SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 3
Baixar para ler offline
1
O IMPERATIVO DA CONSTRUÇÃO DE UM MUNDO DE PAZ
Fernando Alcoforado*
As guerras e revoluções cresceram em escala jamais vista, tanto em quantidade como
em intensidade, no século XX sem paralelo na história, que continuam também no
século 21. Michael Klare, professor de estudos sobre paz e segurança mundiais no
Hampshire College, em Amherst, Masachusetts, e autor do recém-lançado Rising
powers, shrinking planet; the new geopolitics of energy, publicado nos Estados Unidos
pela Metropolitan Books, e no Reino Unido pela One World Publications, afirma em
artigo de sua autoria Washington analisa cenários para uma “guerra aberta”,
publicado no website <http://www.diplomatique.org.br/artigo.php?id=2167>, que
conflitos significativos dos Estados Unidos contra potências nucleares como a Rússia e
a China é o que os estrategistas ocidentais vislumbram no futuro.
Segundo Klare, hoje, existe aumento das tensões nas relações entre a Rússia e o
Ocidente, cada um observando o outro na espera de um enfrentamento. Em Bruxelas,
como em Washington, durante muitos anos a Rússia deixou de ser uma prioridade nos
programas de defesa. Mas esse não será mais o caso no futuro. Hoje, os Estados Unidos
e a União Europeia consideram que é preciso concentrar novamente as preocupações na
eventualidade de um confronto com a Rússia. O novo orçamento militar dos Estados
Unidos marca uma mudança de orientação principal. Enquanto nos últimos anos os
Estados Unidos davam prioridade às “operações anti-insurrecionais em grande escala”,
eles devem agora se preparar para um “retorno da rivalidade entre grandes potências”,
sem descartar a possibilidade de um conflito aberto com um “inimigo de envergadura”,
como a Rússia ou a China.
A Rússia e a China são os “principais rivais” dos Estados Unidos, segundo Klare,
porque eles possuem armas muito sofisticadas para neutralizar algumas das vantagens
dos norte-americanos que precisa mostrar que tem a capacidade de causar perdas
intoleráveis a um agressor bem equipado, para dissuadi-lo de executar manobras
provocadoras ou fazê-lo se arrepender amargamente caso venha a lançá-las. Tal objetivo
exige reforço da capacidade norte-americana de se contrapor a um hipotético ataque
russo às posições da Otan no Leste Europeu. A instalação de quatro batalhões na
Polônia e nos países bálticos é ainda mais notável quando se pensa que será a primeira
guarnição semipermanente de forças multinacionais da OTAN no território da ex-União
Soviética.
Da mesma forma, ao transformar recifes e atóis do Mar da China Meridional em ilhotas
suscetíveis de abrigar instalações importantes, Pequim provocou surpresa e preocupação
nos Estados Unidos, que por muito tempo consideraram essa zona um “lago norte-
americano”. Os ocidentais estão impressionados com a potência crescente do Exército
chinês. Washington desfruta hoje uma superioridade naval e aérea na região, mas a
audácia das manobras chinesas sugere que Pequim se tornou um rival que não pode ser
negligenciado. Os estrategistas não enxergam nenhum outro recurso senão preservar
uma ampla superioridade a fim de impedir futuros concorrentes potenciais de prejudicar
os interesses norte-americanos. Daí as ameaças insistentes de um conflito maior, que
justificariam as despesas suplementares no armamento hipersofisticado que um
“inimigo de envergadura” exige.
É bastante improvável que Donald Trump renuncie à preparação de um conflito com a
China ou a Rússia. Trump repetiu várias vezes que pretende reconstruir as capacidades
2
militares “esgotadas” do país. A intimidação e os treinamentos militares em zonas
sensíveis como o Leste Europeu e o Mar da China Meridional podem se tornar a nova
norma, com os riscos de escalada involuntária que isso implica. Washington, Moscou e
Pequim, de qualquer forma, anunciaram que instalariam nessas regiões forças
suplementares e conduziriam exercícios ali.
Além do possível conflito dos Estados Unidos contra a Rússia e a China, há, também, a
guerra civil na Síria na qual estão envolvidos os Estados Unidos e a Rússia que tem esta
como aliada do governo sírio e os primeiros como oponente. Há ainda conflitos entre
Palestina e Israel e entre Irã e Israel nos quais estão envolvidas as grandes potências
mundiais (Estados Unidos como aliados de Israel e Rússia e China como aliados da
Palestina e Irã). Outro conflito de grande proporção é o que existe entre os povos
muçulmanos e as potências ocidentais no que é denominado por Samuel Huntington de
choque de civilizações. Os atentados terroristas em países do Ocidente praticados por
fundamentalistas islâmicos e o surgimento do Estado Islâmico no Iraque e na Síria
representam a reação muçulmana à agressão permanente praticada pelos Estados Unidos
contra o Iraque, Líbia e Síria.
No livro de sua autoria Ascensão e Queda das Grandes Potências: Transformação
Econômica e Conflito Militar de 1500 a 2000 (Rio de Janeiro: Editora Campus, 1989),
Paul Keynnedy afirma que a riqueza é, geralmente, necessária ao poderio militar. Se,
