SlideShare uma empresa Scribd logo
O QUE É E COMO OBTER A
CERTIFICAÇÃO PMI-ACP
LEANDRO FARIA
PMP, PMI-ACP, CSM, ITIL, FCE, MCPD, MCITP, MCT
WWW.LEANDROFARIA.COM.BR
TWITTER.COM/LHFARIA
SOBRE
Leandro Faria é expert em agilidade.
Foi um dos primeiros profissionais do mundo a obter a certificação PMI-
ACP, além de ter contribuído para a última versão do PMBOK com as
definições de agilidade e o ciclo de vida iterativo e incremental de
projetos.
É pós-graduado em gerenciamento estratégico de projetos, possui
diversas certificações na área, além de ser instrutor e palestrante em
diversos cursos e eventos de tecnologia e gerenciamento de projetos.
Com passagens por algumas das maiores empresas do país, hoje é
Executivo de Pré-venda de aplicações para a Europa na Stefanini.
É empreendedor de internet, negócios digitais e startups.
Leandro Faria
PMP, PMI-ACP, CSM, ITIL, FCE, MCPD, MCITP, MCT
PORQUE SE
CERTIFICAR
EM AGILIDADE?
O QUE É E COMO OBTER A CERTIFICAÇÃO PMI-ACP
PORQUE SE CERTIFICAR EM
AGILIDADE?
PORQUE SE CERTIFICAR EM
AGILIDADE?
A agilidade chega como uma nova carta na
manga para o profissional de projetos.
Em um ambiente cada vez mais competitivo
pela escassez de tempo e recursos, a
agilidade aborda de maneira eficaz e
inovadora o desenvolvimento de projetos.
PORQUE SE CERTIFICAR EM
AGILIDADE?
Movimento que vem se tornando
padrão da indústria de Tecnologia da
Informação, já presente em mais de
60% das organizações, e que agora
começa a ganhar força em outras
indústrias.
PORQUE SE CERTIFICAR EM
AGILIDADE?
Uma pesquisa realizada
pelo PMI identificou que
o uso de agilidade no
gerenciamento de
projetos triplicou entre
os 2008 e 2011, e
continua crescendo
exponencialmente.
3X
PORQUE O
PMI-ACP?
O QUE É E COMO OBTER A CERTIFICAÇÃO PMI-ACP
PORQUE O PMI-ACP?
A certificação PMI-ACP (Agile
Certified Pratitictioner) tem por
trás a maior e mais respeitada
instituição de gerenciamento de
projetos do mundo.
PORQUE O PMI-ACP?
Suportada por um processo seguro e
maduro de quem possui uma das
certificações mais difundidas e bem
valorizadas do mundo, o PMP (Project
Management Professional), além de exigir
experiêcia, contato com uma capacitação
formal, e conhecimento comprovado.
PORQUE O PMI-ACP?
Diferente do PMP, não é uma
certificação exclusiva para
gestores e líderes de projetos,
mas sim para praticantes do
desenvolvimento iterativo
incremental com práticas ágeis.
PORQUE O PMI-ACP?
Não foca em um determinado
framework, prática ou
metodologia. De maneira
objetiva, aborda a filosofia e
todos os principais conceitos
por trás do movimento ágil.
SOBRE A
CERTIFICAÇÃO
PMI-ACP
O QUE É E COMO OBTER A CERTIFICAÇÃO PMI-ACP
NÚMEROS
Durante o Período Beta:
•  7654 aplicações abertas;
•  1404 submetidas;
•  827 exames pagos;
•  557 exames prestados;
•  515 candidatos aprovados;
Atualmente:
2063 PMI-ACPs
Em todo o mundo
(Números de dezembro/2012)
NÚMEROS
Certificação Sigla Lançamento Certificados
Project Management Professional PMP 1984 510.434
Certified Associate in Project
Management
CAPM 2003 20.157
Agile Certified Practitioner PMI-ACP 2012 2.063
Risk Management Professional RMP 2008 1.805
Program Management Professional PgMP 2007 834
Schedule Management Professional PMI-SP 2008 809
Números de dezembro/2012.
TRADICIONAL + ÁGIL
•  O Gerenciamento Ágil de Projetos é uma nova abordagem de
Gerenciamento de Projetos;
•  Porque preciso de uma nova abordagem além do extenso e
completo PMBOK? Projetos diferentes precisam de métodos
diferentes;
•  Práticas ágeis não são apropriadas para todos os cenários. Em
especial, a agilidade é melhor aproveitada nas seguintes situações:
•  Projetos cujo esforço é intelectual;
•  Escopo altamente sujeito a mudanças;
•  Restrições agressivas de tempo.
•  Uma abordagem não é restritiva a outra. Utilize o que faz sentido
para o cenário da organização e do projeto.
SOBRE A CERTIFICAÇÃO
PMI-ACP
Para profissionais que utilizam
práticas ágeis em projetos.
Reconhece o conhecimentos dos
conceitos ágeis, práticas e
ferramentas através de
metodologias e frameworks ágeis.
SOBRE A CERTIFICAÇÃO
PMI-ACP
Destinada (mas não limitada) a:
•  Executivos;
•  Gerentes de projetos/produtos/
negócios;
•  Analistas/admnistradores de projetos;
•  Líderes de equipe;
•  Times de projeto.
PRÉ-REQUISITOS E
ELEGIBILIDADE
Para se candidatar à certificação você deve atender aos seguintes pré-requisitos:
Experiência geral em
projetos
2.000 horas de trabalho em equipes de projeto. Estas horas
devem ter sido obtidas nos últimos 5 anos.*
Experiência em projetos
com métodos ágeis
1.500 horas de trabalho em equipes de projeto. Estas horas
devem ter sido obtidas nos últimos 3 anos. Estas horas são
adicionais às 2.000 horas necessárias na experiência geral em
projetos.
Treinamento em
práticas ou métodos
ágeis
21 horas de contato com capacitação formal. As horas devem
compreender tópicos de métodos ou práticas ágeis para
projetos.
Exame Teste de conhecimento sobre metodologias, práticas e
princípios ágeis.
*Nota: para aqueles que já possuem a certificação PMP, o PMI entende que já
verificou este requitiso, portanto ele é automaticamente considerado cumprido.
Tempo de prova:
3 horas
Total de questões:
120
Idioma disponível:
Inglês
SOBRE O EXAME PARA A
CERTIFICAÇÃO
As atividades de um gerente ágil de projetos são distribuídas e
organizadas em seis domínios de práticas:
Domínios de Práticas
1. Value-Driven Delivery
2. Gerenciamento de Stakeholders
3. Aumentando a Performance de Times
4. Planejamento Adaptativo
5. Detecção e Resolução de Problemas
6. Evolução Contínua (Produtos, Processos, Pessoas)
SOBRE O EXAME PARA A
CERTIFICAÇÃO
A estrutura geral do exame se organiza da seguinte maneira:
Número de questões
válidas
Número de questões de “pretest”
(Não válidas na pontuação)
Total de
questões
100 20 120
Ferramentas e
técnicas ágeis
Conhecimentos e habilidades em
agilidade
Total
50% 50% 100%
A decomposição do conteúdo é feita basicamente em três níveis:
Domínios de Prática (Domains), Ferramentas e técnicas (T&Ts),
Conhecimentos e habilidades (K&Ss).
SOBRE O EXAME PARA A
CERTIFICAÇÃO
Ferramentas e técnicas – 50%
Comunicação Radiadores de informação, team spaces, comunicação
osmótica para times co-alocados ou distriúbidos, daily stand-
ups.
Planejamento,
monitoramento e
adaptação
Retrospectivas, tarefas, kanban boards, timeboxing,
planejamento de releases e iterações, limited de WIP, gráficos
de burn down/up, diagramas cumulative flows, process
tailoring.
Estimativas ágeis Tamanho relativo, story points, wide band delphi, planning
poker, affinity estimation, ideal time.
Análise e arquitetura
ágil
Roadmap de produto, user stories, backlog, story maps,
elaboração progressiva, wireframes, chartering, persona, agile
modeling.
Qualidade do produto Verificação e validação frequente, test-driven-development,
definição de pronto, continuous integration.
SOBRE O EXAME PARA A
CERTIFICAÇÃO
Ferramentas e técnicas – 50%
Negociação e soft skills Inteligência emocional, colaboração, liderança adaptativa,
negociação, resolução de conflitos, liderança servidora.
Priorização baseada em
valor
Return on investment (ROI), Net present value (NPV), Internal
rate of return (IRR), compliance, priorização baseada no cliente,
minimally marketable feature (MMF), priorização relativa.
Gerenciamento de
riscos
Risk-adjusted backlog, risk-based spike, gráficos burn down de
riscos.
Métricas Velocidade, cycle time, análise de valor agregado ágil,
escaped defects.
Value stream analysis Value stream mapping
SOBRE O EXAME PARA A
CERTIFICAÇÃO
Conhecimentos e habilidades – 50%
Nível 1 (33% das questões)
Escuta ativa Entrega incremental
Valores e princípios do manifesto ágil Compartilhamento de conhecimento
Acessando e incorporando valores dos
stakeholders e da comunidade
Projetos e padões de qualidade para projetos
ágeis
Técnicas de brainstorm Priorização
Criando times auto-gerenciáveis Estratégias de resolução de problemas
Coach e mentoria em times ágeis Decomposição orientada por valor
Gerenciamento de comunicações Gerenciamento de stakeholders
Técnicas de feedback para produtos
(prototipação, simulação, demonstração)
Estimativas de tempo e custo
SOBRE O EXAME PARA A
CERTIFICAÇÃO
Conhecimentos e habilidades – 50%
Nível 2 (22% das questões) Nível 3 (5% das questões)
Frameworks e terminologias ágeis Métodos de contratação ágil
Criando times de alta performance Aplicando novas práticas ágeis
Co-alocação e times distribuídos geograficamente Compliance
Termo de abertura de projetos ágeis Limites de controle para projetos ágeis
Métodos de facilitação Globalização, cultura e diversidade dos times
Modelos de tomada de decisão participativa Jogos ágeis
Código de ética e conduta profissional do PMI Princípios do pensamento sistemico
Análise de processo orientada a valor Variações e análise de tendências
SOBRE O EXAME PARA A
CERTIFICAÇÃO
Veja no gráfico em termos gerais a distribuição das questões no exame:
Ferramentas e Técnicas,
50%
Level 1 - Conhecimentos e
Habilidades, 33%
Level 2 - Conhecimentos
e Habilidades, 12%
Level 3 - Conhecimentos
e Habilidades, 5%
DICA!
NOTAS SOBRE O EXAME
Alguns aspectos devem ser considerados em relação ao
conteúdo abordados pelas questões durante o exame:
•  O exame leva em consideração projetos básicos em um
cenários ágil. Tópicos como agile scaled, ou agilidade em
projetos grandes e for a do cenário padrão não são
abordados pelo exame. Leve isso em consideração ao
interpretar uma questão;
•  Cada método ágil tem suas nomenclaturas próprias. O exame
tenta abstrair estes conceitos para um cenário genérico, e não
usa nomenclaturas específicas de cada framework. Por
exemplo, utiliza-se iterations ao invés de sprint. Acostume-se
com estes termos durante o seu estudo.
MATERIAL E REFERÊNCIAL
TEÓRICO
PMI-ACP Exam Prep
Mike Griffiths
2012
Agile Estimating and Planning
Mike Cohn
2005
Agile Project Management With Scrum
Ken Schwaber
2004
O referencial teórico
oficial do PMI para a
certificação PMI-ACP
indica 11 livros que
abordam diferentes
conceitos da
agilidade.
Os 11 livros somam
mais de 4.000
páginas, portanto, é
indicado se
concentrar apenas
em alguns durante os
estudos.
AGILE
FRAMEWORK
O QUE É E COMO OBTER A CERTIFICAÇÃO PMI-ACP
AGILE FRAMEWORK
•  Valores e princípios do
manifesto ágil;
•  Scrum:
•  Pilares;
•  Papéis;
•  Eventos;
•  Artefatos;
•  FDD;
•  DSDM;
•  Crystal;
•  Lean Software
Development;
•  Extreme Programming (XP):
•  Valores;
•  Práticas;
•  Papéis;
•  Release;
•  Iterations;
•  User stories;
•  Architectural Spikes;
•  Spikes;
•  Kanban;
•  Process Tailoring.
VALUE-DRIVEN
DELIVERY
O QUE É E COMO OBTER A CERTIFICAÇÃO PMI-ACP
VALUE-DRIVEN DELIVERY
•  Return of investment (ROI);
•  Net present value (NPV);
•  Internal rate of return (IRR);
•  Chartering;
