SlideShare uma empresa Scribd logo
O PROFESSOR E O SUPERVISOR PEDAGÓGICO:  SOLIDÃO OU SOLIDARIEDADE? Um estudo sobre a relação de trabalho entre o Professor e o Supervisor Pedagógico, nas quatro últimas séries do Ensino Fundamental de uma escola pública do Estado de Minas Gerais.
Adriana Francisca de Oliveira  Claudia Roberta Monteiro Silva Eduardo Vieira Correia ,[object Object]
[object Object],Objeto Objeto de estudo para a elaboração do trabalho
[object Object],Introdução Introdução
Supervisão Complexidade 1970/ 80........1990/2000   Teoria x prática Minas Gerais Papel do Supervisor autonomia Interação positiva entre atores educacionais Recortes históricos Controle x Solidariedade
Objetivos Objetivos da tese Investigar a relação do professor com o supervisor pedagógico de uma escola de Belo Horizonte, MG. Compreender a razão do trabalho da Supervisão Escolar. Analisar a influência da supervisão Escolar no trabalho pedagógico. 1 2 3
Justificativa Justificativa O tema da pesquisa é relevante na medida em que tomamos conhecimento que: “no contexto brasileiro, a supervisão apresenta-se como uma prática relativamente recente. Remonta aos anos 70 e surgiu no cenário sócio-político-econômico, historicamente, como a função de controle”. (ALARCÃO, 1996).   Pensar que o supervisor tem como objetivo articular crítica e construtivamente o processo educacional, e que ainda hoje desperta sentimento de incerteza e indefinição referente ao seu trabalho, já justifica o estudo desta tese.
Metodologia Metodologia CATEGORIAS DE  ANÁLISE SUPERVISÃO NO BRASIL 2 RECORTES HISTÓRICOS ENTREVISTAS TEORIA/ PRÁTICA DÉCADA DE 1970/ 80 DÉCADA DE 1990/2000 CONTROLE/ AUTONOMIA
Resultados Resultados obtidos ,[object Object],[object Object],[object Object],O encontro entre supervisor e professor produz conhecimento e evoca a participação construtiva e solidária; qualifica o trabalho e humaniza as pessoas.
Considerações Considerações sobre a autora da tese SOLIDÃO DOCENTE E FORMAÇÃO CONTINUADA POSSIBILIDADE DE CONTRIBUIR NA RELAÇÃO PROFESSOR/ SUPERVISOR INCERTEZA E INDEFINIÇÃO NO TRABALHO DO SUPERVISOR QUESTÕES PERTINENTES: FORMAÇÃO, ATUAÇÃO, AÇÃO??? COMPLEXIDADE, AUTONOMIA E SOLIDARIEDADE
Duas inferências: 1. A partir da análise dos recortes históricos, podemos notar a presença de duas diferenças: 1) Controle (por parte do supervisor) e rejeição (por parte do professor) no que se refere ao período da década de 1970/ 80; 2); Desejo e solidariedade por colocar fim à solidão docente e do Supervisor (década de 1990/2000).  2. Embasamento teórico robusto e análise de caso específico bem definido. Apesar do recorte histórico e espacial que, sem dúvida, facilita o processo de pesquisa e construção do saber, tal contribui localmente – por se referir a um caso muito específico – e não como reflexão de um sistema.   Viabilidade Análise da viabilidade da pesquisa considerando nossa realidade educacional e o papel do Supervisor no Brasil
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Viabilidade Análise da viabilidade da pesquisa considerando nossa realidade educacional e o papel do Supervisor no Brasil
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Bibliografia Bibliografia

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Concepção Curricular
Concepção Curricular Concepção Curricular
Concepção Curricular
Alessandro Werneck
 
Currículo escolar
Currículo escolarCurrículo escolar
Concepções de gestão escolar - parte 1
Concepções de gestão escolar - parte 1Concepções de gestão escolar - parte 1
Concepções de gestão escolar - parte 1
kellciasukita
 
Modelos de desenho curricular
Modelos de desenho curricularModelos de desenho curricular
Modelos de desenho curricular
elexandra LACERDA
 
Imbernon, francisco
Imbernon, franciscoImbernon, francisco
Imbernon, francisco
Sun Waltre
 
O PROFESSOR INICIANTE NA ORGANIZAÇÃO ESCOLAR
O PROFESSOR INICIANTE NA ORGANIZAÇÃO ESCOLARO PROFESSOR INICIANTE NA ORGANIZAÇÃO ESCOLAR
O PROFESSOR INICIANTE NA ORGANIZAÇÃO ESCOLAR
ProfessorPrincipiante
 
Tcc gestão
Tcc gestãoTcc gestão
Tcc gestão
evaquarai1
 
A PRÁTICA EDUCATIVA: COMO ENSINAR - ANTONI ZABALA
A PRÁTICA EDUCATIVA: COMO ENSINAR - ANTONI ZABALAA PRÁTICA EDUCATIVA: COMO ENSINAR - ANTONI ZABALA
A PRÁTICA EDUCATIVA: COMO ENSINAR - ANTONI ZABALA
PREFEITURA MUNICIPAL DE CATU
 
