SlideShare uma empresa Scribd logo
INTERLAGOS




                   O LUTADOR
                           De

           Carlos Drummond de Andrade
                     Oficina Literária




Grupo: Beatriz Cristina da Silva, Geovana Batista, Karina
   Avori Galan, Luciana Vieira e Marisa Romão Pires
O Lutador
                        De

         Carlos Drummond de Andrade




Letras – Licenciatura em Português e Inglês / Noturno
                       São Paulo
                         2011
SUMÁRIO


INTRODUÇÃO                                                    página...............03

1. MODERNISMO........................................................................04

2. CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE......................................06

3. O LUTADOR – POEMA............................................................09

4. O LUTADOR – ANALISE DA ESTRUTURA..............................12

5. BIBLIOGRAFIA.......................................................................16
INTRODUÇÃO

Esse trabalho tem a intenção de mostrar a estrutura do poema “O lutador” de Carlos
Drummond de Andrade.

Para entender o poema “O lutador” foi decidido pelo grupo que era necessário,
primeiramente, pesquisar um pouco sobre a vida do poeta Carlos Drummond de Andrade,
que escreveu essa poesia, e a Segunda Fase do Modernismo, fase na qual o poema foi
criado.

O resultado da pesquisa e da tentativa de analisar a estrutura do poema “O lutador” está
agora impressa nas próximas páginas.
MODERNISMO




O modernismo foi um movimento literário e artístico do início do séc. XX, cujo objetivo
era o rompimento com o tradicionalismo (parnasianismo, simbolismo e a arte acadêmica), a
libertação estética com a mistura dos gêneros já existentes, a experimentação constante e,
principalmente, a independência cultural do país.
No Brasil, este movimento possui como marco simbólico a Semana de Arte Moderna,
realizada em 1922, na cidade de São Paulo.
Cartaz anunciando o último dia da Semana de Arte Moderna

O Modernismo foi dividido em três fases:
A Primeira Fase ou Fase Heroica (1922-1930), foi mais radical e fortemente oposta a
tudo que existia anteriormente, cheia de irreverência e escândalo;
A Segunda Fase ou Fase de Consolidação (1930-1945) foi mais amena, caracterizada
pelo predomínio da prosa de ficção e formou grandes romancistas e poetas;
A Terceira Fase (1945-1960), com tendências contemporânea e considerada por alguns
estudiosos como Pós-Modernista.
O modernismo não foi dominante desde o início, mas com o tempo suplantou os estilos
anteriores, sobretudo por sua liberdade de estilo - abolição de todas as regras anteriores -,
aproximação com a linguagem falada e o desejo de fazer uma arte voltada às singularidades
culturais brasileiras.
Foi no período da Segunda Fase do Modernismo que os ideais difundidos em 1922 se
espalharam com maior força e se normalizaram. Os esforços anteriores para redefinir a
linguagem artística se unem a um forte interesse pelas temáticas nacionalistas, percebe-se
um amadurecimento nas obras dos autores da primeira fase, que continuam produzindo, e
também o surgimento de novos poetas, entre eles Carlos Drummond de Andrade.
CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE




Nasceu em ltabira, Minas Gerais, em 31 de outubro de 1902 e faleceu no Rio de Janeiro,
RJ, em 17 de agosto de 1987 aos 84 anos.
Drummond foi um grande poeta, contista e cronista da Segunda Fase do Modernismo,
que desde cedo mostrou interesse pela literatura e habilidade com a palavra, ingressando
aos 13 anos no Grêmio Dramático e Literário Artur Azevedo, da escola onde estudava.
Com 20 anos tem trabalhos publicados no jornal “Diário de Minas” e nas revistas “Para
Todos” e “Ilustração Brasileira”.
Foi diplomado na Escola de Odontologia e Farmácia de Belo Horizonte, porém fez da
literatura sua profissão. Em 1925, já influenciado pelos poetas modernistas de São Paulo,
fundou “A Revista”, que venho a se tornar o porta-voz do modernismo mineiro.
Ao longo de sua vida, Drummond recebeu diversos prêmios por suas obras, tem suas obras
traduzidas em vários países, colaborou em inúmeros jornais e revistas, participou de
antologias (Coleção de trechos literários escolhidos), marcou sua presença no programa
“Quadrante” e em uma série de programas da Rádio Ministério da Educação de entrevistas.
Mesmo após sua morte, Drummond continua vivo e sempre presente no meio literário e
também fora dele, suas obras são motivo de vários estudos e o próprio poeta foi
imortalizado em: estátuas; memorial; estampou as notas de 50 cruzados novos entre 1988 e
1990; foi interpretado em minisséries; publicaram um CD onde Drummond declama seus
poemas; teve um centenário; etc.




                                    Capa do CD: Carlos Drummond de Andrade por Paulo Autran.