•  Value stream mapping:
•  Process cycle efficiency;
•  Waste;
•  Customer-valued
priorization:
•  Priorization schemes
(MoSCoW, Kano analysis,
Requirements Priorization
Model);
•  Relative priorization/ranking;
•  Product roadmap:
•  Story map;
•  Risk-adjusted backlog;
•  Agile contracting;
•  Task/Kanban boards;
•  WIP limits:
•  Work in progress (WIP);
•  Cycle time;
•  Incremental delivery:
•  Cost of change over time;
VALUE-DRIVEN DELIVERY
•  Prototypes, simulations,
demonstrations;
•  Agile earned value;
•  Cumulative flow diagram
(CFD);
•  Risk burn down graph:
•  Risk probability and impact;
•  Expected monetary value;
•  Risk severity.
O QUE É VALUE-DRIVEN
DELIVERY?
•  O Value Driven Delivery está na base da agilidade e é uma das –
assim definidas – áreas de conhecimento;
•  Value Driven Delivery é muito mais um conceito do que uma prática
ou ferramenta. A tradução livre do termo seria “Entrega Orientada
por Valor”, ou seja, neste modelo o que rege todo o trabalho do
projeto do ponto de vista de planejamento e priorização, é o valor de
uma determinada parte do escopo para o negócio;
•  O que chamamos de valor nada mais é do que a razão pela qual o
projeto existe, e o nosso principal objetivo é fazer com que este
valor seja entregue o mais rápido possível;
•  Está intimamente ligado com o valor do manifesto ágil “Software em
funcionamento mais do que documentação abrangente”;
STAKEHOLDER
ENGAGEMENT
O QUE É E COMO OBTER A CERTIFICAÇÃO PMI-ACP
STAKEHOLDER
ENGAGEMENT
•  Wireframes;
•  Personas;
•  User stories;
•  User story backlog;
•  Requirements hierarchy
(feature, epic, user story,
task);
•  Story maps;
•  Incorporating stakeholder
values
•  Stakeholder management;
•  Vendor management;
•  Shared definition of “done”;
•  Communications
management:
•  Face-to-face (F2F)
communications;
•  Information radiators;
•  Burn down charts;
•  Burn up charts;
•  Velocity;
•  Agile modeling;
•  Negotiation;
STAKEHOLDER
ENGAGEMENT
•  Active listening;
•  Facilitation methods;
•  Globalization culture, and
team diversity;
•  Conflict resolution:
•  Levels of conflict;
•  Distributed teams;
•  Participatory decision
models:
•  Simple voting;
•  Thumbs up/down/sideways;
•  Decision spectrum;
•  Fist-of-five-voting;
•  Management versus
leadership;
•  Servant leadership:
•  Primary duties of a servant
leader;
•  Principles for leading agile
projects;
•  Leadership tools and
techniques:
•  Modeling desired behavior;
•  Tools for communicating
vision;
•  Enabling others to act;
•  Being willing to change the
status quo.
STAKEHOLDER
•  Partes envolvidas ou partes interessadas?
•  Qualquer pessoa que de alguma maneira é afetada pelo projeto,
independente do nível de envolvimento, como:
•  O time;
•  O cliente;
•  O gerente do projeto;
•  O contratante;
•  Os usuários finais;
•  Alta gestão;
•  Outros;
PORQUE ENGAJAR
STAKEHOLDERS?
•  Projetos são feitos por pessoas, para pessoas;
•  É essencial capturar e compreender as expectativas e interesses de
todos os envolvidos;
•  A comunicação é um fator crítico da agilidade;
•  Como a agilidade prevê constantes mudanças no valor do negócio e
escopo do projeto, é crucial ter stakeholders envolvidos e engajados
durante todo o projeto;
•  Para isso, utilizamos diversas técnicas que contemplam desde:
envolver as pessoas certas, como engajá-las, e atender às
expectativas de todos e cada um.
•  Os seis princípios do engajamento de stakeholders estão descritos a
seguir.
PORQUE ENGAJAR
STAKEHOLDERS?
•  Get the right stakeholders:
•  Você precisa ter as pessoas certas envolvidas no projeto, em todos os níveis. É
crucial ter o patrocínio adequado da alta gestão, tanto quanto ter o time correto
para a implementação do projeto;
•  Coment stakeholder involvement:
•  O envolvimento dos stakeholders deve ser explícito. O fato de ter alguém
envolvido ou não envolvido deve ser claro e objetivo para todos. Os benefícios
ou dificuldades devem estar registrados sempre que possíveis, para garantir a
visibilidade e importância do envolvimento das pessoas;
•  Actively manage stakeholder interest:
•  Trata-se de descobrir a motivação de cada stakeholder e dar-lhes a “cenoura”.
Cada pessoas tem uma diferente percepção de benefício, e devemos sempre
identificar cada um destes valores e garantí-los sempre que possível.
PORQUE ENGAJAR
STAKEHOLDERS?
•  Frequently discuss what “done” looks like:
•  Diferentes pessoas tem diferentes visões. É crucial ter o envolvimento de todos
ao definir as expectativas do projeto. É a conexão que precisa ser feita entre o
que o cliente pediu, o que o time entendeu, e o que será implementado.
•  Show progress and capabilities:
•  Todos os envolvidos devem estar cientes do andamento do projeto, a todo o
momento. Por isso, eventos como demo meetings são tão importantes durante o
projeto, já que mostra na prática aos envolvidos o que está sendo construído.
Isso os mantém informados e engajados;
•  Candidly discuss estimates and projections:
•  A agilidade é transparente. Com o cliente envolvido durante todo o projeto, as
projeções são sempre muito claras para todos. Se existe um problema, ele é
identificado e discutido o mais cedo possível, não adiando conflitos.
BOOSTING TEAM
PERFORMANCE
PRACTICES
O QUE É E COMO OBTER A CERTIFICAÇÃO PMI-ACP
BOOSTING TEAM
PERFORMANCE PRACTICES
•  People over process;
•  Adaptative leadership:
•  Stages of team formation;
•  Emotional intelligence;
•  Empowered teams:
•  Self-organizing and self-
directing;
•  Servant leadership;
•  Bulding high-performance
teams:
•  Guidelines for manager;
•  Characteristics of high-
performing teams;
•  Team dysfunctions;
•  Personal and team
motivation;
•  Daily stand-up meetings;
•  Coaching and mentoring;
•  Brainstorming:
•  Quiet writing, round robin,
free-for-all;
•  Dot voting, multi-voting;
•  Team space;
BOOSTING TEAM
PERFORMANCE PRACTICES
•  Co-located and distributed
teams:
•  Osmotic and distributed
teams;
•  Tacit knowledge;
•  Communication tools;
•  Agile tooling:
•  Low-tech, high-touch tools;
•  Digital tools.
BOOSTING TEAM
PERFORMANCE PRACTICES
•  Para o exame – e para ter sucesso com agile na vida real – é preciso
entender na prática o que faz de um time bom;
•  É preciso entender o que faz um time auto-gerenciável e
empowered;
•  Precisamos estar atento aos fatores que impactam a performance de
um time, saber identificá-los e tratá-los;
•  É preciso ter a abordagem correta de motivação para garantir que o
time está engajado o suficiente para que possamos criar um ritmo
sustentável não só do ponto de vista do processo, mas também do
ponto de vista do time.
ADAPTATIVE
PLANNING
O QUE É E COMO OBTER A CERTIFICAÇÃO PMI-ACP
ADAPTATIVE PLANNING
•  Timeboxing;
•  Progressive elaboration;
•  Process tailoring;
•  Minimally marketable
feature (MMF);
•  Value-based analysis;
•  Value-based decomposition
and priorization;
•  Agile games (collaborative
and innovation games);
•  Agile estimation good
practices;
•  Wideband Delphi and
Planning Poker;
•  Ideal time;
•  Story Points;
•  Affinity estimating;
•  Time, budget, cost
estimation:
•  Estimating steps;
•  Estimate ranges;
•  Agile project accounting
principles;
•  Agile planning
characteristics;
ADAPTATIVE PLANNING
•  Agile charter:
•  Elevator statement;
•  Business case
development;
•  Release planning;
•  Iteration planning.
ADAPTATIVE PLANNING
•  Como o próprio nome já diz, o planejamento adaptativo é – além de
realizado constantemente durante o projeto – moldado para o
cenário e atual status dos projetos;
•  É aceitar que o plano inicial irá mudar, e se prepara para isso;
•  É a aplicação de lições aprendias do projeto, no próprio projeto em
andamento;
•  É a mitigação da incerteza e falta de previsibilidade de projetos que
são sujeitos a mudanças;
•  É a garantia de que o projeto continua “resolvendo o problema”
proposto no início, ou seja, que valores continuam sendo entregues
e o planejamento não se torna ultrapassado ou obsoleto.
PROBLEM
DETECTION AND
RESOLUTION
O QUE É E COMO OBTER A CERTIFICAÇÃO PMI-ACP
PROBLEM DETECTION
AND RESOLUTION
•  Cycle time;
•  Cost of change graph;
•  Escaped defects;
•  Project and quality standars;
•  Failure modes:
•  Making mistake;
•  Human nature;
•  Variance:
•  Common cause;
•  Special cause;
•  Trend analysis:
•  Lagging metrics;
•  Leading metrics;
•  Control limits;
•  Continuous integration;
•  Risk-based spike:
•  Fast failure;
•  Validation and verification
cycles;
•  TDD/TFD:
•  Red, Green, Refactor;
•  ATDD;
•  Problem solving:
•  Five whys;
•  Fishbone diagrams;
•  Team problem solving.
PROBLEM DETECTION
AND RESOLUTION
•  A maneira como um time lida com problemas faz toda a diferença no
sucesso ou fracasso de um projeto;
•  Projetos são executados por pessoas, e naturalmente, estão
suscetíveis a problemas;
•  É necessário identificar e tratar problemas, de maneira a garantir a
qualidade do produto do projeto;
•  O segredo está em identificar os problemas o quanto antes possível;
•  Quanto antes identificado, menor o impacto;
•  Retrabalho tem um efeito dramaticamente negativo em projetos e
devem ser evitados a todo custo.
CONTINUOUS
IMPROVMENT
O QUE É E COMO OBTER A CERTIFICAÇÃO PMI-ACP
CONTINUOUS
IMPROVMENT
•  Retrospectives:
•  Set the stage;
•  Gather data;
•  Generate insights;
•  Decide what to do;
•  Close the retrospective;
•  Knowledge sharing;
•  Process tailoring:
•  Associated risks;
•  Recommended approaches;
•  Principles of systems
thinking;
•  Process analysis:
•  Anti-patterns;
•  Sucess criteria;
•  Process recommendations;
•  Applying new agile
practices;
•  Continuous improvment;
•  Self-assessment.
CONTINUOUS
IMPROVMENT
•  A melhoria contínua é o conceito de evolução do processo mesmo
após atingir um nível maduro, ou seja, manter o cenário em melhoria
constante;
•  O processo deve ser incentivado até o ponto em que se torna
natural e intrínseco;
•  O principal benefício é: obter lições aprendidas enquanto elas ainda
podem ser implementadas;
•  É onde acontece a adaptação do processo para melhor servir o
cenário da organização ou projeto, como já vimos em processo
tailoring.
CONTINUOUS
IMPROVMENT
1.  Define o cenário
2.  Reúne informações
3.  Gera insights
4.  Decide o que fazer
5.  Encerra a retrospectiva
1.  Entrega user stories
completas
2.  Compila e testa stories
selecionadas
3.  Planeja a iteração
incorporando lições
aprendidas
RETROSPECTIVA
ITERAÇÃO
REFERÊNCIAS
O QUE É E COMO OBTER A CERTIFICAÇÃO PMI-ACP
REFERÊNCIAS
LEANDRO FARIA
WWW.LEANDROFARIA.COM.BR
PMI AGILE VIRTUAL COMMUNITY
AGILE.VC.PMI.ORG
CERTIFICAÇÃO PMI-ACP
LINKEDIN GROUP
PMI-CREDENTIALED ACPS
LINKEDIN GROUP
PERGUNTAS? LEANDRO FARIA
PMP, PMI-ACP, CSM, ITIL, FCE, MCPD, MCITP, MCT
WWW.LEANDROFARIA.COM.BR
TWITTER.COM/LHFARIA

