SlideShare uma empresa Scribd logo
Imunomodulação
-Uma abordagem Integrativa
ORTHOREGEN 2018 –
International Symposium
Dra Vivian Campos
CRM 128588 SP/ 15858 SC
Que Bicho é Esse? –
Um conto do elefante na escuridão
Lembre do conto...
Principal objetivo
Apresentar diferentes ferramentas
de Imunomodulação como
forma de preparo do terrenoforma de preparo do terreno
biológico no tratamento de doenças
crônicas.
Proposta de Estudos
Breve revisão de Imunologia
Benefícios da ImunomodulaçãoBenefícios da Imunomodulação
Ferramentas Imunomoduladoras
Investigação
•Anamnese
•Exames físicos
• Exames complementares
• Ambiental
Doenças Crônicas
Fatores
externos
• Ambiental
• Alimentar
• Emocional
Tratamento
• Medicação sintomática
• Tratamentos de
manutenção/regenerativos
Imunomodulação
Resposta Imune
“...é uma reação aos componentes de
microrganismos, bem como a
macromoléculas, tais como proteínas e
polissacarídios, e pequenos agentespolissacarídios, e pequenos agentes
químicos que são reconhecidos como
estranhos, independentemente da
consequência fisiológica ou
patológica de tal reação.”
(Abbas, A. K.; et./al. – 2015-Imunologia Celular e Molecular – 8. ed. - Rio de Janeiro : Elsevier)
Inata x Adaptativa
(Abbas, A. K.; et./al. – 2015-Imunologia Celular e Molecular – 8. ed. - Rio de Janeiro : Elsevier)
Imunidade Inata Imunidade Adaptativa
Inata x Adaptativa
Imunidade Inata
•Mecanismos Prévios a infecção
•Resposta rápida
•Não específica
Imunidade Adaptativa
•Específica: epítopos/ Resposta tardia
•Memória
•Autolimitação
•Não- reatividade ao próprio
1. Barreiras - pele, intestino, BHE, fascia,
lagrimas
2. Cel. fagocíticas (neutrófilos, macrógafos),
3. Cel. Liberadoras de mediadores
inflamatórios( mastócitos, eosinófilos,
basófilos)
4. Proteínas inflamatorias
5. Celulas natural killers – NK
6. Citocinas
1. APCs (Cel. Apresentadora de
antigenos) Ag p/ cels T
2. Cels T ativadas auxiliam cels B e
matam cels anormais e infectadas
3. Cels B – anticorpo para Ag específico
4. Citocinas
Inata x Adaptativa
Lembre-se: Divisão é
muito mais didática –
alteração em um
altera o outro!
E quando as coisas não funcionam
como deveriam...
Hipersensibilidade: Reação
exagerada a substância estranha (
Alergias IgE, IgG)
Auto-imunidade: Reação
inapropriada contra o próprio,
perda da capacidade de auto-
reconhecimento/tolerância
E quando as coisas não funcionam como
deveriam...
Imunodeficiência: resposta
ineficiente, perda da função do
sistema imune – primária ou
adquirida
Inflamação:
Resposta muito
intensa a agressões
externas, levando a
danos teciduais
AGUDAAGUDA CRÔNICACRÔNICA
 Resposta imediata a
lesão/ infecção, dura dias
Edema, eritema, calor,
 Resposta tardia ou
mantida a patógenos
intracelulares ou auto-
Inflamação
 Edema, eritema, calor,
dor
 Resposta Inata
 Benéfica: leva a
eliminação da
infecção e
recuperação tecidual
intracelulares ou auto-
antígenos
 Resposta adaptativa e
inata
 Geralmente local em
pontos específicos
 Danosa, leva a
degeneração tecidual
Tem por objetivo melhorar a capacidade de
defesa do sistema imunológico e também
sua auto- regulação.
Muito mais vantajoso do que
métodos imunosupressores.
Imunomodulação
métodos imunosupressores.
Efeito de longo prazo.
Auxilia no controle da resposta
inflamatória .
Imunomodulação
 Estilo de vida ( Alimentação; sono; atividade física;
controle do stress)
 Ozonioterapia
 Homotoxicologia
 Nutracêuticos
 Naltrexona em baixa dose
 ITA – imunoestimulante terapêutico ativado
Imunomodulação
OZONIOTERAPIA
OZONIOTERAPIA
OZONIOTERAPIA
 A ozonioterapia é uma técnica que utiliza a aplicação
