do miocárdioInfarto agudo do miocárdio
Infarto agudo do miocárdio
Laboratório Sérgio Franco
 
Artrite reumatóide
Artrite reumatóideArtrite reumatóide
Artrite reumatóide
Paulo Alambert
 

Mais procurados (20)

Aula fraturas
Aula  fraturasAula  fraturas
Aula fraturas
 
Cuidados com feridas
Cuidados com feridasCuidados com feridas
Cuidados com feridas
 
Distúrbios hidroeletrolíticos
Distúrbios hidroeletrolíticosDistúrbios hidroeletrolíticos
Distúrbios hidroeletrolíticos
 
Úlceras Vasculogênicas
Úlceras VasculogênicasÚlceras Vasculogênicas
Úlceras Vasculogênicas
 
ARTRITE REUMATÓIDE
ARTRITE REUMATÓIDEARTRITE REUMATÓIDE
ARTRITE REUMATÓIDE
 
Pé Diabético
Pé DiabéticoPé Diabético
Pé Diabético
 
Aula de feridas e curativos - Completa
Aula de feridas e curativos -  CompletaAula de feridas e curativos -  Completa
Aula de feridas e curativos - Completa
 
Slides trauma raquimedular
Slides trauma raquimedularSlides trauma raquimedular
Slides trauma raquimedular
 
Choque
ChoqueChoque
Choque
 
Aula residência ave avc
Aula residência ave avcAula residência ave avc
Aula residência ave avc
 
História da Cirurgia
História da CirurgiaHistória da Cirurgia
História da Cirurgia
 
Ascite
AsciteAscite
Ascite
 
Curativos
CurativosCurativos
Curativos
 
Sinais Vitais
Sinais VitaisSinais Vitais
Sinais Vitais
 
Prevenção no Pé Diabético: Educação
Prevenção no Pé Diabético: EducaçãoPrevenção no Pé Diabético: Educação
Prevenção no Pé Diabético: Educação
 
Semiologia da dor
Semiologia da dorSemiologia da dor
Semiologia da dor
 
Distúrbios circulatórios - Dr. José Alexandre Pires de Almeida
Distúrbios circulatórios - Dr. José Alexandre Pires de AlmeidaDistúrbios circulatórios - Dr. José Alexandre Pires de Almeida
Distúrbios circulatórios - Dr. José Alexandre Pires de Almeida
 
Código de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagemCódigo de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagem
 
Infarto agudo do miocárdio
Infarto agudo do miocárdioInfarto agudo do miocárdio
Infarto agudo do miocárdio
 
Artrite reumatóide
Artrite reumatóideArtrite reumatóide
Artrite reumatóide
 

Semelhante a Pé Diabético

Pé diabetico por cícero fidelis
Pé diabetico por cícero fidelisPé diabetico por cícero fidelis
Pé diabetico por cícero fidelis
adrianomedico
 
úLceras vasculogênicas
úLceras vasculogênicasúLceras vasculogênicas
úLceras vasculogênicas
UNIME
 
Úlceras Neuropáticas.pptx
Úlceras Neuropáticas.pptxÚlceras Neuropáticas.pptx
Úlceras Neuropáticas.pptx
pamelascarlatt
 
Pé Diabético .ppt
Pé Diabético .pptPé Diabético .ppt
Pé Diabético .ppt
Brunno Rosique
 
Apostila de reumatologia
Apostila de reumatologiaApostila de reumatologia
Apostila de reumatologia
Ivone Reges
 
Dmtc2014
Dmtc2014Dmtc2014
Dmtc2014
pauloalambert
 
Bursite
BursiteBursite
Apresentação
Apresentação Apresentação
Apresentação
janinemagalhaes
 
Artrite séptica
Artrite sépticaArtrite séptica
Artrite séptica
sandra tiofilo
 
ARTRITE REATIVA E ARTRITE ENTEROPÁTICA
ARTRITE REATIVA E ARTRITE ENTEROPÁTICAARTRITE REATIVA E ARTRITE ENTEROPÁTICA
ARTRITE REATIVA E ARTRITE ENTEROPÁTICA
Victor G. Bertoli
 
lupus
lupuslupus
ÚLCERAS do Pé Diabético e Cicatrização no DM.pptx
ÚLCERAS do Pé Diabético e Cicatrização no DM.pptxÚLCERAS do Pé Diabético e Cicatrização no DM.pptx
ÚLCERAS do Pé Diabético e Cicatrização no DM.pptx
Brunno Rosique
 