porém, proporção demasiado grande dos recursos do país é desviada da criação de
riqueza e atribuída a fins militares, como vem ocorrendo com os Estados Unidos desde
o final da Segunda Guerra Mundial, torna-se então provável que isso leve ao
enfraquecimento do poderio norte-americano, em longo prazo, como já vem ocorrendo.
Kennedy afirma ainda que, se o país excede estrategicamente, por exemplo, pela
conquista de territórios extensos ou em guerras onerosas, corre o risco de ver as
vantagens potenciais da expansão externa superadas pelas grandes despesas exigidas.
Este dilema se torna agudo se o país em questão tiver entrado em período de declínio
econômico relativo como é o caso dos Estados Unidos. É o declínio econômico dos
Estados Unidos que faz com que sejam abertos espaços para que a China e a Rússia se
transformem em grandes protagonistas da cena mundial.
Outros conflitos que podem acontecer no século 21 no mundo dizem respeito às guerras
pela posse dos recursos naturais como minérios, entre os quais se insere o petróleo, e
pelo controle dos recursos hídricos. Sobre os conflitos pelos recursos hídricos, em 2003,
a UNESCO publicou um relatório identificando as bacias hidrográficas com maior
potencial de gerar conflitos internacionais. Entre os locais citados pela Unesco estão a
bacia do Prata, que pode gerar disputas entre Bolívia, Argentina, Uruguai, Paraguai e
Brasil, a construção de usinas hidrelétricas no rio Madeira pelo Brasil que é contestada
pelo governo boliviano alegando impactos ambientais, a bacia do Rio Nilo em que nove
países da África (Egito, Sudão, Uganda, Tanzânia, Ruanda, Quênia, República
Democrática do Congo, Burundi e Etiópia) discutem o aproveitamento de suas águas, as
Colinas de Golã que colocam em confronto Israel e Síria na disputa pelas nascentes do
Rio Jordão, fundamental para o abastecimento de água do Oriente Médio, os dois
aquíferos que abastecem Israel e os territórios palestinos os quais têm diminuído e
colocam em confronto o Estado de Israel e a Autoridade Palestina e as águas dos rios
que cortam a Turquia, Síria, Iraque, Líbano e Jordânia que apresentam diminuição do
volume de água podendo gerar conflitos entre estes países pelo controle dos recursos
hídricos.
3
Para cessar os conflitos que se multiplicam em todo o planeta é preciso que haja uma
governança democrática do mundo. Está demonstrado pelos exemplos da história que
nenhuma nação por mais poderosa que seja poderá assegurar o ordenamento da
economia mundial e a paz e a estabilidade nas relações internacionais. A constituição
de um governo mundial visaria não apenas o ordenamento econômico em escala
mundial, mas, sobretudo, criar as condições para enfrentar os grandes desafios da
humanidade no Século XXI os quais consistem em: 1) Guerras em cascata; 2) Crises
econômicas e financeiras em cadeia; 3) Revoluções e contrarrevoluções sociais em todo
o globo; 4) Superpopulação mundial; 5) Pandemia mortal; 6) Mudanças climáticas
extremas; 7) Crime organizado; e, 8) Ameaças vindas do espaço, cujas ações de caráter
global para neutralizá-las são impossíveis de serem levadas avante pelos estados
nacionais isoladamente e pelas instituições internacionais atuais.
*Fernando Alcoforado, 77, membro da Academia Baiana de Educação, engenheiro e doutor em
Planejamento Territorial e Desenvolvimento Regional pela Universidade de Barcelona, professor
universitário e consultor nas áreas de planejamento estratégico, planejamento empresarial, planejamento
regional e planejamento de sistemas energéticos, é autor dos livros Globalização (Editora Nobel, São
Paulo, 1997), De Collor a FHC- O Brasil e a Nova (Des)ordem Mundial (Editora Nobel, São Paulo,
1998), Um Projeto para o Brasil (Editora Nobel, São Paulo, 2000), Os condicionantes do
desenvolvimento do Estado da Bahia (Tese de doutorado. Universidade de
Barcelona,http://www.tesisenred.net/handle/10803/1944, 2003), Globalização e Desenvolvimento
(Editora Nobel, São Paulo, 2006), Bahia- Desenvolvimento do Século XVI ao Século XX e Objetivos
Estratégicos na Era Contemporânea (EGBA, Salvador, 2008), The Necessary Conditions of the
Economic and Social Development- The Case of the State of Bahia (VDM Verlag Dr. Müller
Aktiengesellschaft & Co. KG, Saarbrücken, Germany, 2010), Aquecimento Global e Catástrofe
Planetária (Viena- Editora e Gráfica, Santa Cruz do Rio Pardo, São Paulo, 2010), Amazônia Sustentável-
Para o progresso do Brasil e combate ao aquecimento global (Viena- Editora e Gráfica, Santa Cruz do
Rio Pardo, São Paulo, 2011), Os Fatores Condicionantes do Desenvolvimento Econômico e Social
(Editora CRV, Curitiba, 2012), Energia no Mundo e no Brasil- Energia e Mudança Climática
Catastrófica no Século XXI (Editora CRV, Curitiba, 2015) e As Grandes Revoluções Científicas,
Econômicas e Sociais que Mudaram o Mundo (Editora CRV, Curitiba, 2016). Possui blog na Internet
(http://fernando.alcoforado.zip.net). E-mail: falcoforado@uol.com.br.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Hist a 623_p2_2011
Hist a 623_p2_2011Hist a 623_p2_2011
Hist a 623_p2_2011
Escoladocs
 
