SlideShare uma empresa Scribd logo
Orçamento Participativo 
Experiências de implementação no Brasil
O Orçamento Participativo 
• O orçamento participativo é um mecanismo de gestão 
governamental e instrumento de participação popular, que tem 
como elementos centrais, além da participação cidadã, a busca de 
um novo modelo de desenvolvimento para o Brasil, a concepção 
participativa e deliberativa de democracia e a reinvenção político-institucional. 
• Isto é, a sociedade civil organizada sempre influenciou 
indiretamente nas decisões orçamentárias dos governos, 
entretanto com o orçamento participativo cria-se um caminho 
institucional e direto para a interferência no orçamento público.
Histórico 
Segundo Pires (2000), a história do orçamento participativo divide-se 
em três grandes momentos, que são: 
• a) Experiências precursoras (alguns modelos de participação 
popular). Prefeitura de Vila Velha no Espírito Santo e a de Lages, 
no Estado de Santa Catarina; 
• b) O segundo momento surge após a conquista do PT (Partido dos 
Trabalhadores) de 36 (trinta e seis) prefeituras nas eleições de 
1985, onde a sistemática e os objetivos desta metodologia 
conseguem ser levados à prática de forma deliberada; 
• c) Um terceiro e último momento grava-se pela adoção da 
metodologia por diferentes grupos partidários e por organizações 
não governamentais.
• A Constituição Federal de 1988 - municípios são criados e novos 
instrumentos de gestão, como os conselhos gestores e o OP, 
ampliaram-se. 
• Com amparo legal na Constituição de 1988 e nas Leis Orgânicas 
dos Municípios, o início da difusão do fenômeno denominado de 
Orçamento Participativo tem estado, geralmente, associado às 
administrações municipais do Partido dos Trabalhadores.
Estatuto da cidade 
O Orçamento Participativo se consolida, com a diminuição do poder de 
uma elite burocrática repassando-o diretamente para a sociedade, cuja 
definição está disposta no art. 43 do Estatuto da Cidade, através de: 
• I – órgãos colegiados de política urbana, nos níveis nacional, estadual e 
municipal; 
• II – debates, audiências e consultas públicas; 
• III – conferências sobre assuntos de interesse urbano, em nível nacional, 
estadual e municipal; 
• IV – iniciativa popular de projeto de lei e de planos, programas e 
projetos de desenvolvimento urbano.
• Juridicamente, nos municípios que adotam esta prática, é a Lei 
de Diretrizes Orçamentárias que prevê a adoção, pelo Poder 
Executivo, de mecanismos capazes de estimular a participação 
social na consulta para a indicação de prioridades na elaboração 
da Lei de Orçamento. Em geral, as LDOs prevêem, também, sua 
responsabilidade na fiscalização da execução das obras e 
serviços prioritários indicados e da aplicação desses recursos.
O Orçamento Participativo 
• Com a abertura desse novo espaço de participação, pela via direta, 
pretende-se conceder legitimidade ao Executivo na realização de suas 
ações além de promover o espírito cidadão nas cidades, uma vez que 
toda população tem a possibilidade de intervir nas decisões políticas – e 
com isso intervir nas políticas públicas, nas obras de infraestrutura, 
entre outros. 
• Genro e Calife (2002) dizem que “a principal riqueza do Orçamento 
Participativo é a democratização da relação do Estado com a 
sociedade”. Esta experiência rompe com a visão tradicional da 
política, em que o cidadão encerra a sua participação política no ato 
de votar.
O Orçamento Participativo 
Basicamente os objetivos essenciais do orçamento participativo são: 
• a) Com a participação direta da população, pretende-se melhor 
definir as prioridades essenciais para os investimentos públicos das 
cidades; 
• b) Aumentar a responsabilidade dos gestores públicos para com a 
população por ele administrada, de modo que corresponda aos 
anseios por ela avocados;
O Orçamento Participativo 
Basicamente os objetivos essenciais do orçamento participativo são: 
• c) Diminuir um pouco o poder de decisão de prefeitos e 
vereadores, e assim abrir caminho institucional, para que a 
população também possa opinar sobre a aplicação das verbas 
públicas; 
• d) Entre outros casos, o orçamento participativo, também teria o 
intuito de diminuir a corrupção que afeta os órgãos públicos em 
nosso país, já que a população passaria a fiscalizar a destinação 
dos recursos do município.
METODOLOGIAS DE IMPLEMENTAÇÃO DO 
ORÇAMENTO PARTICIPATIVO 
• Todas as experiências de orçamento participativo começam 
dividindo a cidade em regiões, onde ocorrem reuniões gerais 
realizadas nos bairros, comunidades rurais ou micro regiões, 
nessas reuniões ocorre a coleta das demandas, uma primeira 
seleção de prioridades locais, e às vezes, uma seleção de 
prioridades para a cidade como um todo. 
• Nessas reuniões gerais são escolhidos os delegados, que são 
eleitos, em geral, proporcionalmente ao número de habitantes ou 
de participantes nas regiões. Por exemplo, 10 mil habitantes dão 
direito a eleger um delegado.
METODOLOGIAS DE IMPLEMENTAÇÃO DO 
ORÇAMENTO PARTICIPATIVO 
• As principais funções dos delegados são repassar informações aos 
moradores e deliberar num primeiro momento sobre as prioridades 
regionais e municipais. 
• Na maioria dos processos de OP existe um Conselho Municipal que 
é onde se reúnem os delegados, com seus participantes, para 
debater e deliberar sobre os investimentos e prioridades do 
orçamento público.
• Após a deliberação sobre as prioridades para os investimentos ou 
para todo o orçamento do município, o governo elabora a 
chamada “Peça Orçamentária” ou “Projeto de Lei Orçamentária 
Anual” Este projeto de Lei é elaborado pelos órgãos da prefeitura 
e segue para a Câmara Municipal para debates, no período de 
setembro a dezembro de cada ano. A Câmara de Vereadores é 
quem aprova a Lei de Orçamento Municipal e pode acrescentar 
emendas que alteram seu conteúdo.
Alguns Casos do Orçamento Participativo:
http://www.pmf.sc.gov.br/sites/onb/
JUSTIFICATIVA: Existem diversas obras que precisam ser feitas, porém a 
prefeitura não tem capacidade de atender toda essa demanda. 
Afim de elencar as prioridades foi decidido que os próprios munícipes 
iriam decidir o que deve ser feito. 
“Este deverá ser um dos nossos instrumentos de democratização e de 
participação do florianopolitano na gestão pública municipal, reafirmando 
assim nosso compromisso de uma cidade mais participativa e mais 
humana.”
