SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 17
Estudo da obra “OBREIROS DA VIDA ETERNA”
Autor André Luiz, espírito,
psicografada por Francisco Cândido Xavier.
Federação Espírita Brasileira - ano de 1946.
Capítulo 18
DESPRENDIMENTO
DIFÍCIL
Quarta-feira, 12 de agosto de 2015
Rose Campos
“Agora, tínhamos sob os olhos o caso Cavalcante
em processo final.”
Encontra-se internado numa enfermaria gratuita num
movimentado hospital, onde há tanta atividade por parte dos
encarnados como por parte dos desencarnados.
A maioria dos leitos ocupados mostrava o doente e as entidades
espirituais que o rodeavam (em assistência defensiva ou em
acirrada perseguição).
Cavalcante havia sido abandonado pelos parentes.
Cavalcante era um cavalheiro maduro, rosto
profusamente enrugado e cabelos brancos.
Virtuoso católico romano, espírito abnegado e
valoroso nos serviços do bem ao próximo.
Católico romano fervoroso.
Em sua cabeceira vigiava excelente companheiro
espiritual, chamado Bonifácio.
Gravíssimos problemas no corpo físico, já sem
solução. Sobretudo na parte intestinal.
Os médicos não compreendiam como o doente
ainda conseguia estar vivo.
O gigantesco poder da mente, em admirável
decreto da vontade, estabelecia todo o
domínio possível nos órgãos e centros vitais em
decadência franca.
E por que tanta resistência por parte de
Cavalcante?
- Angústia; medo de morrer; medo do
purgatório.
- Desejo de rever a ex-esposa, pois após
repensar sua vida, chegou à conclusão
que deveria lhe pedir perdão.
Jerônimo determina que sejam desatados os nós fluídicos.
Cavalcante intui que o fim está próximo.
Pede para chamar o padre.
Após breve confissão que
o sacerdote reduziu ao
mínimo de tempo possível
em virtude do mau cheiro
emanado por Cavalcante...
O doente ainda insiste em
prolongar a conversa e pede ao
padre que continue a procurar
por sua ex-mulher.
Visivelmente impaciente, o sacerdote consegue finalmente
se afastar do leito e comenta, quando encontra o médico:
- “Afinal o que acontece ao Cavalcante?
Morre ou não morre?”
– Tem sido gigante na reação – informou o clínico, bem
humorado
Considerando-lhe, porém, os males sem cura, venho
examinando a possibilidade da eutanásia.
– Parece-me caridade – redargüiu o religioso –, porque o
infeliz apodrece em vida...
Cavalcante pede então que chamem determinada irmã de
caridade que trabalhava ali no hospital.
Quem sabe um coração feminino pudesse lhe dar o consolo
que o sacerdote não soube lhe oferecer?
Porém, a “irmã de caridade” não trazia consigo melhor
humor. Fez questão de escutá-lo, alçando desinfetante
enérgico ao nariz, a infundir-lhe surpresa ainda mais
dolorosa.
A cena chocava-me pelo desrespeito.
Ambos os profissionais, os da Religião
e o da Ciência, notavam situações
meramente superficiais, incapazes de
penetração nos sagrados mistérios da alma.
Entretanto, para compensar tão descaridosa
incompreensão, Cavalcante
era objeto de nosso melhor carinho.
Jerônimo poderia aplicar-lhe recursos
extremos, mas absteve-se.
– Ninguém corte, onde possa desatar...
A esposa já havia desencarnado há mais de ano.
E percebe
também a
presença dos
espíritos
vampirizadores.
Bonifácio entrou conduzindo verdadeiro fantasma. A ex-consorte,
semelhava-se, em tudo, a sombra espectral. Não via os socorristas.
A esposa abeirou-se do leito, tentando ajoelhar-se.
– Joaquim, perdoa-me, perdoa-me!...
– Perdoar-te de quê? – replicou ele, buscando inutilmente
afagá-la.
– Eu, sim, fui injusto contigo, abandonando-te ao léu da
sorte... Por favor, não me queiras mal.
– Veja, doutor, minha esposa chegou, enfim!
– Estou contente, conformado... Mas minha pobre
Bela parece enferma, abatida...
Ajude-a por amor de Deus!
– Por que motivo tantos loucos foram internados aqui?
Olhem, olhem aquele! Parece sufocar o infeliz...
– Volta Bela! Volta!
Jerônimo:
– Beneficiemos o moribundo, por nossa vez,
empregando medidas drásticas.
O doutor pretende impor-lhe fatal anestésico.
O clínico, todavia, não se demorou muito e como o enfermo
lutava, desesperado, em oposição ao nosso auxílio, não nos foi
possível aplicar-lhe golpe extremo.
Sem qualquer conhecimento
das dificuldades espirituais, o
médico ministrou a chamada
“injeção compassiva”, ante o
gesto de profunda
desaprovação do meu
orientador.
A eutanásia trata, em sua origem etimológica, da boa morte,
ou seja, aquela que não prolonga o sofrimento e a dor.
Existem duas formas:
Eutanásia passiva: o indivíduo é cuidado em suas necessidades
básicas, com o mínimo de drogas e com o controle da analgesia,
muitas vezes permanecendo torporoso ou inconsciente;
Eutanásia ativa: na qual existe o desejo de se abreviar a vida,
dispensando qualquer
tratamento que favoreça as atividades metabólicas do indivíduo,
como a suspensão de aparelhos respiradores ou marca-passo,
dietas por acesso central, antibióticos e quimioterápicos.
A distanásia busca manter a vida a qualquer custo, lançando mão
de todos os recursos disponíveis, não levando em conta questões
como qualidade de vida, desejo de escolha do paciente ou familiares.
https://www.youtube.com/watch?v=0rBYK8ekxKA
A ortotanásia é o ato de cessar o uso de recursos que possam
prolongar a vida do paciente, quando não houver chance de
sobrevivência, desde que autorizado pela família e anotado no
prontuário. A ortotanásia tem a função de evitar a distanásia.
Em vez de prolongar artificialmente o processo de morte (distanásia),
deixa-se que este se desenvolva.
A mistanásia é um termo pouco utilizado, mas representa a
morte miserável, antes da hora, conhecida como eutanásia social.
Pode ocorrer em casos de omissão de socorro, erro médico,
negligência, imprudência e imperícia.
– A carga fulminante da medicação atinge também
os centros do organismo perispiritual.
Cavalcante permanece, agora, colado a trilhões
de células neutralizadas, dormentes, invadido, ele mesmo,
de estranho torpor que o impossibilita de dar qualquer
resposta ao nosso esforço.
Cavalcante, para o espectador comum, estava morto.
Não para nós, entretanto. A personalidade
desencarnante estava presa ao corpo inerte,
em plena inconsciência e incapaz de qualquer reação.
Somente nos foi possível a libertação quando já haviam
transcorrido vinte horas, após serviço muito laborioso
para nós. Ainda assim, Cavalcante não se retirou em
condições favoráveis e animadoras.
Apático,
sonolento,
desmemoriado,
foi por nós conduzido
ao asilo de Fabiano,
demonstrando necessitar maiores cuidados.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Influência dos Espíritos em nossos pensamentos e atos (Palestra Espírita)
Influência dos Espíritos em nossos pensamentos e atos (Palestra Espírita)Influência dos Espíritos em nossos pensamentos e atos (Palestra Espírita)
Influência dos Espíritos em nossos pensamentos e atos (Palestra Espírita)Marcos Antônio Alves
 
