SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 14
Baixar para ler offline
FILOSOFIA 11.º ano
FFILOSOFIA 11.º anoILOSOFIA 11.º ano
Luís Rodrigues
O problema da indução
ANÁLISE COMPARATIVA DE DUAS
TEORIAS DO CONHECIMENTO:
O EMPIRISMO DE HUME
FILOSOFIA 11.º ano
Os diversos tipos de conhecimento
O problema da indução
Como procuramos conhecer o mundo?
Mediante raciocínios indutivos que se baseiam na relação de causa e
efeito.
Como esta relação não tem objetividade, os raciocínios indutivos não
nos darão conhecimentos sobre o mundo dos factos.
Vamos ver porquê.
FILOSOFIA 11.º ano
O problema da indução
«O calor é a causa da dilatação dos corpos» é uma proposição que
podemos traduzir assim: «Todos os corpos dilatam por causa do calor»
e «Podemos prever que o calor vai dilatar certos corpos».
No primeiro caso, efetuamos uma generalização.
No segundo, uma previsão.
Assim, as relações causais consistem em grande parte em inferências
indutivas. Estas levam-nos para lá da experiência imediata porque
nenhuma impressão podemos ter que ultrapasse o que observamos ou
o que observámos.
FILOSOFIA 11.º ano
O problema da indução
O problema da indução
Que crença está na base das inferência indutivas?
A crença de que a natureza se comporta sempre da mesma maneira,
que o futuro repete o passado. A esta crença dá Hume o nome de
Princípio da Uniformidade da Natureza.
Justificar esta crença é condição necessária da justificação da indução.
Será possível justificá-la?
FILOSOFIA 11.º ano
O problema da indução
O problema da indução
Raciocínio indutivo
Até agora o Sol sempre se ergueu.
Logo, o Sol vai erguer-se amanhã e nos dias seguintes.
Estamos a supor que a natureza se comporta sempre do mesmo
modo.
A verdade da conclusão depende de uma outra verdade: que a
natureza se comporta de modo uniforme.
Mas será que podemos provar que o Princípio da Uniformidade da
Natureza é verdadeiro?
FILOSOFIA 11.º ano
O problema da indução
O problema da indução
Raciocínio indutivo
Até agora o Sol sempre se ergueu.
Logo, o Sol vai erguer-se amanhã e nos dias seguintes.
Baseados em repetidas experiências passadas em que assistimos
sempre ao nascimento do Sol, concluímos que no futuro assim será.
É assim que procuramos justificar a crença na uniformidade da
natureza.
Mas há aqui um problema. Qual?
FILOSOFIA 11.º ano
O problema da indução
O problema da indução
Raciocínio indutivo
Até agora, o Sol sempre se ergueu.
O Sol vai erguer-se amanhã e nos dias seguintes.
Logo, a natureza é uniforme.
O problema é que recorremos a um raciocínio indutivo para justificar a
crença na verdade das inferências indutivas.
Isso é falacioso.
FILOSOFIA 11.º ano
O problema da indução
O problema da indução
O princípio da uniformidade da natureza é a base dos nossos
raciocínios indutivos. Contudo, para o justificarmos, recorremos a um
raciocínio indutivo. Cometemos a falácia da petição de princípio
porque queremos justificar a indução, mas a única resposta que
encontramos é que a indução justifica a indução.
FILOSOFIA 11.º ano
O problema da indução
O problema da indução
Outra explicação
Até agora, sempre que aconteceu um determinado aumento de
temperatura, um corpo dilatou.
O futuro será sempre como o passado (a natureza comporta-se sempre
do mesmo modo).
Logo, o próximo corpo que vier a ser submetido a um determinado
aumento de temperatura irá dilatar.
A verdade da conclusão depende da verdade da segunda premissa.
FILOSOFIA 11.º ano
O problema da indução
O problema da indução
Outra explicação
O futuro será sempre como o passado (a natureza comporta-se
sempre do mesmo modo).
Será que podemos provar que esta proposição é verdadeira?
Para o tentar, recorremos ao seguinte raciocínio.
Até agora, a natureza tem-se comportado sempre do mesmo modo.(O
Sol tem nascido sempre.)
Logo, a natureza irá comportar-se sempre como até agora.
FILOSOFIA 11.º ano
O problema da indução
O problema da indução
Outra explicação
Até agora, a natureza tem-se comportado sempre do mesmo modo.(O
Sol tem nascido sempre.)
Logo, a natureza irá comportar-se sempre como até agora.
Há aqui um problema lógico grave.
Provar que a natureza é uniforme é condição para justificar a verdade
das conclusões dos nossos raciocínios indutivos.
Mas justificamos a indução recorrendo a um raciocínio indutivo. Isto é
raciocinar em círculo. Falácia.
FILOSOFIA 11.º ano
O problema da indução
O problema da indução
Outra explicação
Até agora, a natureza tem-se comportado sempre do mesmo modo.(O
Sol tem nascido sempre.)
Logo, a natureza irá comportar-se sempre como até agora.
O princípio que subjaz aos nossos raciocínios indutivos – a ideia de que
a natureza se comporta sempre do mesmo modo – é justificado
mediante um raciocínio indutivo. A indução justifica a própria indução.
Falácia da petição de princípio: usámos como prova o que se queria
provar.
FILOSOFIA 11.º ano
O problema da indução
O problema da indução
Outra explicação
As relações causais e as inferências indutivas nas quais o nosso
conhecimento do mundo se baseia pressupõem a crença na
regularidade da natureza.
Sendo esta injustificável, temos de concluir que o conhecimento do
mundo não é possível no sentido em que não podemos justificar as
nossas crenças acerca dele. O modo como pensamos que o mundo
funciona pode não ser o modo como este realmente funciona.
Apesar do hábito, de até agora não termos sido desmentidos e de ser
útil pensar assim.
FILOSOFIA 11.º ano
O problema da indução
O problema da indução

