SlideShare uma empresa Scribd logo
O DISCURSO DO PROGRESSO EM IMBITUBA 
Profº Viegas Fernandes da Costa
 Ainda que surja como armação baleeira em 1715, o núcleo urbano de 
Imbituba começa a se desenvolver a partir da segunda metade do século XIX, 
com a construção do Porto de Imbituba como alternativa para o escoamento 
do carvão mineral explorado mais ao sul, em regiões como Lauro Müller e 
Tubarão. 
 Portanto, o porto não foi consequência do desenvolvimento da Vila, mas 
resultado de um fator externo ao seu território (a descoberta do carvão). 
 Em sua primeira fase, o porto desenvolve-se com capital e projeto ingleses. 
 Imbituba apresentava-se como uma alternativa ao porto de Laguna, cujo 
assoreamento não permitia a ancoragem de navios de grande calado. 
 Interesses político-econômicos levaram a diversos conflitos entre Laguna e 
Imbituba. Após a saída dos ingleses, em 1902, o porto de Imbituba é 
praticamente abandonado. Outro argumento era risco que o porto de 
Imbituba oferecia às embarcações, já que os fortes ventos, o mar aberto e a 
falta de um quebra-mar representavam a possibilidade de acidentes e 
naufrágios.
 Em 1919 Henrique Lage obteve a concessão de exploração do porto. 
 A eclosão da I Guerra Mundial, que dificultou a importação de carvão, deu novo 
impulso à exploração carvoeira em Santa Catarina. 
 Em 1931 Vargas (nacionalista) institui a obrigatoriedade de que 10% do consumo 
de carvão no Brasil seja de produto nacional. Com a II Guerra a demanda pelo carvão 
aumenta. 
 Em 1969, foi fundada a ICC (Indústria Carboquímica Catarinense), empresa 
pertencente ao Grupo Petrofértil, que produzia insumos para indústria de 
fertilizantes a partir do enxofre extraído da pirita carbonosa (rejeito do carvão) 
derivando o ácido sulfúrico somado ao ácido fosfórico. 
 A construção da ICC, inaugurada em 1979, fazia parte dos objetivos do II PND 
(Plano Nacional de Desenvolvimento). Para descarregar a rocha fosfática, matéria-prima 
para a produção do ácido fosfórico, e para escoar toda a produção de ácido 
sulfúrico e fosfórico, o porto de Imbituba deveria ampliar suas instalações. (Alcides 
Goularti Filho). 
 Em 1990, o governo Collor liberou por completo a importação do carvão 
metalúrgico e fechou as minas da CSN.
Obras de ampliação do porto de Imbituba. Possivelmente década de 1930. 
(Foto: www.portogente.com.br)
Composição da EFDTC na estação de Imbituba. (Foto:
Caixa de embarque de carvão, com capacidade para 3 mil toneladas. (Foto: 
http://www.cdiport.com.br/porto/historia3.htm )
ICC - Tanques para armazenamento de ácidos (Foto: Blog Pena Digital)
Folha de S. Paulo, 02/02/1994.
O forte vento nordeste espalha o óxido de ferro. A substância é consequência da 
primeira etapa do beneficiamento da pirita carbonosa, parte do processo de fabricação 
do ácido sulfúrico. Esta notícia podia ser ouvida na década de 80 e início de 90, quando 
a Indústria Carboquímica Catarinense – ICC, ainda funcionava, mas ainda há relatos da 
intitulada na época “maldição da fumaça vermelha”, nos dias de hoje. 
(Foto e texto – com adaptações: http://www.bandeirantes1010.com.br/artigo/po-vermelho- 
ainda-incomoda-imbitubenses )
Montanhas de óxido de ferro (resíduo da ICC). (Foto: Blog Pena Digital)
Toneladas do óxido de ferro foram depositadas a céu aberto no bairro Vila 
Nova Alvorada. Além do pó vermelho, outro resíduo da ICC é o gesso, 
também depositado a céu aberto no local e em área contígua à da ICC. Com 
o fechamento da ICC, a empresa Engessul, hoje, Sul Gesso, adquiriu essas 
áreas onde estão depositados os resíduos e desde 2011 iniciou a exportação 
do óxido de ferro para o mercado siderúrgico chinês, tornando-se uma das 
maiores movimentadoras de cargas do Porto de Imbituba. 
Desde então a comunidade de Ribanceira de Cima vem sofrendo quando o 
vento nordeste atinge o município, levantando nuvens de pó vermelho que 
entram nas casas, cobrem os veículos e plantas. Sendo uma substância muito 
fina, se espalha muito rápido. A Senhora Maria Farias, 80 anos, já está 
cansada de limpar sua casa. “Para este natal, tivemos que limpar com um 
jato toda a casa, e pintá-la da cor do pó, porque a sujeira é demais e sempre 
volta”, comenta Maria. 
Fonte: http://www.bandeirantes1010.com.br/artigo/po-vermelho-ainda-incomoda- 
imbitubenses, 20/12/2013.
Água com resíduos do óxido de ferro. (Foto: Blog Pena Digital)
Mãos com resíduos do óxido de ferro. (Foto: Blog Pena Digital)
Manifestação organizada pela ACORDI (Associação Comunitária Rural de 
Imbituba) contra a instalação da Votorantim na Ribanceira. Em julho de 2010 
houve a desapropriação da área, vendida a 11 centavos o m² e a expulsão de 
um morador local. 
Foto: http://passapalavra.info/2010/08/27188.
Foto: http://passapalavra.info/2010/08/27188.
INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA 
Campus Garopaba 
O DISCURSO DO PROGRESSO EM IMBITUBA 
Professor Viegas Fernandes da Costa 
Material produzido para o componente 
curricular “História Local” do curso de Condutor 
Ambiental Local de Imbituba. 
2014 
Referências: 
-Goularti Filho, Alcides. O porto de Imbituba na formação do complexo carbonífero catarinense. Revista de 
História Regional , vol. 15, n. 2, p. 235-262 , 2010. 
-Mombelli, Raquel. Comunidade tradicional dos Areais da Ribanceira, Imbituba (SC): desenvolvimento, 
territorialidade e construção de direitos. Estudos sociológicos, v.18 n.35 p.325-345 jul.-dez. 2013. 
- Souza, Monique Latrônico de. A indústria carboquímica catarinense em Imbituba: uma história encoberta 
pela fumaça vermelha. Santa Catarina em História, vol.1, n.1, p. 99-107, 2007.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A história do bondinho do pão de açúcar
A história do bondinho do pão de açúcarA história do bondinho do pão de açúcar
A história do bondinho do pão de açúcar
Phellipecd
 
