SlideShare uma empresa Scribd logo
Planejamento e orçamento
tributário das ONG’s
I N S S
CONTRIBUIÇÃO
PREVIDENCIÁRIA
PATRONAL
INSS – Isenção Cota PatronalINSS – Isenção Cota Patronal
Requisitos (Lei 12.101/2009 e Decreto 7.237/2010)
Possuir o Certificado de Entidade Beneficente de Assistência Social (CEBAS), e
I - não percebam seus diretores, conselheiros, sócios, instituidores ou benfeitores, remuneração,
vantagens ou benefícios, direta ou indiretamente, por qualquer forma ou título, em razão das
competências, funções ou atividades que lhes sejam atribuídas pelos respectivos atos constitutivos;
II - aplique suas rendas, seus recursos e eventual superávit integralmente no território nacional, na
manutenção e desenvolvimento de seus objetivos institucionais;
III - apresente certidão negativa ou certidão positiva com efeito de negativa de débitos relativos aos
tributos administrados pela Secretaria da Receita Federal do Brasil e certificado de regularidade do
Fundo de Garantia do Tempo de Serviço - FGTS;
IV - mantenha escrituração contábil regular que registre as receitas e despesas, bem como a aplicação em
gratuidade de forma segregada, em consonância com as normas emanadas do Conselho Federal de
Contabilidade;
V - não distribua resultados, dividendos, bonificações, participações ou parcelas do seu patrimônio, sob
qualquer forma ou pretexto;
VI - conserve em boa ordem, pelo prazo de 10 (dez) anos, contado da data da emissão, os documentos
que comprovem a origem e a aplicação de seus recursos e os relativos a atos ou operações realizados que
impliquem modificação da situação patrimonial;
VII - cumpra as obrigações acessórias estabelecidas na legislação tributária;
VIII - apresente as demonstrações contábeis e financeiras devidamente auditadas por auditor
independente legalmente habilitado nos Conselhos Regionais de Contabilidade quando a receita bruta
anual auferida for superior ao limite fixado pela Lei Complementar no 123, de 14 de dezembro de 2006.
INSS E CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS
IMPOSTOS
E
CONTRIBUIÇÕES
FEDERAIS
Tributação do Imposto de Renda
(Decreto 3.000/99)
São IMUNES do imposto :
• Art. 168 - Templos de Qualquer Culto
• Art. 169 - Partidos Políticos e Entidades Sindicais dos Trabalhadores
• Art. 170 - Instituições de Educação e de Assistência Social
A imunidade é restrita aos resultados relacionados com as finalidades
essenciais das entidades nela mencionadas (CF, art. 150, § 4º).
Tributação do Imposto de Renda
Estão ISENTAS do imposto
• Art. 174 - Sociedades Beneficentes, Fundações, Associações e Sindicatos
Não estão abrangidos pela imunidade e isenção os rendimentos e ganhos de
capital auferidos em aplicações financeiras de renda fixa ou de renda variável.
Estão isentas do imposto as instituições de caráter filantrópico, recreativo,
cultural e científico e as associações civis que prestem os serviços para os quais
houverem sido instituídas e os coloquem à disposição do grupo de pessoas a
que se destinam, sem fins lucrativos (Lei nº 9.532, de 1997, arts. 15 e 18).
Tributação do Imposto de Renda
A imunidade e a isenção NÃO depende de prévio reconhecimento pela
Secretaria da Receita Federal. (Normativo: RIR/1999, art. 181.)
A imunidade e a isenção da entidade se dá pela sua natureza jurídica e seu
objetivo social.
A manutenção da imunidade e isenção depende de preenchimento de requisitos
legais. (Normativos: CF/1988, art. 150, VI, “b”; “c”; CTN, art. 14; Lei
Complementar nº 104, de 2001; Lei nº 9.532, de 1997, art.12 § 3º (c/redação
dada pela Lei nº 9.718, de 1998, art. 10) e art. 15; Lei nº 9.637, de 1998; Lei nº
9.790, de 1999; Lei nº 9.732, de 1998; Lei nº 10.426, de 2002; Lei nº 10.637,
de 2002, art. 34 e art. 68, III; e Decreto nº 3.048, de 1999, art. 12, I.)
Tributação da Contribuição Social sobre Lucro
Líquido
Imune (Art. 12 da Lei 9.532/97): Instituições de Educação, Saúde e Assistência Social
a) não remunerar, por qualquer forma, seus dirigentes pelos serviços prestados;
b) aplicar integralmente seus recursos na manutenção e desenvolvimento dos seus objetivos sociais;
c) manter escrituração completa de suas receitas e despesas em livros revestidos das formalidades que assegurem a
respectiva exatidão;
d) conservar em boa ordem, pelo prazo de cinco anos, contado da data da emissão, os documentos que comprovem a
origem de suas receitas e a efetivação de suas despesas, bem assim a realização de quaisquer outros atos ou operações
que venham a modificar sua situação patrimonial;
e) apresentar, anualmente, Declaração de Rendimentos, em conformidade com o disposto em ato da Secretaria da
Receita Federal;
f) recolher os tributos retidos sobre os rendimentos por elas pagos ou creditados e a contribuição para a seguridade
social relativa aos empregados, bem assim cumprir as obrigações acessórias daí decorrentes;
g) assegurar a destinação de seu patrimônio a outra instituição que atenda às condições para gozo da imunidade, no
caso de incorporação, fusão, cisão ou de encerramento de suas atividades, ou a órgão público.
h) outros requisitos, estabelecidos em lei específica, relacionados com o funcionamento das entidades a que se refere
este artigo.
Isenta (Art. 12 da Lei 9.532/97: instituições de caráter filantrópico, recreativo, cultural e científico e as associações
civis
as disposições do art. 12, § 2°, alíneas "a" a "e"
Tributação do Pis e Cofins
PIS – Folha de Salários
São contribuintes nesta modalidade, as seguintes entidades: (art 9 IN 247/2002)
I – templos de qualquer culto;
II – partidos políticos;
III – instituições de educação e de assistência social que preencham as condições e requisitos do art. 12 da
Lei no 9.532, de 10 de dezembro de 1997;
IV – instituições de caráter filantrópico, recreativo, cultural, científico e as associações, que preencham as
condições e requisitos do art. 15 da Lei no 9.532, de 1997;
V – sindicatos, federações e confederações;
VI – serviços sociais autônomos, criados ou autorizados por lei;
VII – conselhos de fiscalização de profissões regulamentadas;
VIII – fundações de direito privado;
IX – condomínios de proprietários de imóveis residenciais ou comerciais; e
X – Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB) e as Organizações Estaduais de Cooperativas
previstas no art. 105 e seu § 1º da Lei nº 5.764, de 16 de dezembro de 1971.
As sociedades cooperativas, na hipótese do § 5º do art. 33 da IN SRF 247/2002, também contribuirão para
o PIS/Pasep incidente sobre a folha de salários.
Tributação do Pis e Cofins
IN SRF 247/2002
Artigo 47: As entidades relacionadas no art. 9º desta Instrução Normativa:
I – não contribuem para o PIS/Pasep incidente sobre o faturamento; e
II – são isentas da Cofins em relação às receitas derivadas de suas atividades próprias.
§ 1º Para efeito de fruição dos benefícios fiscais previstos neste artigo, as entidades de
educação, assistência social e de caráter filantrópico devem possuir o Certificado de Entidade
Beneficente de Assistência Social (CEBAS)
§ 2º Consideram-se receitas derivadas das atividades próprias somente aquelas decorrentes
de contribuições, doações, anuidades ou mensalidades fixadas por lei, assembléia ou estatuto,
recebidas de associados ou mantenedores, sem caráter contraprestacional direto, destinadas
ao seu custeio e ao desenvolvimento dos seus objetivos sociais.
COFINS – Receitas das Atividades Próprias
São Isentas da COFINS as receitas das atividades próprias das entidades que se refere o art. 13 da MP 2158-35:
I - templos de qualquer culto;
II - partidos políticos;
III - instituições de educação e de assistência social a que se refere o art. 12 da Lei no 9.532, de 10 de dezembro de
1997;
IV - instituições de caráter filantrópico, recreativo, cultural, científico e as associações, a que se refere o art. 15 da Lei
no 9.532, de 1997;
V - sindicatos, federações e confederações;
VI - serviços sociais autônomos, criados ou autorizados por lei;
VII - conselhos de fiscalização de profissões regulamentadas;
VIII - fundações de direito privado e fundações públicas instituídas ou mantidas pelo Poder Público;
IX - condomínios de proprietários de imóveis residenciais ou comerciais; e
X - a Organização das Cooperativas Brasileiras - OCB e as Organizações Estaduais de Cooperativas previstas no art.
105 e seu § 1o da Lei no 5.764, de 16 de dezembro de 1971.
IN 247/2002 Art 47 § 2º
Consideram-se receitas derivadas das atividades próprias somente aquelas decorrentes de contribuições, doações,
anuidades ou mensalidades fixadas por lei, assembléia ou estatuto, recebidas de associados ou mantenedores, sem
caráter contraprestacional direto, destinadas ao seu custeio e ao desenvolvimento dos seus objetivos sociais.
Não são consideradas receitas derivadas das atividades próprias, mesmo que estabelecidas por assembléias ou
previstas no estatuto das entidades, as seguintes receitas a título de exemplos: aluguéis de imóveis, cursos e
palestras, prestação de serviços, venda de mercadorias, juros e multas ativas, etc.
Entidades de Assistência Social, EducaçãoEntidades de Assistência Social, Educação e Sae Saúúdede
  com CEBAS sem CEBAS Base legal
Imposto de Renda NÃO pagam NÃO pagam artigo150, inciso VI da Constituição Federal; artigos 168 a 173 do Decreto 3.000/99;
artigo 12, § 2º da Lei 9532/97
Contribuição
Social
NÃO pagam NÃO Pagam
Se declararem
como ISENTAS
artigo195, §§ 7o da Constituição Federal; Leis 9528/97 e 9732/98 art. 1o e MP 2187/2001
PIS – Folha de
Salários
Pagam Pagam artigo 9 e 47 da Instrução Normativa SRF 247/2002; artigo 12, § 2º da Lei 9532/97
PIS - Cumulativo NÃO pagam   artigo 9 e 47 da Instrução Normativa SRF 247/2002; artigo 12, § 2º da Lei 9532/97
PIS – Não
Cumulativo
NÃO pagam NÃO pagam artigo 9 e 47 da Instrução Normativa SRF 247/2002; artigo 12, § 2º da Lei 9532/97; artigo
8 Lei 10.637
Cofins –
Cumulativa
pagam sobre o
total das Receitas
NÃO Próprias
3%
Lei nº 9.718, de 1998, arts. 2o
e 3o
; MP nº 2.158-35, de 2001, arts. 13, e 14, X; e PN CST
nº 5, de 1992; arts. 1 a 8o e 10o da Lei 10.833/2004
Cofins – Não
Cumulativa
NÃO Pagam pagam sobre o
total das Receitas
NÃO Próprias
7,6%
Lei nº 9.718, de 1998, arts. 2o
e 3o
; MP nº 2.158-35, de 2001, arts. 13, e 14, X; e PN CST
nº 5, de 1992; arts. 1 a 8o e 10o da Lei 10.833/2004
NÃO pagam
NÃO pagam
Entidades Recreativas, Cultural e CientEntidades Recreativas, Cultural e Cientíífico e as Associafico e as Associaççõesões
    Base legal
Imposto de Renda NÃO pagam artigos 174 a 181 do Decreto 3.000/99; artigo 15, § 2º da Lei 9532/97
Contribuição Social NÃO pagam artigos 174 a 181 do Decreto 3.000/99; artigo 15, § 2º da Lei 9532/97
PIS – Folha de
Salários
Pagam artigo 9 e 47 da Instrução Normativa SRF 247/2002; artigo 15, § 2º da Lei 9532/97
PIS - Cumulativo NÃO pagam artigo 9 e 47 da Instrução Normativa SRF 247/2002; artigo 15, § 2º da Lei 9532/97
PIS – Não Cumulativo NÃO pagam artigo 9 e 47 da Instrução Normativa SRF 247/2002; artigo 15, § 2º da Lei 9532/97; artigo 1, § 3º, inciso I
Lei 10.637
Cofins – Cumulativa NÃO pagam Lei nº 9.718, de 1998, arts. 2o
e 3o
; MP nº 2.158-35, de 2001, arts. 13, e 14, X; e PN CST nº 5, de 1992
Cofins – Não
Cumulativa
pagam sobre o total
das Receitas NÃO
Próprias
7,6%
Lei nº 9.718, de 1998, arts. 2o
e 3o
; MP nº 2.158-35, de 2001, arts. 13, e 14, X; e PN CST nº 5, de 1992; Lei
10.833/2004
Vejam as opções de Forma de
Tributação e quais os tipos de
Entidades que habilitam
IMPOSTOS
ESTADUAIS
e
MUNICIPAIS
ICMS – Decreto 45490/2000 – art.31
(ENTIDADE ASSISTENCIAL OU DE EDUCAÇÃO - PRODUÇÃO PRÓPRIA) 
- Saída de mercadoria de produção própria promovida por instituição de assistência social ou de educação, 
desde que (Convênios ICM-38/82, com alteração do Convênio ICM-47/89, ICMS-52/90 e ICMS-121/95, 
cláusula primeira, VII, "b"):
I - a entidade não tenha finalidade lucrativa e sua renda líqüida seja integralmente aplicada na manutenção de 
seus objetivos assistenciais ou educacionais no país, sem distribuição de qualquer parcela a título de lucro ou 
participação;
II - o valor das vendas de mercadoria da espécie, realizadas pela beneficiária no ano anterior, não tenha 
ultrapassado o limite estabelecido para a isenção de microempresa;
III - a isenção seja reconhecida pela Secretaria da Fazenda, a requerimento da interessada.
No caso de exceder o limite previsto ou tratar-se de mercadorias, aplica-se o regime de apuração periódica, ou 
seja, 7, 12, 18% sobre as vendas diminuídos dos créditos referentes as compras.
ITCMD – Lei 10992/2001
O donatário que receber durante o exercício fiscal da mesma fonte, doações no valor superior a 2500 
UFESPs (atuais R$ 50.350,00), estará obrigado ao pagamento de ITCMD à alíquota de 4%.
        