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A crença na ideia de conexão necessária
A crença na ideia de conexão necessáriaA crença na ideia de conexão necessária
A crença na ideia de conexão necessária
Luis De Sousa Rodrigues
 
Estrutura do Sermão de Santo António aos Peixes
Estrutura do Sermão de Santo António aos PeixesEstrutura do Sermão de Santo António aos Peixes
Estrutura do Sermão de Santo António aos Peixes
António Fernandes
 
O conhecimento do mundo a uniformidade da natureza
O conhecimento do mundo   a uniformidade da naturezaO conhecimento do mundo   a uniformidade da natureza
O conhecimento do mundo a uniformidade da natureza
Luis De Sousa Rodrigues
 
David hume e a critica à causalidade
David hume e a critica à causalidadeDavid hume e a critica à causalidade
David hume e a critica à causalidade
Francis Mary Rosa
 
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Alexandra Madail
 
Objectividade científica e racionalidade científica
Objectividade científica e racionalidade científicaObjectividade científica e racionalidade científica
Objectividade científica e racionalidade científica
AMLDRP
 
Método_conjeturas_refutações_Popper
Método_conjeturas_refutações_PopperMétodo_conjeturas_refutações_Popper
Método_conjeturas_refutações_Popper
Isabel Moura
 

Mais procurados (20)

A crença na ideia de conexão necessária
A crença na ideia de conexão necessáriaA crença na ideia de conexão necessária
A crença na ideia de conexão necessária
 
Hume_tipos_conhecimento
Hume_tipos_conhecimentoHume_tipos_conhecimento
Hume_tipos_conhecimento
 
Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos Peixes
 
Popper – o problema da demarcação
Popper – o problema da demarcaçãoPopper – o problema da demarcação
Popper – o problema da demarcação
 
DESCARTES 11ANO
DESCARTES 11ANODESCARTES 11ANO
DESCARTES 11ANO
 
11º b final
11º b   final11º b   final
11º b final
 
David hume e o Empirismo
David hume e o EmpirismoDavid hume e o Empirismo
David hume e o Empirismo
 
Comparação entre popper e kuhn
Comparação entre popper e kuhnComparação entre popper e kuhn
Comparação entre popper e kuhn
 
O empirismo de david hume
O empirismo de david humeO empirismo de david hume
O empirismo de david hume
 
Estrutura do Sermão de Santo António aos Peixes
Estrutura do Sermão de Santo António aos PeixesEstrutura do Sermão de Santo António aos Peixes
Estrutura do Sermão de Santo António aos Peixes
 
