SlideShare uma empresa Scribd logo
CAF - Educação COMMON ASSESSMENT FRAMEWORK  (CAF) 16 de Setembro  2011 Audioconferência Cristina Evaristo
As origens do modelo CAF Educação 2. O que é a CAF e para que serve  3. Como se aplica a CAF 4. Enquadramento na avaliação das escolas 5. O  estado da arte  da aplicação da CAF na UE Agenda
A eficácia desta audioconferência depende do vosso grau de participação… Partilhem experiências, coloquem dúvidas, apresentem os vossos comentários e sugestões.
Grupo de Trabalho CAF Educação Duplo objectivo:  Pretendia-se aumentar o nº de utilizadores da CAF As instituições de ensino queriam implementar uma gestão de qualidade de inspiração europeia  - orientada para o aluno  (Declaração de Londres de 2007).  = Optaram por uma abordagem que fosse comum ao sector público europeu, facilmente acessível e livre de custos. Grupo  de Trabalho: peritos da Bélgica, Itália, Portugal, Noruega, Luxemburgo, Grécia, Polónia, e Republica Checa.
O que é a CAF? Common Assessment Framework   É um  modelo de auto-avaliação   através do qual uma organização procede a um diagnóstico das suas actividades e resultados com base em evidências  (informação que comprova uma declaração ou um facto – documento ou observação) É um  modelo de gestão   / quadro de referência para as organizações que pretendem gerir os recursos de forma a prestar serviços de  Qualidade  aos serviços/clientes e cidadãos/clientes
CAF 2006 - Objectivos Introduzir na AP os princípios da TQM Orientar as organização da actual sequência de actividades “Planear-Fazer” para um ciclo completo e desenvolvido  “ PDCA”   – Planear – Executar - Rever - Ajustar  Facilitar a auto-avaliação das organizações públicas com o objectivo de obter um diagnóstico e acções de melhoria Servir de ponte entre os vários modelos utilizados na gestão da qualidade Facilitar o “ bench learning ” entre organizações do sector público.
CAF – vantagens Modelo com 10 anos.  Tem evoluído com base nas experiências dos utilizadores. É gratuito!  Utilização do modelo e documentos de apoio não tem custos. Permite  u m diagnóstico completo sobre o desempenho da organização . Desde os aspectos da liderança ao desempenho-chave. É  implementado com os recursos humanos da organização.  Não tem custos adicionais na fase de diagnóstico. Permite  conhecer a evolução da organização,  quando é aplicada sistematicamente. Permite  criar indicadores de desempenho  para a comparação entre organizações idênticas. É  compatível com outros modelos  e instrumentos de gestão de qualidade.
CAF – o que avalia Avalia a forma  como  as actividades da organização são desenvolvidas –  CRITÉRIOS DE MEIOS Avalia os  resultados alcançados   pela organização   -  CRITÉRIOS DE RESULTADOS
Estrutura da CAF Modelo holístico
Critérios de Meios Os critérios  1 a 5  referem-se aos meios da organização.  Estes determinam o que a organização faz e como realiza as suas actividades para obter os resultados desejados.
Avaliação dos Critérios de Meios  Ciclo PDCA (melhoria contínua)
Resultados Nos critérios de resultados ( 6 a 9 ) medem-se as percepções: o que os colaboradores, cidadãos/clientes e sociedade pensam da organização. Existem igualmente indicadores internos de desempenho que demonstram a forma como a organização está a actuar em relação às metas fixadas – os resultados e impactos .
O diagnóstico da organização   O  diagnóstico  incide sobre os 9 critérios Cada  Critério  é composto por subcritérios Os  subcritérios  identificam as principais questões que devem ser consideradas na avaliação Os subcritérios são ilustrados por  exemplos  que inspiram a avaliação dos subcritérios Pontos Fortes  + Pontos Fracos  + Sugestões de melhoria  = Relatório de Auto-avaliação Plano de Melhorias
10 passos para aplicar a CAF Auto-Avaliação
10 passos para aplicar a CAF Melhoria do desempenho
Centro de Recursos CAF – EIPA www.eipa.eu   Versão EN
Versão portuguesa CAF Educação (a publicar em…) www.caf.dgaep.gov.pt   Descreve os passos para aplicação da CAF e respectivos materiais de apoio
Os aspectos críticos na aplicação da CAF Compromisso da gestão de topo Preparação da Equipa de AA  Compreensão dos conceitos básicos  da CAF Comunicação  Avaliação baseada em evidências
Pertinência da CAF Educação para as escolas/agrupamentos Lei nº 31/2002 de 20 de Dezembro Aprova o sistema de educação  e do ensino não superior Portaria n.º 1317/2009 de 21 de Outubro Artigo 5.º Sistema de avaliação
A CAF não é “o” modelo de auto-avaliação das escolas, mas sim “um dos modelos” possíveis para o processo de AA.  www.ige.min-edu.pt
Debate… Afectação de RH às Equipas para além da actividade corrente. Apoio/formação para aplicar a CAF. Envolvimento, comunicação de resultados. Avaliar o quê? O processo de ensino,… Outros… Quais os aspectos críticos na aplicação da CAF nas Escolas?
Fonte: CAF Resource Centre
CAF Users Survey 2011 Representação dos diferentes sectores Fonte: CAF Resource Centre
CAF Users Survey 2011 Participantes do sector da educação por país.   Fonte: CAF Resource Centre
CAF Users Survey 2011 Razões para usar a CAF .   Fonte: CAF Resource Centre
CAF Users Survey 2011 Desenvolvimento de um Plano de Melhorias. Fonte: CAF Resource Centre
PEF (Procedure for External Feedback) Processo de Validação Externa da CAF Visa atribuir o diploma de Utilizador Efectivo CAF ( Effective CAF User ) O feedback externo incide sobre três pilares:  O processo de auto-avaliação O processo de implementação das acções de melhoria A maturidade da organização em matéria de Gestão da Qualidade Total O PEF não é uma certificação, é um  reconhecimento  de aplicação correcta da CAF e do plano de melhorias  Em 2012
Dica: O comunidades@ina premeia a participação dos membros mais activos: acesso gratuito a formação no Instituto Nacional de Administração, I.P. (entre 12 a 30 horas).  Grupo CAF+
“ O segredo para estar na frente é começar”
Obrigado! [email_address] t