Imortalidade da alma
Imortalidade da almaImortalidade da alma
Imortalidade da almahome
 
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros capitulo 05 Ouvindo instruções
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros   capitulo 05 Ouvindo instruçõesEstudando com Andre Luiz - Os Mensageiros   capitulo 05 Ouvindo instruções
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros capitulo 05 Ouvindo instruçõesJose Luiz Maio
 
Seminário Memórias de Um Suicida - Capítulo III - No Hospital Maria de Nazaré...
Seminário Memórias de Um Suicida - Capítulo III - No Hospital Maria de Nazaré...Seminário Memórias de Um Suicida - Capítulo III - No Hospital Maria de Nazaré...
Seminário Memórias de Um Suicida - Capítulo III - No Hospital Maria de Nazaré...Cynthia Castro
 
Há muitas moradas na casa do pai
Há muitas moradas na casa do paiHá muitas moradas na casa do pai
Há muitas moradas na casa do paiGianete Rocha
 
A terra planeta de provas e expiações
A terra planeta de provas e expiaçõesA terra planeta de provas e expiações
A terra planeta de provas e expiaçõesGraça Maciel
 
Mistificações, contradições e animismo
Mistificações, contradições e animismoMistificações, contradições e animismo
Mistificações, contradições e animismojcevadro
 
3.8 - Lei do Progresso.pptx
3.8 - Lei do Progresso.pptx3.8 - Lei do Progresso.pptx
3.8 - Lei do Progresso.pptxMarta Gomes
 
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros capitulo 06 Advertencias profundas
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros  capitulo 06 Advertencias profundasEstudando com Andre Luiz - Os Mensageiros  capitulo 06 Advertencias profundas
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros capitulo 06 Advertencias profundasJose Luiz Maio
 
Ansiedade na visão espirita
Ansiedade na visão espirita Ansiedade na visão espirita
Ansiedade na visão espirita Lisete B.
 