O conhecimento do mundo a uniformidade da natureza
O conhecimento do mundo   a uniformidade da naturezaO conhecimento do mundo   a uniformidade da natureza
O conhecimento do mundo a uniformidade da natureza
 
Impressões e ideias
Impressões e ideiasImpressões e ideias
Impressões e ideias
 
David hume e a critica à causalidade
David hume e a critica à causalidadeDavid hume e a critica à causalidade
David hume e a critica à causalidade
 
As críticas a kuhn
As críticas a kuhnAs críticas a kuhn
As críticas a kuhn
 
Síntese Sermão de Santo António aos Peixes
Síntese Sermão de Santo António aos PeixesSíntese Sermão de Santo António aos Peixes
Síntese Sermão de Santo António aos Peixes
 
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
 
O ceticismo de hume
O ceticismo de humeO ceticismo de hume
O ceticismo de hume
 
Sermão aos peixes cap. i
Sermão aos peixes   cap. iSermão aos peixes   cap. i
Sermão aos peixes cap. i
 
Objectividade científica e racionalidade científica
Objectividade científica e racionalidade científicaObjectividade científica e racionalidade científica
Objectividade científica e racionalidade científica
 
Método_conjeturas_refutações_Popper
Método_conjeturas_refutações_PopperMétodo_conjeturas_refutações_Popper
Método_conjeturas_refutações_Popper
 

Destaque

O conhecimento do mundo a relação causal
O conhecimento do mundo   a relação causalO conhecimento do mundo   a relação causal
O conhecimento do mundo a relação causal
Luis De Sousa Rodrigues
 
O emprismo de David Hume
O emprismo de David HumeO emprismo de David Hume
O emprismo de David Hume
guest9578d1
 
O hábito e a ideia de conexão necessária
O hábito e a ideia de conexão necessáriaO hábito e a ideia de conexão necessária
O hábito e a ideia de conexão necessária
Luis De Sousa Rodrigues
 
Hebreos Católicos: Documentos Concilio Vaticano II
Hebreos Católicos: Documentos Concilio Vaticano IIHebreos Católicos: Documentos Concilio Vaticano II
Hebreos Católicos: Documentos Concilio Vaticano II
Santa Iglesia Católica Apostólica Romana
 
El Concilio Vaticano II
El Concilio Vaticano IIEl Concilio Vaticano II
El Concilio Vaticano II
Jorge Lay
 

Destaque (20)

O conhecimento do mundo a relação causal
O conhecimento do mundo   a relação causalO conhecimento do mundo   a relação causal
O conhecimento do mundo a relação causal
 
Conhecimento de factos
Conhecimento de factosConhecimento de factos
Conhecimento de factos
 
As relações de ideias
As relações de ideiasAs relações de ideias
As relações de ideias
 
O emprismo de David Hume
O emprismo de David HumeO emprismo de David Hume
O emprismo de David Hume
 
Impressões e ideias
Impressões e ideiasImpressões e ideias
Impressões e ideias
 
O ceticismo de hume
O ceticismo de humeO ceticismo de hume
O ceticismo de hume
 
O hábito e a ideia de conexão necessária
O hábito e a ideia de conexão necessáriaO hábito e a ideia de conexão necessária
O hábito e a ideia de conexão necessária
 
Comparação descartes hume
Comparação descartes   humeComparação descartes   hume
Comparação descartes hume
 
O essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofiaO essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofia
 
O indutivismo
O indutivismoO indutivismo
O indutivismo
 
Conhecimento de factos
Conhecimento de factosConhecimento de factos
Conhecimento de factos
 
Liga Misional Juvenil
Liga Misional JuvenilLiga Misional Juvenil
Liga Misional Juvenil
 
Concilio Vaticano II
Concilio Vaticano IIConcilio Vaticano II
Concilio Vaticano II
 
Hebreos Católicos: Documentos Concilio Vaticano II
Hebreos Católicos: Documentos Concilio Vaticano IIHebreos Católicos: Documentos Concilio Vaticano II
Hebreos Católicos: Documentos Concilio Vaticano II
 