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

1ª Tarefa Powerpoint 3ª SessãO
1ª Tarefa   Powerpoint   3ª SessãO1ª Tarefa   Powerpoint   3ª SessãO
1ª Tarefa Powerpoint 3ª SessãO
1000a
 
Workshop Auto AvaliaçãO Be
Workshop   Auto AvaliaçãO   BeWorkshop   Auto AvaliaçãO   Be
Workshop Auto AvaliaçãO Be
alcinasousa
 
Apresentação do Modelo de Auto-Avaliação da BE ao Conselho Pedagógico.
Apresentação do Modelo de Auto-Avaliação da BE ao Conselho Pedagógico.Apresentação do Modelo de Auto-Avaliação da BE ao Conselho Pedagógico.
Apresentação do Modelo de Auto-Avaliação da BE ao Conselho Pedagógico.
Almerindo de Pinho
 
ApresentaçãO2 Susi
ApresentaçãO2 SusiApresentaçãO2 Susi
ApresentaçãO2 Susi
guest404be0b
 
auto-avaliação da BE
auto-avaliação da BEauto-avaliação da BE
auto-avaliação da BE
Noémia Cláudia Machado
 
Modelo Aa Be Power Point
Modelo Aa Be   Power PointModelo Aa Be   Power Point
Modelo Aa Be Power Point
mariamanel
 
Auto AvaliçãO Da Be Eb 2,3 Dr. A.R.P.
Auto AvaliçãO Da Be   Eb 2,3 Dr. A.R.P.Auto AvaliçãO Da Be   Eb 2,3 Dr. A.R.P.
Auto AvaliçãO Da Be Eb 2,3 Dr. A.R.P.
rbento
 
Modelo de Autoavaliação das Bibliotecas Escolares - FormaçãO1
Modelo de Autoavaliação das Bibliotecas Escolares - FormaçãO1Modelo de Autoavaliação das Bibliotecas Escolares - FormaçãO1
Modelo de Autoavaliação das Bibliotecas Escolares - FormaçãO1
florafialho
 
Trabalho Da 4ª SessãO 1ª Parte Nuno Tavares
Trabalho Da 4ª SessãO   1ª Parte   Nuno TavaresTrabalho Da 4ª SessãO   1ª Parte   Nuno Tavares
Trabalho Da 4ª SessãO 1ª Parte Nuno Tavares
gueste04715
 
Modelo Auto Avaliacao Be Eugenia Alves
Modelo Auto Avaliacao Be Eugenia AlvesModelo Auto Avaliacao Be Eugenia Alves
Modelo Auto Avaliacao Be Eugenia Alves
Eugénia Coordguifoes
 
Powerpoint Workshop Formativo
Powerpoint Workshop FormativoPowerpoint Workshop Formativo
Powerpoint Workshop Formativo
Lucas Fernando
 
Outra Proposta
Outra PropostaOutra Proposta
Outra Proposta
Escola D.Inês de Castro
 
Modelo de Autoavaliação das BE Pedagógico
Modelo de Autoavaliação das BE PedagógicoModelo de Autoavaliação das BE Pedagógico
Modelo de Autoavaliação das BE Pedagógico
Valdemar Silva
 