Sle 2013
Sle 2013Sle 2013
Sle 2013
pauloalambert
 
Úlcera de Perna.pptx
Úlcera de Perna.pptxÚlcera de Perna.pptx
Úlcera de Perna.pptx
Brunno Rosique
 
Artrite.pptx
Artrite.pptxArtrite.pptx
Artrite.pptx
BaivoNeves1
 
ESPONDILOARTRITES
ESPONDILOARTRITESESPONDILOARTRITES
ESPONDILOARTRITES
pauloalambert
 
Espondiloartrites
EspondiloartritesEspondiloartrites
Espondiloartrites
pauloalambert
 
6 pé diabético ortopedia
6   pé diabético ortopedia6   pé diabético ortopedia
6 pé diabético ortopedia
António Bandarra
 
Infecções fúngicas e protozoárias, infecções bacterianas,
Infecções fúngicas e protozoárias, infecções bacterianas,Infecções fúngicas e protozoárias, infecções bacterianas,
Infecções fúngicas e protozoárias, infecções bacterianas,
Sâmia Souza
 
Apresentação para o blog 2
Apresentação para o blog 2Apresentação para o blog 2
Apresentação para o blog 2
janinemagalhaes
 

Semelhante a Pé Diabético (20)

Pé diabetico por cícero fidelis
Pé diabetico por cícero fidelisPé diabetico por cícero fidelis
Pé diabetico por cícero fidelis
 
úLceras vasculogênicas
úLceras vasculogênicasúLceras vasculogênicas
úLceras vasculogênicas
 
Úlceras Neuropáticas.pptx
Úlceras Neuropáticas.pptxÚlceras Neuropáticas.pptx
Úlceras Neuropáticas.pptx
 
Pé Diabético .ppt
Pé Diabético .pptPé Diabético .ppt
Pé Diabético .ppt
 
Apostila de reumatologia
Apostila de reumatologiaApostila de reumatologia
Apostila de reumatologia
 
Dmtc2014
Dmtc2014Dmtc2014
Dmtc2014
 
Bursite
BursiteBursite
Bursite
 
Apresentação
Apresentação Apresentação
Apresentação
 
Artrite séptica
Artrite sépticaArtrite séptica
Artrite séptica
 
ARTRITE REATIVA E ARTRITE ENTEROPÁTICA
ARTRITE REATIVA E ARTRITE ENTEROPÁTICAARTRITE REATIVA E ARTRITE ENTEROPÁTICA
ARTRITE REATIVA E ARTRITE ENTEROPÁTICA
 
lupus
lupuslupus
lupus
 
ÚLCERAS do Pé Diabético e Cicatrização no DM.pptx
ÚLCERAS do Pé Diabético e Cicatrização no DM.pptxÚLCERAS do Pé Diabético e Cicatrização no DM.pptx
ÚLCERAS do Pé Diabético e Cicatrização no DM.pptx
 
Sle 2013
Sle 2013Sle 2013
Sle 2013
 
Úlcera de Perna.pptx
Úlcera de Perna.pptxÚlcera de Perna.pptx
Úlcera de Perna.pptx
 
Artrite.pptx
Artrite.pptxArtrite.pptx
Artrite.pptx
 
ESPONDILOARTRITES
ESPONDILOARTRITESESPONDILOARTRITES
ESPONDILOARTRITES
 
Espondiloartrites
EspondiloartritesEspondiloartrites
Espondiloartrites
 
6 pé diabético ortopedia
6   pé diabético ortopedia6   pé diabético ortopedia
6 pé diabético ortopedia
 
Infecções fúngicas e protozoárias, infecções bacterianas,
Infecções fúngicas e protozoárias, infecções bacterianas,Infecções fúngicas e protozoárias, infecções bacterianas,
Infecções fúngicas e protozoárias, infecções bacterianas,
 
Apresentação para o blog 2
Apresentação para o blog 2Apresentação para o blog 2
Apresentação para o blog 2
 

Mais de Professor Robson

Como cuidar da criança com tuberculose
Como cuidar da criança com tuberculoseComo cuidar da criança com tuberculose
Como cuidar da criança com tuberculose
Professor Robson
 
Questões Meningite Meningocócica
Questões Meningite Meningocócica Questões Meningite Meningocócica
Questões Meningite Meningocócica
Professor Robson
 
Tópicos para manejo da criança exposta ao HIV
Tópicos para manejo da criança exposta ao HIVTópicos para manejo da criança exposta ao HIV
Tópicos para manejo da criança exposta ao HIV
Professor Robson
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 37
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 37Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 37
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 37
Professor Robson
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 36
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 36Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 36
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 36
Professor Robson
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 35
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 35Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 35
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 35
Professor Robson
 
