SlideShare uma empresa Scribd logo
Os mosaicos romanos do Leste Algarvio

Ainda que com as dificuldades naturalmente inerentes a um tipo de
empreendimento como este, mais a mais num período em que as Ciências Sociais e
Humanas sofrem tratos de polé da parte daqueles que nos ‘governam’, é, sem dúvida,
uma lança em África conseguir-se a edição de uma obra como esta. Só isso bastaria para
nos regozijarmos e dar um fortíssimo abraço aos que ousaram – e muito bem fizeram –
lançar mãos a tão ingente tarefa.

Pois ele aí está, o volume do Corpus dos Mosaicos Romanos de Portugal que
trata do Algarve Este, da autoria de J. Lancha e de Cristina Oliveira. A edição, impressa
em Julho deste ano (596 páginas, ISBN: 978-989-97666-1-7), é da Universidade do
Algarve e da Missão Luso-Francesa ‘Mosaïques du Sud du Portugal”; teve apoio
financeiro da Fundação Calouste Gulbenkian, da Fundação para a Ciência e a
Tecnologia, da Lusort (de Vila Moura) e da Junta de Freguesia de Estoi (em cujo termo
se situa a villa romana de Milreu).
Colaboraram com as autoras:
– Adília Alarcão, que fez o relatório da escavação, em 1976, do mosaico do
Oceano e apresenta a primeira abordagem científica das tesselas em folha de ouro;
– Pierre André, que colaborou na descrição arqueológica da villa de Milreu;
– Lídia Catarino e Fernando Pedro Figueiredo, que se encarregaram do estudo
geológico e petrográfico das tesselas;
– Márcia Carlos Figueiredo e Alice Oliveira, que procederam à análise química
quantitativa de uma tessela de folha de ouro de Milreu (o nº 66);
– José Frade e Isabel Ribeiro, que se empenharam numa análise ainda mais
sofisticada: a de tesselas em folha de ouro por FTIR-μs e Py-GC/MS;

1/3
– Catarina Viegas, que se encarregou de estudar a cerâmica que acompanhava o
mosaico do Oceano, aquando do seu levantamento;
– e Rui Nunes Pedroso, que se interessou pelas pinturas murais.
Como se depreende, o estudo propriamente dito dos mosaicos esteve a cargo das
autoras, ainda que possa dizer-se que a descrição minuciosa de cada painel deve muito a
Cristina Oliveira, enquanto J. Lancha, que escreve em língua francesa, se encarregou
mais do seu enquadramento arqueológico e espacial.
A simples enumeração do que coube a cada um dos colaboradores dá logo uma
ideia de como o volume contém – para além do que foi o aturado estudo que Cristina
Oliveira apresentou nas suas provas de doutoramento, na Universidade de Coimbra, a
19 de Outubro de 2010 – pormenorizada aproximação aos sítios arqueológicos em
presença: Faro, Milreu, Cerro da Vila e outros sítios (por exemplo, Balsa, Pedras d’ElRey, Cacela-a-Velha, Quinta de Marim…).
O índice vem todo em língua francesa, mesmo quando se reporta a partes
redigidas em português e por ele se fica a conhecer melhor a estrutura seguida.
Aborda-se, na primeira parte, o contexto arqueológico e arquitectónico dos
diferentes sítios: fontes para esse estudo, descrição dos sítios como hoje estão,
observação específica do contexto de cada um; e procuram-se, inclusive, contextualizar,
a nível da Península Ibérica, as villae do Algarve Oriental. Nesse capítulo há mesmo
uma aproximação ao perfil sociológico dos encomendantes dos mosaicos, precedido do
1º apêndice, que tem por título a afirmação de que o célebre ‘santuário das águas’ de
Milreu não pode ser considerado um mausoléu. Contesta-se, assim, com argumentos, a
tese defendida por Dennis Graen e conclui-se que preferentemente se deve ver nesse
edifício a demonstração do poder económico e social do proprietário, bem no quadro da
mentalidade do século IV: desta sorte melhor evidenciava e fazia admirar, durante a
vida, a elevada posição social que lograra alcançar (p. 179).
Constitui a 2ª parte o corpus propriamente dito dos mosaicos estudados,
debruçando-se Cristina Oliveira depois, miudamente, sobre a paleta de suas cores e
formas (p. 525-547), que sintetiza em quadros sinópticos. São as fichas 25 a 108 (p.
197-523), estendendo-se bastantes delas por várias páginas (a nº 64, por exemplo, da p.
373 à 399).
A lista de siglas e de abreviaturas pelas quais são identificados os livros e os
artigos assim como a bibliografia referida vem no começo do volume, apresentando-se,
no final, índices topográfico, de nomes próprios antigos e de nomes comuns (temático).
2/3
As ilustrações (211 estampas e 106 figuras a preto a branco e a cores) constam do CD
que acompanha o livro.
Trata-se, como facilmente se depreende, de uma obra que não desmerece os
outros dois volumes já publicados nesta série: o dos mosaicos da Casa dos Repuxos de
Conímbriga (1992), que se ficou a dever à enorme capacidade do saudoso João Manuel
Bairrão Oleiro, um dos pioneiros no estudo dos mosaicos romanos entre nós, e o dos
mosaicos da villa romana de Torre de Palma (J. Lancha e P. André, Lisboa, 2000).
Por outro lado, o mosaico é estudado aqui não apenas do ponto de vista técnico,
em comparação constante com mosaicos de outras partes do mundo romano,
designadamente do Norte de África, região com que incontestavelmente há afinidades
estéticas e temáticas, mas também no seu contexto, realçando-se a sua quotidiana
função de emprestar beleza e de suscitar admiração.
Debruçando-nos sobre a enorme perícia demonstrada pelos mosaístas de
antanho, acabamos por melhor apreciar o seu valor e mais eloquentemente
compreendermos quanto a cor e a estética andavam, também então, a par de vidas
necessariamente partilhadas entre o ócio e o negócio.