O que é o Orçamento no Bairro? 
• O Projeto Orçamento no Bairro é uma instância de participação popular, criada 
pela Prefeitura de Florianópolis, pela qual, se delega à população a eleição das 
obras e ações prioritárias a serem executadas pela Prefeitura. Por intermédio deste 
mecanismo, a população escolhe dentro de um limite orçamentário, quais são as 
prioridades para seu bairro e a Prefeitura assume o compromisso de realizá-las. 
• Em um processo de votação, feito em dois momentos - uma eleição na microrregião 
e uma eleição geral da cidade - a população escolherá quais obras são prioritárias e 
que deverão ser executadas pela Prefeitura.
Divisão da Cidade 
• Para a execução deste projeto, dividiu-se a cidade em seis regiões 
e estas foram subdivididas em trinta microrregiões, observando 
se principalmente a necessidade de atenção de obras do poder 
público. 
• Na divisão, os bairros com maior carência de obras e atenção do 
poder público, ficaram em microrregiões menores, podendo assim 
ser atendido de maneira especial e prioritária estas localidades.
Analise técnica das obras 
• Todas as obras cadastradas, passarão por uma equipe técnica da prefeitura, 
que deverá avaliar principalmente o valor, tendo que se enquadrar no limite 
disponibilizado, além de visualizar a possibilidade de execução, como por 
exemplo se o local sugerido é adequado e se o plano diretor permite. 
• As obras só serão eliminadas, se estiverem fora deste padrão. Não haverá 
avaliação de mérito das obras. A avaliação será estritamente técnica. 
• Ao final da avaliação, será divulgada a listagem das obras aptas a votação e o 
motivo de eliminação das demais. 
• Depois, ocorrem as assembleias onde os representantes irão debater sobre a 
importância daquela determinada obra. 
• Por ultimo ocorre a votação.
Quantidade e valores das obras 
• No Projeto Orçamento no Bairro, serão escolhidas duas obras por 
microrregião, cada um de até R$ 250.000,00, totalizando R$ 500.000,00 
para a microrregião. No total, foram reservados R$ 15.000.000,00 para 
obras nas microrregiões. 
• Cada região, poderá definir uma obra, de até R$ 1.000.000,00. No total, 
foi reservado R$ 6.000.000,00 para as obras nas regiões. 
• E a cidade definirá uma obra prioritária, que não está sendo dado um 
valor limite, sendo que esta obra deverá ter uma importância para toda 
a cidade.
• Encerradas as 30 assembleias microrregionais, haverá uma tripla 
votação para escolha de mais 30 obras microrregionais no valor de R$ 
250 mil – beneficiando as microrregiões com um investimento de R$ 
500 mil – além de seis obras regionais, no valor de até R$ 1 milhão 
cada uma, e uma obra global para a cidade, com valor indefinido. Ou 
seja, o Orçamento no Bairro contemplará 67 obras. 
• Cabe informar ainda que a execução do projeto está garantida por 
uma rubrica genérica no valor de R$ 21 milhões, no orçamento da 
cidade para o ano de 2014.
Relato: 
“Encerramos a votação da primeira edição do Orçamento no Bairro! 
Experiência muito bacana! 
Como aluna de Administração Pública tive uma aula de engajamento 
comunitário hoje. Com o pouco movimento de cidadãos votando, fui nos 
mercados do bairro entregar cartazes e pedir que avisassem os clientes 
para votarem e chamarem seus familiares e vizinhos. Felizmente um dos 
avisados foi um cidadão super engajado que começou a ligar e a bater na 
casa dos vizinhos chamando para a votação. Juntos definiram o que era 
prioritário para dar força ao bairro na disputa.” 
Gestora do projeto
Barra Mansa 
• O município de Barra Mansa iniciou a implantação do OP 
simultaneamente a do estado do Rio de Janeiro, em contexto 
político partidário de alianças. 
• A campanha de governo, em 1996, com a coligação ‘muda Barra 
Mansa’ tinha no seu discurso político e ideológico a tentativa de 
evidenciar que a política local era o reflexo das ações 
controladoras e fisiológicas por parte daqueles que ali 
dominavam o poder local de modo hegemônico. 
• As primeiras reações e os efeitos na cultura política foram 
sentidos na implementação do OP já no primeiro ano, ao sofrer 
fortes resistências e oposições do Legislativo.
Efeitos do OP de Barra Mansa 
A) O OP inibiu a cultura política mais conservadora exercida pelos 
vereadores do município. Quebra da politica assistencialista. 
B) Perda de poder político do vereador, que se sentiu 
prejudicado, intimidado e desprestigiado pelo Executivo. 
C) Disputa política entre os vereadores e os representantes da 
sociedade civil – delegados e conselheiros
• “...através da discussão pública do orçamento, o histórico 
comportamento da administração pública de tratar a destinação dos 
recursos públicos de forma hermética, centralizadora, tecnocrática e 
marcadamente sem transparência, cede à possibilidade de participação 
direta da sociedade civil na formatação de ações governamentais. 
Torna-se patente que a introdução da discussão pública do orçamento 
apresenta-se como variável política capaz de alterar a qualidade da 
negociação de benefícios sociais entre governantes e governados, na 
medida em que a geração de um novo espaço público não estatal 
possibilita potencializar a governabilidade dos governos municipais em 
que se inserem, através da agregação de novos agentes políticos na 
negociação governamental, e provoca o incremento das exigências de 
accountability”. (SILBERSCHNEIDER, 1998:23)
Bibliografia 
• GENRO, Tarso e SOUZA, Ubiratan de. Orçamento Participativo: a experiência de 
Porto Alegre. Editora Fundação Perseu Abramo, São Paulo, 4 edição, 2001 
• ORÇAMENTO PARTICIPATIVO EM PORTO ALEGRE: Participação cidadã orienta a 
ação do Poder Público, controlando as prioridades e a execução de obras em 
favor da população carente. Disponível em: 
http://www.ibam.org.urbanos/assuntos3/blt5_2htm. 
• ORSI, Fábio Chagas. Orçamento Participativo: Uma Metodologia em Ascensão 
Porto Alegre 1997. 
• PIRES, Valdemir. Participação da Sociedade nos processos orçamentários: a 
experiência brasileira recente. Monografia vencedora do V Prêmio de 
Monografia do Tesouro Nacional (2000) 1º lugar/ Tema: Elaboração e Execução 
Orçamentária e Financeira 2 de setembro de 2000. Disponível em: 
http://www.tesouro.fazenda.gov.br/premio%20tn/conteudo_catalogos_pr5.html 
• http://gestaocompartilhada.pbh.gov.br/sites/gestaocompartilhada.pbh.gov.br/f 
iles/biblioteca/arquivos/op_como_instrumento_de_gestao_e_cidadania_0.pdf