Currículo
CurrículoCurrículo
Modelos de organização curricular
Modelos de organização curricularModelos de organização curricular
Modelos de organização curricular
Ministério da Educação
 
~UM PROGRAMA DE FORMAÇÃO-INVESTIGAÇÃO ONLINE NA (RE) CONSTRUÇÃO DE INDICADORE...
~UM PROGRAMA DE FORMAÇÃO-INVESTIGAÇÃO ONLINE NA (RE) CONSTRUÇÃO DE INDICADORE...~UM PROGRAMA DE FORMAÇÃO-INVESTIGAÇÃO ONLINE NA (RE) CONSTRUÇÃO DE INDICADORE...
~UM PROGRAMA DE FORMAÇÃO-INVESTIGAÇÃO ONLINE NA (RE) CONSTRUÇÃO DE INDICADORE...
ProfessorPrincipiante
 
Didática, currículo e cultura escolar
Didática, currículo e cultura escolarDidática, currículo e cultura escolar
Didática, currículo e cultura escolar
UNICEP
 
Atitude critica
Atitude criticaAtitude critica
1.2 artigo mec_propostas_curriculares_merces
1.2 artigo mec_propostas_curriculares_merces1.2 artigo mec_propostas_curriculares_merces
1.2 artigo mec_propostas_curriculares_merces
Lúcia Margarete Rodrigues Ferian
 
A atuação de coordenadores pedagógicos
A atuação de coordenadores pedagógicosA atuação de coordenadores pedagógicos
A atuação de coordenadores pedagógicos
Vanderlita Gomes B Marquetti
 
Libâneo
Libâneo Libâneo
Dimensões da Ação Supervisora
Dimensões da Ação SupervisoraDimensões da Ação Supervisora
Dimensões da Ação Supervisora
mylla1
 
Mod. e prát. de formação de profs. aula 2
Mod. e prát. de formação de  profs.   aula 2Mod. e prát. de formação de  profs.   aula 2
Mod. e prát. de formação de profs. aula 2
viviprof
 

Mais procurados (18)

Concepção Curricular
Concepção Curricular Concepção Curricular
Concepção Curricular
 
Currículo escolar
Currículo escolarCurrículo escolar
Currículo escolar
 
Concepções de gestão escolar - parte 1
Concepções de gestão escolar - parte 1Concepções de gestão escolar - parte 1
Concepções de gestão escolar - parte 1
 
Modelos de desenho curricular
Modelos de desenho curricularModelos de desenho curricular
Modelos de desenho curricular
 
Imbernon, francisco
Imbernon, franciscoImbernon, francisco
Imbernon, francisco
 
O PROFESSOR INICIANTE NA ORGANIZAÇÃO ESCOLAR
O PROFESSOR INICIANTE NA ORGANIZAÇÃO ESCOLARO PROFESSOR INICIANTE NA ORGANIZAÇÃO ESCOLAR
O PROFESSOR INICIANTE NA ORGANIZAÇÃO ESCOLAR
 
Tcc gestão
Tcc gestãoTcc gestão
Tcc gestão
 
A PRÁTICA EDUCATIVA: COMO ENSINAR - ANTONI ZABALA
A PRÁTICA EDUCATIVA: COMO ENSINAR - ANTONI ZABALAA PRÁTICA EDUCATIVA: COMO ENSINAR - ANTONI ZABALA
A PRÁTICA EDUCATIVA: COMO ENSINAR - ANTONI ZABALA
 
Currículo
CurrículoCurrículo
Currículo
 
Modelos de organização curricular
Modelos de organização curricularModelos de organização curricular
Modelos de organização curricular
 
~UM PROGRAMA DE FORMAÇÃO-INVESTIGAÇÃO ONLINE NA (RE) CONSTRUÇÃO DE INDICADORE...
~UM PROGRAMA DE FORMAÇÃO-INVESTIGAÇÃO ONLINE NA (RE) CONSTRUÇÃO DE INDICADORE...~UM PROGRAMA DE FORMAÇÃO-INVESTIGAÇÃO ONLINE NA (RE) CONSTRUÇÃO DE INDICADORE...
~UM PROGRAMA DE FORMAÇÃO-INVESTIGAÇÃO ONLINE NA (RE) CONSTRUÇÃO DE INDICADORE...
 