José d’Encarnação
Publicado em Cyberjornal, edição de 15-12-2013:
http://www.cyberjornal.net/index.php?option=com_content&view=article&id=75:osmosaicos-romanos-do-leste-algarvio&catid=78:historia-e-patrimonio&Itemid=30

3/3

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Os mosaicos romanos do leste algarvio

Vere gordon childe introduçao a arqueologia
Vere gordon childe   introduçao a arqueologiaVere gordon childe   introduçao a arqueologia
Vere gordon childe introduçao a arqueologia
Yara Milan Milan
 
Cerâmicas finas romanas do museu municipal leonel trindade (torres vedras) ...
Cerâmicas finas romanas do museu municipal leonel trindade (torres vedras)   ...Cerâmicas finas romanas do museu municipal leonel trindade (torres vedras)   ...
Cerâmicas finas romanas do museu municipal leonel trindade (torres vedras) ...
Vitor Rafael Sousa
 
A evolucao dos_mapas_atraves_da_historia
A evolucao dos_mapas_atraves_da_historiaA evolucao dos_mapas_atraves_da_historia
A evolucao dos_mapas_atraves_da_historia
cosme11
 
Art Archaeology the Ineligible project (2020) - extended book chapter.pdf
Art Archaeology  the Ineligible project (2020) - extended book chapter.pdfArt Archaeology  the Ineligible project (2020) - extended book chapter.pdf
Art Archaeology the Ineligible project (2020) - extended book chapter.pdf
Karen Benoit
 
Caderno do Aluno História 2 ano vol 1 2014-2017
Caderno do Aluno História 2 ano vol 1 2014-2017Caderno do Aluno História 2 ano vol 1 2014-2017
Caderno do Aluno História 2 ano vol 1 2014-2017
Diogo Santos
 
Texto4 tema4 mooc_emma.doc
Texto4 tema4 mooc_emma.docTexto4 tema4 mooc_emma.doc
Arte moderna: do iluminismo aos movimentos contemporâneos. ARGAN
Arte moderna: do iluminismo aos movimentos contemporâneos. ARGANArte moderna: do iluminismo aos movimentos contemporâneos. ARGAN
Arte moderna: do iluminismo aos movimentos contemporâneos. ARGAN
Cristina Zoya
 