Universidade do vale o rio dos sinos2
Universidade do vale o rio dos sinos2Universidade do vale o rio dos sinos2
Universidade do vale o rio dos sinos2
Kássia Louise Morlin
 
Diagnóstico do bairro Ponta da Areia - Niterói/RJ
Diagnóstico do bairro Ponta da Areia - Niterói/RJDiagnóstico do bairro Ponta da Areia - Niterói/RJ
Diagnóstico do bairro Ponta da Areia - Niterói/RJ
Angélica Vidal
 
TIMÓTEO 53 ANOS 71 julia, mayne e talissa
TIMÓTEO 53 ANOS 71 julia, mayne e talissaTIMÓTEO 53 ANOS 71 julia, mayne e talissa
TIMÓTEO 53 ANOS 71 julia, mayne e talissa
muni2014
 
Porto 1914
Porto 1914Porto 1914
Porto 1914
JosSoares614411
 
Trabalho do rio tua
Trabalho do rio tuaTrabalho do rio tua
Trabalho do rio tua
PedroGil100
 
Grandes veleiros voltam ao Tejo
Grandes veleiros voltam ao TejoGrandes veleiros voltam ao Tejo
Grandes veleiros voltam ao Tejo
APL - Administração do Porto de Lisboa
 
Praia da barra e costa nova (1)
Praia da barra e costa nova (1)Praia da barra e costa nova (1)
Praia da barra e costa nova (1)
trilusofona
 
Zona sul 1
Zona sul 1Zona sul 1
Estação velha 07.06
Estação velha 07.06Estação velha 07.06
Estação velha 07.06
PIBIDSolondeLucena
 
A historia do bondinho do pao de acucar
A historia do bondinho do pao de acucarA historia do bondinho do pao de acucar
A historia do bondinho do pao de acucar
Carlos Alexandre Rodrigues
 
História de Alhos Vedros
História de Alhos VedrosHistória de Alhos Vedros
História de Alhos Vedros
Maria Moutinho
 
A história do bondinho do pão de (3)
A história do bondinho do pão de   (3)A história do bondinho do pão de   (3)
A história do bondinho do pão de (3)
Sylvia Lenz
 
História do porto o porto de leixões
História do porto   o porto de leixõesHistória do porto   o porto de leixões
História do porto o porto de leixões
Universidade Sénior Contemporânea do Porto
 
A história do bondinho do pão de açúcar
A história do bondinho do pão de açúcarA história do bondinho do pão de açúcar
A história do bondinho do pão de açúcar
aipaf
 