Questões vestibular socialismo -mundo bipolar
Questões vestibular   socialismo -mundo bipolarQuestões vestibular   socialismo -mundo bipolar
Questões vestibular socialismo -mundo bipolar
LUIS ABREU
 
A Geopolítica da Federação Russa em Relação aos EUA e à Europa: Vulnerabilida...
A Geopolítica da Federação Russa em Relação aos EUA e à Europa: Vulnerabilida...A Geopolítica da Federação Russa em Relação aos EUA e à Europa: Vulnerabilida...
A Geopolítica da Federação Russa em Relação aos EUA e à Europa: Vulnerabilida...
Grupo de Economia Política IE-UFRJ
 
Canal da Imprensa - 85
Canal da Imprensa - 85Canal da Imprensa - 85
Canal da Imprensa - 85
Raphael Santos
 
Fundamentos da hegemonia dos eua a partir da década de 80 do século xx
Fundamentos da hegemonia dos eua a partir da década de 80 do século xxFundamentos da hegemonia dos eua a partir da década de 80 do século xx
Fundamentos da hegemonia dos eua a partir da década de 80 do século xx
Alexandra Matos
 

Mais procurados (19)

Caos nas relações internacionais contemporâneas
Caos nas relações internacionais contemporâneasCaos nas relações internacionais contemporâneas
Caos nas relações internacionais contemporâneas
 
Hist a 623_p2_2011
Hist a 623_p2_2011Hist a 623_p2_2011
Hist a 623_p2_2011
 
Questões vestibular socialismo -mundo bipolar
Questões vestibular   socialismo -mundo bipolarQuestões vestibular   socialismo -mundo bipolar
Questões vestibular socialismo -mundo bipolar
 
Os perigos criados (ali) no Médio Oriente
Os perigos criados (ali) no Médio OrienteOs perigos criados (ali) no Médio Oriente
Os perigos criados (ali) no Médio Oriente
 
A Geopolítica da Federação Russa em Relação aos EUA e à Europa: Vulnerabilida...
A Geopolítica da Federação Russa em Relação aos EUA e à Europa: Vulnerabilida...A Geopolítica da Federação Russa em Relação aos EUA e à Europa: Vulnerabilida...
A Geopolítica da Federação Russa em Relação aos EUA e à Europa: Vulnerabilida...
 
A Geopolítica das Relações entre a Federação Russa e os EUA: da Cooperação ao...
A Geopolítica das Relações entre a Federação Russa e os EUA: da Cooperação ao...A Geopolítica das Relações entre a Federação Russa e os EUA: da Cooperação ao...
A Geopolítica das Relações entre a Federação Russa e os EUA: da Cooperação ao...
 
Pico de Petróleo determinará futuro da humanidade
Pico de Petróleo determinará futuro da humanidadePico de Petróleo determinará futuro da humanidade
Pico de Petróleo determinará futuro da humanidade
 
Canal da Imprensa - 85
Canal da Imprensa - 85Canal da Imprensa - 85
Canal da Imprensa - 85
 
A Geopolítica da Federação Russa em Relação aos EUA e à Europa: Vulnerabilida...
A Geopolítica da Federação Russa em Relação aos EUA e à Europa: Vulnerabilida...A Geopolítica da Federação Russa em Relação aos EUA e à Europa: Vulnerabilida...
A Geopolítica da Federação Russa em Relação aos EUA e à Europa: Vulnerabilida...
 
Fundamentos da hegemonia dos eua a partir da década de 80 do século xx
Fundamentos da hegemonia dos eua a partir da década de 80 do século xxFundamentos da hegemonia dos eua a partir da década de 80 do século xx
Fundamentos da hegemonia dos eua a partir da década de 80 do século xx
 
Guerra fria
Guerra friaGuerra fria
Guerra fria
 
O PODER MILITAR DAS GRANDES POTÊNCIAS E A PERDA DE UTILIDADE DAS FORÇAS ARMAD...
O PODER MILITAR DAS GRANDES POTÊNCIAS E A PERDA DE UTILIDADE DAS FORÇAS ARMAD...O PODER MILITAR DAS GRANDES POTÊNCIAS E A PERDA DE UTILIDADE DAS FORÇAS ARMAD...
O PODER MILITAR DAS GRANDES POTÊNCIAS E A PERDA DE UTILIDADE DAS FORÇAS ARMAD...
 
Graham, sul dos eua x brasil
Graham, sul dos eua x brasilGraham, sul dos eua x brasil
Graham, sul dos eua x brasil
 
Grupo 02
Grupo 02Grupo 02
Grupo 02
 
Geopolítica
GeopolíticaGeopolítica
Geopolítica
 
Evaluation sheet portugal
Evaluation sheet portugalEvaluation sheet portugal
Evaluation sheet portugal
 
Teste de avaliacao uma nova ordem mundial com corrigenda
Teste de avaliacao uma nova ordem mundial com corrigendaTeste de avaliacao uma nova ordem mundial com corrigenda
Teste de avaliacao uma nova ordem mundial com corrigenda
 
A new West & East
A new West & EastA new West & East
A new West & East
 
Atividade
AtividadeAtividade
Atividade
 

Semelhante a O imperativo da construção de um mundo de paz

DA NOVA GUERRA FRIA, DA GUERRA COMERCIAL, DA GUERRA FINANCEIRA E DA GUERRA CI...
DA NOVA GUERRA FRIA, DA GUERRA COMERCIAL, DA GUERRA FINANCEIRA E DA GUERRA CI...DA NOVA GUERRA FRIA, DA GUERRA COMERCIAL, DA GUERRA FINANCEIRA E DA GUERRA CI...
DA NOVA GUERRA FRIA, DA GUERRA COMERCIAL, DA GUERRA FINANCEIRA E DA GUERRA CI...
Faga1939
 
A DECADÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS COMO POTÊNCIA HEGEMÔNICA E SUAS NEFASTAS CONS...
A DECADÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS COMO POTÊNCIA HEGEMÔNICA E SUAS NEFASTAS CONS...A DECADÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS COMO POTÊNCIA HEGEMÔNICA E SUAS NEFASTAS CONS...
A DECADÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS COMO POTÊNCIA HEGEMÔNICA E SUAS NEFASTAS CONS...
Faga1939
 
O mundo em 2016 e os conflitos internacionais
O mundo em 2016 e os conflitos internacionaisO mundo em 2016 e os conflitos internacionais
O mundo em 2016 e os conflitos internacionais
Fernando Alcoforado
 