Area de integraçao modulo 4
Area de integraçao modulo 4Area de integraçao modulo 4
Area de integraçao modulo 4
Rubenterencio
 
O (re)monumento funerário da roça do casal do meio as histórias da investig...
O (re)monumento funerário da roça do casal do meio   as histórias da investig...O (re)monumento funerário da roça do casal do meio   as histórias da investig...
O (re)monumento funerário da roça do casal do meio as histórias da investig...
arqueomike
 
Apostila de historia da arte nova
Apostila de historia da arte novaApostila de historia da arte nova
Apostila de historia da arte nova
Luis Silva
 
Eira velha uma_estacao_viaria_romana_na
Eira velha uma_estacao_viaria_romana_naEira velha uma_estacao_viaria_romana_na
Eira velha uma_estacao_viaria_romana_na
anabela explicaexplica
 
História A - módulo 3, 4 e 6
História A - módulo 3, 4 e 6História A - módulo 3, 4 e 6
História A - módulo 3, 4 e 6
Joana Filipa Rodrigues
 
Catálogo exposição ex líbris - um mundo a descobrir
Catálogo exposição ex líbris - um mundo a descobrirCatálogo exposição ex líbris - um mundo a descobrir
Catálogo exposição ex líbris - um mundo a descobrir
Pedro Abreu Peixoto
 
PACUG2_Livro.pdf
PACUG2_Livro.pdfPACUG2_Livro.pdf
PACUG2_Livro.pdf
queirosiana
 
Um presépio napolitano do século XVIII no museu de Moncarapacho
Um presépio napolitano do século XVIII no museu de MoncarapachoUm presépio napolitano do século XVIII no museu de Moncarapacho
Um presépio napolitano do século XVIII no museu de Moncarapacho
J. C. Vilhena Mesquita
 
Um Presépio Napolitano do século XVIII no museu de Moncarapacho
Um Presépio Napolitano do século XVIII no museu de MoncarapachoUm Presépio Napolitano do século XVIII no museu de Moncarapacho
Um Presépio Napolitano do século XVIII no museu de Moncarapacho
José Mesquita
 
APOSTILA HISTÓRIA DA ARTE
APOSTILA HISTÓRIA DA ARTEAPOSTILA HISTÓRIA DA ARTE
APOSTILA HISTÓRIA DA ARTE
VIVIAN TROMBINI
 
Arrábida: episódios da investigação regional, do século XVIII ao século XXI (...
Arrábida: episódios da investigação regional, do século XVIII ao século XXI (...Arrábida: episódios da investigação regional, do século XVIII ao século XXI (...
Arrábida: episódios da investigação regional, do século XVIII ao século XXI (...
arqueomike
 
A epopeiade gilgamesh-anonimo-martinsfontes
A epopeiade gilgamesh-anonimo-martinsfontesA epopeiade gilgamesh-anonimo-martinsfontes
A epopeiade gilgamesh-anonimo-martinsfontes
juliana alves
 
C arte paleolítico superior
C arte paleolítico superiorC arte paleolítico superior
C arte paleolítico superior
António Silva
 

Semelhante a Os mosaicos romanos do leste algarvio (20)

Vere gordon childe introduçao a arqueologia
Vere gordon childe   introduçao a arqueologiaVere gordon childe   introduçao a arqueologia
Vere gordon childe introduçao a arqueologia
 
Cerâmicas finas romanas do museu municipal leonel trindade (torres vedras) ...
Cerâmicas finas romanas do museu municipal leonel trindade (torres vedras)   ...Cerâmicas finas romanas do museu municipal leonel trindade (torres vedras)   ...
Cerâmicas finas romanas do museu municipal leonel trindade (torres vedras) ...
 
