SlideShare uma empresa Scribd logo
O método das
ciências da
natureza .
Capítulo 31
O desafio do método
Para alcançar um objetivo determinado , seja uma ação ,
seja a explicação de um fenômeno, precisamos de um
método , desenvolvendo um conjunto de procedimentos
racionais , ordenados , que nos “encaminhem” em direção à
verdade procurada ou ação desejada.
Quando se trata de ciência , mesmo que muitas vezes
também sejam usados procedimentos do senso comum , por
ensaio e erro ,as exigências de rigor são muito maiores.
A definição rigorosa do método cientifico aumentou a
confiança na possibilidade de se conhecer , os segredos da
natureza . Essa confiança baseava-se na profunda crença
na ordem e na racionalidade do conhecimento do mundo .
 A classificação das ciências
Á medida que as ciências tornavam-se autônomas ,
surgiu a necessidade de sua classificação .
Atualmente , costuma-se considerar :
• Ciências formais: matemática e logica
• Ciências da natureza: física, química , biologia ,
geologia , geografia , física e etc.
• Ciências humanas: psicologia , sociologia , ciências
sociais , economia , história , geografia humana ,
linguística , etnologia , etc.
• Ciências hibridas: engenharia , informática , medicina e
biologia.
O método experimental
Classicamente o método experimental das ciências
da natureza passa pelas seguintes etapas :
observação, hipótese , experimentação ,
generalização (lei) e teoria .
A investigação científica
 Observação
 A observação cientifica , é rigorosa , precisa , metódica ,
orientada para explicação dos fatos e mais do que isso , já
orientada por uma teoria.
 As vezes exigem instrumentos como microscópio , telescópio ,
sismógrafos , balanças , termômetro , que lhe emprestam
maior precisão e menos subjetividade .
 Os fatos nunca constituem o dado primeiro , mas resultam de
nossa observação interpretativa . Em outras palavras , “a
observação cientifica está impregnada de teorias “
 Hipótese
 A hipótese é a explicação provisória dos
fenômenos observados , a interpretação
antecipada que deverá ser ou não confirmada .
 O papel da hipótese é reorganizar os fatos de
acordo com uma ordem e tentar explica-los
provisoriamente.
 A formulação da hipótese não depende de
procedimentos mecânicos , mas da
engenhosidade.
Tipos de raciocínio: vários tipos de raciocínios orientam
o cientista na proposição de uma hipótese
 Indução: generalização de casos diferentes e
particulares.
 Raciocínio hipotético-dedutivo: quando é
formulada uma hipótese e comprovam-se
empiricamente as consequências que são tiradas
dela.
 Analogia: quando são estabelecidas relações de
semelhanças entre fenômenos .
Critérios de valor da hipótese: usados para
julgar o valor ou a aceitabilidade das
hipóteses .
 Relevância: Apenas algumas hipóteses serão
relevantes , por terem maior poder explicativo e
preditivo que outras .
 Possibilidade de ser submetida a testes: a hipótese
deve ser passível de teste empírico, o que quase
sempre é complicado de realizar
 Compatibilidade com hipóteses já confirmadas:
uma característica da ciência é a abrangência
de diversas hipóteses compatíveis entre si ,
compondo um todo coerente , que inclui
enunciados contraditórios .
 Experimentação
 É o estudo dos fenômeno sem condições
determinadas pelo experimentador. Trata-se de
observação provocada para fim de controle da
hipotese.
 A experimentação também está impregnada de
teoria , sobretudo em ciências mais avançadas ,
como a física .
 Nem sempre a experimentação é simples e viável.
 Quando a experimentação refuta a hipótese o
cientistas deve recomeçar a busca de outra
hipótese .
 Generalização
Na fase de experimentação, analisamos as
variações dos fenômenos :observadas as
relações constantes , podemos generalizar.
Tipos de generalização
 Leis empíricas :são inferidas de alguns
casos particulares. Nem sempre porem , é
possível alcançar a universalidade
rigorosa.
 Leis teóricas : são leis mais gerais e
abrangentes que reúnem as diversas leis
particulares sob perceptiva mais ampla.
 Fecundidade da teoria
Dentre as características fecundas da teoria ,
destaca-se:
 Caráter unificador ;
 Poder heurístico.
Portanto , a teoria não só unifica o saber adquirido ,
articulando leis isoladas , como também é fecunda ,
ao possibilitar novas investigações.
Ciência como construção
A ciência não é um conhecimento “certo”,
“infalível” , nem as teorias são o “reflexo”
do real . Por isso , nas discursões entre
filósofos da ciência , a teoria cientifica
aparece como construção da mente ,
hipotese de trabalho , modelo , função
pragmática que torna possível a previsão e
a ação, descrição e relações entre
elementos , nunca a garantia de certeza
definitiva .
Fim !
Grupo : Amanda L. ,
Ezequiel , Igor B. , Lauriane ,
Marcus ,Pedro C. , Stella.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

