SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 2
O transporte dos idosos: suporte dado por quem?
Sérgio Roberto Maluf
Na ausência de uma cultura de respeito e valorização de idosos, temos nestas terras leis
que, sob o manto da coação, determinam como devemos agir em relação a eles. Em quase
nenhum lugar do mundo mais civilizado se observa o que vemos aqui diariamente: vagas para
idosos junto às portas de entrada de shoppings e supermercados; privilégio para atendimento
em bancos; favorecimento no atendimento (pasmem) para jogos nas lotéricas, entre outras. Ou
seja: perdemos a mão no trato do tema.
A constituição, ao tempo em que impôs o “ônus” à família, à sociedade e aos Estado de
amparar as pessoas idosas, determinou a concessão de um salário mínimo ao idoso que não
tenha condição de prover, sozinho ou com ajuda da família, a sua subsistência. Concedeu,
também, gratuidade no transporte coletivo urbano. E isto basta. Qualquer idoso se completa
com um salário mínimo e transporte. Luz, água e alimentos serão todos assim supridos. Se o
idoso estiver acima daquele benefício que lhe garante um salário mínimo e possuir automóvel,
poderá fazer uso de vagas exclusivas nas ruas, ainda que tenha de pagar por elas (em Curitiba
não há gratuidade do EstaR para o idoso). Pagará estacionamento, luz, água alimentos. Mas não
pagará o transporte coletivo, garantindo sua dignidade e dando a sensação de que,
definitivamente, perdemos a mão.
Uma pessoa que, durante sua vida, teve emprego digno deveria ter proventos de
aposentadoria suficientes para suprir suas necessidades. Como não conseguimos isso, sofremos
o castigo de ver uma Constituição pretender dar contornos de dignidade com a “oferta” de
transporte coletivo. E vemos mais: o Estado responsável por aquele serviço público impor o
custo apenas aos seus usuários, fazendo ouvidos moucos à responsabilidade que é de toda a
sociedade.
Com tal, o posicionamento do TCE/PR ao analisar o sistema de transporte coletivo de
Curitiba poderia ser mais refinado. Assumindo a gratuidade do imposto como isento do custeio
(já que excepcionada pela Constituição), deveria ditar-lhe uma contrapartida obrigatória através
das receitas correntes dos respectivos poderes concedentes. Se tivermos um sistema que,
durante um mês, seja utilizado apenas por idosos, quem pagará o salário do motorista, do diesel
etc.?
No mundo de civilização e cultura mais desenvolvidas, há preocupação com os jovens
(que gozam quase sempre de descontos tarifários). Quanto aos idosos, podemos ter descontos
tarifários (proporcionais ao ganho que deixam de ter após a aposentação), gratuidade plena
(ofertada em horários restritos, como a Inglaterra) ou nenhuma concessão.
Havendo gratuidade plena, o Estado, ou a sociedade organizada, deve honrar o valor da
tarifa, fazendo-o com cautela: Hasselt, na Bélgica após 16 anos de transporte público gratuito
pleno, não mais suportou manter o modelo. Não sendo aportado o valor da gratuidade no
sistema, o custo irá recair apenas sobre os usuários pagantes do serviço – esses, hoje, os
responsáveis pela mantença da dignidade brasileira de uma nota só.
(In.: Opinião, Gazeta do povo, n. 30.713, ano 95, Curitiba, p. 2, 21 de dez. 2013).
NOÇÕES/CONCEITOS BÁSICOS
Texto
“Um evento comunicativo em que convergem ações linguísticas, sociais e comunicativas”
(MARCUSCHI, 2008, p. 72).
Parágrafo
“O parágrafo é uma unidade redacional. Serve para dividir o texto (que é um todo) em partes
menores, tendo em vista os diversos enfoques” (MARTINS; ZILBERKENOP, 2010, p. 96).
Tópico frasal
“[...] é a ideia-núcleo extraída, de maneira clara e concisa, do interior do parágrafo”
(MARTINS; ZILBERKENOP, 2010, p. 97).
Coesão
“O conceito de coesão textual diz respeito a todos os processos de sequencialização que
asseguram (ou tornam recuperável) uma ligação linguística significativa entre os elementos que
ocorrem na superfície textual” (KOCH, 1996, p. 19).
A coesão é essa “amarração” entre as várias partes do texto, ou seja, o entrelaçamento
significativo entre declarações e sentenças. Existem, em Língua Portuguesa, dois tipos de
coesão: a lexical e a gramatical.
Coerência
“[...] a coerência não se encontra no texto, mas constrói-se a partir dele, em dada situação
comunicativa, pragmática e interacional” (KOCH; ELIAS, 2014, p. 184).