Mais procurados (15)

A história do bondinho do pão de açúcar
A história do bondinho do pão de açúcarA história do bondinho do pão de açúcar
A história do bondinho do pão de açúcar
 
Universidade do vale o rio dos sinos2
Universidade do vale o rio dos sinos2Universidade do vale o rio dos sinos2
Universidade do vale o rio dos sinos2
 
Diagnóstico do bairro Ponta da Areia - Niterói/RJ
Diagnóstico do bairro Ponta da Areia - Niterói/RJDiagnóstico do bairro Ponta da Areia - Niterói/RJ
Diagnóstico do bairro Ponta da Areia - Niterói/RJ
 
TIMÓTEO 53 ANOS 71 julia, mayne e talissa
TIMÓTEO 53 ANOS 71 julia, mayne e talissaTIMÓTEO 53 ANOS 71 julia, mayne e talissa
TIMÓTEO 53 ANOS 71 julia, mayne e talissa
 
Porto 1914
Porto 1914Porto 1914
Porto 1914
 
Trabalho do rio tua
Trabalho do rio tuaTrabalho do rio tua
Trabalho do rio tua
 
Grandes veleiros voltam ao Tejo
Grandes veleiros voltam ao TejoGrandes veleiros voltam ao Tejo
Grandes veleiros voltam ao Tejo
 
Praia da barra e costa nova (1)
Praia da barra e costa nova (1)Praia da barra e costa nova (1)
Praia da barra e costa nova (1)
 
Zona sul 1
Zona sul 1Zona sul 1
Zona sul 1
 
Estação velha 07.06
Estação velha 07.06Estação velha 07.06
Estação velha 07.06
 
A historia do bondinho do pao de acucar
A historia do bondinho do pao de acucarA historia do bondinho do pao de acucar
A historia do bondinho do pao de acucar
 
História de Alhos Vedros
História de Alhos VedrosHistória de Alhos Vedros
História de Alhos Vedros
 
A história do bondinho do pão de (3)
A história do bondinho do pão de   (3)A história do bondinho do pão de   (3)
A história do bondinho do pão de (3)
 
História do porto o porto de leixões
História do porto   o porto de leixõesHistória do porto   o porto de leixões
História do porto o porto de leixões
 
A história do bondinho do pão de açúcar
A história do bondinho do pão de açúcarA história do bondinho do pão de açúcar
A história do bondinho do pão de açúcar
 

Semelhante a O DISCURSO DO PROGRESSO EM IMBITUBA

Tombamento das Dunas da Ribanceira do Município de Imbituba (SC): parecer téc...
Tombamento das Dunas da Ribanceira do Município de Imbituba (SC): parecer téc...Tombamento das Dunas da Ribanceira do Município de Imbituba (SC): parecer téc...
Tombamento das Dunas da Ribanceira do Município de Imbituba (SC): parecer téc...
Viegas Fernandes da Costa
 
apostila-de-siderurgia
apostila-de-siderurgiaapostila-de-siderurgia
apostila-de-siderurgia
Nilson Bispo
 
História da Siderúrgica no Brasil
História da Siderúrgica no BrasilHistória da Siderúrgica no Brasil
História da Siderúrgica no Brasil
CRAFTA
 
A história do ferro no Brasil: entre as fábricas e a mineração
A história do ferro no Brasil: entre as fábricas e a mineraçãoA história do ferro no Brasil: entre as fábricas e a mineração
A história do ferro no Brasil: entre as fábricas e a mineração
MM Gerdau - Museu das Minas e do Metal
 
terr10_divers_recurs_subs_port ALUNOS.pptx
terr10_divers_recurs_subs_port ALUNOS.pptxterr10_divers_recurs_subs_port ALUNOS.pptx
terr10_divers_recurs_subs_port ALUNOS.pptx
RitaMagalhaes16
 
Ciclo da borracha
Ciclo da borrachaCiclo da borracha
Ciclo da borracha
gelsiaandrade1
 
Breve HistóRico De Santo André
Breve HistóRico De Santo AndréBreve HistóRico De Santo André
Breve HistóRico De Santo André
maria luiza de paula mazzucatto
 
Mudancas sociais no_barreiro
Mudancas sociais no_barreiroMudancas sociais no_barreiro
Mudancas sociais no_barreiro
Mélanie Rosa
 
Tst aula 02
Tst   aula 02Tst   aula 02
Tst aula 02
Bolivar Motta
 
Ferrovia no chile esta a 2850 metros acima do nível do mar – via trolebus
Ferrovia no chile esta a 2850 metros acima do nível do mar – via trolebusFerrovia no chile esta a 2850 metros acima do nível do mar – via trolebus
Ferrovia no chile esta a 2850 metros acima do nível do mar – via trolebus
Adauto Farias Bueno
 