        O reconhecimento da isenção deverá ser feito, de forma cumulativa, pela Secretaria da Fazenda e, 
conforme a natureza da entidade, primeiro pela Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania, pela 
Secretaria da Cultura ou pela Secretaria do Meio Ambiente, de acordo com disciplina a ser estabelecida 
pelo Poder Executivo; 
REQUISITOS
1. cópia autenticada do estatuto
2. comprovante de inscrição na Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania, pela Secretaria da 
Cultura ou pela Secretaria do Meio Ambiente 
3. cópia da ata de eleição dos membros da atual diretoria, 
4. cópia do documento de inscrição no CNPJ (antigo CGC) do Ministério da Fazenda, atualizado. 
IMUNIDADE
Art. 6.º O imposto não incide: Art. 6.º da Lei n.º 6.989, de 29/12/66.
I - nas hipóteses de imunidade previstas na Constituição Federal, observado, sendo o caso, o disposto em lei
complementar;
ISENÇÕES
Art. 197. São isentas do imposto as prestações de serviços efetuadas por
V — promoventes de concertos, recitais, shows, avant-premières cinematográficas, exposições, quermesses e
espetáculos similares, realizados para fins assistenciais, exceto em teatros e auditórios de estações
radioemissoras e de televisão e observados os prazos e condições da legislação municipal;
Parágrafo único. Salvo as isenções do inciso V que, por facultativas, devem ser solicitadas antecipadamente
para cada espetáculo, e as dos incisos III e IV, as demais dependem de requerimento anual, na forma, prazo e
condições regulamentares.
ISS - DECRETO N° 47.006,
NÃO INCIDÊNCIA
Diversos são os serviços que não incidem o imposto, tais como:
Patrocínio, Convênio, Termo de Parceria, entre outros.
Aqueles serviços que não fazem parte da lista expressa no artigo 126, não sofrem incidência do ISS, e esta
dispensado de emissão de documentos fiscais (NF) e obrigações acessórias.
ISS - DECRETO N° 47.006,
I T B I
O ITBI-IV incide sobre a transmissão inter vivos, a qualquer título, por ato oneroso, de bens imóveis, por
natureza ou acessão física e de direitos reais sobre bens imóveis, exceto os de garantia e as servidões, bem
como sobre a cessão, por ato oneroso, de direitos relativos à aquisição de bens imóveis, situados nos limites
territoriais do Município de São Paulo (Lei n.º 11.154, de 30/12/91, Lei 13.107, de 29/12/2000 e Lei 14.256,
de 29/12/06).
IMUNIDADE: Atendidos os requisitos constitucionais, são imunes do I.T.B.I.
• as transmissões de bens e direitos efetuadas por partidos políticos, inclusive suas fundações, entidades
sindicais de trabalhadores, instituições de educação e assistência social, sem fins lucrativos (CF, artigo 150,
VI, c).
DOCUMENTOS
• indicação, precisa dos elementos da transação;
• prova documental da condição de imune ou do preenchimento dos requisitos da não-incidência ou da
isenção;
www.qualityassociados.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Novo Marco Regulatório das OSC's
Novo Marco Regulatório das OSC'sNovo Marco Regulatório das OSC's
Novo Marco Regulatório das OSC's
Ana Carolina Pinheiro Carrenho
 