ApresentaçãO Do Modelo Aa Be
ApresentaçãO Do Modelo Aa BeApresentaçãO Do Modelo Aa Be
ApresentaçãO Do Modelo Aa Be
sandrinhalopes
 
Apres c ped modelo
Apres c ped modeloApres c ped modelo
Apres c ped modelo
Helena_Roquete
 

Mais procurados (15)

1ª Tarefa Powerpoint 3ª SessãO
1ª Tarefa   Powerpoint   3ª SessãO1ª Tarefa   Powerpoint   3ª SessãO
1ª Tarefa Powerpoint 3ª SessãO
 
Workshop Auto AvaliaçãO Be
Workshop   Auto AvaliaçãO   BeWorkshop   Auto AvaliaçãO   Be
Workshop Auto AvaliaçãO Be
 
Apresentação do Modelo de Auto-Avaliação da BE ao Conselho Pedagógico.
Apresentação do Modelo de Auto-Avaliação da BE ao Conselho Pedagógico.Apresentação do Modelo de Auto-Avaliação da BE ao Conselho Pedagógico.
Apresentação do Modelo de Auto-Avaliação da BE ao Conselho Pedagógico.
 
ApresentaçãO2 Susi
ApresentaçãO2 SusiApresentaçãO2 Susi
ApresentaçãO2 Susi
 
auto-avaliação da BE
auto-avaliação da BEauto-avaliação da BE
auto-avaliação da BE
 
Modelo Aa Be Power Point
Modelo Aa Be   Power PointModelo Aa Be   Power Point
Modelo Aa Be Power Point
 
Auto AvaliçãO Da Be Eb 2,3 Dr. A.R.P.
Auto AvaliçãO Da Be   Eb 2,3 Dr. A.R.P.Auto AvaliçãO Da Be   Eb 2,3 Dr. A.R.P.
Auto AvaliçãO Da Be Eb 2,3 Dr. A.R.P.
 
Modelo de Autoavaliação das Bibliotecas Escolares - FormaçãO1
Modelo de Autoavaliação das Bibliotecas Escolares - FormaçãO1Modelo de Autoavaliação das Bibliotecas Escolares - FormaçãO1
Modelo de Autoavaliação das Bibliotecas Escolares - FormaçãO1
 
Trabalho Da 4ª SessãO 1ª Parte Nuno Tavares
Trabalho Da 4ª SessãO   1ª Parte   Nuno TavaresTrabalho Da 4ª SessãO   1ª Parte   Nuno Tavares
Trabalho Da 4ª SessãO 1ª Parte Nuno Tavares
 
Modelo Auto Avaliacao Be Eugenia Alves
Modelo Auto Avaliacao Be Eugenia AlvesModelo Auto Avaliacao Be Eugenia Alves
Modelo Auto Avaliacao Be Eugenia Alves
 
Powerpoint Workshop Formativo
Powerpoint Workshop FormativoPowerpoint Workshop Formativo
Powerpoint Workshop Formativo
 
Outra Proposta
Outra PropostaOutra Proposta
Outra Proposta
 
Modelo de Autoavaliação das BE Pedagógico
Modelo de Autoavaliação das BE PedagógicoModelo de Autoavaliação das BE Pedagógico
Modelo de Autoavaliação das BE Pedagógico
 
ApresentaçãO Do Modelo Aa Be
ApresentaçãO Do Modelo Aa BeApresentaçãO Do Modelo Aa Be
ApresentaçãO Do Modelo Aa Be
 
Apres c ped modelo
Apres c ped modeloApres c ped modelo
Apres c ped modelo
 

Semelhante a Os desafios da auto-avaliação nas escolas com a CAF & Educação, Cristina Evaristo

Apresentacao_CAF
Apresentacao_CAFApresentacao_CAF
sistema de pontuação clássico
sistema de pontuação clássicosistema de pontuação clássico
sistema de pontuação clássico
sistema de pontuação clássicosistema de pontuação clássico
Jornadas da Qualidade no CICCOPN
Jornadas da Qualidade no CICCOPNJornadas da Qualidade no CICCOPN
Benchmarking
Benchmarking Benchmarking
Benchmarking
Adeildo Caboclo
 
Forum de Boas Práticas
Forum de Boas PráticasForum de Boas Práticas
Forum de Boas Práticas
Adeildo Caboclo
 
Benchmarking fnq
Benchmarking fnqBenchmarking fnq
Benchmarking fnq
Simone Pio
 
Aprendizagem Organizacional
Aprendizagem OrganizacionalAprendizagem Organizacional
Aprendizagem Organizacional
nesi
 
Conhecimento e a Aprendizagem Organizacional
Conhecimento e a Aprendizagem OrganizacionalConhecimento e a Aprendizagem Organizacional
Conhecimento e a Aprendizagem Organizacional
rfaria
 
Gestão De Processos
Gestão De ProcessosGestão De Processos
Gestão De Processos
Nilton Goulart
 