Seminário Memórias de Um Suicida - Segunda Parte - Capítulo V - Prelúdios de ...
Seminário Memórias de Um Suicida - Segunda Parte - Capítulo V - Prelúdios de ...Seminário Memórias de Um Suicida - Segunda Parte - Capítulo V - Prelúdios de ...
Seminário Memórias de Um Suicida - Segunda Parte - Capítulo V - Prelúdios de ...Cynthia Castro
 
2.7.5 Idiotismo e loucura
2.7.5   Idiotismo e loucura2.7.5   Idiotismo e loucura
2.7.5 Idiotismo e loucuraMarta Gomes
 

Mais procurados (20)

Influência dos Espíritos em nossos pensamentos e atos (Palestra Espírita)
Influência dos Espíritos em nossos pensamentos e atos (Palestra Espírita)Influência dos Espíritos em nossos pensamentos e atos (Palestra Espírita)
Influência dos Espíritos em nossos pensamentos e atos (Palestra Espírita)
 
Imortalidade da alma
Imortalidade da almaImortalidade da alma
Imortalidade da alma
 
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros capitulo 05 Ouvindo instruções
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros   capitulo 05 Ouvindo instruçõesEstudando com Andre Luiz - Os Mensageiros   capitulo 05 Ouvindo instruções
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros capitulo 05 Ouvindo instruções
 
Seminário Memórias de Um Suicida - Capítulo III - No Hospital Maria de Nazaré...
Seminário Memórias de Um Suicida - Capítulo III - No Hospital Maria de Nazaré...Seminário Memórias de Um Suicida - Capítulo III - No Hospital Maria de Nazaré...
Seminário Memórias de Um Suicida - Capítulo III - No Hospital Maria de Nazaré...
 
Há muitas moradas na casa do pai
Há muitas moradas na casa do paiHá muitas moradas na casa do pai
Há muitas moradas na casa do pai
 
Irradiação
IrradiaçãoIrradiação
Irradiação
 
Casamento na ótica espirita
Casamento na ótica espiritaCasamento na ótica espirita
Casamento na ótica espirita
 
Crianças após a morte
Crianças após a morteCrianças após a morte
Crianças após a morte
 
Bem aventurados os puros de coração
Bem aventurados os puros de coraçãoBem aventurados os puros de coração
Bem aventurados os puros de coração
 
AFINIDADE E SINTONIA ESPIRITUAL na visão Espírita
AFINIDADE E SINTONIA ESPIRITUAL na visão EspíritaAFINIDADE E SINTONIA ESPIRITUAL na visão Espírita
AFINIDADE E SINTONIA ESPIRITUAL na visão Espírita
 
A terra planeta de provas e expiações
A terra planeta de provas e expiaçõesA terra planeta de provas e expiações
A terra planeta de provas e expiações
 
AMAI OS VOSSOS INIMIGOS
AMAI OS VOSSOS INIMIGOSAMAI OS VOSSOS INIMIGOS
AMAI OS VOSSOS INIMIGOS
 
Obsessão e desobsessão
Obsessão e desobsessãoObsessão e desobsessão
Obsessão e desobsessão
 
Mistificações, contradições e animismo
Mistificações, contradições e animismoMistificações, contradições e animismo
Mistificações, contradições e animismo
 
3.8 - Lei do Progresso.pptx
3.8 - Lei do Progresso.pptx3.8 - Lei do Progresso.pptx
3.8 - Lei do Progresso.pptx
 
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros capitulo 06 Advertencias profundas
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros  capitulo 06 Advertencias profundasEstudando com Andre Luiz - Os Mensageiros  capitulo 06 Advertencias profundas
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros capitulo 06 Advertencias profundas
 
Ansiedade na visão espirita
Ansiedade na visão espirita Ansiedade na visão espirita
Ansiedade na visão espirita
 
O fluido vital
O fluido vitalO fluido vital
O fluido vital
 
Seminário Memórias de Um Suicida - Segunda Parte - Capítulo V - Prelúdios de ...
Seminário Memórias de Um Suicida - Segunda Parte - Capítulo V - Prelúdios de ...Seminário Memórias de Um Suicida - Segunda Parte - Capítulo V - Prelúdios de ...
Seminário Memórias de Um Suicida - Segunda Parte - Capítulo V - Prelúdios de ...
 