Dos trilhos do café à grande indústria: uma passagem histórica da importância...
Dos trilhos do café à grande indústria: uma passagem histórica da importância...Dos trilhos do café à grande indústria: uma passagem histórica da importância...
Dos trilhos do café à grande indústria: uma passagem histórica da importância...
univesblogg
 
A ECONOMIA MARÍTIMA (AINDA) EXISTE?
A ECONOMIA MARÍTIMA (AINDA) EXISTE?A ECONOMIA MARÍTIMA (AINDA) EXISTE?
A ECONOMIA MARÍTIMA (AINDA) EXISTE?
portodeaveiro
 
Património cultural patrimonio industrial português -minas da aljustrel - a...
Património cultural   patrimonio industrial português -minas da aljustrel - a...Património cultural   patrimonio industrial português -minas da aljustrel - a...
Património cultural patrimonio industrial português -minas da aljustrel - a...
Artur Filipe dos Santos
 
Exploração numa Aldeia Esquecida
Exploração numa Aldeia EsquecidaExploração numa Aldeia Esquecida
Exploração numa Aldeia Esquecida
ummurronamesa
 
Restauro MuCi - Museu da Cidade
Restauro MuCi - Museu da CidadeRestauro MuCi - Museu da Cidade
Restauro MuCi - Museu da Cidade
Stephanie Ribeiro
 
Cutelaria
CutelariaCutelaria
Cutelaria
iurypreto
 
Histórico e evolução da cana
Histórico e evolução da canaHistórico e evolução da cana
Histórico e evolução da cana
ANTONIO INACIO FERRAZ
 
Histórico e evolução da cana
Histórico e evolução da canaHistórico e evolução da cana
Histórico e evolução da cana
Antonio Inácio Ferraz
 
Minas Gerais & Recursos minerais
Minas Gerais & Recursos mineraisMinas Gerais & Recursos minerais
Minas Gerais & Recursos minerais
Lara Judith
 
Recursos do Subsolo-2
Recursos do Subsolo-2Recursos do Subsolo-2
Recursos do Subsolo-2
Idalina Leite
 

Semelhante a O DISCURSO DO PROGRESSO EM IMBITUBA (20)

Tombamento das Dunas da Ribanceira do Município de Imbituba (SC): parecer téc...
Tombamento das Dunas da Ribanceira do Município de Imbituba (SC): parecer téc...Tombamento das Dunas da Ribanceira do Município de Imbituba (SC): parecer téc...
Tombamento das Dunas da Ribanceira do Município de Imbituba (SC): parecer téc...
 
apostila-de-siderurgia
apostila-de-siderurgiaapostila-de-siderurgia
apostila-de-siderurgia
 
História da Siderúrgica no Brasil
História da Siderúrgica no BrasilHistória da Siderúrgica no Brasil
História da Siderúrgica no Brasil
 
A história do ferro no Brasil: entre as fábricas e a mineração
A história do ferro no Brasil: entre as fábricas e a mineraçãoA história do ferro no Brasil: entre as fábricas e a mineração
A história do ferro no Brasil: entre as fábricas e a mineração
 
terr10_divers_recurs_subs_port ALUNOS.pptx
terr10_divers_recurs_subs_port ALUNOS.pptxterr10_divers_recurs_subs_port ALUNOS.pptx
terr10_divers_recurs_subs_port ALUNOS.pptx
 
Ciclo da borracha
Ciclo da borrachaCiclo da borracha
Ciclo da borracha
 
Breve HistóRico De Santo André
Breve HistóRico De Santo AndréBreve HistóRico De Santo André
Breve HistóRico De Santo André
 
Mudancas sociais no_barreiro
Mudancas sociais no_barreiroMudancas sociais no_barreiro
Mudancas sociais no_barreiro
 
Tst aula 02
Tst   aula 02Tst   aula 02
Tst aula 02
 
Ferrovia no chile esta a 2850 metros acima do nível do mar – via trolebus
Ferrovia no chile esta a 2850 metros acima do nível do mar – via trolebusFerrovia no chile esta a 2850 metros acima do nível do mar – via trolebus
Ferrovia no chile esta a 2850 metros acima do nível do mar – via trolebus
 
Dos trilhos do café à grande indústria: uma passagem histórica da importância...
Dos trilhos do café à grande indústria: uma passagem histórica da importância...Dos trilhos do café à grande indústria: uma passagem histórica da importância...
Dos trilhos do café à grande indústria: uma passagem histórica da importância...
 