Didática, currículo e cultura escolar
Didática, currículo e cultura escolarDidática, currículo e cultura escolar
Didática, currículo e cultura escolar
 
Atitude critica
Atitude criticaAtitude critica
Atitude critica
 
1.2 artigo mec_propostas_curriculares_merces
1.2 artigo mec_propostas_curriculares_merces1.2 artigo mec_propostas_curriculares_merces
1.2 artigo mec_propostas_curriculares_merces
 
A atuação de coordenadores pedagógicos
A atuação de coordenadores pedagógicosA atuação de coordenadores pedagógicos
A atuação de coordenadores pedagógicos
 
Libâneo
Libâneo Libâneo
Libâneo
 
Dimensões da Ação Supervisora
Dimensões da Ação SupervisoraDimensões da Ação Supervisora
Dimensões da Ação Supervisora
 
Mod. e prát. de formação de profs. aula 2
Mod. e prát. de formação de  profs.   aula 2Mod. e prát. de formação de  profs.   aula 2
Mod. e prát. de formação de profs. aula 2
 

Destaque

5.1. ehs
5.1. ehs5.1. ehs
Etude quanti Region Région - Contenus services Numériques - résultats détaill...
Etude quanti Region Région - Contenus services Numériques - résultats détaill...Etude quanti Region Région - Contenus services Numériques - résultats détaill...
Etude quanti Region Région - Contenus services Numériques - résultats détaill...
Silicon Village
 
Guide du Crédit Impôt Recherche 2011
Guide du Crédit Impôt Recherche 2011Guide du Crédit Impôt Recherche 2011
Guide du Crédit Impôt Recherche 2011Silicon Village
 
Filiere tic reunion 2005 - Source Region Réunion
Filiere tic reunion 2005 - Source Region RéunionFiliere tic reunion 2005 - Source Region Réunion
Filiere tic reunion 2005 - Source Region Réunion
Silicon Village
 
Guide pratique - Jeune Entreprise Innovante JEI
Guide pratique - Jeune Entreprise Innovante JEIGuide pratique - Jeune Entreprise Innovante JEI
Guide pratique - Jeune Entreprise Innovante JEI
polenumerique33
 
Fiche jei-2015
Fiche jei-2015Fiche jei-2015
Fiche jei-2015
polenumerique33
 
Tourisme à la Réunion en 2005 - Agence de Developpement
Tourisme à la Réunion en 2005 - Agence de DeveloppementTourisme à la Réunion en 2005 - Agence de Developpement
Tourisme à la Réunion en 2005 - Agence de Developpement
Silicon Village
 
E commerce - perspectives pour les produits agro-alimentaires des pays du sud...
E commerce - perspectives pour les produits agro-alimentaires des pays du sud...E commerce - perspectives pour les produits agro-alimentaires des pays du sud...
E commerce - perspectives pour les produits agro-alimentaires des pays du sud...Silicon Village
 
Créer son entreprise à Bruxelles : 10 pièges à éviter
Créer son entreprise à Bruxelles : 10 pièges à éviterCréer son entreprise à Bruxelles : 10 pièges à éviter
Créer son entreprise à Bruxelles : 10 pièges à éviter
impulse.brussels
 
Développement du commerce electronique en afrique cas du senegal
Développement du commerce electronique en afrique   cas du senegalDéveloppement du commerce electronique en afrique   cas du senegal
Développement du commerce electronique en afrique cas du senegalSilicon Village
 
Les subventions et les aides au financement aux entreprises en activité dans ...
Les subventions et les aides au financement aux entreprises en activité dans ...Les subventions et les aides au financement aux entreprises en activité dans ...
Les subventions et les aides au financement aux entreprises en activité dans ...
impulse.brussels
 
Notice pour la déclaration de dépenses d’innovation éligibles au crédit impôt...
Notice pour la déclaration de dépenses d’innovation éligibles au crédit impôt...Notice pour la déclaration de dépenses d’innovation éligibles au crédit impôt...
Notice pour la déclaration de dépenses d’innovation éligibles au crédit impôt...
polenumerique33
 
Etude equipements-usages-2012-reunion-juil2013
Etude equipements-usages-2012-reunion-juil2013Etude equipements-usages-2012-reunion-juil2013
Etude equipements-usages-2012-reunion-juil2013
Silicon Village
 
Etude de cas Webmarketing - CADEV
Etude de cas Webmarketing - CADEVEtude de cas Webmarketing - CADEV
Etude de cas Webmarketing - CADEVregionalpartner56
 

Destaque (14)

5.1. ehs
5.1. ehs5.1. ehs
5.1. ehs
 
Etude quanti Region Région - Contenus services Numériques - résultats détaill...
Etude quanti Region Région - Contenus services Numériques - résultats détaill...Etude quanti Region Région - Contenus services Numériques - résultats détaill...
Etude quanti Region Région - Contenus services Numériques - résultats détaill...
 