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sofware Kaizen - Aceleradora Ágil - Apresentacao agile brazil 2012
Sofware Kaizen - Aceleradora Ágil - Apresentacao agile brazil 2012Sofware Kaizen - Aceleradora Ágil - Apresentacao agile brazil 2012
Sofware Kaizen - Aceleradora Ágil - Apresentacao agile brazil 2012
Alejandro Olchik
 
Requisitos ageis para times sem tempo
Requisitos ageis para times sem tempoRequisitos ageis para times sem tempo
Requisitos ageis para times sem tempo
Kleitor Franklint Correa Araujo
 
Unificando PMBOK e SCRUM no gerenciamento de projetos
Unificando PMBOK e SCRUM no gerenciamento de projetosUnificando PMBOK e SCRUM no gerenciamento de projetos
Unificando PMBOK e SCRUM no gerenciamento de projetos
Alexander Correia Marques - MBA/CSM/ITIL
 
Metodologias Ágeis de Gestão de Projetos
Metodologias Ágeis de Gestão de ProjetosMetodologias Ágeis de Gestão de Projetos
Metodologias Ágeis de Gestão de Projetos
Leandro Faria
 
Metodologias Ágeis em Gerenciamento de Projetos
Metodologias Ágeis em Gerenciamento de ProjetosMetodologias Ágeis em Gerenciamento de Projetos
Metodologias Ágeis em Gerenciamento de Projetos
Daniel de Amaral
 