Fluxograma para manejo da toxoplasmose adquirida na gravidez e congênita prof...
Fluxograma para manejo da toxoplasmose adquirida na gravidez e congênita prof...Fluxograma para manejo da toxoplasmose adquirida na gravidez e congênita prof...
Fluxograma para manejo da toxoplasmose adquirida na gravidez e congênita prof...
Professor Robson
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 34
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 34Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 34
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 34
Professor Robson
 
Fluxograma para manejo da sífilis congênita
Fluxograma para manejo da sífilis congênitaFluxograma para manejo da sífilis congênita
Fluxograma para manejo da sífilis congênita
Professor Robson
 
Fluxograma para manejo de acidente por escorpião
Fluxograma para manejo de acidente por escorpiãoFluxograma para manejo de acidente por escorpião
Fluxograma para manejo de acidente por escorpião
Professor Robson
 
Rotinas Ambulatoriais do Serviço de Infectologia Pediátrica da Universidade P...
Rotinas Ambulatoriais do Serviço de Infectologia Pediátrica da Universidade P...Rotinas Ambulatoriais do Serviço de Infectologia Pediátrica da Universidade P...
Rotinas Ambulatoriais do Serviço de Infectologia Pediátrica da Universidade P...
Professor Robson
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 33
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 33Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 33
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 33
Professor Robson
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 32
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 32Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 32
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 32
Professor Robson
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 31
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 31Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 31
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 31
Professor Robson
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 30
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 30Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 30
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 30
Professor Robson
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 29
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 29Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 29
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 29
Professor Robson
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 28
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 28Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 28
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 28
Professor Robson
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 27
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 27Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 27
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 27
Professor Robson
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 26
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 26Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 26
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 26
Professor Robson
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 25
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 25Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 25
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 25
Professor Robson
 

Mais de Professor Robson (20)

Como cuidar da criança com tuberculose
Como cuidar da criança com tuberculoseComo cuidar da criança com tuberculose
Como cuidar da criança com tuberculose
 
Questões Meningite Meningocócica
Questões Meningite Meningocócica Questões Meningite Meningocócica
Questões Meningite Meningocócica
 
Tópicos para manejo da criança exposta ao HIV
Tópicos para manejo da criança exposta ao HIVTópicos para manejo da criança exposta ao HIV
Tópicos para manejo da criança exposta ao HIV
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 37
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 37Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 37
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 37
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 36
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 36Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 36
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 36
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 35
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 35Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 35
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 35
 
Fluxograma para manejo da toxoplasmose adquirida na gravidez e congênita prof...
Fluxograma para manejo da toxoplasmose adquirida na gravidez e congênita prof...Fluxograma para manejo da toxoplasmose adquirida na gravidez e congênita prof...
Fluxograma para manejo da toxoplasmose adquirida na gravidez e congênita prof...
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 34
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 34Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 34
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 34
 
Fluxograma para manejo da sífilis congênita
Fluxograma para manejo da sífilis congênitaFluxograma para manejo da sífilis congênita
Fluxograma para manejo da sífilis congênita
 
Fluxograma para manejo de acidente por escorpião
Fluxograma para manejo de acidente por escorpiãoFluxograma para manejo de acidente por escorpião
Fluxograma para manejo de acidente por escorpião
 
Rotinas Ambulatoriais do Serviço de Infectologia Pediátrica da Universidade P...
Rotinas Ambulatoriais do Serviço de Infectologia Pediátrica da Universidade P...Rotinas Ambulatoriais do Serviço de Infectologia Pediátrica da Universidade P...
Rotinas Ambulatoriais do Serviço de Infectologia Pediátrica da Universidade P...
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 33
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 33Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 33
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 33
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 32
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 32Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 32
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 32
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 31
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 31Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 31
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 31
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 30
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 30Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 30
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 30
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 29
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 29Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 29
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 29
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 28
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 28Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 28
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 28
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 27
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 27Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 27
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 27
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 26
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 26Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 26
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 26
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 25
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 25Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 25
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 25
 