As três grandes ameaças para a humanidade no século xxi
As três grandes ameaças para a humanidade no século xxiAs três grandes ameaças para a humanidade no século xxi
As três grandes ameaças para a humanidade no século xxi
Fernando Alcoforado
 
Tendencias geopoliticas da era contemporanea
Tendencias geopoliticas da era contemporaneaTendencias geopoliticas da era contemporanea
Tendencias geopoliticas da era contemporanea
Roberto Rabat Chame
 
A paz mundial e a confraternizacao universal
A paz mundial e a confraternizacao universalA paz mundial e a confraternizacao universal
A paz mundial e a confraternizacao universal
Roberto Rabat Chame
 
O mundo em 2013 e a ameaça de uma nova guerra mundial
O mundo em 2013 e a ameaça de uma nova guerra mundialO mundo em 2013 e a ameaça de uma nova guerra mundial
O mundo em 2013 e a ameaça de uma nova guerra mundial
Fernando Alcoforado
 
Em marcha nova guerra fria
Em marcha nova guerra friaEm marcha nova guerra fria
Em marcha nova guerra fria
Fernando Alcoforado
 
40627_8096217448bb163ef447e9a3f774f153.pdf
40627_8096217448bb163ef447e9a3f774f153.pdf40627_8096217448bb163ef447e9a3f774f153.pdf
40627_8096217448bb163ef447e9a3f774f153.pdf
PedroEnrico4
 

Semelhante a O imperativo da construção de um mundo de paz (20)

O confronto estados unidos e china na era contemporânea
O confronto estados unidos e china na era contemporâneaO confronto estados unidos e china na era contemporânea
O confronto estados unidos e china na era contemporânea
 
DA NOVA GUERRA FRIA, DA GUERRA COMERCIAL, DA GUERRA FINANCEIRA E DA GUERRA CI...
DA NOVA GUERRA FRIA, DA GUERRA COMERCIAL, DA GUERRA FINANCEIRA E DA GUERRA CI...DA NOVA GUERRA FRIA, DA GUERRA COMERCIAL, DA GUERRA FINANCEIRA E DA GUERRA CI...
DA NOVA GUERRA FRIA, DA GUERRA COMERCIAL, DA GUERRA FINANCEIRA E DA GUERRA CI...
 
A DECADÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS COMO POTÊNCIA HEGEMÔNICA E SUAS NEFASTAS CONS...
A DECADÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS COMO POTÊNCIA HEGEMÔNICA E SUAS NEFASTAS CONS...A DECADÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS COMO POTÊNCIA HEGEMÔNICA E SUAS NEFASTAS CONS...
A DECADÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS COMO POTÊNCIA HEGEMÔNICA E SUAS NEFASTAS CONS...
 
AGRISSÊNIOR NOTÍCIAS Nº 618 an 02 maiol 2017.
AGRISSÊNIOR NOTÍCIAS Nº 618 an 02 maiol 2017.AGRISSÊNIOR NOTÍCIAS Nº 618 an 02 maiol 2017.
AGRISSÊNIOR NOTÍCIAS Nº 618 an 02 maiol 2017.
 
O mundo em 2016 e os conflitos internacionais
O mundo em 2016 e os conflitos internacionaisO mundo em 2016 e os conflitos internacionais
O mundo em 2016 e os conflitos internacionais
 
As três grandes ameaças para a humanidade no século xxi
As três grandes ameaças para a humanidade no século xxiAs três grandes ameaças para a humanidade no século xxi
As três grandes ameaças para a humanidade no século xxi
 
Tendências geopolíticas da era contemporânea
Tendências geopolíticas da era contemporâneaTendências geopolíticas da era contemporânea
Tendências geopolíticas da era contemporânea
 
Tendencias geopoliticas da era contemporanea
Tendencias geopoliticas da era contemporaneaTendencias geopoliticas da era contemporanea
Tendencias geopoliticas da era contemporanea
 
A paz mundial e a confraternização universal
A paz mundial e a confraternização universalA paz mundial e a confraternização universal
A paz mundial e a confraternização universal
 
A paz mundial e a confraternizacao universal
A paz mundial e a confraternizacao universalA paz mundial e a confraternizacao universal
A paz mundial e a confraternizacao universal
 
Aula de Geografia - Pesquisa e Ação
Aula de Geografia - Pesquisa e AçãoAula de Geografia - Pesquisa e Ação
Aula de Geografia - Pesquisa e Ação
 
A Grande Estratégia dos EUA
A Grande Estratégia dos EUAA Grande Estratégia dos EUA
A Grande Estratégia dos EUA
 
A GRANDE ESTRATÉGIA DOS EUA
A GRANDE ESTRATÉGIA DOS EUAA GRANDE ESTRATÉGIA DOS EUA
A GRANDE ESTRATÉGIA DOS EUA
 
A Hegemonia dos EUA
A Hegemonia dos EUAA Hegemonia dos EUA
A Hegemonia dos EUA
 
Os desafios da ucrânia
Os desafios da ucrâniaOs desafios da ucrânia
Os desafios da ucrânia
 
O mundo em 2013 e a ameaça de uma nova guerra mundial
O mundo em 2013 e a ameaça de uma nova guerra mundialO mundo em 2013 e a ameaça de uma nova guerra mundial
O mundo em 2013 e a ameaça de uma nova guerra mundial
 
Em marcha nova guerra fria
Em marcha nova guerra friaEm marcha nova guerra fria
Em marcha nova guerra fria
 
Em marcha nova guerra fria
Em marcha nova guerra friaEm marcha nova guerra fria
Em marcha nova guerra fria
 