O Novo Marco Regulatório das Parcerias do Terceiro Setor - Lei 13.019/14 – As...
O Novo Marco Regulatório das Parcerias do Terceiro Setor - Lei 13.019/14 – As...O Novo Marco Regulatório das Parcerias do Terceiro Setor - Lei 13.019/14 – As...
O Novo Marco Regulatório das Parcerias do Terceiro Setor - Lei 13.019/14 – As...
APF6
 
(Transformar) Aspectos Jurídicos 1
(Transformar) Aspectos Jurídicos 1(Transformar) Aspectos Jurídicos 1
(Transformar) Aspectos Jurídicos 1
Ink_conteudos
 
(Transformar) Aspectos Jurídicos 2
(Transformar) Aspectos Jurídicos 2(Transformar) Aspectos Jurídicos 2
(Transformar) Aspectos Jurídicos 2
Ink_conteudos
 
Lei 13.019/2014
Lei 13.019/2014 Lei 13.019/2014
Lei 13.019/2014
Palácio do Planalto
 
Incentivos esporte 042012_share
Incentivos esporte 042012_shareIncentivos esporte 042012_share
Incentivos esporte 042012_share
flac2011
 
Dra. sandra cong. das apaes maranhão
Dra. sandra   cong. das apaes maranhãoDra. sandra   cong. das apaes maranhão
Dra. sandra cong. das apaes maranhão
Wildete Silva
 
DOAÇÕES FEITAS POR PESSOAS JURÍDICAS DEDUTÍVEIS DO IMPOSTO DE RENDA
DOAÇÕES FEITAS POR PESSOAS JURÍDICAS DEDUTÍVEIS DO IMPOSTO DE RENDADOAÇÕES FEITAS POR PESSOAS JURÍDICAS DEDUTÍVEIS DO IMPOSTO DE RENDA
DOAÇÕES FEITAS POR PESSOAS JURÍDICAS DEDUTÍVEIS DO IMPOSTO DE RENDA
MARCO AURÉLIO BICALHO DE ABREU CHAGAS
 
Incentivos esporte 072012_share
Incentivos esporte 072012_shareIncentivos esporte 072012_share
Incentivos esporte 072012_share
Michel Freller
 
Cartilha idoso web
Cartilha idoso webCartilha idoso web
Cartilha idoso web
ONGestão
 
Danilo tiisel geração de renda
Danilo tiisel   geração de rendaDanilo tiisel   geração de renda
Danilo tiisel geração de renda
SECONCI-RIO
 
Palestra geracaoderenda nucleo sampa 0713
Palestra geracaoderenda nucleo sampa 0713Palestra geracaoderenda nucleo sampa 0713
Palestra geracaoderenda nucleo sampa 0713
ABCR SP
 
Lei de Incentivo ao Esporte - Rio de Janeiro
Lei de Incentivo ao Esporte - Rio de Janeiro Lei de Incentivo ao Esporte - Rio de Janeiro
Lei de Incentivo ao Esporte - Rio de Janeiro
Anderson dasilvA
 
Atribuição das Isenções de I.M.I
Atribuição das Isenções de I.M.IAtribuição das Isenções de I.M.I
Atribuição das Isenções de I.M.I
Filipa Antunes
 
Como obter o registro no cmas
Como obter o registro no cmasComo obter o registro no cmas
Como obter o registro no cmas
Allan Vieira
 
Danilo tiisel captacao aspectosjuridicos-abcr25032013
Danilo tiisel   captacao aspectosjuridicos-abcr25032013Danilo tiisel   captacao aspectosjuridicos-abcr25032013
Danilo tiisel captacao aspectosjuridicos-abcr25032013
ABCR SP
 
Incentivosfiscais dialogo esporte_042011
Incentivosfiscais dialogo esporte_042011Incentivosfiscais dialogo esporte_042011
Incentivosfiscais dialogo esporte_042011
Michel Freller
 

Mais procurados (17)

Novo Marco Regulatório das OSC's
Novo Marco Regulatório das OSC'sNovo Marco Regulatório das OSC's
Novo Marco Regulatório das OSC's
 
O Novo Marco Regulatório das Parcerias do Terceiro Setor - Lei 13.019/14 – As...
O Novo Marco Regulatório das Parcerias do Terceiro Setor - Lei 13.019/14 – As...O Novo Marco Regulatório das Parcerias do Terceiro Setor - Lei 13.019/14 – As...
O Novo Marco Regulatório das Parcerias do Terceiro Setor - Lei 13.019/14 – As...
 