Car




L




o
Estátuas Dois poetas, na cidade de Porto Alegre. Em pé, Carlos Drummond de Andrade. Sentado, Mário Quintana. O livro original foi
      roubado então as pessoas colocam um livro nas mãos do poeta. Na foto, o livro é "Diário de um Ladrão", do Jean Genet.
Escultura do poeta Carlos Drummond de Andrade, criada pelo artista mineiro Leo Santana. Instalada em Copacabana – em frente à rua
 em que o poeta morou – no dia 31 de outubro de 2003 – Ano do Centenário do Poeta. Curiosamente a estátua é monitorada noite e dia
 para evitar um novo roubo de seus óculos, registrando muitas vezes pessoas que simplesmente param para tirar uma foto ou conversar
                                     com a estátua. Frase: “No mar estava escrita uma cidade”

Sua poesia possui o desejo de mudanças político-sociais, questionamento filosófico da vida,
do homem e do mundo, constituindo uma lírica densa, ampla e inesgotável. Seguindo a
libertação proposta por Mário e Oswald de Andrade com a instituição do verso livre,
mostrando que este não depende de um metro fixo, Drummond sempre buscou em sua
poesia refletir o seu tempo presente sem abandonar o contexto maior da humanidade.
Foi mestre na poesia metalinguística, usando como tema o próprio fazer poético, sobre a
função da poesia, como é possível se notar no poema “O lutador” publicado no livro “José”
de 1942.
O LUTADOR – POEMA

Carlos Drummond de Andrade

Lutar com palavras
é a luta mais vã.
Entanto lutamos
mal rompe a manhã.
São muitas, eu pouco.
Algumas, tão fortes
como o javali.
Não me julgo louco.
Se o fosse, teria
poder de encantá-las.
Mas lúcido e frio,
apareço e tento
apanhar algumas
para meu sustento
num dia de vida.
Deixam-se enlaçar,
tontas à carícia
e súbito fogem
e não há ameaça
e nem 3 há sevícia
que as traga de novo
ao centro da praça.

Insisto, solerte.
Busco persuadi-las.
Ser-lhes-ei escravo
de rara humildade.
Guardarei sigilo
de nosso comércio.
Na voz, nenhum travo
de zanga ou desgosto.
Sem me ouvir deslizam,
perpassam levíssimas
e viram-me o rosto.
Lutar com palavras
parece sem fruto.
Não têm carne e sangue…
Entretanto, luto.

Palavra, palavra
(digo exasperado),
se me desafias,
aceito o combate.
Quisera possuir-te
neste descampado,
sem roteiro de unha
ou marca de dente
nessa pele clara.
Preferes o amor
de uma posse impura
e que venha o gozo
da maior tortura.

Luto corpo a corpo,
luto todo o tempo,
sem maior proveito
que o da caça ao vento.
Não encontro vestes,
não seguro formas,
é fluido inimigo
que me dobra os músculos
e ri-se das normas
da boa peleja.

Iludo-me às vezes,
pressinto que a entrega
se consumará.
Já vejo palavras
em coro submisso,
esta me ofertando
seu velho calor,
aquela sua glória
feita de mistério,
outra seu desdém,
outra seu ciúme,
e um sapiente amor
me ensina a fruir
de cada palavra
a essência captada,
o sutil queixume.
Mas ai! é o instante
de entreabrir os olhos:
entre beijo e boca,
tudo se evapora.

O ciclo do dia
ora se conclui 8
e o inútil duelo
jamais se resolve.
O teu rosto belo,
ó palavra, esplende
na curva da noite
que toda me envolve.
Tamanha paixão
e nenhum pecúlio.
Cerradas as portas,
a luta prossegue
nas ruas do sono.
O LUTADOR – ANALISE DA ESTRUTURA