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Administração direta e indireta
Administração direta e indiretaAdministração direta e indireta
Administração direta e indireta
Liliane França
 
Aula Direito Administrativo
Aula Direito AdministrativoAula Direito Administrativo
Aula Direito Administrativo
Grupo VAHALI
 
Resumao completo direito administrativo direito administrativo
Resumao completo direito administrativo   direito administrativoResumao completo direito administrativo   direito administrativo
Resumao completo direito administrativo direito administrativo
IDM - Inteligência de Mercado Consultoria
 
Direito Administrativo - Aula 4 - Organização da Administração Pública
Direito Administrativo - Aula 4  - Organização da Administração PúblicaDireito Administrativo - Aula 4  - Organização da Administração Pública
Direito Administrativo - Aula 4 - Organização da Administração Pública
Carlos José Teixeira Toledo
 
Direito Administrativo - Aula 3 - O regime jurídico e os princípios administ...
Direito Administrativo - Aula 3 -  O regime jurídico e os princípios administ...Direito Administrativo - Aula 3 -  O regime jurídico e os princípios administ...
Direito Administrativo - Aula 3 - O regime jurídico e os princípios administ...
Carlos José Teixeira Toledo
 
Direito Administrativo slide 1
Direito Administrativo slide 1Direito Administrativo slide 1
Direito Administrativo slide 1
Por las calles
 
Administração Pública - Aula 13: Estrutura da Administração Pública Brasileira
Administração Pública - Aula 13: Estrutura da Administração Pública BrasileiraAdministração Pública - Aula 13: Estrutura da Administração Pública Brasileira
Administração Pública - Aula 13: Estrutura da Administração Pública Brasileira
Marcus Araújo
 
Organização da administração publica - Prof Gesiel Oliveira
Organização da administração publica - Prof Gesiel OliveiraOrganização da administração publica - Prof Gesiel Oliveira
Organização da administração publica - Prof Gesiel Oliveira
Gesiel Oliveira
 
Direito Administrativo - Aula 1 - noções iniciais
Direito Administrativo - Aula 1 - noções iniciaisDireito Administrativo - Aula 1 - noções iniciais
Direito Administrativo - Aula 1 - noções iniciais
Carlos José Teixeira Toledo
 
Curso de Introdução ao Direito Administrativo
Curso de Introdução ao Direito AdministrativoCurso de Introdução ao Direito Administrativo
Curso de Introdução ao Direito Administrativo
chrystianlima
 
Gestão estratégica na administração pública
Gestão estratégica na administração públicaGestão estratégica na administração pública
Gestão estratégica na administração pública
Vlader Teixeira
 
Direito administrativo
Direito administrativoDireito administrativo
Direito administrativo
Italo Higino
 
Legislação Empresarial
Legislação EmpresarialLegislação Empresarial
Legislação Empresarial
Eliseu Fortolan
 
Direito administrativo Macetes
Direito administrativo MacetesDireito administrativo Macetes
Direito administrativo Macetes
Yara Souto Maior
 
Direito Administrativo - Entidades da Administração Pública
Direito Administrativo - Entidades da Administração PúblicaDireito Administrativo - Entidades da Administração Pública
Direito Administrativo - Entidades da Administração Pública
Amanda Almozara
 
Direito Administrativo - Aula 6 - Contratos
Direito Administrativo - Aula 6 - Contratos Direito Administrativo - Aula 6 - Contratos
Direito Administrativo - Aula 6 - Contratos
Daniel Oliveira
 
Orçamento público
Orçamento públicoOrçamento público
Orçamento público
Geraldo Lourenço
 
Direito Administrativo - Aula 3 - Atos Administrativos
Direito Administrativo - Aula 3 - Atos AdministrativosDireito Administrativo - Aula 3 - Atos Administrativos
Direito Administrativo - Aula 3 - Atos Administrativos
Daniel Oliveira
 
Direiro Administrativo - aula 8 - Atos administrativos - parte 1
Direiro Administrativo - aula 8 - Atos administrativos - parte 1Direiro Administrativo - aula 8 - Atos administrativos - parte 1
Direiro Administrativo - aula 8 - Atos administrativos - parte 1
Carlos José Teixeira Toledo
 
orcamento publico
orcamento publicoorcamento publico
orcamento publico
Loyane Florentino
 