Guide du Crédit Impôt Recherche 2011
Guide du Crédit Impôt Recherche 2011Guide du Crédit Impôt Recherche 2011
Guide du Crédit Impôt Recherche 2011
 
Filiere tic reunion 2005 - Source Region Réunion
Filiere tic reunion 2005 - Source Region RéunionFiliere tic reunion 2005 - Source Region Réunion
Filiere tic reunion 2005 - Source Region Réunion
 
Guide pratique - Jeune Entreprise Innovante JEI
Guide pratique - Jeune Entreprise Innovante JEIGuide pratique - Jeune Entreprise Innovante JEI
Guide pratique - Jeune Entreprise Innovante JEI
 
Fiche jei-2015
Fiche jei-2015Fiche jei-2015
Fiche jei-2015
 
Tourisme à la Réunion en 2005 - Agence de Developpement
Tourisme à la Réunion en 2005 - Agence de DeveloppementTourisme à la Réunion en 2005 - Agence de Developpement
Tourisme à la Réunion en 2005 - Agence de Developpement
 
E commerce - perspectives pour les produits agro-alimentaires des pays du sud...
E commerce - perspectives pour les produits agro-alimentaires des pays du sud...E commerce - perspectives pour les produits agro-alimentaires des pays du sud...
E commerce - perspectives pour les produits agro-alimentaires des pays du sud...
 
Créer son entreprise à Bruxelles : 10 pièges à éviter
Créer son entreprise à Bruxelles : 10 pièges à éviterCréer son entreprise à Bruxelles : 10 pièges à éviter
Créer son entreprise à Bruxelles : 10 pièges à éviter
 
Développement du commerce electronique en afrique cas du senegal
Développement du commerce electronique en afrique   cas du senegalDéveloppement du commerce electronique en afrique   cas du senegal
Développement du commerce electronique en afrique cas du senegal
 
Les subventions et les aides au financement aux entreprises en activité dans ...
Les subventions et les aides au financement aux entreprises en activité dans ...Les subventions et les aides au financement aux entreprises en activité dans ...
Les subventions et les aides au financement aux entreprises en activité dans ...
 
Notice pour la déclaration de dépenses d’innovation éligibles au crédit impôt...
Notice pour la déclaration de dépenses d’innovation éligibles au crédit impôt...Notice pour la déclaration de dépenses d’innovation éligibles au crédit impôt...
Notice pour la déclaration de dépenses d’innovation éligibles au crédit impôt...
 
Etude equipements-usages-2012-reunion-juil2013
Etude equipements-usages-2012-reunion-juil2013Etude equipements-usages-2012-reunion-juil2013
Etude equipements-usages-2012-reunion-juil2013
 
Etude de cas Webmarketing - CADEV
Etude de cas Webmarketing - CADEVEtude de cas Webmarketing - CADEV
Etude de cas Webmarketing - CADEV
 

Semelhante a O professor e o supervisor pedagógico

Análise do artigo_científico
Análise do artigo_científicoAnálise do artigo_científico
Análise do artigo_científico
lislieribeiro
 
Analise Artigo Científico: Supervisão Pedagógica na EAD
Analise Artigo Científico: Supervisão Pedagógica na EADAnalise Artigo Científico: Supervisão Pedagógica na EAD
Analise Artigo Científico: Supervisão Pedagógica na EAD
Rogério Da Costa Ribeiro
 
AVALIAÇÃO DOCENTE NO BRASIL: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO Rosatrícia da Silva Mour...
AVALIAÇÃO DOCENTE NO BRASIL: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO  Rosatrícia da Silva Mour...AVALIAÇÃO DOCENTE NO BRASIL: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO  Rosatrícia da Silva Mour...
AVALIAÇÃO DOCENTE NO BRASIL: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO Rosatrícia da Silva Mour...
christianceapcursos
 
PROFESSORES INICIANTES, EXPERIENTES E PESQUISADORES EM GRUPO COLABORATIVO: NA...
PROFESSORES INICIANTES, EXPERIENTES E PESQUISADORES EM GRUPO COLABORATIVO: NA...PROFESSORES INICIANTES, EXPERIENTES E PESQUISADORES EM GRUPO COLABORATIVO: NA...
PROFESSORES INICIANTES, EXPERIENTES E PESQUISADORES EM GRUPO COLABORATIVO: NA...
ProfessorPrincipiante
 
TEXTO3.2-Percepção acerca do prof reflexivo.pdf
TEXTO3.2-Percepção acerca do prof reflexivo.pdfTEXTO3.2-Percepção acerca do prof reflexivo.pdf
TEXTO3.2-Percepção acerca do prof reflexivo.pdf
DrikaSato
 
Analise do artigo: “Para uma visão transformadora da supervisão pedagógica”
Analise do artigo: “Para uma visão transformadora da supervisão pedagógica”Analise do artigo: “Para uma visão transformadora da supervisão pedagógica”
Analise do artigo: “Para uma visão transformadora da supervisão pedagógica”
Alan Ciriaco
 
AVALIAÇÃO DOCENTE NO BRASIL: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO Rosatrícia da Silva Mour...
AVALIAÇÃO DOCENTE NO BRASIL: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO  Rosatrícia da Silva Mour...AVALIAÇÃO DOCENTE NO BRASIL: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO  Rosatrícia da Silva Mour...
AVALIAÇÃO DOCENTE NO BRASIL: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO Rosatrícia da Silva Mour...
christianceapcursos
 
Estagio supervisionado
Estagio supervisionadoEstagio supervisionado
Estagio supervisionado
Fernanda Marques
 