A evolucao dos_mapas_atraves_da_historia
A evolucao dos_mapas_atraves_da_historiaA evolucao dos_mapas_atraves_da_historia
A evolucao dos_mapas_atraves_da_historia
 
Art Archaeology the Ineligible project (2020) - extended book chapter.pdf
Art Archaeology  the Ineligible project (2020) - extended book chapter.pdfArt Archaeology  the Ineligible project (2020) - extended book chapter.pdf
Art Archaeology the Ineligible project (2020) - extended book chapter.pdf
 
Caderno do Aluno História 2 ano vol 1 2014-2017
Caderno do Aluno História 2 ano vol 1 2014-2017Caderno do Aluno História 2 ano vol 1 2014-2017
Caderno do Aluno História 2 ano vol 1 2014-2017
 
Texto4 tema4 mooc_emma.doc
Texto4 tema4 mooc_emma.docTexto4 tema4 mooc_emma.doc
Texto4 tema4 mooc_emma.doc
 
Arte moderna: do iluminismo aos movimentos contemporâneos. ARGAN
Arte moderna: do iluminismo aos movimentos contemporâneos. ARGANArte moderna: do iluminismo aos movimentos contemporâneos. ARGAN
Arte moderna: do iluminismo aos movimentos contemporâneos. ARGAN
 
Area de integraçao modulo 4
Area de integraçao modulo 4Area de integraçao modulo 4
Area de integraçao modulo 4
 
O (re)monumento funerário da roça do casal do meio as histórias da investig...
O (re)monumento funerário da roça do casal do meio   as histórias da investig...O (re)monumento funerário da roça do casal do meio   as histórias da investig...
O (re)monumento funerário da roça do casal do meio as histórias da investig...
 
Apostila de historia da arte nova
Apostila de historia da arte novaApostila de historia da arte nova
Apostila de historia da arte nova
 
Eira velha uma_estacao_viaria_romana_na
Eira velha uma_estacao_viaria_romana_naEira velha uma_estacao_viaria_romana_na
Eira velha uma_estacao_viaria_romana_na
 
História A - módulo 3, 4 e 6
História A - módulo 3, 4 e 6História A - módulo 3, 4 e 6
História A - módulo 3, 4 e 6
 
Catálogo exposição ex líbris - um mundo a descobrir
Catálogo exposição ex líbris - um mundo a descobrirCatálogo exposição ex líbris - um mundo a descobrir
Catálogo exposição ex líbris - um mundo a descobrir
 
PACUG2_Livro.pdf
PACUG2_Livro.pdfPACUG2_Livro.pdf
PACUG2_Livro.pdf
 
Um presépio napolitano do século XVIII no museu de Moncarapacho
Um presépio napolitano do século XVIII no museu de MoncarapachoUm presépio napolitano do século XVIII no museu de Moncarapacho
Um presépio napolitano do século XVIII no museu de Moncarapacho
 
Um Presépio Napolitano do século XVIII no museu de Moncarapacho
Um Presépio Napolitano do século XVIII no museu de MoncarapachoUm Presépio Napolitano do século XVIII no museu de Moncarapacho
Um Presépio Napolitano do século XVIII no museu de Moncarapacho
 
APOSTILA HISTÓRIA DA ARTE
APOSTILA HISTÓRIA DA ARTEAPOSTILA HISTÓRIA DA ARTE
APOSTILA HISTÓRIA DA ARTE
 
Arrábida: episódios da investigação regional, do século XVIII ao século XXI (...
Arrábida: episódios da investigação regional, do século XVIII ao século XXI (...Arrábida: episódios da investigação regional, do século XVIII ao século XXI (...
Arrábida: episódios da investigação regional, do século XVIII ao século XXI (...
 
A epopeiade gilgamesh-anonimo-martinsfontes
A epopeiade gilgamesh-anonimo-martinsfontesA epopeiade gilgamesh-anonimo-martinsfontes
A epopeiade gilgamesh-anonimo-martinsfontes
 
C arte paleolítico superior
C arte paleolítico superiorC arte paleolítico superior
C arte paleolítico superior
 

Mais de arqueomike

Algarve informativo #213
Algarve informativo #213Algarve informativo #213
Algarve informativo #213
arqueomike
 
Algarve informativo #211
Algarve informativo #211Algarve informativo #211
Algarve informativo #211
arqueomike
 
Trilho Ambiental do Castelejo
Trilho Ambiental do CastelejoTrilho Ambiental do Castelejo
Trilho Ambiental do Castelejo
arqueomike
 