Entregando Software com Valor
Entregando Software com ValorEntregando Software com Valor
Entregando Software com Valor
Maicon Carlos Pereira
 
Mini Curso Testes Ageis
Mini Curso Testes AgeisMini Curso Testes Ageis
Mini Curso Testes Ageis
Cristiano Caetano
 
Gestão de Programas com o Program Model Canvas
Gestão de Programas com o Program Model CanvasGestão de Programas com o Program Model Canvas
Gestão de Programas com o Program Model Canvas
Maria Angelica Castellani
 
Scrum - Desenvolvimento Ágil
Scrum - Desenvolvimento ÁgilScrum - Desenvolvimento Ágil
Scrum - Desenvolvimento Ágil
Israel Santiago
 
Startup em Scrum
Startup em ScrumStartup em Scrum
Startup em Scrum
Noaldo Sales
 
Teste Ágeis para todo o time
Teste Ágeis para todo o timeTeste Ágeis para todo o time
Teste Ágeis para todo o time
Kleitor Franklint Correa Araujo
 
Gerenciamento Ágil de Projetos, Uma nova abordagem para os desafio de sempre
Gerenciamento Ágil de Projetos, Uma nova abordagem para os desafio de sempreGerenciamento Ágil de Projetos, Uma nova abordagem para os desafio de sempre
Gerenciamento Ágil de Projetos, Uma nova abordagem para os desafio de sempre
Leandro Faria
 
Scrum - Gerenciamento de Projetos
Scrum - Gerenciamento de ProjetosScrum - Gerenciamento de Projetos
Scrum - Gerenciamento de Projetos
William Lima
 
Gerenciamento de Projetos - Oportunidades & Perspectivas
Gerenciamento de Projetos - Oportunidades & PerspectivasGerenciamento de Projetos - Oportunidades & Perspectivas
Gerenciamento de Projetos - Oportunidades & Perspectivas
Wilson Freitas
 
Modelos Híbridos: Case, Verdades, Mitos e Resistências
Modelos Híbridos: Case, Verdades, Mitos e ResistênciasModelos Híbridos: Case, Verdades, Mitos e Resistências
Modelos Híbridos: Case, Verdades, Mitos e Resistências
Vitor Massari
 
Gestão de Projetos segundo a IPMA
Gestão de Projetos segundo a IPMAGestão de Projetos segundo a IPMA
Gestão de Projetos segundo a IPMA
Daniela Gomes dos Santos
 
[Gestão da TI] Governança de TI: Modelos, certificações e "melhores práticas"
[Gestão da TI] Governança de TI: Modelos, certificações e "melhores práticas"[Gestão da TI] Governança de TI: Modelos, certificações e "melhores práticas"
[Gestão da TI] Governança de TI: Modelos, certificações e "melhores práticas"
Alessandro Almeida
 
Governança Ágil - Ágiles 2009
Governança Ágil - Ágiles 2009Governança Ágil - Ágiles 2009
Governança Ágil - Ágiles 2009
Clavius Tales
 
Gerenciamento Ágil de Projetos
Gerenciamento Ágil de ProjetosGerenciamento Ágil de Projetos
Gerenciamento Ágil de Projetos
Edivandro Conforto
 
Agil - coisas essenciais de sempre
Agil - coisas essenciais de sempreAgil - coisas essenciais de sempre
Agil - coisas essenciais de sempre
Kleitor Franklint Correa Araujo
 

Mais procurados (20)

Sofware Kaizen - Aceleradora Ágil - Apresentacao agile brazil 2012
Sofware Kaizen - Aceleradora Ágil - Apresentacao agile brazil 2012Sofware Kaizen - Aceleradora Ágil - Apresentacao agile brazil 2012
Sofware Kaizen - Aceleradora Ágil - Apresentacao agile brazil 2012
 
Requisitos ageis para times sem tempo
Requisitos ageis para times sem tempoRequisitos ageis para times sem tempo
Requisitos ageis para times sem tempo
 
Unificando PMBOK e SCRUM no gerenciamento de projetos
Unificando PMBOK e SCRUM no gerenciamento de projetosUnificando PMBOK e SCRUM no gerenciamento de projetos
Unificando PMBOK e SCRUM no gerenciamento de projetos
 
Metodologias Ágeis de Gestão de Projetos
Metodologias Ágeis de Gestão de ProjetosMetodologias Ágeis de Gestão de Projetos
Metodologias Ágeis de Gestão de Projetos
 
Metodologias Ágeis em Gerenciamento de Projetos
Metodologias Ágeis em Gerenciamento de ProjetosMetodologias Ágeis em Gerenciamento de Projetos
Metodologias Ágeis em Gerenciamento de Projetos
 
Entregando Software com Valor
Entregando Software com ValorEntregando Software com Valor
Entregando Software com Valor
 
Mini Curso Testes Ageis
Mini Curso Testes AgeisMini Curso Testes Ageis
Mini Curso Testes Ageis
 
Gestão de Programas com o Program Model Canvas
Gestão de Programas com o Program Model CanvasGestão de Programas com o Program Model Canvas
Gestão de Programas com o Program Model Canvas
 
Scrum - Desenvolvimento Ágil
Scrum - Desenvolvimento ÁgilScrum - Desenvolvimento Ágil
Scrum - Desenvolvimento Ágil
 
Startup em Scrum
Startup em ScrumStartup em Scrum
Startup em Scrum
 
Teste Ágeis para todo o time
Teste Ágeis para todo o timeTeste Ágeis para todo o time
Teste Ágeis para todo o time
 
Gerenciamento Ágil de Projetos, Uma nova abordagem para os desafio de sempre
Gerenciamento Ágil de Projetos, Uma nova abordagem para os desafio de sempreGerenciamento Ágil de Projetos, Uma nova abordagem para os desafio de sempre
Gerenciamento Ágil de Projetos, Uma nova abordagem para os desafio de sempre
 
Scrum - Gerenciamento de Projetos
Scrum - Gerenciamento de ProjetosScrum - Gerenciamento de Projetos
Scrum - Gerenciamento de Projetos
 
Gerenciamento de Projetos - Oportunidades & Perspectivas
Gerenciamento de Projetos - Oportunidades & PerspectivasGerenciamento de Projetos - Oportunidades & Perspectivas
Gerenciamento de Projetos - Oportunidades & Perspectivas
 
Modelos Híbridos: Case, Verdades, Mitos e Resistências
Modelos Híbridos: Case, Verdades, Mitos e ResistênciasModelos Híbridos: Case, Verdades, Mitos e Resistências
Modelos Híbridos: Case, Verdades, Mitos e Resistências
 
Gestão de Projetos segundo a IPMA
Gestão de Projetos segundo a IPMAGestão de Projetos segundo a IPMA
Gestão de Projetos segundo a IPMA
 
[Gestão da TI] Governança de TI: Modelos, certificações e "melhores práticas"
[Gestão da TI] Governança de TI: Modelos, certificações e "melhores práticas"[Gestão da TI] Governança de TI: Modelos, certificações e "melhores práticas"
[Gestão da TI] Governança de TI: Modelos, certificações e "melhores práticas"
 
Governança Ágil - Ágiles 2009
Governança Ágil - Ágiles 2009Governança Ágil - Ágiles 2009
Governança Ágil - Ágiles 2009
 
Gerenciamento Ágil de Projetos
Gerenciamento Ágil de ProjetosGerenciamento Ágil de Projetos
Gerenciamento Ágil de Projetos
 
Agil - coisas essenciais de sempre
Agil - coisas essenciais de sempreAgil - coisas essenciais de sempre
Agil - coisas essenciais de sempre
 

Semelhante a O que é e como obter a certificação PMI-ACP

Agile PMI: o que é a PMI-ACP?
Agile PMI: o que é a PMI-ACP?Agile PMI: o que é a PMI-ACP?
Agile PMI: o que é a PMI-ACP?
Massimus CT
 
Visão sistêmica de gestão de projetos
Visão sistêmica de gestão de projetosVisão sistêmica de gestão de projetos
Visão sistêmica de gestão de projetos
Dimitri Campana, PMP
 
Pt pmp handbook_full_portuguese
Pt pmp handbook_full_portuguesePt pmp handbook_full_portuguese
Pt pmp handbook_full_portuguese
Mauricio de Castro
 
Pt pmp handbook_full_portuguese.ashx
Pt pmp handbook_full_portuguese.ashxPt pmp handbook_full_portuguese.ashx
Pt pmp handbook_full_portuguese.ashx
Mauro Mendes
 
Manual da Certificação PMP
Manual da Certificação PMP Manual da Certificação PMP
Manual da Certificação PMP
Marcelo Gaspar BLACK BELT, CISA, CGEIT
 
Winning.catálogo.formação
Winning.catálogo.formaçãoWinning.catálogo.formação
Winning.catálogo.formação
carla_madeira
 