2.7.5 Idiotismo e loucura
2.7.5   Idiotismo e loucura2.7.5   Idiotismo e loucura
2.7.5 Idiotismo e loucura
 

Semelhante a Obreiros da vida eterna capítulo 18

EutanáSia E SacrifíCio Da PróPria Vida
EutanáSia E SacrifíCio Da PróPria VidaEutanáSia E SacrifíCio Da PróPria Vida
EutanáSia E SacrifíCio Da PróPria VidaSergio Menezes
 
Seminário Memórias de Um Suicida - Primeira Parte - Capítulo VI - A Comunhão ...
Seminário Memórias de Um Suicida - Primeira Parte - Capítulo VI - A Comunhão ...Seminário Memórias de Um Suicida - Primeira Parte - Capítulo VI - A Comunhão ...
Seminário Memórias de Um Suicida - Primeira Parte - Capítulo VI - A Comunhão ...Cynthia Castro
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 78 - Segundo a Carne
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 78 - Segundo a CarneSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 78 - Segundo a Carne
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 78 - Segundo a CarneRicardo Azevedo
 
Divaldo franco nos bastidores da obsessão
Divaldo franco   nos bastidores  da obsessãoDivaldo franco   nos bastidores  da obsessão
Divaldo franco nos bastidores da obsessãoEWALDO DE SOUZA
 
Direito a vida
Direito a vidaDireito a vida
Direito a vidanelmarvoc
 
31 nosso lar vampiro
31 nosso lar  vampiro31 nosso lar  vampiro
31 nosso lar vampiroFatoze
 
E A Vida Continua - Cap 1
E A Vida Continua - Cap 1E A Vida Continua - Cap 1
E A Vida Continua - Cap 1Patricia Farias
 
Nosso lar 04omédicoespiritual
Nosso lar 04omédicoespiritualNosso lar 04omédicoespiritual
Nosso lar 04omédicoespiritualDuda Neto
 
Gee perispirito e enfermidade
Gee perispirito e enfermidadeGee perispirito e enfermidade
Gee perispirito e enfermidadeventofrio
 
Boletim esperança 07
Boletim esperança 07Boletim esperança 07
Boletim esperança 07Robervaldu
 

Semelhante a Obreiros da vida eterna capítulo 18 (20)

A DÍVIDA, O TEMPO E A EUTANÁSIA
A DÍVIDA, O TEMPO E A EUTANÁSIAA DÍVIDA, O TEMPO E A EUTANÁSIA
A DÍVIDA, O TEMPO E A EUTANÁSIA
 
EutanáSia E SacrifíCio Da PróPria Vida
EutanáSia E SacrifíCio Da PróPria VidaEutanáSia E SacrifíCio Da PróPria Vida
EutanáSia E SacrifíCio Da PróPria Vida
 
A Verdadeira Cura
A Verdadeira CuraA Verdadeira Cura
A Verdadeira Cura
 
Seminário Memórias de Um Suicida - Primeira Parte - Capítulo VI - A Comunhão ...
Seminário Memórias de Um Suicida - Primeira Parte - Capítulo VI - A Comunhão ...Seminário Memórias de Um Suicida - Primeira Parte - Capítulo VI - A Comunhão ...
Seminário Memórias de Um Suicida - Primeira Parte - Capítulo VI - A Comunhão ...
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 78 - Segundo a Carne
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 78 - Segundo a CarneSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 78 - Segundo a Carne
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 78 - Segundo a Carne
 
Eutanásia e Vida
Eutanásia e VidaEutanásia e Vida
Eutanásia e Vida
 
Apostila obsessão lar rubataiana -doc - 10 doc
Apostila obsessão   lar rubataiana -doc - 10 docApostila obsessão   lar rubataiana -doc - 10 doc
Apostila obsessão lar rubataiana -doc - 10 doc
 
Divaldo franco nos bastidores da obsessão
Divaldo franco   nos bastidores  da obsessãoDivaldo franco   nos bastidores  da obsessão
Divaldo franco nos bastidores da obsessão
 
10 apostila [2]..
10 apostila [2]..10 apostila [2]..
10 apostila [2]..
 
Direito a vida
Direito a vidaDireito a vida
Direito a vida
 
Apostila obsessão lar rubataiana -2009 .doc - 10 doc
Apostila obsessão   lar rubataiana -2009 .doc - 10 docApostila obsessão   lar rubataiana -2009 .doc - 10 doc
Apostila obsessão lar rubataiana -2009 .doc - 10 doc
 
Apostila obsessão lar rubataiana -doc - 10 doc
Apostila obsessão   lar rubataiana -doc - 10 docApostila obsessão   lar rubataiana -doc - 10 doc
Apostila obsessão lar rubataiana -doc - 10 doc
 
Informativo jul-12
Informativo   jul-12Informativo   jul-12
Informativo jul-12
 
4 Assistência no Plano Terreno.
4 Assistência no Plano Terreno.4 Assistência no Plano Terreno.
4 Assistência no Plano Terreno.
 