Estação da Biodiversidade da Boca do Rio
Estação da Biodiversidade da Boca do RioEstação da Biodiversidade da Boca do Rio
Estação da Biodiversidade da Boca do Rio
arqueomike
 
Programa II Seminário Potencialidades de um Concelho - o Mar de Vila do Bispo
Programa II Seminário Potencialidades de um Concelho - o Mar de Vila do BispoPrograma II Seminário Potencialidades de um Concelho - o Mar de Vila do Bispo
Programa II Seminário Potencialidades de um Concelho - o Mar de Vila do Bispo
arqueomike
 
Programa
ProgramaPrograma
Programa
arqueomike
 
Fam trip omíada vila do bispo
Fam trip omíada vila do bispoFam trip omíada vila do bispo
Fam trip omíada vila do bispo
arqueomike
 
Folheto Rota Omíada
Folheto Rota OmíadaFolheto Rota Omíada
Folheto Rota Omíada
arqueomike
 
Rocha das Gaivotas, Sagres, Vila do Bispo
Rocha das Gaivotas, Sagres, Vila do BispoRocha das Gaivotas, Sagres, Vila do Bispo
Rocha das Gaivotas, Sagres, Vila do Bispo
arqueomike
 
Percurso Pedestre 'Pelas Encostas da Raposeira' (Vila do Bispo) - folheto (Vi...
Percurso Pedestre 'Pelas Encostas da Raposeira' (Vila do Bispo) - folheto (Vi...Percurso Pedestre 'Pelas Encostas da Raposeira' (Vila do Bispo) - folheto (Vi...
Percurso Pedestre 'Pelas Encostas da Raposeira' (Vila do Bispo) - folheto (Vi...
arqueomike
 
Recursos Patrimoniais versus Sustentabilidade: o caso de Vila do Bispo (Ricar...
Recursos Patrimoniais versus Sustentabilidade: o caso de Vila do Bispo (Ricar...Recursos Patrimoniais versus Sustentabilidade: o caso de Vila do Bispo (Ricar...
Recursos Patrimoniais versus Sustentabilidade: o caso de Vila do Bispo (Ricar...
arqueomike
 
Lapa do Monte Francês, Sagres (NEUA, Espeleo Divulgação 5, 1986)
Lapa do Monte Francês, Sagres (NEUA, Espeleo Divulgação 5, 1986)Lapa do Monte Francês, Sagres (NEUA, Espeleo Divulgação 5, 1986)
Lapa do Monte Francês, Sagres (NEUA, Espeleo Divulgação 5, 1986)
arqueomike
 
Programa DiVam 2015 - Património Imaterial e Raízes Mediterrânicas
Programa DiVam 2015 - Património Imaterial e Raízes MediterrânicasPrograma DiVam 2015 - Património Imaterial e Raízes Mediterrânicas
Programa DiVam 2015 - Património Imaterial e Raízes Mediterrânicas
arqueomike
 
Ingrina - Sophia de Mello Breyner
Ingrina - Sophia de Mello BreynerIngrina - Sophia de Mello Breyner
Ingrina - Sophia de Mello Breyner
arqueomike
 
Rota al-Mutamid - Sagres
Rota al-Mutamid - SagresRota al-Mutamid - Sagres
Rota al-Mutamid - Sagres
arqueomike
 
Contribuição para o conhecimento das Indústrias Mirenses de Vila Nova de M...
Contribuição para o conhecimento das Indústrias Mirenses de Vila Nova de M...Contribuição para o conhecimento das Indústrias Mirenses de Vila Nova de M...
Contribuição para o conhecimento das Indústrias Mirenses de Vila Nova de M...
arqueomike
 
BERNARDES, J. P.; MORAIS, R.; VAZ PINTO, I; GUERSCHMAN, J. (2014) - Colmeias ...
BERNARDES, J. P.; MORAIS, R.; VAZ PINTO, I; GUERSCHMAN, J. (2014) - Colmeias ...BERNARDES, J. P.; MORAIS, R.; VAZ PINTO, I; GUERSCHMAN, J. (2014) - Colmeias ...
BERNARDES, J. P.; MORAIS, R.; VAZ PINTO, I; GUERSCHMAN, J. (2014) - Colmeias ...
arqueomike
 