Em um primeiro olhar o poema parece seguir o padrão do soneto, por ser dividido em 6
versos, que o caracterizaria como uma sextilha, porém ao olhar o poema mais atentamente
logo notamos que há um rompimento em relação a tradicional forma de se fazer poesia.
“O lutador” trata da luta do poeta ao fazer uma poesia, da arte de fazer poesia, em uma
linguagem claramente metalinguística. O poema tem liberdade formal evidente na
utilização do verso livre, no abandono da métrica e do esquema de rimas, além da mistura
de gêneros ao longo de todo o poema.
Vejamos a seguir como isso ocorre:
Logo no inicio do poema, na primeira estrofe que relata a impotência do poeta diante das
palavras, há uma rima e um lirismo que, de certa forma, lembra o esquema do soneto,
seguindo até o padrão de cinco sílabas poéticas com acentos na segunda e na quinta:
Lutar com palavras
é a luta mais vã.
Entanto lutamos
mal rompe a manhã.
Porém, logo esse padrão perde o ritmo lírico, rimado e parnasiano com a quebra do
esquema do soneto no trecho seguinte:
São muitas, eu pouco.
Algumas, tão fortes
como o javali.
E passa a seguir uma narrativa, característica até então do romance, mas mantendo um eu-
lírico:
Não me julgo louco. / Se o fosse, teria / poder de encantá-las. / Mas lúcido e frio, / apareço
e tento / apanhar algumas / para meu sustento / num dia de vida. / Deixam-se enlaçar, /
tontas à carícia / e súbito fogem / e não há ameaça e nem 3 há sevícia / que as traga de
novo / ao centro da praça.
Essa narrativa se segue ao longo de vários trechos do poema, algumas vezes mais forte e
em outras perdendo a força para outro estilo literário.
Na segunda estrofe o poeta continua com a tentativa infrutífera do eu-lírico subjugar as
palavras e é possível se perceber o tom dramático:
Insisto, solerte.
Busco persuadi-las.
Ser-lhes-ei escravo
de rara humildade.
Guardarei sigilo
de nosso comércio.
Na voz, nenhum travo
de zanga ou desgosto.
Sem me ouvir deslizam,
perpassam levíssimas
e viram-me o rosto.
E, ocasionalmente, há alguma rima:
Lutar com palavras
parece sem fruto.
Não têm carne e sangue…
Entretanto, luto.
Na terceira estrofe o eu-lírico começa a diminuir de força, e adquire certa forma
descritiva, característica do parnasianismo:
Palavra, palavra
(digo exasperado),
se me desafias,
aceito o combate.
Quisera possuir-te
neste descampado,
sem roteiro de unha
ou marca de dente
nessa pele clara.
Preferes o amor
de uma posse impura
e que venha o gozo
da maior tortura.
Na quarta estrofe, a relação de embate com o verbo adquire um caráter erótico, as palavras
ganham forma, corpo, para mostrar a importância delas para o poeta, e segue com o padrão
descritivo para mostrar como trava essa luta com as palavras.
Luto corpo a corpo,
luto todo o tempo,
sem maior proveito
que o da caça ao vento.
Não encontro vestes,
não seguro formas,
é fluido inimigo
que me dobra os músculos
e ri-se das normas
da boa peleja.
Na quinta estrofe, há a retomada do eu-lírico:
Iludo-me às vezes,
pressinto que a entrega
se consumará.
Já vejo palavras
em coro submisso,
esta me ofertando
seu velho calor,
aquela sua glória
feita de mistério,
outra seu desdém,
outra seu ciúme,
e um sapiente amor
me ensina a fruir
de cada palavra
a essência captada,
o sutil queixume.
Podemos notar mais nitidamente a fala característica do brasileiro na seguinte parte:
Mas ai! é o instante
de entreabrir os olhos:
entre beijo e boca,
tudo se evapora.
Na sexta estrofe, o eu-lírico entrega-se a devaneios e vislumbra seu triunfo sobre as
palavras para, no final, perceber tudo não passa de uma ilusão, e continua a travar sua luta
no mundo dos sonhos.
O ciclo do dia
ora se conclui 8
e o inútil duelo
jamais se resolve.
O teu rosto belo,
ó palavra, esplende
na curva da noite
que toda me envolve.
Tamanha paixão
e nenhum pecúlio.
Cerradas as portas,
a luta prossegue
nas ruas do sono.
A mistura de gêneros, o abandono das regras dos estilos anteriores e a linguagem cotidiana
que vimos ao longo do poema “O lutador” correspondem às características do Modernismo.
BIBLIOGRAFIA
http://sites.google.com/site/solpoesiador/biografia-e-poemas/carlos-drummond-de-andrade
http://pt.shvoong.com/books/biography/370298-carlos-drummond-andrade/#ixzz1LhgNnipC
http://www.eeagorajose.kit.net/autores/drumond.htm
http://pt.wikipedia.org/wiki/Carlos_Drummond_de_Andrade
http://pt.wikipedia.org/wiki/Modernismo_no_Brasil
http://www.eca.usp.br/cap/ars8/otsuka.pdf

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Machado de Assis
Machado de AssisMachado de Assis
Machado de Assis
martinsramon
 
Linguagem
LinguagemLinguagem
Parnasianismo de Olavo Bilac
Parnasianismo de Olavo BilacParnasianismo de Olavo Bilac
Parnasianismo de Olavo Bilac
Vitor Morais
 
O SONHO DOS RATOS
O SONHO DOS RATOSO SONHO DOS RATOS
Atividades de por análise de propaganda
Atividades de por análise de propagandaAtividades de por análise de propaganda
Atividades de por análise de propaganda
Atividades Diversas Cláudia
 
Parnasianismo brasileiro
Parnasianismo brasileiroParnasianismo brasileiro
Parnasianismo brasileiro
Andréia Peixoto
 
Segunda fase-modernismo
Segunda fase-modernismoSegunda fase-modernismo
Segunda fase-modernismo
Nádia França
 
Machado de Assis
Machado de AssisMachado de Assis
Machado de Assis
Robert Harris
 
Carlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de AndradeCarlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de Andrade
Cláudia Heloísa
 
Euclides da cunha, monteiro lobato, augusto dos anjos e lima barreto
Euclides da cunha, monteiro lobato, augusto dos anjos e lima barretoEuclides da cunha, monteiro lobato, augusto dos anjos e lima barreto
Euclides da cunha, monteiro lobato, augusto dos anjos e lima barreto
Marcílio Marinho
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
Thaynara Ferraz
 
Gêneros literários
Gêneros literáriosGêneros literários
Gêneros literários
Federal University of Amazonas
 
Apresentação vidas secas
Apresentação vidas secasApresentação vidas secas
Apresentação vidas secas
elaine8697
 
Atividade de redaçao
Atividade de redaçaoAtividade de redaçao
Atividade de redaçao
Janelindinha Sempre
 