6 metodo cientifico
6 metodo cientifico 6 metodo cientifico
6 metodo cientifico
Erica Frau
 
O que é ciência
O que é ciênciaO que é ciência
O que é ciência
Italo Colares
 
21 o método científico
21 o método científico21 o método científico
21 o método científico
Joao Balbi
 
Senso comum x conhecimento científico
Senso comum x conhecimento científicoSenso comum x conhecimento científico
Senso comum x conhecimento científico
José Antonio Ferreira da Silva
 
CONHECIMENTO CIENTÍFICO
CONHECIMENTO CIENTÍFICOCONHECIMENTO CIENTÍFICO
CONHECIMENTO CIENTÍFICO
Net Viva
 
Unidade 2 [01] correntes ou concepções filosóficas
Unidade 2 [01]   correntes ou concepções filosóficasUnidade 2 [01]   correntes ou concepções filosóficas
Unidade 2 [01] correntes ou concepções filosóficas
Lucilaine Ignacio da Silva
 
Metodologia cientíca - tipos de método
Metodologia cientíca - tipos de métodoMetodologia cientíca - tipos de método
Metodologia cientíca - tipos de método
Letícia Oliveira
 
A reflexão filosófica
A reflexão filosóficaA reflexão filosófica
A reflexão filosófica
Marcelo Ferreira Boia
 
A atitude filosófica
A atitude filosóficaA atitude filosófica
A atitude filosófica
Raquel Reino
 
Aula método cientifico
Aula método cientificoAula método cientifico
Aula método cientifico
Aln2
 
Metodologia científica
Metodologia científica Metodologia científica
Metodologia científica
Maria Clara Silva
 
Introdução à filosofia
Introdução à filosofiaIntrodução à filosofia
Introdução à filosofia
Professor Marcelo
 
O que é Filosofia?
O que é Filosofia?O que é Filosofia?
O que é Filosofia?
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Filosofia da ciencia
Filosofia da cienciaFilosofia da ciencia
Racionalismo x Empirismo
Racionalismo x EmpirismoRacionalismo x Empirismo
Racionalismo x Empirismo
Leonardo Leitão
 
A Filosofia na Grécia Antiga
A Filosofia na Grécia AntigaA Filosofia na Grécia Antiga
A Filosofia na Grécia Antiga
Bruce Portes
 
Filosofia - helenistica
Filosofia - helenistica Filosofia - helenistica
Filosofia - helenistica
Samuel Araújo
 
Ciência na Idade Média (1).pptx
Ciência na Idade Média  (1).pptxCiência na Idade Média  (1).pptx
Ciência na Idade Média (1).pptx
CELIMARACORDACO
 
Para que serve a filosofia
Para que serve a filosofiaPara que serve a filosofia
Para que serve a filosofia
superego
 
Método Hipotético Dedutivo
 Método Hipotético Dedutivo Método Hipotético Dedutivo
Método Hipotético Dedutivo
Antonio César Junior Ferreira
 

Mais procurados (20)

6 metodo cientifico
6 metodo cientifico 6 metodo cientifico
6 metodo cientifico
 
O que é ciência
O que é ciênciaO que é ciência
O que é ciência
 
21 o método científico
21 o método científico21 o método científico
21 o método científico
 
Senso comum x conhecimento científico
Senso comum x conhecimento científicoSenso comum x conhecimento científico
Senso comum x conhecimento científico
 