(Transformar) Aspectos Jurídicos 1
(Transformar) Aspectos Jurídicos 1(Transformar) Aspectos Jurídicos 1
(Transformar) Aspectos Jurídicos 1
 
(Transformar) Aspectos Jurídicos 2
(Transformar) Aspectos Jurídicos 2(Transformar) Aspectos Jurídicos 2
(Transformar) Aspectos Jurídicos 2
 
Lei 13.019/2014
Lei 13.019/2014 Lei 13.019/2014
Lei 13.019/2014
 
Incentivos esporte 042012_share
Incentivos esporte 042012_shareIncentivos esporte 042012_share
Incentivos esporte 042012_share
 
Dra. sandra cong. das apaes maranhão
Dra. sandra   cong. das apaes maranhãoDra. sandra   cong. das apaes maranhão
Dra. sandra cong. das apaes maranhão
 
DOAÇÕES FEITAS POR PESSOAS JURÍDICAS DEDUTÍVEIS DO IMPOSTO DE RENDA
DOAÇÕES FEITAS POR PESSOAS JURÍDICAS DEDUTÍVEIS DO IMPOSTO DE RENDADOAÇÕES FEITAS POR PESSOAS JURÍDICAS DEDUTÍVEIS DO IMPOSTO DE RENDA
DOAÇÕES FEITAS POR PESSOAS JURÍDICAS DEDUTÍVEIS DO IMPOSTO DE RENDA
 
Incentivos esporte 072012_share
Incentivos esporte 072012_shareIncentivos esporte 072012_share
Incentivos esporte 072012_share
 
Cartilha idoso web
Cartilha idoso webCartilha idoso web
Cartilha idoso web
 
Danilo tiisel geração de renda
Danilo tiisel   geração de rendaDanilo tiisel   geração de renda
Danilo tiisel geração de renda
 
Palestra geracaoderenda nucleo sampa 0713
Palestra geracaoderenda nucleo sampa 0713Palestra geracaoderenda nucleo sampa 0713
Palestra geracaoderenda nucleo sampa 0713
 
Lei de Incentivo ao Esporte - Rio de Janeiro
Lei de Incentivo ao Esporte - Rio de Janeiro Lei de Incentivo ao Esporte - Rio de Janeiro
Lei de Incentivo ao Esporte - Rio de Janeiro
 
Atribuição das Isenções de I.M.I
Atribuição das Isenções de I.M.IAtribuição das Isenções de I.M.I
Atribuição das Isenções de I.M.I
 
Como obter o registro no cmas
Como obter o registro no cmasComo obter o registro no cmas
Como obter o registro no cmas
 
Danilo tiisel captacao aspectosjuridicos-abcr25032013
Danilo tiisel   captacao aspectosjuridicos-abcr25032013Danilo tiisel   captacao aspectosjuridicos-abcr25032013
Danilo tiisel captacao aspectosjuridicos-abcr25032013
 
Incentivosfiscais dialogo esporte_042011
Incentivosfiscais dialogo esporte_042011Incentivosfiscais dialogo esporte_042011
Incentivosfiscais dialogo esporte_042011
 

Semelhante a Oficina paganatto

Imunes, isentas, cooperativas e a ECD resposta de consulta cosit1442014
Imunes, isentas, cooperativas e a ECD resposta de consulta cosit1442014Imunes, isentas, cooperativas e a ECD resposta de consulta cosit1442014
Imunes, isentas, cooperativas e a ECD resposta de consulta cosit1442014
Tania Gurgel
 
Open space incentivos fiscais na captação de recursos (danilo tiisel)
Open space   incentivos fiscais na captação de recursos (danilo tiisel)Open space   incentivos fiscais na captação de recursos (danilo tiisel)
Open space incentivos fiscais na captação de recursos (danilo tiisel)
FLAC - Festival Latino Americano de Captação de Recursos 2012
 
Trabalho sobre ongs
Trabalho sobre ongsTrabalho sobre ongs
Trabalho sobre ongs
Elvis Reis
 
Como obter o registro no CMAS?
Como obter o registro no CMAS?Como obter o registro no CMAS?
Como obter o registro no CMAS?
Allan Vieira
 
Lei 9.790 de 23 de marco de 1999 oscip
Lei 9.790 de 23 de marco de 1999 oscipLei 9.790 de 23 de marco de 1999 oscip
Lei 9.790 de 23 de marco de 1999 oscip
gvirtual
 
Unidade i.b terceiro setor
Unidade i.b terceiro setorUnidade i.b terceiro setor
Unidade i.b terceiro setor
Sandy Faidherb
 
fabcr22_apresentação_Para além das doações: posso vender produtos?
fabcr22_apresentação_Para além das doações: posso vender produtos?fabcr22_apresentação_Para além das doações: posso vender produtos?
fabcr22_apresentação_Para além das doações: posso vender produtos?
ABCR
 
Legislação tributária- retenções na fonte
Legislação tributária- retenções na fonteLegislação tributária- retenções na fonte
Legislação tributária- retenções na fonte
Gisela Almeida
 
Incentivos esporte 042012_share
Incentivos esporte 042012_shareIncentivos esporte 042012_share
Incentivos esporte 042012_share
Michel Freller
 
Incentivos esporte 042012_share
Incentivos esporte 042012_shareIncentivos esporte 042012_share
Incentivos esporte 042012_share
flac2011
 
Lei de Incentivo ao Esporte
Lei de Incentivo ao EsporteLei de Incentivo ao Esporte
Lei de Incentivo ao Esporte
Michel Freller
 
Estatuto AFEBJP
Estatuto AFEBJPEstatuto AFEBJP
Estatuto AFEBJP
Fábio Batista Fernandes
 
Incentivos esporte 072012_share
Incentivos esporte 072012_shareIncentivos esporte 072012_share
Incentivos esporte 072012_share
Michel Freller
 
Festival 2015 - Aspectos Jurídicos dos Negócios Sociais
Festival 2015 - Aspectos Jurídicos dos Negócios SociaisFestival 2015 - Aspectos Jurídicos dos Negócios Sociais
Festival 2015 - Aspectos Jurídicos dos Negócios Sociais
ABCR
 
Estatuto e regimento 2014 - aprovado em 06.12.2014
Estatuto e regimento 2014 - aprovado em 06.12.2014 Estatuto e regimento 2014 - aprovado em 06.12.2014
Estatuto e regimento 2014 - aprovado em 06.12.2014
Afc-Ilhéus Dos Funcionários Da Ceplac
 