Sagres - o Promontorium Sacrum: uma petrificada paisagem sagrada (SOARES, R.,...
Sagres - o Promontorium Sacrum: uma petrificada paisagem sagrada (SOARES, R.,...Sagres - o Promontorium Sacrum: uma petrificada paisagem sagrada (SOARES, R.,...
Sagres - o Promontorium Sacrum: uma petrificada paisagem sagrada (SOARES, R.,...
arqueomike
 
BWF'2014 - Arqueologia
BWF'2014 - ArqueologiaBWF'2014 - Arqueologia
BWF'2014 - Arqueologia
arqueomike
 
Vila do Bispo Arqueológica
Vila do Bispo ArqueológicaVila do Bispo Arqueológica
Vila do Bispo Arqueológica
arqueomike
 

Mais de arqueomike (20)

Algarve informativo #213
Algarve informativo #213Algarve informativo #213
Algarve informativo #213
 
Algarve informativo #211
Algarve informativo #211Algarve informativo #211
Algarve informativo #211
 
Trilho Ambiental do Castelejo
Trilho Ambiental do CastelejoTrilho Ambiental do Castelejo
Trilho Ambiental do Castelejo
 
Estação da Biodiversidade da Boca do Rio
Estação da Biodiversidade da Boca do RioEstação da Biodiversidade da Boca do Rio
Estação da Biodiversidade da Boca do Rio
 
Programa II Seminário Potencialidades de um Concelho - o Mar de Vila do Bispo
Programa II Seminário Potencialidades de um Concelho - o Mar de Vila do BispoPrograma II Seminário Potencialidades de um Concelho - o Mar de Vila do Bispo
Programa II Seminário Potencialidades de um Concelho - o Mar de Vila do Bispo
 
Programa
ProgramaPrograma
Programa
 
Fam trip omíada vila do bispo
Fam trip omíada vila do bispoFam trip omíada vila do bispo
Fam trip omíada vila do bispo
 
Folheto Rota Omíada
Folheto Rota OmíadaFolheto Rota Omíada
Folheto Rota Omíada
 
Rocha das Gaivotas, Sagres, Vila do Bispo
Rocha das Gaivotas, Sagres, Vila do BispoRocha das Gaivotas, Sagres, Vila do Bispo
Rocha das Gaivotas, Sagres, Vila do Bispo
 
Percurso Pedestre 'Pelas Encostas da Raposeira' (Vila do Bispo) - folheto (Vi...
Percurso Pedestre 'Pelas Encostas da Raposeira' (Vila do Bispo) - folheto (Vi...Percurso Pedestre 'Pelas Encostas da Raposeira' (Vila do Bispo) - folheto (Vi...
Percurso Pedestre 'Pelas Encostas da Raposeira' (Vila do Bispo) - folheto (Vi...
 
Recursos Patrimoniais versus Sustentabilidade: o caso de Vila do Bispo (Ricar...
Recursos Patrimoniais versus Sustentabilidade: o caso de Vila do Bispo (Ricar...Recursos Patrimoniais versus Sustentabilidade: o caso de Vila do Bispo (Ricar...
Recursos Patrimoniais versus Sustentabilidade: o caso de Vila do Bispo (Ricar...
 
Lapa do Monte Francês, Sagres (NEUA, Espeleo Divulgação 5, 1986)
Lapa do Monte Francês, Sagres (NEUA, Espeleo Divulgação 5, 1986)Lapa do Monte Francês, Sagres (NEUA, Espeleo Divulgação 5, 1986)
Lapa do Monte Francês, Sagres (NEUA, Espeleo Divulgação 5, 1986)
 
Programa DiVam 2015 - Património Imaterial e Raízes Mediterrânicas
Programa DiVam 2015 - Património Imaterial e Raízes MediterrânicasPrograma DiVam 2015 - Património Imaterial e Raízes Mediterrânicas
Programa DiVam 2015 - Património Imaterial e Raízes Mediterrânicas
 