La AC y el Concilio Vaticano II
La AC y el Concilio Vaticano IILa AC y el Concilio Vaticano II
La AC y el Concilio Vaticano II
 
La palabra de dios lectio divina
La palabra de dios lectio divinaLa palabra de dios lectio divina
La palabra de dios lectio divina
 
El Concilio Vaticano II
El Concilio Vaticano IIEl Concilio Vaticano II
El Concilio Vaticano II
 
Comparação descartes hume
Comparação descartes   humeComparação descartes   hume
Comparação descartes hume
 
News Release - 2016
News Release - 2016News Release - 2016
News Release - 2016
 
Aperfeiçoamento humano pró e contra
Aperfeiçoamento humano   pró e contraAperfeiçoamento humano   pró e contra
Aperfeiçoamento humano pró e contra
 

Semelhante a O problema da indução

PowerPoint 9_Causalidade e indução.pptx
PowerPoint 9_Causalidade e indução.pptxPowerPoint 9_Causalidade e indução.pptx
PowerPoint 9_Causalidade e indução.pptx
rinogaetano
 
A crença na ideia de conexão necessária
A crença na ideia de conexão necessáriaA crença na ideia de conexão necessária
A crença na ideia de conexão necessária
Luis De Sousa Rodrigues
 
O conhecimento do mundo os raciocínios indutivos
O conhecimento do mundo   os raciocínios indutivosO conhecimento do mundo   os raciocínios indutivos
O conhecimento do mundo os raciocínios indutivos
Luis De Sousa Rodrigues
 
O conhecimento do mundo os raciocínios indutivos
O conhecimento do mundo   os raciocínios indutivosO conhecimento do mundo   os raciocínios indutivos
O conhecimento do mundo os raciocínios indutivos
Luis De Sousa Rodrigues
 
Módulo IX - Os Argumentos Cosmológico e Teleológico
Módulo IX - Os Argumentos Cosmológico e TeleológicoMódulo IX - Os Argumentos Cosmológico e Teleológico
Módulo IX - Os Argumentos Cosmológico e Teleológico
Bernardo Motta
 

Semelhante a O problema da indução (17)

O conhecimento do mundo
O conhecimento do mundoO conhecimento do mundo
O conhecimento do mundo
 
O conhecimento do mundo
O conhecimento do mundoO conhecimento do mundo
O conhecimento do mundo
 
As 21 leis do universo
As 21 leis do universoAs 21 leis do universo
As 21 leis do universo
 
PowerPoint 9_Causalidade e indução.pptx
PowerPoint 9_Causalidade e indução.pptxPowerPoint 9_Causalidade e indução.pptx
PowerPoint 9_Causalidade e indução.pptx
 
experic3aancias-de-piaget.pdf
experic3aancias-de-piaget.pdfexperic3aancias-de-piaget.pdf
experic3aancias-de-piaget.pdf
 
A Evolução da Física.pdf
A Evolução da Física.pdfA Evolução da Física.pdf
A Evolução da Física.pdf
 
David hume2
David hume2David hume2
David hume2
 
A crença na ideia de conexão necessária
A crença na ideia de conexão necessáriaA crença na ideia de conexão necessária
A crença na ideia de conexão necessária
 
13 ressonancia harmonica
13 ressonancia harmonica13 ressonancia harmonica
13 ressonancia harmonica
 
Ressonancia magnetica
Ressonancia magneticaRessonancia magnetica
Ressonancia magnetica
 
Física - Ensino Médio - telecurso 2000.pdf.pdf
Física - Ensino Médio - telecurso 2000.pdf.pdfFísica - Ensino Médio - telecurso 2000.pdf.pdf
Física - Ensino Médio - telecurso 2000.pdf.pdf
 
Curso completo de mecânica quântica
Curso completo de mecânica quântica  Curso completo de mecânica quântica
Curso completo de mecânica quântica
 
método científico indutivo dedutivo
método científico indutivo dedutivométodo científico indutivo dedutivo
método científico indutivo dedutivo
 
O conhecimento do mundo os raciocínios indutivos
O conhecimento do mundo   os raciocínios indutivosO conhecimento do mundo   os raciocínios indutivos
O conhecimento do mundo os raciocínios indutivos
 