Mais procurados (20)

Administração direta e indireta
Administração direta e indiretaAdministração direta e indireta
Administração direta e indireta
 
Aula Direito Administrativo
Aula Direito AdministrativoAula Direito Administrativo
Aula Direito Administrativo
 
Resumao completo direito administrativo direito administrativo
Resumao completo direito administrativo   direito administrativoResumao completo direito administrativo   direito administrativo
Resumao completo direito administrativo direito administrativo
 
Direito Administrativo - Aula 4 - Organização da Administração Pública
Direito Administrativo - Aula 4  - Organização da Administração PúblicaDireito Administrativo - Aula 4  - Organização da Administração Pública
Direito Administrativo - Aula 4 - Organização da Administração Pública
 
Direito Administrativo - Aula 3 - O regime jurídico e os princípios administ...
Direito Administrativo - Aula 3 -  O regime jurídico e os princípios administ...Direito Administrativo - Aula 3 -  O regime jurídico e os princípios administ...
Direito Administrativo - Aula 3 - O regime jurídico e os princípios administ...
 
Direito Administrativo slide 1
Direito Administrativo slide 1Direito Administrativo slide 1
Direito Administrativo slide 1
 
Administração Pública - Aula 13: Estrutura da Administração Pública Brasileira
Administração Pública - Aula 13: Estrutura da Administração Pública BrasileiraAdministração Pública - Aula 13: Estrutura da Administração Pública Brasileira
Administração Pública - Aula 13: Estrutura da Administração Pública Brasileira
 
Organização da administração publica - Prof Gesiel Oliveira
Organização da administração publica - Prof Gesiel OliveiraOrganização da administração publica - Prof Gesiel Oliveira
Organização da administração publica - Prof Gesiel Oliveira
 
Direito Administrativo - Aula 1 - noções iniciais
Direito Administrativo - Aula 1 - noções iniciaisDireito Administrativo - Aula 1 - noções iniciais
Direito Administrativo - Aula 1 - noções iniciais
 
Curso de Introdução ao Direito Administrativo
Curso de Introdução ao Direito AdministrativoCurso de Introdução ao Direito Administrativo
Curso de Introdução ao Direito Administrativo
 
Gestão estratégica na administração pública
Gestão estratégica na administração públicaGestão estratégica na administração pública
Gestão estratégica na administração pública
 
Direito administrativo
Direito administrativoDireito administrativo
Direito administrativo
 
Legislação Empresarial
Legislação EmpresarialLegislação Empresarial
Legislação Empresarial
 
Direito administrativo Macetes
Direito administrativo MacetesDireito administrativo Macetes
Direito administrativo Macetes
 
Direito Administrativo - Entidades da Administração Pública
Direito Administrativo - Entidades da Administração PúblicaDireito Administrativo - Entidades da Administração Pública
Direito Administrativo - Entidades da Administração Pública
 
Direito Administrativo - Aula 6 - Contratos
Direito Administrativo - Aula 6 - Contratos Direito Administrativo - Aula 6 - Contratos
Direito Administrativo - Aula 6 - Contratos
 
Orçamento público
Orçamento públicoOrçamento público
Orçamento público
 
Direito Administrativo - Aula 3 - Atos Administrativos
Direito Administrativo - Aula 3 - Atos AdministrativosDireito Administrativo - Aula 3 - Atos Administrativos
Direito Administrativo - Aula 3 - Atos Administrativos
 
Direiro Administrativo - aula 8 - Atos administrativos - parte 1
Direiro Administrativo - aula 8 - Atos administrativos - parte 1Direiro Administrativo - aula 8 - Atos administrativos - parte 1
Direiro Administrativo - aula 8 - Atos administrativos - parte 1
 
orcamento publico
orcamento publicoorcamento publico
orcamento publico
 

Destaque

Orçamento participativo
Orçamento participativoOrçamento participativo
Orçamento participativo
CapacitaPOA - SistemaPGLP
 
Cartilha - Orcamento Participativo
Cartilha - Orcamento ParticipativoCartilha - Orcamento Participativo
Cartilha - Orcamento Participativo
CapacitaPOA - SistemaPGLP
 
Orçamento Participativo Digital 2011
Orçamento Participativo Digital 2011Orçamento Participativo Digital 2011
Orçamento Participativo Digital 2011
Diário do Comércio - MG
 
Sildes Orçamento Participativo
Sildes Orçamento ParticipativoSildes Orçamento Participativo
Sildes Orçamento Participativo
Higor Victor
 
Cartilha - Orcamento Público
Cartilha - Orcamento PúblicoCartilha - Orcamento Público
Cartilha - Orcamento Público
CapacitaPOA - SistemaPGLP
 
Cartilha - Conceitos Básicos de Democracia
Cartilha - Conceitos Básicos de Democracia Cartilha - Conceitos Básicos de Democracia
Cartilha - Conceitos Básicos de Democracia
CapacitaPOA - SistemaPGLP
 
Cartilha porto alegre
Cartilha porto alegreCartilha porto alegre
Cartilha porto alegre
Paulo Rosa
 
Audiencia publica ldo, loa e ppa 2014
Audiencia publica ldo, loa e ppa 2014Audiencia publica ldo, loa e ppa 2014
Audiencia publica ldo, loa e ppa 2014
Portal Alarde - Informação Sem Maquiagem
 
Aula 2 conceitos_de_orcamento_publico (2)
Aula 2 conceitos_de_orcamento_publico (2)Aula 2 conceitos_de_orcamento_publico (2)
Aula 2 conceitos_de_orcamento_publico (2)
Ezequiel Ferreira de Jesus
 