Artigo avaliacao das-aprendizagens_-_concecoes_e_praticas
Artigo  avaliacao das-aprendizagens_-_concecoes_e_praticasArtigo  avaliacao das-aprendizagens_-_concecoes_e_praticas
Artigo avaliacao das-aprendizagens_-_concecoes_e_praticas
AdelaideAssuncaoFahe
 
Reflexões sobre os caminhos e descaminhos de ser professor - Facci
Reflexões sobre os caminhos e descaminhos de ser professor - Facci Reflexões sobre os caminhos e descaminhos de ser professor - Facci
Reflexões sobre os caminhos e descaminhos de ser professor - Facci
cefaidreguaianases
 
Reflexões sobre os caminhos e descaminhos de ser professor: uma contribuição ...
Reflexões sobre os caminhos e descaminhos de ser professor: uma contribuição ...Reflexões sobre os caminhos e descaminhos de ser professor: uma contribuição ...
Reflexões sobre os caminhos e descaminhos de ser professor: uma contribuição ...
cefaidreguaianases
 
~PROFESSORES INCIANTES: TEORIAS, PRÁTICAS, DILEMAS E DESAFIOS
~PROFESSORES INCIANTES: TEORIAS, PRÁTICAS, DILEMAS E DESAFIOS~PROFESSORES INCIANTES: TEORIAS, PRÁTICAS, DILEMAS E DESAFIOS
~PROFESSORES INCIANTES: TEORIAS, PRÁTICAS, DILEMAS E DESAFIOS
ProfessorPrincipiante
 
Para uma visão transformadora da supervisão pedagógica
Para uma visão transformadora da supervisão pedagógicaPara uma visão transformadora da supervisão pedagógica
Para uma visão transformadora da supervisão pedagógica
profarosangela
 
O PROFESSOR INCIANTE DE MATEMÁTICA E SUA CONSTITUIÇÃO PARA O TRABALHO DOCENTE
O PROFESSOR INCIANTE DE MATEMÁTICA E SUA CONSTITUIÇÃO PARA O TRABALHO DOCENTEO PROFESSOR INCIANTE DE MATEMÁTICA E SUA CONSTITUIÇÃO PARA O TRABALHO DOCENTE
O PROFESSOR INCIANTE DE MATEMÁTICA E SUA CONSTITUIÇÃO PARA O TRABALHO DOCENTE
ProfessorPrincipiante
 
EstáGio Supervisionado Ponta Grossa
EstáGio Supervisionado Ponta GrossaEstáGio Supervisionado Ponta Grossa
EstáGio Supervisionado Ponta Grossa
rosangelamenta
 
Coordenacao pedagogica 7
Coordenacao pedagogica 7Coordenacao pedagogica 7
Coordenacao pedagogica 7
Liberty Ensino
 
Apostila projeto político pedagógico fak
Apostila projeto político pedagógico   fakApostila projeto político pedagógico   fak
Apostila projeto político pedagógico fak
Prof. Antônio Martins de Almeida Filho
 
PAPEL DA SUPERVISÃO ESCOLAR.ppt
PAPEL DA SUPERVISÃO ESCOLAR.pptPAPEL DA SUPERVISÃO ESCOLAR.ppt
PAPEL DA SUPERVISÃO ESCOLAR.ppt
JefersonFranco9
 
Análise do referencial de competências para formação inicial dos professores ...
Análise do referencial de competências para formação inicial dos professores ...Análise do referencial de competências para formação inicial dos professores ...
Análise do referencial de competências para formação inicial dos professores ...
adrianafrancisca
 
Análise do referencial de competências para formação inicial dos professores ...
Análise do referencial de competências para formação inicial dos professores ...Análise do referencial de competências para formação inicial dos professores ...
Análise do referencial de competências para formação inicial dos professores ...
adrianafrancisca
 

Semelhante a O professor e o supervisor pedagógico (20)

Análise do artigo_científico
Análise do artigo_científicoAnálise do artigo_científico
Análise do artigo_científico
 
Analise Artigo Científico: Supervisão Pedagógica na EAD
Analise Artigo Científico: Supervisão Pedagógica na EADAnalise Artigo Científico: Supervisão Pedagógica na EAD
Analise Artigo Científico: Supervisão Pedagógica na EAD
 
AVALIAÇÃO DOCENTE NO BRASIL: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO Rosatrícia da Silva Mour...
AVALIAÇÃO DOCENTE NO BRASIL: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO  Rosatrícia da Silva Mour...AVALIAÇÃO DOCENTE NO BRASIL: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO  Rosatrícia da Silva Mour...
AVALIAÇÃO DOCENTE NO BRASIL: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO Rosatrícia da Silva Mour...
 
PROFESSORES INICIANTES, EXPERIENTES E PESQUISADORES EM GRUPO COLABORATIVO: NA...
PROFESSORES INICIANTES, EXPERIENTES E PESQUISADORES EM GRUPO COLABORATIVO: NA...PROFESSORES INICIANTES, EXPERIENTES E PESQUISADORES EM GRUPO COLABORATIVO: NA...
PROFESSORES INICIANTES, EXPERIENTES E PESQUISADORES EM GRUPO COLABORATIVO: NA...
 