Apostila sobre as etapas da ocupação do DF, atividades econômicas entre outro...
Apostila sobre as etapas da ocupação do DF, atividades econômicas entre outro...Apostila sobre as etapas da ocupação do DF, atividades econômicas entre outro...
Apostila sobre as etapas da ocupação do DF, atividades econômicas entre outro...
Paulo Alves de Araujo
 
Literatura de cordel
Literatura de cordelLiteratura de cordel
Literatura de cordel
Kássia Mendes
 
Carlos Drummond de Andrade - 2ª fase do Modernismo
Carlos Drummond de Andrade - 2ª fase do Modernismo Carlos Drummond de Andrade - 2ª fase do Modernismo
Carlos Drummond de Andrade - 2ª fase do Modernismo
Colégio Santa Luzia
 
Prova de língua portuguesa coesão referencial e sequencial
Prova de língua portuguesa   coesão referencial e sequencialProva de língua portuguesa   coesão referencial e sequencial
Prova de língua portuguesa coesão referencial e sequencial
Miriam599424
 
Aula 06 naturalismo e realismo
Aula 06 naturalismo e realismoAula 06 naturalismo e realismo
Aula 06 naturalismo e realismo
Marcio Duarte
 
Parnasianismo e Simbolismo
Parnasianismo e SimbolismoParnasianismo e Simbolismo
Parnasianismo e Simbolismo
Cynthia Funchal
 

Mais procurados (20)

Machado de Assis
Machado de AssisMachado de Assis
Machado de Assis
 
Linguagem
LinguagemLinguagem
Linguagem
 
Parnasianismo de Olavo Bilac
Parnasianismo de Olavo BilacParnasianismo de Olavo Bilac
Parnasianismo de Olavo Bilac
 
O SONHO DOS RATOS
O SONHO DOS RATOSO SONHO DOS RATOS
O SONHO DOS RATOS
 
Atividades de por análise de propaganda
Atividades de por análise de propagandaAtividades de por análise de propaganda
Atividades de por análise de propaganda
 
Parnasianismo brasileiro
Parnasianismo brasileiroParnasianismo brasileiro
Parnasianismo brasileiro
 
Segunda fase-modernismo
Segunda fase-modernismoSegunda fase-modernismo
Segunda fase-modernismo
 
Machado de Assis
Machado de AssisMachado de Assis
Machado de Assis
 
Carlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de AndradeCarlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de Andrade
 
Euclides da cunha, monteiro lobato, augusto dos anjos e lima barreto
Euclides da cunha, monteiro lobato, augusto dos anjos e lima barretoEuclides da cunha, monteiro lobato, augusto dos anjos e lima barreto
Euclides da cunha, monteiro lobato, augusto dos anjos e lima barreto
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
Gêneros literários
Gêneros literáriosGêneros literários
Gêneros literários
 
Apresentação vidas secas
Apresentação vidas secasApresentação vidas secas
Apresentação vidas secas
 
Atividade de redaçao
Atividade de redaçaoAtividade de redaçao
Atividade de redaçao
 
Apostila sobre as etapas da ocupação do DF, atividades econômicas entre outro...
Apostila sobre as etapas da ocupação do DF, atividades econômicas entre outro...Apostila sobre as etapas da ocupação do DF, atividades econômicas entre outro...
Apostila sobre as etapas da ocupação do DF, atividades econômicas entre outro...
 
Literatura de cordel
Literatura de cordelLiteratura de cordel
Literatura de cordel
 
Carlos Drummond de Andrade - 2ª fase do Modernismo
Carlos Drummond de Andrade - 2ª fase do Modernismo Carlos Drummond de Andrade - 2ª fase do Modernismo
Carlos Drummond de Andrade - 2ª fase do Modernismo
 
Prova de língua portuguesa coesão referencial e sequencial
Prova de língua portuguesa   coesão referencial e sequencialProva de língua portuguesa   coesão referencial e sequencial
Prova de língua portuguesa coesão referencial e sequencial
 
Aula 06 naturalismo e realismo
Aula 06 naturalismo e realismoAula 06 naturalismo e realismo
Aula 06 naturalismo e realismo
 
Parnasianismo e Simbolismo
Parnasianismo e SimbolismoParnasianismo e Simbolismo
Parnasianismo e Simbolismo
 

Semelhante a O lutador

12. o lutador
12. o lutador12. o lutador
12. o lutador
1975Andreia
 
O lutador slide
O lutador slideO lutador slide
O lutador slide
1975Andreia
 
Romantismo - poesia - brasil
Romantismo - poesia - brasilRomantismo - poesia - brasil
Romantismo - poesia - brasil
Josi Motta
 
Trabalho de Análise Literária - Teoria Literária - Segundo Semestre
Trabalho de Análise Literária - Teoria Literária - Segundo SemestreTrabalho de Análise Literária - Teoria Literária - Segundo Semestre
Trabalho de Análise Literária - Teoria Literária - Segundo Semestre
Ana Polo
 
A rosa do_povo
A rosa do_povoA rosa do_povo
A rosa do_povo
Cláudio Márcio Cunha
 
analise a hora da estrela
analise a hora da estrela analise a hora da estrela
analise a hora da estrela
LuciBernadete
 