Gestão De Processos
Gestão De ProcessosGestão De Processos
Gestão De Processos
Nilton Goulart
 
Teip conclusoes tema5-v4
Teip conclusoes tema5-v4Teip conclusoes tema5-v4
Teip conclusoes tema5-v4
ProgramaEscolasTEIP
 
Teip conclusoes tema5-v4
Teip conclusoes tema5-v4Teip conclusoes tema5-v4
Teip conclusoes tema5-v4
ProgramaEscolasTEIP
 
Apostila Gestão de Processos
 Apostila Gestão de Processos Apostila Gestão de Processos
Apostila Gestão de Processos
Flavia Bandeira
 
2012 4. método de tomada de ações com base em indicadores de qualidade o ca...
2012 4. método de tomada de ações com base em indicadores de qualidade   o ca...2012 4. método de tomada de ações com base em indicadores de qualidade   o ca...
2012 4. método de tomada de ações com base em indicadores de qualidade o ca...
Amanda Fraga
 
Criterios rumo a excelencia 6 edicao
Criterios rumo a excelencia 6 edicaoCriterios rumo a excelencia 6 edicao
Criterios rumo a excelencia 6 edicao
lopescsam
 
Tarefa 3 1ª Parte Pp
Tarefa 3   1ª Parte PpTarefa 3   1ª Parte Pp
Tarefa 3 1ª Parte Pp
malicef
 
Sensibiliza_StakeHolders ESEN.pptx
Sensibiliza_StakeHolders ESEN.pptxSensibiliza_StakeHolders ESEN.pptx
Sensibiliza_StakeHolders ESEN.pptx
margarida
 
Apresentação O Retorno do Investimento em Formação_O Caso das Infraestruturas...
Apresentação O Retorno do Investimento em Formação_O Caso das Infraestruturas...Apresentação O Retorno do Investimento em Formação_O Caso das Infraestruturas...
Apresentação O Retorno do Investimento em Formação_O Caso das Infraestruturas...
Goncalo Venceslau Bernardino
 
Gestão da Qualidade Total
Gestão da Qualidade TotalGestão da Qualidade Total
Gestão da Qualidade Total
Gerisval Pessoa
 

Semelhante a Os desafios da auto-avaliação nas escolas com a CAF & Educação, Cristina Evaristo (20)

Apresentacao_CAF
Apresentacao_CAFApresentacao_CAF
Apresentacao_CAF
 
sistema de pontuação clássico
sistema de pontuação clássicosistema de pontuação clássico
sistema de pontuação clássico
 
sistema de pontuação clássico
sistema de pontuação clássicosistema de pontuação clássico
sistema de pontuação clássico
 
Jornadas da Qualidade no CICCOPN
Jornadas da Qualidade no CICCOPNJornadas da Qualidade no CICCOPN
Jornadas da Qualidade no CICCOPN
 
Benchmarking
Benchmarking Benchmarking
Benchmarking
 
Forum de Boas Práticas
Forum de Boas PráticasForum de Boas Práticas
Forum de Boas Práticas
 
Benchmarking fnq
Benchmarking fnqBenchmarking fnq
Benchmarking fnq
 
Aprendizagem Organizacional
Aprendizagem OrganizacionalAprendizagem Organizacional
Aprendizagem Organizacional
 
Conhecimento e a Aprendizagem Organizacional
Conhecimento e a Aprendizagem OrganizacionalConhecimento e a Aprendizagem Organizacional
Conhecimento e a Aprendizagem Organizacional
 
Gestão De Processos
Gestão De ProcessosGestão De Processos
Gestão De Processos
 
Gestão De Processos
Gestão De ProcessosGestão De Processos
Gestão De Processos
 
Teip conclusoes tema5-v4
Teip conclusoes tema5-v4Teip conclusoes tema5-v4
Teip conclusoes tema5-v4
 
Teip conclusoes tema5-v4
Teip conclusoes tema5-v4Teip conclusoes tema5-v4
Teip conclusoes tema5-v4
 
Apostila Gestão de Processos
 Apostila Gestão de Processos Apostila Gestão de Processos
Apostila Gestão de Processos
 
2012 4. método de tomada de ações com base em indicadores de qualidade o ca...
2012 4. método de tomada de ações com base em indicadores de qualidade   o ca...2012 4. método de tomada de ações com base em indicadores de qualidade   o ca...
2012 4. método de tomada de ações com base em indicadores de qualidade o ca...
 