A vida Viaja na Luz
A vida Viaja na LuzA vida Viaja na Luz
A vida Viaja na Luz
 
31 nosso lar vampiro
31 nosso lar  vampiro31 nosso lar  vampiro
31 nosso lar vampiro
 
E A Vida Continua - Cap 1
E A Vida Continua - Cap 1E A Vida Continua - Cap 1
E A Vida Continua - Cap 1
 
Nosso lar 04omédicoespiritual
Nosso lar 04omédicoespiritualNosso lar 04omédicoespiritual
Nosso lar 04omédicoespiritual
 
Gee perispirito e enfermidade
Gee perispirito e enfermidadeGee perispirito e enfermidade
Gee perispirito e enfermidade
 
Boletim esperança 07
Boletim esperança 07Boletim esperança 07
Boletim esperança 07
 

Mais de Lar Irmã Zarabatana

Livro ação e reação cap 01 - parte 02
Livro ação e reação   cap 01 - parte 02Livro ação e reação   cap 01 - parte 02
Livro ação e reação cap 01 - parte 02Lar Irmã Zarabatana
 
Livro ação e reação cap 01 - parte 01
Livro ação e reação   cap 01 - parte 01Livro ação e reação   cap 01 - parte 01
Livro ação e reação cap 01 - parte 01Lar Irmã Zarabatana
 
17 02 2017 Reforma íntima como ferramenta de evolução
17 02 2017 Reforma íntima como ferramenta de evolução17 02 2017 Reforma íntima como ferramenta de evolução
17 02 2017 Reforma íntima como ferramenta de evoluçãoLar Irmã Zarabatana
 
27 01 2017 a morte do animal de estimação
27 01 2017 a morte do animal de estimação27 01 2017 a morte do animal de estimação
27 01 2017 a morte do animal de estimaçãoLar Irmã Zarabatana
 
28 10 2016 - Diferença entre influenciação e obsessão
28 10 2016  - Diferença entre influenciação e obsessão 28 10 2016  - Diferença entre influenciação e obsessão
28 10 2016 - Diferença entre influenciação e obsessão Lar Irmã Zarabatana
 
07 de outubro 2016 Questões espirituais na infância
07 de outubro 2016   Questões espirituais na infância07 de outubro 2016   Questões espirituais na infância
07 de outubro 2016 Questões espirituais na infânciaLar Irmã Zarabatana
 
21 de agosto 2015 "Pais e filhos difíceis"
21 de agosto 2015 "Pais e filhos difíceis"21 de agosto 2015 "Pais e filhos difíceis"
21 de agosto 2015 "Pais e filhos difíceis"Lar Irmã Zarabatana
 
10 de abril de 2015 "Infância e Recordações de Vida Passada"
10 de abril de  2015   "Infância e Recordações de Vida Passada"10 de abril de  2015   "Infância e Recordações de Vida Passada"
10 de abril de 2015 "Infância e Recordações de Vida Passada"Lar Irmã Zarabatana
 
04 de setembro 2015 "O valor terapêutico da natureza"
04 de setembro 2015   "O valor terapêutico da natureza"04 de setembro 2015   "O valor terapêutico da natureza"
04 de setembro 2015 "O valor terapêutico da natureza"Lar Irmã Zarabatana
 
10 de julho 2015 "O parente difícil"
10 de julho 2015 "O parente difícil"10 de julho 2015 "O parente difícil"
10 de julho 2015 "O parente difícil"Lar Irmã Zarabatana
 
24 de julho 2015 o idoso na visão espírita
24 de julho 2015 o idoso na visão espírita24 de julho 2015 o idoso na visão espírita
24 de julho 2015 o idoso na visão espíritaLar Irmã Zarabatana
 
23 09 2016 "Há muitas moradas na casa de meu Pai"
23 09 2016  "Há muitas moradas na casa de meu Pai"23 09 2016  "Há muitas moradas na casa de meu Pai"
23 09 2016 "Há muitas moradas na casa de meu Pai"Lar Irmã Zarabatana
 
28 novembro 2014 estado físico e moral de outros mundos
28 novembro 2014   estado físico e moral de outros mundos28 novembro 2014   estado físico e moral de outros mundos
28 novembro 2014 estado físico e moral de outros mundosLar Irmã Zarabatana
 
25 de julho de 2014 indivisibilidade do espírito
25 de julho de 2014   indivisibilidade do espírito25 de julho de 2014   indivisibilidade do espírito
25 de julho de 2014 indivisibilidade do espíritoLar Irmã Zarabatana
 