Mais conteúdo relacionado

Destaque

Lista de exercícios análise combinatória
Lista de exercícios   análise combinatóriaLista de exercícios   análise combinatória
Lista de exercícios análise combinatória
Jacques Douglas Silva
 

Destaque (14)

Determinação
DeterminaçãoDeterminação
Determinação
 
Ecuador power point comercial y atractivo
Ecuador power point comercial y atractivoEcuador power point comercial y atractivo
Ecuador power point comercial y atractivo
 
Así piensan los empresarios. Sondeo 2017
Así piensan los empresarios. Sondeo 2017Así piensan los empresarios. Sondeo 2017
Así piensan los empresarios. Sondeo 2017
 
Liderazgo y el entorno político
Liderazgo y el entorno políticoLiderazgo y el entorno político
Liderazgo y el entorno político
 
Exponencial
ExponencialExponencial
Exponencial
 
180 sites in 180 days
180 sites in 180 days180 sites in 180 days
180 sites in 180 days
 
Las princesas NO existen
Las princesas NO existenLas princesas NO existen
Las princesas NO existen
 
Modulos de la web de jimdo
Modulos de la web de jimdoModulos de la web de jimdo
Modulos de la web de jimdo
 
Bond University presentation to: TLCANZ 2016
Bond University presentation to: TLCANZ 2016Bond University presentation to: TLCANZ 2016
Bond University presentation to: TLCANZ 2016
 
Сервисы для создания интеллектуальных игр
Сервисы для создания интеллектуальных игрСервисы для создания интеллектуальных игр
Сервисы для создания интеллектуальных игр
 
Lista de exercícios análise combinatória
Lista de exercícios   análise combinatóriaLista de exercícios   análise combinatória
Lista de exercícios análise combinatória
 
PHƯƠNG PHÁP TỰ ĐIỂM ĐẠO MẬT TÔNG
PHƯƠNG PHÁP TỰ ĐIỂM ĐẠO MẬT TÔNGPHƯƠNG PHÁP TỰ ĐIỂM ĐẠO MẬT TÔNG
PHƯƠNG PHÁP TỰ ĐIỂM ĐẠO MẬT TÔNG
 
Nep song cong dong
Nep song cong dongNep song cong dong
Nep song cong dong
 
Coaching financiero
Coaching financieroCoaching financiero
Coaching financiero
 

Semelhante a O transporte público para idosos suporte dado por quem

Trafêgo urbano.Novos Pobres
Trafêgo urbano.Novos Pobres Trafêgo urbano.Novos Pobres
Trafêgo urbano.Novos Pobres
Diogo Malafaia
 
O trânsito e as formas de interação no espaço público brasileiro
O trânsito e as formas de interação no espaço público brasileiroO trânsito e as formas de interação no espaço público brasileiro
O trânsito e as formas de interação no espaço público brasileiro
Heloisa Martins Jorge
 
O trânsito e as formas de interação no espaço público brasileiro
O trânsito e as formas de interação no espaço público brasileiroO trânsito e as formas de interação no espaço público brasileiro
O trânsito e as formas de interação no espaço público brasileiro
Heloisa Martins Jorge
 
O trânsito e as formas de interação no espaço público brasileiro
O trânsito e as formas de interação no espaço público brasileiroO trânsito e as formas de interação no espaço público brasileiro
O trânsito e as formas de interação no espaço público brasileiro
Heloisa Martins Jorge
 
O trânsito e as formas de interação no espaço público brasileiro
O trânsito e as formas de interação no espaço público brasileiroO trânsito e as formas de interação no espaço público brasileiro
O trânsito e as formas de interação no espaço público brasileiro
Heloisa Martins Jorge
 