Orçamento público orçamento no brasil
Orçamento público   orçamento no brasilOrçamento público   orçamento no brasil
Orçamento público orçamento no brasil
JokerLoble
 

Destaque (10)

Orçamento participativo
Orçamento participativoOrçamento participativo
Orçamento participativo
 
Cartilha - Orcamento Participativo
Cartilha - Orcamento ParticipativoCartilha - Orcamento Participativo
Cartilha - Orcamento Participativo
 
Orçamento Participativo Digital 2011
Orçamento Participativo Digital 2011Orçamento Participativo Digital 2011
Orçamento Participativo Digital 2011
 
Sildes Orçamento Participativo
Sildes Orçamento ParticipativoSildes Orçamento Participativo
Sildes Orçamento Participativo
 
Cartilha - Orcamento Público
Cartilha - Orcamento PúblicoCartilha - Orcamento Público
Cartilha - Orcamento Público
 
Cartilha - Conceitos Básicos de Democracia
Cartilha - Conceitos Básicos de Democracia Cartilha - Conceitos Básicos de Democracia
Cartilha - Conceitos Básicos de Democracia
 
Cartilha porto alegre
Cartilha porto alegreCartilha porto alegre
Cartilha porto alegre
 
Audiencia publica ldo, loa e ppa 2014
Audiencia publica ldo, loa e ppa 2014Audiencia publica ldo, loa e ppa 2014
Audiencia publica ldo, loa e ppa 2014
 
Aula 2 conceitos_de_orcamento_publico (2)
Aula 2 conceitos_de_orcamento_publico (2)Aula 2 conceitos_de_orcamento_publico (2)
Aula 2 conceitos_de_orcamento_publico (2)
 
Orçamento público orçamento no brasil
Orçamento público   orçamento no brasilOrçamento público   orçamento no brasil
Orçamento público orçamento no brasil
 

Semelhante a Orçamento Participativo

Orçamento participativo
Orçamento participativoOrçamento participativo
Orçamento participativo
julinumber
 
Apresentação[1]
Apresentação[1]Apresentação[1]
apresenta-o_6-cnc_final.pdf
apresenta-o_6-cnc_final.pdfapresenta-o_6-cnc_final.pdf
apresenta-o_6-cnc_final.pdf
PauloSoares158799
 
Participação na Cidade, por Miguel Roguski
Participação na Cidade, por Miguel RoguskiParticipação na Cidade, por Miguel Roguski
Participação na Cidade, por Miguel Roguski
Instituto COURB
 
Plano Diretor
Plano DiretorPlano Diretor
Plano Diretor
vallmachado
 
apresentacao.pdf
apresentacao.pdfapresentacao.pdf
apresentacao.pdf
ssuserb0186e
 
Relatorio de estagio prefeitura sbc
Relatorio de estagio   prefeitura sbcRelatorio de estagio   prefeitura sbc
Relatorio de estagio prefeitura sbc
Cristina Alves
 
Seminário Mobilidade e Novas Formas de Organização Urbana, 03/10/2009 - Apres...
Seminário Mobilidade e Novas Formas de Organização Urbana, 03/10/2009 - Apres...Seminário Mobilidade e Novas Formas de Organização Urbana, 03/10/2009 - Apres...
Seminário Mobilidade e Novas Formas de Organização Urbana, 03/10/2009 - Apres...
FecomercioSP
 
Capacitação para elaboração de Planos Diretores - MCidades.ppt
Capacitação para elaboração de Planos Diretores - MCidades.pptCapacitação para elaboração de Planos Diretores - MCidades.ppt
Capacitação para elaboração de Planos Diretores - MCidades.ppt
RaquelTernus
 
Seminário Metropolitano
Seminário MetropolitanoSeminário Metropolitano
Seminário Metropolitano
CBH Rio das Velhas
 
Engenharia urbana modulo ii avaliação
Engenharia urbana modulo ii avaliaçãoEngenharia urbana modulo ii avaliação
Engenharia urbana modulo ii avaliação
Isa Guerreiro
 
Campinas paula santoro_14out2014
Campinas paula santoro_14out2014Campinas paula santoro_14out2014
Campinas paula santoro_14out2014
Resgate Cambuí
 
4ª CONFERÊNCIA NACIONAL DAS CIDADES
4ª CONFERÊNCIA NACIONAL DAS CIDADES4ª CONFERÊNCIA NACIONAL DAS CIDADES
4ª CONFERÊNCIA NACIONAL DAS CIDADES
Ilha de Itaparica
 
Estatuto da metrópole e suas implicações
Estatuto da metrópole e suas implicaçõesEstatuto da metrópole e suas implicações
Estatuto da metrópole e suas implicações
IDEMER2017
 
Curso para Gestores de Cidades Socialistas - Módulo 1 Aula 7
Curso para Gestores de Cidades Socialistas - Módulo 1 Aula 7Curso para Gestores de Cidades Socialistas - Módulo 1 Aula 7
Curso para Gestores de Cidades Socialistas - Módulo 1 Aula 7
CETUR
 
20171031 Urban Debate:MODELOS DE ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO DE CIDADES
20171031 Urban Debate:MODELOS DE ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO DE CIDADES20171031 Urban Debate:MODELOS DE ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO DE CIDADES
20171031 Urban Debate:MODELOS DE ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO DE CIDADES
Development Workshop Angola
 
Transparência Pública - Carta enviada à Prefeito e Câmara de Vereadores de Pi...
Transparência Pública - Carta enviada à Prefeito e Câmara de Vereadores de Pi...Transparência Pública - Carta enviada à Prefeito e Câmara de Vereadores de Pi...
Transparência Pública - Carta enviada à Prefeito e Câmara de Vereadores de Pi...
Florespi
 