A ECONOMIA MARÍTIMA (AINDA) EXISTE?
A ECONOMIA MARÍTIMA (AINDA) EXISTE?A ECONOMIA MARÍTIMA (AINDA) EXISTE?
A ECONOMIA MARÍTIMA (AINDA) EXISTE?
 
Património cultural patrimonio industrial português -minas da aljustrel - a...
Património cultural   patrimonio industrial português -minas da aljustrel - a...Património cultural   patrimonio industrial português -minas da aljustrel - a...
Património cultural patrimonio industrial português -minas da aljustrel - a...
 
Exploração numa Aldeia Esquecida
Exploração numa Aldeia EsquecidaExploração numa Aldeia Esquecida
Exploração numa Aldeia Esquecida
 
Restauro MuCi - Museu da Cidade
Restauro MuCi - Museu da CidadeRestauro MuCi - Museu da Cidade
Restauro MuCi - Museu da Cidade
 
Cutelaria
CutelariaCutelaria
Cutelaria
 
Histórico e evolução da cana
Histórico e evolução da canaHistórico e evolução da cana
Histórico e evolução da cana
 
Histórico e evolução da cana
Histórico e evolução da canaHistórico e evolução da cana
Histórico e evolução da cana
 
Minas Gerais & Recursos minerais
Minas Gerais & Recursos mineraisMinas Gerais & Recursos minerais
Minas Gerais & Recursos minerais
 
Recursos do Subsolo-2
Recursos do Subsolo-2Recursos do Subsolo-2
Recursos do Subsolo-2
 

Mais de Viegas Fernandes da Costa

Antigos reinos africanos
Antigos reinos africanosAntigos reinos africanos
Antigos reinos africanos
Viegas Fernandes da Costa
 
Hemeroteca Digital Catarinense
Hemeroteca Digital CatarinenseHemeroteca Digital Catarinense
Hemeroteca Digital Catarinense
Viegas Fernandes da Costa
 
Território em disputa: o reconhecimento das Dunas da Ribanceira (Imbituba, SC...
Território em disputa: o reconhecimento das Dunas da Ribanceira (Imbituba, SC...Território em disputa: o reconhecimento das Dunas da Ribanceira (Imbituba, SC...
Território em disputa: o reconhecimento das Dunas da Ribanceira (Imbituba, SC...
Viegas Fernandes da Costa
 
Tarde.
Tarde. Tarde.
A INCLUSÃO DO PATRIMÔNIO ARQUEOLÓGICO DE GAROPABA (SC) NO PROJETO DE FORTALEC...
A INCLUSÃO DO PATRIMÔNIO ARQUEOLÓGICO DE GAROPABA (SC) NO PROJETO DE FORTALEC...A INCLUSÃO DO PATRIMÔNIO ARQUEOLÓGICO DE GAROPABA (SC) NO PROJETO DE FORTALEC...
A INCLUSÃO DO PATRIMÔNIO ARQUEOLÓGICO DE GAROPABA (SC) NO PROJETO DE FORTALEC...
Viegas Fernandes da Costa
 
Centro histórico de Garopaba: relações entre patrimônio e identidade
Centro histórico de Garopaba: relações entre patrimônio e identidadeCentro histórico de Garopaba: relações entre patrimônio e identidade
Centro histórico de Garopaba: relações entre patrimônio e identidade
Viegas Fernandes da Costa
 
Educação Patrimonial_Aulas 1 e 2
Educação Patrimonial_Aulas 1 e 2Educação Patrimonial_Aulas 1 e 2
Educação Patrimonial_Aulas 1 e 2
Viegas Fernandes da Costa
 
Turismo e paisagens históricas nas vilas litorâneas catarinenses
Turismo e paisagens históricas nas vilas litorâneas catarinensesTurismo e paisagens históricas nas vilas litorâneas catarinenses
Turismo e paisagens históricas nas vilas litorâneas catarinenses
Viegas Fernandes da Costa
 
TURISMO ARQUEOLÓGICO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: A possibilidade de aprov...
 TURISMO ARQUEOLÓGICO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: A possibilidade de aprov... TURISMO ARQUEOLÓGICO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: A possibilidade de aprov...
TURISMO ARQUEOLÓGICO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: A possibilidade de aprov...
Viegas Fernandes da Costa
 
História de Santa Catarina
História de Santa CatarinaHistória de Santa Catarina
História de Santa Catarina
Viegas Fernandes da Costa
 