As certificações do PMI
As certificações do PMIAs certificações do PMI
As certificações do PMI
Mauro Sotille, MBA, PMP
 
Palestra Gerenciamento de Projetos sempre agrega, seja qual for o seu negócio
Palestra Gerenciamento de Projetos sempre agrega, seja qual for o seu negócioPalestra Gerenciamento de Projetos sempre agrega, seja qual for o seu negócio
Palestra Gerenciamento de Projetos sempre agrega, seja qual for o seu negócio
CRA - MG
 
CERTIFICAÇÕES EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS
CERTIFICAÇÕES EM GERENCIAMENTO DE PROJETOSCERTIFICAÇÕES EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS
CERTIFICAÇÕES EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS
Gabriel Teixeira
 
Certificacoes PMI 2015 Mauro Sotille
Certificacoes PMI 2015 Mauro SotilleCertificacoes PMI 2015 Mauro Sotille
Certificacoes PMI 2015 Mauro Sotille
Mauro Sotille, MBA, PMP
 
Melhoria de processos em métodos ágeis: não é o que você está pensando! - Raf...
Melhoria de processos em métodos ágeis: não é o que você está pensando! - Raf...Melhoria de processos em métodos ágeis: não é o que você está pensando! - Raf...
Melhoria de processos em métodos ágeis: não é o que você está pensando! - Raf...
Juliano Ribeiro
 
Overview Framework Prince2 e Process Business Analyst
Overview Framework Prince2 e Process Business AnalystOverview Framework Prince2 e Process Business Analyst
Overview Framework Prince2 e Process Business Analyst
Den Mazini '.'
 
O Impacto do Guia PMBOK® 6ª ed. na gestão de projetos e nas certificações do PMI
O Impacto do Guia PMBOK® 6ª ed. na gestão de projetos e nas certificações do PMIO Impacto do Guia PMBOK® 6ª ed. na gestão de projetos e nas certificações do PMI
O Impacto do Guia PMBOK® 6ª ed. na gestão de projetos e nas certificações do PMI
Mauro Sotille, MBA, PMP
 
Definição e tipos de pmo
Definição e tipos de pmoDefinição e tipos de pmo
Definição e tipos de pmo
Alcides Cabral PMP
 
Gestão do Conhecimento aplicada à Gestão de Projetos
Gestão do Conhecimento aplicada à Gestão de ProjetosGestão do Conhecimento aplicada à Gestão de Projetos
Gestão do Conhecimento aplicada à Gestão de Projetos
Beatriz Benezra Dehtear, MBA
 
Como Definir e Desenvolver Competências para um PMO
Como Definir e Desenvolver Competências para um PMOComo Definir e Desenvolver Competências para um PMO
Como Definir e Desenvolver Competências para um PMO
regismattos
 
CAPM - A Certificação para membros de equipes de Projetos
CAPM - A Certificação para membros de equipes de ProjetosCAPM - A Certificação para membros de equipes de Projetos
CAPM - A Certificação para membros de equipes de Projetos
Mundo PM
 
Métodos Ágeis
Métodos ÁgeisMétodos Ágeis
Métodos Ágeis
Aldo Pires
 
Gestão ágil do portfólio
Gestão ágil do portfólioGestão ágil do portfólio
Gestão ágil do portfólio
Projetos e TI
 
Project value - Maturidade em Gestão de Projectos
Project value - Maturidade em Gestão de ProjectosProject value - Maturidade em Gestão de Projectos
Project value - Maturidade em Gestão de Projectos
Alcides Cabral PMP
 

Semelhante a O que é e como obter a certificação PMI-ACP (20)

Agile PMI: o que é a PMI-ACP?
Agile PMI: o que é a PMI-ACP?Agile PMI: o que é a PMI-ACP?
Agile PMI: o que é a PMI-ACP?
 
Visão sistêmica de gestão de projetos
Visão sistêmica de gestão de projetosVisão sistêmica de gestão de projetos
Visão sistêmica de gestão de projetos
 
Pt pmp handbook_full_portuguese
Pt pmp handbook_full_portuguesePt pmp handbook_full_portuguese
Pt pmp handbook_full_portuguese
 
Pt pmp handbook_full_portuguese.ashx
Pt pmp handbook_full_portuguese.ashxPt pmp handbook_full_portuguese.ashx
Pt pmp handbook_full_portuguese.ashx
 
Manual da Certificação PMP
Manual da Certificação PMP Manual da Certificação PMP
Manual da Certificação PMP
 
Winning.catálogo.formação
Winning.catálogo.formaçãoWinning.catálogo.formação
Winning.catálogo.formação
 
As certificações do PMI
As certificações do PMIAs certificações do PMI
As certificações do PMI
 
Palestra Gerenciamento de Projetos sempre agrega, seja qual for o seu negócio
Palestra Gerenciamento de Projetos sempre agrega, seja qual for o seu negócioPalestra Gerenciamento de Projetos sempre agrega, seja qual for o seu negócio
Palestra Gerenciamento de Projetos sempre agrega, seja qual for o seu negócio
 
CERTIFICAÇÕES EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS
CERTIFICAÇÕES EM GERENCIAMENTO DE PROJETOSCERTIFICAÇÕES EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS
CERTIFICAÇÕES EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS
 
Certificacoes PMI 2015 Mauro Sotille
Certificacoes PMI 2015 Mauro SotilleCertificacoes PMI 2015 Mauro Sotille
Certificacoes PMI 2015 Mauro Sotille
 
Melhoria de processos em métodos ágeis: não é o que você está pensando! - Raf...
Melhoria de processos em métodos ágeis: não é o que você está pensando! - Raf...Melhoria de processos em métodos ágeis: não é o que você está pensando! - Raf...
Melhoria de processos em métodos ágeis: não é o que você está pensando! - Raf...
 
Overview Framework Prince2 e Process Business Analyst
Overview Framework Prince2 e Process Business AnalystOverview Framework Prince2 e Process Business Analyst
Overview Framework Prince2 e Process Business Analyst
 
O Impacto do Guia PMBOK® 6ª ed. na gestão de projetos e nas certificações do PMI
O Impacto do Guia PMBOK® 6ª ed. na gestão de projetos e nas certificações do PMIO Impacto do Guia PMBOK® 6ª ed. na gestão de projetos e nas certificações do PMI
O Impacto do Guia PMBOK® 6ª ed. na gestão de projetos e nas certificações do PMI
 
Definição e tipos de pmo
Definição e tipos de pmoDefinição e tipos de pmo
Definição e tipos de pmo
 
Gestão do Conhecimento aplicada à Gestão de Projetos
Gestão do Conhecimento aplicada à Gestão de ProjetosGestão do Conhecimento aplicada à Gestão de Projetos
Gestão do Conhecimento aplicada à Gestão de Projetos
 
Como Definir e Desenvolver Competências para um PMO
Como Definir e Desenvolver Competências para um PMOComo Definir e Desenvolver Competências para um PMO
Como Definir e Desenvolver Competências para um PMO
 
CAPM - A Certificação para membros de equipes de Projetos
CAPM - A Certificação para membros de equipes de ProjetosCAPM - A Certificação para membros de equipes de Projetos
CAPM - A Certificação para membros de equipes de Projetos
 
Métodos Ágeis
Métodos ÁgeisMétodos Ágeis
Métodos Ágeis
 
Gestão ágil do portfólio
Gestão ágil do portfólioGestão ágil do portfólio
Gestão ágil do portfólio
 
Project value - Maturidade em Gestão de Projectos
Project value - Maturidade em Gestão de ProjectosProject value - Maturidade em Gestão de Projectos
Project value - Maturidade em Gestão de Projectos
 

Mais de Leandro Faria

How to create and measure a recurring revenue business
How to create and measure a recurring revenue businessHow to create and measure a recurring revenue business
How to create and measure a recurring revenue business
Leandro Faria
 
Autogerenciamento: o poder do empowerment em times ágeis
Autogerenciamento: o poder do empowerment em times ágeisAutogerenciamento: o poder do empowerment em times ágeis
Autogerenciamento: o poder do empowerment em times ágeis
Leandro Faria
 
A Fábrica de Aviões
A Fábrica de AviõesA Fábrica de Aviões
A Fábrica de Aviões
Leandro Faria
 
Porque Story Points São Muito Melhores do que Horas
Porque Story Points São Muito Melhores do que HorasPorque Story Points São Muito Melhores do que Horas
Porque Story Points São Muito Melhores do que Horas
Leandro Faria
 
Agilidade em startups, Aplicação de práticas ágeis para a criação de MVPs par...
Agilidade em startups, Aplicação de práticas ágeis para a criação de MVPs par...Agilidade em startups, Aplicação de práticas ágeis para a criação de MVPs par...
Agilidade em startups, Aplicação de práticas ágeis para a criação de MVPs par...
Leandro Faria
 