OUC em São Paulo
OUC em São PauloOUC em São Paulo
OUC em São Paulo
MandatoPEG
 
Plano diretor-estratégico-lei-nº-16.050-de-31-de-julho-de-2014-estratégias-il...
Plano diretor-estratégico-lei-nº-16.050-de-31-de-julho-de-2014-estratégias-il...Plano diretor-estratégico-lei-nº-16.050-de-31-de-julho-de-2014-estratégias-il...
Plano diretor-estratégico-lei-nº-16.050-de-31-de-julho-de-2014-estratégias-il...
Carlos Elson
 
Plano diretor instrumento de planejamento urbano novo
Plano diretor instrumento de planejamento urbano novoPlano diretor instrumento de planejamento urbano novo
Plano diretor instrumento de planejamento urbano novo
Paulo Orlando
 

Semelhante a Orçamento Participativo (20)

Orçamento participativo
Orçamento participativoOrçamento participativo
Orçamento participativo
 
Apresentação[1]
Apresentação[1]Apresentação[1]
Apresentação[1]
 
apresenta-o_6-cnc_final.pdf
apresenta-o_6-cnc_final.pdfapresenta-o_6-cnc_final.pdf
apresenta-o_6-cnc_final.pdf
 
Participação na Cidade, por Miguel Roguski
Participação na Cidade, por Miguel RoguskiParticipação na Cidade, por Miguel Roguski
Participação na Cidade, por Miguel Roguski
 
Plano Diretor
Plano DiretorPlano Diretor
Plano Diretor
 
apresentacao.pdf
apresentacao.pdfapresentacao.pdf
apresentacao.pdf
 
Relatorio de estagio prefeitura sbc
Relatorio de estagio   prefeitura sbcRelatorio de estagio   prefeitura sbc
Relatorio de estagio prefeitura sbc
 
Seminário Mobilidade e Novas Formas de Organização Urbana, 03/10/2009 - Apres...
Seminário Mobilidade e Novas Formas de Organização Urbana, 03/10/2009 - Apres...Seminário Mobilidade e Novas Formas de Organização Urbana, 03/10/2009 - Apres...
Seminário Mobilidade e Novas Formas de Organização Urbana, 03/10/2009 - Apres...
 
Capacitação para elaboração de Planos Diretores - MCidades.ppt
Capacitação para elaboração de Planos Diretores - MCidades.pptCapacitação para elaboração de Planos Diretores - MCidades.ppt
Capacitação para elaboração de Planos Diretores - MCidades.ppt
 
Seminário Metropolitano
Seminário MetropolitanoSeminário Metropolitano
Seminário Metropolitano
 
Engenharia urbana modulo ii avaliação
Engenharia urbana modulo ii avaliaçãoEngenharia urbana modulo ii avaliação
Engenharia urbana modulo ii avaliação
 
Campinas paula santoro_14out2014
Campinas paula santoro_14out2014Campinas paula santoro_14out2014
Campinas paula santoro_14out2014
 
4ª CONFERÊNCIA NACIONAL DAS CIDADES
4ª CONFERÊNCIA NACIONAL DAS CIDADES4ª CONFERÊNCIA NACIONAL DAS CIDADES
4ª CONFERÊNCIA NACIONAL DAS CIDADES
 
Estatuto da metrópole e suas implicações
Estatuto da metrópole e suas implicaçõesEstatuto da metrópole e suas implicações
Estatuto da metrópole e suas implicações
 
Curso para Gestores de Cidades Socialistas - Módulo 1 Aula 7
Curso para Gestores de Cidades Socialistas - Módulo 1 Aula 7Curso para Gestores de Cidades Socialistas - Módulo 1 Aula 7
Curso para Gestores de Cidades Socialistas - Módulo 1 Aula 7
 
20171031 Urban Debate:MODELOS DE ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO DE CIDADES
20171031 Urban Debate:MODELOS DE ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO DE CIDADES20171031 Urban Debate:MODELOS DE ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO DE CIDADES
20171031 Urban Debate:MODELOS DE ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO DE CIDADES
 
Transparência Pública - Carta enviada à Prefeito e Câmara de Vereadores de Pi...
Transparência Pública - Carta enviada à Prefeito e Câmara de Vereadores de Pi...Transparência Pública - Carta enviada à Prefeito e Câmara de Vereadores de Pi...
Transparência Pública - Carta enviada à Prefeito e Câmara de Vereadores de Pi...
 
OUC em São Paulo
OUC em São PauloOUC em São Paulo
OUC em São Paulo
 
Plano diretor-estratégico-lei-nº-16.050-de-31-de-julho-de-2014-estratégias-il...
Plano diretor-estratégico-lei-nº-16.050-de-31-de-julho-de-2014-estratégias-il...Plano diretor-estratégico-lei-nº-16.050-de-31-de-julho-de-2014-estratégias-il...
Plano diretor-estratégico-lei-nº-16.050-de-31-de-julho-de-2014-estratégias-il...
 
Plano diretor instrumento de planejamento urbano novo
Plano diretor instrumento de planejamento urbano novoPlano diretor instrumento de planejamento urbano novo
Plano diretor instrumento de planejamento urbano novo
 