Pé Diabético

  • 1.
  • 2. PÉ DIABÉTICO "Pé Diabético" é a infecção, ulceração e/ou destruição de tecidos profundos associados com anormalidades neurológicas e vários graus de doença vascular periférica no membro inferior.
  • 3. PÉ DIABÉTICO Ao examinar os pés de um paciente diabético e notar: Alteração de sensibilidade da pele; Presença de hiperemia; Hipertermia; Edema; Deformidades; Calos; Ulcerações com ou sem secreção ou gangrena;
  • 4. PÉ DIABÉTICO A tríade composta por: 1. Neuropatia; 2. Doença vascular periférica ; 3. Infecção. está relacionada com gangrena e amputação
  • 5.
  • 6. PÉ DIABÉTICO Neuropatia A neuropatia do pé diabético é na verdade uma pan-neuropatia, uma vez que acomete nervos sensitivos e motores (neuropatia sensitivomotora) e nervos autônomos (neuropatia autonômica) e seus principais mecanismos fisiopatológicos são:
  • 7. PÉ DIABÉTICO Neuropatia a) A neuropatia sensitivo-motora acarreta perda gradual da sensibilidade dolorosa, por exemplo, o paciente diabético poderá não mais sentir o incômodo da pressão repetitiva de um sapato apertado, a dor de um objeto pontiagudo no chão ou da ponta da tesoura durante o ato de cortar unhas, etc. Isto o torna vulnerável a traumas e é denominado de perda da sensação protetora.
  • 8. PÉ DIABÉTICO Neuropatia Acarreta também a atrofia da musculatura intrínseca do pé causando desequilíbrio entre flexores e extensores, o que desencadeia deformidades ósteoarticulares (dedos em garra, dedos em martelo, proeminências das cabeças dos metatarsos, joanetes), que alteram os pontos de pressão na região plantar com sobrecarga e reação da pele com hiperceratose local, que com a contínua deambulação evolui para ulceração (ex. mal perfurante plantar), que se constitui em uma importante porta de entrada para o desenvolvimento de infecções.
  • 9. PÉ DIABÉTICO Neuropatia b) A neuropatia autonômica através da lesão dos nervos simpáticos, leva a perda do tonus vascular, promovendo uma vasodilatação com aumento da abertura de comunicações artério-venosas e conseqüentemente passagem direta do fluxo sangüíneo da rede arterial para a venosa, causando a redução da nutrição aos tecidos. E leva também a anidrose tornando a pele ressecada e com fissuras que também servem de porta de entrada para infecções.
  • 10. PÉ DIABÉTICO Fissuras em calcanhar, que servem às vezes como porta de entrada para infecção.
  • 11. PÉ DIABÉTICO Neuropatia Com relação ao “pé de Charcot” (neuroósteoartropatia), acredita-se que a neuropatia autonômica com o conseqüente aumento de fluxo através das comunicações artériovenosas, promove um aumento da reabsorção óssea com conseqüente fragilidade do tecido ósseo. Esta fragilidade óssea associada a perda da sensação dolorosa e a traumas sucessivos levam a múltiplas fraturas e deslocamentos ósseos (sub-luxações ou luxações), causando deformidades importantes (ex. desabamento do arco plantar) que podem evoluir também para calosidade e ulceração.
  • 12. PÉ DIABÉTICO Homem, 54 anos. Vista de perfil mostrando o desabamento do meio do pé (área do tarso). Charcot – antes do debridamento do calo. Região plantar do Charcot com ulceração na área da proeminência óssea aonde a pressão é anômala.
  • 13. PÉ DIABÉTICO Angiopatia O paciente diabético pode apresentar a macroangiopatia e a microangiopatia.
  • 14. PÉ DIABÉTICO Angiopatia A macroangiopatia afeta vasos de maior calibre, é causada pela aterosclerose, que no paciente diabético tem um comportamento peculiar: É mais comum, mais precoce e mais difusa, quando comparada com aterosclerose nos pacientes não diabéticos. Outra característica em diabetes é a calcificação da camada média de artérias musculares, principalmente nas extremidades inferiores.
  • 15. PÉ DIABÉTICO Angiopatia A angiopatia do “pé diabético“, representada principalmente pelas lesões estenosantes da aterosclerose, reduz o fluxo sangüíneo para as partes afetadas dos membros inferiores, causando inicialmente interrupção da marcha pelo surgimento de dor no membro (claudicação intermitente).