19 dezembro 2014 a substância do corpo espiritual em outros mundos
19 dezembro 2014   a substância do corpo espiritual em outros mundos19 dezembro 2014   a substância do corpo espiritual em outros mundos
19 dezembro 2014 a substância do corpo espiritual em outros mundosLar Irmã Zarabatana
 
15 agosto 2014 provas da individualidade da alma
15 agosto 2014   provas da individualidade da alma15 agosto 2014   provas da individualidade da alma
15 agosto 2014 provas da individualidade da almaLar Irmã Zarabatana
 

Mais de Lar Irmã Zarabatana (20)

Livro ação e reação cap 01 - parte 02
Livro ação e reação   cap 01 - parte 02Livro ação e reação   cap 01 - parte 02
Livro ação e reação cap 01 - parte 02
 
Livro ação e reação cap 01 - parte 01
Livro ação e reação   cap 01 - parte 01Livro ação e reação   cap 01 - parte 01
Livro ação e reação cap 01 - parte 01
 
17 02 2017 Reforma íntima como ferramenta de evolução
17 02 2017 Reforma íntima como ferramenta de evolução17 02 2017 Reforma íntima como ferramenta de evolução
17 02 2017 Reforma íntima como ferramenta de evolução
 
27 01 2017 a morte do animal de estimação
27 01 2017 a morte do animal de estimação27 01 2017 a morte do animal de estimação
27 01 2017 a morte do animal de estimação
 
28 10 2016 - Diferença entre influenciação e obsessão
28 10 2016  - Diferença entre influenciação e obsessão 28 10 2016  - Diferença entre influenciação e obsessão
28 10 2016 - Diferença entre influenciação e obsessão
 
07 de outubro 2016 Questões espirituais na infância
07 de outubro 2016   Questões espirituais na infância07 de outubro 2016   Questões espirituais na infância
07 de outubro 2016 Questões espirituais na infância
 
21 de agosto 2015 "Pais e filhos difíceis"
21 de agosto 2015 "Pais e filhos difíceis"21 de agosto 2015 "Pais e filhos difíceis"
21 de agosto 2015 "Pais e filhos difíceis"
 
10 de abril de 2015 "Infância e Recordações de Vida Passada"
10 de abril de  2015   "Infância e Recordações de Vida Passada"10 de abril de  2015   "Infância e Recordações de Vida Passada"
10 de abril de 2015 "Infância e Recordações de Vida Passada"
 
04 de setembro 2015 "O valor terapêutico da natureza"
04 de setembro 2015   "O valor terapêutico da natureza"04 de setembro 2015   "O valor terapêutico da natureza"
04 de setembro 2015 "O valor terapêutico da natureza"
 
10 de julho 2015 "O parente difícil"
10 de julho 2015 "O parente difícil"10 de julho 2015 "O parente difícil"
10 de julho 2015 "O parente difícil"
 
24 de julho 2015 o idoso na visão espírita
24 de julho 2015 o idoso na visão espírita24 de julho 2015 o idoso na visão espírita
24 de julho 2015 o idoso na visão espírita
 
23 09 2016 "Há muitas moradas na casa de meu Pai"
23 09 2016  "Há muitas moradas na casa de meu Pai"23 09 2016  "Há muitas moradas na casa de meu Pai"
23 09 2016 "Há muitas moradas na casa de meu Pai"
 
11 03 2016 A ARROGÂNCIA
11 03 2016   A ARROGÂNCIA11 03 2016   A ARROGÂNCIA
11 03 2016 A ARROGÂNCIA
 
15 04 2016 A FOFOCA E O PRECONTEITO
15 04 2016   A FOFOCA E O PRECONTEITO15 04 2016   A FOFOCA E O PRECONTEITO
15 04 2016 A FOFOCA E O PRECONTEITO
 
A CORRENTE MEDIÚNICA
A CORRENTE MEDIÚNICAA CORRENTE MEDIÚNICA
A CORRENTE MEDIÚNICA
 
27 nov 2015 a alma dos animais
27 nov 2015 a alma dos animais27 nov 2015 a alma dos animais
27 nov 2015 a alma dos animais
 
28 novembro 2014 estado físico e moral de outros mundos
28 novembro 2014   estado físico e moral de outros mundos28 novembro 2014   estado físico e moral de outros mundos
28 novembro 2014 estado físico e moral de outros mundos
 
25 de julho de 2014 indivisibilidade do espírito
25 de julho de 2014   indivisibilidade do espírito25 de julho de 2014   indivisibilidade do espírito
25 de julho de 2014 indivisibilidade do espírito
 