Popper – o problema da demarcação
Popper – o problema da demarcaçãoPopper – o problema da demarcação
Popper – o problema da demarcação
 
O conhecimento do mundo os raciocínios indutivos
O conhecimento do mundo   os raciocínios indutivosO conhecimento do mundo   os raciocínios indutivos
O conhecimento do mundo os raciocínios indutivos
 
Módulo IX - Os Argumentos Cosmológico e Teleológico
Módulo IX - Os Argumentos Cosmológico e TeleológicoMódulo IX - Os Argumentos Cosmológico e Teleológico
Módulo IX - Os Argumentos Cosmológico e Teleológico
 

Mais de Luis De Sousa Rodrigues (20)

Unidade funcional do cérebro
Unidade funcional do cérebroUnidade funcional do cérebro
Unidade funcional do cérebro
 
Tipos de vinculação
Tipos de vinculaçãoTipos de vinculação
Tipos de vinculação
 
Tipos de aprendizagem
Tipos de aprendizagemTipos de aprendizagem
Tipos de aprendizagem
 
Teorias sobre as emoções
Teorias sobre as emoçõesTeorias sobre as emoções
Teorias sobre as emoções
 
Relações precoces
Relações precocesRelações precoces
Relações precoces
 
Raízes da vinculação
Raízes da vinculaçãoRaízes da vinculação
Raízes da vinculação
 
Processos conativos
Processos conativosProcessos conativos
Processos conativos
 
Perturbações da vinculação
Perturbações da vinculaçãoPerturbações da vinculação
Perturbações da vinculação
 
Perceção e gestalt
Perceção e gestaltPerceção e gestalt
Perceção e gestalt
 
Os processos emocionais
Os processos emocionaisOs processos emocionais
Os processos emocionais
 
Os grupos
Os gruposOs grupos
Os grupos
 
O sistema nervoso
O sistema nervosoO sistema nervoso
O sistema nervoso
 
O que nos torna humanos
O que nos torna humanosO que nos torna humanos
O que nos torna humanos
 
Maslow e a motivação
Maslow e a motivaçãoMaslow e a motivação
Maslow e a motivação
 
Lateralidade cerebral
Lateralidade cerebralLateralidade cerebral
Lateralidade cerebral
 