  • 16. PÉ DIABÉTICO Angiopatia A evolução da doença vascular agrava a redução do fluxo sangüíneo, surgindo uma condição na qual mesmo o paciente em repouso, a dor estará presente (dor de repouso). E finalmente, a progressão da doença vascular pode atingir níveis tão graves de redução de fluxo, que pode ocorrer dano tissular com o aparecimento de ulceração ou gangrena.
  • 17. PÉ DIABÉTICO Exemplo de gangrena seca em doente já amputado do outro membro. Perda do membro inferior direito dois anos antes.
  • 18. PÉ DIABÉTICO Exemplo de gangrena seca em doente já amputado do outro membro. Doente com isquemia gangrena seca isquêmica .
  • 19. PÉ DIABÉTICO Angiopatia Este mesmo mecanismo também pode causar alteração de coloração e redução da temperatura da pele , alteração de fâneros (pêlos e unhas) e atrofia de pele, sub-cutâneo e músculos.
  • 20. PÉ DIABÉTICO INFECÇÃO A infecção no paciente diabético pode variar de uma simples celulite localizada à uma celulite necrotizante, abcesso profundo ou uma gangrena e, são oriundas de traumas, úlceras e principalmente de lesões interdigitais e / ou peri -ungueais
  • 21. PÉ DIABÉTICO INFECÇÃO As infecções leves em pacientes sem uso prévio de antibiótico são geralmente causadas por uma ou duas espécies de cocos gram positivos aeróbios, dos quais, o Estafilococos áureus e Estreptococos são os mais comuns. As infecções mais graves (ex. profundas, com necrose e/ou isquemia), freqüentemente, são causadas por uma flora polimicrobiana. E os germens geralmente encontrados são: Estafilococos aureus (gram positivo), Escherichi coli e Proteus sp (gram negativos) e Bacterióides sp , Peptoestreptococos, Peptococos e Clostrídio sp (anaeróbios).
  • 22. PÉ DIABÉTICO Formação de abscesso. Plantar profundo com grande perda tissular.
  • 23. PÉ DIABÉTICO Sinais e Sintomas Os sintomas e sinais relacionados com a neuropatia são divididos de acordo com o tipo de nervo que é comprometido: a) sensoriais: dores tipo queimação, pontadas, agulhadas, sensação de frieza, parestesias, hipoestesias e anestesias. Relembrando, há uma perda progressiva da sensação de proteção tornando o paciente vulnerável ao trauma.
  • 24. PÉ DIABÉTICO Sinais e Sintomas b) motores: atrofia da musculatura intrínseca do pé, deformidades ósteo-articulares com suas mais freqüentes apresentações como: Dedos em martelo, dedos em garra, hálux valgus, proeminências de cabeças de metatarsos. Presença de calosidades em áreas de pressões anômalas e ulcerações (Mal perfurante plantar). c) autonômicos: diminuição da sudorese com ressecamento da pele e fissuras. Vasodilatação e coloração rosa da pele (“pé de lagosta”) oriunda da perda da auto-regulação das comunicações artériovenosa.
  • 25. PÉ DIABÉTICO Sinais e Sintomas Lembrar que também está relacionado com a neuropatia a condição denominada como “pé de Charcot” (neuro-ósteoartropatia), que se caracteriza na sua fase aguda por sinais clássicos de inflamação (calor, rubor, edema, com ou sem dor) e na sua fase crônica por deformidades importantes, chegando a alterar a configuração normal do pé.
  • 26. PÉ DIABÉTICO Sinais e Sintomas A redução de fluxo sangüíneo pode promover o aparecimento de claudicação intermitente, dor de repouso, alteração de coloração da pele como palidez ou cianose, alteração da temperatura da pele como hipotermia, alterações tróficas dos tecidos como atrofia de pele, sub-cutâneo, músculos e de fâneros como rarefação de pelos e unhas quebradiças.
  • 27. PÉ DIABÉTICO Sinais e Sintomas A lesão estenosante da luz do vaso pode levar também a alteração de pulsos periféricos, facilmente avaliados, traduzindo-se clinicamente por diminuição ou ausência à palpação. Deve-se, portanto, proceder-se a palpação dos pulsos femorais, poplíteos, tibiais posteriores e pediosos .
  • 28. PÉ DIABÉTICO Sinais e Sintomas A presença de ulceração ou gangrena, são as situações mais graves da insuficiência arterial na doença vascular periférica. Um paciente com angiopatia e neuropatia com componente sensorial importante (hipoestesia ou anestesia), pode não apresentar um quadro típico com claudicação intermitente ou dor de repouso. Os sintomas e sinais relacionados com a infeção dependem fundamentalmente da gravidade e profundidade do processo infeccioso. Do ponto de vista clínico é norteado pelos clássicos sintomas e sinais inflamatórios de calor, tumor, rubor e dor. Mas, vale salientar que febre e leucocitose podem estar ausentes em pacientes diabéticos.