CONHECIMENTO CIENTÍFICO
CONHECIMENTO CIENTÍFICOCONHECIMENTO CIENTÍFICO
CONHECIMENTO CIENTÍFICO
 
Unidade 2 [01] correntes ou concepções filosóficas
Unidade 2 [01]   correntes ou concepções filosóficasUnidade 2 [01]   correntes ou concepções filosóficas
Unidade 2 [01] correntes ou concepções filosóficas
 
Metodologia cientíca - tipos de método
Metodologia cientíca - tipos de métodoMetodologia cientíca - tipos de método
Metodologia cientíca - tipos de método
 
A reflexão filosófica
A reflexão filosóficaA reflexão filosófica
A reflexão filosófica
 
A atitude filosófica
A atitude filosóficaA atitude filosófica
A atitude filosófica
 
Aula método cientifico
Aula método cientificoAula método cientifico
Aula método cientifico
 
Metodologia científica
Metodologia científica Metodologia científica
Metodologia científica
 
Introdução à filosofia
Introdução à filosofiaIntrodução à filosofia
Introdução à filosofia
 
O que é Filosofia?
O que é Filosofia?O que é Filosofia?
O que é Filosofia?
 
Filosofia da ciencia
Filosofia da cienciaFilosofia da ciencia
Filosofia da ciencia
 
Racionalismo x Empirismo
Racionalismo x EmpirismoRacionalismo x Empirismo
Racionalismo x Empirismo
 
A Filosofia na Grécia Antiga
A Filosofia na Grécia AntigaA Filosofia na Grécia Antiga
A Filosofia na Grécia Antiga
 
Filosofia - helenistica
Filosofia - helenistica Filosofia - helenistica
Filosofia - helenistica
 
Ciência na Idade Média (1).pptx
Ciência na Idade Média  (1).pptxCiência na Idade Média  (1).pptx
Ciência na Idade Média (1).pptx
 
Para que serve a filosofia
Para que serve a filosofiaPara que serve a filosofia
Para que serve a filosofia
 
Método Hipotético Dedutivo
 Método Hipotético Dedutivo Método Hipotético Dedutivo
Método Hipotético Dedutivo
 

Semelhante a O método das ciências da natureza

Trabalho método científico
Trabalho método científico Trabalho método científico
Trabalho método científico
Vanderson lage
 
Aula método científico
Aula método científicoAula método científico
Aula método científico
Mayra Ruas da Costa
 
Metodologia do trabalho científico
Metodologia do trabalho científicoMetodologia do trabalho científico
Metodologia do trabalho científico
Elis Gabriela
 
aulamtodocientifico-130213204339-phpapp01.pptx
aulamtodocientifico-130213204339-phpapp01.pptxaulamtodocientifico-130213204339-phpapp01.pptx
aulamtodocientifico-130213204339-phpapp01.pptx
ClaudislaneLima
 
Teoria e Prática Científica - Helena Assumpção
 Teoria e Prática Científica - Helena Assumpção Teoria e Prática Científica - Helena Assumpção
Teoria e Prática Científica - Helena Assumpção
helenabci
 
16 o método científico
16 o método científico16 o método científico
16 o método científico
Joao Balbi
 
A ciência e sua estrutura
A ciência e sua estruturaA ciência e sua estrutura
A ciência e sua estrutura
eduardocondemoura2012
 
CIÊNCIA.pdf
CIÊNCIA.pdfCIÊNCIA.pdf
CIÊNCIA.pdf
AnaClaraBorgesdaSilv
 
A atitude científica
A atitude científicaA atitude científica
A atitude científica
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
MTC_ProfLuciana
MTC_ProfLucianaMTC_ProfLuciana
MTC_ProfLuciana
Paulo Silva
 
Tipos de métodos e sua aplicação
Tipos de métodos e sua aplicaçãoTipos de métodos e sua aplicação
Tipos de métodos e sua aplicação
Cleidiane Barbosa
 
A ciência e sua estrutura
A ciência e sua estruturaA ciência e sua estrutura
A ciência e sua estrutura
eduardocondemoura
 
Metodologias do trabalho científico
Metodologias do trabalho científicoMetodologias do trabalho científico
Metodologias do trabalho científico
Josemara-Moraes
 