de uma mistura dos gases oxigênio e ozônio, por
diversas vias de administração, com finalidade
terapêutica.
 Ozônio medicinal é sempre uma mistura de ozônio e Ozônio medicinal é sempre uma mistura de ozônio e
oxigênio.
 Concentrações X Finalidade
 Vantagens: Diversas vias de aplicação; baixo custo;
baixo risco
http://www.aboz.org.br/ozonioterapia/sobre-a-ozonioterapia/13/
OZONIOTERAPIA
ROS Reactive oxygen species
LOPs Lipid oxidation products
Bocci, Vellio – 2005 - OZONE A New Medical Drug; Ed. Springer USA
Ozônio
Regula
estresse Ox
Regulador
metabólico
Melhora
atividade do
O2
Germicida de
amplo
espectro
Modulador
Imunológico
Modula
liberação de
autacoides
http://www.aboz.org.br/novo/ozonize-se/#loaded
HOMOTOXICOLOGIA
HOMOTOXICOLOGIA
( Medicina Biorreguladora)
 Hans Heinrich Reckeweg: Conceito dinâmico de
doença
 Conceito: Cada organismo é um sistema de fluxo
dinâmico em constante mudança para adaptação
aos estímulos ( internos e externos) buscando seaos estímulos ( internos e externos) buscando se
manter sempre em equilíbrio
 Origem embriológica do tecido determina
evolução da doença
 Ponte entre homeopatia e medicina convencional
HOMOTOXICOLOGIA
( Medicina Biorreguladora)
HOMOTOXICOLOGIA
( Medicina Biorreguladora)
 Traumeel – imunomodulador, anti-inflamatório
 Zeel – doenças osteo-articulares
 Spascupreel – relaxante musculatura lisa
Vias de Aplicação: VO,IM, EV, SC, I, IA, tópicaVias de Aplicação: VO,IM, EV, SC, I, IA, tópica
Outros disponíveis no Brasil
 Engystol – imunomodulador; infecções virais
 Vertigoheel - circulação
 Euphorbium- IVAS; alergias respiratórias
 Neurexan – ansiolítico
 Grippheel – gripes e resfriados
The MOZArT Trial
The MOZArT Trial
Vitaminas e Fitoterápicos
 Melhoram a imunidade
 Diminuem frequência de infecções
 Opções:
Vitamina C de 500mg a 1000mg/dia
Vitamina E de 200UI a 400Ui/dia
Vitaminas e Fitoterápicos
Vitamina E de 200UI a 400Ui/dia
Vitamina D3 ????
Zinco quelado 15mg a 30mg/ dia
Cobre quelado 1,0mg a 2,0mg/dia
Echinacea de 150mg a 250mg 1 a 4x ao dia
Astragalus de 150mg a 250mg/dia 1 a 2x ao dia
Epicor de 50mg a 150mg/ dia 1 a 2x ao dia
Nutracêuticos Imunomoduladores
 Bioflavonóides (carotenóides, catequinas)
 Curcumina, Hesperidina, Pycnogenol, Quercetina, Rutina.
 N-acetil cisteína
 Glutationa
 Glicoxil
Osteosil – fosfato + silicio organico Osteosil – fosfato + silicio organico
 Omega 3 and Omega 6(DGLA) EFAs
 Fitoterápicos:
 Boswellia (Move) , Chá verde, Cat’s Claw, Licorice, Aloevera
Ginger, Garlic, Ginseng
 Canabinóides
Aggarwal, B.B. and K.B. Harikumar, Potential therapeutic effects of curcumin, the anti-inflammatory agent, against neurodegenerative, cardiovascular,
pulmonary, metabolic, autoimmune and neoplastic diseases. Int J Biochem Cell Biol, 2009. 41(1): p. 40-59.
Vitamina D
Avaliar:
 PTH
 Calcitonina
 Ca sérico/iônico/ 24h Ca sérico/iônico/ 24h
 Individualidade metabólica
 Lembrar do conjunto:
Vit D3 – Vit K2 MK7 – Mg – B
Vias de aplicação: VO, IM, TD
Vitamina D
Nonclassic actions of Vitamin D. Bikle D. J Clin Endocrinol Metab
January 2009, 94(1): 26-34.
• Inibe proliferação de T cell
• Aumenta IL-10 and TGF-beta
• Aumenta T regs
• Diminui inflamação por resposta inata
Evidence that vitamin D3 reverses age-related inflammatory changes in the rat hippocampus. Moore ME et al. Biochemical Society Transactions (2005) 33(4): 573- 577.
Low Dose of Naltrexone - LDN
LDN
LDN
 DOSE: 1,5 A 4,5mg entre 21h e 2h
 Iniciar com doses baixas e aumentar
progressivamente
 http://www.lowdosenaltrexone.org/
 https://www.ldnresearchtrust.org/USA