Scrum of Scrums, utilizando práticas ágeis em grandes projetos
Scrum of Scrums, utilizando práticas ágeis em grandes projetos Scrum of Scrums, utilizando práticas ágeis em grandes projetos
Scrum of Scrums, utilizando práticas ágeis em grandes projetos
Leandro Faria
 
Kanban, elementos visuais para gestão de impacto
Kanban, elementos visuais para gestão de impactoKanban, elementos visuais para gestão de impacto
Kanban, elementos visuais para gestão de impacto
Leandro Faria
 

Mais de Leandro Faria (7)

How to create and measure a recurring revenue business
How to create and measure a recurring revenue businessHow to create and measure a recurring revenue business
How to create and measure a recurring revenue business
 
Autogerenciamento: o poder do empowerment em times ágeis
Autogerenciamento: o poder do empowerment em times ágeisAutogerenciamento: o poder do empowerment em times ágeis
Autogerenciamento: o poder do empowerment em times ágeis
 
A Fábrica de Aviões
A Fábrica de AviõesA Fábrica de Aviões
A Fábrica de Aviões
 
Porque Story Points São Muito Melhores do que Horas
Porque Story Points São Muito Melhores do que HorasPorque Story Points São Muito Melhores do que Horas
Porque Story Points São Muito Melhores do que Horas
 
Agilidade em startups, Aplicação de práticas ágeis para a criação de MVPs par...
Agilidade em startups, Aplicação de práticas ágeis para a criação de MVPs par...Agilidade em startups, Aplicação de práticas ágeis para a criação de MVPs par...
Agilidade em startups, Aplicação de práticas ágeis para a criação de MVPs par...
 
Scrum of Scrums, utilizando práticas ágeis em grandes projetos
Scrum of Scrums, utilizando práticas ágeis em grandes projetos Scrum of Scrums, utilizando práticas ágeis em grandes projetos
Scrum of Scrums, utilizando práticas ágeis em grandes projetos
 
Kanban, elementos visuais para gestão de impacto
Kanban, elementos visuais para gestão de impactoKanban, elementos visuais para gestão de impacto
Kanban, elementos visuais para gestão de impacto
 