Criterios rumo a excelencia 6 edicao
Criterios rumo a excelencia 6 edicaoCriterios rumo a excelencia 6 edicao
Criterios rumo a excelencia 6 edicao
 
Tarefa 3 1ª Parte Pp
Tarefa 3   1ª Parte PpTarefa 3   1ª Parte Pp
Tarefa 3 1ª Parte Pp
 
Sensibiliza_StakeHolders ESEN.pptx
Sensibiliza_StakeHolders ESEN.pptxSensibiliza_StakeHolders ESEN.pptx
Sensibiliza_StakeHolders ESEN.pptx
 
Apresentação O Retorno do Investimento em Formação_O Caso das Infraestruturas...
Apresentação O Retorno do Investimento em Formação_O Caso das Infraestruturas...Apresentação O Retorno do Investimento em Formação_O Caso das Infraestruturas...
Apresentação O Retorno do Investimento em Formação_O Caso das Infraestruturas...
 
Gestão da Qualidade Total
Gestão da Qualidade TotalGestão da Qualidade Total
Gestão da Qualidade Total
 

Mais de comunidades@ina

As recentes alterações à lei sobre o regime comum de mobilidade especial na AP
As recentes alterações à lei sobre o regime comum de mobilidade especial na APAs recentes alterações à lei sobre o regime comum de mobilidade especial na AP
As recentes alterações à lei sobre o regime comum de mobilidade especial na AP
comunidades@ina
 
Gestão de seniores na AP: porquê, como e que evolução?
Gestão de seniores na AP: porquê, como e que evolução?Gestão de seniores na AP: porquê, como e que evolução?
Gestão de seniores na AP: porquê, como e que evolução?
comunidades@ina
 
E agora os Fundos Disponíveis? (Lei dos Compromissos)
E agora os Fundos Disponíveis? (Lei dos Compromissos)E agora os Fundos Disponíveis? (Lei dos Compromissos)
E agora os Fundos Disponíveis? (Lei dos Compromissos)
comunidades@ina
 
A gestão das e pelas competências
A gestão das e pelas competênciasA gestão das e pelas competências
A gestão das e pelas competências
comunidades@ina
 
O que é o coaching? Separar o trigo do joio!
O que é o coaching? Separar o trigo do joio!O que é o coaching? Separar o trigo do joio!
O que é o coaching? Separar o trigo do joio!
comunidades@ina
 
Lei dos compromissos - o fim do "gastar e depois se vê"
Lei dos compromissos - o fim do "gastar e depois se vê"Lei dos compromissos - o fim do "gastar e depois se vê"
Lei dos compromissos - o fim do "gastar e depois se vê"
comunidades@ina
 
O processo de análise das propostas nos procedimentos aquisitivos
O processo de análise das propostas nos procedimentos aquisitivosO processo de análise das propostas nos procedimentos aquisitivos
O processo de análise das propostas nos procedimentos aquisitivos
comunidades@ina
 
Mobilizar as pessoas e as equipas: técnicas de facilitação para os líderes
Mobilizar as pessoas e as equipas: técnicas de facilitação para os líderesMobilizar as pessoas e as equipas: técnicas de facilitação para os líderes
Mobilizar as pessoas e as equipas: técnicas de facilitação para os líderes
comunidades@ina
 
Comunicar sem powerpoint: como cativar a audiência com uma história
Comunicar sem powerpoint: como cativar a audiência com uma históriaComunicar sem powerpoint: como cativar a audiência com uma história
Comunicar sem powerpoint: como cativar a audiência com uma história
comunidades@ina
 
Proteção dos Direitos da Personalidade dos Trabalhadores em Funções Públicas,...
Proteção dos Direitos da Personalidade dos Trabalhadores em Funções Públicas,...Proteção dos Direitos da Personalidade dos Trabalhadores em Funções Públicas,...
Proteção dos Direitos da Personalidade dos Trabalhadores em Funções Públicas,...
comunidades@ina
 
Gestão de Recursos Humanos: Que espaço de desenvolvimento no actual contexto?...
Gestão de Recursos Humanos: Que espaço de desenvolvimento no actual contexto?...Gestão de Recursos Humanos: Que espaço de desenvolvimento no actual contexto?...
Gestão de Recursos Humanos: Que espaço de desenvolvimento no actual contexto?...
comunidades@ina
 
Custos Ocultos e a Execução do Planeado nas Organizações, José Correia
Custos Ocultos e a Execução do Planeado nas Organizações, José CorreiaCustos Ocultos e a Execução do Planeado nas Organizações, José Correia
Custos Ocultos e a Execução do Planeado nas Organizações, José Correia
comunidades@ina
 
O Memorando de Entendimento com o FMI/BCE/CE e o Tribunal de Contas. A nova a...
O Memorando de Entendimento com o FMI/BCE/CE e o Tribunal de Contas. A nova a...O Memorando de Entendimento com o FMI/BCE/CE e o Tribunal de Contas. A nova a...
O Memorando de Entendimento com o FMI/BCE/CE e o Tribunal de Contas. A nova a...
comunidades@ina
 