ImunoestimulanteImunoestimulante
Terapêutico
Ativado – ITA
1967 – 1º Estudo após a
descoberta do benefício
terapêutico da Beta
Glucuronidase
1975 - 1º Estudo em
Humanos, estudo em 5
pacientes demonstrou
relevância clínica à terapia
1988 – Primeiro Duplo
Cego Randomizado -
Summer Hay Fever , P.
FELL e Brostoff
1975– Primeiro estudo
para Alergias alimentares
A origem
Após a publicação do professor Jonathan Brostoff MD – o método é considerado
seguro e eficaz. O Professor Brostoff é reconhecido como autoridade internacional
em alergia alimentar e intolerância.
Senior Research Fellow and Professor Emeritus of Allergy and Environmental Health at Kings College, London.
Director of the Centre for Allergy Research at University College London in charge of the Allergy Clinic.
• Década de 90, diversos estudos e meta análises
elevam ao patamar de nova Imunoterapia no
Congresso Europeu de Alergia
• Final da década de 90 a B Glucana é incluída no
A origem
• Final da década de 90 a B Glucana é incluída no
rol das substâncias modificadoras de resposta
Imune (IMRS).
• O Método é considerado seguro e chega ao
Brasil e os Estados Unidos em 1993.
Atualmente pode ser encontrada
LDA –
USA
LDA –
Canadá
LDA –
Coréia do
EPD -
Inglaterra
ITA -
Brasil
Coréia do
Sul
LDA -
Dubai
LDA: low dose antigen; EPD: enzyme potentiated desensitation
Do que a ITA é composta
Imuno-
modulador
Imuno-
estimulante
ITA
Alérgenos
 B-Glucoronidase
*Agente enzimático fisiológico regulador da
resposta imune.
IMUNOMODULADOR
Componentes da ITA
 B-Glucana
Polissacarídeo que reforça a resposta por atuar
em receptores específicos superfície dos
IMUNOESTIMULANTE
Componentes da ITA
em receptores específicos superfície dos
macrófagos
* fator potencializador da fagocitose.
Expressão de
novas células
tolerantes
(Linfócitos CD4
Promover o
equilíbrio na
Principais mecanismos
de ação da ITA
(Linfócitos CD4
– auxiliares e
CD8 - e
supressores
citotóxicas)
equilíbrio na
resposta
TH2/TH1
 Doenças alérgicas (rinite, asma, dermatite atópica,
picada de insetos)
 Alergias alimentares
 Infecções de repetição incluindo:
o ITU repetição
Principais indicações clínicas
o Bacterianas
o Candidíase de repetição
o Herpes
o Acne
 Dermatites de contato a Níquel
 Sensibilidade a cheiros
 Imunoestimulante inespecífico
INALANTES IC IØ
IXRD IXRØINALANTES, INGESTANTANTES, ALIMENTOS, ADITIVOS
ALIMENTARES E CONSERVANTES, CANDIDA.
XEXE XØXØ
INSETOS MC
IN
SC
MTXC
MICÓTICOS MKC
MKTXRC
OID
Apresentações
MKTXRC
BACTERIANOS 1 TXC
RIB
Ø
ECC PKC
BACTERIANOS 2
TXSKR
D
INAL + BACT ITXRC
IMUNOESTIMULANTE BG
DERM. CONT. DCCr DCNi
QUÍMICOS SQD SQF
SQ
P
SQT SQSu DCCr DCNi
VÍRUS HHV HPV
Artrite Reumatóide x Proteus
 https://www.ncbi.nlm.nih.
gov/pubmed/28889208
 https://www.ncbi.nlm.nih.
gov/pubmed/28516867
 https://www.ncbi.nlm.nih.
gov/pubmed/27722971
 https://www.ncbi.nlm.nih. https://www.ncbi.nlm.nih.
gov/pubmed/23992372
 https://www.ncbi.nlm.nih.
gov/pubmed/22749779
 https://www.ncbi.nlm.nih.
gov/pubmed/19895906
 https://www.ncbi.nlm.nih.
gov/pubmed/17983708
Posologia prática: intervalo entre
doses de 8 a 10 semanas
Pequeno volume aplicado (0,05ml)
Baixo risco: ausência de efeitos
adversos locais e sistêmicos
Diversificadas possibilidades
Benefícios da ITA
Diversificadas possibilidades
terapêuticas
Atuação em reações cruzadas de
alergenos
Equilíbrio imunológico
Não contém conservantes
Facilidade de adesão do paciente
#dica
Convite
Muito Obrigada!
Contatos:
draviviancamposvs@gmail.com
www.draviviancampos.com.brwww.draviviancampos.com.br
Segue lá:
@draviviancampos facebook.com/verdadeirasaude