Orçamento Participativo

  • 1. Orçamento Participativo Experiências de implementação no Brasil
  • 2. O Orçamento Participativo • O orçamento participativo é um mecanismo de gestão governamental e instrumento de participação popular, que tem como elementos centrais, além da participação cidadã, a busca de um novo modelo de desenvolvimento para o Brasil, a concepção participativa e deliberativa de democracia e a reinvenção político-institucional. • Isto é, a sociedade civil organizada sempre influenciou indiretamente nas decisões orçamentárias dos governos, entretanto com o orçamento participativo cria-se um caminho institucional e direto para a interferência no orçamento público.
  • 3. Histórico Segundo Pires (2000), a história do orçamento participativo divide-se em três grandes momentos, que são: • a) Experiências precursoras (alguns modelos de participação popular). Prefeitura de Vila Velha no Espírito Santo e a de Lages, no Estado de Santa Catarina; • b) O segundo momento surge após a conquista do PT (Partido dos Trabalhadores) de 36 (trinta e seis) prefeituras nas eleições de 1985, onde a sistemática e os objetivos desta metodologia conseguem ser levados à prática de forma deliberada; • c) Um terceiro e último momento grava-se pela adoção da metodologia por diferentes grupos partidários e por organizações não governamentais.
  • 4. • A Constituição Federal de 1988 - municípios são criados e novos instrumentos de gestão, como os conselhos gestores e o OP, ampliaram-se. • Com amparo legal na Constituição de 1988 e nas Leis Orgânicas dos Municípios, o início da difusão do fenômeno denominado de Orçamento Participativo tem estado, geralmente, associado às administrações municipais do Partido dos Trabalhadores.
  • 5. Estatuto da cidade O Orçamento Participativo se consolida, com a diminuição do poder de uma elite burocrática repassando-o diretamente para a sociedade, cuja definição está disposta no art. 43 do Estatuto da Cidade, através de: • I – órgãos colegiados de política urbana, nos níveis nacional, estadual e municipal; • II – debates, audiências e consultas públicas; • III – conferências sobre assuntos de interesse urbano, em nível nacional, estadual e municipal; • IV – iniciativa popular de projeto de lei e de planos, programas e projetos de desenvolvimento urbano.
  • 6. • Juridicamente, nos municípios que adotam esta prática, é a Lei de Diretrizes Orçamentárias que prevê a adoção, pelo Poder Executivo, de mecanismos capazes de estimular a participação social na consulta para a indicação de prioridades na elaboração da Lei de Orçamento. Em geral, as LDOs prevêem, também, sua responsabilidade na fiscalização da execução das obras e serviços prioritários indicados e da aplicação desses recursos.
  • 7. O Orçamento Participativo • Com a abertura desse novo espaço de participação, pela via direta, pretende-se conceder legitimidade ao Executivo na realização de suas ações além de promover o espírito cidadão nas cidades, uma vez que toda população tem a possibilidade de intervir nas decisões políticas – e com isso intervir nas políticas públicas, nas obras de infraestrutura, entre outros. • Genro e Calife (2002) dizem que “a principal riqueza do Orçamento Participativo é a democratização da relação do Estado com a sociedade”. Esta experiência rompe com a visão tradicional da política, em que o cidadão encerra a sua participação política no ato de votar.
  • 8. O Orçamento Participativo Basicamente os objetivos essenciais do orçamento participativo são: • a) Com a participação direta da população, pretende-se melhor definir as prioridades essenciais para os investimentos públicos das cidades; • b) Aumentar a responsabilidade dos gestores públicos para com a população por ele administrada, de modo que corresponda aos anseios por ela avocados;
  • 9. O Orçamento Participativo Basicamente os objetivos essenciais do orçamento participativo são: • c) Diminuir um pouco o poder de decisão de prefeitos e vereadores, e assim abrir caminho institucional, para que a população também possa opinar sobre a aplicação das verbas públicas; • d) Entre outros casos, o orçamento participativo, também teria o intuito de diminuir a corrupção que afeta os órgãos públicos em nosso país, já que a população passaria a fiscalizar a destinação dos recursos do município.
  • 10. METODOLOGIAS DE IMPLEMENTAÇÃO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO • Todas as experiências de orçamento participativo começam dividindo a cidade em regiões, onde ocorrem reuniões gerais realizadas nos bairros, comunidades rurais ou micro regiões, nessas reuniões ocorre a coleta das demandas, uma primeira seleção de prioridades locais, e às vezes, uma seleção de prioridades para a cidade como um todo. • Nessas reuniões gerais são escolhidos os delegados, que são eleitos, em geral, proporcionalmente ao número de habitantes ou de participantes nas regiões. Por exemplo, 10 mil habitantes dão direito a eleger um delegado.
  • 11. METODOLOGIAS DE IMPLEMENTAÇÃO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO • As principais funções dos delegados são repassar informações aos moradores e deliberar num primeiro momento sobre as prioridades regionais e municipais. • Na maioria dos processos de OP existe um Conselho Municipal que é onde se reúnem os delegados, com seus participantes, para debater e deliberar sobre os investimentos e prioridades do orçamento público.
  • 12. • Após a deliberação sobre as prioridades para os investimentos ou para todo o orçamento do município, o governo elabora a chamada “Peça Orçamentária” ou “Projeto de Lei Orçamentária Anual” Este projeto de Lei é elaborado pelos órgãos da prefeitura e segue para a Câmara Municipal para debates, no período de setembro a dezembro de cada ano. A Câmara de Vereadores é quem aprova a Lei de Orçamento Municipal e pode acrescentar emendas que alteram seu conteúdo.
  • 13. Alguns Casos do Orçamento Participativo:
  • 15. JUSTIFICATIVA: Existem diversas obras que precisam ser feitas, porém a prefeitura não tem capacidade de atender toda essa demanda. Afim de elencar as prioridades foi decidido que os próprios munícipes iriam decidir o que deve ser feito. “Este deverá ser um dos nossos instrumentos de democratização e de participação do florianopolitano na gestão pública municipal, reafirmando assim nosso compromisso de uma cidade mais participativa e mais humana.”