  • 29.
  • 30. PÉ DIABÉTICO Teste do monofilamento SW 10 g.
  • 31. PÉ DIABÉTICO Exemplo do teste do monofilamento SW 10 g.
  • 32.
  • 33. PÉ DIABÉTICO TESTES (Angiopatia) b) Angiografia, a indicação de arteriografia é aceita como uma avaliação da doençaarterial para o planejamento operatório das revascularizações de membros inferiores.
  • 34. PÉ DIABÉTICO TESTES (Infecção) a) cultura de amostras teciduais e hemocultura / antibiograma: a literatura revela os germens mais freqüentemente encontrados nas infecções em “pé diabético”, mas, é necessário perseguir o diagnóstico de certeza, para um uso adequado de antibióticos. Para isto, podemos utilizar a pesquisa do microorganismo através cultura de amostras de tecidos profundos comprometidos, inclusive osso, ou através do sangue. A coloração tipo Gram é também utilizada. As culturas de amostras superficiais e os aspirados por agulhas são considerados imprecisos, pois, estas feridas podem ser colonizadas maciçamente por flora hospedeira residente.
  • 35. PÉ DIABÉTICO TESTES (Infecção) b) Radiografia, Cintilografia e Ressonância Nuclear Magnética: Todos aplicados mais para o diagnóstico de osteomielite, mas, com suas limitações. O raio X tem seus resultados não muito confiáveis porque os pacientes diabéticos também podem apresentar lesões ósseas de natureza degenerativa. A radiografia também revela a presença de gás, que pode ser de origem bacteriana ou por ordenha de ar para dentro dos tecidos através da ferida pela deambulação contínua. A cintilografia e a ressonância magnética tem sensibilidade superior ao raio X para osteomielite , mas, são onerosas.
  • 36. PÉ DIABÉTICO Mulher, 46 anos, radiografia revelando imagem sugestiva de osteomielite – “lite” na cabeça do quinto metatarsiano na área correspondente a úlcera.
  • 37. PÉ DIABÉTICO Os sintomas e sinais oriundos da angiopatia são: a) dor / claudicação intermitente; b) dor de repouso; c) palidez; d) cianose e) hipotermia f) atrofia de pele/tela subcutânea/músculo g) alterações de fâneros (pelos e unhas) h) diminuição ou ausência de pulsos à palpação i) flictenas / bolhas j) úlcera isquêmica k) necrose seca (isquêmica) l) gangrena seca (isquêmica)
  • 38. PÉ DIABÉTICO Os sintomas e sinais oriundos da panneuropatia são: a) ressecamento de pele; b) fissuras de pele; c) hiperemia / eritema; d) hipertermia; e) ectasia venosa; f) alteração de sensibilidade; g) deformidades ósteo-articulares (ex.: joanete, dedos em garra ou em martelo, “pé de charcot”, etc ); h) calosidades; i) úlcera neuropática.
  • 39. PÉ DIABÉTICO Os sintomas e sinais oriundos da infecção são: a) edema; b) secreção/pus; c) necrose infecciosa; d) gangrena úmida (infecciosa).
  • 40. PÉ DIABÉTICO TRATAMENTO Neuropatia A dor neuropática não tem um tratamento definido. O uso de analgésicos habituais não controla a dor. Há recomendações do uso de antidepressivos tricíclicos (imipramine, amitriptyline, desipramine, clomipramine), mexiletine, capsaicin e anticonvulsivantes como carbamazepine. As deformidades, apesar de pouco divulgado em nosso meio, são tratadas em vários centros têm utilizado ósteo-artroplastias para correção cirúrgica de deformidades como dedos em martelo, dedos em garra, halux valgus (joanete), proeminência óssea em cabeças de metatarsos, "pé de Charcot", etc.
  • 41. PÉ DIABÉTICO TRATAMENTO Neuropatia As calosidades tratadas com as substâncias tópicas, denominados de ceratolíticas usadas para tratamento de calos, não são recomendados para o paciente diabético, porque, a calosidade no pé do paciente diabético é um sinal fortemente sugestivo de neuropatia com perda de sensação protetora, assim, o ceratolítico pode provocar lesão da pele em torno do calo sem ser percebida pelo paciente. As calosidades devem ser desbastadas cirurgicamente, pois, aumentam a pressão local com evolução para ulceração.
  • 42. PÉ DIABÉTICO Quinto pododáctilo após limpeza. Notar calosidade formada por pressão moderada e repetitiva.