40627_8096217448bb163ef447e9a3f774f153.pdf
40627_8096217448bb163ef447e9a3f774f153.pdf40627_8096217448bb163ef447e9a3f774f153.pdf
40627_8096217448bb163ef447e9a3f774f153.pdf
 
Como eliminar a guerra no mundo
Como eliminar a guerra no mundoComo eliminar a guerra no mundo
Como eliminar a guerra no mundo
 

Mais de Fernando Alcoforado

O INFERNO DAS CATÁSTROFES SOFRIDAS PELO POVO BRASILEIRO
O INFERNO DAS CATÁSTROFES SOFRIDAS PELO POVO BRASILEIRO   O INFERNO DAS CATÁSTROFES SOFRIDAS PELO POVO BRASILEIRO
O INFERNO DAS CATÁSTROFES SOFRIDAS PELO POVO BRASILEIRO
Fernando Alcoforado
 
L'ENFER DES CATASTROPHES SUBIS PAR LE PEUPLE BRÉSILIEN
L'ENFER DES CATASTROPHES SUBIS PAR LE PEUPLE BRÉSILIENL'ENFER DES CATASTROPHES SUBIS PAR LE PEUPLE BRÉSILIEN
L'ENFER DES CATASTROPHES SUBIS PAR LE PEUPLE BRÉSILIEN
Fernando Alcoforado
 
LE MONDE VERS UNE CATASTROPHE CLIMATIQUE?
LE MONDE VERS UNE CATASTROPHE CLIMATIQUE?LE MONDE VERS UNE CATASTROPHE CLIMATIQUE?
LE MONDE VERS UNE CATASTROPHE CLIMATIQUE?
Fernando Alcoforado
 
INONDATIONS DES VILLES ET CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL
INONDATIONS DES VILLES ET CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIALINONDATIONS DES VILLES ET CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL
INONDATIONS DES VILLES ET CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL
Fernando Alcoforado
 

Mais de Fernando Alcoforado (20)

O INFERNO DAS CATÁSTROFES SOFRIDAS PELO POVO BRASILEIRO
O INFERNO DAS CATÁSTROFES SOFRIDAS PELO POVO BRASILEIRO   O INFERNO DAS CATÁSTROFES SOFRIDAS PELO POVO BRASILEIRO
O INFERNO DAS CATÁSTROFES SOFRIDAS PELO POVO BRASILEIRO
 
L'ENFER DES CATASTROPHES SUBIS PAR LE PEUPLE BRÉSILIEN
L'ENFER DES CATASTROPHES SUBIS PAR LE PEUPLE BRÉSILIENL'ENFER DES CATASTROPHES SUBIS PAR LE PEUPLE BRÉSILIEN
L'ENFER DES CATASTROPHES SUBIS PAR LE PEUPLE BRÉSILIEN
 
LE MONDE VERS UNE CATASTROPHE CLIMATIQUE?
LE MONDE VERS UNE CATASTROPHE CLIMATIQUE?LE MONDE VERS UNE CATASTROPHE CLIMATIQUE?
LE MONDE VERS UNE CATASTROPHE CLIMATIQUE?
 
AQUECIMENTO GLOBAL, MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBAL E SEUS IMPACTOS SOBRE A SAÚDE HU...
AQUECIMENTO GLOBAL, MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBAL E SEUS IMPACTOS SOBRE A SAÚDE HU...AQUECIMENTO GLOBAL, MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBAL E SEUS IMPACTOS SOBRE A SAÚDE HU...
AQUECIMENTO GLOBAL, MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBAL E SEUS IMPACTOS SOBRE A SAÚDE HU...
 
GLOBAL WARMING, GLOBAL CLIMATE CHANGE AND ITS IMPACTS ON HUMAN HEALTH
GLOBAL WARMING, GLOBAL CLIMATE CHANGE AND ITS IMPACTS ON HUMAN HEALTHGLOBAL WARMING, GLOBAL CLIMATE CHANGE AND ITS IMPACTS ON HUMAN HEALTH
GLOBAL WARMING, GLOBAL CLIMATE CHANGE AND ITS IMPACTS ON HUMAN HEALTH
 
LE RÉCHAUFFEMENT CLIMATIQUE, LE CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL ET SES IMPACTS ...
LE RÉCHAUFFEMENT CLIMATIQUE, LE CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL ET SES IMPACTS ...LE RÉCHAUFFEMENT CLIMATIQUE, LE CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL ET SES IMPACTS ...
LE RÉCHAUFFEMENT CLIMATIQUE, LE CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL ET SES IMPACTS ...
 
INONDATIONS DES VILLES ET CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL
INONDATIONS DES VILLES ET CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIALINONDATIONS DES VILLES ET CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL
INONDATIONS DES VILLES ET CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL
 
CITY FLOODS AND GLOBAL CLIMATE CHANGE
CITY FLOODS AND GLOBAL CLIMATE CHANGECITY FLOODS AND GLOBAL CLIMATE CHANGE
CITY FLOODS AND GLOBAL CLIMATE CHANGE
 
INUNDAÇÕES DAS CIDADES E MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBAL
INUNDAÇÕES DAS CIDADES E MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBALINUNDAÇÕES DAS CIDADES E MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBAL
INUNDAÇÕES DAS CIDADES E MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBAL
 
CIVILIZAÇÃO OU BARBÁRIE SÃO AS ESCOLHAS DO POVO BRASILEIRO NAS ELEIÇÕES DE 2022
CIVILIZAÇÃO OU BARBÁRIE SÃO AS ESCOLHAS DO POVO BRASILEIRO NAS ELEIÇÕES DE 2022 CIVILIZAÇÃO OU BARBÁRIE SÃO AS ESCOLHAS DO POVO BRASILEIRO NAS ELEIÇÕES DE 2022
CIVILIZAÇÃO OU BARBÁRIE SÃO AS ESCOLHAS DO POVO BRASILEIRO NAS ELEIÇÕES DE 2022
 
CIVILISATION OU BARBARIE SONT LES CHOIX DU PEUPLE BRÉSILIEN AUX ÉLECTIONS DE ...
CIVILISATION OU BARBARIE SONT LES CHOIX DU PEUPLE BRÉSILIEN AUX ÉLECTIONS DE ...CIVILISATION OU BARBARIE SONT LES CHOIX DU PEUPLE BRÉSILIEN AUX ÉLECTIONS DE ...
CIVILISATION OU BARBARIE SONT LES CHOIX DU PEUPLE BRÉSILIEN AUX ÉLECTIONS DE ...
 