O que é e como obter a certificação PMI-ACP

  • 1. O QUE É E COMO OBTER A CERTIFICAÇÃO PMI-ACP LEANDRO FARIA PMP, PMI-ACP, CSM, ITIL, FCE, MCPD, MCITP, MCT WWW.LEANDROFARIA.COM.BR TWITTER.COM/LHFARIA
  • 2. SOBRE Leandro Faria é expert em agilidade. Foi um dos primeiros profissionais do mundo a obter a certificação PMI- ACP, além de ter contribuído para a última versão do PMBOK com as definições de agilidade e o ciclo de vida iterativo e incremental de projetos. É pós-graduado em gerenciamento estratégico de projetos, possui diversas certificações na área, além de ser instrutor e palestrante em diversos cursos e eventos de tecnologia e gerenciamento de projetos. Com passagens por algumas das maiores empresas do país, hoje é Executivo de Pré-venda de aplicações para a Europa na Stefanini. É empreendedor de internet, negócios digitais e startups. Leandro Faria PMP, PMI-ACP, CSM, ITIL, FCE, MCPD, MCITP, MCT
  • 3. PORQUE SE CERTIFICAR EM AGILIDADE? O QUE É E COMO OBTER A CERTIFICAÇÃO PMI-ACP
  • 4. PORQUE SE CERTIFICAR EM AGILIDADE?
  • 5. PORQUE SE CERTIFICAR EM AGILIDADE? A agilidade chega como uma nova carta na manga para o profissional de projetos. Em um ambiente cada vez mais competitivo pela escassez de tempo e recursos, a agilidade aborda de maneira eficaz e inovadora o desenvolvimento de projetos.
  • 6. PORQUE SE CERTIFICAR EM AGILIDADE? Movimento que vem se tornando padrão da indústria de Tecnologia da Informação, já presente em mais de 60% das organizações, e que agora começa a ganhar força em outras indústrias.
  • 7. PORQUE SE CERTIFICAR EM AGILIDADE? Uma pesquisa realizada pelo PMI identificou que o uso de agilidade no gerenciamento de projetos triplicou entre os 2008 e 2011, e continua crescendo exponencialmente. 3X
  • 8. PORQUE O PMI-ACP? O QUE É E COMO OBTER A CERTIFICAÇÃO PMI-ACP
  • 9. PORQUE O PMI-ACP? A certificação PMI-ACP (Agile Certified Pratitictioner) tem por trás a maior e mais respeitada instituição de gerenciamento de projetos do mundo.
  • 10. PORQUE O PMI-ACP? Suportada por um processo seguro e maduro de quem possui uma das certificações mais difundidas e bem valorizadas do mundo, o PMP (Project Management Professional), além de exigir experiêcia, contato com uma capacitação formal, e conhecimento comprovado.
  • 11. PORQUE O PMI-ACP? Diferente do PMP, não é uma certificação exclusiva para gestores e líderes de projetos, mas sim para praticantes do desenvolvimento iterativo incremental com práticas ágeis.
  • 12. PORQUE O PMI-ACP? Não foca em um determinado framework, prática ou metodologia. De maneira objetiva, aborda a filosofia e todos os principais conceitos por trás do movimento ágil.
  • 13. SOBRE A CERTIFICAÇÃO PMI-ACP O QUE É E COMO OBTER A CERTIFICAÇÃO PMI-ACP
  • 14. NÚMEROS Durante o Período Beta: •  7654 aplicações abertas; •  1404 submetidas; •  827 exames pagos; •  557 exames prestados; •  515 candidatos aprovados; Atualmente: 2063 PMI-ACPs Em todo o mundo (Números de dezembro/2012)
  • 15. NÚMEROS Certificação Sigla Lançamento Certificados Project Management Professional PMP 1984 510.434 Certified Associate in Project Management CAPM 2003 20.157 Agile Certified Practitioner PMI-ACP 2012 2.063 Risk Management Professional RMP 2008 1.805 Program Management Professional PgMP 2007 834 Schedule Management Professional PMI-SP 2008 809 Números de dezembro/2012.
  • 16. TRADICIONAL + ÁGIL •  O Gerenciamento Ágil de Projetos é uma nova abordagem de Gerenciamento de Projetos; •  Porque preciso de uma nova abordagem além do extenso e completo PMBOK? Projetos diferentes precisam de métodos diferentes; •  Práticas ágeis não são apropriadas para todos os cenários. Em especial, a agilidade é melhor aproveitada nas seguintes situações: •  Projetos cujo esforço é intelectual; •  Escopo altamente sujeito a mudanças; •  Restrições agressivas de tempo. •  Uma abordagem não é restritiva a outra. Utilize o que faz sentido para o cenário da organização e do projeto.
  • 17. SOBRE A CERTIFICAÇÃO PMI-ACP Para profissionais que utilizam práticas ágeis em projetos. Reconhece o conhecimentos dos conceitos ágeis, práticas e ferramentas através de metodologias e frameworks ágeis.
  • 18. SOBRE A CERTIFICAÇÃO PMI-ACP Destinada (mas não limitada) a: •  Executivos; •  Gerentes de projetos/produtos/ negócios; •  Analistas/admnistradores de projetos; •  Líderes de equipe; •  Times de projeto.
  • 19. PRÉ-REQUISITOS E ELEGIBILIDADE Para se candidatar à certificação você deve atender aos seguintes pré-requisitos: Experiência geral em projetos 2.000 horas de trabalho em equipes de projeto. Estas horas devem ter sido obtidas nos últimos 5 anos.* Experiência em projetos com métodos ágeis 1.500 horas de trabalho em equipes de projeto. Estas horas devem ter sido obtidas nos últimos 3 anos. Estas horas são adicionais às 2.000 horas necessárias na experiência geral em projetos. Treinamento em práticas ou métodos ágeis 21 horas de contato com capacitação formal. As horas devem compreender tópicos de métodos ou práticas ágeis para projetos. Exame Teste de conhecimento sobre metodologias, práticas e princípios ágeis. *Nota: para aqueles que já possuem a certificação PMP, o PMI entende que já verificou este requitiso, portanto ele é automaticamente considerado cumprido.
  • 20. Tempo de prova: 3 horas Total de questões: 120 Idioma disponível: Inglês SOBRE O EXAME PARA A CERTIFICAÇÃO As atividades de um gerente ágil de projetos são distribuídas e organizadas em seis domínios de práticas: Domínios de Práticas 1. Value-Driven Delivery 2. Gerenciamento de Stakeholders 3. Aumentando a Performance de Times 4. Planejamento Adaptativo 5. Detecção e Resolução de Problemas 6. Evolução Contínua (Produtos, Processos, Pessoas)
  • 21. SOBRE O EXAME PARA A CERTIFICAÇÃO A estrutura geral do exame se organiza da seguinte maneira: Número de questões válidas Número de questões de “pretest” (Não válidas na pontuação) Total de questões 100 20 120 Ferramentas e técnicas ágeis Conhecimentos e habilidades em agilidade Total 50% 50% 100% A decomposição do conteúdo é feita basicamente em três níveis: Domínios de Prática (Domains), Ferramentas e técnicas (T&Ts), Conhecimentos e habilidades (K&Ss).
  • 22. SOBRE O EXAME PARA A CERTIFICAÇÃO Ferramentas e técnicas – 50% Comunicação Radiadores de informação, team spaces, comunicação osmótica para times co-alocados ou distriúbidos, daily stand- ups. Planejamento, monitoramento e adaptação Retrospectivas, tarefas, kanban boards, timeboxing, planejamento de releases e iterações, limited de WIP, gráficos de burn down/up, diagramas cumulative flows, process tailoring. Estimativas ágeis Tamanho relativo, story points, wide band delphi, planning poker, affinity estimation, ideal time. Análise e arquitetura ágil Roadmap de produto, user stories, backlog, story maps, elaboração progressiva, wireframes, chartering, persona, agile modeling. Qualidade do produto Verificação e validação frequente, test-driven-development, definição de pronto, continuous integration.
  • 23. SOBRE O EXAME PARA A CERTIFICAÇÃO Ferramentas e técnicas – 50% Negociação e soft skills Inteligência emocional, colaboração, liderança adaptativa, negociação, resolução de conflitos, liderança servidora. Priorização baseada em valor Return on investment (ROI), Net present value (NPV), Internal rate of return (IRR), compliance, priorização baseada no cliente, minimally marketable feature (MMF), priorização relativa. Gerenciamento de riscos Risk-adjusted backlog, risk-based spike, gráficos burn down de riscos. Métricas Velocidade, cycle time, análise de valor agregado ágil, escaped defects. Value stream analysis Value stream mapping
  • 24. SOBRE O EXAME PARA A CERTIFICAÇÃO Conhecimentos e habilidades – 50% Nível 1 (33% das questões) Escuta ativa Entrega incremental Valores e princípios do manifesto ágil Compartilhamento de conhecimento Acessando e incorporando valores dos stakeholders e da comunidade Projetos e padões de qualidade para projetos ágeis Técnicas de brainstorm Priorização Criando times auto-gerenciáveis Estratégias de resolução de problemas Coach e mentoria em times ágeis Decomposição orientada por valor Gerenciamento de comunicações Gerenciamento de stakeholders Técnicas de feedback para produtos (prototipação, simulação, demonstração) Estimativas de tempo e custo
  • 25. SOBRE O EXAME PARA A CERTIFICAÇÃO Conhecimentos e habilidades – 50% Nível 2 (22% das questões) Nível 3 (5% das questões) Frameworks e terminologias ágeis Métodos de contratação ágil Criando times de alta performance Aplicando novas práticas ágeis Co-alocação e times distribuídos geograficamente Compliance Termo de abertura de projetos ágeis Limites de controle para projetos ágeis Métodos de facilitação Globalização, cultura e diversidade dos times Modelos de tomada de decisão participativa Jogos ágeis Código de ética e conduta profissional do PMI Princípios do pensamento sistemico Análise de processo orientada a valor Variações e análise de tendências
  • 26. SOBRE O EXAME PARA A CERTIFICAÇÃO Veja no gráfico em termos gerais a distribuição das questões no exame: Ferramentas e Técnicas, 50% Level 1 - Conhecimentos e Habilidades, 33% Level 2 - Conhecimentos e Habilidades, 12% Level 3 - Conhecimentos e Habilidades, 5%
  • 27. DICA! NOTAS SOBRE O EXAME Alguns aspectos devem ser considerados em relação ao conteúdo abordados pelas questões durante o exame: •  O exame leva em consideração projetos básicos em um cenários ágil. Tópicos como agile scaled, ou agilidade em projetos grandes e for a do cenário padrão não são abordados pelo exame. Leve isso em consideração ao interpretar uma questão; •  Cada método ágil tem suas nomenclaturas próprias. O exame tenta abstrair estes conceitos para um cenário genérico, e não usa nomenclaturas específicas de cada framework. Por exemplo, utiliza-se iterations ao invés de sprint. Acostume-se com estes termos durante o seu estudo.
  • 28. MATERIAL E REFERÊNCIAL TEÓRICO PMI-ACP Exam Prep Mike Griffiths 2012 Agile Estimating and Planning Mike Cohn 2005 Agile Project Management With Scrum Ken Schwaber 2004 O referencial teórico oficial do PMI para a certificação PMI-ACP indica 11 livros que abordam diferentes conceitos da agilidade. Os 11 livros somam mais de 4.000 páginas, portanto, é indicado se concentrar apenas em alguns durante os estudos.
  • 29. AGILE FRAMEWORK O QUE É E COMO OBTER A CERTIFICAÇÃO PMI-ACP
  • 30. AGILE FRAMEWORK •  Valores e princípios do manifesto ágil; •  Scrum: •  Pilares; •  Papéis; •  Eventos; •  Artefatos; •  FDD; •  DSDM; •  Crystal; •  Lean Software Development; •  Extreme Programming (XP): •  Valores; •  Práticas; •  Papéis; •  Release; •  Iterations; •  User stories; •  Architectural Spikes; •  Spikes; •  Kanban; •  Process Tailoring.
  • 31. VALUE-DRIVEN DELIVERY O QUE É E COMO OBTER A CERTIFICAÇÃO PMI-ACP