ACIG - Estatuto Social Consolidado 2016
ACIG - Estatuto Social Consolidado 2016ACIG - Estatuto Social Consolidado 2016
ACIG - Estatuto Social Consolidado 2016
acigweb
 
Simples
SimplesSimples
Ebook - Tributação - Entidade sem fin lucrativos.pdf
Ebook - Tributação - Entidade sem fin lucrativos.pdfEbook - Tributação - Entidade sem fin lucrativos.pdf
Ebook - Tributação - Entidade sem fin lucrativos.pdf
NelsonSilva433255
 
Retenesnafonte 111209061018-phpapp01
Retenesnafonte 111209061018-phpapp01Retenesnafonte 111209061018-phpapp01
Retenesnafonte 111209061018-phpapp01
Rodrigo Oliveira
 
Estatuto social da cucs.
Estatuto social da cucs.Estatuto social da cucs.
Estatuto social da cucs.
cucscatu
 

Semelhante a Oficina paganatto (20)

Imunes, isentas, cooperativas e a ECD resposta de consulta cosit1442014
Imunes, isentas, cooperativas e a ECD resposta de consulta cosit1442014Imunes, isentas, cooperativas e a ECD resposta de consulta cosit1442014
Imunes, isentas, cooperativas e a ECD resposta de consulta cosit1442014
 
Open space incentivos fiscais na captação de recursos (danilo tiisel)
Open space   incentivos fiscais na captação de recursos (danilo tiisel)Open space   incentivos fiscais na captação de recursos (danilo tiisel)
Open space incentivos fiscais na captação de recursos (danilo tiisel)
 
Trabalho sobre ongs
Trabalho sobre ongsTrabalho sobre ongs
Trabalho sobre ongs
 
Como obter o registro no CMAS?
Como obter o registro no CMAS?Como obter o registro no CMAS?
Como obter o registro no CMAS?
 
Lei 9.790 de 23 de marco de 1999 oscip
Lei 9.790 de 23 de marco de 1999 oscipLei 9.790 de 23 de marco de 1999 oscip
Lei 9.790 de 23 de marco de 1999 oscip
 
Unidade i.b terceiro setor
Unidade i.b terceiro setorUnidade i.b terceiro setor
Unidade i.b terceiro setor
 
fabcr22_apresentação_Para além das doações: posso vender produtos?
fabcr22_apresentação_Para além das doações: posso vender produtos?fabcr22_apresentação_Para além das doações: posso vender produtos?
fabcr22_apresentação_Para além das doações: posso vender produtos?
 
Legislação tributária- retenções na fonte
Legislação tributária- retenções na fonteLegislação tributária- retenções na fonte
Legislação tributária- retenções na fonte
 
Incentivos esporte 042012_share
Incentivos esporte 042012_shareIncentivos esporte 042012_share
Incentivos esporte 042012_share
 
Incentivos esporte 042012_share
Incentivos esporte 042012_shareIncentivos esporte 042012_share
Incentivos esporte 042012_share
 
Lei de Incentivo ao Esporte
Lei de Incentivo ao EsporteLei de Incentivo ao Esporte
Lei de Incentivo ao Esporte
 
Estatuto AFEBJP
Estatuto AFEBJPEstatuto AFEBJP
Estatuto AFEBJP
 
Incentivos esporte 072012_share
Incentivos esporte 072012_shareIncentivos esporte 072012_share
Incentivos esporte 072012_share
 
Festival 2015 - Aspectos Jurídicos dos Negócios Sociais
Festival 2015 - Aspectos Jurídicos dos Negócios SociaisFestival 2015 - Aspectos Jurídicos dos Negócios Sociais
Festival 2015 - Aspectos Jurídicos dos Negócios Sociais
 
Estatuto e regimento 2014 - aprovado em 06.12.2014
Estatuto e regimento 2014 - aprovado em 06.12.2014 Estatuto e regimento 2014 - aprovado em 06.12.2014
Estatuto e regimento 2014 - aprovado em 06.12.2014
 
ACIG - Estatuto Social Consolidado 2016
ACIG - Estatuto Social Consolidado 2016ACIG - Estatuto Social Consolidado 2016
ACIG - Estatuto Social Consolidado 2016
 
Simples
SimplesSimples
Simples
 
Ebook - Tributação - Entidade sem fin lucrativos.pdf
Ebook - Tributação - Entidade sem fin lucrativos.pdfEbook - Tributação - Entidade sem fin lucrativos.pdf
Ebook - Tributação - Entidade sem fin lucrativos.pdf
 
Retenesnafonte 111209061018-phpapp01
Retenesnafonte 111209061018-phpapp01Retenesnafonte 111209061018-phpapp01
Retenesnafonte 111209061018-phpapp01
 
Estatuto social da cucs.
Estatuto social da cucs.Estatuto social da cucs.
Estatuto social da cucs.
 

Mais de FIFE2014

Um brasil para todos com todos
Um brasil para todos com todosUm brasil para todos com todos
Um brasil para todos com todos
FIFE2014
 
Indicadores e monitoramento de resultados de projetos
Indicadores e monitoramento de resultados de projetosIndicadores e monitoramento de resultados de projetos
Indicadores e monitoramento de resultados de projetos
FIFE2014
 
Diálogo natal curso planejamento e gestão de institutos e fundações mar-2014
Diálogo natal   curso planejamento e gestão de institutos e fundações mar-2014Diálogo natal   curso planejamento e gestão de institutos e fundações mar-2014
Diálogo natal curso planejamento e gestão de institutos e fundações mar-2014
FIFE2014
 
Fife 2014 - natal-mateus ferreira
Fife   2014 - natal-mateus ferreiraFife   2014 - natal-mateus ferreira
Fife 2014 - natal-mateus ferreira
FIFE2014
 
Fife 2014 desenv comunitário e trabalho com famílias
Fife 2014 desenv comunitário e trabalho com famíliasFife 2014 desenv comunitário e trabalho com famílias
Fife 2014 desenv comunitário e trabalho com famílias
FIFE2014
 
Link para vídeo – vivência pessoal
Link para vídeo – vivência pessoalLink para vídeo – vivência pessoal
Link para vídeo – vivência pessoal
FIFE2014
 
Organização de eventos
Organização de eventosOrganização de eventos
Organização de eventos
FIFE2014
 
20140313 natal vfinal
20140313 natal vfinal20140313 natal vfinal
20140313 natal vfinal
FIFE2014
 
Certificado
CertificadoCertificado
Certificado
FIFE2014
 
Cvsp e debate fife 2014
Cvsp    e debate fife 2014 Cvsp    e debate fife 2014
Cvsp e debate fife 2014
FIFE2014
 
Fife rosa morales - palestra 2014 - portugues 13 marzo
Fife   rosa morales - palestra 2014 - portugues 13 marzoFife   rosa morales - palestra 2014 - portugues 13 marzo
Fife rosa morales - palestra 2014 - portugues 13 marzo
FIFE2014
 
Filantropia chapina monello
Filantropia chapina    monelloFilantropia chapina    monello
Filantropia chapina monello
FIFE2014
 
Apresentação congresso interamericano filantropia 10_03_14
Apresentação congresso interamericano filantropia 10_03_14Apresentação congresso interamericano filantropia 10_03_14
Apresentação congresso interamericano filantropia 10_03_14
FIFE2014
 