  • 43. PÉ DIABÉTICO Quinto pododáctilo após retirada da hiperceratose (calo) exibindo a ulceração já formada sob o calo. A proximidade desta ceração com a cápsula e articulação facilitando a instalação da osteomielite.
  • 44. PÉ DIABÉTICO TRATAMENTO Neuropatia As úlceras de origem neuropáticas podem ser tratadas de forma conservadora com diversos tipos de calçados terapêuticos e de órteses. O tratamento cirúrgico engloba uma variedade de técnicas operatória que envolve as áreas da ortopedia, cirurgia plástica e vascular, com a finalidade de corrigir deformidades ósteoarticulares com osteotomias, tenotomias e/ou utilizar enxertos de pele livre ou vascularizado para substituir áreas com perda tissulares importantes. As operações devem considerar o tratamento do fator causal e não apenas a seqüela, para evitar recidiva da úlcera e devem ser precedida da avaliação do estado vascular.
  • 45. PÉ DIABÉTICO Exemplo de revascularização. Doente com ferida oriunda de infecções em ulceração ativa com componente isquêmico submetido a revascularização poplíteo-pedioso.
  • 46. PÉ DIABÉTICO TRATAMENTO Angiopatia A claudicação intermitente (não incapacitante), de modo geral tem sido preferivelmente tratada de maneira conservadora. As principais recomendações são: O uso de drogas vasodilatadoras, Hemorreológicas e Antiagregantes plaquetários, Prática de exercícios programados A eliminação ou controle de fatores de riscos como: tabagismo, hiperlipidemia, hipertensão arterial, o próprio diabetes,
  • 47. PÉ DIABÉTICO TRATAMENTO Angiopatia Os casos de "dor de repouso", úlcera e gangrena são situações clínicas clássicas para a indicações de tratamento cirúrgico. Estas intervenções cirúrgicas têm o objetivo de restabelecer um fluxo sangüíneo adequado para a região afetada , utilizando uma variedade de técnicas operatórias e genericamente denominadas de revascularizações de membros inferiores, também conhecidas como "pontes" e "bypass". Além das "pontes" ou "by-pass", tem surgido uma outra opção de tratamento menos invasivo que as revasculatizações tradicionais, é a cirurgia endovascular.
  • 48. PÉ DIABÉTICO TRATAMENTO Da infecção O tratamento das infecções se faz basicamente com a utilização de antibióticos, drenagem, debridamento e cuidados da ferida. Não há unanimidade na escolha da antibioticoterapia em "pé diabético", mas é possível fazê-la de forma racional. Primeiro, deve ser norteado pelos princípios gerais do uso deste tipo de droga. A drenagem e o debridamento podem e devem ser realizados de uma forma racional no pé do paciente diabético, baseado na anatomia local, conhecendo principalmente todos os compartimentos do pé e praticando incisões e divulsões considerando o direcionamento mais frequente de disseminação da infecção e respeitando a nutrição vascular dos tecidos.
  • 49. PÉ DIABÉTICO TRATAMENTO Da infecção O cuidado da ferida é também muito importante, incluindo limpeza meticulosa diária com solução salina normal ou sabão isotônico, novos debridamentos sempre que necessário e o uso tópico de soluções, cremes e pomadas, etc de forma racional, conhecendo os processos fisiológicos envolvido no processo de cicatrização.
  • 50. PÉ DIABÉTICO TRATAMENTO Da infecção Às vezes se faz necessário a indicação de uma cirurgia ablativa, as amputações. O objetivo principal é "salvar o pé". Entretanto, mesmo se tratando de uma operação mutiladora, há que se ter racionalidade. Deve-se ter o conhecimento da anatomia, noções de biomecânica e dos tipos de amputações de membro inferior, principalmente no pé, segmento no qual há diversos níveis de amputação. As amputações de membro inferior devem ser o mais distal possível, pela menor dificuldade na reabilitação.
  • 54. PÉ DIABÉTICO TRATAMENTO Da infecção Mas, deve ser salientado que, o esforço para salvar o pé do paciente diabético não deve ultrapassar os limites do bom senso, ou seja, nos casos em que a tentativa de salvar o pé possa ameaçar a vida do paciente a opção que resta é a amputação maior.