CIVILIZATION OR BARBARISM ARE THE CHOICES OF THE BRAZILIAN PEOPLE IN THE 2022...
CIVILIZATION OR BARBARISM ARE THE CHOICES OF THE BRAZILIAN PEOPLE IN THE 2022...CIVILIZATION OR BARBARISM ARE THE CHOICES OF THE BRAZILIAN PEOPLE IN THE 2022...
CIVILIZATION OR BARBARISM ARE THE CHOICES OF THE BRAZILIAN PEOPLE IN THE 2022...
 
COMO EVITAR A PREVISÃO DE STEPHEN HAWKING DE QUE A HUMANIDADE SÓ TEM MAIS 100...
COMO EVITAR A PREVISÃO DE STEPHEN HAWKING DE QUE A HUMANIDADE SÓ TEM MAIS 100...COMO EVITAR A PREVISÃO DE STEPHEN HAWKING DE QUE A HUMANIDADE SÓ TEM MAIS 100...
COMO EVITAR A PREVISÃO DE STEPHEN HAWKING DE QUE A HUMANIDADE SÓ TEM MAIS 100...
 
COMMENT ÉVITER LA PRÉVISION DE STEPHEN HAWKING QUE L'HUMANITÉ N'A QUE 100 ANS...
COMMENT ÉVITER LA PRÉVISION DE STEPHEN HAWKING QUE L'HUMANITÉ N'A QUE 100 ANS...COMMENT ÉVITER LA PRÉVISION DE STEPHEN HAWKING QUE L'HUMANITÉ N'A QUE 100 ANS...
COMMENT ÉVITER LA PRÉVISION DE STEPHEN HAWKING QUE L'HUMANITÉ N'A QUE 100 ANS...
 
THE GREAT FRENCH REVOLUTION THAT CHANGED THE WORLD
THE GREAT FRENCH REVOLUTION THAT CHANGED THE WORLDTHE GREAT FRENCH REVOLUTION THAT CHANGED THE WORLD
THE GREAT FRENCH REVOLUTION THAT CHANGED THE WORLD
 
LA GRANDE RÉVOLUTION FRANÇAISE QUI A CHANGÉ LE MONDE
LA GRANDE RÉVOLUTION FRANÇAISE QUI A CHANGÉ LE MONDE LA GRANDE RÉVOLUTION FRANÇAISE QUI A CHANGÉ LE MONDE
LA GRANDE RÉVOLUTION FRANÇAISE QUI A CHANGÉ LE MONDE
 
A GRANDE REVOLUÇÃO FRANCESA QUE MUDOU O MUNDO
A GRANDE REVOLUÇÃO FRANCESA QUE MUDOU O MUNDOA GRANDE REVOLUÇÃO FRANCESA QUE MUDOU O MUNDO
A GRANDE REVOLUÇÃO FRANCESA QUE MUDOU O MUNDO
 
O TARIFAÇO DE ENERGIA É SINAL DE INCOMPETÊNCIA DO GOVERNO FEDERAL NO PLANEJAM...
O TARIFAÇO DE ENERGIA É SINAL DE INCOMPETÊNCIA DO GOVERNO FEDERAL NO PLANEJAM...O TARIFAÇO DE ENERGIA É SINAL DE INCOMPETÊNCIA DO GOVERNO FEDERAL NO PLANEJAM...
O TARIFAÇO DE ENERGIA É SINAL DE INCOMPETÊNCIA DO GOVERNO FEDERAL NO PLANEJAM...
 
LES RÉVOLUTIONS SOCIALES, LEURS FACTEURS DÉCLENCHEURS ET LE BRÉSIL ACTUEL
LES RÉVOLUTIONS SOCIALES, LEURS FACTEURS DÉCLENCHEURS ET LE BRÉSIL ACTUELLES RÉVOLUTIONS SOCIALES, LEURS FACTEURS DÉCLENCHEURS ET LE BRÉSIL ACTUEL
LES RÉVOLUTIONS SOCIALES, LEURS FACTEURS DÉCLENCHEURS ET LE BRÉSIL ACTUEL
 
SOCIAL REVOLUTIONS, THEIR TRIGGERS FACTORS AND CURRENT BRAZIL
SOCIAL REVOLUTIONS, THEIR TRIGGERS FACTORS AND CURRENT BRAZILSOCIAL REVOLUTIONS, THEIR TRIGGERS FACTORS AND CURRENT BRAZIL
SOCIAL REVOLUTIONS, THEIR TRIGGERS FACTORS AND CURRENT BRAZIL
 

Último (6)

Ação popular de Requião sobre Eletrobras
Ação popular de Requião sobre EletrobrasAção popular de Requião sobre Eletrobras
Ação popular de Requião sobre Eletrobras
 
Novos trechos são liberados para banho após operação 'Praia Limpa', em João P...
Novos trechos são liberados para banho após operação 'Praia Limpa', em João P...Novos trechos são liberados para banho após operação 'Praia Limpa', em João P...
Novos trechos são liberados para banho após operação 'Praia Limpa', em João P...
 