TEXTO3.2-Percepção acerca do prof reflexivo.pdf
TEXTO3.2-Percepção acerca do prof reflexivo.pdfTEXTO3.2-Percepção acerca do prof reflexivo.pdf
TEXTO3.2-Percepção acerca do prof reflexivo.pdf
 
Analise do artigo: “Para uma visão transformadora da supervisão pedagógica”
Analise do artigo: “Para uma visão transformadora da supervisão pedagógica”Analise do artigo: “Para uma visão transformadora da supervisão pedagógica”
Analise do artigo: “Para uma visão transformadora da supervisão pedagógica”
 
AVALIAÇÃO DOCENTE NO BRASIL: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO Rosatrícia da Silva Mour...
AVALIAÇÃO DOCENTE NO BRASIL: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO  Rosatrícia da Silva Mour...AVALIAÇÃO DOCENTE NO BRASIL: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO  Rosatrícia da Silva Mour...
AVALIAÇÃO DOCENTE NO BRASIL: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO Rosatrícia da Silva Mour...
 
Estagio supervisionado
Estagio supervisionadoEstagio supervisionado
Estagio supervisionado
 
Artigo avaliacao das-aprendizagens_-_concecoes_e_praticas
Artigo  avaliacao das-aprendizagens_-_concecoes_e_praticasArtigo  avaliacao das-aprendizagens_-_concecoes_e_praticas
Artigo avaliacao das-aprendizagens_-_concecoes_e_praticas
 
Reflexões sobre os caminhos e descaminhos de ser professor - Facci
Reflexões sobre os caminhos e descaminhos de ser professor - Facci Reflexões sobre os caminhos e descaminhos de ser professor - Facci
Reflexões sobre os caminhos e descaminhos de ser professor - Facci
 
Reflexões sobre os caminhos e descaminhos de ser professor: uma contribuição ...
Reflexões sobre os caminhos e descaminhos de ser professor: uma contribuição ...Reflexões sobre os caminhos e descaminhos de ser professor: uma contribuição ...
Reflexões sobre os caminhos e descaminhos de ser professor: uma contribuição ...
 
~PROFESSORES INCIANTES: TEORIAS, PRÁTICAS, DILEMAS E DESAFIOS
~PROFESSORES INCIANTES: TEORIAS, PRÁTICAS, DILEMAS E DESAFIOS~PROFESSORES INCIANTES: TEORIAS, PRÁTICAS, DILEMAS E DESAFIOS
~PROFESSORES INCIANTES: TEORIAS, PRÁTICAS, DILEMAS E DESAFIOS
 
Para uma visão transformadora da supervisão pedagógica
Para uma visão transformadora da supervisão pedagógicaPara uma visão transformadora da supervisão pedagógica
Para uma visão transformadora da supervisão pedagógica
 
O PROFESSOR INCIANTE DE MATEMÁTICA E SUA CONSTITUIÇÃO PARA O TRABALHO DOCENTE
O PROFESSOR INCIANTE DE MATEMÁTICA E SUA CONSTITUIÇÃO PARA O TRABALHO DOCENTEO PROFESSOR INCIANTE DE MATEMÁTICA E SUA CONSTITUIÇÃO PARA O TRABALHO DOCENTE
O PROFESSOR INCIANTE DE MATEMÁTICA E SUA CONSTITUIÇÃO PARA O TRABALHO DOCENTE
 
EstáGio Supervisionado Ponta Grossa
EstáGio Supervisionado Ponta GrossaEstáGio Supervisionado Ponta Grossa
EstáGio Supervisionado Ponta Grossa
 
Coordenacao pedagogica 7
Coordenacao pedagogica 7Coordenacao pedagogica 7
Coordenacao pedagogica 7
 
Apostila projeto político pedagógico fak
Apostila projeto político pedagógico   fakApostila projeto político pedagógico   fak
Apostila projeto político pedagógico fak
 
PAPEL DA SUPERVISÃO ESCOLAR.ppt
PAPEL DA SUPERVISÃO ESCOLAR.pptPAPEL DA SUPERVISÃO ESCOLAR.ppt
PAPEL DA SUPERVISÃO ESCOLAR.ppt
 
Análise do referencial de competências para formação inicial dos professores ...
Análise do referencial de competências para formação inicial dos professores ...Análise do referencial de competências para formação inicial dos professores ...
Análise do referencial de competências para formação inicial dos professores ...
 
Análise do referencial de competências para formação inicial dos professores ...
Análise do referencial de competências para formação inicial dos professores ...Análise do referencial de competências para formação inicial dos professores ...
Análise do referencial de competências para formação inicial dos professores ...
 