Ingrina - Sophia de Mello Breyner
Ingrina - Sophia de Mello BreynerIngrina - Sophia de Mello Breyner
Ingrina - Sophia de Mello Breyner
 
Rota al-Mutamid - Sagres
Rota al-Mutamid - SagresRota al-Mutamid - Sagres
Rota al-Mutamid - Sagres
 
Contribuição para o conhecimento das Indústrias Mirenses de Vila Nova de M...
Contribuição para o conhecimento das Indústrias Mirenses de Vila Nova de M...Contribuição para o conhecimento das Indústrias Mirenses de Vila Nova de M...
Contribuição para o conhecimento das Indústrias Mirenses de Vila Nova de M...
 
BERNARDES, J. P.; MORAIS, R.; VAZ PINTO, I; GUERSCHMAN, J. (2014) - Colmeias ...
BERNARDES, J. P.; MORAIS, R.; VAZ PINTO, I; GUERSCHMAN, J. (2014) - Colmeias ...BERNARDES, J. P.; MORAIS, R.; VAZ PINTO, I; GUERSCHMAN, J. (2014) - Colmeias ...
BERNARDES, J. P.; MORAIS, R.; VAZ PINTO, I; GUERSCHMAN, J. (2014) - Colmeias ...
 
Sagres - o Promontorium Sacrum: uma petrificada paisagem sagrada (SOARES, R.,...
Sagres - o Promontorium Sacrum: uma petrificada paisagem sagrada (SOARES, R.,...Sagres - o Promontorium Sacrum: uma petrificada paisagem sagrada (SOARES, R.,...
Sagres - o Promontorium Sacrum: uma petrificada paisagem sagrada (SOARES, R.,...
 
BWF'2014 - Arqueologia
BWF'2014 - ArqueologiaBWF'2014 - Arqueologia
BWF'2014 - Arqueologia
 
Vila do Bispo Arqueológica
Vila do Bispo ArqueológicaVila do Bispo Arqueológica
Vila do Bispo Arqueológica
 