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Asma sessão clínica
Asma  sessão clínicaAsma  sessão clínica
Asma sessão clínica
Flávia Salame
 
Estrutura e funções dos anticorpos para alunos
Estrutura e funções dos anticorpos para alunosEstrutura e funções dos anticorpos para alunos
Estrutura e funções dos anticorpos para alunos
Gildo Crispim
 
Medicamentos Antivirais
Medicamentos AntiviraisMedicamentos Antivirais
Medicamentos Antivirais
Vanessa Silvério
 
Aula 1 introdução à sinalização celular
Aula 1   introdução à sinalização celularAula 1   introdução à sinalização celular
Aula 1 introdução à sinalização celular
Adriana Feltrin
 
Resposta inata e adquirida para alunos
Resposta inata e adquirida para alunosResposta inata e adquirida para alunos
Resposta inata e adquirida para alunos
Gildo Crispim
 
Imunidade Inata
Imunidade InataImunidade Inata
Imunidade Inata
LABIMUNO UFBA
 
Inflamação e Reparação
Inflamação e ReparaçãoInflamação e Reparação
Inflamação e Reparação
Jessica Monteiro
 
Aula - SNC - Ansiolíticos e Hipnóticos
Aula - SNC - Ansiolíticos e HipnóticosAula - SNC - Ansiolíticos e Hipnóticos
Aula - SNC - Ansiolíticos e Hipnóticos
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Farmacogenetica
FarmacogeneticaFarmacogenetica
Farmacogenetica
Marcos Alan
 
Anticorpos
AnticorposAnticorpos
Anticorpos
LABIMUNO UFBA
 
ICSA17 - Fundamentos e Tipos de Vacinas
ICSA17 - Fundamentos e Tipos de VacinasICSA17 - Fundamentos e Tipos de Vacinas
ICSA17 - Fundamentos e Tipos de Vacinas
Ricardo Portela
 
Aula antimicrobianos
Aula antimicrobianosAula antimicrobianos
Aula antimicrobianos
Amanda Valle Pinhatti
 
Antivirais
AntiviraisAntivirais
Antivirais
Laíz Coutinho
 
5. sistema nervoso
5. sistema nervoso5. sistema nervoso
5. sistema nervoso
Luiz Gonçalves Mendes Jr
 
Introdução à quimioterapia
Introdução à quimioterapiaIntrodução à quimioterapia
Introdução à quimioterapia
Caio Maximino
 
Micologia médica
Micologia médica Micologia médica
Micologia médica
João Monteiro
 
MHC
MHCMHC
Ap4 - Anticorpos Monoclonais
Ap4 - Anticorpos MonoclonaisAp4 - Anticorpos Monoclonais
Ap4 - Anticorpos Monoclonais
LABIMUNO UFBA
 
Antígeno
AntígenoAntígeno
Antígeno
Gildo Crispim
 
Antifúngicos
Antifúngicos Antifúngicos
Antifúngicos
Thiara Cerqueira
 

Mais procurados (20)

Asma sessão clínica
Asma  sessão clínicaAsma  sessão clínica
Asma sessão clínica
 
Estrutura e funções dos anticorpos para alunos
Estrutura e funções dos anticorpos para alunosEstrutura e funções dos anticorpos para alunos
Estrutura e funções dos anticorpos para alunos
 
Medicamentos Antivirais
Medicamentos AntiviraisMedicamentos Antivirais
Medicamentos Antivirais
 
Aula 1 introdução à sinalização celular
Aula 1   introdução à sinalização celularAula 1   introdução à sinalização celular
Aula 1 introdução à sinalização celular
 
Resposta inata e adquirida para alunos
Resposta inata e adquirida para alunosResposta inata e adquirida para alunos
Resposta inata e adquirida para alunos
 
Imunidade Inata
Imunidade InataImunidade Inata
Imunidade Inata
 
Inflamação e Reparação
Inflamação e ReparaçãoInflamação e Reparação
Inflamação e Reparação
 
Aula - SNC - Ansiolíticos e Hipnóticos
Aula - SNC - Ansiolíticos e HipnóticosAula - SNC - Ansiolíticos e Hipnóticos
Aula - SNC - Ansiolíticos e Hipnóticos
 
Farmacogenetica
FarmacogeneticaFarmacogenetica
Farmacogenetica
 
Anticorpos
AnticorposAnticorpos
Anticorpos
 
ICSA17 - Fundamentos e Tipos de Vacinas
ICSA17 - Fundamentos e Tipos de VacinasICSA17 - Fundamentos e Tipos de Vacinas
ICSA17 - Fundamentos e Tipos de Vacinas
 
Aula antimicrobianos
Aula antimicrobianosAula antimicrobianos
Aula antimicrobianos
 
Antivirais
AntiviraisAntivirais
Antivirais
 
5. sistema nervoso
5. sistema nervoso5. sistema nervoso
5. sistema nervoso
 
Introdução à quimioterapia
Introdução à quimioterapiaIntrodução à quimioterapia
Introdução à quimioterapia
 
Micologia médica
Micologia médica Micologia médica
Micologia médica
 
MHC
MHCMHC
MHC
 
Ap4 - Anticorpos Monoclonais
Ap4 - Anticorpos MonoclonaisAp4 - Anticorpos Monoclonais
Ap4 - Anticorpos Monoclonais
 
Antígeno
AntígenoAntígeno
Antígeno
 
Antifúngicos
Antifúngicos Antifúngicos
Antifúngicos
 

Semelhante a Orthoregen 2018

Apresentação imunologia
Apresentação imunologiaApresentação imunologia
Apresentação imunologia
Gildo Crispim
 
Imunidade_e_controlo_de_doencas.Parte_2.pdf
Imunidade_e_controlo_de_doencas.Parte_2.pdfImunidade_e_controlo_de_doencas.Parte_2.pdf
Imunidade_e_controlo_de_doencas.Parte_2.pdf
vitorepalmeida1
 