Teletrabalho, Cristina Crisóstomo
Teletrabalho, Cristina CrisóstomoTeletrabalho, Cristina Crisóstomo
Teletrabalho, Cristina Crisóstomo
comunidades@ina
 
A coprodução de serviços públicos com as tecnologias de informação, José Mari...
A coprodução de serviços públicos com as tecnologias de informação, José Mari...A coprodução de serviços públicos com as tecnologias de informação, José Mari...
A coprodução de serviços públicos com as tecnologias de informação, José Mari...
comunidades@ina
 
Melhoria de processos, Jorge Coelho
Melhoria de processos, Jorge CoelhoMelhoria de processos, Jorge Coelho
Melhoria de processos, Jorge Coelho
comunidades@ina
 
Cultura de Inovação na AP – Como fazer a diferença?, Carlos Zorrinho
Cultura de Inovação na AP – Como fazer a diferença?, Carlos ZorrinhoCultura de Inovação na AP – Como fazer a diferença?, Carlos Zorrinho
Cultura de Inovação na AP – Como fazer a diferença?, Carlos Zorrinho
comunidades@ina
 
O contributo do BPM para a eficácia do SIADAP, Jorge Coelho
O contributo do BPM para a eficácia do SIADAP, Jorge CoelhoO contributo do BPM para a eficácia do SIADAP, Jorge Coelho
O contributo do BPM para a eficácia do SIADAP, Jorge Coelho
comunidades@ina
 
Evolução do Papel do Estado e da Administração Pública, Arminda Neves
Evolução do Papel do Estado e da Administração Pública, Arminda NevesEvolução do Papel do Estado e da Administração Pública, Arminda Neves
Evolução do Papel do Estado e da Administração Pública, Arminda Neves
comunidades@ina
 
O Regime de Contrato em Funções Públicas, a autonomia negocial dos trabalhado...
O Regime de Contrato em Funções Públicas, a autonomia negocial dos trabalhado...O Regime de Contrato em Funções Públicas, a autonomia negocial dos trabalhado...
O Regime de Contrato em Funções Públicas, a autonomia negocial dos trabalhado...
comunidades@ina
 

Mais de comunidades@ina (20)

As recentes alterações à lei sobre o regime comum de mobilidade especial na AP
As recentes alterações à lei sobre o regime comum de mobilidade especial na APAs recentes alterações à lei sobre o regime comum de mobilidade especial na AP
As recentes alterações à lei sobre o regime comum de mobilidade especial na AP
 
Gestão de seniores na AP: porquê, como e que evolução?
Gestão de seniores na AP: porquê, como e que evolução?Gestão de seniores na AP: porquê, como e que evolução?
Gestão de seniores na AP: porquê, como e que evolução?
 
E agora os Fundos Disponíveis? (Lei dos Compromissos)
E agora os Fundos Disponíveis? (Lei dos Compromissos)E agora os Fundos Disponíveis? (Lei dos Compromissos)
E agora os Fundos Disponíveis? (Lei dos Compromissos)
 
A gestão das e pelas competências
A gestão das e pelas competênciasA gestão das e pelas competências
A gestão das e pelas competências
 
O que é o coaching? Separar o trigo do joio!
O que é o coaching? Separar o trigo do joio!O que é o coaching? Separar o trigo do joio!
O que é o coaching? Separar o trigo do joio!
 
Lei dos compromissos - o fim do "gastar e depois se vê"
Lei dos compromissos - o fim do "gastar e depois se vê"Lei dos compromissos - o fim do "gastar e depois se vê"
Lei dos compromissos - o fim do "gastar e depois se vê"
 
O processo de análise das propostas nos procedimentos aquisitivos
O processo de análise das propostas nos procedimentos aquisitivosO processo de análise das propostas nos procedimentos aquisitivos
O processo de análise das propostas nos procedimentos aquisitivos
 
Mobilizar as pessoas e as equipas: técnicas de facilitação para os líderes
Mobilizar as pessoas e as equipas: técnicas de facilitação para os líderesMobilizar as pessoas e as equipas: técnicas de facilitação para os líderes
Mobilizar as pessoas e as equipas: técnicas de facilitação para os líderes
 
Comunicar sem powerpoint: como cativar a audiência com uma história
Comunicar sem powerpoint: como cativar a audiência com uma históriaComunicar sem powerpoint: como cativar a audiência com uma história
Comunicar sem powerpoint: como cativar a audiência com uma história
 
Proteção dos Direitos da Personalidade dos Trabalhadores em Funções Públicas,...
Proteção dos Direitos da Personalidade dos Trabalhadores em Funções Públicas,...Proteção dos Direitos da Personalidade dos Trabalhadores em Funções Públicas,...
Proteção dos Direitos da Personalidade dos Trabalhadores em Funções Públicas,...
 