  • 55. PÉ DIABÉTICO TRATAMENTO MEDIDAS PREVENTIVAS O "pé diabético" não se restringe aos casos que comumente chegam às unidades de urgência com gangrenas e/ou infecção severa e com freqüência culminam com algum tipo de amputação. É importante que todos se conscientizem que antes de alcançar estas situações, houve outros estágios de menor risco e gravidade, nos quais caberiam oportunamente a adoção de medidas que poderiam prevenir danos para o paciente. O avanço no conhecimento do "pé diabético" permitiu a identificação de fatores de riscos para amputação, e tornou possível a elaboração de medidas capazes de controlar ou de eliminar estes fatores.
  • 57. PÉ DIABÉTICO TRATAMENTO MEDIDAS PREVENTIVAS Diversos estudos têm demonstrado que programas de cuidados do pé incluindo educação, exame regular do pé e categorização do risco pode reduzir a ocorrência de lesões de pé em mais que 50% dos pacientes. Há cinco pedras angulares para a prevenção: 1) Inspeção e exame regular dos pés e calçados: todos os pacientes diabéticos devem ter seus pés examinados pelo menos uma vez por ano. Os pacientes de risco devem ser examinados mais frequentemente.
  • 58. PÉ DIABÉTICO TRATAMENTO MEDIDAS PREVENTIVAS 2) Identificação do paciente de alto risco. Os fatores de risco que podem ser detectados usando história e exame físico: a) Úlcera ou amputação prévia b) Carência de contacto social c) Carência de educação d) Alteração da sensação de proteção (monofilamento) e) Alteração da percepção da vibração (diapasão ) f) Ausência do reflexo do tendão de Aquiles g) Calos h) Deformidades do pé i) Calçados inadequados j) Ausência dos pulsos podais
  • 60. PÉ DIABÉTICO TRATAMENTO MEDIDAS PREVENTIVAS 3) Educação do paciente, família e provedores de saúde. A educação é muito importante para a prevenção. O objetivo é aumentar a motivação e a habilidade de lidar com o problema. Deve-se ensinar o paciente como reconhecer os problemas dos pés e quais ações devem ser adotadas. A educação deve ser simples, relevante, consistente e repetida. Os médicos e outros profissionais de saúde devem receber educação periódica para melhorar o cuidado aos pacientes de alto risco.
  • 61. PÉ DIABÉTICO TRATAMENTO MEDIDAS PREVENTIVAS 4) Calçados apropriados. São calçados utilizados principalmente para os portadores de neuropatia com deformidades uma vez que os calçados inadequados são considerados a principal causa de ulceração.
  • 63. PÉ DIABÉTICO TRATAMENTO MEDIDAS PREVENTIVAS 5) Tratamento da patologia não ulcerativa. Em pacientes de alto risco, os calos, as alterações patológicas de unhas e pele devem ser tratadas regularmente e preferivelmente por profissionais treinados em cuidados dos pés. Se possível as deformidades dos pés devem ser tratadas com medidas não cirúrgicas.
  • 65. PÉ DIABÉTICO TRATAMENTO MEDIDAS PREVENTIVAS Uma vez identificados os pacientes de alto risco a seguinte instrução deve ser dada : (1) Inspeção diária dos pés, incluindo áreas entre os dedos. (2) Se o paciente não pode inspecionar os pés, alguém deve fazer. (3) Lavar regularmente os pés , secando-os cuidadosamente, especialmente entre os dedos. Usar água com temperatura sempre menos que 37o C. (4) Evitar caminhar descalço dentro ou fora de casa e calçar sapatos com meias. (5) Agentes químicos ou emplastro para remover calos não devem ser usados (6) Inspeção diária e palpação do interior dos sapatos
  • 67. PÉ DIABÉTICO TRATAMENTO MEDIDAS PREVENTIVAS (7) Se a visão está prejudicada, o paciente não deve tratar o pé (ex. cortar unhas) (8) Óleos e cremes lubrificantes devem ser usados para pele seca, exceto entre os dedos. (9) Diariamente trocar de meias (10)Usar meias sem costuras (11) Cortar as unhas retas (12)Calos não devem ser cortados por pacientes e sim por provedores de cuidados de saúde
  • 68. PÉ DIABÉTICO TRATAMENTO MEDIDAS PREVENTIVAS (13)Os pacientes devem se assegurar que os pés sejam examinados regularmente por conhecedores de cuidados de saúde. O paciente deve notificar imediatamente se uma bolha, corte, arranhão ou ferida tem desenvolvido. A complicação em pé é uma das mais sérias e onerosa complicação do diabetes mellitus. A amputação em membro inferior é usualmente precedida de úlcera em 85% dos casos. A estratégia que inclui prevenção, educação do pacientes e profissionais, tratamento multidisciplinar da úlcera do pé e monitorização, pode reduzir a taxa de amputação de 49 a 85 %.
  • 75.