2. aspectos gerais das respostas imunes
2. aspectos gerais das respostas imunes2. aspectos gerais das respostas imunes
2. aspectos gerais das respostas imunes
FAMENE 2018.2b
 
semana 10.1.pdf
semana 10.1.pdfsemana 10.1.pdf
semana 10.1.pdf
NailtonGomes3
 
aula de patologia gerallllllllllllll.ppt
aula de patologia gerallllllllllllll.pptaula de patologia gerallllllllllllll.ppt
aula de patologia gerallllllllllllll.ppt
Alciosantos1
 
1 power-point 12º sistema imunitário-doenças e desequilíbrios [modo de compat...
1 power-point 12º sistema imunitário-doenças e desequilíbrios [modo de compat...1 power-point 12º sistema imunitário-doenças e desequilíbrios [modo de compat...
1 power-point 12º sistema imunitário-doenças e desequilíbrios [modo de compat...
Cidalia Aguiar
 
Book imunidade siebra
Book imunidade siebraBook imunidade siebra
Book imunidade siebra
jasonkill
 
Book imunidade siebra
Book imunidade siebraBook imunidade siebra
Book imunidade siebra
jasonkill
 
Diagnóstico e tratamento das imunodeficiências
Diagnóstico e tratamento das imunodeficiênciasDiagnóstico e tratamento das imunodeficiências
Diagnóstico e tratamento das imunodeficiências
benshiromkt
 
Slide imuno
Slide imunoSlide imuno
Slide imuno
Lucas Almeida Sá
 
Fatores de transferencia
Fatores de transferenciaFatores de transferencia
Fatores de transferencia
ENESP
 
Fatores de transferencia
Fatores de transferenciaFatores de transferencia
Fatores de transferencia
ENESP
 
Fatores de transferencia
Fatores de transferenciaFatores de transferencia
Fatores de transferencia
NatalNet Natal
 
Benefícios da Ganoderma Lucidum - Organo Gold
Benefícios da Ganoderma Lucidum - Organo GoldBenefícios da Ganoderma Lucidum - Organo Gold
Benefícios da Ganoderma Lucidum - Organo Gold
Vitor Chiaratti
 
Sistema imune
Sistema imuneSistema imune
Sistema imune
Alessandra Firmino
 
Aula - Anti-inflamatórios esteróidais
Aula - Anti-inflamatórios esteróidaisAula - Anti-inflamatórios esteróidais
Aula - Anti-inflamatórios esteróidais
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Infecção e Auto-imunidade
Infecção e Auto-imunidadeInfecção e Auto-imunidade
Infecção e Auto-imunidade
Fredy RS Gutierrez
 
A importância do tratamento de dessensibilização na alergia às
A importância do tratamento de dessensibilização na alergia àsA importância do tratamento de dessensibilização na alergia às
A importância do tratamento de dessensibilização na alergia às
Natália Silva
 
Imunologia microbiologia-120619090859-phpapp02
Imunologia microbiologia-120619090859-phpapp02Imunologia microbiologia-120619090859-phpapp02
Imunologia microbiologia-120619090859-phpapp02
DavidMurbach1
 
Fisiologia do Sistema Imunológico e Exercício Físico
Fisiologia do Sistema Imunológico e Exercício FísicoFisiologia do Sistema Imunológico e Exercício Físico
Fisiologia do Sistema Imunológico e Exercício Físico
Diversas instituições
 

Semelhante a Orthoregen 2018 (20)

Apresentação imunologia
Apresentação imunologiaApresentação imunologia
Apresentação imunologia
 
Imunidade_e_controlo_de_doencas.Parte_2.pdf
Imunidade_e_controlo_de_doencas.Parte_2.pdfImunidade_e_controlo_de_doencas.Parte_2.pdf
Imunidade_e_controlo_de_doencas.Parte_2.pdf
 
2. aspectos gerais das respostas imunes
2. aspectos gerais das respostas imunes2. aspectos gerais das respostas imunes
2. aspectos gerais das respostas imunes
 
semana 10.1.pdf
semana 10.1.pdfsemana 10.1.pdf
semana 10.1.pdf
 
aula de patologia gerallllllllllllll.ppt
aula de patologia gerallllllllllllll.pptaula de patologia gerallllllllllllll.ppt
aula de patologia gerallllllllllllll.ppt
 
1 power-point 12º sistema imunitário-doenças e desequilíbrios [modo de compat...
1 power-point 12º sistema imunitário-doenças e desequilíbrios [modo de compat...1 power-point 12º sistema imunitário-doenças e desequilíbrios [modo de compat...
1 power-point 12º sistema imunitário-doenças e desequilíbrios [modo de compat...
 