Filosofia 2
Filosofia 2Filosofia 2
Filosofia 2
Zeffy
 
Tipos de métodos e sua aplicação
Tipos de métodos e sua aplicaçãoTipos de métodos e sua aplicação
Tipos de métodos e sua aplicação
gestao2015
 
Construção da ciência
Construção da ciênciaConstrução da ciência
Construção da ciência
MariaSantos508206
 
Descritivo explicativo
Descritivo explicativoDescritivo explicativo
Descritivo explicativo
jrnunesfilho
 
eqt11_estatuto_conhecimento_cientifico.pptx
eqt11_estatuto_conhecimento_cientifico.pptxeqt11_estatuto_conhecimento_cientifico.pptx
eqt11_estatuto_conhecimento_cientifico.pptx
MnicaMatos22
 
Os parametros da pesquisa
Os parametros da pesquisaOs parametros da pesquisa
Os parametros da pesquisa
unesp
 
Teoria e prática científica
Teoria e prática científicaTeoria e prática científica
Teoria e prática científica
afcarvalho
 

Semelhante a O método das ciências da natureza (20)

Trabalho método científico
Trabalho método científico Trabalho método científico
Trabalho método científico
 
Aula método científico
Aula método científicoAula método científico
Aula método científico
 
Metodologia do trabalho científico
Metodologia do trabalho científicoMetodologia do trabalho científico
Metodologia do trabalho científico
 
aulamtodocientifico-130213204339-phpapp01.pptx
aulamtodocientifico-130213204339-phpapp01.pptxaulamtodocientifico-130213204339-phpapp01.pptx
aulamtodocientifico-130213204339-phpapp01.pptx
 
Teoria e Prática Científica - Helena Assumpção
 Teoria e Prática Científica - Helena Assumpção Teoria e Prática Científica - Helena Assumpção
Teoria e Prática Científica - Helena Assumpção
 
16 o método científico
16 o método científico16 o método científico
16 o método científico
 
A ciência e sua estrutura
A ciência e sua estruturaA ciência e sua estrutura
A ciência e sua estrutura
 
CIÊNCIA.pdf
CIÊNCIA.pdfCIÊNCIA.pdf
CIÊNCIA.pdf
 
A atitude científica
A atitude científicaA atitude científica
A atitude científica
 
MTC_ProfLuciana
MTC_ProfLucianaMTC_ProfLuciana
MTC_ProfLuciana
 
Tipos de métodos e sua aplicação
Tipos de métodos e sua aplicaçãoTipos de métodos e sua aplicação
Tipos de métodos e sua aplicação
 
A ciência e sua estrutura
A ciência e sua estruturaA ciência e sua estrutura
A ciência e sua estrutura
 
Metodologias do trabalho científico
Metodologias do trabalho científicoMetodologias do trabalho científico
Metodologias do trabalho científico
 
Filosofia 2
Filosofia 2Filosofia 2
Filosofia 2
 
Tipos de métodos e sua aplicação
Tipos de métodos e sua aplicaçãoTipos de métodos e sua aplicação
Tipos de métodos e sua aplicação
 
Construção da ciência
Construção da ciênciaConstrução da ciência
Construção da ciência
 
Descritivo explicativo
Descritivo explicativoDescritivo explicativo
Descritivo explicativo
 
eqt11_estatuto_conhecimento_cientifico.pptx
eqt11_estatuto_conhecimento_cientifico.pptxeqt11_estatuto_conhecimento_cientifico.pptx
eqt11_estatuto_conhecimento_cientifico.pptx
 
Os parametros da pesquisa
Os parametros da pesquisaOs parametros da pesquisa
Os parametros da pesquisa
 
Teoria e prática científica
Teoria e prática científicaTeoria e prática científica
Teoria e prática científica
 