Turismo, vestígios arqueológicos e perspectivas de desenvolvimento em garopab...
Turismo, vestígios arqueológicos e perspectivas de desenvolvimento em garopab...Turismo, vestígios arqueológicos e perspectivas de desenvolvimento em garopab...
Turismo, vestígios arqueológicos e perspectivas de desenvolvimento em garopab...
Viegas Fernandes da Costa
 
Historia da arte 1
Historia da arte 1Historia da arte 1
Historia da arte 1
Viegas Fernandes da Costa
 
História de Garopaba, Imbituba e Imaruí
História de Garopaba, Imbituba e ImaruíHistória de Garopaba, Imbituba e Imaruí
História de Garopaba, Imbituba e Imaruí
Viegas Fernandes da Costa
 
Patrimônio pré colonial de Garopaba e Imbituba
Patrimônio pré colonial de Garopaba e ImbitubaPatrimônio pré colonial de Garopaba e Imbituba
Patrimônio pré colonial de Garopaba e Imbituba
Viegas Fernandes da Costa
 
Cultura, Memória, Identidade e Desenvolvimento
Cultura, Memória, Identidade e DesenvolvimentoCultura, Memória, Identidade e Desenvolvimento
Cultura, Memória, Identidade e Desenvolvimento
Viegas Fernandes da Costa
 
História de Santa Catarina: imigração e pluralidade étnica
História de Santa Catarina: imigração e pluralidade étnicaHistória de Santa Catarina: imigração e pluralidade étnica
História de Santa Catarina: imigração e pluralidade étnica
Viegas Fernandes da Costa
 
Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)
Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)
Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)
Viegas Fernandes da Costa
 
Catálogo da Exposição Fotográfica O PATRIMÔNIO CULTURAL NO OLHAR DOS CONDUTOR...
Catálogo da Exposição Fotográfica O PATRIMÔNIO CULTURAL NO OLHAR DOS CONDUTOR...Catálogo da Exposição Fotográfica O PATRIMÔNIO CULTURAL NO OLHAR DOS CONDUTOR...
Catálogo da Exposição Fotográfica O PATRIMÔNIO CULTURAL NO OLHAR DOS CONDUTOR...
Viegas Fernandes da Costa
 
A redução sociológica de Guerreiro Ramos
A redução sociológica de Guerreiro RamosA redução sociológica de Guerreiro Ramos
A redução sociológica de Guerreiro Ramos
Viegas Fernandes da Costa
 
Questões a respeito da governança pública
Questões a respeito da governança públicaQuestões a respeito da governança pública
Questões a respeito da governança pública
Viegas Fernandes da Costa
 

Mais de Viegas Fernandes da Costa (20)

Antigos reinos africanos
Antigos reinos africanosAntigos reinos africanos
Antigos reinos africanos
 
Hemeroteca Digital Catarinense
Hemeroteca Digital CatarinenseHemeroteca Digital Catarinense
Hemeroteca Digital Catarinense
 
Território em disputa: o reconhecimento das Dunas da Ribanceira (Imbituba, SC...
Território em disputa: o reconhecimento das Dunas da Ribanceira (Imbituba, SC...Território em disputa: o reconhecimento das Dunas da Ribanceira (Imbituba, SC...
Território em disputa: o reconhecimento das Dunas da Ribanceira (Imbituba, SC...
 
Tarde.
Tarde. Tarde.
Tarde.
 
A INCLUSÃO DO PATRIMÔNIO ARQUEOLÓGICO DE GAROPABA (SC) NO PROJETO DE FORTALEC...
A INCLUSÃO DO PATRIMÔNIO ARQUEOLÓGICO DE GAROPABA (SC) NO PROJETO DE FORTALEC...A INCLUSÃO DO PATRIMÔNIO ARQUEOLÓGICO DE GAROPABA (SC) NO PROJETO DE FORTALEC...
A INCLUSÃO DO PATRIMÔNIO ARQUEOLÓGICO DE GAROPABA (SC) NO PROJETO DE FORTALEC...
 
Centro histórico de Garopaba: relações entre patrimônio e identidade
Centro histórico de Garopaba: relações entre patrimônio e identidadeCentro histórico de Garopaba: relações entre patrimônio e identidade
Centro histórico de Garopaba: relações entre patrimônio e identidade
 
Educação Patrimonial_Aulas 1 e 2
Educação Patrimonial_Aulas 1 e 2Educação Patrimonial_Aulas 1 e 2
Educação Patrimonial_Aulas 1 e 2
 
Turismo e paisagens históricas nas vilas litorâneas catarinenses
Turismo e paisagens históricas nas vilas litorâneas catarinensesTurismo e paisagens históricas nas vilas litorâneas catarinenses
Turismo e paisagens históricas nas vilas litorâneas catarinenses
 
TURISMO ARQUEOLÓGICO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: A possibilidade de aprov...
 TURISMO ARQUEOLÓGICO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: A possibilidade de aprov... TURISMO ARQUEOLÓGICO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: A possibilidade de aprov...
TURISMO ARQUEOLÓGICO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: A possibilidade de aprov...
 