Gestão de Recursos Humanos: Que espaço de desenvolvimento no actual contexto?...
Gestão de Recursos Humanos: Que espaço de desenvolvimento no actual contexto?...Gestão de Recursos Humanos: Que espaço de desenvolvimento no actual contexto?...
Gestão de Recursos Humanos: Que espaço de desenvolvimento no actual contexto?...
 
Custos Ocultos e a Execução do Planeado nas Organizações, José Correia
Custos Ocultos e a Execução do Planeado nas Organizações, José CorreiaCustos Ocultos e a Execução do Planeado nas Organizações, José Correia
Custos Ocultos e a Execução do Planeado nas Organizações, José Correia
 
O Memorando de Entendimento com o FMI/BCE/CE e o Tribunal de Contas. A nova a...
O Memorando de Entendimento com o FMI/BCE/CE e o Tribunal de Contas. A nova a...O Memorando de Entendimento com o FMI/BCE/CE e o Tribunal de Contas. A nova a...
O Memorando de Entendimento com o FMI/BCE/CE e o Tribunal de Contas. A nova a...
 
Teletrabalho, Cristina Crisóstomo
Teletrabalho, Cristina CrisóstomoTeletrabalho, Cristina Crisóstomo
Teletrabalho, Cristina Crisóstomo
 
A coprodução de serviços públicos com as tecnologias de informação, José Mari...
A coprodução de serviços públicos com as tecnologias de informação, José Mari...A coprodução de serviços públicos com as tecnologias de informação, José Mari...
A coprodução de serviços públicos com as tecnologias de informação, José Mari...
 
Melhoria de processos, Jorge Coelho
Melhoria de processos, Jorge CoelhoMelhoria de processos, Jorge Coelho
Melhoria de processos, Jorge Coelho
 
Cultura de Inovação na AP – Como fazer a diferença?, Carlos Zorrinho
Cultura de Inovação na AP – Como fazer a diferença?, Carlos ZorrinhoCultura de Inovação na AP – Como fazer a diferença?, Carlos Zorrinho
Cultura de Inovação na AP – Como fazer a diferença?, Carlos Zorrinho
 
O contributo do BPM para a eficácia do SIADAP, Jorge Coelho
O contributo do BPM para a eficácia do SIADAP, Jorge CoelhoO contributo do BPM para a eficácia do SIADAP, Jorge Coelho
O contributo do BPM para a eficácia do SIADAP, Jorge Coelho
 
Evolução do Papel do Estado e da Administração Pública, Arminda Neves
Evolução do Papel do Estado e da Administração Pública, Arminda NevesEvolução do Papel do Estado e da Administração Pública, Arminda Neves
Evolução do Papel do Estado e da Administração Pública, Arminda Neves
 
O Regime de Contrato em Funções Públicas, a autonomia negocial dos trabalhado...
O Regime de Contrato em Funções Públicas, a autonomia negocial dos trabalhado...O Regime de Contrato em Funções Públicas, a autonomia negocial dos trabalhado...
O Regime de Contrato em Funções Públicas, a autonomia negocial dos trabalhado...
 

Os desafios da auto-avaliação nas escolas com a CAF & Educação, Cristina Evaristo