Alan apresentação mktd fife rn
Alan     apresentação mktd fife rnAlan     apresentação mktd fife rn
Alan apresentação mktd fife rn
FIFE2014
 
Siconv fife
Siconv fifeSiconv fife
Siconv fife
FIFE2014
 
Apresentação michelle fife 2014
Apresentação michelle fife 2014Apresentação michelle fife 2014
Apresentação michelle fife 2014
FIFE2014
 
Sustentabilidadeerelacionamentocomempresas fifemar-140312121236-phpapp02
Sustentabilidadeerelacionamentocomempresas fifemar-140312121236-phpapp02Sustentabilidadeerelacionamentocomempresas fifemar-140312121236-phpapp02
Sustentabilidadeerelacionamentocomempresas fifemar-140312121236-phpapp02
FIFE2014
 
Filantropia revisada
Filantropia revisadaFilantropia revisada
Filantropia revisada
FIFE2014
 
Fife 2014 1
Fife 2014   1Fife 2014   1
Fife 2014 1
FIFE2014
 
Oficinafife
OficinafifeOficinafife
Oficinafife
FIFE2014
 

Mais de FIFE2014 (20)

Um brasil para todos com todos
Um brasil para todos com todosUm brasil para todos com todos
Um brasil para todos com todos
 
Indicadores e monitoramento de resultados de projetos
Indicadores e monitoramento de resultados de projetosIndicadores e monitoramento de resultados de projetos
Indicadores e monitoramento de resultados de projetos
 
Diálogo natal curso planejamento e gestão de institutos e fundações mar-2014
Diálogo natal   curso planejamento e gestão de institutos e fundações mar-2014Diálogo natal   curso planejamento e gestão de institutos e fundações mar-2014
Diálogo natal curso planejamento e gestão de institutos e fundações mar-2014
 
Fife 2014 - natal-mateus ferreira
Fife   2014 - natal-mateus ferreiraFife   2014 - natal-mateus ferreira
Fife 2014 - natal-mateus ferreira
 
Fife 2014 desenv comunitário e trabalho com famílias
Fife 2014 desenv comunitário e trabalho com famíliasFife 2014 desenv comunitário e trabalho com famílias
Fife 2014 desenv comunitário e trabalho com famílias
 
Link para vídeo – vivência pessoal
Link para vídeo – vivência pessoalLink para vídeo – vivência pessoal
Link para vídeo – vivência pessoal
 
Organização de eventos
Organização de eventosOrganização de eventos
Organização de eventos
 
20140313 natal vfinal
20140313 natal vfinal20140313 natal vfinal
20140313 natal vfinal
 
Certificado
CertificadoCertificado
Certificado
 
Cvsp e debate fife 2014
Cvsp    e debate fife 2014 Cvsp    e debate fife 2014
Cvsp e debate fife 2014
 
Fife rosa morales - palestra 2014 - portugues 13 marzo
Fife   rosa morales - palestra 2014 - portugues 13 marzoFife   rosa morales - palestra 2014 - portugues 13 marzo
Fife rosa morales - palestra 2014 - portugues 13 marzo
 
Filantropia chapina monello
Filantropia chapina    monelloFilantropia chapina    monello
Filantropia chapina monello
 
Apresentação congresso interamericano filantropia 10_03_14
Apresentação congresso interamericano filantropia 10_03_14Apresentação congresso interamericano filantropia 10_03_14
Apresentação congresso interamericano filantropia 10_03_14
 
Alan apresentação mktd fife rn
Alan     apresentação mktd fife rnAlan     apresentação mktd fife rn
Alan apresentação mktd fife rn
 
Siconv fife
Siconv fifeSiconv fife
Siconv fife
 
Apresentação michelle fife 2014
Apresentação michelle fife 2014Apresentação michelle fife 2014
Apresentação michelle fife 2014
 
Sustentabilidadeerelacionamentocomempresas fifemar-140312121236-phpapp02
Sustentabilidadeerelacionamentocomempresas fifemar-140312121236-phpapp02Sustentabilidadeerelacionamentocomempresas fifemar-140312121236-phpapp02
Sustentabilidadeerelacionamentocomempresas fifemar-140312121236-phpapp02
 
Filantropia revisada
Filantropia revisadaFilantropia revisada
Filantropia revisada
 
Fife 2014 1
Fife 2014   1Fife 2014   1
Fife 2014 1
 
Oficinafife
OficinafifeOficinafife
Oficinafife
 

Último

Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
edivirgesribeiro1
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
DanielCastro80471
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptxQUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
AntonioVieira539017
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptxForças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Danielle Fernandes Amaro dos Santos
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptxapresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
JuliaMachado73
 

Último (20)

Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptxQUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptxForças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptxapresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
 