Semelhante a O transporte público para idosos suporte dado por quem (20)

Deputado quer isenção do IPVA para aposentados e pensionistas em Pernambuco
Deputado quer isenção do IPVA para aposentados e pensionistas em PernambucoDeputado quer isenção do IPVA para aposentados e pensionistas em Pernambuco
Deputado quer isenção do IPVA para aposentados e pensionistas em Pernambuco
 
Slide idoso tcc
Slide idoso tccSlide idoso tcc
Slide idoso tcc
 
Trafêgo urbano.Novos Pobres
Trafêgo urbano.Novos Pobres Trafêgo urbano.Novos Pobres
Trafêgo urbano.Novos Pobres
 
Projeto de lei passe livre
Projeto de lei passe livreProjeto de lei passe livre
Projeto de lei passe livre
 
01 transporte público
01  transporte público01  transporte público
01 transporte público
 
O trânsito e as formas de interação no espaço público brasileiro
O trânsito e as formas de interação no espaço público brasileiroO trânsito e as formas de interação no espaço público brasileiro
O trânsito e as formas de interação no espaço público brasileiro
 
O trânsito e as formas de interação no espaço público brasileiro
O trânsito e as formas de interação no espaço público brasileiroO trânsito e as formas de interação no espaço público brasileiro
O trânsito e as formas de interação no espaço público brasileiro
 
O trânsito e as formas de interação no espaço público brasileiro
O trânsito e as formas de interação no espaço público brasileiroO trânsito e as formas de interação no espaço público brasileiro
O trânsito e as formas de interação no espaço público brasileiro
 
O trânsito e as formas de interação no espaço público brasileiro
O trânsito e as formas de interação no espaço público brasileiroO trânsito e as formas de interação no espaço público brasileiro
O trânsito e as formas de interação no espaço público brasileiro
 
Cidades sustentaveis
Cidades sustentaveisCidades sustentaveis
Cidades sustentaveis
 
Anteprojeto da mobilidade urbana
Anteprojeto da mobilidade urbanaAnteprojeto da mobilidade urbana
Anteprojeto da mobilidade urbana
 
Brasil Um (novo) projeto de modernidade
Brasil Um (novo) projeto de modernidadeBrasil Um (novo) projeto de modernidade
Brasil Um (novo) projeto de modernidade
 
Anexo 11
Anexo 11Anexo 11
Anexo 11
 
Campanha Calçada Segura - Taubaté
Campanha Calçada Segura - TaubatéCampanha Calçada Segura - Taubaté
Campanha Calçada Segura - Taubaté
 
Educação e Cidadania no Trânsito
Educação e Cidadania no TrânsitoEducação e Cidadania no Trânsito
Educação e Cidadania no Trânsito
 
Um (novo) projeto de modernidade
Um (novo) projeto de modernidadeUm (novo) projeto de modernidade
Um (novo) projeto de modernidade
 
Apresentação educação e cidadania
Apresentação educação e cidadaniaApresentação educação e cidadania
Apresentação educação e cidadania
 
Diz Jornal - 243
Diz Jornal - 243Diz Jornal - 243
Diz Jornal - 243
 
O Brasil da idade média diante da Constituição federal de 1988 (iluminista)
O Brasil da idade média diante da Constituição federal de 1988 (iluminista)O Brasil da idade média diante da Constituição federal de 1988 (iluminista)
O Brasil da idade média diante da Constituição federal de 1988 (iluminista)
 