  • 1. CAF - Educação COMMON ASSESSMENT FRAMEWORK (CAF) 16 de Setembro 2011 Audioconferência Cristina Evaristo
  • 2. As origens do modelo CAF Educação 2. O que é a CAF e para que serve 3. Como se aplica a CAF 4. Enquadramento na avaliação das escolas 5. O estado da arte da aplicação da CAF na UE Agenda
  • 3. A eficácia desta audioconferência depende do vosso grau de participação… Partilhem experiências, coloquem dúvidas, apresentem os vossos comentários e sugestões.
  • 4. Grupo de Trabalho CAF Educação Duplo objectivo: Pretendia-se aumentar o nº de utilizadores da CAF As instituições de ensino queriam implementar uma gestão de qualidade de inspiração europeia - orientada para o aluno (Declaração de Londres de 2007). = Optaram por uma abordagem que fosse comum ao sector público europeu, facilmente acessível e livre de custos. Grupo de Trabalho: peritos da Bélgica, Itália, Portugal, Noruega, Luxemburgo, Grécia, Polónia, e Republica Checa.
  • 5. O que é a CAF? Common Assessment Framework É um modelo de auto-avaliação através do qual uma organização procede a um diagnóstico das suas actividades e resultados com base em evidências (informação que comprova uma declaração ou um facto – documento ou observação) É um modelo de gestão / quadro de referência para as organizações que pretendem gerir os recursos de forma a prestar serviços de Qualidade aos serviços/clientes e cidadãos/clientes
  • 6. CAF 2006 - Objectivos Introduzir na AP os princípios da TQM Orientar as organização da actual sequência de actividades “Planear-Fazer” para um ciclo completo e desenvolvido “ PDCA” – Planear – Executar - Rever - Ajustar Facilitar a auto-avaliação das organizações públicas com o objectivo de obter um diagnóstico e acções de melhoria Servir de ponte entre os vários modelos utilizados na gestão da qualidade Facilitar o “ bench learning ” entre organizações do sector público.
  • 7. CAF – vantagens Modelo com 10 anos. Tem evoluído com base nas experiências dos utilizadores. É gratuito! Utilização do modelo e documentos de apoio não tem custos. Permite u m diagnóstico completo sobre o desempenho da organização . Desde os aspectos da liderança ao desempenho-chave. É implementado com os recursos humanos da organização. Não tem custos adicionais na fase de diagnóstico. Permite conhecer a evolução da organização, quando é aplicada sistematicamente. Permite criar indicadores de desempenho para a comparação entre organizações idênticas. É compatível com outros modelos e instrumentos de gestão de qualidade.
  • 8. CAF – o que avalia Avalia a forma como as actividades da organização são desenvolvidas – CRITÉRIOS DE MEIOS Avalia os resultados alcançados pela organização - CRITÉRIOS DE RESULTADOS
  • 9. Estrutura da CAF Modelo holístico
  • 10. Critérios de Meios Os critérios 1 a 5 referem-se aos meios da organização. Estes determinam o que a organização faz e como realiza as suas actividades para obter os resultados desejados.
  • 11. Avaliação dos Critérios de Meios Ciclo PDCA (melhoria contínua)
  • 12. Resultados Nos critérios de resultados ( 6 a 9 ) medem-se as percepções: o que os colaboradores, cidadãos/clientes e sociedade pensam da organização. Existem igualmente indicadores internos de desempenho que demonstram a forma como a organização está a actuar em relação às metas fixadas – os resultados e impactos .
  • 13. O diagnóstico da organização O diagnóstico incide sobre os 9 critérios Cada Critério é composto por subcritérios Os subcritérios identificam as principais questões que devem ser consideradas na avaliação Os subcritérios são ilustrados por exemplos que inspiram a avaliação dos subcritérios Pontos Fortes + Pontos Fracos + Sugestões de melhoria = Relatório de Auto-avaliação Plano de Melhorias
  • 14. 10 passos para aplicar a CAF Auto-Avaliação
  • 15. 10 passos para aplicar a CAF Melhoria do desempenho
  • 16. Centro de Recursos CAF – EIPA www.eipa.eu Versão EN
  • 17. Versão portuguesa CAF Educação (a publicar em…) www.caf.dgaep.gov.pt Descreve os passos para aplicação da CAF e respectivos materiais de apoio
  • 18. Os aspectos críticos na aplicação da CAF Compromisso da gestão de topo Preparação da Equipa de AA Compreensão dos conceitos básicos da CAF Comunicação Avaliação baseada em evidências
  • 19. Pertinência da CAF Educação para as escolas/agrupamentos Lei nº 31/2002 de 20 de Dezembro Aprova o sistema de educação e do ensino não superior Portaria n.º 1317/2009 de 21 de Outubro Artigo 5.º Sistema de avaliação
  • 20. A CAF não é “o” modelo de auto-avaliação das escolas, mas sim “um dos modelos” possíveis para o processo de AA. www.ige.min-edu.pt
  • 21. Debate… Afectação de RH às Equipas para além da actividade corrente. Apoio/formação para aplicar a CAF. Envolvimento, comunicação de resultados. Avaliar o quê? O processo de ensino,… Outros… Quais os aspectos críticos na aplicação da CAF nas Escolas?
  • 23. CAF Users Survey 2011 Representação dos diferentes sectores Fonte: CAF Resource Centre
  • 24. CAF Users Survey 2011 Participantes do sector da educação por país. Fonte: CAF Resource Centre
  • 25. CAF Users Survey 2011 Razões para usar a CAF . Fonte: CAF Resource Centre
  • 26. CAF Users Survey 2011 Desenvolvimento de um Plano de Melhorias. Fonte: CAF Resource Centre
  • 27. PEF (Procedure for External Feedback) Processo de Validação Externa da CAF Visa atribuir o diploma de Utilizador Efectivo CAF ( Effective CAF User ) O feedback externo incide sobre três pilares: O processo de auto-avaliação O processo de implementação das acções de melhoria A maturidade da organização em matéria de Gestão da Qualidade Total O PEF não é uma certificação, é um reconhecimento de aplicação correcta da CAF e do plano de melhorias Em 2012
  • 28. Dica: O comunidades@ina premeia a participação dos membros mais activos: acesso gratuito a formação no Instituto Nacional de Administração, I.P. (entre 12 a 30 horas). Grupo CAF+
  • 29. “ O segredo para estar na frente é começar”

Notas do Editor

  1. Esta imagem permanece no discurso do slide seguinte