Mais de adrianafrancisca

HIPERTEXTO
HIPERTEXTOHIPERTEXTO
HIPERTEXTO
adrianafrancisca
 
AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO:TEORIAS E MODELOS.
AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO:TEORIAS E MODELOS.AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO:TEORIAS E MODELOS.
AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO:TEORIAS E MODELOS.
adrianafrancisca
 
AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO:TEORIAS E MODELOS.
AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO:TEORIAS E MODELOS.AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO:TEORIAS E MODELOS.
AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO:TEORIAS E MODELOS.
adrianafrancisca
 
AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO: TEORIAS E MODELOS..
AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO: TEORIAS E MODELOS..AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO: TEORIAS E MODELOS..
AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO: TEORIAS E MODELOS..
adrianafrancisca
 
AVLIAÇÃO DE DESEMPENHOO:Teorias e modelos....
 AVLIAÇÃO DE DESEMPENHOO:Teorias e modelos.... AVLIAÇÃO DE DESEMPENHOO:Teorias e modelos....
AVLIAÇÃO DE DESEMPENHOO:Teorias e modelos....
adrianafrancisca
 
Portifolli avaliação de desempenho
Portifolli avaliação de desempenhoPortifolli avaliação de desempenho
Portifolli avaliação de desempenho
adrianafrancisca
 
Relação família e escola
Relação família e escolaRelação família e escola
Relação família e escola
adrianafrancisca
 
Relação família e escola
Relação família e escolaRelação família e escola
Relação família e escola
adrianafrancisca
 
Texto comunicação e tecnologia em supervisão pedagógica ...
Texto  comunicação e tecnologia em supervisão pedagógica ...Texto  comunicação e tecnologia em supervisão pedagógica ...
Texto comunicação e tecnologia em supervisão pedagógica ...
adrianafrancisca
 
Texto comunicação e tecnologia em supervisão pedagógica ...
Texto  comunicação e tecnologia em supervisão pedagógica ...Texto  comunicação e tecnologia em supervisão pedagógica ...
Texto comunicação e tecnologia em supervisão pedagógica ...
adrianafrancisca
 
HIPERTEXTO
HIPERTEXTOHIPERTEXTO
HIPERTEXTO
adrianafrancisca
 
Escola participativa
Escola participativaEscola participativa
Escola participativa
adrianafrancisca
 
O professor e o supervisor pedagógico
O professor e o supervisor pedagógicoO professor e o supervisor pedagógico
O professor e o supervisor pedagógico
adrianafrancisca
 
O professor e o supervisor pedagógico
O professor e o supervisor pedagógicoO professor e o supervisor pedagógico
O professor e o supervisor pedagógico
adrianafrancisca
 
Supervisã..
Supervisã..Supervisã..
Supervisã..
adrianafrancisca
 
Portfólio dia 20.05.2011
Portfólio dia 20.05.2011Portfólio dia 20.05.2011
Portfólio dia 20.05.2011
adrianafrancisca
 
Portifólio avaliação de desempenho
Portifólio avaliação de desempenhoPortifólio avaliação de desempenho
Portifólio avaliação de desempenho
adrianafrancisca
 
Apresentação poster profª suê
Apresentação poster profª suêApresentação poster profª suê
Apresentação poster profª suê
adrianafrancisca
 
Supervisã..
Supervisã..Supervisã..
Supervisã..
adrianafrancisca
 
Relação família e escola
Relação família e escolaRelação família e escola
Relação família e escola
adrianafrancisca
 

Mais de adrianafrancisca (20)

HIPERTEXTO
HIPERTEXTOHIPERTEXTO
HIPERTEXTO
 
AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO:TEORIAS E MODELOS.
AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO:TEORIAS E MODELOS.AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO:TEORIAS E MODELOS.
AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO:TEORIAS E MODELOS.
 
AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO:TEORIAS E MODELOS.
AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO:TEORIAS E MODELOS.AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO:TEORIAS E MODELOS.
AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO:TEORIAS E MODELOS.
 
AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO: TEORIAS E MODELOS..
AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO: TEORIAS E MODELOS..AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO: TEORIAS E MODELOS..
AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO: TEORIAS E MODELOS..
 
AVLIAÇÃO DE DESEMPENHOO:Teorias e modelos....
 AVLIAÇÃO DE DESEMPENHOO:Teorias e modelos.... AVLIAÇÃO DE DESEMPENHOO:Teorias e modelos....
AVLIAÇÃO DE DESEMPENHOO:Teorias e modelos....
 
Portifolli avaliação de desempenho
Portifolli avaliação de desempenhoPortifolli avaliação de desempenho
Portifolli avaliação de desempenho
 
Relação família e escola
Relação família e escolaRelação família e escola
Relação família e escola
 
Relação família e escola
Relação família e escolaRelação família e escola
Relação família e escola
 
Texto comunicação e tecnologia em supervisão pedagógica ...
Texto  comunicação e tecnologia em supervisão pedagógica ...Texto  comunicação e tecnologia em supervisão pedagógica ...
Texto comunicação e tecnologia em supervisão pedagógica ...
 