Oficina paganatto

  • 2.
  • 3. I N S S CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA PATRONAL
  • 4. INSS – Isenção Cota PatronalINSS – Isenção Cota Patronal Requisitos (Lei 12.101/2009 e Decreto 7.237/2010) Possuir o Certificado de Entidade Beneficente de Assistência Social (CEBAS), e I - não percebam seus diretores, conselheiros, sócios, instituidores ou benfeitores, remuneração, vantagens ou benefícios, direta ou indiretamente, por qualquer forma ou título, em razão das competências, funções ou atividades que lhes sejam atribuídas pelos respectivos atos constitutivos; II - aplique suas rendas, seus recursos e eventual superávit integralmente no território nacional, na manutenção e desenvolvimento de seus objetivos institucionais; III - apresente certidão negativa ou certidão positiva com efeito de negativa de débitos relativos aos tributos administrados pela Secretaria da Receita Federal do Brasil e certificado de regularidade do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço - FGTS; IV - mantenha escrituração contábil regular que registre as receitas e despesas, bem como a aplicação em gratuidade de forma segregada, em consonância com as normas emanadas do Conselho Federal de Contabilidade; V - não distribua resultados, dividendos, bonificações, participações ou parcelas do seu patrimônio, sob qualquer forma ou pretexto; VI - conserve em boa ordem, pelo prazo de 10 (dez) anos, contado da data da emissão, os documentos que comprovem a origem e a aplicação de seus recursos e os relativos a atos ou operações realizados que impliquem modificação da situação patrimonial; VII - cumpra as obrigações acessórias estabelecidas na legislação tributária; VIII - apresente as demonstrações contábeis e financeiras devidamente auditadas por auditor independente legalmente habilitado nos Conselhos Regionais de Contabilidade quando a receita bruta anual auferida for superior ao limite fixado pela Lei Complementar no 123, de 14 de dezembro de 2006. INSS E CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS
  • 6. Tributação do Imposto de Renda (Decreto 3.000/99) São IMUNES do imposto : • Art. 168 - Templos de Qualquer Culto • Art. 169 - Partidos Políticos e Entidades Sindicais dos Trabalhadores • Art. 170 - Instituições de Educação e de Assistência Social A imunidade é restrita aos resultados relacionados com as finalidades essenciais das entidades nela mencionadas (CF, art. 150, § 4º).
  • 7. Tributação do Imposto de Renda Estão ISENTAS do imposto • Art. 174 - Sociedades Beneficentes, Fundações, Associações e Sindicatos Não estão abrangidos pela imunidade e isenção os rendimentos e ganhos de capital auferidos em aplicações financeiras de renda fixa ou de renda variável. Estão isentas do imposto as instituições de caráter filantrópico, recreativo, cultural e científico e as associações civis que prestem os serviços para os quais houverem sido instituídas e os coloquem à disposição do grupo de pessoas a que se destinam, sem fins lucrativos (Lei nº 9.532, de 1997, arts. 15 e 18).
  • 8. Tributação do Imposto de Renda A imunidade e a isenção NÃO depende de prévio reconhecimento pela Secretaria da Receita Federal. (Normativo: RIR/1999, art. 181.) A imunidade e a isenção da entidade se dá pela sua natureza jurídica e seu objetivo social. A manutenção da imunidade e isenção depende de preenchimento de requisitos legais. (Normativos: CF/1988, art. 150, VI, “b”; “c”; CTN, art. 14; Lei Complementar nº 104, de 2001; Lei nº 9.532, de 1997, art.12 § 3º (c/redação dada pela Lei nº 9.718, de 1998, art. 10) e art. 15; Lei nº 9.637, de 1998; Lei nº 9.790, de 1999; Lei nº 9.732, de 1998; Lei nº 10.426, de 2002; Lei nº 10.637, de 2002, art. 34 e art. 68, III; e Decreto nº 3.048, de 1999, art. 12, I.)
  • 9. Tributação da Contribuição Social sobre Lucro Líquido Imune (Art. 12 da Lei 9.532/97): Instituições de Educação, Saúde e Assistência Social a) não remunerar, por qualquer forma, seus dirigentes pelos serviços prestados; b) aplicar integralmente seus recursos na manutenção e desenvolvimento dos seus objetivos sociais; c) manter escrituração completa de suas receitas e despesas em livros revestidos das formalidades que assegurem a respectiva exatidão; d) conservar em boa ordem, pelo prazo de cinco anos, contado da data da emissão, os documentos que comprovem a origem de suas receitas e a efetivação de suas despesas, bem assim a realização de quaisquer outros atos ou operações que venham a modificar sua situação patrimonial; e) apresentar, anualmente, Declaração de Rendimentos, em conformidade com o disposto em ato da Secretaria da Receita Federal; f) recolher os tributos retidos sobre os rendimentos por elas pagos ou creditados e a contribuição para a seguridade social relativa aos empregados, bem assim cumprir as obrigações acessórias daí decorrentes; g) assegurar a destinação de seu patrimônio a outra instituição que atenda às condições para gozo da imunidade, no caso de incorporação, fusão, cisão ou de encerramento de suas atividades, ou a órgão público. h) outros requisitos, estabelecidos em lei específica, relacionados com o funcionamento das entidades a que se refere este artigo. Isenta (Art. 12 da Lei 9.532/97: instituições de caráter filantrópico, recreativo, cultural e científico e as associações civis as disposições do art. 12, § 2°, alíneas "a" a "e"
  • 10. Tributação do Pis e Cofins PIS – Folha de Salários São contribuintes nesta modalidade, as seguintes entidades: (art 9 IN 247/2002) I – templos de qualquer culto; II – partidos políticos; III – instituições de educação e de assistência social que preencham as condições e requisitos do art. 12 da Lei no 9.532, de 10 de dezembro de 1997; IV – instituições de caráter filantrópico, recreativo, cultural, científico e as associações, que preencham as condições e requisitos do art. 15 da Lei no 9.532, de 1997; V – sindicatos, federações e confederações; VI – serviços sociais autônomos, criados ou autorizados por lei; VII – conselhos de fiscalização de profissões regulamentadas; VIII – fundações de direito privado; IX – condomínios de proprietários de imóveis residenciais ou comerciais; e X – Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB) e as Organizações Estaduais de Cooperativas previstas no art. 105 e seu § 1º da Lei nº 5.764, de 16 de dezembro de 1971. As sociedades cooperativas, na hipótese do § 5º do art. 33 da IN SRF 247/2002, também contribuirão para o PIS/Pasep incidente sobre a folha de salários.
  • 11. Tributação do Pis e Cofins IN SRF 247/2002 Artigo 47: As entidades relacionadas no art. 9º desta Instrução Normativa: I – não contribuem para o PIS/Pasep incidente sobre o faturamento; e II – são isentas da Cofins em relação às receitas derivadas de suas atividades próprias. § 1º Para efeito de fruição dos benefícios fiscais previstos neste artigo, as entidades de educação, assistência social e de caráter filantrópico devem possuir o Certificado de Entidade Beneficente de Assistência Social (CEBAS) § 2º Consideram-se receitas derivadas das atividades próprias somente aquelas decorrentes de contribuições, doações, anuidades ou mensalidades fixadas por lei, assembléia ou estatuto, recebidas de associados ou mantenedores, sem caráter contraprestacional direto, destinadas ao seu custeio e ao desenvolvimento dos seus objetivos sociais.