Último

Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 

O método das ciências da natureza

  • 1. O método das ciências da natureza . Capítulo 31
  • 2. O desafio do método Para alcançar um objetivo determinado , seja uma ação , seja a explicação de um fenômeno, precisamos de um método , desenvolvendo um conjunto de procedimentos racionais , ordenados , que nos “encaminhem” em direção à verdade procurada ou ação desejada. Quando se trata de ciência , mesmo que muitas vezes também sejam usados procedimentos do senso comum , por ensaio e erro ,as exigências de rigor são muito maiores. A definição rigorosa do método cientifico aumentou a confiança na possibilidade de se conhecer , os segredos da natureza . Essa confiança baseava-se na profunda crença na ordem e na racionalidade do conhecimento do mundo .
  • 3.  A classificação das ciências Á medida que as ciências tornavam-se autônomas , surgiu a necessidade de sua classificação . Atualmente , costuma-se considerar : • Ciências formais: matemática e logica • Ciências da natureza: física, química , biologia , geologia , geografia , física e etc. • Ciências humanas: psicologia , sociologia , ciências sociais , economia , história , geografia humana , linguística , etnologia , etc. • Ciências hibridas: engenharia , informática , medicina e biologia.
  • 4. O método experimental Classicamente o método experimental das ciências da natureza passa pelas seguintes etapas : observação, hipótese , experimentação , generalização (lei) e teoria .
  • 6.  Observação  A observação cientifica , é rigorosa , precisa , metódica , orientada para explicação dos fatos e mais do que isso , já orientada por uma teoria.  As vezes exigem instrumentos como microscópio , telescópio , sismógrafos , balanças , termômetro , que lhe emprestam maior precisão e menos subjetividade .  Os fatos nunca constituem o dado primeiro , mas resultam de nossa observação interpretativa . Em outras palavras , “a observação cientifica está impregnada de teorias “
  • 7.  Hipótese  A hipótese é a explicação provisória dos fenômenos observados , a interpretação antecipada que deverá ser ou não confirmada .  O papel da hipótese é reorganizar os fatos de acordo com uma ordem e tentar explica-los provisoriamente.  A formulação da hipótese não depende de procedimentos mecânicos , mas da engenhosidade.
  • 8. Tipos de raciocínio: vários tipos de raciocínios orientam o cientista na proposição de uma hipótese  Indução: generalização de casos diferentes e particulares.  Raciocínio hipotético-dedutivo: quando é formulada uma hipótese e comprovam-se empiricamente as consequências que são tiradas dela.  Analogia: quando são estabelecidas relações de semelhanças entre fenômenos .
  • 9. Critérios de valor da hipótese: usados para julgar o valor ou a aceitabilidade das hipóteses .  Relevância: Apenas algumas hipóteses serão relevantes , por terem maior poder explicativo e preditivo que outras .  Possibilidade de ser submetida a testes: a hipótese deve ser passível de teste empírico, o que quase sempre é complicado de realizar  Compatibilidade com hipóteses já confirmadas: uma característica da ciência é a abrangência de diversas hipóteses compatíveis entre si , compondo um todo coerente , que inclui enunciados contraditórios .
  • 10.  Experimentação  É o estudo dos fenômeno sem condições determinadas pelo experimentador. Trata-se de observação provocada para fim de controle da hipotese.  A experimentação também está impregnada de teoria , sobretudo em ciências mais avançadas , como a física .  Nem sempre a experimentação é simples e viável.  Quando a experimentação refuta a hipótese o cientistas deve recomeçar a busca de outra hipótese .
  • 11.  Generalização Na fase de experimentação, analisamos as variações dos fenômenos :observadas as relações constantes , podemos generalizar.
  • 12. Tipos de generalização  Leis empíricas :são inferidas de alguns casos particulares. Nem sempre porem , é possível alcançar a universalidade rigorosa.  Leis teóricas : são leis mais gerais e abrangentes que reúnem as diversas leis particulares sob perceptiva mais ampla.
  • 13.  Fecundidade da teoria Dentre as características fecundas da teoria , destaca-se:  Caráter unificador ;  Poder heurístico. Portanto , a teoria não só unifica o saber adquirido , articulando leis isoladas , como também é fecunda , ao possibilitar novas investigações.
  • 14. Ciência como construção A ciência não é um conhecimento “certo”, “infalível” , nem as teorias são o “reflexo” do real . Por isso , nas discursões entre filósofos da ciência , a teoria cientifica aparece como construção da mente , hipotese de trabalho , modelo , função pragmática que torna possível a previsão e a ação, descrição e relações entre elementos , nunca a garantia de certeza definitiva .
  • 15. Fim ! Grupo : Amanda L. , Ezequiel , Igor B. , Lauriane , Marcus ,Pedro C. , Stella.