Invest Minas - Paper Excellence.. -.pdf
Invest Minas  - Paper Excellence.. -.pdfInvest Minas  - Paper Excellence.. -.pdf
Invest Minas - Paper Excellence.. -.pdf
 
Diário Oficial publica convocação de 85 aprovados no concurso da Saúde e Cíce...
Diário Oficial publica convocação de 85 aprovados no concurso da Saúde e Cíce...Diário Oficial publica convocação de 85 aprovados no concurso da Saúde e Cíce...
Diário Oficial publica convocação de 85 aprovados no concurso da Saúde e Cíce...
 
Perspectiva Durango: Eleições Manaus 2024
Perspectiva Durango: Eleições Manaus 2024Perspectiva Durango: Eleições Manaus 2024
Perspectiva Durango: Eleições Manaus 2024
 
Anteprojeto de Lei------------------.pdf
Anteprojeto de Lei------------------.pdfAnteprojeto de Lei------------------.pdf
Anteprojeto de Lei------------------.pdf
 

O imperativo da construção de um mundo de paz

  • 1. 1 O IMPERATIVO DA CONSTRUÇÃO DE UM MUNDO DE PAZ Fernando Alcoforado* As guerras e revoluções cresceram em escala jamais vista, tanto em quantidade como em intensidade, no século XX sem paralelo na história, que continuam também no século 21. Michael Klare, professor de estudos sobre paz e segurança mundiais no Hampshire College, em Amherst, Masachusetts, e autor do recém-lançado Rising powers, shrinking planet; the new geopolitics of energy, publicado nos Estados Unidos pela Metropolitan Books, e no Reino Unido pela One World Publications, afirma em artigo de sua autoria Washington analisa cenários para uma “guerra aberta”, publicado no website <http://www.diplomatique.org.br/artigo.php?id=2167>, que conflitos significativos dos Estados Unidos contra potências nucleares como a Rússia e a China é o que os estrategistas ocidentais vislumbram no futuro. Segundo Klare, hoje, existe aumento das tensões nas relações entre a Rússia e o Ocidente, cada um observando o outro na espera de um enfrentamento. Em Bruxelas, como em Washington, durante muitos anos a Rússia deixou de ser uma prioridade nos programas de defesa. Mas esse não será mais o caso no futuro. Hoje, os Estados Unidos e a União Europeia consideram que é preciso concentrar novamente as preocupações na eventualidade de um confronto com a Rússia. O novo orçamento militar dos Estados Unidos marca uma mudança de orientação principal. Enquanto nos últimos anos os Estados Unidos davam prioridade às “operações anti-insurrecionais em grande escala”, eles devem agora se preparar para um “retorno da rivalidade entre grandes potências”, sem descartar a possibilidade de um conflito aberto com um “inimigo de envergadura”, como a Rússia ou a China. A Rússia e a China são os “principais rivais” dos Estados Unidos, segundo Klare, porque eles possuem armas muito sofisticadas para neutralizar algumas das vantagens dos norte-americanos que precisa mostrar que tem a capacidade de causar perdas intoleráveis a um agressor bem equipado, para dissuadi-lo de executar manobras provocadoras ou fazê-lo se arrepender amargamente caso venha a lançá-las. Tal objetivo exige reforço da capacidade norte-americana de se contrapor a um hipotético ataque russo às posições da Otan no Leste Europeu. A instalação de quatro batalhões na Polônia e nos países bálticos é ainda mais notável quando se pensa que será a primeira guarnição semipermanente de forças multinacionais da OTAN no território da ex-União Soviética. Da mesma forma, ao transformar recifes e atóis do Mar da China Meridional em ilhotas suscetíveis de abrigar instalações importantes, Pequim provocou surpresa e preocupação nos Estados Unidos, que por muito tempo consideraram essa zona um “lago norte- americano”. Os ocidentais estão impressionados com a potência crescente do Exército chinês. Washington desfruta hoje uma superioridade naval e aérea na região, mas a audácia das manobras chinesas sugere que Pequim se tornou um rival que não pode ser negligenciado. Os estrategistas não enxergam nenhum outro recurso senão preservar uma ampla superioridade a fim de impedir futuros concorrentes potenciais de prejudicar os interesses norte-americanos. Daí as ameaças insistentes de um conflito maior, que justificariam as despesas suplementares no armamento hipersofisticado que um “inimigo de envergadura” exige. É bastante improvável que Donald Trump renuncie à preparação de um conflito com a China ou a Rússia. Trump repetiu várias vezes que pretende reconstruir as capacidades
  • 2. 2 militares “esgotadas” do país. A intimidação e os treinamentos militares em zonas sensíveis como o Leste Europeu e o Mar da China Meridional podem se tornar a nova norma, com os riscos de escalada involuntária que isso implica. Washington, Moscou e Pequim, de qualquer forma, anunciaram que instalariam nessas regiões forças suplementares e conduziriam exercícios ali. Além do possível conflito dos Estados Unidos contra a Rússia e a China, há, também, a guerra civil na Síria na qual estão envolvidos os Estados Unidos e a Rússia que tem esta como aliada do governo sírio e os primeiros como oponente. Há ainda conflitos entre Palestina e Israel e entre Irã e Israel nos quais estão envolvidas as grandes potências mundiais (Estados Unidos como aliados de Israel e Rússia e China como aliados da Palestina e Irã). Outro conflito de grande proporção é o que existe entre os povos muçulmanos e as potências ocidentais no que é denominado por Samuel Huntington de choque de civilizações. Os atentados terroristas em países do Ocidente