  • 12. COFINS – Receitas das Atividades Próprias São Isentas da COFINS as receitas das atividades próprias das entidades que se refere o art. 13 da MP 2158-35: I - templos de qualquer culto; II - partidos políticos; III - instituições de educação e de assistência social a que se refere o art. 12 da Lei no 9.532, de 10 de dezembro de 1997; IV - instituições de caráter filantrópico, recreativo, cultural, científico e as associações, a que se refere o art. 15 da Lei no 9.532, de 1997; V - sindicatos, federações e confederações; VI - serviços sociais autônomos, criados ou autorizados por lei; VII - conselhos de fiscalização de profissões regulamentadas; VIII - fundações de direito privado e fundações públicas instituídas ou mantidas pelo Poder Público; IX - condomínios de proprietários de imóveis residenciais ou comerciais; e X - a Organização das Cooperativas Brasileiras - OCB e as Organizações Estaduais de Cooperativas previstas no art. 105 e seu § 1o da Lei no 5.764, de 16 de dezembro de 1971. IN 247/2002 Art 47 § 2º Consideram-se receitas derivadas das atividades próprias somente aquelas decorrentes de contribuições, doações, anuidades ou mensalidades fixadas por lei, assembléia ou estatuto, recebidas de associados ou mantenedores, sem caráter contraprestacional direto, destinadas ao seu custeio e ao desenvolvimento dos seus objetivos sociais. Não são consideradas receitas derivadas das atividades próprias, mesmo que estabelecidas por assembléias ou previstas no estatuto das entidades, as seguintes receitas a título de exemplos: aluguéis de imóveis, cursos e palestras, prestação de serviços, venda de mercadorias, juros e multas ativas, etc.
  • 13. Entidades de Assistência Social, EducaçãoEntidades de Assistência Social, Educação e Sae Saúúdede   com CEBAS sem CEBAS Base legal Imposto de Renda NÃO pagam NÃO pagam artigo150, inciso VI da Constituição Federal; artigos 168 a 173 do Decreto 3.000/99; artigo 12, § 2º da Lei 9532/97 Contribuição Social NÃO pagam NÃO Pagam Se declararem como ISENTAS artigo195, §§ 7o da Constituição Federal; Leis 9528/97 e 9732/98 art. 1o e MP 2187/2001 PIS – Folha de Salários Pagam Pagam artigo 9 e 47 da Instrução Normativa SRF 247/2002; artigo 12, § 2º da Lei 9532/97 PIS - Cumulativo NÃO pagam   artigo 9 e 47 da Instrução Normativa SRF 247/2002; artigo 12, § 2º da Lei 9532/97 PIS – Não Cumulativo NÃO pagam NÃO pagam artigo 9 e 47 da Instrução Normativa SRF 247/2002; artigo 12, § 2º da Lei 9532/97; artigo 8 Lei 10.637 Cofins – Cumulativa pagam sobre o total das Receitas NÃO Próprias 3% Lei nº 9.718, de 1998, arts. 2o e 3o ; MP nº 2.158-35, de 2001, arts. 13, e 14, X; e PN CST nº 5, de 1992; arts. 1 a 8o e 10o da Lei 10.833/2004 Cofins – Não Cumulativa NÃO Pagam pagam sobre o total das Receitas NÃO Próprias 7,6% Lei nº 9.718, de 1998, arts. 2o e 3o ; MP nº 2.158-35, de 2001, arts. 13, e 14, X; e PN CST nº 5, de 1992; arts. 1 a 8o e 10o da Lei 10.833/2004 NÃO pagam NÃO pagam
  • 14. Entidades Recreativas, Cultural e CientEntidades Recreativas, Cultural e Cientíífico e as Associafico e as Associaççõesões     Base legal Imposto de Renda NÃO pagam artigos 174 a 181 do Decreto 3.000/99; artigo 15, § 2º da Lei 9532/97 Contribuição Social NÃO pagam artigos 174 a 181 do Decreto 3.000/99; artigo 15, § 2º da Lei 9532/97 PIS – Folha de Salários Pagam artigo 9 e 47 da Instrução Normativa SRF 247/2002; artigo 15, § 2º da Lei 9532/97 PIS - Cumulativo NÃO pagam artigo 9 e 47 da Instrução Normativa SRF 247/2002; artigo 15, § 2º da Lei 9532/97 PIS – Não Cumulativo NÃO pagam artigo 9 e 47 da Instrução Normativa SRF 247/2002; artigo 15, § 2º da Lei 9532/97; artigo 1, § 3º, inciso I Lei 10.637 Cofins – Cumulativa NÃO pagam Lei nº 9.718, de 1998, arts. 2o e 3o ; MP nº 2.158-35, de 2001, arts. 13, e 14, X; e PN CST nº 5, de 1992 Cofins – Não Cumulativa pagam sobre o total das Receitas NÃO Próprias 7,6% Lei nº 9.718, de 1998, arts. 2o e 3o ; MP nº 2.158-35, de 2001, arts. 13, e 14, X; e PN CST nº 5, de 1992; Lei 10.833/2004
  • 15. Vejam as opções de Forma de Tributação e quais os tipos de Entidades que habilitam
  • 17. ICMS – Decreto 45490/2000 – art.31 (ENTIDADE ASSISTENCIAL OU DE EDUCAÇÃO - PRODUÇÃO PRÓPRIA)  - Saída de mercadoria de produção própria promovida por instituição de assistência social ou de educação,  desde que (Convênios ICM-38/82, com alteração do Convênio ICM-47/89, ICMS-52/90 e ICMS-121/95,  cláusula primeira, VII, "b"): I - a entidade não tenha finalidade lucrativa e sua renda líqüida seja integralmente aplicada na manutenção de  seus objetivos assistenciais ou educacionais no país, sem distribuição de qualquer parcela a título de lucro ou  participação; II - o valor das vendas de mercadoria da espécie, realizadas pela beneficiária no ano anterior, não tenha  ultrapassado o limite estabelecido para a isenção de microempresa; III - a isenção seja reconhecida pela Secretaria da Fazenda, a requerimento da interessada. No caso de exceder o limite previsto ou tratar-se de mercadorias, aplica-se o regime de apuração periódica, ou  seja, 7, 12, 18% sobre as vendas diminuídos dos créditos referentes as compras.
  • 18. ITCMD – Lei 10992/2001 O donatário que receber durante o exercício fiscal da mesma fonte, doações no valor superior a 2500  UFESPs (atuais R$ 50.350,00), estará obrigado ao pagamento de ITCMD à alíquota de 4%.                  O reconhecimento da isenção deverá ser feito, de forma cumulativa, pela Secretaria da Fazenda e,  conforme a natureza da entidade, primeiro pela Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania, pela  Secretaria da Cultura ou pela Secretaria do Meio Ambiente, de acordo com disciplina a ser estabelecida  pelo Poder Executivo;  REQUISITOS 1. cópia autenticada do estatuto 2. comprovante de inscrição na Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania, pela Secretaria da  Cultura ou pela Secretaria do Meio Ambiente  3. cópia da ata de eleição dos membros da atual diretoria,  4. cópia do documento de inscrição no CNPJ (antigo CGC) do Ministério da Fazenda, atualizado. 
  • 19. IMUNIDADE Art. 6.º O imposto não incide: Art. 6.º da Lei n.º 6.989, de 29/12/66. I - nas hipóteses de imunidade previstas na Constituição Federal, observado, sendo o caso, o disposto em lei complementar; ISENÇÕES Art. 197. São isentas do imposto as prestações de serviços efetuadas por V — promoventes de concertos, recitais, shows, avant-premières cinematográficas, exposições, quermesses e espetáculos similares, realizados para fins assistenciais, exceto em teatros e auditórios de estações radioemissoras e de televisão e observados os prazos e condições da legislação municipal; Parágrafo único. Salvo as isenções do inciso V que, por facultativas, devem ser solicitadas antecipadamente para cada espetáculo, e as dos incisos III e IV, as demais dependem de requerimento anual, na forma, prazo e condições regulamentares. ISS - DECRETO N° 47.006,
  • 20. NÃO INCIDÊNCIA Diversos são os serviços que não incidem o imposto, tais como: Patrocínio, Convênio, Termo de Parceria, entre outros. Aqueles serviços que não fazem parte da lista expressa no artigo 126, não sofrem incidência do ISS, e esta dispensado de emissão de documentos fiscais (NF) e obrigações acessórias. ISS - DECRETO N° 47.006,
  • 21. I T B I O ITBI-IV incide sobre a transmissão inter vivos, a qualquer título, por ato oneroso, de bens imóveis, por natureza ou acessão física e de direitos reais sobre bens imóveis, exceto os de garantia e as servidões, bem como sobre a cessão, por ato oneroso, de direitos relativos à aquisição de bens imóveis, situados nos limites territoriais do Município de São Paulo (Lei n.º 11.154, de 30/12/91, Lei 13.107, de 29/12/2000 e Lei 14.256, de 29/12/06). IMUNIDADE: Atendidos os requisitos constitucionais, são imunes do I.T.B.I. • as transmissões de bens e direitos efetuadas por partidos políticos, inclusive suas fundações, entidades sindicais de trabalhadores, instituições de educação e assistência social, sem fins lucrativos (CF, artigo 150, VI, c). DOCUMENTOS • indicação, precisa dos elementos da transação; • prova documental da condição de imune ou do preenchimento dos requisitos da não-incidência ou da isenção;