Book imunidade siebra
Book imunidade siebraBook imunidade siebra
Book imunidade siebra
 
Book imunidade siebra
Book imunidade siebraBook imunidade siebra
Book imunidade siebra
 
Diagnóstico e tratamento das imunodeficiências
Diagnóstico e tratamento das imunodeficiênciasDiagnóstico e tratamento das imunodeficiências
Diagnóstico e tratamento das imunodeficiências
 
Slide imuno
Slide imunoSlide imuno
Slide imuno
 
Fatores de transferencia
Fatores de transferenciaFatores de transferencia
Fatores de transferencia
 
Fatores de transferencia
Fatores de transferenciaFatores de transferencia
Fatores de transferencia
 
Fatores de transferencia
Fatores de transferenciaFatores de transferencia
Fatores de transferencia
 
Benefícios da Ganoderma Lucidum - Organo Gold
Benefícios da Ganoderma Lucidum - Organo GoldBenefícios da Ganoderma Lucidum - Organo Gold
Benefícios da Ganoderma Lucidum - Organo Gold
 
Sistema imune
Sistema imuneSistema imune
Sistema imune
 
Aula - Anti-inflamatórios esteróidais
Aula - Anti-inflamatórios esteróidaisAula - Anti-inflamatórios esteróidais
Aula - Anti-inflamatórios esteróidais
 
Infecção e Auto-imunidade
Infecção e Auto-imunidadeInfecção e Auto-imunidade
Infecção e Auto-imunidade
 
A importância do tratamento de dessensibilização na alergia às
A importância do tratamento de dessensibilização na alergia àsA importância do tratamento de dessensibilização na alergia às
A importância do tratamento de dessensibilização na alergia às
 
Imunologia microbiologia-120619090859-phpapp02
Imunologia microbiologia-120619090859-phpapp02Imunologia microbiologia-120619090859-phpapp02
Imunologia microbiologia-120619090859-phpapp02
 
Fisiologia do Sistema Imunológico e Exercício Físico
Fisiologia do Sistema Imunológico e Exercício FísicoFisiologia do Sistema Imunológico e Exercício Físico
Fisiologia do Sistema Imunológico e Exercício Físico
 

Último

Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de suturaTipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
DelcioVumbuca
 
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdfVacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
rickriordan
 
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
AmaroAlmeidaChimbala
 
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptxSíndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
marjoguedes1
 
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
sula31
 
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do TrabalhoApostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
CatieleAlmeida1
 
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 

Último (7)

Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de suturaTipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
 
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdfVacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
 
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
 
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptxSíndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
 
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
 
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do TrabalhoApostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
 