Os mosaicos romanos do leste algarvio

  • 1. Os mosaicos romanos do Leste Algarvio Ainda que com as dificuldades naturalmente inerentes a um tipo de empreendimento como este, mais a mais num período em que as Ciências Sociais e Humanas sofrem tratos de polé da parte daqueles que nos ‘governam’, é, sem dúvida, uma lança em África conseguir-se a edição de uma obra como esta. Só isso bastaria para nos regozijarmos e dar um fortíssimo abraço aos que ousaram – e muito bem fizeram – lançar mãos a tão ingente tarefa. Pois ele aí está, o volume do Corpus dos Mosaicos Romanos de Portugal que trata do Algarve Este, da autoria de J. Lancha e de Cristina Oliveira. A edição, impressa em Julho deste ano (596 páginas, ISBN: 978-989-97666-1-7), é da Universidade do Algarve e da Missão Luso-Francesa ‘Mosaïques du Sud du Portugal”; teve apoio financeiro da Fundação Calouste Gulbenkian, da Fundação para a Ciência e a Tecnologia, da Lusort (de Vila Moura) e da Junta de Freguesia de Estoi (em cujo termo se situa a villa romana de Milreu). Colaboraram com as autoras: – Adília Alarcão, que fez o relatório da escavação, em 1976, do mosaico do Oceano e apresenta a primeira abordagem científica das tesselas em folha de ouro; – Pierre André, que colaborou na descrição arqueológica da villa de Milreu; – Lídia Catarino e Fernando Pedro Figueiredo, que se encarregaram do estudo geológico e petrográfico das tesselas; – Márcia Carlos Figueiredo e Alice Oliveira, que procederam à análise química quantitativa de uma tessela de folha de ouro de Milreu (o nº 66); – José Frade e Isabel Ribeiro, que se empenharam numa análise ainda mais sofisticada: a de tesselas em folha de ouro por FTIR-μs e Py-GC/MS; 1/3
  • 2. – Catarina Viegas, que se encarregou de estudar a cerâmica que acompanhava o mosaico do Oceano, aquando do seu levantamento; – e Rui Nunes Pedroso, que se interessou pelas pinturas murais. Como se depreende, o estudo propriamente dito dos mosaicos esteve a cargo das autoras, ainda que possa dizer-se que a descrição minuciosa de cada painel deve muito a Cristina Oliveira, enquanto J. Lancha, que escreve em língua francesa, se encarregou mais do seu enquadramento arqueológico e espacial. A simples enumeração do que coube a cada um dos colaboradores dá logo uma ideia de como o volume contém – para além do que foi o aturado estudo que Cristina Oliveira apresentou nas suas provas de doutoramento, na Universidade de Coimbra, a 19 de Outubro de 2010 – pormenorizada aproximação aos sítios arqueológicos em presença: Faro, Milreu, Cerro da Vila e outros sítios (por exemplo, Balsa, Pedras d’ElRey, Cacela-a-Velha, Quinta de Marim…). O índice vem todo em língua francesa, mesmo quando se reporta a partes redigidas em português e por ele se fica a conhecer melhor a estrutura seguida. Aborda-se, na primeira parte, o contexto arqueológico e arquitectónico dos diferentes sítios: fontes para esse estudo, descrição dos sítios como hoje estão, observação específica do contexto de cada um; e procuram-se, inclusive, contextualizar, a nível da Península Ibérica, as villae do Algarve Oriental. Nesse capítulo há mesmo uma aproximação ao perfil sociológico dos encomendantes dos mosaicos, precedido do 1º apêndice, que tem por título a afirmação de que o célebre ‘santuário das águas’ de Milreu não pode ser considerado um mausoléu. Contesta-se, assim, com argumentos, a tese defendida por Dennis Graen e conclui-se que preferentemente se deve ver nesse edifício a demonstração do poder económico e social do proprietário, bem no quadro da mentalidade do século IV: desta sorte melhor evidenciava e fazia admirar, durante a vida, a elevada posição social que lograra alcançar (p. 179). Constitui a 2ª parte o corpus propriamente dito dos mosaicos estudados, debruçando-se Cristina Oliveira depois, miudamente, sobre a paleta de suas cores e formas (p. 525-547), que sintetiza em quadros sinópticos. São as fichas 25 a 108 (p. 197-523), estendendo-se bastantes delas por várias páginas (a nº 64, por exemplo, da p. 373 à 399). A lista de siglas e de abreviaturas pelas quais são identificados os livros e os artigos assim como a bibliografia referida vem no começo do volume, apresentando-se, no final, índices topográfico, de nomes próprios antigos e de nomes comuns (temático). 2/3
  • 3. As ilustrações (211 estampas e 106 figuras a preto a branco e a cores) constam do CD que acompanha o livro. Trata-se, como facilmente se depreende, de uma obra que não desmerece os outros dois volumes já publicados nesta série: o dos mosaicos da Casa dos Repuxos de Conímbriga (1992), que se ficou a dever à enorme capacidade do saudoso João Manuel Bairrão Oleiro, um dos pioneiros no estudo dos mosaicos romanos entre nós, e o dos mosaicos da villa romana de Torre de Palma (J. Lancha e P. André, Lisboa, 2000). Por outro lado, o mosaico é estudado aqui não apenas do ponto de vista técnico, em comparação constante com mosaicos de outras partes do mundo romano, designadamente do Norte de África, região com que incontestavelmente há afinidades estéticas e temáticas, mas também no seu contexto, realçando-se a sua quotidiana função de emprestar beleza e de suscitar admiração. Debruçando-nos sobre a enorme perícia demonstrada pelos mosaístas de antanho, acabamos por melhor apreciar o seu valor e mais eloquentemente compreendermos quanto a cor e a estética andavam, também então, a par de vidas necessariamente partilhadas entre o ócio e o negócio. José d’Encarnação Publicado em Cyberjornal, edição de 15-12-2013: http://www.cyberjornal.net/index.php?option=com_content&view=article&id=75:osmosaicos-romanos-do-leste-algarvio&catid=78:historia-e-patrimonio&Itemid=30 3/3