A Matéria do Nada
A Matéria do NadaA Matéria do Nada
A Matéria do Nada
Danilo Barcelos
 
Modernismo e mail
Modernismo e mailModernismo e mail
Modernismo e mail
Valkiria Marks
 
Portugues5em
Portugues5emPortugues5em
Portugues5em
Greice Gomes
 
Carlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de Andrade   Carlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de Andrade
Dina Baptista
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Natalia Salgado
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Natalia Salgado
 
Toda a Literatura
Toda a LiteraturaToda a Literatura
Toda a Literatura
Hildalene Pinheiro
 
Alguma poesia
Alguma poesiaAlguma poesia
Alguma poesia
Cleber Costa
 
Carlos drummond de andrade
Carlos drummond de andradeCarlos drummond de andrade
Carlos drummond de andrade
geehrodrigues
 
Revisão de literatura - UEM - 2017
Revisão de literatura - UEM - 2017Revisão de literatura - UEM - 2017
Revisão de literatura - UEM - 2017
VIVIAN TROMBINI
 
Carlos Drummond de Andrade [4ª fase - Memorialista]
Carlos Drummond de Andrade [4ª fase - Memorialista]Carlos Drummond de Andrade [4ª fase - Memorialista]
Carlos Drummond de Andrade [4ª fase - Memorialista]
Marynara Barros
 
1a fase modernismo.ppt
1a fase modernismo.ppt1a fase modernismo.ppt
1a fase modernismo.ppt
PATRICIA VIANA
 
Carlos drummond de andrade próprio
Carlos drummond de andrade   próprioCarlos drummond de andrade   próprio
Carlos drummond de andrade próprio
William Ferraz
 
Carlos drummond de andrade próprio
Carlos drummond de andrade   próprioCarlos drummond de andrade   próprio
Carlos drummond de andrade próprio
William Ferraz
 

Semelhante a O lutador (20)

12. o lutador
12. o lutador12. o lutador
12. o lutador
 
O lutador slide
O lutador slideO lutador slide
O lutador slide
 
Romantismo - poesia - brasil
Romantismo - poesia - brasilRomantismo - poesia - brasil
Romantismo - poesia - brasil
 
Trabalho de Análise Literária - Teoria Literária - Segundo Semestre
Trabalho de Análise Literária - Teoria Literária - Segundo SemestreTrabalho de Análise Literária - Teoria Literária - Segundo Semestre
Trabalho de Análise Literária - Teoria Literária - Segundo Semestre
 
A rosa do_povo
A rosa do_povoA rosa do_povo
A rosa do_povo
 
analise a hora da estrela
analise a hora da estrela analise a hora da estrela
analise a hora da estrela
 
A Matéria do Nada
A Matéria do NadaA Matéria do Nada
A Matéria do Nada
 
Modernismo e mail
Modernismo e mailModernismo e mail
Modernismo e mail
 
Portugues5em
Portugues5emPortugues5em
Portugues5em
 
Carlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de Andrade   Carlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de Andrade
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Toda a Literatura
Toda a LiteraturaToda a Literatura
Toda a Literatura
 
Alguma poesia
Alguma poesiaAlguma poesia
Alguma poesia
 
Carlos drummond de andrade
Carlos drummond de andradeCarlos drummond de andrade
Carlos drummond de andrade
 
Revisão de literatura - UEM - 2017
Revisão de literatura - UEM - 2017Revisão de literatura - UEM - 2017
Revisão de literatura - UEM - 2017
 
Carlos Drummond de Andrade [4ª fase - Memorialista]
Carlos Drummond de Andrade [4ª fase - Memorialista]Carlos Drummond de Andrade [4ª fase - Memorialista]
Carlos Drummond de Andrade [4ª fase - Memorialista]
 
1a fase modernismo.ppt
1a fase modernismo.ppt1a fase modernismo.ppt
1a fase modernismo.ppt
 
Carlos drummond de andrade próprio
Carlos drummond de andrade   próprioCarlos drummond de andrade   próprio
Carlos drummond de andrade próprio
 
Carlos drummond de andrade próprio
Carlos drummond de andrade   próprioCarlos drummond de andrade   próprio
Carlos drummond de andrade próprio
 

Mais de Deia1975

O lutador
O lutadorO lutador
O lutador
Deia1975
 
O carteiro eo_poeta apresentação
O carteiro eo_poeta  apresentaçãoO carteiro eo_poeta  apresentação
O carteiro eo_poeta apresentação
Deia1975
 
O carteiro e_o_poeta!!__trabalho_escrito
O carteiro e_o_poeta!!__trabalho_escritoO carteiro e_o_poeta!!__trabalho_escrito
O carteiro e_o_poeta!!__trabalho_escrito
Deia1975
 
Slides seminário - sociedade dos poetas mortos
Slides   seminário - sociedade dos poetas mortosSlides   seminário - sociedade dos poetas mortos
Slides seminário - sociedade dos poetas mortos
Deia1975
 
Slides seminário - sociedade dos poetas mortos
Slides   seminário - sociedade dos poetas mortosSlides   seminário - sociedade dos poetas mortos
Slides seminário - sociedade dos poetas mortos
Deia1975
 