praticados por fundamentalistas islâmicos e o surgimento do Estado Islâmico no Iraque e na Síria representam a reação muçulmana à agressão permanente praticada pelos Estados Unidos contra o Iraque, Líbia e Síria. No livro de sua autoria Ascensão e Queda das Grandes Potências: Transformação Econômica e Conflito Militar de 1500 a 2000 (Rio de Janeiro: Editora Campus, 1989), Paul Keynnedy afirma que a riqueza é, geralmente, necessária ao poderio militar. Se, porém, proporção demasiado grande dos recursos do país é desviada da criação de riqueza e atribuída a fins militares, como vem ocorrendo com os Estados Unidos desde o final da Segunda Guerra Mundial, torna-se então provável que isso leve ao enfraquecimento do poderio norte-americano, em longo prazo, como já vem ocorrendo. Kennedy afirma ainda que, se o país excede estrategicamente, por exemplo, pela conquista de territórios extensos ou em guerras onerosas, corre o risco de ver as vantagens potenciais da expansão externa superadas pelas grandes despesas exigidas. Este dilema se torna agudo se o país em questão tiver entrado em período de declínio econômico relativo como é o caso dos Estados Unidos. É o declínio econômico dos Estados Unidos que faz com que sejam abertos espaços para que a China e a Rússia se transformem em grandes protagonistas da cena mundial. Outros conflitos que podem acontecer no século 21 no mundo dizem respeito às guerras pela posse dos recursos naturais como minérios, entre os quais se insere o petróleo, e pelo controle dos recursos hídricos. Sobre os conflitos pelos recursos hídricos, em 2003, a UNESCO publicou um relatório identificando as bacias hidrográficas com maior potencial de gerar conflitos internacionais. Entre os locais citados pela Unesco estão a bacia do Prata, que pode gerar disputas entre Bolívia, Argentina, Uruguai, Paraguai e Brasil, a construção de usinas hidrelétricas no rio Madeira pelo Brasil que é contestada pelo governo boliviano alegando impactos ambientais, a bacia do Rio Nilo em que nove países da África (Egito, Sudão, Uganda, Tanzânia, Ruanda, Quênia, República Democrática do Congo, Burundi e Etiópia) discutem o aproveitamento de suas águas, as Colinas de Golã que colocam em confronto Israel e Síria na disputa pelas nascentes do Rio Jordão, fundamental para o abastecimento de água do Oriente Médio, os dois aquíferos que abastecem Israel e os territórios palestinos os quais têm diminuído e colocam em confronto o Estado de Israel e a Autoridade Palestina e as águas dos rios que cortam a Turquia, Síria, Iraque, Líbano e Jordânia que apresentam diminuição do volume de água podendo gerar conflitos entre estes países pelo controle dos recursos hídricos.
  • 3. 3 Para cessar os conflitos que se multiplicam em todo o planeta é preciso que haja uma governança democrática do mundo. Está demonstrado pelos exemplos da história que nenhuma nação por mais poderosa que seja poderá assegurar o ordenamento da economia mundial e a paz e a estabilidade nas relações internacionais. A constituição de um governo mundial visaria não apenas o ordenamento econômico em escala mundial, mas, sobretudo, criar as condições para enfrentar os grandes desafios da humanidade no Século XXI os quais consistem em: 1) Guerras em cascata; 2) Crises econômicas e financeiras em cadeia; 3) Revoluções e contrarrevoluções sociais em todo o globo; 4) Superpopulação mundial; 5) Pandemia mortal; 6) Mudanças climáticas extremas; 7) Crime organizado; e, 8) Ameaças vindas do espaço, cujas ações de caráter global para neutralizá-las são impossíveis de serem levadas avante pelos estados nacionais isoladamente e pelas instituições internacionais atuais. *Fernando Alcoforado, 77, membro da Academia Baiana de Educação, engenheiro e doutor em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Regional pela Universidade de Barcelona, professor universitário e consultor nas áreas de planejamento estratégico, planejamento empresarial, planejamento regional e planejamento de sistemas energéticos, é autor dos livros Globalização (Editora Nobel, São Paulo, 1997), De Collor a FHC- O Brasil e a Nova (Des)ordem Mundial (Editora Nobel, São Paulo, 1998), Um Projeto para o Brasil (Editora Nobel, São Paulo, 2000), Os condicionantes do desenvolvimento do Estado da Bahia (Tese de doutorado. Universidade de Barcelona,http://www.tesisenred.net/handle/10803/1944, 2003), Globalização e Desenvolvimento (Editora Nobel, São Paulo, 2006), Bahia- Desenvolvimento do Século XVI ao Século XX e Objetivos Estratégicos na Era Contemporânea (EGBA, Salvador, 2008), The Necessary Conditions of the Economic and Social Development- The Case of the State of Bahia (VDM Verlag Dr. Müller Aktiengesellschaft & Co. KG, Saarbrücken, Germany, 2010), Aquecimento Global e Catástrofe Planetária (Viena- Editora e Gráfica, Santa Cruz do Rio Pardo, São Paulo, 2010), Amazônia Sustentável- Para o progresso do Brasil e combate ao aquecimento global (Viena- Editora e Gráfica, Santa Cruz do Rio Pardo, São Paulo, 2011), Os Fatores Condicionantes do Desenvolvimento Econômico e Social (Editora CRV, Curitiba, 2012), Energia no Mundo e no Brasil- Energia e Mudança Climática Catastrófica no Século XXI (Editora CRV, Curitiba, 2015) e As Grandes Revoluções Científicas, Econômicas e Sociais que Mudaram o Mundo (Editora CRV, Curitiba, 2016). Possui blog na Internet (http://fernando.alcoforado.zip.net). E-mail: falcoforado@uol.com.br.