História de Santa Catarina
História de Santa CatarinaHistória de Santa Catarina
História de Santa Catarina
 
Turismo, vestígios arqueológicos e perspectivas de desenvolvimento em garopab...
Turismo, vestígios arqueológicos e perspectivas de desenvolvimento em garopab...Turismo, vestígios arqueológicos e perspectivas de desenvolvimento em garopab...
Turismo, vestígios arqueológicos e perspectivas de desenvolvimento em garopab...
 
Historia da arte 1
Historia da arte 1Historia da arte 1
Historia da arte 1
 
História de Garopaba, Imbituba e Imaruí
História de Garopaba, Imbituba e ImaruíHistória de Garopaba, Imbituba e Imaruí
História de Garopaba, Imbituba e Imaruí
 
Patrimônio pré colonial de Garopaba e Imbituba
Patrimônio pré colonial de Garopaba e ImbitubaPatrimônio pré colonial de Garopaba e Imbituba
Patrimônio pré colonial de Garopaba e Imbituba
 
Cultura, Memória, Identidade e Desenvolvimento
Cultura, Memória, Identidade e DesenvolvimentoCultura, Memória, Identidade e Desenvolvimento
Cultura, Memória, Identidade e Desenvolvimento
 
História de Santa Catarina: imigração e pluralidade étnica
História de Santa Catarina: imigração e pluralidade étnicaHistória de Santa Catarina: imigração e pluralidade étnica
História de Santa Catarina: imigração e pluralidade étnica
 
Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)
Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)
Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)
 
Catálogo da Exposição Fotográfica O PATRIMÔNIO CULTURAL NO OLHAR DOS CONDUTOR...
Catálogo da Exposição Fotográfica O PATRIMÔNIO CULTURAL NO OLHAR DOS CONDUTOR...Catálogo da Exposição Fotográfica O PATRIMÔNIO CULTURAL NO OLHAR DOS CONDUTOR...
Catálogo da Exposição Fotográfica O PATRIMÔNIO CULTURAL NO OLHAR DOS CONDUTOR...
 
A redução sociológica de Guerreiro Ramos
A redução sociológica de Guerreiro RamosA redução sociológica de Guerreiro Ramos
A redução sociológica de Guerreiro Ramos
 
Questões a respeito da governança pública
Questões a respeito da governança públicaQuestões a respeito da governança pública
Questões a respeito da governança pública
 

Último

OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 

Último (20)

OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 

O DISCURSO DO PROGRESSO EM IMBITUBA

  • 1. O DISCURSO DO PROGRESSO EM IMBITUBA Profº Viegas Fernandes da Costa
  • 2.  Ainda que surja como armação baleeira em 1715, o núcleo urbano de Imbituba começa a se desenvolver a partir da segunda metade do século XIX, com a construção do Porto de Imbituba como alternativa para o escoamento do carvão mineral explorado mais ao sul, em regiões como Lauro Müller e Tubarão.  Portanto, o porto não foi consequência do desenvolvimento da Vila, mas resultado de um fator externo ao seu território (a descoberta do carvão).  Em sua primeira fase, o porto desenvolve-se com capital e projeto ingleses.  Imbituba apresentava-se como uma alternativa ao porto de Laguna, cujo assoreamento não permitia a ancoragem de navios de grande calado.  Interesses político-econômicos levaram a diversos conflitos entre Laguna e Imbituba. Após a saída dos ingleses, em 1902, o porto de Imbituba é praticamente abandonado. Outro argumento era risco que o porto de Imbituba oferecia às embarcações, já que os fortes ventos, o mar aberto e a falta de um quebra-mar representavam a possibilidade de acidentes e naufrágios.
  • 3.  Em 1919 Henrique Lage obteve a concessão de exploração do porto.  A eclosão da I Guerra Mundial, que dificultou a importação de carvão, deu novo impulso à exploração carvoeira em Santa Catarina.  Em 1931 Vargas (nacionalista) institui a obrigatoriedade de que 10% do consumo de carvão no Brasil seja de produto nacional. Com a II Guerra a demanda pelo carvão aumenta.  Em 1969, foi fundada a ICC (Indústria Carboquímica Catarinense), empresa pertencente ao Grupo Petrofértil, que produzia insumos para indústria de fertilizantes a partir do enxofre extraído da pirita carbonosa (rejeito do carvão) derivando o ácido sulfúrico somado ao ácido fosfórico.  A construção da ICC, inaugurada em 1979, fazia parte dos objetivos do II PND (Plano Nacional de Desenvolvimento). Para descarregar a rocha fosfática, matéria-prima para a produção do ácido fosfórico, e para escoar toda a produção de ácido sulfúrico e fosfórico, o porto de Imbituba deveria ampliar suas instalações. (Alcides Goularti Filho).  Em 1990, o governo Collor liberou por completo a importação do carvão metalúrgico e fechou as minas da CSN.
  • 4. Obras de ampliação do porto de Imbituba. Possivelmente década de 1930. (Foto: www.portogente.com.br)
  • 5.
  • 6. Composição da EFDTC na estação de Imbituba. (Foto:
  • 7. Caixa de embarque de carvão, com capacidade para 3 mil toneladas. (Foto: http://www.cdiport.com.br/porto/historia3.htm )
  • 8. ICC - Tanques para armazenamento de ácidos (Foto: Blog Pena Digital)
  • 9. Folha de S. Paulo, 02/02/1994.
  • 10. O forte vento nordeste espalha o óxido de ferro. A substância é consequência da primeira etapa do beneficiamento da pirita carbonosa, parte do processo de fabricação do ácido sulfúrico. Esta notícia podia ser ouvida na década de 80 e início de 90, quando a Indústria Carboquímica Catarinense – ICC, ainda funcionava, mas ainda há relatos da intitulada na época “maldição da fumaça vermelha”, nos dias de hoje. (Foto e texto – com adaptações: http://www.bandeirantes1010.com.br/artigo/po-vermelho- ainda-incomoda-imbitubenses )
  • 11. Montanhas de óxido de ferro (resíduo da ICC). (Foto: Blog Pena Digital)
  • 12. Toneladas do óxido de ferro foram depositadas a céu aberto no bairro Vila Nova Alvorada. Além do pó vermelho, outro resíduo da ICC é o gesso, também depositado a céu aberto no local e em área contígua à da ICC. Com o fechamento da ICC, a empresa Engessul, hoje, Sul Gesso, adquiriu essas áreas onde estão depositados os resíduos e desde 2011 iniciou a exportação do óxido de ferro para o mercado siderúrgico chinês, tornando-se uma das maiores movimentadoras de cargas do Porto de Imbituba. Desde então a comunidade de Ribanceira de Cima vem sofrendo quando o vento nordeste atinge o município, levantando nuvens de pó vermelho que entram nas casas, cobrem os veículos e plantas. Sendo uma substância muito fina, se espalha muito rápido. A Senhora Maria Farias, 80 anos, já está cansada de limpar sua casa. “Para este natal, tivemos que limpar com um jato toda a casa, e pintá-la da cor do pó, porque a sujeira é demais e sempre volta”, comenta Maria. Fonte: http://www.bandeirantes1010.com.br/artigo/po-vermelho-ainda-incomoda- imbitubenses, 20/12/2013.
  • 13. Água com resíduos do óxido de ferro. (Foto: Blog Pena Digital)
  • 14. Mãos com resíduos do óxido de ferro. (Foto: Blog Pena Digital)
  • 15. Manifestação organizada pela ACORDI (Associação Comunitária Rural de Imbituba) contra a instalação da Votorantim na Ribanceira. Em julho de 2010 houve a desapropriação da área, vendida a 11 centavos o m² e a expulsão de um morador local. Foto: http://passapalavra.info/2010/08/27188.
  • 17. INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA Campus Garopaba O DISCURSO DO PROGRESSO EM IMBITUBA Professor Viegas Fernandes da Costa Material produzido para o componente curricular “História Local” do curso de Condutor Ambiental Local de Imbituba. 2014 Referências: -Goularti Filho, Alcides. O porto de Imbituba na formação do complexo carbonífero catarinense. Revista de História Regional , vol. 15, n. 2, p. 235-262 , 2010. -Mombelli, Raquel. Comunidade tradicional dos Areais da Ribanceira, Imbituba (SC): desenvolvimento, territorialidade e construção de direitos. Estudos sociológicos, v.18 n.35 p.325-345 jul.-dez. 2013. - Souza, Monique Latrônico de. A indústria carboquímica catarinense em Imbituba: uma história encoberta pela fumaça vermelha. Santa Catarina em História, vol.1, n.1, p. 99-107, 2007.