Freud 9
Freud 9Freud 9
Freud 9
 
Freud 8
Freud 8Freud 8
Freud 8
 
Freud 7
Freud 7Freud 7
Freud 7
 
Freud 6
Freud 6Freud 6
Freud 6
 
Freud 5
Freud 5Freud 5
Freud 5
 

O problema da indução

  • 1. FILOSOFIA 11.º ano FFILOSOFIA 11.º anoILOSOFIA 11.º ano Luís Rodrigues O problema da indução
  • 2. ANÁLISE COMPARATIVA DE DUAS TEORIAS DO CONHECIMENTO: O EMPIRISMO DE HUME FILOSOFIA 11.º ano Os diversos tipos de conhecimento
  • 3. O problema da indução Como procuramos conhecer o mundo? Mediante raciocínios indutivos que se baseiam na relação de causa e efeito. Como esta relação não tem objetividade, os raciocínios indutivos não nos darão conhecimentos sobre o mundo dos factos. Vamos ver porquê. FILOSOFIA 11.º ano O problema da indução
  • 4. «O calor é a causa da dilatação dos corpos» é uma proposição que podemos traduzir assim: «Todos os corpos dilatam por causa do calor» e «Podemos prever que o calor vai dilatar certos corpos». No primeiro caso, efetuamos uma generalização. No segundo, uma previsão. Assim, as relações causais consistem em grande parte em inferências indutivas. Estas levam-nos para lá da experiência imediata porque nenhuma impressão podemos ter que ultrapasse o que observamos ou o que observámos. FILOSOFIA 11.º ano O problema da indução O problema da indução
  • 5. Que crença está na base das inferência indutivas? A crença de que a natureza se comporta sempre da mesma maneira, que o futuro repete o passado. A esta crença dá Hume o nome de Princípio da Uniformidade da Natureza. Justificar esta crença é condição necessária da justificação da indução. Será possível justificá-la? FILOSOFIA 11.º ano O problema da indução O problema da indução
  • 6. Raciocínio indutivo Até agora o Sol sempre se ergueu. Logo, o Sol vai erguer-se amanhã e nos dias seguintes. Estamos a supor que a natureza se comporta sempre do mesmo modo. A verdade da conclusão depende de uma outra verdade: que a natureza se comporta de modo uniforme. Mas será que podemos provar que o Princípio da Uniformidade da Natureza é verdadeiro? FILOSOFIA 11.º ano O problema da indução O problema da indução
  • 7. Raciocínio indutivo Até agora o Sol sempre se ergueu. Logo, o Sol vai erguer-se amanhã e nos dias seguintes. Baseados em repetidas experiências passadas em que assistimos sempre ao nascimento do Sol, concluímos que no futuro assim será. É assim que procuramos justificar a crença na uniformidade da natureza. Mas há aqui um problema. Qual? FILOSOFIA 11.º ano O problema da indução O problema da indução
  • 8. Raciocínio indutivo Até agora, o Sol sempre se ergueu. O Sol vai erguer-se amanhã e nos dias seguintes. Logo, a natureza é uniforme. O problema é que recorremos a um raciocínio indutivo para justificar a crença na verdade das inferências indutivas. Isso é falacioso. FILOSOFIA 11.º ano O problema da indução O problema da indução
  • 9. O princípio da uniformidade da natureza é a base dos nossos raciocínios indutivos. Contudo, para o justificarmos, recorremos a um raciocínio indutivo. Cometemos a falácia da petição de princípio porque queremos justificar a indução, mas a única resposta que encontramos é que a indução justifica a indução. FILOSOFIA 11.º ano O problema da indução O problema da indução
  • 10. Outra explicação Até agora, sempre que aconteceu um determinado aumento de temperatura, um corpo dilatou. O futuro será sempre como o passado (a natureza comporta-se sempre do mesmo modo). Logo, o próximo corpo que vier a ser submetido a um determinado aumento de temperatura irá dilatar. A verdade da conclusão depende da verdade da segunda premissa. FILOSOFIA 11.º ano O problema da indução O problema da indução
  • 11. Outra explicação O futuro será sempre como o passado (a natureza comporta-se sempre do mesmo modo). Será que podemos provar que esta proposição é verdadeira? Para o tentar, recorremos ao seguinte raciocínio. Até agora, a natureza tem-se comportado sempre do mesmo modo.(O Sol tem nascido sempre.) Logo, a natureza irá comportar-se sempre como até agora. FILOSOFIA 11.º ano O problema da indução O problema da indução
  • 12. Outra explicação Até agora, a natureza tem-se comportado sempre do mesmo modo.(O Sol tem nascido sempre.) Logo, a natureza irá comportar-se sempre como até agora. Há aqui um problema lógico grave. Provar que a natureza é uniforme é condição para justificar a verdade das conclusões dos nossos raciocínios indutivos. Mas justificamos a indução recorrendo a um raciocínio indutivo. Isto é raciocinar em círculo. Falácia. FILOSOFIA 11.º ano O problema da indução O problema da indução
  • 13. Outra explicação Até agora, a natureza tem-se comportado sempre do mesmo modo.(O Sol tem nascido sempre.) Logo, a natureza irá comportar-se sempre como até agora. O princípio que subjaz aos nossos raciocínios indutivos – a ideia de que a natureza se comporta sempre do mesmo modo – é justificado mediante um raciocínio indutivo. A indução justifica a própria indução. Falácia da petição de princípio: usámos como prova o que se queria provar. FILOSOFIA 11.º ano O problema da indução O problema da indução
  • 14. Outra explicação As relações causais e as inferências indutivas nas quais o nosso conhecimento do mundo se baseia pressupõem a crença na regularidade da natureza. Sendo esta injustificável, temos de concluir que o conhecimento do mundo não é possível no sentido em que não podemos justificar as nossas crenças acerca dele. O modo como pensamos que o mundo funciona pode não ser o modo como este realmente funciona. Apesar do hábito, de até agora não termos sido desmentidos e de ser útil pensar assim. FILOSOFIA 11.º ano O problema da indução O problema da indução