Texto comunicação e tecnologia em supervisão pedagógica ...
Texto  comunicação e tecnologia em supervisão pedagógica ...Texto  comunicação e tecnologia em supervisão pedagógica ...
Texto comunicação e tecnologia em supervisão pedagógica ...
 
HIPERTEXTO
HIPERTEXTOHIPERTEXTO
HIPERTEXTO
 
Escola participativa
Escola participativaEscola participativa
Escola participativa
 
O professor e o supervisor pedagógico
O professor e o supervisor pedagógicoO professor e o supervisor pedagógico
O professor e o supervisor pedagógico
 
O professor e o supervisor pedagógico
O professor e o supervisor pedagógicoO professor e o supervisor pedagógico
O professor e o supervisor pedagógico
 
Supervisã..
Supervisã..Supervisã..
Supervisã..
 
Portfólio dia 20.05.2011
Portfólio dia 20.05.2011Portfólio dia 20.05.2011
Portfólio dia 20.05.2011
 
Portifólio avaliação de desempenho
Portifólio avaliação de desempenhoPortifólio avaliação de desempenho
Portifólio avaliação de desempenho
 
Apresentação poster profª suê
Apresentação poster profª suêApresentação poster profª suê
Apresentação poster profª suê
 
Supervisã..
Supervisã..Supervisã..
Supervisã..
 
Relação família e escola
Relação família e escolaRelação família e escola
Relação família e escola
 

Último

UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
WilianeBarbosa2
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
sjcelsorocha
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
A importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino MédioA importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino Médio
nunesly
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
FernandaOliveira758273
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdfCurativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
BiancaCristina75
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
MarceloMonteiro213738
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
erssstcontato
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
MARCELARUBIAGAVA
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Marília Pacheco
 

Último (20)

UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
A importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino MédioA importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino Médio
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdfCurativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
 

O professor e o supervisor pedagógico

  • 1. O PROFESSOR E O SUPERVISOR PEDAGÓGICO: SOLIDÃO OU SOLIDARIEDADE? Um estudo sobre a relação de trabalho entre o Professor e o Supervisor Pedagógico, nas quatro últimas séries do Ensino Fundamental de uma escola pública do Estado de Minas Gerais.
  • 2.
  • 3.
  • 4.
  • 5. Supervisão Complexidade 1970/ 80........1990/2000 Teoria x prática Minas Gerais Papel do Supervisor autonomia Interação positiva entre atores educacionais Recortes históricos Controle x Solidariedade
  • 6. Objetivos Objetivos da tese Investigar a relação do professor com o supervisor pedagógico de uma escola de Belo Horizonte, MG. Compreender a razão do trabalho da Supervisão Escolar. Analisar a influência da supervisão Escolar no trabalho pedagógico. 1 2 3
  • 7. Justificativa Justificativa O tema da pesquisa é relevante na medida em que tomamos conhecimento que: “no contexto brasileiro, a supervisão apresenta-se como uma prática relativamente recente. Remonta aos anos 70 e surgiu no cenário sócio-político-econômico, historicamente, como a função de controle”. (ALARCÃO, 1996). Pensar que o supervisor tem como objetivo articular crítica e construtivamente o processo educacional, e que ainda hoje desperta sentimento de incerteza e indefinição referente ao seu trabalho, já justifica o estudo desta tese.
  • 8. Metodologia Metodologia CATEGORIAS DE ANÁLISE SUPERVISÃO NO BRASIL 2 RECORTES HISTÓRICOS ENTREVISTAS TEORIA/ PRÁTICA DÉCADA DE 1970/ 80 DÉCADA DE 1990/2000 CONTROLE/ AUTONOMIA
  • 9.
  • 10. Considerações Considerações sobre a autora da tese SOLIDÃO DOCENTE E FORMAÇÃO CONTINUADA POSSIBILIDADE DE CONTRIBUIR NA RELAÇÃO PROFESSOR/ SUPERVISOR INCERTEZA E INDEFINIÇÃO NO TRABALHO DO SUPERVISOR QUESTÕES PERTINENTES: FORMAÇÃO, ATUAÇÃO, AÇÃO??? COMPLEXIDADE, AUTONOMIA E SOLIDARIEDADE
  • 11. Duas inferências: 1. A partir da análise dos recortes históricos, podemos notar a presença de duas diferenças: 1) Controle (por parte do supervisor) e rejeição (por parte do professor) no que se refere ao período da década de 1970/ 80; 2); Desejo e solidariedade por colocar fim à solidão docente e do Supervisor (década de 1990/2000). 2. Embasamento teórico robusto e análise de caso específico bem definido. Apesar do recorte histórico e espacial que, sem dúvida, facilita o processo de pesquisa e construção do saber, tal contribui localmente – por se referir a um caso muito específico – e não como reflexão de um sistema. Viabilidade Análise da viabilidade da pesquisa considerando nossa realidade educacional e o papel do Supervisor no Brasil
  • 12.
  • 13.