  • 16. O que é o Orçamento no Bairro? • O Projeto Orçamento no Bairro é uma instância de participação popular, criada pela Prefeitura de Florianópolis, pela qual, se delega à população a eleição das obras e ações prioritárias a serem executadas pela Prefeitura. Por intermédio deste mecanismo, a população escolhe dentro de um limite orçamentário, quais são as prioridades para seu bairro e a Prefeitura assume o compromisso de realizá-las. • Em um processo de votação, feito em dois momentos - uma eleição na microrregião e uma eleição geral da cidade - a população escolherá quais obras são prioritárias e que deverão ser executadas pela Prefeitura.
  • 17. Divisão da Cidade • Para a execução deste projeto, dividiu-se a cidade em seis regiões e estas foram subdivididas em trinta microrregiões, observando se principalmente a necessidade de atenção de obras do poder público. • Na divisão, os bairros com maior carência de obras e atenção do poder público, ficaram em microrregiões menores, podendo assim ser atendido de maneira especial e prioritária estas localidades.
  • 18.
  • 19. Analise técnica das obras • Todas as obras cadastradas, passarão por uma equipe técnica da prefeitura, que deverá avaliar principalmente o valor, tendo que se enquadrar no limite disponibilizado, além de visualizar a possibilidade de execução, como por exemplo se o local sugerido é adequado e se o plano diretor permite. • As obras só serão eliminadas, se estiverem fora deste padrão. Não haverá avaliação de mérito das obras. A avaliação será estritamente técnica. • Ao final da avaliação, será divulgada a listagem das obras aptas a votação e o motivo de eliminação das demais. • Depois, ocorrem as assembleias onde os representantes irão debater sobre a importância daquela determinada obra. • Por ultimo ocorre a votação.
  • 20. Quantidade e valores das obras • No Projeto Orçamento no Bairro, serão escolhidas duas obras por microrregião, cada um de até R$ 250.000,00, totalizando R$ 500.000,00 para a microrregião. No total, foram reservados R$ 15.000.000,00 para obras nas microrregiões. • Cada região, poderá definir uma obra, de até R$ 1.000.000,00. No total, foi reservado R$ 6.000.000,00 para as obras nas regiões. • E a cidade definirá uma obra prioritária, que não está sendo dado um valor limite, sendo que esta obra deverá ter uma importância para toda a cidade.
  • 21. • Encerradas as 30 assembleias microrregionais, haverá uma tripla votação para escolha de mais 30 obras microrregionais no valor de R$ 250 mil – beneficiando as microrregiões com um investimento de R$ 500 mil – além de seis obras regionais, no valor de até R$ 1 milhão cada uma, e uma obra global para a cidade, com valor indefinido. Ou seja, o Orçamento no Bairro contemplará 67 obras. • Cabe informar ainda que a execução do projeto está garantida por uma rubrica genérica no valor de R$ 21 milhões, no orçamento da cidade para o ano de 2014.
  • 22. Relato: “Encerramos a votação da primeira edição do Orçamento no Bairro! Experiência muito bacana! Como aluna de Administração Pública tive uma aula de engajamento comunitário hoje. Com o pouco movimento de cidadãos votando, fui nos mercados do bairro entregar cartazes e pedir que avisassem os clientes para votarem e chamarem seus familiares e vizinhos. Felizmente um dos avisados foi um cidadão super engajado que começou a ligar e a bater na casa dos vizinhos chamando para a votação. Juntos definiram o que era prioritário para dar força ao bairro na disputa.” Gestora do projeto
  • 23. Barra Mansa • O município de Barra Mansa iniciou a implantação do OP simultaneamente a do estado do Rio de Janeiro, em contexto político partidário de alianças. • A campanha de governo, em 1996, com a coligação ‘muda Barra Mansa’ tinha no seu discurso político e ideológico a tentativa de evidenciar que a política local era o reflexo das ações controladoras e fisiológicas por parte daqueles que ali dominavam o poder local de modo hegemônico. • As primeiras reações e os efeitos na cultura política foram sentidos na implementação do OP já no primeiro ano, ao sofrer fortes resistências e oposições do Legislativo.
  • 24. Efeitos do OP de Barra Mansa A) O OP inibiu a cultura política mais conservadora exercida pelos vereadores do município. Quebra da politica assistencialista. B) Perda de poder político do vereador, que se sentiu prejudicado, intimidado e desprestigiado pelo Executivo. C) Disputa política entre os vereadores e os representantes da sociedade civil – delegados e conselheiros
  • 25. • “...através da discussão pública do orçamento, o histórico comportamento da administração pública de tratar a destinação dos recursos públicos de forma hermética, centralizadora, tecnocrática e marcadamente sem transparência, cede à possibilidade de participação direta da sociedade civil na formatação de ações governamentais. Torna-se patente que a introdução da discussão pública do orçamento apresenta-se como variável política capaz de alterar a qualidade da negociação de benefícios sociais entre governantes e governados, na medida em que a geração de um novo espaço público não estatal possibilita potencializar a governabilidade dos governos municipais em que se inserem, através da agregação de novos agentes políticos na negociação governamental, e provoca o incremento das exigências de accountability”. (SILBERSCHNEIDER, 1998:23)
  • 26. Bibliografia • GENRO, Tarso e SOUZA, Ubiratan de. Orçamento Participativo: a experiência de Porto Alegre. Editora Fundação Perseu Abramo, São Paulo, 4 edição, 2001 • ORÇAMENTO PARTICIPATIVO EM PORTO ALEGRE: Participação cidadã orienta a ação do Poder Público, controlando as prioridades e a execução de obras em favor da população carente. Disponível em: http://www.ibam.org.urbanos/assuntos3/blt5_2htm. • ORSI, Fábio Chagas. Orçamento Participativo: Uma Metodologia em Ascensão Porto Alegre 1997. • PIRES, Valdemir. Participação da Sociedade nos processos orçamentários: a experiência brasileira recente. Monografia vencedora do V Prêmio de Monografia do Tesouro Nacional (2000) 1º lugar/ Tema: Elaboração e Execução Orçamentária e Financeira 2 de setembro de 2000. Disponível em: http://www.tesouro.fazenda.gov.br/premio%20tn/conteudo_catalogos_pr5.html • http://gestaocompartilhada.pbh.gov.br/sites/gestaocompartilhada.pbh.gov.br/f iles/biblioteca/arquivos/op_como_instrumento_de_gestao_e_cidadania_0.pdf