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
 

Orthoregen 2018

  • 1. Imunomodulação -Uma abordagem Integrativa ORTHOREGEN 2018 – International Symposium Dra Vivian Campos CRM 128588 SP/ 15858 SC
  • 2. Que Bicho é Esse? – Um conto do elefante na escuridão
  • 4.
  • 5. Principal objetivo Apresentar diferentes ferramentas de Imunomodulação como forma de preparo do terrenoforma de preparo do terreno biológico no tratamento de doenças crônicas.
  • 6. Proposta de Estudos Breve revisão de Imunologia Benefícios da ImunomodulaçãoBenefícios da Imunomodulação Ferramentas Imunomoduladoras
  • 7. Investigação •Anamnese •Exames físicos • Exames complementares • Ambiental Doenças Crônicas Fatores externos • Ambiental • Alimentar • Emocional Tratamento • Medicação sintomática • Tratamentos de manutenção/regenerativos Imunomodulação
  • 8. Resposta Imune “...é uma reação aos componentes de microrganismos, bem como a macromoléculas, tais como proteínas e polissacarídios, e pequenos agentespolissacarídios, e pequenos agentes químicos que são reconhecidos como estranhos, independentemente da consequência fisiológica ou patológica de tal reação.” (Abbas, A. K.; et./al. – 2015-Imunologia Celular e Molecular – 8. ed. - Rio de Janeiro : Elsevier)
  • 9. Inata x Adaptativa (Abbas, A. K.; et./al. – 2015-Imunologia Celular e Molecular – 8. ed. - Rio de Janeiro : Elsevier)
  • 10. Imunidade Inata Imunidade Adaptativa Inata x Adaptativa Imunidade Inata •Mecanismos Prévios a infecção •Resposta rápida •Não específica Imunidade Adaptativa •Específica: epítopos/ Resposta tardia •Memória •Autolimitação •Não- reatividade ao próprio 1. Barreiras - pele, intestino, BHE, fascia, lagrimas 2. Cel. fagocíticas (neutrófilos, macrógafos), 3. Cel. Liberadoras de mediadores inflamatórios( mastócitos, eosinófilos, basófilos) 4. Proteínas inflamatorias 5. Celulas natural killers – NK 6. Citocinas 1. APCs (Cel. Apresentadora de antigenos) Ag p/ cels T 2. Cels T ativadas auxiliam cels B e matam cels anormais e infectadas 3. Cels B – anticorpo para Ag específico 4. Citocinas
  • 11. Inata x Adaptativa Lembre-se: Divisão é muito mais didática – alteração em um altera o outro!
  • 12. E quando as coisas não funcionam como deveriam... Hipersensibilidade: Reação exagerada a substância estranha ( Alergias IgE, IgG) Auto-imunidade: Reação inapropriada contra o próprio, perda da capacidade de auto- reconhecimento/tolerância
  • 13. E quando as coisas não funcionam como deveriam... Imunodeficiência: resposta ineficiente, perda da função do sistema imune – primária ou adquirida Inflamação: Resposta muito intensa a agressões externas, levando a danos teciduais
  • 14. AGUDAAGUDA CRÔNICACRÔNICA  Resposta imediata a lesão/ infecção, dura dias Edema, eritema, calor,  Resposta tardia ou mantida a patógenos intracelulares ou auto- Inflamação  Edema, eritema, calor, dor  Resposta Inata  Benéfica: leva a eliminação da infecção e recuperação tecidual intracelulares ou auto- antígenos  Resposta adaptativa e inata  Geralmente local em pontos específicos  Danosa, leva a degeneração tecidual
  • 15. Tem por objetivo melhorar a capacidade de defesa do sistema imunológico e também sua auto- regulação. Muito mais vantajoso do que métodos imunosupressores. Imunomodulação métodos imunosupressores. Efeito de longo prazo. Auxilia no controle da resposta inflamatória .
  • 16. Imunomodulação  Estilo de vida ( Alimentação; sono; atividade física; controle do stress)  Ozonioterapia  Homotoxicologia  Nutracêuticos  Naltrexona em baixa dose  ITA – imunoestimulante terapêutico ativado
  • 20. OZONIOTERAPIA  A ozonioterapia é uma técnica que utiliza a aplicação de uma mistura dos gases oxigênio e ozônio, por diversas vias de administração, com finalidade terapêutica.  Ozônio medicinal é sempre uma mistura de ozônio e Ozônio medicinal é sempre uma mistura de ozônio e oxigênio.  Concentrações X Finalidade  Vantagens: Diversas vias de aplicação; baixo custo; baixo risco http://www.aboz.org.br/ozonioterapia/sobre-a-ozonioterapia/13/
  • 21. OZONIOTERAPIA ROS Reactive oxygen species LOPs Lipid oxidation products Bocci, Vellio – 2005 - OZONE A New Medical Drug; Ed. Springer USA
  • 22. Ozônio Regula estresse Ox Regulador metabólico Melhora atividade do O2 Germicida de amplo espectro Modulador Imunológico Modula liberação de autacoides
  • 25. HOMOTOXICOLOGIA ( Medicina Biorreguladora)  Hans Heinrich Reckeweg: Conceito dinâmico de doença  Conceito: Cada organismo é um sistema de fluxo dinâmico em constante mudança para adaptação aos estímulos ( internos e externos) buscando seaos estímulos ( internos e externos) buscando se manter sempre em equilíbrio  Origem embriológica do tecido determina evolução da doença  Ponte entre homeopatia e medicina convencional
  • 27. HOMOTOXICOLOGIA ( Medicina Biorreguladora)  Traumeel – imunomodulador, anti-inflamatório  Zeel – doenças osteo-articulares  Spascupreel – relaxante musculatura lisa Vias de Aplicação: VO,IM, EV, SC, I, IA, tópicaVias de Aplicação: VO,IM, EV, SC, I, IA, tópica Outros disponíveis no Brasil  Engystol – imunomodulador; infecções virais  Vertigoheel - circulação  Euphorbium- IVAS; alergias respiratórias  Neurexan – ansiolítico  Grippheel – gripes e resfriados