Slides seminário - sociedade dos poetas mortos
Slides   seminário - sociedade dos poetas mortosSlides   seminário - sociedade dos poetas mortos
Slides seminário - sociedade dos poetas mortos
Deia1975
 
Normas de versificação
Normas de versificaçãoNormas de versificação
Normas de versificação
Deia1975
 
Poesia moderna
Poesia modernaPoesia moderna
Poesia moderna
Deia1975
 
Asorigensdafilosofia 110322080951-phpapp02
Asorigensdafilosofia 110322080951-phpapp02Asorigensdafilosofia 110322080951-phpapp02
Asorigensdafilosofia 110322080951-phpapp02
Deia1975
 
Cronograma de entrega_das_atividades_estruturadas
Cronograma de entrega_das_atividades_estruturadasCronograma de entrega_das_atividades_estruturadas
Cronograma de entrega_das_atividades_estruturadas
Deia1975
 
Resumo vidas secas
Resumo   vidas secasResumo   vidas secas
Resumo vidas secas
Deia1975
 
Poesia concreta.
Poesia concreta.Poesia concreta.
Poesia concreta.
Deia1975
 

Mais de Deia1975 (12)

O lutador
O lutadorO lutador
O lutador
 
O carteiro eo_poeta apresentação
O carteiro eo_poeta  apresentaçãoO carteiro eo_poeta  apresentação
O carteiro eo_poeta apresentação
 
O carteiro e_o_poeta!!__trabalho_escrito
O carteiro e_o_poeta!!__trabalho_escritoO carteiro e_o_poeta!!__trabalho_escrito
O carteiro e_o_poeta!!__trabalho_escrito
 
Slides seminário - sociedade dos poetas mortos
Slides   seminário - sociedade dos poetas mortosSlides   seminário - sociedade dos poetas mortos
Slides seminário - sociedade dos poetas mortos
 
Slides seminário - sociedade dos poetas mortos
Slides   seminário - sociedade dos poetas mortosSlides   seminário - sociedade dos poetas mortos
Slides seminário - sociedade dos poetas mortos
 
Slides seminário - sociedade dos poetas mortos
Slides   seminário - sociedade dos poetas mortosSlides   seminário - sociedade dos poetas mortos
Slides seminário - sociedade dos poetas mortos
 
Normas de versificação
Normas de versificaçãoNormas de versificação
Normas de versificação
 
Poesia moderna
Poesia modernaPoesia moderna
Poesia moderna
 
Asorigensdafilosofia 110322080951-phpapp02
Asorigensdafilosofia 110322080951-phpapp02Asorigensdafilosofia 110322080951-phpapp02
Asorigensdafilosofia 110322080951-phpapp02
 
Cronograma de entrega_das_atividades_estruturadas
Cronograma de entrega_das_atividades_estruturadasCronograma de entrega_das_atividades_estruturadas
Cronograma de entrega_das_atividades_estruturadas
 
Resumo vidas secas
Resumo   vidas secasResumo   vidas secas
Resumo vidas secas
 
Poesia concreta.
Poesia concreta.Poesia concreta.
Poesia concreta.
 