  • 32. VALUE-DRIVEN DELIVERY •  Return of investment (ROI); •  Net present value (NPV); •  Internal rate of return (IRR); •  Chartering; •  Value stream mapping: •  Process cycle efficiency; •  Waste; •  Customer-valued priorization: •  Priorization schemes (MoSCoW, Kano analysis, Requirements Priorization Model); •  Relative priorization/ranking; •  Product roadmap: •  Story map; •  Risk-adjusted backlog; •  Agile contracting; •  Task/Kanban boards; •  WIP limits: •  Work in progress (WIP); •  Cycle time; •  Incremental delivery: •  Cost of change over time;
  • 33. VALUE-DRIVEN DELIVERY •  Prototypes, simulations, demonstrations; •  Agile earned value; •  Cumulative flow diagram (CFD); •  Risk burn down graph: •  Risk probability and impact; •  Expected monetary value; •  Risk severity.
  • 34. O QUE É VALUE-DRIVEN DELIVERY? •  O Value Driven Delivery está na base da agilidade e é uma das – assim definidas – áreas de conhecimento; •  Value Driven Delivery é muito mais um conceito do que uma prática ou ferramenta. A tradução livre do termo seria “Entrega Orientada por Valor”, ou seja, neste modelo o que rege todo o trabalho do projeto do ponto de vista de planejamento e priorização, é o valor de uma determinada parte do escopo para o negócio; •  O que chamamos de valor nada mais é do que a razão pela qual o projeto existe, e o nosso principal objetivo é fazer com que este valor seja entregue o mais rápido possível; •  Está intimamente ligado com o valor do manifesto ágil “Software em funcionamento mais do que documentação abrangente”;
  • 35. STAKEHOLDER ENGAGEMENT O QUE É E COMO OBTER A CERTIFICAÇÃO PMI-ACP
  • 36. STAKEHOLDER ENGAGEMENT •  Wireframes; •  Personas; •  User stories; •  User story backlog; •  Requirements hierarchy (feature, epic, user story, task); •  Story maps; •  Incorporating stakeholder values •  Stakeholder management; •  Vendor management; •  Shared definition of “done”; •  Communications management: •  Face-to-face (F2F) communications; •  Information radiators; •  Burn down charts; •  Burn up charts; •  Velocity; •  Agile modeling; •  Negotiation;
  • 37. STAKEHOLDER ENGAGEMENT •  Active listening; •  Facilitation methods; •  Globalization culture, and team diversity; •  Conflict resolution: •  Levels of conflict; •  Distributed teams; •  Participatory decision models: •  Simple voting; •  Thumbs up/down/sideways; •  Decision spectrum; •  Fist-of-five-voting; •  Management versus leadership; •  Servant leadership: •  Primary duties of a servant leader; •  Principles for leading agile projects; •  Leadership tools and techniques: •  Modeling desired behavior; •  Tools for communicating vision; •  Enabling others to act; •  Being willing to change the status quo.
  • 38. STAKEHOLDER •  Partes envolvidas ou partes interessadas? •  Qualquer pessoa que de alguma maneira é afetada pelo projeto, independente do nível de envolvimento, como: •  O time; •  O cliente; •  O gerente do projeto; •  O contratante; •  Os usuários finais; •  Alta gestão; •  Outros;
  • 39. PORQUE ENGAJAR STAKEHOLDERS? •  Projetos são feitos por pessoas, para pessoas; •  É essencial capturar e compreender as expectativas e interesses de todos os envolvidos; •  A comunicação é um fator crítico da agilidade; •  Como a agilidade prevê constantes mudanças no valor do negócio e escopo do projeto, é crucial ter stakeholders envolvidos e engajados durante todo o projeto; •  Para isso, utilizamos diversas técnicas que contemplam desde: envolver as pessoas certas, como engajá-las, e atender às expectativas de todos e cada um. •  Os seis princípios do engajamento de stakeholders estão descritos a seguir.
  • 40. PORQUE ENGAJAR STAKEHOLDERS? •  Get the right stakeholders: •  Você precisa ter as pessoas certas envolvidas no projeto, em todos os níveis. É crucial ter o patrocínio adequado da alta gestão, tanto quanto ter o time correto para a implementação do projeto; •  Coment stakeholder involvement: •  O envolvimento dos stakeholders deve ser explícito. O fato de ter alguém envolvido ou não envolvido deve ser claro e objetivo para todos. Os benefícios ou dificuldades devem estar registrados sempre que possíveis, para garantir a visibilidade e importância do envolvimento das pessoas; •  Actively manage stakeholder interest: •  Trata-se de descobrir a motivação de cada stakeholder e dar-lhes a “cenoura”. Cada pessoas tem uma diferente percepção de benefício, e devemos sempre identificar cada um destes valores e garantí-los sempre que possível.
  • 41. PORQUE ENGAJAR STAKEHOLDERS? •  Frequently discuss what “done” looks like: •  Diferentes pessoas tem diferentes visões. É crucial ter o envolvimento de todos ao definir as expectativas do projeto. É a conexão que precisa ser feita entre o que o cliente pediu, o que o time entendeu, e o que será implementado. •  Show progress and capabilities: •  Todos os envolvidos devem estar cientes do andamento do projeto, a todo o momento. Por isso, eventos como demo meetings são tão importantes durante o projeto, já que mostra na prática aos envolvidos o que está sendo construído. Isso os mantém informados e engajados; •  Candidly discuss estimates and projections: •  A agilidade é transparente. Com o cliente envolvido durante todo o projeto, as projeções são sempre muito claras para todos. Se existe um problema, ele é identificado e discutido o mais cedo possível, não adiando conflitos.
  • 42. BOOSTING TEAM PERFORMANCE PRACTICES O QUE É E COMO OBTER A CERTIFICAÇÃO PMI-ACP
  • 43. BOOSTING TEAM PERFORMANCE PRACTICES •  People over process; •  Adaptative leadership: •  Stages of team formation; •  Emotional intelligence; •  Empowered teams: •  Self-organizing and self- directing; •  Servant leadership; •  Bulding high-performance teams: •  Guidelines for manager; •  Characteristics of high- performing teams; •  Team dysfunctions; •  Personal and team motivation; •  Daily stand-up meetings; •  Coaching and mentoring; •  Brainstorming: •  Quiet writing, round robin, free-for-all; •  Dot voting, multi-voting; •  Team space;
  • 44. BOOSTING TEAM PERFORMANCE PRACTICES •  Co-located and distributed teams: •  Osmotic and distributed teams; •  Tacit knowledge; •  Communication tools; •  Agile tooling: •  Low-tech, high-touch tools; •  Digital tools.
  • 45. BOOSTING TEAM PERFORMANCE PRACTICES •  Para o exame – e para ter sucesso com agile na vida real – é preciso entender na prática o que faz de um time bom; •  É preciso entender o que faz um time auto-gerenciável e empowered; •  Precisamos estar atento aos fatores que impactam a performance de um time, saber identificá-los e tratá-los; •  É preciso ter a abordagem correta de motivação para garantir que o time está engajado o suficiente para que possamos criar um ritmo sustentável não só do ponto de vista do processo, mas também do ponto de vista do time.
  • 46. ADAPTATIVE PLANNING O QUE É E COMO OBTER A CERTIFICAÇÃO PMI-ACP
  • 47. ADAPTATIVE PLANNING •  Timeboxing; •  Progressive elaboration; •  Process tailoring; •  Minimally marketable feature (MMF); •  Value-based analysis; •  Value-based decomposition and priorization; •  Agile games (collaborative and innovation games); •  Agile estimation good practices; •  Wideband Delphi and Planning Poker; •  Ideal time; •  Story Points; •  Affinity estimating; •  Time, budget, cost estimation: •  Estimating steps; •  Estimate ranges; •  Agile project accounting principles; •  Agile planning characteristics;
  • 48. ADAPTATIVE PLANNING •  Agile charter: •  Elevator statement; •  Business case development; •  Release planning; •  Iteration planning.
  • 49. ADAPTATIVE PLANNING •  Como o próprio nome já diz, o planejamento adaptativo é – além de realizado constantemente durante o projeto – moldado para o cenário e atual status dos projetos; •  É aceitar que o plano inicial irá mudar, e se prepara para isso; •  É a aplicação de lições aprendias do projeto, no próprio projeto em andamento; •  É a mitigação da incerteza e falta de previsibilidade de projetos que são sujeitos a mudanças; •  É a garantia de que o projeto continua “resolvendo o problema” proposto no início, ou seja, que valores continuam sendo entregues e o planejamento não se torna ultrapassado ou obsoleto.
  • 50. PROBLEM DETECTION AND RESOLUTION O QUE É E COMO OBTER A CERTIFICAÇÃO PMI-ACP
  • 51. PROBLEM DETECTION AND RESOLUTION •  Cycle time; •  Cost of change graph; •  Escaped defects; •  Project and quality standars; •  Failure modes: •  Making mistake; •  Human nature; •  Variance: •  Common cause; •  Special cause; •  Trend analysis: •  Lagging metrics; •  Leading metrics; •  Control limits; •  Continuous integration; •  Risk-based spike: •  Fast failure; •  Validation and verification cycles; •  TDD/TFD: •  Red, Green, Refactor; •  ATDD; •  Problem solving: •  Five whys; •  Fishbone diagrams; •  Team problem solving.
  • 52. PROBLEM DETECTION AND RESOLUTION •  A maneira como um time lida com problemas faz toda a diferença no sucesso ou fracasso de um projeto; •  Projetos são executados por pessoas, e naturalmente, estão suscetíveis a problemas; •  É necessário identificar e tratar problemas, de maneira a garantir a qualidade do produto do projeto; •  O segredo está em identificar os problemas o quanto antes possível; •  Quanto antes identificado, menor o impacto; •  Retrabalho tem um efeito dramaticamente negativo em projetos e devem ser evitados a todo custo.
  • 53. CONTINUOUS IMPROVMENT O QUE É E COMO OBTER A CERTIFICAÇÃO PMI-ACP
  • 54. CONTINUOUS IMPROVMENT •  Retrospectives: •  Set the stage; •  Gather data; •  Generate insights; •  Decide what to do; •  Close the retrospective; •  Knowledge sharing; •  Process tailoring: •  Associated risks; •  Recommended approaches; •  Principles of systems thinking; •  Process analysis: •  Anti-patterns; •  Sucess criteria; •  Process recommendations; •  Applying new agile practices; •  Continuous improvment; •  Self-assessment.
  • 55. CONTINUOUS IMPROVMENT •  A melhoria contínua é o conceito de evolução do processo mesmo após atingir um nível maduro, ou seja, manter o cenário em melhoria constante; •  O processo deve ser incentivado até o ponto em que se torna natural e intrínseco; •  O principal benefício é: obter lições aprendidas enquanto elas ainda podem ser implementadas; •  É onde acontece a adaptação do processo para melhor servir o cenário da organização ou projeto, como já vimos em processo tailoring.
  • 56. CONTINUOUS IMPROVMENT 1.  Define o cenário 2.  Reúne informações 3.  Gera insights 4.  Decide o que fazer 5.  Encerra a retrospectiva 1.  Entrega user stories completas 2.  Compila e testa stories selecionadas 3.  Planeja a iteração incorporando lições aprendidas RETROSPECTIVA ITERAÇÃO
  • 57. REFERÊNCIAS O QUE É E COMO OBTER A CERTIFICAÇÃO PMI-ACP
  • 58. REFERÊNCIAS LEANDRO FARIA WWW.LEANDROFARIA.COM.BR PMI AGILE VIRTUAL COMMUNITY AGILE.VC.PMI.ORG CERTIFICAÇÃO PMI-ACP LINKEDIN GROUP PMI-CREDENTIALED ACPS LINKEDIN GROUP
  • 59. PERGUNTAS? LEANDRO FARIA PMP, PMI-ACP, CSM, ITIL, FCE, MCPD, MCITP, MCT WWW.LEANDROFARIA.COM.BR TWITTER.COM/LHFARIA