  • 31.  Melhoram a imunidade  Diminuem frequência de infecções  Opções: Vitamina C de 500mg a 1000mg/dia Vitamina E de 200UI a 400Ui/dia Vitaminas e Fitoterápicos Vitamina E de 200UI a 400Ui/dia Vitamina D3 ???? Zinco quelado 15mg a 30mg/ dia Cobre quelado 1,0mg a 2,0mg/dia Echinacea de 150mg a 250mg 1 a 4x ao dia Astragalus de 150mg a 250mg/dia 1 a 2x ao dia Epicor de 50mg a 150mg/ dia 1 a 2x ao dia
  • 32. Nutracêuticos Imunomoduladores  Bioflavonóides (carotenóides, catequinas)  Curcumina, Hesperidina, Pycnogenol, Quercetina, Rutina.  N-acetil cisteína  Glutationa  Glicoxil Osteosil – fosfato + silicio organico Osteosil – fosfato + silicio organico  Omega 3 and Omega 6(DGLA) EFAs  Fitoterápicos:  Boswellia (Move) , Chá verde, Cat’s Claw, Licorice, Aloevera Ginger, Garlic, Ginseng  Canabinóides Aggarwal, B.B. and K.B. Harikumar, Potential therapeutic effects of curcumin, the anti-inflammatory agent, against neurodegenerative, cardiovascular, pulmonary, metabolic, autoimmune and neoplastic diseases. Int J Biochem Cell Biol, 2009. 41(1): p. 40-59.
  • 33. Vitamina D Avaliar:  PTH  Calcitonina  Ca sérico/iônico/ 24h Ca sérico/iônico/ 24h  Individualidade metabólica  Lembrar do conjunto: Vit D3 – Vit K2 MK7 – Mg – B Vias de aplicação: VO, IM, TD
  • 34. Vitamina D Nonclassic actions of Vitamin D. Bikle D. J Clin Endocrinol Metab January 2009, 94(1): 26-34. • Inibe proliferação de T cell • Aumenta IL-10 and TGF-beta • Aumenta T regs • Diminui inflamação por resposta inata Evidence that vitamin D3 reverses age-related inflammatory changes in the rat hippocampus. Moore ME et al. Biochemical Society Transactions (2005) 33(4): 573- 577.
  • 35. Low Dose of Naltrexone - LDN
  • 36. LDN
  • 37. LDN  DOSE: 1,5 A 4,5mg entre 21h e 2h  Iniciar com doses baixas e aumentar progressivamente  http://www.lowdosenaltrexone.org/  https://www.ldnresearchtrust.org/USA
  • 39. 1967 – 1º Estudo após a descoberta do benefício terapêutico da Beta Glucuronidase 1975 - 1º Estudo em Humanos, estudo em 5 pacientes demonstrou relevância clínica à terapia 1988 – Primeiro Duplo Cego Randomizado - Summer Hay Fever , P. FELL e Brostoff 1975– Primeiro estudo para Alergias alimentares A origem Após a publicação do professor Jonathan Brostoff MD – o método é considerado seguro e eficaz. O Professor Brostoff é reconhecido como autoridade internacional em alergia alimentar e intolerância. Senior Research Fellow and Professor Emeritus of Allergy and Environmental Health at Kings College, London. Director of the Centre for Allergy Research at University College London in charge of the Allergy Clinic.
  • 40. • Década de 90, diversos estudos e meta análises elevam ao patamar de nova Imunoterapia no Congresso Europeu de Alergia • Final da década de 90 a B Glucana é incluída no A origem • Final da década de 90 a B Glucana é incluída no rol das substâncias modificadoras de resposta Imune (IMRS). • O Método é considerado seguro e chega ao Brasil e os Estados Unidos em 1993.
  • 41. Atualmente pode ser encontrada LDA – USA LDA – Canadá LDA – Coréia do EPD - Inglaterra ITA - Brasil Coréia do Sul LDA - Dubai LDA: low dose antigen; EPD: enzyme potentiated desensitation
  • 42. Do que a ITA é composta Imuno- modulador Imuno- estimulante ITA Alérgenos
  • 43.  B-Glucoronidase *Agente enzimático fisiológico regulador da resposta imune. IMUNOMODULADOR Componentes da ITA
  • 44.  B-Glucana Polissacarídeo que reforça a resposta por atuar em receptores específicos superfície dos IMUNOESTIMULANTE Componentes da ITA em receptores específicos superfície dos macrófagos * fator potencializador da fagocitose.
  • 45. Expressão de novas células tolerantes (Linfócitos CD4 Promover o equilíbrio na Principais mecanismos de ação da ITA (Linfócitos CD4 – auxiliares e CD8 - e supressores citotóxicas) equilíbrio na resposta TH2/TH1
  • 46.  Doenças alérgicas (rinite, asma, dermatite atópica, picada de insetos)  Alergias alimentares  Infecções de repetição incluindo: o ITU repetição Principais indicações clínicas o Bacterianas o Candidíase de repetição o Herpes o Acne  Dermatites de contato a Níquel  Sensibilidade a cheiros  Imunoestimulante inespecífico
  • 47. INALANTES IC IØ IXRD IXRØINALANTES, INGESTANTANTES, ALIMENTOS, ADITIVOS ALIMENTARES E CONSERVANTES, CANDIDA. XEXE XØXØ INSETOS MC IN SC MTXC MICÓTICOS MKC MKTXRC OID Apresentações MKTXRC BACTERIANOS 1 TXC RIB Ø ECC PKC BACTERIANOS 2 TXSKR D INAL + BACT ITXRC IMUNOESTIMULANTE BG DERM. CONT. DCCr DCNi QUÍMICOS SQD SQF SQ P SQT SQSu DCCr DCNi VÍRUS HHV HPV
  • 48.
  • 49.
  • 50. Artrite Reumatóide x Proteus  https://www.ncbi.nlm.nih. gov/pubmed/28889208  https://www.ncbi.nlm.nih. gov/pubmed/28516867  https://www.ncbi.nlm.nih. gov/pubmed/27722971  https://www.ncbi.nlm.nih. https://www.ncbi.nlm.nih. gov/pubmed/23992372  https://www.ncbi.nlm.nih. gov/pubmed/22749779  https://www.ncbi.nlm.nih. gov/pubmed/19895906  https://www.ncbi.nlm.nih. gov/pubmed/17983708
  • 51. Posologia prática: intervalo entre doses de 8 a 10 semanas Pequeno volume aplicado (0,05ml) Baixo risco: ausência de efeitos adversos locais e sistêmicos Diversificadas possibilidades Benefícios da ITA Diversificadas possibilidades terapêuticas Atuação em reações cruzadas de alergenos Equilíbrio imunológico Não contém conservantes Facilidade de adesão do paciente
  • 52. #dica