O lutador

  • 1. INTERLAGOS O LUTADOR De Carlos Drummond de Andrade Oficina Literária Grupo: Beatriz Cristina da Silva, Geovana Batista, Karina Avori Galan, Luciana Vieira e Marisa Romão Pires
  • 2. O Lutador De Carlos Drummond de Andrade Letras – Licenciatura em Português e Inglês / Noturno São Paulo 2011
  • 3. SUMÁRIO INTRODUÇÃO página...............03 1. MODERNISMO........................................................................04 2. CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE......................................06 3. O LUTADOR – POEMA............................................................09 4. O LUTADOR – ANALISE DA ESTRUTURA..............................12 5. BIBLIOGRAFIA.......................................................................16
  • 4. INTRODUÇÃO Esse trabalho tem a intenção de mostrar a estrutura do poema “O lutador” de Carlos Drummond de Andrade. Para entender o poema “O lutador” foi decidido pelo grupo que era necessário, primeiramente, pesquisar um pouco sobre a vida do poeta Carlos Drummond de Andrade, que escreveu essa poesia, e a Segunda Fase do Modernismo, fase na qual o poema foi criado. O resultado da pesquisa e da tentativa de analisar a estrutura do poema “O lutador” está agora impressa nas próximas páginas.
  • 5. MODERNISMO O modernismo foi um movimento literário e artístico do início do séc. XX, cujo objetivo era o rompimento com o tradicionalismo (parnasianismo, simbolismo e a arte acadêmica), a libertação estética com a mistura dos gêneros já existentes, a experimentação constante e, principalmente, a independência cultural do país. No Brasil, este movimento possui como marco simbólico a Semana de Arte Moderna, realizada em 1922, na cidade de São Paulo.
  • 6. Cartaz anunciando o último dia da Semana de Arte Moderna O Modernismo foi dividido em três fases: A Primeira Fase ou Fase Heroica (1922-1930), foi mais radical e fortemente oposta a tudo que existia anteriormente, cheia de irreverência e escândalo; A Segunda Fase ou Fase de Consolidação (1930-1945) foi mais amena, caracterizada pelo predomínio da prosa de ficção e formou grandes romancistas e poetas; A Terceira Fase (1945-1960), com tendências contemporânea e considerada por alguns estudiosos como Pós-Modernista. O modernismo não foi dominante desde o início, mas com o tempo suplantou os estilos anteriores, sobretudo por sua liberdade de estilo - abolição de todas as regras anteriores -, aproximação com a linguagem falada e o desejo de fazer uma arte voltada às singularidades culturais brasileiras. Foi no período da Segunda Fase do Modernismo que os ideais difundidos em 1922 se espalharam com maior força e se normalizaram. Os esforços anteriores para redefinir a linguagem artística se unem a um forte interesse pelas temáticas nacionalistas, percebe-se um amadurecimento nas obras dos autores da primeira fase, que continuam produzindo, e também o surgimento de novos poetas, entre eles Carlos Drummond de Andrade.
  • 7. CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE Nasceu em ltabira, Minas Gerais, em 31 de outubro de 1902 e faleceu no Rio de Janeiro, RJ, em 17 de agosto de 1987 aos 84 anos. Drummond foi um grande poeta, contista e cronista da Segunda Fase do Modernismo, que desde cedo mostrou interesse pela literatura e habilidade com a palavra, ingressando aos 13 anos no Grêmio Dramático e Literário Artur Azevedo, da escola onde estudava. Com 20 anos tem trabalhos publicados no jornal “Diário de Minas” e nas revistas “Para Todos” e “Ilustração Brasileira”. Foi diplomado na Escola de Odontologia e Farmácia de Belo Horizonte, porém fez da literatura sua profissão. Em 1925, já influenciado pelos poetas modernistas de São Paulo, fundou “A Revista”, que venho a se tornar o porta-voz do modernismo mineiro. Ao longo de sua vida, Drummond recebeu diversos prêmios por suas obras, tem suas obras traduzidas em vários países, colaborou em inúmeros jornais e revistas, participou de antologias (Coleção de trechos literários escolhidos), marcou sua presença no programa “Quadrante” e em uma série de programas da Rádio Ministério da Educação de entrevistas.
  • 8. Mesmo após sua morte, Drummond continua vivo e sempre presente no meio literário e também fora dele, suas obras são motivo de vários estudos e o próprio poeta foi imortalizado em: estátuas; memorial; estampou as notas de 50 cruzados novos entre 1988 e 1990; foi interpretado em minisséries; publicaram um CD onde Drummond declama seus poemas; teve um centenário; etc. Capa do CD: Carlos Drummond de Andrade por Paulo Autran. Car L o Estátuas Dois poetas, na cidade de Porto Alegre. Em pé, Carlos Drummond de Andrade. Sentado, Mário Quintana. O livro original foi roubado então as pessoas colocam um livro nas mãos do poeta. Na foto, o livro é "Diário de um Ladrão", do Jean Genet.
  • 9. Escultura do poeta Carlos Drummond de Andrade, criada pelo artista mineiro Leo Santana. Instalada em Copacabana – em frente à rua em que o poeta morou – no dia 31 de outubro de 2003 – Ano do Centenário do Poeta. Curiosamente a estátua é monitorada noite e dia para evitar um novo roubo de seus óculos, registrando muitas vezes pessoas que simplesmente param para tirar uma foto ou conversar com a estátua. Frase: “No mar estava escrita uma cidade” Sua poesia possui o desejo de mudanças político-sociais, questionamento filosófico da vida, do homem e do mundo, constituindo uma lírica densa, ampla e inesgotável. Seguindo a libertação proposta por Mário e Oswald de Andrade com a instituição do verso livre, mostrando que este não depende de um metro fixo, Drummond sempre buscou em sua poesia refletir o seu tempo presente sem abandonar o contexto maior da humanidade. Foi mestre na poesia metalinguística, usando como tema o próprio fazer poético, sobre a função da poesia, como é possível se notar no poema “O lutador” publicado no livro “José” de 1942.