19 dezembro 2014 a substância do corpo espiritual em outros mundos
19 dezembro 2014   a substância do corpo espiritual em outros mundos19 dezembro 2014   a substância do corpo espiritual em outros mundos
19 dezembro 2014 a substância do corpo espiritual em outros mundos
 
15 agosto 2014 provas da individualidade da alma
15 agosto 2014   provas da individualidade da alma15 agosto 2014   provas da individualidade da alma
15 agosto 2014 provas da individualidade da alma
 

Último

pregacao romanos 12 9-21 honrar uns aos outros.pptx
pregacao romanos    12 9-21  honrar   uns aos outros.pptxpregacao romanos    12 9-21  honrar   uns aos outros.pptx
pregacao romanos 12 9-21 honrar uns aos outros.pptxFabianoHaider1
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 133 - Lógica da Providência
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 133 - Lógica da ProvidênciaSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 133 - Lógica da Providência
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 133 - Lógica da ProvidênciaRicardo Azevedo
 
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptxIgreja Jesus é o Verbo
 
Folder clube de Desbravadores.............
Folder clube de Desbravadores.............Folder clube de Desbravadores.............
Folder clube de Desbravadores.............MilyFonceca
 
Oração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
Oração Para Os Estudos São Tomás De AquinoOração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
Oração Para Os Estudos São Tomás De AquinoNilson Almeida
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação NecessáriaSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação NecessáriaRicardo Azevedo
 
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptxIgreja Jesus é o Verbo
 
Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docx
Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docxCulto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docx
Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docxManoel Candido Pires Junior
 

Último (8)

pregacao romanos 12 9-21 honrar uns aos outros.pptx
pregacao romanos    12 9-21  honrar   uns aos outros.pptxpregacao romanos    12 9-21  honrar   uns aos outros.pptx
pregacao romanos 12 9-21 honrar uns aos outros.pptx
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 133 - Lógica da Providência
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 133 - Lógica da ProvidênciaSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 133 - Lógica da Providência
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 133 - Lógica da Providência
 
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
 
Folder clube de Desbravadores.............
Folder clube de Desbravadores.............Folder clube de Desbravadores.............
Folder clube de Desbravadores.............
 
Oração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
Oração Para Os Estudos São Tomás De AquinoOração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
Oração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação NecessáriaSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
 
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
 
Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docx
Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docxCulto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docx
Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docx
 