Anuario ntu2013
Anuario ntu2013Anuario ntu2013
Anuario ntu2013
 

O transporte público para idosos suporte dado por quem

  • 1. O transporte dos idosos: suporte dado por quem? Sérgio Roberto Maluf Na ausência de uma cultura de respeito e valorização de idosos, temos nestas terras leis que, sob o manto da coação, determinam como devemos agir em relação a eles. Em quase nenhum lugar do mundo mais civilizado se observa o que vemos aqui diariamente: vagas para idosos junto às portas de entrada de shoppings e supermercados; privilégio para atendimento em bancos; favorecimento no atendimento (pasmem) para jogos nas lotéricas, entre outras. Ou seja: perdemos a mão no trato do tema. A constituição, ao tempo em que impôs o “ônus” à família, à sociedade e aos Estado de amparar as pessoas idosas, determinou a concessão de um salário mínimo ao idoso que não tenha condição de prover, sozinho ou com ajuda da família, a sua subsistência. Concedeu, também, gratuidade no transporte coletivo urbano. E isto basta. Qualquer idoso se completa com um salário mínimo e transporte. Luz, água e alimentos serão todos assim supridos. Se o idoso estiver acima daquele benefício que lhe garante um salário mínimo e possuir automóvel, poderá fazer uso de vagas exclusivas nas ruas, ainda que tenha de pagar por elas (em Curitiba não há gratuidade do EstaR para o idoso). Pagará estacionamento, luz, água alimentos. Mas não pagará o transporte coletivo, garantindo sua dignidade e dando a sensação de que, definitivamente, perdemos a mão. Uma pessoa que, durante sua vida, teve emprego digno deveria ter proventos de aposentadoria suficientes para suprir suas necessidades. Como não conseguimos isso, sofremos o castigo de ver uma Constituição pretender dar contornos de dignidade com a “oferta” de transporte coletivo. E vemos mais: o Estado responsável por aquele serviço público impor o custo apenas aos seus usuários, fazendo ouvidos moucos à responsabilidade que é de toda a sociedade. Com tal, o posicionamento do TCE/PR ao analisar o sistema de transporte coletivo de Curitiba poderia ser mais refinado. Assumindo a gratuidade do imposto como isento do custeio (já que excepcionada pela Constituição), deveria ditar-lhe uma contrapartida obrigatória através das receitas correntes dos respectivos poderes concedentes. Se tivermos um sistema que, durante um mês, seja utilizado apenas por idosos, quem pagará o salário do motorista, do diesel etc.? No mundo de civilização e cultura mais desenvolvidas, há preocupação com os jovens (que gozam quase sempre de descontos tarifários). Quanto aos idosos, podemos ter descontos tarifários (proporcionais ao ganho que deixam de ter após a aposentação), gratuidade plena (ofertada em horários restritos, como a Inglaterra) ou nenhuma concessão. Havendo gratuidade plena, o Estado, ou a sociedade organizada, deve honrar o valor da tarifa, fazendo-o com cautela: Hasselt, na Bélgica após 16 anos de transporte público gratuito pleno, não mais suportou manter o modelo. Não sendo aportado o valor da gratuidade no sistema, o custo irá recair apenas sobre os usuários pagantes do serviço – esses, hoje, os responsáveis pela mantença da dignidade brasileira de uma nota só. (In.: Opinião, Gazeta do povo, n. 30.713, ano 95, Curitiba, p. 2, 21 de dez. 2013).
  • 2. NOÇÕES/CONCEITOS BÁSICOS Texto “Um evento comunicativo em que convergem ações linguísticas, sociais e comunicativas” (MARCUSCHI, 2008, p. 72). Parágrafo “O parágrafo é uma unidade redacional. Serve para dividir o texto (que é um todo) em partes menores, tendo em vista os diversos enfoques” (MARTINS; ZILBERKENOP, 2010, p. 96). Tópico frasal “[...] é a ideia-núcleo extraída, de maneira clara e concisa, do interior do parágrafo” (MARTINS; ZILBERKENOP, 2010, p. 97). Coesão “O conceito de coesão textual diz respeito a todos os processos de sequencialização que asseguram (ou tornam recuperável) uma ligação linguística significativa entre os elementos que ocorrem na superfície textual” (KOCH, 1996, p. 19). A coesão é essa “amarração” entre as várias partes do texto, ou seja, o entrelaçamento significativo entre declarações e sentenças. Existem, em Língua Portuguesa, dois tipos de coesão: a lexical e a gramatical. Coerência “[...] a coerência não se encontra no texto, mas constrói-se a partir dele, em dada situação comunicativa, pragmática e interacional” (KOCH; ELIAS, 2014, p. 184).