  • 10. O LUTADOR – POEMA Carlos Drummond de Andrade Lutar com palavras é a luta mais vã. Entanto lutamos mal rompe a manhã. São muitas, eu pouco. Algumas, tão fortes como o javali. Não me julgo louco. Se o fosse, teria poder de encantá-las. Mas lúcido e frio, apareço e tento apanhar algumas para meu sustento num dia de vida. Deixam-se enlaçar, tontas à carícia e súbito fogem e não há ameaça e nem 3 há sevícia que as traga de novo ao centro da praça. Insisto, solerte. Busco persuadi-las. Ser-lhes-ei escravo de rara humildade. Guardarei sigilo de nosso comércio. Na voz, nenhum travo de zanga ou desgosto. Sem me ouvir deslizam, perpassam levíssimas e viram-me o rosto. Lutar com palavras parece sem fruto. Não têm carne e sangue…
  • 11. Entretanto, luto. Palavra, palavra (digo exasperado), se me desafias, aceito o combate. Quisera possuir-te neste descampado, sem roteiro de unha ou marca de dente nessa pele clara. Preferes o amor de uma posse impura e que venha o gozo da maior tortura. Luto corpo a corpo, luto todo o tempo, sem maior proveito que o da caça ao vento. Não encontro vestes, não seguro formas, é fluido inimigo que me dobra os músculos e ri-se das normas da boa peleja. Iludo-me às vezes, pressinto que a entrega se consumará. Já vejo palavras em coro submisso, esta me ofertando seu velho calor, aquela sua glória feita de mistério, outra seu desdém, outra seu ciúme, e um sapiente amor me ensina a fruir de cada palavra
  • 12. a essência captada, o sutil queixume. Mas ai! é o instante de entreabrir os olhos: entre beijo e boca, tudo se evapora. O ciclo do dia ora se conclui 8 e o inútil duelo jamais se resolve. O teu rosto belo, ó palavra, esplende na curva da noite que toda me envolve. Tamanha paixão e nenhum pecúlio. Cerradas as portas, a luta prossegue nas ruas do sono.
  • 13. O LUTADOR – ANALISE DA ESTRUTURA Em um primeiro olhar o poema parece seguir o padrão do soneto, por ser dividido em 6 versos, que o caracterizaria como uma sextilha, porém ao olhar o poema mais atentamente logo notamos que há um rompimento em relação a tradicional forma de se fazer poesia. “O lutador” trata da luta do poeta ao fazer uma poesia, da arte de fazer poesia, em uma linguagem claramente metalinguística. O poema tem liberdade formal evidente na utilização do verso livre, no abandono da métrica e do esquema de rimas, além da mistura de gêneros ao longo de todo o poema. Vejamos a seguir como isso ocorre: Logo no inicio do poema, na primeira estrofe que relata a impotência do poeta diante das palavras, há uma rima e um lirismo que, de certa forma, lembra o esquema do soneto, seguindo até o padrão de cinco sílabas poéticas com acentos na segunda e na quinta: Lutar com palavras é a luta mais vã. Entanto lutamos mal rompe a manhã. Porém, logo esse padrão perde o ritmo lírico, rimado e parnasiano com a quebra do esquema do soneto no trecho seguinte: São muitas, eu pouco. Algumas, tão fortes como o javali. E passa a seguir uma narrativa, característica até então do romance, mas mantendo um eu- lírico: Não me julgo louco. / Se o fosse, teria / poder de encantá-las. / Mas lúcido e frio, / apareço e tento / apanhar algumas / para meu sustento / num dia de vida. / Deixam-se enlaçar, / tontas à carícia / e súbito fogem / e não há ameaça e nem 3 há sevícia / que as traga de novo / ao centro da praça. Essa narrativa se segue ao longo de vários trechos do poema, algumas vezes mais forte e em outras perdendo a força para outro estilo literário. Na segunda estrofe o poeta continua com a tentativa infrutífera do eu-lírico subjugar as palavras e é possível se perceber o tom dramático: Insisto, solerte. Busco persuadi-las. Ser-lhes-ei escravo de rara humildade. Guardarei sigilo de nosso comércio.
  • 14. Na voz, nenhum travo de zanga ou desgosto. Sem me ouvir deslizam, perpassam levíssimas e viram-me o rosto. E, ocasionalmente, há alguma rima: Lutar com palavras parece sem fruto. Não têm carne e sangue… Entretanto, luto. Na terceira estrofe o eu-lírico começa a diminuir de força, e adquire certa forma descritiva, característica do parnasianismo: Palavra, palavra (digo exasperado), se me desafias, aceito o combate. Quisera possuir-te neste descampado, sem roteiro de unha ou marca de dente nessa pele clara. Preferes o amor de uma posse impura e que venha o gozo da maior tortura. Na quarta estrofe, a relação de embate com o verbo adquire um caráter erótico, as palavras ganham forma, corpo, para mostrar a importância delas para o poeta, e segue com o padrão descritivo para mostrar como trava essa luta com as palavras. Luto corpo a corpo, luto todo o tempo, sem maior proveito que o da caça ao vento. Não encontro vestes, não seguro formas, é fluido inimigo que me dobra os músculos
  • 15. e ri-se das normas da boa peleja. Na quinta estrofe, há a retomada do eu-lírico: Iludo-me às vezes, pressinto que a entrega se consumará. Já vejo palavras em coro submisso, esta me ofertando seu velho calor, aquela sua glória feita de mistério, outra seu desdém, outra seu ciúme, e um sapiente amor me ensina a fruir de cada palavra a essência captada, o sutil queixume. Podemos notar mais nitidamente a fala característica do brasileiro na seguinte parte: Mas ai! é o instante de entreabrir os olhos: entre beijo e boca, tudo se evapora. Na sexta estrofe, o eu-lírico entrega-se a devaneios e vislumbra seu triunfo sobre as palavras para, no final, perceber tudo não passa de uma ilusão, e continua a travar sua luta no mundo dos sonhos. O ciclo do dia ora se conclui 8 e o inútil duelo jamais se resolve. O teu rosto belo, ó palavra, esplende na curva da noite que toda me envolve. Tamanha paixão e nenhum pecúlio. Cerradas as portas,
  • 16. a luta prossegue nas ruas do sono. A mistura de gêneros, o abandono das regras dos estilos anteriores e a linguagem cotidiana que vimos ao longo do poema “O lutador” correspondem às características do Modernismo.