Obreiros da vida eterna capítulo 18

  • 1. Estudo da obra “OBREIROS DA VIDA ETERNA” Autor André Luiz, espírito, psicografada por Francisco Cândido Xavier. Federação Espírita Brasileira - ano de 1946. Capítulo 18 DESPRENDIMENTO DIFÍCIL Quarta-feira, 12 de agosto de 2015 Rose Campos
  • 2. “Agora, tínhamos sob os olhos o caso Cavalcante em processo final.” Encontra-se internado numa enfermaria gratuita num movimentado hospital, onde há tanta atividade por parte dos encarnados como por parte dos desencarnados. A maioria dos leitos ocupados mostrava o doente e as entidades espirituais que o rodeavam (em assistência defensiva ou em acirrada perseguição). Cavalcante havia sido abandonado pelos parentes.
  • 3. Cavalcante era um cavalheiro maduro, rosto profusamente enrugado e cabelos brancos. Virtuoso católico romano, espírito abnegado e valoroso nos serviços do bem ao próximo. Católico romano fervoroso. Em sua cabeceira vigiava excelente companheiro espiritual, chamado Bonifácio.
  • 4. Gravíssimos problemas no corpo físico, já sem solução. Sobretudo na parte intestinal. Os médicos não compreendiam como o doente ainda conseguia estar vivo. O gigantesco poder da mente, em admirável decreto da vontade, estabelecia todo o domínio possível nos órgãos e centros vitais em decadência franca.
  • 5. E por que tanta resistência por parte de Cavalcante? - Angústia; medo de morrer; medo do purgatório. - Desejo de rever a ex-esposa, pois após repensar sua vida, chegou à conclusão que deveria lhe pedir perdão.
  • 6. Jerônimo determina que sejam desatados os nós fluídicos. Cavalcante intui que o fim está próximo. Pede para chamar o padre. Após breve confissão que o sacerdote reduziu ao mínimo de tempo possível em virtude do mau cheiro emanado por Cavalcante... O doente ainda insiste em prolongar a conversa e pede ao padre que continue a procurar por sua ex-mulher. Visivelmente impaciente, o sacerdote consegue finalmente se afastar do leito e comenta, quando encontra o médico: - “Afinal o que acontece ao Cavalcante? Morre ou não morre?”
  • 7. – Tem sido gigante na reação – informou o clínico, bem humorado Considerando-lhe, porém, os males sem cura, venho examinando a possibilidade da eutanásia. – Parece-me caridade – redargüiu o religioso –, porque o infeliz apodrece em vida...
  • 8. Cavalcante pede então que chamem determinada irmã de caridade que trabalhava ali no hospital. Quem sabe um coração feminino pudesse lhe dar o consolo que o sacerdote não soube lhe oferecer? Porém, a “irmã de caridade” não trazia consigo melhor humor. Fez questão de escutá-lo, alçando desinfetante enérgico ao nariz, a infundir-lhe surpresa ainda mais dolorosa.
  • 9. A cena chocava-me pelo desrespeito. Ambos os profissionais, os da Religião e o da Ciência, notavam situações meramente superficiais, incapazes de penetração nos sagrados mistérios da alma. Entretanto, para compensar tão descaridosa incompreensão, Cavalcante era objeto de nosso melhor carinho. Jerônimo poderia aplicar-lhe recursos extremos, mas absteve-se. – Ninguém corte, onde possa desatar...
  • 10. A esposa já havia desencarnado há mais de ano. E percebe também a presença dos espíritos vampirizadores.
  • 11. Bonifácio entrou conduzindo verdadeiro fantasma. A ex-consorte, semelhava-se, em tudo, a sombra espectral. Não via os socorristas. A esposa abeirou-se do leito, tentando ajoelhar-se. – Joaquim, perdoa-me, perdoa-me!... – Perdoar-te de quê? – replicou ele, buscando inutilmente afagá-la. – Eu, sim, fui injusto contigo, abandonando-te ao léu da sorte... Por favor, não me queiras mal.
  • 12. – Veja, doutor, minha esposa chegou, enfim! – Estou contente, conformado... Mas minha pobre Bela parece enferma, abatida... Ajude-a por amor de Deus! – Por que motivo tantos loucos foram internados aqui? Olhem, olhem aquele! Parece sufocar o infeliz... – Volta Bela! Volta!
  • 13. Jerônimo: – Beneficiemos o moribundo, por nossa vez, empregando medidas drásticas. O doutor pretende impor-lhe fatal anestésico. O clínico, todavia, não se demorou muito e como o enfermo lutava, desesperado, em oposição ao nosso auxílio, não nos foi possível aplicar-lhe golpe extremo. Sem qualquer conhecimento das dificuldades espirituais, o médico ministrou a chamada “injeção compassiva”, ante o gesto de profunda desaprovação do meu orientador.
  • 14. A eutanásia trata, em sua origem etimológica, da boa morte, ou seja, aquela que não prolonga o sofrimento e a dor. Existem duas formas: Eutanásia passiva: o indivíduo é cuidado em suas necessidades básicas, com o mínimo de drogas e com o controle da analgesia, muitas vezes permanecendo torporoso ou inconsciente; Eutanásia ativa: na qual existe o desejo de se abreviar a vida, dispensando qualquer tratamento que favoreça as atividades metabólicas do indivíduo, como a suspensão de aparelhos respiradores ou marca-passo, dietas por acesso central, antibióticos e quimioterápicos.
  • 15. A distanásia busca manter a vida a qualquer custo, lançando mão de todos os recursos disponíveis, não levando em conta questões como qualidade de vida, desejo de escolha do paciente ou familiares. https://www.youtube.com/watch?v=0rBYK8ekxKA A ortotanásia é o ato de cessar o uso de recursos que possam prolongar a vida do paciente, quando não houver chance de sobrevivência, desde que autorizado pela família e anotado no prontuário. A ortotanásia tem a função de evitar a distanásia. Em vez de prolongar artificialmente o processo de morte (distanásia), deixa-se que este se desenvolva. A mistanásia é um termo pouco utilizado, mas representa a morte miserável, antes da hora, conhecida como eutanásia social. Pode ocorrer em casos de omissão de socorro, erro médico, negligência, imprudência e imperícia.
  • 16. – A carga fulminante da medicação atinge também os centros do organismo perispiritual. Cavalcante permanece, agora, colado a trilhões de células neutralizadas, dormentes, invadido, ele mesmo, de estranho torpor que o impossibilita de dar qualquer resposta ao nosso esforço. Cavalcante, para o espectador comum, estava morto. Não para nós, entretanto. A personalidade desencarnante estava presa ao corpo inerte, em plena inconsciência e incapaz de qualquer reação.
  • 17. Somente nos foi possível a libertação quando já haviam transcorrido vinte horas, após serviço muito laborioso para nós. Ainda assim, Cavalcante não se retirou em condições favoráveis e animadoras. Apático, sonolento, desmemoriado, foi por nós conduzido ao asilo de Fabiano, demonstrando necessitar maiores cuidados.